Revista Brasileira
de Terapia Comportamental
e Cognitiva
ISSN 1982-3541
2011, Vol. XIII, nº 2, 33-45
Intervenção para pais adotivos na perspectiva
da análise do comportamento
Intervention for adoptive parents under the behavior
analysis perspective
Margarette Matesco Rocha *
Maura Glória de Freitas **
Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento – Universidade Estadual de Londrina.
Resumo
Este trabalho tem por objetivo apresentar as estratégias utilizadas na etapa inicial de um programa de intervenção em grupo para pais adotivos. Essa etapa foi denominada de Sensibilização e o objetivo foi descaracterizar a adoção como um fator de risco para os comportamentos problemáticos apresentados pelos filhos.
Assim, para o desenvolvimento desse programa, foram formados dois grupos por conveniência, com oito
participantes cada um, onde a faixa etária dos pais variou entre 26 e 55 anos de idade. O procedimento foi
similar nos dois grupos, constou de seis sessões e foi constituído de três fases: avaliação inicial, intervenção
e avaliação do programa (conteúdos). Os resultados demonstraram, pelo relato dos pais, que a condição de
ser filho por adoção, influenciava as práticas educativas. Com a intervenção, observou-se o reconhecimento do papel das interações familiares para o desenvolvimento e manutenção dos comportamentos dos filhos
e o desmitificar da adoção como causa ou explicação dos comportamentos dos filhos.
Palavras-chave: adoção; fator de risco; análise do comportamento.
*Rua Jerusalém, 120, Apto 101, Bloco 2 - Residencial do Lago - CEP 86050-520 - Londrina - Paraná - Telefone (43) 3348-7896/ (43) 9952-5251 - margarette@uel.br
** maurafreitas@igmail.com.br
33
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
Abstract
This work aims to present strategies used during the initial phase of an intervention program for adoptive
parents. This phase was named Sensitiveness and the objective was to mischaracterize adoption as a risk
towards the children problematic behaviors. Therefore, to develop the program, two convenience groups
were designed, composed by eight parents each, whose ages were between 26 and 55 years old. The procedure was similar for both groups, developed in six sessions and three stages: initial evaluation, intervention
and content program evaluation. According to parent’s reports, adoption had a clear influence over their
educational practices. After the intervention, family interaction’s roles concerning the development and
perpetuation of children’s behavior were recognized, also demystifying adoption as a probable cause of
problem behaviors.
Keywords: adoption; risk factor; behavioral analysis.
Introdução
Atualmente, as definições de adoção explicitam que
as interações estabelecidas neste tipo de filiação não
implicam apenas na qualificação de alguém ao status de filho, mas sim em todos os papéis sociais que
envolvem uma família. Assim, conferir à adoção o
sentido de constituir uma família trata-se de um ato
legal, legítimo e afetivo como definido por Freire
(2001, p. 21):
“Adoção é um processo afetivo e legal, por
meio do qual uma criança passa a ser filho de
um adulto ou de um casal. De forma complementar, é o meio pelo qual um adulto ou casal
de adultos passa a ser pais de uma criança gerada por outras pessoas. Adotar é então tornar
“filho”, pela lei e pelo afeto, uma criança que
perdeu ou nunca teve a proteção daqueles que
a geraram.”
Ao longo da história de muitas culturas, o estabelecimento de vínculos de filiação e paternidade, por
meio da prática de adoção, nem sempre foi consti34
tuído de forma harmoniosa. A adoção já foi posta
por meios jurídicos como possibilidade de agravante familiar e, para tanto, cláusulas de dissolução de
tal vínculo eram bem explicitadas em antigos códigos, principalmente no que tange a partilha de
herança e discordância pessoal ou moral entre os
particulares (Lei 3.133, de 08/05/1957 e Lei 3.071
de 01/01/1916).
Tais leis preservavam em sua maioria os direitos
e integridade dos adotantes e pouco era referido à
qualidade de tratamento oferecida aos adotados.
Após uma revisão necessária e tardia das leis em vigência e com a promulgação do Estatuto da Criança
e do Adolescente (ECA), a integridade do adotado
passou a ser assistida, pelo menos legalmente, de
forma mais adequada (Lei 8.069 de 13/07/1990, capítulo III).
Analisando a reformulação mais recente do processo de adoção, expressa na Lei nº 12.010, de 03 de
agosto de 2009, Maux e Dutra (2010) afirmam que
ainda há subestimação das famílias substitutas, com
parágrafos na nova lei (por exemplo, Art.28 §3º)
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
privilegiando a dimensão biológica da família e deixando a colocação em família substituta em segundo plano.
