Ministério da Educação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São
Paulo
ATUALIZAÇÃO
PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO
TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO
MÉDIO
CAPIVARI - SP
Outubro/2015
PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Dilma Vana Rousseff
MINISTRO DA EDUCAÇÃO
Ministro Aloizio Mercadante
SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
Marcelo Machado Feres
REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE
SÃO PAULO
Eduardo Antonio Modena
PRÓ-REITOR DE ENSINO
Reginaldo Vitor Pereira
PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO
Paulo Fernandes Júnior
PRÓ-REITOR DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL
Whisner Fraga Mamede
PRÓ-REITOR DE PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Eduardo Alves da Costa
PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO
Wilson de Andrade Matos
DIRETOR GERAL DO CÂMPUS CAPIVARI
Waldo Luis de Lucca
RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO
PEDAGÓGICO DO CURSO
______________________________
Carlos Roberto Paviotti
Professor/Coordenador da Área de Informática
______________________________
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
Pedagoga
______________________________
Márcio José Chaves
Professor
______________________________
Paulo Renato de Oliveira Gavião
Professor/Gerente Educacional
______________________________
Rafael Wendel Pinheiro
Professor
______________________________
Rolando Ruggiero
Professor
______________________________
Vitor Brandi Junior
Professor/Coordenador do Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas
SUMÁRIO
RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ............................................... 3
LISTA DE TABELAS ....................................................................................................................................... 7
1.
IDENTIFICAÇÃO .................................................................................................................................. 9
1.1
IDENTIFICAÇÃO DO CÂMPUS CAPIVARI ........................................................................................... 10
2.
MISSÃO ........................................................................................................................................... 11
2.1.
CARACTERIZAÇÃO EDUCACIONAL ............................................................................................... 11
2.2.
HISTÓRICO INSTITUCIONAL ......................................................................................................... 11
2.3.
RELAÇÃO DOS CÂMPUS DO IFSP ................................................................................................. 13
2.4.
HISTÓRICO DO CÂMPUS E CARACTERIZAÇÃO .............................................................................. 15
2.5.
JUSTIFICATIVA E DEMANDA DE MERCADO .................................................................................. 17
3.
OBJETIVOS ....................................................................................................................................... 22
3.1
OBJETIVOS GERAIS ........................................................................................................................... 23
3.2
OBJETIVOS ESPECÍFICOS .................................................................................................................. 23
4.
PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO ................................................................................................. 25
5.
REQUISITOS DE ACESSO ................................................................................................................... 26
6.
LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA ........................................................................................................... 27
7.
ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ........................................................................................................... 31
7.1
ESTRUTURA CURRICULAR ................................................................................................................ 35
7.3
COMPONENTES CURRICULARES DE FORMAÇÃO GERAL ................................................................... 36
7.3.1
COMPONENTES CURRICULARES DA PARTE DIVERSIFICADA OPTATIVA...................................... 108
7.3.2
COMPONENTES CURRICULARES DA PARTE ESPECÍFICA ............................................................. 118
8.
METODOLOGIA .............................................................................................................................. 140
9.
CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ............................................................................. 141
10.
ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ........................................................................ 144
11.
CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS ............................................................................. 146
12.
APOIO AO DISCENTE ...................................................................................................................... 147
12.1
ATENDIMENTO PEDAGÓGICO ................................................................................................... 148
12.2
ATENDIMENTO PSICOSSOCIAL .................................................................................................. 148
13.
PROJETO INTEGRADOR .................................................................................................................. 149
14.
MODELOS DE CERTIFICADOS E DIPLOMAS ..................................................................................... 153
15.
EQUIPE DE TRABALHO ................................................................................................................... 154
15.1
CORPO DOCENTE DA ÁREA DE INFORMÁTICA ........................................................................... 154
15.2
DOCENTES DO NÚCLEO COMUM ............................................................................................... 155
15.3
CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO / PEDAGÓGICO ................................................................. 157
16.
INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ................................................................................................... 161
4
16.1
INFRESTRUTURA FÍSICA CÂMPUS CAPIVARI .............................................................................. 161
16.2
ACESSIBILIDADE ........................................................................................................................ 161
16.3
LABORATÓRIOS DE USO GERAL CÂMPUS CAPIVARI .................................................................. 163
16.4
BIBLIOTECA: ACERVO DO CÂMPUS CAPIVARI ............................................................................ 166
BIBLIOGRAFIA ......................................................................................................................................... 167
5
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 - Produto Interno Bruto (Valor Adicionado) do município de Capivari (Fonte: IBGE)........ 21
Figura 2 – Estrutura curricular do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio. ...... 35
6
LISTA DE TABELAS
Tabela 1 - Unidades do IFSP ........................................................................................................... 13
Tabela 2 – Legislações .................................................................................................................... 28
Tabela 3 - Biblioteca: acervo por área do conhecimento ............................................................... 166
7
LISTA DE GRÁFICOS
Gráfico 1: Percentual de domicílios com microcomputadores e com microcomputadores com
acesso à internet no total de domicílios particulares permanentes – Brasil – 2007 – 2008 ............ 18
Gráfico 3: Proporção de empresas que usam computadores, por porte (%) .................................. 19
Gráfico 4: Proporção de Empresas com rede (LAN, Intranet, Extranet) (%) ................................... 19
8
1.
IDENTIFICAÇÃO
NOME: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
SIGLA: IFSP
CNPJ: 10.882.594/0001-65
NATUREZA JURÍDICA: Autarquia Federal
VINCULAÇÃO: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério
da Educação (SETEC)
ENDEREÇO:
Rua Pedro Vicente, 625 – Canindé – São Paulo/Capital
CEP: 01109-010
TELEFONES: (11) 3775-4502 (Gabinete do Reitor)
FACSÍMILE: (11) 3775-4501
PÁGINA INSTITUCIONAL NA INTERNET: http://www.ifsp.edu.br
ENDEREÇO ELETRÔNICO: proensino@ifsp.edu.br
DADOS SIAFI: UG: 158154
GESTÃO: 26439
NORMA DE CRIAÇÃO: Lei Nº 11.892 de 29/12/2008
NORMAS QUE ESTABELECERAM
A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
ADOTADA NO PERÍODO: Lei Nº 11.892 de 29/12/2008
FUNÇÃO DE GOVERNO PREDOMINANTE: Educação
9
1.1 IDENTIFICAÇÃO DO CÂMPUS CAPIVARI
NOME: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
Câmpus Capivari
SIGLA: IFSP – CPV
CNPJ: 10.882.594/0027-02
NATUREZA JURÍDICA: Autarquia Federal
VINCULAÇÃO: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério
da Educação (SETEC)
ENDEREÇO:
Av. Dr. Ênio Pires de Camargo, n0 2971 - Bairro São João Batista - Capivari/SP
CEP: 13360-000
TELEFONE: (19) 99664-0840
PÁGINA INSTITUCIONAL NA INTERNET: http://www.ifspcapivari.com.br
ENDEREÇO ELETRÔNICO: adm.cpv@ifsp.edu.br
DADOS SIAFI: UG: 158712
GESTÃO: 26439
NORMA DE CRIAÇÃO: Lei Nº 11.892 de 29/12/2008
NORMAS QUE ESTABELECERAM
A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
ADOTADA NO PERÍODO: Lei Nº 11.892 de 29/12/2008
FUNÇÃO DE GOVERNO PREDOMINANTE: Educação
AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO: Resolução nº 30, de 23/12/2009
10
2. MISSÃO
Consolidar uma práxis educativa que contribua para a inserção social, a
formação integradora e a produção do conhecimento.
2.1.
CARACTERIZAÇÃO EDUCACIONAL
A Educação Científica e Tecnológica ministrada pelo IFSP é entendida
como um conjunto de ações que buscam articular os princípios e aplicações
científicas dos conhecimentos tecnológicos à ciência, à técnica, à cultura e às
atividades produtivas. Esse tipo de formação é imprescindível para o
desenvolvimento social da nação, sem perder de vista os interesses das
comunidades locais e suas inserções no mundo cada vez mais definido pelos
conhecimentos tecnológicos, integrando o saber e o fazer por meio de uma
reflexão crítica das atividades da sociedade atual, em que novos valores
reestruturam o ser humano. Assim, a educação exercida no IFSP não está restrita
a uma formação meramente profissional, mas contribui para a iniciação na
ciência, nas tecnologias, nas artes e na promoção de instrumentos que levem à
reflexão sobre o mundo, como consta no PDI institucional.
2.2.
HISTÓRICO INSTITUCIONAL
O primeiro nome recebido pelo Instituto foi o de Escola de Aprendizes e
Artífices de São Paulo. Criado em 1910, inseriu-se dentro das atividades do
governo federal no estabelecimento da oferta do ensino primário, profissional e
gratuito. Os primeiros cursos oferecidos foram os de tornearia, mecânica e
eletricidade, além das oficinas de carpintaria e artes decorativas.
O ensino no Brasil passou por uma nova estruturação administrativa e
funcional no ano de 1937 e o nome da Instituição foi alterado para Liceu Industrial
de São Paulo, denominação que perdurou até 1942. Nesse ano, através de um
Decreto-Lei, introduziu-se a Lei Orgânica do Ensino Industrial, refletindo a decisão
governamental de realizar profundas alterações na organização do ensino
técnico.
11
A partir dessa reforma, o ensino técnico industrial passou a ser organizado
como um sistema, passando a fazer parte dos cursos reconhecidos pelo
Ministério da Educação. Com um Decreto posterior, o de nº 4.127, também de
1942, deu-se a criação da Escola Técnica de São Paulo, visando à oferta de
cursos técnicos e de cursos pedagógicos.
Esse decreto, porém, condicionava o início do funcionamento da Escola
Técnica de São Paulo à construção de novas instalações próprias, mantendo-a na
situação de Escola Industrial de São Paulo enquanto não se concretizassem tais
condições. Posteriormente, em 1946, a escola paulista recebeu autorização para
implantar o Curso de Construção de Máquinas e Motores e o de Pontes e
Estradas.
Por sua vez, a denominação Escola Técnica Federal surgiu logo no
segundo ano do governo militar, em ação do Estado que abrangeu todas as
escolas técnicas e instituições de nível superior do sistema federal. Os cursos
técnicos de Eletrotécnica, de Eletrônica e Telecomunicações e de Processamento
de Dados foram, então, implantados no período de 1965 a 1978, os quais se
somaram aos de Edificações e Mecânica, já oferecidos.
Durante a primeira gestão eleita da instituição, após 23 anos de
intervenção militar, houve o início da expansão das unidades descentralizadas –
UNEDs, sendo as primeiras implantadas nos municípios de Cubatão e
Sertãozinho.
Já no segundo mandato do Presidente Fernando Henrique Cardoso, a
instituição tornou-se um Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET), o
que possibilitou o oferecimento de cursos de graduação. Assim, no período de
2000 a 2008, na Unidade de São Paulo, foi ofertada a formação de tecnólogos na
área da Indústria e de Serviços, além de Licenciaturas e Engenharias.
O CEFET-SP transformou-se no Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de São Paulo (IFSP) em 29 de dezembro de 2008, através da Lei nº
11.892, sendo caracterizado como instituição de educação superior, básica e
profissional.
Nesse percurso histórico, percebe-se que o IFSP, nas suas várias
caracterizações (Escolas de Artífices, Liceu Industrial, Escola Industrial, Escola
Técnica, Escola Técnica Federal e CEFET), assegurou a oferta de trabalhadores
12
qualificados para o mercado, bem como se transformou em uma escola integrada
no nível técnico, valorizando o ensino superior e, ao mesmo tempo, oferecendo
oportunidades para aqueles que não conseguiram acompanhar a escolaridade
regular.
Além da oferta de cursos técnicos e superiores, o IFSP – que atualmente
conta com 31 câmpus – contribui para o enriquecimento da cultura, do
empreendedorismo, cooperativismo e para o desenvolvimento socioeconômico da
região de influência de cada câmpus. Atua também na pesquisa aplicada
destinada à elevação do potencial das atividades produtivas locais e na
democratização
do
conhecimento
à
comunidade
em
todas
as
suas
representações.
2.3.
RELAÇÃO DOS CÂMPUS DO IFSP
Tabela 1 - Unidades do IFSP
Câmpus
Autorização de Funcionamento
Início das Atividades
São Paulo
Decreto nº. 7.566, de 23/09/1909
24/02/1910
Cubatão
Portaria Ministerial nº. 158, de 12/03/1987
01/04/1987
Sertãozinho
Portaria Ministerial nº. 403, de 30/04/1996
01/1996
Guarulhos
Portaria Ministerial nº. 2.113, de 16/06/2006
13/02/2006
São João da Boa Vista
Portaria Ministerial nº. 1.715, de 20/12/2006
02/01/2007
Caraguatatuba
Portaria Ministerial nº. 1.714, de 20/12/2006
12/02/2007
Bragança Paulista
Portaria Ministerial nº. 1.712, de 20/12/2006
30/07/2007
Salto
Portaria Ministerial nº. 1.713, de 20/12/2006
02/08/2007
São Carlos
Portaria Ministerial nº. 1.008, de 29/10/2007
01/08/2008
São Roque
Portaria Ministerial nº. 710, de 09/06/2008
11/08/2008
Campos do Jordão
Portaria Ministerial nº. 116, de 29/01/2010
02/2009
Birigui
Portaria Ministerial nº. 116, de 29/01/2010
2º semestre de 2010
Piracicaba
Portaria Ministerial nº. 104, de 29/01/2010
2º semestre de 2010
Itapetininga
Portaria Ministerial nº. 127, de 29/01/2010
2º semestre de 2010
13
Catanduva
Portaria Ministerial nº. 120, de 29/01/2010
2º semestre de 2010
Araraquara
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
2º semestre de 2010
Suzano
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
2º semestre de 2010
Barretos
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
2º semestre de 2010
Boituva
Resolução nº 28, de 23/12/2009
2º semestre de 2010
Capivari
Resolução nº 30, de 23/12/2009
2º semestre de 2010
Matão
Resolução nº 29, de 23/12/2009
2º semestre de 2010
Avaré
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
1º semestre de 2011
Hortolândia
Portaria Ministerial nº 1
1º semestre de 2011
Registro
1º semestre de 2011
Votuporanga
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
.170, de 21/09/2010
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
Presidente Epitácio
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
1º semestre de 2011
Campinas
Portaria Ministerial nº 1.170, de 21/09/2010
1º semestre de 2011
São José dos Campos
Portaria Ministerial nº 330, de 26/04/2013
1º semestre de 2013
Jacareí
Em andamento
2º semestre de 2014
Jundiaí
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Araras
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Rio Claro
Câmpus avançado
Sorocaba
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Limeira
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Pirassununga
Câmpus avançado
Em fase de Implantação
Paraguassú Paulista
Câmpus avançado
Em fase de Implantação
Presidente Prudente
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Ubatuba
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Mococa
Em fase de implantação
2º semestre de 2014
Ribeirão Preto
Câmpus avançado
Santo André
Em fase de implantação
Mauá
Câmpus avançado
Em fase de Implantação
Cidade Tiradentes
Câmpus avançado
Em fase de Implantação
1º semestre de 2011
Em fase de Implantação
Em fase de Implantação
2º semestre de 2014
14
Ubatuba
Câmpus avançado
Itapecerica da Serra
Em estudo
Itaquaquecetuba
Em estudo
Francisco Morato
Em estudo
São Paulo (Z. Noroeste)
Em estudo
Bauru
Em estudo
Marília
Em estudo
Itapeva
Em estudo
Carapicuíba
Em estudo
2.4.
Em fase de Implantação
HISTÓRICO DO CÂMPUS E CARACTERIZAÇÃO
O município de Capivari está localizado no Estado de São Paulo, na
mesorregião e microrregião de Piracicaba (IBGE 2009), a 140 km da capital do
Estado. Faz divisa com os municípios de Elias Fausto, Mombuca, Monte Mor,
Porto Feliz, Rafard, Rio das Pedras, Santa Bárbara D’Oeste com proximidades à
Americana, Campinas, Cerquilho, Itú, Hortolândia, Indaiatuba, Laranjal Paulista,
Nova Odessa, Paulínia, Piracicaba, Saltinho, Sumaré e Tietê.
O Câmpus Avançado Capivari foi criado em 1º de fevereiro de 2010
vinculado ao Câmpus Salto, em ato oficial realizado em Brasília, conduzido pelo
Presidente da República à época, Luiz Inácio Lula da Silva. Em abril de 2013, o
Câmpus deixou de ser Câmpus Avançado, passando a ser reconhecido como
Câmpus, nas mesmas condições dos demais do IFSP.
As atividades no Câmpus Avançado Capivari iniciaram-se em agosto de
2010, com a oferta de dois cursos técnicos oferecidos na modalidade
subsequente/concomitante (Química e Manutenção e Suporte em Informática).
Em 2012, o Câmpus passou a oferecer dois cursos técnicos integrados ao ensino
médio (Química e Informática), em parceria com a Secretaria de Educação do
Estado de São Paulo. Em 2013, foi criado o primeiro curso superior (Tecnologia
em Análise e Desenvolvimento de Sistemas) e foi aprovado no Conselho Superior
o projeto do Curso Superior de Tecnologia em Processos Químicos, ofertado a
partir do 1º semestre de 2014.
15
Em termos de infraestrutura, o Câmpus Capivari apresenta oito salas de
aulas onde são desenvolvidas as aulas teóricas, possui cinco laboratórios de
Informática (Desenvolvimento Básico, Desenvolvimento Avançado, Multimídia e
Redes), um laboratório de Eletrônica e Hardware, três laboratórios de Química,
Biblioteca, Cantina e Auditório.
O IFSP tem atuação prioritária na Educação Tecnológica nos seus diversos
níveis de ensino, atuando ainda na formação de professores e desenvolvimento
de pesquisas tecnológicas. Os câmpus do estado de São Paulo possuem
aproximadamente 7 mil alunos matriculados em cursos de longa duração, cursos
técnicos integrados ao ensino médio, inclusive na modalidade – PROEJA,
técnicos concomitantes e/ou subsequentes, cursos tecnológicos, licenciatura,
engenharias e cursos de especialização.
Além dos cursos presenciais, o câmpus tornou-se Polo de Apoio Presencial
a atividades de Educação a Distância (EaD) em 2014 para o curso de Secretaria
Escolar no âmbito do Programa Pró Funcionário.
O Câmpus também oferece cursos de curta duração na forma de
Formação Inicial e Continuada (FIC) e Pronatec em diferentes áreas.
Cursos FIC:

Visual Basic.Net;

Boas Práticas de Fabricação na Indústria de Alimentos;

Informática Básica;

Tratamento de Formulários HTML com JavaScript;

Manutenção Preventiva em Computadores;

Uso Básico de Planilhas Eletrônicas;

Instalação e Configuração do Sistema Operacional Windows Server
2003;

Banco de Dados;

Matemática Básica;

Conhecendo a Cultura Alemã.
Cursos Pronatec:
 Auxiliar Administrativo
16
 Auxiliar de Biblioteca
 Auxiliar de Recursos Humanos
 Inglês Básico
 Montador e Reparador de Computadores
 Programador de Sistemas
 Programador Web.
Também várias atividades são desenvolvidas por meio do Programa
Bolsas Discentes, sendo que em 2014 foram oferecidas três Bolsas Ensino, três
Bolsas Extensão e três Bolsas Pesquisa e Inovação.
Anualmente, são realizados também eventos como a Jornada TécnicoCientífica, Semana de Ciência e Tecnologia, Viagens técnicas-científicas e
culturais, além de atividades culturais e trotes solidários com arrecadações e
doações de produtos de consumo para entidades beneficentes e de caridade.
2.5.
JUSTIFICATIVA E DEMANDA DE MERCADO
De acordo com pesquisas realizadas pelo IBGE, apresentadas no PNAD
2008, sobre bens duráveis em domicílios podemos perceber que houve um
aumento no número de microcomputadores de uso doméstico de cerca de 14
milhões e 700 mil para 17 milhões e 900 mil equipamentos entre 2007 e 2008,
resultando em aumento de cerca de 22%. Paralelamente com o aumento do
número de microcomputadores domésticos houve também um aumento no
número de computadores com acesso a internet (Gráfico 1).
Segundo pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da
comunicação no Brasil 2008, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil,
percebe-se um aumento no número de empresas que utilizam computadores,
principalmente nas empresas de pequeno e médio porte. Cem por cento das
empresas de grande porte já utilizam esta tecnologia no desenvolvimento de suas
atividades (Gráficos 2 e 3).
17
Gráfico 1: Percentual de domicílios com microcomputadores e com microcomputadores
com acesso à internet no total de domicílios particulares permanentes – Brasil – 2007 –
2008
Fonte: IBGE – 2009 - Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa
Nacional por Amostra de Domicílios 2007-2008.
Portanto, é evidente que esta tecnologia está presente em nosso dia-a-dia e
expandindo de forma significativa. Desta forma, seja nas residências, ou no
mundo do trabalho, a informática é hoje uma necessidade de todos os setores da
sociedade. Neste cenário, verifica-se o aumento no número de computadores que
precisam ser instalados e configurados, além de necessitarem também, de
manutenção preventiva e corretiva. Isto enfatiza que se trata de mercado de
trabalho com grandes oportunidades, e que necessita de qualificação profissional
adequada. São muitas as oportunidades nesse mercado de trabalho que cresce e
muda tão rapidamente. Por essa razão, o Curso Técnico em Informática Integrado
ao Ensino Médio não só atende a essa enorme demanda, como também beneficia
uma quantidade significativa de estudantes que necessitam, além da formação
básica, de qualificação profissional.
18
Gráfico 2: Proporção de empresas que usam computadores, por porte (%)
Fonte: Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da comunicação no Brasil 2008.
Gráfico 3: Proporção de Empresas com rede (LAN, Intranet, Extranet) (%)
Fonte: Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da comunicação no Brasil 2008.
19
Além desse aspecto, os dados sobre a economia e industrialização do
município de Capivari, apontam para a existência de grande número de
estabelecimentos comerciais e industriais (segundo a Relação Anual de
Informações Sociais (RAIS, 2009), do Ministério do Trabalho e Emprego, são 377
estabelecimentos industriais, 901 comerciais, 475 de prestação de serviços e 195
rurais). Tais estabelecimentos utilizam a informática como instrumento de
trabalho, visto a necessidade do armazenamento dos dados e a obtenção das
informações em seus estabelecimentos, atender os requisitos necessários
pertinentes as legislações das três esferas (municipal, estadual e federal) na
geração e armazenamento de dados, ter informações relativas as possíveis
informações que possibilitam tomadas de decisões, dentre outras tarefas aplicada
à finalidade das próprias empresas quanto para gerenciamento das informações
relativas à sua atuação.
A vocação industrial do município de Capivari pode ser percebida quando
se analisa os dados do IBGE sobre a composição do Produto Interno Bruto (Valor
Adicionado). Enquanto a participação da indústria no Estado de São Paulo é de
31,69% do PIB e nacionalmente é menor ainda (29,27%), no município de
Capivari, a participação da indústria na composição do PIB é de 39,69% (Figura
1).
20
Figura 1 - Produto Interno Bruto (Valor Adicionado) do município de Capivari (Fonte: IBGE,
2009).
Portanto, percebe-se a necessidade de atendimento à demanda,
principalmente dos setores da indústria e dos serviços em relação aos
profissionais da área de informática. O crescimento do mercado brasileiro na área
de
informática
criou
uma
demanda
de
profissionais
qualificados
com
conhecimento e habilidades que vão além de operar e manusear o equipamento
de informática, exigindo conhecimentos mais sólidos de seu funcionamento.
O profissional formado em informática pode atuar nas empresas do setor
metalúrgico, vestuário, plásticos, químicos, farmacêuticos, eletroeletrônicos,
automobilístico, máquinas e equipamentos, indústria alimentícia, automação
bancária, dentre outros.
21
3. OBJETIVOS
Associar o Ensino Médio à formação profissional exige uma atenção
especial sobre a ideia de profissionalismo. Muitos são os riscos de mal entendidos
nesse campo. O profissional detém competência técnica em área de atuação bem
definida, e põe tal competência a serviço do público, comprometendo-se a cumprir
os compromissos inerentes. Seus serviços são remunerados, mas o compromisso
que assume com o público vai muito além de uma simples relação de troca de
equivalentes, que se esgota na fixação de um valor justo para tal pagamento.
Muitas categorias de profissionais têm Códigos de Ética, bem como instituições
representativas que regulam o exercício de suas atividades.
No passado, a formação profissional já significou preparação instrumental
específica, visando a inserção mais rápida no mercado de trabalho. Em tais
cursos profissionalizantes, a prática era o forte e a teoria era incipiente. A
formação acadêmica mais densa, com suas etapas cartesianamente prefiguradas,
contrapunha-se a forma de aprendizado mais próxima da que é associada ao
artesão, mais diretamente relacionada com a observação direta de mestres
profissionais mais experientes.
Nas últimas décadas, tem ocorrido de modo sistemático o renascimento do
profissionalismo, com a ampliação do significado e da importância da formação
profissional. Muito se tem enfatizado, desde então, que não basta a competência
técnica para caracterizar o bom profissional. Particularmente, nos últimos anos,
outro aspecto da formação profissional tem chamado à atenção: a revalorização
do modo de produção do artífice, do artesão. Naturalmente, não se trata da
pretensão ingênua do retorno às formas pré-industriais de organização do
trabalho. Trata-se, isto sim, do vislumbre de um fato básico: nos ambientes
tecnológicos mais sofisticados, é fundamental valorizar certa capacidade de
compreender a totalidade do processo produtivo, o que era inerente ao modo
artesanal de produção.
22
3.1 OBJETIVOS GERAIS
 Formar profissionais cidadãos técnicos de nível médio competentes
com
técnica,
ética e
politicamente,
com elevado
grau de
responsabilidade social e que contemple um novo perfil para saber
fazer e manipular tecnologias da informação e da comunicação
(TIC), aspectos organizacionais e humanos, visando a aplicações na
produção de bens, serviços e conhecimentos, bem como a formação
humana e cidadã, alicerçada na articulação entre ciência, tecnologia
e cultura.
 Desenvolver conhecimentos, saberes e competências que os
habilitem efetivamente para analisar, questionar e entender os fatos
do dia a dia com mais propriedade, dotando-os, também, de
capacidade investigativa diante da vida, de forma mais criativa e
crítica.
3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Formar profissionais aptos a propor, projetar e desenvolver
softwares e aplicativos para empresas, bem como desenvolver
sistemas de informação e administração;
 Proporcionar a formação teórica e prática em informática, focada em
TI, abrangendo a compreensão do campo científico da computação,
especificamente na área de administração de bases de dados,
permitindo a sua aplicação na solução de problemas do contexto no
que estão inseridos;
 Formar
profissionais
com
conhecimentos
em
redes
de
computadores, análise, projeto, implementação e gerência de banco
de dados, assim como em tratamento, transferência e recuperação
de informação;
23

