3º Seminário Estadual de Influenza
SITUAÇÃO DA INFLUENZA EM
SANTA CATARINA
Fábio Gaudenzi de Faria
Diretor de Vigilância Epidemiológica - DIVE
Superintendência de Vigilância em Saude - SUVIS
04 de abril de 2013
Secretaria de Estado da Saúde
Internações hospitalares por Influenza e pneumonias, Santa Catarina, 2008-2012
7000
6000
Internações
5000
4000
3000
2000
1000
2008
2009
2010
2011
FONTE: SIH-SUS
Secretaria de Estado da Saúde
2012
ov
N
Se
t
Ju
l
M
ai
M
ar
Ja
n
ov
N
Se
t
Ju
l
M
ai
M
ar
Ja
n
ov
N
Se
t
Ju
l
M
ai
M
ar
Ja
n
ov
N
Se
t
Ju
l
M
ai
M
ar
Ja
n
ov
N
Se
t
Ju
l
M
ai
M
ar
Ja
n
0
Mês/ano
Óbitos por influenza e pneumonias, Santa Catarina, 2008 - 2012
Mês do Óbito
2008
2009
2010
2011
2012
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
Total
78
60
58
73
92
97
116
107
87
94
70
87
1019
87
95
78
84
110
121
162
206
143
115
114
93
1408
92
162
94
88
103
101
138
141
123
115
104
117
1378
141
92
116
116
152
144
181
157
150
144
122
113
1628
119
105
95
110
124
174
144
141
120
121
84
77
1414
Secretaria de Estado da Saúde
Média de Óbitos por influenza e pneumonias, Santa Catarina,
2008 - 2012
160
140
120
100
80
60
40
20
0
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Secretaria de Estado da Saúde
Casos notificados de SRAG segundo agente etiológico,
Santa Catarina, 2009 a 2012
SRAG
Influenza A (H1N1)
Influenza A outros subtipos
2009 2010 2011 2012
3183 26
6
758
443
11
35
216
Sem identificação
Total
3951 643
7577 680
Fonte: SINAN/DIVE/SES
Secretaria de Estado da Saúde
38
79
1830
2804
Casos e óbitos por SRAG e Influenza, Santa Catarina,
2012.
N = 2.804
Classificação
n
%
Confirmados para Influenza
974
35,0
Confirmados Influenza A(H1N1)pdm09
758
27,0
Óbitos SRAG
194
6,9
Óbitos Influenza
82
2,9
Óbitos Influenza A(H1N1)pdm09
76
2,7
* Com exame laboratorial coletado
Fonte: SINAN/DIVE/SES
Secretaria de Estado da Saúde
Óbitos por Influenza A(H1N1)pdm09, segundo
comorbidade referida, Santa Catarina, 2012.
n=76
Comorbidade
Cardiopatia crônica
Pneumopatia crônica
Nº
25
15
%
32,8
19,7
Imunodepressão
10
13,1
Doença metabolica
Renal crônico
8
2
10,5
2,6
Obesidade
Apresentava comorbidade
5
65
6,5
85,5
Fonte: SINAN/DIVE/SES
Secretaria de Estado da Saúde
Fatores que contribuíram para agravamento e óbito
por SRAG em Santa Catarina, 2012:
 Inicio tardio do tratamento com o oseltamivir
 Procura tardia para atendimento
 Diagnóstico tardio
 Comorbidades – cardiopatias e obesidade
 O longo itinerário terapêutico aponta a necessidade de
diagnóstico precoce
Plano de contingencia Influenza 2013
Objetivo: Minimizar o impacto na saúde da Influenza durante o inverno através de
ações efetivas de monitoramento, prevenção e tratamento
Eixos de ação
Vigilância Epidemiológica
Diagnóstico Laboratorial
Vacinação
Vigilância Sanitária
Atenção à Saúde
Assistência Farmacêutica
Ações Integradas de Educação em
Saúde, Comunicação e
Mobilização Social
Gestão, Logística e Recursos
Financeiros
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 1. Vigilância Epidemiológica
Objetivo:
Estruturar a vigilância de SG e SRAG no Estado
Estratégias:
Estruturar a vigilância sentinela de SG em ambulatório
Estruturar vigilância de SRAG em paciente hospitalizados
Aperfeiçoar vigilância de SRAG em UTI
Estruturar vigilância de óbitos por causas respiratórias
Implantar vigilância de surtos em ambientes coletivos
Implantar Centro de Operações em Saúde no nível central e salas de
situação nas Gerências Regionais de Saúde
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 2: Diagnóstico Laboratorial
Objetivo:
Aprimorar o diagnóstico laboratorial de vírus respiratórios (influenza)
no Estado
Estratégias:
Ampliar a capacidade de processamento de amostras no LACEN/SC,
prevendo diferentes cenários (rotina, sazonalidade)
Reforçar e difundir a definição de caso para racionalizar a coleta de
amostras laboratoriais (SRAG HOSPITALIZADO, 7 DIAS APÓS O INICIO DOS
SINTOMAS) exceto situações excepcionais (resistência ao medicamento, quadros
atípicos, etc.)
Ampliar técnica da RT-PCR para outros vírus respiratórios conforme
algoritmo do Ministério da Saúde
Aprimorar fluxo de coleta e envio de amostras
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 3: Vacinação
Objetivo:
Operacionalizar a campanha de vacinação contra influenza no estado
Estratégias:
Aumentar a adesão dos grupos prioritários para vacinação (gestantes,
idosos e doentes crônicos)
Preparar equipes de saúde de Gerências Regionais de Saúde e
municípios para operacionalização da campanha
Divulgar grupos prioritários para vacinação
Monitorar cobertura vacinal
Investigar eventos adversos possivelmente associados a vacina
Secretaria de Estado da Saúde
Distribuição de doses de vacina contra influenza segundo grupos
prioritários. Santa Catarina, 2013
Meta: 80% (1.207.400 pessoas)
Recursos repassados aos municípios = R$ 1.090.109,00
Grupos prioritários para vacinação
Categorias de risco clínico com indicação da vacina influenza sazonal
Secretaria de Estado de Saúde de Santa Catarina
Superintendência de Vigilância em Saúde
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Secretaria de Estado de Saúde de Santa C
Superintendência de Vigilância em Saú
Diretoria de Vigilância Epidemiológic
VACINAÇÃO CONTRA INFLUENZA
VACINAÇÃO CONTRA INFLUENZA
Declaro para fins de vacinação contra Influenza, que o(a) Sr.(a)_______________________
Declaro para fins de vacinação contra Influenza, que o(a)
__________________________________________________________________________,
________________________________________________
apresenta indicação para vacinação por pertencer a categoria de risco clínico assinalada
apresenta indicação para vacinação por pertencer a cate
abaixo:
abaixo:
Doença respiratória crônica
Diabetes
Doença respiratória crônica
Diabete
Doença cardíaca crônica
Obesos (grau III)
Doença cardíaca crônica
Obesos
Doença renal crônica
Imunossupressão
Doença renal crônica
Imunos
Doença hepática crônica
Transplantados
Doença hepática crônica
Transp
Doença neurológica crônica
Doença neurológica crônica
Local e Data: _________________________________
Local e Data: _________________________________
____________________________
Assinatura e carimbo do médico
_
Eixo 4: Atenção à saúde
Objetivo:
Estruturar serviços de assistência ao paciente
Estratégias:
Realizar diagnóstico situacional da capacidade da Rede de Saúde no
atendimento aos casos de doenças respiratórias
Monitorar Leitos de UTI e Enfermaria: taxa de ocupação, número de
leitos para procedimentos eletivos e de emergência
Adquirir oxímetros para unidades de saúde
Implantar estratégia de ampliação de acesso (monitoramento e
estratificação): Ampliação horário e unidades extra de atendimento
Divulgar protocolo assistencial para casos de SG e SRAG ente os
profissionais de saúde (estratégia de capacitação 15 minutos)
SAMU (Regular, orientar e capacitar reguladores)
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 5: Assistência Farmacêutica
Objetivo:
Estruturar a gestão de medicamentos e insumos no Estado
Estratégias:
Disponibilizar antiviral (oseltamivir), demais medicamentos e insumos
para uso oportuno, em quantidade suficiente à demanda
Distribuição para todos os municípios
Dispensação em hospitais, emergências, centros de saúde, prontoatendimentos, farmácias municipais e unidades básicas de saúde
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 6: Vigilância Sanitária
Objetivo:
Executar atividades de fiscalização em ambientes e produtos
Estratégias:
Credenciar, licenciar e fiscalizar atividades de vacinação extramuro
Capacitar profissionais de vigilância sanitária em atividades de
fiscalização
Atendimento à denuncias de suspeitas de irregularidades em
atividades e produtos
Auxiliar na elaboração de recomendações de boas práticas no manejo
seguro dos riscos potenciais para disseminação da gripe em ambientes coletivos
(escolas, creches, unidades de saúde, etc.)
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 7: Ações Integradas de Educação em Saúde, Comunicação e
Mobilização Social
Objetivo:
Buscar adesão da população e da sociedade organizada de maneira
consciente e voluntária para ações de enfrentamento a gripe (influenza)
Estratégias:
Criar comitê estadual de enfrentamento da Influenza
Realizar seminários regionais
Elaborar campanha de mídia sobre cuidados e prevenção a gripe no
período sazonal
Elaborar material técnico destinado a profissionais de saúde, educação,
entre outros
Implantar estrutura do disque-gripe
Secretaria de Estado da Saúde
Campanha de mídia – Prevenção
Secretaria de Estado da Saúde
Eixo 8: Gestão, Logística e Recursos Financeiros
Objetivo:
Dispor de Recursos Financeiros para aquisição de equipamentos,
insumos e ampliação de serviços
Estratégias:
Estruturar as unidades de saúde com equipamentos destinados a uma
melhor atenção à saúde dos casos de SG
Estruturar serviço de logística na coleta e envio de amostras
laboratoriais
Estabelecer mecanismos de aporte de Recursos Financeiros para
situações emergenciais
Secretaria de Estado da Saúde
Fábio Gaudenzi de Faria
Diretor de Vigilância Epidemiológica – DIVE
[email protected]
Fone: (48) 3221-8400
Fax: (48) 3221-8445
Governo de Santa Catarina
Secretaria de Estado da Saúde
Superintendência de Vigilância em Saúde
Diretoria de Vigilância Epidemiológica – DIVE
Rua Felipe Schimdt, 774 | Ed. Montreal
Centro | Florianópolis | Santa Catarina
CEP: 88010-002
www.dive.sc.gov.br
Download

Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de