A ESTRUTURA DO PALÁCIO DO ITAMARATY EM BRASÍLIA:
ASPECTOS HISTÓRICOS E TECNOLÓGICOS DE PROJETO,
EXECUÇÃO, INTERVENÇÕES E MANUTENÇÃO1
Evaristo C. Rezende Santos2, João Carlos Teatini Clímaco3, Antonio Alberto Nepomuceno4
Resumo: O Palácio do Itamaraty em Brasília é uma obra prima na Esplanada dos Ministérios
da capital do Brasil, a única cidade construída no século XX laureada pela Unesco como
Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1989. O Palácio denota o gênio de seus criadores - o
arquiteto Oscar Niemeyer e engenheiro estrutural Joaquim Cardozo, e a ousadia e qualidade dos
profissionais de projeto e construção do Brasil. Baseado em documentos originais e depoimentos
do pessoal envolvido na construção, entre 1963 e 1970, o objetivo deste artigo é recuperar a
história do monumento, evidenciando seus mais importantes aspectos: plantas de arquitetura e do
projeto estrutural e detalhes gerais das técnicas construtivas e materiais. Uma análise estrutural
foi efetuada por meio do programa computacional SAP2000 (1995), que forneceu modelos para o
cálculo dos esforços internos nos elementos, momentos fletores e deslocamentos. O
dimensionamento das colunas típicas de concreto armado e vigas, segundo a norma brasileira
NBR 6118: 2003 (ABNT, 2004), mostrou as armaduras de aço de acordo com os padrões de
segurança, inclusive considerando as prescrições sobre fluência do concreto. Um programa de
avaliação estrutural e diagnóstico do monumento foi realizado, mostrando que a situação presente
da estrutura é adequada. Todavia, a manutenção preventiva imprópria da edificação é um fato
preocupante, como outros monumentos do patrimônio de Brasília, cuja importância exige
especial atenção e planejamento especifico para preservá-los para as futuras gerações.
Palavras chave: avaliação estrutural, Brasília, Palácio do Itamaraty, projeto estrutural.
THE STRUCTURE OF PALÁCIO DO ITAMARATY IN BRASILIA:
HISTORICAL AND TECNOLOGICAL ASPECTS OF THE PROJECT,
CONSTRUCTION, INTERVENTIONS AND MAINTENANCE
Abstract: Brasilia’s Itamaraty Palace is a masterpiece in the Ministries Esplanade of Brazil’s
capital, the only city built in the XX Century awarded by Unesco as a Mankind’s Cultural
Heritage, in 1989. The Palace denotes the genius of its creators, architect Oscar Niemeyer and
structural engineer Joaquim Cardozo, and the daring and quality of the design and construction
experts in Brazil. Based on original documents and statements of the personnel involved with its
construction, between 1963 and 1970, the purpose of this paper is to recover the monument
history, putting in evidence its most important aspects: architectural drawings, structural design
and general details of construction techniques and materials. A structural analysis was carried out
by means of the computational software SAP2000 (1995), which provided models for the
calculation of elements internal forces, moments and displacements. Calculations of typical
reinforced concrete columns and beams according to the Brazilian code NBR 6118: 2003
(ABNT, 2004) showed the steel reinforcements in agreement with current safety standards,
including if concrete creep is taken into account. A structural assessment and diagnosis
programme of the monument was conducted, showing that its structure present situation is
adequate. However, the building ineffective routine maintenance is a worrying fact, like others
Brasília Heritage monuments, whose importance ask for special attention and specific plans to
preserve them for the future generation.
Keywords: Brasília, Itamaraty Palace, structural design, structural assessment.
INTRODUÇÃO
O Palácio do Itamaraty, objeto deste trabalho, está situado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, capital do
Brasil - a única cidade construída no Século XX agraciada pela Unesco com o título de Patrimônio Cultural da
1
Artículo recibido el 2 de julio de 2007 y aceptado el 7 de septiembre de 2007
Engenheiro Civil, Mestre, Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, Unama, Belém-PA, Brasil. E-mail:
evaristorezende@aol.com.
3
Engenheiro Civil, MSc, PhD. E-mail: teatini@unb.br.
4
Engenheiro Civil, DsC; E-mail: nepomuceno@unb.br
2
Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7 (2-3) 229
Humanidade, em 1987. Construído entre 1963 e 1970, sua arquitetura arrojada e beleza fascinam todos que o
visitam, tornando-o um patrimônio da Arquitetura e Engenharia brasileiras. Genial criação do arquiteto Oscar
Niemeyer e tendo, à sua altura, o projeto estrutural do engenheiro Joaquim Cardozo, sua execução contou com a
brilhante participação de diversos profissionais, com destaque para o arquiteto Milton Ramos, responsável técnico
pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap).