Apesar disso, a indissolução do vínculo de filiação
e paternidade representou uma sensibilização social
em relação às famílias por adoção e a qualidade de
vida que delas decorrem, além de expressar a validação desta configuração familiar como as demais já
validadas socialmente. Contudo, há ainda muita desinformação sobre a realidade das famílias adotivas,
o que favorece a sustentação de diversas crenças que
orienta conceitos sobre o tema e práticas familiares e
profissionais em relação a essa população.
Algumas dessas crenças foram descritas por Weber
(2001): filhos adotivos sempre têm problemas; filhos adotivos sempre pensam na família de origem
e querem conhecê-la; escolher a criança a ser adotada facilita o vínculo; pessoas mais esclarecidas são
menos exigentes e têm menor preconceito; filhos
adotivos de cor de pele diferente têm mais problemas em relação à discriminação; pais que têm filhos
biológicos e adotivos têm mais sentimentos positivos pelos biológicos; é melhor a criança não saber
de sua adoção; é melhor não falar muito do assunto
com o filho adotivo para não potencializar a importância da origem; filhos adotados têm dificuldade
para amar seus pais adotivos.
Dentre essas, Weber (2001) considera que a crença filhos adotivos sempre têm problemas subsidia
as demais e favorece uma postura iatrogênica dos
profissionais da área de psicologia e psiquiatria que
criam relações causais, colocando os problemas de
comportamentos da criança adotada como efeitos da
adoção. Para a autora, essa postura decorre das escassas pesquisas científicas sobre a adoção no Bra-
sil, o que contribuiu para a generalização de casos
dramáticos e a formação de preconceitos e estereótipos em relação à adoção. A autora acrescenta ainda
que a visão desses profissionais é compartilhada por
um número expressivo de pessoas que também exprimem ideias preconcebidas e estereotipadas acerca da adoção, tais como: crianças adotadas, cedo ou
tarde, trazem problemas; ou ainda acreditam que o
fato da criança saber da sua condição de adotada
traz mais problemas para a família (Weber, 2001).
Para Weber (2001) forma-se, desta maneira, uma representação limitada e errônea em relação à adoção
e, principalmente, em relação aos filhos adotivos,
vistos como crianças problemáticas, revoltadas,
ingratas com quem lhes acolheu, incapazes de superar o “trauma” do seu abandono e fadadas a repetir comportamentos, supostamente inadequados,
de seus pais biológicos (o medo da hereditariedade
desconhecida da criança).
Essas crenças, possivelmente têm subsidiado o surgimento, nas clínicas psicológicas, de uma população de crianças adotadas (Keyes, Sharma, Elkins,
Iacono & McGue, 2008; Lee & Matarazzo, 2001;
Nickman et al., 2005), trazidas para atendimentos
de caráter preventivo ou remediativo de comportamentos inadequados, pré-diagnosticados por pais,
psicólogos e psiquiatras como existentes pelo fato
de serem adotadas. Essa prática contribui, cada vez
mais, para o fortalecimento dos mitos que perpassam a realidade das famílias por adoção e para a
manutenção da relação direta que acaba por estabelecer que as crianças adotadas sejam mais vulneráveis a riscos psicológicos (Maux & Dutra, 2010;
Palacios & Brodzinsky, 2010). Para Porch (2007),
além de outros profissionais que lidam com crianças nos mais diferentes contextos, os psicólogos
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
35
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
que atuam em clínica precisam compreender que a
adoção é simplesmente um modo bem sucedido de
formar uma família e que, para muitas crianças e
pais, é a melhor alternativa ou solução.
O conceito de risco normalmente é utilizado para a
caracterização de eventos indesejáveis, estatisticamente atípicos e prejudiciais para o grupo social ou
mesmo para o próprio indivíduo. Para Eisenstein e
Souza (1993), risco é a probabilidade da ocorrência
de algum evento indesejável e não está isolado ou
independente do contexto social, mas sim interrelacionado a uma complexa rede de fatores e interesses
culturais, históricos, políticos, sócio-econômicos e
ambientais. Com isso, um evento que pode ser considerado de risco por uma pessoa pode não o ser
para outra. Além disso, o que pode ser percebido
como risco em um momento da vida, pode não se
apresentar como tal em outro.
De acordo com Oliveira (1998), para caracterizar
certas condições como favoráveis à ocorrência de
eventos indesejáveis, deve-se estudar tais condições
de risco e como elas se apresentam: 1) multifatoriais, no sentido de que um dado isolado não condiciona risco a um dado evento e 2) específicas ao
organismo e contexto, o que requer a compreensão
de como uma possível relação de dependência entre
eventos foi aprendida e mantida ao longo da vida
do indivíduo, contribuindo para sua ocorrência nos
eventos de vida atuais. Para o autor, antes de declarar que determinadas condições de vida adversas
são consideradas de risco para um indivíduo, é necessário considerar quais as características específicas do grupo que podem interagir com aquelas condições e quais contextos específicos tornam aquelas
condições favoráveis ao desenvolvimento de comportamentos considerados problemáticos.
