EQUIPE DIRETORA DA FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI
MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
CURITIBA
2008
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
FIGURA 1 – Formatação do texto e Margens no Papel A4.......................................12
FIGURA 2 – Hierarquia dos Títulos e Paginação ......................................................13
QUADRO 1 – Numeração Progressiva do Texto de um Trabalho. ...........................14
QUADRO 2 – Estrutura Básica de Trabalhos Acadêmicos .......................................16
FIGURA 3 – Capa e Folha de Rosto .........................................................................18
FIGURA 4 – Exemplo de Resumo.............................................................................20
QUADRO 3 – Uso da Pontuação nas Referências ...................................................27
FIGURA 5 – Estrutura de Trabalhos Acadêmico Disciplinar .....................................30
FIGURA 6 – Elementos Pré textuais do Artigo..........................................................31
FIGURA 7 – Estrutura de Projeto de Pesquisa .........................................................32
FIGURA 8 – Exemplo de Cronograma ......................................................................33
QUADRO 4 – Estrutura da Monografia .....................................................................34
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
SUMÁRIO
1 PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS.................................................. 5
2 TRABALHOS ACADÊMICOS ........................................................................................... 6
2.1 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS ..............................................................6
2.1.1 Resenha .............................................................................................................7
2.1.2 Artigo ..................................................................................................................8
2.1.3 Paper..................................................................................................................8
2.1.4 Projeto de Pesquisa ...........................................................................................9
2.1.5 Relatório .............................................................................................................9
2.1.6 Monografia .......................................................................................................10
3 AS NORMAS DA ABNT................................................................................................ 11
3.1 ASPECTOS GERAIS DA EDITORAÇÃO............................................................11
3.1.1 Parágrafos e Fontes .........................................................................................11
3.1.2 Papel e Margens ..............................................................................................12
3.1.3 Paginação ........................................................................................................13
3.1.4 Seções e Numeração Progressiva ...................................................................13
3.2 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS ..............................................16
3.2.1 Capa/Folha de Rosto........................................................................................17
3.2.2 Elementos Pré-Textuais Opcionais ..................................................................19
3.2.3 Resumo ............................................................................................................19
3.2.4 Listas ................................................................................................................21
3.2.5 Sumário ............................................................................................................21
3.2.6 Elementos Textuais ..........................................................................................22
3.2.7 Abreviaturas, Siglas, Ilustrações e Tabelas......................................................23
3.2.8 Citações ...........................................................................................................24
3.2.9 Sistemas de Chamada .....................................................................................26
3.2.10 Referências ....................................................................................................26
3.2.11 Apêndices e Anexos.......................................................................................28
4 MODELOS DE ESTRUTURAS ADOTADAS PELA FACULDADE PADRE JOÃO
BAGOZZI.............................................................................................................................. 29
4.1 MODELO DE TRABALHO ACADÊMICO DISCIPLINAR.....................................30
4.2 MODELO DE ARTIGO ........................................................................................30
4.3 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA............................................................32
4.4 MODELO DE MONOGRAFIA .............................................................................34
4.5 MODELO DE RESENHA.....................................................................................35
REFERÊNCIAS.................................................................................................................... 37
APÊNDICE A - EXEMPLOS E MODELOS DE REFERÊNCIAS ..................................... 39
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
1 PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
A Faculdade Padre João Bagozzi, propõe este Manual para Elaboração de
Trabalhos Acadêmicos, como mais uma forma de incentivo à pesquisa a todos os
que integram a sua comunidade acadêmica.
O manual, elaborado com a intenção de atender as necessidades de
padronização na Instituição, revela o consenso da academia 1 de que as normas são
essenciais, pois permitem que a apresentação do Trabalho acadêmico seja bem
estruturada e lógica, de modo a facilitar a compreensão do leitor e ressaltar a
qualidade do texto.
Em conformidade com os padrões adotados em âmbito nacional e
internacional, as regras definidas neste manual têm suporte nas normas da
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que, por sua vez, é filiada a
International Organization for Standardization (ISO).
Foram elaborados modelos de apresentação para os Trabalhos Acadêmicos,
a serem utilizados pela comunidade acadêmica da Faculdade Padre João Bagozzi.
São quatro modelos, diferenciados pela estrutura.
A familiaridade com as normas adotadas e a facilidade de edição, através dos
modelos, propiciarão ao aluno condições de dedicar-se, cada vez mais, à qualidade
do conteúdo do seu Trabalho Acadêmico. Dentre estes formatos está o Modelo para
Relatório Final do TCC, que será usado ao final de cada curso, oportunidade em
que o formando deve expressar suas idéias à luz da ciência.
1
Academia é um termo geral que designa o conjunto das instituições que se dedicam ao ensino e
promoção de atividades artísticas, literárias ou científicas.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
2 TRABALHOS ACADÊMICOS
As
atividades
de
aprendizado
comumente
resultam
em
Trabalhos
Acadêmicos, tais como estudos dirigidos, ensaios, resenhas, sínteses de textos,
estudos de caso e semelhantes. Tais trabalhos podem ser baseados em teorias
científicas ou delas derivam, no entanto, “não se pode dizer que estes tenham um
caráter rigorosamente científico” pois, mesmo quando tratam da sistematização de
conhecimentos científicos, os mesmos têm caráter didático e “eventualmente exigem
a abstração, a generalização e o método próprio dos trabalhos científicos.”
(SALOMON, 1978, p.136).
Este Manual adotou a denominação de Trabalho Acadêmico atinge o objetivo
de aperfeiçoar o conhecimento e, ao mesmo tempo, busca cumprir os requisitos da
pesquisa científica.
Entende-se que Trabalho Acadêmico é aquele cuja finalidade é desenvolver
habilidades de análise, interpretação e elaboração de conhecimento científico, assim
como familiarizar o aluno com as diversas estratégias de coleta, processamento e
análise de dados.
Pressupõe-se que o aluno da Faculdade Padre João Bagozzi, através do seu
Trabalho Acadêmico, tem a possibilidade de entender melhor sua realidade e de
disseminar o conhecimento adquirido.
2.1 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS
Existem diversos tipos de trabalhos elaborados e divulgados no meio
acadêmico, cujo conteúdo e forma podem ser bastante complexos ou muito simples,
conforme o nível de aprofundamento científico e, ainda, conforme as exigências da
comunidade científica a que o autor pertence.
A seguir, definem-se alguns dos tipos de Trabalhos Acadêmicos mais comuns
na comunidade científica.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
2.1.1 Resenha
Resenhar é quase sinônimo de descrever, trata-se de analisar o conteúdo de
uma obra e (re) apresentá-la. Para alcançar este fim é necessário elaborar uma
síntese geral, informativa e avaliativa sobre a obra. A obra a ser resenhada pode ser
um livro técnico, um romance, uma peça de teatro, uma obra de arte, um filme, ou
mesmo um jogo de futebol.
A resenha propõe a construção de relações entre as propriedades de um
objeto analisado, descrevendo-o e enumerando aspectos considerados relevantes
sobre ele. É um texto opinativo e, portanto, reúne comentários de origem pessoal e
julgamentos de valores.
Na literatura, encontramos definições sobre, no mínimo, três tipos de
resenha, entre elas a resenha descritiva, a resenha crítica e a resenha bibliográfica.
Destaca-se a seguir definições de resenha:
Para Bastos e Keller (1998, p.68):
Resenha Crítica – Síntese crítica de um livro ou artigo científico que expressa um
juízo de valor acerca de um assunto. Normalmente, é feita por pessoas ligadas à
área, ou com comprovada capacitação, podendo ainda ser realizada por estudantes
sob orientação do professor, como exercício de compreensão e crítica.
A ABNT denomina a resenha de resumo crítico como aquele que é “redigido
por especialistas com análise crítica de um documento” (ABNT, 2003b, p.1). “A
resenha, em geral, é feita por cientista que, além do conhecimento sobre o assunto,
tem capacidade de juízo crítico”, confirmam Marconi e Lakatos (1982, p.195).
A resenha crítica também pode ser feita por estudantes e neste caso melhor
seria usar o termo recensão” cabendo a orientação de um professor para fazer a
determinação histórica e metodológica da obra. Santos (2002, p. 35), concorda com
o propósito didático de que a resenha é um:
[...] excelente exercício inicial de autonomia intelectual, uma vez que o exame de
obras já prontas enseja o treinamento de compreensão e crítica, além do contato
mais aproximado com bons autores e com o pensamento já elaborado, que, para o
iniciante, servirá como modelo interessante de produção científica.
A resenha descritiva é um resumo do livro que você descreve as
características, uma parte descritiva em que se dão informações sobre o texto.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Normalmente é utilizada nas atividades que envolvam os filmes assistidos, palestras,
peças teatrais etc.