A motivação de realizar um estudo extensivo desse monumento, referenciado na Engenharia Estrutural, deve-se à
injustificada carência de trabalhos e publicações que enfatizem quão importantes e inovadores foram, especialmente
naquela época, sua concepção, cálculo e técnicas construtivas. O trabalho dá seqüência à dissertação de mestrado
sobre a Catedral de Brasília de autoria de Pessoa (2002), no Programa de Pós-Graduação em Estruturas e
Construção Civil da UnB, em uma série idealizada para preencher essa lacuna na história da Engenharia Estrutural
brasileira: os monumentos de Brasília, cujas estruturas não mereceram registro compatível com sua arquitetura,
como boa parte das edificações relevantes no país (Santos, 2004). Deve-se ressaltar, ainda, a enorme dificuldade e o
insucesso parcial na obtenção dos projetos, fotos e demais documentos sobre tal patrimônio, mostrando o descaso de
nossa sociedade para com a história do país.
O objetivo principal deste trabalho é, a partir de documentos, dados históricos e depoimentos de pessoas
envolvidas, direta ou indiretamente, na concepção e execução do Palácio do Itamaraty, caracterizar a estrutura do
monumento: concepção, projeto estrutural e tecnologia construtiva. De posse desses dados e de vistorias técnicas,
buscou-se também avaliar sua situação física atual e propor as bases de um programa de recuperação e manutenção
preventiva para a estrutura.
Quanto à história do monumento, pretendeu-se evidenciar os aspectos mais importantes: início e término das
obras, dados dos projetistas, responsável técnico e detalhes gerais da estrutura do Palácio. Com base em plantas do
projeto estrutural original, determinou-se o conjunto de esforços solicitantes nas peças estruturais do Palácio,
utilizando o software de análise estrutural SAP2000 (1995), na idealização de modelos para obtenção dos esforços e,
assim, simular o comportamento estrutural da edificação. Em seguida, foram dimensionadas algumas peças
estruturais típicas do Palácio, segundo a norma brasileira pertinente, NBR 6118 (ABNT, 2003), visando comparar as
armaduras obtidas com as originais, elemento de interesse histórico e técnico para uma proposta de manutenção de
longo prazo. Como objetivo final, foram propostas as bases de um programa de manutenção estrutural periódica
para esse monumento, utilizando uma metodologia desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Estruturas e
Construção Civil da UnB e já testada, entre outros trabalhos, em três dissertações de mestrado, sistematizadas por
Boldo (2002).
BREVE HISTÓRICO E CARACTERÍSTICAS DA EDIFICAÇÃO
O Palácio do Itamaraty foi construído no período de 1963 a 1970. Os trabalhos de projetos e aquisição de verbas
começaram em setembro de 1960, com o lançamento da pedra fundamental. Em 06 de novembro de 1962, foi
assinado o contrato entre a NOVACAP (Companhia Urbanizadora da Nova Capital) e a Construtora Pederneiras,
responsável pela obra, no valor aproximado de seis milhões de dólares americanos, segundo conversão fornecida
pelo Banco Central do Brasil para a época do contrato. A construção do Palácio sofreu várias paralisações, por falta
de verbas e crises políticas ocorridas no país. Finalmente, em 21 de abril de 1970, deu-se a inauguração do Palácio
do Itamaraty, com a realização da primeira solenidade de formatura de diplomatas. A mudança do Itamaraty traria
grandes benefícios para a cidade, não só pelos investimentos dos diversos países em suas embaixadas, mas,
sobretudo, porque se consolidava, de uma vez por todas, a nova Capital, que só então passou a ser a verdadeira sede
da vida política e diplomática do país.
Características gerais da edificação
O conjunto que abriga o Ministério das Relações Exteriores, conhecido por Itamaraty, compreende três prédios,
com uma área construída total aproximada de 75.000 m2. O Palácio propriamente dito tem a forma quadrada em
planta, com 84m x 84m e altura total de 17,56m, sendo 4,27m no subsolo, situando-se na pista Sul do Eixo
Monumental, denominada Via S1.
A edificação é um marco visual na escala monumental do sítio onde está implantado, vizinho ao Congresso
Nacional e frontal ao Palácio da Justiça, no início do conjunto de edifícios da Esplanada dos Ministérios. O prédio é
valorizado pelas quatro fachadas principais, com linhas de pilares cuja função é dar a impressão de que a caixa de
vidro das fachadas mais internas é independente da cobertura, fato que na verdade não ocorre (Figura 1). As
fachadas são todas em concreto aparente, cada uma constituída por linhas de 15 pilares, distantes 6,00m entre si,
com um fecho superior de cada dois pilares em arcos ligados à cobertura.
