PLANETA TERRA
SUL DA PENISULA IBÉRICA
NORTE DA ÁFRICA
ILHAS CANÁRIAS
(tempestade de areia)
ESTREITO DE GIBRALTAR
DELTA DO EBRO
ENTARDECER
NA
EUROPA E ÁFRICA
OS ALPES SUIÇOS
ISLÂNDIA
MAR NEGRO
MAR VERMELHO
Submersa na
obscuridade do Universo
a Terra é simplesmente
um espetáculo…
Repare bem na próxima foto: o anoitecer na
Europa e da África, num dia sem nuvens, tirada de
um satélite em órbita.
Observe como as luzes já estão acesas em Paris e
Barcelona, mas não em Londres, Lisboa ou Madrid
onde o dia ainda está claro. No meio do Oceano
podem identificar-se os Açores, mais abaixo a
Madeira, e mais além as Ilhas Canárias e Cabo
Verde.
O mais impressionante é a visualização perfeita
das Plataformas Continentais desde as Ilhas
Britânicas ao Canadá e ao centro a Islândia.
Inglaterra
Plataforma
continental
Islândia
Oceano
Atlântico
França
Açores
Portugal
Itália
Canárias
ÁFRICA
Cabo Verde
Estas primeiras fotos, de um satélite,
mostram-nos o começo do anoitecer de um
qualquer dia no Brasil.
A primeira foto dá-nos uma vista real e a
segunda, através de um efeito de satélite,
realça as luzes das cidades.
As outras duas, seguindo o mesmo esquema,
mostram-nos o anoitecer na América do Norte,
destacando-se a enorme quantidade de luzes
nas cidades dos Estados Unidos.
Nas Caraíbas destaca-se a alta luminosidade
de Puerto Rico, especialmente na área
metropolitana de San Juan ao norte e em toda
a sua linha costeira.
Esta região azul mais
clara é a plataforma
continental brasileira.
Oceano
Atlântico
Belo Horizonte
Salvador
Rio de Janeiro
Grande São Paulo
Fortaleza
Brasília
Recife
Goiânia
Salvador
Uberlândia
Belo Horizonte
Rio de Janeiro
Grande São Paulo
Florianópolis
O mesmo ponto
geográfico com outro
recurso de satélite realça
outras cidades. Por
exemplo: O ponto
luminoso acima da região
de São Paulo é a região
da cidade de Campinas. A
nordeste, as capitais dos
estados destacam-se um
pouco mais que as outras
cidades.
Esta foto dá-nos uma visão dos
Estados Unidos ao anoitecer.
Se
a
quantidade
de
cidades
destacadas pelas luzes surpreende,
observe o próximo slide, que
detalha um pouco mais e mostra
muitas outras cidades norteamericanas.
No meio da foto , observamos
um maior número de cidades,
mas pela quantidade de luzes é
dificil saber qual é!
Califórnia,
(ainda claro).
Chicago
Este “amontoado” de luzes,
por ordem, de cima para
baixo, abrange as cidades de
Boston,
New
York,
Filadélfia e Washington.
Dallas
Puerto Rico
Houston
Miami
DESLUMBRANTE, NÃO É ?
POIS
PARA QUE O PLANETA POSSA
PROPORCIONAR ESSE ESPETÁCULO
DE CORES TEMOS QUE TRATÁ-LO
COM O MÁXIMO CUIDADO,
CONTRIBUINDO PARA QUE OS
FILHOS DOS TEUS FILHOS
CONTINUEM A DESFRUTAR DESSAS
IMAGENS
Vamos fazer um passeio viajando em alta
velocidade, pulando em distâncias múltiplas de 10.
Começamos com 100 e equivalência com 1 metro,
aumentando em proporções múltiplas de 10 ou seja,
101 (10 metros), 102 (10x10 = 100 metros, 103
(10x10x10 = 1.000 metros), 104 (10x10x10x10 =
10.000 metros), sucessivamente, até o limite da
nossa imaginação, na direção do macrocosmo.
Depois vamos retornar, mais rápido ainda, até o
ponto de partida e iniciar uma viagem inversa, ou
seja, diminuir as distâncias percorridas em
proporções múltiplas de 10, para dentro da
matéria, o microcosmo.
0
10
1 metro
É a distância
de olharmos
um ramo de
folhas com o
braço
esticado...
1
10
10 metros
Começamos
nossa viagem
“para cima” nos
afastando da
origem ... já
podemos ver os
arbustos da
floresta
2
10
100 metros
A essa
distância já
podemos ver
a floresta
bem
definida, um
pedaço do
lago e as
edificações
3
10
1 km
Aqui
mudamos de
metro para
km ...
Já é possível
saltar de páraquedas ...
4
10
10 km
A cidade
pode ser
observada
de cima. Os
quarteirões
mal são
vistos.
5
10
100 km
Nesta
altura o
estado da
Flórida USA, pode
ser visto
por
completo...
6
10
1.000 km
Como visto
por um
satélite
7
10
10.000 km
O Hemisfério
Norte da
Terra,
podendo-se
ver parte do
Hemisfério
Sul.
8
10
100.000 km
A Terra
começa
ficar
pequena...
9
10
1 milhão de km
Pode ser
vista a
órbita da
Lua em
torno da
Terra.
10
10
10 Milhões de km
Parte da
órbita da
Terra em
azul
11
10
100 milhões de km
Órbitas
de: Vênus,
Terra e
Marte.