36
Estudos que avaliaram a relação entre adoção e risco
psicológico (Bronsdisky, 1993; Haugaard, 1998; Borders, Black & Pasley, 1998; Peters, Atkins & Mckay,
1999; Freundlich, 2002; Jonhson, 2002; Nickman et
al, 2005) afirmam que não há dados conclusivos sobre o tema, consequentemente é inapropriado basear
práticas ou políticas de prevenção considerando que
a adoção, per se, coloca a criança em risco para o
desenvolvimento de problemas de comportamento.
Essa suposta relação representa uma contradição em
relação ao movimento social, político e jurídico em
prol da adoção, pois este enfatiza os benefícios da
criança viver em família adotiva em detrimento das
opções dispostas pela sociedade, tais como o cuidado
em instituições, a guarda provisória ou as experiências de abuso e negligência que ocorrem na família
biológica (Brodzinsky, 2007).
Além disso, considerar a adoção como fator de risco
para problemas de comportamento implica em atribuir
a esse processo uma função causal que explicaria o
comportamento do indivíduo adotado. Nessa direção
se posiciona Brodzinsky (1993; 2007), que enfatiza
ser comum constatar o destaque dado para a adoção
como uma variável significativamente convincente
para explicar o aprendizado e a manutenção dos problemas de comportamentos apresentados por algumas
dessas crianças. Em suma, o que se constata é que a
sociedade enfatiza que a causa subjacente, para os problemas da criança adotada, é a própria adoção.
Compreender os comportamentos da criança adotada sob uma perspectiva de comportamentos aprendidos ao longo da história de vida requer resgatar
o posicionamento de Skinner (2007/1981) com relação ao comportamento e compreendê-lo como o
produto de três tipos de seleção por consequências:
filogenéticas, ontogenéticas e culturais. O modelo
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
explicativo do comportamento, baseado no modo
causal de seleção por consequências, considera que
as contingências ontogenéticas de reforçamento selecionam os comportamentos durante a vida do indivíduo, sendo, portanto, o ambiente o agente causal,
não no sentido de iniciar ou eliciar comportamentos, mas no de selecioná-los (Micheleto, 1997).
Com isso, o modelo de seleção por consequências
dá origem a novos comportamentos seguindo um
processo similar ao de seleção natural que dá origem a novas espécies. Considerando esses aspectos, a análise de um dado comportamento focaliza
o contexto de interação em que o indivíduo vive,
investigando as contingências passadas e atuais.
Dessa forma, os comportamentos são considerados
como produto do processo de aprendizagem ao qual
o indivíduo foi exposto ao longo de sua vida e não
há nada nesses processos de aprendizagem em si
que seja certo ou errado, doente ou saudável, sendo, portanto, qualquer comportamento adequado ao
contexto ao qual foi exposto (Gongora, 2003).
Com base nos pressupostos teóricos propostos por
Skinner para a compreensão do aprendizado e manutenção dos comportamentos, esse artigo apresenta as
estratégias aplicadas na avaliação e intervenção em
uma das etapas de um programa em grupo oferecido
a pais adotivos. Nesta etapa o objetivo principal era, a
partir da análise funcional das interações familiares,
descaracterizar a adoção como fator causal ou explicativo para os comportamentos ditos problemáticos
apresentados pelos filhos adotivos.
Método
O programa de intervenção foi realizado em duas
etapas: (1) Sensibilização (6 sessões) e (2) Treino de
Habilidades Sociais (10 sessões). Para o alcance dos
objetivos deste trabalho serão apresentados somente
os procedimentos adotados nas três fases (avaliações
e intervenção) da Etapa de Sensibilização.
Participantes
Participaram deste estudo 16 pais que atendiam aos
critérios de seleção: ter filho(s) adotado(s) e com
idade entre 5 e 10 anos. Os pais foram distribuídos,
de acordo com a disponibilidade de horário, em dois
grupos com oito participantes cada um. Em ambos
os grupos o número de mães era superior (75%) ao
número de pais (25%), a idade dos participantes
variava entre 26 e 55 anos e com concentração de
escolaridade (68,75%) na faixa do ensino médio.
Cerca de 80% das crianças foram adotadas ainda
bebês (entre 0 e 6 meses) e na época do atendimento
a idade delas variava entre 3 e 10 anos.
Local
A intervenção foi realizada em uma clínica-escola
de uma Universidade Pública do Estado do Paraná.