Resenha Bibliográfica, recensão de livros ou análise bibliográfica é uma
síntese ou um comentário, de livros publicados, feito em revistas especializadas das
várias áreas da ciência, das artes e da filosofia. As resenhas permitem operar uma
triagem na bibliografia a ser selecionada quando da leitura de documentação para a
elaboração de um trabalho científico. Igualmente, são fundamentais para a
atualização bibliográfica do estudioso e deveriam, numa vida científica organizada,
passar para o arquivo de documentação bibliográfica ou geral da área de
especialização do estudante
2.1.2 Artigo
O artigo é um texto que relata informações e resultados de maneira clara e
concisa, sobre um determinado tema. Uma de suas características é a de ser
publicado em periódicos científicos.
Segundo a ABNT, NBR 6022, (2003, p. 2) “Artigo científico é parte de uma
publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos,
técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.”
O artigo pode ser:
a) Original ou divulgação: apresenta temas ou abordagens originais e podem ser:
relatos de caso, comunicação ou notas prévias.
b) Revisão: os artigos de revisão analisam e discutem trabalhos já publicados,
revisões bibliográficas etc.
2.1.3 Paper
Paper é um termo em inglês que deriva de newspaper, que significa jornal. A
concepção deste texto é a de noticiar à comunidade científica sobre o andamento de
uma pesquisa que vem sendo realizada, ou de determinado assunto que é novidade.
“É um texto de suporte a uma comunicação oral em cursos, congressos, simpósios,
reuniões científicas etc.[...] Embora contenha a mesma estrutura intelectual dos
artigos, não apresenta subdivisões: é um texto unitário” (SANTOS,2002, p.42)
Para a ABNT (1989) “paper é um pequeno artigo científico, elaborado sobre
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
determinado tema ou resultados de um projeto de pesquisa para comunicações em
congressos e reuniões científicas, sujeitos à sua aceitação por julgamento”.
Os propósitos de um paper são quase sempre os de formar um problema,
estudá-lo, adequar hipóteses, cotejar dados, prover uma metodologia própria e,
finalmente, concluir ou eventualmente recomendar.
O paper é intrinsecamente técnico, podendo envolver fórmulas, gráficos,
citações e pés de página, anexos, adendos e referências. No paper a opinião do
autor é velada e tem a aparência imparcial e distante, não deixando transparecer tão
claramente as crenças e as preferencias do escritor.
2.1.4 Projeto de Pesquisa
O Projeto de Pesquisa enseja a fase de planejamento da atividade a ser
desenvolvida por um pesquisador. O êxito da pesquisa depende desta fase de
planejamento, principalmente no que concerne a escolha do tema e a sua
problematização, pois que são o núcleo da atividade intelectual em si.
Para Santos (2002, p. 63), o projeto de pesquisa “vai definir o caminho
intelectual inicial de todo o processo posterior”, ”Sugere-se como indispensável [...] o
planejamento de cinco itens: tema específico, objetivo geral, objetivos específicos
procedimentos de coleta de dados e recursos.”
“É um projeto provisório que tem por finalidade orientar toda a pesquisa e
posteriores em uma única direção, evitando a dispersão de tempo, energia e
material.” (BASTOS; KELLER, 1998, p.57).
2.1.5 Relatório
Relatório, é a apresentação final de estudo, pesquisa, atividade, em que ,
além dos dados coletados, o autor comunica os resultados e conclusões e
recomendações a respeito do assunto trabalhado.(BASTOS; KELLER, 1998, p. 67)
Segundo a ABNT, NBR 10719, um Relatório técnico-científico é aquele
[...] documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em
investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve a situação de uma
questão técnica ou científica. O relatório técnico-científico apresenta,
sistematicamente, informação suficiente para um leitor qualificado, traça conclusões
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
e faz recomendações. É estabelecido em função e sob a responsabilidade de um
organismo ou de pessoa a quem será submetida.
Deverá ser um relato completo que possa permitir a qualquer pessoa que o
leia adquirir uma visão global do estudo efetuado, proporcionando uma consulta fácil
e fornecendo de modo objetivo a informação mais relevante.
2.1.6 Monografia
Do grego - mónos = único + graphein = escrever:
Assim sendo, monografia é definida como qualquer tipo de publicação que
aborde um único tema. (LUBISCO; VIEIRA, 2002, p. 14)
A monografia é um texto essencialmente analítico, em que o objeto é um tema,
originário de um problema bem delimitado em extensão, de forma a permitir o
aprofundamento do estudo. Fundamenta-se na organização e na interpretação
analítica e avaliativa de dados, conforme objetivos (propostas de raciocínio)
preestabelecidos. (SANTOS, 2002, p. 38)
Ressalta-se que monografias podem ser realizadas por um grupo de pessoas,
pois o termo monografia não significa realizado por uma pessoa, mas sim único
assunto.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
3 AS NORMAS DA ABNT
A ABNT é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo
conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros e dos Organismos de
Normalização Setorial, são elaboradas por Comissões de Estudo, que, por sua vez,
são formadas por representantes dos setores envolvidos: produtores, consumidores,
universidades e laboratórios (NBR-14724, 2005, p. 1).
As diversas normas da ABNT que tratam de Trabalhos Acadêmicos
especificam como os documentos devem ser apresentados. Tais especificações não
limitam a criatividade de cada um ao escrever o seu texto, apenas padronizam a
forma, tornando-a condizente com o ambiente acadêmico.
As regras básicas para uma boa apresentação, descritas nos itens 3.1 a 3.5,
foram extraídas das normas da ABNT, em especial a NBR 14724 que especifica
sobre os Trabalhos Acadêmicos.
3.1 ASPECTOS GERAIS DA EDITORAÇÃO
3.1.1 Parágrafos e Fontes
Os textos devem ser digitados em cor preta. As cores podem ser usadas
somente para ilustrações, sendo que o projeto gráfico é de responsabilidade do
autor do trabalho. (ABNT, 2005)
A ABNT recomenda a fonte Arial de tamanho 12, com entrelinhamento ou
espaçamento entre linhas de 1,5 para o texto. Os parágrafos devem iniciar com
tabulação de 1,25 cm da margem.
As referências têm entrelinhamento simples e a lista de referências, são
separadas entre si por dois espaços simples.
Na caracterização2 do documento, inserida na folha de rosto com margem
inicial a partir do meio da página, o entrelinhamento é simples.
As notas de rodapés (fonte tamanho 10), as citações longas (fonte tamanho
11), as legendas e as tabelas (fonte tamanho 11), além do tamanho de letra menor
que 12 entrelinhamento simples.
2
A caracterização, localizada logo abaixo do título, identifica a natureza, a origem e o objetivo do
trabalho.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Os títulos e subtítulos do texto devem ter uma hierarquia tipográfica bem
definida e homogênea em todo o trabalho. Conforme a ABNT NBR 6024 (2002) os
títulos do texto devem ter um indicativo numérico. (Ver item 3.1.4).
FIGURA 1 – Formatação do texto e margens no tamanho A4
Margens esquerda
3cm
e superior:
29,7cm
Entrelinhas
Espaço 1,5.
Margens direita
e inferior: 2cm
Fonte Arial 12
Recuo de
1,25 cm para o
parágrafo
Elaborada pela autora.
3.1.2 Papel e Margens
21,0 cm
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
O papel para impressão dos Trabalhos Acadêmicos pode ser branco ou
reciclado na cor parda no formato A4 (21 cm x 29,7 cm) e apresentar margem
esquerda e superior de 3 cm; direita e inferior de 2 cm.
3.1.3 Paginação
Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas
sequencialmente. Porém, apenas a partir da primeira folha da parte textual os
números de página são impressos. Os números de página, representados por
algarismos arábicos, são posicionados no canto superior direito da página, a 2 cm
das bordas da folha. Essa numeração é mantida em uma única seqüência em todo o
texto e tem seguimento nos apêndices e anexos, quando houver.
FIGURA 2 – hierarquia dos títulos e paginação
Números Arábicos
2cm das bordas
direita e superior.
Elaborada pela autora.
3.1.4 Seções e Numeração Progressiva
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
O texto de um Trabalho Acadêmico deve ser dividido de modo a ressaltar a
seqüência lógica do todo, evidenciar a hierarquia entre as partes e permitir a
localização dos assuntos tratados em cada parte.
Qualquer texto deve ter no mínimo três seções: uma introdutória; uma para o
desenvolvimento do trabalho, que freqüentemente se estende por mais de um
capítulo; e outra seção de considerações finais;
Os capítulos, chamados de seções primárias, são partes do texto que contém
matérias afins e são ordenados de forma a tornar a exposição do assunto mais clara.
Cada capítulo, por ser a principal divisão de um texto, independentemente da sua
extensão, deve iniciar em folha distinta (nova folha), mesmo que haja espaço útil
disponível na folha precedente.
A seqüência dos capítulos e hierarquia dos seus itens devem ser indicada por
uma ordenação de números (indicativo numérico). O objetivo desta numeração é o
de evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho. O indicativo numérico de
uma seção precede seu título, alinhado à esquerda, separado desse por um espaço.
Além do indicativo, a grafia diferenciada também distingue a hierarquia entre
os títulos. Todos os capítulos podem ter títulos grafados em caixa alta (letra
maiúscula). Para maior visibilidade, todos os títulos de capítulo devem ser
destacados por negrito.