12
10
1 bilhão de km
Órbitas de:
Mercúrio,
Vênus, Terra,
Marte e
Júpiter.
13
10
10 Bilhões de km
A essa “altura”
de nossa
viagem
conseguimos
enxergar todo
o Sistema Solar
e a órbita de
seus planetas.
14
10
100 Bilhões de km
O Sistema
Solar começa
a desaparecer
no meio do
universo ...
15
10
1 trilhão de km
O Sol se torna
uma pequena
estrela no
meio de
outras
milhares ...
16
10
1 ano-luz
Aqui mudamos
para outra
grandeza .... O
“ano-luz”
A “estrela sol”
aparece bem
pequena.
Lembre-se que 1
ano-luz
corresponde a
você alcançar o
objetivo em 1
ano, se puder
viajar à
velocidade de
300.000 km por
segundo.
17
10
10 anos-luz
Aqui só
vemos
estrelas no
infinito ...
18
10
100 anos-luz
“Nada”
além de
estrelas e
nebulosas
19
10
1.000 anos-luz
A essa
distância as
estrelas
parecem se
fundir.
Estamos
viajando pela
Via-Láctea,
nossa galáxia.
20
10
10.000 anos-luz
Continuamos
nossa viagem
dentro da ViaLáctea.
21
10
100.000 anos-luz
Agora
chegamos
na
periferia
da nossa
Via-Láctea
Portanto,
precisaríamos de
100.000 anos para
atingir a periferia
da Via-Láctea ,
caso fosse possível
viajar à
velocidade de
300.000 km por
segundo.
22
10
1 milhão de anos-luz
Nessa imensa
distância
podemos ver
toda a ViaLáctea e
também outras
galáxias ...
23
10
- 10 milhões de anos-luz
Nessa imensa distância da origem,
as galáxias tornam-se pequenos
aglomerados e, entre elas,
imensidões de “espaços vazios”.
Por toda parte é a mesma lei
regendo todos os corpos do
universo. Poderíamos continuar
viajando “para cima” pela nossa
imaginação, mas, agora, vamos
voltar “para casa” rapidamente ...
22
10
21
10
20
10
19
10
18
10
17
10
16
10
15
10
14
10
13
10
12
10
11
10
10
10
9
10
8
10
Agora vamos
diminuir a
velocidade de
volta. Podemos
novamente ver a
nossa querida
Terra.
7
10
Toda a
epopéia
da raça
humana
foi vivida
nesse
planeta
azul ...
6
10
Por mais
que
fôssemos
“para
cima”, tudo
estava
igualmente
regulado
por leis
idênticas
5
10
O planeta
Terra
nada mais
é do que
um cisco
na
imensidão
espacial ...
4
10
Indagações
vêm à nossa
mente ...
Quem
somos? Para
onde vamos?
De onde
viemos?
3
10
O que
representamos
para o
Universo?
2
10
1
10
0
10
Chegamos ao
ponto inicial.
Estamos
novamente
olhando
para um
ramo de
folhas com o
braço
esticado...
Agora
vamos
mergulhar
na matéria,
numa
viagem
inversa ....
-1
10
10 Centímetros
Ao
mergulharmos
para 10 cm
podemos
delinear uma
folha do ramo.
-2
10
1 Centímetro
Nesta
distância é
possível
enxergar as
primeiras
estruturas da
folha.
-3
10
1 Milímetro
As
estruturas
celulares
começam a
aparecer ...
-4
10
100 mícrons
As células
se
definem.
Pode-se
ver a
ligação
entre elas.
-5
10
10 mícrons
Começa
nossa
viagem ao
interior da
célula
-6
10
1 micron
O núcleo da
célula já
fica visível.
-7
10
1.000
Angstrons
Novamente a
unidade de
medida muda
para se
adaptar ao
minúsculo
tamanho.Os
cromossomas
aparecem.
-8
10
100 Angstrons
Nesse micro
universo a
cadeia de
DNA pode
ser
visualizada.
-9
10
10 Angstrons
Os blocos
cromossômicos
podem ser
estudados.
-10
10
1 Angstron
Aparecem as
nuvens de
elétrons do átomo
de carbono. Tudo
em nosso mundo é
feito disso. Podese reparar a
semelhança do
micro com o
macrocosmo ...
-11
10
10 picometros
Neste
mundo em
miniatura
podemos
observar os
elétrons no
campo do
átomo.
-12
10
1 Picometro
Um imenso
espaço vazio
entre o núcleo e
as órbitas de
elétrons.
-13
10
100 Femtometro
Neste incrível e
minúsculo tamanho
começamos a
“enxergar” o núcleo
do átomo, ainda
pequeno.
-14
10
10 Femtometro
Agora temos o
núcleo de um
átomo de
Carbono bem a
nossa frente !
-15
10
1 Femtometro
Aqui já
estamos no
campo da
imaginação
científica ....
face a face
com um
Próton.
-16
10
100 Attometros
Examinando as
partículas
‘quark’.
Não há mais para
onde ir ... Pelo
menos com o
conhecimento
atual da ciência. É
o limite da
matéria ...
Observe a constância das leis no universo
O que haverá depois dos limites? Há limites?
Note que “para baixo” só conseguimos ir até a 16ª
potência de 10 e chegamos aos limites da matéria
.... mas “para cima” fomos até a 23ª potência de
10 e paramos .... mas poderíamos continuar a
nossa viagem pelo universo no limite de nossa
imaginação !
Download

FOTOS DEL PLANETA TIERRA