BOLETIM INFORMATIVO A TRIBUNA - ÓRGÃO OFICIAL DA ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS
Aluna da Casa Sant’Ana prepara bolachas em sua casa, em Campinas (SP).
Foto: Carolina Grohmann
ANO 104 - EDIÇÃO 3.903- SETEMBRO/OUTUBRO 2014
Casa Sant’Ana
Oficina de auxiliar de cozinha
estimula geração de renda
Evangelizar: missão em construção
EXPEDIENTE
Boletim A Tribuna
Publicação do Setor Imprensa da
Arquidiocese de Campinas – SP
Arcebispo Metropolitano:
Dom Airton José dos Santos
Direção:
Padre Rodrigo Catini Flaibam
Editora-chefe:
Bárbara Beraquet
(MTb 37.454)
Jornalista:
Wilson Antonio Cassanti
(MTb 32.422)
Editora-assistente:
Carolina Grohmann
(MTb 72.958)
Apoio:
Giovanna Lima
João do Carmo Costa
Julia Lopes
Marcela Rezende
Mariana Maia
Rafaella Cassia
Cidade Eterna receberá a III Assembleia Geral Ex-
A
traordinária do Sínodo dos Bispos, com início no
dia 05 de outubro, que terá como tema “Os desa-
fios pastorais sobre a família no contexto da evangelização”.
O dia 28 de setembro foi dedicado à oração pela Assembleia
e o Arcebispo Metropolitano de Campinas, Dom Airton José
dos Santos, convidou a todos para este gesto de comunhão.
Na Assembleia Geral Extraordinária de 2014, os padres sinodais devem avaliar os dados, os testemunhos e as sugestões
das Igrejas particulares, com a finalidade de enfrentar os novos desafios sobre a família. Já na Assembleia Geral Ordinária
de 2015, a meditação contemplará a formulação de diretrizes
da ação pastoral, para lidar com os desafios da evangelização
da pessoa e da família.
O trabalho de zelo pastoral reflete a intenção do Papa Francisco em aproximar a proclamação do Evangelho à família no
mundo de hoje. Entendida como a primeira igreja, a igreja doméstica, a fé cultivada no seio familiar nos lembra que a formação é a base para o testemunho. E evangelizar não é um
projeto acabado, mas um processo contínuo, em construção,
por assim dizer, que está na raiz das preocupações da Igreja
Particular de Campinas.
Composição própria
Distribuição gratuita
Impressão: RIP Editores Gráficos
Tiragem: 10 mil exemplares
Como você confere na edição, recentes dias de estudo do clero e encontro de formação buscaram caminhos concretos para
a vivência de uma fé plena. Boa leitura!
WWW.ARQUIDIOCESECAMPINAS.COM
[email protected]
ARQUIDIOCESECAMPINAS.COM
RUA LUMEN CHRISTI, 02
JARDIM DAS PAINEIRAS
13092-320
CAMPINAS, SP
Equipe Setor Imprensa
Confira a versão digital do Boletim A Tribuna, que também está
disponível para download em
www.arquidiocesecampinas.com/banca
02 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
Dias de Estudo do Clero
voltados à administração paroquial
REDAÇÃO
dministrar as paróquias requer atenção à
legislação trabalhista, ao uso dos recursos
e gestão das finanças. Para reciclagem e
atualização dos conhecimentos, os dias de estudo do
clero tiveram assessoria de Paulo Barbosa, contador
do Regional Sul I - CNBB e da Diocese de São Miguel
Paulista. Cerca de cem padres inscreveram-se para
os dias, de 23 a 25 de setembro passado, no Centro
Marianista Caná, em Campinas (SP). Os párocos,
administradores paroquiais e vigários presentes,
durante a atualização, também tiveram momentos
para apresentar suas realidades e conhecer outras.
No último dia, o professor da PUC-Campinas, André
Pires, apresentou o mapa de ações e serviços sociais
existentes na Arquidiocese.
