MOBY DICK
AUTOR: HERMAN-MELVILLE
Este Livro Foi Digitalizado Por:
Rogério Alcântara Torres
Guilherme Alcântara Costa
Daiane Alcântara Torres
Apoio Do Blog TOP LIVROS
Capítulos
1. QUIMERAS.....................................................................................................................................6
2. A MOCHILA DE VIAGEM............................................................................................................9
3. A ESTALAGEM DO JORRO........................................................................................................11
4. A COLCHA....................................................................................................................................19
5. DESJEJUM.....................................................................................................................................21
6. A RUA............................................................................................................................................23
7. A CAPELA.....................................................................................................................................25
8. O PÚLPITO....................................................................................................................................27
9. O SERMÃO....................................................................................................................................29
10. AMIGO ÍNTIMO.........................................................................................................................34
11. CAMISA DE DORMIR...............................................................................................................36
12. BIOGRAFIA................................................................................................................................37
13. O CARRINHO DE MÃO.............................................................................................................39
14. NANTUCKET..............................................................................................................................42
15. CALDEIRADA DE PEIXE.........................................................................................................44
16. O NAVIO.....................................................................................................................................46
17. RAMADÃ....................................................................................................................................53
18. A MARCA DE QUEEQUEG......................................................................................................56
19. O PROFETA................................................................................................................................58
20. GRANDE EMOÇÃO...................................................................................................................60
21. O EMBARQUE............................................................................................................................62
22. FELIZ NATAL.............................................................................................................................64
23. A COSTA DE SOTAVENTO......................................................................................................67
25. POST SCRIPTUM.......................................................................................................................71
27. CAVALEIROS E ESCUDEIROS................................................................................................74
28. AHAB...........................................................................................................................................77
29. AHAB ENTRA E STUBB FALA COM ELE.............................................................................79
30. O CACHIMBO.............................................................................................................................81
31. A RAINHA MAB.........................................................................................................................82
32. CETOLOGIA...............................................................................................................................84
33. O “SPECKSNYDER”, OU ARPOADOR-CHEFE.....................................................................91
34. A MESA DO CAMAROTE.........................................................................................................93
35. O MASTRO REAL......................................................................................................................96
36. O CASTELO DE PROA............................................................................................................100
37. CREPÚSCULO..........................................................................................................................104
38. ANOITECER.............................................................................................................................105
39. A VIGIA DA PRIMEIRA NOITE.............................................................................................106
40. MEIA-NOITE, CASTELO DE PROA.......................................................................................107
41. MOBY DICK.............................................................................................................................110
42. A BRANCURA DA BALEIA....................................................................................................115
43. ESCUTA!...................................................................................................................................120
44. O MAPA.....................................................................................................................................121
45. O DEPOIMENTO......................................................................................................................124
46. CONJECTURAS........................................................................................................................129
47. O FABRICANTE DE ESTEIRAS.............................................................................................131
48. A PRIMEIRA DESCIDA...........................................................................................................133
49. A HIENA....................................................................................................................................139
50. O BOTE E A TRIPULAÇÃO DE AHAB. FEDALLAH..........................................................141
51. O JORRO FANTASMA.............................................................................................................143
52. O ALBATROZ...........................................................................................................................145
53. O GAM.......................................................................................................................................146
54. A HISTÓRIA DE TOWN-HO...................................................................................................149
55. SOBRE AS MONSTRUOSAS REPRESENTAÇÕES PICTÓRICAS DE BALEIAS.............160
56. IMAGENS MENOS ERRÔNEAS DA BALEIA E REPRESENTAÇÕES FIEIS DE CENAS
BALEEIRAS....................................................................................................................................162
57. BALEIAS PINTADAS; ESCULPIDAS EM MARFIM, MADEIRA, PLACAS DE FERRO,
PEDRA, NAS MONTANHAS, NAS ESTRELAS..........................................................................165
59. LULA.........................................................................................................................................168
60. A LINHA....................................................................................................................................170
61. STUBB MATA UMA BALEIA................................................................................................172
62. O ARREMESSO........................................................................................................................175
63. A FORQUILHA.........................................................................................................................176
64. O JANTAR DE STUBB.............................................................................................................177
65. BALEIA COMO QUITUTE......................................................................................................182
66. O MASSACRE DOS TUBARÕES............................................................................................184
67. O CORTE...................................................................................................................................185
68. A MANTA..................................................................................................................................186
69. O FUNERAL..............................................................................................................................188
70. A ESFINGE................................................................................................................................189
71. A HISTÓRIA DE JEROBOÃO.................................................................................................191
72. A CORDA DO MACACO.........................................................................................................194
73. STUBB E FLASK MATAM UMA BALEIA REAL E DISCORREM SOBRE O ASSUNTO
..........................................................................................................................................................197
74. A CABEÇA DO CACHALOTE: COMPARAÇÕES................................................................200
75. A CABEÇA DA BALEIA REAL: CONTRASTES..................................................................203
76. O ARIETE..................................................................................................................................205
77. O GRANDE TONEL DE HEIDELBERG.................................................................................207
78. A CISTERNA E OS BALDES...................................................................................................208
79. O PRADO...................................................................................................................................211
80. A NOZ........................................................................................................................................213
81. O “PEQUOD” ENCONTRA O “VIRGEM”.............................................................................215
82. A HONRA E A GLÓRIA DA CAÇA À BALEIA....................................................................221
83. JONAS ANALISADO HISTORICAMENTE...........................................................................223
84. O GIRO......................................................................................................................................224
85. A FONTE...................................................................................................................................226
86. A CAUDA..................................................................................................................................229
87. A GRANDE ARMADA.............................................................................................................232
88. ESCOLAS E PROFESSORES...................................................................................................238
89. PEIXES PRESOS E PEIXES LIVRES......................................................................................240
90. CABEÇAS OU CAUDAS.........................................................................................................242
91. O “PEQUOD” ENCONTRA O “BOTÃO DE ROSA”.............................................................244
92. MBAR GRIS..............................................................................................................................248
93. O NÁUFRAGO..........................................................................................................................250
94. UM APERTO DE MÃO............................................................................................................253
95. A BATINA.................................................................................................................................255
96. AS REFINARIAS......................................................................................................................256
97. A LMPADA...............................................................................................................................259
98. ARRUMAÇÃO E LIMPEZA....................................................................................................260
98. O DOBRÃO...............................................................................................................................262
100. PERNA E BRAÇO. O “PEQUOD”, DE NATUCKET, ENCONTRA O “SAMUEL
ENDERBY,” DE LONDRES...........................................................................................................266
101. A GARRAFA DE VINHO.......................................................................................................270
102. UM LOCAL DE VERANEIO NAS ARSÁCIDAS.................................................................273
103. MEDIDAS DO ESQUELETO DA BALEIA...........................................................................276
104. A BALEIA FÓSSIL.................................................................................................................278
105. TERÁ DIMINUÍDO O TAMANHO DA BALEIA? ELA DESAPARECERÁ?....................280
106. A PERNA DE AHAB..............................................................................................................282
107. O CARPINTEIRO....................................................................................................................284
108. AHAB E O CARPINTEIRO....................................................................................................286
109. AHAB E STARBUCK NO CAMAROTE...............................................................................289
110. QUEEQUEG EM SEU ESQUIFE...........................................................................................291
111. O PACÍFICO............................................................................................................................294
112. O FERREIRO...........................................................................................................................295
113. A FORJA..................................................................................................................................297
114. O DOURADOR........................................................................................................................299
115. O “PEQUOD” ENCONTRA O “BACHAREL”......................................................................300
116. A BALEIA MORIBUNDA......................................................................................................302
117. A VIGÍLIA PELA BALEIA....................................................................................................303
118. O QUADRANTE.....................................................................................................................304
119. AS VELAS...............................................................................................................................306
120. O CONVÉS AO FINAL DA PRIMEIRA NOITE DE VIGIA................................................310
121. MEIA-NOITE: A AMURADA DO CASTELO DE PROA....................................................311
122. MEIA-NOITE LÁ EM CIMA: RELMPAGOS E TROVÕES.................................................312
123. O MOSQUETE........................................................................................................................313
124. A AGULHA.............................................................................................................................315
125. A BARQUILHA E A LINHA..................................................................................................317
126. O SALVA-VIDAS...................................................................................................................319
127. O CONVÉS..............................................................................................................................321
128. O “PEQUOD” ENCONTRA O “RACHEL”...........................................................................323
129. A CABINA...............................................................................................................................325
130. O CHAPÉU..............................................................................................................................326
131. O “PEQUOD” ENCONTRA O “DELIGHT”..........................................................................329
132. A SINFONIA............................................................................................................................330
133. A CAÇADA: PRIMEIRO DIA................................................................................................333
134. A CAÇADA: SEGUNDO DIA................................................................................................338
135. A CAÇADA: TERCEIRO DIA................................................................................................343
EPÍLOGO.........................................................................................................................................349
1. QUIMERAS
Podes me chamar de Ismael. Há alguns anos – não importa quantos, precisamente – com
pouco ou nenhum dinheiro na carteira e sem qualquer interesse particular na terra, decidi navegar
um bocado e ver a parte aquática do mundo. Esse é um costume que tenho para afastar a melancolia
e ajustar a circulação. Sempre que sinto um amargor crescente na boca, sempre que minha alma se
torna desalentada como um mês de novembro chuvoso, sempre que começo a me deter
involuntariamente diante de lojas funerárias e passo a seguir todos os enterros que encontro e,
sobretudo, sempre que minha hipocondria me domina e exige grande firmeza moral para impedir
que eu vá deliberadamente para o meio da rua e arranque os chapéus dos passantes – decido que é
hora de ir para o mar o mais depressa possível. Esse é meu substituto para a pistola e a bala. Com
um floreio filosófico, Cato atirou-se sobre sua espada; eu embarco tranquilamente em um navio.
Não há nada de surpreendente nesse fato. Se soubessem disso, independente de seu nível social,
uma ou outra vez quase todos os homens claramente nutririam os mesmos sentimentos que possuo
pelo mar.
Eis aqui nossa cidade insular de Manhattoes, rodeada pelos cais como as ilhas do Índico são
rodeadas por recifes de corais – o comércio a cerca com sua agitação. À direita e à esquerda, as ruas
conduzem para o mar. Na extremidade da parte baixa da cidade fica a fortificação militar, onde o
nobre píer é batido pelas ondas, refrigerado pela brisa que algumas horas antes não podia ser vista
da terra. Observa a multidão que ali se reúne para admirar a água.
Dá uma volta pela cidade em um nebuloso sábado à tarde. Vai de Corlears Hook até
Coenties Slip e, desse ponto, passando por Whitehall, caminha na direção do norte. O que se vê? –
Postados como vigias silenciosos em torno da cidade inteira, perdidos em seus sonhos, milhares de
homens mortais fitam o oceano. Alguns se reclinam contra as colunas, alguns se sentam nas
pilastras do píer; alguns olham por sobre as amuradas de navios vindos da China; alguns se postam
no alto dos cordames como se procurassem uma visão melhor do mar. Todos são homens que
vivem em terra, que passam seus dias de trabalho como que presos em argamassa e gesso –
amarrados a balcões, pregados a cadeiras, agarrados a escrivaninhas. Mas como se explica isso?
Acabaram-se os verdes campos? O que fazem aqui?
Olha! Chegam outras multidões caminhando diretamente para a água e parecem ansiar por
um mergulho. Estranho! Nada os impedirá, exceto o limite extremo da terra; não será suficiente
descansar ao abrigo de armazéns distantes. Não. Têm necessidade de estar o mais próximo possível
da água, sem nela cair. E ali permanecem por léguas – aos milhares. Nativos todos, vindos de
vielas, ruas e avenidas – do norte, do leste, do sul e do oeste. Aqui, todos se unem. Gostaria de
saber: serão eles atraídos pela virtude magnética das agulhas das bússolas de todos esses navios?
Uma vez mais. Vamos dizer que te encontres no campo, em terras altas cheias de lagos.
Toma o caminho que desejares e aposto dez contra um que ele te conduzirá a um vale e te deixará
nas proximidades de uma lagoa ou corrente de água. Há magia nesse fato. Permite que o mais
distraído dos homens mergulhe em seu mais profundo sonho – coloca esse homem em pé e
estimula-o a caminhar e infalivelmente seus pés o levarão à água, se houver água nessa essa região.
Se a sede te assaltar no grande deserto americano, caso tua caravana inclua um professor de
metafísica tenta essa experiência. Como todos sabem, há uma união perene entre meditação e água.
Mas toma um artista plástico. Ele deseja pintar para ti a paisagem mais sonhadora, tranquila,
encantadora e romântica de todo o vale do Saco. Que elemento chave empregará? Ali estão árvores,
cada qual com um oco no tronco como se um eremita com um crucifixo se encontrasse em seu
interior; aqui se estendem seus prados; ali adiante dorme o gado. De uma casinha distante sobe uma
fumaça sonolenta. Nas profundezas de uma floresta longínqua serpenteia um caminho complexo
que chega aos contrafortes das montanhas banhadas por um azul serrano. No entanto, apesar do
fascínio do quadro, apesar do pinheiro desprender seus suspiros como folhas sobre a cabeça de um
pastor, tudo seria em vão, não estivessem os olhos do pastor fixos em um mágico riacho diante de
si. Percorre as pradarias em junho, quando, mergulhado até os joelhos, é possível caminhar por
entre os lírios de tigre durante milhas e milhas – qual o único encanto ausente? Água – não há
sequer uma gota de água ali. Fosse o Niágara uma catarata de areia atravessaríamos milhares de
milhas apenas para vê-la? Ao receber subitamente dois punhados de prata, por que ficou indeciso o
pobre poeta de Tennessee, sem saber se comprava um casaco do qual tinha grande necessidade ou
investia seu dinheiro em uma viagem a pé até a Praia de Rockaway? Por que razão quase todos os
rapazes robustos e saudáveis, donos de almas robustas e saudáveis, de quando em quando ficam
loucos para ir para o mar? Em tua primeira viagem como passageiro, por que sentiste tamanha
vibração mística quando descobriste já não ser possível avistar a terra? Por que razão os antigos
persas consideravam o mar como sagrado? Por que os gregos lhe conferiram uma divindade
específica, o próprio irmão de Júpiter? Certamente tudo isso tem um significado. E ainda mais
profundo é o sentido da história de Narciso, que por não conseguir agarrar a suave e atormentada
imagem que viu na fonte nela mergulhou e se afogou. Mas vemos essa mesma imagem em todos os
rios e oceanos. É a imagem do inapreensível fantasma da vida; e essa é a chave de tudo, Contudo,
quando digo que tenho o costume de ir para o mar quando começo a sentir os olhos nublados e a me
preocupar com meus pulmões, não quero dizer que sempre vou para o mar como passageiro. Para
viajar como passageiro é preciso possuir uma bolsa, e uma bolsa não passa de um trapo a menos
que haja algo dentro dela. Além disso, passageiros ficam enjoados no mar – tornam-se briguentos –
não dormem à noite – e como regra geral, não se divertem muito. Não, nunca embarco como
passageiro, e apesar de ser bom marinheiro jamais vou ao mar como comandante, capitão ou
cozinheiro. Abandono a glória e a distinção dessas profissões aos que as apreciam. De minha parte,
abomino todos os trabalhos respeitáveis, experiências e tribulações de qualquer tipo. O máximo que
posso fazer é tomar conta de mim mesmo, sem cuidar de navios, barcos, brigues, escunas e seus
semelhantes. E quanto a embarcar como cozinheiro (apesar de confessar que há considerável glória
nisso, pois um cozinheiro é uma espécie de oficial de bordo), frangos grelhados jamais me atraíram,
embora, depois de assados, judiciosamente amanteigados e devidamente salgados e salpicadas com
pimenta ninguém fale de um frango grelhado com maior respeito, e por que não dizer, com maior
reverência que eu. E é devido à paixão idólatra que os antigos egípcios sentiam por íbis e
hipopótamos assados que vemos as múmias dessas criaturas em seus colossais fornos, as pirâmides.
Não, quando vou para o mar, vou como simples marinheiro, bem na frente do mastro, nas
profundezas do castelo de proa ou em cima do mastro real. É verdade, mandam-me de um lado para
outro e fazem-me saltar de uma verga a outra como um gafanhoto em um prado no mês de maio. A
princípio, esse tipo de coisa é bastante desagradável. Mexe com o senso de honra, sobretudo se
descendes de uma família há tempos estabelecida no país, como os Van Rensselaers, os Randolphs
ou os Hardicanutes, sobretudo se pouco antes de meteres a mão no piche ocupasses uma posição
superior, como a de mestre-escola da área rural, que faz com que os meninos mais velhos te
encarem com respeitoso temor. A transição de mestre-escola para marinheiro é penosa e requer
forte decocção de Sêneca e dos estoicos para que alguém seja capaz de aceitá-la sorrindo. Mas com
o tempo, até isso passa.
E qual o problema, se alguns capitães velhos e avarentos mandam-me pegar uma vassoura e
varrer o convés? Se pesada, quanto valerá essa indignidade na balança do Novo Testamento? Será
que o Arcanjo Gabriel terá menos consideração por mim porque, pronta e respeitosamente, obedeço
a esses velhos avarentos neste caso particular? Quem não é escravo? Dize-me. Bem, então, apesar
de ser enviado de lá para cá pelos velhos capitães do mar, destes me empurrarem e baterem, tenho a
satisfação de saber que isso não é nada de mais e que de um modo ou de outro todo o mundo recebe
esse mesmo tratamento – tanto do ponto de vista físico quanto metafísico – e assim a pancadaria
universal passa por todos lugares, e todas as mãos deveriam esfregar as omoplatas uns dos outros e
ficar contentes.
Novamente, sempre vou para o mar como marinheiro porque fazem questão de pagar pelo
meu incômodo, enquanto que, pelo que sei, jamais pagam aos passageiros um único centavo. Pelo
contrário, são os passageiros que devem pagar. E há toda a diferença do mundo entre pagar e ser
pago. O ato de pagar talvez seja o mais desconfortável castigo que nos legaram os dois ladrões do
jardim paradisíaco. Porém, SER PAGO – o que se compara a isso? A refinada atividade pela qual
um homem recebe dinheiro é realmente maravilhosa, considerando que, com toda sinceridade,
acreditamos que o dinheiro seja a fonte de todos os males terrenos e que por isso jamais um homem
endinheirado poderá entrar no céu. Ah! Mas com que júbilo nos entregamos à perdição!
Por fim, sempre vou ao mar como marinheiro devido ao exercício benéfico e ao ar puro do
convés do castelo de proa. Neste mundo, os ventos de frente são mais prevalentes que os ventos de
ré (isto é, se nunca transgredirmos a máxima de Pitágoras), de modo que na maior parte das vezes o
comandante recebe uma atmosfera de segunda mão, vinda dos marinheiros do castelo de proa. Ele
crê que a respira antes de todos, mas não é assim. Do mesmo modo, a plebe conduz seus líderes em
várias coisas, enquanto que os líderes pouco suspeitam disso. Por conseguinte, depois de ter
repetidamente farejado o ar como marinheiro mercante meti na cabeça a ideia de embarcar em uma
viagem de caça à baleia. Isso pode ser mais bem explicado pelo invisível oficial de polícia do
Destino, que mantém constante vigilância sobre minha pessoa, secretamente me vigia e me
influencia de modo inexplicável – ele pode explicar melhor que ninguém. Sem dúvida, minha
participação nessa viagem de caça à baleia é parte do grande programa que a Providência lavrou há
muitíssimo tempo. Essa viagem chegou como uma espécie de breve interlúdio e solo entre
apresentações mais extensas. Imagino que essa parte da fatura tenha sido redigida mais ou menos
assim:
GRANDE DISPUTA ELEITORAL PELA PRESIDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS.
VIAGEM DE CAÇA À BALEIA POR UM CERTO ISMAEL.
BATALHA SANGRENTA NO AFEGANISTÃO.
Apesar de não poder dizer exatamente o motivo pelo qual esse contrarregra, o Destino,
reservou para mim uma parte tão pobre nessa viagem, quando outros receberam partes magníficas
em altas tragédias e partes pequenas e fáceis em gentis comédias, e partes divertidas em farsas –
apesar de não poder dizer a razão exata, relembrando agora todas as circunstâncias creio conseguir
vislumbrar algo das causas e motivações que me foram maliciosamente apresentados sob vários
disfarces. Fui induzido a desempenhar esse papel e, além disso, fui enganado para acreditar que
minha escolha fora feita através do meu justo livre arbítrio e inegável discernimento.
O principal motivo foi a irresistível ideia da própria grande baleia. Esse monstro portentoso
e enigmático despertou minha curiosidade. Ademais, fiquei fascinado pelos mares selvagens e
distantes que ela atravessa com seu corpanzil de ilha e pelos seus incalculáveis e inomináveis
perigos. Tudo isso e mais as maravilhas das milhares de vistas e dos sons da Patagônia contribuíram
para exacerbar meu desejo. Tais coisas talvez não fossem estímulos para outros homens, mas
quanto a mim, atormenta-me um perene desejo por coisas remotas. Adoro navegar por mares
proibidos, aportar em costas barbarescas. Não ignorando o que é bom, sou rápido em perceber um
horror e se me deixarem posso até me familiarizar com ele, pois é bom cultivar a amizade de todos
os residentes do local onde nos abrigamos.
Por todas essas razões, a viagem de caça à baleia foi bem-vinda; abriram-se as grandes
comportas de um mundo de maravilhas, e nos loucos conceitos que me inclinavam ao meu
propósito, no mais profundo da minha alma flutuavam infindáveis procissões de baleias, duas a
duas, e entre elas, um grande fantasma encapuzado, como uma montanha de neve no ar.
2. A MOCHILA DE VIAGEM
Enfiei uma ou duas camisas em minha velha mochila de viagem, meti-a embaixo do braço e
parti para o Cabo Horn e o Pacífico. Deixando a boa cidade, a velha Manhatto, no momento devido
cheguei a Nova Bedford. Era a noite de um sábado de dezembro. Muito me desapontei ao saber que
o pequeno paquete para Nantucket já zarpara e que antes da segunda-feira seguinte o lugar não
podia me oferecer qualquer meio para alcançá-lo.
Como a maioria dos jovens candidatos às penas e privações da caça à baleia se detém nessa
mesma Nova Bedford e dali embarca para sua viagem, devo dizer que, por mim, não tinha a menor
intenção de fazê-lo. Estava absolutamente decidido a viajar apenas em uma embarcação de
Nantucket, pois tudo que se relaciona com a famosa velha ilha tem algo de admirável e turbulento, e
isso me agradava muitíssimo. Além disso, apesar de nestes últimos tempos Nova Bedford ter
gradativamente monopolizado o negócio da pesca de baleias e não obstante a velha Nantucket ter
ficado muito para trás nesse assunto, Nantucket foi seu extraordinário original – a Tiro dessa
Cartago – o lugar onde a primeira baleia americana morta encalhou. De onde mais, se não de
Nantucket saíram os baleeiros aborígines, os homens vermelhos que primeiro saíram para caçar o
leviatã? E de onde mais, se não também de Nantucket, zarpou aquela primeira pequena chalupa
aventureira, em parte carregada com calhaus importados (pelo menos é o que conta a história) para
atirar nas baleias e descobrir se estavam suficientemente próximas para arriscar um arpão atirado do
gurupés?
Ora, tendo uma noite, um dia, e ainda uma noite diante de mim em Nova Bedford antes de
poder embarcar para o meu porto de destino, tornou-se matéria de preocupação o lugar em que eu
iria me alimentar e dormir nesse ínterim. A noite parecia muito suspeita e, além disso, deveras
escura e funesta, terrivelmente fria e triste. Eu não conhecia ninguém naquele local. Com dedos
ansiosos, examinei meu bolso e encontrei apenas algumas moedas de prata. Por bem, Ismael, disse a
mim mesmo no meio de uma rua sombria, pendurando a mochila no ombro e comparando a
escuridão do norte com a escuridão do sul, para qualquer lugar que vás, não importa para onde tua
sabedoria te conduza para passar a noite, meu caro Ismael, não deixes de perguntar o preço e não
sejas exigente demais.
Com passos hesitantes, caminhei pelas ruas e passei pela tabuleta do “Os Arpões Cruzados”
– mas parecia caro e alegre demais. Mais adiante, das brilhantes janelas vermelhas da “Estalagem
do Peixe-Espada” surgiam raios tão abrasadores que pareciam ter derretido a neve e o gelo
acumulados diante da casa, pois em todos os outros lugares 25 centímetros de geada congelada
cobriam o asfalto do chão – um tanto incômodo pra mim quando bati o pé contra as duras
saliências, pois devido a um serviço desumano eu tinha a sola das botas em estado miserável. Caro
e alegre demais, pensei novamente, parando um instante na rua para fitar o amplo fulgor e ouvir os
copos tilintando lá dentro. Vamos, Ismael, disse finalmente, não estás ouvindo? Sai de frente da
porta. Tuas botas remendadas impedem a passagem. Então, saí dali e, por instinto, segui por ruas
que me levavam na direção da água, onde sem dúvida encontraria estalagens mais baratas, talvez as
mais animadas.
Que ruas melancólicas! Quarteirões e quarteirões de escuridão de um e de outro lado, não de
casas; aqui e ali um lampião que parecia uma vela tremeluzindo sobre um túmulo. A essa hora da
noite do último dia da semana, aquele bairro da cidade estava totalmente deserto. Mas afinal me
aproximei de uma luz fumarenta procedente de uma construção baixa e larga cuja porta se
encontrava convidativamente aberta. Seu aspecto era descuidado, como se fosse destinada ao uso do
público; assim que entrei, a primeira coisa que fiz foi tropeçar em uma caixa cheia de cinza,
colocada no saguão. Ah! pensei enquanto as partículas voadoras quase me sufocavam. Serão essas
as cinzas da destruída cidade de Gomorra? “Arpões Cruzados”, “Peixe-espada?” – então, aqui deve
ser a tabuleta de “A Armadilha”. Contudo, recobrei-me. Ouvindo uma alta voz dentro de mim,
adiantei-me e abri uma segunda porta interior.
Parecia o grande Parlamento Negro reunido em Tofete 1. Uma centena de rostos negros
enfileirados voltou-se para olhar; e mais além, um Anjo da Morte batia um livro em um púlpito. Era
uma igreja para negros. O tema do pregador era sobre o negrume da escuridão, o pranto, os
lamentos e o ranger de dentes lá existentes. Ao me afastar, pensei: “Ah, Ismael, nefando
entretenimento sob a tabuleta da ‘A Armadilha!’”
Seguindo em frente, finalmente cheguei a uma luz mortiça não longe das docas e ouvi um
miserável rangido no ar. Olhando para cima, divisei uma tabuleta balouçante sobre a porta, com
uma pintura branca representando o jato alto de um jorro nebuloso sob o qual estavam escritas as
seguintes palavras: “Estalagem do Jorro – Peter Coffin”2.
Coffin? – Jorro? – Essa particular conexão é meio ameaçadora, pensei. Mas como aquele era
um nome comum em Nantucket supus que esse Peter emigrara de lá. A luz era tênue e por enquanto
o lugar parecia bastante sossegado; a pequena e dilapidada casa de madeira parecia ter sido
transportada para lá das ruínas de algum distrito incendiado e como até o rangido da tabuleta
pendurada parecia contaminado pela penúria, imaginei que aquele seria um bom lugar para
encontrar hospedagem barata e o melhor café feito com ervilha.
Era um local esquisito – uma casa velha com cumeeira em forma de triângulo, paralisada de
um lado, inclinando-se tristemente. Ficava em uma esquina aguda e exposta onde o tempestuoso
vento Euroclidon rugia com mais força do que sacudira a embarcação do pobre Paulo. Todavia, o
Euroclidon é um zéfiro bastante agradável para quem está abrigado, com os pés apoiados em um
tamborete diante da lareira, tostando devagarzinho antes de ir para a cama. Diz um velho escritor,
de cuja obra possuo a cuja única cópia existente: “Ao julgar esse vento tempestuoso chamado
Euroclidon, faz maravilhosa diferença olhar para ele através de uma janela de vidro que mantém
toda geada do lado de fora ou observá-lo através da mesma janela, porém aberta, quando a geada se
encontra dos dois lados, tendo a corajosa Morte como única vidraça”. Isso é verdade, pensei quando
essa passagem ocorreu à minha mente – velho texto gótico, tens razão. Sim, estes olhos são janelas
e este meu corpo é a casa. Pena que não tivessem consertado as pequenas fissuras e rachaduras, nem
colocado mechas de algodão aqui e ali. Mas agora já é muito tarde para fazer melhorias. O universo
está concluído: a pedra de cimalha está colocada e as lascas foram varridas há milhões de anos.
Pobre Lázaro! Bate os dentes contra o meio fio que lhe serve de travesseiro e faz cair os andrajos
com seu tremor, mas ainda que enchesse os dois ouvidos com trapos e enfiasse uma espiga de milho
na boca, nem assim conseguiria se livrar do tempestuoso Euroclidon. Euroclidon! Diz o velho
Dives3 em sua túnica de seda vermelha – (mais tarde, arranjou outra, ainda mais vermelha) Sopra,
sopra! Que bela noite gelada; como Órion brilha; que luzes setentrionais! Deixai-me falar de seu
clima oriental de estufas perenes; dai-me o privilégio de criar meu próprio verão utilizando meus
carvões.
Mas o que pensa Lázaro? Será que pode ferir suas mãos azuis estendendo-as para as grandes
luzes boreais? Lázaro não preferiria estar em Sumatra em vez de estar aqui? Não preferiria deitar-se
ao longo da linha do Equador? Sim, ó deuses! Descer ao fundo do abismo ardente para afastar esse
gelo?
De qualquer modo, é mais incrível imaginar Lázaro deitado no meio-fio diante da porta de
Dives que visualizar um iceberg ancorado em uma das ilhas Molucas. Além disso, o próprio Dives
vive como um czar em um palácio de gelo feito de suspiros congelados, e sendo presidente de uma
sociedade de temperança bebe apenas as tépidas lágrimas dos órfãos.
Mas chega de choradeira4, vamos caçar uma baleia e ainda há muito para ser visto.
Raspemos o gelo de nossos pés congelados e vejamos que espécie de lugar é esse “Jorro”.
1- Tofete é mencionada na Bíblia hebraica como o local onde os cananeus sacrificavam crianças e
seu nome tornou-se sinônimo de inferno.
2- Coffin: em português, esquife.
3- Dives: referência à parábola de Lázaro e o homem rico, no Evangelho de Lucas.
4- Aqui o autor faz um jogo de palavras, pois usou para ‘choradeira’ o vocábulo ‘blubber’, que
também significa gordura de baleia.
3. A ESTALAGEM DO JORRO
Entrando na Estalagem do Jorro, com sua cumeeira triangular, a pessoa se encontra em um
corredor largo e baixo, com antiquados frisos de madeira lembrando as amuradas de algum velho
navio condenado. Em um dos lados pendia uma enorme pintura a óleo, tão desfigurada e coberta de
fuligem que na claridade irregular do lugar, somente por meio de estudo diligente, de uma série de
visitas sistemáticas e de cuidadosa investigação entre os vizinhos seria possível chegar a alguma
compreensão de seu significado. Aquelas massas de matizes e sombras eram tão inexplicáveis que a
princípio se poderia pensar que algum ambicioso artista jovem do tempo das bruxas da Nova
Inglaterra tivesse desejado representar o caos enfeitiçado. Mas, à força de muita contemplação
cuidadosa, de repetidas ponderações e, sobretudo depois de se abrir repetidamente a pequena janela
do fundo do corredor finalmente chegava-se à conclusão de que tal ideia, por mais louca que
parecesse, não era totalmente sem fundamento.
Contudo, o que mais intrigava e confundia era uma longa, flexível e portentosa massa negra
de algo que flutuava no centro do quadro sobre três turvas linhas azuis e perpendiculares, boiando
em cima de uma espuma indefinível. Um quadro verdadeiramente lamacento, suficientemente
encharcado para enervar um homem distraído. Ainda assim, em torno dele havia uma sorte de
sublimidade indefinida, meio alcançada, inimaginável, que atraía de tal modo que,
involuntariamente, jurava-se descobrir o que significava aquela pintura maravilhosa. De quando em
quando, uma ideia brilhante mas enganosa cruzava nossa mente. – É o Mar Negro durante uma
tempestade à meia-noite. – É um combate sobrenatural entre os quatro elementos primordiais. – É
uma charneca amaldiçoada. – É uma cena do inverno hiperbóreo. – É o colapso da torrente do
Tempo, rodeada de gelo. Mas por fim todas essas fantasias cediam diante do portento no centro do
quadro. Se ISSO fosse encontrado todo o resto se tornava simples. Mas um momento: não possui
uma ligeira semelhança com um peixe gigantesco? Talvez mesmo com o próprio leviatã?
De fato, o projeto do artista parecia ser o seguinte: uma teoria final criada por mim, em parte
com base nas opiniões conjuntas de muitas pessoas idosas com as quais conversei sobre o assunto.
O quadro representava um navio no Cabo Horn, em meio a uma grande tempestade; o navio meio
soçobrado, açoitado, visíveis apenas seus três mastros desmantelados, e uma baleia encolerizada
tentando saltar por sobre o navio, no espantoso ato de se precipitar sobre os três mastros.
A parede oposta a essa entrada estava coberta por uma coleção pagã de espadas e clavas
monstruosas. Algumas eram engastadas com dentes brilhantes que se assemelhavam a serras de
marfim; outras eram enfeitadas com tufos de cabelo humano. Uma delas tinha o formato de foice e
um imenso cabo arqueado como a porção de pasto recém-aparado por um segador de braço longo.
Estremecia-se ao vê-la e tentava-se imaginar que canibal monstruoso e selvagem teria partido para
ceifar a morte com tal instrumento despedaçador e horripilante. Misturados a essas armas havia
velhas lanças e arpões enferrujados próprios para a pesca da baleia, todos quebrados e deformados.
Algumas eram armas que possuíam história. Com esta, agora violentamente retorcida, há 50 anos
Nathan Swain matara 15 baleias entre a aurora e o ocaso. E aquele arpão – agora semelhante a um
saca-rolha – fora atirado nos mares de Java e carregado por uma baleia que depois de muitos anos
fora morta perto do Cabo Branco. A arma original entrara perto da cauda e, como uma agulha
incansável alojada no corpo de um homem, viajara mais de 12 metros até se enterrar na corcova.
Depois de atravessar esse corredor sombrio e passar pela entrada baixa em forma de arco
chegava-se no salão. Essa entrada provavelmente fora aberta na antiga grande chaminé central
rodeada de lareiras. O salão era ainda mais lúgubre com suas pesadas vigas no teto baixo e seu
assoalho de tábuas enrugadas onde se tinha a impressão de caminhar pelas cabinas de um velho
navio, sobretudo em uma noite tempestuosa como aquela, em que aquela velha arca mal ancorada
na esquina balançava-se tão furiosamente. Em um dos lados ficava uma mesa comprida e baixa em
forma de estante, coberta com vitrines de vidro trincado, recheadas de raridades empoeiradas
recolhidas nos confins mais remotos deste vasto mundo. Projetando-se do ângulo mais afastado da
sala, um esconderijo de aspecto soturno – o bar – rude tentativa de imitar uma cabeça de baleia.
Seja como for, ali se encontrava o vasto osso arqueado da mandíbula de uma baleia, tão grande que
uma carruagem quase poderia passar por baixo dele. Lá dentro, estantes dilapidadas contendo
velhas garrafas de decantação, garrafas, frascos. E nessas mandíbulas de destruição rápida, como
outro amaldiçoado Jonas (nome pelo qual realmente era chamado), agitava-se um velho
homenzinho que em troca de dinheiro amorosamente vendia delírios e morte aos marinheiros.
Abomináveis eram os copos onde ele despejava seu veneno. Apesar de verdadeiros cilindros
do lado de fora – por dentro os desprezíveis vidros verdes que atraíam o olhar afinavam-se até
chegar a um fundo falso. Meridianos paralelos, rudemente inscritos no vidro, marcavam esses
cálices gatunos. Encher até ESTA marca custava apenas um centavo; até ESTA, mais um centavo; e
daí por diante, até o copo cheio – medida do Cabo Horn que se podia engolir por um xelim.
Ao entrar no lugar encontrei vários jovens marinheiros reunidos em torno de uma mesa,
examinando à luz mortiça diversos espécimes de conchas. Procurei o estalajadeiro e ao lhe dizer
que desejava acomodação em um quarto recebi a resposta que a casa estava lotada – nem uma única
cama disponível. “Mas espera um pouco”, acrescentou ele, “não tens objeções quanto a
compartilhar um leito com um arpoador, tens? Suponho que vás pescar baleias, então é melhor te
acostumares a esse tipo de coisa”.
Respondi-lhe que jamais apreciara dormir com alguém na mesma cama, e para que o fizesse
agora, dependeria de quem era o arpoador, e se ele (estalajadeiro) realmente não tinha outro lugar
para mim e se decididamente o arpoador não era alguém repreensível, em vez de continuar a
perambular por uma cidade estranha eu aceitaria partilhar o leito de um homem decente.
“Eu já imaginava. Está bem, senta-te. Ceias? – Queres cear? A comida ficará pronta daqui a
pouco”.
Sentei-me em um velho assento de madeira, entalhado como um banco do Forte. Em uma
ponta, um marinheiro ruminava e continuava a adorná-lo usando sua navalha, debruçando-se sobre
ele e trabalhando diligentemente no espaço entre suas pernas abertas. Tentava esculpir um navio
com as velas desfraldadas, mas julguei que não fazia muito progresso.
Pelo menos quatro ou cinco de nós fomos chamados para comer em uma sala contígua.
Estava tão frio quanto na Islândia – não havia lareira – e o proprietário declarou que não tinha
recursos para isso. Só havia duas tristes velas de sebo, cada qual em um castiçal espiralado.
Estávamos resignados a abotoar nossos casacos e, com dedos meio congelados, levar aos lábios
xícara após xícara de chá escaldante. Mas a refeição era do tipo substancial – não só carne e batatas,
mas também torta de maçã. Céus! Torta de maçã para a ceia! Um jovem de casaco verde atacou os
bolinhos da maneira mais espantosa.
“Meu rapaz, certamente terás pesadelos esta noite”, disse o estalajadeiro.
“Patrão, esse não é o arpoador, é?” sussurrei.
“Oh, não,” disse ele, com um olhar diabolicamente engraçado, “o arpoador é um camarada
de compleição escura. Jamais come torta de maçã; só come bifes, que gosta mal passados”.
“Com os diabos”, falei. “Onde está esse arpoador? Está aqui?”
“Chegará daqui a pouco”, foi a resposta.
Não pude deixar de desconfiar desse arpoador de ‘compleição escura’. De qualquer modo,
resolvi que se precisássemos dormir juntos ele iria se despir e deitar antes de mim.
Finda a ceia, todos nós voltamos ao bar, e sem nada para fazer decidi passar o resto da noite
como observador.
Então se ouviu um vultoso barulho do lado de fora. Dando um salto, o proprietário
exclamou: “É a tripulação do Grampus. Nesta manhã fui informado que eles tinham sido vistos ao
largo, depois de uma viagem de três anos e com o navio abarrotado. Viva, rapazes! Agora teremos
as últimas notícias das Ilhas Fiji”.
Ouviu-se um ruído de botas marinhas no corredor; a porta se abriu e um selvagem grupo de
marinheiros fez sua entrada. Envoltos em abrigos peludos, a cabeça coberta por mantas de lã, todos
barulhentos e ásperos, com barbas espetadas e cheias de gelo, pareciam uma invasão de ursos do
Labrador. Tinham acabado de desembarcar e aquela era a primeira casa em que entravam. Assim
sendo, não era de se estranhar que se dirigissem diretamente para a boca da baleia – o bar – onde o
pequeno e enrugado Jonas que ali oficiava logo encheu o copo de todos. Um deles se queixou de
gripe e diante disso Jonas fez uma poção composta de gim e melaço que jurou ser infalível para a
cura de toda espécie de resfriados e catarros, independente de quanto duravam ou se haviam sido
apanhados nas costas de Labrador ou a barlavento de uma geleira.
O álcool logo subiu às suas cabeças, como em geral acontece com beberrões
recém-chegados do mar, e todos começaram a fazer as mais estrepitosas brincadeiras.
Entretanto, observei que um deles se mantinha um pouco afastado, e apesar de não parecer
desejoso de estragar a hilaridade de seus companheiros com sua sobriedade evitava fazer tanto
barulho quanto os outros. Esse homem imediatamente provocou meu interesse, e como os deuses do
mar já haviam estabelecido que ele logo se tornaria meu companheiro de barco (mas não um
companheiro de cama, no que concerne a esta narrativa), vou fazer aqui uma pequena descrição de
sua pessoa. Media mais de 1,80m de altura, tinha ombros nobres e o peito como uma arca. Poucas
vezes vi tantos músculos em um homem. Seu rosto era marrom escuro, queimado de sol. O
contraste fazia com que seus dentes parecessem extremamente brancos. Nas profundas sombras de
seus olhos flutuavam reminiscências que não pareciam lhe proporcionar muita alegria. Sua voz
imediatamente revelou que era sulista e, pela sua estatura, imaginei que devia ser um dos altos
montanhistas da cordilheira Alleghanian, em Virginia. Quando a farra de seus companheiros chegou
ao auge, esse homem escapuliu sem ser observado e não mais o vi até ele se tornar meu
companheiro, no mar. Entretanto, em poucos minutos seus companheiros sentiram sua falta, pois
parecia que por alguma razão era muito apreciado por eles, e começaram a gritar: “Bulkington!
Bulkington! Onde está Bulkington?” e correram para fora do estabelecimento para procurá-lo.
Eram aproximadamente 9h da noite, a sala parecia quase sobrenaturalmente quieta após
aquela orgia e comecei a me parabenizar pelo pequeno plano que eu arquitetara pouco antes da
entrada dos marinheiros.
Não existe homem que aprecie dormir com outro em sua cama. De fato, qualquer um
preferiria não dormir com o próprio irmão. Não sei porque, mas as pessoas preferem ter privacidade
quando dormem. E quando se trata de dormir com um desconhecido, em uma estalagem
desconhecida, em um quarto desconhecido, em uma cidade desconhecida, e quando esse
desconhecido é um arpoador, as objeções se multiplicam indefinidamente. Não havia qualquer
razão na terra pela qual, como marinheiro, eu devesse partilhar minha cama com qualquer pessoa,
pois marinheiros no mar não dormem em pares com maior frequência do que os reis solteiros o
fazem em terra. É certo que todos dormem juntos em um quarto, mas cada qual possui sua própria
rede, cobre-se com suas próprias cobertas e dorme dentro de sua própria pele.
Quanto mais refletia sobre esse arpoador mais abominável achava a ideia de dormir com ele.
Era lícito prever que, sendo arpoador, sua roupa branca ou de lã, fosse qual fosse o caso, não seria
das mais limpas e, seguramente, nem das mais finas. Voltei a refletir sobre o assunto. Além de tudo,
estava ficando tarde e meu decente arpoador já deveria estar em casa, indo para a cama. Pois bem,
vamos supor que ele tombasse sobre mim à meia-noite – como poderia saber de que antro infame
vinha ele?
«Estalajadeiro! Mudei de ideia sobre o arpoador. Não dormirei com ele. Vou experimentar
este banco”.
