ANO
1
Publicação dos Despachos
da Junta Comercial
do Estado do Rio de Janeiro
| PÁGINAS 4 e 5 |
WWW.JGN.COM.BR
Câmbio (R$)
Dólar / BC Compra
Venda
Paralelo
1,66
1,76
Comercial
1,615
1,616
Turismo
1,593
1,72
Euro / BC
2,282
2,284
Ouro (R$)
Grama
Variação
80,000
- 1,23%
Blue Chips
BMF Bovespa
Bradesco
Gerdau
Itaú Unibanco
Petrobras
Sid Nacional
Vale
ON
PN
PN
PN
PN
PN
PNA
%
- 0,54
+ 2,92
+ 0,18
+ 3,31
+ 1,26
+ 0,69
+ 1,66
2ª FASE
ANO II
EDIÇÃO Nº 359
1ª FASE
1875 A 1942
SEXTA-FEIRA, 27 DE MAIO DE 2011
R$ 1,00
Abril tem menor taxa de
desemprego desde 2002
Índice ficou em 6,4%, estável ante março, mas 0,9 ponto inferior ao registrado em abril de 2010
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou ontem que a a taxa de
desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do País fechou abril em 6,4%. O resultado é o menor para um mês de abril desde
o início da série de coleta de dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), em 2002.
O IBGE coinsidera a taxa de abril estável
em relação à registrada um mês antes, que foi
6,5%. No entanto, na comparação com abril
de 2010, quando o indicador ficou em 7,3%,
houve diminuição de 0,9 ponto percentual.
Na avaliação de Cimar Azeredo, gerente
de Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do
IBGE, a taxa de desemprego “pode estar caminhando” para encerrar o ano de 2011 em
um nível menor que o do ano passado. A taxa
anunciada ontem está bem abaixo da média
registrada ao longo de 2010, de 6,7%.
A população desocupada no País foi estimada em 1,5 milhão de pessoas e não aumentou em relação a março. Na comparação
com abril de 2010, esse contingente teve
queda de 10,1%, o que indica que em abril
deste ano havia 173 mil pessoas a menos em
busca de emprego.
A população ocupada também ficou estável (22,3 milhões de trabalhadores) e subiu 2,3% em relação ao quarto mês de 2010.
Com isso, em abril deste ano havia 492 mil
pessoas a mais ocupando postos de trabalho.
O rendimento médio ficou em R$ 1.540 em
abril, queda de 1,8% ante março. | PÁGINA 2 |
Rio
Elza Fiuza / ABr
O site de comércio
eletrônico Americanas.
com ficará impedido pela
Justiça de realizar novas
vendas no estado do Rio
até a regularização dos
pedidos de entrega aos
clientes. A decisão valerá
a partir do dia em que a
empresa for intimada da
decisão. | PÁGINA 9 |
Governo vai
aumentar o
investimento
Mundo
O presidente sérvio, Boris
Tadic, anunciou ontem
que o homem mais
procurado por crimes
de guerra na Europa, o
general Ratko Mladic, foi
preso. Ele é acusado de
ser um dos executores
do pior massacre no
continente desde o fim da
Segunda Guerra. | PÁGINA 9 |
Arno Augustin: “Ao longo de todo este ano, teremos crescimento do investimento”
O governo central (conjunto formado pelo Tesouro Nacional, Banco
Central e Previdência) conseguiu
superávit primário de R$ 15,589 bilhões em abril. No quadrimestre, o
superávit foi de R$ 41,479 bilhões,
praticamente metade dos R$ 81,760
bilhões previstos para todo o ano. Há,
portanto, espaço para gastar mais
sem comprometer a meta.
“Trabalhamos no primeiro trimestre com a necessidade forte de fazer
um superávit intenso, até em função
do ritmo da economia”, disse o secretário do Tesouro, Arno Augustin. Agora, o quadro é diferente. “Ao longo do
ano, teremos crescimento do investimento”, garantiu Augustin. | PÁGINA 3 |
Fernanda Freixinho
Fabio Mota / AE
Governo estuda
Questão
de Justiça novas medidas
Não se trata de defender
ou não a legalização do
uso de tal substância,
mas sim de garantir a
livre manifestação do
pensamento, ícone
do estado de direito.
Também não se trata de
discutir dos benefícios
ou malefícios de seu
uso. | PÁGINA 8 |
para a indústria
O governo estuda impor licenças não automáticas para importações em outros setores, revelou o ministro do Desenvolvimento,
Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel. Segundo ele, a adoção de
práticas mais ativas de defesa comercial será
uma das estratégias do governo para proteger a indústria nacional no curto prazo.
“Nós vamos agregar outras medidas,
como o licenciamento não automático para
importações, que é permitido pelas regras da
Organização Mundial do Comércio (OMC),
para aqueles setores em que há claramente
uma ameaça na balança comercial”, afirmou.
“Vamos usar tudo o que for possível, dentro
das regras da OMC, para defender a competitividade da produção nacional.”
Pimentel não quis adiantar quais setores
poderão ser alvo de licenças não automáticas. “Estamos trabalhando com os dados da
balança comercial. Onde houver ameaça séria ao nosso saldo, vamos utilizar medidas
adequadas de defesa comercial”, disse.
Este mês, o governo colocou veículos sob
licença não automática de importação para
proteger a produção nacional. | PÁGINA 3 |
Guido Mantega: “É a parte boa do fluxo de capitais e a que todos nós queremos”
Mantega otimista com IED
O ministro da Fazenda, Guido Mantega,
espera ingressos de US$ 65 bilhões de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil
este ano. A estimativa está bem acima da
projeção de US$ 55 bilhões feita pelo Banco Central para 2011, embora ligeiramente
maior que os cerca de US$ 63 bilhões de IED
acumulados em 12 meses até abril.
Durante um fórum do FMI realizado no
Rio, Mantega disse que o IED, direcionado
para a produção, “é a parte boa do fluxo de
capitais e a que todos nós queremos”. O ministro afirmou que o fluxo de capital financeiro do exterior para o País foi normalizado.
Segundo Mantega, as medidas que aumentam os impostos sobre os recursos estrangeiros voltados para renda fixa e créditos de
curto prazo (que fazem parte do segmento
financeiro do fluxo cambial, que em maio,
até o dia 20, registrava entradas de US$ 3,3
bilhões), foram bem sucedidas e evitaram bolhas na economia brasileira. | PÁGINA 6 |
2
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
ECONOMIA
2&83$d­2
'HVHPSUHJRUHJLVWUDDPHQRU
WD[DSDUDDEULOGHVGH
Índice ficou em 6,4% e caminha para fechar o ano abaixo do registrado em 2010, segundo o IBGE
Alessandra Saraiva
Da Agência Estado
A taxa de desemprego nas
seis principais regiões metropolitanas do País “pode estar caminhando” para encerrar o ano
de 2011 em um nível menor que
o do ano passado, na avaliação
de Cimar Azeredo, gerente de
Pesquisa Mensal de Emprego
(PME) do Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE).
Ele fez o comentário ontem ao
analisar a taxa de desemprego
de 6,4% em abril, anunciada ontem, a menor para o mês desde
2002 e abaixo da média da taxa
registrada ao longo de 2010, de
6,7%. Em março deste ano, o índice foi 6,5%.
Embora tenha ressaltado que o
instituto não faz previsões, Azeredo admitiu que um nível de 6,4%
para a taxa de desemprego no mês
de abril seria “atípico” na série
histórica do IBGE iniciada a partir
da reformulação da PME, em 2002.
Isso porque, assim como os meses
de dezembro sempre apresentam
as menores taxas de desemprego devido ao ritmo mais aquecido na
PLOKmRQmRUHVJDWRXDERQR
Célia Froufe
Da Agênci Estado
Há 35 dias do final do prazo, 1,2 milhão de trabalhadores
ainda não resgatou seu abono
salarial referente a 2009. O abono é um direito do empregado
que tenha trabalhado pelo menos 30 dias corridos no ano em
questão, com carteira assinada,
tenha cadastro no PIS/Pasep e
economia e às contratações temporárias características do quarto
trimestre -, os meses de janeiro,
fevereiro e março apresentam níveis elevados, influenciados pelas
dispensas de temporários que costumam ocorrer nos primeiros meses do ano. Isso acaba por manter
em alta a taxa de desocupação em
abril. Em abril do ano passado, a
taxa de desemprego foi de 7,3%.
Para o especialista, é positivo
um desempenho menor em abril na
taxa de desocupação do que o apu-
recebido, em média, até dois salários mínimos durante o período trabalhado. O valor do abono
é de um salário mínimo.
Até o momento, 93,52% dos
18,5 milhões de pessoas identificadas como beneficiárias já
sacaram os recursos. No ano
passado, do total de trabalhadores com direito ao benefício,
96% foram até uma agência
da Caixa para pegar o dinheirado na média da taxa do ano passado - que inclui resultados como o
de dezembro, mês com ritmo alto
de contratações, que sempre contribuiu para a redução da taxa. Em
dezembro do ano passado, a taxa de
desemprego foi de 5,3%.
“O que estamos dizendo é
que, se tudo der certo, se as coisas continuarem boas como estão, podemos estar caminhando
para uma taxa de desocupação
média ao final de 2011 menor
que a que tivemos na média da
352'8d­2/2&$/
ro. “A expectativa é de que o
percentual passe dos 97% este
ano”, disse o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.
O prazo para saque do abono se encerra dia 31 de junho
e, se o valor não for resgatado,
ele retorna ao Fundo de Amparo ao Trabalhador. O valor estimado pelo governo para pagar
os 1,2 milhão de abonos restantes é de R$ 653,8 milhões.
taxa de desocupação no ano passado”, resumiu.
População ocupada - O
mercado de trabalho em abril
deste ano está “mais favorável”
do que em igual mês de 2010,
na análise de Azeredo. Segundo
o especialista, a população ocupada cresceu em abril em um
ritmo mais rápido que o da População Economicamente Ativa (PEA) e o da população em
idade ativa. A população ocupada em abril deste ano cresceu
2,3% ante abril do ano passado,
enquanto que a PEA avançou
1,4% na mesma comparação e a
população em idade ativa subiu
1,3%, em abril deste ano ante
abril do ano passado.
Isso se refletiu no chamado
nível de ocupação do mercado
de trabalho, que é a proporção
de pessoas ocupadas em relação
às pessoas em idade ativa. Segundo Azeredo, o nível de ocupação subiu de 53,3% para 53,4%
de março para abril - sendo que,
em abril do ano passado, era de
52,9%. “É uma evolução muito
positiva”, avaliou o economista.
Renda - O documento do
IBGE divulgado ontem aponta
ainda que o rendimento médio
dos trabalhadores ocupados
ficou em R$ 1.540 em abril,
tendo apresentado queda de
1,8% em relação a março e aumento de 1,8% na comparação
com abril de 2010.
A Pesquisa Mensal de Emprego avalia a situação do mercado de trabalho em seis regiões
metropolitanas - Rio de Janeiro,
São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre.
7(&12/2*,$
)R[FRQQQHJRFLD
3HWUREUDVLQYHVWLUi
86ELOK}HVDWp ORFDOGHIiEULFD
Anne Warth
A Petrobras vai investir US$ 27
bilhões na exploração no Brasil até
2015, reafirmou ontem o gerentegeral de Exploração e Produção
da companhia de petróleo, Hugo
Repsold, durante apresentação na
17º Conferência Anual Latin Oil &
Gas Week 2011, no Rio de Janeiro.
“No futuro próximo, perfuraremos
573 poços”, disse Repsold.
Os poços estão, em sua maioria, localizados em regiões do
Sudeste do Brasil, acrescentou.
A Petrobras pode elevar a produção para 3 milhões de barris ao
dia até 2015, com uma produção
de gás natural de cerca de 75 milhões de metros cúbicos ao dia,
com a entrada em operação de novos projetos, previu o executivo.
Resultados - A Petrobras
também informou ontem que
seu lucro líquido consolidado do
primeiro trimestre de 2011 no
padrão contábil US GAAP subiu
51%, para US$ 6,5 bilhões - ou
US$ 1 por American Depositary
Share (ADS, os recibos de ações
da empresa). Na comparação
com o lucro líquido de US$ 4,3
bilhões obtido nos primeiros três
meses do ano passado (US$ 0,98
por ADS), houve alta de 51%.
De acordo com a estatal, o
aumento do lucro líquido no período de janeiro a março deste
ano foi devido principalmente
aos maiores volumes de produção, preços mais altos e maiores
volumes de vendas no mercado
interno. O crescimento se deve
também aos maiores ganhos
cambiais sobre a dívida líquida
denominada em dólares.
O Ebitda (lucro antes de juros,
impostos, depreciação e amortização) ajustado em US GAAP foi
de US$ 9,5 bilhões no primeiro
trimestre deste ano, um aumento
de 13,09% na comparação com os
US$ 8,4 bilhões de igual intervalo
de 2010. Os investimentos de capital totalizaram US$ 9,9 bilhões
no primeiro trimestre de 2011, a
maioria destinados à expansão da
capacidade futura de produção
de petróleo e gás natural.
Padrão internacional - No
último dia 13, a estatal divulgou seus resultados do primeiro
trimestre no padrão contábil internacional (IFRS). Neste caso,
a Petrobras reportou lucro líquido recorde de R$ 10,985 bilhões
(R$ 0,84 por ação), expansão de
42,18% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 7,726
bilhões). A geração de caixa medida pelo Ebitda totalizou R$
16,093 bilhões no trimestre, com
expansão de 6,75% em relação
ao mesmo intervalo de 2010 (R$
15,076 bilhões). Os investimentos
no primeiro trimestre de 2011 totalizaram R$ 15,871 bilhões.
Da Agência Estado
O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante,
disse ontem que a Foxconn tem
uma lista de regiões prioritárias
que poderão receber os investimentos para a nova fábrica da
empresa no Brasil que produzirá
displays e semicondutores. De
acordo com ele, a empresa deseja se instalar numa área de cerca
de 50 km2, próxima de estradas
e de um aeroporto internacional
e que tenha grande disponibilidade de tecnologia de banda larga e energia elétrica.
“Ainda não há uma definição
sobre o estado e muito menos
sobre a cidade onde será feito esse investimento”, afirmou
Mercadante, após participar do
seminário “Brasil do diálogo, da
produção e do emprego”, na capital paulista.
Tablets - Segundo o ministro,
a produção de tablets e celulares
será feita na unidade da empresa em Jundiaí (SP). O ministro
afirmou que uma equipe técnica
composta por membros do Ministério de Ciência e Tecnologia,
da Fazenda, do Desenvolvimento, da Indústria e Comércio Exterior e do Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e
Social (BNDES) está negociando
as condições para a instalação
de uma segunda fábrica no País.
De acordo com Mercadante,
apenas 20 países no mundo produzem semicondutores e somente
quatro, displays. No caso de displays, o Brasil será o primeiro país
fora da Ásia a produzir o produto.
Da Agência Estado
A diretoria de Gás e Energia da Petrobras confirmou, por
meio de sua assessoria, que foram cancelados, na Justiça, os
contratos para fornecimento de
gás às usinas do grupo Bertin. A
estatal recorreu à Justiça depois
do insucesso nas negociações
com o Bertin, tanto em relação
à inadimplência nos contratos
quanto pelo não cumprimento
de termos de compromisso firmados em 2008, quando o grupo Bertin, vencedor de disputas
no leilão A-3, teria de iniciar a
construção de usinas.
Antes do cancelamento dos
contratos, a Petrobras já havia
sinalizado que empregaria um
maior rigor no fechamento dos
acordos. A companhia também
www.jgn.com.br
decidiu entrar na disputa pelos
leilões e não atuar apenas como
fornecedora do gás, conforme
informou a diretora Graça Foster, em entrevista em março. Em
licitações anteriores, depois de
assinar contratos com vencedores da disputa, a estatal chegou
a investir em infraestrutura
para atender à demanda de usinas que não foram construídas,
como é o caso da Bertin.
A suspensão dos acordos com
o Bertin envolvem uma garantia
firme de energia de 872 megawatts, que corresponderiam a
uma receita anual para o grupo
de R$ 575 milhões.
Multa - A Petrobras terá até
o dia 15 de junho para apresentar a comprovação de conteúdo
nacional adquirido dentro do
previsto em 44 contratos com a
Agência Nacional do Petróleo
(ANP) para a exploração de áreas adquiridas entre 2003 e 2004,
nas quinta e sexta rodadas de licitações. A estatal foi notificada
pela ANP sobre irregularidades
no cumprimento do conteúdo
nacional preestabelecido e teria
até 30 de maio para apresentar
sua contestação.
“Acreditamos que por se
tratar de um volume tão grande de contratos o prazo deveria
ser estendido mais um pouco”,
disse a diretora da agência Magda Chambriard. Segundo ela, a
multa para a Petrobras caso a
companhia não comprove a contratação do conteúdo nacional,
será de R$ 28 milhões. Outras
companhias também foram notificadas. Entre elas, a Shell terá
que apresentar sua contestação
até o fim de maio, se não quiser
pagar R$ 1,3 milhão em multa.
SUHoRVVXVWHQWDGRV
Ana Conceição
Da Agência Estado
A economia da China pode
estar em desaceleração, induzida
pelo próprio governo, mas sua demanda por matérias-primas continuará em ascensão por muito
tempo, o que manterá os preços
dos produtos agrícolas sustentados, segundo participantes do
seminário Perspectivas para o
Agribusiness em 2011 e 2012,
promovido ontem em São Paulo.
“O consumo de carnes, ovos
e leite na China tem aumentado,
fruto do crescimento da renda e
da urbanização, e é algo que não
tem volta”, disse André Pessôa, sócio-diretor da Agroconsult. Outros
emergentes também estão puxando o consumo e devem continuar a
fazê-lo. “Vivemos um mercado em
desequilíbrio na maioria das commodities agrícolas. Temos um choque de demanda”, diz o consultor.
Para o economista Mailson da
Nóbrega, sócio da Tendências Consultoria, salvo um tropeço, a China
deve crescer 8% a 9% ao ano nas
próximas duas décadas. “O consumo doméstico vai crescer muito. O
país, portanto, continuará importando muita commodity.” Ele lembra que os chineses conseguiram
dois feitos inéditos: crescer sem
parar por 30 anos e tirar milhões
da pobreza. Nesse bojo veio a mudança dos hábitos alimentares,
que beneficia o Brasil.
Publicação da empresa
JGN Editora Ltda.
Comercial: PABX (21) 3553-5353
comercial@jgn.com.br
Impressão:
Gráfica Monitor Mercantil
Rua Marcílio Dias, 26 - Centro - RJ
Diagramação:
Felipe Ribeiro
feliperibeiro@jgn.com.br
Departamento Comercial
e Administração
Rua Debret, 23
Sobreloja 116 e 117
Centro - Rio de Janeiro
CEP 20030-080
Conselho Editorial:
Des. José Geraldo da Fonseca
Des. José Lisboa da Gama Malcher
Mônica de Cavalcanti Gusmão
Editor- chefe:
Jorge Chaves
jorgechaves@jgn.com.br
Rodrigo Gurski
rodrigo@jgn.com.br
Redação:
(21) 2233-5823
redacao@jgn.com.br
Subeditora:
Rafaela Pereira
rafaelapereira@jgn.com.br
Diretora Geral
Elizabeth Campos
elizabethcampos@jgn.com.br
Projeto Gráfico:dtiriba design gráfico
6HWRUGH
FRPEXVWtYHLV
FUHVFHX
HP
O setor de combustíveis cresceu 8,4% em 2010 em relação a
2009. O crescimento superou a
expansão de 7,5% da economia
brasileira (PIB) no período. Os
dados foram divulgados ontem
pela Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), em
seu “Relatório Anual da Revenda de Combustíveis - 2011”.
Com o crescimento do setor, a
revenda faturou mais 12% em relação a 2009, aí computadas a comercialização de gasolina, diesel,
etanol e GLP. O faturamento no
ano passado foi de R$ 223,1 bilhões
contra R$ 199,3 bilhões em 2009.
O valor do faturamento obtido em 2010 corresponde a 5,4%
do PIB brasileiro. Com isso, os
governos arrecadaram em impostos um total de R$ 64,2 bilhões enquanto em 2009 a arrecadação atingiu R$ 57,5 bilhões.
BANCOS
,WD~8QLEDQFR
MiUHVWLWXL
WDULIDV
O Itaú Unibanco começou a
enviar cartas a seus clientes informando que está fazendo a restituição da Comissão de Manutenção de
Crédito (CMC), referente a tarifa
do cheque especial, no período de
dezembro de 2008 e maio de 2009.
O Ministério Público Federal
no Rio de Janeiro (MPF-RJ) enviou em março recomendações ao
HSBC, Santander e Itaú Unibanco
para que fizessem as restituições.
Na quarta-feira, o MPF anunciou ter enviado novas recomendações aos bancos Santander e
Itaú Unibanco para que devolvam a clientes R$ 430 milhões,
ao todo, obtidos com outras tarifas cobradas indevidamente entre 2008 e 2010. Caso não façam
a restituição, o MPF alerta que
poderá entrar com um processo
por descumprimento de regulamentação do Banco Central (BC).
O Santander disse que recebeu
e está analisando a recomendação.
Já o Itaú defende a legalidade
da cobrança e lembra que a recomendação não constitui ação ou
obrigação de pagamento. “O Itaú
informa que recebeu a recomendação do Ministério Público Federal
há cerca de um mês e desde então
mantém diálogo transparente com
o órgão, a fim de prestar esclarecimentos e demonstrar a legalidade
das cobranças questionadas.”
$*5,&8/785$
6XVSHQVRVFRQWUDWRVFRPR%HUWLQ &KLQDPDQWHUiRV
Irany Tereza e Kelly Lima
FECOMBUSTÍVEIS
Artigos & Colunas:
colunista@jgn.com.br
Filiado à
BÔNUS
7$0
FRQ¿UPD
HPLVVmR
A TAM confirmou ontem, em
comunicado ao mercado, que sua
subsidiária, a TAM Capital 3 Inc,
fará uma emissão de U$ 500 milhões em bônus garantidos (Senior
Guaranteed Notes), com vencimento em 2021. Os Bonds pagarão
cupons semestralmente a uma
taxa de 8,375% ao ano. A TAM e a
sua subsidiária, TAM Linhas Aéreas S/A, prestarão garantia de todas
as obrigações da TAM Capital 3, no
âmbito de referida emissão.
Segundo a TAM, os recursos obtidos com os Bonds serão destinados
ao pagamento de dívidas vincendas;
pré-pagamento de aeronaves; e propósitos gerais corporativos.
