SOCIOLOGIA RURAL
OCUPAÇÃO E RENDA DAS FAMÍLIAS RURAIS: O MUNICÍPIO DE IPANGUAÇU - RN
Elizabeth Cinthia M. Oliveira1*, elizabethcinthia@hotmail.com, Denes Dantas Vieira2, Aldenôr Gomes da Silva3
(Orientador)
1,2,3 - Depto.de Ciências Sociais UFRN
(INTRODUÇÃO) Nas últimas décadas do século passado, surge o conceito do "novo rural brasileiro",
problematizando a dicotomia urbano-rural e dando novos tons às discussões sobre as mudanças nos movimentos
migratórios, bem como sobre o aumento da renda proveniente de atividades não-agrícolas na composição da
renda total das famílias rurais. No Estado do RN o município de Ipanguaçu caracteriza-se por ser um dos espaços
de maior dinâmica dentro do Pólo Fruticultor Açu-Mossoró. Nesse sentido, Ipanguaçu serviu como elemento
empírico ideal, em virtude da sua área rural concentrar a maior parte das agroindústrias frutícolas do Estado,
portanto, evidenciando a existência de um contexto mais complexo em termos de geração de renda agrícolas e
não-agrícolas. O presente trabalho tem por objetivo analisar os impactos das chamadas ocupações rurais nãoagrícolas, que entendemos ser um meio de fixação do homem ao campo. O trabalho se volta a um detalhamento
mais profundo das ocupações e renda das pessoas com dez anos ou mais de idade durante o período de outubro
do ano de 2000 a setembro de 2001.
(METODOLOGIA). Esta pesquisa foi realizada através da aplicação de questionários aplicados às famílias rurais
do município em questão. As informações obtidas foram processadas sobre a realidade de Ipanguaçu, em
diversas instituições (IBGE; INCRA; IDEMA-RN; Secretarias do Estado; Prefeitura; Bancos Oficiais; SEBRAE; etc)
(RESULTADOS) A pesquisa de campo nos mostrou que a existência de atividades ligadas às agroindústrias,
substitui ou recompõe a lacuna da renda proveniente da decadência das culturas tradicionais. Destacou-se
também as estratégias de sobrevivência das famílias rurais que não contam com perspectivas razoáveis de
inserção no mercado de trabalho urbano ou nas agroindústrias locais.
(CONCLUSÃO) No contexto de Ipanguaçu , percebeu-se nitidamente que as comunidades possuem diferenças
significativas conforme sua localização geo-econômica, destacando-se a presença de comunidades onde
predominam a agricultura familiar ( é o caso das comunidades de Japiaçu e de Pau de Jucá), com uma grande
diversidade de renda , resultando nitidamente em qualidade de vida bastante razoável de seus membros. Já
aquelas comunidades onde predomina o assalariamento ou a ausência de qualquer fonte de renda substantiva (
Arapuá) , mais próximas às agroindústrias, notou-se uma baixa qualidade de vida das pessoas, que têm nas
políticas compensatórias um fator de auxílio na sobrevivência dos seus membros. Na comunidade de Patoxó,
predomina , as famílias que vivem da pesca e da agricultura de vazante, estando a qualidade de vida ali em um
campo intermediários entre os dois tipos anteriormente citados. Na grande maioria das comunidades constatamos
a grande importância da aposentadoria, sendo a única fonte de renda em algumas famílias..
Agência Financiadora: PIBIC/CNPq
TRABALHO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA
54ª Reunião Anual da SBPC - Goiânia, GO - Julho/2002
Download

ocupação e renda das famílias rurais: o município de ipanguaçu