Capacitar
para
atuar
no
desenvolvimento
de
sistemas
administrativos, financeiros e industriais, apoiados na internet,
intranets e extranets e até montar a sua própria empresa.
 Preparar profissionais por áreas específicas de conhecimento, com
seus respectivos conteúdos, que podem ser distribuídos em diversas
matérias, dentre as áreas de conhecimento que caracterizam a
computação,
algoritmos
e
programação,
linguagens
de
programação, sistemas operacionais e redes de computadores,
engenharia de software, sistemas de informação e banco de dados.
Procedendo desta maneira, é possível marcar a articulação da dimensão
ética profissional no plano de suas competências e habilidades, além de atender
as demandas regionais por profissionais de nível técnico em informática,
24
4. PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO
Segundo o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, o Técnico em
Informática é um profissional apto que desenvolve programas de computador,
seguindo as especificações e paradigmas da lógica de programação e das
linguagens de programação; utiliza ambientes de desenvolvimentos de sistemas,
sistemas operacionais e banco de dados; executa a manutenção de programas
de computadores implantados.
O perfil profissional é definido pela identidade da formação integrada,
considerando o nível de autonomia e responsabilidade do técnico formado, os
ambientes de atuação, os relacionamentos necessários, os riscos a que está
sujeito, e a necessidade de continuar aprendendo e se atualizando.
O profissional é habilitado com bases científicas, tecnológicas e
humanísticas para o exercício da profissão, com perspectiva crítica, proativa, ética
e global, considerando o mundo do trabalho, a contextualização sócio-políticoeconômica e o desenvolvimento sustentável, agregando valores artístico-culturais.
25
5. REQUISITOS DE ACESSO
O ingresso ao curso será por meio do Processo Seletivo, de
responsabilidade do Instituto Federal de São Paulo, e processos seletivos
simplificados para as vagas remanescentes, por meio de edital especifico, a ser
publicado pelo IFSP no endereço eletrônico www.ifsp.edu.br. Outras formas de
acesso prevista são: reopção de curso, transferência interna ou externa, ex-ofício
ou outras formas definidas pelo IFSP.
Para acesso ao Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio,
o estudante deverá ter concluído o Ensino Fundamental Serão ofertadas 40
(quarenta) vagas anuais no período integral.
O ingresso do candidato ao curso Técnico Integrado dar-se-á mediante o
atendimento das seguintes condições:
a- Aprovação em processo seletivo, com Edital devidamente aprovado
pela Reitoria da IFSP;
b- No ato da matrícula, o candidato deverá comprovar a conclusão do
Ensino Fundamental ou equivalente, com apresentação obrigatória
do respectivo Certificado de Conclusão e Histórico Escolar.
De acordo com a Lei 12.711/2012, serão reservadas, em cada processo
seletivo 50% das vagas aos candidatos que cursam integralmente o ensino
fundamental em escola pública, tenha renda per capita bruta ou inferior a 1,5 (um
vírgula cinco) salário mínimo e autodeclarados pretos, pardos ou indígenas
segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
26
6. LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA
Na especificidade da legislação ressalta-se a Lei de Diretrizes e
Bases da Educação Nacional que prevê a possibilidade de desenvolvimento da
Educação Profissional e Técnica de Nível Médio, quando estabelece, no seu Art.
36-A, modificado pela redação dada pela Lei nº 11.741, de 16/07/2008, que: “A
preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação profissional
poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em
cooperação com instituições especializadas em educação profissional”.
No Art. 36-C faz uma especificação sobre o curso Médio Integrado:
A educação profissional técnica de nível médio articulada, prevista
no inciso I do caput do art. 36-B desta Lei, será desenvolvida de
forma: (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
I - integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído o
ensino fundamental, sendo o curso planejado de modo a conduzir o
aluno à habilitação profissional técnica de nível médio, na mesma
instituição de ensino, efetuando-se matrícula única para cada aluno;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
No caso específico do IFSP, a Lei 11.892, de 29/12/2009, que criou
os Institutos Federais dá amparo ao presente projeto quando determina, no seu
artigo 2º, que:
Os Institutos Federais são instituições de educação superior,
básica
e
profissional,
pluricurriculares
e
multicampi,
especializados na oferta de educação profissional e tecnológica
nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação
de conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas
pedagógicas, nos termos desta Lei.
Neste
sentido,
entende-se
ser
competência
dos
IF
propor
novas formas de oferta de cursos, ampliando assim o acesso à população, uma
vez que, historicamente, apenas um baixo índice de jovens acessa a educação
gratuita e de qualidade.
27
Tabela 2 – Legislações
Legislação Institucional
Ementa
Resolução, 26, de 11 de março de 2014
Delega competência ao Pró-Reitor de Ensino
para autorizar a implementação de atualizações
em Projetos Pedagógicos de Cursos pelo
Conselho Superior
Resolução, 871, de 04 de junho de 2013
Regimento Geral
Resolução, 872, de 04 de junho de 2013
Estatuto do IFSP
Resolução, 866, de 04 de junho de 2013
Projeto Pedagógico Institucional
Resolução, 859, de 07 de maio de 2013
Organização Didática
Resolução, nº 1, de 05 de dezembro de 2014
Atualização do Catálogo Nacional de Cursos
Técnicos
Legislação Acessibilidade
Ementa
Decreto 5296, de 02 de dezembro de 2004
Condições de acesso para pessoas de
necessidades específicas que regulamenta as
Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que
dá prioridade de atendimento às pessoas que
especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de
2000, que estabelece normas gerais e critérios
básicos para a promoção da acessibilidade das
pessoas portadoras de deficiência ou com
mobilidade reduzida, e dá outras providências.
Decreto 7611, de 17 de novembro de 2011
Dispõe sobre a educação especial, o
atendimento educacional especializado e dá
outras providências.
Legislação da Educação
Decreto 5154, de 23 de julho de 2004
Resolução 5622, de 19 de dezembro de 2005.
Ementa
Sobre a Educação Profissional Técnica de Nível
Médio
Regulamenta o art. 80 da Lei 9394, de 20 de
dezembro de 1996 que regulamenta a
modalidade de Educação a Distância no país.
Resolução CNE/CEB, nº 6, de 20 de setembro
de 2012.
Define as Diretrizes Curriculares Nacionais par a
Educação Profissional Técnica de Nível Médio.
Portaria 870 de 16 de julho de 2008.
Catálogo Nacional dos Cursos.
Resolução CONFEA 473, de 26 de novembro
de 2002.
Tabela de Títulos Profissionais do Sistema
CONFEA/CREA.
Resolução CNE/CEB nº 4, de 6 de junho de
2012
Dispõe sobre alteração na Resolução CNE/CEB
nº 3/2008, definindo a nova versão do Catálogo
Nacional de Cursos Técnicos de Nível Médio.
Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de
2012
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Médio. Dado pelo Parecer CNE/CEB nº 5/2011,
aprovado em 5 de maio de 2011.
28
Resolução CNE/CEB n.º 3, de 26 de junho de
1998
Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para
o Ensino Médio.
Resolução CNE/CEB nº 4, de 16 de agosto de
2006
Altera o artigo 10 da Resolução CNE/CEB nº
3/98, que institui as Diretrizes Curriculares
Nacionais para o Ensino Médio.
Parecer CNE/CEB nº38/2006, 7 de julho de
2006
São componentes curriculares de oferta
obrigatória em todos os anos, de acordo com a
LDB: Filosofia, Sociologia e Língua Estrangeira
Moderna Obrigatória.
Lei nº 11.161/2005
Deverá ser oferecida pela Instituição em todos os
anos a Língua Espanhola, como Língua Moderna
Optativa, sendo esta facultativa para o estudante
Parecer CNE/CBE nº 2/2007, 31 de janeiro de
2007
São conteúdos obrigatórios pela LDB: o ensino
da Arte, tendo a música como conteúdo
obrigatório, embora não exclusivo; História e
Cultura Afro-Brasileira e Indígena
Resolução nº 2, de 30/01/2012
É obrigatório o oferecimento da educação
alimentar
e
nutricional;
processo
de
envelhecimento, respeito e valorização do idoso;
Educação Ambiental; Educação para o Trânsito;
Educação em Direitos Humanos
Parecer CNE/CEB nº 11/2012
Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Educação Técnica de Nível Médio
Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003
Altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996,
que estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional, para incluir no currículo oficial
da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática
“História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras
providências.
Resolução nº 1, de 17 de junho de 2004
Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação das Relações Étnico-Raciais e para o
Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e
Africana
Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012
Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Educação Ambiental
Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro 2009
Institui o
Humanos
Resolução nº 1, de 30 de maio de 2012
Estabelece Diretrizes Curriculares Nacionais para
a Educação em Direitos Humanos.
Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999
Dispõe sobre a educação ambiental, institui a
Política
Nacional
de
Educação
Ambiental e dá outras providências.
Programa
Nacional
de
Direitos
29
Lei nº 11.684, de 2 de junho de 2008
Altera o art. 36 e Lei nº 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes
e bases da educação nacional, para incluir a
Filosofia e a Sociologia como disciplinas
obrigatórias nos currículos do ensino médio.
Lei nº 10.793, de 1 de dezembro de 2003
Altera a redação do art. 26, que dispõe sobre a
Educação Física no projeto pedagógico da escola
e altera a redação do art. 26, parágrafo 3º, e do
art.92 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de
1996, que “estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional”, e dá outras providências.
Legislação Estágio
Ementa
Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008
Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a
redação do art. 428 da Consolidação das Leis do
Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº
5.452, de 1º de maio de 1943, e a Lei nº 9.394,
de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nº
6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23
de março de 1994, o parágrafo único do art. 82
da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o
art. 6nº da Medida Provisória nº 2.164-41, de 24
de agosto de 2001; e dá outras providências.
Portaria nº. 1204/IFSP, de 11 de maio de
2011.
Aprova o Regulamento de Estágio do
IFSP.
Resolução CNE/CEB nº 2, de 4 de abril de
2005
Modifica a redação do § 3º do artigo 5º da
Resolução CNE/CEB nº 1/2004, até nova
manifestação sobre estágio supervisionado pelo
Conselho Nacional de Educação.
Resolução CNE/CEB nº 1, de 21 de janeiro de
2004
Estabelece
Diretrizes
Nacionais
para
a
organização e a realização de Estágio de alunos
da Educação Profissional e do Ensino Médio,
inclusive nas modalidades de Educação Especial
e de Educação de Jovens e Adultos. Inclui texto
Resolução CNE/CEB nº 2/2005.
30
7. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR
O currículo proposto para o curso Técnico em Informática Integrado ao
Ensino Médio do Câmpus Capivari foi pensado na perspectiva da integração entre
formação geral e profissional. Para efetivar essa integração busca-se o objeto
comum ao qual esteja associado o conhecimento historicamente acumulado pela
humanidade, o desenvolvimento científico mostrado aos alunos como construção
humana e a contextualização do conhecimento, da ciência e da técnica no âmbito
global e local.
O curso compreende espaços de ensino e aprendizagem que articulem a
interdisciplinaridade dos currículos com as ações de pesquisa e extensão de
forma a permitir a construção do conhecimento, culminando em uma produção
acadêmica e técnico-científica.
A organização curricular do curso busca atender a autonomia da
Instituição, sem perder a visão da formação geral que contemple a percepção dos
processos sociais e profissionais.
Considerando a autonomia do Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de São Paulo conforme Lei nº 11.892 de 2009, o Currículo dos Cursos
Integrados ofertados no IFSP atenderá as seguintes proposições:
a) Os
conteúdos
curriculares
da
formação
geral
serão
tratados
propedeuticamente e no contexto do trabalho, como meio de produção
de bens, serviços e conhecimentos;
b) Os conteúdos curriculares de preparação básica para o trabalho serão
parte integrante do currículo do Ensino de nível médio de forma a
permitir uma habilitação profissional.
O currículo do Curso Técnico em Informática foi concebido de modo a
promover um espaço integrador que assegure a interdisciplinaridade e a Inter
articulação teórico prática e reflexiva dos componentes curriculares da Base
Nacional Comum e da Parte Específica, com vistas ao rompimento para com a
ênfase na dimensão apenas conceitual da formação dos alunos.
O Curso Técnico Integrado será desenvolvido com a carga horária de 3733
horas, distribuída em três anos letivos, sendo que cada ano é constituído de 200
dias letivos e cada aula com duração de 50 minutos. Na opção do aluno por
31
estágio, a carga será acrescida de 360 horas para seu desenvolvimento. Há
também a parte diversificada optativa, compreendida pelas disciplinas Espanhol
Básico, Espanhol Intermediário, Espanhol Avançado, Esportes e Libras
totalizando como 335 horas de carga horária facultativa.
A parte diversificada optativa, tem o intuito de oferecer opções de
complementação
dos
estudos,
conforme
demanda
e
necessidade
de
aperfeiçoamento e interesse de cada aluno.
- Espanhol Básico, Intermediário e Avançado:
Será ofertada, em todos os anos do curso, duas aulas semanais da
disciplina Espanhol, de modo a acrescentar aos alunos o conhecimento de uma
segunda
língua
estrangeira
necessária,
também,
a
propiciar
a
compreensão/entendimento/leitura de temas/assuntos da área em diversas
mídias, etc. O aluno que optar pela disciplina iniciará o curso no primeiro ano em
Espanhol Básico e para possibilitar a continuidade e o aprofundamento da
construção do conhecimento poderá cursar, de modo não obrigatório, os anos
seguintes em Espanhol Intermediário no segundo ano e Espanhol Avançado no
terceiro.
- Esportes:
Será oferecido o componente curricular optativo “Esportes” com o objetivo
de promover aos discentes sua participação nas atividades físicas de modo a
fortalecer as relações interpessoais e éticas, valorizar expressões corporais, de
forma abrangente, construir conhecimentos sobre a saúde, sobre várias
modalidades do mundo dos esportes e do fitness, adaptando o conteúdo das
aulas à individualidade de cada aluno e a fase de desenvolvimento em que estes
se encontram.
- LIBRAS- Língua Brasileira de Sinais
De acordo com o Decreto 5.626/2005, a disciplina Língua Brasileira de
Sinais deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória, nos cursos
Licenciatura, e optativa, nos demais cursos de educação superior e na educação
32
profissional. Assim, na estrutura curricular deste curso, visualiza-se a inserção da
disciplina Língua Brasileira de Sinais, conforme determinação legal.
IDENTIFICAÇÃO DO CURSO
33
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Câmpus
Capivari
Finalidade
Implantação
Modalidade
Curso Presencial
Previsão de abertura do
curso
1º semestre 2016
Período
Matutino / Vespertino (Integral)
Vagas semestrais
0
Vagas Anuais
40 vagas
Nº de semestres
6 semestres
Carga Horária Mínima
Facultativa
335 horas
Carga Horária
Mínima obrigatória
3.733 horas
Duração da Hora-aula
50 minutos
Duração do semestre
20 semanas
34
7.1 ESTRUTURA CURRICULAR
Carga Horária
Mínima Obrigatória
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO
Criado pela Lei nº 11.892 de 29/12/2008.
Câmpus
3733
Capivari
Criado pela Resolução nº 30, de 23/12/2009
Total Anual de
semanas
ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Base Legal: Lei nº 9.394/1996, Decreto n° 5.154/2004, Resoluções CNE/CEB nº 02/2012 e nº 06/2012.
40
Resolução de autorização do Curso no IFSP, nº xxx de xxxx
Habilitação Profissional: INFORMÁTICA
BASE NACIONAL COMUM
ÁREAS
Componente Curricular
Trat. Núm.
Met. Prof.
Carga horária
Total
aulas
Total
horas
1º
2º
3º
133
133
480
400
0
67
33
0
120
100
1
0
67
33
0
120
100
4
4
4
133
133
133
480
400
1
2
2
2
67
67
67
240
200
T
1
2
2
2
67
67
67
240
200
QUI
T
1
2
2
2
67
67
67
240
200
História
HIS
T
1
2
2
2
67
67
67
240
200
Geografia
GEO
T
1
2
2
2
67
67
67
240
200
Filosofia
FIL
T
1
2
2
1
67
67
33
200
167
Sociologia
SOC
T
1
2
2
1
67
67
33
200
167
Inglês
ING
T/P
1
2
2
2
67
67
67
240
200
28 26 22
933
867
733
3040
2533
Conceitos Básicos da Computação
CBC
T/P
2
4
0
0
133
0
0
160
133
Lógica de Programação
LOG
T/P
2
4
0
0
133
0
0
160
133
Sistemas Operacionais
SOP
T/P
2
2
0
0
67
0
0
80
67
Empreendedorismo
EMP
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Banco de Dados
BND
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Linguagem de Programação
LPG
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Redes e Segurança
RSE
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Análise de Sistemas
ASI
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Linguagem de Programação Web
LPW
T/P
2
0
2
0
0
67
0
80
67
Administração de Banco de Dados
ABD
T/P
2
0
0
2
0
0
67
80
67
Programação de Dispositivos Móveis
PDM
T/P
2
0
0
4
0
0
133
160
133
Linguagem de Programação Visual
LPV
T/P
2
0
0
4
0
0
133
160
133
Projeto Integrador
PRJ
T/P
2
0
0
4
0
0
133
160
133
10 12 14
333
400
467
1440
1200
38 38 36
1267
1267
1200
4480
3733
2533
1200
3733
Total
Aulas
80
80
80
80
80
Total
Horas
67
67
67
67
67
LINGUAGENS
MATEMÁTICA
CIÊNCIAS DA
NATUREZA
LINGUAGENS
1º 2º 3º
4
4
4
Lingua Portuguesa e Literaturas
LPT
T
1
Arte
ART
T/P
1
2
1
Educação Física
EFI
T
1
2
Matemática
MAT
T
1
Biologia
BIO
T
Física
FIS
Química
FORMAÇÃO GERAL = Sub Total I
PARTE PROFISSIONALIZANTE
Aulas
semanais
133
CIÊNCIAS
HUMANAS
Parte
Divers.Obrigatória
Cód.
FORMAÇÃO PROFISSIONALIZANTE = Sub Total II
Total de Aulas Semanais (Aulas de 50 minutos)
CARGA HORÁRIA
Formação Geral (Base Nacional Comum + Parte Diversificada Obrigatória)
TOTAL MÍNIMA
OBRIGATÓRIA Formação Profissional (Projeto Integrador + Parte Específica)
Carga Horária Total Mínima Obrigatória
Componente Curricular Optativo
PARTE
DIVERSIFICADA
OPTATIVA
Espanhol Básico
Espanhol Intermediário
Espanhol Avançado
Esporte
Libras
Cód.
ESB
ESI
ESA
EPO
LBS
Aulas
Trat. Núm.
Met. Prof. Semanais
T/P
1
2
T/P
1
2
T/P
1
2
P
1
2
T/P
1
2
Carga horária
67
67
67
67
67
ESTÁGIO
Estágio Profissional Supervisionado (optativo)
SUPERVISIONADO
CARGA HORÁRIA
Carga Horária Total Máxima
TOTAL MÁXIMA
360
4428
Figura 2 – Estrutura curricular do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio.
35
7.3 COMPONENTES CURRICULARES DE FORMAÇÃO GERAL
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Língua Portuguesa e Literaturas
Ano: 1°
Código: LPT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Simbolização de experiências (suas e dos outros) a partir da palavra oral e escrita, refletindo sobre elas
mediante o estudo da língua, instrumento que lhes permite organizar a realidade na qual se inserem,
construindo significados, nomeando conhecimentos e experiências, produzindo sentidos, tornando-se
sujeitos.
3 – OBJETIVOS:
• Analisar o papel da linguagem na sociedade, dentro do quadro histórico, e o seu papel na sociedade
atual.
• Refletir sobre a linguagem enquanto constituidora dos nossos desejos e saberes.
• Aprender outras linguagens, como a da informática, a das ciências, a das técnicas, as variações
linguísticas na cultura local, conforme as necessidades e interesses do grupo, buscando reconhecer não
só as suas formas de manifestação, mas também a sua organização, os valores a elas veiculados, suas
estratégias de funcionamento.
• Levar os alunos a observar o modo de funcionamento de uma língua específica, elaborando reflexões
sobre sua gramática, preferencialmente exercendo a comparação.
• Tratar a leitura e a produção de textos como momentos indissociáveis de um mesmo processo, já que
quem lê pode estar também reescrevendo o texto, não se limitando a passivamente decodificá-lo, e quem
produz um texto interfere na realidade com a leitura advinda do reconhecimento do lugar histórico-social
de produção do texto escrito.
• Trabalhar a indissociabilidade entre a sintaxe, a semântica, a fonologia e a morfologia de uma língua,
apesar das especificidades de seus processos.
• Tratar as diferentes estruturas de uma língua, tendo em vista as suas variações regionais, sociais e
etárias e suas diferentes modalidades de uso.
• Entender a literatura como uso artístico da linguagem, explorada em seus aspectos linguísticos,
estéticos, sociais, lúdicos, etc.
• Reconhecer os diferentes gêneros literários e suas manifestações: poesia, conto, romance, novela,
fábula, lenda, canção, cordel, peça teatral, sermão, carta, discurso, dentre outros.
• Articular o discurso literário com outros discursos de diferentes manifestações artísticas.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Língua portuguesa
UNIDADE I
I.1 Comunicação humana: linguagem, língua e fala;
I.2. Signo linguístico e funções da linguagem
I.3. Norma culta e variedades linguísticas: o preconceito linguístico
I.4. Sentido das palavras: denotativo e conotativo (metafórico)
I.5. Figuras de linguagem
I.6. Interpretação de texto verbal e não verbal: história em quadrinhos, charge e tirinhas.
UNIDADE II
II.1. Estrutura das palavras:
II.2. Processo de formação de palavras
36
II.3. Ortografia:
II.4. Noções gerais sobre ortografia
II.5. Novo Acordo ortográfico
II.6. Interpretação textual
UNIDADE III
III.1. Morfossintaxe I: classes de palavras variáveis
III.2. Morfossintaxe II: classes de palavras invariáveis
III.3. Sintaxe: termos (essenciais, integrantes e acessórios) da oração.
III.4. Interpretação textual
UNIDADE IV
IV.1. Texto, coesão e coerência textual.
IV.2. O planejamento do parágrafo
IV.3. Introdução de modalizadores e expressões de estilo em fórmulas textuais
IV.4. Interpretação de textos:
IV.5. Níveis de leitura:
IV.6. Decodificação
IV.7. Inferência
IV.8. Extrapolação
Literatura
UNIDADE V
V.1. A plurissignificação da linguagem literária
V.2. O texto literário e o texto não literário
V.3. A Literatura na Idade Média
V.4. História Social do Trovadorismo: as cantigas trovadorescas
V.5. O texto teatral: Gil Vicente
V.6. Leitura Dramatizada: Farsa de Inês Pereira
UNIDADE VI
VI.1. O Renascimento: Renascimento e Classicismo
VI.2. A Linguagem da poesia clássico renascentista: Os Lusíadas
VI.3. O Quinhentismo no Brasil: A Literatura de Informação
VI.4. Leitura: A carta de Caminha
UNIDADE VII
VII.1. Barroco: A arte da indisciplina
VII.2. A linguagem barroca: Pe. Antônio Vieira e Gregório de Matos
VII.3. O Barroco em Portugal: Literatura como missão (Pe. Antônio Vieira).
VII.4. O Barroco no Brasil: adequação e irreverência (Gregório de Matos)
UNIDADE VIII
VIII.1. O Arcadismo: a linguagem árcade
VIII.2. O Arcadismo em Portugal: sonetos de Bocage
VIII.3. O Arcadismo no Brasil: os árcades e a Inconfidência
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivo-dialogadas
• Seminários/ palestras
• Leitura, comentários, compreensão e interpretação de textos
• Atividades escritas e orais
• Discussão em grupo e/ou duplas sobre os gêneros trabalhados
• Trabalhos em grupos e/ou duplas e/ou individual sobre os gêneros trabalhados
• Apresentação oral de trabalhos
37
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português: Linguagens. Volume único, São Paulo: Atual, 2013.
672p.
ABAURRE, M. L. M.; PONTARA, Marcela. Literatura Brasileira, tempos, leitores e Leituras. São
Paulo: Moderna, 2013. 664p.
CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48. ed. São Paulo: Editora Nacional,
2008. 696p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SARMENTO, L. L. Vereda Digital Gramática – Gramática em Textos. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2012.
608p.
EMEDIATO, W. A fórmula do texto.Redação, argumentação e leitura. 3. ed. São Paulo: Geração,
2007. 296p.
DELMANTO, D; CASTRO, M. C. Português: ideias e linguagens. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
239p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
38
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Língua Portuguesa e Literaturas
Ano: 2°
Código: LPT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Simbolização de experiências (suas e dos outros) a partir da palavra oral e escrita, refletindo sobre elas
mediante o estudo da língua, instrumento que lhes permite organizar a realidade na qual se inserem,
construindo significados, nomeando conhecimentos e experiências, produzindo sentidos, tornando-se
sujeitos.
3 – OBJETIVOS:
• Analisar o papel da linguagem na sociedade, dentro do quadro histórico, e o seu papel na sociedade
atual.
• Refletir sobre a linguagem enquanto constituidora dos nossos desejos e saberes.
• Aprender outras linguagens, como a da informática, a das ciências, a das técnicas, as variações
linguísticas na cultura local, conforme as necessidades e interesses do grupo, buscando reconhecer não
só as suas formas de manifestação, mas também a sua organização, os valores a elas veiculados, suas
estratégias de funcionamento.
• Levar os alunos a observar o modo de funcionamento de uma língua específica, elaborando reflexões
sobre sua gramática, preferencialmente exercendo a comparação.
• Tratar a leitura e a produção de textos como momentos indissociáveis de um mesmo processo, já que
quem lê pode estar também reescrevendo o texto, não se limitando a passivamente decodificá-lo, e quem
produz um texto interfere na realidade com a leitura advinda do reconhecimento do lugar histórico-social
de produção do texto escrito.
• Trabalhar a indissociabilidade entre a sintaxe, a semântica, a fonologia e a morfologia de uma língua,
apesar das especificidades de seus processos.
• Tratar as diferentes estruturas de uma língua, tendo em vista as suas variações regionais, sociais e
etárias e suas diferentes modalidades de uso.
• Entender a literatura como uso artístico da linguagem, explorada em seus aspectos linguísticos,
estéticos, sociais, lúdicos, etc.
• Reconhecer os diferentes gêneros literários e suas manifestações: poesia, conto, romance, novela,
fábula, lenda, canção, cordel, peça teatral, sermão, carta, discurso, dentre outros.
• Articular o discurso literário com outros discursos de diferentes manifestações artísticas.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Língua portuguesa
UNIDADE I
I.1. Noções gerais sobre ortografia
I.2. Novo Acordo Ortográfico
I.3. Morfossintaxe I (classes de palavras variáveis)
I.4. Morfossintaxe II (classe de palavras invariáveis)
I.5. Sintaxe: termos (essenciais, integrantes e acessórios) da oração
I.6. Interpretação de texto verbal e não verbal: charge, tirinha e cartum.
UNIDADE II
II.1. As funções da linguagem e do discurso
II.2. O modo de organização do discurso narrativo
II.3. Elementos estruturais da narrativa
II.4. O enredo, a verossimilhança
II.5. O tempo e o espaço
39
II.6. O narrador: variantes do narrador em 3ª e em 1ª pessoa
II.7.Estudo da notícia, crônica e conto
II.8. Interpretação de texto: semântica e interação
UNIDADE III
III.1. Os modos de organização do discurso:
III.2. Gêneros e tipos textuais
III.3. Argumentativo:
III.4. O texto publicitário, a crítica e o editorial
III.5. O modo de organização do discurso argumentativo:
III.5.1. Argumentos empíricos ou factuais
III.5.2. A causalidade (argumentos causais)
III.5.3. Argumentação pragmática (ad consequentiam)
III.6. Os argumentos fundados em confrontação
III.70. Os argumentos de autoridade e legitimação
III.8. Conjunção e argumentação
III.9. Interpretação de texto: editorial e crítica
UNIDADE IV
IV.1. O planejamento do parágrafo
IV.2. Introdução de modalizadores e expressões de estilo em fórmulas textuais
IV.3. Sintaxe de relação: concordância, regência, crase e colocação pronominal
IV.4. Função do “que” e do “se”:
IV.5. Como eliminar o vício do “queísmo”
IV.6. Interpretação de textos: O teatro.
Literatura
UNIDADE V
V.1. História social do romantismo
V.2. A poesia
V.3. Romantismo: A arte da burguesia
V.4. O Romantismo em Portugal:
V.5. A primeira geração Romântica
V.6. A segunda geração Romântica
V.7. O Romantismo no Brasil
V.8. A primeira geração do Romantismo no Brasil
V.9. A segunda geração do Romantismo no Brasil
V.10. O Condoreirismo
UNIDADE VI
VI.1. O Romantismo: a prosa
VI.2. O romance romântico e a identidade nacional
VI.3. O romance indianista
VI.4. Leitura: O Guarani de José de Alencar e Instinto de nacionalidade de Machado de Assis
UNIDADE VII
VII.1. História social do Realismo, do Naturalismo e do Parnasianismo
VII.2. O Realismo: a realidade desnuda
VII.3. A linguagem da prosa realista
VII.4. Leitura: “Missa do galo” de Machado de Assis
VII.5. O Realismo em Portugal:
VII.6. Leitura: O primo Basílio de Eça de Queirós
VII.7. O Realismo no Brasil: Machado de Assis e a linguagem pensante
VII.8. Leitura: Dom Casmurro, O Alienista.
VII.9. O Parnasianismo no Brasil
UNIDADE VIII
VIII.1. História social do Simbolismo
40
VIII.2. O Simbolismo: a linguagem da música
VIII.3. Parnasianismo x Simbolismo
VIII.4. O Simbolismo em Portugal
VIII.5. O Simbolismo no Brasil
VIII.6. O teatro (romântico x realista)
5 – METODOLOGIAS:
• Aulas expositivo-dialogadas
• Seminários/ palestras
• Leitura, comentários, compreensão e interpretação de textos
• Atividades escritas e orais
• Discussão em grupo e/ou duplas sobre os gêneros trabalhados
• Trabalhos em grupos e/ou duplas e/ou individual sobre os gêneros trabalhados
• Apresentação oral de trabalhos
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português: Linguagens. Volume único, São Paulo: Atual, 2013.
672p.
ABAURRE, M. L. M.; PONTARA, Marcela. Literatura Brasileira, tempos, leitores e Leituras. São
Paulo: Moderna, 2013. 664p.
CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48. ed. São Paulo: Editora Nacional,
2008. 696p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SARMENTO, L. L. Vereda Digital Gramática – Gramática em Textos. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2012.
608p.
EMEDIATO, W. A fórmula do texto.Redação, argumentação e leitura. 3. ed. São Paulo: Geração,
2007. 296p.
DELMANTO, D.; CASTRO, M. C. Português: ideias e linguagens. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
239p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
41
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Língua Portuguesa e Literaturas
Ano: 3°
Código: LPT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Simbolização de experiências (suas e dos outros) a partir da palavra oral e escrita, refletindo sobre elas
mediante o estudo da língua, instrumento que lhes permite organizar a realidade na qual se inserem,
construindo significados, nomeando conhecimentos e experiências, produzindo sentidos, tornando-se
sujeitos.
3 – OBJETIVOS:
• Analisar o papel da linguagem na sociedade, dentro do quadro histórico, e o seu papel na sociedade
atual.
• Refletir sobre a linguagem enquanto constituidora dos nossos desejos e saberes.
• Aprender outras linguagens, como a da informática, a das ciências, a das técnicas, as variações
linguísticas na cultura local, conforme as necessidades e interesses do grupo, buscando reconhecer não
só as suas formas de manifestação, mas também a sua organização, os valores a elas veiculados, suas
estratégias de funcionamento.
• Levar os alunos a observar o modo de funcionamento de uma língua específica, elaborando reflexões
sobre sua gramática, preferencialmente exercendo a comparação.
• Tratar a leitura e a produção de textos como momentos indissociáveis de um mesmo processo, já que
quem lê pode estar também reescrevendo o texto, não se limitando a passivamente decodificá-lo, e quem
produz um texto interfere na realidade com a leitura advinda do reconhecimento do lugar histórico-social
de produção do texto escrito.
• Trabalhar a indissociabilidade entre a sintaxe, a semântica, a fonologia e a morfologia de uma língua,
apesar das especificidades de seus processos.
• Tratar as diferentes estruturas de uma língua, tendo em vista as suas variações regionais, sociais e
etárias e suas diferentes modalidades de uso.
• Entender a literatura como uso artístico da linguagem, explorada em seus aspectos linguísticos,
estéticos, sociais, lúdicos, etc.
• Reconhecer os diferentes gêneros literários e suas manifestações: poesia, conto, romance, novela,
fábula, lenda, canção, cordel, peça teatral, sermão, carta, discurso, dentre outros.
• Articular o discurso literário com outros discursos de diferentes manifestações artísticas.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Língua portuguesa
UNIDADE I
I.1. As conjunções e as relações lógico-semânticas entre orações
I.2. Noções gerais sobre ortografia
I.3. Novo Acordo Ortográfico
I.4. Conjunção e argumentação: as relações lógicas
I.5. Sintaxe I: O período composto por coordenação
I.6. Valores semânticos das orações coordenadas sindéticas (com conjunções)
I.7. O modo de organização do discurso
I.8. As pessoas do discurso
I.9. Enunciação em 1ª pessoa: efeito de subjetividade
I.10. Enunciação em 2ª pessoa: efeito de interlocução
I.11. Enunciação em 3ª pessoa: efeito de objetividade
I.12. Gêneros e tipos textuais: Narrativo, Contos, romance e novelas
I.13. Elementos estruturais da narrativa:
42
I.14. O enredo
I.15. Personagens e papéis narrativos
I.16. Os esquemas narrativos
UNIDADE II
II.1. Gêneros e tipos textuais
II.2. Dissertativo
II.3. Artigo de opinião, resenhas, artigos e ensaios.
II.4. O modo de organização do discurso dissertativo
II.5. Estrutura da argumentação: proposição, tese e persuasão
II.6. A argumentação persuasiva
II.7. A argumentação demonstrativa
II.8. A argumentação retórica
II.9. Interpretação de texto: Crônica
UNIDADE III
III.1. O período composto por subordinação
III.2. Valores semânticos das orações subordinadas e suas conjunções subordinativas
III.3. As orações subordinadas adjetivas
III.4. As orações subordinadas adjetivas reduzidas
III.5. As orações subordinadas adverbiais
III.6. As orações subordinadas adverbiais reduzidas
III.7. Interpretação de texto: Reportagem e notícia
UNIDADE IV
IV.1. O método sistêmico de produção textual
IV.2. O planejamento dos parágrafos
IV.3. Como associar as formas de planejamento do parágrafo às fórmulas textuais de períodos
IV.4. Introdução de modalizadores e expressões de estilo em fórmulas textuais
IV.5. Produção de texto: vestibulares e concursos.
Literatura
UNIDADE V
V.1. Pré-modernismo;
V.2. Belle Époque e o Pré-modernismo.
V.3. Vanguarda europeias: tensões com a tradição.
V.4. Semana de Arte Moderna e seu contexto histórico.
UNIDADE VI
VI.1. Modernismo brasileiro, seus autores e contexto histórico.
UNIDADE VII
VII.2. Poesia e prosa na geração de 30
VII.3. Contexto histórico após a Semana de 22.
VII.4. Poesia e prosa na geração de 45.
VII.5. Contexto histórico do pós-guerra no mundo e no Brasil.