Preços de Assinatura
Trimestral ..................R$ 60,00
Semestral ................R$ 110,00
Anual ........................R$ 210,00
assinatura@jgn.com.br
Serviço Noticioso
Agências Brasil e Estado
As matérias e artigos são de
responsabilidade dos autores e não
representam, necessariamente,
a opinião deste jornal
ECONOMIA
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
3
&217$63Ò%/,&$6
*RYHUQRYROWDDHOHYDUJDVWRV
Superávit primário totaliza R$ 41,479 bilhões de janeiro a abril, quase metade dos R$ 81,760 bilhões previstos para o ano
Lu Aiko Otta
Da Agência Estado
O governo federal vai afrouxar
ainda mais o cinto, depois de haver
dado uma “trava” em novos investimentos e em gastos de custeio
neste início do ano. “Trabalhamos
no primeiro trimestre com a necessidade forte de fazer um superávit
fiscal bastante intenso, até em função do ritmo da economia”, disse
o secretário do Tesouro Nacional,
Arno Augustin. Ou seja, os gastos
foram contidos para ajudar a moderar a atividade econômica, que
estava pressionando a inflação.
Agora, com a economia girando a
um ritmo mais baixo, o quadro é
diferente. “Ao longo do ano, teremos crescimento do investimento”, garantiu o secretário.
“Os superávits tendem a ser
menores do que no início do ano.”
Os números divulgados ontem
mostram que a arrecadação federal cresceu fortemente nos primeiros quatro meses do ano. De janeiro a abril, ela somou R$ 264,468
bilhões, 17,9% acima de igual período em 2010. Isso permitiu que o
governo central (conjunto formado pelo Tesouro Nacional, Banco
Central e Previdência) atingisse
um superávit primário (diferença
entre receitas e despesas, exceto
gastos com juros) de R$ 41,479
bilhões, praticamente metade dos
R$ 81,760 bilhões previstos para
todo o ano. Há, portanto, espaço
para gastar mais sem colocar em
risco o cumprimento da meta.
Sem manobras - o final do
governo de Fernando Henrique
Cardoso e no início da gestão de
Luiz Inácio Lula da Silva, a prática da área econômica era obter
superávits primários maiores do
que a meta. O excesso era usado para abater a dívida pública.
Esse plano não será seguido agora, segundo informou Augustin.
“O governo não tem a intenção,
no momento, de aumentar o superávit do ano”, informou.
Tampouco há intenção de utilizar manobras contábeis que facilitam o cumprimento da meta, como
foi feito no ano passado. “Vamos fazer a meta cheia”, disse o secretário.
Se as receitas ajudaram a turbinar o superávit, o mesmo não pode
ser dito das despesas. O governo
passou o início do ano segurando
fortemente algumas delas, como
investimentos que não estão no
Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o custeio em alguns ministérios e principalmente
os gastos com subsídios, como os
do programa de sustentação de
preços dos produtos agrícolas. Porém, em seu conjunto, as despesas
cresceram 9,7% acima do primei-
Andre Dusek / AE
Augustin: investimentos vão aumentar ao longo do ano
ro quadrimestre do ano passado,
ao atingir R$ 222,989 bilhões.
Abril - No mês passado, as
contas do governo central registraram superávit de R$ 15,589
bilhões, um resultado considerado “bom”. O mês é caracterizado
por receitas elevadas, decorrentes da entrega das declarações
do Imposto de Renda de pessoas
e empresas. As receitas líquidas
(deduzidas das transferências
obrigatórias a Estados e municípios) atingiram R$ 74,957 e as
despesas, R$ 59,368 bilhões. Na
comparação com março, os gastos
aumentaram R$ 5,457 bilhões,
explicados principalmente pelo
pagamento de R$ 3,2 bilhões em
precatórios na área de pessoal.
Augustin disse que os investimentos do governo federal vão
aumentar mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) este
ano.”Até o fim do ano, vamos ter
crescimento forte”, prometeu.
Ele disse que a taxa de expansão
poderá superar o previsto, que é
10%. Os números registrados até
o momento, porém, permitem
concluir que o governo investe
muito ou que investe pouco, dependendo do ângulo que se olhe.
De janeiro a abril, os investimentos somaram R$ 13,4 bilhões. É um crescimento de 5%
em comparação com igual período de 2010. De janeiro a março,
porém, os investimentos estavam 9% acima de 2010. De janeiro a fevereiro, a diferença era
de 25%. No mês de janeiro, isoladamente, os investimentos de
2011 foram 85% superiores aos
de 2010. Os números mostram,
portanto, uma perda de fôlego.
Augustin garantiu, porém, que
essa não é uma tendência. “Isso
vai-se reverter, tenho absoluta
tranquilidade”, disse. Ele explicou
que, no início de 2010, o governo
liberou mais dinheiro para investimentos em estados e municípios
por causa do calendário eleitoral.
Isso inflou a base de comparação,
o que resulta em taxas menores de
crescimento este ano.
Orçamento - O investimento
parece baixo também quando se
olha a execução do Orçamento
de 2011. Os recursos previstos
para os ministérios este ano praticamente não foram aplicados.
Isso porque a maior parte do
que vem sendo gasto até agora
é resto a pagar de despesas contratadas em anos anteriores.
Dos R$ 13,381 bilhões em pagamentos referentes a investimentos realizados pelo governo
central até abril deste ano, apenas
R$ 685,808 milhões se referem a
despesas do Orçamento deste ano.
Os demais R$ 12,695 bilhões são
restos a pagar. Esse movimento é
considerado normal pelo secretário. “Todo ano é assim”, comentou.
PAC - A concentração de
gastos em restos a pagar vem
sendo objeto de críticas ao governo, mas o economista-chefe
da corretora Convenção, Fernando Montero, as considera
exageradas. “Os restos a pagar
terminam uma ponte iniciada o
ano anterior. O orçamento inicia uma ponte este ano. Quando
precisa segurar, segura o quê?”
Em meio à contenção de gastos,
o PAC esbanja vigor. De janeiro
a abril, foram gastos R$ 7,559
bilhões, um crescimento de 39%
sobre igual período em 2010.
Os investimentos do PAC respondem por boa parte dos restos
a pagar. Desde o lançamento do
programa, em 2007, os ministérios encarregados vêm fazendo
empenhos (comprometendo recursos do Orçamento) mesmo no
final do ano, sabendo que a despesa passará para o ano seguinte.
É uma forma de garantir que os
projetos não percam velocidade.
Segundo Augustin, os investimentos fora do PAC sofreram
maior restrição no início do ano.
Agora, eles tendem a crescer mais
fortemente. (Colaboraram Renata
Veríssimo e Eduardo Rodrigues)
ž75,0(675(),6&$/
'()(6$&20(5&,$/
*RYHUQRHVWXGDQRYDVPHGLGDV 3UHMXt]RGD6RQ\
SDUDSURWHJHULQG~VWULDQDFLRQDO VREHTXDVHYH]HV
Willian Volcov / AE
Anne Warth
Da Agência Estado
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior (MDIC), Fernando
Pimentel, disse ontem que o
governo estuda impor licenças
não automáticas para importações em outros setores. De acordo com ele, a adoção de práticas
mais ativas de defesa comercial
será uma das estratégias do governo para proteger a indústria
nacional no curto prazo.
“Nós vamos agregar outras medidas, como o licenciamento não
automático para importações, que
é permitido pelas regras da Organização Mundial do Comércio
(OMC), para aqueles setores em
que há claramente uma ameaça
na balança comercial”, afirmou,
durante palestra no seminário
“Brasil do Diálogo, da Produção e
do Emprego”, na capital paulista.
“Vamos usar tudo o que for possível, dentro das regras da OMC,
Pimentel: medidas serão dentro das regras da OMC
para defender a competitividade
da produção nacional.”
Setores - Pimentel não quis
adiantar quais setores poderão
ser alvo de licenças não automáticas. “Estamos trabalhando
com os dados da balança comercial. Onde houver ameaça séria
ao nosso saldo, vamos utilizar
medidas adequadas de defesa
comercial”, disse.
Em sua avaliação, essas medidas não são protecionistas, pois
estão dentro das regras da OMC.
“Esse instrumento ficou um pouco relegado nos últimos anos.
Talvez o câmbio exageradamente valorizado tenha nos deixado
um pouco preguiçosos nessa história, mas hoje não é mais assim.
Estamos atentos a isso e vamos
continuar praticando a boa política de defesa comercial.”
Na segunda semana de
maio, o Brasil colocou veículos
sob licença não automática de
importação. A medida foi tratada pelo governo como uma
forma de conter o desequilíbrio verificado por conta do
excesso de importação de carros. Nos bastidores, a iniciativa
é considerada uma retaliação
ao governo da Argentina, que
vem colocando barreiras à entrada de produtos brasileiros.
,PSDVVHQDVQHJRFLDo}HV%UDVLO$UJHQWLQD
Marina Guimarães
Da Agência Estado
A solução para o conflito comercial entre o Brasil e a Argentina não
será fácil e os analistas argentinos
ouvidos pela Agência Estado acreditam que a tendência será a de
ampliar os acordos voluntários de
restrições a todos os setores brasileiros que enfrentam problemas
para exportar a Argentina. O assunto será discutido nos próximos dias
por representantes dos diferentes
setores que veem, no entanto, a alternativa com muita desconfiança.
O secretário-executivo do Ministério de Desenvolvimento,
Indústria e Comércio Exterior
(MDIC), Alessandro Teixeira, vai
viajar hoje para os Estados Unidos
e só retornará na próxima quartafeira. Mas, segundo informação
do Ministério de Indústria da Argentina, Teixeira vai conversar por
telefone com seu homólogo argentino, Eduardo Bianchi, na próxima
segunda-feira para tentar marcar
a segunda rodada de negociações
já que a primeira delas fracassou.
Acordo de cavalheiros - “O caminho mais viável para avançar no
sentido de destravar as barreiras é
voltar com o esquema de acordos
de cavalheiros, pelos quais os fabri-
cantes brasileiros se comprometem
a enviar determinados volumes ao
mercado argentino”, disse Maurício Claveri, analista da consultoria
Abeceb.com. Ele avalia que a falta
de propostas para solucionar o conflito marca as dificuldades do Brasil e da Argentina. “A atual crise
é diferente das anteriores porque
ocorre em um momento que tanto
o Brasil quanto a Argentina precisam preservar o superávit comercial interno. A Argentina tem muito
menos margem de ação e tem uma
posição incômoda porque a indústria automotiva é um dos motores
da economia”, disse Claveri.
A ampliação, em fevereiro, das
licenças não automáticas (LNA) e
outras restrições não escritas a um
universo de produtos brasileiros
que representa 25% da pauta exportadora do Brasil produz um impacto grande. A resposta do Brasil
de impor licenças não automáticas
para os automóveis foi a pior represália que a Argentina poderia
receber, já que afeta 60% de sua
produção nacional de veículos,
que são destinados às exportações.
“O Brasil deixou claro que só
vai ceder se a Argentina realmente cumprir sua palavra de liberar
os produtos brasileiros dentro de
um prazo máximo de 60 dias e se
não usar manobras de outras medidas não escritas para impedir a
entrada de seu produtos”, opinou
o analista da Abeceb.com.
O especialista em Integração Regional, Raúl Ochoa, considera a possibilidade dos acordos de cavalheiros, mas opina que os dois países vão
tratar de ganhar tempo porque a negociação é dura. “Esse é um momento complicado para ambas as balanças comerciais e nenhum vai ceder
tão fácil. A tendência é de ganhar
tempo até as eleições presidenciais
argentinas, já que qualquer ação de
política externa poderia influenciar
na política interna, e tentar limpar
a mesa depois do pleito eleitoral”,
afirmou Ochoa.
Adefa - O secretário Bianchi
pediu à Teixeira que as licenças de
importação de automóveis sejam
liberadas em um prazo de quatro
dias, mas o governo brasileiro ofereceu 10 dias. “Esse é o prazo que
o processo de importação leva com
licenças automáticas e é o mínimo
que podemos oferecer à Argentina,
como exceção à exigência das LNA
que nos permite demorar 60 dias”,
explicou uma fonte que participou
das reuniões em Buenos Aires, nas
últimas segunda e terça-feira.
As montadoras argentinas insistem na anulação das LNA, mas como
o Brasil se mostra decidido a não rever a medida, elas se contentam com
o prazo de 10 dias. “Esse é um prazo
que não chega a provocar impacto
na indústria. O importante para nós
é que o prazo não seja de 60 dias porque isso afetaria 20%, por mês, das
nossas exportações”, explicou o secretário Executivo da Associação de
Fabricantes de Automotores (Adefa), Fernando Canedo. Ele disse que
o setor precisa ter previsibilidade
porque envolve investimentos muito
elevados. “Para que não tenhamos
prejuízos, temos que ter a certeza
de que o governo brasileiro vai cumprir o prazo que for acertado com a
Argentina, sejam quatro ou dez 10
dias”, disse Canedo.
“Precisamos que cumpram os
prazos para poder planejar a produção Até o momento, nenhuma
montadora teve que paralisar a
linha de montagem por causa das
LNA brasileiras, mas se isso não for
solucionado até a próxima semana,
algumas linhas serão interrompidas porque já não haverá lugar
para guardar os carros”, alertou
Canedo. Ele comentou ainda que
se os dois governos não se entender,
o mercado brasileiro poderia sofrer
pressões de preços nos carros, já
que alguns modelos vendidos no
país são produzidos pela Argentina.
A japonesa Sony disse que
seu prejuízo líquido aumentou
quase sete vezes no quarto trimestre fiscal, encerrado em março, devido a uma baixa contábil
de US$ 4,4 bilhões em ativos por
impostos diferidos. A companhia
afirmou, porém, que espera voltar ao azul no atual ano fiscal
após três anos consecutivos de
prejuízos líquidos.
O prejuízo líquido da companhia aumentou para 388,8 bilhões ienes (US$ 4,775 bilhões)
no quarto trimestre fiscal, de
56,57 bilhões de ienes no igual
período do ano passado.
Abalo - O cancelamento de
crédito tributário que se traduziu no prejuízo líquido é uma
indicação de como o terremoto
que atingiu o Japão no dia 11 de
março abalou as expectativas da
Sony para um ano fiscal robusto.
Embora o impacto direto do desastre sobre o lucro operacional
da empresa no quarto trimestre
não tenha sido grande, as perspectivas pós-terremoto colocaram a Sony numa posição em
que teve de constituir provisões
no valor de 362,3 bilhões de ie-
nes sobre determinados ativos
por impostos diferidos no seu
quarto trimestre fiscal.
A Sony reportou um prejuízo
operacional de 73,37 bilhões de ienes no quarto trimestre fiscal, ante
o prejuízo operacional de 56,04
bilhões de ienes no mesmo período do ano fiscal anterior. A receita
caiu 7,8%, para 1,581 trilhão de ienes, de 1,715 trilhão de ienes.
Ano cheio - No ano fiscal
cheio, encerrado em março, a
companhia teve prejuízo líquido de 259,59 bilhões de ienes,
ante perda líquida de 40,8 bilhões de ienes no ano fiscal anterior. A receita diminuiu 0,5%,
para 7,181 trilhões de ienes, de
7,214 trilhões de ienes, enquanto o lucro operacional cresceu
mais de seis vezes para 199,82
bilhões de ienes.
Para o atual ano fiscal, que
terminará em março de 2012, a
Sony espera reverter o prejuízo para um lucro líquido de 80
bilhões de ienes. A companhia
também prevê um lucro operacional de 200 bilhões de ienes, e
um crescimento de 4,4% da receita para 7,5 trilhões de ienes.
3(75248Ë0,&$
8QLJHOSODQHMDDEULU
RFDSLWDOQHVWHDQR
O antigo desejo da Unigel, um
dos maiores grupos petroquímicos do País, de abrir capital está
próximo de se concretizar. Após
postergar o cronograma do IPO
(oferta pública inicial de ações,
na sigla em inglês) por diversas
vezes, a última delas por conta da
crise econômica de 2008, a companhia planeja ainda para este
ano o ingresso no mercado de capitais. Segundo o presidente da
Henri Slezynger, existe demanda
para a operação. “Tínhamos que
esperar que os mercados reaquecessem, e hoje acreditamos que
já há receptividade para esse
tipo de lançamento”, destacou.
Com atuação principalmente nos mercados de acrílicos
e estirênicos, a Unigel deverá
encerrar 2011 com faturamento entre US$ 2,3 bilhões e US$
2,4 bilhões, ante aproximadamente US$ 2 bilhões em 2010,
projeta Slezynger.
O salto se dará principalmente devido a uma expansão concluída no final do ano passado
no complexo de Camaçari (BA),
onde estão instaladas algumas
das empresas do grupo, como a
Acrilonitrila do Nordeste (Acrinor) e a Estireno do Nordeste
(EDN). A emprsa é conrolada
pela família Slezynger.
/'($*21d$/9(6$8723(d$6
&13-1ž
(;75$9,2 / '( $ *RQoDOYHV $XWR 3HoDV ,QVFULomR (VWDGXDO Qž
VLWXDGDQD$Y1LOR3HoDQKD&HQWUR1RYD,JXDoX5-
FRPXQLFDRH[WUDYLRGHWDO}HVGH1RWD)LVFDO6pULH'WRGRVXWLOL]DGRV
4
COMERCIAL DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
-8&(5-$ JUNTA
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
P U B L I C A Ç Ã O D E D E S PA C H O S
Despachos de 26 de maio de 2011
Documentos Deferidos
PROC.