A
Foto de Giovanna Lima
Fotos de Carolina Grohmann
Abaixo, Dom Airton. Ao lado, apresentação de
Prof. André e, no canto inferior, o convidado
Paulo fala aos presentes. Reciclagem para otimizar e aperfeiçoar a administração paroquial.
BOLETIM A TRIBUNA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - 03
Encontro de Formação:
a conversão pastoral da paróquia
BÁRBARA BERAQUET
partir das disposições do 7º Plano de Pas- Metropolitano, chamou a atenção dos participantes
toral Orgânica (PPO), a Igreja de Campinas sobre a necessidade de aprofundar a reflexão para
encontrou-se, durante três dias, para estudo uma verdadeira conversão pastoral da paróquia, vista
e aprofundamento do documento 100 da CNBB, “Co- como comunidade de comunidades.
munidade de Comunidades: uma nova paróquia - A
“O encontro foi pensado para que nós
conversão pastoral da paróquia”.
pudéssemos aprofundar tudo isso,
As disposições do 7º PPO foram elaboracompartilhar as experiências. E, a
das com base nos levantamentos apontados
partir da reflexão e da partilha da
Uma
na Assembleia Arquidiocesana ocorrida
experiência daquilo que vivemos
em 2013, e tratam de pontos considerados
nas comunidades, nos diversos
verdadeira
fundamentais para a aplicação do plano de
setores e organismos da nossa
pastoral e para o “ser-Igreja”, que são a dis- conversão pastoral Arquidiocese, contribuir para
posição para a missão, o acolhimento, os joque possamos assumir o 7º Plada
paróquia
vens, a comunicação, a formação-catequese,
no com suas disposições, e trabaa renovação das estruturas e o serviço solidário
lhar para que as paróquias possam
- ação social.
provocar uma verdadeira conversão
O momento de formação, de 12 a 14 de setembro,
pastoral renovando as estruturas”, coque se desenrolou no Mosteiro de Itaici - Vila Kostka, menta Monsenhor João Luiz Fávero, Coordenador de
em Indaiatuba (SP), juntou Coordenação Colegiada Pastoral da Arquidiocese de Campinas.
de Pastoral, Coordenações Colegiadas das Foranias,
Para o Monsenhor, o objetivo do encontro foi atinrepresentantes das Comissões, Equipes, Movimentos gido, com grande participação, tanto em número
e Organizações e clero, para debater sobre a neces- de inscritos, quanto na qualidade das contribuições
sária conversão pastoral e paroquial local, com as- apresentadas. Às vésperas do planejamento pastoral
sessoria de Padre Paulo Crozera e Padre Edemilson para o ano de 2015, as contribuições extraídas do enLovatto. Em sua fala de abertura do final de semana contro, na forma de carta-compromisso, auxiliarão
de formação, Dom Airton José dos Santos, Arcebispo a elaboração das diretrizes para o próximo ano, bem
A
“
”
04 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
Fotos de Maurício Aoki
como para concretizar o 7º PPO. “Que tudo isso
venha contribuir para que o nosso trabalho traga
o resultado esperado, em vista da conversão pastoral”, fala Monsenhor João Luiz.
Acesse o conteúdo dado pelos assessores, fotos e
demais materiais do Encontro de Formação
Arquidiocesano pelo portal
www.arquidiocesecampinas.com
Encontro contou com a
participação de 300
pessoas, em formações,
dinâmicas e celebrações
eucarísticas. Acima, vitral
com imagem de Cristo,
centro do povo de Deus,
na Vila Kostka, Mosteiro
de Itaici.
BOLETIM A TRIBUNA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - 05
ARQUIDIOCESE
em destaque
Paróquia São Pedro passa por melhorias Grito dos Excluídos
Reformas revitalizam os espaços
dentro e no entorno da igreja.
“Ocupar ruas e praças por liberdade e direitos” foi
o tema da 20ª edição do Grito dos Excluídos, em
nível nacional. Em Campinas, no dia 07 de setembro, pelo 19º ano consecutivo, a concentração dos
blocos organizados pelas pastorais e movimentos
sociais da Arquidiocese ocorreu no Largo do Pará
e seguiu pela Avenida Francisco Glicério.