“Como preferir. Sinto não poder ceder-lhe uma toalha de mesa para usá-la como colchão;
essa tábua é calamitosamente dura”. E passou a mão pelos nós e entalhes da madeira. “Mas espere
um pouco, baleeiro, tenho uma plaina de carpinteiro aqui no bar. Espere e verá que vou tornar o
banco suficientemente confortável”. Dizendo isso, procurou a plaina e limpando o banco com seu
velho lenço de seda pôs-se a aplainar vigorosamente minha cama enquanto sorria como um símio.
As aparas voavam para a esquerda e para a direita até que, por fim, a plaina topou com um nó
indestrutível. O proprietário já estava a ponto de machucar o pulso quando lhe pedi para parar, pelo
amor de Deus – a cama já me parecia suficientemente macia e nem todas as plainas do mundo
conseguiriam transformar uma tábua de pinho em colchão. Então, recolhendo as aparas com outro
sorriso e atirando-as no grande fogão que havia no meio da sala, ele foi tratar de seus negócios e me
deixou sozinho com minhas reflexões.
Tomei a medida do banco e descobri que era curto demais, com um pé a menos do que
convinha, mas isso poderia ser remediado com uma cadeira. Mas também faltava um pé na largura e
o outro banco da sala era cerca de quatro polegadas mais alto – assim sendo, não havia como
juntá-los. Então, encostei o primeiro banco no único espaço livre da parede, deixando um espaço
para acomodar minhas costas entre essa parede e o banco. Logo descobri que a corrente de ar frio
que entrava por debaixo do peitoril de janela me atingia de tal modo que esse plano jamais daria
certo, especialmente porque outra corrente vinda da frágil porta encontrava-se com a da janela e,
juntas, formavam vários pequenos redemoinhos no local que eu escolhera para passar a noite.
Que o diabo leve esse arpoador, pensei. Mas espere um pouco, será que eu não poderia
pregar-lhe uma peça – trancar a porta pelo lado de dentro, usar sua cama e não ser despertado nem
mesmo pelas pancadas mais violentas? Não parecia má ideia, mas depois de refletir um pouco
desisti dela. Quem me garantiria que na manhã seguinte, assim que eu saísse do quarto o arpoador
não estaria me esperando à porta, pronto para me atacar?
Ainda assim, novamente olhando em torno sem descobrir qualquer possibilidade de passar
uma noite suportável, a não ser na cama de outra pessoa, comecei a pensar que eu talvez estivesse
nutrindo preconceitos injustificados contra esse arpoador desconhecido. Resolvi esperar um pouco.
Ele não demoraria a chegar. Daria uma boa olhada e ele talvez me causasse boa impressão.
Poderíamos até nos tornar bons companheiros – como saber?
Mas apesar de os outros hóspedes começarem a chegar sozinhos, em duplas ou em grupos
de três, e dirigirem-se todos para a cama, não havia sinal de meu arpoador.
“Estalajadeiro! Que tipo de sujeito ele é?” perguntei. Agora já era perto de meia-noite.
O estalajadeiro riu de novo seu riso fino. Parecia se divertir muito com algo acima da minha
compreensão e respondeu: “Em geral é um pássaro matinal – deita e levanta cedo – sim, é um
pássaro caçador de minhocas. Mas hoje à noite saiu para vender suas mercadorias e não sei o que o
retém até tão tarde, a menos que não tenha conseguido vender sua cabeça”.
“Não conseguiu vender sua cabeça? – Que história mais disparatada é essa?” perguntei
encolerizado. Proprietário, queres dizer que neste abençoado sábado à noite, quase manhã de
domingo, esse arpoador está circulando por esta cidade, realmente empenhado em vender sua
cabeça?”
“Exatamente. Eu lhe disse que seria difícil vendê-la aqui, pois o mercado está superlotado”,
disse o estalajadeiro.
“Com o quê?” gritei.
“Com cabeças, é claro; não há cabeças demais, no mundo?”
“Vou dizer uma coisa, estalajadeiro. É melhor deixares de inventar essas coisas – não sou
criança”, disse eu com toda calma.
“Pode ser que não sejas”, falou ele tirando uma lasca de madeira para utilizá-la como palito.
“Mas acho que te darás mal se o arpoador te ouvir injuriar sua cabeça”.
“Eu lhe quebraria a cabeça”, exclamei, novamente tomado de cólera devido a esse
incompreensível disparate do proprietário.
“Já está quebrada”, afirmou ele.
“Quebrada”, repeti – “Queres dizer, QUEBRADA?”
“Certamente, e essa é a razão pela qual ele não consegue vendê-la, acho eu”.
“Estalajadeiro”, falei, tão frio quando o monte Hecla em uma tempestade de neve –
“Estalajadeiro, para com esse absurdo. Precisamos nos entender sem demora. Cheguei ao teu
estabelecimento e preciso de uma cama. Tu dizes que podes me dar somente a metade de uma, que
a outra metade pertence a um certo arpoador. E insistes em contar as histórias mais assombrosas e
encolerizantes sobre esse arpoador que ainda não vi, pretendendo despertar em mim um sentimento
de desconforto para com o homem que indicaste como meu companheiro de cama – um tipo de
conexão que representa o mais alto grau de intimidade e confidencialidade. Agora, estalajadeiro, eu
te peço para dizeres o que e quem é esse arpoador, e considerando todos os aspectos, se estarei em
segurança passando uma noite com ele. Mas antes de tudo rogo-te teres a bondade de desdizer essa
história de vender sua cabeça, pois sendo verdadeira só posso dizer que há grande evidência de que
esse arpoador é completamente louco e não tenho a menor intenção de dormir com um demente; e
tu, senhor estalajadeiro, tu, senhor, por tentar conscientemente me induzir a fazê-lo, torna-te
passível de um processo criminal”.
“Bem, esse é um lindo e longo sermão para um sujeito que pragueja um pouco, de vez em
quando. Mas fica tranquilo. Acalma-te, pois esse arpoador acabou de chegar dos mares do sul onde
comprou várias cabeças embalsamadas da Nova Zelândia (grandes curiosidades, sabes). Vendeu
todas exceto uma, e é essa que está tentando vender esta noite, pois amanhã é domingo e não seria
apropriado vender cabeças humanas nas ruas, para pessoas que estão indo à igreja. Ele quis fazer
isso no domingo passado, mas eu o impedi no momento exato em que saía com quatro cabeças
penduradas em um barbante, como se fossem uma réstia de cabeças de alho”.
Essa explicação esclareceu o mistério inexplicável e mostrou que, afinal das contas, o
estalajadeiro não pretendera me enganar. Mas ao mesmo tempo, o que eu poderia pensar de um
arpoador que ficava na rua em um sábado à noite, enfiando-se domingo a dentro, dia sagrado,
engajado nesse negócio tão canibal de vender cabeças de idólatras mortos?
“Tomando-se esse fato como base, estalajadeiro, esse arpoador é um homem perigoso”.
“Ele paga bem”, foi a resposta. “Mas vem, está ficando tarde e é melhor ires para a cama – é
uma boa cama. Sal e eu dormimos nela na noite em que nos casamos. Há bastante lugar para duas
pessoas rolarem à vontade, pois é uma cama extraordinariamente grande. Antes de desistirmos, Sal
costumava colocar nosso Sam e o pequeno Johnny aos nossos pés, nessa cama. Mas uma noite
comecei a sonhar e me debater; Sam foi atirado ao chão e quase quebrou o braço. Depois disso, Sal
achou que o sistema não era bom. Agora vem, já providencio uma luz”, e assim dizendo, acendeu
uma vela e a estendeu para mim, oferecendo-se para mostrar o caminho. Mas eu permanecia
indeciso. Ao olhar para um relógio em um canto, ele exclamou: “Já é domingo – não veremos esse
arpoador hoje à noite; ele deve ter se acomodado em algum lugar – vem, vem, não quer vir?”
Considerei o assunto por um momento e então subimos os dois lances da escada. Fui
conduzido a um quarto pequeno, frio como um molusco, de fato mobiliado com uma cama
prodigiosa na qual certamente dormiriam quatro arpoadores lado a lado.
“Aí está”, disse o proprietário, colocando a vela sobre uma desmantelada arca de bordo que
cumpria a dupla função de lavatório e mesa de centro. “Agora fica à vontade e boa noite”. Tirei os
olhos da cama, mas ele já desaparecera.
Dobrando a colcha, inclinei-me sobre o leito. Apesar de não ser dos mais elegantes,
suportava o exame bastante bem. Em seguida, dei uma olhada no quarto. Não havia outro
mobiliário no lugar além da cama e da mesa de centro, exceto uma estante rústica, as quatro paredes
e o anteparo da chaminé coberto por uma figura representando um homem golpeando uma baleia.
Entre os objetos que não pertenciam propriamente ao quarto, em um canto havia uma rede presa e
atirada no chão; também se via uma grande bolsa de marinheiro contendo o guarda-roupa do
arpoador, sem dúvida usada como mala. Espalhados na estante e sobre a lareira, também havia
vários anzois feitos de ossos de peixes e um comprido arpão na cabeceira da cama.
Mas o que era aquilo sobre a arca? Peguei o objeto, levei-o para perto da luz, apalpei-o,
cheirei-o e de toda maneira tentei chegar a uma conclusão satisfatória quanto a ele. Não poderia
compará-lo a nada, a não ser a um grande capacho de bordas ornamentadas com pequenas agulhas
tilintantes, semelhantes aos espinhos de um porco-espinho, pintadas e colocadas em torno de um
mocassim indígena. Havia um orifício ou fenda no centro desse capacho, como se vê em alguns
ponchos sul-americanos. Mas como seria possível qualquer arpoador sóbrio vestir um capacho e,
com essa aparência, andar pelas ruas de uma cidade cristã? Eu o vesti para experimentá-lo e era
pesado como um cesto de roupas, pois era excepcionalmente grosso e peludo, e até o achei um
pouco úmido, como se aquele misterioso arpoador o tivesse usado em um dia chuvoso.
Aproximei-me de um pedaço de espelho pregado na parede e nunca vi nada parecido em minha
vida. Arranquei-o com tanta pressa que torci o pescoço.
Sentei-me na borda da cama e pus-me a pensar naquele arpoador vendedor de cabeças e
naquele capacho. Após refletir durante algum tempo levantei-me, tirei meu sobretudo e fiquei no
meio do quarto, pensando. Então tirei o casaco e pensei mais um pouco, em mangas de camisa.
Porém, seminu como estava, comecei a sentir frio e lembrei que o estalajadeiro dissera que o
arpoador não voltaria naquela noite por já ser tarde demais. Sem mais rodeios, arranquei as calças e
as botas e depois de soprar a vela caí na cama e comecei a encomendar minha pessoa aos cuidados
do céu.
Não sei se o colchão era recheado de espigas de milho ou de louça quebrada, mas revirei-me
na cama por muito tempo e demorei bastante para dormir. Finalmente caí em um cochilo leve e
estava quase chegando à terra de Nod quando ouvi pesados passos no corredor e vi um brilho de luz
debaixo da porta.
Que Deus me proteja, pensei, deve ser o arpoador, o infernal vendedor de cabeças. Mas
conservei-me perfeitamente imóvel, resolvido a não dizer qualquer palavra a menos que ele se
dirigisse a mim. Segurando a vela em uma das mãos e a tal cabeça da Nova Zelândia na outra, o
estranho entrou no quarto e sem olhar na direção da cama colocou a vela no chão, bem longe de
mim. Começou a desamarrar os nós dos cordões que fechavam a grande bolsa que já mencionei. Eu
estava ansioso para ver seu rosto, mas ele o mantinha voltado para o outro lado enquanto soltava os
cordões da bolsa. Entretanto, assim que terminou ele se virou e – Céus! Que rosto! Era escuro,
roxo-amarelado, manchado aqui e ali com quadrados negros. Sim, pensei, como eu imaginava é um
companheiro terrível; envolveu-se em uma briga, ficou todo retalhado e acaba de chegar da casa de
um cirurgião. Mas nesse momento ele virou o rosto para a luz e vi claramente que aqueles
quadrados negros não eram curativos. Eram manchas de um ou outro tipo. No início eu não sabia o
que pensar, mas logo me ocorreu certa noção da verdade. Lembrei-me da história sobre um homem
branco – também baleeiro – que, tendo caído entre canibais, fora tatuado por eles. Concluí que esse
arpoador tivera aventura semelhante no curso de suas viagens a lugares distantes. Pensei: – afinal,
qual o problema? É apenas seu exterior; um homem pode ser honesto em qualquer tipo de pele. Mas
o que dizer de sua pele misteriosa, isto é, da parte completamente independente das tatuagens? Para
dizer a verdade, talvez não fosse nada além de uma boa queimadura do sol dos trópicos, mas eu
jamais tivera notícias de um homem branco ser tostado pelo sol até adquirir aquele tom
roxo-amarelado. Contudo, eu jamais estivera nos mares do sul e talvez o sol daquelas bandas
produzisse esses efeitos extraordinários sobre a pele. Enquanto essas ideias passavam por minha
cabeça o arpoador continuava ali, sem notar minha presença. Porém, depois de certa dificuldade
para abrir a bolsa passou a remexer nela e acabou por retirar dali uma espécie de tacape e uma bolsa
de fumo de pele de foca, ainda com o pelo. Colocando esses objetos sobre a velha arca no meio do
quarto, ele pegou a cabeça neozelandesa – algo apavorante – e meteu-a na bolsa. Depois disso, tirou
o chapéu – um chapéu novo, de pele de castor – e quase gritei com a surpresa. Não havia um único
fio de cabelo em sua cabeça, exceto uma pequena mecha retorcida, na testa. Para mim, aquela
careca arroxeada parecia uma caveira defumada. Se o estranho não estivesse postado entre mim e a
porta eu teria escapado dali mais depressa do que consigo engolir um jantar.
Diante das circunstâncias até pensei em escapar pela janela, porém o quarto era nos fundos
do segundo andar. Não sou covarde, mas não sabia o que pensar daquele patife roxo, vendedor de
cabeças. A ignorância é mãe do medo, e por me sentir confuso e embaraçado com relação àquele
estranho, confesso que agora estava com tanto medo dele como se o diabo em pessoa tivesse
entrado no quarto na calada da noite. Na verdade, estava tão amedrontado que não tinha coragem de
falar com ele e obter uma resposta satisfatória sobre tudo o que parecia inexplicável em sua pessoa.
Enquanto isso, ele continuava a se despir e finalmente descobriu o peito e os braços. Juro
pela minha vida que essas partes também eram quadriculadas com os mesmos quadrados que lhe
enfeitavam o rosto, e as costas também eram cobertas pelos mesmos desenhos escuros; ele parecia
ter participado da Guerra dos Trinta Anos e escapado dela com uma camisa de emplastros. Até suas
pernas eram marcadas como se um bando de sapos verdes subissem pelo tronco de duas jovens
palmeiras. Agora era bastante óbvio que se tratava de um selvagem abominável que embarcara em
um navio baleeiro nos Mares do Sul e acabara de desembarcar neste país cristão. Estremeci ao
pensar nisso. E também vendia cabeças – talvez as cabeças de seus próprios irmãos. E se ele
cobiçasse a minha… Céus! Ainda havia aquele tacape!
Contudo, não tive muito tempo para tremer, pois o selvagem iniciou uma atividade que
arrebatou completamente minha atenção e me convenceu de que ele realmente devia ser um
bárbaro. Acercando-se de seu pesado casacão, ou sobretudo, que previamente pendurara em uma
cadeira, remexeu nos bolsos e produziu uma curiosa imagenzinha deformada, com uma corcunda
nas costas, da cor exata de um bebê congolês com três dias de idade. Lembrando-me da cabeça
embalsamada, no início quase acreditei que aquele manequim negro era um bebê verdadeiro,
preservado de algum modo semelhante. Todavia, como não era absolutamente flexível e brilhava
como ébano polido, concluí que não era nada mais que um ídolo de madeira, o que verifiquei ser
verdade, pois o selvagem se aproximou da lareira vazia e, removendo o anteparo empapelado,
colocou a imagem corcunda entre os canos da chaminé, como um pino de boliche. O batente e todos
os tijolos do interior da lareira estavam cobertos de fuligem e refleti que o local era muito
apropriado para servir de pequeno santuário ou capela para seu ídolo congolês.
Sentindo-me bem pouco à vontade, grudei os olhos na imagem meio escondida e vi o que se
seguiu. Ele primeiro apanhou um punhado de aparas de madeira no bolso do casacão e as depositou
cuidadosamente diante do ídolo; então, pôs um pedaço de biscoito marítimo sobre elas e, aplicando
a chama da vela, acendeu as aparas fazendo uma labareda sacrificial, Depois de enfiar rapidamente
os dedos no fogo, retirando-os ainda mais depressa (parecendo queimá-los bastante nesse processo),
ele finalmente conseguiu pegar o biscoito. Depois de assoprar para esfriá-lo e retirar um pouco das
cinzas, fez uma polida oferenda ao pequeno negro. Mas o diabinho não pareceu se interessar nem
um pouco por aquela guloseima seca, pois não moveu os lábios. Aquelas excentricidades bizarras
foram acompanhadas por ruídos guturais ainda mais bizarros, emitidos pelo devoto que parecia
rezar uma espécie de cantilena monótona ou salmo pagão, durante a qual seu rosto se retorcia do
modo mais estranho possível. Por fim, extinguindo o fogo, ele pegou o ídolo de maneira pouco
cerimoniosa e meteu-o novamente no bolso do casaco, com o mesmo descuido com que um caçador
guarda na bolsa uma galinhola morta.
Todos esses procedimentos extravagantes aumentaram meu desconforto, e vendo-o exibir
fortes sintomas de que estava a ponto de concluir suas operações e meter-se na cama comigo achei
que já estava mais que na hora de romper o longo silêncio em que me encontrava antes que ele
apagasse a vela.
Porém, o intervalo durante o qual eu deliberava sobre o que dizer foi fatal. Agarrando o
tacape que estava sobre a mesa, examinou-lhe a cabeça por um instante. Em seguida, levantando-o
contra a luz, encostou a boca ao cabo e soprou grandes nuvens de fumaça de tabaco. No momento
seguinte a luz se extinguiu e, com o tacape entre os dentes, aquele selvagem canibal pulou na cama,
ao meu lado. Não pude me conter e dei um grito; com um grunhido de espanto, ele começou a me
apalpar.
Gaguejando alguma coisa, não sei o quê, rolei para longe dele na direção da parede; em
seguida supliquei-lhe que, fosse quem fosse, ficasse quieto e me deixasse voltar a acender a vela.
Mas sua resposta gutural imediatamente me convenceu de que ele mal compreendera minhas
palavras.
“Quem diablo tu? – disse ele finalmente – “se tu não fala, eu mata tu”. E ao falar, brandia o
tacape aceso sobre mim, na escuridão.
“Estalajadeiro, pelo amor de Deus, Peter Coffin!” gritei. “Estalajadeiro! Socorro! Coffin!
Anjos! Salvai-me!”
“Fala! Tu diz quem ser ou eu mata tu!” grunhiu novamente o canibal, enquanto o horrendo
brandir de seu tacape espalhava cinzas quentes de tabaco sobre mim e eu temi que as cobertas se
incendiassem. Mas graças aos céus nesse momento o estalajadeiro entrou no quarto, vela acesa na
mão. Pulando da cama, corri para ele.
“Não temas”, disse ele, rindo, “Queequeg não tocaria em um fio de cabelo da tua cabeça».
“Para de rir” gritei. “Por que não me disseste que esse arpoador infernal era um canibal?”
“Pensei que soubesses. Não te disse que ele estava vendendo cabeças pela cidade? Deita
outra vez e dorme. Queequeg, olha aqui – tu conhece eu, eu conhece tu – este homem dorme com tu
– tu compreende?”
“Mim entende bastante» – grunhiu Queequeg, sentando na cama dando baforadas em seu
cachimbo.
“Tu entra”, acrescentou ele, apontando para mim seu tacape e atirando as cobertas para um
lado. Seus modos não foram apenas educados, foram realmente gentis e caritativos. Olhei-o por um
momento e pensei com meus botões que apesar de todas as tatuagens no todo ele era um canibal
limpo e atraente. O homem era um ser humano, tanto quanto eu: ele tinha tanta razão para ter medo
de mim quanto eu tinha de temê-lo. Melhor dormir com um canibal sóbrio que com um cristão
bêbado.
“Estalajadeiro, dize-lhe para apagar seu tacape, cachimbo, seja o que for. Dize-lhe para parar
de fumar e deito-me com ele imediatamente”, falei. “Não gosto que um homem fume na cama,
deitado comigo. É perigoso. Além disso não tenho seguro”.
Logo que o recado foi dado Queequeg acedeu e mais uma vez me convidou
obsequiosamente a entrar na cama. Rolou para um lado, dando a entender que nem mesmo tocaria
minha perna.
“Boa noite, estalajadeiro, podes ir”, disse eu,
Virei para o lado e jamais dormi tão bem em minha vida.
4. A COLCHA
Ao despertar na manhã seguinte, ao nascer do sol, descobri que o braço de Queequeg
estendia-se sobre mim da maneira mais terna e afetuosa. Poder-se-ia pensar que eu era sua esposa.
A colcha da cama era de retalhos, cheia de pequenos quadrados e retângulos coloridos. O braço
totalmente tatuado com um interminável labirinto cretense não exibia duas partes com a mesma
coloração – suponho que isso se devia ao fato de que no mar ele expunha o braço ao sol e à sombra
de modo impreciso, enrolando várias vezes as mangas de sua camisa de forma irregular. Pois bem,
como eu dizia, esse braço tinha a aparência de uma faixa da mesma colcha de retalhos. Deveras,
parcialmente deitado sobre ele quando acordei, quase não conseguia diferenciá-lo da colcha, de tal
modo se confundiam suas tonalidades, e foi apenas pelo peso e pela pressão que consegui notar que
Queequeg me abraçava.
Minhas sensações eram estranhas. Deixe-me tentar explicá-las. Lembro-me de que quando
criança me aconteceu algo semelhante; nunca pude dizer com certeza se foi sonho ou realidade. As
circunstâncias foram as seguintes: eu acabara de fazer uma travessura – acho que tentava subir pela
chaminé, como vira fazer um pequeno limpador de chaminés, uns dias antes; minha madrasta que,
por este ou aquele motivo, sempre me batia ou mandava para cama sem jantar, puxou-me pelas
pernas e me mandou para a cama apesar de serem apenas 2h da tarde de um dia 21 de junho, o dia
mais longo do ano em nosso hemisfério. Sentime péssimo, mas não havia outro jeito e subi as
escadas para ir para meu quartinho no terceiro andar. Despi-me o mais devagar possível para matar
o tempo e com um suspiro amargo meti-me entre os lençóis.
Fiquei ali, calculando tristemente que 16 horas completas se passariam antes que eu pudesse
ter esperanças de ressuscitar. Dezesseis horas na cama! Só de pensar nisso minhas costas doíam. E
havia tanta luz! O sol brilhava na janela, um grande ruído de carros chegava da rua e a casa estava
cheia do som de vozes alegres. Sentia-me cada vez pior – por fim levantei-me, vestime e, descendo
suavemente as escadas com os pés calçados apenas com as meias, procurei minha madrasta e
subitamente atirei-me aos seus pés, suplicando-lhe o favor especial de me dar uma boa surra pelo
meu mau comportamento, qualquer coisa, exceto condenar-me a ficar na cama durante um período
de tempo tão insuportavelmente longo. Contudo, ela era a melhor e a mais conscienciosa das
madrastas e precisei voltar para o quarto. Permaneci totalmente acordado durante várias horas,
sentindo-me muito pior do que já me sentira antes e do que me senti depois, apesar dos infortúnios
subsequentes. Por fim, devo ter caído no sono, em um pesadelo atribulado. Acordando devagar
dessa sonolência abri os olhos, ainda meio imerso no sonho. O quarto iluminado de antes agora se
encontrava envolto na mais profunda escuridão. Instantaneamente, senti um choque percorrer todo
meu corpo. Não ouvira nem vira nada, mas parecia haver uma mão sobrenatural pousada sobre a
minha. Meu braço se estendia sobre a colcha e a forma desconhecida, inimaginável, silenciosa,
fantasmagórica à qual pertencia a mão sentava-se bem junto à minha cama. Pareceu-me que eu
ficara ali por eras e eras, congelado pelo medo mais terrível, sem ousar retirar a mão, pensando que
se eu pudesse mexê-la por um centímetro que fosse o horrendo encanto quebrar-se-ia. Não sei como
a consciência dessa presença finalmente se afastou de mim, mas ao acordar tremendo pela manhã,
recordei-me de absolutamente tudo, e depois disso, por dias, semanas e meses perdi-me em
confusas tentativas de explicar o mistério que continua a me intrigar até o dia de hoje.
Pois agora, exceto pelo medo terrível e por sua estranheza, as impressões que tive ao sentir a
mão sobrenatural sobre a minha foram muito semelhantes às que senti quando, ao acordar, vi o
braço pagão de Queequeg sobre mim. Porém, finalmente rememorei cada um dos acontecimentos
da noite e reduzindo-os à realidade acabei por considerá-los extremamente cômicos. Apesar de
tentar afastar seu braço – romper seu abraço conjugal – adormecido como estava, ele ainda me
apertava com força, como se nada, só a morte pudesse nos separar. Então tentei despertá-lo –
“Queequeg!” – mas sua resposta foi um ronco. Tentei me virar. Meu pescoço parecia preso por um
cabresto de cavalo. Subitamente, senti um ligeiro arranhão. Afastando a colcha, ali estava o tacape,
dormindo ao lado do selvagem como se fosse um bebê com cara de machadinha. Estou em um
verdadeiro apuro, pensei; deitado em uma casa estranha, em pleno dia, com um canibal e um
tacape! “Queequeg! Em nome de todos os deuses, Queequeg, acorda!” Finalmente, depois de muito
sacudir, de ruidosas e incessantes expostulações sobre a inconveniência de apertar um companheiro
do sexo masculino naquela espécie de abraço conjugal, consegui extrair dele um grunhido e ele
retirou o braço, sacudiu-se como um cão terra-nova recém-saído da água e sentou-se na cama, duro
como uma estaca, olhando para mim e esfregando os olhos como se não tivesse ideia de como eu
me encontrava ali, apesar de pouco a pouco demonstrar certa consciência quanto à minha pessoa.
Durante esse período, como agora eu já não tinha sérias preocupações, observei tranquila e
cuidadosamente aquela criatura tão curiosa. Quando sua mente pareceu chegar a uma conclusão
quanto ao seu companheiro de cama e se reconciliou com o fato, ele pulou para o chão e, por sinais
e sons, fez-me compreender que se eu concordasse ele vestir-se-ia primeiro e sairia do quarto,
deixando-o todo para mim. Diante das circunstâncias, cheguei à conclusão de que aquela atitude de
Queequeg era bastante civilizada. Digam o que disserem, a verdade é que esses selvagens possuem
um senso inato de delicadeza. É maravilhoso como são essencialmente polidos. Não faço este
particular elogio a Queequeg por ele ter me tratado com tanta civilidade e consideração enquanto eu
agia com grande grosseria, não tirando os olhos dele durante toda sua toalete, pois minha
curiosidade levava a melhor sobre minha educação. É que não se vê todos os dias um homem como
Queequeg e tanto ele quanto seus modos mereciam uma boa olhada.
Ele começou a se vestir pela parte de cima, pondo o chapéu de pele de castor, por sinal um
chapéu muito alto. Então, ainda sem as calças, passou a procurar pelas botas. Não imaginava o que
ele poderia querer com elas, mas o fato é que seu movimento seguinte – botas na mão e chapéu na
cabeça – foi enfiar-se embaixo da cama. Pelos ruídos e esforços violentos, deduzi que ele calçava as
botas, apesar de eu não conhecer uma única lei de boa educação que nos obrigue a guardar
privacidade para calçar as botas. Mas como podem ver, Queequeg era uma criatura em estágio de
transição – nem lagarta, nem borboleta. Era apenas suficientemente civilizado, mas mostrava seu
lado primitivo da maneira mais estranha possível. Era um estudante não graduado. Se não possuísse
qualquer grau de civilização muito provavelmente não se preocuparia com botas, mas se ainda não
fosse selvagem jamais sonharia em se meter embaixo da cama para calçá-las. Por fim emergiu com
o chapéu bastante amassado, caído sobre os olhos, e passou a andar mancando pelo quarto, como se
não estivesse acostumado a andar de botas. As suas provavelmente não haviam sido feitas sob
medida. Úmidas, enrugadas, feitas de couro de vaca, elas o apertavam e atormentavam como se as
usasse pela primeira vez naquela manhã gelada.
Percebendo que não havia cortinas na janela e que a rua muito estreita permitia que a casa
do lado oposto tivesse ampla visão do quarto, e observando a figura indecorosa de Queequeg
perambulando por ali apenas de chapéu e botas, pedi-lhe para apressar sua toalete e, principalmente,
para vestir as calças o mais depressa possível. Ele acedeu e passou a se lavar. Nessa hora matinal,
qualquer cristão teria lavado o rosto, mas para meu espanto Queequeg restringiu suas abluções ao
peito, braços e mãos. Ele então vestiu o colete e, pegando um pedaço de sabão duro no lavatório da
mesa de centro, mergulhou-o na água e passou a ensaboar o rosto. Fiquei olhando para ver onde ele
guardava a navalha quando tive a grande surpresa de vê-lo pegar o arpão na cabeceira da cama,
retirar o longo cabo de madeira, desembainhar a ponta que continha uma lâmina, esfregá-la um
pouco em sua bota e, aproximando-se do pedaço de espelho pregado à parede, começar a esfregar
vigorosamente o rosto, eu melhor, a arpoá-lo. Então pensei: ‘Queequeg, isso é que é desprezo pela
melhor cutelaria de Rogers’. Mais tarde, quando soube de que fino aço é feita a cabeça de um arpão
e como sempre são mantidas excepcionalmente afiadas suas bordas retas, achei essa operação
menos estranha.
Terminando rapidamente sua arrumação, ele marchou orgulhosamente para fora do quarto,
envolto em seu grande casacão de piloto, levando o arpão como um bastão de marechal.
5. DESJEJUM
Eu o segui bem depressa e descendo ao bar aproximei-me do estalajadeiro muito
amigavelmente. Não cultivava nenhuma má vontade contra ele, apesar de ele ter troçado bastante de
mim no assunto do meu companheiro de cama.
Contudo, uma boa brincadeira é uma coisa muito boa e rara; o que é uma pena. Portanto, se
à custa de sua própria pessoa um homem dá motivo para uma boa diversão, que não se aborreça
com isso e alegremente permita que os outros se divirtam às suas custas, gracejando junto com eles.
E se um homem tiver algo em si de plenamente risível, tem certeza de que esse homem é muito
mais do que se imagina.
Agora o bar estava cheio dos hóspedes que tinham chegado na noite anterior e eu não pudera
ver direito. Quase todos eram baleeiros, primeiros oficiais, segundos oficiais, terceiros oficiais,
carpinteiros, caldeireiros, ferreiros e vigias, homens morenos, fortes, com barbas espessas, um
grupo cabeludo e despenteado usando casacões e roupas matutinas.
Podia-se dizer perfeitamente há quanto tempo cada um estava em terra. O rosto saudável
deste jovem é como uma pera amadurecida ao sol e seu cheiro parece tão almiscarado quando o da
fruta, ele não pode estar em terra há mais de três dias, desembarcado de sua viagem à Índia. O
homem ao lado dele apresenta cor um pouco mais clara, pode-se dizer que nele há um toque de
pau-cetim. Na compleição de um terceiro ainda se encontra um castanho tropical, mas ligeiramente
desbotado; sem duvida está em terra há várias semanas. Mas quem poderia exibir um rosto como o
de Queequeg? Marcado com vários matizes, aquele rosto parecia a encosta ocidental dos Andes,
mostrando de uma só vez todos os climas contrastantes, zona por zona.
“Vamos, a comida está pronta!” gritou o estalajadeiro escancarando a porta. Entramos para
tomar o desjejum.
Dizem que homens que viram o mundo tornam-se mais amáveis, mais calmos em
companhia. Nem sempre: Ledyard, o grande viajante da Nova Inglaterra, e Mungo Park, o escocês,
de todos os homens eram os que possuíam menos segurança em um salão. Mas talvez a simples
viagem de Ledyard através da Sibéria, em um trenó puxado por cães, ou a longa caminhada solitária
e faminta do pobre Mungo pelo negro coração da África não seja o melhor meio de se conseguir
alto grau de polimento social. Ainda assim, encontra-se algo parecido em qualquer lugar.
Essas reflexões foram ocasionadas pela circunstância de estarmos todos sentados à mesa e
eu estar preparado para ouvir boas histórias sobre a caça à baleia. Para minha grande surpresa,
quase todos os homens mantinham profundo silêncio. E não só isso, pareciam envergonhados. Sim,
ali estava um grupo de lobos do mar, muitos dos quais haviam se aproximado sem nenhuma timidez
de grandes baleias no alto mar – totalmente desconhecidas para eles – e duelado com elas até a
morte, sem pestanejar, e agora se sentavam diante de uma mesa social – todos da mesma profissão,
todos com os mesmos gostos – olhando envergonhados uns para os outros como se na vida só
tivessem visto alguns rebanhos entre as Montanhas Verdes. Espetáculo curioso, esses acanhados
ursos, esses tímidos guerreiros caçadores de baleias!
Porém Queequeg (porque Queequeg sentava-se entre eles, à cabeceira da mesa) mostrava-se
tão frio quanto uma pedra de gelo. Certamente não tenho muito a dizer sobre sua educação.
Todavia, até seu maior admirador não poderia justificar o fato de ele ter levado o arpão para o
desjejum e usá-lo sem qualquer cerimônia com perigo iminente para muitas cabeças, estendendo-o
por sobre a mesa para fisgar pedaços de carne. Isso certamente era feito com muita frieza e todos
sabiam que, na estimativa da maior parte das pessoas, fazer algo com frieza é fazê-lo com
delicadeza.
Não falaremos aqui das características de Queequeg, de como ele evitava café e pãezinhos
quentes e devotava a totalidade da sua atenção aos bifes mal passados. Basta dizer que quando o
desjejum terminou ele acompanhou os outros até o salão, acendeu seu cachimbo-tacape e ali
permaneceu, fazendo a digestão e fumando com seu inseparável chapéu na cabeça, enquanto eu saía
para dar um passeio.
6. A RUA
Se no início fiquei atônito ao ver pela primeira vez um indivíduo tão estranho quanto
Queequeg circulando entre a sociedade polida de uma cidade civilizada, esse espanto logo
desapareceu durante meu primeiro passeio diurno pelas ruas de New Bedford.
Nas ruas próximas das docas, qualquer porto marítimo de certa importância oferece
frequente visão dos tipos mais bizarros, vindos dos lugares mais distantes. Mesmo na Broadway e
nas ruas de Chestnut os marinheiros mediterrâneos às vezes empurram damas apavoradas. A Regent
Street não é desconhecida dos marinheiros asiáticos e dos malaios, e em Bombaim, na Apollo
Green, os vívidos ianques sempre assustam os nativos. Mas Nova Bedford supera a Rua Water e a
Wapping. Estes dois últimos locais são frequentados apenas por marinheiros, mas em Nova Bedford
canibais autênticos conversam uns com os outros nas esquinas. Absolutamente selvagens, muitos
ainda carregam carne pagã sobre os ossos. Os forasteiros olham com estranheza.
Porém, além dos fijianos, dos naturais de Tonga, de Erromango, de Pannan e de Bright, e
além dos espécimes selvagens das tripulações dos navios baleeiros, que vagueiam pelas ruas sem
chamar atenção, são vistos outros espetáculos ainda mais curiosos e certamente mais cômicos.
Semanalmente chega a esta cidade uma grande quantidade de jovens de Vermont e homens de Nova
Hampshire, todos sedentos de lucros e glória na pesca. Em sua maior parte, são jovens robustos,
sujeitos que derrubaram florestas e agora desejam abandonar o machado para apanhar uma lança
para caçar baleias. Muitos são tão verdes quanto as Montanhas Verdes de onde vêm. Em algumas
coisas parecem ter apenas algumas horas de vida. Olha aquele sujeito dobrando a esquina. Ele usa
um chapéu de pele de castor, um casacão de abas largas fechado com um cinto de marinheiro e um
punhal embainhado. Ali vem outro, com um chapéu à prova d’água e uma capa de lã.
Nenhum almofadinha nativo da cidade pode ser comparado a um janota da zona rural –
refiro-me a um verdadeiro janota camponês – um sujeito que, nos dias de vacas magras, para arar
seus dois acres de terra veste luvas de camurça com medo de bronzear as mãos. Mas quando um
almofadinha do campo enfia na cabeça que vai alcançar reputação distinta e se junta à grande pesca
da baleia, ao chegar ao porto faz coisas ainda mais cômicas. Quando encomenda seu enxoval
marítimo manda colocar botões dourados em seus coletes e presilhas em suas calças. Ah, pobre
semente de feno! Com que amarga violência essas presilhas partir-se-ão na primeira tempestade
brutal, quando fores atirado, presilhas, botões e todo o resto, na goela da tormenta.
Mas não julgues que essa famosa cidade tem apenas arpoadores, canibais e camponeses para
mostrar aos visitantes. De modo algum. Ainda assim, Nova Bedford é um local esquisito. Se não
fosse por nós, baleeiros, esse pedaço de terra ainda estaria em condições tão terríveis quanto as
costas do Labrador. Apesar disso, algumas partes do campo que a rodeia são suficientes para
assustar qualquer um, tão abandonadas parecem. Em toda Nova Inglaterra, talvez o melhor lugar
para se viver seja a própria cidade. É uma terra de azeite, é verdade, mas não como Canaã, e
também uma terra de milho e vinho. Nas ruas não corre leite e nem na primavera elas são
pavimentadas com ovos frescos. Porém, apesar disso, em nenhum lugar da América serão
encontradas casas tão elegantes ou parques e jardins mais opulentos que em Nova Bedford. De onde
surgiram? Como foram plantados nessa terra que antigamente era somente a escória inútil do país?
Vai e olha os emblemáticos arpões de ferro que decoram aquela orgulhosa mansão e tua
pergunta será respondida. Sim. Todas aquelas bravas casas e jardins floridos vêm do Atlântico, do
Pacífico e do Índico. Sem exceção, todas foram fisgadas com arpão e puxadas do fundo do mar.
Poderia o senhor Alexandre realizar um feito como esse?
Dizem que em Nova Bedford os pais dão baleias como dote de suas filhas e destinam alguns
golfinhos a cada uma das sobrinhas. É preciso que se vá para Nova Bedford para ver o que é um
casamento brilhante; comenta-se que existem reservatórios de óleo em todas as casas e uma enorme
quantidade de velas de espermacete é queimada imprudentemente, a noite inteira.
A cidade é doce no verão, cheia de belos bordos – longas avenidas de verde e ouro. E em
agosto erguem-se bem alto os belos e generosos carvalhos semelhantes a candelabros, cobrindo os
transeuntes com suas flores agrupadas como cones pontiagudos. Em muitos bairros de Nova
Bedford a arte é tão onipotente que criou esplêndidos terraços de flores sobre o estéril refugo de
rochas, abandonado no dia final da criação.
E as mulheres de Nova Bedford! Elas desabrocham como suas rosas rubras. Mas as rosas
apenas florescem no verão enquanto que o fino carmim de suas faces é perene como a luz do sol no
sétimo céu. Em outros lugares é impossível encontrar tal formosura, exceto em Salem, onde soube
que as jovens exalam tal aroma de almíscar que seus namorados marinheiros sentem seu perfume a
milhas de distância da costa, como se estivessem se aproximando das olorosas Molucas, não de
areias puritanas.
7. A CAPELA
Nessa mesma cidade de Nova Bedford há uma Capela dos Baleeiros, e são poucos os
pescadores ranzinzas que, tendo que embarcar para o Oceano Índico ou Pacífico em pouco tempo,
deixam de visitar esse lugar no domingo. Eu por certo não deixei.
Voltando do meu primeiro passeio matinal, saí novamente com esse objetivo específico. O
céu se transformara. De claro, ensolarado e frio, tornara-se chuvoso e enevoado. Envolvendo-me
em minha jaqueta peluda, feita de um tecido chamado pele de urso, pus-me a caminho enfrentando
a borrasca persistente. Ao entrar, encontrei uma pequena congregação de marinheiros, e de
mulheres e viúvas de marinheiros. Ali reinava um silêncio abafado, apenas rompido de tempos em
tempos pelos guinchos da tempestade. Cada devoto taciturno parecia ter escolhido sentar-se
afastado do outro, como se cada pesar silencioso fosse insular e incomunicável. O capelão ainda
não chegara e essas soturnas ilhas de homens e mulheres permaneciam firmemente sentadas,
observando as várias lápides de mármore emolduradas de negro e incrustadas nas paredes, a cada
lado do púlpito. Como inscrição, três delas traziam algo como o que se segue, mas não pretendo
citar com exatidão: DEDICADA À MEMÓRIA DE JOHN TALBOT, QUE, COM A IDADE DE
18 ANOS, CAIU AO MAR NAS PROXIMIDADES DA ILHA DA DESOLAÇÃO, PERTO DA
PATAGÔNIA, EM 1° DE NOVEMBRO DE 1836. ESTA LÁPIDE FOI ERIGIDA EM SUA
MEMÓRIA POR SUA IRMÃ.
DEDICADA À MEMÓRIA DE ROBERT LONG, WILLIS ELLERY, NATHAN
COLEMAN, WALTER CANNY, SETH MACY, SAMUEL GLEIG, COMPONENTES DA
TRIPULAÇÃO DE UM DOS BARCOS DO NAVIO ELIZA, DESTRUÍDO POR UMA BALEIA
NO OCEANO PACÍFICO, EM 3 DE DEZEMBRO DE 1839. ESTA LÁPIDE FOI AQUI
COLOCADA POR SEUS COMPANHEIROS SOBREVIVENTES.
DEDICADA À MEMÓRIA DO FALECIDO CAPITÃO EZEKIEL HARDY, MORTO NA
PROA DE SEU BARCO POR UMA BALEIA CACHALOTE, EM 3 DE AGOSTO DE 1833, NAS
COSTAS DO JAPÃO. ESTA LÁPIDE FOI ERIGIDA EM SUA MEMÓRIA POR SUA VIÚVA.
Sacudindo o granizo do chapéu e da jaqueta congelados, sentei perto da porta e ao virar de
lado surpreendi-me ao ver Queequeg perto de mim. Confundido pela solenidade da cena, havia um
assombroso ar de curiosidade incrédula em sua fisionomia. O selvagem foi a única pessoa que
pareceu notar minha entrada, pois era a única que não conseguia ler e por esse motivo não tentava
decifrar aquelas frígidas inscrições na parede. Não sei se entre a congregação havia algum parente
dos marinheiros cujos nomes ali estavam inscritos, mas há inúmeros acidentes não registrados na
pesca e várias mulheres presentes tinham no rosto claras marcas de um pesar inconsolado. Tive
certeza de que a visão daquelas lápides reabria velhas chagas naqueles corações feridos e elas
voltavam a sangrar.