111459583
111459605
111930537
111844959
111938228
111938252
110971795
110971868
111943396
111943450
111901340
111901405
111903564
111901650
111773296
111939640
111932173
111932190
111449286
111876591
110466616
111916410
111916470
111930081
111774845
111414385
111925320
111744270
111909341
111909422
111937531
111918839
111923425
111923441
111857503
111857520
111848784
111651565
111926220
111942683
111942748
111381614
111296102
111940222
111940230
111936497
111918448
111847630
111906261
111610400
111915872
111915929
111576091
111922216
111803110
111789427
111932025
111862531
111862558
111850932
111912814
111884101
111858976
111941610
111919843
111923271
111917980
111917999
111907608
111463157
111938287
111640890
111640920
111775752
111899311
111942136
111635829
111882516
111459192
111921899
111789281
111845394
111845319
111845440
111882311
111871204
111915287
111946310
111443571
111931746
111931789
111916348
111916399
111909929
111656095
111921465
111914370
111345200
111909473
111434866
111434882
111924693
111848776
111938562
111941466
111941512
111371392
111795478
111925762
111925142
111812909
111928567
111925568
111935210
111928958
111916011
111916054
111829372
111829399
111906733
111660661
111929229
111615780
111851459
111923778
111923808
111922690
111922712
111801397
111801427
111928826
111918081
111918146
111899060
111444977
111336732
111921147
111931223
111922135
111845920
111929601
111929695
111929768
111929830
111926050
111940036
111132584
EMPRESA
26 MS SERVICOS DE CONSTRUCAO LTDA
26 MS SERVICOS DE CONSTRUCAO LTDA
28 DE AGOSTO EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S/A
A C O S DE MORAES RESTAURANTE E LANCHONETE
A F PARIZ NETO ESTACIONAMENTO
A F PARIZ NETO ESTACIONAMENTO
A F PEREIRA COMERCIO DE ROUPAS E ARTIGOS DO VESTUARIO
A F PEREIRA COMERCIO DE ROUPAS E ARTIGOS DO VESTUARIO
A K BATISTA FARMACIA
A K BATISTA FARMACIA
A L DE OLIVEIRA QUEIROZ COMERCIO DE ARTIGOS RELIGIOSOS
E PET SHOP
A L DE OLIVEIRA QUEIROZ COMERCIO DE ARTIGOS RELIGIOSOS
E PET SHOP
A L PNEUS LTDA ME
A MAIS RECURSOS HUMANOS E SERVICOS TEMPORARIOS
LTDA
A QUIMICA SANTA MARINA S/A
AC & ASSOCIADOS PROJETOS FINANCEIROS S/A
ACADEMIA DE GINASTICA AACM LTDA
ACADEMIA DE GINASTICA AACM LTDA
ACEM ASSESSORIA E CONSULTORIA EM TRANSPORTE LTDA
EPP
ADM ASSESSORIA E CONSULTORIA IMOBILIARIA LTDA
ADMINISTRADORA DE CONSORCIO NACIONAL LIDER LTDA
ADORART CONSERVACAO VIGILANCIA EVENTOS E REFORMAS
LTDA
ADORART CONSERVACAO VIGILANCIA EVENTOS E REFORMAS
LTDA
AES COMMUNICATIONS RIO DE JANEIRO S/A
AGRIMALDO SANT ANNA JUNIOR
AGRISUL AGRICOLA LTDA
AGROFERRAGENS ARCOZELO LTDA ME
AGROPECUARIA PONTE NOVA LTDA
AGUSTINHO FERNANDES DIAS DA SILVA
AGUSTINHO FERNANDES DIAS DA SILVA
AILTON & ANE MOVEIS E MODA INFANTIL LTDA ME
ALADO EQUIPAMENTOS NAUTICOS LTDA ME
ALANCOUTO INFORMATICA LTDA
ALANCOUTO INFORMATICA LTDA
ALF COMERCIO DE PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA
ALF COMERCIO DE PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA
ALICOS PRODUCOES ARTISTICAS E CINEMATOGRAFICAS
LTDA ME
ALINE GUIMARAES ARRUDA
ALLIGHT COMERCIO DE ILUMINACAO E DECORACAO
LTDA EPP
ALR BRINDES LTDA
ALR BRINDES LTDA
ALUISIO NUNES GONCALVES
ALVES & DINIZ SOLUCOES EMPRESARIAIS LTDA
ALVES ABREU TRANSPORTES E SERVICOS LTDA
ALVES ABREU TRANSPORTES E SERVICOS LTDA
AMAI VOS S/A
AMANDA LOUREIRO VIEIRA ATIVIDADES FISICAS E
FISIOTERAPEUTICAS
AMBIPETRO 26 CONSULTORIA EM MEIO AMBIENTE E
PETROLEO LTDA
AMDATA PECAS E SERVICOS DE INFORMATICA LTDA EPP
AMG RIO INVESTIMENTOS LTDA
AMORENINHA CONFECCAO E COMERCIO DE ROUPAS INTIMAS
LTDA
AMORENINHA CONFECCAO E COMERCIO DE ROUPAS INTIMAS
LTDA
ANA CS SERVICOS DE ENTRETENIMENTO LTDA
ANA CS SERVICOS DE ENTRETENIMENTO LTDA
ANA JOAQUINA FIGUEIREDO BARRETO
ANDARBELA COMERCIO DE CALCADOS E BOLSAS LTDA ME
ANDORRA RIO VEICULOS LTDA ME
ANDRE AUGUSTO DE ABREU BAR ME
ANDRE AUGUSTO DE ABREU BAR ME
ANDRE LUIS VALUCHE DE OLIVEIRA
ANDRE VICTOR AGENCIA DE VIAGENS E TURISMO LTDA ME
ANDRESUL COSMETICOS LTDA ME
ANGEL DO BRASIL COMERCIAL DE MANUTENCAO E SERVICOS
PREDIAIS LTDA
ANTONIO DE MORAES SANTANA
ANTONIO JOSE DIAS BAR E MERCEARIA ME
ARAMIS MARTINS
AREA RESTRITA SHOW BAR LTDA
AREA RESTRITA SHOW BAR LTDA
ARIES INVESTIMENTOS IMOBILIARIOS E PARTICIPACOES LTDA
ART 5 ARQUITETURA E PLANEJAMENTO LTDA
ARTE & RELEVO GRAVACOES E METAIS LTDA ME
ARTE TECH INFORMATICA E PAPELARIA LTDA
ARTE TECH INFORMATICA E PAPELARIA LTDA
ARY FREITAS PEREIRA I NET INFORMATICA
ATICO CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA
ATRIO RIO SERVICE CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA
ATS 11 SPORT PROMOCOES E EVENTOS LTDA
AUTO ESCOLA E MOTO ESCOLA ARCO IRIS LTDA
AUTO MECANICA CAMPOS DA PAZ LTDA
AUTO MECANICA KG LTDA
AUTO ONIBUS BRASILIA LTDA
AUTO POSTO LUAR DA PENHA LTDA
AUTO POSTO LUAR DE CAMPO GRANDE LTDA
AUTO POSTO LUAR DE RAMOS LTDA
BABYS JANE MARIA COMERCIO E INDUSTRIA DE CONFECCOES
LTDA ME
BAIOCA 22 PRODUCOES ARTISTICAS LTDA ME
BAR E LANCHONETE LAZER DA PAVUNA LTDA ME
BAR E MERCEARIA JERUSA LTDA ME
BAR VEGA S DE PIABETA LTDA
BARBARA MONTEIRO VERGARA
BARBARA MONTEIRO VERGARA
BARRAENG INCORPORADORA LTDA
BARRAENG INCORPORADORA LTDA
BASTIDORES COMERCIO E SERVICOS DE MATERIAIS
ELETRICOS LTDA ME
BAZAR E MATERIAIS DE CONSTRUCAO NOVA OPCAO DE
ARARUAMA LTDA ME
BAZAR TRIANON LTDA
BECK & BECK EQUIPAMENTOS DE INFORMATICA LTDA ME
BEL E BE CONFECCOES LTDA
BERRO D’AGUA ACESSORIOS DA MODA LTDA ME
BIJU CHARMOSA CAXIAS BIJOUTERIAS E BAZAR LTDA
BIJU CHARMOSA CAXIAS BIJOUTERIAS E BAZAR LTDA
BLUBEL CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA ME
BOLT ENERGIAS S A
BONATO E DE SORDI ACABAMENTOS GRAFICOS LTDA ME
BOOM OFERTAS INTERMEDIACAO DE NEGOCIOS WEB LTDA
BOOM OFERTAS INTERMEDIACAO DE NEGOCIOS WEB LTDA
BOTEQUIM CENA CARIOCA LTDA ME
BRADESCO SEGUROS S/A
BRAECO LTDA ME
BRASIL LIXO ZERO LTDA ME
BRASIL SANEAMENTO S/A
BRASILCAP CAPITALIZACAO S/A
BRASLISPORT LTDA ME
BRASQUIMICA TRANSPORTES RODOVIARIOS LTDA
BRG 13 DISTRIBUIDORA DE GENEROS ALIMENTICIOS LTDA
EPP
BRISA TM 30 COMERCIO DE ROUPAS LTDA
BRISA TM 30 COMERCIO DE ROUPAS LTDA
BRITO VIEIRA COMERCIO E ENTREPOSTO DE CARNES E
DERIVADOS LTDA
BRITO VIEIRA COMERCIO E ENTREPOSTO DE CARNES E
DERIVADOS LTDA
BRUNA PEREIRA FERREIRA ME
BRUNO CLEBER ROBERTO DOS SANTOS
BSM ENGENHARIA S/A
BUSSOLA TOUR AGENCIA DE VIAGENS E TURISMO LTDA ME
C ANTUNES VIEIRA AVIARIO ME
C D DAS S PEREIRA MATERIAL DE CONSTRUCAO
C D DAS S PEREIRA MATERIAL DE CONSTRUCAO
C R DE AGOSTINHO BOLSAS E ACESSORIOS
C R DE AGOSTINHO BOLSAS E ACESSORIOS
C R TEIXEIRA REPARACAO E MANUNTENCAO DE EQUIPAMENTOS
ELETRICOS
C R TEIXEIRA REPARACAO E MANUTENCAO DE EQUIPAMENTOS
ELETRICOS
C S DA SILVA COMERCIO VAREJISTA DE BICICLETAS ME
CABOSUB SOLUCOES SUBAQUATICAS LTDA
CABOSUB SOLUCOES SUBAQUATICAS LTDA
CACAROLA CARIOCA REFEICOES LTDA
CAFE E BAR DILO LTDA ME
CAFE E BAR NOVA ABAETE LTDA ME
CAFE E BAR PIRUTUBA LTDA ME
CAFE SOLUVEL BRASILIA S/A
CALCADAO MODA RIO LTDA ME
CAMARAT COMERCIO DE ROUPAS LTDA ME
CAMARGO CORREA OLEO E GAS S A
CAMARGO CORREA OLEO E GAS S A
CAMARGO CORREA OLEO E GAS S A
CAMARGO CORREA OLEO E GAS S A
CAPAZ NETWORK TELEINFORMATICA LTDA ME
CAPROCK HOLDINGS DO BRASIL PARTICIPACOES LTDA
CAPTAR COOPER COOPERATIVA DE MULTISERVICOS
PROFISSIONAIS
111922844
111932998
111933005
111899613
111942861
111894131
111894204
111810280
111810345
111931851
111914078
111914132
111598532
111798809
111916704
111943442
111938864
111929059
111919177
111924766
111924804
111929199
111845939
111651760
111651808
111866324
111662893
111662923
111419263
111918847
111935350
111752574
111914124
111858127
111924332
111920647
111894360
111923476
111930820
111907683
111632420
111927188
111934575
111918260
111849209
111846200
110903242
111194083
111586674
111899133
111833817
111929563
111943957
111943990
111775043
111233739
111832179
111922836
111922887
110670264
111877865
111927803
111927897
111924618
111806887
111798990
111651930
111941350
111794285
111920043
111920060
111758947
111759056
111914973
111915015
111851220
111929547
111929440
111929016
111801702
111938732
111930049
110841840
111925347
111597200
111597226
111930766
111929849
111928931
111743648
111923530
111922658
111231418
111887585
111913870
111792460
111792606
111792690
111929024
111932971
111929385
111946190
111946379
111648106
111930111
111904366
111925517
111925584
111926084
111144094
111887089
111660696
111915740
111890845
111923760
111942926
111943019
111655846
111804957
111804973
111785278
111929237
111905389
111929326
111942691
111805120
111805236
111934982
111944570
111922810
111922127
111573947
111906660
111811775
111883261
111916976
111916984
111636639
111636647
111938627
111938643
111926807
111926939
111925266
111923786
111901154
CARMEN LUCIA TORVERCILLAS
CARTA REGIONAL EDITORA LTDA
CARTA REGIONAL EDITORA LTDA
CARVAO E LENHA COMERCIO LTDA EPP
CARVAO PEDRA NEGRA E TRANSPORTE LTDA ME
CAS METALURGICA COMERCIO E SERVICOS LTDA
CAS METALURGICA COMERCIO E SERVICOS LTDA
CASA NOVA ARMAZEM DE MOVEIS LTDA
CASA NOVA ARMAZEM DE MOVEIS LTDA
CASUAL DE TERESOPOLIS MODAS LTDA ME
CATIA PETTERLE CAMPOS
CATIA PETTERLE CAMPOS
CEEP PILATES CENTRO DE ESTUDOS ESPECIALIZADO EM
PILATES LTDA ME
CENTRO DE REPARO AUTOMOTIVO GADU LTDA
CENTRO DE REPARO AUTOMOTIVO GADU LTDA
CENTRO MEDICO DIAGNOSTICO SAO VICENTE LTDA
CENTRO TERAPEUTICO PRO VIDA LTDA ME
CEREALISTA NUTRIOVOS LTDA ME
CERQUEIRA DE LIMA TRANSPORTE TURISMO E VIAGENS
LTDA ME
CESAR ROMERO STANISCE DUTRA TERRAPLENAGEM
CESAR ROMERO STANISCE DUTRA TERRAPLENAGEM
CHAMI EMPREENDIMENTOS S/A
CICA REPRESENTACAO COMERCIAL LTDA ME
CINCO CORES COMERCIO E DISTRIBUICAO DE ARTIGOS DE
PAPELARIA E INFORMATICA LTDA
CINCO CORES COMERCIO E DISTRIBUICAO DE ARTIGOS DE
PAPELARIA E INFORMATICA LTDA
CIRCULO DO CONSUMIDOR MARKETING DE RELACIONAMENTO
LTDA
CLAUDIA DOS SANTOS
CLAUDIA DOS SANTOS
CLAUDIO JOSE GARCIA
CLEBER TADEU CARNEIRO
CLIO LIVRARIA COMERCIAL LTDA
COBREL MAQUIP REPRESENTACOES E CONSULTORIA LTDA
CODERP DE ITATIAIA COMERCIO DE DERIVADOS DE PETROLEO
LTDA
COI CLINICAS ONCOLOGICAS INTEGRADAS S A
COMANDO DIESEL TRANSPORTE E LOGISTICA LTDA
COMERCIAL DE ROUPAS TIO E SOBRINHO LTDA ME
COMERCIAL GAS BANGUENSE LTDA
COMERCIO DE DOCES E TORTAS SANTA EDWIGES LTDA EPP
COMERCIO ELETRONICO FACIL LTDA
COMODO BRASIL TECNOLOGIA LTDA
COMPANHIA BRASILEIRA DE AMARRAS BRASILAMARRAS
COMPANHIA BRASILEIRA DE AMARRAS BRASILAMARRAS
COMPANHIA MUNICIPAL DE ADMINISTRACAO PORTUARIA
COMAP
COMPLETA COMERCIO E SERVICOS GRAFICOS LTDA ME
COMPLEXAO CONSULTORIA E ASSESSORIA LTDA
CONCEITO PAISAGISMO LTDA
CONECTACOM COMERCIO E SERVICOS EM INFORMATICA
LTDA ME
CONFECCOES A BRANCO LTDA EPP
CONSORCIO ARARIBOIA
CONSORCIO PEDRO II
CONSORCIO SPORT EXTRA TIME REVOLUTION BROADCAST
CONSORTIUM
CONSTRUCAO E MINERACAO SERRA E MAR LTDA
CONSTRUFER FERRAGENS LTDA
CONSTRUFER FERRAGENS LTDA
CONSTRUTORA INCORPORADORA E ADMINISTRADORA LUSO
DE TERESOPOLIS LTDA
CONSULDENT SERVICOS CONSULTORIA E TREINAMENTOS
LTDA
CONTROLLATO MONITORACAO E CONTROLE DE VIBRACOES
EM ESTRUTURAS LTDA
COOPER BENE COOPERATIVA DE TRANSPORTES DE PASSAGEIRO
FRETAMENTO E TURISMO LTDA
COOPER BENE COOPERATIVA DE TRANSPORTES DE PASSAGEIRO
FRETAMENTO E TURISMO LTDA
COOPERATIVA HABITACIONAL DOS FUNCIONARIOS EXFUNCIONARIOS E APOSENTADOS DO BANCO DO ESTADO DO
RJ S/A, BANCO BANERJ S/A E BANCO ITAU S/A COHAFABAN
CORREIA GUEDES DISTRIBUIDORA DE TABACO LTDA
COSTA & CALADO EMPREITEIRA LTDA
COSTA & CALADO EMPREITEIRA LTDA
CRISTALGELO INDUSTRIA E COMERCIO DE GELO E BEBIDAS
LTDA ME
CRISTIANE THOMPSON MALIZIA ME
CROWLEY MARINE SERVICES DO BRASIL LTDA
CSS COMERCIAL SAO SEBASTIAO LTDA
CURI CREDITOS S/A
CYBERNETIX PRODUTOS E SERVICOS DO BRASIL LTDA
D DAMIAO NOBREGA CALCADOS
D DAMIAO NOBREGA CALCADOS
D G DA VITORIA ARTESANATOS E BAZAR
D G DA VITORIA ARTESANATOS E BAZAR
D G V VALADARES COMERCIO DE VARIEDADES
D G V VALADARES COMERCIO DE VARIEDADES
D MORAES COMERCIO E SERVICOS DE INFORMATICA
LTDA ME
DAL COMERCIO DE MOVEIS ELETRODOMESTICOS E ARTIGOS
DE DECORACOES LTDA
DAL COMERCIO DE MOVEIS ELETRODOMESTICOS E ARTIGOS
DE DECORACOES LTDA
DANIELE SANTOS VIEIRA
DANILA VALENTE SANGLAR SOBREIRA
DAVID PEREZ GIL NUNES
DAYMARFE MODAS E ARTIGOS DO VESTUARIO LTDA ME
DELICIAS ARABES RESTAURANTE LTDA
DELICIAS DO CACHAMBI LANCHES LTDA ME
DELTA 2000 ARQUITETURA E SERVICOS LTDA
DELTA 2000 ARQUITETURA E SERVICOS LTDA
DENTAL NITEROI LTDA ME
DEPILLAY INSTITUTO DE ESTETICA LTDA ME
DEPOSITO DE PAPEL VAZ DE CAMINHA LTDA ME
DESOTEC COMERCIO E INDUSTRIA DE EQUIPAMENTOS
ELETRONICOS LTDA EPP
DI GIACOMO ENGENHEIROS ASSOCIADOS LTDA
DICAO RACOES LTDA ME
DICOM 2003 DISTRIBUIDORA E COMERCIO DE COMESTIVEIS
LTDA ME
DIGIPROM PRODUCOES ARTISTICAS LTDA
DIGITAL CELL LTDA ME
DILAND DO BRASIL COMERCIO EXTERIOR LTDA
DILAND DO BRASIL COMERCIO EXTERIOR LTDA
DILAND DO BRASIL COMERCIO EXTERIOR LTDA
DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS PARA MERCEARIA PAVILHAO
C LTDA ME
DOCTOR NORTE LTDA ME
DOMUS COMPANHIA HIPOTECARIA
DROGARIA MUNDIAL LTDA
DROGARIA MUNDIAL LTDA
DROGARIA MURIDROGAS DO FONSECA LTDA
DROGARIAS PACHECO S/A
E DOS ANJOS VIANA & CIA LTDA ME
E F R CARDOSO FACCAO
E F R CARDOSO FACCAO
E S MOULIN PROMOCOES E EVENTOS ME
ECLESIASTES PROMOCOES E MARKETING LTDA ME
EDICOES CARTAZ POST LTDA
EDILSON MENDES DE SOUSA
EDMUNDO JOSE BATISTA
EFEITO ARQUITETURA E DESIGN INTERIOR LTDA
ELEMENTOS DA TERRA COMERCIO DE MOVEIS CAMA MESA
E EXPORTACAO LTDA
ELIAH EXPRESS SERVICOS DE MOTOBOY LTDA
ELIAH EXPRESS SERVICOS DE MOTOBOY LTDA
ELOHIM ESTUDIO GRAFICO LTDA ME
EMILIO CONSTRUCOES E SERVICOS LTDA
EMILIO CONSTRUCOES E SERVICOS LTDA
EMPREITEIRA MANDRAK SAW AND VENTURE LTDA
EMPRESA AUTO VIACAO JUREMA S/A
EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS
EMPRESA DE TRANSPORTES LIMOUSINE CARIOCA S/A
ENGENEW ENGENHARIA LTDA
ENGENHO BAZAR E COMERCIO DE RACOES LTDA
ENGENHO BAZAR E COMERCIO DE RACOES LTDA
ENGEVIG COMERCIO E SERVICOS LTDA ME
ENGLER DESIGN CONSTRUCOES PROJETOS PUBLICIDADE E
MARKETING LTDA ME
EQUILIBRIO DO CORPO FISIOTERAPIA ACUPUNTURA E
ESTETICA LTDA
EQUIPAMENTOS ELETRONICOS RIO CRAFT COMERCIO LTDA
EQUIPE INVESTIMENTOS LTDA
ESCAPE SOLUTIONS CONSULTORIA E REPRESENTACAO
COMERCIAL LTDA
ESCOL@ 24 HORAS S/A
ESCOMEX TRANSPORTE E LOGISTICA INTEGRADA LTDA
ESTRELAS BELEZA E ESTETICA LTDA
ESTRELAS BELEZA E ESTETICA LTDA
EXPRESSO L M L LTDA
EXPRESSO L M L LTDA
F G SILVA COMERCIO DE MARMORES
F G SILVA COMERCIO DE MARMORES
F J RAMON
F J RAMON
FARIANA’S COMERCIAL LTDA ME
FARINHA PROF RESTAURANTE E PIZZARIA LTDA ME
FARMACIA FARMA PORTO LTDA
111901278
111944678
111913730
111931207
111249643
111936373
111904226
111904234
111757061
111757118
111906270
111413206
111054885
111906814
111939887
111079861
111868254
111868297
111834740
111473837
111923433
111921244
111941180
111941202
111844096
111902819
111318955
111943620
111943523
111874289
110942710
111861934
111925371
111928710
111303036
111892562
111924308
111611288
111899222
111419450
111591589
111886732
111660742
111900271
111845335
111845360
111926637
111877075
111877091
111742544
111882095
111900697
111921252
111917263
111917107
111917158
111917239
111917204
111917085
111931258
111929121
111929091
111640504
111895820
111942810
111931827
111370302
111918235
111895634
111899966
111753651
111661021
111661048
111915210
111939275
111761930
111894301
111775965
111229960
111901006
111750598
111803322
111923409
111923484
111934117
111902940
111929989
111935059
111935130
111773121
111773156
111773342
111933919
111936586
111936624
111927994
111928087
111931380
111935148
111894280
111762103
111762138
111793114
111793130
111741955
111912490
111912520
111929113
111929202
111921139
111929334
111929300
111926890
111926963
111907900
111930286
111930308
111947219
111921732
111915686
111905486
111924570
111924626
111918120
111918154
111796873
111932211
111918677
111906881
111907616
111926440
111880408
111880467
111893089
111793645
111759110
111925355
111640059
111640075
111932483
111932513
111932572
111913047
111941628
111438390
111438420
111848903
111922747
FARMACIA FARMA PORTO LTDA
FARMACIA LITORANEA DE RIO DAS OSTRAS LTDA ME
FAYNER COMERCIO E SERVICOS LTDA EPP
FAZENDINHA SERVICOS DE EVENTOS LTDA ME
FEDERAL DE SEGUROS S/A
FERROVIA CENTRO ATLANTICA S/A
FIGUEIREDO GOMES DROGARIA E PERFUMARIA LTDA
FIGUEIREDO GOMES DROGARIA E PERFUMARIA LTDA
FILADELFIA COMERCIO DE PRODUTOS ALIMENTICIOS
LTDA
FILADELFIA COMERCIO DE PRODUTOS ALIMENTICIOS
LTDA
FKJ TRANSPORTE E TURISMO LTDA ME
FLOREAR FLORES 2009 LTDA
FMC PORTFOLIO PARTICIPACOES LTDA
FRANCISCO EVANILDO RIBEIRO DE SOUSA
G M N EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA
GAMA DIAGNOSTICOS E CONSULTORIA LTDA
GAMA RABELLO COMERCIO DE BIJUTERIAS E ACESSORIOS
LTDA
GAMA RABELLO COMERCIO DE BIJUTERIAS E ACESSORIOS