O Grito dos Excluídos foi realizado pela primeira
vez em 1995, com o objetivo de ser um desdobramento da Campanha da Fraternidade sobre os
Excluídos.
Foto de Leonardo Duarte
Fotos de Marcela Rezende
Com o objetivo de melhorar a estrutura técnica,
retirar partes ultrapassadas e atualizar a igreja, a
Paróquia São Pedro Apóstolo de Campinas vem
realizando uma série de reformas.
O templo, algumas salas internas da igreja e o salão social já foram reformados e pintados, além da
demolição da igreja antiga e da casa que servia de
residência para o antigo pároco, o que possibilitou o aumento do espaço destinado ao estacionamento. As reformas ainda não acabaram e várias
outras mudanças estão nos planos do Padre José
Antônio Trasferetti, nomeado pároco da Paróquia
em fevereiro de 2013. Veja mais em www.arquidiocesecampinas.com
Paróquia Nossa Senhora da Piedade
celebra um ano de criação
A Paróquia Nossa Senhora da Piedade comemorou, no último dia 15 de setembro, um
ano de criação. As comemorações contaram com novena, tríduo e com uma missa
presidida pelo Arcebispo Emérito de Campinas, Dom Gilberto Pereira Lopes. A Missa
Solene foi celebrada pelo Arcebispo Metropolitano de Campinas, Dom Airton José dos
Santos, no dia 15 de setembro. O aniversário
foi comemorado com apresentações musicais
e teatrais, e com uma apresentação especial da
Orquestra de Viola de Valinhos.
06 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
Padre Roberto Di Lascio presidiu
missa. Povo reunido comemorou.
Festa do Migrante
Foi com missa, apresentações artísticas, terço, comidas típicas e bingo que a Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Pompeia de Campinas celebrou, nos dias 30 e 31 de agosto, a já tradicional
Festa do Migrante.
Realizada há 18 anos pela Paróquia, este é o segundo ano que o Padre Luiz Roberto Teixeira Di
Lascio participa como pároco. Ele destaca que a
festa começou com um incentivo da Igreja Católica, através da Conferência Nacional dos Bispos
do Brasil (CNBB) para se pensar mais no migrante
e, neste ano, foi possível juntar a celebração com
o tema da Campanha da Fraternidade, o tráfico
humano. “A Igreja tem como missão evangelizar o
migrante”, afirma o Padre.
No domingo, a festa começou com uma missa sertaneja, com o objetivo de resgatar a regionalidade
trazida pelos migrantes. Ellen Andrade, integrante da banda que tocou na missa, afirma que foi
preciso integrar os elementos que não são usados
normalmente na igreja, como a viola, com as vozes. “A missa do migrante conseguiu mostrar paras as pessoas que, apesar de sermos de lugares
diferentes, conseguimos juntar vários elementos e
fazer funcionar”, acrescenta a musicista.
Além das músicas religiosas cantadas em ritmo
sertanejo, o compositor Benedito de Souza apresentou pela primeira vez sua composição em homenagem a São José, que fez junto com sua filha,
Angelina Maia Praxedes. Composta após um pedido do Padre Di Lascio, demorou um ano para
ficar pronta e ambos afirmam estar lisonjeados em
tocar na festa e apresentá-la para todos.
Para a boa realização do evento, é necessária a
ajuda de vários voluntários, como é o caso da mi-
grante de Minas Gerais, Vera Lucia Miranda, que
participa desde a primeira festa. Para ela, apesar
de ser cansativo trabalhar no final de semana da
festa, a recompensa em poder ajudar faz valer a
pena. Além disso, afirma que a Igreja é essencial
na vida dos que partiram de sua terra natal em direção a outras cidades e que a acolhida que recebeu quando chegou a Campinas a ajudou bastante e agora é a vez dela retribuir. “A dificuldade do
migrante seria muito maior se não encontrasse a
Igreja para acolher e demonstrar sua fé”, conclui.