Oh! Vós cujos mortos estão sepultados sob a relva verde, que permanecem entre as flores, e
podeis dizer – aqui, AQUI jaz meu bem-amado, não podereis jamais conhecer a desolação que vive
em peitos como esses. Que amargo vazio nesses mármores emoldurados de negro, não cobertos de
cinzas! Que desespero nessas inscrições inertes! Que vazios mortais e descrenças espontâneas nas
linhas que parecem corroer toda fé, recusar a ressurreição aos mortos que pereceram sem um
túmulo. Não faria diferença essas lápides encontrarem-se na caverna de Elefanta ou aqui.
Em que censo de criaturas viventes estão incluídos os mortos da humanidade? Por que um
provérbio universal diz que os mortos não contam histórias, apesar de conhecerem mais segredos
que as areias de Goodwin? Por que dar um título tão significativo e infiel ao nome dos que partiram
ainda ontem para o outro mundo, e não fazemos o mesmo para com quem partiu para as Índias mais
remotas desta terra de vivos? Por que as Companhias de Seguro exploram a morte de seres
imortais? Que paralisia eterna e hirta, que transe mortal e desesperançado atinge o antigo Adão, que
morreu há 60 séculos? Por que não conseguimos nos consolar da perda dos que agora vivem em
indizível bem-aventurança, segundo asseguramos? Por que os vivos tentam calar os mortos? Por
que o boato de um ruído em um túmulo aterrorizaria uma cidade inteira? Todas essas coisas têm seu
significado.
Como um chacal, a fé se alimenta entre as tumbas e até dessas dúvidas mortais retira sua
esperança mais vital.
Não é necessário descrever com que sentimentos na véspera de minha viagem para
Nantucket olhei para aquelas lápides de mármore, e na tênue luz daquele dia sombrio e triste li
sobre o destino dos baleeiros que haviam viajado antes de mim. Sim Ismael, poderás ter o mesmo
destino. De alguma forma, voltei a me alegrar. Pensei nos deliciosos pretextos para embarcar, nas
excelentes oportunidades de promoção – sim, um pequeno navio a vapor poderia me conferir uma
honra imortal. Sim, há morte nesse negócio de pescar baleias – uma forma indescritível, caótica e
rápida de enviar homens para a eternidade. E daí? Acho altamente equivocado esse assunto de vida
e morte. Creio que ao olhar para coisas espirituais somos semelhantes a ostras observando o sol
através da água, julgando que essa água espessa é o ar mais fino. Acredito que meu corpo não passa
de um abrigo para meu melhor ser. Na verdade, que leve meu corpo quem quiser, pois ele não é
quem eu sou. Portanto, três vivas para Nantucket e que venha um navio a vapor e um corpo
aquecido, pois minha alma nem o próprio Júpiter pode destroçar.
8. O PÚLPITO
Eu não me sentara há muito tempo quando entrou um homem de certo venerável vigor.
Imediatamente, assim que se fechou a porta açoitada pela tempestade depois de admiti-lo, o rápido
olhar que a congregação lhe lançou foi suficiente para atestar que aquele esplêndido velho era o
capelão. Sim, era o famoso Pastor Mapple, assim chamado pelos baleeiros, entre os quais era
grandemente apreciado. Na juventude fora marinheiro e arpoador, mas há longos anos dedicava sua
vida ao ministério. Agora, neste momento em que escrevo, o Pastor Mapple já se encontrava no
robusto inverno de uma segunda e florescente juventude, pois em todas as fissuras de suas rugas
brilhavam certos lampejos de um novo e suave florescimento – a verdejante primavera espiando sob
a neve de fevereiro. Ninguém que ouvisse sua história poderia olhá-lo pela primeira vez sem o mais
vivo interesse, pois havia certas peculiaridades em sua pessoa que só poderiam ser atribuídas à
aventureira vida marítima que levara. Quando entrou, observei que ele não carregava guarda-chuva,
pois escorria neve meio derretida de seu chapéu impermeável e seu vasto casaco de piloto parecia
quase puxá-lo para o chão devido ao peso da água que absorvera. Contudo, chapéu, capote e
galochas foram removidos um a um e pendurados no pequeno espaço de um canto adjacente.
Vestido com um terno decente, aproximou-se do púlpito com toda tranquilidade.
Como a maioria dos púlpitos antigos, aquele era muito alto, e como para alcançar aquela
altura uma escada comum exigiria um ângulo muito grande, prejudicando a pequena área da capela,
parece que o arquiteto agira de acordo com uma sugestão do Pastor Mapple e terminara o púlpito
sem ela, substituindo-a por uma escada de corda pendurada na lateral, como as usadas no mar para
subir de um bote a um navio. A mulher do capitão de um navio baleeiro doara à capela um belo par
de cordas de estrame vermelho, que depois de tingido na cor de mogno e considerando-se o estilo
da capela não parecia absolutamente de mau gosto. Detendo-se por um instante ao pé da escada e
segurando com as duas mãos os nós ornamentais das cordas, o Pastor Mapple olhou para cima e,
com verdadeira destreza de marinheiro à qual não faltava reverência, meteu-se pelas escadas como
se estivesse subindo ao tombadilho de um navio.
Como em geral acontece com as escadas dependuradas, as partes perpendiculares da escada
lateral eram de corda recoberta por tecido, sendo de madeira apenas os degraus, de modo que havia
uma articulação em cada degrau. Ao primeiro olhar para o púlpito notei que apesar de convenientes
em um navio essas articulações pareciam desnecessárias na presente circunstância. Mas não estava
preparado para ver o Pastor Mapple, depois de ganhar as alturas, voltar-se lentamente e,
debruçando-se no púlpito, deliberadamente puxar a escada, degrau após degrau, até que sua
totalidade se encontrasse no interior do púlpito, deixando-o inexpugnável em sua pequena Quebec.
Refleti por algum tempo sem compreender totalmente a razão daquele procedimento. O
Pastor Mapple gozava tal reputação por sua sinceridade e santidade que eu não podia suspeitar que
ele buscasse notoriedade através de truques teatrais. Não, pensei, deve haver outra razão para isso;
além do mais deve haver um simbolismo não aparente. Talvez por esse ato de isolamento físico ele
queira demonstrar seu retiro espiritual provisório dos vínculos e conexões com o mundo exterior.
Sim, pois saciado pela carne e pelo vinho do mundo, para o homem fiel a Deus esse púlpito é uma
fortaleza que se basta – um soberbo Ehrenbreitstein-1 com uma perene fonte de água dentro de seus
muros.
Mas a escada lateral não era o único aspecto estranho do lugar, trazido do passado marinho
do capelão. Entre as placas de mármore colocadas de cada lado do púlpito, a parede que formava a
parte de trás era adornada com um grande quadro representando um galante navio batido por uma
terrível tempestade, em uma costa de rochas negras e ondas brancas. Porém, bem alto, acima das
1- Ehrenbreitstein é uma fortaleza na montanha do mesmo nome, na margem oriental do Reno. Foi
construída pela Prússia, entre 1817 e 1832, como a espinha dorsal do sistema de fortificação
regional, em uma área invadida várias vezes por tropas francesas. A fortaleza nunca foi atacada.
escuras nuvens tempestuosas, flutuava uma pequena ilha banhada de sol onde brilhava o rosto de
um anjo. E esse rosto projetava um laivo de fulgor sobre o convés do navio, algo como a placa de
prata agora inserida no assoalho do Victory, onde Nelson caiu. “Ah, nobre navio”, o anjo parecia
dizer, “aguenta, sustenta o robusto leme pois o sol não tarda; as nuvens se afastam – o mais sereno
azul se aproxima”.
O próprio púlpito demonstrava o gosto pelo mar que produzira a escada e o quadro. Sua
parte frontal fora feita como a falsa proa de um navio e a Bíblia Sagrada descansava em uma peça
de madeira entalhada com espirais, apresentado a forma de um esporão de proa.
O que seria mais significativo? O púlpito é sempre a parte mais avançada da terra, todo o
resto vem depois. O púlpito conduz o mundo. É desse local que se divisa a rápida borrasca da ira
divina e é a proa que deve suportar o primeiro impacto. Do púlpito invoca-se o Deus das brisas
suaves ou rudes para que envie ventos favoráveis. Sim, o mundo não é uma viagem completa, é um
navio de passagem, e o púlpito é sua proa.
9. O SERMÃO
O Pastor Mapple levantou-se e, em voz suave de despretensiosa autoridade, pediu para o
povo espalhado se reunir. “Pessoal de estibordo – para bombordo! Pessoal de bombordo – para
estibordo! No centro! No centro!”
Houve um ruído surdo de pesadas botas marinhas entre os bancos, um suave arrastar de
sapatos femininos. Tudo voltou a ficar quieto e todos os olhos fixaram-se no pregador.
Ele fez uma pequena pausa. Depois, ajoelhando-se na proa do púlpito, cruzou as grandes
mãos sobre o peito, ergueu a cabeça com os olhos fechados e pronunciou uma oração de tal devoção
que parecia rezar ajoelhado no fundo do oceano.
Em seguida, em tons solenes e prolongados como o contínuo tinir de um sino em um navio a
ponto de soçobrar em um mar coberto pela névoa, começou a ler o seguinte hino, alterando sua
maneira de falar nas estrofes finais, pronunciadas com ressonante exultação e alegria: “As costelas e
os terrores da baleia
Curvaram-se sobre mim em lúgubres trevas,
Enquanto todas as luminosas ondas de Deus
Elevaram-me e projetaram-me no abismo.
Vi escancarada a mandíbula do inferno
Com suas infindáveis agonias e tormentos
Que só quem sentiu pode expressar –
Oh, mergulhei no desespero.
Em negra agonia clamei por meu Deus.
Quando julgava que já não fosse meu,
Ele inclinou seus ouvidos para meus lamentos –
E a baleia não mais me apreendeu.
Veloz, acorreu em meu auxílio
Como se no dorso de um golfinho refulgente;
Terrível, brilhava como um relâmpago resplendente
A face do meu Deus, meu Salvador.
Meu canto para sempre expressará
Essa assombrosa, afortunada hora.
Glorificado seja o meu Deus,
Misericórdia e poder”.
Praticamente todos se juntaram ao canto desse hino que se elevou acima dos uivos da
tempestade. Houve uma breve pausa. O pregador virou devagar as páginas da Bíblia e pousando a
mão sobre o texto escolhido disse: “Amados companheiros de navio, considerai o último versículo
do primeiro capítulo de Jonas – ‘Deparou, pois, o Senhor um grande peixe para que tragasse Jonas’.
“Companheiros, este livro que contém apenas quatro capítulos – quatro narrativas – é um
dos menores no poderoso cabo das Escrituras. E ainda assim, a que profundidade de alma chegou a
sonda de Jonas! Que fértil lição para nós é esse profeta! Quão nobre é esse cântico nas entranhas do
peixe! Como é grande e turbulento! Sentimos as ondas nos encobrindo, mergulhamos com ele até o
fundo das águas, as algas e o lodo do mar nos envolvem! Mas QUAL é a lição ensinada pelo livro
de Jonas? Companheiros, a lição é uma fita com dois lados; uma lição para nós como pecadores e
uma lição para mim, como capitão do Deus vivo. Como pecadores, é uma lição dirigida para nós
porque é uma história de pecado, de dureza de coração, de medos subitamente despertados, de
castigo instantâneo, de arrependimento, orações e, finalmente, de libertação e da alegria de Jonas.
Assim como todos os pecadores, o deslize desse filho de Ammitai era sua deliberada desobediência
ao mandamento de Deus – que ele considerava um mandamento difícil. Contudo, todas as coisas
que Deus nos pede são difíceis de fazer – lembrai-vos disso – e portanto é mais frequente ele exigir
que tentar nos persuadir. Se obedecemos a Deus desobedecemos a nós mesmos; e é no desobedecer
a nós mesmos que está a dificuldade de obedecer a Deus.
“Carregando esse pecado da desobediência, Jonas ainda tenta zombar de Deus, procurando
fugir Dele. Pensa que um navio feito pelo homem poderá carregá-lo para países onde Deus não
reina, onde reinam os capitães desta terra. Ele perambula pelo cais de Jope procurando um navio
que vá para Társis. Talvez seja nesse fato que se esconda um significado até agora não percebido.
De acordo com o que se sabe, Társis só pode ser a moderna cidade de Cádiz. Essa é a opinião dos
sábios. E onde se encontra Cádiz, companheiros? Cádiz fica na Espanha; por mar, de Jope Jonas
não poderia viajar para mais longe naqueles dias da antiguidade, quando o Atlântico era um oceano
praticamente desconhecido. Porque Jope, a moderna Jafa, companheiros, fica na costa mais oriental
do Mediterrâneo, na Síria; e Társis, ou Cádiz, fica a mais de 2 mil milhas a oeste desse ponto, logo
depois do Estreito de Gibraltar. Percebem, companheiros, que Jonas tentou fugir de Deus indo para
o fim do mundo? Miserável! Oh! Desprezível e merecedor de toda repulsa! Com chapéu tombado e
olhar culpado, errando entre os navios como um vil ladrão que corre para cruzar os mares, tão
tumultuada e execrável é sua aparência que se existissem policiais naquela época Jonas seria preso
antes de pisar no convés de algum navio, suspeito de algum delito. Obviamente, era um fugitivo!
Sem bagagem, sem uma caixa para chapéus, sem mala ou bolsa de viagem – sem amigos que o
acompanhassem para se despedir dele. Por fim, após muita procura encontra um navio que vai para
Társis recebendo os últimos itens de sua carga, mas quando sobe à bordo para ver o capitão em seus
aposentos, todos os marinheiros deixam de embarcar os bens para observar o estranho. Jonas
percebe isso, mas em vão procura parecer confiante e à vontade, em vão procura disfarçar seu
desprezível sorriso. Uma forte intuição garante aos marinheiros que ele não pode ser inocente. Em
seu modo brincalhão, mas ainda sério, um sussurra ao outro – ‘Jack, ele roubou de uma viúva’, ou
‘Joe, repara nele, deve ser bígamo’, ou ‘Harry, acho que ele é o adúltero que fugiu da cadeia da
velha cidade de Gomorra ou um dos assassinos que fugiram de Sodoma’. Outro corre para ler um
anúncio pregado em um pilar do cais ao qual o navio está ancorado, oferecendo 500 moedas de ouro
pela captura de um parricida. Nele também há a descrição dessa pessoa. Ele lê e olha de Jonas para
o anúncio, enquanto seus companheiros rodeiam Jonas, preparados para lançar mão dele.
Amedrontado, Jonas treme, e tentando demonstrar coragem em seu rosto só consegue parecer mais
covarde. Não quer confessar que é suspeito e por si só isso reforça a suspeita. Então procura tirar o
melhor partido da situação e quando os marinheiros descobrem que ele não é o homem do anúncio,
deixam-no passar. Ele desce à cabina.
“‘Quem está aí?’ pergunta o capitão, ocupado em sua mesa, preparando apressadamente seus
papéis para a alfândega – ‘Quem é?’ Oh! Como essa pergunta inocente perturba Jonas! Por um
instante, quase se volta para fugir. Mas se recompõe. ‘Procuro passagem para Társis; quando zarpa
o navio, senhor?’ Até esse momento, o capitão não olhara para Jonas, apesar do homem estar diante
dele. Porém, assim que o ocupado capitão ouve aquela voz vazia lança um olhar investigativo para
ele. ‘Zarpamos com a próxima maré’, responde por fim, ainda olhando fixamente para ele. ‘Não
mais cedo, senhor?’ – ‘Suficientemente cedo para qualquer homem honesto que vai como
passageiro’. Ah! Jonas, essa foi outra punhalada. Rapidamente, consegue afastar a suspeita do
capitão. ‘Viajarei convosco’, diz ele acrescentando: ‘E o preço da passagem, quanto é? Pagarei
agora’. Pois está especificamente escrito, companheiros, como se fosse algo que não pode ser
esquecido nesta história, que ‘ele pagou a passagem’ antes do navio zarpar do porto.
Considerando-se o contexto, isso é bastante significado.
“Companheiros, o capitão de Jonas era uma dessas pessoas que possui discernimento para
detectar um crime, mas sua cupidez só lhe permite acusar os pobres. Neste mundo, o pecado que
paga a passagem pode viajar tranquilamente e sem passaporte, enquanto que a virtude em um pobre
é detida em todas as fronteiras. Então, o capitão se prepara para testar o tamanho da bolsa de Jonas
antes de julgá-lo francamente. Cobra-lhe o triplo da soma usual e ele concorda. O capitão sabe que
Jonas é um fugitivo, mas concorda em auxiliar uma fuga que forra de ouro sua trajetória. Todavia,
quando Jonas pega a bolsa, o capitão sente-se incomodado por suas prudentes suspeitas. Examina
todas as moedas para certificar-se de que não são falsas. Não é falsário, murmura ele, e Jonas recebe
sua passagem. ‘Indicame meu camarote, senhor. Estou cansado e preciso dormir’, diz Jonas.
‘Pode-se notar. Eis aí teu camarote’, fala o capitão. Jonas entra e teria trancado a porta, mas a
fechadura não contém chave. Ouvindo-o mexer na fechadura, o capitão ri baixinho e murmura algo
sobre as portas das celas dos condenados não poderem ser fechadas pelo lado de dentro. Vestido e
empoeirado como estava, Jonas atira-se à cama e percebe que o teto do camarote quase lhe chega à
testa. O ar é abafado e a respiração de Jonas fica ofegante. Naquele buraco estreito sob a linha da
água, pressente a hora sufocante quando a baleia o manterá no menor espaço de suas entranhas.
“Parafusada pelo eixo na parede, uma lâmpada oscila no quarto de Jonas, e como o navio
está inclinado no cais devido ao peso da última carga recebida, a lâmpada e sua chama mantêm
permanente obliquidade com relação ao quarto; apesar de infalivelmente reta com relação ao seu
próprio eixo, torna mais óbvia a falsidade e os níveis da mentira em que ele se encontra. A lâmpada
alarma e amedronta Jonas. Deitado em sua cama, seus olhos atormentados percorrem o lugar. Até
então bem sucedido, o fugitivo não encontra refúgio para seu olhar inquieto. Mas a contradição da
lâmpada o estarrece cada vez mais. O chão, o teto e as paredes estão tortos. ‘Oh! É assim que minha
consciência se encontra, arde em linha reta, para cima, mas as câmaras da minha alma estão
retorcidas!’, lamenta-se ele.
“Como alguém que corre para a cama depois de uma noite de orgia e bebedeira, ainda
cambaleante, mas com a consciência a incomodá-lo como investidas de cavalos romanos de corrida,
como se lhe cravassem pontas de aço, como alguém que nesse miserável embaraço ainda se revira
em vertiginosa angústia, implorando a Deus por aniquilação até que passe o ataque, um profundo
estupor o invade e ele se sente como um homem sangrando até a morte, pois a consciência é um
ferimento e nada pode aliviá-la. Após muita luta em sua cama, a prodigiosa miséria de Jonas o
arrasta para o sono.
“E chega a hora da maré. O navio levanta suas amarras e carenando e deslizando sobre o
mar, sem despedidas alegres, do cais deserto o navio parte para Társis. Companheiros, esse navio
foi o primeiro barco contrabandista de que se tem notícia, e o contrabando era Jonas. Mas o oceano
se rebela, não carregará o fardo maligno. Surge uma terrível tempestade e o navio está a ponto de
soçobrar. Mas enquanto o contramestre pede para todas as mãos auxiliarem a esvaziá-lo, enquanto
caixas, fardos e jarras estão sendo lançadas pela amurada, enquanto o vento ruge, os homens gritam
e todas as tábuas ressoam com o som dos passos exatamente sobre a cabeça de Jonas, e em meio a
todo esse tumulto extremo Jonas dorme seu sono abominável. Ele não vê o negro céu nem o mar
enraivecido, não sente o ranger das tábuas e pouco ouve ou atenta para a rápida aproximação da
poderosa baleia com a boca escancarada, cortando o mar à procura dele. Sim companheiros, Jonas
descera para o interior do navio – deitara-se em uma cama na sua cabina e estava profundamente
adormecido. Amedrontado, o capitão sai à sua procura e grita em seu ouvido morto: ‘Que fazes,
dorminhoco! Acorda!’ Despertado de sua letargia pelo grito medonho, cambaleando Jonas põe-se
em pé e, tropeçando, vai para o convés e agarra-se a um ovém para observar o mar. Nesse momento
é atingido por uma onda furiosa que, como uma pantera, pula sobre a amurada. Ondas seguidas
saltam sobre o navio, e não encontrando saída, correm da popa até a proa até que os marinheiros
ficam a ponto de se afogar com o navio ainda flutuando E quando a lua branca mostra sua face
temerosa na escuridão, entre as valas escarpadas, o perplexo Jonas vê o gurupés se erguendo para
logo descer até as profundezas atormentadas.
“Os terrores se sucedem em sua alma. Por suas atitudes subservientes, o fugitivo de Deus
agora é claramente conhecido. Os marinheiros o apontam cada vez mais certos de suas suspeitas, e
por fim, para provar a verdade, entregam o caso à justiça celeste e tiram a sorte para descobrir a
causa dessa grande tempestade que desabou sobre eles. Jonas é o escolhido; isso descoberto, eles
furiosamente lançam-lhe suas perguntas: ‹Qual é tua profissão? De onde vens? Qual o teu país? Teu
povo?’ Mas companheiros, vede o comportamento do pobre Jonas. Os marinheiros ansiosos só
perguntavam quem ele era e de onde vinha, e não apenas receberam a resposta a essas questões,
mas também a uma pergunta que não haviam feito. Mas a resposta não solicitada é arrancada de
Jonas pela dura mão de Deus pousada sobre ele.
“‘Sou hebreu’ exclama ele – e depois completa – ‘Temo o Senhor, o Deus do Céu que fez o
mar e a terra firme!’ Oh Jonas, tu o temes? Sim, devias mesmo temer o Senhor Deus!
Imediatamente, ele faz uma confissão completa. Os marinheiros se assustam cada vez mais, porém
têm pena dele. Jonas ainda não suplica a misericórdia de Deus, pois conhece o negrume de seus
feitos. Grita pedindo para o atirarem ao mar, pois sabe que é culpado por essa grande borrasca que
cai sobre eles. Mas ainda assim os marinheiros se compadecem dele e procuram outros meios de
salvar o navio. Tudo em vão; a tempestade ruge cada vez mais alto. Relutantes, invocando a Deus
com uma das mãos levantada, com a outra agarram Jonas.
“Agora contemplai Jonas, erguido como uma âncora, lançado ao mar. Instantaneamente,
uma calmaria de óleo vem do leste e cai sobre o mar, e o mar se abranda e Jonas leva a borrasca
consigo deixando atrás de si águas tranquilas. Ele afunda no centro de um turbilhão de tal violência
que mal sente o momento em que cai dentro das mandíbulas escancaradas que o aguardavam. A
baleia cerra fortemente todos os seus dentes de marfim que são como trancas brancas fechando sua
prisão. E Jonas ora a Deus no ventre do peixe. Mas observai sua prece e aprendei uma poderosa
lição. Pecador como é, Jonas não chora nem implora por libertação imediata. Sente que seu terrível
castigo é justo. Deixa seu perdão nas mãos de Deus, contentando-se com isso. Apesar de todas as
suas aflições e sofrimentos, ainda contempla Seu templo sagrado. Aqui, companheiros, encontra-se
o verdadeiro e fiel arrependimento que não clama por perdão, mas agradece o castigo. E como Deus
se agrada da conduta de Jonas, mostra-lhe a eventual libertação do mar e da baleia. Companheiros,
não coloco Jonas diante de vós para ser copiado em seu pecado mas como modelo de
arrependimento. Não pequeis, mas se o fizerdes arrependei-vos como Jonas”.
Enquanto falava essas palavras, os uivos da enorme tempestade lá fora pareciam acrescentar
novo poder ao pregador que, ao descrever a borrasca marítima de Jonas, parecia, ele próprio,
açoitado por um temporal. Seu profundo peito arfava como uma grande ondulação do oceano. O
balançar de seus braços eram como o trabalho dos elementos. Os trovões lançados por sua fronte
morena e a luz emitida por seus olhos faziam seus singelos ouvintes olharem para ele com temor
estranho a eles.
Por fim seu olhar se acalmou, enquanto em silêncio virava novamente as páginas do Livro.
Imóvel, com os olhos fechados, por um momento pareceu em comunhão com Deus e consigo
mesmo.
Inclinou-se mais uma vez na direção do povo. Baixando a cabeça devagar, demonstrando a
mais profunda e humana humildade, falou estas palavras: “Companheiros de navio, Deus colocou
somente uma das mãos sobre vós; a mim Ele aperta com as duas. Com as escassas luzes que possuo
li para vós a lição que Jonas ensina a todos os pecadores, para vós e principalmente para mim
mesmo, pois sou ainda mais pecador que vós. E agora, com que alegria eu desceria deste mastro e
sentaria nos conveses onde estais sentados, e como ouvis, ouviria alguém ler para mim essa outra
terrível lição que Jonas ensina A MIM, como capitão do Deus vivo, descrevendo como Jonas –
capitão-profeta ungido, pregador de coisas verdadeiras, encarregado pelo Senhor de revelar essas
verdades indesejáveis para a perversa Nínive – consternado com a hostilidade que suscitaria, fugiu
da missão e tentou escapar de seu dever embarcando em um navio, em Jope. Contudo, Deus está em
toda parte e Jonas jamais chegou a Társis. Como vimos, Deus foi a ele em uma baleia e o engoliu
levando-o para os vívidos abismos da perdição, e rapidamente o arrastou para ‘o meio dos mares’,
onde fundos redemoinhos o sugaram até 10 mil braças de profundidade e todo o mundo líquido da
desgraça girou sobre ele. Porém, mesmo além do alcance de qualquer sonda – fora das entranhas do
inferno – quando a baleia encalhou entre os mais longínquos ossos do oceano, mesmo então Deus
ouviu o profeta tragado e arrependido quando ele clamou. Deus falou com o peixe e da gélida
escuridão do mar a baleia subiu para o tépido e agradável sol e para todos os deleites do ar e da
terra, e ‘vomitou Jonas na terra firme’. E Deus falou com Jonas pela segunda vez. Ferido e
alquebrado – seus ouvidos como duas conchas, ainda repletos do murmúrio do oceano – Jonas
curvou-se à vontade de Deus. E qual era Sua vontade, companheiros? Que ele pregasse a Verdade
diante da Mentira. Essa era Sua vontade!
“Companheiros de navio, esta é a outra lição, e ai do capitão do Deus vivo que procurar
fugir dela. Ai de quem neste mundo se afasta do dever do Evangelho! Ai de quem procura verter
azeite nas águas quando Deus as prepara para uma tempestade! Ai de quem procura agradar, em vez
de atemorizar! Ai de quem julga seu bom nome mais precioso que a bondade! Ai de quem corteja a
desonra neste mundo! Ai de quem não é verdadeiro quando a mentira significa salvação! Sim, como
disse o grande capitão Paulo, ai de quem prega aos outros sendo ele próprio abominável!»
Calou-se e por um momento pareceu afastado de si mesmo. Então, levantando o rosto para
eles, mostrou grande alegria nos olhos e bradou com celestial entusiasmo: – “Companheiros de
navio! A estibordo de qualquer desgraça há sempre um deleite garantido, e o auge desse deleite é
muito maior do que a profundidade da desgraça. Não é o mastro real mais alto do que a
profundidade da quilha? Para quem mantém seu próprio eu inexorável diante dos orgulhosos deuses
e comandantes desta terras, o deleite é excelso, é interior. O deleite é para aqueles cujos fortes
braços o suportam quando o traiçoeiro barco deste mundo afunda. O deleite é para os que não
descansam buscando a verdade e matam, queimam e destroem todo pecado, ainda que precisem
arrancá-lo de sob as togas dos senadores e juízes. O deleite, a alegria imensa é para quem não
reconhece qualquer lei ou senhor a não ser o domínio do Senhor seu Deus e só é patriota no céu. O
deleite é para aqueles que as ondas e vagalhões dos mares e das ruidosas multidões não conseguem
afastar desta segura Quilha das Eras. O deleite eterno e todas as delícias estão reservados para
aqueles que, chegado o momento do descanso final, dirão com seu ultimo suspiro – Ó Pai a quem
conheço sobretudo por tua vara – mortal ou imortal, morro aqui. Lutei para pertencer mais a Ti do
que a este mundo ou a mim mesmo. Ainda assim, isso não é nada. Deixo-Te a eternidade, pois
como pode um homem ambicionar viver toda a vida de seu Deus?”
Não disse mais nada. Depois de distribuir pausadamente uma bênção, cobriu o rosto com as
mãos e permaneceu ajoelhado até o povo partir, deixando-o sozinho.
10. AMIGO ÍNTIMO
Chegando à Estalagem do Jorro ao voltar da capela, ali encontrei Queequeg completamente
sozinho. Deixara a capela pouco antes da bênção. Sentava-se em um banco diante do fogo, os pés
sobre a grade da lareira, e segurava em uma das mãos aquele pequeno ídolo negro. Mantinha-o
perto do rosto e, olhando-o fixamente, usava um canivete para delicadamente aparar seu nariz
enquanto cantava baixinho para si mesmo, em seu modo pagão.
Como fora interrompido pôs a imagem de lado e foi até a mesa onde pegou um grande livro.
Colocando-o sobre o colo, começou a contar as páginas com deliberada regularidade. A cada 50
páginas – creio eu – parava um momento, olhava em torno e soltava um longo e borbulhante
assobio de espanto. Recomeçava a contar 50 páginas, parecendo recomeçar a partir do número um,
como se só soubesse contar até 50 e apenas a multidão de grupos de 50 páginas provocasse seu
espanto.
Fiquei ali sentado, observando-o com muito interesse. Apesar de selvagem e horrivelmente
marcado no rosto – pelo menos para o meu gosto – sua aparência tinha algo que não era nada
desagradável. Não se pode esconder a alma. Através de suas tatuagens misteriosas, acreditei ver
traços de um coração simples e honesto. Seus grandes olhos profundos, ardentemente negros e
destemidos, pareciam símbolos de um espírito suficientemente corajoso para enfrentar mil
demônios. Além de tudo, a atitude do pagão tinha certa imponência que nem mesmo suas
esquisitices conseguiam mutilar. Parecia um homem que jamais se humilhara ou tivera um credor.
Não sei se também por ter a cabeça raspada, sua fronte se projetava para frente com um relevo mais
livre e brilhante, parecendo mais ampla assim do que de outro modo – mas não posso garantir. O
certo é que, frenologicamente, sua cabeça era excelente. Isso talvez pareça ridículo, mas ela
lembrou-me a do general George Washington, como representada em seus bustos mais populares.
Possuía o mesmo longo declive graduado regularmente a partir das sobrancelhas, também salientes
como dois longos promontórios densamente arborizados no topo. Queequeg era George Washington
canibalisticamente desenvolvido.
Enquanto eu o analisava detidamente, tentando fingir que observava a tempestade através do
postigo da janela, ele não deu sinais de que percebia minha presença nem se preocupou em lançar
um único olhar em minha direção, parecendo totalmente absorto na contagem das páginas do livro
maravilhoso. Considerando a maneira sociável como havíamos dormido juntos na noite anterior e
principalmente diante do afetuoso braço que eu encontrara sobre mim ao acordar, achei essa
indiferença muito estranha. Mas os selvagens são criaturas estranhas e às vezes não se sabe
exatamente como lidar com eles. No início são apavorantes. A calma concentração de sua
simplicidade assemelha-se à sabedoria socrática. Eu também notara que Queequeg nunca se
misturava com os outros marinheiros na estalagem, ou o fazia muito pouco. Não tentava se insinuar
e parecia não ter qualquer desejo de aumentar seu círculo de conhecidos. Tudo isso me pareceu
assaz singular, mas pensando melhor, havia nisso algo quase sublime. Ali estava um homem a 20
mil milhas de casa, pela via do Cabo Horn – único modo de chegar até ali – atirado entre gente para
ele tão estranha quanto se fosse proveniente do planeta Júpiter. Ainda assim, parecia totalmente à
vontade e conservava a maior serenidade, feliz com sua própria companhia, sempre à altura de si
mesmo. Com certeza, isso era um toque de fina filosofia, mesmo que, sem dúvida, jamais tivesse
ouvido nada semelhante. Para sermos verdadeiros filósofos, nós, mortais, talvez não devêssemos ter
consciência dessa condição nem necessitássemos nos esforçar para consegui-la. Quando ouço que
este ou aquele homem se considera filósofo concluo que, como uma velha mulher dispéptica, ele
deve ter ‘quebrado seu aparelho digestório’.
Eu estava sentado naquela sala agora solitária, com o fogo queimando baixo, naquele suave
estado em que, depois de sua primeira intensidade ter aquecido o ar, ele só brilhava para ser
observado, com as sombras da noite e os fantasmas reunidos em torno das janelas, olhando para nós
dois silenciosos, com a tempestade rugindo lá fora em solenes ondas. Comecei a ter estranhos
sentimentos. Algo derreteu em mim. Meu coração despedaçado e minhas mãos enlouquecidas já
não se voltavam contra este mundo de lobos. Aquele tranquilizante selvagem o redimira. Ele
sentava-se ali e sua indiferença falava de uma natureza na qual não se ocultam hipocrisias
civilizadas nem suaves enganos. Ele era selvagem, um espetáculo de se ver, mas comecei a me
sentir misteriosamente cativado por ele. As coisas que teriam afastado a maioria das pessoas eram
como ímãs que me atraíam. Vou tentar ter um amigo pagão, pensei, pois a bondade cristã provou
ser uma cortesia vazia. Puxei meu banco para perto dele e fiz alguns sinais e insinuações amistosas,
enquanto envidava meus melhores esforços para falar com ele. A princípio ele mal notou essas
manobras, mas depois que mencionei sua hospitalidade na noite anterior perguntou-me se seríamos
novamente companheiros de cama. Respondi-lhe que sim e diante disso achei que ele pareceu
contente, talvez um pouco lisonjeado.
Então, juntos folheamos o livro e esforcei-me para lhe explicar o propósito da impressão e o
significado das poucas ilustrações que continha. Logo despertei seu interesse e depois disso, da
melhor maneira que conseguimos, passamos a tagarelar sobre várias outras atrações que podiam ser
visitadas na famosa cidade em que nos encontrávamos. Logo lhe propus fumarmos em sociedade e,
pegando sua bolsa e o tacape, ele tranquilamente me ofereceu uma baforada. E sentamo-nos
puxando baforadas daquele seu cachimbo maluco, passando-o regularmente um ao outro.
Se ainda havia algum gelo de indiferença no peito daquele pagão, aquela agradável e cordial
cachimbada que partilhamos logo a derreteu e ficamos amigos. Ele parecia me aceitar de modo tão
natural e espontâneo quanto eu, e quanto terminamos de fumar ele pressionou sua fronte sobre a
minha e disse que daquele momento em diante estávamos casados, o que em sua terra significava
que nos tornáramos amigos íntimos e que ele alegremente morreria por mim, se houvesse
necessidade. Em um homem do campo essa súbita labareda de amizade pareceria prematura demais,
algo digno de grande desconfiança, mas essas velhas regras não se aplicavam àquele cândido
selvagem.
Depois do jantar, de outra conversa e cachimbada em sociedade, fomos juntos para o quarto.
Ele me fez presente da cabeça embalsamada, depois pegou sua enorme bolsa de tabaco, tateou
debaixo do fumo e dali retirou cerca de 30 dólares de prata. Espalhou-os sobre a mesa, dividiu-os
mecanicamente em duas porções iguais e empurrou uma delas na minha direção, dizendo que me
pertencia. Eu ia protestar, mas ele me silenciou despejando-os todos nos bolsos de minhas calças.
Deixei-os ficar. Ele então pegou seu ídolo, retirou o biombo de papel e passou a dizer suas orações
noturnas. Por alguns sinais e sintomas, achei que parecia ansioso para eu me juntar a ele, mas
sabendo o que se seguiria pensei por um instante, resolvendo se eu aceitaria ou não, caso ele me
convidasse.
Eu era um bom cristão, nascido e criado no seio da infalível Igreja Presbiteriana. Como
poderia me unir a esse selvagem idólatra, prestando culto ao seu pedaço de madeira? Mas pensei: o
que significa adorar? Ismael, supões que o magnânimo Deus dos céus e da terra – inclusos os
pagãos e todos os outros – sentiria ciúmes de um insignificante pedaço de madeira negra?
Impossível! Mas o que significa prestar culto? – Fazer a vontade de Deus – ISSO é cultuá-lo. E qual
é a vontade de Deus? – Fazer ao próximo o que eu gostaria que ele me fizesse – ESSA é a vontade
de Deus. Pois bem, Queequeg é meu próximo. E o que eu gostaria que Queequeg fizesse por mim?
Bem, eu gostaria que ele se unisse a mim em minha particular maneira presbiteriana de prestar culto
a Deus. Como consequência, devo me reunir a ele em seu culto e me transformar em idólatra.
Assim sendo, acendi as aparas de madeira, auxiliei a colocar em pé o inocente idolozinho,
ofereci-lhe o biscoito queimado juntamente com Queequeg, inclinei-me diante dele duas ou três
vezes, beijei seu nariz e depois disso nos despimos e fomos para a cama, em paz com nossas
consciências e com todo o mundo. Mas não dormimos sem antes conversar um pouco.
Não sei a razão, mas não há melhor lugar que uma cama para amigos trocarem confidências.
Dizem que é na cama que um homem e sua esposa abrem suas almas um para o outro, e alguns
casais muitas vezes se deitam e conversam sobre os velhos tempos até quase o amanhecer. Assim
foi na lua de mel de nossas almas, eu e Queequeg deitados – um par amigo e cordial.
11. CAMISA DE DORMIR
Ficamos deitados na cama, conversando e cochilando a intervalos curtos. De vez em quando
Queequeg colocava afetuosamente suas pernas morenas e tatuadas sobre as minhas e depois as
retirava. Sentíamo-nos tão completamente sociáveis, despreocupados e confortáveis que por fim,
devido às nossas confabulações, o pouco de sono que nos restava desapareceu e tivemos vontade de
levantar da cama, apesar da aurora ainda estar longe.
Sim, tínhamos despertado totalmente, a tal ponto que nossa posição horizontal começou a se
tornar cansativa e pouco a pouco acabamos por nos sentar, ainda que bem envoltos em nossas
vestes, encostados à cabeceira da cama com os joelhos levantados, narizes inclinados sobre nossas
rótulas como se estas fossem aquecedores. Nós nos sentíamos ótimos fora dos cobertores, sobretudo
porque estava extremamente frio lá fora e no quarto a lareira se apagara. Ainda mais porque, para
realmente aproveitar o calor humano, não há nada melhor neste mundo que o mero contraste. Nada
existe por si só. Quando nos convencemos de que estamos totalmente confortáveis e essa sensação
perdura por algum tempo, a impressão de conforto desaparece. Mas no nosso caso, eu e Queequeg
com a ponta do nariz e o topo da cabeça ligeiramente frios, a percepção geral era de calor delicioso
e inequívoco. É por essa razão por que os apartamentos de dormir jamais deveriam conter uma
lareira, um dos mais luxuriantes desconfortos que possuem os ricos. Pois o auge dessa espécie de
delícia é não ter nada além de um cobertor entre nossa pessoa e o frio do ar exterior. Então
sentimo-nos como uma ardente centelha no coração de um cristal ártico.
Estávamos sentados desse modo há algum tempo e de repente achei que devia abrir os olhos,
pois entre os lençóis, à noite ou durante o dia, dormindo ou acordado, sempre mantenho os olhos
fechados para melhor me concentrar no aconchego de estar na cama. Nenhum homem pode sentir
plenamente sua própria identidade se não estiver de olhos fechados, como se a escuridão fosse o
elemento adequado à nossa essência enquanto a luz seria mais apropriada à nossa argila humana.
Saindo de minha agradável e autocriada obscuridade para penetrar nas ásperas e impostas sombras
da meia-noite não iluminada, ao abrir os olhos senti uma desagradável repugnância. Não objetei à
sugestão de Queequeg de que talvez fosse melhor acender uma vela, já que estávamos acordados;
além disso, ele sentia um forte desejo de puxar algumas tranquilas baforadas de seu
cachimbo-tacape. Contudo, que fique bem claro que apesar de eu ter sentido grande repugnância
pelo fato de ele fumar na cama na noite anterior, agora vejo quão elásticos podem ser nossos
preconceitos quando a afeição se interpõe entre eles para curvá-los. Pois agora nada me daria maior
prazer que ter Queequeg fumando ao meu lado, até mesmo na cama, porque naquele momento ele
parecia estar repleto de uma branda alegria doméstica. Não mais me preocupavam as normas de
segurança do estalajadeiro. Preocupava-me apenas o concentrado e secreto conforto de compartilhar
de uma cachimbada e do cobertor de um amigo verdadeiro. Com nossos capotes peludos em torno
dos ombros, agora passávamos o cachimbo um para o outro até que, devagar, formou-se sobre nós
um teto de fumaça azul iluminada pela chama da vela recém-acesa.
Não sei se foi essa ondulante nuvem de fumaça que levou o selvagem para longe, para cenas
distantes, mas ele agora falava de sua ilha nativa e, ansioso para ouvir sua história, solicitei-lhe que
a contasse. Ele concordou alegremente. Apesar de naquela época eu compreender apenas parte do
que ele dizia, suas revelações posteriores quando eu já estava familiarizado com sua fraseologia
entrecortada agora me permitem apresentar a história completa, de forma esquemática.
12. BIOGRAFIA
Queequeg nascera em Rokovoko, ilha distante do sul e do oeste. Não consta de nenhum
mapa; lugares verdadeiros jamais constam.
Quando ainda era um selvagem jovem e corria livre pelas suas matas nativas, vestido apenas
com uma tanga de ráfia, seguido por cabras que queriam comê-la como se ele fosse um rebento
verde, até naquela época a ambiciosa alma de Queequeg abrigava um forte desejo de ver da
cristandade mais que um ou dois caçadores de baleias. Seu pai era o Chefe Principal, um Rei, seu
tio era o Sumo Sacerdote, e do lado materno ele se gabava de possuir tias casadas com guerreiros
inconquistáveis. Sangue excelente corria em suas veias – negócio real, creio eu, apesar de
tristemente pervertido pela inclinação canibal que nutria desde a mais tenra idade não orientada.
Um navio do porto de Sag visitou a baía de seu pai e Queequeg tentou embarcar para terras
cristãs. Mas estando com a tripulação completa o navio o desprezou e nem toda influência do Rei,
seu pai, prevaleceu. Mas Queequeg fez um juramento. Sozinho em sua canoa, remou até um estreito
distante por onde sabia que o navio passaria ao deixar a ilha. Em um dos lados havia um recife de
coral; do outro, uma baixa língua de terra coberta com cerrados bosques que cresciam no mangue.
Escondido em sua canoa, ainda flutuando entre esses bosques com a proa voltada para o mar,
sentou-se na popa mantendo o remo bem baixo na mão, e quando o navio começou a passar
deslizando, ele se arremessou como uma flecha, aproximou-se de um dos costados e, com um
tremendo chute para trás, virou e afundou sua canoa, subiu pelas correntes e, atirando-se ao convés,
agarrou uma cavilha com arganéu e jurou que não a largaria, mesmo que o fizessem em pedaços.