LTDA
GAS PEDRA REVENDEDORA DE GAS LTDA ME
GEMINAS PECAS E AUTO ELETRICA LTDA
GENESIS COMERCIO IMPORTACAO E EXPORTACAO DE
PRODUTOS MANUFATURADOS LTDA
GEODATA SERVICOS OFFSHORE S A
GHT SOLUCOES EM TI LTDA
GHT SOLUCOES EM TI LTDA
GIC 482 TREINAMENTO E CONSULTORIA EMPRESARIAL
LTDA
GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL DE SAUDE
LTDA
GORDIAN BIOENERGIA SERVICOS DO BRASIL LTDA
GOTTISCHALK REVENDEDORA DE GAS LIQUEFEITO DE
PETROLEO LTDA
GOTTSCHALK REVENDEDORA DE GAS LIQUEFEITO DE
PETROLEO LTDA
GRAFICA VEIGA SOARES LTDA ME
GRANEIRO GONCALVES E FARIA GONCALVES LTDA ME
GREEN TEA COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA
GULF CAPITAL PARTNERS SOCIEDADE DE ADMINISTRACAO
E PARTICIPACOES S/A
H M C L PINHEIRO REPARACAO E MANUTENCAO ELETRICA ME
HALLIBURTON SERVICOS LTDA
HARBIN COMPANHIA SECURITIZADORA DE CREDITOS
FINANCEIROS
HARRIET JOLANDA OOSTERHUIS CIRILO DA SILVA ME
HAZTEC INVESTIMENTOS E PARTICIPACOES S/A
HAZTEC TECNOLOGIA E PLANEJAMENTO AMBIENTAL S/A
HELIBARRA TAXI AEREO LTDA
HELIX DO BRASIL SERVICOS DE PETROLEO LTDA
HERLAU ATACADISTA DE PRODUTOS HOSPITALARES LTDA
HILARIO PINHEIRO DE SOUZA
HOME SWEET HOME PLANEJAMENTO CONSTRUCAO E
INCORPORACAO LTDA
HORTIFRUTTI FIQUE COMERCIO LTDA
HORTIFRUTTI FIQUE COMERCIO LTDA
HOTEL JOSEMAR LTDA ME
I DE MATOS PADARIA E CONFEITARIA
I DE MATOS PADARIA E CONFEITARIA
I DOS SANTOS ACADEMIA DE GINASTICA ME
I LOPES DE MESQUITA MELLO COMERCIO SERVICOS E
REPRESENTACOES ME
I M MENDONCA AZEVEDO
IBENAC EDUCACIONAL E COMERCIAL LTDA
IBERDROLA CONSTRUCAO E SERVICOS LTDA
IBERDROLA CONSTRUCAO E SERVICOS LTDA
IBERDROLA CONSULTORIA E SERVICOS DO BRASIL LTDA
IBERDROLA CONSULTORIA E SERVICOS DO BRASIL LTDA
IBERDROLA ENERGIA DO BRASIL LTDA
IBERDROLA ENERGIA DO BRASIL LTDA
IBV BRASIL PETROLEO LIMITADA
ICZ INFORMATICA LTDA
ICZ INFORMATICA LTDA
IDEAH INSTITUTO DE DIFUSAO ESTUDO E APLICACAO
HOLISTICA LTDA
IGUACUANA RETIFICA DE MOTORES LTDA EPP
IMPROVISO LANCHES LTDA ME
INBRANDS GESTORA DE MARCAS S/A
INCAS TRAVEL BRASIL AGENCIA DE VIAGENS E TURISMO
LTDA ME
INFOBITES DE CABO FRIO SUPRIMENTOS DE INFORMATICA
LTDA ME
INOVARA CONSULTORIA E ASSESSORIA LTDA
INSTALADORA NACIONAL S/A
INTERSUD REPRESENTACOES LTDA
IPMAR RESPONSABILIDADE SOCIO AMBIENTAL E CONSULTORIA
LTDA
IPMAR RESPONSABILIDADE SOCIO AMBIENTAL E CONSULTORIA
LTDA
IPOSEIRA CAPITAL LTDA
ISAIRES A G SALVADOR SERVICOS DE CONSTRUCAO ME
ISOLUX PROJETOS E INSTALACOES LTDA
ITAE COMERCIO DE VEICULOS LTDA ME
IVERSON DE ARAUJO MARTINS ME
J A MAZZILLO & CIA LTDA
J B FARMA FARMACIA LTDA ME
J B S DO LAR VIDRACARIA LTDA ME
J BATISTA VARJOLO ME
J C F DE OLIVEIRA VIDROS E FERRAGENS
J C F DE OLIVEIRA VIDROS E FERRAGENS
J DO VALE FILHO POUSADA ME
J E AUNE SUPRIMENTOS PARA ESCRITORIOS E INFORMATICA
J J NEW TELECOM LTDA ME
J L COMERCIO DE ARTIGOS USADOS LTDA
J L COMERCIO DE ARTIGOS USADOS LTDA
J L LABORATORIO PROTETICO DENTARIO LTDA
J L LABORATORIO PROTETICO DENTARIO LTDA
J M F COMERCIO DE ROUPAS LTDA
J R F W SERVICOS DE HIDROJATIAMENTO LTDA ME
J T REISDERFER RESTAURANTE
J T REISDERFER RESTAURANTE
J. SANTOS VIEIRA BAZAR E PAPELARIA
J. SANTOS VIEIRA BAZAR E PAPELARIA
JAPHER ENGENHARIA LTDA
JEFFERSON DA SILVA E SILVA
JERUSALEM DESINSETIZADORA REFRIGERACAO E SERVICOS
LTDA ME
JETE SETE CONFECCOES E ACESSORIOS LTDA
JETE SETE CONFECCOES E ACESSORIOS LTDA
JFM EMPREENDIMENTOS LTDA
JFM EMPREENDIMENTOS LTDA
JFT E FILHOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA
JNS RIO DIESEL LTDA
JNS RIO DIESEL LTDA
JOAL COMERCIO DE MOVEIS ELETRODOMESTICOS E ARTIGOS
DE DECORACOES LTDA
JOAL COMERCIO DE MOVEIS ELETRODOMESTICOS E ARTIGOS
DE DECORACOES LTDA
JOAO DA SILVA COMERCIO DE BEBIDAS ME
JOAO DE BARRO CONSTRUCOES LTDA
JOAO DE BARRO CONSTRUCOES LTDA
JOAO ELIAS DE OLIVEIRA PADUA
JOAO ELIAS DE OLIVEIRA PADUA
JOSE FERNANDES SANT’ANNA ME
JOSE RENATO SILVA MINIMERCADO
JOSE RENATO SILVA MINIMERCADO
JOTAHA DISTRIBUIDORA E REPRESENTACAO DE ALIMENTOS
AURORA LTDA
JSA INDUSTRIA DE FACAS DE PRECISAO LTDA
JULIANA MARTINS G PINHO COMERCIO DE ROUPAS E
ACESSORIOS DO VESTUARIO ME
JULIO CESAR MARTINIANO DA SILVA
K O MARTINS
K O MARTINS
K&K TECNOLOGIAS INDUSTRIAIS S/A
K&K TECNOLOGIAS INDUSTRIAIS S/A
KADETT TRANSPORTES E LOGISTICOS LTDA ME
KAKO DE TERESOPOLIS EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS
LTDA
KARANGO’S DE CAXIAS AUTOMOVEIS LTDA ME
KF ADMINISTRACAO DE EMPRESAS LTDA
KF ADMINISTRACAO DE EMPRESAS LTDA
KITANGO BRASIL COMUNICACAO E MARKETING LTDA
KJS CONSTRUCOES LTDA
KJS CONSTRUCOES LTDA
KL SOLUCOES COMERCIO E REPRESENTACAO LTDA
L E ALVES MACHADO POCOS ARTESIANOS
L R FAST FOOD RESTAURANTE LTDA ME
L S R COMERCIO DE VEICULOS LTDA ME
LA MAQUINISTA VALENCIANA BRASIL LTDA
LA MAQUINISTA VALENCIANA BRASIL LTDA
LA MAQUINISTA VALENCIANA BRASIL LTDA
LA MAQUINISTA VALENCIANA BRASIL LTDA
LA MAQUINISTA VALENCIANA BRASIL LTDA
LA TORTUGA POUSADA E RESTAURANTE LTDA ME
LABORATORIO DE ANALISES CLINICAS CASIMIRO DE ABREU
LTDA ME
LACLAU EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA
LACLAU EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA
LAKSMI PRODUCOES ARTISTICAS LTDA
LANCHE MAIS CAFETERIA E LANCHONETE LTDA
COMERCIAL DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
-8&(5-$ JUNTA
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
5
P U B L I C A Ç Ã O D E D E S PA C H O S
111922763
111781531
111852293
111927625
111811759
111912849
111754704
111924545
111928036
111866375
111866448
111899745
111655544
111829410
111829437
111926076
111850711
111637287
111927099
111793149
111940060
111922585
111943337
111900158
111849233
111928966
111774284
111864160
111780942
111780985
111902533
111899982
111923611
111924162
111924219
111424607
111926416
111926629
111891914
111891949
111848504
111848547
111911435
111777704
111899648
111927030
111932092
111932157
111934338
111924375
111851670
111851807
111916380
111750580
111861730
111935954
111936446
111915473
111591082
111660718
111947340
111927064
111936659
111922054
111922089
111813760
111617022
111617235
111667445
111913292
111945950
111930782
111591562
111943817
111943850
111887593
111887518
111887500
111916100
111887623
111929270
111900735
111907659
111907667
111930642
111884233
111883709
111883857
111884080
111883776
111919088
111919142
111940443
111940478
111924383
111827582
111664829
111664896
111907713
111352100
111922437
111615909
111850860
111850975
111905168
111905184
111126967
111926920
111938619
111899680
111899710
111573670
111654262
111657881
111657903
111929938
111886465
111922623
111893585
111931754
111925215
111935245
111935296
111935326
111935377
111935407
111861942
111861888
111862108
111861829
111862256
111920230
111941601
111941652
111744342
111772257
111930898
111938899
111887747
111887763
111923450
111918642
111887720
111838789
111595444
111758220
111353424
111385415
111428718
111086825
111253705
101100221
101266030
110672810
110864034
LANCHE MAIS CAFETERIA E LANCHONETE LTDA
LANFER EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS E PARTICIPACOES
LTDA
LAPA 40 GRAUS SINUCA E GAFIEIRA LTDA ME
LAR PARTICIPACOES S A
LCPIRES CONSULTORIA E PROJETOS LTDA
LEADERBYTE PRODUTOS DE INFORMATICA LTDA ME
LECCA GESTAO DE RECURSOS LTDA
LEONARDO CARLOS DE SOUZA ME
LEONARDO DE ARAUJO DOS SANTOS
LEONARDO DE MELLO MAGALHAES
LEONARDO DE MELLO MAGALHAES
LEONARDO DOS GUIMARAES BITTENCOURT PRODUCOES
FOTOGRAFICAS E AUDIVISUAIS
LIDER TRANSPORTE TERRESTRE E RECICLAGEM LTDA
LIMA CARVALHO COMERCIAL DE ALIMENTOS LTDA
LIMA CARVALHO COMERCIAL DE ALIMENTOS LTDA
LIMPADORA E CONSERVADORA TURBILHAO LTDA
LIMPATUDO COMERCIO ATACADISTA DE MATERIAL DE LIMPEZA
E DESCARTAVEIS EM GERAL LTDA
LIMPEX COMERCIO E SERVICOS DE LOCACAO E REFORMAS
LTDA ME
LINEAR RIO COMERCIO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANCA
ELETRONICA LTDA ME
LLX LOGISTICA S/A
LOG PRIME GESTAO E LOGISTICA LTDA
LOPES DE ABREU CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA
LORELU BAR E LANCHONETE LTDA ME
LORENZY COMERCIO DE ROUPAS LTDA EPP
LTD´S ENGENHARIA LTDA
LU & FA BAR E LANCHONETE LTDA ME
LU STAR LOCADORA DE FITAS DE VIDEO LTDA ME
LUCIA F MACHADO R ALMEIDA RECURSOS HUMANOS
LUCIANO DOS SANTOS SILVA COMERCIO ATACADISTA E
VAREJISTA DE MATERIAL EVANGELICO
LUCIANO DOS SANTOS SILVA COMERCIO ATACADISTA E
VAREJISTA DE MATERIAL EVANGELICO
LUDI SELOS COMERCIO E REPRESENTACOES LTDA ME
LUIZ EDUARDO DO N FERREIRA RESTAURANTE ME
LUIZ GOMES DA SILVA
LUMYX REPRESENTACOES E SERVICOS LTDA
LUMYX REPRESENTACOES E SERVICOS LTDA
LUNO TECNOLOGIA DE INFORMACAO LTDA
M J OLIVEIRA CARVALHO
M J OLIVEIRA CARVALHO
M LEUNIZA ROCHA AROUCA
M LEUNIZA ROCHA AROUCA
M M MOREIRA SERVICOS DE MANUTENCAO E INFORMATICA
LTDA
M M MOREIRA SERVICOS DE MANUTENCAO E INFORMATICA
LTDA
M P SACOLAO LTDA ME
M R 2004 CONSULTORIA LTDA
M&G AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTO LTDA
M. PAULA SUPERMERCADO LTDA ME
MA FERROLA RESTAURANTE E LANCHONETE LTDA
MA FERROLA RESTAURANTE E LANCHONETE LTDA
MACHADO E REIS SERVICOS DE PREPARACAO DE DOCUMENTOS
LTDA ME
MADRID COMERCIO DE PRODUTOS MEDICOS E HOSPITALARES
LTDA
MAIS SAUDE FARMA LTDA
MAIS SAUDE FARMA LTDA
MALUREAN TRANSPORTES LTDA EPP
MANOELE CARLA DA ROSA FONSECA
MAQUILA ROUPAS LTDA
MARCELO DE SOUZA ALVES
MARCENARIA E CARPINTARIA NRPC LTDA ME
MARCO AURELIO KLEN
MARCO AURELIO KLEN
MARCOS ROBERTO DE SOUSA
MARE TRANSPORTES E LOCACOES LTDA
MARIA APARECIDA DE PAULA
MARIA APARECIDA RODRIGUES
MARIA DO SOCORRO FLORENCIO FACCAO DE ROUPAS
MARIA DO SOCORRO FLORENCIO FACCAO DE ROUPAS
MARINE CYBERNETICS DO BRASIL SERVICOS DE TESTE LTDA
MARINE CYBERNETICS DO BRASIL SERVICOS DE TESTE LTDA
MARINE CYBERNETICS DO BRASIL SERVICOS DE TESTE LTDA
MARINETE FARIA MATEUS
MARINO DE OLIVEIRA LANCHONETE ME
MARIZA DA SILVA CABELEREIRA ME
MARKA PROMOCAO E DIVULGACAO PARA HOTEIS E RESTAURANTES
LTDA ME
MARKING SERVICES IDENTIFICACAO DO BRASIL LTDA
MARTINELLI TELECOMUNICACOES E SERVICOS LTDA
MARTINELLI TELECOMUNICACOES E SERVICOS LTDA
MATCH SERVICOS DE EVENTOS LTDA
MATCH SERVICOS DE EVENTOS LTDA
MAX AGP COMUNICACOES LTDA
MAXX PACK INDUSTRIA E COMERCIO DE PLASTICO LTDA
MDRJ 35 EMPREENDIMENTOS E PARTICIPACOES LTDA
ME CHRISTOVAM CONFECCOES LTDA ME
MELLO CANELLA -SERVICOS E MANUTENCAO DE JOGOS
ELETRONICOS LTDA ME
MENEZES E ALMEIDA CONSTRUTORA LTDA
MENEZES E ALMEIDA CONSTRUTORA LTDA
MERCADO DEUS E FIEL DO BABI LTDA ME
MERCADO E PADARIA CAPIM GROSSO LTDA ME
MERCADO E PADARIA GILCEMA LTDA ME
MERCADO E PADARIA JACOBINA LTDA ME
MERCADO E PADARIA QUINHO LTDA ME
MERCADO E PADARIA XANDINHO LTDA ME
MERCEARIA IBITIGUACU LTDA
MERCEARIA IBITIGUACU LTDA
MERCEARIA KI BARATO LTDA
MERCEARIA KI BARATO LTDA
MERCEARIA NOVA CINTRA LTDA EPP
MERISA S/A ENGENHARIA E PLANEJAMENTO
METALURGICA PROACO LTDA EPP
METALURGICA PROACO LTDA EPP
METTA UP SERVICOS GERAIS LTDA
METTA UP SERVICOS GERAIS LTDA
MICHEL DE SOUZA KOURI
MICHELE FREITAS DE CASTRO
MIDE WAI LANCHONETE LTDA
MIDE WAI LANCHONETE LTDA
MILTON DA COSTA SIMOES
MILTON DA COSTA SIMOES
MINA MENINA COMERCIO E CONFECCOES DE ROUPAS DE
FRIBURGO LTDA ME
MISA RESTAURANTE E LANCHONETE LTDA ME
MISEL ENGENHARIA LTDA
MISSAO SERVICOS TECNOLOGICOS LTDA ME
MISSAO SERVICOS TECNOLOGICOS LTDA ME
MISSISSIPI EMPREENDIMENTOS LTDA
MISSISSIPI EMPREENDIMENTOS LTDA
MMS COMERCIO DE GAS LTDA
MMS COMERCIO DE GAS LTDA
MODEC SERVICOS DE PETROLEO DO BRASIL LTDA
MOISES DE OLIVEIRA
MOLDES DE ROUPAS ROBERTO MARQUES LTDA
MONIQUE SANTOS PEREIRA CRESPO
MONTE CRISTALINA LTDA
MOREIRA COMERCIO DE RECICLAGEM LTDA ME
MRS LOGISTICA S/A
MRS LOGISTICA S/A
MRS LOGISTICA S/A
MRS LOGISTICA S/A
MRS LOGISTICA S/A
MRV MRL XXIX INCORPORACOES SPE LTDA
MRV MRL XXVIII INCORPORACOES SPE LTDA
MRV MRL XXX INCORPORACOES SPE LTDA
MRV MRL XXXIV INCORPORACOES SPE LTDA
MRV MRL XXXIX INCORPORACOES SPE LTDA
MSA EMPRESA CINEMATOGRAFICA LTDA
MT OFFICE COMERCIO DE FERRAGENS E MATERIAIS DE
CONSTRUCAO LTDA
MT OFFICE COMERCIO DE FERRAGENS E MATERIAIS DE
CONSTRUCAO LTDA
MULTIPLIC LTDA
N C MACABU MERCEARIA E BAR ME
N I F EMPREITEIRA DE OBRAS LTDA
NAYARA MARQUES LOMIENTO PRESENTES ME
NCS NUTRICAO E COMERCIO DE ALIMENTACAO LTDA
NCS NUTRICAO E COMERCIO DE ALIMENTACAO LTDA
ND DE CAXIAS LOGISTICA EM TRANSPORTES E GESTAO DE
NEGOCIOS LTDA ME
NETURS TRANSPORTES E TURISMO LTDA
NEVADA MARMORES E GRANITOS LTDA EPP
NFEMAIL TECNOLOGIA LTDA
NORDEN TANKERS & BULKERS SERVICOS MARITIMOS DO
BRASIL LTDA
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
NORMA MARIA MACHADO
110889754
111917140
111917212
111917255
111936071
111884535
111936144
111890020
111743222
111831164
111912458
111921171
111921180
111836778
111836867
111929105
111898986
111940028
111940044
111649277
111923344
111923379
111920760
111938392
111938538
111937221
111906768
111918502
111922739
111875471
111875536
111438578
111867304
111924430
111924464
111144744
111144752
111641640
111641667
111650178
111925258
111932963
111894913
111936322
111936365
111930359
111930456
111936268
111652901
111932238
111934850
111910609
111920906
111912911
111917778
111931711
111899834
111848253
111896657
111568790
111912709
111912482
111151660
111921198
111781744
111928974
111929008
111885205
111935750
111798876
111836930
111808090
111939968
111930952
111931045
111931118
111931193
111931266
111931312
111931339
111930847
111930880
111930472
111930545
111930650
111930731
111929377
111929504
111776350
111776384
111836425
111934249
111929369
111919592
111919622
111941334
111941377
111936705
111939674
111939682
111907420
111918138
111813662
111845432
111924286
111892252
111061741
111919827
111908027
111446236
111904358
111887690
111621143
111914612
111481864
111865921
111865964
111920930
111920981
111922194
111923115
111669723
111921562
111842182
111750105
111929598
111907446
111918251
111907225
111907250
111636019
111894093
111923743
111940982
111303222
111921210
111921236
111929318
111922496
111922518
110827872
111924847
111912431
111923310
111924120
111924294
111913098
111924103
111924154
111904285
111930936
111845785
110827902
111943795
NORMA MARIA MACHADO
NOV ASEP ELMAR DO BRASIL EQUIPAMENTOS E SERVICOS
PARA PETROLEO LTDA
NOV ASEP ELMAR DO BRASIL EQUIPAMENTOS E SERVICOS
PARA PETROLEO LTDA
NOV ASEP ELMAR DO BRASIL EQUIPAMENTOS E SERVICOS
PARA PETROLEO LTDA
NOVA ECIG ADMINISTRACAO E PARTICIPACOES S A
NOVA LOJA PRESENTES LTDA EPP
NOVA NARITA INVESTIMENTOS E PARTICIPACOES S A
NOVAPETRO CONSULTORA LTDA
NOVO MUNDO AMBIENTES PLANEJADO LTDA ME
O S BOAVENTURA ME
OES SERVICOS E EQUIPAMENTOS DE PETROLEO E GAS LTDA
OFFICER MIX MODA FASHION LTDA
OFFICER MIX MODA FASHION LTDA
OLMI CORRETORA DE SEGUROS LTDA
OLMI CORRETORA DE SEGUROS LTDA
ONTRAC SISTEMAS DE SEGURANCA LTDA EPP
ORENILTO NUNES DE OLIVEIRA
OTICAS ROCHELLE LTDA
OTICAS ROCHELLE LTDA
OTIMA BRASIL COMERCIO E SERVICOS LTDA
OUTOR REPRESENTACOES COMERCIAIS LTDA
OUTOR REPRESENTACOES COMERCIAIS LTDA
OZIEL BARBOSA DE CASTRO
P LUIS DA SILVA NOGUEIRA
P LUIS DA SILVA NOGUEIRA
P. M. CAMPOS COMERCIO DE BICICLETAS ME
PABLO GOMES PEREIRA
PAC TEC FRIO ASSISTENCIA TECNICA E REFRIGERACAO
LTDA ME
PACIFICO GESTAO DE RECURSOS LTDA
PADARIA E CONFEITARIA DA COCADA LTDA
PADARIA E CONFEITARIA DA COCADA LTDA
PADARIA E CONFEITARIA ESPLENDOR DO CABRAL
LTDA ME
PADARIA E CONFEITARIA NOVA CASCATINHA LTDA ME
PADARIA E CONFEITARIA VARANDAO DA XXII LTDA
PADARIA E CONFEITARIA VARANDAO DA XXII LTDA
PALPITEC ADMINISTRACAO E PARTICIPACOES LTDA
PALPITEC ADMINISTRACAO E PARTICIPACOES LTDA
PANCOAST OFFSHORE NAVEGACAO LTDA
PANCOAST TRANSPORTE MARITIMO LTDA
PANIFICACAO PAULISTA LTDA
PANTERA DE BARRA MANSA LANCHES LTDA ME
PAPELARIA TAVARES E ALMEIDA LTDA ME
PARNAMIRIM MACAE CONSTRUCOES E SERVICOS LTDA
PARQUE ANCHIETA EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S/A
PARQUE ANCHIETA EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S/A
PASCHOETO E AZEREDO LTDA
PASCHOETO E AZEREDO LTDA
PATMOS IMOBILIARIA S/A
PAULO DA SILVA GONZAGA
PAVITEC CONSTRUCOES LTDA
PB BRASIL ENTRETENIMENTO S/A
PCFAYFER LOGISTICA TRANSPORTES LTDA EPP
PELE D’ALMA COMERCIO DE ARTIGOS DE COURO E
ACESSORIOS LTDA EPP
PENDOTIBA COUTINHO PIZZARIA E RESTAURANTE LTDA ME
PENN ASSOCIATES CONSULTORIA E PARTICIPACOES LTDA
PERENCO PETROLEO E GAS DO BRASIL PARTICIPACOES S/A
PERMA INDUSTRIA E COMERCIO S/A
PET SHOP E BAZAR PIMENTEL E FIGUEIREDO LTDA ME
PETROBRAS DISTRIBUIDORA S/A
PICO DO FRADE AGROPECUARIA LTDA EPP
PLANICIE DO RIO INDUSTRIA E COMERCIO DE ALIMENTOS
LTDA ME
PLANTANDO ARTE PROJETOS PAISAGISTICOS LTDA
PLATZ PUBLICIDADE & DESIGN LTDA
POINT UNIMIL ASSESSORIA ADMINISTRACAO E CORRETAGEM
DE SEGUROS LTDA EPP
PONTEC PROJETOS E MONTAGENS LTDA
PORTAL VAGAS E MARITIMOS LTDA
PORTAL VAGAS E MARITIMOS LTDA
PORTO ALOJAMENTO E HOSPEDAGENS LTDA EPP
PORTO MADRID COMERCIO IMPORTACAO E EXPORTACAO
LTDA