UNIDADE VIII
VIII.1. Concretismo
VIII.2. Tropicalismo
VIII.3. Poesia marginal
VIII.4. Literatura contemporânea.
5 – METODOLOGIAS:
• Aulas expositivo-dialogadas
• Seminários/ palestras
• Leitura, comentários, compreensão e interpretação de textos
• Atividades escritas e orais
43
• Discussão em grupo e/ou duplas sobre os gêneros trabalhados
• Trabalhos em grupos e/ou duplas e/ou individual sobre os gêneros trabalhados
• Apresentação oral de trabalhos
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: Linguagens. Volume único, São
Paulo: Atual, 2013. 672p.
ABAURRE, Maria Luiza M.; PONTARA, Marcela. Literatura Brasileira, tempos, leitores e Leituras. São
Paulo: Moderna, 2013. 664p.
CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48. ed. São Paulo:
Editora Nacional, 2008. 696p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SARMENTO, L. L. Vereda Digital Gramática – Gramática em Textos. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2012.
608p.
EMEDIATO, W. A fórmula do texto.Redação, argumentação e leitura. 3. ed. São Paulo: Geração,
2007. 296p.
DELMANTO, D.; CASTRO, M. C. Português: ideias e linguagens. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
239p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
44
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Arte
Ano: 1°
Código: ART
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Apropriação de saberes culturais e estéticos em música, artes visuais, dança, teatro e artes audiovisuais
inseridos nas práticas de produção e apreciação artísticas.
3 – OBJETIVOS:
• Realizar produções artísticas e compreendê-las;
• Apreciar produtos de arte e compreendê-los;
• Analisar manifestações artísticas, conhecendo-as e compreendendo-as em sua diversidade históricocultural.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. História da Arte: breve introdução, conceituação e principais movimentos;
I.2. Artes visuais: suportes, ferramentas e procedimentos técnicos e inventivos;
I.3. Arte pública: monumentos históricos; intervenções urbanas; grafite e pichação.
UNIDADE II
II.1. Corpo espetacular: o corpo como suporte físico na dança e no teatro;
II.2. Teatro: texto teatral; o corpo do ator/atriz em expressão cênica; a improvisação teatral.
II.3. A dança e suas modalidades; Danças populares; Dança contemporânea; Festivais de dança;
Espaços alternativos de dança.
UNIDADE III
III.1. Música: matéria sonora e significação; sons, ritmo e tempo; gêneros musicais;
III.2. Prática vocal e prática instrumental;
III.3. Festivais de música; espaços para concerto e espaços alternativos de música (coretos, ruas etc.);
UNIDADE VI
VI.1. Artes audiovisuais: cinema e televisão; desenho de animação; videoclipe, videogame e web vídeos;
VI.2. Intervenção em Arte: modos de intervenção artística e seus processos de criação em artes visuais,
música, teatro, dança e audiovisual; Ações de intervenção e mediação cultural por meio de projetos
individuais ou colaborativos.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas e práticas, envolvendo reflexão, apreciação e produção artísticas em sala de aula ou
outros espaços escolares ou espaços da comunidade local.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FARTHING, S. Tudo sobre Arte – Os movimentos e as obras mais importantes de todos os tempos. 2.
ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2011. 576p.
TIRAPELI, P. Arte Popular. 2. ed. [s.l.]: IBEP, 2011. 80p.
FILHO, D. B. Pequena História das Artes no Brasil. 2. ed. [s.l.]: Átomo, 2008. 134p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
45
BENNETT, R.; COSTA, M. T. R. Uma breve História da Música. Rio de Janeiro: Zahar, 1986. 80p.
DICKINS, R.; GRIFFITH, M. Introdução à arte. [s.l.]: Ciranda Cultural, 2012. 144p.
DICKINS, R. Introdução à arte moderna. [s.l.]: Ciranda Cultural, 2012. 96p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
46
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Arte
Ano: 2°
Código: ART
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
1
40
33
2 – EMENTA:
Apropriação de saberes culturais e estéticos em música, artes visuais, dança, teatro e artes audiovisuais
inseridos nas práticas de produção e apreciação artísticas.
3 – OBJETIVOS:
• Realizar produções artísticas e compreendê-las;
• Apreciar produtos de arte e compreendê-los;
• Analisar manifestações artísticas, conhecendo-as e compreendendo-as em sua diversidade históricocultural.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. História da Arte: breve introdução, conceituação e principais movimentos;
I.2. Artes visuais: suportes, ferramentas e procedimentos técnicos e inventivos;
I.3. Arte pública: monumentos históricos; intervenções urbanas; grafite e pichação.
UNIDADE II
II.1. Corpo espetacular: o corpo como suporte físico na dança e no teatro;
II.2. Teatro: texto teatral; o corpo do ator/atriz em expressão cênica; a improvisação teatral.
II.3. A dança e suas modalidades; Danças populares; Dança contemporânea; Festivais de dança;
Espaços alternativos de dança.
UNIDADE III
III.1. Música: matéria sonora e significação; sons, ritmo e tempo; gêneros musicais;
III.2. Prática vocal e prática instrumental;
III.3. Festivais de música; espaços para concerto e espaços alternativos de música (coretos, ruas etc.);
UNIDADE VI
VI.1. Artes audiovisuais: cinema e televisão; desenho de animação; videoclipe, videogame e web vídeos;
VI.2. Intervenção em Arte: modos de intervenção artística e seus processos de criação em artes visuais,
música, teatro, dança e audiovisual; Ações de intervenção e mediação cultural por meio de projetos
individuais ou colaborativos.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas e práticas, envolvendo reflexão, apreciação e produção artísticas em sala de aula ou
outros espaços escolares ou espaços da comunidade local.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FARTHING, S. Tudo sobre Arte – Os movimentos e as obras mais importantes de todos os tempos. 2.
ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2011. 576p.
TIRAPELI, P. Arte Popular. 2. ed. [s.l.]: IBEP, 2011. 80p.
FILHO, D. B. Pequena História das Artes no Brasil. 2. ed. [s.l.]: Átomo, 2008. 134p.
47
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BENNETT, R.; COSTA, M. T. R. Uma breve História da Música. Rio de Janeiro: Zahar, 1986. 80p.
DICKINS, R.; GRIFFITH, M. Introduação à arte. [s.l.]: Ciranda Cultural, 2012. 144p.
DICKINS, R. Introdução à arte moderna. [s.l.]: Ciranda Cultural, 2012. 96p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
48
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Educação Física
Ano: 1°
Código: EFI
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Contextualização do corpo e do movimento no âmbito da cultura juvenil, cotejada com outras dimensões
do mundo contemporâneo de forma a auxiliar o educando a compreender o mundo de forma mais crítica
e nele intervir com mais recursos e de forma mais autônoma.
3 – OBJETIVOS:
• Compreender o jogo, o esporte, a ginástica, a luta e a atividade rítmica como fenômenos socioculturais,
em sintonia com os temas do nosso tempo e das vidas dos alunos, ampliando os conhecimentos no
âmbito da cultura de movimento;
• Ampliar as possibilidades de movimento e dos significados/sentidos das experiências do movimento no
jogo, no esporte, na ginástica, na luta e na atividade rítmica, rumo à construção de uma autonomia crítica
e autocrítica.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I - Corpo, saúde e cultura
I.1. O corpo e o movimento
I.2. Cultura corporal e padrões estéticos do corpo
I.3. Crescimento e desenvolvimento (psicologia)
I.4. Alimentação e hidratação (nutrição)
I.5. Patologias (cardiovasculares, osteoarticulares, obesidade, distúrbios alimentares etc.)
I.6. Processo de envelhecimento, respeito e valorização do idoso.
UNDADE II - Esportes coletivos
II1. Modalidades
II.2. As capacidades físicas, as técnicas e as regras
II.3. As questões de inclusão e gênero nos esportes coletivos
II.4. As relações de esporte e cultura
II.5. Competição X cooperação
II.6. Os princípios éticos e relações interpessoais no esporte
II.7. Prática de esportes coletivos.
UNIDADE III - Ginástica e dança
III.1. Modalidades
III.2. As capacidades físicas, as técnicas e as regras da ginástica e da dança
III.3. Equilíbrios e desequilíbrios
III.4. As questões de gênero e inclusão na ginástica e na dança
III.5. Prática de ginástica e dança.
UNIDADE IV - Jogos e brincadeiras
Da brincadeira ao esporte
IV.1. Jogos e brincadeiras tradicionais
IV.2. Jogos e brincadeiras contemporâneas e as tecnologias
IV.3. As regras e a inclusão
IV.4. Espaço e materiais; Competição X cooperação
IV.5. Prática de jogos e brincadeiras.
49
5 – METODOLOGIAS:
Todos os conteúdos deverão ser desenvolvidos a partir de aulas teóricas e aulas práticas, ampliando o
espaço tradicional das aulas de Educação Física – a quadra de esportes – e utilizando outros tempos e
espaços escolares e espaços da comunidade local, além de atividades extra-aula. Sendo assim, diversos
recursos didáticos poderão estar envolvidos, além dos tradicionais artigos esportivos, dentre eles: textos,
filmes, slides etc.
6 – AVALIAÇÃO:
Continua e cumulativa. Observação constante feita pelo professor. Trabalhos feitos individualmente e/ou
em grupos. Participação nas atividades propostas.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MATOS, D. C.; et al. Dicionário de Educação Física, Desporto e Saúde.. [s.l.]: Bubio, 2005. 304p.
DA SILVA, P. A. 3000 Exercícios e Jogos para Educação Física Escolar. v.3., [s.l.]: Sprint, 2003. 278p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DAOLIO, J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas: Autores Associados, 2004. 88p.
FERREIRA, V. Educação Física - Recreação, Jogos e Desportos. [s.l.]: Sprint, 2002. 130p.
SOARES, C. L.; et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 2012. 200p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
50
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Educação Física
Ano: 2°
Código: EFI
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
1
40
33
2 – EMENTA:
Contextualização do corpo e do movimento no âmbito da cultura juvenil, cotejada com outras dimensões
do mundo contemporâneo de forma a auxiliar o educando a compreender o mundo de forma mais crítica
e nele intervir com mais recursos e de forma mais autônoma.
3 – OBJETIVOS:
• Compreender o jogo, o esporte, a ginástica, a luta e a atividade rítmica como fenômenos socioculturais,
em sintonia com os temas do nosso tempo e das vidas dos alunos, ampliando os conhecimentos no
âmbito da cultura de movimento;
• Ampliar as possibilidades de movimento e dos significados/sentidos das experiências do movimento no
jogo, no esporte, na ginástica, na luta e na atividade rítmica, rumo à construção de uma autonomia crítica
e autocrítica.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I - Corpo, saúde e cultura
I.1. O corpo e o movimento
I.2. Cultura corporal e padrões estéticos do corpo
I.3. Crescimento e desenvolvimento (psicologia)
I.4. Alimentação e hidratação (nutrição)
I.5. Patologias (cardiovasculares, osteoarticulares, obesidade, distúrbios alimentares etc.)
I.6. Processo de envelhecimento, respeito e valorização do idoso.
UNDADE II - Esportes coletivos
II1. Modalidades
II.2. As capacidades físicas, as técnicas e as regras
II.3. As questões de inclusão e gênero nos esportes coletivos
II.4. As relações de esporte e cultura
II.5. Competição X cooperação
II.6. Os princípios éticos e relações interpessoais no esporte
II.7. Prática de esportes coletivos.
UNIDADE III - Ginástica e dança
III.1. Modalidades
III.2. As capacidades físicas, as técnicas e as regras da ginástica e da dança
III.3. Equilíbrios e desequilíbrios
III.4. As questões de gênero e inclusão na ginástica e na dança
III.5. Prática de ginástica e dança.
UNIDADE IV - Jogos e brincadeiras
Da brincadeira ao esporte
IV.1. Jogos e brincadeiras tradicionais
IV.2. Jogos e brincadeiras contemporâneas e as tecnologias
IV.3. As regras e a inclusão
IV.4. Espaço e materiais; Competição X cooperação
IV.5. Prática de jogos e brincadeiras.
5 – METODOLOGIAS:
Todos os conteúdos deverão ser desenvolvidos a partir de aulas teóricas e aulas práticas, ampliando o
51
espaço tradicional das aulas de Educação Física – a quadra de esportes – e utilizando outros tempos e
espaços escolares e espaços da comunidade local, além de atividades extra-aula. Sendo assim, diversos
recursos didáticos poderão estar envolvidos, além dos tradicionais artigos esportivos, dentre eles: textos,
filmes, slides etc.
6 – AVALIAÇÃO:
A ênfase do ensino está embasada na teoria Crítico Superadora, que leve em consideração aspectos da
Cultura Corporal, a participação (entendida como interesse e compromisso do aluno de fazer a aula,
valores atitudinais como cooperação, solidariedade e outros), assiduidade, pontualidade e a produção
intelectual, serão considerada como todas as atividades (formais ou não) realizadas pelos alunos durante
as aulas.
A métrica para quantificação e os pesos atribuídos a cada uma das avaliações será definida no primeiro
dia de aula, e de comum acordo com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MATOS, D. C.; et al. Dicionário de Educação Física, Desporto e Saúde.. [s.l.]: Bubio, 2005. 304p.
DA SILVA, P. A. 3000 Exercícios e Jogos para Educação Física Escolar. v.3., [s.l.]: Sprint, 2003. 278p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DAOLIO, J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas: Autores Associados, 2004. 88p.
FERREIRA, V. Educação Física - Recreação, Jogos e Desportos. [s.l.]: Sprint, 2002. 130p.
SOARES, C. L; et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 2012. 200p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
52
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Matemática
Ano: 1°
Código: MAT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Desenvolvimento da capacidade de raciocínio, compreendendo e utilizando a ciências como elemento de
interpretação e intervenção na realidade social.
3 – OBJETIVOS:
• Conhecer os problemas nodais que impulsionaram a necessidade de ampliação dos campos numéricos;
• Conceituar e operar conjuntos;
• Fazer uso da linguagem simbólica de conjuntos para representar o raciocínio lógico;
• Descrever, através de funções, o comportamento de fenômenos das outras áreas do conhecimento;
• Resolver situações-problemas modeladas através de funções;
• Construir algoritmos na interpretação de situações-problemas;
• Fazer uso do algoritmo como ferramenta apropriada para simplificação de cálculos;
• Resolver situações-problemas modeladas através de funções;
• Construir algoritmos na interpretação de situações-problemas;
• Fazer uso do algoritmo como ferramenta apropriada para simplificação de cálculos;
• Realizar cálculos de porcentagem.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Conjuntos e conjuntos numéricos
I.2. Noção de conjunto
I.3. Propriedades
I.4. Operações entre conjuntos
I.5. Conjuntos numéricos – intervalos
UNIDADE II
II.1. Regra de três simples e composta, razão, porcentagem, frações;
II.2. Propriedades básicas de potenciação
II.3. Medidas, grandezas e escalas.
II.4. Funções: 1º e 2º graus
II.5. Noção intuitiva de função
II.6. Definição e reconhecimento de uma função
II.7. Domínio, contradomínio e imagem de uma função.
II.8. Gráfico de uma função
II.9. Classificação de uma função
II.10. Função composta
II.11. Função inversa
UNIDADE III
III.1. Função Exponencial
III.2. Equações exponenciais
III.3. Reconhecimento de uma função exponencial
III.4. Equações exponenciais (tipos)
III.5. nequações exponenciais
UNIDADE IV
IV.1. Função Logarítmica
53
IV.2. Definição de logaritmo e consequências da definição
IV.3. Cálculo do logaritmo pela definição
IV.3. Propriedades dos logaritmos
IV.4. Equações logarítmicas
IV.5. Inequações logarítmicas
IV.6. Função logarítmica (gráficos)
IV.7. Sequências numéricas – Progressões: aritmética e geométrica
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Exposição do conteúdo programático com a participação dos alunos e auxílio do
datashow e apresentações de simulação com Scilab.
- Simulação de casos usando o Scilab;
- Aulas de exercícios e Simulação
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BIANCHINI, E.; PACCOLA, H. Curso de Matemática. Volume único, 3. ed. São Paulo: Moderna, 2003.
578P.
DANTE, L. R. Matemática: contexto e aplicações. v.1., 5. ed. São Paulo: Ática, 2011. 472p.
IEZZI, G.; et al. Matemática Ensino Médio Integrado. Volume único, 5. ed. São Paulo: Atual, 2013.
720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
FACCHIN, W. Matemática para a escola de hoje. São Paulo: FTD, 2006.
PAIVA, M. Matemática: conceitos, linguagem e aplicações. Modernas Plus. v.1, São Paulo: Moderna,
2010.
GIOVANNI, J. R.; et al. Matemática Fundamental: Uma nova abordagem. São Paulo: FTD, 2002.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
54
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Matemática
Ano: 2°
Código: MAT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Desenvolvimento da capacidade de raciocínio, compreendendo e utilizando a ciências como elemento de
interpretação e intervenção na realidade social.
3 – OBJETIVOS:
• Noções de matemática financeira como instrumento para a resolução de envolvendo juros simples e
compostos.
• Relacionar os conceitos de porcentagem, juro simples e juro composto com PA e PG, respectivamente.
• Desenvolver o espírito crítico, capacidade de analisar e de tomar decisões, diante de vários tipos de
situações;
• Desenvolver a capacidade de formular estratégias para a organização em agrupamentos de dados;
• Formular estratégias para a organização dos dados em agrupamentos que possam ser contados
corretamente,
• Entender os sistemas lineares e matrizes como organização e sistematização de informações
• Fazer uso do algoritmo como ferramenta apropriada para simplificação de cálculos.
• Realizar cálculos de porcentagem;
• Resolver situações-problemas envolvendo juros simples e compostos.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Trigonometria no triângulo retângulo e no círculo trigonométrico
I.2. Funções trigonométricas: seno, cosseno e tangente
UNIDADE II
II.1. Análise combinatória
II.2. Princípio Fundamental da Contagem
II.3. Permutações Simples e Fatorial de um número
II.4. Arranjos Simples
II.5. Combinações Simples
II.6. Permutações com Repetição
II.7. Problemas envolvendo os vários tipos de agrupamento
II.8. Binômio de Newton
II.9. Triângulo de Pascal
II.10. Matemática financeira
II.11. Noções de juros simples e composto
UNIDADE III
III.1. Probabilidade
III.2. Problemas de contagem: o princípio fundamental da contagem
III.3.1. O princípio aditivo,
III.3.2. Divisão como um processo de redução de agrupamentos repetidos
III.3.4. Resolver problemas envolvendo a contagem de diferentes tipos de agrupamentos
III.5. Probabilidade de um evento num espaço equiprovável
III.5.1. Construção de espaços amostrais finitos e representação através de frequências relativas.
III.5.2. Probabilidade da união e da interseção de eventos
III.5.3. Eventos disjuntos.
III.5.4. O conceito de independência de eventos
55
III.6. Probabilidade condicional.
III.6.1. Aplicação de probabilidade em situações-problema
III.6.2. Noções de estatística
III.6.3. População e amostra
III.7. Tratamento da informação e interpretação de dados em tabelas e gráficos.
III.7.1. Significado e aplicação de medidas de tendência central e de dispersão
UNIDADE IV
IV.1. Matrizes
IV.2. Determinantes
IV.3. Sistemas lineares
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Exposição do conteúdo programático com a participação dos alunos e auxílio do
datashow e apresentações de simulação com Scilab.
- Simulação de casos usando o Scilab;
- Aulas de exercícios e Simulação
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BIANCHINI, E.; PACCOLA, H. Curso de Matemática. Volume único, 3. ed. São Paulo: Moderna, 2003.
578P.
DANTE, L. R. Matemática: contexto e aplicações. v.2., 5. ed. São Paulo: Ática, 2011. 423p.
IEZZI, G.; et al. Matemática Ensino Médio Integrado. Volume único, 5. ed. São Paulo: Atual, 2013.
720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
FACCHIN, W. Matemática para a escola de hoje. São Paulo: FTD, 2006.
PAIVA, M. Matemática: conceitos, linguagem e aplicações. Modernas Plus. v.2, São Paulo: Moderna,
2010.
GIOVANNI, J. R.; et al. Matemática Fundamental: Uma nova abordagem. São Paulo: FTD, 2002.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
56
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Matemática
Ano: 3°
Código: MAT
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
4
160
133
2 – EMENTA:
Desenvolvimento da capacidade de raciocínio, compreendendo e utilizando a ciências como elemento de
interpretação e intervenção na realidade social.
3 – OBJETIVOS:
• Utilizar os conhecimentos geométricos para leitura, compreensão e ação sobre a realidade;
• Caracterizar as diferentes formas geométricas e espaciais, presentes na natureza ou imaginadas,
através de seus elementos e propriedades;
• Representar as formas geométricas por meio de desenho;
• Capacitar o aluno de modo a ter uma visão geométrica espacial;
• Obter o domínio das ideias de proporcionalidade e semelhança;
• Compreender os conceitos de comprimento, área e volume, bem como saber calculá-los;
• Utilizar as coordenadas cartesianas de pontos no espaço possibilita a descrição de objetos geométricos
numa linguagem algébrica;
• Entender que fenômenos periódicos são descritos principalmente com funções trigonométricas;
• Utilizar os conceitos de polinômios resolução de problemas.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Geometria Analítica
I.2. Ponto
I.3. Reta
I.4. Circunferência
UNIDADE II
II.1. Números Complexos
II.2. Introdução
II.3. Forma Algébrica
II.4. Representação Geométrica
II.5. Operações
II.6. Forma Trigonométrica ou Polar
II.7. Transformações de polar para trigonométrica e vice-versa
UNIDADE III
III.1. Álgebra
III.2. Polinômios
III.3. Definição
III.4. Função polinomial
III.5. Operações
UNIDADE IV
IV.1. Revisão de geometria plana
IV.2. Geometria espacial
IV.3. Prismas e Pirâmides
IV.4. Corpos redondos: Cilindro, cone e esfera.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
57
- Exposição do conteúdo programático com a participação dos alunos e auxílio do
datashow e apresentações de simulação com Scilab.
- Simulação de casos usando o Scilab;
- Aulas de exercícios e Simulação
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BIANCHINI, Edwaldo; PACCOLA, Herval. Curso de Matemática. Volume único, 3. ed. São Paulo:
Moderna, 2003. 578P.
DANTE, Luiz Roberto. Matemática: contexto e aplicações. v.3., 5. ed. São Paulo: Ática, 2011. 360p.
IEZZI, Gelson; et al. Matemática Ensino Médio Integrado. Volume único, 5. ed. São Paulo: Atual, 2013.
720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
FACCHIN, W. Matemática para a escola de hoje. São Paulo: FTD, 2006.
PAIVA, M. Matemática: conceitos, linguagem e aplicações. Modernas Plus. v.3, São Paulo: Moderna,
2010.
GIOVANNI, J. R.; et al. Matemática Fundamental: Uma nova abordagem. São Paulo: FTD, 2002.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
58
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Biologia
Ano: 1°
Código: BIO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão da saúde como qualidade de vida, baseada nas relações de renda, educação, trabalho,
habitação, saneamento, transporte, lazer, alimentação, longevidade, liberdade de expressão e da
participação democrática, fundamentadas na educação alimentar e nutricional; a inter-relação entre
fenômenos físicos, químicos e biológicos nos processos vitais, sempre evidenciando os pressupostos da
educação ambiental; bem como propor os conhecimentos básicos sobre os organismos. Entender os
processos de evolução científica, analisando-os como resultado de uma rede de influências, entendendo
que a Ciência está em permanente construção e que as afirmações científicas são provisórias.
3 – OBJETIVOS:
• Desenvolver a consciência do corpo, a autoestima e a confiança, como uma atitude de valorização do
próprio corpo, da saúde física, mental e emocional, de sua vida e da vida do outro;
• Reconhecer o ser humano como parte integrante da natureza e a qualidade de vida como resultado da
interação homem-natureza;
• Utilizar e valorizar os conhecimentos da ciência e da tecnologia na tomada de decisões pessoais e
coletivas.
• Compreender a importância do estudo da biologia para o entendimento dos fenômenos naturais e suas
influências na vida humana;
• Conhecer os processos biológicos celulares animal e vegetal e sua influência para os seres vivos;
• Conhecer a diversidade dos seres vivos e suas inter-relações;
• Compreender os mecanismos de funcionamento dos diversos sistemas orgânicos animais e vegetais e
suas consequências para o meio ambiente e diversidade biológica.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Conceitos de saúde (física e mental)
I.2. Qualidade de vida versus saúde (aspectos que influenciam: alimentação, moradia, saneamento, meio
ambiente, renda, trabalho, educação, transporte e lazer).
I.3. Mapeamento da saúde no Brasil (condições socioeconômicas e qualidade de vida nas diferentes
regiões)
I.4. Conceitos de indicadores de desenvolvimento humano e de saúde pública (mortalidade infantil,
expectativa de vida, saneamento e acesso aos serviços de assistência).
UNIDADE II
II.1. Níveis de organização em Biologia
II.2. Introdução à classificação dos seres vivos
II.3. Introdução à Citologia
II.4. Tipos de organização dos seres vivos – acelular, celular procarionte e celular eucarionte
II.5. Estudo da Célula Procarionte
II.6. Estudo da Célula Eucarionte
II.7. Componentes Celulares
II.8. Organelas citoplasmáticas – morfologia e função
II.9. Introdução à Bioquímica e Fisiologia Celular
II.10. Noções de Metabolismo: Anabolismo e Catabolismo
II.11. Água e Sais Minerais
II.12. Metabolismo energético I (Carboidratos e Lipídios: estrutura, tipos e funções)
II.13. Metabolismo energético II (Quimiossíntese, Fermentação, Respiração e Fotossíntese)
59
II.14. Metabolismo de construção I (Proteínas: estrutura)
II.15. Metabolismo de construção II – (Proteínas: funções)
II.16. Introdução à Fisiologia Celular
II.17. Metabolismo de controle I (Ácidos Nucleicos – estrutura, tipos e funções)
II.18. Metabolismo de controle II – (Síntese de Proteínas)
II.19. Núcleo Celular Interfásico
II.20. Divisão celular (Mitose e Meiose)
UNIDADE III
III.1. Introdução à Ecologia – Níveis de Organização em Ecologia e Conceitos
III.2. Fluxo de Energia nos Ecossistemas: Cadeias e Teiasalimentares
III.3. Pirâmides Ecológicas
III.4. Fluxo de Matéria nos Ecossistemas: Ciclos Biogeoquímicos
III.5. Relações Ecológicas
III.6. Sucessão Ecológica
III.7. Principais Ecossistemas e Biomas Terrestres
III.8. Desequilíbrios ambientais (Poluição da água, solo e ar – Agravamento do Efeito Estufa, Buraco na
Camada de Ozônio, Inversão Térmica, Chuva Ácida, Derramamento de Óleo, Magnificação Trófica,
Eutrofização, Desmatamento, Lixo, Queimadas – causas, consequências e soluções)
UNIDADE IV
IV.1. Hipóteses da Origem da Vida (Abiogênese x Biogênese – principais cientistas e seus experimentos)
IV.2. Teorias da Evolução: Fixismo, Criacionismo e Transformismo (Lamarck, Darwin e Teoria Sintética
da Evolução)
IV.3. Registros comprobatórios da evolução
IV.4. Irradiação Adaptativa, Convergência Adaptativa e Especiação
IV.5. Evolução humana.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de - exemplos de
aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade do
assunto estudado.
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
O sistema da avaliação continuada prevê e implica uma verificação de aprendizagem que está em
relação direta com a postura acadêmica do discente. Desta forma, o conceito final do aluno refletirá sua
atitude diante da classe, do professor e da disciplina em questão, cujo conteúdo será avaliado mais
diretamente através das seguintes atividades:
1) Resolução de atividades desenvolvidas em sala de aula;
2) Participação e envolvimento nas atividades propostas;
3) Avaliação individual escrita, para verificação de conhecimentos apreendidos;
4) Avaliação das atividades de laboratório através de relatórios;
5) A recuperação paralela será realizada a partir da aplicação de atividades complementares, em horário
extraclasse com o auxílio do professor.
6) A métrica para quantificação e os pesos atribuídos a cada uma das avaliações será definida no
primeiro dia de aula, e de comum acordo com os alunos.
60
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume
único, 4. ed. São Paulo: Moderna, 2006. 839p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LOPES, S.; ROSSO, S. Bio: ensino médio. Volume único, São Paulo: Saraiva, 2010. 784p.
LAURENCE, J. Biologia: ensino médio. Volume único, São Paulo: Nova Geração, 2005. 696p.
SADAVA, D.; et al. Vida: a ciência da biologia. v.1, 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 448p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
61
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Biologia
Ano: 2°
Código: BIO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão da saúde como qualidade de vida, baseada nas relações de renda, educação, trabalho,
habitação, saneamento, transporte, lazer, alimentação, longevidade, liberdade de expressão e da
participação democrática, fundamentadas na educação alimentar e nutricional; a inter-relação entre
fenômenos físicos, químicos e biológicos nos processos vitais, sempre evidenciando os pressupostos da
educação ambiental; bem como propor os conhecimentos básicos sobre os organismos. Entender os
processos de evolução científica, analisando-os como resultado de uma rede de influências, entendendo
que a Ciência está em permanente construção e que as afirmações científicas são provisórias.
3 – OBJETIVOS:
• Desenvolver a consciência do corpo, a autoestima e a confiança, como uma atitude de valorização do
próprio corpo, da saúde física, mental e emocional, de sua vida e da vida do outro;
• Reconhecer o ser humano como parte integrante da natureza e a qualidade de vida como resultado da
interação homem-natureza;
• Utilizar e valorizar os conhecimentos da ciência e da tecnologia na tomada de decisões pessoais e
coletivas.
• Compreender a importância do estudo da biologia para o entendimento dos fenômenos naturais e suas
influências na vida humana;
• Conhecer os processos biológicos celulares animal e vegetal e sua influência para os seres vivos;
• Conhecer a diversidade dos seres vivos e suas inter-relações;
• Compreender os mecanismos de funcionamento dos diversos sistemas orgânicos animais e vegetais e
suas consequências para o meio ambiente e diversidade biológica.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I – ZOOLOGIA
I.1. Introdução à Classificação Zoológica (Taxonomia e Sistemática);
I.2. Classificação dos seres vivos: (Reino Monera; Reino Protista; Reino Fungi; Reino Vegetal).
I.3. Reino Protista – Protozoários: classificação, características gerais e principais Protozooses (Malária,
Doença de Chagas, Amebíase, Giardíase, Tricomonías e, Leishmaniose, Doença do Sono)
I.4. Reino Animal
I.5. Introdução à Embriologia – fases do desenvolvimento embrionário, tipos de ovos;
I.6. Invertebrados – Filos: Poríferos, Cnidários, Platelmintos, Nematelmintos, Anelídeos, Artrópodes;
I.7. Moluscos e Equinodermos – caracterização geral dos grupos (estruturas, órgãos e sistemas) sob o
enfoque evolutivo e filogenético.
I.8. Principais Patologias: Esquistossomose, Teníase, Cisticercose, Oxiuríase, Filaríase, Ascaridíase,
Ancilostomíase (ciclo de vida, contágio, prevenção e tratamento).
I.9. Vertebrados – Filo Cordados (Protocordados – Vertebrados: Peixes Cartilaginosos, Peixes Ósseos,
Anfíbios, Répteis, Aves e Mamíferos) – caracterização geral dos grupos (estruturas, órgãos e sistemas)
sob o enfoque evolutivo e filogenético.
UNIDADE II – BOTÂNICA
II.1. Vírus
II.2. Caracterização geral do grupo (organização, tipos e reprodução)
II.3. Importância ecológica e para o homem
II.4. Reino Monera
II.5. Caracterização geral do grupo (organização celular, reprodução)
II.6. Importância ecológica e para o homem
62
II.7. Reino Protista – Algas
II.8. Caracterização geral do grupo (organização celular, reprodução)
II.9. Importância ecológica e para o homem
II.10. Reino Fungi
II.11. Caracterização geral do grupo (organização celular, reprodução)
II.12. Importância ecológica e para o homem
II.13. Reino Vegetal
II.14. Introdução ao estudo das plantas - Célula, Tecidos e Órgão Vegetais
II.15. Divisões – Briófitas, Pteridófitas, Gimnospermas e Angiospermas – caracterização geral dos grupos
(estruturas, órgãos e sistemas) sob o enfoque evolutivo e filogenético.
II.16. Fisiologia Vegetal
II.17. Mecanismos fisiológicos envolvidos no controle da Transpiração e do Transporte de Seiva Bruta e
Elaborada
II.18. Hormônios Vegetais
II.19. Fotoperiodismo
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de - exemplos de
aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade do
assunto estudado.
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
O sistema da avaliação continuada prevê e implica uma verificação de aprendizagem que está em
relação direta com a postura acadêmica do discente. Desta forma, o conceito final do aluno refletirá sua
atitude diante da classe, do professor e da disciplina em questão, cujo conteúdo será avaliado mais
diretamente através das seguintes atividades:
1) Resolução de atividades desenvolvidas em sala de aula;
2) Participação e envolvimento nas atividades propostas;
3) Avaliação individual escrita, para verificação de conhecimentos apreendidos;
4) Avaliação das atividades de laboratório através de relatórios;
5) A recuperação paralela será realizada a partir da aplicação de atividades complementares, em horário
extraclasse com o auxílio do professor.
6) A métrica para quantificação e os pesos atribuídos a cada uma das avaliações será definida no
primeiro dia de aula, e de comum acordo com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume único, 4. ed. São Paulo:
Moderna, 2006. 839p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LOPES, S.; ROSSO, S. Bio: ensino médio. Volume único, São Paulo: Saraiva, 2010. 784p.
LAURENCE, J. Biologia: ensino médio. Volume único, São Paulo: Nova Geração, 2005. 696p.
SADAVA, D.; et al. Vida: a ciência da biologia. v.1, 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 448p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
63
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Biologia
Ano: 3°
Código: BIO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão da saúde como qualidade de vida, baseada nas relações de renda, educação, trabalho,
habitação, saneamento, transporte, lazer, alimentação, longevidade, liberdade de expressão e da
participação democrática, fundamentadas na educação alimentar e nutricional; a inter-relação entre
fenômenos físicos, químicos e biológicos nos processos vitais, sempre evidenciando os pressupostos da
educação ambiental; bem como propor os conhecimentos básicos sobre os organismos. Entender os
processos de evolução científica, analisando-os como resultado de uma rede de influências, entendendo