Em vão o capitão ameaçou atirá-lo por cima da amurada e suspendeu um cutelo sobre seus
pulsos nus; Queequeg era filho de rei e Queequeg não cedeu. Espantado com seu desesperado
destemor e com o feroz desejo de visitar a cristandade, o capitão finalmente demonstrou piedade e
lhe disse para ficar à vontade. Mas aquele fino e jovem selvagem – aquele Príncipe de Gales –
jamais viu a cabina do capitão. Colocaram-no entre os marinheiros e transformaram-no em baleeiro.
Mas como o Czar Pedro, que quis trabalhar nos estaleiros de cidades estrangeiras, Queequeg não
desdenhava ignomínia alguma, desde que pudesse alcançar o poder de instruir seus compatriotas
primitivos. No fundo – disseme ele – era movido por um profundo desejo de aprender com os
cristãos a arte de fazer com que seu povo fosse ainda mais feliz. Mas infelizmente as práticas dos
baleeiros logo o convenceram que até os cristãos podem ser miseráveis e maus, e muito mais que
todos os selvagens governados por seu pai. Por fim, quando chegou ao Porto Sag e viu o que os
marinheiros faziam por ali, e quando depois foi a Nantucket e observou como eles gastavam seus
salários o pobre Queequeg deu tudo por perdido. Ele refletiu: “O mundo é mau em todos os
meridianos. Morrerei pagão”.
Desse modo, vivia entre os cristãos com o coração de um velho idólatra, vestia suas roupas e
tentava falar sua algaravia. Esse o motivo das maneiras estranhas que ainda exibia, apesar de já ter
deixado sua pátria há algum tempo.
Através de sinais perguntei-lhe se não queria voltar e ser coroado, pois talvez seu pai já
tivesse morrido, sendo muito velho e frágil, segundo as últimas notícias. Ele respondeu que ainda
não, acrescentando que temia que a cristandade, ou melhor, os cristãos, o tivessem tornado
inadequado para ascender ao puro e impoluto trono de trinta reis pagãos antes dele. Mas com o
tempo voltaria – assim que se sentisse novamente purificado. Até lá propunha-se navegar pelo
mundo e aproveitar sua juventude nos quatro oceanos. Haviam feito dele um arpoador e agora usava
o arpão farpado como seu cetro.
Perguntei-lhe quais seriam seus propósitos imediatos quanto aos seus movimentos futuros.
Ele respondeu que iria novamente para o mar, de acordo com sua antiga vocação. Diante disso,
disselhe que calar baleias também era meu desígnio e o informei sobre minha intenção de navegar
para Nantucket, o porto de embarque mais propício para um baleeiro ansioso por aventuras.
Imediatamente, ele resolveu me acompanhar àquela ilha, embarcar no mesmo navio, fazer a mesma
guarda, dividir o mesmo bote e a mesma comida, em resumo, compartilhar do meu destino
segurando minhas duas mãos, desafiando corajosamente a sina nos dois mundos. Concordei
alegremente com tudo, pois além da afeição que agora sentia por Queequeg ele era um arpoador
experiente e como tal não poderia deixar de ser de grande utilidade para alguém como eu,
totalmente ignorante quanto aos mistérios da caça à baleia, apesar de conhecer bem o mar, como o
conhecem os tripulantes dos navios mercantes.
Sua história terminou com a última baforada no cachimbo prestes a se apagar. Queequeg me
abraçou, pressionou sua fronte sobre a minha e depois de apagar a vela acomodamo-nos na cama e
logo adormecemos.
13. O CARRINHO DE MÃO
Na manhã seguinte, uma segunda-feira, depois de vender a cabeça embalsamada a um
barbeiro, para lhe servir de manequim, paguei minha própria conta e a de meu amigo, usando seu
dinheiro para isso. O estalajadeiro sorridente e os outros hóspedes pareciam achar espantosamente
engraçada a súbita amizade que surgira entre mim e Queequeg – sobretudo quando souberam o
quanto eu me alarmara com as fantásticas histórias que Peter Coffin contara sobre a pessoa que
agora me acompanhava.
Pedimos emprestado um carrinho de mão e nele embarcamos nossos pertences, inclusive
minha pobre bolsa de viagem, a bolsa de lona e a rede de Queequeg¸ e dirigimo-nos para a “Moss”,
pequena escuna de Nantucket atracada no cais. As pessoas olhavam enquanto caminhávamos, não
tanto para Queequeg, pois estavam acostumadas a ver canibais como ele andando pelas ruas – mas
por vê-lo comigo em termos tão confidenciais. Mas não prestávamos atenção a eles, empurrando o
carrinho por turnos, Queequeg de vez em quando ajeitando a bainha sobre as farpas de seu arpão.
Perguntei-lhe por que carregara aquele objeto tão incômodo para a terra e se os navios baleeiros não
forneciam arpões. Em substância, ele respondeu que apesar das minhas palavras serem verdadeiras
ele nutria particular afeição por seu próprio arpão, pois era feito de material confiável,
comportara-se perfeitamente em vários combates mortais e possuía profunda intimidade com o
coração das baleias. Em resumo, como muitos ceifeiros e cortadores de grama do interior do país
que vão para o campo do patrão armados com suas próprias foices – apesar de não haver nada que
os obrigue a fornecê-las – Queequeg também preferia usar seu próprio arpão, por razões
particulares.
Tirando o carrinho de minhas mãos, ele me contou uma história engraçada sobre o primeiro
transporte desse tipo que vira em sua vida. Fora no Porto Sag. Parece que os proprietários do seu
navio tinham lhe emprestado um, para levar sua pesada arca para bordo. Para não parecer ignorante
sobre modo preciso de manejar o carro – apesar de na verdade sê-lo totalmente – Queequeg colocou
a arca sobre ele, amarrou-a fortemente, colocou tudo sobre os ombros e marchou para o cais. “Mas
Queequeg, seria de se imaginar que você fizesse melhor que isso. As pessoas não riram?” perguntei.
Diante disso, ele me contou outra história. Parece que nas festas de casamento, o povo de
sua ilha de Rokovoko espreme a fragrante água de cocos novos dentro de uma cabaça pintada,
semelhante a uma poncheira, e essa poncheira é sempre o ornamento central do tapete trançado
onde se realiza a festa. Certa vez, um grande navio mercante aportou em Rokovoko e seu
comandante – de acordo com todos, um cavalheiro muito meticuloso, pelo menos para um capitão
do mar – foi convidado para comparecer à festa de casamento da irmã de Queequeg, uma princesa
jovem e bela que acabara de completar dez anos. Pois bem, quando todos os convidados estavam
reunidos na casa de bambu da noiva, esse capitão entra e, tendo sido designado para o posto de
honra, posta-se de encontro à poncheira, entre o Alto Sacerdote e sua majestade, o Rei, pai de
Queequeg. Depois de darem graças – a exemplo de nós, aquele povo também dá graças, apesar de
Queequeg afirmar que, ao contrário de nós, que nessa hora olhamos para baixo, para nossos pratos,
eles copiam os patos e olham para cima, para o grande Doador de todas as festas. Mas como eu
dizia, depois de darem graças, o Alto Sacerdote abre o banquete com a imemorial cerimônia da ilha,
isto é, mergulhando seus dedos consagrados e consagradores na tigela, antes que a bebida circule.
Vendo-se colocado ao lado do Sacerdote o capitão notou a cerimônia, e achando que por ser oficial
de um navio teria precedência sobre o mero rei de uma ilha, sobretudo na casa do próprio rei, o
capitão tranquilamente começa a lavar as mãos na poncheira, tomando-a por um grande recipiente
para limpar os dedos. “Então, nosso povo não riu?” perguntou Queequeg.
Finalmente, depois de paga a passagem e com a bagagem segura, subimos a bordo da
escuna. Hasteando as velas, ela deslizou pelo rio Acushnet. De um dos lados, Nova Bedford
elevava-se com suas ruas em forma de terraços e suas árvores cobertas de neve cintilando no ar frio
e claro. Enormes montanhas de barris empilhavam-se no cais e, lado a lado, navios baleeiros
permaneciam silenciosos, finalmente atracados em segurança, enquanto de outros navios vinha o
som de carpinteiros e dos soldadores misturado ao ruído das forjas para derreter o piche na
preparação de novas travessias, pois o término de uma viagem significava o início de outra ainda
mais perigosa e longa do que a que acabara de findar. E quando terminava a segunda iniciava-se a
terceira, e assim por diante, para todo o sempre. Assim são todos os infindáveis e intoleráveis
esforços terrestres.
Alcançando o largo, a brisa estimulante refrescou ainda mais; como um potro novo
relinchando, a popa do pequeno Moss lançava uma rápida espuma. Como respirei aquele ar
estranho! Como menosprezei aquela terra de barreiras, aquelas estradas comuns, amassadas,
marcadas pelos pés de escravos e de animais! Como admirei a magnanimidade do mar que não
permite registros!
Queequeg parecia beber da mesma fonte de espuma, saboreá-la junto comigo. Suas narinas
escuras dilatavam-se e ele mostrava os dentes afiados e pontudos. Voávamos, e chegando ao mar
aberto o Moss prestou homenagem às rajadas de vento. Mergulhou e inclinou a proa como um
escravo diante do Sultão. Navegávamos meio inclinados, todo o cordame tilintando como fios de
metal, os dois altos mastros inclinando-se como canas da Índia em um tornado. Tão concentrados
estávamos nessa cena contemplada do gurupés que por algum tempo não notamos os olhares de
mofa dos passageiros, um grupo de idiotas que se espantava com o fato de dois seres humanos
serem tão amigos, como se um homem branco fosse mais digno que um negro pintado de branco.
Porém, havia entre eles alguns bobalhões e caipiras que por sua intensa falta de tato deviam ser
provenientes da central da falta de educação. Queequeg surpreendeu um desses jovens bobocas a
imitá-lo pelas costas. Achei que sua última hora chegara. Deixando cair seu arpão¸ o musculoso
selvagem o pegou nos braços e, com força e destreza quase milagrosas atirou-o para o alto, a grande
altura. Depois de dar um salto mortal, o sujeito caiu aos seus pés com os pulmões a ponto de
estourar, enquanto Queequeg, voltando-lhe as costas, acendia seu cachimbo e o passava para mim
para que eu desse uma baforada.
“Capitão! Capitão!” gritou o bobalhão, correndo na direção do oficial. “Capitão, o diabo está
aqui”.
“Ei, senhor!” Gritou o capitão, um marinheiro magrelo, aproximando-se de Queequeg. “O
que significa isso? Não sabes que poderias ter matado esse sujeito?”
“O que ele dizer?” falou Queequeg, voltando-se suavemente para mim.
“Ele dizer que tu quase matar aquele homem”, respondi, apontando para o sujeito que ainda
tremia.
“Matar”, exclamou Queequeg, torcendo o rosto tatuado em uma misteriosa expressão de
desdém. “Ah! Ele peixe pequeno; Queequeg não matar peixe pequeno. Queequeg só matar baleia
grande!”
“Olha aqui”, rugiu o capitão, “eu matar TU, canibal, se tentares outros truques à bordo deste
navio. Toma cuidado”.
Porém, o que se seguiu mostrou que era hora do capitão tomar cuidado. A prodigiosa
pressão sobre a vela principal partira a escota de barlavento, e o tremendo pau de carga agora voava
de um lado para o outro, varrendo toda parte de trás do convés. O pobre homem que Queequeg
tratara de modo tão rude foi arremessado por sobre a amurada. Todos estavam em pânico e parecia
loucura tentar agarrar o pau de carga para imobilizá-lo. Quase como o tique-taque de um relógio,
ele voava sem parar da direita para a esquerda e a cada instante parecia a ponto de se partir em
pedaços. Nada se fazia e parecia que nada poderia ser feito. Os homens presentes no convés haviam
corrido para proa e ali se mantinham, olhando o botaló como se fosse a mandíbula inferior de uma
baleia enfurecida. Em meio a toda essa consternação, Queequeg colocou-se de joelhos e,
engatinhando habilmente por baixo do botaló, agarrou uma corda, prendeu uma extremidade na
amurada e, agarrando o outro lado e atirando-a como um laço, prendeu o botaló no momento em
que este passava por sobre sua cabeça. No safanão seguinte a verga foi amarrada e a segurança
voltou ao navio. A escuna foi colocada a favor do vento, e enquanto os tripulantes desciam o bote,
de peito nu Queequeg saltou da amurada descrevendo uma longa e ágil curva. Durante três minutos
ou mais, foi visto nadando como um cão, atirando seus braços compridos para frente, exibindo seus
ombros morenos através da espuma gelada. Olhei para o grande e glorioso companheiro, mas não vi
ninguém a ser salvo. O bobão desaparecera. Erguendo-se perpendicularmente sobre a água,
Queequeg, lançou um olhar em torno e tendo avaliado a situação mergulhou e desapareceu. Depois
de alguns minutos surgiu novamente, nadando com um braço enquanto com o outro arrastava uma
forma sem vida. O barco logo os resgatou. O pobre labrego foi reanimado. Toda tripulação festejou
Queequeg com grandes vivas e o capitão lhe pediu perdão. A partir desse momento grudei em
Queequeg como uma craca. Sim, até o ultimo e longo mergulho do pobre Queequeg.
Onde já se viu tamanha inconsciência? Ele não parecia se achar merecedor de uma medalha
das Sociedades Humanas e Magnânimas. Apenas pediu água – água fresca – algo para retirar o sal.
Depois vestiu roupas secas, acendeu o cachimbo e recostado na amurada, observando
tranquilamente os que o circundavam, parecia dizer a si mesmo – “É um mundo de auxílio mútuo
em todos os meridianos. Nós, canibais, devemos ajudar os cristãos».
14. NANTUCKET
Durante a viagem não aconteceu mais nada digno de nota e após uma excelente travessia
chegamos a Nantucket em segurança.
Nantucket! Procurem no mapa. Vejam em que verdadeiro fim de mundo ela se encontra,
como fica ali, afastada da costa, mais solitária que o farol de Eddystone. Olhem para ela – uma
mera elevação, um cotovelo de areia; só praia, sem segundo plano. Ali há mais areia do que se
poderia usar em 20 anos para substituir os mata-borrões. Os gozadores dizem que ali é preciso
plantar ervas daninhas, pois não crescem naturalmente, que é preciso importar cardos do Canadá,
que é necessário buscar buchas de madeira do outro lado do mar para calafetar um vazamento de
óleo em um barril. Afirmam que em Nantucket os pedaços de madeira são conservados como se
fossem pedaços da verdadeira cruz de Cristo, que as pessoas de lá plantam cogumelos venenosos
diante de suas casas para ter sombra no verão, que uma folha de grama é um oásis, três folhas são
um prado tão extenso que se leva todo um dia para percorrê-lo, que usam sapatos próprios para
caminhar sobre areia movediça como os lapões usam esquis para neve, que são tão fechados, tão
isolados no oceano que às vezes encontram pequenos moluscos presos às suas cadeiras e mesas,
como acontece com o casco de tartarugas marinhas. Mas essas extravagâncias apenas mostram que
Nantucket não é o Illinois.
Ouvi agora a maravilhosa história de como essa ilha foi colonizada pelos peles-vermelhas. A
lenda é a seguinte. No passado, um rio desceu pelas encostas da Nova Inglaterra levando uma
criança indígena em suas garras. Lamentando-se em altas vozes, os pais viram seu filho sendo
carregado pelas águas. Resolveram tomar a mesma direção. Embarcando em suas canoas, depois de
uma perigosa passagem descobriram uma ilha onde encontraram um pequeno cofre de marfim,
vazio – o esqueleto do pobre indiozinho.
Então, seria motivo de admiração que esses habitantes de Nantucket, nascidos na praia,
tivessem enfrentado o mar para procurar um meio de vida? Primeiro apanharam caranguejos e
moluscos na areia. Ficando mais corajosos, entraram na água levando redes para pescar cavalas;
depois de adquirirem mais experiência colocaram botes na água e capturaram bacalhaus. Por fim,
lançaram ao mar uma frota de grandes navios e exploraram o mundo das águas, cingiram-no com
uma interminável faixa de circum-navegações, espiaram os Estreitos de Behring e em todas as
estações e em todos os oceanos declararam guerra eterna à mais monstruosa, desmedida e poderosa
massa animada que sobreviveu ao dilúvio! Esse mastodonte marinho, colossal como o Himalaia,
dotado de tal poder portentoso e inconsciente que até seus pânicos são mais temíveis que seus
ataques mais intrépidos e maliciosos!
Assim foi que esses habitantes nus de Nantucket, esses eremitas do mar, saindo de seus
formigueiros à beira mar venceram e conquistaram o mundo líquido como vários Alexandres,
dividindo entre eles os oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, como as três potências piratas fizeram
com a Polônia. Que a América anexe o México ao Texas e empilhe Cuba sobre o Canadá; que os
ingleses povoem a Índia inteira e ali desfraldem sua flamejante bandeira – dois terços deste globo
terrestre pertencem aos naturais de Nantucket, pois os mares lhes pertencem. Têm sobre eles o
mesmo poderio que os imperadores sobre seus impérios; os outros marinheiros somente possuem
direito de passagem. Navios mercantes são apenas extensões de suas pontes, navios de guerra não
passam de fortes flutuantes. Apesar de navegarem pelo mar como os assaltantes de estrada
percorrem os caminhos, os piratas e corsários apenas atacam outros navios, outros fragmentos de
terra iguais a eles, sem procurar tirar seu sustento das profundezas insondáveis. Somente o habitante
de Nantucket reside e provoca conflitos no mar; apenas ele, na linguagem bíblica, desce ao mar em
navios, arando-o como se fosse sua própria plantação privativa. O mar é seu lar. Um comércio que
nem o dilúvio de Noé conseguiu interromper, apesar de ter devastado milhões, na China. O nativo
de Nantucket vive no mar como um galo selvagem vive nos prados, ele se esconde entre as ondas,
galga-as como os caçadores de camurças escalam os Alpes. Não vê a terra durante anos e quando
por fim chega a ela sente-a como outro mundo, mais estranho que a lua para um homem da Terra.
Como a gaivota do mar que ao pôr do sol dobra suas asas e ao dormir é embalada pelas ondas¸
longe da terra, ao cair da noite o habitante de Nantucket recolhe as velas e deita-se para descansar,
enquanto sob seu travesseiro deslocam-se rapidamente cardumes de morsas e baleias.
15. CALDEIRADA DE PEIXE
Já era tarde da noite quando o pequeno Moss entrou no porto para ancorar e Queequeg e eu
descemos para o cais. Não podíamos tratar de nenhum negócio naquele dia, só jantar e depois ir
para a cama. O proprietário da Estalagem do Jorro havia nos recomendado seu primo Hosea
Hussey, do Prova Panelas, segundo ele um dos melhores hotéis de Nantucket, além de nos afirmar
que seu primo Hosea era famoso pelas caldeiradas de peixe que servia. Em resumo, disse
claramente que não podíamos encontrar lugar melhor que o Prova Panelas. Mas as instruções que
nos deu – caminharmos a estibordo de um armazém amarelo até encontrarmos uma igreja branca a
bombordo, e continuamos a bombordo até chegarmos a uma esquina três pontos a estibordo, e
depois disso perguntarmos ao primeiro homem que encontrássemos onde era o lugar – a princípio
essas instruções retorcidas muito nos atrapalharam, sobretudo porque Queequeg insistiu que o
armazém amarelo – nosso primeiro ponto de partida – devia estar a bombordo, enquanto eu ouvira
Peter Coffin dizer que era a estibordo. No entanto, depois de vagar às cegas durante algum tempo,
parando aqui e ali para perguntar o caminho a um habitante pacífico, acabamos por chegar a um
lugar inequívoco.
Dois enormes caldeirões pintados de preto, suspensos pelos aros, balançavam-se nas
cruzetas de um velho mastro plantado na frente de um velho portão. As hastes das cruzetas haviam
sido serradas do outro lado, de modo que o velho mastro parecia-se muitíssimo com uma forca.
Talvez na época eu fosse excessivamente sensível a tais impressões, mas não pude deixar de olhar
para essa forca com um vago temor. Sentia uma espécie de cãibra no pescoço ao olhar para as duas
hastes remanescentes; sim, duas, uma para Queequeg e outra para mim. Isso é sinistro, pensei. Ao
desembarcar no meu primeiro porto baleeiro, meu estalajadeiro se chamava Coffin, duas lápides
olhavam para mim na capela dos baleeiros e aqui me deparo com uma forca! E com um par de
prodigiosos caldeirões negros! Não havia nisso tudo uma insinuação obliqua ao Inferno?1
Fui afastado dessas reflexões ao ver uma mulher loura, sardenta, de vestido amarelo, parada
na porta da estalagem, sob a lâmpada vermelha que ali balançava parecendo um olho machucado.
Ela discutia acaloradamente com um homem de camisa de lã roxa.
“Vai-te embora ou expulsar-te-ei a vassouradas!” dizia ela ao homem.
“Vamos, Queequeg. Essa é a senhora Hussey”, falei.
Era verdade. O senhor Hosea Hussey estava em casa, mas encarregara a senhora Hussey de
tomar conta de todos os negócios. Após saber que desejávamos comida e pousada a senhora Hussey
adiou o sermão, fez-nos entrar em uma pequena sala, sentou-nos diante de uma mesa que exibia os
vestígios de uma refeição recém-concluída e voltando-se para nós perguntou – “Mariscos ou
bacalhau?”
“Como é o bacalhau, senhora?” disse eu com muita educação.
“Marisco ou bacalhau?” repetiu ela.
“Marisco para o jantar? Marisco frio – é ISSO, senhora Hussey?” disse eu. “Essa é uma
recepção muito fria e pegajosa na época do inverno, não é verdade senhora Hussey?”
Como estava com muita pressa para voltar à discussão com o homem de camisa roxa que
ainda esperava na entrada e parecendo ouvir apenas a palavra ‘marisco’, a senhora Hussey foi até a
porta aberta que levava à cozinha, gritou “marisco para dois” e desapareceu.
“Queequeg, achas que um marisco dá para nós dois?” perguntei.
Todavia, o aroma apetitoso vindo da cozinha desmentia o aparente triste prospecto diante de
nós. E quando a fumegante caldeirada chegou o mistério foi deliciosamente explicado. Oh, doces
amigos! Ouçais! O prato era feito com suculentos mariscos pequenos, pouco maiores que avelãs,
misturados a biscoitos marítimos, porco salgado cortado em pequenas fatias, o conjunto enriquecido
com manteiga e bem temperado com pimenta e sal. Como nossos apetites já haviam sido
1- Tofete no original.
despertados pela viagem congelante, Queequeg vendo seu prato favorito diante dele e sendo a
caldeirada mais que excelente, nós a devoramos com grande disposição. Ao descansar por um
momento, lembrando como a senhora Hussey pedira para escolhermos entre marisco e bacalhau,
resolvi tentar uma pequena experiência. Chegando até a porta da cozinha gritei a palavra ‘bacalhau’
com grande ênfase e voltei a sentar. Depois de alguns momentos o aroma delicioso voltou, mas com
sabor diferente, e em pouco tempo uma excelente caldeirada de bacalhau foi colocada à nossa
frente.
Voltamos a comer e enquanto mergulhávamos nossas colheres na tigela perguntei a mim
mesmo se aquela iguaria teria algum efeito sobre a cabeça. Não existe um ditado que fala sobre
pessoas com cabeça de caldeirada? “Olha Queequeg, não há uma enguia viva no seu prato? Onde
está seu arpão?”
Dentre os lugares estranhos e piscosos, a estalagem Prova Panelas é a mais estranha e
piscosa de todos, e merece o nome que tem, pois nas panelas sempre ferviam caldeiradas.
Caldeirada no desjejum, caldeirada no almoço, caldeirada no jantar, até que se procurava por
espinhas de peixe no meio das roupas. A área na frente do estabelecimento era pavimentada com
conchas de mariscos. A senhora Hussey usava um polido colar de vértebras de bacalhau e Hosea
Hussey mandara encadernar seu livro de contas com uma belíssima pele de tubarão. Até o leite
tinha sabor de peixe, o que a princípio estranhei, até que em uma manhã, ao dar uma volta pela
praia vi a vaca malhada de Hosea alimentando-se de restos de peixe e caminhando pela praia com
os pés enfiados em cabeças de bacalhau. Posso afirmar que seu aspecto era absolutamente
repugnante.
Findo o jantar, recebemos uma vela e instruções da senhora Hussey quanto ao caminho mais
curto para o quarto. Mas quando Queequeg se preparava para subir as escadas na minha frente, a
senhora agarrou seu braço e pediu o arpão. E ela não permitia arpões nos quartos. – “Por que não?
Todo baleeiro de verdade dorme com seu arpão”, falei. “Porque é perigoso”, respondeu ela. “Desde
que o jovem Stiggs voltou daquela infeliz viagem de quatro anos e meio com apenas três barris de
óleo e foi encontrado morto no primeiro andar com o arpão ao seu lado, não permito que os
hóspedes levem armas perigosas para o quarto, à noite. Então, senhor Queequeg (pois já aprendera
seu nome), vou guardar o arpão até amanhã cedo. Mas a caldeirada do desjejum será de mariscos ou
de bacalhau, homens?”
“Dos dois tipos”, respondi. “E também queremos um par de arenques defumados, para
variar”.
16. O NAVIO
Na cama, combinamos nossos planos para o dia seguinte. Mas para minha surpresa e
preocupação, Queequeg deu a entender que vinha diligentemente consultando Yojo – era esse o
nome de seu idolozinho negro – e ele repetira três vezes, insistindo muito sobre esse ponto, que em
vez de irmos juntos visitar os navios baleeiros e escolhermos em conjunto nosso barco, a seleção do
navio deveria ser inteiramente minha, e ele nos protegeria. Para isso, ele já elegera um navio e, se
deixado sozinho, eu, Ismael, infalivelmente o escolheria, onde quer que se encontrasse. Além disso,
eu deveria embarcar imediatamente nesse navio, por enquanto independente de Queequeg.
Esquecime de mencionar que, para várias coisas, Queequeg tinha grande confiança na
excelência do julgamento e no surpreendente dom de profecia de Yojo, a quem devotava grande
estima, pois o considerava um excelente deus. Achava que ele tinha a melhor das intenções, apesar
de nem sempre alcançar o sucesso em seus benevolentes desígnios.
Mas não gostei nada do plano de Queequeg, ou de Yojo, relativo à escolha de nosso barco.
Confiava bastante na sagacidade de Queequeg para apontar o baleeiro mais apropriado para nos
levar em segurança e garantir nossa fortuna. Mas como minhas objeções não produziram qualquer
efeito, fui obrigado a concordar e preparei-me para resolver esse assunto rapidamente, com energia,
determinação e vigor. Na manhã seguinte, deixei Queequeg com Yojo em nosso quartinho – pois
parecia que aquele dia era uma espécie de Quaresma ou Ramadã, jejum, humilhação e orações para
Queequeg e Yojo. Jamais consegui descobrir o que era exatamente, e por mais que me esforçasse,
nunca pude dominar suas liturgias nem seus 39 Artigos. Pois bem, continuando, deixei Queequeg
jejuando e fumando seu cachimbo, Yojo se aquecendo no seu fogo sacrifical feito com aparas de
madeira, e saí para minha expedição entre os navios. Depois de um prolongado passeio e muita
investigação, soube que havia três navios preparados para iniciar uma viagem de três anos – o
Devil-dam, o Tid-bit e o Pequod. Não sei a origem do Devil-dam, a do Tid-bit era óbvia, e como
todos devem lembrar, Pequod era o nome de uma famosa tribo de índios de Massachussetts, agora
tão extinta quanto os antigos Medas. Examinei e bisbilhotei o Devil-dam; fiz o mesmo com o
Tid-bit e finalmente subindo a bordo do Pequod olhei em torno por um momento e logo decidi que
aquele era o navio para nós.
Pode haver muitos navios esquisitos por aí – navios quadrados com três mastros, imensos
juncos japoneses, galeotas parecidas com caixas de manteiga e muitos outros, mas eu jamais vira
um barco tão raro quanto o velho Pequod. Era um navio da antiga escola, bastante pequeno, com
aparência de uma fera ancestral com quatro patas. Endurecido e desbotado pelos tufões e calmarias
dos quatro oceanos, seu velho casco estava escurecido como um granadeiro francês que lutara no
Egito e na Sibéria. Sua venerável proa parecia barbada. Seus mastros – cortados em alguma parte
das costas do Japão, depois de os originais se perderem em um temporal – erguiam-se rígidos como
as espinhas dos três reis de Colônia. Seus velhos conveses estavam gastos e enrugados como as
respeitáveis lajes da Catedral de Canterbury, onde foi vertido o sangue de Becket. No entanto, a
todas essas velhas antiguidades haviam sido acrescentados novos e maravilhosos atributos
relacionados com o violento negócio que desempenhara por mais de meio século. O velho capitão
Peleg, comandante durante muitos anos antes de dirigir seu próprio navio, agora marinheiro
aposentado e um dos principais proprietários do Pequod – durante o período em que fora
comandante, dera ao navio seus aspectos mais grotescos e distribuíra por toda parte uma estranheza
de material e artifícios inigualados por qualquer coisa, exceto o escudo e a cama esculpidos por
Thorkill-Hake. O barco fora aparelhado como um bárbaro imperador etíope, o pescoço pesado de
colares de marfim polido. Era uma mostra de troféus. Um navio canibal que se enfeitava com os
ossos dos inimigos que caçara. Por toda parte, suas amuradas abertas e sem painéis eram enfeitadas
como uma mandíbula, apresentando longos e afiados dentes de cachalote inseridos como pinos para
amarrar os tendões e os velhos cabos de cânhamo. Esses tendões não passavam por blocos de
madeira que deslizavam suavemente por roldanas de marfim marinho. Desprezando uma roda de
torniquete, seu reverendo leme ostentava uma cana de timão esculpida em uma única peça, cortada
da mandíbula estreita e longa de seu inimigo hereditário. O timoneiro que dirigisse esse navio em
uma tempestade sentir-se-ia como um tártaro dominando seu exaltado garanhão pela mandíbula.
Um barco nobre, mas de certa maneira bastante melancólico! Todas as coisas nobres são tocadas
pela melancolia.
Quando busquei no tombadilho a presença de alguma autoridade para me oferecer como
candidato à viagem, no início não vi ninguém, mas não pude ignorar uma estranha espécie de tenda,
ou palhoça indígena erigida pouco atrás do mastro real. Parecia uma construção temporária usada
no porto. Era de forma cônica, com mais ou menos três metros de altura, consistindo de longas,
enormes pranchas flexíveis de ossos negros retirados da parte central e do alto da mandíbula de uma
baleia da Groenlândia. Plantada com suas amplas bases sobre o convés, um círculo dessas pranchas
amarradas umas nas outras, juntavam-se no topo, unidas em um ponto semelhante a um tufo, onde
as fibras soltas se agitavam de lá para cá como um birote na cabeça de um velho Pottowottamie
Sachem. Uma abertura triangular dava para a proa do navio, de modo que a pessoa que estivesse em
seu interior podia ter uma visão completa do que se passava à sua frente.
Meio escondido nessa estranha habitação, afinal encontrei um homem que por seu aspecto
parecia ter autoridade e que agora gozava de uma trégua em sua responsabilidade de comando por
ser meio-dia e o serviço do navio estar suspenso. Sentava-se em uma antiga cadeira de carvalho
esculpida de modo curioso, cujo assento era formado por fortes tiras entrelaçadas feitas do mesmo
material flexível com o qual a tenda era construída.
Talvez não houvesse nada de muito marcante na aparência do homem idoso que ali estava.
Era moreno e musculoso como a maioria dos marinheiros e vestia-se com uma pesada blusa azul de
piloto, cortada no estilo quacre. Em torno de seus olhos havia uma fina, quase microscópica rede de
rugas entrelaçadas, provavelmente produzidas por suas constantes viagens sob fortes furacões e por
ele sempre olhar na direção do vento: razão pela qual os músculos de seus olhos haviam encolhido.
Essas rugas são muito eficientes para compor uma expressão ameaçadora.
“És o capitão do Pequod?” perguntei, aproximando-me da porta da tenda.
“Supõe que eu seja o capitão do Pequod, o que queres com ele?” perguntou ele.
“Pensei em embarcar”.
“Pensaste? Vejo que não és de Nantucket – já estiveste em um barco a vapor?”
“Não, senhor, nunca”.
“Aposto que não sabes nada sobre pesca de baleias, sabes?”
“Nada, senhor. Mas tenho certeza que aprenderei depressa. Viajei várias vezes a serviço da
marinha mercante e acho que…”
“Maldita seja a marinha mercante. Não fale nisso comigo. Vês esta perna? – Vou arrancá-la
se voltares a falar em serviço mercante. Marinha mercante, com efeito! Suponho que te sentes
muito orgulhoso por ter servido nesses navios mercantes. Mas com os diabos! Homem, o que te faz
querer pescar baleias? – Isso até parece um pouco suspeito, não achas? Roubaste teu último
capitão? Pensaste em assassinar os oficiais quando foste para o mar?”
Protestei minha inocência quanto a essas coisas. Vi sob a máscara dessas insinuações
humorísticas que, como um velho quacre ilhado em Nantucket, esse velho marinheiro estava cheio
de preconceitos insulares e desconfiava de todos os estrangeiros, a menos que fossem nativos de
Cape Cod ou Vineyard.
“Mas o que te leva à pesca da baleia? Quero saber antes de permitir que embarques”.
“Bem, senhor, quero ver como acontece a pesca de baleias. Quero ver o mundo”.
“Queres ver como se pesca baleias, hein? Já viste o capitão Ahab?”
“Quem é o capitão Ahab, senhor?”
“Sim, foi o que pensei. O capitão Ahab é o comandante deste navio”.
“Então estou enganado. Pensei estar falando com o próprio capitão”.
“Estás falando com o capitão Peleg – é com ele que estás falando, rapaz. Eu e o capitão
Bildad estamos encarregados de aparelhar o Pequod para a viagem e suprir todas as suas
necessidades, inclusive quanto à tripulação. Somos parte proprietários, parte comissários. Mas
como ia dizendo, se desejares saber o que é a pesca da baleia, como disseste, posso colocar-te de
modo a descobrires antes que te comprometas a embarcar, antes que seja tarde demais. Põe os olhos
no capitão Ahab, rapaz, e vê que ele só tem uma perna”.
“O que queres dizer, senhor? Ele perdeu a outra por causa de uma baleia?”
“Perdeu por causa de uma baleia! Rapaz, chega mais perto: foi devorada, mastigada,
esmagada pela mais monstruosa baleia cachalote que já despedaçou um bote! Ah, Ah!”
Fiquei um pouco alarmado com sua energia, talvez um pouco comovido com a sincera
mágoa contida em sua exclamação final, mas falei do modo mais calmo possível: “O que dizes sem
dúvida é verdade, senhor, mas como posso saber se há qualquer ferocidade peculiar a essa baleia em
particular, apesar desse acidente sugerir tal coisa?”
“Olha aqui, rapaz, teus pulmões são fracos, não enganas ninguém. Estás CERTO de que já
estiveste no mar? Tens certeza disso?”
“Acho que já disse que fiz quatro viagens no serviço da marinha mer…”
“Para com isso! Não suporto isso! Lembra-te do que eu disse sobre a marinha mercante –
não me irrites – não vou tolerar. Mas vamos nos entender. Dei-te uma indicação do que é a pesca da
baleia. Ainda te sentes inclinado a segui-la?”
“Sim, senhor”
“Muito bem. Então, és homem para empurrar um arpão para dentro da goela de uma baleia
vivia, e depois saltar atrás dela? Responde depressa!”
“Sou, senhor, se for positivamente indispensável fazê-lo; se não houver outro jeito, e julgo
que não seja o caso.”
“Muito bem. Mas não é verdade que apenas queres ir pescar baleias para ver do que se trata,
e também para ver o mundo? Não foi o que disseste? Foi o que pensei. Pois bem, então vai até ali e
dá uma olhada na proa, onde bate o vento, depois volta e me diz o que viste”.
Por um momento fiquei um pouco espantado com seu pedido curioso, não sabendo
exatamente se devia considerá-lo uma brincadeira ou se era sério. Contudo, concentrando todos os
seus pés de galinha em uma única carranca, o capitão Peleg forçou-me a obedecê-lo.
Aproximando-me da proa e olhando por cima da amurada que dava para o lado do vento, vi
que o navio balançava em torno na âncora com a maré, e agora apontava obliquamente para o mar
aberto. A possibilidade era ilimitada, mas excessivamente monótona e hostil; nenhuma variação que
eu pudesse ver.
“Bem, qual é o relatório?” disse Peleg quando eu voltei; “O que viste?”
“Não muito. Nada além de água e um vasto horizonte. E há uma borrasca a caminho, creio
eu”.
“Bem, e o que pensas sobre ver o mundo? Queres rodear o Cabo Horn para ver algo além
disso? Não podes ver o mundo de onde te encontras?”
Eu estava um pouco chocado, mas precisava ir pescar baleias, e iria; e o Pequod era um dos
melhores navios – eu o considerava o melhor – e repeti tudo isso para PeIeg. Vendome tão
determinado, ele expressou sua concordância em me embarcar.
“Podes assinar os papéis imediatamente. Vem comigo”, acrescentou ele. Assim dizendo,
levou-me até o camarote, embaixo.
Sentada na prancha estava uma figura extremamente surpreendente e incomum. Era o
capitão Bildad, um dos maiores proprietários do barco juntamente com o capitão Peleg; as outras
quotas, como às vezes é o caso nesses portos, pertenciam a uma multidão de velhos pensionistas;
viúvas, crianças sem pai, e magistrados; cada qual possuindo o correspondente ao valor de uma
ponta de viga, um pé de prancha ou um ou dois pregos do navio. As pessoas de Nantucket investem
seu dinheiro em navios baleeiros do mesmo modo que se investe em ações que rendem bons juros.
Como Peleg e muito outros naturais de Nantucket, Bildad era quacre, pois a ilha fora
originariamente colonizada por essa seita e até agora seus habitantes conservam grande parte de
suas peculiaridades, apenas com variações e modificações causadas por coisas estrangeiras e
heterogêneas. Alguns desses quacres são os mais sanguinários de todos os marinheiros caçadores de
baleias. São quacres lutadores, quacres com sentimento de vingança.
Existem entre esses homens que ostentam nomes retirados das escrituras – costume
singularmente comum na ilha – alguns que desde a infância foram naturalmente imbuídos do
majestoso e dramático tratamento tu e teu do idiomático quacre, mas em consequência das
audaciosas, corajosas e ilimitadas aventuras de suas vidas subsequentes estranhamente mescladas
com essas particularidades misteriosas, por mil traços corajosos de caráter não são inferiores aos
reis escandinavos ou aos poéticos pagãos romanos. E em um homem de força natural grandemente
superior, quando essas características se unem a um cérebro globular e um coração forte, um
homem que, por quietude e isolamento de muitas noites de vigília nas águas mais longínquas, sob
constelações nunca vistas no norte, é levado a pensar de modo não habitual e autônomo, depois de
receber todas as doces ou violentas impressões que a natureza lhe oferece do âmago de seu próprio
seio virginal e confiante, e somente com algum auxílio de algumas vantagens acidentais aprende
uma linguagem imponente, nervosa e arrojada – esse homem é único em uma nação inteira, uma
criatura poderosa e magnífica talhada para nobres tragédias. Analisando-o de um ponto de vista
mais dramático, não seria depreciativo se esse homem, por nascimento ou outras circunstâncias, no
fundo de sua natureza abrigasse algo parecido com um desejo mórbido de comandar. Pois em todos
os homens tragicamente grandes há certa morbidez. Oh, jovem ambição, toda grandeza mortal não
passa de enfermidade. Mas aqui não temos que tratar com alguém com essas características, mas
com alguém muito diferente; um homem que apesar de raro não é mais que o resultado de outra fase
quacre modificada por circunstâncias individuais.
Como o capitão Peleg, o capitão Bildad era um baleeiro próspero e aposentado. Mas ao
contrário do capitão Peleg – que não se importava absolutamente nada com coisas consideradas
sérias e as considerava como meras ninharias – o capitão Bildad não apenas fora educado de acordo
com as regras mais estritas da seita quacre de Nantucket, como também, em toda sua vida marítima
subsequente, a visão das inúmeras criaturas atraentes e nuas das ilhas próximas ao Cabo Horn não
haviam comovido o quacre que havia dentro de si, nem alterado uma única dobra de sua roupa.
Ainda assim, apesar dessa imutabilidade, havia certa falta de consistência no digno capitão Peleg.
Apesar de seus conscienciosos escrúpulos o impedirem de pegar em armas contra os invasores de
terra, ele invadiu ilimitadamente o Atlântico e o Pacífico, e por mais que o repugnasse derramar
sangue humano, verteu toneladas e toneladas de sangue do leviatã. Não sei como o piedoso Bildad
conseguia reconciliar essas coisas com suas lembranças, nas noites contemplativas de sua vida, mas
isso não parecia perturbá-lo muito e provavelmente já chegara à sábia e inteligente conclusão de
que a religião de um homem é uma coisa, este mundo prático é outra, completamente diferente. Este
mundo paga dividendos. Promovido do tipo mais desmazelado de grumete em calças curtas a
arpoador portador de amplo colete, e logo depois a condutor de bote, primeiro piloto, capitão e
finalmente proprietário de navio, Bildad, como já sugeri, concluiu sua carreira de aventuras
aposentando-se da vida ativa na magnífica idade de sessenta anos, dedicando o resto de seus dias
tranquilos a receber rendimentos bem ganhos.
Mas lamento dizer que Bildad tinha reputação de ser um velho sovina incorrigível, e em
seus dias de marinheiro, um chefe violento e amargo. Apesar de certamente parecer uma história
curiosa, contaram-me em Nantucket que quando ele navegava no velho navio baleeiro Categut,
sempre que chegava ao porto quase toda sua tripulação era levada ao hospital, exausta e esgotada.
Para um homem religioso, sobretudo um quacre, ele certamente possuía coração duro, para dizer o
mínimo. Jamais dizia palavrões aos seus homens, mas conseguia deles uma desmedida quantidade
de trabalho árduo, cruel e absoluto. Quando Bildad era primeiro piloto, bastava-lhe olhar
atentamente para alguém para que este se sentisse completamente nervoso, pegasse um martelo ou
uma bolina e começasse a trabalhar como louco nisto ou naquilo, não importava o quê. Sua pessoa
era a encarnação perfeita de seu caráter prático. Não havia carne excedente nem barba supérflua em
seu corpo delgado. Seu queixo era coberto por uma penugem macia como a pelúcia gasta de seu
chapéu de abas largas.
Foi essa pessoa que vi sentada na prancha quando segui o capitão Peleg até o camarote. O
espaço entre os conveses era pequeno e ali, ereto, encontrava-se o velho Bildad, que sempre adotava
essa postura – jamais se inclinava, para proteger as abas do seu fraque. Seu grande chapéu de abas
largas estava ao seu lado, suas pernas cruzavam-se rigidamente, seu casacão estava abotoado até o
queixo e, com os óculos sobre o nariz, parecia absorto na leitura de um pesado livro.
“De novo, Bildad?” exclamou o capitão Peleg, “Que eu saiba, tens estudado as Escrituras
pelos últimos trinta anos. Até onde chegaste, Bildad?”