230 Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7(2-3)
A arquitetura de Niemeyer explora muito bem o concreto aparente em faixas estreitas, com um cuidadoso
estudo da tonalidade e sem nenhuma junta de dilatação em todo a estrutura. As vigas internas têm altura máxima de
120cm e vãos livres de 36m, uma arrojada concepção para estruturas de concreto armado, mesmo no presente, que
exigiu a emenda de ferros por solda e a adoção de contraflechas nas vigas, para contrabalançar a deformação elevada
na retirada dos escoramentos.
Outro elemento que se destaca na entrada do salão principal, com 2.500m2, é a escada helicoidal que une o
térreo ao segundo andar, concebida por Joaquim Cardozo e Milton Ramos (Figura 2). A escada é constituída por
uma viga central, que sustenta os degraus com laterais em balanço, e com o apoio na laje superior fornecido por
armaduras que simulam as raízes de uma árvore, abrindo-se no interior da laje. É uma verdadeira escultura que
oferece uma perspectiva harmônica de qualquer ponto no interior do Palácio. A beleza do conjunto pode ser atestada
pelas palavras da Rainha Elizabeth II, da Inglaterra, em visita a Brasília na década de 60: “nunca vi um palácio tão
harmoniosamente belo” (Lago, sem data).
Figura 1: Palácio do Itamaraty.
Figura 2: Escada Helicoidal.
Características gerais dos materiais
Todas as formas da estrutura de concreto aparente foram produzidas em madeira (Pinho do Paraná), com
tecnologia corrente. Segundo depoimento do Arquiteto Milton Ramos, apenas para a construção das formas dos
pilares e arcos da fachada, de forma trapezoidal em seu topo, foi feita uma maquete em tamanho real, posteriormente
utilizada como modelo para as demais. Para essas formas, foram criteriosamente selecionadas e catalogadas ripas de
5cm de largura, de modo a não se perceber as juntas de concretagem. Foi utilizado um escoramento metálico
convencional.
Segundo documentos originais da obra, confirmados pelo engenheiro Armando Lima, da empresa Tecnosolo,
responsável pelo controle tecnológico de materiais da obra, foram empregados na estrutura de concreto armado dois
tipos de aço, hoje não mais produzidos: o aço torcido CAT-50, nas bitolas (em polegadas) de 1/8, 3/16, 1/4, 1/2, 5/8,
3/4, 7/8 e 1; e o aço corrugado CA-37 nas bitolas de 3/16, 5/16, 3/8 e 1/2, nos estribos. Segundo a NB-1/60 (ABNT,
1960), vigente à época, as resistências mínimas de escoamento à tração (equivalente, hoje, à resistência
característica do aço, fyk ) desses aços eram: 500 MPa, do CAT-50, e 370 MPa, do CA-37. Para o aço CAT-50, das
armaduras longitudinais de vigas e pilares, a NB-1/60 prescrevia uma tensão de escoamento à tração de cálculo de
300 MPa.
Segundo o mesmo técnico, confirmado por Milton Ramos e pelo engenheiro Hilderval Teixeira, também
envolvido na obra, nas armaduras longitudinais das vigas de comprimento 36m e 30m, devido às dimensões
reduzidas das seções, foi utilizada a emenda das barras por solda de topo. Segundo esses profissionais, foi feito um
controle rigoroso por amostragem da qualidade das barras soldadas, em ensaios de tração realizados pela Tecnosolo
nos laboratórios da Escola Politécnica do Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Segundo Milton Ramos, a dosagem racional do concreto foi feita com inúmeras séries de testes, com variação da
granulometria dos agregados das tonalidades do cimento e relação água/cimento, para que se chegasse à tonalidade e
resistência desejadas, mantidas em toda a obra. Infelizmente, nenhum documento ou certificado dos ensaios do
concreto da obra do Palácio foi encontrado nos arquivos da empresa responsável pelo controle tecnológico. Na
documentação encontrada, não havia qualquer registro do valor da resistência do concreto.