Instrumentos
Os dados que subsidiaram a escolha dos conteúdos
para esta etapa do programa foram coletados por
meio de uma entrevista semi-estruturada, contendo 13 questões, distribuídas em: (a) Levantamento da queixa (8 questões): descrição do comportamento-problema, frequência, duração, locais de
ocorrência, fatores marcantes no início do problema, atribuições ao mesmo, tentativas de mudança,
consequências do problema para a própria pessoa
e para o(s) filho (s) e relato da última ocorrência
do problema e; (b) Dados referentes à adoção (5
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
37
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
questões), averiguando o conhecimento que os pais
tinham sobre o tipo de adoção ( legal ou ilegal; intrarracial; tardia ou precoce, aberta ou fechada);
sobre o processo jurídico que tratava da adoção,
bem como por meio de que pessoas essas informações foram fornecidas; quais pessoas próximas
(a própria criança, professores, vizinhos, parentes,
etc.) conheciam o processo da adoção; a reação da
criança e das pessoas próximas quando souberam
da adoção; a participação dos pais em algum tipo de
serviço de preparação para adoção ou acompanhamento após terem adotado.
A fim de verificar qual o nível de contribuição da
intervenção para esclarecimento dos temas abordados nessa etapa do programa (aspectos jurídicos
da adoção, revelação ao filho(a) da sua condição
de adotado(a), mitos e preconceitos sobre a adoção
e como falar ao(a) filho(a) sobre os pais biológicos), foram elaboradas cinco questões, envolvendo três opções de resposta: (1) “não contribuiu”,
(2) “contribuiu mais ou menos”; (3) “contribuiu”.
Para análise dos dados foi considerada a somatória
simples dos itens avaliados, com a maior pontuação representando contribuição total e a menor
a falta de contribuição do programa naquele item
avaliado.
Procedimento
Os participantes foram recrutados na clínica-escola
da instituição em que o estudo foi realizado e, também, por meio da divulgação do projeto em ônibus
coletivos urbanos (cartazes) e clínicas pediátricas
(cartazes e folders).
Foram selecionados 21 pais que atendiam os critérios de seleção; porém, 16 deles aceitaram participar
38
de todas as etapas do programa. Antes de iniciar a
coleta de dados, os pais assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, que cumpriu todos
os requisitos da Resolução 196/96 e foi aprovado
pelo Comitê de Ética da instituição.
A Etapa de Sensibilização teve três fases:
1ª Fase: Avaliação: Para coleta dos dados, duas sessões individuais, com 50 minutos de duração cada
uma, foram realizadas com cada um dos pais. Os
dados obtidos foram organizados de modo a comparar, dentre os temas (queixas; compreensão dos pais
sobre determinantes dos comportamentos-problema
e aspectos da adoção), aqueles que eram comuns ao
grupo e os que eram específicos a cada família. Os
dados obtidos nessa fase determinaram o conteúdo
da intervenção, descrito a seguir.
2ª Fase: Intervenção da Etapa de Sensibilização:
Nesta fase pretendeu-se desfazer mitos e crenças
sobre a adoção como causa de comportamentos-problema. Essa proposta visou diminuir a relação estabelecida entre adoção e problemas de comportamentos que eram apresentados pelas crianças; e capacitar
os pais para identificarem as contingências presentes
na interação familiar e que poderiam contribuir para
a emissão dos comportamentos das crianças. Foram
realizados seis encontros no decorrer de dois meses,
com duração de 90 minutos cada um.
Na primeira sessão, os mitos relatados pelos pais
foram discutidos, buscando esclarecer sobre: (a) a
importância da revelação à criança da sua condição
de adotada; (b) a formação de sentimentos (amor,
apego) parentais e filiais; (c) o direito da criança de
conhecer sua história prévia e os pais biológicos e
as vantagens decorrentes, e (d) o caráter irrevogável
da adoção.
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
Na segunda sessão, o objetivo foi mostrar aos pais
quais eram as consequências de utilizar a adoção
como explicação para os comportamentos dos filhos, enfatizando principalmente que os comportamentos relatados por eles, tais como agressividade,
responder, fazer birra e recusar pedidos, eram comportamentos normalmente observados nas crianças
em geral, independente da condição de serem ou
não adotadas.
O objetivo da terceira sessão foi esclarecer aos pais
que os aspectos genéticos não poderiam ser considerados como determinantes únicos e absolutos do
comportamento do seu filho. Essa fase contribuiu
para diminuir o sentimento de medo dos pais de que
a sua criança apresentasse comportamentos antissociais (alcoolismo, prostituição e furtos), muitas
vezes característicos dos pais biológicos. Para tanto, foram enfatizados os determinantes ambientais
A Tabela 1 apresenta os conteúdos abordados em cada sessão, os objetivos e as principais estratégias utilizadas.