A participante Brígida Zalpa Alves também foi voluntária por vários anos e agora aproveita a festa
com sua família. Para ela, o sucesso do evento se
dá pela junção das seis comunidades pertencentes
à Paróquia.
Fotos de Marcela Rezende e Rafaela Cassia
BOLETIM A TRIBUNA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - 07
Balé da Arquidiocese:
a fé expressa pela arte da dança
CAROLINA GROHMANN
ferecer inclusão social é o objetivo do Mi-
munidades começaram a chamar o grupo de dança
nistério da Dança e Balé da Arquidiocese
para algumas celebrações, como dia do padroeiro e
de Campinas, segundo a coordenadora,
aniversário sacerdotal. “Fomos a muitas comunida-
O
Lilian Judith Martins. Com uma média de até 10
des distantes, com pouco recurso. Meninas viam a
apresentações por mês, o Balé se apresenta gratuitamente em paróquias e comunidades da Arquidiocese. “Onde
o povo chama, a gente vai. E quando
a gente termina a apresentação, falamos que é só chamar que a gente vol-
apresentação e me perguntavam ‘nós tam-
“Onde o povo
chama, a gente
vai
”
ta!”, exclama Lilian.
bém podemos fazer a dança?’”, lembra.
Lilian percebeu que a união da dança
com a igreja poderia render bons frutos.
Reuniu-se com o então arcebispo Dom
Bruno Gamberini para fazer a parceria:
participando de alguma atividade na igreja,
No início de agosto, a parceria entre a Ar-
como crisma ou catequese, as meninas interessa-
quidiocese e a bailarina Lilian completou 10 anos.
das teriam um desconto na mensalidade. “Ajudaria a
A história teve
criança a ter uma parte cultural e também a formação
início em 2001,
cristã. Unimos os dois projetos”. A parceria, que co-
quando Lilian,
meçou definitivamente em 2004, existe até hoje.
responsável
Além da formação das meninas, Lilian percebeu
pela academia
que o balé também oferecia cultura para um público
Grand
Ballet,
carente de arte. “É difícil reunir tantas pessoas para
recebeu
um
assistir um evento de dança, mas na igreja você reú-
convite
para
ne. Uma vez, na Vila União, quando a apresentação
fazer o encer-
terminou, um senhor bem humilde me falou: ‘eu não
ramento do 14º
gostei. Eu adorei. Nunca tinha visto dança’. O povo
Congresso Eu-
começou a conhecer o balé dentro do espaço religio-
carístico Nacio-
so”.
nal,
realizado
Lilian se preocupa em educar as meninas para que
em Campinas.
tenham, também, uma formação profissional. Ela
Desde
então,
afirma que já são muitas as alunas que se tornaram
paróquias e co-
professoras, como Vivian do Nascimento Pereira, que
08 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
Fotos de Carolina Grohmann
conheceu o Balé da Arquidiocese durante uma apre-
Para iniciar as aulas no Ministério da Dança e Balé
sentação numa missa. Trocou as aulas que tinha em
da Arquidiocese, é preciso ter um vínculo com a Igre-
outra academia de dança pelo Ministério da Dança e
ja. Entrar em contato com Lilian pelo (19) 3239.2920
Balé. “É muito bom unir a minha religião com o balé,
ou (19) 99798.0589.
que eu tanto gosto. É um meio de representar a minha
fé: através da dança”, vibra. Lilian complementa e cita
Grand Ballet
o Salmo 149:3. “Dança é a liturgia em movimento. E o
Este ano, o espetáculo será no dia 09 de dezembro
próprio salmo diz ‘louvai ao senhor com dança’”.
Hoje, 12 bailarinas representam o Balé da Arquidio-
do Grand Ballet”. Informações para ingressos: (19)
3239.2920.