que a Ciência está em permanente construção e que as afirmações científicas são provisórias.
3 – OBJETIVOS:
• Desenvolver a consciência do corpo, a autoestima e a confiança, como uma atitude de valorização do
próprio corpo, da saúde física, mental e emocional, de sua vida e da vida do outro
• Reconhecer o ser humano como parte integrante da natureza e a qualidade de vida como resultado da
interação homem-natureza;
• Utilizar e valorizar os conhecimentos da ciência e da tecnologia na tomada de decisões pessoais e
coletivas.
• Compreender a importância do estudo da biologia para o entendimento dos fenômenos naturais e suas
influências na vida humana;
• Conhecer os processos biológicos celulares animal e vegetal e sua influência para os seres vivos;
• Conhecer a diversidade dos seres vivos e suas inter-relações;
• Compreender os mecanismos de funcionamento dos diversos sistemas orgânicos animais e vegetais e
suas consequências para o meio ambiente e diversidade biológica.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I – GENÉTICA
I.1. Introdução à Genética
I.2. Primeira lei de Mendel
I.3. Noções de probabilidade
I.4. Genealogias e Cruzamento Teste
I.5. Herança sem dominância e genes letais
I.6. Alelos Múltiplos e Tipagem Sanguínea
I.7. Segunda lei de Mendel
I.8. Interações Gênicas, Epistasia, Pleiotropia e Herança Quantitativa
I.9. Linkage
I.10. Determinação Cromossômica do Sexo
I.11. Herança e Sexo (Ligada ao Sexo, Influenciada pelo Sexo e Restrita ao Sexo)
I.12. Genética de Populações
I.13. Mutações
I.14. Aberrações cromossômicas
I.15. Biotecnologia (PCR – Tecnologia do DNA Recombinante) e Engenharia Genética (Transgênicos,
Clonagem e Projeto Genoma Humano)
UNIDADE II – FISIOLOGIA HUMANA E COMPARADA
II.1. Introdução à Histologia
II.2. Tipos de Tecidos Humanos: Epitelial, Conjuntivo, Muscular e Nervoso – subtipos, caracterização
celular e funções
II.3. Introdução à Fisiologia: noções de Metabolismo e Regulação
64
II.4. Fisiologia Humana e Comparada dos sistemas:
II.5. Digestório
II.6. Circulatório
II.7. Linfático
II.8. Imunológico
II.9. Respiratório
II.10. Excretor
II.11. Nervoso
II.12. Endócrino
II.13. Locomotor (Ósseo e Muscular)
II.14. Tegumentar
II.15. Reprodutor
II.16. Introdução ao desenvolvimento
II.17. Gravidez, Métodos Contraceptivos e Doenças Sexualmente Transmissíveis.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de
aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
- exemplos de
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade do
assunto estudado.
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
O sistema da avaliação continuada prevê e implica uma verificação de aprendizagem que está em
relação direta com a postura acadêmica do discente. Desta forma, o conceito final do aluno refletirá sua
atitude diante da classe, do professor e da disciplina em questão, cujo conteúdo será avaliado mais
diretamente através das seguintes atividades:
1) Resolução de atividades desenvolvidas em sala de aula;
2) Participação e envolvimento nas atividades propostas;
3) Avaliação individual escrita, para verificação de conhecimentos apreendidos;
4) Avaliação das atividades de laboratório através de relatórios;
5) A recuperação paralela será realizada a partir da aplicação de atividades complementares, em horário
extraclasse com o auxílio do professor.
6) A métrica para quantificação e os pesos atribuídos a cada uma das avaliações será definida no
primeiro dia de aula, e de comum acordo com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume
único, 4. ed. São Paulo: Moderna, 2006. 839p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LOPES, S.; ROSSO, S. Bio: ensino médio. Volume único, São Paulo: Saraiva, 2010. 784p.
LAURENCE, J. Biologia: ensino médio. Volume único, São Paulo: Nova Geração, 2005. 696p.
SADAVA, D.; et al. Vida: a ciência da biologia. v.1, 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 488p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
65
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Física
Ano: 1°
Código: FIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreender os temas fundamentais da Física Básica, enfatizando o conceito físico, sua relação
com o cotidiano e suas aplicações tecnológicas.
3 – OBJETIVOS:
• Entender o papel da Física no mundo contemporâneo.
• Compreender a Física presente no cotidiano e nos equipamentos e procedimentos tecnológicos.
• Utilizar conceitos físicos para a resolução de problemas.
• Interpretar e utilizar tabelas e gráficos para exprimir o conhecimento físico.
• Compreender enunciados referentes a códigos e símbolos físicos.
• Compreender o conceito de medição e estimar ordens de grandeza.
• Relacionar grandezas físicas, fazer análise dimensional, identificar parâmetros relevantes.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Introdução: algarismos significativos.
UNIDADE II
II.1. Cinemática:
II.1.1.Movimento retilíneo.
II.1.2.Vetores – movimento curvilíneo.
UNIDADE II
III. Leis de Newton:
III.1. 1ª, 2ª e 3ª leis de Newton.
III.1. Aplicações das leis de Newton.
UNIDADE IV
IV. Dinâmica do corpo rígido.
IV.1. Gravitação Universal.
IV.2. Leis de Conservação:
IV.2.1. Conservação de energia.
IV.2.2. Conservação da quantidade de movimento.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de
de aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
- exemplos
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade
do assunto estudado.
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
66
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: resolução de exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, realização de experimentos e
confecção de relatórios, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B. Física – Contexto & Aplicações. v.1, São Paulo: Scipione, 2012.
GASPAR, A. Física. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
PIETROCOLA, M.; et al. Física em contextos: pessoal, social e histórico: movimento, força,
astronomia. v.1, São Paulo: FTD, 2011. 512p.
HEWITT, Paul G.. Física Conceitual. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011. 685p.
GASPAR, A. Física. v.1, São Paulo: Atica, 2011. 408p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
67
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Física
Ano: 2°
Código: FIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreender os temas fundamentais da Física Básica, enfatizando o conceito físico, sua relação
com o cotidiano e suas aplicações tecnológicas.
3 – OBJETIVOS:
• Articular o conhecimento físico com conhecimentos de outras áreas do saber científico.
• Compreender a ciência e a tecnologia na atualidade.
• Compreender a Física presente no cotidiano e nos equipamentos e procedimentos tecnológicos.
• Utilizar conceitos físicos em resolução de problemas.
• Interpretar e utilizar tabelas e gráficos para exprimir o conhecimento físico.
• Compreender enunciados referentes a códigos e símbolos físicos.
• Compreender o conceito de medição e estimar ordens de grandeza.
• Relacionar grandezas físicas, fazer análise dimensional, identificar parâmetros relevantes.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.Mecânica dos Fluídos
UNIDADE II
II.Temperatura e Dilatação.
II.1.Comportamento dos Gases
UNIDADE III
III.Calor:
III.1.Leis da termodinâmica.
III.1.Máquinas térmicas.
III.1.Mudança de fase.
UNIDADE IV
IV.Ótica e Ondas:
IV.1.Reflexão da luz.
IV.2.Refração da luz.
IV.3.Movimento ondulatório.
IV.4.Ondas sonoras.
IV.5.Óptica física.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de
de aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
- exemplos
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade
do assunto estudado.
68
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: resolução de exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, realização de experimentos e
confecção de relatórios, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B. Física – Contexto & Aplicações. v.2, São Paulo: Scipione, 2012.
GASPAR, A. Física. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
PIETROCOLA, M.; et al. Física em contextos: pessoal, social e histórico: movimento, força,
astronomia. v.2, São Paulo: FTD, 2011. 624p.
HEWITT, P. G. Física Conceitual. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011. 685p.
GASPAR, A. Física. v.2, São Paulo: Atica, 2011.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
69
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Física
Ano: 3°
Código: FIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreender os temas fundamentais da Física Básica, enfatizando o conceito físico, sua relação
com o cotidiano e suas aplicações tecnológicas.
3 – OBJETIVOS:
• Discutir e argumentar sobre ciência e tecnologia.
• Articular o conhecimento físico com conhecimentos de outras áreas do saber científico.
• Compreender a ciência e a tecnologia na atualidade e articular ciência, tecnologia, ética e cidadania.
• Compreender a Física presente no cotidiano e nos equipamentos e procedimentos tecnológicos.
• Utilizar conceitos físicos em resolução de problemas.
• Interpretar e utilizar tabelas e gráficos para exprimir o conhecimento físico.
• Compreender enunciados referentes a códigos e símbolos físicos.
• Compreender o conceito de medição e estimar ordens de grandeza.
• Relacionar grandezas físicas, fazer análise dimensional, identificar parâmetros relevantes.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Campo e Potencial Elétrico
I.2.Carga elétrica
I.3.Campo elétrico
I.4.Potencial elétrico
I.5.Capacitores
UNIDADE II
II.1.Circuitos elétricos
II.2.Corrente elétrica
UNIDADE III
III.1.Geradores
UNIDADE IV
IV.1.Magnetismo
IV.2.Eletromagnetismo
5 – METODOLOGIAS:
Aulas teóricas:
- Aulas expositivas, com auxílio de material de apoio didático e desenvolvimento de
de aplicações no quotidiano do aluno.
- Trabalhos orientados, com desenvolvimento de exercícios em sala de aula.
- exemplos
Aulas teóricas:
- Aulas práticas junto ao laboratório, com auxílio de material e equipamento de apoio didático.
- Trabalhos práticos orientados em grupos.
- Elaboração de relatórios sobre os experimentos, buscando estabelecer a multi-disciplinaridade
do assunto estudado.
Trabalhos extra-clase:
- Leitura de textos técnicos relacionados à área;
70
- Lista de exercícios.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: resolução de exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, realização de experimentos e
confecção de relatórios, entre outros.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B.. Física – Contexto & Aplicações. v.3, São Paulo: Scipione, 2012.
GASPAR, A. Física. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
PIETROCOLA, M.; et al. Física em contextos: pessoal, social e histórico: movimento, força,
astronomia. v.3, São Paulo: FTD, 2011. 640p.
HEWITT, P. G.. Física Conceitual. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011. 685p.
GASPAR, A. Física. v.3, São Paulo: Atica, 2010.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
71
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1. IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular: Química
Código: QUI
Ano: 1º
Número de aulas semanais: 2
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2. EMENTA
Transformação química na natureza e no sistema produtivo. Transformações químicas no dia-dia e
materiais envolvidos. Combustíveis. Relações de massa e energia. Constituição da matéria: Modelo de
Dalton. Processos de obtenção de metais, representação de transformações químicas e relações
quantitativas.
3. OBJETIVO
- Articular a relação teórica e prática permitindo a ampliação no cotidiano e na demonstração dos
conhecimentos básicos da química;
- Ler, interpretar e analisar os tópicos específicos da química;
- Formular diversos modos de combinações entre os elementos químicos a partir de dados experimentais;
- Elaboração de conceitos químicos através das relações estabelecidas a partir de dados experimentais;
- Proposição de procedimentos pertinentes para a investigação de problemas relacionados à química;
- Reconhecimento dos aspectos químicos relevantes na interação individual/coletiva do ser humano com
o ambiente;
- Discussão do papel da química no sistema produtivo, industrial e rural, bem como suas relações entre o
desenvolvimento científico e tecnológico;
- Orientação sobre os limites éticos e morais que envolvem o desenvolvimento da química e tecnologias.
4. CONTEUDO PROGRAMATICO
UNIDADE I - Transformações químicas no dia a dia: evidência, tempo envolvido, energia envolvida,
reversibilidade.
I.1.Descrição das transformações em diferentes linguagens e representações
I.2.Diferentes intervalos de tempo para a ocorrência das transformações
I.3.Reações endotérmicas e exotérmicas
I.4.Transformações que ocorrem na natureza e em diferentes sistemas produtivos
I.5.Transformações que podem ser revertidas
UNIDADE II - Alguns materiais usados do dia a dia: caracterização de reagentes e produtos das
transformações em termos de duas propriedades, separação e identificação das substâncias;
II.1.Propriedade das substâncias: temperatura de fusão e de ebulição, densidade, solubilidade;
II.2.Separação de substâncias por filtração, flotação, destilação, sublimação, recristalização;
II.3.Métodos de separação no sistema produtivo
UNIDADE III - Combustíveis: transformação química, massas envolvidas e produção de energia;
Reagentes e produtos: relações de massa e energia. Reações de combustão; aspectos
quantitativos nas transformações químicas; poder calorífico dos combustíveis.
III.1.Conservação da massa e proporção entre massas de reagentes e produtos nas
transformações químicas
III.2.Relação entre massas de reagentes e produtos e a energia nas transformações químicas
III.3.Formação de ácidos e outras implicações socioambientais da produção e do uso de diferentes
combustíveis
UNIDADE IV - Primeiras ideias sobre a constituição da matéria: Modelo de Dalton
IV.1.Conceitos de átomo e de elemento segundo Dalton
IV.2.Suas ideias para explicar transformações e relações de massa
72
IV.3.Modelos explicativos como construções humanas em diferentes contextos sociais
UNIDADE V - Processos de obtenção de metais e representação de transformações químicas:
processos de obtenção de ferro e cobre; linguagem simbólica da Química; tabela periódica;
balanceamento e interpretação das transformações químicas; equação química: relação entre
massa; número de partículas e energia;
V.1.Transformações químicas na produção de ferro e de cobre
V.2.Símbolos dos elementos e equações químicas
V.3.Balanceamento das equações químicas
V.4.Organização dos elementos de acordo com suas massas atômicas na tabela periódica
V.5.Equações químicas dos processos de produção de ferro e de cobre
V.6.Importância do ferro e do cobre na sociedade atual
UNIDADE VI - Processos de obtenção de metais e relações quantitativas: relações quantitativas
envolvidas na transformação química; estequiometria; impactos ambientais na produção do ferro e
do cobre
VI.1.Massa molar e quantidade de matéria (mol)
VI.2.Cálculo estequiométrico: massas, quantidades de matéria e energia nas transformações.
VI.3.Cálculos estequiométricos na produção do ferro e do cobre
VI.4.Impactos socioambientais na extração mineral e na produção do ferro e do cobre
5. METODOLOGIA
Aulas expositivas, pesquisas bibliográficas e na Internet, exercício teórico e prático, seminários, projetos,
debates, pesquisas de campo, visitas técnicas, projeções de vídeos, entre outros. Utilização de quadro,
giz, retroprojetor, DVD, computador e Internet.
6. AVALIAÇÃO
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA
FELTRE, Ricardo. Química. São Paulo: Moderna, 2000. 3 volumes.
FONSECA, Martha Reis Marques da. Completamente Química: Química Geral, Físico-Química e
Química Orgânica. São Paulo: FTD, 2001. 3 volumes.
REIS, Martha. Química. São Paulo: FTD, 2004. 3 volumes.
8. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto
Alegre: Bookman, 2007.
CARVALHO, G. C. Química Moderna. 1.ed. São Paulo: Scipione, 2004. Volume único.
FELTRE, R. Fundamentos de Química: Química, Tecnologia, Sociedade. 4.ed. São Paulo: Moderna,
2005. Volume único.
LEMBO. Química: realidade e contexto. 3.ed. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
PERUZZO, Francisco Miragaia do; CANTO, Eduardo Leite. Química: na abordagem do cotidiano. 2.ed.
São Paulo: Moderna, 2006.
USBERCO, J; SALVADOR, E; Química essencial. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2001. Volume Único.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
73
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1. IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular: Química
Código: QUI
Ano: 2º
Número de aulas semanais: 2
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2. EMENTA
Materiais e suas propriedades. Água e seu consumo pela sociedade. Soluções: concentração de
soluções; relações quantitativas envolvidas nas transformações químicas em soluções; relações
estequiométricas; solubilidade de gases em água. Materiais: modelos de átomo; relações entre
propriedades das substâncias e suas estruturas; interações interpartículas e intrapartículas;
propriedades dos materiais; reatividade de metais; conceito de reações de oxirredução.
3. OBJETIVO
- Articular a relação teórica e prática permitindo a ampliação no cotidiano e na demonstração dos
conhecimentos básicos da química;
- Ler, interpretar e analisar os tópicos específicos da química;
- Formular diversos modos de combinações entre os elementos químicos a partir de dados
experimentais;
- Elaboração de conceitos químicos através das relações estabelecidas a partir de dados experimentais;
- Proposição de procedimentos pertinentes para a investigação de problemas relacionados à química;
- Reconhecimento dos aspectos químicos relevantes na interação individual/coletiva do ser humano
com o ambiente;
- Discussão do papel da química no sistema produtivo, industrial e rural, bem como suas relações entre
o desenvolvimento científico e tecnológico;
- Orientação sobre os limites éticos e morais que envolvem o desenvolvimento da química e
tecnologias.
4. CONTEUDO PROGRAMATICO
UNIDADE I - Água e seu consumo pela sociedade: propriedades da água para consumo humano; água
pura e água potável; dissolução de materiais em água e mudança de propriedades; concentração de
soluções.
I.1.Concentração de soluções em massa e em quantidade de matéria
I.2.Alguns parâmetros de qualidade de água-concentração de materiais dissolvidos
UNIDADE II - Relações quantitativas envolvidas nas transformações químicas em soluções: relações
estequiométricas; solubilidade de gases em água; potabilidade da água para consumo humano.
II.1.Relações quantitativas de massa e de quantidade de matéria nas transformações químicas
em solução, de acordo com suas concentrações;
II.2.Determinação da quantidade de oxigênio dissolvido nas águas
II.3.Uso e preservação da água no mundo
II.4.Fontes causadoras da poluição da água
II.5.Tratamento de água por filtração, flotação, cloração e correção de Ph.
UNIDADE III - O comportamento dos materiais e os modelos de átomo: as limitações das ideias de
Dalton para explicar o comportamento dos materiais; o modelo de Rutherford-Bohr; ligações químicas
iônicas, covalentes e metálicas; energia de ligação das transformações químicas.
III.1.Condutibilidade elétrica e radiatividade natural dos elementos
III.2.O modelo de Rutherfod e a natureza elétrica dos materiais
III.3.O modelo de Bohr e a constituição da matéria
III.4.O uso do número atômico como critério para organizar a tabela periódica
III.5.Ligações químicas em termos de forças elétricas de atração e repulsão
74
III.6.Transformações químicas como resultantes de quebra e formação de ligações
III.7.Previsões sobre tipos de ligação dos elementos a partir da posição na tabela periódica
III.8.Cálculo da entalpia de reação pelo balanço energético resultante da formação e ruptura de
ligação
III.9.Diagramas de energia em transformações endotérmicas e exotérmicas
UNIDADE IV - O comportamento dos materiais: relações entre propriedades das substâncias e suas
estruturas; interações interpartículas e intrapartículas; propriedades dos materiais.
IV.1.- Polaridade das ligações covalentes e das moléculas
IV.2.- Forças de interação entre partículas nos estados sólido, líquido e gasoso;
IV.3.- Interações inter e intrapartículas para explicar as propriedades das substâncias, como
temperatura de fusão e ebulição, solubilidade e condutibilidade elétrica;
IV.4.- Dependência da temperatura de ebulição dos materiais com a pressão atmosférica
UNIDADE V - Materiais e sua utilização em pilhas e na galvanização: relação entre a energia elétrica e
as estruturas das substâncias em transformações químicas; reatividade de metais; explicações
qualitativas sobre transformações químicas que produzem ou demandam corrente elétrica; conceito de
reações de oxirredução.
V.1.Reatividade dos metais em reações com ácidos e íons metálicos
V.2.Transformações que envolvem energia elétrica: processos de oxidação e redução
V.3.As ideias de estrutura da matéria para explicar oxidação e redução
V.4.Transformações químicas na geração industrial de energia
V.5.Implicações socioambientais das transformações químicas que envolvem eletricidade
V.6.Diferentes usos sociais dos metais
5. METODOLOGIA
Aulas expositivas, pesquisas bibliográficas e na Internet, exercício teórico e prático, seminários,
projetos, debates, pesquisas de campo, visitas técnicas, projeções de vídeos, entre outros. Utilização de
quadro, giz, retroprojetor, DVD, computador e Internet.
6. AVALIAÇÃO
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre
outros que o professor acordar com os alunos.
7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA
FELTRE, Ricardo. Química. São Paulo: Moderna, 2000. 3 volumes.
FONSECA, Martha Reis Marques da. Completamente Química: Química Geral, Físico-Química e
Química Orgânica. São Paulo: FTD, 2001. 3 volumes.
REIS, Martha. Química. São Paulo: FTD, 2004. 3 volumes.
8. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto
Alegre: Bookman, 2007.
BRASIL-MEC. Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências da natureza, Matemática e
suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMT, 2006.
CARVALHO, G. C. Química Moderna. 1.ed. São Paulo: Scipione, 2004. Volume único.
FELTRE, R. Fundamentos de Química: Química, Tecnologia, Sociedade. 4.ed. São Paulo: Moderna,
2005. Volume único.
LEMBO. Química: realidade e contexto. 3.ed. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
NOVAIS, Vera. Química. São Paulo: Atual, 1993. 3 volumes.
PERUZZO, Francisco Miragaia do; CANTO, Eduardo Leite. Química: na abordagem do cotidiano. 2.ed.
São Paulo: Moderna, 2006.
SARDELLA, A. Química. 1.ed. São Paulo: Ática, 2005. Volume Único.
USBERCO, J; SALVADOR, E; Química essencial. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2001. Volume Único.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
75
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1. IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular: Química
Código: QUI
Ano: 3º
Número de aulas semanais: 2
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2. EMENTA
Atmosfera, biosfera e hidrosfera como fontes de materiais para uso humano. Atmosfera: extração de
materiais úteis; produção da amônia e estudos sobre a rapidez e a extensão das transformações
químicas; compreensão da extensão das transformações químicas; o nitrogênio como matéria-prima para
na produção de materiais. Biosfera: extração de materiais úteis; recursos vegetais, animais e fossilizados
para a sobrevivência humana. Hidrosfera: extração e materiais úteis; conceito de Arrhenius; perturbação
do equilíbrio químico; reação de neutralidade. Interferência humana na atmosfera, hidrosfera e biosfera:
poluição, perturbações da biosfera, ciclos biogeoquímicos e desenvolvimento sustentável.
3. OBJETIVO
- Articular a relação teórica e prática permitindo a ampliação no cotidiano e na demonstração dos
conhecimentos básicos da química;
- Ler, interpretar e analisar os tópicos específicos da química;
- Formular diversos modos de combinações entre os elementos químicos a partir de dados experimentais;
- Elaboração de conceitos químicos através das relações estabelecidas a partir de dados experimentais;
- Proposição de procedimentos pertinentes para a investigação de problemas relacionados à química;
- Reconhecimento dos aspectos químicos relevantes na interação individual/coletiva do ser humano com
o ambiente;
- Discussão do papel da química no sistema produtivo, industrial e rural, bem como suas relações entre o
desenvolvimento científico e tecnológico;
- Orientação sobre os limites éticos e morais que envolvem o desenvolvimento da química e tecnologias.
4. CONTEUDO PROGRAMATICO
UNIDADE I - Atmosfera como fonte de materiais para uso humano: extração de materiais úteis da
atmosfera; produção da amônia e estudos sobre a rapidez e a extensão das transformações químicas;
compreensão da extensão das transformações químicas, o nitrogênio como matéria-prima para produzir
alguns materiais.
I.1.Liquefação e destilação fracionada do ar para obtenção de matérias-primas
I.2.Variáveis que podem interferir na rapidez das transformações: concentração, temperatura,
pressão, estado de agregação e catalisador
I.3.Modelos explicativos da velocidade das transformações químicas
I.4.Estado de equilíbrio químico: coexistência de reagentes e produtos em transformações
químicas
I.5.Processos químicos em sistemas naturais e produtivos que utilizam nitrogênio: avaliação de
produção, consumo e utilização social
UNIDADE II - Hidrosfera como fonte de materiais para uso humanos: extração e materiais úteis da
hidrosfera; acidez e alcalinidade de águas naturais: conceito de Arrhenius; força de ácidos e bases:
significado da constante de equilíbrio; perturbação do equilíbrio químico; reação de neutralidade.
II.1.Composição das águas naturais
II.2.Processos industriais que permitem a obtenção de produtos a partir da água do mar
II.3.Acidez e basicidade das águas e alguns de seus efeitos no meio natural e nos sistema
produtivo
II.4.Conceito de dissociação iônica e de ionização e a extensão das transformações químicas:
equilíbrio químico
II.5.Constante de equilíbrio para expressar a relação entre as concentrações de reagentes e
76
produtos numa transformação química
II.6.Influência da temperatura, concentração e pressão em sistemas em equilíbrio químico
II.7.Transformações ácido-base e sua utilização no controle do pH de soluções aquosas
UNIDADE III - Biosfera como fonte de materiais para uso humano: extração de materiais úteis da
biosfera; recursos vegetais para a sobrevivência humana: carboidratos, lipídios e vitaminas; recursos
animais para a sobrevivência humana: proteínas e lipídios; recursos fossilizados para a sobrevivência
humana: gás natural, carvão mineral e petróleo.
III.1.Os componentes principais dos alimentos, suas propriedades e funções no organismo
III.2.Biomassa como fonte de materiais combustíveis
III.3.Arranjos atômicos e moleculares para explicar a formação de cadeias, ligações, funções
orgânicas e isomeria
III.4.Processos de transformações do petróleo, carvão mineral e gás natural em materiais e
substâncias utilizados no sistema produtivo: refino do petróleo, destilação seca do carvão e purificação do
gás
III.5.Produção e uso social dos combustíveis fósseis
UNIDADE IV - Interferência humana na atmosfera, hidrosfera e biosfera: poluição, perturbações da
biosfera, ciclos biogeoquímicos e desenvolvimento sustentável.
IV.1.Poluição atmosférica, poluição das águas por efluentes urbanos, domésticos, industriais e
agropecuários
IV.2.Desequilíbrios ambientais pela introdução de gases da atmosfera
IV.3.Chuva ácida, aumento do efeito estufa e redução da camada de ozônio: causas e
consequências
IV.4.Poluição das águas por detergentes, praguicidas, metais pesados e outras causas, e
contaminação por agentes patogênicos
IV.5.Perturbação da biosfera pela produção, uso e descarte de materiais e sua relação com a
sobrevivência das espécies vivas: pragas, desmatamentos, uso de combustíveis fósseis, indústrias,
rupturas das teias alimentares e outras causas
IV.6.Ciclos da água, nitrogênio oxigênio e gás carbônico e suas inter-relações
IV.7.Impactos ambientais na óptica do desenvolvimento sustentável
IV.8.Ações corretivas e preventivas e busca de alternativas para a sobrevivência no planeta
5. METODOLOGIA
Aulas expositivas, pesquisas bibliográficas e na Internet, exercício teórico e prático, seminários, projetos,
debates, pesquisas de campo, visitas técnicas, projeções de vídeos, entre outros. Utilização de quadro,
giz, retroprojetor, DVD, computador e Internet.
6. AVALIAÇÃO
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA
FELTRE, Ricardo. Química. São Paulo: Moderna, 2000. 3 volumes.
FONSECA, Martha Reis Marques da. Completamente Química: Química Geral, Físico-Química e
Química Orgânica. São Paulo: FTD, 2001. 3 volumes.
REIS, Martha. Química. São Paulo: FTD, 2004. 3 volumes.
8. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto
Alegre: Bookman, 2007.
CARVALHO, G. C. Química Moderna. 1.ed. São Paulo: Scipione, 2004. Volume único.
FELTRE, R. Fundamentos de Química: Química, Tecnologia, Sociedade. 4.ed. São Paulo: Moderna,
2005. Volume único.
LEMBO. Química: realidade e contexto. 3.ed. São Paulo: Ática, 2004. 3 volumes.
PERUZZO, Francisco Miragaia do; CANTO, Eduardo Leite. Química: na abordagem do cotidiano. 2.ed.
São Paulo: Moderna, 2006.
SARDELLA, A. Química. 1.ed. São Paulo: Ática, 2005. Volume Único.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
77
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
História
Ano: 1°
Código: HIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Análise e reflexão sobre fatos e acontecimentos históricos como forma de proporcionar ao aluno a
compreensão de tais eventos, propondo sua participação social e política, despertando a consciência em
relação ao exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais. Conhecimento da história e das
culturas afro-brasileira e indígena.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer os acontecimentos históricos em sua temporalidade, estabelecendo relações de
anterioridade e posterioridade.
• Desenvolver o espírito investigativo e a autonomia ao buscar dados e informações; Valorizar a
diversidade dos patrimônios étnicos culturais e artísticos, identificando-os em suas manifestações
e representações em diferentes sociedades; Interpretar realidades históricas sociais a partir de
conhecimentos sobre a economia e as práticas sociais e culturais, principalmente das culturas
afro-brasileira e indígena.
• Identificar, a partir de mapas, fenômenos e fatos histórico-sociais, considerando suas dimensões
temporais e espaciais; Confrontar formas de interações culturais, sociais e econômicas em
diferentes contextos históricos; Identificar as relações de poder na sociedade; Reconhecer a
importância de utilizar criticamente as fontes e informações históricas, independentemente de sua
natureza; Caracterizar formas de circulação de informação, capitais, mercadorias e serviços no
tempo e no espaço.
• Reconhecer a dinâmica da organização dos movimentos sociais, relacionando-os às transformações
do contexto histórico; Identificar as principais características do processo histórico de constituição,
transformação e uso dos espaços urbanos; Relacionar os princípios iluministas à ocorrência da
Revolução Francesa; Problematizar conceitos como direito, igualdade e liberdade no contexto da
Revolução Francesa; Analisar o processo histórico da formação das instituições políticas
brasileiras; Reconhecer as principais características dos governos populistas no Brasil.
• Analisar processos sociais utilizando conhecimentos históricos e geográficos; Reconhecer e valorizar
a diversidade dos patrimônios étnico culturais e artísticos de diferentes sociedades; Compreender
as características essenciais das relações sociais de trabalho ao longo da história; Comparar
organizações políticas, econômicas e sociais no mundo contemporâneo, reconhecendo propostas
que visem a reduzir as desigualdades sociais; Estabelecer relações entre consumismo e alienação
e entre consumismo e negação da solidariedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Pré-história: A pré-história sul-americana, brasileira e regional;
I.2.O Oriente Próximo e o surgimento das primeiras cidades:
I.3.O Egito e mesopotâmia, hebreus, fenícios e persas.
UNIDADE II
II.1.Civilização grega: A constituição da cidadania clássica e o regime democrático ateniense;
II.2.Os excluídos do regime democrático;
II.3.Democracia e escravidão no mundo antigo e no mundo contemporâneo;
II.4.O império de Alexandre e a fusão cultural do Oriente com o Ocidente;
II.5.A civilização romana e as migrações bárbaras;
II.6.Império Bizantino e o mundo árabe;
II.7.Os Francos e o império de Carlos Magno;
78
II.8.Sociedade Feudal: Características sociais, econômicas, políticas e culturais.
UNIDADE III
III.1.Renascimento comercial e urbano e formação das monarquias nacionais;
III.2.Reforma e Contrarreforma;
III.3.Expansão europeia nos séculos XV e XVI: Características econômicas, políticas, culturais e
religiosas.
UNIDADE IV
IV.1.A vida na América antes da conquista europeia: As sociedades maia, inca e asteca;
IV.2.Encontro entre os europeus e as civilizações da África, da Ásia e da América;
IV.3.Sistema colonial europeu: A América Colonial;
IV.4.Revolução Inglesa; Iluminismo; Independência dos Estados Unidos da América.
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
COTRIM, G. História Global – Brasil e Geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
KOSHIBA, L.; PEREIRA, D. M. F. História Geral e do Brasil: trabalho, cultura, poder. São Paulo:
Atual, 2012. 448p.
MORENO, J.; VIEIRA, S. História, Cultura e Sociedade. v.1, Curitiba: Positivo, 2010. 256p.
SANTIAGO, P.; et al. Por dentro da história. São Paulo: Escala Educacional, 2011. 752p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
79
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Historia
Ano: 2°
Código: HIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Análise e reflexão sobre fatos e acontecimentos históricos como forma de proporcionar ao aluno a
compreensão de tais eventos, propondo sua participação social e política, despertando a consciência em
relação ao exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais. Conhecimento da história e das
culturas afro-brasileira e indígena.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer os acontecimentos históricos em sua temporalidade, estabelecendo relações de
anterioridade e posterioridade.
• Desenvolver o espírito investigativo e a autonomia ao buscar dados e informações; Valorizar a
diversidade dos patrimônios étnicos culturais e artísticos, identificando-os em suas manifestações
e representações em diferentes sociedades; Interpretar realidades históricas sociais a partir de
conhecimentos sobre a economia e as práticas sociais e culturais, principalmente das culturas
afro-brasileira e indígena.
• Identificar, a partir de mapas, fenômenos e fatos histórico-sociais, considerando suas dimensões