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
39
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
como passíveis de manipulação e, portanto, com
efeitos diretos e controláveis sobre o comportamento da criança. Ainda nessa fase, observou-se que
sem a atribuição causal à adoção ou aos aspectos
genéticos outros fatores passaram a ser tomados pelos pais como explicação para os comportamentos,
como, por exemplo, a “personalidade forte da criança” (sic). Mais uma vez, essas atribuições causais
foram discutidas visando descaracterizá-las como
determinantes do comportamento e, assim, esses
pais chegaram a um nível de preparo e sensibilização com relação aos comportamentos-problema do
filho adotivo que os habilitava a iniciar a fase subsequente do programa.
(vivências ou jogos/brincadeiras de grupo) para facilitar a discussão dos temas propostos para a sessão. Com o objetivo de distribuir o tempo de atendimento e sinalizar aos participantes a sequência de
objetivos e atividades a serem cumpridos na sessão,
a cada semana era confeccionado um cartaz com as
informações pertinentes a sessão e afixado na sala
onde ocorriam os atendimentos.
3ª Fase - Avaliação da etapa de Sensibilização: Ao
final da sexta sessão, os pais responderam, individualmente, o questionário elaborado para a avaliação
dessa etapa do programa.
Resultados e discussão
Na quarta e quinta sessões foram apresentados
os princípios de aprendizagem do comportamento humano (Canaan-Oliveira et al., 2003): reforço
positivo e negativo, extinção, punição, discriminação (controle de estímulos). O objetivo era ajudar
os pais a identificar os princípios de aprendizagem
subjacentes às suas práticas educativas e aprender
alternativas comportamentais mais efetivas para a
educação de seus filhos.
Na última sessão, os pais foram orientados a identificar as contingências que favoreciam a manutenção ou redução dos comportamentos-problema dos
filhos no ambiente familiar. Para tanto, utilizou-se
de registros feitos pelos pais, nas semanas anteriores, nos quais foram descritos os comportamentos
adequados e/ou inadequados dos filhos e a reação
dos pais a esses comportamentos. Esse exercício semanal tinha por objetivo auxiliar os pais na discriminação das contingências familiares que poderiam
ser responsáveis pelos comportamentos dos filhos.
Cada sessão seguia uma estrutura básica, iniciando
com exposição oral, questionamentos ou técnicas
40
Os dados da entrevista sobre aspectos específicos
da adoção possibilitaram identificar diversas dificuldades dos pais em relação ao próprio processo
de adoção, por exemplo, como explicar à criança
sua condição de adotada e/ou a sua história anterior à adoção. Essas dificuldades sugerem a falta de
preparo dos pais pelos órgãos competentes e podem
significar, no dia-a-dia dessas famílias, uma postura de não revelar ou revelar tardiamente ao filho a
sua condição de adotado, além de evitar falar sobre
a família biológica, o que pode acarretar prejuízos
para a criança e à família (Weber, 2001; Costa &
Rossetti-Ferreira, 2007).
Com relação à contribuição do programa para esclarecer assuntos relacionados ao tema adoção,
avaliados na última sessão, os pais consideram que
o programa contribuiu, principalmente, para lidar
com mitos e preconceitos sobre a adoção, falar com
o filho sobre os pais biológicos e revelar a condição
de adotado para a criança e demais pessoas. Para os
pais, a menor contribuição do programa foi referen-
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
te às informações sobre os aspectos jurídicos, muito provavelmente por se tratar de famílias, na sua
maioria, com processo de adoção legal. Esses dados
apóiam as evidências em diversos estudos (Maux &
Dutra, 2010; Weber, 2001) de que as pessoas que
adotam necessitam de preparação para as especificidades da família formadas por meio da adoção.
Quanto às queixas comportamentais, esse grupo de
pais revelou que seus filhos apresentavam, frequentemente, comportamentos de agressividade, birras,
recusar/desobedecer ordens, pouco envolvimento com os estudos (recusa em ir à escola ou fazer
tarefas de casa), falta de organização com objetos
próprios e alheios. Especificamente sobre a adoção,
os pais se queixavam da recusa da criança em falar
sobre a adoção, perguntas persistentes sobre os pais
biológicos e ameaças de abandonar os pais adotivos.
Constatou-se que, para a maioria dos pais, esses
comportamentos eram determinados pela história
de abusos e negligências vivida pela criança, anterior a sua adoção pela família. Essa história era vista
como algo que a criança passava a “carregar consigo” (sic) e que determinava, quase que de forma
absoluta, os comportamentos observáveis, os pensamentos e os sentimentos problemáticos apresentados pela criança adotada.