Como se há muito estivesse habituado à linguagem profana de seu velho companheiro, e
sem notar a presente irreverência, Bildad olhou para cima com tranquilidade. Ao ver-me, voltou os
olhos para Peleg de modo inquisitivo.
“Ele diz que é nosso homem, Bildad. Quer embarcar”, disse Peleg.
“Disseste isso?”, disse Bildad, com um ar de espanto, e virando-se em minha direção.
“Eu quero” disse eu sem pensar, tão intensamente quacre era ele.
“O que pensas dele, Bildad”, perguntou Peleg.
“Vai servir”, afirmou Bildad olhando para mim. Depois, voltou a ler seu livro em um
murmúrio bastante audível.
Julguei que ele era o velho quacre mais esquisito que eu já vira, sobretudo porque seu velho
companheiro Peleg parecia tão fanfarrão. Mas eu não disse nada, apenas olhei em torno,
atentamente. Peleg abriu uma arca, retirou dela alguns artigos do navio, sentou-se diante de uma
mesinha e colocou caneta e tinta diante de mim. Comecei a pensar que já era tempo de estabelecer
os termos em que gostaria de ser contratado para a viagem. Já sabia que não se paga salário no
negócio de pesca de baleias, mas todas as mãos, inclusive o capitão, recebem certa porcentagem dos
lucros, denominadas quotas, proporcionais ao grau de importância dos deveres desempenhados no
navio. Também sabia que minha quota não seria muito grande por eu ser novato no negócio de caça
à baleia. Contudo, considerando minha intimidade com o mar, o fato de eu saber dirigir um navio,
unir uma corda, e tudo mais, pelo que eu ouvira, não havia dúvida que eu teria direito pelo menos à
ducentésima septuagésima quinta parte do lucro líquido da viagem, fosse qual fosse. E apesar dessa
porcentagem ser o que eles chamavam de quota distante, era melhor que nada, e se tivéssemos uma
viagem afortunada, essa quantia provavelmente seria suficiente para pagar minhas roupas, sem falar
nos três anos de alimentação a bordo, pelos quais eu não precisaria pagar nem um centavo.
Pode-se considerar que esse é um péssimo modo de acumular uma fortuna principesca, mas
é essa é a mais pura verdade. Todavia, sou do tipo que nunca se preocupa com fortunas principescas
e fico absolutamente satisfeito se o mundo puder oferecer casa e comida enquanto me preparo para
a macabra hospedaria da Nuvem do Trovão. Afinal das contas, achei que a quota de 275 avos seria
justa, mas não me surpreenderia se me oferecessem 200 avos, considerando que meus ombros eram
bastante largos.
Todavia, havia uma coisa que me tornava um pouco desconfiado quanto a receber uma
quota generosa sobre os lucros: no porto, eu ouvira murmúrios sobre o capitão Peleg e seu estranho
velho companheiro Bildad; como ambos chegaram a ser os principais proprietários do Pequod
enquanto os outros acionistas mais imprudentes e esporádicos deixavam toda administração do
navio a cargo desses dois. Eu não sabia o que aquele velho avarento, Bildad, teria a dizer sobre os
marinheiros da tripulação, especialmente agora que eu o encontrara a bordo do Pequod, tão à
vontade em seu camarote, lendo sua Bíblia como se estivesse diante de uma lareira enquanto Peleg
em vão tentava aparar uma pena com seu canivete. Para minha grande surpresa e considerando que
ele era parte interessada nesses procedimentos, o velho Bildad jamais se preocupou conosco, mas
continuou murmurando para si mesmo o texto do livro: “Não desejes participação nos tesouros
desta terra, onde a traça...”
“Bem, capitão Bildad”, interrompeu Peleg, “quanto achas que devemos dar a este jovem?”
“Tu sabes melhor que eu”, foi a resposta sepulcral, “Achas que 777 avos seria demais? – que
a traça e a ferrugem tanto corrompem, mas a QUOTA...”
QUOTA, com efeito, pensei, que quota! Setecentos e setenta e sete avos! Bem, velho
Bildad, estás determinado a não permitir que eu acumule tesouros aqui, onde a traça e a ferrugem
tudo corrompem. Sem dúvida era uma quota ínfima, e apesar de a princípio a magnitude da cifra
poder enganar um marinheiro inexperiente, a menor reflexão mostraria que apesar de 777 ser um
número bastante grande, a septingentésima septuagésima sétima parte de uma migalha é bem menos
que setecentos e setenta e sete dobrões de ouro; e foi isso que eu pensei naquele momento.
“Ora essa, malditos sejam teus olhos, Bildad”, exclamou Peleg. “Tu não queres lograr este
rapaz! Ele precisa ganhar mais que isso”.
“Setecentos e setenta e sete” repetiu Bildad, sem levantar os olhos e sem parar de murmurar
– “pois onde está teu tesouro, aí se encontra teu coração”.
“Vou contratá-lo por 300”, disse Peleg. “Ouviste, Bildad? Digo que a quota será de 300
avos”.
Bildad colocou o livro de lado e, voltando-se solenemente para ele, disse: “Capitão Peleg,
tens o coração generoso, mas deves considerar o direito dos outros proprietários deste navio –
viúvas e órfãos, muitos deles – e se remunerarmos de modo por demais abundante os serviços deste
rapaz, talvez estejamos tirando o pão dessas viúvas e órfãos. Quota de 777 avos, capitão Peleg”.
“Tu, Bildad!” rugiu Peleg, levantando-se e fazendo enorme rumor pelo camarote. “Maldito
sejas, capitão Bildad, se eu tivesse seguido teu conselho nesse assunto agora estaria com a
consciência suficientemente pesada para afundar o maior navio que já navegou em torno do Cabo
Horn”.
“Capitão Peleg” insistiu Bildad de modo firme. “Não sei se tua consciência pode arrastar dez
polegadas ou dez braças de água, mas de qualquer modo és um homem impenitente e temo que tua
consciência esteja furada e que no fim ela te afunde e te leve para o poço infernal, capitão Peleg”.
“Poço do inferno! Poço do inferno! Tu me insultas, homem. Apesar de toda tua postura
natural, tu me insultas. É uma afronta dizer a qualquer ser humano que ele está destinado a ir para o
inferno. ncoras e chamas, Bildad! Se repetires o que acabaste de dizer soltarás os raios da minha
alma e serei capar de engolir um bode vivo, com pelo e chifres. Fora do camarote, seu falso, filho
insípido de uma carabina de madeira – ou vais te ver comigo!”
Trovejando desse modo, arremessou-se sobre Bildad, mas este o evitou com uma celeridade
maravilhosamente oblíqua e deslizante.
Alarmado com essa terrível explosão entre os dois principais proprietários e responsáveis
pelo navio, e sentindo-me um pouco inclinado a desistir da ideia de embarcar em um navio de
propriedade tão questionável e temporariamente comandado, afastei-me para dar passagem a
Bildad, sem dúvida estava ansioso para desaparecer diante da fúria que despertara em Peleg. Para
meu grande espanto, ele sentou-se novamente em sua prancha, sem a menor intenção de bater em
retirada. Parecia acostumado com o impenitente Peleg e com seu modo de agir. Quanto a Peleg,
depois de dar vazão à sua cólera, demonstrou não guardar dela nenhum vestígio e também se sentou
como um cordeirinho, apesar de se contorcer um pouco, como se ainda estivesse nervoso e agitado.
“Cruzes!” disse ele finalmente. “Depois da borrasca vem a bonança, creio eu. Bildad, tu costumavas
ser muito hábil ao afiar uma lança. Podes aparar esta pena, por favor. Meu canivete está precisando
de uma pedra de amolar. Isso! Muito obrigado, Bildad. Agora, meu rapaz, teu nome é Ismael, não
foi o que disseste? Bem, vem cá, Ismael, vais ser contratado por uma quota de 300 avos”.
“Capitão Peleg”, disse eu, “Tenho um amigo que também quer embarcar – posso trazê-lo
amanhã?”
“Certamente”, respondeu Peleg. “Traze-o e daremos uma olhada nele”.
“Qual a quota que ele deseja”, grunhiu Bildad, levantando o olhar do livro no qual
mergulhara outra vez.
“Oh! Não te preocupes com isso, Bildad”, falou Peleg. “Ele já pescou baleias?” perguntou,
voltando-se para mim.
“Matou mais baleias do que consigo contar, capitão Peleg”.
“Bem, traze-o então”.
Depois de assinar os papéis fui embora sem duvidar de que realizara um bom trabalho
naquela manhã e que o Pequod era o navio que Yojo providenciara para carregar Queequeg e a mim
para dar a volta do Cabo.
Mas ainda não tinha caminhado muito quando comecei a pensar que eu ainda não vira mim
o capitão com quem deveríamos navegar. Em muitos casos, um navio baleeiro é totalmente
aparelhado, recebe toda sua tripulação e só então o capitão se apresenta para assumir o comando,
pois algumas vezes essas viagens são tão prolongadas e os intervalos em terra são tão curtos que ele
não se preocupa muito com o navio ancorado no porto e deixa que os proprietários o aprontem para
o mar. Todavia, é sempre bom examiná-lo antes de se entregar irrevogavelmente em suas mãos.
Voltando para o navio, procurei o capitão Peleg e perguntei-lhe onde poderia encontrar o capitão
Ahab.
“E o que queres com o capitão Ahab? Está tudo certo; já estás contratado”.
“Sim, mas eu gostaria de vê-lo”.
“Não acho que poderás fazer isso no momento. Não sei exatamente o que há com ele.
Apesar de não parecer doente, mantém-se trancado em casa como se estivesse. Na verdade ele não
está enfermo, mas também não está muito bem. De qualquer modo, rapaz, ele nem sempre me
recebe e suponho que se recusará a vê-lo. O capitão Ahab é um homem esquisito – pelo menos,
muitos o consideram assim – mas é um bom homem. Oh, vais gostar dele, tenho certeza. O capitão
Ahab é um grande ímpio, parece um deus. Não fala muito, mas quando fala é bom escutá-lo. É
melhor te prevenires. Ahab é fora do comum, frequentou escolas superiores e viveu entre canibais,
está acostumado a maravilhas mais impressionantes que as ondas, cravou sua brilhante lança em
inimigos mais estranhos e mais poderosos que baleias. Sua lança! Sim, a mais apurada e certeira
lança de toda nossa ilha! Oh! Ele não é nenhum capitão Bildad, e não é o capitão Peleg. ELE É
AHAB, rapaz. E no mundo antigo, rapaz, Ahab foi um rei coroado!”
“Coroado e muito vil. Quando esse rei desprezível foi morto, os cães não lamberam seu
sangue?”
“Aproxima-te de mim – mais perto, mais perto”, disse Peleg com um olhar significativo que
quase me assustou. “Ouve bem, rapaz, jamais repete isso a bordo do Pequod. Jamais repete isso em
qualquer lugar. Não foi o capitão Ahab quem escolheu seu nome. Isso foi uma excentricidade de
sua mãe doida e ignorante, que morreu quando ele estava com apenas 12 meses de idade. E em
Gayhead a velha índia Tistig disse que, de certo modo, aquele nome iria se tornar profético. Talvez
outras pessoas tão tolas quanto ela possam te dizer o mesmo. Quero te prevenir. É uma mentira.
Conheço bem o capitão Ahab; há anos naveguei com ele como seu piloto. Sei quem ele é – um bom
homem – não é um homem religioso, mas é um homem bom – parecido comigo. Só que há algo
mais, nele. Sim, sim, sei que ele nunca foi muito alegre e sei que na volta para casa esteve um
pouco fora de si, mas isso se deveu às terríveis dores que sentia no toco sangrento de sua perna
amputada, qualquer um podia ver. Também sei que depois da última viagem, quando perdeu a perna
para aquela baleia maldita, ele tem se mostrado mal-humorado – desesperado e às vezes selvagem.
Mas isso passa. De uma vez por todas rapaz, garanto que é melhor viajar com um bom capitão
mal-humorado do que com um capitão mau e risonho. Adeus – e não julga mal o capitão Ahab só
porque ele tem um nome incômodo. Além disso, rapaz, ele tem uma esposa – casou-se há menos de
três viagens – moça doce e resignada. Pensa nisso, o velho tem um filho com essa doce moça. Daí,
podes deduzir que não há qualquer malefício em Ahab. Não, não, meu rapaz. Pode estar
machucado, dilacerado, mas Ahab tem sua humanidade!”
Ao me afastar, sentime cheio de preocupações. O que me fora incidentalmente revelado
sobre o capitão Ahab fez com que eu sentisse uma vaga compaixão e angústia por ele, e de certo
modo, naquele momento, sem saber por que, eu experimentava simpatia e piedade por ele. Talvez
fosse pela cruel perda de sua perna. Ainda assim, ele provocava em mim um estranho temor que
não consigo descrever. Não era exatamente temor, não sei bem o que era. Eu o sentia, mas isso não
me afastava dele. Estava impaciente para desvendar o mistério que o cercava, do qual nada sabia.
Todavia, meus pensamentos foram levados para outras direções e pelo menos naquele momento o
misterioso Ahab desapareceu de minha mente.
17. RAMADÃ
Como o Ramadã, Jejum ou penitência de Queequeg tomaria o dia inteiro, preferi não
procurá-lo até o anoitecer, pois nutria o maior respeito pelas obrigações religiosas de todos,
independente de quão cômicas fossem e, em meu coração, não desvalorizava nem mesmo uma
colônia de formigas adorando excrementos de sapo, ou outras criaturas em certas partes de nossa
terra, que, com alto grau de servilismo, sem precedente em outros planetas, inclinam-se diante do
torso de um falecido proprietário de terra, meramente porque seus bens incomuns ainda existem e
são alugados em seu nome.
Digo que nós, bons cristãos presbiterianos, deveríamos ser caridosos com essas coisas e não
nos imaginar tão vastamente superiores aos outros mortais, pagãos ou não, por causa de seus
conceitos meio loucos sobre esses assuntos. Naquele momento, Queequeg certamente estaria se
entretendo com as noções mais absurdas sobre Yojo e seu Ramadã – e daí? Suponho que Queequeg
pense que sabe o que está fazendo. Parecia contente e eu o deixei em paz. Argumentar com ele não
adiantaria nada. Costumo dizer: o Céu tem piedade de todos nós – presbiterianos e pagãos – pois de
um modo ou de outro, todos temos a cabeça rachada e precisamos de um remendo urgente.
Ao anoitecer, quando tive certeza que todos os seus desempenhos e rituais já deviam ter
terminado fui até seu quarto e bati na porta, mas não obtive resposta. Tentei abri-la, mas estava
trancada por dentro. “Queequeg”, chamei suavemente, pelo buraco da fechadura: – Tudo silencioso.
“Queequeg, por que não respondes? Sou eu, Ismael”. Porém, tudo permaneceu tão silencioso
quanto antes. Comecei a me alarmar. Dera a ele bastante tempo. Imaginei que ele talvez tivesse
sofrido um ataque apoplético. Olhei pelo buraco da fechadura, mas a porta se abria para um canto
estranho do quarto e a exploração do buraco da fechadura foi deformada e sinistra. Só conseguia ver
parte dos pés da cama e um pedaço da parede, nada mais. Fiquei surpreso ao ver o cabo de madeira
do arpão de Queequeg encostado à parede, pois a estalajadeira o confiscara na noite anterior, antes
de subirmos ao quarto. Estranho, pensei, mas como o arpão está aí e ele nunca ou quase nunca se
separa desse obeto, ele deve estar aí dentro; não há erro possível.
“Queequeg! – Queequeg!” – Tudo quieto. Algo acontecera. Apoplexia! Tentei arrombar a
porta, mas ela resistiu teimosamente. Desci correndo pelas escadas e rapidamente expus minhas
suspeitas à primeira pessoa que encontrei – a camareira. “Ora! Ora!” Exclamou ela. “Também
acredito que tenha acontecido alguma coisa. Fui fazer a cama depois do desjejum e a porta estava
trancada; não se ouvia nem um rato; continua silencioso desde então. Pensei que os dois tivessem
saído e trancado a bagagem, por segurança. Senhora! Patroa! Senhora Hussey! Assassinato!
Apoplexia!” – e foi gritando desse modo até a cozinha, comigo atrás dela.
A senhora Hussey logo apareceu com um pote de mostarda em uma das mãos e uma galheta
de vinagre na outra, tendo interrompido o trabalho de cuidar dos galheteiros e repreender seu
criadinho negro.
“Onde é o depósito de lenha?” perguntei. “Pelo amor de Deus, vamos até lá para pegar algo
para arrombar a porta – o machado! O machado. Ele deve ter tido um ataque cardíaco, com
certeza!” – e assim dizendo, comecei a novamente subir as escadas de mãos vazias. A senhora
Hussey colocou diante de mim o pote de mostarda, a galheta de vinagre e o volume inteiro de sua
pessoa.
“O que há contigo, rapaz?”
“Vão buscar o machado! Pelo amor de Deus, corram para chamar o médico enquanto eu
arrombo a porta!”
“Olha aqui”, disse a estalajadeira, colocando de lado a galheta de vinagre para ter livre uma
das mãos. “Olha aqui! Falas em arrombar uma das minhas portas?” – e agarrou meu braço. “O que
há contigo? O que há contigo, marinheiro?”
De modo calmo, mas tão depressa quando possível, expliquei-lhe o caso todo. Batendo
inconscientemente com o vidro de vinagre em um dos lados do nariz, ela pensou por um instante e
depois exclamou. – “Não! Não o vi desde que o guardei ali”. Correndo até um pequeno armário sob
o lance de escada, ela olhou dentro dele e voltando-se me contou que o arpão de Queequeg não
estava lá. “Ele se matou”, exclamou ela. “Repete-se o caso de Stiggs e lá se vai outra colcha – Deus
tenha piedade de sua pobre mãe! Isso será a ruína de minha casa. O pobre rapaz tem uma irmã?
Onde está aquela moça? Betty, vai à casa de Snarles, o Pintor, e diga-lhe para pintar uma tabuleta
com os dizeres: ‘Proibido suicidar-se aqui e proibido fumar no salão’. Pode-se matar dois coelhos
com uma só cajadada. Matar? Que Deus tenha piedade de sua alma. Que barulho é esse? Que fazes,
rapaz?”
Correndo atrás de mim, ela me alcançou enquanto eu tentava forçar a porta.
“Não permito isso; não destruas minha casa. Vai procurar o chaveiro – existe um mais ou
menos a uma milha daqui. Mas para com isso!” Colocando a mão em seu bolso lateral, disse: “Eis
aqui uma chave que talvez sirva. Vamos ver”. Virou a chave na fechadura, mas Queequeg fechara o
ferrolho suplementar por dentro.
“É preciso arrombar a porta”, falei. Afastei-me um pouco para tomar impulso quando a
estalajadeira me agarrou, novamente jurando que não permitiria que eu destruísse sua casa, mas
desvencilhei-me dela e com um salto brusco atirei-me em cheio contra a porta.
Com um barulho prodigioso, a porta escancarou de repente e o trinco bateu na parede
fazendo com que o reboco saltasse até o teto. Céus! Queequeg estava sentado tranquilamente no
centro do quarto, calmo e tranquilo, equilibrando Yojo no topo da cabeça. Não olhava nem para um
lado nem para o outro, sentava-se como uma imagem esculpida, sem qualquer sinal de vida ativa.
“Queequeg”, falei aproximando-me ele. “O que acontece contigo?”
“Ele não passou o dia todo sentado assim, passou?” perguntou a estalajadeira.
Porém, por mais que falássemos não conseguimos arrancar dele uma única palavra. Tive
vontade de lhe dar um empurrão para obrigá-lo a mudar de posição, pois aquela parecia intolerável,
dolorosa e antinatural, sobretudo porque, de acordo com todas as probabilidades, ele ali estivera,
por cerca de oito a dez horas, sem se mexer e sem tomar suas refeições regulares.
“Senhora Hussey”, falei. “Ele está vivo, portanto deixe-nos a sós e tratarei de resolver este
assunto estranho”.
Fechando a porta atrás da estalajadeira, dediquei-me a convencer Queequeg a utilizar uma
cadeira, mas foi em vão. Continuou sentado no mesmo lugar e apesar de toda minha arte
diplomática e minhas lisonjas não se moveu nem um milímetro, não disse uma única palavra nem
deu o mais leve sinal de notar minha presença.
Disse a mim mesmo: imagino que isso seja parte de seu Ramadã. Será que jejuam sentados
sobre as coxas em sua ilha natal? Deve ser isso. Sim, deve ser parte de seu credo. Pois bem, deixe-o
estar. Mais cedo ou mais tarde ele sem dúvida se levantará. Isso não pode durar para sempre, graças
a Deus. Seu Ramadã só acontece uma vez por ano e não acredito que seja muito pontual.
Desci para jantar. Depois de ouvir durante muito tempo as longas histórias de alguns
marinheiros que acabavam de chegar de uma viagem de pudim de Natal, como a chamavam (isto é,
uma pequena viagem para pescar baleias em uma escuna ou brigue, limitada ao norte da linha,
apenas no Oceano Atlântico). Pois bem, depois de ouvir essas histórias até quase 11h subi as
escadas para ir para a cama, totalmente confiante de que naquela hora certamente Queequeg já
devia ter terminado seu Ramadã. Mas não, ali estava ele, exatamente como eu o deixara; não se
mexera nem uma polegada. Comecei a ficar aborrecido. Parecia sem sentido e insano sentar-se o dia
inteiro e metade da noite sobre as coxas, em um quarto gelado, com um pedaço de madeira sobre a
cabeça.
“Pelo amor de Deus, Queequeg, levanta-te, move-te, vai comer alguma coisa. Vais morrer
de fome; vais te matar, Queequeg”. Mas ele continuou sem responder qualquer palavra.
Desistindo dele, resolvi ir para a cama, dormir. Sem dúvida, em pouco tempo ele me
seguiria. Todavia, antes de me deita tirei minha pesada jaqueta de pele de urso e a coloquei sobre
ele, pois a noite prometia ser muito fria. Por algum tempo, por mais que tentasse, não consegui
pegar no sono. Já apagara a vela e só de pensar em Queequeg – a menos de um metro – sentado
naquela posição desconfortável, sozinho no frio e no escuro, fazia com que eu me sentisse
realmente desprezível. Pensa nisso: dormir a noite toda no mesmo quarto com um pagão totalmente
acordado, sentado sobre as coxas nesse triste, incompreensível Ramadã!
Mas de algum modo acabei por cair no sono e não soube de mais nada até o raiar do dia
quando, ao olhar por sobre a borda da cama, vi Queequeg ainda sentado como se estivesse pregado
ao chão. Contudo, assim que os primeiros raios de sol entraram pela janela ele se levantou com as
juntas duras e rangentes, mas com olhar alegre. Mancou até me alcançar, pressionou novamente sua
testa contra a minha e disse que o Ramadã terminara.
Como já mencionei anteriormente, não faço qualquer objeção à religião de uma pessoa, seja
qual for, desde que essa pessoa não mate ou insulte os outros porque não acreditam em sua crença.
Mas quando a religião de um homem torna-se realmente louca, quando é um tormento e por fim faz
desta nossa terra um local desconfortável para se viver, acho que é hora de chamar esse indivíduo
de lado e discutir o assunto com ele.
E foi exatamente isso que fiz com Queequeg. Eu lhe disse: “Queequeg, deita na cama e ouve
o que tenho a te dizer”. Continuei, começando com o surgimento e o progresso das religiões
primitivas e cheguei até as várias religiões do presente, tentando mostrar a Queequeg que todos
esses períodos de jejum, Ramadãs e temporadas de imobilidade em quartos frios e tristes eram
totalmente sem sentido, nocivos à saúde e inúteis para a alma. Em suma, opunham-se às óbvias leis
de higiene e do senso comum. Também lhe disse que sendo ele um selvagem extremamente
inteligente e sagaz fazia-me muito mal vê-lo agora tão deploravelmente imprudente com esse
ridículo Ramadã. Além disso, argumentei que o jejum faz com que o corpo enfraqueça, portanto o
espírito também enfraquece e todos os pensamentos surgidos durante um período de jejum devem,
necessariamente, ser meio famélicos. Essa a razão pela qual as religiões mais dispépticas cultivam
tais noções melancólicas sobre o outro mundo. Em uma palavra, de modo bastante digressivo disse
a Queequeg que a noção de inferno era um ideia nascida de uma torta de maçã não digerida,
perpetuada através de dispepsias hereditárias alimentadas por Ramadãs.
Então perguntei a Queequeg se ele sofria de dispepsia, expressando a ideia de modo bem
simples para que ele pudesse compreender. Ele respondeu que não, que só tivera isso em uma
ocasião memorável. Fora após uma grande festa dada por seu pai, o rei, ao ganhar uma grande
batalha na qual 50 inimigos haviam sido mortos até 2h da tarde, cozidos e devoradas naquela
mesma tarde.
“Chega, Queequeg”, disse eu, estremecendo. “Já chega”, pois eu sabia as inferências sem
que ele precisasse explicar mais nada. Eu conhecera um marinheiro que visitara sua ilha e me
contara que quando uma grande batalha era ganha ali, o costume era fazer churrasco de todos os
mortos no quintal ou no jardim do vencedor. Um a um, eram colocados em grandes travessas de
madeira, adornados como um pilaf, com fruta pão, cocos e um pouco de salsa na boca, e enviados a
todos os amigos com os cumprimentos do vencedor, como se fossem perus de Natal.
Afinal das contas, não creio que minhas observações sobre religião tenham causado grande
impressão em Queequeg, pois, em primeiro lugar, ele parecia um pouco aborrecido ao ouvir o que
eu dizia sobre esse assunto importante, pelo menos considerado de acordo com seu próprio ponto de
vista; em segundo lugar, ele não compreendeu mais que um terço do que eu lhe disse, apesar de eu
ter exposto as minhas ideias do modo mais simples possível. Sem dúvida, ele achava que sabia
muito mais que eu sobre religião. Olhava para mim com compaixão e ansiedade condescendentes,
como se achasse uma grande pena um rapaz tão inteligente estar tão enganado quanto à piedade
evangélica pagã.
Por fim levantamo-nos e nos vestimos. Queequeg tomou um desjejum tão prodigiosamente
lauto, com caldeiradas de todos os tipos, que a estalajadeira não obteve muito lucro com seu
Ramadã. Depois disso, saímos para embarcar no Pequod, caminhando com prazer e palitando os
dentes com espinhas de peixe.
18. A MARCA DE QUEEQUEG
Enquanto caminhávamos pelo cais na direção do navio, Queequeg carregando seu arpão, a
voz rouca do capitão Peleg nos saudou aos berros de sua tenda, dizendo que não suspeitara que meu
amigo fosse canibal. Além disso, anunciou que não permitia canibais a bordo daquele navio, a
menos que previamente apresentassem seus papéis.
“O que queres dizer com isso, capitão Peleg?” perguntei, saltando para o convés, deixando
meu camarada postado no cais.
“Quero dizer que ele precisa apresentar seus papéis”, replicou ele.
“Sim, precisa mostrar que se converteu”, disse o capitão Bildad em sua voz cava, esticando
a cabeça para fora da tenda, atrás de Peleg. E acrescentou, voltando-se para Queequeg: “Filho das
trevas, estás atualmente em comunhão com alguma igreja cristã?”
“Bem, ele é membro da Primeira Igreja Congregacional”, afirmei. Neste ponto, deve-se
dizer que muitos selvagens tatuados que embarcam em Nantucket acabam por se converter às
nossas religiões.
“Primeira Igreja Congregacional!” exclamou Bildad. “Ora! O culto é na capela do Diácono
Deuteronômio Coleman?” E assim dizendo, tirando os óculos, ele os poliu muito cuidadosamente
com seu grande lenço amarelo. Depois, saiu da tenda e, debruçando-se na amurada, olhou
longamente para Queequeg.
“Há quanto tempo ele é membro?” perguntou ele. E voltando-se para mim, disse: “Não
muito, não é mesmo, rapaz?”
“Não”, disse Peleg, “e também não foi batizado, ou isso teria lavado um pouco desse azul
demoníaco de seu rosto”.
“E diga-me agora se esse filisteu é membro do culto do diácono Deuteronômio. Nunca o vi
lá, e passo pela igreja todo santo dia do Senhor”, exclamou Bildad.
“Nada sei sobre o diácono Deuteronômio nem sobre seu culto”, falei. “Tudo que sei é que
ele é membro da Primeira Igreja Congregacional, e que o próprio Queequeg é diácono”.
“Rapaz”, disse Bildad com severidade, “estás zombando de mim – explicate, jovem hitita. A
que igreja te referes? Responde!”
Diante dessa insistência, repliquei: “Falo da mesma antiga Igreja Católica à qual tanto eu
como tu, o capitão Peleg e Queequeg pertencemos. Nós, e todos os que nasceram de uma mulher, a
ela pertencemos de corpo e alma. A grande e eterna Primeira Congregação deste mundo crente.
Pertencemos a essa igreja, mas alguns dentre nós apreciam certas ideias estranhas que em nada
afetam a grande crença, pois nessa igreja todos unimos nossas mãos”.
“Juntamos, queres dizer que juntamos as mãos?” exclamou Peleg, chegando mais perto.
“Jovem, farias melhor se embarcasses em um navio como missionário, não como marinheiro.
Jamais ouvi um sermão melhor. Nem o diácono Deuteronômio ou o próprio Pastor Mapple
conseguiriam vencê-lo, e este último é reconhecido por todos como alguém de grande valor. Sobe a
bordo e esquece os papéis. E diz ao Quohog – não foi assim que o chamaste? Diz a Quohog para
também subir. Pela grande âncora! Que arpão ele possui! Parece coisa boa, e ele também sabe como
empunhá-lo. Quohog, ou seja lá o nome que tenhas, alguma vez já estiveste em pé na proa de um
bote baleeiro? Já atacaste algum peixe?”
Sem dizer uma palavra, em seu modo selvagem Queequeg saltou para o convés, e de lá para
um dos barcos baleeiros pendurados na lateral do navio. Firmando o joelho esquerdo e preparando o
arpão, bradou mais ou menos o seguinte: “Capitão, vês aquela gotinha de piche, lá adiante?
Consegues ver? Bem, faz de conta que é um olho de baleia!” Mirando com cuidado, jogou o arpão
por cima da aba larga do chapéu de Bildad. Este atravessou os conveses do navio e atingiu a
brilhante gota de piche, que desapareceu.
“Agora faz de conta que era olho de baleia. De baleia morta”, disse Queequeg.
“Rápido, Bildad”, disse Peleg que retrocedera para o camarote no passadiço, apavorado com
a proximidade do arpão voador. “Anda depressa, Bildad, e traz os papéis do navio. Precisamos do
Hedgehog aqui, isto é, precisamos do Quohog em um de nossos botes. Eu te amo, Quohog e vamos
te dar uma quota de 90 avos. Nenhum arpoador ganhou isso em Nantucket”.
Então descemos até o camarote e, para minha grande alegria, Queequeg logo foi incorporado
à tripulação do navio, à qual eu já pertencia.
Terminadas as preliminares, tendo Peleg aprontado tudo para receber as assinaturas, ele
voltou-se para mim e disse: “Creio que Quohog não sabe escrever, sabe? Com os diabos Quohog,
sabes assinar teu nome ou colocar tua marca?”
Diante dessa questão, Queequeg, que já tomara parte em duas ou três cerimônias
semelhantes, não pareceu nada perturbado e tomando da pena copiou no lugar apropriado uma
figura arredondada e esquisita tatuada em seu braço. Desse modo, devido ao obstinado engano do
capitão Peleg quanto ao seu nome, a marca era mais ou menos assim: QHOHOG, SUA MARCA
Enquanto isso, sentado com toda gravidade, o capitão Bildad olhava firmemente para Queequeg.
Finalmente levantou-se solenemente e remexendo nos enormes bolsos de seu casacão desmazelado
retirou deles um maço de folhetos. Escolheu um, intitulado “O Dia do Juízo Final se Aproxima,
Não Há Tempo a Perder”, e o colocou nas mãos de Queequeg. Em seguida, agarrando-as
juntamente com o livro, olhou diretamente para os seus olhos e disse: “Filho das trevas, tenho que
cumprir meu dever para contigo; sou coproprietário deste navio e preocupo-me com as almas dos
meus tripulantes. Se ainda estás apegado aos costumes pagãos, como tristemente acredito, rogo não
continuares por mais tempo como escravo de Belial. Abandona o ídolo Baal e o dragão odioso,
afasta-te da cólera que certamente virá. Cuidado! Oh, pela graça divina! Afasta-te do poço
infernal!”
Algo do sal marinho ficara no linguajar do velho Bildad, mesclado de modo heterogêneo a
frases das Escrituras e a frases triviais.
“Basta! Basta Bildad, chega de estragar nosso novo arpoador” disse Peleg. “Arpoadores
muito religiosos não são bons marinheiros – é preciso que tenham dentro de si algo de tubarão ou
não valem uma palha. Lembra-te do jovem Nat Swaine, um dos mais corajosos tripulantes de barco
de toda Nantucket e Vineyard. Depois que começou a frequentar os cultos nunca mais foi o mesmo.
Ficou com tanto medo de perder sua maldita alma que se encolhia e fugia das baleias, temendo uma
surpresa no caso do bote despedaçar e ele ir para a casa do diabo”.
«Peleg! Peleg!» disse Bildad levantando os olhos e as mãos, “como eu, conheceste muitos
perigos. Sabes o que é temer a morte. Como podes falar de modo tão ímpio, Peleg? Renegas teu
próprio coração. Dize-me, não pensaste na morte e no julgamento final quando este mesmo Pequod
que aqui está teve seus três mastros partidos naquele furacão, no Japão, naquela viagem em que tu
foste piloto do capitão Ahab?”
“Ouvi-o, ouvi-o agora”, exclamou Peleg, caminhando através do camarote e enfiando bem
fundo as mãos nos bolsos. “Ouvi-o, todos vós. Pensai nisso! Exatamente quando pensávamos que o
navio afundaria a qualquer momento? Morte e julgamento final naquela ocasião? Quê? Com os três
mastros quebrados fazendo um ruído interminável contra a amurada e o mar inteiro caindo sobre
nós, da proa até a popa? Pensar na morte, naquele momento? Eu e o capitão Ahab só pensávamos
na vida e em como salvar toda tripulação – em como improvisar outros mastros e em como chegar
ao porto mais próximo. Era nisso que pensávamos!”
Bildad não falou mais nada. Abotoando seu casacão, caminhou com arrogância pelo convés,
para onde o seguimos. Ali ficou ele, muito quieto, observando alguns veleiros onde os marinheiros
se ocupavam remendando as velas. De vez em quando um deles se inclinava para apanhar um
retalho ou guardar um pedaço de fio alcatroado, que de outro modo seria desperdiçado.
19. O PROFETA
“Companheiros marinheiros, já navegastes neste navio?”
Queequeg e eu acabáramos de deixar o Pequod e estávamos passeando longe da água, cada
qual ocupado com seus próprios pensamentos, quando as palavras acima nos foram dirigidas por
um estranho que, parando diante de nós, apontou o maciço dedo indicador para o navio em questão.
Ele se vestia miseravelmente com uma jaqueta desbotada, calças remendadas e um lenço que
parecia um trapo negro em torno do pescoço. As cicatrizes de varíola marcavam-lhe o rosto em
todas as direções e deixavam-no parecido com uma complicada rede de sulcos deixados por uma
torrente de água e depois secos.
“Já navegastes nele?” repetiu ele.
“Suponho que estejas falando do Pequod”, falei, tentando ganhar um pouco mais de tempo
para observá-lo melhor.
“Sim, o Pequod – aquele navio ali”, disse ele abaixando o braço todo para depois esticá-lo
rapidamente como uma baioneta, o dedo apontado diretamente para o objeto.
“Sim, acabamos de assinar os documentos”, respondi
“Havia algo neles sobre vossas almas?”
“Sobre o quê?”
“Oh, talvez nem tenhais alma”, disse ele rapidamente. “Mas não importa, conheço muitos
sujeitos que não a têm – sorte deles. Melhor assim. A alma é uma espécie de quinta roda em um
vagão”.
“Do que estás falando, companheiro?”, perguntei.
“Porém, ELE tem o suficiente para compensar todas as deficiências desse tipo em outras
pessoas”, disse abruptamente o estranho, colocando uma ênfase estranha sobre a palavra ‘ELE’.
“Queequeg, vamos embora. Esse sujeito fugiu de algum asilo de lunáticos. Está falando de
alguém que não conheço”.
“Para!” Exclamou o estranho. “O que disse é verdade – ainda não vistes o Velho Trovão,
vistes?”
“Quem é o Velho Trovão?” indaguei, novamente espantado com a insana seriedade de suas
maneiras.
“O capitão Ahab”.
“O capitão do nosso navio, o Pequod?”
“Sim. Entre nós, velhos marinheiros, ele é conhecido por esse nome. Vós não o vistes ainda,
vistes?”
“Não, não vimos. Dizem que está doente, mas melhorando, que ficará bom em pouco
tempo”.
“Bom em pouco tempo!” disse o estranho, rindo com uma solenidade sarcástica. “Pois eu
vos digo que quando o Capitão Ahab ficar bom meu braço esquerdo também estará; não antes
disso”.
“O que sabes sobre ele?”
“O que te contaram sobre ele? Responde!”
“Não falaram muito sobre ele, apenas ouvi que ele é um bom caçador de baleias e um bom
capitão para sua tripulação”.
“Isso é verdade, isso é verdade – sim, as duas afirmações são verídicas. Mas quando ele dá
uma ordem é preciso saltar, correr e grunhir; grunhir e sair correndo – é assim que tem de ser com o
capitão Ahab. No entanto, não te disseram nada sobre o que lhe aconteceu no Cabo Horn há muito
tempo, quando ele permaneceu como morto por três dias e três noites? Nada sobre aquela luta
mortal com os espanhóis, diante do altar, em Santa? Nada sobre a cabaça de prata na qual ele
cuspiu? E nada sobre como ele perdeu a perna em sua última viagem, cumprindo a profecia? Não
ouviste nem uma palavra sobre esses e outros assuntos? Não. Não creio que tenhas ouvido; como
poderias? Quem sabe? Não em Nantucket, creio eu. Porém, talvez tenhas ouvido contar como ele
perdeu a perna. Sim, sim, ouso dizer que ouviste comentários sobre isso, Sim, ISSO quase todo
mundo sabe – quer dizer, todos sabem que ele só tem uma perna e que um cachalote levou a outra”.
“Meu amigo, não sei o que significa todo esse falatório e pouco me importa, pois me parece
que não estás muito bom da cabeça. Mas se falas do capitão Ahab, do navio Pequod, então vou
contar o que sei sobre a perda da sua perna”, disse eu.
“Sabes TUDO sobre esse assunto – estás certo disso?”
“Absolutamente certo”.
O estranho com aparência de mendigo parou um pouco, com o dedo e os olhos erguidos para
o Pequod, como em um sonho inquieto. Então, com um pequeno sobressalto, voltou-se e disse: –
“Estais para embarcar, não é? Vossos nomes já estão nos papéis. Bem, bem, o que está assinado,
está assinado, e o que tiver que acontecer, acontecerá. Mas afinal das contas talvez não aconteça. De
qualquer modo, já está tudo fixado e preparado. Suponho que alguns marinheiros precisem ir com
ele, sejam estes, sejam outros. Que Deus tenha piedade deles! Bom dia marinheiros, bom dia. Que
os inefáveis Céus vos abençoem. Peço perdão por vos ter detido”.
“Olha aqui, amigo. Se tiveres algo importante para nos contar, fala logo; mas se estás apenas
tentando nos confundir, enganaste em teu jogo. Isso é tudo o que tenho a dizer”, falei.
“Muito bem dito. Gosto de ouvir um sujeito falar assim. És o homem certo – ele gosta de
gente assim. Bom dia marinheiros, bom dia. Oh! Quando chegardes lá, dizei-lhe que resolvi não
fazer parte da tripulação”.
“Ah, caro amigo, não podes nos enganar desse modo – não consegues nos enganar. A coisa
mais fácil do mundo é um homem fingir que guarda um grande segredo”.
“Bom dia marinheiros, bom dia”.
“Pois bem, bom dia”, disse eu. “Vamos Queequeg, deixemos este doido. Mas espera. Qual o
teu nome, por favor?”
“Elias”.
Elias! Enquanto seguíamos comentávamos sobre aquele velho marinheiro maltrapilho, mas
concordávamos que ele não passava de um vagabundo tentando ser um bicho-papão. Porém, não
tínhamos caminhado mais de 100 jardas quando olhei para trás ao virar uma esquina e vi que Elias
nos seguia à distância. De certo modo, a visão me abalou, mas eu não disse nada a Queequeg.
Continuei a andar com meu companheiro, ansioso para ver se o estranho iria virar na mesma
esquina em que havíamos virado. Ele nos acompanhou e então me pareceu que ele nos seguia como
um cão, mas eu não conseguia compreender com que finalidade. Essa circunstância, somada ao seu
palavreado ambíguo, meio revelador, meio encoberto, produzia em mim todo o tipo de suposições
vagas e leves apreensões ligadas ao Pequod, ao capitão Ahab, à perna que ele perdera, ao ataque no
Cabo Horn, à cabaça de prata, ao que o capitão Peleg falara deles quando eu deixava o navio no dia
anterior, à predição de da índia Tistig, à viagem que havíamos nos comprometido a fazer e a
centenas de outras coisas imprecisas.
Resolvi satisfazer meu desejo de saber se aquele maltrapilho Elias estava ou não nos
seguindo e, com esse intento, atravessei a rua com Queequeg e voltamos sobre nossos passos. Mas
Elias passou por nós parecendo não nos notar. Isso me tranquilizou e, em meu coração, finalmente
decidi que ele não passava de um trapaceiro.
20. GRANDE EMOÇÃO
Passaram-se uns dois dias e houve grande atividade a bordo do Pequod. Não só
remendávamos as antigas velas, mas também recebíamos outras novas, além de peças de lona e
rolos de cordame. Em resumo, tudo demonstrava que os preparativos do navio logo chegariam ao
fim. O capitão Peleg raramente, ou nunca, descia ao porto, mas sentava-se em sua tenda mantendo o
olhar atento sobre todos os marinheiros. Bildad fazia todas as compras e tratava do fornecimento
nas lojas, e os homens empregados no porão e nos cordames trabalhavam até bem após o anoitecer.
Um dia depois de Queequeg assinar os documentos todas as estalagens onde se hospedavam
os tripulantes receberam um aviso para embarcar suas arcas antes do cair da noite, pois o navio
zarparia a qualquer momento. Portanto, eu e Queequeg juntamos nossa bagagem, mas resolvemos
dormir em terra até o último instante. Parece que sempre avisavam com muita antecedência, porque
o navio levou vários dias para zarpar. Não era de se admirar, pois ainda havia muito a ser feito antes
de o Pequod ficar totalmente equipado.