temporais e espaciais; Confrontar formas de interações culturais, sociais e econômicas em
diferentes contextos históricos; Identificar as relações de poder na sociedade; Reconhecer a
importância de utilizar criticamente as fontes e informações históricas, independentemente de sua
natureza; Caracterizar formas de circulação de informação, capitais, mercadorias e serviços no
tempo e no espaço.
• Reconhecer a dinâmica da organização dos movimentos sociais, relacionando-os às transformações
do contexto histórico; Identificar as principais características do processo histórico de constituição,
transformação e uso dos espaços urbanos; Relacionar os princípios iluministas à ocorrência da
Revolução Francesa; Problematizar conceitos como direito, igualdade e liberdade no contexto da
Revolução Francesa; Analisar o processo histórico da formação das instituições políticas
brasileiras; Reconhecer as principais características dos governos populistas no Brasil.
• Analisar processos sociais utilizando conhecimentos históricos e geográficos; Reconhecer e valorizar
a diversidade dos patrimônios étnicos culturais e artísticos de diferentes sociedades; Compreender
as características essenciais das relações sociais de trabalho ao longo da história; Comparar
organizações políticas, econômicas e sociais no mundo contemporâneo, reconhecendo propostas
que visem a reduzir as desigualdades sociais; Estabelecer relações entre consumismo e alienação
e entre consumismo e negação da solidariedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Renascimento;
I.2.Reforma e Contrarreforma; Formação dos Estados Absolutistas Europeus
I.3.Encontro entre os europeus e as civilizações da África, da Ásia e da América
UNIDADE II
II.1.Sistemas coloniais europeus: A América Colonial; Revolução Inglesa
II.2.Iluminismo
II.3.Independência dos Estados Unidos da América
UNIDADE III
III.1.Revolução Francesa e Império Napoleônico
III.2.Processos de independência e formação territorial na América Latina
80
III.3.A Revolução Industrial inglesa
III.4.A luta por direitos sociais no século XIX: Socialismo, comunismo e anarquismo
UNIDADE IV
IV.1.Estados Unidos da América no século XIX: Expansão para o oeste e guerra civil
IV.2.Segundo Reinado no Brasil: Abolição da escravatura e imigração europeia para o Brasil
IV.3.O imaginário republicano
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
COTRIM, G. História Global – Brasil e Geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
KOSHIBA, L.; PEREIRA, D. M. F. História Geral e do Brasil: trabalho, cultura, poder. São Paulo:
Atual, 2012. 448p.
MORENO, J.; VIEIRA, S. História, Cultura e Sociedade. v.1, Curitiba: Positivo, 2010. 256p.
SANTIAGO, P.; et al. Por dentro da história. São Paulo: Escala Educacional, 2011. 752p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
81
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
História
Ano: 3°
Código: HIS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Análise e reflexão sobre fatos e acontecimentos históricos como forma de proporcionar ao aluno a
compreensão de tais eventos, propondo sua participação social e política, despertando a consciência em
relação ao exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais. Conhecimento da história e das
culturas afro-brasileira e indígena.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer os acontecimentos históricos em sua temporalidade, estabelecendo relações de
anterioridade e posterioridade.
• Desenvolver o espírito investigativo e a autonomia ao buscar dados e informações; Valorizar a
diversidade dos patrimônios étnico culturais e artísticos, identificando-os em suas manifestações e
representações em diferentes sociedades; Interpretar realidades histórico sociais a partir de
conhecimentos sobre a economia e as práticas sociais e culturais, principalmente das culturas
afro-brasileira e indígena.
• Identificar, a partir de mapas, fenômenos e fatos histórico-sociais, considerando suas dimensões
temporais e espaciais; Confrontar formas de interações culturais, sociais e econômicas em
diferentes contextos históricos; Identificar as relações de poder na sociedade; Reconhecer a
importância de utilizar criticamente as fontes e informações históricas, independentemente de sua
natureza; Caracterizar formas de circulação de informação, capitais, mercadorias e serviços no
tempo e no espaço.
• Reconhecer a dinâmica da organização dos movimentos sociais, relacionando-os às transformações
do contexto histórico; Identificar as principais características do processo histórico de constituição,
transformação e uso dos espaços urbanos; Relacionar os princípios iluministas à ocorrência da
Revolução Francesa; Problematizar conceitos como direito, igualdade e liberdade no contexto da
Revolução Francesa; Analisar o processo histórico da formação das instituições políticas
brasileiras; Reconhecer as principais características dos governos populistas no Brasil.
• Analisar processos sociais utilizando conhecimentos históricos e geográficos; Reconhecer e valorizar
a diversidade dos patrimônios étnico culturais e artísticos de diferentes sociedades; Compreender
as características essenciais das relações sociais de trabalho ao longo da história; Comparar
organizações políticas, econômicas e sociais no mundo contemporâneo, reconhecendo propostas
que visem a reduzir as desigualdades sociais; Estabelecer relações entre consumismo e alienação
e entre consumismo e negação da solidariedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Imperialismo, Gobineau, e o racismo
I.2.Primeira Guerra Mundial
I.3.Revolução Russa
I.4.Nazismo e racismo
UNIDADE II
II.1.A crise econômica de 1929 e seus efeitos mundiais
II.2.A Guerra Civil Espanhola; Segunda Guerra Mundial
II.3.O Período Vargas: Olga Benário e Luis Carlos Prestes
UNIDADE III
III.1.O mundo pós Segunda Guerra e a Guerra Fria
82
III.2.Movimentos sociais e políticos na América Latina e no Brasil nas décadas de 1950 e 1960:
Revolução Cubana, Movimento operário no Brasil
III.3.Golpes militares no Brasil e na América Latina: Tortura e direitos humanos
UNIDADE IV
IV.1.As manifestações culturais de resistência aos governos autoritários nas décadas de 1960 e 1970
IV.2.O papel da sociedade civil e dos movimentos sociais na luta pela redemocratização brasileira:
Movimento das “Diretas Já”
IV.3.A questão agrária na Nova República
IV.4.O neoliberalismo no Brasil
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
COTRIM, G. História Global – Brasil e Geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 720p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
KOSHIBA, L.; PEREIRA, D. M. F. História Geral e do Brasil: trabalho, cultura, poder. São Paulo:
Atual, 2012. 448p.
MORENO, J.; VIEIRA, S. História, Cultura e Sociedade. v.1, Curitiba: Positivo, 2010. 256p.
SANTIAGO, P.; et al. Por dentro da história. São Paulo: Escala Educacional, 2011. 752p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
83
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Geografia
Ano: 1°
Código: GEO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão do território, da paisagem, do lugar e da educação cartográfica. Domínio da
espacialidade, o reconhecimento de princípios e leis que regem os tempos da natureza e o tempo social
do espaço geográfico, diferenciar e estabelecer relações entre os eventos geográficos em diferentes
escalas, bem como auxiliar na elaboração, leitura e interpretação de mapas e cartas. Reconhecimento de
forma crítica de elemento pertencente ao espaço geográfico, capaz de transformá-lo, através de uma
ação ética e solidária, promoção a consciência ambiental e o respeito à igualdade e à diversidade entre
todos os povos, todas as culturas e todos os indivíduos.
3 – OBJETIVOS:
• Conhecer a dinâmica que rege a constituição e a interação das esferas naturais que determinam as
características da biosfera; Analisar as transformações naturais e antrópicas nos diferentes
ecossistemas; Entender as grandes paisagens naturais do ponto de vista socioeconômico e
ambiental; Reconhecer os fatores e interesses envolvidos na questão ambiental.
• Definir os setores da economia e a importância para a produção, circulação e reprodução do capital;
Reconhecer o mercado de commodities e participação do Brasil; Analisar a distribuição dos
trabalhadores nas atividades econômicas, estabelecendo a relação entre a oferta e a demanda por
empregos; Diferenciar o desemprego conjuntural e estrutural; Acompanhar a nova configuração e
as exigências para o mercado de trabalho.
• Vincular a estrutura econômica às desigualdades sociais; Analisar os indicadores sociais frente aos
indicadores econômicos como forma de compreender a diferença entre a produção e distribuição
de riquezas; Entender os fatores responsáveis pela elevação do padrão de vida dos brasileiros,
percebendo a importância de ações políticas neste sentido.
• Relacionar a configuração das estruturas políticas, econômicas, sociais e ambientais à projeção do
Brasil no cenário internacional; Entender o conceito de geopolítica, a partir da análise das
potências mundiais na defesa dos seus interesses e de seus aliados; Analisar o papel das “redes
sociais” e a importância da organização e manifestação social como recursos de enfrentamento e
defesa dos interesses e necessidades de uma sociedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Os elementos dos mapas
I.2.As projeções cartográficas
I.3.As técnicas de sensoriamento remoto
I.4.O papel dos Estados Unidos de América e a nova “desordem” mundial
I.5.Conflitos regionais e os deserdados de nova ordem mundial
UNIDADE II
II.1.As mudanças das distâncias geográficas e os processos migratórios
II.2.A globalização e as redes geográficas
II.3.Organismos Econômicos Internacionais
II.4.As corporações transnacionais
II.5.Os fluxos do comércio mundial
II.6.Fluxos econômicos na escala mundial
UNIDADE III
84
III.1.Estruturas e formas do planeta Terra
III.2.O relevo terrestre: Agentes internos – os movimentos da crosta e Agentes externos – clima e
intemperismo
III.3.Riscos de catástrofes em um mundo desigual: a prevenção dos riscos
UNIDADE IV
IV.1.Os biomas terrestres
IV.2.Clima e cobertura vegetal
IV.3.A nova escala dos impactos ambientais
IV.4.Os tratados internacionais sobre meio ambiente
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MAGNOLI, D. Geografia para o Ensino Médio - Integrado. 2. ed. São Paulo: Atual, 2012. 688p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BOLIGIAN, L.; et al. Geografia espaço e vivência - Ensino Médio. Volume único, 3. ed. São Paulo:
Atual, 2013. 592p.
COMPANHIA EDITORA NACIONAL. Atlas geográfico escolar. São Paulo: IBEP, 2008. 144p.
TERRA, L.; et al. Conexões - Estudos de Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2008.
616p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
85
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Geografia
Ano: 2°
Código: GEO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão do território, da paisagem, do lugar e da educação cartográfica. Domínio da
espacialidade, o reconhecimento de princípios e leis que regem os tempos da natureza e o tempo social
do espaço geográfico, diferenciar e estabelecer relações entre os eventos geográficos em diferentes
escalas, bem como auxiliar na elaboração, leitura e interpretação de mapas e cartas. Reconhecimento de
forma crítica de elemento pertencente ao espaço geográfico, capaz de transformá-lo, através de uma
ação ética e solidária, promoção a consciência ambiental e o respeito à igualdade e à diversidade entre
todos os povos, todas as culturas e todos os indivíduos.
3 – OBJETIVOS:
• Conhecer a dinâmica que rege a constituição e a interação das esferas naturais que determinam as
características da biosfera; Analisaras transformações naturais e antrópicas nos diferentes
ecossistemas; Entender as grandes paisagens naturais do ponto de vista socioeconômico e
ambiental; Reconhecer os fatores e interesses envolvidos na questão ambiental.
• Definir os setores da economia e a importância para a produção, circulação e reprodução do capital;
Reconhecer o mercado de commodities e participação do Brasil; Analisar a distribuição dos
trabalhadores nas atividades econômicas, estabelecendo a relação entre a oferta e a demanda por
empregos; Diferenciar o desemprego conjuntural e estrutural; Acompanhar a nova configuração e
as exigências para o mercado de trabalho.
• Vincular a estrutura econômica às desigualdades sociais; Analisar os indicadores sociais frente aos
indicadores econômicos como forma de compreender a diferença entre a produção e distribuição
de riquezas; Entender os fatores responsáveis pela elevação do padrão de vida dos brasileiros,
percebendo a importância de ações políticas neste sentido.
• Relacionar a configuração das estruturas políticas, econômicas, sociais e ambientais à projeção do
Brasil no cenário internacional; Entender o conceito de geopolítica, a partir da análise das
potências mundiais na defesa dos seus interesses e de seus aliados; Analisar o papel das “redes
sociais” e a importância da organização e manifestação social como recursos de enfrentamento e
defesa dos interesses e necessidades de uma sociedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.A gênese geoeconômica do território brasileiro
I.2.As fronteiras brasileiras
I.3.Do “arquipélago” ao “continente”
I.4.Mercados internacionais e agenda externa brasileira
UNIDADE II
II.1.O espaço industrial brasileiro
II.2.O espaço agropecuário brasileiro
II.3.A formação e a evolução da rede urbana brasileira
II.4.Geografia das religiões
II.5.A questão étnica cultural
II.6.América Latina?
UNIDADE III
III.1.Matrizes culturais do Brasil
III.2.A transição demográfica
86
III.3.O trabalho e o mercado de trabalho
III.4.A segregação sócia espacial e a exclusão social
III.5.O continente africano
III.6.África: sociedade em transformação
III.7.África e Europa
III.8.África e América
UNIDADE IV
IV.1.A placa tectônica sul-americana e o modelado do relevo brasileiro
IV.2.Os domínios morfoclimáticos e as bacias hidrográficas
IV.3.Gestão pública dos recursos naturais.
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MAGNOLI, D. Geografia para o Ensino Médio - Integrado. 2. ed. São Paulo: Atual, 2012. 688p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BOLIGIAN, L.; et al. Geografia espaço e vivência - Ensino Médio. Volume único, 3. ed. São Paulo:
Atual, 2013. 592p.
COMPANHIA EDITORA NACIONAL. Atlas geográfico escolar. São Paulo: IBEP, 2008. 144p.
TERRA, L.; et al. Conexões - Estudos de Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2008.
616p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
87
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Geografia
Ano: 3°
Código: GEO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Compreensão do território, da paisagem, do lugar e da educação cartográfica. Domínio da
espacialidade, o reconhecimento de princípios e leis que regem os tempos da natureza e o tempo social
do espaço geográfico, diferenciar e estabelecer relações entre os eventos geográficos em diferentes
escalas, bem como auxiliar na elaboração, leitura e interpretação de mapas e cartas. Reconhecimento de
forma crítica de elemento pertencente ao espaço geográfico, capaz de transformá-lo, através de uma
ação ética e solidária, promoção a consciência ambiental e o respeito à igualdade e à diversidade entre
todos os povos, todas as culturas e todos os indivíduos.
3 – OBJETIVOS:
• Conhecer a dinâmica que rege a constituição e a interação das esferas naturais que determinam as
características da biosfera; Analisaras transformações naturais e antrópicas nos diferentes
ecossistemas; Entender as grandes paisagens naturais do ponto de vista socioeconômico e
ambiental; Reconhecer os fatores e interesses envolvidos na questão ambiental.
• Definir os setores da economia e a importância para a produção, circulação e reprodução do capital;
Reconhecer o mercado de commodities e participação do Brasil; Analisar a distribuição dos
trabalhadores nas atividades econômicas, estabelecendo a relação entre a oferta e a demanda por
empregos; Diferenciar o desemprego conjuntural e estrutural; Acompanhar a nova configuração e
as exigências para o mercado de trabalho.
• Vincular a estrutura econômica às desigualdades sociais; Analisar os indicadores sociais frente aos
indicadores econômicos como forma de compreender a diferença entre a produção e distribuição
de riquezas; Entender os fatores responsáveis pela elevação do padrão de vida dos brasileiros,
percebendo a importância de ações políticas neste sentido.
• Relacionar a configuração das estruturas políticas, econômicas, sociais e ambientais à projeção do
Brasil no cenário internacional; Entender o conceito de geopolítica, a partir da análise das
potências mundiais na defesa dos seus interesses e de seus aliados; Analisar o papel das “redes
sociais” e a importância da organização e manifestação social como recursos de enfrentamento e
defesa dos interesses e necessidades de uma sociedade.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.As regiões da Organização das Nações Unidas (ONU)
I.2.O conflito Norte e Sul
I.3.Globalização e regionalização econômica
UNIDADE II
II.1.Geografia das religiões
II.2.A questão étnico cultural
II.3.América Latina?
UNIDADE III
III.1.O continente africano
III.2.África: sociedade em transformação
III.3.África e Europa
III.4.África e América
UNIDADE IV
88
IV.1.Os fluxos materiais
IV.2.Os fluxos de ideias e informação
IV.3.As cidades globais
IV.4.O terror e a guerra global
IV.5.A globalização do crime.
UNIDADE V
V.1.Blocos Econômicos
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MAGNOLI, D. Geografia para o Ensino Médio - Integrado. 2. ed. São Paulo: Atual, 2012. 688p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BOLIGIAN, L.; et al. Geografia espaço e vivência - Ensino Médio. Volume único, 3. ed. São Paulo:
Atual, 2013. 592p.
COMPANHIA EDITORA NACIONAL. Atlas geográfico escolar. São Paulo: IBEP, 2008. 144p.
TERRA, L.; et al. Conexões - Estudos de Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2008.
616p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
89
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Filosofia
Ano: 1°
Código: FIL
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais no sentido de permitir
ao discente uma intervenção consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Ler textos filosóficos de modo significativo.
• Ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros.
• Articular a reflexão filosófica com a discursividade das ciências e das produções culturais em geral.
• Contextualizar histórica e socialmente os conhecimentos filosóficos, enfatizando aspectos
sociopolíticos, culturais e científico-tecnológicos.
• Elaborar reflexões verbais e escritas.
• Debater temas mediante posições argumentadas e abertas a argumentos.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Por que estudar Filosofia? As áreas da Filosofia. A Filosofia e outras formas de conhecimento:
I.2.História, Mito, Cultura, Religião, Arte e Ciência.
UNIDADE II
II.1.A Filosofia e outras formas de conhecimento: História, Mito, Cultura, Religião, Arte e Ciência.
UNIDADE III
III.1.Ética e Moral. Introdução à Filosofia Política: democracia e cidadania - origens, conceitos e
dilemas;
III.2.Desigualdade social, poder e ideologia; democracia e justiça social;
III.3.Educação em direitos humanos. Participação política.
UNIDADE IV
IV.1.Introdução à Filosofia Política: democracia e cidadania – origens, conceitos e dilemas;
IV.2.Desigualdade social, poder e ideologia; democracia e justiça social;
IV.3.Educação em direitos humanos. Participação política
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
90
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4. ed. São Paulo: Moderna,
2009.
CHAUÍ, M. Filosofia– Série Novo Ensino Médio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2008. 208p.
LEBRUN, G. O que é poder. Coleção primeiros passos. v.24, 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. 126p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. 14. ed. São Paulo: Ática, 2010. 520p.
COTRIM, G. Fundamentos de Filosofia. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. 352p.
RUSSELL, B.; História do pensamento ocidental. São Paulo: Saraiva, 2013. 524p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
91
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Filosofia
Ano: 2°
Código: FIL
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais no sentido de permitir
ao discente uma intervenção consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Ler textos filosóficos de modo significativo.
• Ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros.
• Articular a reflexão filosófica com a discursividade das ciências e das produções culturais em geral.
• Contextualizar histórica e socialmente os conhecimentos filosóficos, enfatizando aspectos
sociopolíticos, culturais e científico-tecnológicos.
• Elaborar reflexões verbais e escritas.
• Debater temas mediante posições argumentadas e abertas a argumentos.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Ética e política.
I.2.Autonomia e liberdade como base da cidadania na modernidade.
I.3.Teorias do Estado: absolutismo, liberalismo, socialismo, anarquismo.
UNIDADE II
II.1.Indivíduo e sociedade na Idade Moderna: Hobbes, Locke, Rousseau.
II.2.A filosofia no Iluminismo
UNIDADE III
III.1.Indivíduo e sociedade na contemporaneidade.
III.2.Marx e a alienação, ética e capitalismo.
UNIDADE IV
IV.1. Desafios éticos contemporâneos:
IV.1.1.Ciência e tecnologia
IV.1.2.Tecnocracia
IV.1.3.Bioética,
IV.1.4.A existência individual e a massificação
IV.1.5.Identidade e diferença
IV.1.6.Diferença de gênero,
IV.1.7.Questão racial
IV.1.8.Preconceito.
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
92
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CHAUÍ, M. Filosofia– Série Novo Ensino Médio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2008. 208p.
LEBRUN, G. O que é poder. Coleção primeiros passos. v.24, 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. 126p.
ROUSSEAU, J. J. Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens.
2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2010. 184p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4. ed. São Paulo: Moderna,
2009.
CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. 14. ed. São Paulo: Ática, 2010. 520p.
COTRIM, G. Fundamentos de Filosofia. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. 352p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
93
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Filosofia
Ano: 3°
Código: FIL
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
1
40
33
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais no sentido de permitir
ao discente uma intervenção consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Ler textos filosóficos de modo significativo.
• Ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros.
• Articular a reflexão filosófica com a discursividade das ciências e das produções culturais em geral.
• Contextualizar histórica e socialmente os conhecimentos filosóficos, enfatizando aspectos
sociopolíticos, culturais e científico-tecnológicos.
• Elaborar reflexões verbais e escritas.
• Debater temas mediante posições argumentadas e abertas a argumentos.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. Desafios éticos contemporâneos
I.1.1. ciência e tecnologia
I.1.2. tecnocracia
I.1.3. Bioética
I.1.4. A existência individual e a massificação
I.1.5. identidade e diferença
I.1.6. Diferença de gênero
I.1.7. A questão racial
I.1.8. Preconceito.
UNIDADE II
II.1. Estado e economia pós-liberal e neoliberalismo
UNIDADE III
III.1. Crise da subjetividade no meio da crise social atual
UNIDADE IV
IV.1. Ética
IV.2. Poder
IV.3. Cidadania
IV.4. Expressão cultural
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
94
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4. ed. São Paulo: Moderna,
2009.
FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 25. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012. 432p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. 14. ed. São Paulo: Ática, 2010. 520p.
CHAUÍ, M. Filosofia– Série Novo Ensino Médio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2008. 208p.
COTRIM, G. Fundamentos de Filosofia. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. 352p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
95
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Sociologia
Ano: 1°
Código: SOC
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais e de seus
desdobramentos sociais, culturais e políticos no sentido de permitir ao discente uma intervenção
consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Identificar, analisar e comparar os diferentes discursos sobre a realidade: as explicações das
Ciências Sociais, amparadas nos vários paradigmas teóricos, e as do senso comum;
• Produzir novos discursos sobre as diferentes realidades sociais, a partir de observações e reflexões
realizadas;
• Construir instrumentos para uma melhor compreensão da vida cotidiana, ampliando a “visão de
mundo” e o “horizonte de expectativas”, nas relações interpessoais com os vários grupos sociais;
• Construir uma visão mais crítica da indústria cultural e dos meios de comunicação de massa;
• Compreender, respeitar e valorizar as diferentes manifestações culturais de etnias e segmentos
sociais;
• Compreender as transformações no mundo do trabalho e o novo perfil de qualificação exigida,
gerados por mudanças na ordem econômica;
• Construir a identidade social e política, de modo a viabilizar o exercício da cidadania plena (direitos e
deveres).
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Tema – sustentabilidade
UNIDADE I
I. A sociedade humana como objeto de estudo
I.1. Cultura e sociedade; Papel da educação na transmissão da cultura - identidade cultural
I.2. Principais aspectos da cultura;
I.3. Os componentes da cultura: aculturação, contato e mudança
UNIDADE II
II. Convivência Humana - nosso lugar na sociedade
II.1. Sociabilidade e socialização
II.2. Contato social
II.3. Interação social
UNIDADE III
III. Comunidade, sociedade e cidadania
III.1. Comunidade: Formação e características
III.2. Sociedade: Uma transição dolorosa
III.3. Cidadania: Direitos e deveres
UNIDADE IV
IV. Mudança Social
IV.1. Modernidade e tradição
IV.2. Causas da mudança social
IV.3. Fatores favoráveis e refratários às mudanças
UNIDADE V
96
V. As instituições sociais - significado e importância
V.1. Grupo social e instituição social
V.2. A interdependência entre as instituições
V.3. Principais tipos de instituições
UNIDADE VI
VI. Educação e Sociedade
VI.1. Objetivos da educação
VI.2. Processos educativos
VI.3. Desafios da educação brasileira
UNIDADE VII
VII. Novos Movimentos Sociais
VII.1. Assédio Moral
VII.2. Assédio Sexual
VII.3. Crime de Racismo
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BERGER, P. L.; Luckmann, T. A construção social da realidade. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 240p.
MARTINS, C. B. O que é sociologia?. 57. ed. São Paulo: Brasiliense, 2001. 100p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BRYM, R.; et al. Sociologia: uma bússola para um novo mundo. São Paulo: Cengage, 2006. 610P.
CHAUÍ, M.; OLIVEIRA, Pérsio Santos. Filosofia e Sociologia– Série Novo Ensino Médio. São Paulo:
Ática, 2010.
OLIVEIRA, P. S. Introdução à Sociologia. São Paulo: Ática, 2011. 326p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
97
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Sociologia
Ano: 2°
Código: SOC
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais e de seus
desdobramentos sociais, culturais e políticos no sentido de permitir ao discente uma intervenção
consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Identificar, analisar e comparar os diferentes discursos sobre a realidade: as explicações das
Ciências Sociais, amparadas nos vários paradigmas teóricos, e as do senso comum;
• Produzir novos discursos sobre as diferentes realidades sociais, a partir de observações e reflexões
realizadas;
• Construir instrumentos para uma melhor compreensão a vida cotidiana, ampliando a “visão de
mundo” e o “horizonte de expectativas”, nas relações interpessoais com os vários grupos sociais;
• Construir uma visão mais crítica da indústria cultural e dos meios de comunicação de massa;
• Compreender e valorizar as diferentes manifestações culturais de etnias e segmentos sociais,
agindo de modo a preservar o direito à diversidade, enquanto princípio estético, político e ético que
supera conflitos e tensões do mundo atual;
• Compreender as transformações no mundo do trabalho e o novo perfil de qualificação exigida,
gerados por mudanças na ordem econômica;
• Construir a identidade social e política, de modo a viabilizar o exercício da cidadania plena, no
contexto do Estado de Direito, atuando para que haja, efetivamente, uma reciprocidade de direitos
e deveres entre o poder público e o cidadão e também entre os diferentes grupos.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1. O estudo da sociologia: produção social do conhecimento: Importância e características.
UNIDADE II
II.1. A sociedade dos indivíduos: O indivíduo, sua história e sociedade
II.2. O processo de socialização; Indivíduo e sociedade – O que pensam os clássicos.
UNIDADE III
III.1. Trabalho e sociedade: O trabalho nas diferentes sociedades
III.2. O trabalho na sociedade moderna: capitalismo x socialismo
III.3. O trabalho alienado
III.4. A questão do trabalho no Brasil.
UNIDADE IV
V.1. A estrutura social e as desigualdades: Estrutura e estratificação social
V.1.1. A sociedade capitalista e as classes sociais
V.1.2. As desigualdades sociais: o caso brasileiro.
VI. UNIDADE V
VII.1. Poder, política e Estado:
VII.1.1. Como surgiu o Estado Moderno
VII.1.2. O poder e o Estado
VII.1.3. Poder, política e estado no Brasil
VII.1.4. Democracia no Brasil
98
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BERGER, P. L.; Luckmann, T. A construção social da realidade. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 240p.
MÉSZÁROS, I. O século XXI - O Socialismo ou Barbarie. MUNDO DO TRABALHO. São Paulo:
Boitempo, 2003. 120p.
RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. São Paulo: Cia das Letras, 2006. 440p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CHAUÍ, M.; OLIVEIRA, P. S. Filosofia e Sociologia– Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, 2010.
OLIVEIRA, P. S. Introdução à Sociologia. São Paulo: Ática, 2011. 326p.
SENNET, R. Corrosão do caracter, A - O Desaparecimento das virtudes com o novo capitalismo.
São Paulo: Best Bolso, 2012. 192p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
99
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Sociologia
Ano: 3°
Código: SOC
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
1
40
33
2 – EMENTA:
Desenvolver uma reflexão permanente acerca das relações histórico-sociais e de seus
desdobramentos sociais, culturais e políticos no sentido de permitir ao discente uma intervenção
consciente em seu contexto social.
3 – OBJETIVOS:
• Identificar, analisar e comparar os diferentes discursos sobre a realidade: as explicações das
Ciências Sociais, amparadas nos vários paradigmas teóricos, e as do senso comum; • Produzir
novos discursos sobre as diferentes realidades sociais, a partir de observações e reflexões
realizadas;
• Construir instrumentos para uma melhor compreensão da vida cotidiana, ampliando a “visão de
mundo” e o “horizonte de expectativas”, nas relações interpessoais com os vários grupos sociais;
• Construir uma visão mais crítica da indústria cultural e dos meios de comunicação de massa;
• Compreender, respeitar e valorizar as diferentes manifestações culturais de etnias e segmentos
sociais;
• Compreender as transformações no mundo do trabalho e o novo perfil de qualificação exigida,
gerados por mudanças na ordem econômica;
• Construir a identidade social e política, de modo a viabilizar o exercício da cidadania plena (direitos e
deveres).
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.O estudo da sociologia:
I.1. Produção social do conhecimento
I.2. Importância e características
UNIDADE II
II.A sociedade dos indivíduos
II.1. O indivíduo, sua história e sociedade
II.2. O processo de socialização
II.3. Indivíduo e sociedade – O que pensam os clássicos
UNIDADE III
III.Trabalho e sociedade
III.1.O trabalho nas diferentes sociedades
III.2.O trabalho na sociedade moderna: capitalismo x socialismo
III.3.O trabalho alienado
III.4.A questão do trabalho no Brasil
UNIDADE IV
IV.A estrutura social e as desigualdades
IV.1. Estrutura e estratificação social
IV.2. A sociedade capitalista e as classes sociais
IV.3. As desigualdades sociais: o caso brasileiro
UNIDADE V
V.Poder, política e Estado
100
V.1. Como surgiu o Estado Moderno
V.2. O poder e o Estado
V.3. Poder, política e estado no Brasil
V.4. Democracia no Brasil
5 – METODOLOGIAS:
1) Aulas expositivas para temas gerais e aulas dialogadas para trabalhar as relações entre passado
e presente.
2) Para cada tema geral (com exceção dos introdutórios) serão pedidos relatórios de leitura e das
aulas.
3) Para cada tema será sugerido um problema a ser resolvido em grupo. A resolução do problema
será possibilitada pela boa utilização dos recursos a) oferecidos nas aulas expositivas; b) apreendidos a
partir da leitura da bibliografia ou dos textos preparados para subsidiar as aulas; c) constituídos pelos
próprios alunos por meio de pesquisa.
4) Serão sugeridos ainda exercícios de compreensão e de reflexão sobre os temas propostos.
Nota 1: todos os temas demandam a cooperação interdisciplinar, organizando-se em função de
algum eixo temático proposto.
Nota 2: todos os problemas articularão hipóteses, um método de pesquisa e o embate com
evidências.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BERGER, P. L.; Luckmann, T. A construção social da realidade. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 240p.
OLIVEIRA, F. Hegemonia às avessas. Estado de sitio. São Paulo: Boitempo, 2010. 400p.
SENNET, R. Corrosão do caracter, O Desaparecimento das virtudes com o novo capitalismo. São
Paulo: Best Bolso, 2012. 192p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BAUMAN, Z. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.
CHAUÍ, M.; OLIVEIRA, P. S. Filosofia e Sociologia– Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, 2010.
OLIVEIRA, P. S. Introdução à Sociologia. São Paulo: Ática, 2011. 326p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
101
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Inglês
Ano: 1°
Código: ING
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Estudo da Língua Inglesa a fim de facilitar o processo de compreensão de textos, produção oral e o
uso das comunicações escrita em suas diversas situações focando, principalmente, o desenvolvimento
das habilidades de compreensão de textos técnico-científicos a partir das estratégias de leitura e
conhecimentos sistêmicos da língua inglesa.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer a língua inglesa como idioma universal irrestrita a espaços geográficos específicos e