Segundo a norma NBR 6024 (ABNT, 2003a, p. 2), “o indicativo das seções
primárias deve ser grafado em números inteiros a partir de 1.” O indicativo da seção
secundária repete o indicativo da seção a que pertence, e, em seguida, reinicia a
seqüência de números a partir de 1.
Os números dos indicativos são separados por ponto.”Não se utilizam ponto,
hífen, travessão ou qualquer sinal após o indicativo de seção ou de seu título.” (p.2)
[grifo nosso].
A numeração de todas as divisões de um texto é progressiva e limita-se a
cinco subdivisões (seção quinária) como demonstra o quadro abaixo:
QUADRO 1 – numeração progressiva do texto de um trabalho.
Seção
primária
Seção
secundária
Seção
terciária
Seção
quaternária
Seção
quinária
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
1
1.1
1.1.1
1.1.1.1
1.1.1.1.1
2
2.1
2.1.1
2.1.1.1
2.1.1.1.1
2
2.2
2.2.1
2.2.1.1
2.2.1.1.1
2
2.2
2.2.2
2.2.2.1
2.2.2.1.1
3
3.1
3.1.1
3.1.1.1
3.1.1.1.1
...
...
...
...
...
11
11.1
11.1.1
11.1.1.1
11.1.1.1.1
Fonte: Adaptado da NBR 6024 (ABNT, 2003a)
Outro exemplo
QUADRO 1.1 – numeração progressiva do texto de um trabalho
TÍTULOS, SUBTÍTULOS E DEMAIS SEÇÕES
EXEMPLO
Títulos dos capítulos (seção primária): em negrito,
1 TÍTULO
caixa alta (maiúsculas).
Subtítulos dos capítulos (seção secundária): sem
1.1 SUBTÍTULO
negrito,caixa alta (maiúsculas)
Demais Subtítulos dos capítulos apenas a primeira
1.1.1 Seção Terciária
letra da sentença em caixa alta.
Demais Subtítulos dos capítulos apenas a primeira
1.1.1.1Seção Quartenária
letra da sentença em caixa alta.
Demais Subtítulos dos capítulos apenas a primeira
1.1.1.1.1 Seção Quinária
letra da sentença em caixa alta.
3.1.4.1 Títulos sem indicativo numérico
Os títulos pré-textuais e pós-textuais (agradecimentos, referências, anexos,
sumário, etc.) têm a tipografia idêntica a dos títulos das seções primárias, mas se
diferenciam deles por não necessitarem de indicativo numérico e serem
centralizados no topo da página.
3.1.4.2 Alíneas
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
No uso de alíneas (a, b, c...) deve-se manter o mesmo padrão adotado para
os parágrafos, no caso tabulação de 1,5 cm. Segundo a norma NBR 6024 (ABNT,
2003)
De acordo com a NBR 6024 (ABNT,2003) a disposição gráfica das alíneas
deve ser apresentada da seguinte forma:
a) a frase final que antecede as alíneas deve terminar por dois pontos;
b) são ordenadas por letras minúsculas seguidas de parênteses;
c) as alíneas devem ser digitadas em espaçamento simples entrelinhas;
d) cada alínea termina por um ponto e vírgula e a última por ponto final.
e) o paragrafos dever ter o espaçamento de 1,5 cm entrelinhas.
f) as alíneas devem ser iniciada com letras minúsculas.
3.2 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS
Para os diversos tipos de documentos, a ABNT estabeleceu que a estrutura
desses textos deve conter três categorias de elementos:
a) elementos pré-textuais, que antecedem o texto com informações que
ajudam na sua identificação, utilização e caracterização.
b) elementos textuais, em que a matéria do trabalho é exposta de forma
lógica pelo autor;
c) elementos pós-textuais, que complementam e ilustram o Trabalho
Acadêmico.
O quadro a seguir classifica os elementos de acordo com a ABNT, NBR
14724, que trata dos Trabalhos Acadêmicos e indica a seção do texto em que são
apresentados.
QUADRO 2 – Estrutura Básica de Trabalhos Acadêmicos
ESTRUTURA
Pré-textuais
ELEMENTO
Capa
Folha de Rosto
Folha de Aprovação
Dedicatória
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Textuais
Pós-textuais
Agradecimento(s)
Epígrafe
Resumo
Lista de Ilustrações
Lista de Tabelas
Lista de Siglas e Abreviaturas
Lista de Símbolos
Sumário/Glossário
Introdução
Desenvolvimento
Considerações Finais
Referências
Apêndices
Anexos
Fonte: Adaptado de ABNT NBR 14724:2005.
3.2.1 Capa/Folha de Rosto
A capa é o revestimento externo do documento que, além de identificá-lo, tem
a finalidade de protegê-lo, devendo ser de material rígido. A capa é elemento
opcional para o Projeto de Pesquisa. Artigos não contêm capa nem folha de rosto.
A folha de rosto é parte do documento que o identifica e também o
caracteriza, especificando o tipo do documento, a sua origem e a sua natureza.
A capa e folha de rosto são elementos obrigatórios na Monografia por conter
os elementos essenciais para a identificação do documento.
A apresentação das informações na folha de rosto e na capa seguem ordem
estabelecida pela ABNT.
A padronização da capa rígida deve ser na cor azul royal com as letras
grafadas na cor dourado, e sua lombada com o titulo e ano.
a) nome da instituição ;
b) nome do autor: responsável intelectual do trabalho;
c) título principal do trabalho: deve ser claro e preciso, identificando o seu
conteúdo e possibilitando a indexação e recuperação da informação;
d) subtítulo: se houver, deve ser evidenciada a subordinação ao título
principal, precedido de dois-pontos;
e) cidade da instituição;
f) ano de apresentação.
g) Na capa rígida a lombada deve conter ano e título do trabalho. Inicio da
grafia 2 cm do pé da página
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
FIGURA 3 –capa e lombada
NOME DO (S) AUTOR (ES)
TITULO DO TRABALHO
Capa:
Fonte Arial
Tamanho 14
Centralizado
Letras
MAIÚSCULAS
Com negrito
2008//TITULO
FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI
CURITIBA
2008
A folha de rosto podem ser grafadas de forma idêntica, se diferenciando
apenas pelo quadro de caracterização do documento, conforme demonstra a figura
a seguir:
FIGURA 4 –folha de rosto
NOME(s) AUTOR(es)
TÍTULO DO TCC
Trabalho de Conclusão de
Curso apresentado ao
curso de Pedagogia da
Faculdade Padre João
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Caracterização do
documento
Elaborada pela autora.
3.2.2 Elementos Pré-Textuais Opcionais
O termo de aprovação, o agradecimento, a dedicatória e a epígrafe são
elementos pré-textuais opcionais aos Trabalhos Acadêmicos.
O termo de Apreciação é uma folha em branco que contenha dados sobre a
avaliação do trabalho em banca examinadora.
O agradecimento, apresentado em folha exclusiva, é o “texto em que o autor
faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante à
elaboração da publicação” (ABNT, 2006, p.1)
A dedicatória deve ser apresentada em folha exclusiva e consiste em “texto
em que o(s) autor (es) presta(m) homenagem e/ou dedica(m) seu trabalho.” (ABNT,
2006, p.2). Normalmente é digitada no canto inferior, à direita da folha.
A epígrafe é apresentada em folha exclusiva e única, trata-se de “texto em
que o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada
com a matéria tratada no corpo do trabalho.” (ABNT, 2006, p.2). São poemas ou
trechos citados que de certa forma embasaram, motivaram ou inspiraram a
construção do trabalho.
3.2.3 Resumo
O resumo é elemento essencial nos artigos, onde aparece em destaque na
primeira página, e em monografias. Ao resumo seguem as palavras-chave (de três a
cinco palavras) que designam o assunto tratado no trabalho.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Segundo a ABNT NBR 6028, o resumo é a “apresentação concisa dos pontos
relevantes de um texto“ (2003, p.1); deve ser sucinto, compacto com os pontos mais
importantes de um texto.
“O resumo deve ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões
do trabalho. [...] Para trabalhos não experimentais, descrever as fontes e tratamento
dos dados.” (2003, p.2)
As palavras-chave são termos que representam o conteúdo do documento,
designadas pelo autor conforme o objeto e sujeito do seu trabalho. “As palavraschave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão Palavraschave:, separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto.” (ABNT,
2003b)
A figura a seguir demonstra o formato e o conteúdo de um resumo de acordo
com as normas vigentes.
FIGURA 5 – Exemplo de resumo
RESUMO
O resumo deve conter: os objetivos, metodologias, os
resultados e as considerações finais do trabalho acadêmico
ou artigo. O assunto a ser tratado deve ser expresso na
primeira frase, devendo ser situado no tempo e no espaço,
caso o título não seja suficientemente explícito. Redigi-lo em
um único parágrafo, sem tabulação e entrelinhamento
simples. Usa-se a terceira pessoa do singular (impessoal).