Todos sabem que existe uma multidão de coisas – camas, caçarolas, facas e garfos, pás e
pinças, guardanapos, quebra-nozes e muitos outros objetos – indispensáveis ao cuidado de uma
casa. O mesmo acontece com a caça à baleia, que necessita de provisões para os três anos em que o
navio permanecerá no vasto oceano, afastado de todos os merceeiros, verdureiros, médicos,
padeiros e banqueiros. Apesar de isso também acontecer com os navios mercantes, jamais chega
perto do que acontece nos baleeiros. Além da grande duração de uma viagem de caça à baleia, dos
numerosos artigos necessários ao prosseguimento da pesca e da impossibilidade de substituí-los nos
remotos portos que geralmente frequentam, devemos nos lembrar de que, dentre todos os navios, os
baleeiros são os mais expostos a acidentes de todos os tipos, sobretudo à destruição e perda das
mesmas coisas das quais depende o sucesso da viagem. Essa a razão dos botes de reserva, dos
mastros de reserva, dos cabos e arpões de reserva, de quase todos os objetos de reserva, exceto de
um capitão de reserva e de uma duplicada do próprio navio.
Na época de nossa chegada à ilha, o grosso do fornecimento do Pequod já fora quase
completado e compreendia carne, pão, água, combustível, argolas de ferro e aduelas. Contudo,
como já mencionamos antes, por algum tempo houve um contínuo carregar de coisas distintas, tanto
grandes quanto pequenas.
Entre os que supervisionavam esse carregamento, a principal figura era a irmã de Bildad,
uma velha senhora magra, de espírito determinado e incansável, mas de coração afável, que parecia
convencida de que se dependesse dela nada faltaria ao Pequod quando este se pusesse ao mar. Subia
a bordo com um vidro de picles para a despensa do comissário, depois levava um punhado de penas
para a mesa de trabalho do primeiro piloto, na terceira vez carregava um rolo de flanela para as
costas reumáticas de alguém. Nenhuma mulher usou seu nome, Caridade, com tal merecimento –
todos a chamavam de tia Caridade. E como uma irmã de caridade, essa caridosa tia caminhava de
um lado para o outro, com a mão e o coração prontos para oferecer segurança, conforto e consolo
todos os tripulantes do navio do qual seu amado irmão possuía uma parte e no qual ela própria
empregara alguns bem economizados dólares.
Era espantoso ver essa excelente quacre subindo a bordo, como fizera no dia anterior, com
uma grande concha de sopa em uma das mãos e um arpão ainda maior na outra. Mas Bildad e o
capitão Peleg não ficavam atrás. Bildad carregava com ele uma longa lista de artigos necessários e a
cada nova entrega ia até seu camarote para anotar a existência desse artigo em um papel. De vez em
quando Peleg saía de seu reduto de osso de baleia para rezingar com os homens que trabalhavam no
porão, resmungar com os trabalhavam nas gáveas e terminava por levar seus resmungos de volta
para sua tenda.
Nesses dias de preparação, Queequeg e eu visitávamos o navio com frequência e sempre
perguntávamos sobre o capitão Ahab, desejando saber como ele estava e quando apareceria em seu
navio. Respondiam a essas questões dizendo que ele melhorava a cada dia e era esperado a bordo a
qualquer momento. Enquanto isso, os dois capitães, Peleg e Bildad, podiam cuidar de todo o
necessário para aparelhar o navio para a viagem. Se fosse totalmente honesto comigo mesmo,
compreenderia que eu não estava nada satisfeito por ter me comprometido a fazer viagem tão longa
sem pôr os olhos no homem que seria o ditador absoluto do navio, assim que este alcançasse o mar
aberto. Mas quando um homem suspeita de que há algo errado, certas vezes acontece já estar tão
envolvido no assunto que luta para esconder suas suspeitas até de si mesmo. E era isso que
acontecia comigo. Eu não dizia nada e tentava não pensar em nada.
Por fim, transpirou que era certo o navio zarpar no dia seguinte. Então eu e Queequeg nos
preparamos para acordar bem cedo.
21. O EMBARQUE
Eram quase 6h00. A aurora estava cinzenta, imperfeita e nublada quando nos aproximamos
do cais.
“Se vejo bem, há alguns marinheiros correndo adiante de nós”, falei a Queequeg. “Não
podem ser sombras. Acho que o navio vai zarpar ao nascer do sol. Vamos”.
“Parem!” gritou uma voz cujo dono vinha disparado atrás de nós. Ele colocou as duas mãos
em nossos ombros e, interpondo-se entre nós, inclinou um pouco o corpo para frente na luz incerta,
olhando de modo estranho de Queequeg para mim. Era Elias.
“Ides embarcar?”
“Tira as mãos de nós, por favor,”, falei.
“Olha!”, disse Queequeg, sacudindo-se. “Vai embora!”
“Então, ides embarcar?”
“Sim, vamos, Mas o que tens com isso? Não te achas que um pouco importuno, senhor
Elias?” perguntei.
“Não, não, não. Não achei que importunava”, disse Elias devagar e com expressão estranha,
olhando alternadamente para Queequeg e para mim.
“Elias”, falei. Se te afastasses seria um grande favor para mim e para o meu amigo. “Vamos
para os oceanos Índico e Pacífico e preferiríamos que não nos detivesses”.
“Voltareis antes do desjejum?”
“Ele está doido, Queequeg. Vamos”, disse eu.
“Adeus”, disse Elias que ficara parado, saudando-nos depois de darmos alguns passos.
“Não te importes com ele. Vamos Queequeg”, disse eu.
Porém, ele novamente se aproximou e colocando subitamente a mão no meu ombro falou: –
“Há pouco viste algo parecido com homens dirigindo-se para aquele navio?”
Espantado com a pergunta prática, respondi: “Sim, creio que vi quatro ou cinco homens,
mas estava escuro demais para ter certeza”.
“Muito escuro, muito escuro”, repetiu Elias. “Bom dia para ambos”.
Afastamo-nos mais uma vez, porém ele novamente se aproximou de nós sorrateiramente, e
tocando no meu ombro recomendou: “Vê se consegues encontrá-los, sim?”
“Encontrar quem?”
“Bom dia para ambos” repetiu ele afastando-se outra vez. “Oh! Eu ia alertá-los, mas não
importa, não importa – É tudo a mesma coisa e também estão em família. Esta manhã está muito
fria, não é mesmo? Adeus. Acho que não vos encontrarei tão cedo, a menos que isso aconteça
diante do Grande Júri”. E com essas palavras truncadas finalmente foi embora, deixando-me
confuso com seu atrevimento de louco.
Por fim, subindo a bordo do Pequod encontramos tudo na mais profunda quietude. Nem uma
alma se movia. A porta do camarote estava trancada por dentro, escotilhas bem acertadas e
abarrotadas de rolos de cordame. Chegando ao castelo de proa vimos uma vigia aberta. Percebendo
uma luz, descemos e encontramos apenas um velho armador envolto em um casaco surrado.
Encontrava-se estendido sobre duas arcas com o rosto voltado para baixo, oculto pelos braços
dobrados. Dormia a sono solto.
“Para onde foram aqueles marinheiros que nós vimos, Queequeg?” perguntei, olhando com
desconfiança para o dorminhoco. Queequeg não demonstrara ver nada no cais e não fosse a
pergunta de Elias, de outro modo inexplicável, eu julgaria ter sofrido uma espécie de ilusão de
ótica. Contudo, esqueci o assunto. Reparando outra vez no dorminhoco, disse brincando a
Queequeg que talvez fosse melhor nos sentarmos naquele corpo e sugeri que ele ficasse à vontade.
Ele colocou a mãos sobre o traseiro do homem, apalpou-o para ver se era suficientemente macio e
em seguida sentou-se tranquilamente sobre ele.
“Santo Deus, Queequeg! Não senta aí!” exclamei.
“Oh! Assento muito bom”, disse Queequeg”. Costume do meu povo, não estraga rosto”.
“Rosto! Tu chamas isso de rosto? És muito benevolente. Mas vê como respira com
dificuldade. Ele sente teu peso. Levanta Queequeg, és pesado e estás amassando o ‘rosto’ do pobre
coitado. Levanta Queequeg! Olha que ele vai te dar um safanão. Não sei como ainda não acordou”.
Queequeg então se transferiu para perto da cabeça do dorminhoco e acendeu o cachimbo. Eu
me sentei perto dos pés. Assim ficamos, passando de um para o outro o cachimbo por cima do
dorminhoco. Enquanto isso, depois de questioná-lo, com seu modo fragmentado de falar Queequeg
fez-me compreender que, devido à ausência de cadeiras e sofás, o rei, os chefes e as pessoas
importantes tinham o costume de fazer engordar os servos para lhes servirem de assento e para
“mobiliar” a casa confortavelmente. Só precisavam comprar oito ou dez preguiçosos e espalhá-los
pelas salas e alcovas. Além disso, eram muito cômodos nas excursões. Muito melhores que essas
cadeiras de jardim que podem ser convertidas em bengalas. Muitas vezes, quando um chefe
desejava sentar-se sob uma árvore mandava vir seu servo, talvez porque o local estivesse úmido ou
fosse pantanoso.
Enquanto narrava essas coisas, cada vez que Queequeg recebia de mim o cachimbo, usava o
lado da boquilha para fazer alguns floreios sobre a cabeça do homem adormecido.
“Para que fazes isso, Queequeg?”
“Mais fácil matar. Oh! Muito mais fácil!”
Quando fomos atraídos pelo armador adormecido ele ainda possuía algumas lembranças
selvagens de seu cachimbo-tacape, o qual, pelo visto, tivera a dupla utilidade de partir a cabeça dos
inimigos e acalmar sua alma. A forte fumaça agora preenchia completamente a estreita cavidade e
começou a causar algum incômodo ao dorminhoco que respirava com um som abafado. Em
seguida, o nariz pareceu incomodá-lo e ele se virou uma ou duas vezes, depois sentou e esfregou os
olhos.
“Olá!” Disse ele por fim. “Quem sois vós, fumantes?”
“Pertencemos à tripulação”, respondi. “Quando o navio vai zarpar?”
“Sim, sim, sois parte da tripulação, não é? O navio zarpa hoje. O capitão subiu a bordo na
noite passada”.
“Que capitão – Ahab?”
“Certamente, quem mais?”
Eu ia fazer outras perguntas sobre Ahab quando ouvi um barulho no convés.
“Olá! Starbuck já se levantou”, disse o armador. “É um primeiro piloto vigoroso; homem
bom e piedoso. Mas preciso me levantar e voltar ao trabalho”. Assim dizendo, dirigiu-se ao convés.
Nós o seguimos.
Já era dia claro. Em grupos de dois ou três, logo a tripulação começou a subir para bordo. Os
armadores se apressavam, os pilotos se ocupavam ativamente e no cais várias pessoas carregavam
os últimos itens que deviam ser embarcados. Nesse meio tempo, o capitão Ahab permanecia
invisível, encerrado em seu camarote como uma relíquia sagrada.
22. FELIZ NATAL
Finalmente, por volta do meio-dia, depois que os armadores terminaram o trabalho, após o
Pequod ser rebocado para fora do embarcadouro e de a sempre incansável Caridade ser conduzida
por um bote-baleeiro com seus últimos presentes – um gorro para dormir para Stubb, para o
segundo piloto e para seu cunhado, e uma Bíblia de reserva para o comissário – os dois capitães,
Peleg e Bildad, saíram do camarote. Voltando-se para o primeiro piloto, Peleg disse: “Senhor
Starbuck, tens certeza de que está tudo em ordem? O capitão Ahab está pronto – acabei de falar
com ele – não falta trazer mais nada do porto? Muito bem. Então, chama todos os marinheiros e
reúne-os aqui – malditos sejam!”
“Não há necessidade de praguejar, não importa a pressa, Peleg”, disse Bildad. “Mas
apressa-te, amigo Starbuck, cumpre teu dever”.
Já estávamos prestes a iniciar a viagem, mas o capitão Peleg e o capitão Bildad continuavam
a imperar na ponte de comando como se no mar fossem dividir entre eles a função de comandante,
como faziam no porto. Quanto ao capitão Ahab, nem sinal dele; sabia-se apenas que permanecia em
seu camarote. Podia-se crer que sua presença não era absolutamente necessária para carregar o
navio e levá-lo para o mar. Na verdade, esse não era propriamente seu trabalho e sim do piloto, e
como ainda não se recuperara por completo – pelo menos, era o que se comentava – o capitão Ahab
conservava-se lá embaixo. Tudo isso me parecia bastante natural, sobretudo porque na marinha
mercante muitos comandantes só aparecem no convés depois de decorrido um tempo considerável
após o levantamento da âncora. Eles permanecem diante da mesa de seus camarotes, despedindo-se
com amabilidade de seus amigos de terra antes de deixarem permanentemente o navio com o piloto.
Mas não havia muito tempo para refletir sobre esse assunto, pois o capitão Peleg agora
estava em plena atividade. Parecia que era ele o encarregado de dar as ordens e do comando, não
Bildad.
“Para a popa, filhos de uma mãe solteira!” Gritava ele para os marinheiros que se
encontravam no mastro real. “Senhor Starbuck, mande-os para a popa”.
“Retirar a tenda!” foi a ordem seguinte. Como imaginei, aquela tenda de ossos de baleia só
era erguida no porto. A bordo do Pequod, há 30 anos era bem conhecida a ordem de retirar a tenda,
anunciada logo após a de levantar a âncora.
“Homens, ao cabrestante! Sangue e trovão! – Rápido!” – foi a ordem seguinte, e a tripulação
pulou para a barra do cabrestante.
Em geral, quando o navio zarpa o piloto se coloca na proa. Devemos dizer que havia a
suspeita de que Bildad, que como Peleg e outros oficiais era piloto licenciado no porto – tornara-se
prático para economizar a taxa do prático de Nantucket quando se tratava de um de seus navios,
pois ele jamais fora visto pilotando outras embarcações. Bildad agora podia ser visto debruçado
sobre a amurada, observando a âncora que se aproximava; a intervalos, cantava algo parecido uma
estrofe lúgubre de um salmo para animar os marinheiros que manejavam o guindaste cantando
estrepitosamente e com alegria sincera um coro sobre as garotas de Booble Alley. Entretanto, há
menos de três dias Bildad lhes dissera que não seriam permitidos cantos profanos no Pequod,
principalmente quando estivessem levantando as velas. Além disso, Caridade, sua irmã, colocara
uma pequena cópia de Watts na maca de cada um dos marinheiros.
Nesse meio tempo, ao cuidar da outra parte do navio o capitão Peleg praguejava e
blasfemava de modo terrível. Quase acreditei que ele iria afundar o navio antes de a âncora ser
recolhida. Involuntariamente, interrompi meu trabalho na barra do cabrestante e recomendei a
Queequeg que fizesse o mesmo, pensando nos perigos que corríamos iniciando a viagem com tal
demônio como piloto. Contudo, confortava-me o pensamento de que, apesar de seus 777 avos de
quota, o piedoso Bildad poderia encontrar alguma salvação quando senti um súbito cutucão no
traseiro e, virando para trás, fiquei horrorizado ao ver o capitão Peleg no ato de retirar sua perna das
imediações da minha pessoa. Aquele foi o primeiro chute que recebi.
“É assim que se comportam os marinheiros no serviço da marinha mercante?” rugiu ele.
“Move-te, cabeça de bagre, vai trabalhar até quebrares o espinhaço! Por que não vos mexeis, todos
vós? Anda, Quohog! Tu, camarada de bigodes vermelhos, move-te também! E tu com o gorro
escocês, e tu de calças verdes, movei-vos todos! Vamos, arrancai os olhos da cara!” E assim
dizendo, caminhava pelo convés usando liberalmente a perna aqui e ali enquanto o imperturbável
Bildad continuava a cantar os seus Salmos. Creio que o capitão Peleg bebera um pouco naquele dia.
Finalmente a âncora acabou de ser levantada, desfraldaram-se as velas e deslizamos pelo
mar. Era um Natal áspero e frio e enquanto o curto dia nórdico mesclava-se à noite quase nos
encontramos em pleno oceano invernal, cujos salpicos gelados nos envolviam como uma armadura
polida. A longa fileira de dentes encastoados na amurada brilhava ao luar, e como brancas presas de
marfim de algum imenso elefante, enormes massas de gelo pendiam da popa.
Como piloto, o esguio Bildad se encarregou da primeira guarda. A velha embarcação
mergulhava nos verdes mares fazendo com que os salpicos gelados a invadissem, enquanto os
ventos rugiam e o cordame gemia, porém podia-se ouvir sua voz firme a cantar: “Doces campos
além da crescente inundação
Erguem-se vestidos de fulgurante verde,
Como perante os judeus erigiu-se a velha Canaã,
Enquanto deles os separava o Jordão”.
Nunca essas brandas palavras soaram tão doces aos meus ouvidos quanto naquele momento.
Eram carregadas de esperança e júbilo. Não obstante aquele frígido inverno no tempestuoso
Atlântico, apesar de meus pés molhados e de meu casaco encharcado, pareceu-me que ainda haveria
um agradável refúgio à nossa espera, e campinas e clareiras na selva, tão eternamente primaveris
que a relva nascida na primavera permaneceria não pisada pelo homem e viçosa até o meio do
verão.
Finalmente alcançamos o alto mar, de modo que os dois práticos já não eram necessários. O
vigoroso veleiro que nos acompanhara começou a rodear o navio.
Foi curioso e nada desagradável ver como Peleg e Bildad foram afetados por esse momento,
sobretudo o capitão Bildad. Era-lhe muito difícil deixar o navio que empreenderia viagem tão longa
– para além dos dois tempestuosos Cabos; um navio no qual empregara alguns milhares de dólares
ganhos com tanta dificuldade; um navio cujo capitão era um velho companheiro, um homem quase
da sua idade que uma vez mais enfrentaria todos os terrores das cruéis mandíbulas; custava-lhe
despedir-se de algo que continha tudo que lhe interessava, em todos os sentidos – o pobre velho
Bildad tentava permanecer por mais tempo; andava de lá para cá no convés, ia ao camarote para
dizer mais uma palavra de despedida, voltava ao convés e olhava para o lado do barlavento: olhava
para o imenso, infindável oceano limitado apenas pelos invisíveis continentes orientais; olhava na
direção da terra, olhava para o alto, olhava para tudo e para nada, e por fim, enrolando
mecanicamente um cabo em seu mancal, agarrou convulsivamente a mão do robusto Peleg e,
erguendo uma lanterna, ficou por um momento fitando heroicamente seu rosto, como que dizendo:
“Apesar de tudo, amigo Peleg, consigo suportar isso. Consigo”.
Quanto a Peleg, aceitava o fato mais filosoficamente, mas apesar de toda sua filosofia,
quando uma lanterna se aproximou dele, viu-se que uma lágrima brilhava em seus olhos. Ele
também correra do convés para o camarote – ora para dizer uma palavra lá embaixo, ora para trocar
uma palavra com Starbuck, o primeiro piloto.
Porém, finalmente voltou-se para seu companheiro com uma espécie de finalidade no olhar
e disse: “Capitão Bildad, vamos velho companheiro, precisamos ir. Ali, atrás da verga maior! Olá,
gente do bote! Prontos para encostar! Agora! Cuidado, cuidado! – Vamos, Bildad, despede-te pela
última vez. Boa sorte, Starbuck! – Boa sorte, senhor Stubb! Boa sorte, senhor Flask – Adeus e boa
sorte a todos – Daqui a três anos, em um dia igual a este, estaremos à vossa espera com uma ceia
fumegante, na velha Nantucket. Viva e vamos embora!”
“Deus vos abençoe e vos guarde, homens”, murmurou o velho Bildad de modo quase
desconexo. “Espero que encontreis sempre ótimo tempo para que o capitão Ahab possa caminhar
entre vós – tudo que ele precisa é de um bom sol, e é o que tereis com abundância nessa viagem aos
trópicos. Cuidado na caçada, marinheiros. Não despedaceis os botes sem necessidade, arpoadores.
O preço das tábuas de cedro branco subiu três por cento no ano passado. Não vos esqueçais das
vossas orações. Senhor Starbuck, cuida para que o tanoeiro não desperdice as aduelas de reserva.
Oh! As agulhas para as velas estão no armário verde! Não caceis muitas baleias nos dias dedicados
ao Senhor mas também não desperdiceis uma boa oportunidade, pois estaríeis rejeitando as boas
dádivas dos Céus. Cuidado com os potes de melado, senhor Stubb, acho que estavam vazando um
pouco. Senhor Flask, se chegarem a alguma ilha, cuidado com a fornicação. Adeus, adeus! Senhor
Starbuck, não mantenhas os queijos no porão por muito tempo ou estragarão. Cuidado com a
manteiga – custou 20 centavos a libra, e cuidado com...”
”Vamos, vamos, capitão Bildad. Chega de palavrório. Basta!” Peleg o empurrou para o
costado e os dois desceram para o bote.
Navio e bote separaram-se. A fria e úmida brisa noturna soprou entre eles. Uma gaivota os
sobrevoou gritando. Os dois cascos giraram selvagemente. Demos três vivas de todo o coração e,
como o destino, mergulhamos cegamente no Atlântico solitário.
23. A COSTA DE SOTAVENTO
Há alguns anos, falou-se a respeito de certo Bulkington, marinheiro alto, recém
desembarcado, hospedado em uma estalagem de Nova Bedford.
Naquela gelada noite de inverno, quando o Pequod lançou sua vingativa proa contra as
ondas frias e maliciosas, quem vi ao leme senão Bulkington?! Olhei com simpatia, respeito e temor
para o homem que em pleno inverno desembarcara após uma perigosa viagem de quatro anos e,
sem descanso algum, tivera coragem de iniciar outro empreendimento tempestuoso. A terra parecia
queimar sob seus pés. As coisas mais maravilhosas nunca são mencionadas; memórias profundas
não geram epitáfios; estas seis polegadas são o túmulo sem lápide de Bulkington. Deixe-me apenas
dizer que com ele acontecia o mesmo que com o navio batido pela tempestade, que miseravelmente
se aproxima da costa localizada a sotavento. De bom grado, o porto ofereceria socorro. O porto é
benévolo, nele há segurança, conforto, lareira, alimento, lençóis quentes, amigos, tudo que é caro à
nossa mortalidade. Porém, na tempestade, o porto e a terra são os piores inimigos do navio e ele
deve fugir de toda hospitalidade. Mesmo que o contato com a quilha seja levíssimo, qualquer toque
de terra o faria tremer da proa até a popa. Com todo seu poder, ele enfuna todas as suas velas para
sair do porto, e ao fazê-lo luta contra os ventos que de bom grado o levariam para terra e busca
novamente o mar fustigante, longe da terra. Corre ao encontro do perigo para encontrar refúgio. Seu
único amigo é o seu mais amargo inimigo!
Sabes agora, Bulkington? Vês agora essa verdade mortalmente intolerável – que todo
pensamento profundo e sério não é mais que o intrépido esforço da alma para manter total
independência no mar, enquanto os mais ferozes ventos dos céus e da terra conspiram para
arremessá-lo à praia ardilosa e dominadora?
Contudo, como é apenas fora da terra que reside a mais alta verdade, ilimitada e indefinida
como Deus – melhor é perecer nesse infinito uivante que ser ingloriamente encalhado a sotavento,
mesmo que ali esteja a segurança! Pois, oh, então seríamos como vermes que se arrastam
covardemente para a terra! Terrores do aterrorizante! É tão vã essa agonia? Coragem! Animate, oh
Bulkington! Mostra-te implacável, semideus! Sobre a espuma de teu oceano ameaçador, levanta,
transporta tua apoteose!
24. O ADVOGADO
Neste momento Queequeg e eu estamos suficientemente embarcados neste negócio de caça à
baleia e como de certo modo entre as pessoas de terra esse assunto passou a ser visto como uma
perseguição prosaica e de má reputação, estou ansioso para vos convencer, senhores terrestres, da
injustiça que cometeis contra nós, caçadores de baleias.
Em primeiro lugar, parece quase supérfluo determinar o fato de que entre as pessoas em
geral o negócio da caça à baleia não é considerado do mesmo nível que as profissões chamadas
liberais. Se um estranho fosse introduzido na heterogênea sociedade metropolitana, apresentado
como arpoador, esse fato pouco o recomendaria para que se formasse uma boa opinião sobre seus
méritos, mas se, imitando os oficiais da marinha, ele acrescentasse as iniciais P.B.C. (Pesca à Baleia
Cachalote) ao seu cartão de visita, tal procedimento seria considerado eminentemente pretensioso e
ridículo.
Sem dúvida, uma das principais razões da recusa do mundo em honrar os baleeiros é a
seguinte: na melhor das hipóteses, considera-se que nossa profissão nos coloca na categoria de
carniceiros, e quando exercemos nossa atividade estamos rodeados de toda espécie de abjeções.
Somos açougueiros, isso é verdade. Mas também são açougueiros, e sanguinários da pior natureza,
os comandantes militares que o mundo invariavelmente se deleita em homenagear. E quanto ao
assunto da alegada sujeira de nossa profissão, logo sereis informados de certos fatos em geral
desconhecidos que triunfantemente colocarão o navio baleeiro entre as coisas mais limpas e
asseadas do mundo. Contudo, admitindo-se que a acusação em questão seja verdadeira, poder-se-ia
comparar o convés escorregadio de um navio baleeiro à repulsiva imundície dos campos de batalha,
dos quais tantos soldados retornam para beber sob os aplausos de todas as damas? E se a ideia de
perigo eleva a profissão de soldado no conceito popular, posso garantir que muitos veteranos que
marcharam resolutamente na direção de uma bateria recuariam rapidamente diante do aparecimento
da vasta cauda de um cachalote abanando o ar e criando redemoinhos sobre suas cabeças. O que são
os inteligíveis pavores do homem quando confrontados com os terrores e milagres de Deus?!
Entretanto, mesmo que o mundo nos desdenhe por sermos baleeiros ele inconscientemente
nos presta a mais intensa homenagem. Sim, uma homenagem cheia de adoração, pois quase todos
os círios, lâmpadas e velas que queimam pelo mundo brilham em nossa homenagem, como no
passado brilhavam tantos santuários!
Mas examinemos este assunto por outro prisma; vamos pesá-lo em todo tipo de balança para
verificar o que são e o que foram os baleeiros.
Qual a razão dos holandeses da época de De Witt levarem almirantes nas suas frotas de
baleeiros? Por que Luis XVI da França equipou navios baleeiros de Dunquerque às suas próprias
expensas, e educadamente convidou cerca de 20 famílias de nossa ilha de Nantucket para ir para lá?
Por que, entre os anos de 1750 e 1788, a Grã Bretanha pagou aos seus caçadores de baleias mais de
1 milhão de libras em prêmios? E finalmente, por que na América suplantamos o número de
caçadores de baleias de todo o resto do mundo e temos uma frota de 700 navios tripulados por 18
mil homens, consumindo anualmente 4 milhões de dólares; e o valor dos navios, quando se fazem
ao mar, é de 20 milhões de dólares, e todo ano levam aos nossos portos um produto de 7 milhões de
dólares? Diante disso, não podemos dizer que há algo muito poderoso na caça à baleia?
Porém, isso não é nem a metade. Vamos continuar.
Eu livremente asseguro que em toda sua vida o filósofo cosmopolita não pode apontar uma
única influência pacífica que nos últimos 60 anos tenha operado em todo vasto mundo com maior
potencialidade que a pesca baleeira. De um jeito ou de outro, por si própria produziu resultados tão
extraordinários, tão continuamente espetaculares em seus fluxos sucessivos, que a pesca baleeira
pode ser vista como aquela mãe egípcia que dava à luz filhas já grávidas. Seria uma tarefa
impossível e infindável catalogar todas essas coisas. Que um punhado delas seja suficiente. Há
muitos anos o navio baleeiro é pioneiro na exploração das mais remotas e menos conhecidas partes
da terra. Ele explorou mares e arquipélagos que não constavam dos mapas, por onde nenhum Cook
ou Vancouver navegara. Se atualmente os marinheiros das esquadras americanas e europeias podem
frequentar os antigos portos selvagens, que disparem salvas para homenagear a honra e a glória dos
navios baleeiros que originariamente lhes mostraram o caminho e serviram de primeiros intérpretes
entre eles e os selvagens. Podem comemorar quanto quiserem os heróis das expedições
exploradoras, seus Cooks e Krusensterns, mas afirmo que os feitos dos anônimos capitães que
navegaram de Nantucket foram tão grandes ou maiores que os de Cook ou de Krusenstern. Pois, de
mãos vazias e sem auxílio nas gentílicas águas povoadas de tubarões e nas praias selvagens de ilhas
não registradas, lutaram contra mistérios e terrores virgens que Cook não enfrentaria de bom grado,
com todos os seus fuzileiros e mosquetes. Todas as alegorias do velho livro ‘Uma Viagem aos
Mares do Sul’ foram rotina para nossos heroicos marinheiros de Nantucket. Com frequência,
aventuras às quais Vancouver dedica três capítulos são consideradas indignas de figurar no diário de
bordo de um navio baleeiro. Ah, o mundo! Oh, o mundo!
Enquanto os pescadores de baleias não rodearam o Cabo Horn, nenhum comércio era
realizado entre a Europa e a longa fileira de opulentas províncias espanholas na costa do Pacífico,
além do comércio colonial. Foi o baleeiro quem primeiro rompeu a ciumenta política da coroa
espanhola nessas colônias. Se o espaço que aqui dispomos o permitisse, eu descreveria como
finalmente esses baleeiros possibilitaram a libertação do Peru, do Chile e da Bolívia do jugo da
velha Espanha, com o consequente estabelecimento da democracia eterna nessa região.
A grande América do outro lado do globo, a Austrália, foi oferecida ao mundo civilizado por
um baleeiro. Depois de seu descobrimento, pelo engano de um holandês, todos os outros navios
fugiam dessas costas como se fossem danosamente bárbaras, mas os navios baleeiros as tocavam. O
navio baleeiro é a verdadeira mãe dessa colônia agora poderosa. Além disso, no início do primeiro
assentamento australiano os emigrantes muitas vezes foram salvos da fome pela benevolência dos
navios baleeiros que felizmente lançavam âncora em suas águas. As incontáveis ilhas da Polinésia
confessam essa mesma verdade e prestam homenagem comercial ao navio baleeiro que abriu
caminho para os missionários e os comerciantes. Em muitos casos foi o navio baleeiro que carregou
os missionários aos seus primeiros destinos. Se essa terra duplamente trancada, o Japão, um dia se
tornar hospitaleira, todo o crédito deverá ser dado ao navio baleeiro que já se encontra à sua porta.
Porém, se diante de tudo isso ainda declarares que a pesca da baleia não possui nobres
associações estéticas, então estou pronto a brandir 50 lanças contigo e derrubar-te do cavalo e
partir-te o elmo a cada vez.
Direis que a baleia não foi descrita por qualquer autor famoso, e sua pesca jamais mereceu
qualquer crônica.
NENHUM AUTOR FAMOSO ESCREVEU SOBRE A BALEIA, E SUA PESCA NÃO
FOI CANTADA POR QUALQUER CRONISTA FAMOSO? Quem escreveu a primeira narração
sobre nosso leviatã? Quem mais, senão o poderoso Jó? E quem compôs a primeira narrativa de uma
viagem de baleeiros? Quem, senão um príncipe, e nada menos que Alfredo, o Grande que, com sua
pena real, anotou as palavras de Other, o norueguês caçador de baleias daqueles tempos? E quem
proferiu um brilhante elogio aos baleeiros, no Parlamento? Quem, senão Edmund Burke?!
Talvez seja verdade que por si mesmos os baleeiros são pobres diabos. Eles não têm sangue
azul em suas veias.
NÃO TÊM SANGUE AZUL EM SUAS VEIAS? Possuem nas veias algo melhor que
sangue real. A avó de Benjamin Franklin era Mary Morrel; depois do casamento, Mary Folger, uma
das primeiras colonizadoras de Nantucket, ancestral de uma longa linhagem de Folgers e arpoadores
– todos parentes e amigos do nobre Benjamin – que até hoje lançam o ferro farpado de um extremo
ao outro do mundo.
Ótimo, mas todos ainda declaram que, de algum modo, caçar baleias não é respeitável.
CAÇAR BALEIAS NÃO É RESPEITÁVEL? A caça da baleia é imperial! De acordo com
uma velha lei inglesa, a baleia é um “peixe real”.1
Oh, isso é apenas nominal! Por si mesma, a baleia jamais figurou em qualquer grande
celebração.
A BALEIA JAMAIS FIGUROU EM QUALQUER GRANDE CELEBRAÇÃO? Em um
dos importantes triunfos atribuídos a um general romano ao entrar na capital do mundo, os ossos de
uma baleia, trazidos da costa da Síria, eram os objetos mais destacados da grande procissão de
címbalos.2
Certo, já que citas esses fatos. Mas digas o que disseres, não há real dignidade na pesca da
baleia.
NENHUMA DIGNIDADE NA PESCA DA BALEIA? Até os céus atestam a dignidade de
nossa profissão. Cetus é uma constelação do sul! Basta! Tirai o chapéu na presença do Czar e
também na presença de Queequeg! Basta! Conheço um homem que matou 350 baleias na sua vida.
Considero esse homem mais honorável que aquele grande capitão da antiguidade que se gabava de
ter conquistado o mesmo número de cidades muradas.
E quanto a mim, se por acaso ainda houver qualquer possibilidade de se descobrir algo de
bom em minha pessoa, se um dia eu puder razoavelmente ambicionar e merecer uma real reputação
neste pequeno mundo, se no futuro eu fizer algo que um homem preferiria ter feito em lugar de
deixar de fazer, se quando eu morrer meus testamenteiros ou, mais propriamente, meus credores,
1- Ver capítulos subsequentes para maiores esclarecimentos sobre o assunto.
2- Ibid.
encontrarem algum manuscrito precioso em minha mesa, desde já atribuo toda honra e glória à
pesca da baleia, pois um navio baleeiro foi minha Universidade de Yale e minha Harvard.
25. POST SCRIPTUM
Em nome da dignidade da pesca da baleia, não apresentarei aqui nada além de fatos
comprovados. Porém, um advogado não seria digno de censura se depois de apresentar seus fatos
suprimisse totalmente uma conjectura que, sem ser absurda, pudesse apoiar eloquentemente sua
causa.
É bem conhecido que na coroação dos reis e rainhas, até nos tempos modernos eles são
submetidos a um curioso processo de preparação para suas funções. Há o assim chamado saleiro do
Estado, e talvez até haja um galheteiro do Estado. Mas vós sabeis como, precisamente, eles usam o
sal? Estou certo de que a cabeça de um rei é solenemente ungida com óleo em sua coroação, como
uma cabeça de alface. Talvez seja ungido com óleo para que, bem azeitado, seu interior funcione a
contento, como se faz com um maquinismo. Muito pode ser dito com relação à essencial dignidade
desse processo real, porque na vida das pessoas comuns depreciamos o sujeito que unta o cabelo e
cheira a óleo. Na verdade, um homem maduro que usa óleo no cabelo, a menos que seja por razões
medicinais, provavelmente possui um ponto frouxo em algum lugar. Como regra geral, não deve ser
grande coisa.
Contudo, a única coisa que aqui nos importa é saber o tipo de óleo utilizado nas coroações?
Certamente, não será azeite de oliva nem óleo de Macassar, nem óleo de castor, nem óleo de urso,
nem óleo lubrificante, nem óleo de fígado de bacalhau. Então, que óleo poderá ser senão óleo de
cachalote, não comercializado, em estado puro, o mais doce de todos os óleos?
Refleti sobre isso, leais Bretões! Nós, baleeiros, fornecemos material para a coroação de
seus reis e rainhas!
26. CAVALEIROS E ESCUDEIROS
O primeiro piloto do Pequod era Starbuck, natural de Nantucket e quacre por descendência.
Era um homem alto e sério. Apesar de nascido em uma costa gelada, parecia bem adaptado para
aguentar latitudes quentes, pois sua pele era dura como um biscoito cozido duas vezes. Se fosse
transportado para a Índia, seu sangue vivo não estragaria como cerveja engarrafada. Deve ter
nascido durante uma época de terrível seca e fome ou em um desses dias de jejum pelos quais seu
Estado é famoso. Vira apenas cerca de 30 verões áridos, e esses verões haviam secado tudo que era
supérfluo em seu físico. Mas sua magreza não parecia indicar qualquer ansiedade ou cansaço físico.
Era meramente uma condensação do homem. De modo algum parecia doente, era precisamente o
contrário. Sua pele lisa e incólume era excelente, e por estar acuradamente envolto nessa pele
impregnada de saúde e força interior, como um egípcio redivivo Starbuck parecia preparado para
aguentar durante longos anos o que agora suportava, quer nas neves polares quer sob um sol tórrido,
pois como um cronômetro patenteado, sua vitalidade interior era garantia de bom funcionamento
em qualquer clima. Olhando para seus olhos tinha-se a impressão de ver imagens daqueles milhares
de perigos que ele calmamente confrontara durante sua vida. Um homem decidido cuja vida, em sua
maior parte, era uma notável pantomima de ação, não um manso capítulo de sons. Porém, apesar de
toda sua audaz sobriedade e coragem, havia nele certas qualidades que às vezes pareciam suplantar
todo o resto. Excepcionalmente consciencioso para um marinheiro, e imbuído de profunda
reverência natural, a selvagem solidão de sua vida marinha o inclinara fortemente para o lado da
superstição que, em algumas constituições, parece se originar mais da inteligência que da
ignorância. Possuía presságios exteriores e pressentimentos interiores. E se algumas vezes essas
coisas curvavam o aço fundido de sua alma, as memórias domésticas de seu filho e de sua jovem
esposa nascida no Cabo pareciam afastá-lo da original aspereza de sua natureza e abri-lo ainda mais
para essas influências latentes que em alguns homens de coração honesto refreiam o fluxo de
audácia tão frequentemente evidenciado por outros homens nas mais perigosas vicissitudes da
pesca. Starbuck costumava dizer: “Não permitirei em meu bote a presença de um homem que não
tema uma baleia”. Com isso, parecia querer dizer que a coragem mais confiável e prática é aquela
que surge de uma justa estimativa do perigo enfrentado, e que um homem completamente
destemido é um companheiro mais perigoso que um covarde.
“Sim, sim”, disse Stubb, o segundo piloto. “Starbuck é o homem mais cuidadoso que se
pode encontrar nessa pesca”. Mas logo veremos o que significa precisamente a palavra
“cuidadoso”, quando usada por um homem como Stubb ou praticamente qualquer outro baleeiro.
Starbuck não era nenhum guerreiro em busca de perigos. Nele, a coragem não era um
sentimento, era algo útil, sempre à mão em todas as ocasiões praticamente fatais. Além disso, talvez
pensasse que no negócio de caçar baleias a coragem era uma das principais equipagens do navio,
como a carne e o pão, e não devia ser gasta de modo tolo. Por conseguinte, após o pôr do sol não
gostava de baixar ao mar à procura de baleias nem persistia em lutar contra um peixe que insistia
demais em lutar com ele. Ele pensava: “Estou aqui, neste oceano perigoso, matando baleias para
ganhar a vida e não para ser morto por elas, para que continuem vivas”. Starbuck sabia muito bem
quantas centenas de homens haviam perdido a vida desse modo. Qual fora o destino de seu próprio
pai? Nas insondáveis profundezas, onde poderia encontrar os membros despedaçados de seu irmão?
Como já mencionamos anteriormente, com recordações como essas e também propenso a
certa superstição, a coragem de Starbuck devia ser realmente extrema, e poderia florescer ainda
mais. Contudo, em se tratando de um homem de natureza tão organizada e com experiências e
memórias tão terríveis quanto as dele, não era razoável supor que tais coisas não engendrassem nele
um elemento latente que em condições adequadas poderia fugir de seu domínio para destruir toda
sua coragem. Por mais destemido que fosse, tinha principalmente essa espécie de bravura visível em
alguns homens intrépidos, que apesar de permanecerem firmes no conflito com os mares, os ventos,
baleias ou quaisquer dos horrores irracionais do mundo, por serem mais espirituais não conseguem
enfrentar os pavores ainda mais terríveis que algumas vezes nos ameaçam através da fronte
concentrada ou raivosa de um homem poderoso.
Porém, se de algum modo esta narrativa fosse revelar a completa destruição da bravura do
pobre Starbuck, eu mal conseguiria escrevê-la, pois não há nada mais triste que expor a queda do
heroísmo da alma. Muitos homens parecem detestáveis como sociedades anônimas e nações. Pode
haver canalhas, tolos e assassinos; alguns homens podem ter rostos malvados e miseráveis, mas
como ideal, o homem é nobre e brilhante, uma criatura tão grandiosa e resplandecente que se lhe
fosse imputada qualquer mácula infame todos os seus amigos acorreriam para cobri-lo com seus
mais valiosos trajes. Sentimos dentro de nós essa masculinidade impoluta, e está tão dentro de nós
que permanece intacta, mesmo que o caráter exterior pareça ter desaparecido, e sangra com a
angústia mais penetrante diante do espetáculo de um homem cuja bravura foi arruinada. Ao ver
espetáculo tão vergonhoso, nem a piedade pode refrear completamente a cólera contra as estrelas
que permitiram tal coisa. Porém, essa majestosa dignidade da qual falo não é a dignidade dos reis e
das roupagens, mas a dignidade que não possui exterioridades. É observada no cintilante braço que
manipula uma picareta ou crava um prego, é a dignidade democrática que sem cessar irradia de
Deus em todas as direções. De Deus, do próprio Deus! Do grande Deus absoluto! O centro e a
circunferência de toda democracia! Sua onipresença, nossa divina igualdade!
Então, se daqui por diante eu atribuir as mais altas qualidades aos mais miseráveis
marinheiros, renegados e párias, mesmo que herméticas, se tecer em torno deles trágicas mercês, se
até o mais triste, mais depreciado dentre eles eu elevar ao cimo da consagração; se eu tocar o braço
desse trabalhador com luz etérea, se eu espalhar um arco-íris sobre seu desastroso pôr do sol,
amparai-me contra todas as críticas mortais Justo Espírito da Igualdade que estendestes o manto real
da humanidade sobre todos os meus semelhantes! Sustentai-me, grande Deus democrático, que não
recusastes a pálida e poética pérola ao obscuro convicto Bunyan; Vós, que recobristes com folhas
duplamente forjadas do mais fino ouro o pobre braço cortado do velho Cervantes, Vós, que
erguestes Andrew Jackson das pedras e o colocastes sobre um corcel de guerra, que o alçastes mais
alto que um trono! Vós que, em todo Vosso poder, nas jornadas terrenas sempre selecionastes
Vossos campeões nas mais prosaicas regiões, apoiai-me, ó Deus!
27. CAVALEIROS E ESCUDEIROS
Stubb era o segundo piloto. Era natural do Cabo Cod. Portanto, de acordo com o costume
local chamavam-no de cabocodeano. Um homem alegre e despreocupado, nem covarde nem
valente, que com ar impassível enfrentava os perigos como se apresentavam e durante os momentos
mais iminentes e críticos da caça mantinha-se calmo e controlado como um trabalhador contratado
por um ano. Bem-humorado, sociável e descuidado, comandava seu bote baleeiro como se o
encontro mais mortal não fosse mais que um jantar para o qual toda sua tripulação fora convidada.
Era muito rígido quanto ao conforto do sítio que lhe cabia no barco, como um velho cocheiro o é
com relação ao aconchego de sua boleia. Quando perto de uma baleia, no auge da batalha mortal
manejava sua impiedosa lança com a frieza e o desembaraço de um funileiro manuseando seu
martelo. E costumava cantarolar velhas canções alegres enquanto encostava o flanco do bote ao
flanco do monstro mais encolerizado. Para Stubb, o longo uso convertera as mandíbulas da morte
em uma poltrona confortável. Ninguém sabia o que ele pensava sobre a morte em si, ou se ele
pensava em sua própria morte, mas se por acaso sua mente o levasse a isso após um agradável
jantar, como bom marinheiro interpretaria o fato como um chamado para subir ao mastro real e ali
ficar de vigia para descobrir algo que compreenderia ao receber a ordem, não antes disso.