Dentre alguns fatores internos, consideravam que
“carência que a criança adotada carrega consigo”
(sic) ou o “trauma por ter sido abandonada” (sic)
eram os principais responsáveis pelos comportamentos-problema das crianças e, portanto, deveriam ser alvos de mudança ou de atenção e cuidados pelos pais para não produzirem efeitos ainda
mais danosos na vida da criança. Como salientou
Weber (2001), esse entendimento dos pais, juntamente com profissionais da saúde mental, educação
e o restante da população, está sob a influência dos
preconceitos que ainda existem na questão da adoção e percebem-na como um fator de risco natural.
No caso dos pais participantes do grupo, essas
atribuições favoreciam o estabelecimento de contingências que contribuíam para a manutenção
dos comportamentos-problema apresentados pela
criança. Isto é, ao considerar que esta apresentava
“carência afetiva” ou “trauma” devido ao abandono
ou a rejeição da família biológica, os pais adotavam
comportamentos para evitar a exposição da criança
a situações aversivas, evitando aumentar os sentimentos de rejeição, os traumas ou as carências. Por
exemplo, faziam as tarefas pela criança para evitar
que fossem repreendidas na escola ou pediam aos
professores que tivessem paciência, evitando repreender a criança em sala de aula por conta da sua
história de sofrimento anterior à adoção. A mesma
recomendação era feita aos familiares, com os pais
sugerindo que chamar a atenção da criança, quando apresentavam comportamentos de manhas ou de
birras, poderia deixá-las constrangidas e potencializar os problemas psicológicos.
Ainda que a adoção não tenha sido apontada como
diretamente responsável pelo comportamento da
criança, os relatos dos pais demonstraram claramente que essa condição da criança influenciava
suas práticas educativas, evidenciado, como em
outros estudos, a dificuldade desses pais em assumir diversas funções parentais, como: determinar e
manter regras que contrariavam a vontade do filho
sem temer que este o abandone; usar permissividade
como estratégia de superproteção (Reppold & Hutz,
2002) e considerar mais prontamente um comportamento da criança como sendo problemático (Keyes
et al., 2008).
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
41
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
Após a intervenção, os pais relataram que os conteú­
dos abordados por esta etapa do programa favoreceram a identificação das variáveis ambientais que
atuavam como facilitadoras ou não para a emissão
dos comportamentos de pais e de filhos. Dentre essas
variáveis, consideraram que precisariam mudar algumas práticas parentais para lidar de maneira mais
efetiva com os filhos, dentre elas: a colocação de limites e regras (sem medo que o filho os abandone), a
utilização de estratégias mais positivas para melhorar
a disciplina, a valorização, junto à criança e outros,
do vínculo afetivo e da filiação adotiva e a capacidade de resolver as adversidades (opiniões e costumes),
principalmente nos casos de adoção tardia.
Entende-se que o fato dos pais reconhecerem a necessidade de mudanças em suas práticas educativas
e discriminar as situações nas quais essas mudanças deveriam ocorrer não é suficiente para que eles
passem a responder diferentemente no seu contexto
diário. Isto significa que aprender a descrever contingências de reforço operante não pode ser confundido com arranjar essas contingências (Skinner,
1974). Assim, tornam-se essenciais propostas de intervenção que incluam estratégias específicas para
que esses pais possam arranjar novas contingências
em seu ambiente familiar, favorecendo a aprendizagem de novos comportamentos ou o fortalecimento
daqueles já existentes em seus repertórios.
Nesse sentido, Rushton, Monck, Upright e Davidson (2006) defendem que programas para pais adotivos devem, mais do que mudar práticas parentais
negativas, ampliar as habilidades parentais; porém,
sem perder o objetivo de aumentar a consciência ou
entendimento das prováveis origens de certos tipos
de problemas. A avaliação positiva dos pais sobre
os efeitos do programa para identificar as relações
42
funcionais e, consecutivamente, para desmitificar
a adoção como fator explicativo, demonstra a importância dessa etapa do programa para atender aos
interesses e necessidades dessa população.
Espera-se que a implantação das fases subsequentes do programa para o treinamento de habilidades
parentais possa favorecer as mudanças necessárias
nas práticas parentais, com efeitos positivos nos
comportamentos dos filhos adotivos, como constatado em estudos (Rushton et al., 2006) que avaliaram programas para pais adotivos dentro de um
modelo relativamente semelhante ao apresentado
nesse estudo.
Considerações finais
Os dados obtidos nesse estudo mostraram que os
participantes relataram mudanças na forma de entender os efeitos das contingências, presentes nas
interações familiares, para a determinação e a manutenção dos comportamentos dos seus filhos.