As citações e históricos devem ser evitados. Empregam-se
frases curtas e afirmativas e termos simples e claros. Termos
técnicos e nomes não podem ser abreviados. O resumo deve
conter entre 100 e 250 palavras. Este exemplo contém
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Elaborada pela autora.
3.2.4 Listas
As listas são elementos necessários quando houver mais de cinco itens
(ilustrações, tabelas, abreviaturas, quadros, siglas e símbolos), número que
configura a dificuldade de manipular o documento para encontrá-los.
A Lista de Ilustrações é “[...] elaborada de acordo com a ordem apresentada
na obra, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do
respectivo número de página.” (ABNT, 2006, p.7).
Recomenda-se elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração
(desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas,
plantas, quadros, retratos e outros).
Lista de abreviaturas e siglas “Consiste na relação alfabética das abreviaturas
e siglas utilizadas na obra, seguidas das palavras ou expressões correspondentes
grafadas por extenso“. (ABNT, 2006, p.7).
Lista de símbolos é elaborada de acordo com a ordem em que os símbolos
aparecem no texto. A lista é composta pelos símbolos e seus respectivos
significados.
3.2.5 Sumário
O sumário deve expressar o conteúdo da obra mostrando com clareza a
seqüência lógica e a subordinação das partes entre si. Tal subordinação deve ser
destacada por uma hierarquia tipográfica.
O sumário informa o conteúdo do trabalho por meio da disposição de suas
divisões, indicando as respectivas páginas
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
O sumário deve ser elaborado conforme a ABNT, NBR 6027, que o define
como “enumeração das principais divisões, seções e outras partes de um
documento, na mesma ordem em que a matéria nele se sucede.” (ABNT, 2003d).
É importante destacar que o padrão adotado ao longo de todo o texto deve
aparecer de forma idêntica no sumário.
Ressaltamos que existe uma diferença importante entre Sumário e Índice,
tanto que para cada um destes elementos a ABNT elaborou uma norma específica
que os distingue na concepção e forma.3
Pode-se
dizer
que
o
sumário
é
uma
radiografia
que
mostra
o
conteúdo/estrutura do trabalho mostrando cada uma das partes na ordem em que se
encontram. Índice por sua vez pode ser confeccionado de diversas formas que
atendam ao objetivo de indicar: por data, por legislação, por ordem alfabética, por
nomes.
Lembre-se: índice fica no final do trabalho e sumário no começo.
3.2.6 Elementos Textuais
O texto de um Trabalho Acadêmico comumente é dividido em introdução
desenvolvimento e considerações finais.
O texto que contém a explanação de tema escolhido por seu autor, deve
conter uma exposição clara do assunto e demonstrar uma estrutura lógica de
pensamento.
Para que a seqüência lógica seja facilmente entendida, os Trabalhos
Acadêmicos devem ter seu texto dividido em capítulos e a hierarquia dos seus itens
deve ser indicada por uma ordenação de números (indicativo numérico). O objetivo
desta numeração é o de evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho. (Ver
item 3.1.4 Seções e Numeração Progressiva)
Os Trabalhos Acadêmicos também se caracterizam pelas demonstrações
técnicas e pela comprovação de hipóteses através de dados e informações. Assim,
nesse tipo de texto, são compulsóriamente usadas as citações, que mencionam as
3
A Norma já citada de Sumário é a ABNT BR 6027:2003 - Informação e documentação – Sumário –
Apresentação. RJ: ABNT, maio. 2003 e para índices utiliza-se as recomendações da ABNT NBR
6034:2004 - Informação e documentação – Índice – Apresentação. RJ: ABNT, dez. 2004.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
afirmativas de autores consagrados sobre o assunto em pauta, bem como, para
demonstrar resultados, são utilizadas as ilustrações, gráficos e tabelas.
3.2.7 Abreviaturas, Siglas, Ilustrações e Tabelas
As abreviaturas e siglas constantes do texto, ao serem mencionadas pela
primeira vez no texto, devem ser postas entre parênteses e antecedidas pelo nome
completo que as correspondem.
Exemplos:
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)
Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Índice de Preços ao Consumidor (IPC)
As ilustrações são elementos auxiliares para evidenciar o conteúdo do texto
ou demonstrar as suas proposições. O termo abrange gráficos, desenhos, figuras,
mapas, fluxogramas, esquemas, fotografias, retratos, plantas, dispositivos (slides),
imagens web e outros recursos visuais que o autor queira utilizar.
As ilustrações devem ser inseridas o mais próximo possível do texto e não
nos anexos a que se referem. Suas legendas são apresentadas na parte superior,
identificadas pela palavra designativa, contendo número de ordem em que aparece
no trabalho e o referido título. Na parte inferior deve constar a fonte de onde foi
extraída, em fonte Arial, tamanho 10. As tabelas se distinguem das demais
ilustrações por apresentarem informações tratadas estatisticamente.
Conforme Fundação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE,
1993), elas são uma forma não discursiva de apresentar informações, nas quais o
dado numérico se destaca como informação central. Embora as tabelas sejam autoexplicativas e claras no conteúdo e na forma, nos Trabalhos Acadêmicos elas devem
ser acompanhadas de explanações que destaquem os seus principais dados, de
modo a demonstrar o seu propósito para o leitor.
A construção das tabelas obedece às Normas de Apresentação Tabular
publicadas pelo IBGE (1993). Toda tabela é obrigada a conter título, indicando a
natureza, a abrangência geográfica e temporal de seus dados (Ex.: Mortalidade
infantil – Brasil – 1998). O título da tabela deve ser o mais completo possível e
aparecer na parte superior, seguido de seu número em algarismos arábicos.
Por essa norma, as tabelas devem:
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
a) ser inseridas o mais próximo possível do texto a que se referem;
b) ser elaboradas de maneira que o leitor possa entendê-las e não tenha
necessidade de recorrer ao texto explicativo que as antecede;
c) possuir traços verticais e horizontais apenas no cabeçalho e rodapé, sem
fechamentos laterais;
d) apresentar os dados em linha, sem traço de separação entre elas.
As fontes e notas explicativas da tabela são colocadas logo abaixo da tabela
e digitadas em tamanho 10.
3.2.8 Citações
Geralmente, as citações aparecem nos texto dos Trabalhos Acadêmicos
como parte da argumentação.
3.2.8.1 Citação Direta ou transcrição
De acordo com a ABNT, NBR 10520, citação é a "menção de uma informação
colhida de outra fonte." (2002, p.1). [grifo nosso].
Claramente a citação direta pode ser usada quando um pensamento
significativo for expresso pelo autor. As citações diretas também são utilizadas
quando é necessário e essencial transcrever as palavras exatas do documento
como, por exemplos, leis, decretos, regulamentos, fórmulas científicas, enunciados e
definições.
O tamanho de uma citação direta determina sua apresentação no texto da
seguinte forma:
Citações diretas, de até três linhas, são incorporadas ao parágrafo entre
"aspas". A indicação da fonte entre parênteses pode anteceder ou suceder a citação.
Se o texto original já contiver aspas, estas serão substituídas pelo apóstrofo.
Exemplos:
Eco (1999, p.78) tem uma visão peculiar sobre a importância dos autores
consultados mencionando “ [...] os livros de que se fala e os livros com ajuda dos
quais se fala.”
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Segundo Volpi et al. (2004, p. 5), a citação direta “é a transcrição literal de
um texto ou parte dele, conservando-se a grafia, pontuação, uso de maiúsculas e
idioma.”
As citações diretas, no texto, com mais de três linhas, devem ser destacadas
a partir do paragrafo, com fonte menor que a do texto geralmente arial 11 ou times
new roman 12 e sem aspas.
Exemplo:
Enquanto ampliava seus estudos da infância à adolescência, Piaget colaborou com
outros estudiosos, notadamente Alina Zeminska e Bärbel Inhelder, em livros sobre o
desenvolvimento do pensamento lógico em relação à quantidade, aos números, à
geometria, ao espaço, ao tempo movimento e à velocidade (PULASKI, 1986).
3.2.8.2 Paráfrase/ Citação Indireta
É uma citação livre do texto, a expressão da idéia de outro autor, com
palavras próprias, mantendo o texto aproximadamente do mesmo tamanho que o
texto original. A citação indireta expressa as idéias dos autores escolhidos sem
transcrevê-las de maneira igual ao texto, dispensando o uso de aspas duplas.
A paráfrase é um texto baseado na obra do autor consultado, mantendo-se a
fidelidade à fonte. Geralmente é preferível a uma longa transcrição.
Exemplo:
Para o Fulano de tal (1998), a escola busca atingir objetivos para uma
educação básica de qualidade pela formação geral dos seus alunos e preparação
para o uso da tecnologia, desenvolvendo suas capacidades cognitivas e operativas
e formando para o exercício da cidadania.
3.2.8.3 Citação de Citação
É a menção às idéias de um autor Às quais se obteve acesso por meio da
referência feita por outro autor.
Preferencialmente, deve-se consultar a fonte
primária.