como meio de ampliação de acesso à cultura, informação e conhecimento.
• Realizar escolhas linguísticas conscientes;
• Entender as diversas maneiras de organizar, categorizar, expressar e interpretar a experiência
humana através da linguagem em razão de aspectos sociais e/ou culturais;
• Posicionar-se como usuário ativo da língua inglesa dentro do cenário brasileiro;
• Proporcionar um ambiente de exposição linguística em inglês e, portanto, de insumo na língua alvo;
• Proporcionar insumo escrito com o apoio de textos autênticos;
• Proporcionar oportunidades de ampliação de vocabulário em inglês;
• Vivenciar práticas de fala escuta, escrita e, predominantemente, de leitura em língua inglesa;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de leitura visando à compreensão de significados em níveis
diversos;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de aprendizagem para aprimorar experiências com a língua
e facilitar a busca por informação e cultura;
• Conhecer regularidades morfológicas e sintáticas da língua inglesa que auxiliem na compreensão de
significados por dedução.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.História da língua inglesa e da língua portuguesa e a evolução das línguas através do tempo e de
influências interculturais
I.2.A língua inglesa como língua oficial, segunda língua e língua estrangeira em cenários geográficos
diversos
I.3.Mapeamento dos países que usam a língua inglesa como língua materna
I.4.A influência internacional dos usos da língua inglesa como língua estrangeira
I.5.A língua inglesa no Brasil
UNIDADE II
II.1.Leitura prática e análise teórica dos textos informativos, persuasivos e de entretenimento
II.2.Leitura prática e análise teórica das modalidades argumentativa, narrativa e descritiva
II.3.Leitura e exploração de itens linguísticos, estrutura textual e marcas tipográficas em gêneros tais
como anúncios publicitários, cartas entre intercambistas, seções de jornal impresso e catálogos
turísticos
II.4.Emprego de estratégias de leitura
UNIDADE III
III.1.Sintaxe da língua inglesa: ordem de palavras em sintagmas verbais e sintagmas nominais;
III.2.Comparação entre a sintaxe da língua portuguesa e da língua inglesa
III.3.Regularidades morfológicas: adjetivos e a variação de grau;
III.4.Variação de número em substantivos;
102
III.5.Variação de tempo e pessoa em verbos;
III.6.Desinências e afixos;
III.7.Regularidades na formação de palavras por meio de combinação de radicais, prefixos e sufixos
III.8.Pronomes relativos
III.9.A voz passiva reduzida em manchetes de jornal; caso particípio dos verbos
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 1, São Paulo: Textonovo, 2000. 111p.
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 2, São Paulo: Textonovo, 2001. 136p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CRUZ, D. T. Inglês Instrumental para informática. 1. ed. São Paulo: Disal, 2013. 392p.
MARINOTTO, D. Reading on info tech: inglês para informática. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2008.
SANSANOVICZ, N. B.; et al. Inglês para o ensino médio. São Paulo: Saraiva, 2004. 336p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
103
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Inglês
Ano: 2°
Código: ING
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Estudo da Língua Inglesa a fim de facilitar o processo de compreensão de textos, produção oral e o
uso das comunicações escrita em suas diversas situações focando, principalmente, o desenvolvimento
das habilidades de compreensão de textos técnico-científicos a partir das estratégias de leitura e
conhecimentos sistêmicos da língua inglesa.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer a língua inglesa como idioma universal irrestrita a espaços geográficos específicos e
como meio de ampliação de acesso à cultura, informação e conhecimento.
• Realizar escolhas linguísticas conscientes;
• Entender as diversas maneiras de organizar, categorizar, expressar e interpretar a experiência
humana através da linguagem em razão de aspectos sociais e/ou culturais;
• Posicionar-se como usuário ativo da língua inglesa dentro do cenário brasileiro;
• Proporcionar um ambiente de exposição linguística em inglês e, portanto, de insumo na língua alvo;
• Proporcionar insumo escrito com o apoio de textos autênticos;
• Proporcionar oportunidades de ampliação de vocabulário em inglês;
• Vivenciar práticas de fala, escuta, escrita e, predominantemente, de leitura em língua inglesa;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de leitura visando à compreensão de significados em níveis
diversos;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de aprendizagem para aprimorar experiências com a língua
e facilitar a busca por informação e cultura;
• Conhecer regularidades morfológicas e sintáticas da língua inglesa que auxiliem na compreensão de
significados por dedução.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Diferenças de vocabulário e pronúncia entre variações da língua inglesa em países americanos,
europeus, asiáticos e da oceania (EUA, Canadá, Inglaterra; Austrália e Índia);
I.2.Leitura prática e análise teórica dos textos informativos, persuasivos e de entretenimento;
I.3.Leitura prática e análise teórica das modalidades argumentativa, narrativa e descritiva;
I.4.Leitura e exploração de itens linguísticos, estrutura textual e marcas tipográficas em gêneros
relacionados ao cinema tais como críticas, resenhas, sinopses, notícias, entrevistas; trailers e
artigos sobre a indústria do cinema.
I.5.Leitura prática e exploração de itens linguísticos e estrutura textual em textos relacionados com a
temática dos preconceitos e estereótipos em sociedades modernas e passadas;
I.6.Reflexão sobre a temática dos preconceitos e estereótipos e seu impacto sobre a vida das
pessoas baseada nos textos empregados;
I.7.Emprego de estratégias de leitura;
UNIDADE II
II.1.Sintaxe da língua inglesa:
II.1.1.Ordem de palavras em sintagmas verbais e sintagmas nominais;
II.1.2.Sistemas de preposições;
II.1.3.Ordem de palavras em sintagmas adverbiais;
II.1.4.Comparação entre a sintaxe da língua portuguesa e da língua inglesa;
II.2.Regularidades morfologias:
II.2.1.substantivos que correspondem a profissões e ocupações na indústria do cinema e suas
104
terminações morfológicas;
II.2.2.Variação de tempo e pessoa em verbos;
II.2.3.Desinências e afixos;
II.2.4.Regularidades na formação de palavras por meio de combinação de radicais, prefixos e
sufixos;
II.3.Verbos auxiliares e auxiliares modais;
UNIDADE III
III.1.Roteiros de cinema adaptados de textos literários: leitura autêntica e compreensão;
III.2.comparação de estruturas, organização textual e vocabulário entre os dois gêneros.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 1, São Paulo: Textonovo, 2000. 111p.
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 2, São Paulo: Textonovo, 2001. 136p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CRUZ, D. T. Inglês Instrumental para informática. 1. ed. São Paulo: Disal, 2013. 392p.
MARINOTTO, D. Reading on info tech: inglês para informática. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2008.
SANSANOVICZ, N. B.; et al. Inglês para o ensino médio. São Paulo: Saraiva, 2004. 336p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
105
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Inglês
Ano: 3°
Código: ING
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Estudo da Língua Inglesa a fim de facilitar o processo de compreensão de textos, produção oral e o
uso das comunicações escrita em suas diversas situações focando, principalmente, o desenvolvimento
das habilidades de compreensão de textos técnico-científicos a partir das estratégias de leitura e
conhecimentos sistêmicos da língua inglesa.
3 – OBJETIVOS:
• Reconhecer a língua inglesa como idioma universal irrestrita a espaços geográficos específicos e
como meio de ampliação de acesso à cultura, informação e conhecimento.
• Realizar escolhas linguísticas conscientes;
• Entender as diversas maneiras de organizar, categorizar, expressar e interpretar a experiência
humana através da linguagem em razão de aspectos sociais e/ou culturais;
• Posicionar-se como usuário ativo da língua inglesa dentro do cenário brasileiro;
• Proporcionar um ambiente de exposição linguística em inglês e, portanto, de insumo na língua alvo;
• Proporcionar insumo escrito com o apoio de textos autênticos;
• Proporcionar oportunidades de ampliação de vocabulário em inglês;
• Vivenciar práticas de fala, escuta, escrita e, predominantemente, de leitura em língua inglesa;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de leitura visando à compreensão de significados em níveis
diversos;
• Conhecer e instrumentalizar estratégias de aprendizagem para aprimorar experiências com a língua
e facilitar a busca por informação e cultura;
• Conhecer regularidades morfológicas e sintáticas da língua inglesa que auxiliem na compreensão de
significados por dedução;
• Explorar a temática da atuação profissional, da qualificação, de atividades pós-ensino médio e se
posicionar frente ao mercado de trabalho.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.1.Leitura prática e análise teórica dos textos informativos, persuasivos e de entretenimento
I.2.Leitura prática e análise teórica das modalidades argumentativa, narrativa e descritiva
I.3.Leitura e exploração de itens linguísticos, estrutura textual e marcas tipográficas em gêneros
diversos com temática relacionada ao universo do trabalho, do primeiro emprego e da formação
profissional
I.4.Leitura prática e exploração de itens linguísticos e estrutura textual em textos que apresentem
depoimentos pessoais de trabalhadores voluntários
I.5.Reflexões sobre trabalho voluntário, remuneração, motivação para o trabalho, escolha de
atividade profissional, aptidões e interesses, baseadas em leituras
I.6.Emprego de estratégias de leitura
UNIDADE II
II.1.Regularidades morfológicas:
II.2.Substantivos que correspondem a profissões e ocupações em diversas áreas e suas
terminações morfológicas
II.3.Verbos relacionados a competências e habilidades em atividades específicas
II.4.Adjetivos relacionados a características pessoais relevantes para a atividade profissional
II.5.Desinências e afixos;
II.6.Regularidades na formação de palavras por meio da combinação de radicais, prefixos e sufixos
106
UNIDADE III
III.1.WH questions e Yes/no questions;
III.2.Pronomes interrogativos (WH pronouns)
III.3.Entrevistas: perguntar e responder em inglês
UNIDADE V
IV.1.Currículos em inglês e em português: princípios, estrutura e tópicos
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 1, São Paulo: Textonovo, 2000. 111p.
MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de leitura. Módulo 2, São Paulo: Textonovo, 2001. 136p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CRUZ, D. T. Inglês Instrumental para informática. 1. ed. São Paulo: Disal, 2013. 392p.
MARINOTTO, D. Reading on info tech: inglês para informática. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2008.
SANSANOVICZ, N. B.; et al. Inglês para o ensino médio. São Paulo: Saraiva, 2004. 336p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
107
7.3.1
COMPONENTES CURRICULARES DA PARTE DIVERSIFICADA OPTATIVA
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso:
Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Espanhol Básico
Código:ESB
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à
interação sócio comunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita.
3 – OBJETIVOS:
• Compreender o uso da linguagem e dos recursos linguísticos focalizados, principalmente na
aquisição da língua falada em diferentes contextos sociais em que esta língua é usada;
• Trabalhar a ativação do conhecimento prévio para ler e ouvir;
• Localizar e compreender informações em diálogos e situações de comunicação cotidianas;
• Estabelecer relações e fazer inferências a partir de textos verbais e não verbais;
• Compreender os efeitos de sentido de textos em situações de fala e posicionar-se em relação aos
temas abordados (cultura, informação, entre outros).
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.“¿Quién soy yo? ¿Quién eres tú?”
I.1.Apresentação e dados pessoais
I.2.Alguns verbos no presente do indicativo
I.3.Pronomes interrogativos
I.4.Alfabeto
UNIDADE II
II.- “¿Quién es usted?”
II.1.Tratamento formal e informal
II.2.Pronomes de tratamento
II.3.Vos “El voseo.”
II.4.Sons das vogais
UNIDADE III
III.- “¿Qué hacemos?”
III.1.Rotina
III.2.Verbos no presente do indicativo que indicam ações cotidianas
III.3.Números cardinais e ordinais.
III.4.Horas e datas.
III.5.Uso dos dicionários
UNIDADE IV
IV.“¿Dónde se puede comprar?”
IV.1.Estabelecimentos comerciais e situações de compraS
IV.2.Artigos definidos, indefinidos e contrações
IV.3.Sons:” b, v, ñ, h e ch.”
UNIDADE V
V.“¿Qué comemos?”
108
V.1.Comidas.
V.2.Verbo: gustar
V.3. Sons: “d, t, g e j.”
UNIDADE VI
VI.“¿Somos lo que llevamos?”
VI.1.Características das pessoas e roupas.
VI.2.Gênero e número dos substantivos e adjetivos.
VI.3.Verbos: “preferir e llevar” no presente do indicativo
UNIDADE VII
VII.“¿Cómo es tu família?”
VII.1.A família
VII.2.Pronomes possesivos
VII.3.Sons: “l, ll, r e rr.”
UNIDADE VIII
VIII.“¿Dónde vivimos?”
VIII.1.Tipos de casas e moradias
VIII.2.Pronomes demonstrativos
VIII.3.Advérbios de lugar.
UNIDADE IX
IX.“¿Cómo es la ciudad dónde vives?”
IX.1.Características das cidades, endereços e direções
IX.2.Conjunções de coordenação: “ y, o e pero”
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MARTÍN, Ivan Rodrigues. Espanhol – Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, 2010. 248p.
MARTÍN, Ivan Rodrigues. Síntesis: curso de lengua española. São Paulo: Ática, 2009. 416p.
BOHRINGER, Astrid Schmitt. Gramática essencial de espanhol. São Paulo: Presença, 2008.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DIAZ, M. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2012. 814p.
OLINTO, A. Minidicionário Saraiva de espanhol-português e português-espanhol confome nova
ortografia. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 792p.
FLAVIAN, E.; FERNANDÉZ, G. E. Minidicionário espanhol-português, português espanhol. 19. ed.
São Paulo: Ática, 2008. 696p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
109
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Espanhol Intermediário
Código:ESI
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à
interação sócio comunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita.
3 – OBJETIVOS:
• Compreender o uso da linguagem e dos recursos linguísticos focalizados, principalmente na
aquisição da língua falada em diferentes contextos sociais em que esta língua é usada;
• Trabalhar a ativação do conhecimento prévio para ler e ouvir;
• Localizar e compreender informações em diálogos e situações de comunicação cotidianas;
• Estabelecer relações e fazer inferências a partir de textos verbais e não verbais;
• Compreender os efeitos de sentido de textos em situações de fala e posicionar-se em relação aos
temas abordados (cultura, informação, entre outros).
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.“Sabes caules son tus derechos y tus deberes?”
I.1.Direitos e deveres.
I.2.Verbos regulares e irregulares no presente do indicativo
I.3.Sons: “s, c e z”
UNIDADE II
II.“Vamos de viaje?”
II.1.Viagens
II.2.Perífrases do futuro
II.3.Preposições relacionadas aos meios de transportes.
UNIDADE III
III.¿Practicas algún deporte?”
III.1.Esportes.
III.2.Perífrases: Estar + gerúndio
III.3.Expressar obrigação
UNIDADE IV
IV.“¿Qué hacías cuando eras niño?”
IV.1.Infância
IV.2.Pretérito imperfeito do indicativo
IV.3.Comparativos e superlativos
UNIDADE V
V.“¿Estás enfermo?”
V.1.Saúde e doenças
V.2.Pretérito perfeito composto do indicativo e particípio
V.3.Expressões temporais que incluem o presente
UNIDADE VI
VI.“¿Te gustan las fiestas?”
VI.1.Festas populares
110
VI.2.Pretérito Indefinido do indicativo
VI.3.Expressões temporais
UNIDADE VII
VII.“¿Qué pasará?”
VII.1.Previsões do futuro
VII.2.Futuro imperfeito do indicativo
VII.3.Acentos
UNIDADE VIII
VIII.“¿Sabrías escribir uma carta?”
VIII.1.Correspondência comercial
VIII.2.Condicional imperfeito
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MARTÍN, Ivan Rodrigues. Espanhol – Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, 2010. 248p.
MARTÍN, Ivan Rodrigues. Síntesis: curso de lengua española. São Paulo: Ática, 2009. 416p.
BOHRINGER, Astrid Schmitt. Gramática essencial de espanhol. São Paulo: Presença, 2008.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DIAZ, M. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2012. 814p.
OLINTO, A. Minidicionário Saraiva de espanhol-português e português-espanhol confome nova
ortografia. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 792p.
FLAVIAN, E.; FERNANDÉZ, G. E. Minidicionário espanhol-português, português espanhol. 19. ed.
São Paulo: Ática, 2008. 696p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
111
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Espanhol Avançado
Código: ESA
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à
interação sócio comunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita.
3 – OBJETIVOS:
• Compreender o uso da linguagem e dos recursos linguísticos focalizados, principalmente na
aquisição da língua falada em diferentes contextos sociais em que esta língua é usada;
• Trabalhar a ativação do conhecimento prévio para ler e ouvir;
• Localizar e compreender informações em diálogos e situações de comunicação cotidianas;
• Estabelecer relações e fazer inferências a partir de textos verbais e não verbais;
• Compreender os efeitos de sentido de textos em situações de fala e posicionar-se em relação aos
temas abordados (cultura, informação, entre outros).
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I
I.“¿Para qué sirve la red?”
I.1.Internet.
I.2.Presente do subjuntivo.
I.3.Expressões de desejo.
UNIDADE II
II.“¿Te toca defender la naturaliza?”
II.1.O meio ambiente.
II.2.Pretérito imperfeito do subjuntivo.
II.3.Pretérito perfeito do subjuntivo.
II.4.Pretérito Pluscuamperfecto do subjuntivo.
II.5.Expressões utilizadas em uma argumentação.
UNIDADE III
III.“¿Para qué sirven los trucos y los consejos?”
III.1.Truques e conselhos.
III.2.Imperativo afirmativo e negativo
III.3.Descrição
UNIDADE IV
IV.“¿Te gusta el arte?”
IV.1.Aarte.
IV.2.Advérbios.
IV.3.Heterosemánticos e heterotônicos.
UNIDADE V
V.¿Qué tal el cine?
V.1.O cinema espanhol e da América Latina.
V.2.Preposições e regime preposicional
UNIDADE VI
VI.¿Qué es la literatura?
112
VI.1.A literatura e seus gêneros.
VI.2.Pronome complemento.
UNIDADE VII
VII.¿Te gusta la música?
VII.1.A música Espanhola e da América Latina.
VII.2.Discurso direto e indireto.
VII.3.Interjeições.
UNIDADE VIII
VIII.¿Se transformo em príncipe el sapo?
VIII.1.Transformações.
VIII.2.Verbos de mudança.
UNIDADE IX
IX.Ditados populares e frases feitas
5 – METODOLOGIAS:
Aulas expositivas e/ou dialogadas, utilizando-se de recursos audiovisuais e didáticos; atividades de
compreensão leitora e auditiva, produção oral e escrita (individuais, duplas ou grupos); exercícios
interativos (internet, multimídia); atividades lúdicas; pesquisas, debates e seminários.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios autoavaliação, entre outros
que o professor acordar com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MARTÍN, I. R. Espanhol – Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, 2010. 248p.
MARTÍN, I. R. Síntesis: curso de lengua española. São Paulo: Ática, 2009. 416p.
MILANI, E. M. Gramática de espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2011. 432p.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DIAZ, M. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2012. 814p.
OLINTO, A. Minidicionário Saraiva de espanhol-português e português-espanhol confome nova
ortografia. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 792p.
FLAVIAN, E.; FERNANDÉZ, G. E. Minidicionário espanhol-português, português espanhol. 19. ed.
São Paulo: Ática, 2008. 696p.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
113
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Esportes
Código: EPO
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
A prática da atividade física relacionada aos aspectos de higiene, vestimenta e nutrição adequadas,
melhoria da aptidão física, lazer e estilo de vida saudável. Aptidão física antropométrica, metabólica
(aeróbio e anaeróbio) e neuromotora (força, velocidade, agilidade, flexibilidade, coordenação, ritmo).
Trabalho desportivo: aspectos técnicos e táticos.
3 – OBJETIVOS:
 Desenvolver no educando, utilizando a prática de atividade física individual e coletiva, aspectos
de autoestima, respeito, socialização e cidadania, aprimorando sua formação global além de
subsidiá-los de vivências para torná-lo crítico e construtivo na sociedade em que vive.
 Demonstrar domínio básico dos fundamentos técnicos e aspectos táticos dos esportes ensinados.
Proporcionar intervenção solidária na realidade, considerando a diversidade sócio cultural, como
inerente à condição Humana no tempo e no espaço.
 Compreender e valorizar as manifestações corporais aplicando-as no seu lazer.
 Aprender a respeitar a diversidade humana.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
- Luta: orientações, regras e técnicas;
- Modalidades de luta: capoeira, caratê, judô, tae kwon do, boxe, entre outras;
- Princípios do treinamento físico: individualidade, sobrecarga e reversibilidade;
- Efeitos do treinamento físico: fisiológicos, morfológicos e psicossociais;
- Saúde e trabalho.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas demonstrativas e expositivas. Atividades com corrida de curta e longa duração, com controle
de T.I.R.P (Tempo – Intervalo – Repetições e Pulsação). Alongamentos, ginástica localizada e formativa.
Exercícios individuais e/ou em grupos. Atividades em circuito utilizando estações com exercícios
diferentes. Exercícios individuais e/ou em grupos com bola. Jogos desportivos. Recreação. Sala de aula
(com recursos audiovisuais: PC, Datashow, vídeo, TV). Bolas, Medicine ball, Cones de borracha,
Colchões, Quadra de esportes, Campo de futebol, Pista de Atletismo.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, autoavaliação, entre outros que o professor acordar
com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BACURAU, R.F. Nutrição e Suplementação Esportiva. 5ª Edição. Phorte. 2009.
SHARKEY, B. Condicionamento Físico e Saúde. 5 Edição. Artmed. 2006.
SOARES, C. L. Metodologia do Ensino de Educação Física. 2.ed. Editora Cortez. 2009.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CLARK, N. Guia de Nutrição Desportiva. 3.ed. Artmed. 2006.
PAZINI, C.G.D. Corrida de Orientação. Ponto Cópias, 2007.
POWERS, S.K.; HOWLEY, E.T. Fisiologia do Exercício. 5.ed. Manole, 2006.
SÃO PAULO (ESTADO). Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias.
São Paulo: SEE, 2010.
114
SOUZA, T.P.; PEREIRA, B. Compreendendo a Barreira do Rendimento Físico. Phorte. 2005.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
115
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
Componente curricular:
Libras
Código: LBS
N° de aulas p/ semana:
Total de aulas:
Total de horas:
2
80
67
2 – EMENTA:
A disciplina introduz o ouvinte à Língua Brasileira de Sinais e a modalidade diferenciada para a
comunicação (gestual-visual). Criando oportunidade para a prática de LIBRAS e ampliar o conhecimento
dos aspectos da cultura do mundo surdo. Ensino com base nas competências e habilidades. Novas
tendências pedagógicas e sua ação social tendo como base uma sociedade inclusiva.
3 – OBJETIVOS:
Desenvolver o domínio básico da Língua Brasileira de Sinais, incluir no processo de escolarização os
alunos com Deficiência Auditiva; Desenvolver a observação, a investigação, a pesquisa, a síntese e a
reflexão no que se refere à inclusão de pessoas surdas, buscando práticas que propiciem a inclusão, a
permanência e a qualidade no atendimento no contexto escolar e social.
4 – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
- Aspectos históricos da surdez e da modalidade gestual-visual de fala na antiguidade e na modernidade;
- Oralismo, comunicação Total, Bimodalismo e Bilinguismo;
- A LIBRAS como língua;
- A educação dos surdos no Brasil, legislação e o Intérprete de Libras;
-Sinais de alfabeto,
- Sinais do alfabeto manual; Números cardinais; Cumprimento; Atribuição de Sinal da Pessoa; Material
escolar; Calendário (dias da semana, meses); Cores; Família; Clima; Animais domésticos; Profissões
(principais); Horas; Características pessoais (físicas); Alimentos; Frutas; Meios de transporte; Atitudes e
Sentimentos.
5 – METODOLOGIAS:
Aulas dialogadas, demonstrativas e expositivas.
6 – AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante a
utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos, relatórios,
provas escritas, seminários, fichas de observação, auto avaliação, entre outros que o professor acordar
com os alunos.
7 – BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CAPOVILLA, F. C. e RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: Língua de Sinais
Brasileira. São Paulo, Co-Editora(s): Imprensa Oficial, 2001.
ALMEIDA, E.C. Atividades Ilustradas em Sinais de LIBRAS. São Paulo: Revinter, 2004.
QUADROS, R.M. KARNOP, L. B. Língua dos Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre:
Artmed,2004.
8 – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
COUTINHO, D. LIBRAS e Língua Portuguesa: semelhanças e diferenças. João Pessoa: Arpoador,
2000.
FELIPE, T.A. Libras em Contexto. Brasília: MEC/SEESP, 7. ed. 2007. Ministério da Educação e do
Desporto. Educação especial: a educação dos surdos. Brasília: MEC/SEESP, 1997. v. 2.
GESSER, Audrei. O Ouvinte e a Surdez: Sobre Ensinar e Aprender LIBRAS. São Paulo: Parábola.
2012.
PEREIRA, Maria C. C. LIBRAS – Conhecimento Além dos Sinais. São Paulo: Pearson do Brasil, 2011.
FRIZANCO, Mary L. E.; HONORA, Marcia. Livro Ilustrado da Língua Brasileira de Sinais I. São Paulo:
116
Ciranda Cultural, 2009.
9 – PROFESSOR RESPONSÁVEL:
Isabel Cristina das Chagas Oliveira
117
7.3.2
COMPONENTES CURRICULARES DA PARTE ESPECÍFICA
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: CONCEITOS BÁSICOS DA COMPUTAÇÃO
Ano/ Semestre: 1º ANO
Código: CBC
Total de aulas: 160
Total de horas: 133
2 - EMENTA:
A disciplina explora o Histórico e principais componentes da informática; Sistema de numeração,
bases numéricas e conversação de bases; Tipos de software. Utilização do Sistema Operacional;
Editor de textos; Planilhas eletrônicas; Editor de slides. Conhecendo os componentes de hardware
para realização da montagem e manutenção de computadores. Definição e configuração de BIOS
e Setup. Utilização de particionamento, formatação e clonagem de discos. Instalação e
configuração de sistemas operacionais, bem como instalação de drivers e instalação de softwares.
Ferramentas de Backup de dados e sua importância. Gerenciamento de Processador e de
dispositivos de E/S.
3-OBJETIVOS:
Proporcionar ao aluno conhecimentos necessários para conhecer um PC (x86) e seus acessórios;
Operar um microcomputador; Utilizar recursos básicos e indispensáveis à informática; Utilizar o
sistema operacional; Usar as ferramentas de serviços de escritório; Compreender os principais
componentes de hardware; Montar e realizar manutenções preventivas, corretivas e evolutivas de
hardware; Particionar, formatar e clonar discos rígidos; Instalar e configurar sistemas operacionais,
drivers de dispositivos e softwares diversos; Solucionar problemas de hardware e software;
Compreender bases e Sistemas numéricos; Realizar operações e conversões entre bases
numéricas
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
 Conceitos básicos e história da informática; CPU, memória e periféricos;
 Sistema de numeração; Mapa de caracteres;
 Tipos de software; Características dos SO;
 Boot (Inicialização) e desligamento;
 Trabalhando com Janelas; Criando Pastas; Organizando pastas e arquivos;
 Área de transferência;
 As ferramentas de desenho;
 Linguagens e Freeware;
 Software comercial;
 Programas antivírus e como acontece uma infecção;
 Classificação de Software;
 Internet;
 Apresentação de palestras;
 Processadores de texto;
 Planilhas de cálculo;
 Componentes de hardware;
 Montagem e manutenção de computadores;
 BIOS e Setup;
 Particionamento, formatação e clonagem de discos;
118
 Instalação e configuração de sistemas operacionais;
 Instalação de drivers;
 Instalação de softwares;
 Backup de dados;
 Bases Numéricas.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MONTEIRO, Mário. A. Introdução à Organização de Computadores. Rio de Janeiro: LTC, 2001.
MORIMOTO, Carlos E. Hardware, o Guia Definitivo. São Paulo: Gdh Press e Sul Editores, 2007.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
TORRES, Gabriel. Hardware Curso Completo. 4ª ed. São Paulo: Axcel Books do Brasil, 2001.
MANZANO, André Luiz N.G. Estudo Dirigido de Informática Básica. 2ª ed. São Paulo: Érica,
1999.
FURGERI, Sérgio. Hardware. São Paulo: Komedi, 2008.
NORTON, Peter. Introdução à informática. São Paulo: Makron Books, 2005.
119
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
Ano/ Semestre: 1º ANO
Código: LOG
Total de aulas: 160
Total de horas: 133
2 - EMENTA:
Noções de lógica geral, tabela verdade. Formalização de problemas. Algoritmos: elementos
básicos da construção e modelos para representação. Conceitos de linguagem de programação.
Variáveis e constantes. Tipos de dados. Operadores. Estruturas de seleção e repetição.
Algoritmos utilizando vetores e matrizes. Registros. Procedimentos e Funções. Conceitos e
técnicas de programação. Ponteiros.
3-OBJETIVOS:
Desenvolver um raciocínio lógico, estruturado para facilitar o aprendizado nas disciplinas que
envolvam programação de computadores, independente da linguagem de programação utilizada..
Utilizar as estruturas de seleção e iteração, bem como realizar a manipulação de vetores e
matrizes em programas de computador. Conhecer conceitos, elaborar e compilar programas
utilizando: registros e ponteiros. Realizar depuração e documentação de programas.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
 Introdução à lógica;
 Tabela verdade;
 Algoritmos não computacionais;
 Fluxogramas;
 Conceitos sobre algoritmos computacionais;
 Ferramentas para desenvolvimento de algoritmos;
 Estruturas de Seleção;
 Estruturas de Repetição;
 Conceitos da Linguagem Estruturada;
 Criação de Programas;
 Constantes e Variáveis;
 Tipos de dados;
 Comandos e Entrada e Saída;
 Operadores;
 Vetores e Matrizes;
 Registros;
 Modularização de Programas;
 Funções e procedimentos;
 Ponteiros.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
120
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos..
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FORBELLONE, André Luíz Villar; EBERSPÄCHER, Henri Frederico. Lógica de programação: a
construção de algoritmos e estruturas de dados. 3ª ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005.
MANZANO, José Augusto. Algoritmos: Lógica para Desenvolvimento de Programas. 10ª ed.
São Paulo: Pearson, 1997.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SOUZA, Marco Antônio Furlan de; GOMES, Marcelo Mar. Algoritmos e lógica de programação.
São Paulo: CENGAGE LEARNING, 2004.
XAVIER, Gley Fabiano Cardoso. Lógica de Programação. São Paulo: SENAC, 2007.
DAMAS, Luis. Linguagem C – 10ª ed. Editora LTC, 2007.
121
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: SISTEMAS OPERACIONAIS
Ano/ Semestre: 1º ANO
Código: SOP
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Uma visão geral de Sistemas Operacionais, Processos Sequenciais e Processos Concorrentes.
Gerenciamento de Memória Principal e Auxiliar. Gerenciamento de Processador e de dispositivos
de E/S. Instalação e configuração de Sistemas Operacionais.
3-OBJETIVOS:
Descrever os Sistemas Operacionais como gerenciadores de recursos; Descrever os Sistemas
Operacionais como máquinas estendidas; Relacionar o gerenciamento de recursos encontrados
nos Sistemas Operacionais com outras áreas da Ciência da Computação.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Introdução:
- O que é um sistema operacional;
- História dos Sistemas Operacionais;
- Conceitos de Sistema Operacional;
- Chamadas de Sistema;
- A estrutura do Sistema Operacional;
Gerência de Sistema de Arquivos:
- Arquivos;
- Diretórios.
Gerência de Processos:
- Modelo de Processo;
- Comunicação Inter Processo (CIP);
- Problemas clássicos na CIP;
- Escalonamento de Processos;
Deadlock:
- Algoritmos para Eliminação de deadlocks;
- Detecção e recuperação
- Alocação cuidadosa de recursos (evita o deadlock)
- Prevenção
Gerência de Memória:
- Gerência Básica;
- Troca;
- Memória Virtual.
Gerência de Dispositivos:
- Princípios Básicos de Hardware;
- Acesso aos registradores dos periféricos;
- Interação entre a CPU e os controladores de periféricos.
- Princípios Básicos de Software;
122
- Drivers de dispositivo;
- E/S independente do dispositivo.
Instalação e configuração de Sistemas Operacionais
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MACHADO, Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4ª ed.
São Paulo: LTC, 2007.
TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos, 2ª ed. São
Paulo: PrenticeHal, 2010.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CÔRTES, Pedro Luiz. Sistemas Operacionais: Fundamentos. 2ª ed. São Paulo: Editora Érica,
2003.
MARÇULA, Marcelo; BENINI FILHO, Pio Armando. Informática: Conceitos e Aplicações. 3ª ed.
São Paulo: Érica, 2008.
HOLCOMBE, Jane; HOLCOMBE, Charles. Dominando os Sistemas Operacionais: Teoria e
Prática. São Paulo: Alta Books, 2003.
123
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: EMPREENDEDORISMO
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: EMP
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Conceito de empreendedorismo; comportamento empreendedor. Motivações para empreender;
processo de escolha de um negócio. Planejamento de negócios; tópicos em planejamento de
negócios - mercado, marketing, planejamento financeiro; analise de negócios como um
investimento. Oportunidades para negócios tecnológicos: financiamento de negócios tecnológicos,
capital de risco, recursos não reembolsáveis para custear a inovação; propriedade intelectual;
patentes, marcas, proteção de software; Pesquisas sobre empreendedorismo tecnológico, e seu
impacto social; elaboração de um plano de negócio em empreendedorismo tecnológico;
Sociedades Comerciais; Franquias; Cooperativas; Conceitos e Técnicas de Gestão.
3-OBJETIVOS:
Fornecer aos alunos conhecimentos básicos sobre a criação e o desenvolvimento de empresas de
informática.
Situar a disciplina no contexto do curso, definir as tendências ambientais e diferenciar e traçar um
perfil comportamental do empreendedor, do administrador e do empresário;
Prospectar oportunidades para empreendimentos;
Fornecer os elementos imprescindíveis à abertura da administração de uma empresa; desenvolver
um Plano de Negócio.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Comportamento Empreendedor:
- Introdução ao empreendedorismo;
- Evolução do Empreendedor;
- Construção da definição de empreendedor;