A bailarina Vivian praticando passos de dança. Na página ao
lado, Lilian; ao fundo, fotografia de Dom Bruno, Arcebispo em
agosto de 2004, quando o Corpo de Baile se tornou oficial.
cese, todas com já pelo menos seis anos de formação.
no auditório da TV Século 21. O tema será “10 anos
BOLETIM A TRIBUNA - SETEMBRO/OUTUBRO-2014 - 09
Fotos de Carolina Grohmann
Renda que vem da cozinha
Oficina de gastronomia na Casa
Sant’Ana incentiva geração de renda
CAROLINA GROHMANN
epois de limpar a mesa com álcool, abrir o
saco da farinha e despejar o açúcar na bacia
já com a margarina, Lucia calça as luvas e
mistura os ingredientes, até virarem uma massa homogênea. “Esqueci da essência de coco! Você pode pegar
para mim? Só pra eu não precisar trocar as luvas”, pede,
e explica que não pode tocar em outros objetos para não
causar contaminação. Lucia Helena Bispo prepara petit
four, conhecido também como bolachinha amanteigada, receita que aprendeu no semestre passado durante a oficina de auxiliar de cozinha, oferecida pela Casa
Sant’Ana, da Arquidiocese de Campinas, e que hoje é
sua fonte de renda.
No período das festas juninas, experimentou vender
as bolachinhas numa confraternização de empresa e,
desde então, nunca mais parou. “Eu estava desempregada, aí resolvi fazer para vender.
Hoje, vendo uma média de 60
saquinhos por semana. São
quatro sabores, canela, coco,
goiabinha e limão. Cada saquinho tem até 215 gramas e sai
por 5 reais”, conta. Com
o dinheiro, Lucia pagou
uma viagem para ver a
filha casar em Cianorte
(PR), em setembro, e
assume a prestação
do carro novo. “Tem
que ter determinação”,
repete sempre. Por receita, ela
gasta menos de 10 reais em ingredientes, e rende cinco saquinhos, gerando um lucro de 15
reais. Lucia participa pela segun-
D
da vez da formação, para, desta vez, aprender o
“bolinho da moda”, o cupcake. “Não quero ficar
só nas bolachinhas, quero aprender outras receitas para vender”, justifica.
As aulas da oficina na Casa Sant’Ana ocorrem às segundas-feiras, em período integral, divididas entre
disciplinas teóricas e práticas. A professora voluntária, a chefe de cozinha da rede Vitória Hotel Residence
NewPort, Sirley Amaro Silva, afirma que a geração de
renda é incentivada durante o curso, demanda vinda do
aluno desde o momento da inscrição. “Gastronomia é
um tema sempre em alta porque todo mundo come. O
aluno que não trabalha e começa a fazer os petits fours
para vender, dá certo. Oferecemos uma visão empreendedora social”, aponta. Durante as aulas, Sirley também destaca a questão ambiental. “Hoje, a gastronomia
engloba o meio ambiente. Sempre explico que, quando
usar uma salsinha, é possível congelar o talo para depois utilizar em outra receita. Ou a questão do óleo, que
pode ser levado para centros de coletas. Tudo para que
o nosso planeta fique mais saudável”.
Lucia percebeu que a oportunidade de renda poderia
ajudar outras mulheres. No núcleo Rossin, onde Lucia
participa de atividades físicas, também oferecidas pela
Casa Sant’Ana, ela já ensinou senhoras a fazer as bolachinhas. “É bom ensinar o outro. Eu aprendi a fazer em
um curso gratuito, então tenho que ajudar as pessoas
que também necessitam”, acredita.
A oficina
A formação de auxiliar de cozinha é oferecida gratuitamente pela Casa Sant’Ana. É um desdobramento do
antigo Programa Jovem Aprendiz, que também focava
na gastronomia. São 17 semanas de aula e o aluno recebe vale transporte, café-da-manhã, almoço e lanche da
10 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
tarde. “Em Campinas, somos a única ONG que trabalha
com alimentação. É uma formação não focada apenas
na gastronomia, como também no ser humano”, explica a coordenadora do curso, Maria Heide C. da Silva
Costa. Segundo ela, o curso valoriza a pessoa, uma vez
que as aulas teóricas também englobam ética, crescimento humano e auto-estima.