No texto deve ser indicado o sobrenome do(s) autor (es) do documento não
consultado, a expressão "apud" (do latin: citado por), e do sobrenome do(s) autor
(es) da referência fonte, acompanhado de data e página.
Exemplos:
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Conforme Andrade apud VOLPI, 2004, p. 5, “aprender a ler não é uma tarefa
tão simples, pois exige uma postura crítica, sistemática, uma disciplina intelectual
por parte do leitor,que só podem ser adquiridos através da prática.”
3.2.9 Sistemas de Chamada
Existem dois sistemas de chamada recomendados pela ABNT; o sistema
numérico e o sistema autor-data.
No sistema numérico a fonte é referida em nota de rodapé, por isso não pode
ser utilizado quando há notas de esclarecimento e não é recomendável para as
referências bibliográficas de Trabalhos Acadêmicos em virtude das dificuldades para
a edição e de impressão.
No sistema autor-data, adotado pela Faculdade Padre João Bagozzi, a fonte é
referenciada na lista de referências.
Neste sistema, a indicação da fonte é feita pelo sobrenome do autor ou pela
instituição responsável [...] seguido da data de publicação do documento, separados
por vírgula e entre parênteses.[...] Quando o autor ou entrada estiver incluído na
sentença, indica-se apenas a data , entre parênteses (ABNT, 2002 b, p. 5)
No sistema autor-data, o nome do(s) autor (es), quando incluído(s) na
sentença, deve ser apresentado(s) com iniciais maiúsculas e quando indicados após
a citação, no final do parágrafo, devem ser apresentados pelo sobrenome em letras
maiúsculas e entre parênteses.
3.2.10 Referências
A Lista de Referências é a apresentação dos documentos que foram citados
ao longo do texto. Nessa lista, as referências têm ordenação alfabética ascendente e
devem obedecer ao mesmo padrão de grafia. Não devem ser referenciadas fontes
que não foram citadas no texto.
Na lista as referências são digitadas com entrelinhamento simples usando-se
espaço duplo para separá-las entre si, alinhadas à margem esquerda do texto. Os
elementos
essenciais
e
complementares
de
cada
referência
devem
ser
apresentados em seqüência padronizada. Ao optar pela utilização de elementos
complementares, esses serão incluídos em todas as referencias da lista.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
A lista de referência pode servir de suporte ao leitor para iniciar novos estudos
sobre o mesmo assunto. Essa lista deve ser colocada logo após a parte textual do
trabalho. No topo da página que contém a lista, deve ser inserido o título
“REFERÊNCIAS”, centralizado, grafado em maiúscula e em negrito, conforme o
padrão da grafia adotada para os demais capítulos sem indicativo numérico.
Caso haja conveniência de referenciar material bibliográfico sem alusão
explícita no texto, recomenda-se elaborar uma outra lista, após a de referências, sob
o título “Referências Complementares”.
Esse “conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um
documento, que permite sua identificação individual” (ABNT, 2002a), apresenta-se
de um modo geral como:
Autor;
Título ;
Imprenta (Local: editora 4, ano de publicação).
Os elementos da referência variam conforme o tipo de suporte do
documento. Conforme norma própria para as Referências (ABNT NBR 6023, 2002ª)
a grafia de cada tipo de referência segue um padrão que remete às regras
internacionais de catalogação de obras que devem ser seguidas rígida e
minuciosamente :
a) usa-se maiúsculas para o SOBRENOME e iniciais do nome do autor,
autoria de entidade ou para primeira palavra do título quando a autoria é
desconhecida;
b) usa-se negrito, para destacar tão somente o elemento Título ou para Título
de Periódico. O subtítulo e o título das partes não tem destaque;
QUADRO 3 – Uso da Pontuação nas Referências
.
:
4
O ponto é inserido após cada elemento autor, título, edição e no final da referência;
Os dois pontos são colocados entre o título e o subtítulo; entre o local e a editora;
e depois do termo In5:;
Segundo a ABNT, editora é a casa publicadora, a(s) pessoa(s) ou instituição responsável pela
produção editorial de uma publicação. No caso de Trabalhos Acadêmicos, a responsabilidade é da
instiuição de ensino onde o trabalho foi apresentado. O local é a cidade onde está estabelecida a
editora ou a instituição responsável.
5
Do latin, que significa dentro, em, no, na.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
,
A vírgula separa as componentes de cada elemento identificador: inserida entre o
sobrenome e o prenome de cada autor, após a editora, entre o volume e o número
do periódico, após o título da revista;
;;
O Ponto e vírgula, seguido de espaço, separa os autores entre si; para obra com
mais de três autores, nomina-se o primeiro incluindo termo et al. (e outros);
/
[]
O hífen é utilizado entre páginas (ex: p. 10-15) e entre datas de fascículos
seqüenciais (ex: 1998-1999);
()
Os parênteses mostram a série, grau (monografias de conclusão de curso e
especialização, teses e dissertações) e o título que caracteriza a função e/ou
responsabilidade, de forma abreviada. (Coord.), (Org.), (Comp.);
A barra transversal aparece entre números de página ou entre datas de fascículos
não seqüenciais (ex: 7/9, 1979/1981);
Os colchetes são usados para indicar os elementos de referência que não aparecem
na obra referenciada, porém são conhecidos (ex: [1991]); Também para indicar
ausência de um elemento essencial: [s.l], sem local ; [s.d.], sem data;
reticências indicam supressão de títulos ou subtítulos, ou supressão em verbetes
... As
longos. Ex: Anais...
ícone inicia e encerra o endereço eletrônico, precedidos da expressão
<> Esse
“Disponível em”. Deve-se indicar também a data de acesso ao documento,
precedida da expressão “Acesso em”.
Fonte : Elaborada pela autora
3.2.11 Apêndices e Anexos
Segundo a ABNT, o anexo é um “texto ou documento não elaborado pelo
autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração.” E o apêndice é um
“texto ou documento, elaborado pelo autor, a fim de complementar sua
argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho.” (2006, p.7).
O que determina a existência de um apêndice em um Trabalho Acadêmico
não é o aprofundamento ou detalhamento do assunto estudado, mas sim a
seqüência lógica do texto nuclear. Em outras palavras, quando um capítulo ou uma
resenha bibliográfica feita pelo autor foge do tema geral, mas permanece importante
como contribuição ao texto, este capítulo deve configurar como apêndice do
trabalho. Os apêndices e também os anexos “são identificados por letras maiúsculas
consecutiva, travessão e pelo(s) respectivo(s) título(s).” (ABNT, 2006, p.8).
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
4 MODELOS DE ESTRUTURAS ADOTADAS PELA FACULDADE PADRE JOÃO
BAGOZZI
Como já foi dito e se enfatiza agora, existem diversos tipos de apresentações
de Trabalhos Acadêmicos e é na estrutura do texto que está a raiz da diferença
entre eles.
A estrutura de um artigo é diferente da estrutura de uma monografia que se
diferencia da estrutura do projeto de pesquisa.
De modo a simplificar a edição dos Trabalhos Acadêmicos, optou-se neste
Manual por cinco formas estruturais básicas:
a) Trabalho acadêmico disciplinar;
b) Artigo;
c) Projeto de Pesquisa;
d) Monografia;
e) Resenha.
Trabalho acadêmico disciplinar, que sob o aspecto de estrutura e edição
obedece a norma da ABNT, NBR 14724, atende as necessidades de editoração de
trabalhos de disciplinas, resenhas, trabalhos interdisciplinares, relatórios de aulas
semi-presenciais, estudos de caso, sínteses de livros e de outras tarefas
acadêmicas solicitadas aos alunos.
A monografia difere do Trabalho Disciplinar em sua estrutura e detalhamento,
mas o segue no padrão e na (NBR14724).
Projeto de Pesquisa, por se tratar de uma proposta, sugere na sua estrutura,
a inclusão de metodologia detalhada, orçamentos, cronogramas e tabelas de usos e
fontes de recursos. A sua editoração segue norma específica, a ABNT, NBR 15287.
os padrões para os artigos científicos e os papers seguem as normas NBR
6021 e 6023, e podem ser usados para inscrever os artigos dos alunos da
Faculdade Padre João Bagozzi em seminários e congressos científicos.
Em função da necessidade de atualização constante das normas vigentes os
modelos de Trabalhos Acadêmicos serão reeditados periodicamente pela Faculdade
Padre João Bagozzi, devendo os alunos utilizarem a última edição atualizada e
divulgada.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
4.1 MODELO DE TRABALHO ACADÊMICO DISCIPLINAR
A estrutura exigida pela Faculdade Padre João Bagozzi e exposta através da
figura 6 é a mínima necessária para a elaboração de um trabalho acadêmico
disciplinar, podendo ser acrescentada por outros elementos opcionais.
FIGURA 6 – Estrutura de Trabalho Acadêmico Disciplinar
ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
10
ANEXO A
9
ELEMENTOS TEXTUAIS
REFERÊNCIAS
8
CONSIDERAÇÕES FINAIS
7
6
DESENVOLVIMENTO
5
INTRODUÇÃO
ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
SUMÁRIO
NOME DO ALUNO
FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI
TRABALHO ACADÊMICO DISCIPLINAR
CURITIBA
2008
Elaborada pela autora.