O engenheiro Armando Lima relatou, em entrevista, ser a tensão de ruptura média do concreto à compressão de
30 MPa, em ensaios a 28 dias, para todas as peças, exceto na biblioteca onde se utilizou 40 MPa. Na simbologia da
Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7 (2-3) 231
NB-1/60, essa tensão era representada por σc28, que assume na versão atual NBR 6118 (ABNT, 2003) a notação da
resistência à compressão média fc28 . Os valores declarados são bastante elevados para a época, no Brasil, tendo
Lima informado da utilização do aditivo retardador de pega e densificador Plastiment-VZ. Conforme especificava o
catálogo do fabricante (Sika, 1965), sendo produzido ainda hoje, a finalidade era “aumentar a resistência mecânica,
pela redução da quantidade de água, a trabalhabilidade, densidade e uniformidade do concreto”. O técnico citado
informou também que o cimento utilizado na construção foi da marca Campeão, fabricado na cidade de Belo
Horizonte, Minas Gerais. O agregado graúdo era o seixo rolado, do entorno de Brasília, e o agregado fino a areia
grossa do rio Corumbá e/ou rio Areias. A cura do concreto era feita por molhagem sob supervisão rigorosa dos
técnicos envolvidos na execução.
ANÁLISE DA ESTRUTURA
O Palácio do Itamaraty tem uma estrutura de concreto armado, duplamente simétrica em planta (Figura 3).
Chamam a atenção os grandes vão vencidos pelas vigas na direção Leste-Oeste, apresentando vãos de 30m, na
estrutura do térreo, primeiro e segundo pavimento, e vãos de até 36m na cobertura (Figuras 3 e 4). As seções
transversais dessas vigas têm altura altura de 0,70m, do pavimento térreo até o segundo, e de 1,20m na cobertura.
sua largura varia de 0,20m, no meio do vão, até 0,30m nos apoios. No direção Norte/Sul foram concebidas vigasfaixa, sobre as quais se apóiam as vigas Leste-Oeste, como mostra o esquema estrutural da Figura 4, em plataforma
CAD. Essas faixas têm seção transversal com largura 4,0m e altura 0,60 m, com espaçamento de 6,0m entre os
pilares no sentido Norte-Sul. Os pilares internos de apoio das vigas-faixa têm seção retangular de 0,25m x 1,20m e
os pilares de extremidade 0,20m x 1,00m. Os pilares das fachadas têm seção transversal trapezoidal, com as
dimensões: base maior 0,40m, base menor 0,05m e altura 1,50m (Figura 5).
Norte
s
Oe
te
Figura 3: Cobertura e Fachada Oeste do Palácio do Itamaraty, tendo ao fundo os
edifícios do Congresso Nacional e a Praça dos Três Poderes.
Norte
1,50m
0,05m
Oeste
0,40m
x
y
Figura 4: Esquema estrutural (Plataforma CAD) .
Figura 5: Seção dos pilares de fachada.
A estrutura do Palácio do Itamaraty foi modelada no programa SAP2000 (1995), segundo a geometria do projeto
original, utilizando o elemento finito Frame para representar as barras unidimensionais - vigas e pilares. Nesse
232 Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7(2-3)
modelo, foram idealizados dois pórticos planos: o primeiro na direção Leste-Oeste, denominado Pórtico A (Figura
6), constituído por vigas de 36 e 30m de vão, que se apóiam no Pórtico B, formado pelos pilares e vigas na direção
Norte-Sul (Figura 7).
Figura 6: Modelo estrutural do Pórtico A: direção Leste-Oeste (SAP2000).
Figura 7: Modelo estrutural do Pórtico B (vigas-faixa): direção Norte-Sul (SAP2000).
As figuras 8 e 9, a seguir, mostram os diagramas de momentos fletores dos pórticos A e B. Nas vigas, o
momento positivo máximo foi de 855 kN.m e o negativo 619 kN.m. Nos pilares, o momento máximo foi de 305
kN.m, no topo dos pilares dos arcos da fachada (Pórtico B).
Figura 8: Diagrama de momentos fletores nas vigas do Pórtico A (SAP2000).
Figura 9: Diagrama de momentos fletores do Pórtico B (SAP2000).
Os pilares de seção retangular foram discretizados com sua forma real. Os pilares dos arcos, de seção transversal
trapezoidal (Figura 5), têm modelagem complexa e dois modelos foram usados: I - seção retangular de dimensões
0,40m x 0,84m, com a base e o momento de inércia (relativo ao eixo principal y) iguais à da seção original; II: seção
retangular 0,28m x 1,20m, com a mesma área e altura igual a 2/3 da seção original. Os esforços calculados com as
duas seções resultou em diferenças desprezíveis; no entanto, os dois modelos têm comportamento diferente quanto
aos efeitos de segunda ordem na flexão composta.
Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7 (2-3) 233
Os diagramas de forças cortantes dos pórticos A e B são mostrados nas figuras 10 e 11. Os valores máximos de
cortantes nas vigas foram 166 kN, no Pórtico A, e 846 kN no Pórticos B. Nos pilares, a força cortante máxima foi 27
kN, muito inferior às vigas.
Figura 10: Diagrama de forças cortantes no Pórtico A - direção Leste-Oeste (SAP2000).
Figura 11: Diagrama de forças cortantes no Pórtico B - direção Norte-Sul (SAP2000).
O Quadro 1 apresenta as reações verticais estimadas nos apoios inferiores pelo modelo do programa SAP2000 e
uma comparação com os valores declarados na Planta de Locação e Carga dos Pilares do projeto original. Pode-se
notar que os valores estimados no modelo são muito próximos dos originais, todos a favor da segurança, um fato
marcante com o cálculo original na década de 60, com ferramentas bastante inferiores às atuais. As diferenças
reduzidas indicam também uma modelagem compatível com a do projeto original.
Pilar
Parco
P1
P2
P3
P4
P5
P6
P7
Quadro 1: Comparação das cargas verticais na fundação.
SAP2000
Projeto Original
Valor estimado/
(kN)
(kN)
Projeto Original (%)
814
940
-13,40
3400
3800
-10,52
5744
5800
-0,01
5532
5800
-4,62
5509
5800
-5,02
5503
5800
-5,12
5507
5800
-5,05
5507
5800
-5,05
DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA DE CONCRETO
A partir do modelo computacional do programa SAP2000, foram gerados três esforços característicos em seções
críticas das peças estruturais estudadas - momentos fletores e forças normal e cortante, para as condições mais
desfavoráveis de carregamento na estrutura. Desses esforços foi feito o dimensionamento de peças estruturais típicas
do Palácio do Itamaraty, segundo a norma vigente NBR 6118 (ABNT, 2003), adotando as cargas prescritas na NBR
6120 (ABNT, 1980) e as forças de ação do vento da NBR 6123 (ABNT, 1988). Com esses cálculos puderam ser
feitas comparações com as áreas de armaduras de algumas peças do projeto original, obtidas em um conjunto
incompleto de desenhos da estrutura, junto ao Setor de Manutenção do Palácio (Grillo, 2003), Arquivo Público do
Distrito Federal (ArPDF, várias datas), e Instituto de Planejamento e Desenvolvimento do Distrito Federal (IPDF,
234 Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7(2-3)
várias datas). A comparação de armaduras tem interesse científico e histórico, permitindo uma análise dos processos
utilizados no projeto original, além de servir como parâmetro para o estabelecimento de programas de manutenção
preventiva do monumento.
Para os pilares, o dimensionamento à flexão composta pela NBR 6118 levou em conta as excentricidades de 1ª
ordem, os efeitos de 2a ordem (flambagem) e a fluência do concreto (Fusco, 1981). Conforme citado anteriormente,
no item 2.2, a resistência média do concreto à compressão a 28 dias era de 30 MPa. A norma NB-1/60 (ABNT,
1960) prescrevia para o controle rigoroso de execução, aplicado à estrutura em questão, a tensão de ruptura mínima
do concreto à compressão σR = ¾σc28 = 22,5 MPa . Esse último valor foi adotado no cálculo como resistência
característica do concreto à compressão, fck , mesma disposição usada em trabalho anterior sobre a Catedral de
Brasília, por Pessoa (2002). Para o aço CAT-50, adotou-se a resistência de cálculo de escoamento à tração fyd = 300
MPa, segundo a NB-1/60.
O Quadro 2, a seguir, apresenta as armaduras calculadas pela NBR 6118: 2003, nas seções 1 (2º. Pavimento) a 4
(subsolo) dos pilares típicos de seção retangular (25x120cm) e dos pilares dos arcos de fachada, comparados às
existentes no projeto original.
Quadro 2: Comparação das armaduras calculadas pela NBR 6118: 2003 com as existentes no projeto original
(bitolas em polegadas).
Pilares
Calculada
Original
Calculada/Original (%)
P2 - Seção 1
20 φ 3/4”
22 φ 3/4"
-10
P2 - Seção 2
22 φ 7/8”
22 φ 7/8”
0
P2 - Seção 3
30 φ 1”
32 φ 1”
-7
P2 - Seção 4
33 φ 1”
35 φ 1”
-6
Pilar arco (modelo I)
42 φ 1/2"
44 φ 1/2"
-5
Pilar arco (modelo II)
45 φ 1/2"
44 φ 1/2"
+2
Nota-se no Quadro 2, que as armaduras calculados dos pilares pela NBR 6118: 2003 são ligeiramente inferiores
ao cálculo de Joaquim Cardozo, um fato digno de nota, pois, na época, além de não se dispor das ferramentas
computacionais atuais, não eram exigidas por norma várias prescrições disposições do cálculo à flexo-compressão,
consideradas neste trabalho.