Para manter o projeto, Heide explica que são muitas
as parcerias, mas destaca a grande contribuição do Instituto Roberto Bosch, da Arquidiocese de Campinas e
da Federação das Entidades Assistenciais de Campinas
(Feac).
É o segundo ano em que a Casa Sant’Ana oferece a
oficina de auxiliar de cozinha, pela qual já passaram até
80 alunos. “A pessoa vem procurar o curso já pensando
na geração de renda”, conta Heide, e acentua que muitas empresas buscam a Casa Sant’Ana para contratar
alunos que passam durante a formação. “A Casa tem
uma credibilidade muito grande. Quando a gente encaminha o jovem para a entrevista, já é praticamente
garantida a vaga”, exclama.
A formação de auxiliar de cozinha atende interessados
em vulnerabilidade social e que gostem de cozinhar. A
idade mínima para participar da formação é de 17 anos.
quatro campos de atuação: Sede (no Centro), Jardim
Rossin, Jardim Florence, Jardim Esmeraldina.
Os núcleos mantêm oficinas de Auxiliar de Cozinha,
Informática, Dança, Artesanato, Alimentação Saudável, Arte e Cultura, Foto Filmagem, entre outras.
Contatos: (19) 3232.2941, 3342.0551
Visite www.casasantana.org.br
Na página ao lado,
Lucia produz seus
doces. Acima, aula
prática de corte de
legumes. Ao lado,
a chefe Sirley em aula.
A Casa Sant’Ana
fica na Rua Barão
de Jaguara, 297,
Centro.
“Acreditar e servir” é lema
A Casa Sant’Ana, fundada por Anna Pinto Freire e Jerônimo de Campos Freire em 1931, está sob a presidência de Dom Airton José dos Santos e vice-presidência
de Padre João Piazza. “Acreditar e Servir” é o espírito
que norteia todos os trabalhos desenvolvidos nos seus
BOLETIM A TRIBUNA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - 11
Solenidade de
Nossa Senhora Aparecida
A Solenidade de Nossa Senhora da Conceição
Aparecida, padroeira do Brasil, no dia 12 de outubro, terá Missa Solene seguida de procissão na cidade de Campinas. A celebração eucarística será
realizada no Ginásio do Guarani Futebol Clube,
com início às 9h00, presidida por Dom Airton
José dos Santos. A procissão sairá do ginásio até
a Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Este ano, o
Santuário Nacional de Aparecida propõe o tema:
“Com a Mãe Aparecida, ser solidário na dor”, que
também será abordado na celebração em Campinas. O Ginásio do Guarani F. C. está localizado na
Av. Guarani, s/n, Jd. Proença.
Atos do Governo Arquidiocesano
Decretos, atos, provisões ou nomeações
assinados por Dom Airton José dos Santos,
Arcebispo Metropolitano
Chancelaria do Arcebispado
Comunicamos que no dia 05 de setembro de 2014,
o Exmo. Sr. Arcebispo Metropolitano de Campinas,
Dom Airton José dos Santos, fez a seguinte nomeação e transferência:
1. O Revmo. Pe. Eduardo Bueno Fragas, como Vi-
gário Paroquial da Paróquia Santa Luzia, em Hortolândia.
Mantenha-se atualizado pelo portal
www.arquidiocesecampinas.com/chancelaria
(Fechamento desta edição em 25 de setembro de 2014)
Rua Lumen Christi, 02 - Jardim das Paineiras
13092-320 - Campinas - SP
Telefone (19) 3794.4650
www.arquidiocesecampinas.com
12 - SETEMBRO/OUTUBRO 2014 - BOLETIM A TRIBUNA
Download

Clique aqui para baixar a versão em PDF (Acrobat Reader)