A opção em descrever os conteúdos e as estratégias que foram utilizadas na intervenção deve-se
a escassez deste tipo de relato na literatura nacional e internacional. No entanto, a ênfase na análise das interações familiares não pode ser entendida
como algo inédito, pois segue praticamente a mesma orientação consolidada na literatura mundial e,
portanto, amplamente utilizada para o atendimento de famílias constituídas das mais diferentes formas. Isto significa dizer que no âmbito psicológico
as dificuldades encontradas por famílias adotantes
devem ser buscadas nas interações diárias com os
filhos, e que o sucesso ou dificuldade nas interações
familiares deve-se à qualidade dessas interações, independente da condição de adotada da criança.
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
No entanto, as famílias adotantes têm tarefas exclusivas: falar à criança sobre os motivos de sua adoção;
informar sobre sua história genética, social e cultural
e revelar a condição de adotado ao filho, assim como
o manejo de questões referentes à revelação ou situações de preconceito e discriminação em relação às
pessoas próximas e à sociedade em geral. Assim, essas especificidades justificam a necessidade desse tipo
de programa de atendimento, ou seja, um trabalho de
intervenção que ofereça às famílias adotantes a oportunidade de discutir e superar dificuldades e mitos inerentes à adoção e de desenvolver práticas educativas
que contribuam para melhorar o relacionamento familiar e, consequentemente, o ajustamento dos filhos.
Não obstante as avaliações terem sido realizadas de
maneira não sistemática, os relatos verbais dos participantes evidenciaram que houve contribuições relevantes do programa para as interações familiares. Entretanto, para confirmação desses resultados faz-se
necessário investigar até que ponto essa etapa inicial
do programa, com características psicoeducacionais,
é de fato efetiva na modificação das interações familiares estabelecidas pelos pais. Para tanto, estudos
futuros poderiam adotar delineamento com grupos
independentes e intervenções com diferentes focos
(psicoeducacionais e treinamento de habilidades),
visando à avaliação dos componentes críticos do
programa para as mudanças terapêuticas. Portanto,
esforços ainda são necessários nessa direção de pesquisa, que se mostra bastante escassa na literatura.
Com relação aos pressupostos teóricos e filosóficos
que nortearam essa intervenção, a objeção em considerar a adoção como condição de risco, no sentido de aumentar a probabilidade da apresentação
de comportamentos desajustados, se deve ao fato
da adoção, muitas vezes, tomar lugar no exame de
coisas mais importantes, ou seja, das variáveis responsáveis pela ocorrência do comportamento. Nessa perspectiva, a análise de qualquer fenômeno reside em discutir quais as variáveis (sociais, culturais,
biológicas, familiares) presentes no contexto atual
do indivíduo determinam seu comportamento.
Essa forma de entender o comportamento pode contribuir significativamente para desmitificar a adoção
como causa ou explicação do comportamento. Na proposta adotada, o comportamento da criança deve ser
entendido como produto variável de um processo de
interação de um grande número de variáveis (Carvalho
Neto e Tourinho, 1999) e não da sua própria condição
de adotada que pode, inadvertidamente, perpetuar a
relação entre adoção e problemas de comportamento.
As limitações metodológicas do presente estudo,
tais como utilização de apenas um único tipo de
instrumento (autorrelato) para a coleta de dados e
a amostra por conveniência, não permitem generalização para todas as famílias por adoção. No entanto, o relato dessa experiência pretende apontar possibilidades para novas questões e pesquisas sobre o
atendimento às famílias adotantes.
Referências
Borders, L. D., Black, L. K., & Pasley, B. K. (1998) Are adopted children and their parents at greater risk for negative outcomes? Family Relations, 47 (3), 237-241.
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
43
Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do comportamento
Brasil. (1990). Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), cap. III - Do Direito à Convivência Familiar e Comunitária. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L8069.htm. Recuperado em 10/11/2009.
Brasil. Lei nº 3133, de 08 de maio de 1957. Constituição da República Federativa do Brasil: Disponível: http://www3.dataprev.gov.br/
SISLEX/paginas/42/1957/3133.htm. Recuperado em 10/11/2009.
Brasil. Lei nº 3071, de 01 de janeiro de 1916. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível: http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/LEIS/L3071.htm. Recuperado em 10/11/2009.
Brodzinsky, D. M. (1993) Long-terms in outcomes adoption. The Future of Children Adoption, 3 (1), 153-166.
Brodzinsky, D. M. (2007). Foreword. In R. A. Javier, A. L. Baden, F. A. Biafora, & A. Camacho-Gingerich, (Eds.). The handbook of
adoption: Implications for Researchers, practitioners, and families (pp.xiii-xv). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Canaan-Oliveira, S., Neves, M. E. C., Silva, F. M., & Robert, A. M. (2003). Compreendendo seu filho: uma análise do comportamento da criança. Belém: Paka-Tatu.