POVO DE ELITE BAR E DANCETERIA LTDA
PP LIMPEZA E SERVICOS AUTOMOTIVOS LTDA ME
PRIMORDIAL CREDITO INTERMEDIACAO DE EMPRESTIMOS
PESSOAIS LTDA
PROTECTOR VIGILANCIA PATRIMONIAL LTDA ME
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVAR NEGOCIOS DE VAREJO LTDA
PROVERA EMPREITEIRA E TRANSPORTES LTDA
PROVERA EMPREITEIRA E TRANSPORTES LTDA
PW 235 PARTICIPACOES S/A
QUEIROZ E GOES PADARIA LTDA ME
QUEIROZ GALVAO OLEO E GAS S/A
R A LADISLAU
R A LADISLAU
R A SOLUCOES EMPRESARIAIS LTDA
R A SOLUCOES EMPRESARIAIS LTDA
R D PEREIRA VIGILANCIA
R DA SILVA FREITAS ALVES RESTAURANTE
R DA SILVA FREITAS ALVES RESTAURANTE
R F NUNES COSMETICOS LTDA
R M ARQUITETURA LTDA
R M DE LIMA EQUIPAMENTOS ESPORTIVOS ME
R MAGALHAES REPRESENTACOES LTDA
R R DE SOUZA LOCADORA DE VEICULOS
R R SANTOS BIJUTERIAS E ARTIGOS DO VESTUARIO
LTDA ME
R SILVA INSTALACAO E MANUTENCAO ELETRICA E HIDRAULICA
LTDA
R SILVA INSTALACAO E MANUTENCAO ELETRICA E HIDRAULICA
LTDA
REAL INFORMATIZACAO E COMERCIO LTDA ME
REFRIGERACAO CHUM COMERCIO DE PECAS EQUIPAMENTOS
E SERVICOS LTDA ME
REFRIGERACAO PORTUGUESA DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS
LTDA EPP
REFRIGERACAO RIO ABAIXO DE ZERO GRAU LTDA EPP
REG ENGENHARIA LTDA
REGINA DE ARAUJO MARTINS REVENDA MATERIAL MEDICO
EM GERAL
REGINA MARIA SOUSA LUSTOSA
REI DA AGUA DISTRIBUIDORA LTDA
REI DA AGUA DISTRIBUIDORA LTDA
REINALDO SILVA DE ORNELLAS EQUIPAMENTOS DE
INFORMATICA
REINALDO SILVA DE ORNELLAS EQUIPAMENTOS DE
INFORMATICA
REMON AGROPECUARIA LTDA
RENATO RODRIGUES ME
RESTAURANTE DARAMA LTDA
RHAGI SERVICOS MEDICOS E DIAGNOSTICOS LTDA
RHBC ENGENHARIA LTDA ME
RITA FELIZARDA GONCALVES SILVA
RJCP EQUITY S A
RLHGS REPRESENTACOES DE COSMETICOS LTDA
RLI INCORPORACOES E EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS
LTDA
RM MARFIN COMERCIO DE GAS LTDA
RM MARFIN COMERCIO DE GAS LTDA
ROCHA MIRANDA SERVICOS DE INFORMATICA LTDA ME
ROGERIO QUEIROZ DAUDT
ROMA COMERCIO E LOGISTICA LTDA
ROMAJON COMESTIVEIS FINOS LTDA ME
ROSIANE GOMES DO ROSARIO
ROSIMARY BAZAR 2137 ATELIER DE ARTESANATO LTDA ME
ROSIMARY BAZAR 2137 ATELIER DE ARTESANATO LTDA ME
RPA PUBLICIDADE LTDA
RUBEN ANTONIO SPERANDEI FILHO
RUBEN ANTONIO SPERANDEI FILHO
RUTH DE ANDRADE SENA ME
S & F DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS LTDA
S AGUIAR OLIVEIRA BAR E MERCEARIA ME
S C FERPA SERVICOS ADMINISTRATIVO LTDA ME
S CARLOS FERRAZ
S CARLOS FERRAZ
S DA S SOUZA CONFECCOES ME
S M DE ARAUJO COMERCIO DE ROUPAS
S M DE ARAUJO COMERCIO DE ROUPAS
S MONTEIRO DE CARVALHO & CIA LTDA ME
S2C CONSULTORIA E TECNOLOGIA LTDA
SALAO DE BELEZA NOVO VISUAL UNISSEX LTDA
SALAO DE BELEZA NOVO VISUAL UNISSEX LTDA ME
SALAO DE FESTA ILHA DO AMOR LTDA
111943833
111896363
111896371
111482070
111744156
111849160
111924731
111832268
111832306
111588502
111919860
111867452
111917719
111917727
111927587
111927617
111915570
111915651
111918189
111899770
111934095
111922321
111923131
111838118
111914930
111485150
111939046
111733049
111810760
111879515
111860725
111858933
111650500
111910293
111833787
111924723
111941792
111941881
111916992
111925991
111926041
111568820
111779189
111744199
111455936
111455979
111368391
111922445
111901324
111901367
111913080
111924855
111918200
111937124
111590990
111807557
111807573
111908183
111910781
111940494
111940532
110971671
111657466
111657512
111570808
111570824
111919134
111919169
111938597
111853176
111853257
111913039
111913071
111786266
111922348
111922399
111598273
111947472
111947480
111752710
111931215
111931819
111931843
111459893
111885221
111885337
111934877
111918715
111669316
111834481
111652243
111380685
111890993
111913780
111922208
111931169
111901910
111838851
111935067
111935121
111935180
111798493
111798540
111902029
111907403
111915767
111901669
111901685
111914760
111874343
111807190
111931924
111931991
111844207
111841542
111907390
111770696
111770742
111861489
111927129
111922259
111938589
111923727
111929997
111921961
111923360
111927242
111851211
111915732
111915791
111917069
111576784
111875196
111918618
111940214
111930669
111943310
111943370
SALAO DE FESTA ILHA DO AMOR LTDA
SALAO PATRICJANE CABELEIREIRO LTDA
SALAO PATRICJANE CABELEIREIRO LTDA
SALIP COMERCIAL LTDA ME
SAMAMBAIA EMPREENDIMENTOS E PARTICIPACOES LTDA
SAMIR FARIAS JORGE
SAMUEL GUEDES DE SOUZA
SANFER VI LA COMERCIO DE MAQUINAS LTDA EPP
SANFER VI LA COMERCIO DE MAQUINAS LTDA EPP
SANOMED ONCOLOGIA LTDA
SANTA SERRA S A ENGENHARIA EM SOLOS
SANTORO E MORAES DISTRIBUIDORA DE JORNAIS E REVISTAS
LTDA ME
SANTOS E MORAES COMERCIO VAREJISTA LTDA
SANTOS E MORAES COMERCIO VAREJISTA LTDA
SARTORI ARVORES NATIVAS E REFLORESTAMENTO LTDA
SARTORI ARVORES NATIVAS E REFLORESTAMENTO LTDA
SEBASTIAO ALVES CARVALHO MERCEARIA
SEBASTIAO ALVES CARVALHO MERCEARIA
SEC FLASH SERVICOS ESPECIALIZADOS EM COMUNICACAO LTDA
SEF 2002 COMERCIO VAREJISTA DE COMBUSTIVEIS E
LUBRIFICANTES LTDA
SEPATRI ASSESSORIA PLANEJAMENTO E SERVICOS GERAIS
LTDA
SERGIO J TEIXEIRA LANCHONETE
SEROBRITA MINERACAO LTDA
SIMBOL CRED ANALISE DE CREDITOS LTDA
SITRAN SINALIZACAO DE TRANSITO INDUSTRIAL LTDA
SKINA 49 MODAS COMERCIO DE ROUPAS LTDA ME
SMEC SERVICOS DE MANUTENCAO E CONSERVACAO
LTDA ME
SND DISTRIBUICAO DE PRODUTOS DE INFORMATICA S A
SOLID GESTORA DE ATIVOS LTDA
SOMMAR DISTRIBUIDORA DE TITULOS E VALORES MOBILIARIOS
LTDA
SOPHIA ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA ME
SOUZA CRUZ S/A
SPE DEL OURO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO
IMOBILIARIO LTDA
SPE NASCENTI S A
SPORT EXTRA TIME AMERICA DO SUL DIREITOS E PRODUCOES
LTDA
START ONE EVENTOS TRANSPORTES LOCACOES E SISTEMAS
DE INFORMACAO LTDA ME
STEEL SERVICOS TECNICOS ESPECIALIZADOS E ESPECIAIS
LTDA
STEEL SERVICOS TECNICOS ESPECIALIZADOS E ESPECIAIS
LTDA
STHORC E RODRIGUES SERVICOS DE ANTENAS LTDA ME
STUDIO CASA COMERCIO DE DECORACAO E ILUMINACAO
LTDA
STUDIO CASA COMERCIO DE DECORACAO E ILUMINACAO
LTDA
SUELY VIEIRA DA CONCEICAO HOTEL ME
SUPORTEK SUPORTE TECNICO DE SISTEMAS LTDA
SUZANA RIBEIRO CANDIDO
SWISSPORT BRASIL LTDA
SWISSPORT BRASIL LTDA
SYSTEMS LOG EXPRESS TRANSPORTADORA LTDA EPP
T A DE SOUSA COMERCIO E SERVICOS
T L DE SOUZA EMPREITEIRA DE MAO DE OBRA
T L DE SOUZA EMPREITEIRA DE MAO DE OBRA
TABRIZA BRASIL CONSULTORIA EM VALORES MOBILIARIOS
LTDA
TAC FRANQUIA LTDA
TALITA LIMA DE CARVALHO ME
TAMIRES MARMORARIA LTDA EPP
TARDELANDIA MERCEARIA LTDA ME
TDR BAZAR E ELETRONICOS LTDA
TDR BAZAR E ELETRONICOS LTDA
TECNIPLAN AMBIENTAL LTDA ME
TECNOCOOP INFORMATICA COOPERATIVA DE TRABALHO DE
ASSISTENCIA TECNICA A EQUIPAMENTOS DE PROCESSAMENTO
DE DADOS LTDA
TECNOFRIO COMERCIO DE EQUIPAMENTOS E REFRIGERACAO
LTDA
TECNOFRIO COMERCIO DE EQUIPAMENTOS E REFRIGERACAO
LTDA
TEDDY RIO MODAS LTDA ME
TELCA 2000 ENGENHARIA E TELECOMUNICACOES LTDA
TELCA 2000 ENGENHARIA E TELECOMUNICACOES LTDA
TEM QT EQUIPAMENTOS LTDA
TEM QT EQUIPAMENTOS LTDA
TEREZINHA CALCADOS BOLSAS ESPORTE E LAZER LTDA
TEREZINHA CALCADOS BOLSAS ESPORTE E LAZER LTDA
TEREZINHA DA SILVA RODRIGUES
TERRA DO YOGURTE COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA
TERRA DO YOGURTE COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA
TERRA NOVA TELECOM COMERCIO E SERVICOS DE
TELECOMUNICACOES LTDA
TERRA NOVA TELECOM COMERCIO E SERVICOS DE
TELECOMUNICACOES LTDA
TERRACOTA II COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA
THEUSMAM MANUTENCAO REPAROS E SERVICOS DE OBRA
LTDA
THEUSMAM MANUTENCAO REPAROS E SERVICOS DE OBRA
LTDA
THOQUINO CORRETORA DE SEGUROS LTDA
TOP SEGURANCA E TELECOMUNICACOES LTDA
TOP SEGURANCA E TELECOMUNICACOES LTDA
TRANSPEED LOCACAO DE VEICULOS LTDA ME
TRANSPORTADORA ITA POLO LTDA EPP
TRANSPORTEX SERVICOS DE ENTREGA LTDA
TRANSPORTEX SERVICOS DE ENTREGA LTDA
TUBOS E PLASTICOS LUMIAR DE MERITI LTDA ME
UESTER DE SOUZA LEITE COMERCIO DE PAPELARIA E
INFORMATICA
UESTER DE SOUZA LEITE COMERCIO DE PAPELARIA E
INFORMATICA
UNICAFE COMPANHIA DE COMERCIO EXTERIOR
UNIFINANCE AGENTE AUTONOMO DE INVESTIMENTOS LTDA
UNIVERSAL MUSIC ENTERTAINMENT LTDA
UNIVERSAL REFORMAS PREDIAIS LTDA ME
V & M DO BRASIL S A
V E B SERVICOS LTDA
V SHIPS BRASIL S/A
V V GUIMARAES GESSO ALCANTARA LTDA ME
VAL CAR AUTO CENTER LTDA ME
VALE SOLUCOES EM ENERGIA S.A VSE
VALERIA P A BRAGA CONSULTORIA PEDAGOGICA ME
VALGA MODAS LTDA
VALID SOLUCOES E SERVICOS DE SEGURANCA EM MEIOS DE
PAGAMENTO E IDENTIFICACAO S.A
VALID SOLUCOES E SERVICOS DE SEGURANCA EM MEIOS DE
PAGAMENTO E IDENTIFICACAO S.A
VALID SOLUCOES E SERVICOS DE SEGURANCA EM MEIOS DE
PAGAMENTO E IDENTIFICACAO S.A
VAN DER MOLEN DO BRASIL LTDA
VAN DER MOLEN DO BRASIL LTDA
VANCO BRASIL EXPLORACAO E PRODUCAO DE PETROLEO E
GAS NATURAL LTDA
VANDERBILT EMPREENDIMENTOS LTDA
VANESSA MENDES DE ALBUQUERQUE
VANIA DE OLIVEIRA SIQUEIRA
VANIA DE OLIVEIRA SIQUEIRA
VANUSA BASTOS ESPINHEIRA COMERCIO DE MATERIAL DE
CONSTRUCAO
VBSA USINAGEM LTDA
VERA LUCIA DA SILVA E SILVA
VERDURAMA COMERCIO DE LEGUMAS E VERDURAS LTDA
VERDURAMA COMERCIO DE LEGUMAS E VERDURAS LTDA
VIDRACARIA E SERRALHERIA EXPEDICIONARIO DA VILA
LTDA ME
VILAR FORMOSO HOTEL E RESTAURANTE LTDA ME
VILLAGE COLONIAL EMPREENDIMENTOS HOTELEIROS
LTDA ME
VITAJJ SERVICOS DE INFORMATICA LTDA
VITAJJ SERVICOS DE INFORMATICA LTDA
VIVER EMERGENCIAS MEDICAS LTDA ME
VIVIANE CUSTODIO E FILHOS RESTAURANTE LTDA ME
VIVIANO AUTO POSTO COMERCIAL LTDA
VOIE RIO NATURELLE PRODUTOS NATURAIS LTDA
VON TOP MIX COMERCIO DE ROUPAS E ACESSORIOS
LTDA ME
VOTORANTIM SIDERURGIA S A
VP COMERCIO EXTERIOR LTDA
VSONIC COMERCIO DE EQUIPAMENTOS ELETRONICOS
LTDA ME
W A DE OLIVEIRA MASSOTERAPIA ME
W DA SILVA FLORENCIO ELETROTECNICA ME
W M BRASIL COMPANY COMERCIO DE ROUPAS INTIMAS
LTDA
W M BRASIL COMPANY COMERCIO DE ROUPAS INTIMAS
LTDA
W TRADE BRASIL IMPORTACAO E EXPORTACAO LTDA
WAIVER TRANSPORTE IMPORTACAO EXPORTACAO E
PRODUCOES LTDA
WALDO MOSCAVITCH
WALTAIR O TERRA OFICINA MECANICA ME
WM MAIA ASSESSORIA E CONSULTORIA TELEMARKET LTDA
XL RESSEGUROS BRASIL S A
Z H U RESTAURANTE LTDA
Z H U RESTAURANTE LTDA
6
COMERCIAL DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
-8&(5-$ JUNTA
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
P U B L I C A Ç Ã O D E D E S PA C H O S
DOCUMENTOS EM EXIGÊNCIA
111845114
111430992
111836786
111777038
111929920
111858437
111929245
111928338
111928451
111915244
111762014
111922607
110483162
111925479
111925533
111929083
111280001
111932149
111938694
111938635
111832187
111927781
111906024
107755602
111876281
111876311
111930502
111918936
111918987
111945925
111926165
111361141
111869471
111869510
111396786
111939208
111945364
111909023
111636205
111804124
111931452
111931487
111899478
111933960
111743745
111870925
111939585
111575893
111929733
111929806
111652510
111931959
111446317
111924839
111924880
111839165
111932262
111932289
111916836
110880250
110880242
111919150
111929156
111743419
111867770
111867835
111853141
111944830
111637902
111941172
111932203
111905451
111835046
111930944
111867592
111925908
111925940
111916488
111924367
110374568
111595924
110672119
111931703
111929644
111938651
111931681
111416175
111449243
111941296
111932076
111899826
111931126
111433541
111933013
111933021
111885388
111940141
111928117
111905931
111922542
111925819
111925851
111862906
111861535
111896339
111898390
111921503
111927080
111381916
111895049
111895812
111858321
111858372
111937779
111440220
111936756
111807000
111807026
111909554
111909600
111882273
111883385
111883431
111751861
111916585
111944287
111897181
111938481
111930243
111930294
111914914
111920922
110372557
111810426
111810442
111893410
111936403
111813832
111795281
111834120
111834180
111929296
111930626
111618215
111929512
111571723
111571693
111571677
111571561
111879000
111939267
111931568
111931614
111940559
111591074
111896924
111912385
111945127
111927595
111900859
111922500
111639670
111639743
111921368
111941547
111469600
111469660
111469651
111931940
111657580
111936900
111864941
111863392
111939747
111925495
111927145
111451981
111880220
111880270
111812178
111894476
111926262
111391830
111660300
111660319
111941938
111941970
111631416
111942373
111931410
110236262
111927072
111930200
111837782
111924820
111929342
111929407
111859573
111651433
111371996
111860881
111931797
111929490
111814090
111848938
111848970
111652057
110903218
111431891
111931355
111930146
111361095
111924090
111924170
111938341
111837553
111929350
111910714
111908078
111803535
111912725
111946174
111946204
111925487
111925550
111940974
111941024
111939631
111931290
110889665
111936578
111854237
111661609
111897157
111897211
111939755
111939810
111798345
111798353
111942560
111630940
111885531
111911389
111924260
111803969
111931517
111939496
111939542
111921589
111798787
111931363
111916313
111922330
111921988
111920388
111897734
111936039
111926335
111945011
111939828
111595835
111333377
111928044
111928079
111923905
111923956
111937116
111884195
111884217
111931320
111601266
111926785
111926750
111932955
111912962
111912970
111899915
111856760
111856779
111915392
111915414
111921414
111931800
111931894
111938236
111806801
111930774
111910986
111621585
111891981
111892023
111893968
111931304
111933951
111827388
111930405
111899451
111752884
111757177
111929571
111929709
111929776
111929865
111929881
111943418
111915325
111915341
111885396
111854598
111929040
111928915
111859492
111859565
111931398
111928869
111749948
111757045
111940311
111929857
111931053
111417783
111864690
111864712
111933897
111922038
111929946
111936209
111936225
111652626
111922313
111852803
111852870
111926483
111835917
111836018
111897513
111926319
111929873
111929784
111929962
111930090
111930251
111930170
111930332
111930413
111902045
111904439
111661820
111661870
111925835
111931738
111893445
111793220
111793270
111425506
111930685
111936152
111757401
111944805
111945062
111425573
111939836
111939860
111852498
111852412
111941849
110964810
111884675
111931916
111931967
111923735
111761905
111761867
111620970
103327320
111899885
111934028
111743605
111484650
110963644
110963660
110805860
111934605
111810540
111777950
111931665
111941059
111941105
111932017
111809924
111810086
111928125
111928141
111907780
111908094
111930103
111937191
111937213
111934796
111913683
111913691
111929474
111925630
111453909
111930235
111930162
111927641
111782333
110821220
111782376
111929911
111926599
111435471
111930464
111369223
111935075
111935598
111935563
111931177
111931096
111931932
111932033
111937108
111926467
111916160
111916127
111759811
111928834
111929717
111895847
111921546
111938414
111931541
111935792
111668859
111947278
111947294
111835062
111838932
111910161
111910188
111927633
111930995
111896720
111601924
111938210
111926645
111927463
111926122
111929067
111914027
111927021
111928150
111928214
111417724
111944708
ECONOMIA
)Ï580
0DQWHJDHVWLPD,('GH
86ELOK}HVHVWHDQR
Número está significativamente acima da projeção de US$ 55 bilhões feita pelo BC
Fabio Graner e Daniela Amorim
Da Agência Estado
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que espera
ingressos de US$ 65 bilhões de
investimento estrangeiro direto
(IED) no Brasil este ano. O número está significativamente
acima da projeção de US$ 55
bilhões feita pelo Banco Central
para 2011, embora pouco maior
do que os cerca de US$ 63 bilhões do resultado acumulado
em 12 meses até abril.
“É a parte boa do fluxo de
capitais e a que todos nós queremos”, afirmou o ministro, durante um fórum do Fundo Monetário Internacional (FMI), no Rio
de Janeiro. Apesar da estimativa, Mantega afirmou que o fluxo
de capital financeiro do exterior
para País foi normalizado.
Medidas fiscais - Segundo
o ministro, as medidas tomadas
pelo governo, principalmente as
de ordem fiscal, que aumentam os
impostos sobre os recursos estrangeiros voltados para renda fixa e
créditos de curto prazo (que fazem parte do segmento financeiro
do fluxo cambial, que em maio,
até o dia 20, registrava entradas
de US$ 3,3 bilhões), foram bem
sucedidas e evitaram bolhas na
economia brasileira. “Hoje estamos com um ingresso (de capitais)
que considero normal”, disse.
Mantega brincou que o fluxo de capitais tem sido sempre
uma preocupação dos ministros
da pasta e dos presidentes de
bancos centrais, tanto quando há
falta como quando há excesso de
entrada de recursos no País. “O
fluxo de capitais já tirou o sono
de muitos ministros da Fazenda”,
afirmou. “Certamente é muito
melhor perder o sono pelo excesso de capitais do que pela falta,
como aconteceu no passado”.
Câmbio - Segundo o ministro, o governo também tem obtido eficácia no controle da taxa
de câmbio, reduzindo uma tendência de sobrevalorização até
que as condições internacionais
mudem e a pressão sobre a moeda brasileira seja suavizada.