Para o cálculo das armaduras longitudinais de flexão das vigas de 30m de vão, as únicas para as quais foi
localizada a planta de armação, adotou-se para o aço CAT-50 fyd = 300 MPa e o concreto com fck = 22,5 MPa. A
Figura 12, a seguir, mostra uma comparação entre as armaduras calculadas pela NBR 6118: 2003 com as obtidas do
projeto original, para as vigas com 30m de vão do Pórtico A. Para uma comparação mais fiel, o desenho das
armaduras calculadas foi feito seguindo o padrão original. Novamente, o cálculo de Joaquim Cardozo mostra-se
seguro e anti-econômico apenas no vão central de 30m, fato plenamente justificado se considerada a
responsabilidade da edificação e as condições de cálculo da época.
Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7 (2-3) 235
Figura 12: Comparação de armadura calculadas das vigas com projeto original.
Para o cálculo da flecha imediata nas vigas dimensionadas, utilizou-se a fórmula da rigidez equivalente de
Branson, adotada no item 17.3.2.1.1 da NBR 6118: 2003. Também segundo essa norma, foi estimada a flecha
diferida ao tempo, cabendo destacar a influência favorável da armadura de compressão adotada por Cardozo nos
vãos de 30m, que resultou em um reduzido coeficiente de fluência, α f = 1,60. Acrescida a flecha diferida à imediata,
têm-se os valores do Quadro 3, a seguir.
Quadro 3: Cálculo da flecha imediata (cm) para o Palácio do Itamaraty.
NBR 6118: 2003
Deslocamento vertical
Viga (seções)
SAP2000
Flecha Imediata
Flecha final
2
20 x 120 cm
14
12
22
20 x 70 cm2
15
13
24
A análise dos resultados do programa SAP2000 e do cálculo pela NBR 6118 confirma a necessidade de adoção
de contraflechas nas vigas do pórtico A, nos vãos de 30 e 36m. Infelizmente, não se teve acesso às memórias de
cálculo e o depoimento do arquiteto Milton Ramos, responsável técnico pela construção, não esclareceu a questão.
Pela boa aparência das peças, que visualmente não apresentam flechas excessivas, acredita-se, que Cardozo tenha
adotado as contraflechas adequadas.
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO FÍSICA DA ESTRUTURA
Foi realizado um programa de inspeções no Palácio do Itamaraty, visando elaborar um diagnóstico de sua
situação física atual, com a classificação e quantificação dos danos da estrutura de concreto, por meio da aplicação
de uma metodologia do Programa de Pós-Graduação em Estruturas e Construção Civil - PECC/UnB (Boldo, 2002).
A metodologia divide a estrutura de uma edificação em “famílias” de elementos típicos e calcula os graus de
deterioração individuais de cada elemento estrutural e da respectiva família e, introduzindo um “fator de relevância
estrutural” específico de cada família, permite quantificar o “grau de deterioração da estrutura”. A partir de uma
classificação dos níveis de danos existentes, a metodologia sugere as medidas preventivas/corretivas a adotar, com
os respectivos prazos de intervenção. O objetivo final foi propor um programa de manutenção para a estrutura do
monumento, de forma a garantir a sua estética, funcionalidade e segurança estrutural. Com esse objetivo, dividiu-se
a estrutura do palácio do Itamaraty em 3 famílias:
¾ Estrutura principal: lajes, vigas, pilares, escadas, lajes e vigas da cobertura;
¾ Estrutura das fachadas: pilares e arcos;
¾ Passarelas de acesso e lago circundante ao Palácio: lajes, vigas, pilares e cortinas.
Para a avaliação da estrutura principal do Palácio encontraram-se muitas dificuldades, pois, todos os pilares,
vigas e lajes são revestidos: nos pilares, um revestimento de placas de madeira, cobrindo todo seu perímetro; nas
vigas e lajes, um forro de gesso encobre todas as peças. Não foi liberada a retirada do forro de gesso pela
administração e a avaliação se limitou à observação através das luminárias do prédio. Quanto aos pilares, conseguiuse que fossem retirados cinco painéis para avaliação dessas peças.
O Quadro 4 apresenta o grau de deterioração de alguns elementos, das famílias respectivas e da estrutura
principal do Palácio, caracterizando, ainda, as medidas preventivas a serem adotadas.