4.2 MODELO DE ARTIGO
O modelo de Artigo apresentado nessa seção abrange a editoração do artigo
científico, paper, ensaios e artigos para apresentação em seminários tanto internos a
Faculdade Padre João Bagozzi, quanto os seminários e congressos em geral.
A estrutura adotada pela Faculdade Padre João Bagozzi deve ser constituída
por:
A primeira página do artigo, deve apresentar:
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
a) Título do artigo;
b) Nome do autor e seu endereço;
c) Breve Currículo do autor, deve figurar na primeira folha em nota de rodapé;
(por isso deve ser bem breve, qualificando curso, período e endereço
eletrônico);
d) Resumo conforme 3.2.3;
e) Palavras- chave logo após o resumo;
f) Elementos textuais.
Os Elementos Textuais do artigo são: a introdução, o desenvolvimento e as
considerações finais. Também, eventualmente pode-se incluir os agradecimentos
como nota de rodapé na última folha do artigo.
FIGURA 7 – Elementos Pré-textuais do Artigo
ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
TÍTULO DO ARTIGO
RESUMO
O resumo deve conter: os objetivos, os métodos, os resultados e as conclusões dos
trabalhos no caso, artigo. Redigi-lo em um único parágrafo, sem tabulação, com
entrelinhamento menor (simples). Usar frases curtas e empregar termos geralmente
aceitos e simples. O assunto a ser tratado deve ser expresso na primeira frase,
devendo ser situado no tempo e no espaço, caso o título não seja suficientemente
explícito. Usa-se a terceira pessoa do singular (impessoal). As citações e históricos
devem ser evitados. Termos técnicos e nomes não podem ser abreviados. O resumo
deve conter no máximo 250 palavras. Este exemplo contém exatamente 100 palavras.
PALAVRAS-CHAVE: Artigo Científico. Paper. Artigo.Ensaio. Modelo de documento.
1. Introdução
*Breve currículo do autor.
Com nota de rodapé
Elaborada pela autora
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
O artigo é um trabalho acadêmico e como tal depende da execução de uma
pesquisa que por sua vez é embasada em método, que deve ser descrito em seção
específica.
Ao desenvolver o tema do artigo o aluno pode dividi-lo em diversos capítulos.
É importante ressaltar que o artigo não tem sumário, de tal maneira que não é
possível visualizar a seqüência lógica do raciocínio do autor. Em função dessa
característica, os títulos das seções devem enfatizar a relação entre si e a sua
subordinação ao tema.
A revisão de literatura é essencial em qualquer trabalho acadêmico. Para a
sua elaboração, as citações se fazem necessárias e para inclui-las no texto o aluno
deve obedecer as indicações do item 3.2.9 deste manual.
No artigo científico que por característica deve ser conciso e breve, não se
recomenda a apresentação de ilustrações, exceto se necessárias para melhor
compreensão.
Segundo a ABNT, NBR:6022, as considerações finais são “a parte final do
artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos e
hipóteses” (2003b, p.4).
4.3 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA
No que diz respeito à estrutura o
Projeto de Pesquisa se diferencia do
trabalho acadêmico disciplinar quanto à parte textual. Obrigatoriamente o texto do
Projeto de Pesquisa deve incluir uma parte introdutória, na qual devem ser expostos
tema do projeto, o problema a ser abordado, a(s) hipótese(s), justificativa (s) quando
couber(em), bem como o(s) objetivo(s) (geral e específicos) a ser(em) atingido(s). É
necessário que sejam indicados o referencial teórico que embasa, a metodologia a
ser utilizada, assim como os recursos e o cronograma necessários a sua
consecução.
FIGURA 8 – Estrutura de Projeto de Pesquisa
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
ELEMENTOS TEXTUAIS
9
REFERÊNCIAS
8
5 CRONOGRAMA
7
4 RECURSOS
6
3 METODOLOGIA
5
2 REFERENCIAL TEORICO
4
1.TEMA
2. PROBLEMA
3.OBJETIVOS
3.1. O(bjetivo Geral
3.2.Objetivos Epecíficos
4. JUSTIFICATIVA
5. REVISÃO DE LITERATURA
6.METODOLOGIA
7. CRONOGRAMA
8.REFERÊNCIAS
ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
SUMÁRIO
NOME
FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI
NOME
TRABALHO ACADÊMICO
CURITIBA
2008
Criado pela autora.
Conforme natureza do projeto, poderão ser inseridos outros elementos, como
recursos, hipóteses, orçamento, etc.
Não há considerações finais para o Projeto de Pesquisa, exatamente por que
é uma proposta, um planejamento.
4.3.1 Modelo de Cronograma
O cronograma é parte integrante e necessária ao Projeto de Pesquisa. A
Figura dá um exemplo de como ele pode ser elaborado.
FIGURA 9 – EXEMPLO DE CRONOGRAMA
Atividade
jan
fev
mar
abr
mai
jun
jul
ago
set
out
nov
dez
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Construção do referencial teórico
Pesquisa documental e bibliográfica
Aplicação instrumentos de pesquisa
Tabulação dos dados
Análise dos dados
Comparação dos resultados
Redação - versão preliminar
Correções
Entrega da versão para defesa
Apresentação e Defesa do TCC
Correções
Entrega da Versão Final
Fonte: Manual de TCC, 2005, Faculdade Padre João Bagozzi.
4.4 MODELO DE MONOGRAFIA
O Modelo de monografia está baseado na norma NBR 14724 de trabalhos
acadêmicos e na NBR 10719 sobre relatórios técnico-científicos.
O quadro 4, a seguir, detalha a estrutura abordada pela Faculdade Padre
João Bagozzi.
QUADRO 4 – Estrutura de Monografia
ELEMENTO
ESTRUTURA
Capa
Folha de Rosto
Termo de Aprovação
Pré-textuais
Dedicatória
Agradecimento(s)
Epígrafe
Resumo
Lista de Ilustrações
Lista de Tabelas
Lista de Siglas e Abreviaturas
Lista de Símbolos
Opcional
Acima de 5
(cinco)
linhas
Sumário
Textuais
Introdução
Desenvolvimento
Considerações Finais
Referências
Pós-textuais
Elaborado pela autora
Apêndices
Anexos
Caso
necessário
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
4.5 MODELO DE RESENHA
Como um gênero textual, uma resenha é um texto em forma de síntese que
expressa a opinião do autor sobre um determinado fato cultural, que pode ser um
livro, um filme, peças teatrais, exposições, shows, etc, com o intuito de guiar o leitor
pelo emaranhado da produção cultural.
Como uma síntese, a resenha deve ser concisa e objetiva, mesclando
momentos de pura descrição com momentos de crítica direta.
No entanto, sendo um gênero necessariamente breve, é perigoso ser
superficial demais. O texto precisa, pois, mostrar ao leitor as principais
características do fato cultural.
As resenhas apresentam algumas divisões, como resenha acadêmica, que
também pode se subdividir em resenha crítica, resenha descritiva e resenha
temática.
Na resenha acadêmica crítica, os sete passos a seguir norteiam uma boa
produção:
1. Identificar a obra: colocar os dados bibliográficos essenciais do livro ou
artigo que se vai resenhar;
2. Apresentação da obra: situar o leitor descrevendo em poucas linhas todo o
conteúdo do texto a ser resenhado;
3. Descrever a estrutura: declarar sobre a divisão em capítulos, em seções,
sobre o foco narrativo ou até, de forma sutil, o número de páginas do texto completo;
4. Descrever o conteúdo: utilizar de 3 a 5 parágrafos para resumir claramente
o texto resenhado;
5. Analisar de forma crítica: Nessa parte, dar-se-á a opinião do resenhista.
Argumentos baseados em teorias de outros autores, fazendo comparações ou até
mesmo utilizando-se de explicações. É difícil encontrar resenhas que utilizam mais
de 3 parágrafos para isso, porém não há um limite estabelecido.
6. Identificar o autor: Aqui fala-se quem é o autor da obra que foi resenhada e
não do autor da resenha. Discorra brevemente da vida e de algumas outras obras do
escritor ou pesquisador.
7. Assinar e identificar: No último parágrafo deve-se escreve o nome, curso e
faculdade do resenhista.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Na resenha acadêmica descritiva, os passos são exatamente os mesmos,
excluindo-se o passo de número 5. Como o próprio nome já diz, a resenha descritiva
apenas descreve, não expõe a opinião do resenhista.
Na resenha temática, discorre-se acerca de vários textos que tenham um
assunto (tema) em comum. Os passos são simples:
1. Apresentar o tema: Relatar ao leitor qual é o assunto principal dos textos
que serão tratados e o motivo por ter escolhido o assunto;
2. Resumir os textos: Utiliza-se de um parágrafo para cada texto, logo no
início colocar o nome do autor e explicar o que ele diz sobre aquele assunto;
3. Concluir: opinar e tentar chegar a uma conclusão sobre o tema tratado;
4. Mostre as fontes: Coloque as referências de cada um dos textos que
usados;
5. Assinar e identificar: Coloque o nome e uma breve descrição.
DINA, Antonio. A Fábrica
Automática e a Organização do
Trabalho. 6. ed. Petrópolis:
Vozes, 1987. 132 p.
