ANÁLISE DE HOMOLOGIAS CROMOSSÔMICAS POR BANDEAMENTO G E
"CHROMOSOME-PAINTING" ENTRE DUAS ESPÉCIES DE Callicebus (CEBIDAE PRIMATES). Rodrigues LRR1,2, Pieczarka JC2, Barros RMS2, Pissinati A3, Nagamachi
CY2. 1Campus Universitário de Santarém, UFPA, 2Departamento de Genética, CCB,
UFPA, 3Centro de Primatologia do Rio de Janeiro. ribeiro@ufpa.br
O gênero Callicebus compreende 17 espécies, divididas em cinco grupos: moloch,
donacophilus, torquatus, cupreus e personatus. Sua distribuição geográfica é alopátrica,
sendo que a maioria das espécies ocorrem nas florestas da bacia amazônica, enquanto que
o Grupo personatus é restrito à Mata Atlântica. Do ponto de vista citogenético,
Callicebus pode ser caracterizado por uma extensiva variabilidade cariotípica
interespecífica, com números diplóides variando de 20 até 50 cromossomos. Neste
trabalho, comparamos o cariótipo de Callicebus hoffmannsi (CHO) com o de C. moloch
(CMO), previamente publicado por Stanyon, et al (2000), ambas espécies com 2n=50
cromossomos. Inicialmente, os cariótipos foram comparados por bandas G para
identificação de cromossomos inteiros compartilhados; em seguida aplicou-se
"chromosome-painting" para se identificar os cromossomos envolvidos em rearranjos.
Vinte e um pares são compartilhados sem qualquer alteração evidente pelo padrão de
bandas G. Dois pares são compartilhados mas divergem por inversões (CMO-3 = CHO12inv; CMO-8 = CHO-2inv). O par CMO-14 corresponde ao segmento terminal do braço
longo de CHO-10. Hibridização de sonda do cromossomo 4 humano (equivalente ao
CMO-1) demonstrou homologia com os pares CHO-17 e 18. Este segmento tem sido
conservado em Callitrichidae, Cebus e Saimiri, mas também encontra-se dissociado em
Alouatta e Ateles que ao contrário de C. hoffmannsi mostram sinais de hibridização em
três pares cromossômicos. Órgão Financiador : UFPA-PROPESP, FADESP, PPD-G7,
CNPq, CAPES, PROINT
Download

"CHROMOSOME-PAINTING" ENTRE DUAS ESPÉCIES DE Callicebus