236 Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7(2-3)
Quadro 4: Graus de deterioração de cada elemento estrutural (Gde), das famílias de elementos (Gdf) e da
estrutura principal do prédio (Gd).
Escada helicoidal Vigas periféricas Vigas-Cobertura Lajes-Cobertura
Gde
12
48
6
6
Gdf
53
6
Nível de deterioração da estrutura: Médio = 15 a 40
Gd
25
Prazo de intervenção: no máximo 2 anos
Após a avaliação com um programa de inspeções, segundo a metodologia PECC/UnB, concluiu-se que a
estrutura encontra-se em um nível de deterioração classificado como Médio, para o qual se recomenda intervenção
no prazo máximo de 2 anos. No entanto, em vigas periféricas do térreo, na fachada leste, sugere-se a intervenção
imediata, pois foram encontradas armaduras expostas, em região de alta umidade, próxima ao lago. Reparos na
impermeabilização são também necessários, pois, em alguns pontos, o sistema já não se mostra eficaz. Deve-se,
ainda, reparar o processo de corrosão em algumas partes da escada, pois, mais que uma peça estrutural, é uma
escultura que faz parte da composição arquitetônica do Palácio.
A fachada do Palácio do Itamaraty é constituída por 56 pilares e quatro vigas de contorno que ligam os arcos no
topo dos pilares. Após a avaliação in-situ e análise pela metodologia empregada, concluiu-se que as peças da
estrutura das fachadas apresentaram um nível de deterioração Baixo (0 a 15), necessitando apenas de manutenção
rotineira. Porém, como se trata de um patrimônio cultural e ponto turístico da capital, é essencial a limpeza de
algumas manchas escuras no concreto aparente dos arcos.
O Palácio do Itamaraty conta com sete passarelas de acesso sobre o lago circundante, cuja laje de fundo se apóia
diretamente no terreno. As estruturas das passarelas são constituídas por laje, vigas e pilaretes específicos, muito
curtos, que transferem as cargas para as cortinas de concreto. O Quadro 5 mostra a avaliação desses elementos.
Quadro 5: Graus de deterioração de cada elemento (Gde), das famílias de elementos (Gdf) e da estrutura das
passarelas e do lago circundante.
Pilares das
Vigas das passarelas
Lajes das passarelas
passarelas
1
2
3
4
5
6
7
1e2
outras
1
2
3
4
5
6
7
Gde
61
4
Gdf
Gd
4
4
78
101
4
4
4
110
4,8
30
8
24
8
8
8
8
112
50
Nível de deterioração da estrutura: Crítico ≥ 60
Prazo de intervenção: imediata
O nível crítico diagnosticado nessa parte da estrutura pode ser atribuído aos a problemas existentes na estrutura
da Passarela 1 (Norte). As demais aparentam um estado satisfatório de conservação. Em dois pilaretes de suporte da
Passarela 1, cuja laje forma com as cortinas e vigas periféricas uma galeria com acesso pelo subsolo, foram
observadas fissuras com aberturas que excedem o limite da norma. Provavelmente, foram causadas por sobrecarga
excessiva, problema que deve ter ocorrido há vários anos, pela aparência das fissuras e a comprovação de sua
estabilidade na avaliação in-situ. Os demais pilaretes dessa passarela foram reforçados com encamisamento por
chapas metálicas; no entanto, os responsáveis pela manutenção atual do Itamaraty nada souberam informar sobre
esse reforço, do qual não se encontrou qualquer registro. Recomenda-se uma avaliação mais profunda dos pilares
reparados, da origem dos danos diagnosticados e sua recuperação imediata.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo principal deste trabalho, de caracterizar a estrutura do Palácio do Itamaraty quanto à concepção,
projeto estrutural e tecnologia construtiva, pode ser considerado atendido, apesar da enorme dificuldade na obtenção
da documentação da obra. Aspectos importantes foram levantados sobre o histórico da obra, projetistas,
responsáveis técnicos e detalhes gerais da estrutura do Palácio.
Com base em plantas do projeto original, foi feita uma análise da estrutura do Palácio, utilizando o software de
análise estrutural SAP2000 (1995), para obtenção dos esforços solicitantes em peças típicas, pilares e vigas. O
dimensionamento de algumas dessas peças, segundo a norma brasileira NBR 6118: 2003 (ABNT, 2003), mostrou
uma comparação favorável das armaduras obtidas com as originais, em termos tanto de segurança à ruptura quanto
funcionalidade.
Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7 (2-3) 237
Da avaliação da estrutura com um programa de inspeções e aplicação da metodologia do Programa de PósGraduação em Estruturas e Construção Civil - PECC/UnB, constatou-se que a estrutura do Palácio do Itamaraty
apresenta um estado de conservação que pode, em geral, ser considerado satisfatório. Alguns problemas localizados
foram detectados, principalmente nas passarelas de acesso ao Palácio, nas fachadas Oeste e Norte, onde a umidade é
bem elevada. As vigas da Passarela Norte e dois de seus pilaretes de suporte necessitam de intervenção imediata,
pois apresentam graus elevados de deterioração. Recomenda-se a investigação mais detalhada dos demais pilaretes
dessa passarela, objeto de reparo anterior com encamisamento por chapas metálicas.
Recomenda-se, também, uma limpeza imediata nos pilares de fachada e de seus arcos superiores, pois
apresentam aparência incompatível com um monumento do Patrimônio Histórico, além de ponto de encontro de
autoridades do mundo pela sua finalidade. Recomenda-se, ainda, uma avaliação mais detalhada dos efeitos térmicos
na estrutura da fachada, especialmente dos arcos, que apresentam algumas fissuras de abertura reduzida, oriundas,
provavelmente, de movimentação térmica.
Pode-se afirmar que esse excepcional monumento do arquiteto Oscar Niemeyer teve em seu projeto e execução a
participação de profissionais de qualidade à altura. Quanto ao projeto estrutural, pela felicidade com que se aplica à
contribuição do calculista Joaquim Cardozo à Engenharia Estrutural no Brasil, vale citar uma frase do matemático
alemão Richard Courant, referenciada por Mello (2003), professor da UnB e membro da banca examinadora da
dissertação que deu origem a este artigo (Santos, 2004): “Apesar de todos os seus defeitos, a intuição continuará
sendo força propulsora mais importante da descoberta matemática, e somente ela pode construir a ponte que liga a
teoria às aplicações”.
REFERÊNCIAS
ABNT (1960). NB-1: Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Armado. Associação Brasileira de Normas
Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.
ABNT (1980). NBR 6120: Cargas para o cálculo de estruturas de edifícios – Procedimento. Associação Brasileira
de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.
ABNT (1988). NBR 6123: Forças devidas ao vento em edificações. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio
de Janeiro, Brasil.
ABNT (2004). NBR 6118: Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Armado. Associação Brasileira de
Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.
ArPDF (várias datas). Fotografias e Documentos, Arquivo Público do Distrito Federal, Brasília, Brasil.
Boldo, P. (2002). Avaliação quantitativa de estruturas de concreto armado de edifícações no âmbito do Exército
Brasileiro, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Estruturas e Construção Civil, UnB,
Brasília, 295 pp.
Fusco, P.B. (1981). Estruturas de concreto - Solicitações normais, Editora Guanabara Dois, Rio de Janeiro, Brasil,
463 pp.
Grillo, J. C. (2003). Documentação técnica do Palácio do Itamaraty e depoimento oral, Brasilia, Brasil.
IPDF (várias datas). Documentação histórica, Instituto de Planejamento e Desenvolvimento do Distrito Federal,
Brasilia, Brasil.
Lago, A. A. (sem data). Brasília - Rio de Janeiro, Banco Safra, Sao Paulo, SP, Brasil.
Mello, E.L. (2003). Concreto armado: resistência limite à flexão composta normal e oblíqua. Editora da
Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.
NOVACAP (várias datas). Arquivo de fotografias e documentos, Companhia Urbanizadora da Nova Capital do
Brasil, Brasilia, Brasil.
Pessoa, D.F. (2002). A estrutura da Catedral de Brasília: aspectos históricos, científicos, e tecnológicos de projeto,
execução, intervenções e proposta de manutenção, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação
em Estruturas e Construção Civil, UnB, Brasília, Brasil, 243 pp.
Santos, E.C.R. (2004). A estrutura do Palácio do Itamaraty: aspectos históricos, científicos, e tecnológicos de
projeto, execução, intervenções e recomendações de manutenção, Dissertação de Mestrado, Programa de
Pós-graduação em Estruturas e Construção Civil, UnB, Brasília, Brasil, 188 pp.
SAP2000 (1995). Manual do usuário - Versão 7.12, Computers and Structures Inc., Berkeley, California.
SIKA (1965). Manual Técnico, Sika S.A., Sao Paulo, SP, Brasil.
238 Rev. Int. de Desastres Naturales, Accidentes e Infraestructura Civil. Vol. 7(2-3)
Download

A ESTRUTURA DO PALÁCIO DO ITAMARATY EM BRASÍLIA