RESENHA
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
REFERÊNCIAS
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6021:2003 - Informação e
documentação – Publicação periódica científica impressa – Apresentação. RJ:
ABNT, mai., 2003a.
________.NBR 6022:2003 - Informação e documentação – Artigo em publicação
periódica científica impressa – Apresentação. RJ: ABNT, mai., 2003b.
________.NBR 6023:2002 - Informação e documentação – Referências –
Elaboração. RJ: ABNT, ago., 2002a.
________.NBR 6024:2003 - Informação e documentação – Numeração progressiva
das seções de documento escrito – Apresentação. RJ: ABNT, maio 2003c.
________.NBR 6027:2003 - Informação
Apresentação. RJ: ABNT, mai., 2003d.
e
documentação
–
Sumário
–
________.NBR 6028:2003 - Informação
Apresentação. RJ: ABNT, nov., 2003e.
e
documentação
–
Resumo
–
________. NBR 6029:2006 - Informação e documentação – Livros e folhetos –
Apresentação. 2ª ed. RJ: ABNT, mar., 2006.
________. NBR 10520:2002 Informação e documentação – Citações em
documentos – Apresentação. RJ: ABNT, ago., 2002b.
________. NBR 10719:1989 Apresentação de relatórios técnico-científicos. RJ:
ABNT, ago. 1989.
________. NBR 14724:2005 Informação e documentação – Trabalhos Acadêmicos
– Apresentação. RJ: ABNT, dez.,2005a.
________. NBR 15287:2005 Informação e documentação – Projeto de pesquisa –
Apresentação. RJ: ABNT, dez., 2005b.
BASTOS, Cleverson L.; KELLER, Vicente. Aprendendo a Aprender: Introdução à
Metodologia Científica. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
CAMPETTI SOBRINHO, Geraldo. Como Produzir o Livro Jurídico: preparação de
originais, normalização técnica e acesso à informação. Brasília: Projecto Editorial,
2003.
CERVO, Amado L. BERVIAN, P. A. Metodologia Científica.3 ed. São Paulo:
McGraw- Hill do Brasil, 1983.
COLZANI, Valdir F. Guia Para Redação do Trabalho Científico. 2 ed. Curitiba:
Juruá, 2006.
FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI. História / Objetivos. Disponível em:
http://www.faculdadebagozzi.edu.br/index_historia.shtml Acesso em: 10 abr. 2007
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
IBGE. Normas de Apresentação tabular. 3 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.
MEDEIROS, Nilcéia L. de. Fórum de Normalização, Padronização, Estilo e
Revisão do Texto Científico: Belo Horizonte: Fórum, 2007 Disponível em:
<http://www.editoraforum.com.br/sist/diabiblioteca/ebook_bibliotecario1.pdf>. Acesso
em: 23 mar. 2007.
MINAYO, Maria C. de S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade.10
ed. Petrópolis: Vozes,1998.
SALOMON, Décio V. Como Fazer uma Monografia. 6 ed. Belo Horizonte:
Interlivros, 1978.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
APÊNDICE A - EXEMPLOS E MODELOS DE REFERÊNCIAS
Nesta seção do Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos são
listados exemplos e modelos de referências com o objetivo de demonstrar a
construção correta para cada tipo de documento.
Os exemplos mostrados, cuja grafia segue criteriosamente as normas, são
de documentos comumente utilizados em textos científicos. Para outros documentos
e abrangências, deve-se consultar a norma NBR 6023, 2003.
Nas molduras estão os modelos que distinguem os elementos essenciais de
cada referência, abaixo de cada moldura
Livros
AUTOR. Título da obra: subtítulo. Número da edição. Local de Publicação: Editora, ano de
publicação.
ABRANCHES, S. H.; SANTOS, W. G.; COIMBRA, M. A. Política social e combate
à pobreza. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.
ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Zahar,
1981.
CERVO, Amado L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo:
McGraw- Hill do Brasil, 1983.
DINA, Antonio. A Fábrica Automática e a Organização do Trabalho. 6. ed.
Petrópolis: Vozes, 1987. 132 p.
DINIZ, Maria H. Curso de Direito Civil: direito de família. 18 ed. São Paulo: Saraiva,
2002. v. 5.
Manuais e Relatórios Técnicos
BRASIL. Ministério da Justiça. Relatório de atividades. Brasília, DF, 1993.
IBICT. Manual de normas de editoração do IBICT. 2. ed. Brasília, DF, 1993.
Teses, Dissertações e outros Trabalhos Acadêmicos
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
AUTOR. Título da Obra: subtítulo. Instituição vinculante. Número de página. Tipo de
documento (grau) - vinculação acadêmica. Local, data da defesa.
AMBONI, Narcisa de F.. Estratégias Organizacionais: Um Estudo De Multicasos
Em Sistemas Universitários Federais Das Capitais Da Região Sul Do País.
Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Administração) Curso de Pós-graduação em Administração, Florianópolis,1995, 143 p.
SCHUBERT, Vânia S. Resenha sobre Resenha. Trabalho Acadêmico apresentado
como requisito parcial para aprovação na Disciplina Metodologia Científica, Curso de
Administração, Faculdades Inove, Curitiba.2002.
Norma Técnica
ABNT-ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520:
Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação. RJ: ABNT,
ago. 2002 b.
Folhetos e Catálogos
INSTITUTO MOREIRA SALLES. São Paulo de Vincenzo Pastore: fotografias de 26
de abril a 3 de agosto de 1997. Casa da Cultura de Poços de Caldas, Poços de
Caldas, MG. [S.l.],1997. 1 folder. Apoio Ministério da Cultura: Lei federal de Incentivo
à Cultura.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Catálogo de teses da USP, 1992. São Paulo,
1993. 467 p.
Parte de Obra
AUTOR da parte. Título da parte. Termo In: AUTOR da obra. Título da obra: subtítulo.
Número da edição. Local de Publicação: Editora, ano de publicação. Número ou volume,
páginas inicial-final da parte ,e/ou isoladas. Notas
Nota: No final da referência, é bom informar a paginação ou outra forma de
individualizar a parte referenciada.
MINAYO, Maria C. de S.. Ciência, Técnica e Arte: O Desafio. In: _________ (Org.).
Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
Capítulo I.
PEIXOTO, Maria de F. V. Função citação como fator de recuperação de uma rede
de assunto. In: IBICT. Base de dados em Ciência e Tecnologia. Brasília, DF:
IBICT, n.1, 1996. CD-ROM.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática,
1998. Disponível em: <http://www.priberan.pt/dlDLPO>. Acesso em: 8 mar.1999.
Nota: Observe a entrada pelo título.
ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, G.;
SCHIMIDT, J. (Org.). História dos jovens 2. São Paulo: Companhia das Letras,
1996. p. 7-16.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações
ambientais em matéria de meio ambiente. In: ______. Entendendo o meio
ambiente. São Paulo, 1999. v. 1. Disponível em:
<http://www.bdt.org.br/sma/entendendo/atual.htm> Acesso em: 8 mar.1999.
SINGER, Paul. Adendo. In: ______. O que é Economia. São Paulo: Contexto, 1998.
p. 59-62.
Periódicos
TÍTULO DO PERIÓDICO. Local de publicação (cidade): Editora, volume, número,
mês e ano. Periodicidade. Ano de início – Ano de término (se houver) Disponível em:
<endereço>. Acesso em: dia, mês abreviado. ano. [para toda a coleção]
Nota: Este modelo é valido para consultas feitas na coleção completa. Este tipo de
consulta ocorre quando se faz um levantamento histórico.
BOLETIM GEOGRÁFICO. Rio de janeiro: IBGE, 1943-1978. Trimestral.
CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Brasília, v. 26. n. 3, 1997. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/>. Acesso em: 19 maio 1998.
SÃO PAULO MEDICAL JOURNAL. São Paulo: Associação Paulista de Medicina,
1941. Bimensal.
VEJA. São Paulo: Editora Abril, v. 31, n. 1, jan. 1998 –
Artigo ou matéria de Revista, Jornal ou em outros periódicos.
AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título do periódico, (abreviado ou não) Local
de Publicação, Numeração do ano, volume (v.), Número do Fascículo (n.) Páginas
inicial-final, mês e ano. Paginação, Data da publicação. Disponível em: <endereço>.
Acesso em: dia, mês abreviado. ano. Particularidades que identificam a parte.
ARRANJO tributário. Diário do Nordeste Online, Fortaleza, 27 nov. 1998.
Disponível em: <http://www.diáriodonordeste.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998.
AS 500 maiores empresas do Brasil. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, v. 38,
n. 9, set. 1984. Edição Especial.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
ESPOSITO, I. et al. Repercussões da fadiga psíquica no trabalho e na empresa.
Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 8, n. 32, p. 37-45,
out./dez. 1979.
EXAME. Melhores e maiores: as 500 maiores empresas do Brasil, São Paulo, 1997.
Suplemento.
MÃO-DE-OBRA e previdência. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios,
Rio de Janeiro, v. 7, 1983. Suplemento.
PAIVA, Anabela. Trincheira musical: músico dá lições de cidadania em forma de
samba para crianças e adolescentes. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 2, 12 jan.
2002.
SUA safra, seu dinheiro. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 ago. 1995. 2. cad. p. 9.
TAVES, Rodrigo F. Ministério corta pagamento de 46,5 mil professores. O Globo,
Rio de Janeiro, 19 maio 1998. Disponível em: <http://www.oglobo.com.br/>. Acesso
em: 19 maio 1998.
UFSC não entrega lista ao MEC. Universidade Aberta: online. Disponível em:
<http://www.unaberta.ufsc.br/novaua/index.html>. Acesso em: 19 maio 1998.
VIEIRA, Cássio L.; LOPES, Marcelo. A queda do cometa. Neo Interativa, Rio de
Janeiro,
nov.
1998.
Seção
Ponto
de
Vista.
Disponível
em:
<http://www.brazilnet.com.Br/contexts/rasilrevistas.htm>. Acesso em: 28 nov. 1998.
Dicionário
DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 1998. Disponível
em: <http://www.priberan.pt/dlDLPO>. Acesso em: 8 mar. 1999.
HOUAISS, Antonio (Ed.). Novo dicionário Folha Webster’s: inglês/português,
português/inglês. São Paulo: Folha da Manhã, 1996. Edição exclusiva para o
assinante da Folha de S. Paulo.
Enciclopédia
THE NEW Encyclopedia
Britannica, 1986. 30 v.
Britannica:
micropedia.
Chicago:
Encyclopaedia
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Leis e Diretrizes
BRASIL. Projeto de Lei nº 1.984, de 2003. Altera o inciso XIII do artigo 7º da Lei nº
9.610, de 19 de Fevereiro de 1998, e dá outras providências. Disponível em:
<http://www.camara.gov.br>. Acesso em: 14 maio 2004.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Diretrizes para a política
ambiental do Estado de São Paulo. São Paulo, 1993. 35 p.
Documento de Origem Eletrônica
AUTOR. Título do arquivo. Local, data. Características físicas do tipo de suporte. Notas:
Extensão do arquivo, software para leitura.
IBICT. Bases de dados em Ciência e Tecnologia. Brasília,1996. CD-ROM.
KRAMER, Ligia L. B. Apostila.doc. Curitiba, 13 maio 1995. Disquete 3 ½’.(605
bytes). Word for Windows 6.0.
MONTEIRO, Isabel. Métodos e Técnicas de Pesquisa-Aula 1. Apresentação do
Microsoft Powerpoint. Arquivo de 442 KB. [Anexo de Mensagem recebida por
<adm.bagozzi@hotmail.com> em 23 fev. 2007]
Trechos de Homepage ou Sites
AUTOR (Se houver) ou ENTIDADE responsável pelo site. Título ou conteúdo.
Informações complementares (Coordenação, Designer, Desenvolvida por, quando
houver ). Disponível em:. <Endereço>. Acesso em: data.
Nota: caso não haja autor, nem seja possível identificar a entidade responsável pelo
site. Inicia-se a referência pelo título do banner ou pelo conteúdo do trecho (a
primeira palavra deve estar em letra maiúscula).
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Serviço
de Referência. Catálogos de Universidades. Apresenta endereços de
Universidades nacionais e estrangeiras. Disponível em: <http://www.bu.ufsc.br>.
Acesso em: 19 maio 1998.
ETSnet. Toefel on line: Test of english as a foreign language. Disponível em:
<http://www.toefl.org>. Acesso em: 19 maio 1998.
O CALENDÁRIO da paz. O Novo Tempo: Conceitos Básicos. Disponível em:
<www.calendariodapaz.com.br>. Acesso em: 24 mar. 2007.
XAMANISMO e Espiritualidade Nativa: elementos para um novo paradigma.
Disponível em: <http://www.terramistica.com.br/>. Acesso em: 24 mar. 2007.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
CD - Compact discs, DVD, filmes e outros.
AUTOR (se não houver, indicar pela 1ª palavra do TÍTULO). Título: subtítulo.
Indicação de responsabilidade relevantes (diretor, produtor, realizador, roteirista e
outros). Local: Produtora e/ou distribuidora, data. Descrição física. Detalhes de
número de unidades, duração em minutos, sonoro ou mudo, legendas ou de
gravação. Notas especiais.
LUDWIG, Van Beethoven. Beethoven: com Pastoral Emporor Moonlight sonata. São
Paulo: Movie Play: 1993. 1 disco compact (60 + min.), digital, estéreo. GCH 2404.
The Greatest Classical Hits.
O NOME da rosa. Produção de Jean-Jaques Annaud. São Paulo: Tw Vídeo
distribuidora, 1986. 1 videocassete (130 min.): VHS, Ntsc, son., color. Legendado.
Port.
OS PERIGOS do uso de tóxicos. Produção de Jorge Ramos de Andrade. São
Paulo: CERAVI, 1993. 1 videocassete. VHS
BLADE Runner. Intérpretes: Harrisson Ford e outros. Los Angeles: Warner
Brothers, c1991. 1 DVD (117min).
STOCKDALE, René. When’s recess? [2002 ?] 1 fotografia, color. Disponível em;
<http://www. webshotscom/g/d2002/20255.html>. Acesso em: 13 jan. 2001.
Entrevistas
NOME DO ENTREVISTADO. Título. Referência da publicação. Nota de entrevista
Nota: A entrada para entrevista é dada pelo nome do entrevistado. Quando o
entrevistador tem maior destaque, entrar por este. Para referenciar entrevistas
gravadas, faz-se descrição física de acordo com o suporte adotado. Para entrevistas
publicadas em periódicos, proceder como em documentos considerados em parte.
MELLO, Evaldo C. de. O passado no presente. Veja, São Paulo, n. 1528, p 9-11, 4
set. 1998. Entrevista concedida a João Gabriel de Lima.
SOARES, Jô. Entrevista com a Professora Isabel Monteiro da Faculdade Padre João
Bagozzi. Vídeo. Disponível em : www. youtube. Acesso em: [Montagem de vídeos
feita pelos alunos no 4º ADM em 2002]
Congressos, Simpósios e Encontros
CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO , 10.,
1979, Curitiba. Anais. Curitiba: Associação Bibliotecária do Paraná, 1979. 3v.
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
Notas de aula
KNAPP, Ulrich. Separação de isótopos de urânio conforme o processo Nozzle:
curso introdutório, 5-30 de set. de 1977. 26 f. Notas de Aula. Mimeografado.
DA SILVA, Aluno A. Métodos e Técnicas de Pesquisa-Aula 1. Disciplina de MTP,
Prof. Isabel Monteiro,1º semestre, Curso de Administração, Faculdade Padre João
Bagozzi. 14 fev. 2007. [Notas de aula no documento impresso.]
Trabalhos não publicados
ALVES, João B. da M.; PEREIRA, Antônio E. C. Linguagem Forth. Uberlândia, 100
p. Trabalho não publicado.
E-mail
AUTOR DA MENSAGEM. Assunto da mensagem. [mensagem pessoal]. Mensagem
recebida por < e-mail do destinatário> data de recebimento, dia mês e ano.
Nota: As informações devem ser retiradas, sempre que possível, do cabeçalho da
mensagem recebida. Quando o e-mail for cópia, poderá ser acrescentado os demais
destinatários após o primeiro, separados por ponto e vírgula.
MARINO, Anne M. TOEFEL brienfieng number [mensagem pessoal]. Mensagem
recebida por <educatorinfo@gets.org> em 12 maio 1998.
Facsimiles
SOUZA, João da C. Evocações. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura,
1986. 404 p. Edição fac-similar.
Listas de Discussões ou Comunidades
AUTOR da mensagem. Título (Assunto). Nome da lista ou da comunidade.
Mensagem disponível em: <endereço da lista>. data de acesso.
Nota: Caso trate-se de resposta de terceiros, a entrada dar-se-á pelo nome da
mensagem original ou do autor da mensagem.Quando tratar de mensagem reposta, Re (Replay) deve preceder o título.
BRAGA, Hudson. Deus não se agradou dele e de sua oferta. Disponível em:
<Evangelicos-l@summer.com.br.> em: 22 maio 1998.
FTP
Manual Para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
AUTOR (se conhecido). Título. Disponível em: Endereço ftp:, login: , caminho:,
Acesso em: Data de acesso.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária.
Current directory is/pub.<ftp:150.162.1.90>, caminho: Pub. Acesso em: 19 maio
1998.
GATES, Garry. Shakespeare and his muse.<ftp://ftp.guten.net/bard/muse.txt.>. 01
Oct. 1996.