De acordo com Mantega, até
2008, já havia uma tendência
de valorização do real por causa
da entrada de capitais no Brasil,
mas também por causa da boa situação da economia do País. Ele
lembrou que o dólar chegou a R$
1,55, mas depois retornou ao patamar de R$ 1,70, permanecendo
nesse nível graças às medidas do
governo para evitar a desvalorização da moeda americana.
“Há mais de um ano que
mantemos um certo patamar”,
afirmou Mantega. “Se não tivéssemos tomado essas medidas, se
tivéssemos deixado o mercado à
sua própria sorte cambial, teríamos o dólar em torno de R$ 1,30,
R$ 1,40, causando problemas
para a concorrência com os produtos importados”.
Mantega argumentou que, enquanto não houver reforma no sistema das finanças internacionais e
os países desenvolvidos não crescerem mais rapidamente, os países
emergentes e o Brasil têm que se
defender dos fluxos excessivos.
O ministro da Fazenda voltou
a defender o câmbio flutuante
para evitar desequilíbrios entre
as moedas. Ele disse que apenas
alguns países adotam um sistema de câmbio flutuante, enquanto outros ainda são adeptos da
68&(66­212)0,
manipulação cambial. “Um câmbio com mais equilíbrio entre o
mundo é o que vai organizar o
fluxo de entrada de capitais nos
países”, afirmou Mantega.
Durante a abertura do evento
do FMI, o ministro ressaltou ainda que os países avançados têm
que fazer uma política monetária
expansionista, mas que também
devem adotar uma política monetária fiscal para recuperar mais
rapidamente suas economias.
Segundo ele, a recuperação dos
países avançados e uma reforma
do sistema financeiro internacional são necessárias para conter
as distorções do fluxo de capitais
nos países emergentes.
“Enquanto essas reformas não
acontecem, os países emergentes
têm que se defender. O Brasil
tem adotado uma série de medidas. Voltamos a subir as taxas
de juros. Desde o ano passado,
tomamos medidas para a contenção de crédito. Estamos fazendo
uma desaceleração da economia
brasileira”, enumerou o ministro brasileiro, reafirmando que o
crescimento do PIB está em linha
com a meta de 4,5% no ano.
FRANÇA
/DJDUGHGHYHUiYLVLWDU 3DtVHVGR*
VHFRQFHQWUDP
%UDVLO&KLQDHËQGLD QR20pGLR
Da Agência Estado,
com Dow Jones
A ministra de Finanças da
França, Christine Lagarde, afirmou ontem que está pronta para
visitar a China possivelmente
no domingo, como parte de um
esforço para obter amplo apoio
para sua candidatura ao cargo
de diretora-gerente do Fundo
Monetário Internacional (FMI).
Lagarde disse que também pretende visitar o Brasil e a Índia.
“China, Brasil e Índia são uma
necessidade absoluta”, afirmou.
Um dia depois de anunciar formalmente sua candidatura, Lagarde disse estar em busca de amplo
apoio e não apenas da Europa. “Eu
certamente preferiria ser endossada por uma grande maioria, em vez
de ser a candidata da Europa empurrada pelos europeus”, declarou.
Independência - Se conseguir o cargo, Lagarde disse que
quer provar sua independência
do governo francês logo no começo de seu mandato. A ministra
também começou a delinear suas
prioridades caso assuma a direção do FMI. Lagarde afirmou que
vai continuar dando apoio para
um maior equilíbrio nos direitos
de voto dentro do Fundo para ter
certeza de que grandes países populosos, como a Indonésia, sejam
mais bem representados.
“Nós precisamos continuar
melhorando a governança do
Fundo. É uma instituição que
tem se adaptado e deve se adap-
tar ao restante do mundo”, afirmou. “Há países muito pequenos
com um peso como o da Indonésia, por exemplo. Com respeito a
isso, o Fundo precisa mudar.”
Lagarde observou que uma
das principais prioridades do FMI
deve ser fornecer apoio aos países
do norte da África e do Oriente
Médio, onde regimes autoritários
estão sendo derrubados por uma
onda de revoltas populares.
A ministra acrescentou que,
sobre a questão do reequilíbrio
das moedas, a posição que a
França vem tomando como líder
do G20 - a de não incentivar a
acumulação de reservas - é uma
“boa proposta”. Com relação à
crise europeia, Lagarde reiterou
que a posição da França sobre
uma possível reestruturação da
dívida da Grécia é de que isso
“está fora de questão”.
Escândalo - Caso Lagarde
seja escolhida para o cargo, irá
herdar uma instituição profundamente traumatizada por escândalos sexuais - como o que
provocou a renúncia de Dominique Strauss-Kahn ao cargo de
diretor-gerente. Mas a ministra
afirmou que vai impedir que sua
campanha seja tomada por esse
assunto. “A última coisa que a
instituição precisa é de qualquer
tipo de campanha ou declaração
que seja baseada nisso.”
Lagarde destacou que sua
candidatura não deve ser vista
sob o prisma da sua nacionalidade e que ela espera ser julgada
com base em seu histórico. A ministra afirmou que seu estilo de
administração tem origem em
alguns princípios fundamentais:
“Ser responsável, ser honesta e
os outros dois pilares são respeito e tolerância”. “O mero fato
de uma mulher estar no topo de
uma organização é realmente
um conforto”, disse.
Hillary - Os Estados Unidos
ainda têm de apoiar “oficialmente” um candidato para concorrer
ao cargo de diretor-gerente do
FMI, disse ontem a secretária de
Estado, Hillary Clinton, acrescentando que “não oficialmente”
apoiaria uma mulher para o posto.
Hillary disse que a candidatura de uma mulher qualificada
para o cargo seria bem-vinda, aparentemente, em uma velada referência à ministra das Finanças da
França, Christine Lagarde, que
lançou sua candidatura ontem.
Mas Hillary não endossou o nome
de Lagarde explicitamente.
“Os EUA não tomaram uma
posição sobre qualquer candidatura ainda”, disse Hillary
em Paris, onde encontra-se com
ministros da Organização para
Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE).
“Oficialmente, os Estados Unidos irão avaliar e eventualmente anunciar uma preferência”,
acrescentou. “Não oficialmente,
nós consideramos bem-vinda uma
mulher bem qualificada e experiente para liderar organizações
como o FMI”, concluiu.
Líderes dos países do G8 - grupo que inclui Estados Unidos,
Japão, Alemanha, Reino Unido,
França, Itália, Canadá e Rússia reuniram-se ontem no litoral da
França para decidir medidas para
ajudar os países árabes a reconstruir a democracia e as economias
de mercado após as revoltas populares ocorridas na região neste
ano.
Os participantes do encontro
expressaram confiança na recuperação da economia global e disseram que estão trabalhando num
ambicioso programa para os países
atingidos pela “Primavera Árabe”,
embora pareça improvável que algum compromisso financeiro seja
concluído durante a reunião.
Mas o tópico que mais criou murmúrios durante a reunião de líderes
mundiais na cidade costeira da França foi um que não estava na agenda
oficial do G8: quem vai substituir
Dominique Strauss-Kahn na direção
do FMI. A ministra de Finanças da
França, Christine Lagarde, lançou
oficialmente sua candidatura para o
cargo na quarta-feira, abrindo uma
corrida global para o posto.
“Pelo que eu ouvi, todos
acham que Christine Lagarde é
uma mulher com muitas qualidades”, disse Sarkozy. O presidente da União Europeia, Herman
Van Rompuy, disse que Lagarde
é “perfeitamente capaz” de liderar o FMI e que sua tentativa
é “completamente válida”. Ele
lembrou, porém, que representantes europeus não pretendem
fazer lobby por ela no G-8.
0(5&$'2
%RYHVSDVREH
HUHWRPD
RVPLOSRQWRV
Claudia Violante, Silvana Rocha
e Denise Abarca
Da Agência Estado
Depois de exibir volatilidade
de manhã e indefinição de que
rumo seguiria, a Bolsa de Valores
de São Paulo (Bovespa) engatou
a primeira marcha no período
vespertino e retomou os 64 mil
pontos. A melhora das bolsas americanas abriu espaço para um desempenho doméstico mais firme,
onde as blue chips e os bancos tiveram papel de destaque.
O Ibovespa terminou o dia
em alta de 1,12%, aos 64.098,57
pontos, maior nível desde os
64.876,88 pontos de 10 de maio.
Na mínima do dia, registrou
63.232 pontos (-0,25%) e, na máxima, os 64.121 pontos (+1,16%).
Foi o terceiro pregão seguido
com ganho, período no qual subiu 2,81%. No mês, entretanto,
tem queda acumulada de 3,07%
e, no ano, de 7,51%. O giro financeiro totalizou R$ 6,910 bilhões.
Noticiário morno - O dia teve
noticiário morno e, apesar de
indicadores frágeis nos Estados
Unidos, os investidores ousaram
assumir um pouco mais de posições compradas, sobretudo em
blue chips e bancos. As ações ordinárias da Petrobras fecharam
com valorização de 1,04% e as
PN, de 1,26%, em dia de queda
do petróleo. Na Nymex, o contrato para junho recuou 1,08%, a
US$ 100,23 o barril. Vale ON terminou com variação positiva de
1,56% e a PNA, de 1,66%, em dia
de queda majoritária dos metais.
No segmento financeiro, Bradesco PN ganhou 2,92%, Itaú
Unibanco PN, 3,22%, BB ON,
3,12%, e Santander unit, 2,23%.
Uma das razões para a boa performance desses papéis, segundo
alguns profissionais, pode ser encontrada nos dados do IBGE, que
mostraram queda da taxa de desemprego para 6,4% em abril, a
menor para este mês desde 2002.
A melhora da Bolsa doméstica teve contribuição do mercado
americano, no qual os investido-
res reavaliaram os dados ruins
conhecidos pela manhã e fizeram algumas compras, poucas.
O Dow Jones terminou com valorização de 0,07%, aos 12.402,76
pontos, o S&P subiu 0,40%, aos
1.325,69 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,78%, aos 2.782,92 pontos.
A primeira revisão do PIB
americano repetiu o número inicial, de 1,8% de alta no primeiro trimestre. Os economistas,
no entanto, esperavam elevação
para +2,2%. Os pedidos de auxílio-desemprego feitos no país na
semana passada contrariaram
a previsão de queda de 4 mil e
subiram em 10 mil para 424 mil,
após ajustes sazonais. E o índice
de atividade industrial do Fed
de Kansas City, que mede a produtividade, caiu para 1 em maio,
de 14 em abril e do nível recorde
de 27 em março. Leituras acima
de zero significam expansão.
Câmbio - O dólar no balcão fechou cotado a R$ 1,616
(-0,74%), logo após atingir o piso
do dia, de R$ 1,6150 (-0,8%). A
máxima, pela manhã, foi de R$
1,625 (-0,18%). Na BM&F, o dólar pronto encerrou com perda
de 0,72%, a R$ 1,6162, na mínima. O giro financeiro registrado na Clearing de Câmbio até
16h33 somava US$ 3,662 bilhões
(74% acima do anterior), dos
quais US$ 3,12 bilhões em D+2.
No mesmo horário acima, o
dólar para junho de 2011 mostrava baixa de 0,92%, a R$ 1,616,
com volume negociado de US$
19,808 bilhões.
Como nas sessões anteriores, o
BC novamente fez apenas um leilão
de compra de dólar à vista, no qual
fixou a taxa de corte em R$ 1,6177.
Juros - Ao término da negociação normal da BM&F, o DI janeiro de 2017 (21.630 contratos)
passava de 12,4% para 12,37%, e
o DI janeiro de 2021 (4.655 contratos) estava em 12,28%, de 12,30%
anteontem. O DI janeiro de 2013
(150.760 contratos) cedia de
12,59% para 12,56% e o DI janeiro
de 2012 (85.820 contratos) apontava 12,34%, de 12,35% anteontem.
35,0(,5275,0(675(
)XV}HVHDTXLVLo}HV
GLPLQXHP
As operações de fusões de
aquisições no mercado brasileiro
totalizaram R$ 32,7 bilhões no
primeiro trimestre deste ano, o
que representa queda de 38% em
relação ao igual período de 2010,
de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos
Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Foram realizadas
ao todo 24 operações, redução de
31,4% na comparação com os 35
negócios anunciados nos três primeiros meses do ano passado.
Em nota, o presidente do
Subcomitê de Fusões e Aquisições da Anbima, Bruno Amaral,
credita a redução a um movimento normal e esperado após
dois semestres consecutivos de
atividade recorde. “O mercado
continua aquecido e o ritmo de
anúncios deve observar uma
rápida recuperação ao longo
do ano de 2011”, diz Amaral, no
comunicado.
Entre os destaques no período está a incorporação da
Vivo pela Telesp (Telefônica),
que movimentou R$ 11,3 bilhões. O segundo maior negócio foi a aquisição pela Ensco
de participação na Pride Internacional, com volume de R$
5,5 bilhões, seguido pela venda da participação da Ashmore
Energy na Elektro para a Iberdrola, por R$ 4,8 bilhões.
PAÍS
COPA
Nova
estratégia
para
licitações
O governo traçou uma nova estratégia na tentativa de aprovar
as regras de licitação das obras
da Copa do Mundo de 2014 e dos
Jogos Olímpicos de 2016. Originalmente, o Regime Diferenciado
de Contratações Públicas (RDC)
estava incluído na Medida Provisória 521, mas essa MP perde a
validade na próxima semana. Por
isso, o governo transferiu o texto do RDC para outra MP, a 527,
que pode ser votada até o dia 15
de julho. Nas duas MPs, as regras
de licitação para obras da Copa e
da Olimpíada foram introduzidas
como “contrabando”, pois ambas
as medidas provisórias foram editadas para tratar de outros assuntos. A MP 521 aumenta o salário
dos médicos residentes e a MP 527
cria a Secretaria de Aviação Civil.
Na Câmara, o relator da MP
527 ainda não foi escolhido pelo
governo, nem indicado pelo presidente da Casa, Marco Maia (PTRS). Além das regras de licitação
para a Copa e Olimpíada, o relator terá de incluir também um
texto elaborado pelo governo, e
não constante da MP original enviada ao Congresso, aumentando
a fatia do capital estrangeiro nas
companhias aéreas. A proposta
governista é aumentar de 20%
para 49% esse capital externo.
Em uma primeira tentativa
de aprovar o Regime Diferenciado de Contratações Públicas,
o tema havia sido incluído na
MP 521. A relatora dessa MP, deputada Jandira Feghali (PCdoBRJ), acrescentou em seu parecer a proposta governista, mas,
sem acordo para aprovação do
texto, o “contrabando” foi retirado do relatório. Sob risco de
perder a validade, a MP 521 foi
votada na noite de quarta-feira
na Câmara e seguiu para o Senado. Ela deixará de vigorar se
não for aprovada até quarta-feira pelos senadores.
O líder do DEM na Câmara,
deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), tenta impedir
na Justiça a votação do RDC. Ele
entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) argumentando que a inclusão da proposta em um texto do governo
que trata de assunto totalmente
diferente viola o princípio constitucional e o direito de todos os
parlamentares de participar de
um processo legislativo livre de
vícios de inconstitucionalidade.
O RDC poderá ser aplicado às
licitações e contratos “necessários
à realização” dos Jogos Olímpicos
e Paraolímpicos de 2016, da Copa
das Confederações em 2013 e da
Copa do Mundo em 2014. É estendido para as obras em locais
que sirvam de apoio às cidades
escolhidas como sedes. O sistema
permite a contratação integrada,
ou seja, quando uma empresa fica
responsável por todas as etapas
das obras, serviços e instalações,
incluindo o projeto básico da obra.
A proposta permite também o
pagamento de remuneração variável conforme o desempenho da
empresa contratada. Esse bônus
poderá ser pago para quem antecipar a entrega da obra, por exemplo.
A definição de como será feito esse
pagamento fica por conta de regulamento do governo. O orçamento
da obra poderá ficar oculto. Quando o julgamento for por preço, o
orçamento estimado para a contratação só será divulgado depois de
conhecido o resultado da licitação.
7
Palocci dá explicação à bancada
Ministro antecipou respostas que apresentará ao questionamento da Procuradoria-Geral da República
Da redação, com agências
Denise Madueño
Da Agência Estado
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
PATRIMÔNIO
Na tentativa de evitar a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no
Congresso, o ministro da Casa
Civil, Antonio Palocci, apresentou ontem à bancada do PT no
Senado explicações sobre a evolução de seu patrimônio, nos últimos quatro anos. A conversa de
Palocci com os companheiros de
partido ocorreu depois do almoço
entre os senadores do PT, ministros e a presidente Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada.
Palocci seguiu a determinação
do ex-presidente Luiz Inácio Lula
da Silva e antecipou para os petistas as respostas que apresentará ao questionamento da Pro-
curadoria-Geral da República.
“As informações nos pareceram
bastante consistentes”, disse o
líder do PT no Senado, Humberto
Costa (PE), sem adiantar o teor
da defesa do chefe da Casa Civil.
“Nós entendemos que não há
provas suficientes contra o Palocci”, disse Costa. Durante o almoço com senadores do PT, Dilma
admitiu necessidades de ajustes
na condução da articulação política do governo, já que há várias
queixas de parlamentares sobre
a falta de interlocução com ministros. “Todos estão convencidos
de que é necessário ter acesso
mais fácil às pessoas do governo
e dialogar mais”, declarou Costa.
O deputado Paulo Pereira da
Silva (PDT-SP), o Paulinho, disse
ontem que o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, não se sustentará no cargo, se não oferecer
explicações convincentes sobre
sua atuação como consultor na
empresa Projeto. Segundo Paulinho, o ministro deve continuar a
ser alvo de novas denúncias nos
próximos dias e, com isso, poderá enfraquecer o governo da presidente Dilma Rousseff.
“O Palocci não se sustenta
no cargo. Se ele insistir em permanecer no governo, outras denúncias devem aparecer. Palocci
tem de sair”, disse Paulinho, ao
participar do seminário “Brasil
do diálogo, da produção e do emprego”, em São Paulo.
Dos 15 senadores do PT, oito
compareceram ao encontro: Edu-
KIT CONTRA HOMOFOBIA
ardo Suplicy (SP), Marta Suplicy
(SP), Delcídio Amaral (MS),
Lindberg Farias (RJ), Gleisi Hoffmann (SC), Humberto Costa
(PE), Ana Rita (ES) e Paulo Paim
(RS). Além de Palocci, também
foram ao almoço o ministro da
Secretaria de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, e o secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.
Defesa - A presidente Dilma
Roussef fez ontem uma defesa
veemente do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, durante uma
solenidade pública de assinatura
de convênios para a construção de
quadras esportivas nas escolas, na
qual Palocci estava presente. “Palocci está dando todas as explicações. Espero que essa questão não
seja politizada como (foi) ontem”,
disse a presidente, numa referência à questão levantada pelo
PSDB em torno da restituição
do imposto de renda da empresa
WTorre, para a qual o ministro Palocci prestou consultoria.
Dilma considerou o episódio
“lastimável” e explicou que a
Receita Federal demorou dois
anos para fazer a restituição do
imposto de renda à empresa e
que uma decisão judicial determinou o pagamento. “Não se trata de nenhuma manipulação. Lamento essa questão estar sendo
politizada. O Palocci está dando
todas as explicações”, reafirmou
Dilma, completando que o ministro continuará prestando todos os esclarecimentos.
EXTRATIVISTAS
‘Governo deve ensinar No Pará, protesto
o respeito à diferença’ em enterro de casal
Daniella Jinkings
Yara Aquino
Da Agência Brasil
A presidente Dilma Rousseff
afirmou ontem que não concorda
com o conteúdo do kit de combate
à homofobia que seria distribuído
nas escolas públicas de ensino médio por não atender ao objetivo de
combater a discriminação contra
homossexuais. Na avaliação de
Dilma, o governo não deve fazer
propaganda de opções sexuais.
“O governo defende a educação e a luta contra práticas homofóbicas, no entanto, não vai
ser permitido a nenhum órgão do
governo fazer propaganda de opções sexuais, nem podemos interferir na vida privada das pessoas.
O governo pode, sim, ensinar que
é necessário respeitar a diferença e que você não pode exercer
práticas violentas contra os diferentes”, disse, após participar de
cerimônia no Palácio do Planalto.
Dilma relatou que assistiu
apenas um trecho de um dos
três vídeos produzidos para integrar o kit e que vazaram na internet. Ela reiterou que a questão será revisada pelo governo.
“É uma questão que o governo
vai revisar, não haverá autorização para esse tipo de política
de defesa A, B ou C. Agora, lutamos contra a homofobia.”
Na quarta-feira, depois de
reunião entre a bancada religiosa e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República,
Gilberto Carvalho, o governo in-
formou que decidiu suspender
todas as produções que estavam
sendo editadas pelos ministérios
da Saúde e da Educação sobre a
questão da homofobia.
Ressarcimento - O presidente
nacional do DEM, senador José
Agripino Maia (RN), disse ontem
que seu partido irá ingressar com
ações judiciais para que o governo federal devolva aos cofres públicos os gastos referentes à elaboração do kit anti-homofobia.
“Nós vamos acionar (judicialmente) para que sejam devolvidos aos cofres públicos todo
dinheiro gasto com material que
a própria presidente mandou recolher por impropriedade”, ressaltou o senador do DEM. “Ou
seja, material imprestável.”
Kit pode ser refeito, diz Haddad
Rafael Moraes Moura
Da Agência Estado
Os vídeos do kit anti-homofobia, que foram suspensos por determinação da presidente Dilma
Rousseff, poderão ser integralmente refeitos, disse ontem o ministro da Educação, Fernando Haddad. Segundo o ministro, Dilma
entendeu que o material da forma
como está não combate a homofobia. “A presidente entendeu que
ele não foi desenhado de maneira
apropriada para promover aquilo
que pretende, que é o combate
à violência, à humilhação dessas
pessoas na escola, à evasão desse
público”, comentou o ministro.
O kit de combate à homofobia
seria composto por três vídeos e
um guia de orientação aos professores. Os vídeos, com duração de
cinco minutos, enfocariam transexualidade, bissexualidade e a relação entre duas meninas homossexuais. O material seria enviado
a seis mil escolas de ensino médio
no segundo semestre deste ano.
“Houve muita confusão a
respeito. Quando uma discussão
deixa de ser técnica e passa a
ser política você tem muita dificuldade de organizar um debate racional sobre o assunto.
Cheguei a ver (no Congresso
Nacional) um material voltado
para profissionais do sexo nas
mãos de um deputado que dizia
que o MEC ia distribuir aquilo
para crianças de seis anos. Até
isso eu vi”, afirmou Haddad.
