Internacionalização do Ensino da Engenharia
Luiz Carlos Scavarda do Carmo
XXXIX Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia
Blumenau, Santa Catarina, 4 de outubro de 2011
• A Engenharia tornou-se uma atividade internacional por diversos motivos:

Os processos produtivos geram resultados (inclusive serviços) que utilizam
fornecedores internacionais e que fluem para consumidores também de
diversos países.
 A complexidade da sociedade humana cresceu e os problemas de
infraestrutura deixaram de ser nacionais e passaram a interessar a um
público caracteristicamente internacional
 Os problemas sociais precisam ser tratados dentro do contexto de uma nova
Engenharia e não podem mais ser vistos de forma exclusivamente local
 Os problemas ambientais, da mesma forma que os sociais, também exigem
uma visão global.
slide: 2
• O conceito de inovação não pode limitar-se àquela dos novos produtos,
mas também a uma imensa gama de outras atividades que envolvem a
Engenharia, como processos, serviços e até ações gerenciais.
slide: 3
• O Engenheiro sempre teve um papel central, mas implícito,
na construção das sociedades. Nem ele, nem a sociedade
tiveram consciência clara deste fato.
• O Engenheiro passou de um grande técnico para um
conhecedor de ciências, para um gestor de grandes
empreendimentos, para um empreendedor de pequenos
negócios de base tecnológica e hoje estende ainda mais
sua função, envolvendo-se com questões sociais e
ambientais (sustentabilidade).
• Os Engenheiros hoje precisam preocupar-se tanto com a
inovação e seu “ecossistema” quanto com a infraestrutura.
Quais são os desafios que a Globalização
trás para a Engenharia?
slide: 4
Globalização
significa
que
finanças, mercados, processos
produtivos, e também problemas
sejam globais.
Como a globalização é um produto
da tecnologia, A Engenharia está
profundamente envolvida.
Primeiro desafio:
• processos, os quais são
fundamentais para a
produção de “commodities”
5
• Mecanismos
gerenciais.
slide: 5
Para participar do mercado global, é necessário
desenvolver um “ecossistema” de inovação.
Inovação envolve:
• produtos, os quais associam conhecimento a seu valor
• serviços
Segundo desafio:
slide: 6
As cadeias produtivas internacionais são fragmentadas e
necessitam para seu desenvolvimento de uma
infraestrutura moderna.
Pelo lado “físico”, esta fragmentação implica logística com
mecanismos modernos de transporte, porém implica
também Tecnologia da Informação flexível.
Desenvolvimento sustentável envolve inclusão social e
proteção ao ambiente.
A Engenharia precisa encontrar a solução complexa para o
desenvolvimento sustentável, tanto para o mundo
desenvolvido quanto para os emergentes.
Os países emergentes não alcançarão o nível dos países
desenvolvidos sem uma nova Engenharia que considere
os aspectos sociais e ambientais.
Os países já desenvolvidos não manterão seu estado atual
sem uma nova Engenharia.
slide: 7
Terceiro desafio:
Complexidade e Engenharia
… but there is an even greater, and ultimately more
important systems problem: that is the “sustainable
development” of human societies on this system of ultimate
complexity and fragility we call Earth.
slide: 8
Charles Vest, então Presidente da National Academy of Engineering
(EUA)
slide: 9
O Profissional de Engenharia precisa ser
formado com visão internacional. Um dos
aspectos que precisam ser considerados é
o de mobilidade e, portanto, o de aceitação
tanto dos profissionais brasileiros no exterior
quanto dos profissionais estrangeiros no
Brasil.
Em um mundo globalizado, o conceito de
mobilidade profissional passa a ser
importante.
A mobilidade profissional tem dois aspectos:
• A mobilidade do profissional formado em uma região que
busca uma vida profissional em outra região.
slide: 10
• A mobilidade de uma oportunidade que existe
originalmente em uma região e se move buscando
profissionais de outra região.
A avaliação profissional tem sido discutida recentemente,
porém, em um mundo globalizado, também esta avaliação
precisa responder às diversas formas de mobilidade e a
parâmetros internacionais
• A avaliação profissional não é nova, já está sendo realizada
em muitos países da OECD e América Latina, portanto já
existem modelos.
slide: 11
• A Mobilidade é facilitada pela possibilidade de
reconhecimento da qualidade profissional, seja por que os
indivíduos são avaliados, seja por que os processos de
formações são avaliados.
A avaliação dos Engenheiros precisa ser parametrizada. Os países em
desenvolvimento, como o Brasil, onde a produção de “commodities” é
relevante, precisa considerar este fato. Além disso, os desafios
tecnológicos que envolvem estas “commodities” (pré-sal, logística,
etc.), exigem uma formação tecno-científica sólida. Acrescente-se que
o país inevitavelmente seguirá a trilha de novos produtos que exigirão
imensa capacidade inovadora e atitude empreendedora por parte dos
profissionais.
•
Os parâmetros precisarão ser definidos pelo conjunto de setores
interessados, como o setor produtivo, as Escolas de Engenharia e a
ABENGE, o Governo Federal (MEC-SESu) que já faz avaliações, e os
representantes da atividade profissional (sistema CONFEA-Crea).
slide: 12
•
slide: 13
• A avaliação de profissionais de nível superior pode ser
feita por dois mecanismos. Ou certificando o
profissional, como o faz a OAB, a partir de procedimento
legalmente instituído, ou credenciando as Escolas de
Engenharia onde o profissional se forma.
• Neste segundo caso, as entidades que são
responsáveis pela atividade profissional (sistema
CONFEA-Crea) precisam ter presença muito forte, pois
o credenciamento das Escolas atribui ao diploma
universitário o direito ao exercício profissional.
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Conhecimento Multidisciplinar
Habilidade de comunicação com outras culturas e profissões
Capacidade de trabalho em equipe
Atitude empreendedora
Abertura para inovação de processos, produtos, serviços e gestão
Visão de mundo
Sensibilidade para problemas sociais
Percepção dos problemas ambientais e competência para incorporá-los nas suas
decisões
Clareza de sua função e de sua responsabilidade no tecido social
O Engenheiro precisa resgatar toda a sua visão dos processos produtivos, porém
agora com percepção holística da Sociedade.
slide: 14
O Engenheiro hoje precisa reunir todas as qualidades que
sempre teve historicamente e estendê-las para os novos
desafios sociais e ambientais do Século XXI:
slide: 15
LUIZ CARLOS SCAVARDA DO
CARMO
[email protected]
Download

Arquivo 3 - CLIQUE AQUI