Carvalho Neto, M. B., & Tourinho, E. Z. (1999). Skinner e o lugar das variáveis biológicas em uma explicação comportamental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15 (1), 45-53.
Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2007). Tornar-se Pai e Mãe em um Processo de Adoção Tardia. Psicologia: Reflexão
e Crítica, 20 (3), 425-434.
Eisenstein, E., & Souza, R. P. (1993). Situações de risco à saúde de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Vozes.
Freire, P. O que é adoção? (2001). In: CeCIF (Org.). 101 perguntas e respostas sobre adoção. São Paulo: CeCIF.
Freundlich, M. (2002). Adoption research: an assessment of empirica contribuitions to the advancement of adoption pratice. Journal
of Social Distress and the Homeless, 11 (2), 143-166.
Gongora, M. A. N. (2003). Noção de Psicopatologia na Análise do Comportamento. In: C. E. C.; J. C. Luzia; H. H. N. Sant’Anna. (Orgs.).
Primeiros Passos em Análise do Comportamento e Cognição (pp. 93-109). Santo André: ESETec.
Haugaard, J. J. (1998). Is adoption a risk factor for the development of adjustment problems? Clinical Psychology Rewiew, 18 (1), 47-69.
Johnson, D. E. (2002). Adoption and the effect on children’s development. Early Human Development, 68, 39-54.
Keyes, M. A., Sharma, A., Elkins, I. J., Iacono, W. G., & McGue, M. (2008). The mental health of US adolescents adopted in infancy.
Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, 162 (5), 419-425.
Lee, F. I., & Matarazzo, E. B. (2001). Prevalência de adoção intra e extrafamiliar em amostras clínica e não-clínica de crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Psiquiatria, 23 (3), 149-155.
Maux, A. A. B., & Dutra, E. (2010). A adoção no Brasil: algumas reflexões. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 10 (2), 356-372.
Micheleto, N. (1997). Bases filosóficas do behaviorismo radical. In R. A. Banaco (org.), Sobre Comportamento e Cognição:
aspectos teóricos, metodológicos de formação em análise do comportamento e terapia cognitivista,
1ª. Edição, pp. 29-44. São Paulo: ARBytes.
44
Margarette Matesco Rocha - Maura Glória de Freitas
Nickman, S. L., Rosenfeld, A. A., Fine, P., MacIntyre, J., Pilowsky, D. J., Howe, R. A., Derdeyn, A., Gonzales, M. B., Forsythe, L., &
Sveda, S. A. (2005). Children in adoptive families: overview and update. Journal of the American Academy of Child
& Adolescent Psychiatry, 44 (10), 987-995.
Oliveira, E. A. (1998). Modelos de risco na psicologia do desenvolvimento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 14, 19-26.
Palacios, J., & Brodzinsky, D. (2010). Adoption research: trends, topics, outcomes. International Journal of Behavioral Development, 34 (3) 270–284.
Peters, B. R., Atkins, M. S., & McKay, M. M. (1999). Adopted children’s behavior problems: a review of five explanatory models. Clinical Psychology Review, 19 (3), 297-328.
Porch, T. K. (2007). Counseling adoption: making a case for adoption training for counselors and clinical psychologist. Em R.A. Javier, A.L. Baden, F.A. Biafora & A. Camacho-Gingerich, (Eds.), The handbook of adoption: Implications for Researchers, practitioners, and families, 1ª. Edição, pp. 293-311. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Reppold, C. T.; & Hutz, C. S. (2002). Adoção: fatores de risco e proteção à adaptação psicológica. Em O. Furtado, & F. Gonzáles (orgs.), Situações de risco e vulnerabilidade na infância e adolescência: aspectos teóricos e estratégias
de intervenção, 1ª Edição, pp. 89-130. São Paulo: Caso do Psicólogo.
Rushton, A., Monck, E., Upright, H., & Davidson, M. (2006). Enhancing adoptive parenting: devising promising interventions. Child
and Adolescent Mental Health, 11 (1), 25–31.
Skinner, B. F. (2007). Seleção por consequências. Tradução organizada por C.R.X. Cançado, P. G. Soares, & S. Cirino. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 9 (1), 129-137. (trabalho original publicado em 1981).
Skinner, B. F. (1974). Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix.
Weber, L. N. D. (2001). Pais e filhos por adoção no Brasil: características, expectativas e sentimentos. Curitiba: Juruá.
Recebido em 10 de fevereiro de 2011
Devolvido em 23 de maio de 2011
Aceito em 16 de agosto de 2011
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 2,33-45
45
Download

Intervenção para pais adotivos na perspectiva da análise do