De acordo com o ministro,
por determinação da presidente, os materiais que tratam de
“costumes” serão analisados
por comissão do próprio ministério e por uma outra, da Secretaria de Comunicação da Presidente da República. “Elas (as
comissões) vão fazer os apontamentos necessários para uma
reformulação. (Os vídeos) Poderão ser integralmente refeitos”,
observou Haddad. “O problema
não é o mérito (o combate à homofobia), é o caso concreto.”
AUTORREGULAMENTAÇÃO
ANJ sugere ações para
melhorar transparência
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) apresentou ontem o
Programa Permanente de Autorregulamentação, um documento
com sugestões aos veículos para
garantir a relação transparente com os leitores. Discutido ao
longo dos últimos meses por integrantes da entidade, o novo instrumento sugere, por exemplo,
práticas como a publicação de
cartas de leitores, reconhecimento de erros e a criação de conselhos editoriais - grupos que ajudam, em linhas gerais, a orientar
a linha editorial do veículo.
“As ações serão adotadas de forma descentralizada, a critério de
cada associado. Muitos dos veículos
já mantêm várias das medidas re-
lacionadas no programa”, afirmou
a presidente da ANJ, Judith Brito.
A autorregulamentação começou a ser discutida ano passado, durante o Congresso Brasileiro de Jornais, realizado em
agosto, numa espécie de reação
à proposta ensaiada no governo
Lula de criação de um conselho
para fiscalizar o jornalismo.
Da Agência Brasil
Um protesto que reuniu mais
de 5 mil pessoas marcou ontem
o enterro dos extrativistas José
Cláudio Ribeiro da Silva e Maria
do Espírito Santo, em Marabá,
no Pará. O casal foi executado a
tiros na última terça-feira, no sudeste do estado. Às 5h, militantes
do Movimento dos Trabalhadores
Rurais Sem Terra (MST) e de outras entidades ligadas à luta na
área rural bloquearam uma ponte sobre o Rio Itacaiúnas e uma
ferrovia próximo à cidade de Marabá, onde o casal foi sepultado.
Durante o protesto, os manifestantes atearam fogo em pneus
e pedaços de madeira. Eles só liberaram uma estrada e a ferrovia
que dão acesso a Marabá depois
da chegada da Polícia Militar.
“Foi um ato contra o assassinato
(do casal de extrativistas, cujos
nomes faziam parte de uma lista
de pessoas ameaçadas de morte
no estado)”, disse a integrante da
coordenação do MST no Pará Maria Raimunda Cezar.
“Interditamos os dois sentidos
da pista e a ferrovia. Não houve
confronto. A pista só foi liberada
depois que terminou a marcha”,
acrescentou Maria Raimunda.
Entidades como a Via Campesina
e a Federação dos Trabalhadores
na Agricultura (Fetagri ) participaram da manifestação.
João Cláudio e Maria do Espírito Santo foram mortos a tiros em
uma estrada vicinal que leva ao
Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira,
na comunidade de Maçaranduba
2, a 45 quilômetros do município
de Nova Ipixuna, sudeste do Pará.
A Polícia Federal (PF) foi
acionada para investigar a execução dos dois líderes, ligados
ao Conselho Nacional dos Seringueiros no município de Nova
Ipixuna. Além da PF, o Ministério Público Federal também
está acompanhando o caso.
POLÊMICA
Dilma critica
emendas ao Código
Tânia Monteiro
Da Agência Estado
A presidente Dilma Rousseff
criticou ontem a aprovação, pela
Câmara, de emendas ao projeto
que trata do novo Código Florestal. “Não concordo que o Brasil
seja um país que não tenha condição de combinar ser uma grande
potência agrícola com uma grande
potência ambiental”, disse em cerimônia de assinatura de termo de
compromisso para a construção de
quadras esportivas em escolas.
Dilma rebateu as críticas de
que ela esteja colaborando com
os desmatadores. “Não sou a favor da consolidação do desmatamento ou da anistia ao desmatamento”. E explicou: “O Brasil
teve uma prática que não pode
se deixar repetir. Muitas vezes se
anistiava dívidas e anistiava novamente e se anistiava novamente O desmatamento não pode ser
anistiado não por vingança. Mas
porque as pessoas precisam per-
ceber que o meio ambiente é algo
muito valioso e que é possível
preservá-lo e produzir alimentos”
A presidente reafirmou ser
contra as emendas ao Código.
“Não sou a favor das emendas.
Fui contra a aprovação da emenda. Mas, obviamente, respeitando a posição de todos que divergem de mim, continuarei firme
defendendo a mudança dessa
emenda no Senado”, disse.
Mas, a presidente avisou que
tem o poder do veto, mesmo sabendo que ele pode ser derrubado. “Primeiro tentarei construir
(no Senado) uma solução que
não leve à situação de impasse
que ocorreu na Câmara. Agora,
quero dizer a vocês que eu tenho
compromisso com o Brasil. Eu
não abrirei mão de compromisso
com o Brasil. Nós temos obrigações diferentes e prerrogativas
diferentes. Somos poderes e temos de nos respeitar, Judiciário,
Legislativo e Executivo. Eu tenho
a prerrogativa do veto”, disse.
8
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
JUSTIÇA
MP DO PARÁ
Fernanda Freixinho
Licença para Belo
Monte pode ser negada
Argumento é que 59% do total de 103 casos avaliados estão pendentes
Renato Andrade
Da Agência Estado
O Ministério Público Federal
do Pará encaminhou ao Instituto
do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama)
uma “recomendação” para que
o órgão não emita a licença de
instalação para a hidrelétrica de
Belo Monte. A decisão foi tomada pelos procuradores Bruno Alexandre Gütschow, Felício Pontes
Jr. e Ubiratan Cazetta, depois de
analisarem relatório elaborado
pela Norte Energia - responsável
pela usina - sobre o andamento
das obras que devem ser feitas
para reduzir impactos sociais e
ambientais na região onde será
construído o empreendimento.
Os procuradores argumentam
que a maioria das obras obrigatórias não está finalizada ou “sequer
saiu do papel”. Segundo eles, 59%
do total de 103 casos avaliados
(planos, programas e projetos)
apresentam pendências. Por isso,
recomendam que a licença de instalação não seja emitida “enquanto as questões relativas às condicionantes da licença prévia não forem
definitivamente resolvidas”.
Na recomendação encaminhada ao Ibama, os procuradores
afirmam que o cenário é de “total
certeza” sobre o não cumprimento das condicionantes que foram
impostas pelo próprio órgão ambiental quando concedeu a licença prévia para que o projeto fosse
à leilão em abril do ano passado.
A recomendação cita nominalmente os integrantes da comissão de licenciamento do Ibama.
O documento contém ainda uma
ameaça. “O não cumprimento da
presente recomendação acarretará a adoção das competentes
medidas judiciais”, alertam os
procuradores no documento.
A atuação do Ministério Público Federal no Pará no caso Belo
Monte irritou o governo federal. A Advocacia-Geral da União
(AGU) acionou na quarta-feira
o Conselho Nacional do Ministé-
rio Público (CNMP) para coibir
supostos abusos praticados pelos
procuradores paraenses. No pedido apresentado, a AGU pede que
o Conselho fiscalize os “limites de
atuação” dos integrantes do MP
A AGU argumenta que os procuradores vêm ameaçando agentes
públicos envolvidos na avaliação
de Belo Monte, tentando impor o
entendimento “pessoal” sobre o
projeto aos funcionários do Ibama
O órgão ambiental ainda não
tem uma data prevista para a
emissão da licença de instalação de Belo Monte. O ministro
de Minas e Energia, Edison Lobão, tem dito que o documento
deve ser liberado até junho.
PODER DE POLÍCIA
Iphan poderá multar por
danos a bens tombabos
A partir de uma ação do
Ministério Público Federal em
Petrópolis (RJ), o Instituto do
Patrimônio Histórico e Artístico
Nacional (Iphan) foi condenado
em primeira e segunda instâncias a aplicar multas por danos
a bens tombados pela União. O
Tribunal Regional Federal da
2ª Região (TRF2) confirmou decisão da 2ª Vara Federal de Pe-
trópolis e ordenou que o Iphan
concretize seu poder de polícia
em todo o país. Em seu recurso,
o réu contestara o efeito nacional da ordem judicial e a adequação da ação civil pública
para abordar esse problema.
No acórdão, o TRF2 corroborou a intenção do MPF de evitar
a impunidade de quem ofende
ou ameaça bens tombados. A
ação do MPF decorre de um inquérito civil público que apurou
a inércia de mais de 70 anos no
cumprimento do decreto-lei de
criação do instituto. Na falta de
uma solução administrativa, o
MPF processou o Iphan, que informou que as multas previstas
em 1937 jamais foram aplicadas.
Após a primeira decisão
judicial, o instituto chegou
CÂMARA
a editar a Portaria 187/2010
para regulamentar a apuração
e a punição de infratores, mas
recorreu ao TRF para alterar
a sentença. Com a decisão do
TRF2, da qual não cabe novos recursos, o Iphan não tem
mais pretexto para deixar de
apurar infrações administrativas e aplicar penalidades,
como multas e embargos.
DESAPARECIDOS
Mais
Fux pede rapidez na
publicidade
aprovação do novo CPC aos dados
O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF),
esteve com o presidente da Câmara dos Deputados, Marco
Maia, na manhã de ontem, para
pedir agilidade na tramitação
do projeto de novo Código de
Processo Civil (CPC). O encontro aconteceu no gabinete do
presidente da Casa Legislativa.
O ministro Fux é presidente da
Comissão de juristas que apresentou o projeto do novo código,
já aprovado no Senado Federal.
Após o encontro, Luiz Fux e
Marco Maia confirmaram que a
Comissão Especial da Câmara
que vai discutir a proposta deve
ser criada já na próxima semana.
Duração razoável - De acordo com Fux, a maior preocupação do novo CPC é fazer com
que o processo judicial tenha
uma duração razoável. “A proposta do Código é desformalizar o processo de tal maneira
que haja uma redução de 50%
na duração dos processos, até
que se obtenha uma resposta
definitiva do Judiciário”, disse
o ministro em conversa com os
jornalistas, após a audiência.
Ainda de acordo com Fux,
essa agilidade na prestação da
justiça “é um anseio nacional, é
um interesse de todos”. Ao conversar com a imprensa, o deputado Marco Maia concordou com
o ministro: “É um Código importante, que pode dar ao Judiciário
a agilidade que a sociedade exige no julgamento dos processos”,
disse o parlamentar, confirmando a expectativa de Fux de que
o projeto deve ser aprovado já no
segundo semestre deste ano.
O ministro do Supremo disse
que a comissão permanente vai
assessorar a comissão especial que
será criada na Câmara dos Deputados para debater a matéria.
TST
Projeto para dar mais
H¿FLrQFLDDR-XGLFLiULR
Vannildo Mendes
Da Agência Estado
O Tribunal Superior do Trabalho (TST) entregou ontem ao
Ministério da Justiça proposta
de projeto de lei para pôr fim
às manobras no cumprimento
de sentenças trabalhistas. Caso
aprovada, a empresa ou instituição que perder uma causa deverá pagar imediatamente, mesmo
que recorra, quando a sentença
estiver compatível com a jurisprudência e as súmulas do TST.
Levantamento do tribunal mostra que, graças a brechas legais e
artifícios, só 31% das sentenças
trabalhistas são cumpridas quando
chegam à fase de execução. O trabalhador ganha mas não leva em
dois terços dos casos. O anteprojeto de lei que veda essas manobras
será anexado ao “terceiro pacto republicano”, conjunto de medidas
dos três poderes para dar eficácia
e agilidade às decisões da Justiça.
Caso o devedor não pague a
dívida em até dez dias, sofre-
rá multa de 10% sobre o valor
devido, sob pena de o juiz aumentar a multa até o dobro,
se houver má-fé, ou reduzi-la à
metade, observada a sua capacidade financeira. No caso de impugnação do cálculo da dívida,
o pagamento também deve ser
feito, sob pena de multa de 10%.
Mas a lei faculta o parcelamento do débito em até seis vezes, com depósito de 30% do valor. O projeto transforma em regra
o que hoje é exceção: a execução
imediata e definitiva da sentença,
mesmo que haja recurso. Não está
prejudicado o direito de recorrer,
mas a sentença de primeira instância será cumprida logo.
O anteprojeto é fruto de
uma semana de reflexões, durante a qual o TST paralisou as
suas atividades para uniformizar jurisprudências e súmulas.
“Foi uma boa notícia para o
trabalhador e para os profissionais do direito, porque clareia e aumenta a segurança na
aplicação da lei”, comemorou
o presidente da Associação dos
Advogados Trabalhistas do Distrito Federal, Nilton Correia.
O texto reforça a necessidade de o juiz adotar todas as
medidas para o integral cumprimento de sentença, inclusive o
bloqueio de valores e bens do
devedor por meio eletrônico.
Segundo o presidente do
TST, João Oreste Dalazen, a
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) nasceu junto com a
Justiça do Trabalho há 70 anos
e nunca teve uma reforma de
conteúdo nesse período em que
o mundo, os meios de produção
e as relações de trabalho passaram por profundas mudanças.
“O direito não pode ser uma
loteria, tem que ser previsível,
seja o julgamento pela turma A
ou B”, afirma o advogado paulista Luiz Carlos Moro, ex-presidente da Associação Brasileira
dos Advogados Trabalhistas.
Para ele, “há um ambiente de
profunda insegurança” interna e
externa na Justiça do Trabalho.
Os bancos de dados do
Disque-Denúncia, serviço da
Secretaria Estadual de Segurança, e do Ministério Público
do Estado do Rio de Janeiro
(MPRJ), que contêm informações sobre pessoas desaparecidas, passaram a funcionar conjuntamente a partir de ontem.
Com isso, o MPRJ vai inserir
dados do Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (Plid) no site do Disque-Denúncia. A Secretaria Estadual de
Segurança fará o mesmo trabalho, abastecendo o banco de dados do Plid com as informações
que chegam ao Disque-Denúncia.
O coordenador do Disque-denúncia, Zeca Borges, disse que
o banco de dados da secretaria tem informações genéricas
sobre as atividades criminosas
no estado do Rio de Janeiro e
que, com a parceria com o Ministério Público, o trabalho será
reforçado. “Uma atuação conjunta, para multiplicar a nossa
capacidade e alcançar resultados maiores com a questão dos
desaparecidos no Rio de Janeiro. Se tivermos sucesso, esperamos estender a nossa experiência para outros estados”, disse.
O procurador de Justiça Pedro Mourão disse que a parceria
visa a oferecer mais publicidade
a dados sobre a comunicação de
desaparecidos e, assim, permitir
que a sociedade se torne uma
aliada na localização e identificação dessas pessoas. Ele ressaltou
que a população terá acesso aos
dados, a fotografias dos desaparecidos e também às investigações.
“O canal de absorção de
dados, que o Disque Denúncia
disponibiliza, vai receber mais
informação sobre o paradeiro
dessas pessoas. Paralelamente,
vai absorver nossas comunicações de desaparecimentos que,
pela força do convênio, serão
difundidos no projeto. Depois
desse recebimento, o MP vai
acionar suas diligências, por
sua força de ação, para fazer a
localização e a identificação de
pessoas”, explicou o procurador.
Questão
de Justiça
ff@freixinho.adv.br
Marcha da maconha:
manifestação democrática
ou apologia de crime?
o último mês tem sido muito discutida a questão
da licitude ou não na manifestação denominada
“Marcha da maconha”. Sobre o tema tem sido
feitas diversas apreciações por membros do poder judiciário de diversos estados, membros do ministério
público, advogados, jornalistas, médicos e diversos outros segmentos da sociedade.
Em São Paulo, no apagar das luzes, em decisão
liminar a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de
Justiça proibiu a realização da marcha em questão. A
decisão foi proferida em sede de recurso interposto
pelo Ministério Público por conta do salvo conduto
expedido por juiz de primeiro grau em favor de um
grupo de manifestantes. Na decisão o juiz entendeu
que “trata-se de uma postura de política pública a criminalização ou não do uso das drogas. Não se pode
impedir nenhuma pessoa de manifestar sua opinião,
sob pena de censura por parte do Judiciário.”
A decisão de segunda instância que proibiu a manifestação foi cumprida pela PM transformando o local da
realização e suas adjacências em um verdadeiro campo de
batalha. A tropa de choque investiu pesado contra aqueles que defendiam a legalização da maconha utilizando-se
de balas de borracha, gás lacrimogêneo e outros, tendo
gerado pânico e aterrorizado manifestantes, que corriam
como “criminosos” pelas ruas da cidade. O pavor também
tomou conta de pessoas que passavam pelo local e não
tinham qualquer relação com o movimento.
Enquanto o poder judiciário e a PM de São Paulo atuaram dessa maneira contra pessoas indefesas que se encontravam protestando pacificamente, em outros estados,
menos conservadores, a
realização da Marcha foi
Não se trata de
considerada lícita pelo
poder judiciário.
defender ou não a
A justiça paulistana
considerou que o evenlegalização do uso
to “(...) não trata de um
debate de idéias, apenas,
de tal substância,
mas de uma manifestação de uso público colemas sim de garantir a
tivo de maconha, presentes indícios de práticas
livre manifestação do
delitivas no ato questionado, especialmente porpensamento, ícone
que, por fim, favorecem
a fomentação do tráfico
do estado de direito
ilícito de drogas.”
Já em 2009 e 2010, o
Tribunal de Justiça de
São Paulo tinha se manifestado contrariamente à realização da marcha da maconha, in verbis:
“Enquanto não houver provas científicas de que o
‘uso da maconha’ não constitui malefícios à saúde pública (...), toda tentativa de se fazer uma manifestação
no sentido de legalização da ‘maconha’ não poderá ser
tida como mero exercício do direito de expressão ou da
livre expressão do pensamento, mas sim, como sugestão ao uso estupefaciente denominado vulgarmente
‘maconha’, incitando ao crime (....).” (2010).
Ao que parece trata-se de um caso grave de censura
em clara afronta à Constituição Federal que prevê o
direito constitucional à livre manifestação. É claro que
aquele que participa de um movimento social que tem
por objeto debater e defender a descriminalização do
uso de maconha, não instiga ou induz alguém ao uso
de drogas, não constituindo crime previsto na lei especial, nem no artigo 286 do Código Penal.
Não se trata de defender ou não a legalização do uso de
tal substância, mas sim de garantir a livre manifestação do
pensamento, ícone do estado de direito. Também não se trata de discutir dos benefícios ou malefícios de seu uso, até
porque várias substâncias muito mais deletérias à saúde
tem o seu uso permitido conforme nossa legislação.
A política criminal é fruto do pensamento dominante em determinado tempo e local e é claro que o debate pode gerar a modificação de leis sobre determinada
questão. Não é à toa que determinadas condutas que
antes eram lícitas hoje são criminalizadas e vice-versa.
O sistema legislativo de qualquer país não pode evoluir
sem o debate e não se pode instituir a lei da mordaça.
Nesse ponto irretocável a decisão do poder judiciário
do Rio de Janeiro que entendeu que “o Judiciário, nem
qualquer outro Poder da República, pode se arrogar a
função de censor do que pode ou do que não pode ser
discutido numa manifestação social. (...) O que não podem
fazer é tentar impedi-la. Isso, sim, seria inconstitucional,
atentatório à ordem pública e às liberdades públicas”.
Ora a participação no movimento é protegida pelo
direito constitucional de reunião pacífica em locais
abertos ao público, nos termos do artigo 5º, XVI da
Constituição e é consequência do estado democrático
de direito. A ideia da manifestação, como bem aduzido
pelo juiz carioca, é discutir uma política pública e defender a exclusão da maconha do rol das substâncias
ilícitas, sem, todavia, incentivar o seu uso ou comércio.
Por derradeiro: não deveria em hipótese alguma o
judiciário atuar como censor e proibir a livre manifestação de pensamento e discussão de políticas públicas
de maneira pacífica e no local adequado, sob pena de
atentar contra o estado democrático de direito.
N
Fernanda Freixinho é advogada Criminalista, sócia do escritório Freixinho Advogados, mestre em Ciências Penais – UCAM, pós- graduada em Direito Penal
Econômico IDPEE (Coimbra) e professora da Universidade Candido Mendes.
RIO
TRANSPORTE
Linha 4 do
Metrô é aberta à
visitação pública
Está aberta a temporada
de visitas públicas às obras de
construção da Linha 4 do Metrô.
Noventa alunos da Escola Técnica Silva Freire, ligada à Faetec
(Fundação de Apoio à Escola Técnica), participaram do passeio
inaugural e percorreram os 900
metros de túneis já escavados.
Os estudantes, com idade entre 15 e 30 anos, matriculados em
cursos na área de transporte e
logística, conheceram os métodos
de engenharia utilizados na obra
e seu sistema de reaproveitamento de água, responsável pela economia de 40 mil litros diários.
O secretário de Transportes,
Julio Lopes, recebeu os estudantes e anunciou a data da segunda visita: dia 19 de junho.
“As visitas públicas são uma
tradição nas obras de metrô, des-
de 1978. Acreditamos que as inscrições para conhecer os túneis
da Linha 4 superem todos os números registrados. Este equipamento beneficiará diretamente
240 mil pessoas todos os dias, é
natural que haja expectativa e
vontade da população em saber
mais sobre os rumos da obra”,
explicou o secretário Julio Lopes.
Ao saber da visita às obras da
Linha 4, um ilustre ex-aluno fez
questão de enviar uma mensagem. O jornalista Sérgio Cabral,
que se formou em eletrônica
pela Silva Freire e disse utilizar
ainda hoje os conceitos adquiridos ali, na década de 50.
Os interessados em participar devem se inscrever ligando para 2236-2928 ou pelo
endereço eletrônico visitaguiada@ccrblinha4.com.br.
SANTA TERESA
Policiamento
deve ser reforçado
Para aumentar a segurança
dos moradores de Santa Teresa
e dar mais praticidade para policiais militares que atuam nesta
região, a Secretaria de Segurança tem a ideia inicial de instalar
no antigo prédio do Hospital das
Clínicas 4° Centenário, um hotel
de trânsito para policiais itinerantes e militares das Unidades
de Polícia Pacificadora (UPPs),
uma companhia destacada do
1° BPM (Estácio) e um comando
unificado das UPPs dos morros
de São Carlos, Coroa e Prazeres.
De acordo com o comandantegeral da Polícia Militar, Mário
Sérgio Duarte, o hotel serviria
como dormitório para policiais
militares vindos de outras localidades para trabalharem nas
UPPs, entre outras necessidades.
“Além disto, a companhia destacada servirá para reforçar o
policiamento de Santa Teresa e
o comando unificado seria para o
policial resolver a parte burocrática para não precisar se deslocar
até o Quartel da Evaristo da Veiga”, explicou a autoridade.
A Secretaria de Segurança
negocia com a Prefeitura do
Rio a cessão do imóvel, desativado há três anos.