- Empreendedor e Empreendedorismo;
- Mitos do empreendedor;
- O empreendedor, o gerente e o técnico;
A motivação e o perfil do empreendedor:
- As características psicológicas do Empreendedor;
O processo empreendedor e as teorias sobre o comportamento empreendedor:
- A visão do empreendedor;
- Os atributos dos empreendedores;
- A criatividade e inovação do empreendedor;
Ideias oportunidades de negócios:
- Fontes de ideias. Criatividade – guia de geração de ideias;
124
Diferenças entre ideias e oportunidades de negócios.
- Onde buscar uma ideia;
- Avaliação de uma ideia;
Plano de Negócio.
Propriedade Intelectual e outras questões legais para o Empreendedor.
Sociedades Comerciais; Franquias; Cooperativas; Conceitos e Técnicas de Gestão.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
HISRICH, Robert D. et. al. Empreendedorismo. 7ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.
BERNARDI, Luís Antônio. Manual de Empreendedorismo e Gestão. 2ª ed. São Paulo: Atlas,
2012.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. São
Paulo: Saraiva, 2004.
DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo – transformando ideias em negócios. 2ª
ed. Rio de Janeiro: Câmpus, 2005.
MAXIMIANO, Antonio C. A. Administração para Empreendedores. 2ª ed. São Paulo: Pearson,
2011.
BARON, Robert A., SHANE Scott A. Empreendedorismo: Uma visão do processo. 1ª ed. São
Paulo: Cengage Learning, 2011.
125
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: BANCO DE DADOS
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: BND
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Projeto conceitual, lógico e físico de Banco de Dados. Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo
Relacional. Mapeamento do modelo entidade-relacionamento para relacional. Normalização.
Restrições em Banco de Dados. Comandos SQL para definição e manipulação de dados.
Consultas. Operações de Junção. Funções de Agrupamento. Gatilhos. Procedimentos
armazenados.
3-OBJETIVOS:
Capacitar o aluno a representar as entidades e relacionamentos de um banco de dados. Capacitar
os alunos na normalização das tabelas. Capacitar o aluno a utilizar linguagem de banco de dados
para realizar as operações básicas para a criação, manutenção e o processamento de consultas
em banco de dados. Capacitar o aluno na construção de gatilhos e procedimentos armazenados.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Conceituação de Banco de Dados e suas aplicações;
Dados x Informação;
Projeto de Banco de Dados:
- Projeto conceitual: Diagrama Entidade relacionamento;
- Projeto lógico: Mapeamento DER-Relacional
- Projeto Físico: Criação de índices e estruturas de dados
Normalização de tabelas
SQL
- Comandos de Definição de Dados
- Comandos de Manipulação de Dados
- Consultas
- Gatilhos
- Procedimentos armazenados
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
HEUSER, Carlos Alberto. Projeto de Banco de Dados. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.
MACHADO, Felipe Nery Rodrigues. Projeto e Implementação de Banco de Dados. 2ª ed. São
Paulo: Erica, 2008.
126
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SILBERSCHATZ, A., KORTH, H. F., SUDARSHAN, S. Sistema de Banco de Dados. 5ª ed. Rio
de Janeiro: Câmpus, 2006.
MANZANO, J. A. Mysql 5 Interativo: Guia Básico de Orientação e Desenvolvimento. São
Paulo: Érica, 2007.
DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. 9ª ed. Câmpus, 2000.
127
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: LPG
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
O paradigma e a linguagem de programação orientado à objetos. Conceitos e técnicas de
programação. Aplicação e desenvolvimento de sistemas com: classes, herança, polimorfismo,
classe abstrata, interface, tratamento de exceções, arquivos e coleções e reusabilidade.
Introdução ao desenvolvimento de interfaces gráficas. Tópicos avançados de programação
orientada a objetos.
3-OBJETIVOS:
Entender os conceitos da programação orientada a objetos e a linguagem de programação
orientada à objetos. Desenvolver a capacidade de implementar um sistema computacional para
solução para um problema real. Desenvolver habilidades de programação orientada a objetos em
sistemas com interface gráfica.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Paradigma Orientado a Objetos x Paradigma Estruturado. Sintaxe da Linguagem de programação.
Tipos primitivos, leitura e escrita via console. Objetos e Classes. Instanciação. Chamada de
métodos por meio dos objetos. Encapsulamento. Modificadores de acesso. Construtores.
Sobrecarga de métodos e de construtores (Overloading). Relacionamento entre classes:
associação e herança. Sobrescrita de métodos (Overriding). Utilizar os recursos da linguagem de
programação para a criação de interfaces gráficas. Tratamento de Eventos. Tratamento de
exceções. Programação multitarefa.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MANZANO, José Augusto N.G., COSTA JÚNIOR, Roberto Affonso. Java 7: Programação de
Computadores: guia prático de introdução, orientação e desenvolvimento. São Paulo.
Editora Érica, 2011
DEITEL, Harvey M., DEITEL, Paul J.. Visual C#. Como Programar. Editora Pearson, 2003.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
KEOGH, Jim; GRANNINI, Mario. OOP Desmistificado: Programação Orientada a Objetos. Rio
de Janeiro: Alta Books, 2005.
STELLMAN, Andrew, GREENE, Jennifer. Use a Cabeça C#. Editora Alta Books, 2008.
DEITEL, P.; DEITEL, H. Java: Como Programar. 8ª ed. Porto Alegre: Pearson, 2010.
128
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: REDES E SEGURANÇA
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: RSE
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Introdução às redes de computadores. Fundamentos de segurança de redes. Arquiteturas,
protocolos, serviços e tecnologias de rede. Endereçamento IP. Interconexão de redes. Instalação
e configuração de Servidores de Rede. Soluções para aprimorar a segurança da rede.
3-OBJETIVOS:
Proporcionar ao aluno conhecimentos necessários para:
- Compreender os principais conceitos voltados às redes de computadores e à sua segurança, de
modo geral;
- Compreender as principais arquiteturas, protocolos, serviços e tecnologias de rede;
- Compreender os esquemas de endereçamento IP;
- Compreender as principais soluções e tecnologias utilizadas para viabilizar a interconexão de
redes;
- Realizar a instalação e configuração de servidores de rede;
- Aprimorar a segurança da rede em ambientes, especialmente, Linux e/ou MS Windows.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
- Introdução às redes de computadores;
- Fundamentos de segurança de redes;
- Arquiteturas, protocolos, serviços e tecnologias de rede;
- Endereçamento IP;
- Interconexão de redes;
- Instalação e configuração de Servidores de Rede;
- Soluções para aprimorar a segurança da rede.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
KUROSE, James F.; ROSS, Keith W.. Redes de Computadores e a Internet. 5ª ed. São Paulo:
Addison Weskey, 2010;
STALLINGS, William. Criptografia e Segurança de Redes: Princípios e Práticas. Rio de
Janeiro: Câmpus, 2007;
TANENBAUM, Andrew S.. Redes de Computadores. 5ª ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2011.
129
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BATTISTI, Júlio; SANTANA, Fabiano. Windows Server 2008. São Paulo: Nova Terra, 2009;
BRITO, Samuel Henrique Bucke. Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de
Redes. São Paulo: Novatec, 2012;
FERREIRA, Rubem E. Linux - Guia do Administrador de Sistemas. São Paulo: Novatec, 2008;
STALLINGS, William. Redes e Sistemas de Comunicação de Dados: Teoria e Aplicações
Corporativas. Rio de Janeiro: Câmpus, 2005.
130
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: ANÁLISE DE SISTEMAS
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: ASI
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Conceitos fundamentais de processo de desenvolvimento de sistemas. Análise e
desenvolvimento. Etapas do desenvolvimento de sistemas. Ferramentas de apoio ao
desenvolvimento. Modelagem: Conceitos, ferramentas e a UML (Unified Modeling Language).
Levantamento de requisitos. Especificação de um sistema direcionada a tecnologia de orientação
a objetos.
3-OBJETIVOS:
Conhecer e seguir todas as etapas de um processo de desenvolvimento de software. Conhecer
técnicas de modelagem de sistemas, sua importância e princípios. Conhecer e utilizar técnicas
básicas de análise e projeto de sistemas segundo uma metodologia orientada a objetos. Conhecer
e aplicar na prática os conceitos básicos de orientação a objetos, para analise e projeto de
soluções computacionais de problemas do mundo real.
Conhecer e utilizar a UML e os seus diagramas básicos para modelagem e especificação nas
fases de análise e projeto do software.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Os Quatro Ps da Engenharia de Software - Pessoas, Produto, Processo e Projeto.;
Conceitos Básicos de Engenharia de Software:
 Introdução a Engenharia de Sistemas;
 Conceitos de Orientação a Objetos: Objeto, classe, interface, tipo, instância, herança,
composição, polimorfismo, atributos e métodos;
Levantamento e Análise e modelagem de Requisitos;
Desenvolvimento Orientado a Objetos:
 Modelos de processos de desenvolvimento;
 Análise e projeto orientados a objetos;
 Processos de desenvolvimento orientados a objetos;
Processo iterativo e incremental;
Modelagem de Sistemas com UML:
 Histórico, Artefatos Semânticos, Guia de notação, Extensões e Metas;
Diagramas da UML.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
131
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BEZERRA, Eduardo. Princípio de Análise e Projetos de Sistemas com UML. 2ª ed. Rio de
Janeiro, Editora Elsevier, 2007.
ARAÚJO, Alex. Metodologia e projeto de Software Orientados a Objetos. Érica, 2003.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
WAZLAWICK, Raul S. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos.
Câmpus, 2006.
BOOCH, Grady, RUMBAUGH, James, JACOBSON, Ivan – UML Guia do Usuário. Editora
Elsevier – Câmpus, 2006.
PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software: Uma abordagem profissional. Porto Alegre,
Editora AMGH, 2011.
SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. São Paulo: Editora Pearson Price Hall, 2011.
132
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB
Ano/ Semestre: 2º ANO
Código: LPW
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
Conceitos e arquitetura Web: Clientes e Servidores Web. HTML e extensões. Linguagens de
programação Web. Conceitos básicos para o desenvolvimento de Sistemas Web.
3-OBJETIVOS:
Criação de sistemas on-line utilizando tecnologia http e banco de dados relacionais; Programação
em linguagem script sob licença open source e utilizada principalmente em servidores Web que
utilize SQL.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Introdução ao HTML; Padrões HTML; Principais Tags HTML; Adicionando imagens; Trabalhando
com tabelas; Criando links; Trabalhando com Frames;
CSS: Seletores; Formatando com CSS; Scripts; Requisitos de instalação; Manipulação de
arquivos; Utilizando banco de dados; Funções para tratamento de dados; Trabalhando com
formulários HTML; Cookies e sessões; noções básica em Java Script.
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CONVERSE. T.; PARK, J. PHP: a Bíblia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Câmpus, 2003.
NIEDERAUER, Juliano. Desenvolvendo Websites com PHP. São Paulo: Editora Novatec, 2011.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SOARES, Bruno Augusto Lobo. Aprendendo a Linguagem PHP. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora
Ciência Moderna, 2007.
THOMPSON, L. PHP e MySQL: Desenvolvimento Web. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Câmpus,
2005.
GARDNER, Lyza Danger e GRIGSBT, Jason. Use a Cabeça! Mobile Web. Editora Alta Books,
2013.
133
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS
Ano/ Semestre: 3º ANO
Código: ABD
Total de aulas: 80
Total de horas: 67
2 - EMENTA:
A disciplina apresenta a realização do projeto e implementação de um banco de dados,
identificando as estratégias de otimização de consultas, os procedimentos para recuperação de
falhas, as restrições de integridade e as técnicas de controle de concorrência.
3-OBJETIVOS:
Elaborar e implementar um projeto de banco de dados em um sistema de gerenciamento de banco
de dados. Analisar as técnicas de programação e consulta de bancos de dados. Escolher as
técnicas mais adequadas de recuperação, segurança e integridade de dados. Identificar a
necessidade de transações e as implicações na concorrência das operações.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
 Técnicas de programação e consulta de bancos de dados
 Visões
 Processamento de transações
 Concorrência
 Sistemas de recuperação
 Segurança de dados e integridade
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
SILBERSCHATZ, A.; KORTH, H. F.; SUDARSHAN, S.. Sistema de Banco de Dados. 5. ed. Rio
de Janeiro: Câmpus, 2006.
DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. 9ed. Câmpus, 2000.
ELMASRI, R. & NAVATHE, S. Sistemas de banco de dados. 6.ed., São Paulo: Pearson
Education, 2011.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
FURTADO, A. L. Organização de banco de dados. 6.ed. Rio de Janeiro: Câmpus, 1986.
GUIMARAES, C. C.. Fundamentos de Banco de Dados. Campinas: Unicamp, 2008.
HEUSER, C. A. Projeto de Banco de Dados. 6ed. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2009.
MACHADO, Felipe Nery Rodrigues. Projeto e Implementação de Banco de Dados. 2ed. São
134
Paulo: Érica, 2008.
SETZER, V. W. Banco de Dados: conceitos, modelos, gerenciadores, projeto lógico físico.
São Paulo: Edgard Blucher, 1989.
135
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: PROGRAMAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS
Ano/ Semestre: 3º ANO
Código: PDM
Total de aulas: 160
Total de horas: 133
2 – EMENTA:
Tecnologias de programação de dispositivos móveis. Visão Geral sobre as diferentes formas de
programação para dispositivos móveis: aplicativos nativos, mobile web e híbridos. Noções de
design de aplicativos para dispositivos móveis. Apresentação dos diferentes frameworks para
programação mobile. Utilização de funções nativas. Compartilhamento de aplicativos mobile
3-OBJETIVOS:
Capacitar os alunos a entender e aplicar tecnologias para o desenvolvimento de aplicativos
multiplataforma para dispositivos móveis.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As diferentes arquiteturas de desenvolvimento para dispositivos móveis: aplicativos web x
aplicativos nativos x aplicativos híbridos;
 Reforçando o aprendizado de programação web: HTML, CSS e JavaScript;
 User experience em dispositivos móveis;
 Frameworks disponíveis para desenvolvimento web mobile;
 Compreensão e Preparação do ambiente para desenvolvimento de aplicativos híbridos:
Frameworks e Emuladores;
 Desenvolvimento e teste de aplicativos híbridos multiplataformas;
 Acessando funções nativas: câmera, geolocalização, entre outras;
 Gerando e compartilhando os APK para diferentes sistemas operacionais;
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ROGERS, Rick, et al. Desenvolvimento de Aplicações para Android. Editora Novatec, 2009.
STARK, Jonathan e JEPSON, Brian. Construindo Aplicativos Android com HTML, CSS e
JavaScript. Editora Novatec. 2012
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LECHETA, Ricardo. Google Android. Editora Novatec, 2010.
LEE, Wei-Meng. Beginning Beginning iOS 4 Application Development da Wrox. Editora Wrox,
2010.
136
GARDNER, Lyza Danger e GRIGSBT, Jason. Use a Cabeça! Mobile Web. Editora Alta Books,
2013.
PILONE, Dan e PILONE, Tracey. Use a Cabeça! Desenvolvendo para iPhone. Editora Alta
Books, 2011.
GLAUBER, Nelson. Dominando o Android. Editora Novatec, 2015.
137
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO VISUAL
Ano/ Semestre: 3º ANO
Código: LPV
Total de aulas: 160
Total de horas: 133
2 - EMENTA:
Analisar, planejar e desenvolver sistemas de computação, utilizando uma ferramenta de
programação do tipo RAD (Rapid Application Development) com suporte ao paradigma de
orientação a objetos.
3-OBJETIVOS:
Desenvolver projetos em linguagem de programação visual utilizando uma interface de
desenvolvimento integrado (IDE). Compreender o funcionamento desta linguagem de
programação criando aplicativos orientados a objetos com acesso a banco de dados, geração de
relatórios e consultas.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
 Criação de Objetos no Banco de Dados
 Acesso a Banco de Dados
 Criação de Interfaces Gráfica
 Criação de relatórios
 Desenvolvimento de consultas
5- AVALIAÇÃO:
As avaliações terão caráter diagnóstico, formativo, contínuo e processual, serão obtidas mediante
a utilização de vários instrumentos, tais como: exercícios, trabalhos individuais e/ou coletivos,
relatórios, provas escritas, seminários, fichas de observação, atividades de laboratórios
autoavaliação, entre outros que o professor acordar com os alunos.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MANZANO, José Augusto N.G., COSTA JÚNIOR, Roberto Affonso. Java 7: Programação de
Computadores: guia prático de introdução, orientação e desenvolvimento. São Paulo.
Editora Érica, 2011.
DEITEL, Harvey M., DEITEL, Paul J.. Visual C#. Como Programar. Editora Pearson, 2003.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
KEOGH, Jim; GRANNINI, Mario. OOP Desmistificado: Programação Orientada a Objetos. Rio
de Janeiro: Alta Books, 2005.
DEITEL, P.; DEITEL, H. Java: Como Programar. 8ª ed. Porto Alegre: Pearson, 2010.
STELLMAN, Andrew, GREENE, Jennifer. Use a Cabeça C#. Editora Alta Books, 2008.
138
CÂMPUS
CAPIVARI
PLANO DA DISCIPLINA
1- IDENTIFICAÇÃO
Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO
Componente curricular: PROJETO INTEGRADOR
Ano/ Semestre: 3º ANO
Código: PRJ
Total de aulas: 160
Total de horas: 133
2 - EMENTA:
Oferecer orientação e acompanhar a execução do projeto interdisciplinar.
3-OBJETIVOS:
- Desenvolver a habilidade de aprender fazendo;
- Construir/Desenvolver um projeto de desenvolvimento de software e/ou estudos de casos.
- Desenvolver habilidades práticas;
- Relatar dados experimentais;
- Elaborar apresentação;
- Desenvolver habilidade de apresentação oral.
4-CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Orientação para a execução do projeto, redação da apresentação dos resultados do projeto.
5- AVALIAÇÃO:
A avaliação deverá estar de acordo com as diretrizes das organizações didáticas e/ou normas
acadêmicas vigentes, prevendo provas operatórias, avaliação do desempenho em trabalhos
individuais e coletivos, seminários, projetos, relatórios, entre outros.
6- BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CUNHA, Luís Antônio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1988.
KAPITANSKI, Renata Chabar; STREY, Marlene Neves. Educação e internet: a era da informação
e a vida cotidiana. Editora Sinodal, 2011.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica.
7ª ed. São Paulo: Atlas, 2010
___________. Os setes saberes necessários para a educação do futuro. 8ª ed. São
Paulo/Brasília: Cortez/Unesco, 2003.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez,
2007.
7-BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Currículo: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 1999.
Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
TORRES, Cleantho da Câmara. Ciência e tecnologia. Editora da UFPE, 2009.
139
8. METODOLOGIA
O curso apresenta diferentes atividades pedagógicas para trabalhar os
conteúdos e atingir os objetivos. Assim, a metodologia do trabalho pedagógico
com os conteúdos apresenta grande diversidade, variando de acordo com as
necessidades dos estudantes, o perfil do grupo/classe, as especificidades da
disciplina, o trabalho do professor, dentre outras variáveis, envolvendo: aulas
expositivas dialogadas, com apresentação de slides/transparências, explicação
dos
conteúdos,
exploração
dos
procedimentos,
demonstrações,
leitura
programada de textos, análise de situações-problema, esclarecimento de dúvidas
e realização de atividades individuais, em grupo ou coletivas. Aulas práticas em
laboratório. Projetos, pesquisas, trabalhos, seminários, debates, painéis de
discussão, sociodramas, estudos de campo, estudos dirigidos, tarefas, orientação
individualizada.
Além disso, o aluno terá a oportunidade de utilizar diferentes recursos
tecnológicos de informação e comunicação (TICs), tais como: gravação de áudio
e vídeo, sistemas multimídias, robótica, redes sociais, fóruns eletrônicos, blogs,
chats, videoconferência, softwares e suportes eletrônicos.
A cada semestre ou ano de curso, o professor planejará o desenvolvimento
da disciplina, organizando a metodologia de cada aula/ conteúdo, de acordo as
especificidades do plano de ensino.
140
9. CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
A avaliação será norteada pela concepção formativa, processual e
contínua, pressupondo a contextualização dos conhecimentos e das atividades
desenvolvidas a fim de propiciar um diagnóstico do processo de ensino e
aprendizagem que possibilite ao professor analisar sua prática e ao estudante
comprometer-se com seu desenvolvimento intelectual e sua autonomia.
As avaliações serão obtidas mediante a utilização de vários instrumentos,
tais como:
1) Exercícios;
2) Trabalhos individuais e/ou coletivos;
3) Fichas de observações;
4) Relatórios;
5) Autoavaliação;
6) Provas escritas;
7) Provas práticas;
8) Provas orais;
9) Seminários;
10) Projetos interdisciplinares e outros.
I.
Vale ressaltar que, sejam quais forem os instrumentos, o uso criterioso dos
mesmos deve ser considerado tendo em vista o objetivo de diagnosticar a
aprendizagem dos educandos e, quando necessário, reorientá-los da melhor forma
possível visando à qualidade do processo de ensino e aprendizagem. Nesse
sentido, os processos, instrumentos, critérios e valores de avaliação adotados pelo
professor deverão ser explicitados aos estudantes no início do período letivo,
quando da apresentação do Plano de Curso. Dentro dessa perspectiva de clarificar
o processo de avaliação, assegura-se também ao estudante o direito de conhecer
os resultados das avaliações mediante vistas dos referidos instrumentos,
apresentados pelos professores como etapa do processo de ensino e
aprendizagem.
141
II.
A Nota Final das avaliações do componente curricular será expressa em notas
graduadas de zero (0,0) a dez (10,0) pontos, admitida apenas a fração de cinco
décimos (0,5), com exceção do Estágio, e disciplinas com características especiais,
cujo resultado é registrado no fim de cada período letivo por meio das expressões
“cumpriu” / “aprovado” ou “não cumpriu” / “retido”. A frequência mínima obrigatória
é de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária total do curso referente às
aulas e demais atividades acadêmicas. Os critérios de aprovação, envolvendo
simultaneamente frequência e avaliação, são:
III.
É considerado aprovado por média o estudante que obtiver em cada área do
conhecimento (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas,
Disciplinas Técnicas e Projeto Integrador) média das notas finais igual ou superior a
6,0 (seis) e frequência global mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas
e demais atividades;
IV.
Os estudantes com frequência global mínima de 75% (setenta e cinco por
cento) das aulas e demais atividades e que não forem aprovados por média terão
sua situação analisada pelo Conselho de Classe Deliberativo.
V.
Quando os registros individuais de avaliação permanente e cumulativa
apontarem dificuldades de aprendizagem, serão ofertadas as recuperações
contínua e paralela. A primeira deverá será realizada no decorrer de todo o período
letivo com base nos resultados obtidos pelos estudantes na avaliação contínua e
discutidos nos horários coletivos com o Coordenadoria Sociopedagógica. Já a
recuperação paralela será oferecida sempre que o estudante não apresentar os
progressos previstos em relação aos objetivos e metas definidos para cada
componente curricular. O estudante poderá ser convocado para aulas de
recuperação paralela em horário diverso da classe regular, julgada a sua
conveniência em cada caso pelo docente responsável, após análise com o
Coordenador de Curso/Área e com o deferimento da Gerência Acadêmica.
VI.
Estará sujeito ao processo de reavaliação e deverá, por conseguinte, participar
das recuperações contínua e paralela, o estudante que obtiver, no componente
curricular, nota final inferior a 6,0 (seis) e frequência mínima de 75% (setenta e
142
cinco por cento) das aulas e demais atividades. Para o estudante que realizar a
reavaliação, a nota final do componente curricular será a nota de reavaliação.
VII.
a.
O estudante será considerado retido quando:
Obtiver frequência global menor que 75% (setenta e cinco por cento),
independentemente das notas que tiver alcançado;
b.
Obtiver frequência global maior ou igual a 75%(setenta e cinco por cento),
média menor que 6,0 (seis) em pelo menos uma área do conhecimento e que, após
análise do Conselho de Classe Deliberativo, seja considerado retido.
O conselho de classe cumprirá o art. 14 da Lei 9394/96, bem como a
normatização interna vigente, sujeito a reformulações normatizadas pela PróReitoria de Ensino do IFSP.
143
10.
ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO
O Estágio Curricular Supervisionado é considerado o ato educativo
envolvendo diferentes atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho, que visa
à preparação para o trabalho produtivo do aluno, relacionado ao curso que estiver
frequentando regularmente. Assim, o estágio objetiva o aprendizado de
competências próprias da atividade profissional e a contextualização curricular
objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho.
O Estágio Curricular Supervisionado será realizado com base no
Regulamento de Estágio do IFSP que foi elaborado em conformidade com a Lei
do Estágio (nº 11.788/2008) e aprovado pela Portaria nº 1.204, de 11 de maio de
2011.
No curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, o Estágio
Curricular Supervisionado tem carga horária mínima de 360 horas e não é
obrigatório, ou seja, o aluno pode optar por realizá-lo ou não. A realização do
estágio não está vinculada a registro em órgão regulamentador para exercer a
atuação profissional.
Para a realização do Estágio Curricular Supervisionado o aluno
regularmente matriculado deverá comparecer à Coordenadoria de Extensão
(CEX) para obter informações sobre os procedimentos de formalização do Termo
de Compromisso de Estágio e demais documentos necessários para início e
acompanhamento do estágio.
Durante a realização do Estágio Curricular Supervisionado o aluno será
orientado quanto aos procedimentos para elaboração dos relatórios parciais e
relatório final pelo Professor Orientador de Estágio de uma das disciplinas da
parte profissionalizante nomeado por portaria que acompanhará o cumprimento
das etapas e dos prazos de entrega dos documentos e relatórios. Compete ao
professor orientador elaborar, ao final de cada semestre, relatório das atividades
desenvolvidas por seus orientandos durante o Estágio Curricular Supervisionado
e encaminhá-lo a CEX ou equivalente pelos serviços de integração escolaempresa.
144
O estágio deverá obrigatoriamente, possuir vínculo direto com uma ou mais
disciplinas
da
parte
profissionalizante
do
curso
e
fundamentado
nos
conhecimentos e habilidades desenvolvidas no decorrer do curso, seguindo as
indicações do Professor Orientador de Estágio nomeado.
O estágio poderá ser realizado em empresas privadas ou órgãos
governamentais, desde que acompanhados e supervisionados por um profissional
da área na empresa e pelo Professor Orientador de Estágio, proporcionando estar
diante da realidade do mundo do trabalho chamando-o a enfrentar e responder a
desafios inesperados e inusitados ocorridos no ambiente de estágio.
Para efeito de contagem da carga horária do Estágio Curricular
Supervisionado, somente serão consideradas as horas de estágio realizadas a
partir da conclusão do 1º ano, pois o aluno estará apto para desenvolver as
atividades que lhe forem atribuídas no estágio de forma satisfatória para a
empresa ou órgãos governamentais e para seu aprendizado.
O estágio somente poderá ser realizado concomitantemente ao curso, ou
seja, ao aluno será permitido realizar estágio apenas enquanto estiver
regularmente matriculado em contra turno do seu período de aula. Após a
conclusão de todos os componentes curriculares, será vedada a realização do
Estágio Curricular Supervisionado.
Diante da realização do Estágio Curricular Supervisionado a avaliação final
será realizada pelo professor orientador e pelo supervisor na concedente
vinculada a indicação do registro de cumpriu/não cumpriu e não será exigido para
a obtenção de diploma.
145
11. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS
Os estudantes terão direito a aproveitamento de estudos de componentes
curriculares já cursados, desde que dentro do mesmo nível de ensino, através de
análise e aprovação do IFSP.
Para requerer o aproveitamento de estudos dos componentes curriculares,
de acordo com o período estabelecido no calendário escolar do curso, o
estudante deverá protocolar requerimento na Coordenadoria de Registros
Escolares, endereçado ao Coordenador de Curso/Área, acompanhado de cópias
simples e originais para conferência dos seguintes documentos: certificado de
conclusão, histórico escolar, matriz curricular, programas, ementas e conteúdos
programáticos desenvolvidos na escola de origem e o requerimento preenchido
de aproveitamento de estudos.
A Coordenadoria de Registros Escolares do IFSP deverá conferir os
documentos com os originais, receber o requerimento preenchido e dar
continuidade ao processo encaminhando toda a documentação ao Coordenador
de Curso/Área.
De acordo com a Organização Didática, ressalta-se:
§1º.
A verificação da compatibilidade dar-se-á após análise, que considerará
a equivalência de no mínimo 80% (oitenta por cento) dos conteúdos e da carga
horária do componente curricular.
§2º.
A Comissão Verificadora de Aproveitamento de Estudos informará o
resultado à Coordenação de Curso/Área, que devolverá o processo para a
Coordenadoria de Registros Escolares para divulgação.
146
12. APOIO AO DISCENTE
O atendimento ao aluno é amplo, e de acordo com a proposta existente no
projeto de evasão do IFSP, ocorrendo em horário diferente ao das aulas.
Como proposta de atendimento, sugere-se a utilização de complementação
de carga horária do professor para atendimento ao aluno, além da utilização de
monitores para o apoio as atividades de ensino.
O serviço de orientação educacional se faz necessário, atendendo e
encaminhando os alunos, principalmente aos que apresentarem resultados e
comportamentos que reflitam em seu desenvolvimento, dentre estes: o aluno que
faltar de forma significativa sem justificativas, bem como aquele que não
apresentar resultado satisfatório em suas avaliações, entre outras situações que
interferem em sua formação profissional e cidadã. O professor deverá encaminhar
o aluno a coordenadoria, sempre que necessário.
Além
do
diagnóstico
relacionado
ao
aprendizado
do
aluno,
a
Coordenadoria Sociopedagógica acompanhará e oferecerá alternativas para sua
permanência
na
escola,
como
por
exemplo:
auxílio
transporte,
auxílio
alimentação, entre outros que serão detectados durante o processo educativo,
constantes do projeto de Controle, Acompanhamento e Contensão da Evasão
Escolar, normatizado pela
Pró- Reitoria de Ensino.
O conselho de classe cumprirá o art. 14 da lei 9.394/96, bem como a
normatização interna vigente, sujeito a reformulações normatizadas pela Próreitoria de Ensino do IFSP. O envolvimento da sociedade é fundamental neste
processo, portanto, as instituições deverão trabalhar com estratégias de
motivação para os alunos.
O apoio psicológico, social e pedagógico ocorre por meio do atendimento
individual ou coletivo, efetivado pelo Coordenadoria Sociopedagógica: equipe
multidisciplinar composta por pedagogo, assistente social, psicólogo e Técnico de
Assuntos Educacionais, que atua também nos projetos de contenção de evasão,
na Assistência Estudantil e NAPNE (Núcleo de Atendimento a Pessoas com
Necessidades
Educacionais
Específicas),
numa
perspectiva
dinâmica
e
integradora. Dentre outras ações, o Coordenadoria Sociopedagógica realiza o
147
acompanhamento permanente do estudante, a partir de questionários sobre os
dados dos alunos e sua realidade, dos registros de frequência e rendimentos/
nota, além de outros elementos.
12.1
ATENDIMENTO PEDAGÓGICO
O trabalho do pedagogo objetiva auxiliar o corpo docente, visando
aperfeiçoar o desempenho deste na utilização dos recursos didáticos, na
metodologia de transmissão de conteúdo, e por fim, orienta com relação aos
critérios de avaliação que proporcione resultados mais significativos ao
desenvolvimento dos educandos.
Também tem a função de assistir o aluno e toda a equipe que está
envolvida no processo ensino-aprendizagem (professores, familiares e a
sociedade), propondo alternativas que visem à redução da evasão escolar e o
acesso de todos à escola, tornando-a igualitária e democrática, além de atuar nos
problemas de dificuldade de aprendizagem e disciplinares.
12.2
ATENDIMENTO PSICOSSOCIAL
O intuito é personalizar, atender e orientar os alunos em suas
necessidades, principalmente os estudantes que possam estar enfrentando
alguma dificuldade, seja ela de ordem pessoal, emocional, social ou familiar e que
possa estar refletindo nos estudos e prejudicando o processo de ensino e
aprendizagem. O objetivo principal é fornecer ao aluno apoio e instrumentais para
iniciar e prosseguir seus estudos em nível médio.
Neste processo o aluno é visto de forma global, por isso o desenvolvimento
da capacidade de ser cidadão consciente, é prioridade na formação de nossos
alunos, pois o desenvolvimento da dignidade humana e da construção de uma
sociedade democrática, justa e solidária é consequência da formação dos
profissionais competentes que sairão para o mercado de trabalho.
148
13. PROJETO INTEGRADOR
De acordo com o artigo 9 da Organização Didática do IFSP, o Projeto
Integrador “compreende os espaços de ensino e aprendizagem que articulem a
interdisciplinaridade do currículo com as ações de pesquisa e extensão de forma
a permitir a construção do conhecimento, culminando em uma produção
acadêmica e técnico-científica”. O princípio de que a Educação Profissional tem
como referência o mundo do trabalho, subsidiará docentes e alunos para a
elaboração de projetos que permitam compreender o trabalho como princípio
educativo e não redução a mão de obra.
No curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, o projeto
integrador será o processo pelo qual o aluno, por meio de uma produção
acadêmica e técnico-científica, integrará os conhecimentos trabalhados durante o
seu percurso formativo de forma que se possa, ao final, demonstrar o resultado
da experiência ensino-aprendizagem e o domínio de competências para o
exercício de sua profissão.
O Projeto Integrador terá as seguintes ações estratégicas efetivas de
articulação com a comunidade externa:

Busca por demanda junto à comunidade externa, sendo essas as
associações
de
bairros,
associações
filantrópicas,
secretarias
municipais e outros órgãos de ações sociais que visam beneficiar a
sociedade;

Estudo das propostas demandadas em forma de Pré-projetos para
seleção e aprovação junto à comunidade externa demandante;

Elaboração de um Projeto Integrador de qualidade que vise a
articulação entre a comunidade-escola;

Ressaltar, através de motivação e divulgação, junto à comunidade
externa e acadêmica a importância do envolvimento na realização do
projeto;

Dar ampla divulgação do resultado do projeto realizado com a finalidade
de promover os benefícios alcançados, tanto para a comunidade
acadêmica quanto para a externa.
149

Para os projetos que apresentarem resultados de destaque será
incentivado pelo IFSP- Capivari a sua manutenção e realização nas
turmas seguintes.
O Projeto Integrador deverá sempre buscar a articulação com a Extensão
e a com a Pesquisa. Por exemplo, um trabalho do Projeto Integrador pode ser
trabalhado juntamente com um projeto do Programas de Iniciação Científica e
posteriormente apresentado à comunidade na Semana Nacional de Ciência e
Tecnologia ou em outros eventos. Os docentes responsáveis pelo Projeto
Integrador deverão incentivar nos discentes a necessidade de realizar um
trabalho de qualidade com pesquisas e a busca de resolução de problemas da
comunidade, sem esquecer de apresentar a elas os resultados.
A concepção do Projeto Integrador deve ter como foco o atendimento as
necessidades da sociedade a qual o câmpus está inserido por meio de uma via
de mão dupla onde os discentes terão a oportunidade de aplicar os seus
conhecimentos no curso em benefício da sociedade e em troca adquirir novas
experiências. A sociedade será incentivada a participar do Projeto Integrador
trazendo suas demandas e necessidades de forma que a comunidade escolar
possa atuar com elas.
Desenvolvimento
Fundamentação
Componentes Curriculares envolvidos no desenvolvimento do projeto
Conceitos Básicos da Computação
CBC
Lógica de Programação
LOG
Sistemas Operacionais
SOP
Empreendedorismo
EMP
Análise de Sistemas
ASI
Banco de Dados
BND
Administração de Bando de Dados
ABD
Redes e Segurança
RSE
Linguagem de Programação
LPG
Linguagem de Programação Web
LPW
Linguagem de Programação Visual
LPV
150
Programação de Dispositivos Móveis
PDM
Observando a importância da articulação interdisciplinar com as disciplinas
da base nacional comum com às disciplinas da parte profissionalizante, incluindo
também as disciplinas optativas. Seu objetivo específico é promover a articulação
das áreas do conhecimento do núcleo comum e profissionalizante por meio de
temáticas cuja definição irá ao encontro dos objetivos do curso, do perfil de
egressos e da necessidade de ações concretas que promovam o educando
integralmente.
Dentro da estrutura curricular do Curso Técnico em Informática Integrado
ao Ensino Médio está presente, no último ano, a proposta do componente
curricular Projeto Integrador. As aulas serão expositivas, dialogadas e/ou práticas
presenciais. Semanalmente serão 4 aulas presenciais. Essas aulas deverão ser
elaboradas de forma interdisciplinar, de modo a contemplar as bases teóricas e
prática de cada ano.
Por ser um componente curricular, a avaliação do Projeto Integrador
deverá estar de acordo com as diretrizes das organizações didáticas e/ou normas
acadêmicas vigentes, prevendo provas operatórias, avaliação do desempenho em
trabalhos individuais e coletivos, seminários, projetos, relatórios, entre outros.
O Projeto Integrador será estruturado conforme descrição abaixo:
Título
Projeto Integrador em Informática
Descrição
Os estudantes do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino
Médio irão desenvolver projetos relacionados à área de Informática. Os projetos
deverão ser realizados em equipes e devidamente acompanhados por docentes.
Diversos conceitos poderão ser explorados durante o projeto que será
continuamente acompanhado em cada fase pelos docentes. Ao final, haverá a
apresentação dos projetos desenvolvidos para os demais alunos do câmpus e
também para sociedade.
Objetivos
151
 Fortalecer os vínculos entre a comunidade escolar e sociedade, visando à
consolidação de noções de conceitos habitualmente tratados nos
componentes curriculares;
 Destacar elementos significativos para o avanço e verticalização do
conhecimento;
 Reconhecer a realidade a partir de estudos que considerem o
levantamento empírico como referência para elaboração de diagnósticos
relativos à realidade;
 Garantir a aplicação do conhecimento integrado e interdisciplinar adquirido
através do conteúdo desenvolvido ao longo do curso;
 Promover vínculos entre ensino, pesquisa e extensão e favorecendo a
expansão de ideias e conhecimentos.
Público-alvo
Estudantes do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio
do Câmpus Capivari.
Cronograma
O cronograma deverá ser elaborado pelos professores envolvidos no
projeto e sob supervisão da Coordenação de Curso devendo prever as atividades
presenciais e as não presenciais e de acordo com a natureza dos projetos. Esse
cronograma será o Plano de Trabalho do componente curricular Projeto
Integrador e deverá observar as especificidades do momento em relação à
comunidade e também da formação do aluno. Esse Plano de Trabalho deverá
sempre ser atualizado para estar adequado as especificidades já citadas
anteriormente.
Conteúdos:
No terceiro (3°) ano, os estudantes irão elaborar projeto para consolidação
da base teórica e prática em informática. Os docentes do projeto integrador
deverão privilegiar a articulação teórico-prática. Ao final do terceiro ano, os alunos
deverão apresentar o trabalho para avaliação dos docentes e demais alunos do
câmpus, em sessão aberta à comunidade com convidados externos (empresas e
profissionais ligados à área), especialmente àqueles que participaram do
processo.
152
14. MODELOS DE CERTIFICADOS E DIPLOMAS
No Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médiodo Câmpus
Capivari fará jus ao diploma os alunos que concluírem todos os Componentes
Curriculares obrigatórios do curso.
Os certificados e os diplomas serão emitidos e registrados em livro próprio
pela Coordenadoria de Registros Escolares de cada câmpus.
Os Diplomas da Educação Profissional Técnica de Nível Médio serão
assinados pelo Diretor-Geral do câmpus, pelo concluinte e pelo responsável pela
Coordenadoria de Registros Escolares do câmpus.
Os certificados serão assinados, pelo Diretor-Geral do Câmpus, pelo
concluinte e pelo responsável pela Coordenadoria de Registros Escolares do
câmpus.
153
15. EQUIPE DE TRABALHO
15.1
CORPO DOCENTE DA ÁREA DE INFORMÁTICA
Nome do Professor
Titulação
Regime de
Trabalho
Disciplina/Área
Alexandre Garcia Aguado
Mestre em Tecnologia
e Inovação
Graduação em
Tecnologia em
Software Livre
Substituto
Informática
Carlos Roberto Paviotti
Mestre em Ciência da
Computação
Graduação em
Processamento de
dados
Dedicação
Exclusiva
Programação
Cristiano Marçal Toniolo
Mestre em Ciência da
Computação
Graduação em
Processamento de
dados
Substituto
Informática
Edivaldo Serafim
Mestre em Ciências da
Computação
Graduação em
Redes de
Computadores
Dedicação
Exclusiva
Redes
Karlan Ricomini Alves
Especialista
Graduação em
Tecnologia em Análise
e Desenvolvimento de
Sistemas
Dedicação
Exclusiva
(afastado para
auto
capacitação)
Redes
Márcio José Chaves
Mestre em Engenharia
de Sistemas
Graduação em
Tecnologia em Análise
e Desenvolvimento de
Sistemas
Dedicação
Exclusiva
Programação
Matheus Carvalho Meira
Especialista em Redes
de Computadores
Graduação em Ciência
da Computação
Dedicação
Exclusiva
Redes
Paulo Renato de Oliveira
Gavião
Mestre em Matemática
e Estatística
Graduação em
Tecnologia em
Processamento de
Dados
Dedicação
Exclusiva
Programação – Gerente
Educacional
154
Rafael Fernando Diório
Mestre em Tecnologia
Graduação em
Bacharelado em
Sistemas de
Informação
Dedicação
Exclusiva
(afastado para
auto
capacitação)
Redes
Rafael Wendel Pinheiro
Especialista em Banco
de Dados
Graduação em
Sistemas de
Informação
Dedicação
Exclusiva
Programação
Ricardo Nogueira
Figueiredo
Mestre em Ciência da
Computação e
Matemática
Computacional
Graduação em Ciência
da Computação
Dedicação
Exclusiva
Programação
Rolando Ruggiero
Mestre em
Gerenciamento de
Sistemas de
Informação
Graduação em
Processamento de
Dados
Dedicação
Exclusiva
Programação
Vitor Brandi Junior
Mestre em
Gerenciamento de
Sistemas de
Informação
Graduação em
Processamento de
Dados
Dedicação
Exclusiva
Programação
Waldo Luís de Lucca
Mestre em Ciência da
Computação
Graduação em
Processamento de
Dados
Dedicação
Exclusiva
Programação – Diretor
Geral
15.2
DOCENTES DO NÚCLEO COMUM
Os docentes do Núcleo Comum nomeados no concurso nº 46, de 7 de
fevereiro de 2014.
155
Regime
Nome do Professor
Disciplinas
Titulação
de
Área
Trabalho
Mestre
Ana Karina Cancian Baroni
Matemática
(Ensino
de Ciências) Lic.
Matemática
Doutor
Adelino Francisco de Oliveira
Filosofia
em
Filosofia
Valente
de
Barros
Ciências
Doutor
Barreto
Sociais
Psicologia
Andre Dela Vale
História
Carolina Marocco Corneta
Biologia
em
em
Educação
Microbiologia
Mestre
(Ensino
de Ciências) Lic.
Biologia
Mestre
Cleidson Santiago de Oliveira
Física
(Ensino
de Ciências) Lic.
Física
Matemática
Mestre
Everton Pereira Barbosa
Dedicação
Dedicação
Exclusiva
Mestre
e
Exclusiva
Exclusiva
Lic. Filosofia
Andre
Dedicação
Substituto
Dedicação
Exclusiva
Dedicação
Exclusiva
Matemática I
Filosofia
Sociologia
História
Biologia II
Física
em
Educação
Dedicação
Matemática
Exclusiva
Matemática
Lic. Matemática
Érica Maio Taveira Grande
Língua
Doutorado
em
Portuguesa
Linguística
e
Língua
Dedicação
Língua
Exclusiva
Portuguesa
Portuguesa
Mestre
Fabiana Bigaton Tonin
em
Língua
Teoria e História
Portuguesa
Literária
e Literaturas
Lic.
Letras
Dedicação
Exclusiva
Letras/Português
Português/Inglês
Flávio Henrique Ferraresi
Graduação
Matemática
Matemática
Mestre
Educação
Irlla Karla dos Santos Diniz
Física
Esportes
em
e
Dedicação
Exclusiva
Matemática
em
Educação Física
Dedicação
Lic.
Exclusiva
Educação
Educação Física
Física
156
Língua
Especialista em
Portuguesa
Docência para a
Juscelino Pereira de Souza
Diversidade
da
Educação
Dedicação
Língua
Exclusiva
Portuguesa
Básica
Luciana Lima Batista
Arte
Mestre
Educação
Doutora
Maria Amélia Ferracciu Pagotto
Tavares de Melo
Sociologia
em
Dedicação
Exclusiva
em
Ciências Sociais
Dedicação
Lic.
Exclusiva
e
Arte
Bach.
Sociologia
Ciências Sociais
Doutora
Ciências,
Maria Elisa de Castro Almeida
Biologia
em
área
de concentração
Dedicação
Ecologia
Exclusiva
e
Biologia
Recursos
Naturais
Mauro Vanderlei de Amorim
Química
Geografia
Doutorado
em
desenvolvimento
Doutor
Lic.
Exclusiva
Química
em
Geografia
Tiago Jose Berg
Dedicação
e
Dedicação
Bach.
Exclusiva
Geografia
Geografia
Mestre
em
Linguística
Tiago Pellin
Inglês
Dedicação
Aplicada
Lic.
Letras
Exclusiva
Letras/Inglês
Português/Inglês
15.3
Corpo Técnico-Administrativo / Pedagógico
Nome do
Servidor
Formação
Cargo/Função
Alexandre
Camargo Maia
Graduação em Direito/ Tecnólogo Assistente em Administração
em Análise e Desenvolvimento de
Sistemas (incompleto)
Antônio Carlos da
Silva Bomfim
Engenharia Civil
Assistente em Administração
157
Arlete Teresinha
Esteves Brandi
Mestre em Ciências Biológicas
Assistente de Alunos
Carla Patrícia
Mania de Oliveira
Administração
Administradora/Gerente
administrativa
César Eduardo
Armelin
Ensino Médio Completo
Assistente em Administração
Danusa Conceição
– Assistente de
Alunos
Licenciada em Ciências Biológicas
Assistente de Alunos
Eduardo Camargo
Maia
Administração e Direito
Administrador
Evandro Datti
Técnico em Química
Técnico de Laboratório - Química
Geraldo Amaral
Adão
Administração (incompleta)
Assistente em Administração/
Coordenador de Patrimônio e
Almoxarifado
Gilberto Bulgraen
Junior
Licenciatura em Geografia
Assistente em Administração/
Coordenador de Administração
Grazielle Cristine
Elias
Tecnologia em Alimentos
Assistente de alunos/ Coordenadora
de Registros Escolares
Grazielle Nayara
Felício Silva
Serviço Social
Assistente social
Glauciane Gomes
da Cunha
Técnica em Libras/ Pedagogia
(incompleto)
Tradutor Intérprete de Libras
Gustavo
Baptistella Leite da
Silva
Comunicação Social- Rádio e TV
Auxiliar em Administração
Isabel Cristina das
Chagas Oliveira
Pedagogia
Especialização em Teorias e
Práticas na Educação
Pedagoga
Jaqueline Tatiane
Pereira
Direito (incompleto)
Assistente em Administração
José Renato
Paviotti
Tecnologia em Processamento de
dados
Especialização em Gestão de
Pessoas
Técnico de Tecnologia da Informação
Júnio Rodrigues
de Oliveira
Tecnologia em Análise e
Desenvolvimento de Sistemas
Técnico em Informática
Técnico de Tecnologia da Informação
158
Leticia Pedroso
Ramos
Licenciatura em Ciências Agrárias
Técnica em Assuntos Educacionais
Larissa Aparecida
Gatti
Técnica em Química
Graduação em Farmácia
(Incompleto)
Técnica de Laboratório - Química
Larissa Carvalho
Raymundo
Técnico em Manutenção e Suporte
em Informática
Técnica de Laboratório - Informática
Luciana Martins
Gatti
Graduação em Contabilidade
Técnica em Contabilidade
Técnica em Contabilidade
Lucas Bonetti
Técnico em Informática/ Tecnólogo
em Análise em Desenvolvimento de
Sistemas
Técnico de Laboratório
Luciane Belini de
Oliveira
Ensino Médio Completo
Assistente em Administração
Maria Ivete Pavan
Especialização em Gestão em
Recursos Humanos
Graduação em Análise de Sistemas
e
Administração de Empresas
Assistente em Administração/
Coordenadora de Apoio à Direção
Maria José
Diogenes Viera
Marques
Técnica em Assuntos Educacionais
Mestrado em Educação
Graduação em Letras
Micael Douglas
Diniz
Administração (incompleto)
Auxiliar em Administração
Osmar Ruy Neto
Contabilidade
Contador
Pedro Henrique
Alcântara Silva
Técnico em Informática
Assistente de Alunos
Ricardo Aparecido
dos Santos Rafael
Ensino Médio
Assistente em Administração
Rodrigo Scontre
Ensino Médio Completo
Assistente em Administração
Rosangela
Galdino
Biblioteconomia
Bibliotecária-Documentalista
Rubia Dias Adão
Direito incompleto
Auxiliar de Biblioteca
Sergio Aparecido
Paganoti
Ensino Médio
Assistente em Administração
Talita Barbosa
Plantcoski
Licenciatura em Psicologia
Psicóloga
Valéria da Silva
Martins Poletti
Técnica em Contabilidade
Técnico em Contabilidade
Waldo Luis de
Tecnologia em Processamento de
Professor do Ensino Básico, Técnico
159
Lucca
Dados
Mestrado
e Tecnológico - Diretor do Câmpus
Capivari IFSP
Washington
Ernando Pereira
Benício
Técnico em Manutenção e Suporte
em Informática
Tecnologia em Análise e
Desenvolvimento de Sistemas
(incompleto)
Técnico de Laboratório – Informática/
Coordenador de Tecnologia da
Informação
160
16. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS
O Câmpus Capivari apresenta infraestrutura composta de oito salas de
aula tradicionais, possuindo três laboratórios de Química, um laboratório de
Preparo de Amostras, cinco laboratórios de Informática (Desenvolvimento Básico,
dois de Desenvolvimento Avançado, Multimídia e Redes), um de Eletrônica e
Hardware, Biblioteca, Cantina e Auditório, além de ambientes administrativos com
salas para direção, gerências, coordenações, secretaria acadêmica, secretaria de
apoio, sala de professores, sala de reunião, central de processamento de dados,
arquivo morto, copa, banheiros e vestiários. Este câmpus está instalado em uma
área de 30.000 m², sendo 3.040 m² de área construída.
Para o Curso Técnico em Informática serão utilizadas salas de aulas
convencionais, laboratórios
de
Desenvolvimento
Básico,
Desenvolvimento
Avançado, Multimídia, Redes e Laboratório de Eletrônica e Hardware.
16.1
INFRESTRUTURA FÍSICA CÂMPUS CAPIVARI
Instalações
Área de apoio pedagógico
Área para serviços de apoio
Biblioteca
Instalações Administrativas
Laboratórios de Informática
Laboratórios específicos Química
Salas de aulas teóricas
Outras áreas construídas
Total
16.2
Quantidade Atual
1
1
1
1
6
4
8
1
Área (m²)
52,60
271,28
273,62
140,88
222,00
556,71
432,55
1.090,36
3.040
ACESSIBILIDADE
O prédio está localizado na Avenida Ênio Pires de Camargo, 2971. Bairro:
São João Batista CEP: 13360-000 - Capivari – SP. O terreno possui três níveis
(altura), mas o acesso à entrada do prédio é plano. A partir de sua entrada e
ainda em sua parte externa, existe uma guarita com amplo portão e guias
161
rebaixadas (ainda não sinalizadas), calçadas amplas feitas de bloquetes que
causam pequena trepidação para pessoas com mobilidade reduzida.
A escola possui dois andares e o acesso ao andar superior é feito por
escada com corrimãos, e um elevador de uso exclusivo para pessoas de
necessidades específicas.
O Câmpus ainda está em obras. Está prevista, nessa obra, a revisão do
elevador para deixá-lo em pleno funcionamento para atender aos alunos,
servidores ou visitantes que dele necessitem. Após a revisão da parte elétrica de
funcionamento, deverá ser feita uma avaliação sobre a adequação, ou não, à
NBR 9050 e, se não estiver adequado, deverá ser elaborado projeto para sua
adequação.
A obra também prevê vaga de estacionamento para pessoas de
necessidades específicas de locomoção, que ainda não foi implantada. O acesso
ao estacionamento será por calçada sem obstáculos.
O prédio possui, de forma geral, instalações que não impedem a
mobilidade de pessoas com necessidades específicas de locomoção. As áreas
comuns, salas de aulas, corredores e portas de acesso a laboratórios e salas são
amplas, estando dentro das dimensões referenciais para deslocamento de
cadeirantes, tais quais tratadas na NBR 9050.
O prédio possui quatro banheiros para pessoas de necessidades
específicas de locomoção, sendo dois masculinos e dois femininos, um de cada
gênero por andar (térreo e primeiro andar). Contudo, numa análise inicial em
relação à NBR 9050, serão necessárias algumas adaptações, que deverão ser
avaliadas e pensadas para um segundo projeto básico de manutenção predial.
Os laboratórios de Informática não são adequados, mas são adaptáveis,
podendo ser reorganizados para que sejam utilizados também por pessoas que
possuam necessidades específicas.
Além das questões elencadas acima, o prédio do Câmpus Capivari está
trabalhando para se adequar a outras necessidades específicas, tais como visual,
auditiva e outras. Isso significa que projetos deverão ser elaborados visando à
acessibilidade de qualquer pessoa, segundo parâmetros estabelecidos na NBR
9050 e nos Decretos nº 5.296/2004 e nº 7.611/2011 e Leis nº10.098 e nº10.048.
Não é possível indicar os prazos para a realização e/ou términos das obras
162
citadas, dada a questões externas que envolvem elaboração de projetos,
licitações e obras para atender os apontamentos realizados.
16.3
LABORATÓRIOS DE USO GERAL CÂMPUS CAPIVARI
LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA
Os seguintes equipamentos estão disponíveis nos laboratórios que serão
utilizados no curso:
 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I (Desenvolvimento Básico) (44,40
m2)
o 23 computadores (estações de trabalho)
o 12 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
o 1 datashow
o 1 tela de projeção
 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA II (Desenvolvimento Avançado)
(44,40 m2)
o 21 computadores (estações de trabalho)
o 11 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
o 1 datashow
o 1 tela de projeção
 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA III (Multimídia) (44,40 m2)
o 23 computadores (estações de trabalho)
o 12 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
163
o 1 datashow
o 1 tela de projeção
 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA IV (Redes) (44,40 m2)
o 21 computadores (estações de trabalho)
o 12 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
o 1 datashow
o 1 tela de projeção
 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA V (Desenvolvimento Avançado)
(44,40 m2)
o 23 computadores (estações de trabalho)
o 12 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
o 1 datashow
o 1 tela de projeção
 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E HARDWARE (44,40 m2)
o 1 ociloscópio digital
o 11 ociloscópios analógicos
o 11 geradores de função
o 11 fontes de alimentação
o 11 multímetros de mão
o 2 kits didáticos de experiências de eletrônica
o 10 computadores (estação de trabalho)
o 2 estações de soldagem
o 10 estabilizadores de tensão (4 tomadas)
o 1 switch (24 portas)
o 1 hub (24 portas)
o 1 hub (8 portas)
o 20 Pulseiras de aterramento
o 1 aparelho de ar condicionado (30.000 BTU)
164
o 1 equipamento para teste de cabos
o 10 conjuntos de ferramentas
165
16.4
BIBLIOTECA: ACERVO DO CÂMPUS CAPIVARI
Em relação ao acervo bibliográfico, o Câmpus Capivari conta com 2.453
exemplares de diversas áreas. Aquisições estão sendo realizadas a fim de
atualizar o acervo.
Tabela 3 - Biblioteca: acervo por área do conhecimento
Tipo de obra
Livro
Área do conhecimento
1. Ciências Exatas e da Terra
2. Ciências Biológicas
3. Engenharias
4. Ciências da Saúde
5. Ciências Agrárias
6. Ciências Sociais Aplicadas
7. Ciências Humanas
8. Linguística, Letras e Artes
9. Outros
Quantidade
849
27
68
64
8
669
147
82
23
Periódico
1. Ciências Exatas e da Terra
2. Ciências Biológicas
3. Engenharias
4. Ciências da Saúde
5. Ciências Agrárias
6. Ciências Sociais Aplicadas
7. Ciências Humanas
8. Linguística, Letras e Artes
9. Outros
143
0
18
21
2
0
72
0
128
Obras de referência
1. Ciências Exatas e da Terra
2. Ciências Biológicas
3. Engenharias
4. Ciências da Saúde
5. Ciências Agrárias
6. Ciências Sociais Aplicadas
7. Ciências Humanas
8. Linguística, Letras e Artes
9. Outros
-----------
2
2
0
0
0
2
4
19
0
0
0
103
0
0
Vídeos
DVD
CD Rom's
Assinaturas eletrônicas
Outros
Total de exemplares do acervo
2.453
166
BIBLIOGRAFIA
JJFDDDDSSYARAFAKIKKIIIKIKK
FONSECA, Celso Suckow da. História do Ensino Industrial no Brasil. Vol. 1, 2
e 3. RJ: SENAI, 1986.
MATIAS, Carlos Roberto. Reforma da Educação Profissional: implicações da
unidade – Sertãozinho do CEFET-SP. Dissertação (Mestrado em Educação).
Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto, São Paulo, 2004.
PINTO, G. T. Oitenta e Dois Anos Depois: relendo o Relatório Ludiretz no
CEFET São Paulo. Relatório (Qualificação em Administração e Liderança) para
obtenção do título de mestre. UNISA, São Paulo, 2008.
IBGE. Censo Demográfico 2009, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,
2009
167
Download

ATUALIZAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO