ESTATÍSTICA APLICADA A
ADMINISTRAÇÃO – Aula 1
Prof. Esp. Jose Carlos Francisco dos Santos
email: [email protected]
fone: (43) 9998-9212
Sobre o Docente
 Graduado
em Tecnologia em Processamento de Dados
pela Universidade Norte do Parana (2003) , especialista
em Administração Empresarial e Financeira pela
Faculdades Integradas do Vale Ivaí (2005) e especialista
em Administração, Supervisão e Orientação
Educacional pela Faculdade Iguaçu (2006) . Atualmente
é professor titular da Faculdade Iguaçu e Analista de
sistemas do Instituto de Estudos Avançados e PosGraduação.
Sobre a disciplina
Conteúdo
Material
didático
Avaliação
Desenvolvimento projetos
Responsabilidade e comprometimento dos
alunos
Ementa Disciplina
A ciências dos
Gráficos . Séries Estatísticas.
Preparação de Dados para Análise Estatística.
Medidas Estatísticas. Separatrizes. Assimetria e
Curtose. Probabilidades. Distribuição de
Probabilidades. Aplicações dos Softwares
estatísticos com Uso do Computador.
Sobre você
Nome
Trabalha? O que
faz?
Porque escolheu o curso de Administração?
Qual seu objetivo na disciplina
1 - INTRODUÇÃO
 1.1
- UMA DEFINIÇÃO:
Estatística é a ciência que coleta, classifica e
avalia numericamente fatos que servirão de base para
inferências. É um conjunto de técnicas para se obter
conhecimento preciso, a partir de informações
incompletas; é um sistema científico para coleta,
organização, análise, interpretação e apresentação de
informações que possam ser colocadas sob forma
numérica.

A Estatística trata de idéias e métodos que
visam aperfeiçoar a obtenção de conclusões a
partir de informações numéricas, na presença da
incerteza.
Ela compreende duas funções:
- Estatística Descritiva
- Estatística Indutiva ou Inferencial
1.2 - ESTATÍSTICA DESCRITIVA:

Trata da observação de fenômenos de
mesma natureza, da coleta de dados numéricos
re-ferentes a esses fenômenos, da sua
organização e classificação através de tabelas e
gráficos, bem como da análise e interpretação.
1.3 - ESTATÍSTICA INDUTIVA OU
INFERÊNCIAL:

Estuda as características de uma população,
com base em dados obtidos de amostras.
1.4 - POPULAÇÃO E AMOSTRA

População Estatística é a totalidade dos elementos
de características comuns, pertencentes a um universo
sobre o qual se deseja estabelecer conclusões ou
exercer ações. Ela pode ser finita ou infinita.
Amostra é um subconjunto de elementos extraídos
da população.
A técnica de seleção desses elementos denominase Amostragem.
1.5 - TIPOS DE AMOSTRAGEM
 Amostragem Aleatória Simples: Cada elemento da
população tem a mesma chance de ser selecionado. Os
elementos são escolhidos por sorteio.
 Amostragem Estratificada - A população é dividida em
estratos homogêneos, sendo sele-cionada uma amostra
aleatória de cada estrato. (Grau de instrução, nível de renda,
classe social, local de residência, faturamento, receita, lucro
líquido, rentabilidade, etc., são fatores de estratifi-cação que
podem ser considerados).
 Amostragem Sistemática - Os elementos são selecionados
segundo uma regra predefini-da: 1 a cada 10, 1 a cada 15,
etc. É bastante utilizado quando os elementos da população
estão arranjados em ordem.
1.6 - VARIÁVEL DISCRETA

Assume valores inteiros. É resultante da
contagem do número de itens com determinada
característica. Ex.: número de clientes, sexo,
grau de instrução, origem, etc..
1.7 - VARIÁVEL CONTÍNUA

Pode assumir qualquer valor num intervalo.
Ex.: altura, peso, comprimento, liquidez,
rentabilidade, solvência, etc.. Pode resultar de
medições numa escala.
RESUMO
Estatística Descritiva
Estatística Indutiva/Inferencial
AMOSTRA
POPULAÇÃO
Aleatória Simples
VARIÁVEL DISCRETA
Estratificada
VARIÁVEL CONTÍNUA
Sistemática
2 - O MÉTODO ESTATÍSTICO

A realização de uma pesquisa deve passar,
necessariamente, pelas fases resumidas no
diagrama abaixo, se se deseja um resultado
satisfatório e preciso:
Coleta dos
Dados
Definição do
Problema
Planejamento
Analise e
interpretação
dos Dados
Crítica dos
Dados
Tabelas e
Gráficos
Apresentação
dos Dados
2.1 - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

Saber exatamente o que se pretende
pesquisar é o mesmo que definir corretamente o
problema. Portanto, a primeira fase consiste em
uma definição ou formulação correta do
problema a ser estudado.
2.2 - PLANEJAMENTO
Nele se determina o procedimento necessário para resolver
o problema, como levantar informações sobre o assunto
objeto do estudo.
 Nesta fase é importante a escolha das perguntas, que, na
medida do possível, devem ser fechadas. No caso de um
experimento, deve-se atentar para os objetivos que se
pretende alcançar.
 O levantamento de dados pode ser de dois tipos:
 censitário (quando envolve toda a população)
 por amostragem (quando é utilizada uma fração da
população)
 Outros elementos do planejamento de uma pesquisa são:
cronograma das atividades, cus-tos envolvidos, exame das
informações disponíveis, delineamento da amostra, etc..

2.3 - COLETA DE DADOS

Consiste na busca ou compilação dos dados. Quanto
ao tempo, ela pode ser classificada em:
a)
b)
c)
Contínua: quando realizada permanentemente. Ex.:
inflação, desemprego, etc.
Periódica: quando é feita em intervalos de tempo. Ex.:
censo.
Ocasional: quando efetuada sem época preestabelecida.
Ex.: pesquisa de mercado, pesquisa eleitoral.
2.4 - CRÍTICA DOS DADOS

Objetiva a eliminação de erros capazes de
provocar futuros enganos. Faz-se uma revisão
crítica dos dados, suprimindo os valores
estranhos ao levantamento.
2.5 - APRESENTAÇÃO DOS DADOS

A organização dos dados denomina-se Série
Estatística. Sua apresentação pode ocorrer por
meio de tabelas ou gráficos.
2.6 - ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO
DOS DADOS

Esta fase consiste em tirar conclusões que
auxiliem o pesquisador a resolver seu problema,
descrevendo o fenômeno através do cálculo de
medidas estatísticas, especialmente as de
posição e as de dispersão.
3 - REPRESENTAÇÃO TABULAR
Consiste em
dispor os dados em linhas e
colunas, distribuídas de modo ordenado,
segundo algumas regras práticas e obedecendo
(ainda) à Resolução no 886/66, de 26 de outubro
de 1966, do Conselho Nacional de Estatística.
 As
tabelas devem conter:
 Título
- O quê? (fenômeno). Onde? (época). Quando? (local).
 Cabeçalho - indica o conteúdo das colunas
 Coluna Indicadora - especifica o conteúdo das linhas
 Cabeçalho da coluna indicadora - indica o conteúdo da coluna
indicadora
 Corpo - caselas ou células, onde são registrados os dados.
 Rodapé - notas e identificação da fonte de onde foram
coletados os dados.
Exemplo:
 De
acordo com informações do IBGE, em 31.12.99, o
pessoal administrativo ocupado em estabelecimentos
públicos, era, segundo o tipo de ocupação:
Administração, 41.371; Serviço de Pessoal, 6.067;
Contabilidade, 2.989; Estatística, 5.481; Limpeza e
Conservação, 26.520; Almoxarifado, 3.970; Serviços
Gerais, 46.073; e Outros, 15.689. Nos estabelecimentos
da rede particular, nas mesmas ocupações anteriores,
as quantidades respectivas, eram: 45.392, 4.555, 6.627,
3.112, 42.155, 4.019, 59.038 e 17.302. Dispor os dados
acima em uma tabela, utilizando valores absolutos e
percentuais.
3.1- SÉRIES ESTATÍSTICAS
São
os dados organizados em forma de tabelas.
De acordo com o fenômeno, o local e a época de
ocorrência, as Séries Estatísticas classificam-se
em Temporal, Especificativa e Geográfica.
3.1.1 Série Temporal

É a série estatística em que os dados são
observados segundo a época de sua ocorrência.
Tabela 01 – Lançamento de super-remédios no mercado
brasileiro, período 1997 - 2002
Quantidade de super-remédios
Anos
1997
18
1998
29
1999
33
2000
40
2001
50
2002
69
FONTE: Rev. Veja, ed. 26/06/2002
Tabela 02 – Desempenho Operacional da Varig (em R$ milhões),
período 1997 - 2001
Anos
Valores
1997
41
1998
37
1999
61
2000
198
2001
483
FONTE: Rev. Época, 15/jul/2002
3.1.2 Série Geográfica
É
a série estatística em que os dados são
observados segundo o local onde ocorreram.
Tabela 03 – Candidatos a Dep. Federal nos estados da região NE do Brasil, 2002
Estados
Alagoas
Ceará
Maranhão
Paraíba
Pernambuco
Piauí
Rio Grande do Norte
Sergipe
Bahia
FONTE: Tribunal Superior Eleitoral
Número de candidatos
267
516
474
220
631
204
233
237
569
3.1.3 - Série Especificativa ou
Específica
É
a série estatística em que os dados são
agrupados segundo a modalidade (espécie) de
ocorrência.
Tabela 04 – Valor de uma dívida de R$ 1.000 ao fim de 1 (um) ano,
de acordo com o tipo de financiamento, Brasil, 2002.
Tipo de Financiamento
Montante (em R$)
Empréstimo Pessoal
1.847,84
Cheque Especial
3.087,46
Crediário
2.172,01
Cartão de Crédito
3.296,01
Empréstimo em Financeiras
2.842,06
FONTE: Rev. Época, 24/06/2002
Tabela 05 – Fracionamento do Salário no orçamento familiar do
brasileiro (%), 2002
Descrição
Habitação
Alimentação
Saúde, Tarifas Públicas, Transporte
Vestuário, Educação, Lazer e outros
FONTE: Rev. Época, 24/06/2002
%
24,4
23,7
13,4
11,2
3.1.4 - Série Mista ou de Dupla
Entrada
Corresponde à
fusão de duas ou mais séries
simples.
Tab.06 – Participação de cada fabricante no mercado de absorventes higiênicos
no Brasil, 1997-99 (em %)
Participação (%)
Fabricantes
1997
1998
1999
Johnson & Johnson
42,4
39,0
38,7
Kimberly Clark
16,0
21,9
25,7
Procter & Gamble
23,6
19,2
15,5
Outros
18,0
19,9
20,1
Fonte: Gazeta Mercantil, set/2000
7 – Balança Comercial do Rio Grande do Norte, 1986-99
Anos
1986
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
Valor (US$mil)
Exportações
Importações
27.947
5.016
47.978
4.890
60.047
8.488
70.672
20.186
88.800
21.889
80.189
6.826
72.934
11.271
81.288
16.393
86.729
33.279
79.228
34.542
94.876
101.978
93.504
125.445
101.748
88.528
115.473
84.267
Fonte: Boletim Conjuntural, Nordeste do Brasil, SUDENE, Agosto/2000
Tabela 08 – Crescimento em relação ao mesmo mês de 2001 (%)
dos Setores Petrolífero e Industrial, período jan-jun/02
Meses
Setor Petrolífero
Setor Industrial
Janeiro
9,5
- 1,18
Fevereiro
7,0
- 1,26
Março
15,33
- 3,67
Abril
15,71
6,10
Maio
22,92
- 0,96
Junho
15,95
0,69
FONTE: IBGE
Tabela 09 – Valor de Mercado e Patrimônio (em US$ bilhões),
de 5 (cinco) grandes empresas dos Estados Unidos
Empresas
Valor de Mercado
Patrimônio
Microsoft
336
65
Merck
146
44
Cisco
120
37
Dell
70
13
Ebay
15,5
1,5
FONTE: Rev. Época, jul/2002
Tabela 10 – Evolução do No de Milionários (em mil), no Brasil
e na América Latina, período 1997 - 2001
Anos
Brasil
América Latina
1997
61
190
1998
68
213
1999
81
252
2000
83
259
2001
90
280
FONTE: Rev. Época, jun/2002
Tabela 11 – Índice de Desemprego (em %), em algumas Regiões
Metropolitanas do Brasil, abril/2000/2002
Regiões
Metropolitanas
Distrito Federal
Belo Horizonte
Porto Alegre
Recife
Salvador
São Paulo
FONTE: Rev. Época, 15/07/2002
Índice de Desemprego
2000
21,6
18,4
18,8
20,1
28,2
18,6
2002
21,1
18,9
15,7
21,8
28,8
20,4
Download

Aula 1 - Sercomtel