9
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
INTERNET
Americanas.com não
poderá vender no estado
Caso a determinação seja descumprida, multa fixada pelo TJ do Rio é de R$ 20 mil
O site de comércio eletrônico Americanas.com ficará
impedido de realizar novas
vendas no Estado do Rio de
Janeiro até a regularização das
entregas dos pedidos já realizados pelos clientes. Segundo
nota à imprensa do Ministério
Público (MP) do Rio de Janeiro,
o Tribunal de Justiça (TJ) aceitou pedido do MP, que passará
a valer a partir do dia em que
a empresa de comércio eletrônico for intimada da decisão. A
multa fixada pelo TJ, caso essa
decisão seja descumprida, é
de R$ 20 mil. A assessoria de
imprensa da Americanas.com
informou que não comenta processos em andamento.
“O Ministério Público obteve decisão no juízo de primeiro grau que acata parcialmente o requerimento, exigindo da
Americanas fixação de prazo
Reprodução
Empresa somente voltará a vender após regularizar entregas de pedidos já realizados
preciso para efetuar entrega
de suas mercadorias, respeitando-o e disponibilizando tal
prazo em sua página virtual”,
afirmou o comunicado. De
acordo com a nota, a decisão
também prevê multa de R$
500,00 por violação.
“Com a decisão da Justiça,
além do cumprimento dessa exi-
gência, a empresa deve abster-se
de realizar vendas por meio do
site até que todas as entregas
prometidas sejam de fato realizadas”, completa a nota.
CAMPO GRANDE
Despejo atinge prédios que
seriam dominados por mílicia
Tiago Rogero
Da Agência Estado
Os moradores de 143 apartamentos do programa “Minha
Casa, Minha Vida”, que teriam
sido invadidos entre o fim de
2010 e fevereiro deste ano,
foram despejados ontem em
Campo Grande. A prefeitura
e a Caixa Econômica Federal
conseguiram uma liminar na
Justiça autorizando a reintegração de posse, a partir de uma
denúncia de que o conjunto habitacional Ferrara estaria sob o
domínio de uma milícia.
Participam da operação 100
policiais militares e 30 policiais
federais, além de oficiais de justiça e funcionários da prefeitura. Segundo o secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar,
as famílias removidas poderão
optar por receber mensalmente
um aluguel social, de R$ 400, ou
serem alojadas em um abrigo da
prefeitura. Seis caminhões foram disponibilizados para realizar a mudança das famílias.
Bittar disse que vai solicitar
ao secretário de Segurança do
Estado, José Mariano Beltrame,
a elaboração de um planejamento para evitar que os apartamentos voltem a ser invadidos.
Cento e dezenove moradores
que têm direito ao imóvel no
programa do governo federal e
vivem no condomínio de maneira regular não serão despejados.
Alguns deles confirmaram ao
“Estado” a presença de milicianos, que cobravam uma taxa
periódica dos habitantes. Outros
moradores negaram que a comunidade estivesse sendo dominada por um grupo paramilitar.
MUNDO
KHADAFI
Líbia poderá
pedir cessar-fogo
imediato à ONU
O primeiro-ministro da Líbia, Baghdadi Mahmoudi, pretende propor um cessar-fogo
imediato à Organização das
Nações Unidas (ONU). Segundo ele, o governo de Muammar
Khadafi está pronto para iniciar negociações, declarar anistia e discutir uma nova Constituição. “A futura Líbia será
radicalmente diferente daquela que existia há três meses”,
afirmou Baghdadi Mahmoudi.
“Esse sempre foi o nosso
projeto, mas agora devemos
acelerar o processo”, disse
Mahmoudi. “Para isso, devemos terminar com os combates, começar a discutir, conseguir um acordo sobre uma
nova Constituição e criar um
sistema de governo baseado na
realidade da nossa sociedade.”
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o primeiroministro da Grã-Bretanha, David
Cameron, reiteraram nesta quarta-feira que estão comprometidos em manter as operações militares na Líbia até que Khadafi
renuncie ao poder. O secretáriogeral das Nações Unidas, Ban
Ki-moon, apelou às autoridades
líbias para um “verdadeiro cessar-fogo” e “negociações sérias”.
No último dia 15, o primeiro-ministro líbio afirmou que o regime
de Khadafi estava pronto para um
cessar-fogo imediato que coincidiria com o fim dos ataques da Otan.
Oposição síria pede que
Exército de junte à revolta
A oposição da Síria pediu
ontem ao Exército nacional que
se junte à revolta contra o regime do presidente Bashar Assad,
afirmando que integrantes do
governo estão atacando manifestantes e militares. Os opositores disseram no Facebook que os
protestos de hoje serão em honra aos “Guardiães da Nação”,
uma referência ao Exército.
Uma carta postada na página do Facebook do grupo
Syrian Revolution 2011 diz
que o povo tomou as ruas para
exigir liberdades na Síria mas
“foi assassinado pelas mesmas
mãos que assassinaram nossos
honrados soldados”.
O pedido parece ser uma forma de tentar pôr um fim ao impasse após quase dez semanas de
protestos. O governo diz que as
manifestações são realizadas por
“grupos armados” e não por militantes que lutam por reformas.
Grupos de direitos humanos
dizem que a repressão do governo contra os dissidentes já
matou mais de 1.000 pessoas,
dentre elas dezenas de soldados, nos últimos dois meses.
SÉRVIA
Acusado por crimes de
guerra, Mladic é preso
General estava fugindo desde 1995, quando foi indiciado pela Corte de Haia
O presidente sérvio, Boris Tadic, anunciou ontem que o homem mais procurado por crimes
de guerra na Europa, o general
Ratko Mladic, foi preso. “Em
nome da República da Sérvia,
nós anunciamos que Ratko Mladic foi preso”, afirmou Tadic.
Mladic é acusado de ser um
dos executores do pior massacre
que ocorreu na Europa desde o
final da Segunda Guerra Mundial (1945). Ele comandou as
forças sérvias durante a Guerra
da Bósnia (1992-1995).
Mladic estava fugindo desde
1995, quando foi indiciado pelo
Tribunal Penal Internacional
para a ex-Iugoslávia, sediado em
Haia, na Holanda. Ele é acusado
por genocídio, no episódio da
morte de 8 mil muçulmanos bósnios em Srebrenica e também por
outros crimes de guerra cometidos durante a Guerra da Bósnia.
Mladic foi apresentado na
noite de ontem em um tribunal
em Belgrado. A polícia sérvia
disse que Mladic, procurado
há 16 anos, estava com pistolas
quando foi detido, mas não ofereceu resistência. “Nós finalizamos um período difícil da nossa
história”, disse Tadic.
Mladic foi capturado no vilarejo de Lazarevo, um local com
2 mil habitantes e 100 quilômetros ao noroeste de Belgrado.
A Organização do Tratado do
Atlântico Norte (Otan) comemorou o anúncio, dizendo que Mladic estava implicado em alguns
dos piores massacres da história
moderna da Europa. “Após quase 16 anos de seu indiciamento
por genocídio e outros crimes
de guerra, sua prisão finalmente
oferece uma chance de a justiça
ser feita”, afirmou o secretáriogeral da Otan, Anders Fogh
C
U
R
Rasmussen. Cerca de 100 mil
pessoas morreram na Guerra da
Bósnia, de três comunidades étnicas: sérvios, bósniacos (muçulmanos eslavos) e croatas.
O presidente dos Estados
Unidos, Barack Obama, elogiou
a captura de Mladic e afirmou
que o acusado agora precisa
responder às vítimas que sobreviveram nos tribunais.
O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini,
afirmou que a prisão é um “ponto
de inflexão” para a Sérvia, deixando o país mais perto de tornar-se
um membro da União Europeia.
Ainda antes do anúncio da
prisão, havia sido divulgada a
informação de que o procuradorgeral do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia havia
reclamado do fato de a Sérvia
não fazer o suficiente para prender Mladic. O procurador, Serge
T
A
Brammertz, afirmou que a prisão
era a principal obrigação do país.
Extradição a Haia - Tadic
disse que a Sérvia começou o
processo para extraditar o exgeneral para o Tribunal Penal
Internacional (TPI), em Haia, na
Holanda, onde Mladic será julgado por 15 acusações, incluindo
genocídio, extermínio, perseguição e deportação de civis.
A televisão estatal sérvia disse que o ex-general passa por
exames médicos em uma prisão
de Belgrado. Mladic, de 69 anos,
pode passar o resto da vida preso
em Haia se for condenado.
Especialistas em direito
internacional pensam que a
prisão de Mladic enviará uma
mensagem a figuras como o governante da Líbia, Muamar Kadafi, de que nenhum líder político acusado de crimes de guerra
pode esperar escapar da Justiça.
S
Carro-bomba explode e mata 26
pessoas no noroeste do Paquistão
Violência deixa 56 mortos e cresce
o risco de guerra civil no Iêmen
Um carro-bomba, cujo alvo era uma delegacia de política na cidade
de Hangu, noroeste do Paquistão, explodiu ontem matando 26
pessoas e deixou 56 feridas, a maioria das vítimas era civil, segundo
fontes oficiais. O Taleban paquistanês assumiu a autoria do atentado.
O grupo já se responsabilizou por uma série de ataques recentes
contra forças de segurança do governo, aparentemente para vingar a
morte de Osama bin Laden, ocorrida em 2 de maio.
Confrontos entre forças do Iêmen e dissidentes deixaram 28 mortos,
informou ontem a agência estatal Saba. Além disso, o Ministério da
Defesa afirmou que uma explosão em um depósito de munição da
poderosa tribo Al-Ahmar matou 28 pessoas na capital do país. Porém
rebeldes contrários ao governo do presidente Ali Abdullah Saleh
afirmam que não houve explosão acidental, mas um ataque com
bombas lançado por forças oficiais contra os oposicionistas.
10
Sexta-feira, 27 de maio de 2011
ARTES
Divulgação
LITERATURA
%LRJUD¿DGH/LPD
Barreto destaca
a crítica social
Marcelo Galli
Da Agência Estado
Filme de Josh
Appignanesi faz
crítica direta
CINEMA
Intolerância entre
muçulmanos e judeus
“Santa paciência” escolhe o riso para falar das diferenças religiosa e política
Luiz Zanin Oricchio
Da Agência Estado
O que acontece quando alguém se julga um fiel muçulmano
e descobre, por acaso, que é filho
adotado e seus pais biológicos são
judeus? Essa é a questão central
da boa comédia “Santa Paciência”, do diretor Josh Appignanesi,
e a revelação se abate sobre Muhmud Nasir (Omid Djalili), quarentão, casado, pai de dois filhos jovens e habitante de Londres.
“Santa Paciência” (“The
Infidel”, no original) é aquele
tipo de filme que escolhe a via
do riso para melhor falar de
um dos maiores problemas do
mundo atual - a intolerância. Os
grupos amam a si mesmos e detestam os outros. Essa recusa da
diferença toma a forma religiosa, na aparência, e se expressa
na política, no frigir dos ovos.
No caso, falamos daquela modalidade de intolerância que separa
muçulmanos de judeus, abre frestas intransponíveis entre grupos e
países e impede um mínimo de coexistência pacífica no caldeirão do
Oriente Médio. Em nosso mundo,
que se torna mais tribal à medida
que se globaliza, esse tipo de obra
é cada vez mais necessária.
Fazendo rir, ela coloca um pouco de perspectiva nas coisas. Combate a intolerância e o racismo
atacando-os pelo ridículo. Nessas
horas, um comediante revela-se
ESPORTES
mais eficaz que um teórico da paz
e da convivência civilizada entre
nações. A exposição ao ridículo
pode ser mais letal para os preconceitos do que a crítica direta
porque o preconceito é um ser noturno que não suporta a luz do dia
e a claridade do riso.
Ainda mais, como no caso de
“Santa Paciência”, quando o roteiro, bem imaginado, faz com
que o muçulmano convicto e orgulhoso de suas raízes seja não
apenas obrigado a rever conceitos, como a aprender de modo
rápido a se passar por um judeu
convincente. Para tanto, Mahmud é obrigado a tomar lições
com um antigo desafeto, o taxista
judeu vivido por Richard Schiff.
As sequências em um Bar-Mitzva são, talvez, as mais hilárias do
filme. Não faltam outras, isoladas,
que fazem o espectador rir, mas
também pensar. E isso porque, ao
armar sua história, o roteirista David Baddiel, um humorista judeu,
joga com os preconceitos que separam os grupos. Fazendo com que
preconceitos e clichês se anulem
mutuamente, ele obtém esse efeito cômico arrasador, via absurdo.
A direção de Appignanesi é eficiente e simples. A graça está no
texto e na maneira como é interpretado. Rindo, se castigam os costumes, conforme o adágio romano
adotado por Molière e outros satiristas. A loucura humana causa
pena, mas também faz rir.
Rafael Nadal sofre
de novo, mas consegue
sua 40ª vitória em
Roland Garros
A produção do escritor Lima
Barreto mostra o branco brasileiro na sua performance ilusória
de hegemonia racial e no desenvolvimento de seus processos sutis e brutais de violência contra
os não-brancos. Essa é a opinião
de Cuti, pseudônimo de Luiz Silva, autor de uma biografia lançada recentemente sobre o autor.
Por aquele motivo, a intelectualidade do período em que o autor
viveu e a seguinte geriu mal o legado do seu trabalho, mantendoo na invisibilidade, acrescentou.
Autor de obras fundamentais
da literatura brasileira, entre
elas “Triste Fim de Policarpo
Quaresma” e “Clara dos Anjos”,
além de centenas de crônicas e
contos como, o mulato Barreto
tem sido reabilitado desde meados do século passado.
Obras como essa biografia,
que saiu pelo Selo Negro, da
Summus Editorial, na coleção
Retratos do Brasil Negro, que
destaca a vida e a obra de figuras fundamentais da cultura, da
política e da militância negra,
fazem parte desse movimento. Barreto nasceu no dia 13 de
maio de 1881, numa sexta-feira,
na cidade do Rio de Janeiro.
Conforme Cuti, Barreto é um
autor cuja obra marca um momento importante na literatura
brasileira: o ponto de vista daquele que é humilhado. E, apesar
da pobreza, do preconceito racial,
do alcoolismo e de internações
em hospício, ele foi um “intelectual digno, de uma lucidez ímpar,
exemplar”, lembra Cuti.
Agora no fluminense,
Márcio Rosário falou à
imprensa, mas não obteve
respaldo da direção
VÔLEI
Brasil estreia atrás
GRžWtWXORGD/LJD
Desde 2001, hegemonia nas grandes competições só foi quebrada três vezes
Após cotovelada em
Negueba, volante
Willians treina sozinho
no Flamengo
ELEIÇÃO
Bin Hammam
contra-ataca
presidente da Fifa
Jamil Chade
Da Agência Estado
Rafael Vergueiro
Da Agência Estado
O vôlei brasileiro se tornou tão
vencedor nos últimos anos que
é até difícil encontrar novos desafios. Mas um rival certamente
ainda está entalado na garganta
do técnico Bernardinho e seus comandados: os Estados Unidos. E na
Liga Mundial, que começa hoje - a
seleção estreia contra Porto Rico,
em San Juan, às 21h30 (de Brasília)
-, o Brasil terá os norte-americanos
pela frente logo na primeira fase.
Desde 2001, a hegemonia brasileira nas três competições mais
importantes do voleibol (Jogos
Olímpicos, Mundial e Liga Mundial) só foi quebrada três vezes,
duas pelos Estados Unidos e uma
pela Rússia. Neste período, o Brasil só perdeu a Liga Mundial de
2002 para os russos e foi superado pelos americanos na mesma
competição e nos Jogos Olímpicos de Pequim - ambos em 2008.
Na ocasião, o oposto Stanley
destruiu a defesa brasileira. E ele
está de volta, entre os jogadores
inscritos na Liga Mundial. Em boa
fase, foi eleito o melhor jogador
norte-americano de vôlei no ano
passado. O primeiro dos quatro
confrontos entre as duas equipes
pelo torneio está marcado para o
próximo dia 11, em Belo Horizonte.
“Os Estados Unidos são uma
pedra porque sempre jogam bem,
têm aplicação tática melhor do
que os outros e nesta Liga Mundial vão trazer vários jogadores
da nova geração. Em 2008, foi
uma derrota que doeu, não podemos deixar esse fantasma nos assombrar pelo resto do nosso caminho”, disse o central Gustavo, que
voltará a atuar pela seleção brasileira após três anos de ausência,
desde a última Olimpíada.
Renovação - Além de Gustavo,
o Brasil terá o retorno do líbero
Serginho. Ele não joga no time de
Bernardinho desde 2009 - ficou
afastado devido a um problema
nas costas. Mesmo após ser campeão da última Superliga pelo
Sesi (SP), ele admite que teve um
pouco de receio de voltar à seleção. “Após a cirurgia, não sabia
como iria reagir ao ritmo de treinamentos da seleção, que é muito
intenso. Mas tudo correu bem e
estou muito feliz por estar de volta. O grupo segue vitorioso e com
a mesma mentalidade”, afirmou.
Além dos dois, o Brasil terá
outros veteranos na Liga Mundial
- casos de Giba, Rodrigão e Dante.
E o processo de renovação iniciado
por Bernardinho em 2008 está consolidado - hoje, Leandro Vissoto,
Lucas e Bruninho são titulares. Já
Murilo, o melhor atleta brasileiro
de 2010, está fora da estreia brasileira, pois deixou o grupo para
ficar ao lado da esposa Jaqueline, que estava grávida e perdeu o
bebê no início desta semana. Será
substituído por João Paulo Bravo.
ATLETISMO
Usain Bolt volta às competições
FRPYLWyULDQD'LDPRQG/HDJXHV
Em sua volta às competições, o jamaicano Usain Bolt
conquistou ontem a medalha
de ouro na prova dos 100 metros na terceira etapa da Diamond League, circuito mundial
que reúne a elite do atletismo.
Na disputa realizada no Estádio Olímpico de Roma, na
Itália, ele sofreu forte concor-
rência do seu compatriota Asafa Powell, mas conseguiu vencer com o tempo de 9s91.
Grande nome do atletismo na
atualidade, Bolt estava afastado
das competições desde agosto,
quando perdeu para o americano Tyson Gay nos 100 metros da
etapa de Estocolmo, na Suécia.
Aquela foi a sua primeira derrota
em cerca de dois anos de domínio
absoluto nas provas de velocidade. Depois disso, ele precisou encerrar a temporada por causa de
contusão e só está voltando agora.
Antes de competir ontem em
Roma, Bolt admitiu que estava
sentindo um “nervosismo” que
não costuma sentir antes das provas. Mesmo assim, ele confirmou
o favoritismo e venceu a prova.
Para isso, no entanto, teve que
superar Asafa Powell nos metros
finais, depois de ficar quase o
tempo todo atrás do compatriota.
Após a prova, Bolt admitiu
que não fez uma boa corrida.
“Estava nervoso porque era a
minha primeira prova da temporada”, afirmou.
“A obra de Lima Barreto contribui até hoje para o despojamento da linguagem escrita e sua
aproximação com a linguagem
oral, além de incentivar a dicção
literária das zonas suburbanas ou
periféricas das grandes cidades, e,
em especial, do contingente negrobrasileiro, de cuja literatura ele se
tornou um precursor”, analisa.
O livro retoma períodos de
formação intelectual do autor,
reflexos da vida pessoal em suas
obras e a atualidade de seus textos em relação a alguns assuntos,
focando na questão do racismo e
preconceito e o papel do futebol
na vida social do brasileiro.
Porém, os textos de Barreto
abordam outros temas atuais
como a corrupção política, violência contra civis por parte das
forças policiais, violência contra
mulher, ostentação social, parcialidade da imprensa, literatos esnobes e hermetismo e feminismo.
O poeta negro catarinense e
Barreto não chegaram a se corresponder - quando Cruz e Sousa
morreu, em 1896, aquele tinha
apenas 15 anos -, mas há indício
de que a leitura da obra dele teria
inspirado a criação do personagem Leonardo Flores, poeta presente no romance Clara dos Anjos,
conta Cuti. “Ele chegou também
a expressar em artigo a preocupação com o estudo da obra de Cruz
e Sousa, cobrando dos amigos deste tal tarefa”, acrescentou.
Cuti é formado em Letras pela
Universidade de São Paulo (USP),
mestre em Teoria da Literatura e
doutor em Literatura Brasileira
pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade
Estadual de Campinas (Unicamp).
Um tiroteio toma conta das
eleições na Fifa. Ontem, o cartola acusado de pagar subornos
para obter votos, o catariano
Mohamed Bin Hammam, pediu
uma investigação na Fifa contra
o seu próprio presidente, o suíço
Joseph Blatter, alegando que ele
foi informado e não se opôs às
supostas propinas pagas.
Nesta quarta-feira, Blatter
disse querer abrir um processo
contra Bin Hammam, por oferecer subornos em troca de votos.
O árabe rejeitou as acusações de
que isso seria ilegal. “Não é coin-
cidência que essas alegações tem
sido feitas poucos dias antes das
eleições”, declarou Bin Hammam.
O rival do suíço, portanto, pede
que as investigações incluam Blatter e ameaça até com um processo
na justiça comum contra o suíço.
“Não tenho nada a temer, com tanto que o processo seja justo”, disse.
Blatter negou ontem que a
abertura de investigações tenha
sido uma operação liderada por
ele. “Estou triste e chocado”, afirmou. “Não me dá nenhum prazer
ver Bin Hammam sofrer”, disse.
Diante das suspeitas, governos se lançam no caso e pedem
uma intervenção na administração do futebol.
FUTEBOL
Botafogo contrata
Renato, do Sevilla
O Botafogo finalmente anunciou a contratação de um jogador
de mais renome para apaziguar
a sua torcida. O clube confirmou
ontem em seu site oficial a contratação do meia Renato, do Sevilla, que foi campeão brasileiro
pelo Santos em 2002 e 2004. O jogador assinou o contrato de três
anos ainda na Espanha.
“Estão saindo os últimos atletas
daquela geração vitoriosa do Sevilla que conquistou os (dois) títulos da Copa da Uefa. Estou feliz e
gosto daqui, mas bateu uma saudade do Brasil”, comunicou Renato.
Sua chegada reforça o setor
mais carente do time, o meio
de campo, que agora também
conta com o recém-contratado
Elkeson. Mas a diretoria ainda
busca nomes para o meio, como
Gilberto, do Cruzeiro.
O jogador, de 32 anos, foi destaque na seleção brasileira em
2004, quando conquistou a Copa
América, e em 2005, com o título
da Copa das Confederações.
Download

Abril tem menor taxa de desemprego desde 2002