RESOLUÇÃO CREMEGO Nº 094/2015
Diário Oficial do Estado; Poder Executivo, Goiânia, GO, ano 178, n. 22.142, de 13.08.15. p.18
“Disciplina a rotina dos trabalhos nas
sessões de julgamento de Processos
Ético- Profissionais”
O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS, no
uso de suas atribuições que lhe são conferidas pela Lei 3.268, de 30 de setembro de
1.957, modificada pela Lei nº 11.000, de 15 de dezembro de 2004, regulamentada pelo
Decreto nº 44.045, de 19 de julho de 1.958; e
CONSIDERANDO que cabe ao Conselho Regional de Medicina do
Estado de Goiás “zelar e trabalhar por todos os meio a seu alcance, pelo perfeito
desempenho ético da medicina e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que
a exerçam legalmente”;
CONSIDERANDO o disposto no art. 15 da Lei nº 3.268/57, que
estabelece as competências institucionais do CREMEGO;
CONSIDERANDO o previsto na Seção IV “Do Julgamento do processo
ético-profissional” do Código de Ética Médica – Resolução CFM nº 2.023/13;
CONSIDERANDO por fim, a existência de previsão legal para instalação
das Câmara de Julgamento de Processo Ético-Profissionais (inciso II, artigo 39 do
CPEP – Res. CFM nº 2.023/13);
RESOLVE:
Art. 1º – O julgamento será processado na forma estabelecida no Código de Processo
Ético Profissional.
Art. 2º - A Sessão Plenária de Julgamento dos Processos Ético-Profissionais será
composta de, no mínimo 11 (onze) e, no máximo, 21 (vinte e um) Conselheiros.
Art. 3º - As Sessões de Câmaras de Julgamento dos Processos Ético-Profissionais
serão compostas de, no mínimo 05 (cinco) e, no máximo, 10 (dez) Conselheiros.
Art. 4º - A distribuição dos Processos Ético-Profissionais para julgamento nas Sessões
de Câmaras e Sessão Plenária será feita pelo Conselheiro Corregedor, que também
deverá designar o Conselheiro Relator e o Revisor, conforme o Código de Processo
Ético-Profissional.
Rua T-28, N° 245 - Setor Bueno - Fone: (62) 3250-4900 / Fax: (62) 3250-4949 - Caixa Postal: 4115 - CEP: 74.210-040 - Goiânia-GO
www.cremego.org.br / cremego@cremego.org.br
Parágrafo Único - Em caso de necessidade, por designação e a critério do Presidente
da Sessão, os Conselheiros poderão substituir e serem substituídos por seus pares.
Art. 5º – O Conselheiro que se considerar suspeito ou impedido de participar do
julgamento, se ausentará da sessão antes do início do julgamento.
Art. 6º – Os Conselheiros presentes, assim como as partes e seus procuradores,
deverão observar o traje apropriado à sessão de julgamento, assim entendido: 1)
homens – calça, paletó ou blazer; 2) mulheres: tailleurs ou ternos (calça e blazer de
manga comprida), vestidos ou blusas de manga, saia no joelho.
Art. 7º – Durante a sessão de julgamento é vedado a utilização dos seguintes
aparelhos eletrônicos: máquina fotográfica, filmadora e gravador. Será permitida a
entrada de aparelhos laptop e celular (desde que, desligado ou no modo silencioso),
sendo que o acesso à internet por tais mídias, deverá ser restrito à consulta ao sítio do
Conselho Federal de Medicina.
Art. 8º – A justificação escrita do voto divergente será feita na própria sessão de
julgamento e será anexada aos autos do PEP.
Art. 9º – O julgamento será deliberado com as seguintes opções de votação:
“ABSOLVIÇÃO” e “CONDENAÇÃO”.
Parágrafo primeiro – O Presidente da Sessão proferirá o seu voto da mesma forma
que os demais Conselheiros presentes no julgamento. Porém, no caso de empate na
votação, o Presidente da Sessão proferirá o voto de qualidade. (Incluído pela
Resolução Cremego N. 096/2015)
Parágrafo segundo – Quando houver mais de um denunciado no mesmo processo, a
votação será realizada de forma individualizada. (Renumerado pela Resolução
Cremego N. 096/2015)
Art. 10 – O resultado do julgamento será lavrado em ata, que será assinada pelo
Presidente da Sessão e pelo Secretário da Sessão.
Art. 11 - Das decisões proferidas por unanimidade de votos nas Sessões de Câmaras
de Julgamento dos Processos Ético-Profissionais caberá às partes a interposição de
recurso somente ao Conselho Federal de Medicina, exceto se a pena decidida for a de
cassação do exercício profissional, quando haverá recurso de ofício para julgamento
em Sessão Plenária.
Parágrafo Único - Considera-se unanimidade de votos a concordância de todos os
Conselheiros quanto à existência ou não de culpabilidade.
Rua T-28, N° 245 - Setor Bueno - Fone: (62) 3250-4900 / Fax: (62) 3250-4949 - Caixa Postal: 4115 - CEP: 74.210-040 - Goiânia-GO
www.cremego.org.br / cremego@cremego.org.br
Art. 12 - Das decisões por maioria de votos quanto à existência ou não de
culpabilidade, nas Sessões de Câmaras de Julgamento dos Processos ÉticoProfissionais, caberá às partes recurso para julgamento em Sessão Plenária do
CREMEGO.
Art. 13 - Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.
Goiânia, 16 de julho de 2015
DR. ALDAIR NOVATO SILVA
- PRESIDENTE DO CREMEGO -
DR. FERNANDO PACELI NEVES DE SIQUEIRA
- 1º SECRETÁRIO DO CREMEGO -
Aprovada na 26ª Sessão Extraordinária
da Plenária do Cremego, realizada em
16 de julho de 2015.
Publicada no Diário Oficial do Estado
de Goiás N. 22.142, do dia 13.08.15, p.
18.
Rua T-28, N° 245 - Setor Bueno - Fone: (62) 3250-4900 / Fax: (62) 3250-4949 - Caixa Postal: 4115 - CEP: 74.210-040 - Goiânia-GO
www.cremego.org.br / cremego@cremego.org.br
Download

Disciplina a rotina dos trabalhos nas sessões de julgamento de