Entre outras coisas, talvez o que fizesse de Stubb um homem tão despreocupado e
destemido, que suportava com tanta alegria os fardos da vida em um mundo repleto de graves
vendedores ambulantes curvados até o chão com sua carga, o que o auxiliava a manter seu
bom-humor quase ímpio talvez fosse seu cachimbo. Pois como seu nariz, o pequeno cachimbo
negro era um dos traços naturais de seu rosto. Talvez nos espantássemos menos se ele surgisse de
seu camarote sem o nariz que sem o cachimbo. Mantinha uma fileira de cachimbos preparados em
seu camarote, fincados em uma prateleira ao alcance de sua mão, e sempre que ali entrava fumava
um depois do outro, acendendo-os uns nos outros até o fim da série. Então voltava a enchê-los para
mantê-los sempre prontos. Quando Stubb se vestia, em vez de enfiar as pernas nas calças colocava o
cachimbo na boca.
Afirmo que esse fumar contínuo provavelmente era uma das causas de sua peculiar
disposição, pois todos sabem que o ar que respiramos neste planeta, seja em terra ou no mar, está
terrivelmente afetado pelas mais revoltantes desgraças dos inumeráveis mortais que o exalaram ao
morrer. E assim como em tempos de cólera algumas pessoas andam por aí com um lenço embebido
em cânfora diante da boca, do mesmo modo a fumaça do tabaco de Stubb pode ter agido como uma
espécie de agente desinfetante contra todas as mortais atribulações.
O terceiro piloto era Flask, natural de Tisbury, em Martha’s Vineyard. Era um sujeito
jovem, de baixa estatura, vigoroso, rubicundo, muito combativo no que se referia a baleias, pois
parecia pensar que o grande leviatã o afrontara pessoal e hereditariamente, portanto era um ponto de
honra destruí-lo sempre que topasse com ele. De tal modo perdera todo o senso de reverência pelas
muitas maravilhas de seu corpo majestoso que mostrava total indiferença pelos seus hábitos
místicos e se tornara tão impermeável a qualquer preocupação quanto aos perigos decorrentes
desses encontros que em sua pobre opinião a impressionante baleia não passava de uma espécie de
camundongo superdesenvolvido, ou um rato aquático que requeria apenas um pouco de esperteza e
um pouco mais de tempo e trabalho para matá-lo e fervê-lo. Essa sua ignorância e destemor
inconsciente o tornavam um pouco irreverente quanto às baleias; uma viagem de três anos que fez
ao redor do Cabo Horn foi para ele apenas uma alegre brincadeira que perdurou pelo tempo da
viagem. Como os pregos de um carpinteiro estão divididos entre pregos forjados e pregos cortados,
a humanidade pode ser dividida de forma semelhante. O pequeno Flask era dos forjados, feito para
fixar bem e durar muito. Apelidaram-no de Arquitrave a bordo do Pequod porque, na forma, era
comparável aos baixos lenhos quadrados que os baleeiros árticos conhecem por esse nome e que
através de outras madeiras laterais nele inseridas serve para proteger o navio contra os choques
glaciais daqueles mares arrasadores.
Pois bem, esses três pilotos – Starbuck, Stubb e Flask eram homens grandiosos. Por
consenso geral, eram eles que comandavam três dos botes do Pequod, na qualidade de chefes. Nessa
grande ordem de batalha na qual o capitão Ahab provavelmente organizava suas forças para descer
sobre as baleias, esses três homens eram como comandantes de companhias. Armados com suas
longas e afiadas lanças de pesca, funcionavam como um escolhido trio de lanceiros, acompanhados
pelos arpoadores que correspondiam aos atiradores de dardos.
Nessa pesca famosa, como um cavaleiro gótico do passado, cada piloto ou chefe é sempre
acompanhado por seu timoneiro ou arpoador que, em certas conjunturas, lhe fornece uma nova
lança quando a sua entorta demais ou fica danificada no assalto; além disso, como em geral entre os
dois há grande intimidade e estreita amizade, seria bom esclarecer quem eram os arpoadores de
Pequod e a que chefe cada qual pertencia.
O principal era Queequeg, que o primeiro piloto Starbuck selecionara para seu escudeiro.
Mas Queequeg já é conhecido.
Em seguida vinha Tashtego, um índio puro de Gay Head, promontório mais ocidental de
Martha’s Vineyard onde ainda existem os últimos remanescentes de uma aldeia pele-vermelha que
há tempos fornece à vizinha ilha de Nantucket muitos de seus mais ousados arpoadores. Na pesca,
em geral eles atendem pelo nome genérico de “sujeito de Gay Head”. O cabelo longo, fino e negro
de Tashtego, as maçãs altas de seu rosto, os olhos pretos e redondos (para um índio) – orientais no
tamanho, mas antárticos em sua reluzente expressão – proclamavam que ele era herdeiro do puro
sangue dos orgulhosos caçadores guerreiros que, em busca do grande alce da Nova Inglaterra, arco
na mão, haviam desbravado as florestas nativas do continente. Porém, não mais seguindo a trilha
dos animais selvagens da floresta, Tashtego agora seguia o rastro das grandes baleias do mar, o
arpão certeiro do filho substituindo a seta infalível dos ancestrais. Olhando os membros morenos,
musculosos, flexíveis e sinuosos de Tashtego, ficava-se inclinado a acreditar nas superstições dos
primeiros Puritanos, quase acreditando que aquele índio selvagem era filho do príncipe dos poderes
do ar. Tashtego era escudeiro de Stubb, o segundo piloto.
O terceiro arpoador era Daggoo, um negro da cor de carvão, selvagem e gigantesco, que
caminhava como um leão – um Ahasuerus a ser observado. Duas enormes argolas de ouro pendiam
de suas orelhas, tão grandes que os marinheiros as chamavam de anéis de mancal e falavam em
prender nelas as cordas da gávea. Em sua juventude, Daggoo embarcara voluntariamente em um
navio baleeiro ancorado em uma baía solitária de sua costa nativa. Como jamais estivera em
qualquer outro lugar, a não ser na África, em Nantucket e nos portos pagãos mais frequentados
pelos marinheiros baleeiros, e há tempos levava a vida audaz da pesca em navios cujos proprietários
não se preocupavam absolutamente com a espécie de gente que contratavam, Daggoo conservara
todas as suas virtudes barbarescas e ereto como uma girafa movia-se pelo convés com toda pompa
de sua altura de quase dois metros, só de meias. Sentia-se uma humilhação corpórea ao olhá-lo;
diante dele um homem branco parecia uma alva bandeira pedindo trégua a uma fortaleza. O curioso
é que esse negro imperial, Ahasuerus Daggoo, era escudeiro do pequeno Flask, que parecia um pião
de xadrez perto dele. Sobre o resto da tripulação do Pequod, é preciso dizer que até hoje menos de
metade dos muitos milhares de homens empregados pela indústria da pesca baleeira americana
nasceu na América, enquanto quase todos os oficias são americanos natos. E o que acontece o com
a indústria americana da pesca da baleia também se repete na frota de navios militares e mercantes,
e com a engenharia empregada na construção dos canais e estradas de ferro americanas. Digo que se
dá o mesmo porque, em todos esses casos, o americano nato liberalmente fornece o cérebro
enquanto o resto do mundo generosamente fornece os músculos. Muitos desses baleeiros vêm dos
Açores, onde frequentemente aportam os navios saídos de Nantucket para aumentar sua tripulação
contratando os robustos camponeses desses portos rochosos. Do mesmo modo, os baleeiros da
Groenlândia, que zarpam de Hull ou de Londres, param nas Ilhas Shetland para completar suas
tripulações. Ao retornarem para casa deixam os marinheiros contratados novamente em sua pátria.
Não dá para saber como isso acontece, mas parece que os nativos das ilhas são os melhores
baleeiros. Quase toda tripulação do Pequod era composta de ilhéus, ou ISOLADOS, como eu os
denomino, não devido ao continente comum aos homens, mas porque cada ISOLADO vive em um
continente separado, só seu. Porém, reunidos em torno de uma quilha, que grupo de ISOLADOS
eram eles! Uma deputação como a de Anacharsis Clootz, para a qual contribuíram todas as ilhas do
mar e todos os rincões da terra, acompanhou o velho Ahab no Pequod para apresentar todos os
sofrimentos do mundo diante desse tribunal do qual poucos voltaram. O pequeno negro Pip – ele
jamais voltou – oh, não! Foi o primeiro. Pobre rapaz de Alabama! Em breve o veremos tocando seu
tamborim no castelo de proa do cruel Pequod, anunciando o tempo eterno em que despachado para
o tombadilho do Alto pediram-lhe para tocar seu tamborim para os anjos, o que ele fez na glória.
Aqui chamado de covarde, lá foi recebido como herói!
28. AHAB
O Capitão Ahab não foi visto acima das escotilhas por vários dias após deixarmos
Nantucket. Os pilotos regularmente substituíam um ao outro nas vigias e, sem nada indicasse o
contrário, pareciam ser os únicos comandantes do navio. Porém, algumas vezes retiravam-se do
camarote com ordens tão súbitas e categóricas que afinal das contas ficava claro que eles só
comandavam de modo indireto. Sim, o supremo senhor e ditador ali se encontrava, apesar de até
então invisível aos olhos de todos que não tivessem autorização para penetrar no sagrado refúgio do
seu camarote.
Todas as vezes que eu subia ao convés depois de minhas vigias na parte de baixo,
instantaneamente olhava para a popa para verificar se ali havia algum rosto estranho, pois agora que
nos encontrávamos no isolamento do mar minha primeira e vaga inquietude quanto ao
desconhecido capitão quase se transformara em perturbação. Esse sentimento às vezes era
estranhamente ampliado pelas diabólicas incongruências do esfarrapado Elias que, contra minha
vontade, voltavam-me à memória com uma energia sutil que eu não lhes concedera antes. Mas eu
dificilmente poderia resistir a elas, se bem que em outra disposição de espírito eu provavelmente
riria das solenes alucinações daquele estranho profeta do cais. Mas fosse qual fosse minha
apreensão ou desconforto – vamos chamar assim meu sentimento – sempre que olhava em volta de
mim no navio parecia-me absurdo nutrir tais emoções. Apesar de os arpoadores e a maior parte da
tripulação ser mais selvagem, idólatra e variada que as tripulações que eu encontrara em minhas
experiências anteriores nas companhias de navios mercantes, eu atribuía isso – e com razão – à
feroz singularidade da natureza daquela brutal vocação escandinava à qual eu me abandonara. Mas
era especialmente o aspecto dos três principais comandantes do navio, os pilotos, que tranquilizava
meus obscuros temores e me infundia confiança e prazer em todos os acontecimentos da viagem.
Eles eram três dos melhores oficiais marinhos e de modos diferentes cada qual era especial, homens
que dificilmente podem ser encontrados, todos eles nascidos na América: um era natural de
Nantucket, outro nascera em Vineyard e o último no Cabo. Como o navio zarpara do porto na época
do Natal, durante algum tempo tivemos um incisivo frio polar, apesar de todo tempo fugirmos dele
navegando na direção do sul, e a cada grau e minuto de latitude que navegávamos gradualmente
deixávamos para trás esse inverno sem misericórdia e o clima intolerável. Foi em uma dessas
manhãs de transição, menos ameaçadora mas ainda cinzenta e triste, enquanto o navio navegava
impulsionado por um vento moderado, com uma espécie de rapidez saltitante e vingativa
melancolia, que subi ao convés atendendo ao chamado da guarda do meio-dia. Assim que dirigi o
olhar para a amurada senti um calafrio provocado por um mau pressentimento. A realidade ia além
da apreensão. O capitão Ahab estava em seu posto no convés.
Não havia sinal de problemas físicos com ele, nem de convalescença. Sua aparência era a de
um homem saído de uma estaca depois de o fogo ter percorrido todos seus membros sem conseguir
consumi-los nem retirar qualquer partícula de seu antigo vigor compacto. Todo seu corpo alto e
amplo parecia feito de bronze sólido, fundido em um molde inabalável, como o Perseu de Cellini.
Principiando entre seus cabelos grisalhos, continuando até a lateral de seu rosto queimado de sol até
alcançar o pescoço e desaparecer sob suas roupas, via-se uma fina cicatriz de um branco lívido.
Tinha a aparência de uma dessas marcas retas algumas vezes deixadas no tronco de uma árvore
grande, quando um raio projeta do alto seus dardos sobre ela e percorre e descasca seu tronco
correndo até o solo, deixando a árvore verde, viva e viçosa, porém marcada. Ninguém poderia dizer
com certeza se essa marca nascera com ele ou se era uma cicatriz deixada por um ferimento terrível.
Por algum tácito consentimento, pouca ou nenhuma referência a ela foi feita durante a viagem,
sobretudo entre os pilotos. Mas uma vez o pai de Tashtego, um velho índio de Gay Head que
também pertencia à tripulação, garantiu supersticiosamente que o velho Ahab ainda não completara
40 anos quando fora marcado daquele modo, não pela fúria de qualquer combate mortal, mas em
uma luta elementar, no mar. Porém, parecia que essa insinuação espantosa poderia ser negada pelo
que insinuara um homem de Manx, um velho sepulcral que jamais navegara partindo de Nantucket
e por isso ainda não vira o feroz Ahab. Todavia, as velhas tradições marítimas e as crendices
populares e imemoriais haviam investido esse velho nativo de Manx de poderes de discernimento
sobrenaturais, de modo que nenhum marinheiro branco o contradisse seriamente quando ele
afirmou que quando chegasse o momento do capitão Ahab morrer e precisar ser envolto em
mortalhas – algo que dificilmente aconteceria, murmurou ele – quem lhe prestasse esse derradeiro
serviço encontraria em seu corpo um sinal de nascença que começava no topo da cabeça e ia até a
sola do pé.
O aspecto amargo de Ahab e a lívida cicatriz que o marcava afetaram-me de modo tão
poderoso que nos primeiros momentos mal notei que um pouco dessa qualidade assustadora se
devia à esdrúxula perna branca sobre a qual ele parcialmente se apoiava. Já haviam me contado que
aquela perna de marfim fora confeccionada com o osso polido da mandíbula de uma baleia
cachalote. “Sim, ele certa vez perdeu o mastro nas costas do Japão, mas como seu navio, conseguiu
outro sem precisar voltar à pátria. Possui uma aljava cheia deles”, disse o velho índio de Gay-Head.
Fiquei impressionado com a postura estranha que ele mantinha. De cada lado do convés do
Pequod, bem perto das cobertas da mezena, havia um orifício com cerca de meia polegada de
profundidade, perfurado com uma verruma em uma tábua. Sua perna de osso era fixada nesse
orifício. Com um braço levantado e sustentado por um ovém, o capitão Ahab mantinha-se ereto,
olhando fixo para além da proa do navio em seu incessante balouçar. Havia um infinito de coragem
firme e determinada, uma teimosia invencível na tenacidade daquele olhar parado e destemido. Ele
não disse uma palavra nem seus oficiais falaram com ele, apesar de seus menores gestos e
expressões demonstrarem claramente o constrangimento e até uma intensa consciência por se
encontrarem sob o olhar perturbador do patrão. E não só isso, mas o mal-humorado Ahab
permanecia diante deles com a expressão de um crucificado, em toda inenarrável e opressiva
dignidade de alguma desgraça viva.
Não demorou a voltar para o camarote depois daquela sua primeira visita ao lar livre. Porém,
após aquela manhã a tripulação pôde vê-lo todos os dias, às vezes com a perna fixada naquele
orifício de verruma, às vezes sentado em sua banqueta de marfim, às vezes caminhando
pesadamente pelo convés. À medida que o céu ficava menos sombrio passou a se mostrar um pouco
mais cordial e se tornou cada vez menos recluso, como se desde o início da viagem somente a
mortal desolação hibernal do mar o tivesse mantido tão recolhido. Pouco a pouco passou a ficar
quase continuamente ao ar livre. Ainda assim, pelo que dizia ou fazia no convés finalmente batido
pelo sol, parecia tão desnecessário quanto outro mastro. Porém o Pequod apenas fazia uma
travessia, não um cruzeiro regular, e os pilotos eram inteiramente competentes em quase todos os
preparativos para a pesca que precisavam de supervisão. Assim, além tratar de si mesmo, pouco ou
nada havia que Ahab precisasse fazer ou que o excitasse naquele momento, e por enquanto as
camadas de nuvens que haviam se acumulado sobre sua fronte lá estavam porque todas as nuvens
procuram os picos mais altos para se empilharem umas sobre as outras.
Entretanto, em pouco tempo a quente e harmoniosa persuasão do clima agradável e festivo
que havíamos encontrado pareceu seduzi-lo gradativamente, afastando seu mal-humor, pois abril e
maio, como dançarinas vestidas de xadrez vermelho, retornavam para os bosques hibernais e
misantropos e até o carvalho mais velho, desnudo, áspero e ferido por raios começava a apresentar
alguns brotos verdes para saudar visitantes tão alegres. Por fim, Ahab correspondeu um pouco aos
encantos alegres daquele ar juvenil. Mais de uma vez mostrou no olhar um delicado rebento que em
qualquer outro homem logo floresceria em um sorriso.
29. AHAB ENTRA E STUBB FALA COM ELE
Depois de alguns dias, todo gelo e icebergs ficaram para trás e o Pequod agora navegava
pela brilhante primavera de Quito, que no mar reina quase perpetuamente no limiar do eterno agosto
do trópico. Os afáveis dias frios, claros, ressonantes, perfumados, transbordantes e redundantes
eram como taças de cristal cheias de sorvete persa de frutas, coberto com flocos de gelo feito com
água de rosas. As noites estreladas e majestosas pareciam arrogantes damas vestidas de veludo
salpicado de jóias, cheias de orgulho solitário, cultuando a memória de seus aristocratas
conquistadores ausentes, os sóis de elmos dourados! Para dormir, os homens tinham dificuldade em
escolher entre dias tão insinuantes e noites tão sedutoras. Os feitiços desse clima infindável não
apenas conferiam novos encantos e poder ao mundo exterior. Também envolviam a alma,
especialmente quando chegavam as horas brandas do crepúsculo e a memória disparava seus
cristais como o claro gelo cria as mais variadas formas de fulgores silenciosos. E todas essas sutis
interferências entrelaçavam-se mais e mais no tecido de Ahab.
A idade avançada é sempre uma vigília, como se quanto mais ligado à vida menos o homem
tenha a ver com algo que se parece com a morte. Entre os comandantes dos navios, os velhos de
barba branca sempre deixam suas camas para visitar o convés revestido pela noite. Era o que se
passava com Ahab. Apenas, ele ultimamente parecia viver ao ar livre com tanta frequência que,
para falar a verdade, haviam aumentado suas visitas do camarote ao convés. “Ao descer por essa
escotilha estreita para ir para a cama, um velho capitão como eu sente como se estivesse visitando a
tumba de alguém”, murmurava ele consigo mesmo.
Assim, a cada 24 horas, depois de estabelecidas as vigias da noite o pessoal no convés
fiscalizava o descanso do pessoal embaixo e quando era necessário içar uma corda para o castelo de
proa os marinheiros não a puxavam com rudeza, como durante o dia, mas deixavam-na cair em seu
lugar com certo cuidado para não perturbar o sono de seus companheiros. Quando essa espécie de
firme quietude começava a prevalecer, habitualmente o silencioso timoneiro observava a escotilha
do camarote e logo o velho aparecia, agarrando o corrimão de ferro para ajudá-lo em seu andar
dificultoso. Alguns achavam que nele havia um toque de humanidade, pois nessas ocasiões ele em
geral não patrulhava o convés porque tamanho seria o ruído reverberante desses passos ósseos que
os sonhos de seus fatigados companheiros buscando repouso a seis polegadas de seu calcanhar de
marfim seriam povoados de dentes de tubarão. Contudo, certo dia, quando seu humor
aprofundou-se demais para que observasse essas vulgares considerações ele percorreu o navio com
passos pesados, desde o balaústre da popa até o maestro principal. Stubb, o segundo piloto, surgiu
de baixo e, com certa falta de humor desaprovadora, insinuou que se o capitão Ahab tinha prazer
em caminhar pelo convés ninguém poderia impedi-lo, mas que ele deveria arranjar algum modo de
abafar o ruído, sugerindo de modo hesitante e indistinto algo como uma bola de estopa inserida no
calcanhar de marfim. Ah! Stubb, tu não conhecias Ahab naquela época!
“Sou uma bala de canhão, Stubb, para que queiras que ande embuchado dessa maneira?”
disse Ahab. “Mas tu, faze ao teu modo. Já tinha me esquecido que lá embaixo, em teu túmulo
noturno, os da tua laia dormem entre lençóis para se acostumarem ao sono final. Para baixo, cão, já
para o canil!”
Estremecendo com a inesperada exclamação final do velho tão subitamente desdenhoso,
Stubb ficou sem ação por um momento, depois disse excitado: “Não estou acostumado a que falem
comigo desse modo, senhor, nem à metade disso, senhor”.
“Basta!” gritou Ahab entre dentes, afastando-se violentamente como se tentasse evitar
alguma tentação irresistível.
“Não, senhor, ainda não. Não vou ser chamado de cão sem protestar”, disse Stubb
corajosamente.
“Então vou chamar-te dez vezes de burro, de mula e de asno... e desaparece antes que eu
livre o mundo da tua presença!”
Ao dizer isso, Ahab avançou sobre ele com um aspecto tão aterrorizante que Stubb
retrocedeu involuntariamente.
“Jamais fui tratado desse modo sem rebater com uma forte bofetada”, murmurou Stubb
enquanto descia a escada para o camarote. “É muito estranho. Para com isso, Stubb. De qualquer
modo, agora não sei se volto para esbofeteá-lo ou se me ajoelho aqui mesmo e rezo por ele. Sim, foi
esse o pensamento que me assaltou, mas seria a primeira vez em minha vida que eu rezaria.
Esquisito, muito esquisito, e ele também é estranho. Sim, da popa até a proa é o homem mais
estranho com quem o velho Stubb já viajou. Como ele relampejou para mim! Seus olhos pareciam
um barril de pólvora! Será que é louco? De qualquer modo, há algo em sua mente, tão certo quanto
há algo em um convés que estala. Das 24 horas que tem um dia ele não fica na cama mais de três, e
mesmo assim não dorme. O camareiro Dough me contou que pela manhã sempre encontra na rede
do velho as roupas completamente amarrotadas e jogadas, os lençóis no chão, o cobertor quase
como um nó e o travesseiro tão quente como se estivesse sob um tijolo ardente. O velho é
esquentado! Acho que ele tem o que na terra chamamos de consciência. É uma espécie de
Tic-Dolly-Row – pior que uma dor de dente. Bem, bem, não sei o que é, mas espero que o Senhor
me proteja contra esse contágio. Ele é cheio de enigmas. Não sei o que faz todas as noites na
despensa da popa, como Dough suspeita. Quem marcará encontros com ele na despensa? Não é
esquisito? Mas o truque é conhecido – deve ir para lá para tirar um cochilo. Mas com todos os
diabos, vale a pena um homem nascer somente para dormir? E agora, refletindo sobre isso, é isso a
primeira coisa que fazem os bebês, o que também é estranho. Macacos me mordam, mas pensando
bem, tudo é esquisito. Contudo, isso é contra meus princípios. Não pensar é o meu décimo primeiro
mandamento, e dormir sempre que possível é meu décimo segundo. Aí vou eu de novo. Como é
isso? Ele não me chamou de cão? Raios! Ele me chamou dez vezes de burro e ainda por cima
acrescentou uma montanha de asnos! Teria sido melhor assentar-me um pontapé e acabar com isso.
Talvez tenha me chutado e eu nem tenha percebido, tão espantado fiquei com sua cara. Ela brilhou
como um osso branqueado. Que diabos acontece comigo? Não consigo me manter direito sobre as
pernas. A briga com o velho me virou do avesso. Por Deus, devo ter sonhado, mas como? Como?
Como? – O único jeito de acabar com essa história é voltar para a rede e ver como fica essa farsa
abusada amanhã, à luz do dia”.
30. O CACHIMBO
Depois de Stubb partir Ahab ficou mais um pouco, recostado na amurada. Então, como
costumava fazer nos últimos tempos, chamou o marinheiro de vigia e o enviou para baixo para
buscar seu banquinho de marfim e seu cachimbo. Acendeu o cachimbo na lâmpada da caixa da
bússola e colocando o banquinho a barlavento, no convés, sentou-se para fumar.
Dizia a tradição que nos velhos tempos nórdicos, os tronos dos reis dinamarqueses que
amavam do mar eram fabricados com as presas do narval. Como não olhar para Ahab sentando
nesse tripé de osso sem pensar nele como a realeza que simbolizava? Pois Ahab era um Khan do
convés, um rei do mar e um mestre dos leviatãs.
Passaram-se alguns instantes nos quais o espesso vapor saiu de sua boca em constantes
baforadas, tão rápidas que voltavam ao seu rosto. Finalmente, retirando o cachimbo da boca falou
consigo mesmo: “Ora, o fumo não mais me acalma. Oh, meu cachimbo! Devo estar em dificuldades
se teu encanto se foi! Tenho trabalhado duro e de modo inconsciente, sem me divertir – sim, e
fumando de modo ignorante, contra o vento, em baforadas tão nervosas que pareço uma baleia
moribunda cujos jorros finais são os mais fortes e cheios de inquietação. Para que fumar esse
cachimbo? Este objeto foi feito para dar serenidade, para enviar para o alto os suaves vapores
brancos, para que se mesclem aos cabelos brancos não a despedaçadas madeixas grisalhas como as
minhas. Não fumarei mais...”
E atirou ao mar o cachimbo ainda aceso. O fogo chiou nas ondas; no mesmo instante o navio
passou por sobre a bolha feita pelo cachimbo que afundava. Com o chapéu desabado, Ahab
caminhou pelo convés com passos irregulares.
31. A RAINHA MAB
No dia seguinte Stubb aproximou-se de Flask.
“Jamais tive um sonho tão esquisito, Arquitrave. Tu conheces o velho da perna de marfim.
Pois bem, sonhei que ele me chutava e quando eu tentava chutá-lo de volta, garanto-te pela minha
alma, pequeno, ele imediatamente arrancava minha perna! Então Ahab transformou-se em uma
pirâmide e eu continuava a chutá-lo como um idiota. Mas o que era ainda mais extraordinário, Flask
– e sabes como são todos os sonhos – com toda a raiva que me invadia, de certo modo eu parecia
pensar comigo mesmo que, afinal das contas, aquele chute de Ahab não era um verdadeiro insulto,
pois a perna não era de verdade, era apenas uma perna falsa. E havia uma enorme diferença entre
um chute vivo e um morto. E isso, Flask, é o que faz com que uma bofetada seja 50 vezes mais
difícil de aguentar que uma bastonada. Um membro vivo produz um injúria viva, meu pequeno. E
acredita que enquanto eu amassava os dedos dos meus pés contra aquela amaldiçoada pirâmide,
aquilo era tão confusamente contraditório que eu pensava: ‘o que é essa perna, senão uma bengala?
Uma bengala de osso de baleia.’ Sim, aquilo não era mais que uma surra de brincadeira e ele de fato
só me dera uma bengalada com um pedaço de osso de baleia, não um execrando pontapé. Além
disso, pensei, é só olhar para a extremidade correspondente ao seu pé para ver como é pequena. Se
um fazendeiro com um pé enorme me desse um chute, isso sim seria um insulto demoníaco. Mas o
insulto dele se reduziu apenas a um ponto. E agora chegamos à maior piada do sonho, Flask.
Enquanto eu chutava a pirâmide, uma espécie de velho homem-sereia com cabelos de texugo e
corcunda nas costas agarra-me pelos ombros, faz com que eu me volte para ele e diz: ‘O que estás
fazendo? Foge, homem!’ Mas eu fiquei amedrontado. Porém, de algum modo, no momento
seguinte eu já conseguira dominar o medo. ‘O que estou fazendo?’, perguntei finalmente. ‘E o que
tens com isso, senhor Corcunda? Queres levar um pontapé?’ Por Deus, Flask, assim que pronunciei
essas palavras ele virou as costas para mim e levantou o monte de algas que usava como tanga – e o
que achas que vi? Pois pelos imensos trovões, homem, seu traseiro estava todo espetado de pregos,
com as pontas para o lado de fora. Então eu disse, pensando melhor: ‘Acho que não vou chutá-lo,
velho’. Ao que ele me respondeu: ‘Sábio Stubb’, e continuou a murmurar essas mesmas palavras
como se fosse uma velha bruxa mastigando as gengivas. Vendo que ele não ia parar de dizer ‘sábio
Stubb, sábio Stubb’, pensei que poderia voltar a chutar a pirâmide. Mas eu acabara de levantar o pé
quando ele rugiu: ‘Para com isso!’ E eu redargui: ‘Ora essa, qual o problema meu velho?’ E ele:
‘Olha aqui, vamos discutir esse insulto. O capitão Ahab deu-te um pontapé, não deu?’. E eu: ‘Sim,
foi bem aqui’. E ele: ‘Ele usou a perna de marfim, não foi?’ E eu: ‘Sim’. E ele: ‘Muito bem, sábio
Stubb, reclamas de quê? Ele não te chutou de boa vontade? Não foi com uma perna comum, de
pinho, que ele te chutou, foi? Não! Foste chutado por um grande homem com uma bela perna de
marfim, Stubb. Isso é uma honra, pelo menos eu assim o considero. Antigamente, na Inglaterra os
grandes senhores achavam uma grande glória a rainha estapeá-los e dessa maneira convertê-los em
cavaleiros da Ordem das Jarreteiras. Mas então orgulha-te, Stubb, por ter sido chutado pelo velho
Ahab, o que te fez sábio. Lembra-te do que eu digo: Receber um chute dele é colocar esse pontapé
na lista de honrarias e de modo algum podes retribuir o chute, pois isso não te ajudará em nada
sábio Stubb. Não vês essa pirâmide?’ De repente, ele pareceu nadar estranhamente no ar. Ronquei.
Virei-me para o outro lado e ali estava eu em minha rede! E agora, o que pensas desse sonho,
Flask?”
“Não sei. Parece-me um tanto louco”.
“Pode ser, pode ser. Mas ele me tornou um homem sábio, Flask. Viste Ahab parado ali,
olhando de soslaio por cima da popa? Pois bem Frask, a melhor coisa que podes fazer é deixá-lo em
paz, nunca falar com ele não importa o que ele diga. Olá! Quem está gritando? Ouve!”
“Marinheiros, ali! Olhai bem todos vós! Há baleias nas proximidades!”
“Se virdes uma branca, rebentai vossos pulmões atrás dela!”
“O que pensas disso agora, Flask? Não há aqui algo esquisito? Uma baleia branca – presta
atenção nisso, homem. Repara – há algo especial no vento. Prepara-te, Flask. A mente de Ahab
percebe tudo que é sangrento. Mas silêncio! Ele vem para cá”.
32. CETOLOGIA
Já nos lançamos corajosamente sobre as profundezas e logo estaremos perdidos em suas
imensidões sem praias nem portos. Porém, antes que isso aconteça, antes que o casco coberto de
algas do Pequod se agite ao lado dos cascos cobertos de cracas dos leviatãs, é melhor tratar de um
assunto quase indispensável para o pleno entendimento das revelações mais específicas sobre o
leviatã e das inúmeras alusões que se seguirão.
O que agora vou tentar lhes referir é uma exposição sistematizada sobre a baleia e seu amplo
gênero. Não é tarefa fácil. Tentaremos aqui classificar os constituintes de um caos. Vejamos o que
as melhores e mais recentes autoridades escreveram.
“Nenhum ramo da zoologia é mais complicado que a Cetologia” afirmou o capitão Scoresby
em 1820.
“Mesmo que estivesse em meu poder, não é nem seria minha intenção entrar na discussão
sobre o verdadeiro método de classificar os cetáceos em grupos e famílias... Há uma total confusão
entre os historiadores desse animal (a baleia cachalote)”, afirmou o cirurgião Beale em 1839.
“Inaptidão para realizar nossa pesquisa nas águas insondáveis”. “Um véu impenetrável cobre
nosso conhecimento sobre os cetáceos”. “Um campo coberto de espinhos”. “Essas indicações
incompletas só servem para torturar os naturalistas”.
Assim falam sobre a baleia o grande Cuvier, John Hunter e Lesson, luminares da zoologia e
da anatomia. Contudo, apesar do conhecimento real ser pequeno, há muitos livros sobre cetologia –
a ciência das baleias – mesmo que sejam em menor número se comparados a outras especialidades,
muitos homens grandes ou pequenos, velhos ou jovens, homens de terra ou marinheiros, escreveram
sobre a baleia de forma ampla ou resumida. Citando alguns: – Os autores da Bíblia, Aristóteles,
Plínio, Aldrovandi, Sir Thomas Browne, Gesner, Ray, Lineu, Rondeletius, Willoughby, Green,
Artedi, Sibbald, Brisson, Marten, Lacépède, Bonneterre, Desmarest, o barão Cuvier, Frederico
Cuvier, John Hunter, Owen, Scoresby, Beale, Bennett, J. Ross Browne, o autor de Miriam Coffin,
Olmstead e o reverendo T. Cheever. Os extratos acima citados demonstram com que propósito
todos eles escreveram.
Dentre todos os nomes da lista de autores que escreveram sobre o cetáceo, apenas Owen viu
baleias vivas e somente um era arpoador e baleeiro profissional. Falo do capitão Scoresby. Ele é a
maior autoridade sobre a baleia da Groenlândia, ou baleia propriamente dita. Porém, Scoresby não
sabia nada sobre a grande baleia cachalote e nem a menciona. Comparada à baleia da Groenlândia,
esta última quase não merece ser mencionada. E que fique aqui registrado que a baleia da
Groenlândia é uma usurpadora do trono dos mares. Ela de modo algum é a maior dentre as baleias.
E essa usurpação seria completa pela longa prioridade dessas alegações e pela profunda ignorância
que envolveu a então fabulosa e totalmente desconhecida baleia cachalote até mais ou menos 70
anos atrás, algo que ainda perdura em todos os lugares, com exceção de alguns redutos científicos e
portos baleeiros. Todas as alusões que os grandes poetas do passado fizeram ao cetáceo
demonstram que para eles a baleia da Groenlândia não tinha rival e reinava como o rei dos mares.
Mas o tempo finalmente trouxe outra proclamação. Aqui é Charing Cross! Ouve meu bom povo – a
baleia de Groenlândia foi deposta – reina agora a grande baleia cachalote!
Há apenas dois livros que pretendem apresentar uma baleia cachalote viva e que tiveram
algum grau de remoto sucesso. Esses livros foram escritos por Beale e Bennett, ambos cirurgiões
empregados em baleeiros ingleses que navegavam pelos mares do sul e ambos homens corretos e
confiáveis. A matéria original sobre o cachalote encontrada em seus volumes é necessariamente
pequena, mas tanto quanto possível de excelente qualidade, apesar de em sua maior parte limitar-se
à descrição científica. No entanto, seja como for, científico ou poético, o cachalote figura apenas de
modo incompleto em qualquer literatura. Dentre todas as baleias caçadas, o cachalote é o menos
descrito.
As várias espécies de baleias precisam um tipo de classificação popular compreensível,
mesmo que por enquanto um simples esboço a ser completado em todos os seus departamentos por
estudiosos subsequentes. Como nenhum homem mais qualificado se propõe a assumir essa tarefa,
aqui ofereço meus pobres esforços. Não prometo nada completo, pois qualquer coisa humana
supostamente completa, por essa razão deve ser infalivelmente falha. Não pretendo fazer uma
descrição minuciosa das várias espécies nem apresentar longas descrições – pelo menos neste local.
Meu objetivo é apenas esboçar um resumo de sistematização da cetologia. Sou tão somente um
arquiteto, não o construtor.
Porém essa é uma tarefa pesada; não se trata de uma simples classificação de
correspondência, no Correio. É assustador procurá-las no fundo do mar, tocar com as mãos sua
inexprimível estrutura, suas costelas e a verdadeira pélvis do mundo. Quem sou eu para tentar
agarrar o nariz desse leviatã?! Os terríveis escárnios no livro de Jó deveriam me escandalizar. Faria
ele (o leviatã) um pacto contigo? Essa é uma esperança vã! Mas nadei pelas bibliotecas e naveguei
pelos oceanos, lutei com baleias com estas mãos visíveis, estou disposto a trabalhar com seriedade e
tentarei. Porém há alguns preliminares a resolver.
Primeiro: A condição incerta e confusa da ciência da cetologia, que ainda se encontra no
início, é atestada pelo fato de que em alguns setores ainda se debate se a baleia é um peixe. Em seu
Sistema da Natureza, de 1776, Lineu declara “Pelo presente, separo as baleias dos peixes”. Mas de
acordo com meu próprio conhecimento, sei que no ano de 1850, contrariando o decreto de Lineu,
tubarões, savelhas e arenques ainda dividem a posse dos mares com o leviatã.
As razões nas quais se baseava Lineu para banir as baleias das águas são as seguintes: “seu
coração quente e bilocular, seus pulmões, suas pálpebras móveis, seus ouvidos ocos, penen
intrantem feminam mammis lactantem”1, e finalmente “ex lege naturae jure meritoque” 2. Submeti
tudo isso aos meus amigos Simeon Macey e Charley Coffin, de Nantucket, ambos meus
companheiros em certa viagem, e eles foram de opinião que as razões apresentadas são
absolutamente insuficientes. De modo profano, Charley até insinuou que aquilo era charlatanice.
Porém, saibam que desprezo esse argumento e adoto a antiga tese de que a baleia é um
peixe, contando com o apoio do sagrado Jonas para isso. Estabelecido esse assunto fundamental, o
próximo ponto é: em que aspectos internos a baleia realmente difere dos outros peixes? Acima,
contamos com a descrição de Lineu sobre esses pormenores. Mas em resumo são os seguintes: a
baleia possui pulmões e tem sangue quente, enquanto todos os outros peixes não possuem pulmões
e têm sangue frio.
Por outro lado, com base em seu aspecto externo, como definiremos a baleia de modo a
rotulá-la definitivamente para o futuro? Resumidamente, A BALEIA É UM PEIXE QUE
ESGUICHA UM JORRO DE ÁGUA E POSSUI CAUDA HORIZONTAL. É isso. Apesar de
condensada, essa definição é resultado de grande meditação. A morsa lança um jato de água muito
semelhante ao da baleia, mas não é peixe porque é anfíbio. O último termo da definição é ainda
mais convincente, se comparado ao primeiro. Praticamente todas as pessoas devem ter notado que
os peixes conhecidos dos terrestres não possuem cauda achatada e sim vertical, ou de alto abaixo,
enquanto que entre os peixes que esguicham água, apesar da forma semelhante a cauda
invariavelmente assume posição horizontal.
Pela definição de baleia proposta acima não excluo da comunidade leviatânica nenhuma
criatura marinha catalogada como baleia pelos mais bem informados nativos de Nantucket, e por
outro lado não a vinculo a qualquer peixe até agora considerado estranho. 3 Portanto, todos os peixes
menores que esguicham água e possuem cauda horizontal devem ser incluídos neste plano básico de
cetologia. Mas agora chegamos às grandes divisões das espécies de baleias.
1- Latim: O macho copula com a fêmea, e esta amamenta os filhotes.
2- Latim: De acordo com a lei da natureza, por direito e mérito.
3- Sei que até o presente muitos naturalistas incluem entre as baleias os peixes classificados como
Lamatins and Dugongs (peixe-porco e peixe-serra de Coffins, em Nantucket). Mas como esses
peixes-porcos são ruidosos e insignificantes, vivem, sobretudo, na foz dos rios e se alimentam de
relva molhada e, principalmente, não expelem jatos de água, nego-lhes a credencial de baleia e
apresento-lhes um passaporte para se afastarem do reino da cetologia.
Primeiro: De acordo com a grandeza, divido as baleias em três LIVROS principais
(subdivididos em capítulos) que englobam a todas, tanto grandes quanto pequenas.
I. BALEIA IN-FÓLIO; II. BALEIA IN-OITAVO; III. BALEIA IN-DUODÉCIMO.
Como exemplo do tipo IN-FÓLIO apresento o CACHALOTE, do IN-OITAVO, a ORCA;
do IN-DUODÉCIMO, o GOLFINHO.
IN-FÓLIO – Dentre estas, incluo os seguintes capítulos: – I. CACHALOTE; II. BALEIA
FRANCA; III. BALEIA BARBATANA, OU BALEIA COMUM; IV. BALEIA CORCUNDA; V.
BALEIA NAVALHA; VI. BALEIA AZUL.
LIVRO I. IN-FÓLIO I. (CACHALOTE). – Vagamente conhecida entre os ingleses antigos
como Baleia Trumpa, Baleia Physeter e Baleia Cabeça de Bigorna, essa baleia é o atual Cachalot
dos franceses, o Pottsfick dos alemães e o Macrocéfalo dos povos das Palavras Longas. Sem dúvida
é o maior habitante do globo, a mais formidável de todas as baleias que se pode encontrar, a de
aspecto mais majestoso e, por fim, a mais valiosa para o comércio, sendo a única criatura de quem
se extrai a preciosa substância espermacete. Todas as suas peculiaridades serão tratadas mais
amplamente em outros parágrafos. No momento, deter-me-ei em seu nome. Considerado
fisiologicamente, esse nome é um absurdo. Há alguns séculos, quando o Cachalote era quase
totalmente desconhecido em sua própria individualidade e seu óleo era obtido apenas casualmente
de algum peixe encalhado, parece que naquela época supunha-se popularmente que ele vinha de
uma criatura idêntica à conhecida na Inglaterra como Baleia da Groenlândia, ou Baleia Franca.
Também acreditavam que esse mesmo espermacete era o humor que dava vida à Baleia da
Groenlândia, expresso literalmente pelas primeiras sílabas da palavra. Nesses tempos o espermacete
era extremamente raro e não o empregavam na iluminação. Era usado apenas como unguento e
medicamento. Só podia ser comprado nas drogarias, como atualmente se adquire uma onça de
ruibarbo. Em minha opinião, no decorrer do tempo a verdadeira natureza do espermacete se tornou
conhecida, mas o nome original foi conservado pelos comerciantes, sem dúvida para aumentar seu
valor pela noção estranhamente significativa de sua raridade. Desse modo, nos países de língua
inglesa seu nome (Sperm Whale) deve ter incidido sobre a baleia que fornece o espermacete.
LIVRO I. IN-FÓLIO II. (BALEIA FRANCA). – Sob certo aspecto, esse é o mais venerável
dos leviatãs, pois foi a primeira baleia caçada regularmente pelo homem. Ela produz o artigo
comumente conhecido como osso de baleia, ou placas flexíveis de queratina, e o azeite conhecido
como óleo de baleia, artigo inferior no comércio. Entre os pescadores, é indiscriminadamente
designada pelos seguintes títulos: Baleia, Baleia da Groenlândia, Baleia Negra, Grande Baleia,
Baleia Real, Baleia Franca. Há certa obscuridade com relação à identidade das numerosas espécies
assim batizadas. Qual então é a baleia incluída no segundo Capítulo dos meus Fólios? É a Grande
Mysticetus dos naturalistas ingleses, a Baleia da Groenlândia dos baleeiros ingleses, a Baleia
Comum dos baleeiros franceses, o Growlands Walfish dos Suecos. É a baleia que por mais de dois
séculos tem sido caçada pelos holandeses e ingleses nos mares do Ártico, a baleia que os pescadores
americanos há tempos perseguem no Oceano Índico, nos bancos do Brasil, nas costas da Noruega e
em várias outras partes do mundo por eles designadas como zona de cruzeiro da Baleia Franca.
Alguns pretendem ver uma diferença entre a Baleia da Groenlândia dos ingleses e a Baleia
Franca dos norte-americanos, porém concordam quanto às suas principais características e até agora
ainda não apresentaram um único fato determinante para afirmar que há uma distinção radical entre
elas. É através de infindáveis subdivisões baseadas nas mais inconclusivas características que
alguns departamentos da história natural se tornam tão repelentemente intricados. Mais adiante, a
Baleia Franca será tratada com maior minúcia, com a finalidade de elucidar o Cachalote.
LIVRO I. IN-FÓLIO III. (BALEIA BARBATANA). – Sob esta denominação, refiro-me a
um monstro que sob os nomes de Baleia Barbatana, Jorro-Alto e Long-John, é avistada em quase
todos os mares e em geral é a baleia cujo jorro distante é descrito com frequência pelos passageiros
que cruzam o Atlântico nos paquetes nova-iorquinos. Pelo comprimento que atinge e pelas barbad,
a Baleia Barbatana se assemelha à Baleia Franca, mas é de circunferência menos majestosa e cor
mais clara, tendendo para o verde oliva. Seus lábios enormes têm o aspecto de um cabo formado
por pregas oblíquas entrelaçadas, ou grandes rugas. Sua característica mais marcante, a barbatana da
qual deriva seu nome, em geral é uma característica que chama a atenção. Essa barbatana mede três
a quatro pés de comprimento e sobe verticalmente na parte de trás das costas de forma angular,
terminando em ponta aguda. Apesar de não se poder ver a parte menor do resto do corpo da
criatura, essa barbatana isolada às vezes pode ser vista com clareza projetando-se na superfície da
água. Quando o mar está moderadamente calmo e ligeiramente marcado por ondas esféricas, essa
barbatana com formato semelhante a um gnomo ergue-se espalhando sombras sobre a superfície
enrugada da água. Pode-se supor que o círculo aquoso que a rodeia se assemelha a um relógio de
sol, com ponteiro e uma linha ondulante de horas. Nesse relógio de sol de Ahaz, a sombra muitas
vezes retrocede.4 A Baleia Barbatana não é gregária. Parece odiar as outras baleias, como alguns
homens odeiam seus semelhantes. É muito tímida. Sempre solitária, eleva-se inesperadamente à
superfície das águas mais remotas e mais sombrias. Seu jorro soberbo, único e reto, ergue-se como
alta lança misantrópica sobre uma planície árida. Dotado de maravilhoso poder e velocidade de
natação, como se desafiasse toda perseguição do homem esse leviatã parece o banido e
inconquistável Caim de sua raça, carregando como estigma um estilete sobre o dorso. Por ter barbas
na boca, juntamente com a Baleia Franca a Baleia Barbatana algumas vezes é incluída entre as
espécies teóricas denominadas Baleias de Barba, isto é baleias que possuem barbas na boca. Parece
haver muitas variedades dessa baleia, a maior parte pouco conhecida. Baleias de nariz largo, baleias
bicudas, baleias de cabeça pontiaguda, baleias dobradas, baleias de mandíbula escondida e baleias
focinhadas são alguns nomes dados pelos pescadores a algumas dessas variedades.
Sobre a designação ‘Baleia Barbatana’, é de grande importância ressaltar que apesar dessa
nomenclatura ser conveniente para facilitar a alusão a alguns tipos de baleias, ainda assim é vã a
tentativa de classificar claramente o leviatã fundamentando-se apenas em suas barbas, corcunda,
barbatana ou dentes, apesar de essas partes ou características parecerem obviamente mais
adequadas para servir de base a um sistema regular de cetologia que quaisquer outras diferenças
corporais apresententadas pelas baleias dessas espécies. Como fazer então? As barbas, corcunda,
barbatana dorsal e dentes são coisas cujas peculiaridades estão indiscriminadamente dispersas entre
todos os tipos de baleias, independente da natureza de sua estrutura em outras características mais
essenciais. Portanto, tanto o cachalote quanto a baleia corcunda possuem corcova, mas aí termina
toda semelhança. A mesma baleia corcunda e a baleia da Groenlândia possuem barba, mas
novamente aí cessa a semelhança entre elas. E ocorre o mesmo com as outras partes acima
mencionadas. Em várias espécies de baleias elas formam combinações irregulares ou, no caso de se
destacar uma delas, esse isolamento irregular como que desafia a criação de um método geral
formado sobre tal base. É nessa rocha que têm tropeçado todos os naturalistas especializados em
baleias.
Todavia, pode-se conceber que na anatomia dos órgãos internos da baleia possamos ter
sucesso em sua classificação? Ao contrário. Por exemplo, o que há na baleia da Groenlândia mais
impressionante que suas barbas? Ainda assim, vimos que é impossível classificar corretamente a
baleia da Groenlândia através delas. E se considerarmos as entranhas dos vários leviatãs, não serão
encontradas distinções que, para o sistematizador, tenham a metade da utilidade das características
externas já enumeradas. Então, o que resta? Nada, além de analisar os corpos das baleias em todo
seu pródigo volume, e corajosamente classificá-las desse modo. E esse é o sistema bibliográfico
aqui adotado; o único que pode ter sucesso pois é o único possível. Continuemos.
LIVRO I. IN-FÓLIO IV. (BALEIA CORCUNDA). – Essa baleia é vista com frequência na
costa norte da América. Muitas vezes é capturada nesse local e levada para o porto. Ela possui uma
grande corcova que lembra um vendedor ambulante e também recebe os nomes de Baleia Elefante e
Baleia Castelo. De qualquer modo, seu nome popular não é suficiente para distingui-la, pois o
cachalote também possui corcova, apesar de menor. Seu óleo não é muito valioso. Ela possui barba
e é a mais brincalhona e alegre de todas as baleias, esguichando mais espuma e água branca que
qualquer outra.
4- Alusão ao episódio bíblico da cura do rei Ezequias, relatado em Isaías, capítulo 18: “Então o
profeta Isaías clamou ao Senhor e fez retroceder dez graus a sombra lançada pelo sol declinante no
relógio de Ahaz”.
LIVRO I. IN-FÓLIO V. (BALEIA NAVALHA). – Pouco se conhece sobre essa baleia,
além do nome. Eu a vi à distância, nas proximidades do Cabo Horn. De natureza retraída, evita
tanto os caçadores quanto os filósofos. Apesar de não ser covarde, jamais mostrou outra parte além
do dorso que se eleva em um espigão longo e afiado. Deixemo-la em paz. Pouco sei sobre ela,
assim como qualquer pessoa.
LIVRO I. IN-FÓLIO VI. (BALEIA AZUL). – Outra dama retraída com ventre cor de
enxofre, tonalidade sem dúvida adquirida pelo roçar do ventre nas telhas tártaras, em alguns de seus
mergulhos profundos. É vista raramente. Pelo menos, eu nunca a vi a não ser nos mais remotos
mares do sul, sempre a uma distância grande demais para poder estudar seu aspecto. Nunca é
caçada, pois seria capaz de fugir arrastando todo o rolo de corda. São contados prodígios sobre ela.
Adeus Baleia Azul! Não posso dizer mais nada de verdadeiro sobre ti, como não o podem os mais
antigos habitantes de Nantucket.
Aqui termina o LIVRO I. (IN-FÓLIO) e se inicia o LIVRO II. (IN-OITAVO).
IN-OITAVO.5 – Abrange as baleias de tamanho médio, entre as quais podemos enumerar as
seguintes: – 1. ORCA. II. PEIXE NEGRO; III. NARVAL; IV. DEBULHADORA; V.
ASSASSINA.
LIVRO II. IN-OITAVO, I. (ORCA). – Apesar desse peixe possuir sopro ou respiração
ruidosa e sonora que sugeriu um provérbio aos homens que habitam a terra, é bem conhecido que
ele é um habitante das profundezas, apesar de não ser popularmente classificado entre as baleias.
Contudo, por possuir todas as grandes características próprias do leviatã, a maior parte dos
naturalistas o reconhece como um deles. Seu tamanho é in-oitavo, variando entre 15 a 25 pés de
comprimento, com dimensões correlatas em torno da parte central. Ele nada em bandos e não é
regularmente caçado, apesar de possuir considerável quantidade de óleo muito bom para
iluminação. Alguns pescadores consideram que sua aproximação é sinal de que o grande cachalote
se encontra nas vizinhanças.
LIVRO II. IN-OITAVO II. (PEIXE NEGRO). – Dou a todos esses peixes os nomes
populares usados pelos pescadores, pois em geral são os melhores. Sempre que algum desses nomes
parecer vago ou inexpressivo mencionarei o fato e sugerirei outro. É o que faço agora com relação
ao chamado Peixe Negro, pois a cor negra é regra entre todas as baleias. Assim, vamos chamá-lo
Baleia-Hiena, por favor. Sua voracidade é bem conhecida e como os ângulos internos de sua boca
são curvados para cima, ele carrega um eterno sorriso mefistofélico no rosto. Essa baleia tem em
media 16 ou 18 pés de comprimento e é encontrada em quase todas as latitudes. Ao nadar tem um
modo peculiar de mostrar sua barbatana dorsal em forma de gancho, semelhante a um nariz romano.
Quando não é possível encontrar nada mais proveitoso os caçadores de cachalote algumas vezes
capturam a baleia-hiena para conservar o suprimento de óleo barato, para uso doméstico – como
algumas donas de casa econômicas que na ausência de companhia, sozinhas consigo mesmas,
queimam velas de sebo em vez das perfumadas velas de cera. Apesar da capa de gordura muito fina,
algumas dessas baleias fornecem mais de 30 galões de óleo.
LIVRO II. IN-OITAVO III. (NARVAL), isto é, BALEIA COM NARINAS. – Este é outro
exemplo de baleia que recebeu um nome curioso, suponho que devido ao seu estranho chifre, a
princípio confundido com um nariz pontudo. A criatura tem aproximadamente 16 pés de
comprimento, enquanto o chifre tem, em média, cinco pés, apesar de alguns atingiram dez ou até 15
pés. Estritamente falando, esse chifre é apenas uma presa que se projetou da linha da mandíbula em
uma linha um pouco mais baixa que a horizontal. Mas essa presa somente é encontrada do lado
esquerdo, o que produz um efeito desagradável e dá ao seu possuidor um aspecto análogo ao de
uma pessoa desajeitada, canhota. É difícil dizer qual a finalidade inequívoca desse chifre de marfim.
Não parece ser utilizado como a lâmina do peixe espada e do peixe-agulha, apesar de alguns
marinheiros terem relatado que o narval o emprega como ancinho, para revirar o fundo do mar em
5- A razão pela qual este livro dedicado às baleias não é denominado IN-QUARTO é muito
simples. É porque, apesar de menores que as da ordem anterior, as baleias desta ordem guardam
certa semelhança com elas quanto à aparência, enquanto que o volume encadernado in-quarto não
conserva o formato do volume in-fólio como volume in-oitavo.
busca de comida. Charley Coffin afirmou que quando o narval sobe à superfície do Mar Polar e a
encontra coberta de gelo lança seu chifre contra essa capa de gelo para conseguir atravessá-la. Mas
não se pode provar que qualquer dessas conjecturas seja correta. Minha opinião é que, seja como for
utilizado o chifre lateral do narval, para ele certamente seria muito conveniente usá-lo como
dobradeira ao ler panfletos. Ouvi dizer que o narval também é chamado de baleia-colmilho,
baleia-chifruda ou baleia-unicórnio. Com certeza é um curioso exemplo da presença do chifre único
que se encontra em quase todos os reinos da natureza animada. De acordo com alguns velhos
autores enclausurados, no passado o chifre desse unicórnio marinho era considerado como grande
antídoto contra venenos e os preparados feitos com ele alcançavam preços altíssimos. Também era
destilado até se transformar em sais voláteis para os desmaios das damas, do mesmo modo como os
chifres do veado macho são transformados em amoníaco. Originariamente, por si mesmo era
considerado como objeto de grande curiosidade. Em um documento escrito em letras góticas, li que
enquanto o corajoso navio de Sir Martin Frobisher descia o Tâmisa ao voltar de uma viagem, a
Rainha Bess6 galantemente abanou-lhe a mão cheia de jóias de uma janela do Palácio Greenwich.
Textualmente, o documento continuava: Ao chegar dessa viagem, Sir Martin ajoelhou-se diante de
sua majestade e apresentou-lhe o chifre prodigiosamente comprido de um narval. Este permaneceu
por longo período de tempo pendurado no Castelo de Windsor. Um autor irlandês afirma que o
conde de Leicester também se ajoelhou diante de sua majestade para lhe apresentar outro chifre
pertencente a um animal terrestre da espécie do unicórnio.
O narval tem aspecto muito pitoresco, semelhante ao do leopardo. Sua coloração é de um
branco leitoso, com pintas oblongas de cor negra. Seu óleo é de qualidade superior, claro e fino,
mas existe em pequena quantidade. Esse animal raramente é caçado. Em geral é encontrado nos
mares circumpolares.
LIVRO II. IN-OITAVO IV. (MATADORA). – Pouco se sabe de certo sobre essa baleia
entre os habitantes de Nantucket e os naturalistas confessos não conhecem absolutamente nada
sobre ela. Pelo visto à distância, eu diria que seu tamanho se aproxima ao de uma orca. É muito
agressiva – uma espécie de peixe de Figi. Algumas vezes apanha as grandes baleias In-fólio pelo
lábio e ali fica, pendurada como uma sanguessuga, atormentado o poderoso animal até a morte. A
Matadora nunca é caçada. Jamais tive notícias sobre o tipo de óleo que possui. Deve-se objetar ao
nome dado a essa baleia devido à confusão existente. Na verdade, somos todos matadores, tanto em
terra quanto no mar. Bonapartes e tubarões inclusos.
LIVRO II. IN-OITAVO V. (AÇOITADORA). – Essa dama é famosa pela cauda que usa
como uma palmatória ao atacar seus inimigos. Monta no dorso das baleias In-fólio e enquanto estas
nadam ela abre caminho açoitando-as, como fazem alguns mestres-escolas para subir no mundo
através de processo semelhante. Sabe-se menos sobre a baleia Açoitadora que sobre a Matadora.
Ambas são proscritas, até mesmo nos mares sem lei.
Aqui termina o LIVRO II. (IN-OITAVO), e começa o LIVRO III. (IN-DUODÉCIMO).
IN-DUODÉCIMO. – Nessa categoria estão inclusas as baleias menores. I. O Golfinho Oba.
II. O Golfinho Argelino. III. O Golfinho Boca Enfarinhada.
Para os que não tiveram oportunidade de estudar o assunto pode parecer estranho peixes que
em geral não excedem o tamanho de quatro ou cinco pés estarem incluídos entre as baleias –
vocábulo que no sentido popular sempre transmite a ideia de enormidade. Mas as criaturas acima
registradas como in-duodécimos sem dúvida são baleias, de acordo com minha definição do que é
uma baleia – isto é, um peixe que esguicha um jorro de água e possui cauda horizontal.
LIVRO III. (IN-DUODÉCIMO), 1. (GOLFINHO OBA). – Esse é o golfinho comum,
encontrado em quase todo o globo. O nome é criação minha, pois há mais de uma espécie de
golfinho e algo precisava ser feito para distingui-los. Atribui-lhe esse nome porque sempre nadam
em cardumes divertidos e em alto mar lançam-se na direção do céu como chapéus atirados ao alto
pela multidão, no feriado de quatro de julho. Seu surgimento é geralmente recebido com alegria
pelos marinheiros. Cheios de magnífico espírito, invariavelmente chegam de barlavento, de ondas
agitadas pela brisa. São criaturas que sempre vivem adiante do vento, consideradas como bom
6- Rainha Elisabeth I, da Inglaterra.
presságio. Se puderes resistir a três saudações desse peixe vivaz, que o céu te ajude pois não possuis
o espírito da alegria. Um golfinho-oba bem alimentado pode fornecer um galão de bom óleo.
Porém, o fino e delicado fluido extraído de suas mandíbulas é extremamente valioso, muito
requisitado por joalheiros e relojoeiros. Os marinheiros o colocam em suas pedras de amolar. A
carne do golfinho é boa para comer. Talvez muitos não percebam que ele esguicha água, pois seu
jorro é tão pequeno que não pode ser prontamente discernido. Porém¸ tendo oportunidade, deve-se
observá-lo com cuidado, pois é uma miniatura da grande baleia cachalote.
BOOK III. IN-DUODECIMO II. (GOLFINHO ARGELINO) – Um pirata. Muito agressivo.
Creio que só pode ser encontrado no Oceano Pacífico. É pouco maior que o Golfinho-Oba, porém
possui seu aspecto geral. Provocado, torna-se um tubarão. Tentei pescá-lo muitas vezes, mas jamais
o vi ser capturado.
LIVRO III. IN-DUODÉCIMO III. GOLFINHO BOCA DE FARINHA. – A maior espécie
de golfinho, apenas encontrada no Pacífico, pelo que se sabe. Seu nome inglês lhe foi atribuído por
Pescadores – Right-Whale Porpoise (Golfinho Baleia-Franca), por ser encontrado principalmente
nas vizinhanças dessa baleia In-Fólio. Na forma, é um pouco diferente do Golfinho-Oba; possuindo
circunferência menos arredondada e mais elegante, é um cavalheiro de bela figura. Não tem
barbatanas no dorso como a maioria dos golfinhos; tem cauda atraente e sentimentais olhos indianos
de coloração azul. Mas a boca estraga tudo. Todo o dorso apresenta profunda cor negra até as
barbatanas laterais, mas há uma linha demarcatória semelhante à que marca o casco de um navio,
chamada “cintura brilhante”. Da popa até a proa, essa linha o divide em duas cores separadas, negro
em cima e branco embaixo. O branco inclui a cabeça e a boca inteira, o que o faz parecer como se
tivesse acabado de fugir de uma visita criminosa a um saco de farinha. Um aspecto malvado e
enfarinhado! Seu óleo é muito parecido com o do golfinho comum.
Este sistema não vai além do IN-DUODÉCIMO, considerando que o golfinho é a menor de
todas as baleias. Acima, tendes todos os leviatãs dignos de nota. Porém, há uma multidão incerta e
fugidia de baleias meio fabulosas que como baleeiro americano só conheço pela reputação, não
pessoalmente. Vou enumerá-las pelos apelidos que recebem no castelo de proa, pois essa lista
possivelmente será valiosa para futuras investigações que poderão completar o que aqui foi
iniciado. Se qualquer das baleias seguintes for capturada e marcada, poderá ser prontamente
incorporada ao Sistema de acordo com seu tamanho: In-Fólio, In-Oitavo ou In-Duodécimo: Baleia
Nariz de Garrafa; Baleia Junco, Baleia Cabeça de Pudim, Baleia do Cabo, Baleia Chefe, Baleia
Canhão, Baleia Fraca, Baleia Acobreada, Baleia Elefante, Baleia Iceberg, Baleia Mexilhão, Baleia
Azul, etc. Autoridades da Islândia, da Holanda e inglesas antigas talvez tenham organizado outras
listas de baleias, batizadas com todo tipo de nomes estranhos. Porém, eu as omito como obsoletas e
acho difícil não suspeitar que são meros sons cheios de leviatanismo, sem qualquer significado.
Finalmente, logo no início declarei que este sistema não seria imediatamente aperfeiçoado.
Pode-se ver perfeitamente que mantive minha palavra. Contudo, aqui deixo meu sistema cetológico
apesar de incompleto, como a grande Catedral de Colônia foi deixada com os guindastes ainda
colocados no topo de sua torre não terminada, pois as pequenas construções podem ser completadas
por seus primeiros arquitetos enquanto que as grandes, as verdadeiras, sempre deixam a pedra de
cimalha para a posteridade. Que Deus me guarde de completar alguma coisa! Este livro é apenas
um esboço – ou melhor, o esboço de um esboço. Oh, Tempo, Força, Dinheiro e Paciência!
33. O “SPECKSNYDER”, OU ARPOADOR-CHEFE
Quanto aos oficiais da tripulação do baleeiro, esta parece uma boa ocasião para registrar
uma pequena peculiaridade doméstica a bordo do navio, surgida da existência da classe dos
arpoadores e oficiais – uma classe naturalmente inexistente em qualquer outra frota, à exceção da
baleeira.
A grande importância atribuída à profissão de arpoador é evidenciada pelo fato de que
originariamente, na antiga pesca holandesa, há mais de dois séculos o comando de um navio
baleeiro não era totalmente confiado à pessoa que agora denominamos capitão, mas dividida entre
ele e um oficial chamado “Specksnyder”. Literalmente, essa palavra significa Cortador de Gordura,
porém com o tempo ele se transformou no equivalente ao Arpoador-Chefe. Naquela época a
autoridade do capitão restringia-se à navegação e à administração geral do navio, enquanto que no
departamento da caça à baleia e em todos os interesses a ela ligados o Specksnyder ou
Arpoador-Chefe reinava supremo. Na pesca britânica da Groenlândia, sob o título de Specksioneer,
corruptela de Specksnyder, ainda sobrevive esse antigo oficial holandês, mas sua dignidade anterior
foi tristemente diminuída. Atualmente não passa do principal arpoador e como tal é um dos
subalternos mais inferiores do capitão. Contudo, como o sucesso de uma viagem de pesca à baleia
depende da boa conduta dos arpoadores, na pesca americana ele não só é um oficial importante, mas
sob certas circunstâncias (vigias noturnas em territórios de baleias) o comando do convés do navio
também é seu. Portanto, a grande máxima política do mar é que ele viva afastado dos marinheiros
diante do mastro e que de algum modo seja distinguido como seu superior profissional, apesar de
familiarmente ser por eles considerado como igual.
Mas no mar, a grande distinção entre o oficial e o marinheiro é a seguinte: o primeiro vive
na proa e o último, na popa. Portanto, tanto nos navios baleeiros quanto nos mercantes os oficiais
são alojados com o capitão, e na maior parte dos baleeiros americanos os arpoadores ficam alojados
na parte posterior do navio. Isso quer dizer que eles fazem suas refeições no camarote do capitão e
dormem em um local que se comunica indiretamente com ele.
Apesar da longa duração de uma viagem baleeira até o sul (a mais extensa de todas as
viagens até agora empreendida pelo homem), seus perigos específicos e o interesse da comunidade
prevalecem em um grupo no qual todos os componentes, grandes ou pequenos, dependem do
ganho, não de salários fixos, da sorte comum e de trabalho pesado, apesar de em alguns casos isso
tender a criar uma disciplina menos rigorosa que nos navios mercantes em geral. Sob certas
circunstâncias, não importa o quanto esses pescadores de baleia vivam juntos como uma antiga
família da Mesopotâmia, eles não se descuidam das formalidades vigentes, pelo menos no castelo
de proa, e em nenhuma ocasião as abandonam. Na verdade, em muitos navios de Nantucket vê-se o
comandante desfilando pelo castelo de proa com majestade não ultrapassada em qualquer navio
militar, exigindo tal quantidade de homenagens como se usasse a púrpura imperial e não uma
surrada veste de piloto.
E apesar do mal-humorado capitão do Pequod ser o homem menos dado a essa espécie de
presunção superficial, de só exigir obediência incondicional e instantânea como única homenagem,
de não mandar nenhum homem retirar os sapatos antes de pisar no convés, de às vezes, em
circunstâncias especiais relacionadas com os eventos que serão descritos detalhadamente, dirigir-se
a eles em termos incomuns, por condescendência, IN TERROREM 1 ou por qualquer outro motivo,
de modo algum o capitão Ahab deixava de observar as supremas formalidades e costumes do mar.
Provavelmente não deixaríamos de observar que ele se escondia atrás dessas formalidades e
costumes, usando-os para outras finalidades mais particulares do que legitimamente pareciam
servir. Esse certo sultanismo de seu cérebro, que em grande parte e de outra maneira teria deixado
de se manifestar, acabou por despontar como uma irresistível ditadura. Mas não importa a
1- Por medo
superioridade intelectual de um homem, ele jamais deve assumir uma supremacia prática sobre
outros homens sem o auxílio de algumas artes e artifícios externos, por si sós sempre mais ou
menos reles e vis. É por isso que todos os verdadeiros príncipes divinos do Império se mantêm
afastados da vida mundana, abandonando as mais altas honras que esse aspecto confere aos homens
que alcançam a fama através de sua infinita inferioridade, escolhidos ocultamente pela Divina
Inércia, não pela sua indubitável superioridade sobre o nível morto das massas. Quando as
superstições extremas as envolvem essas grandes virtudes se escondem em pequenas coisas, de
modo que em algumas instâncias régias ela atribui poder até à maior imbecilidade. Mas como no
caso do Czar Nicolau, quando a coroa circular de um império geográfico envolve um cérebro
imperial, os rebanhos plebeus se curvam, humilhados diante da tremenda centralização. Nem o
trágico dramaturgo que desejaria pintar a pertinácia mortal em pleno voo e em impulso direto
poderia esquecer uma sugestão incidentalmente tão importante para sua arte quanto esta, à qual
agora aludimos.
Porém Ahab, o meu capitão, ainda se move diante de mim em toda sua amargura e
negligência de Nantucket, e neste episódio concernente a imperadores e reis não devo esconder que
só tenho a ver com um velho baleeiro como era ele e, assim sendo, todas as pompas e enfeites
majestosos me foram negados. Oh, Ahab! O que há de grande em ti deve ser arrancado dos céus,
mergulhando nas profundezas ou traçando no ar incorpóreo!
34. A MESA DO CAMAROTE
É meio-dia e o comissário Dough mostra sua pálida cara de bolacha na escotilha do
camarote e anuncia o almoço ao seu mestre e senhor que, sentado no bote de sotavento, acaba de
observar o sol e silenciosamente calcula a latitude na lisa tabuinha em forma de medalhão reservada
para essa finalidade diária, apoiando-a na parte superior de sua perna de marfim. Devido à sua total
desatenção para com a notícia, julgar-se-ia que o azedo Ahab não ouvira seu serviçal. Porém,
agarrando-se às cobertas da mezena, ele vai para o convés, diz em voz monótona e sem alegria:
“Almoço, senhor Starbuck”, e desaparece no camarote.
Quando morre o ultimo eco de seus passos de sultão e o primeiro emir Starbuck tem todas as
razões para supor que o patrão já está sentado à mesa, ele acorda de sua quietude, dá algumas voltas
pelo convés, olha com ar sério para a caixa da bússola, diz com um toque de amabilidade: “Jantar,
senhor Stubb”, e desce pela escotilha. O segundo emir permanece mais um pouco perto do cordame
e então, sacudindo de leve a braçadeira principal para ver se essa importante corda está em ordem,
encarrega-se da velha tarefa e, com um rápido “Jantar, senhor Flask”, segue seus predecessores.
Mas o terceiro emir, vendo-se totalmente só no convés, parece aliviado de certo
constrangimento, pois, distribuindo caretas de todo tipo em todas as direções e retirando os sapatos,
inicia um violento mas silencioso número de dança marinheira exatamente por sobre a cabeça do
Grã Turco,o atira com destreza o gorro para o topo do mastro da mezena como se este fosse um
cabide e desce jovialmente, pelo menos enquanto está visível no tombadilho, revertendo todas as
outras procissões e deixando a música na retaguarda. Mas antes de entrar no camarote, o pequeno e
independente Flask para, muda completamente de fisionomia e comparece à presença do Rei Ahab
encarnando o papel de Abjeto ou Escravo.
Não é estranho, entre as coisas nascidas da intensa artificialidade presente nos costumes
marítimos, vermos que alguns oficiais, se provocados, sentem-se suficientemente confiantes para
desafiar seu comandante enquanto se encontram ao ar livre, no convés. Mas no momento em que
descem para o almoço costumeiro no camarote do capitão, dez por um desses mesmos oficiais
retomam imediatamente seu ar inofensivo, ou por não dizer, deprecatório e humilde para com ele,
sentado na cabeceira da mesa. Isso é maravilhoso e algumas vezes extremamente cômico. Mas por
que essa diferença? Um problema? Talvez não. Por ter sido Baltazar Rei da Babilônia, e por ter sido
Baltazar não com arrogância mas com cortesia, certamente deve ter havido nele algum toque de
grandeza mundana. Mas aquele que, rodeado de convidados, preside sua própria mesa de refeições
com espírito régio e inteligente é um homem de poder inconteste, domínio e influência individual
naquele momento. A realeza desse homem de estado transcende a de Baltazar, pois Baltazar não foi
maior. Quem almoçou alguma vez com seus amigos experimentou o que significa ser César. Esse é
um sortilégio de czarismo social que não pode ser contradito. Mas se a essa consideração for
acrescentada a superioridade oficial de um capitão de navio, então, por inferência pode-se deduzir a
causa dessa característica da vida marinha, acima mencionada.
Diante de sua mesa de marfim entalhado, Ahab presidia a refeição como um leão marinho
silencioso e de crina basta sobre uma alva praia de coral, cercado por seus filhotes guerreiros, mas
ainda respeitosos. Um por um, cada oficial esperava para ser servido. Eram como crianças diante de
Ahab, e ainda assim, nele não parecia haver a menor arrogância social. Com se tivessem uma única
mente, mantinham os olhos solícitos fixos na faca do velho enquanto ele trinchava o prato principal.
Não creio que por qualquer coisa no mundo tivessem profanado aquele momento com uma
observação, por mínima que fosse, mesmo abordando um assunto tão neutro quanto o clima. Não! E
ao estender o garfo e a faca entre os quais se encontrava a fatia de carne, Ahab sinalizou para que
Starbuck lhe estendesse o prato; o piloto recebeu sua carne como se recebesse uma esmola e
cortou-a com carinho, um pouco assustado, com medo que a faca arranhasse o prato, mastigou-a
silenciosamente e a engoliu circunspecto. Como no banquete da Coroação, em Frankfurt, no qual o
Imperador alemão jantava com os sete eleitores imperiais, essas refeições no camarote eram
solenes, feitas em reverente silêncio, mas o velho Ahab não proibia a conversação à mesa, apenas
ele próprio permanecia mudo. Que alívio era para o engasgado Stubb quando um rato fazia um
súbito ruído no porão, embaixo. E para o pobre pequeno Flask, filho caçula daquela família
entediada. Cabiam-lhe os ossos daquela carne salgada, as pernas de galinha. Se Flask ousasse
servir-se, sentir-se-ia como se tivesse cometido um roubo em primeiro grau. Se algum dia se
servisse nessa mesa, sem dúvida jamais voltaria a encarar este mundo honesto com a cabeça
erguida; e apesar de estranho, deve-se dizer que Ahab nunca o proibira. Além disso, se Flask se
servisse é bem provável que Ahab nem mesmo notasse. Flask nem mesmo ousava servir-se de
manteiga. Ele talvez julgasse que os proprietários do navio o haviam proibido de fazê-lo para que
mantivesse a pele clara e luzidia ou talvez considerasse a manteiga um privilégio em uma viagem
tão longa nessas águas sem mercados. Assim sendo, achava que a manteiga não era para ele, um
subalterno. Fosse qual fosse a razão, Flask era um homem sem manteiga!
Outra coisa. Flask era a última pessoa a descer para o jantar e o primeiro a se retirar.
Considerai! O jantar de Flask era terrivelmente apertado em matéria de tempo. Starbuck e Stubb
começavam antes dele e tinham o privilégio de demorar um pouco mais. Se Stubb, que ocupava um
cargo um pouco superior ao de Flask, revelasse pouco apetite e logo desse mostras de que iria
concluir sua refeição, Flask precisava se apressar, pois não conseguiria comer mais de três bocados
naquele dia porque era contra os costumes sagrados que Stubb precedesse Flask no convés.
Portanto, como Flask admitiu uma vez, particularmente, desde que ele alcançara a dignidade de
oficial ele passara a viver mais ou menos esfomeado. O que conseguia engolir não aliviava sua
fome, apenas a conservava imortal. A paz e satisfação desapareceram totalmente do meu estômago,
pensava Flask. Sou oficial, mas como desejaria poder pescar um bife no castelo de proa, como fazia
no passado, quando não era oficial. São esses os frutos da promoção: há vaidade na glória, há
insanidade na vida! Além disso, se algum mero marinheiro do Pequod tivesse alguma queixa contra
Flask, como oficial, tudo que esse marinheiro devia fazer para obter ampla vingança era ir para a
popa no horário da refeição e ver pela claraboia do camarote Flask sentado estupidamente,
embasbacado diante do terrível Ahab.
Mas Ahab e seus três pilotos formavam o que se pode chamar de mesa principal no
camarote do Pequod. Depois da partida deles, em ordem inversa à da chegada, a toalha de mesa era
retirada, ou melhor, era apressadamente restaurada a uma certa ordem pelo pálido comissário.
Então, os três arpoadores eram chamados para a festa, sendo eles os legatários dos restos.
Temporariamente, faziam do camarote alto e poderoso uma espécie de sala dos criados.
Um estranho contraste à pressão quase intolerável e ao domínio invisível e inominável da
mesa do capitão era a democracia calma, tranquila e quase frenética dos marinheiros inferiores, os
arpoadores. Enquanto os pilotos, seus mestres, pareciam temer o som das próprias mandíbulas ao
mastigarem, os arpoadores saboreavam sua comida com tal contentamento que ele se anunciava por
si mesmo. Comiam como soberanos, enchiam a barriga como navios indianos que carregam
especiarias o dia inteiro. Queequeg e Tashtego possuíam apetites tão portentosos que para preencher
a vacância desde a refeição anterior, com frequência o pálido Dough era obrigado a trazer um
grande pedaço de carne salgada que parecia retirada de um boi sólido. E se ele não fosse rápido e
não andasse depressa Tashtego tinha um modo pouco gentil de acelerá-lo atirando-lhe um garfo às
costas, como se fosse um arpão. Certa vez, assaltado por súbito senso de humor, Daggoo auxiliou a
memória de Dough agarrando-lhe a cabeça para colocá-la em uma travessa, enquanto Tashtego,
com a faca na mão, começava a desenhar o círculo preliminar para escalpelá-lo. Aquele pequeno
comissário com cara de bolacha, rebento de um padeiro falido e de uma enfermeira de hospital, era
naturalmente muito nervoso e trêmulo. Com o imponente espetáculo do terrível Ahab e as
periódicas visitas tumultuadas desses três selvagens, a vida de Dough se transformou em um
contínuo tremer de lábios. Em geral, depois de se certificar de que os arpoadores tinham tudo que
precisavam, o pobre fugia de suas garras escapando para a despensa contígua e dali espiava
temerosamente pelas venezianas da porta até que tudo terminasse.
Era uma visão e tanto Queequeg sentado diante de Tashtego, opondo seus dentes polidos aos
do índio: diante deles, Daggoo sentado no chão, pois um banco teria levado sua cabeça emplumada
até as carlinas baixas. Cada movimento de seus membros colossais sacudia a moldura baixa do
camarote como quando um elefante africano embarca como passageiro em um navio. Além de tudo,
o imenso negro era maravilhosamente abstêmio, para não dizer requintado. Parecia quase
impossível que ele pudesse manter a vitalidade difundida por sua ampla, baronial e soberba pessoa
com bocados tão pequenos. Sem dúvida esse nobre selvagem alimentava-se bem e sorvia o
abundante elemento do ar aspirando a sublime vida dos mundos através de suas narinas dilatadas.
Não era de carne nem de pão que eram feitos ou nutridos os gigantes. Mas Queequeg fazia um ruído
barbaresco e mortal ao comer – um som realmente feio – tanto que o trêmulo Dough quase espiava
seus braços magros para ver se havia algumas marcas de dentes. E quando ouvia Tashtego gritando
para que se apresentasse para ele poder quebrar seus ossos, o comissário simplório quase quebrava a
louça que o rodeava na despensa, de tanto tremer. A pedra que os arpoadores carregavam no bolso
para afiar suas lanças e outras armas também servia para afiar ostensivamente suas facas ao jantar, e
isso também não contribuía para tranquilizá-lo. Como poderia ele esquecer que pelo menos
Queequeg certamente seria culpado de algumas indiscrições criminosas nos banquetes em que
tomara parte nos seus dias de ilha. Pobre Dough! Tal é a sorte de um branco servindo canibais. Não
devia trazer no braço um guardanapo, e sim um escudo. Para seu grande deleite, finalmente os três
guerreiros da água salgada levantavam-se para partir. Para seus ouvidos que acreditavam em todas
as fábulas, a cada passo que davam seus ossos marciais tilintavam como cimitarras mouriscas nas
bainhas.
Porém, apesar desses bárbaros jantarem no camarote e teoricamente ali viverem, ainda
assim, sendo tudo menos sedentários em seus hábitos, raramente ali entravam, exceto nos horários
de refeições e pouco antes da hora de dormir, quando o atravessavam para se dirigirem aos seus
estranhos alojamentos.
Nesse assunto, Ahab parecia não diferir da maior parte dos capitães dos navios baleeiros
americanos que, como um grupo, crê que o camarote do navio lhe pertence por direito e que a
presença de outra pessoa somente é tolerada por cortesia. Assim, na verdade os pilotos e arpoadores
do Pequod viviam mais fora do camarote que dentro dele. Quando entravam, assemelhavam-se à
porta da rua de uma casa, que se abre para dentro apenas por um instante antes de voltar ao seu
lugar, e residiam permanentemente ao ar livre. Também não perdiam muito; no camarote não havia
companheirismo. Socialmente, Ahab era inacessível. Apesar de estar incluído nominalmente no
censo da cristandade, ainda era um estranho a essa religião. Vivia no mundo como o último urso
pardo de Missouri colonizado. E assim, como depois da primavera e do verão o selvagem Logan
dos bosques se enterra no oco de uma árvore para passar o inverno sugando a própria pata; em sua
inclemente e uivante velhice a alma de Ahab encerrava-se no tronco oco de seu corpo e lambia as
tristes patas de sua melancolia!
35. O MASTRO REAL
No rodízio com os outros marinheiros, foi durante o clima mais ameno que chegou minha
vez de fazer a primeira guarda do mastro real.
Na maior parte dos baleeiros americanos, a guarda nos mastros principais é iniciada
praticamente no momento em que o navio zarpa do porto; mesmo que ele tenha 15 mil milhas ou
mais para navegar antes de entrar na zona de pesca. E se depois de três, quatro ou cinco anos de
viagem estiver voltando para casa com algo vazio a bordo – mesmo que seja uma garrafinha – os
vigias são mantidos nos mastros até o fim, e enquanto o mastro real não navegar entre os capitéis do
porto ainda haverá esperança de capturar mais uma baleia.
Mas como no porto ou navegando o trabalho de ficar de vigia nos mastros é muito antigo e
interessante, vamos discorrer minuciosamente sobre ele. Creio que os primeiros vigias que subiram
nos mastros foram os antigos egípcios, pois não encontrei nada anterior a eles em todas as minhas
pesquisas. Sem dúvida seus progenitores, os construtores da Torre de Babel, tinham intenção de
edificar o mais eminente mastro de toda Ásia ou África, mas não conseguiram porque antes de
terminado esse grande mastro de pedra foi, por assim dizer, lançado pela amurada pela ira de Deus
e portanto não podemos dar aos construtores de Babel prioridade sobre os egípcios. A afirmação
que os egípcios eram uma nação de sentinelas sobre mastros é baseada na crença geral dos
arqueólogos de que as primeiras pirâmides foram erigidas com finalidade astronômica, uma teoria
apoiada pela singular forma de escada que têm os quatro lados desses edifícios, através dos quais, e
devido à prodigiosa capacidade de ascensão de suas pernas, esses antigos astrônomos conseguiam
atingir o topo e anunciar as novas estrelas, exatamente como os vigias de um navio moderno
anunciam uma vela ou uma baleia que surge à vista. O famoso cristão eremita do passado, São
Simão Estelita, que construiu um alto pilar de pedra no deserto e passou toda porção final de sua
vida em seu topo, içando com um aparelho tosco seu alimento do solo, é um notável exemplo de
vigilância intrépida sobre um mastro, pois não foi afastado de seu posto por nevoeiros nem geadas,
chuvas, granizo ou neve, mas enfrentou tudo com valentia até o fim e literalmente morreu em seu
posto. Dentre os modernos vigilantes sobre mastros só temos alguns inanimados homens de pedra,
ferro e bronze que apesar de bastante capazes de enfrentar uma dura tempestade são totalmente
incompetentes quando se trata de anunciar qualquer coisa estranha que tenham avistado. No topo da
coluna de Vendôme, Napoleão permanece em pé a uma altura de cerca de 150 pés, de braços
cruzados, indiferente a quem agora reina sobre as docas abaixo, seja Luís Filipe, Luís Blanc ou Luís
o Demônio. O grande Washington está no alto de seu mastro em Baltimore e, como um dos pilares
de Hércules, sua coluna marca esse ponto da grandeza humana além da qual chegam poucos
mortais. Em um cabrestante de bronze de canhão, o Almirante Nelson também se mantém de vigia
em sua coluna na Trafalgar Square, e mesmo quando fica inteiramente obscurecido pela fumaça de
Londres adivinha-se que ali há um herói escondido, pois onde há fumaça deve haver fogo. Mas nem
o grande Washington, nem Nelson responderão a uma única saudação vinda de baixo, não importa
o quão loucamente sejam invocados para proteger com seus conselhos os desvairados conveses
sobre os quais pousam seus olhares, por mais que seus espíritos penetrem a espessa névoa do futuro
e divisem os bancos de areia e as rochas que devem ser evitadas.
Em qualquer sentido, pode parecer injusto comparar os vigias de terra com os vigias do mar,
mas na verdade não é assim e isso é plenamente evidenciado pelo que diz claramente Obed Macy, o
único historiador de Nantucket. O respeitável Obed nos conta que no início da pesca da baleia,
quando os antigos navios perseguiam regularmente sua caça, o povo dessa ilha erigia soberbos
mastros ao longo da costa, nos quais os vigias subiam utilizando travas, como as galinhas sobem em
um galinheiro. Há poucos anos esse mesmo plano foi adotado pelos pescadores de baleias de Nova
Zelândia que, ao descreverem a caçada, mencionaram os botes de prontidão, na praia. Mas como
esse costume agora se tornou obsoleto, voltaremos à verdadeira vigia – a de um navio baleeiro no
mar. Os três mastros são equipados com um homem que fica de guarda desde a aurora até o pôr do
sol e, como no leme, os marinheiros se revezam a cada duas horas. A guarda é extraordinariamente
agradável no clima sereno dos trópicos, sobretudo para um homem sonhador e meditativo. Fica-se
ali, 30 metros acima do convés silencioso, cruzando as profundezas como se os mastros fossem
gigantescas pernas de pau, enquanto, sob sua pessoa e entre suas pernas, nadam os mais imensos
monstros do mar, como no passado os navios navegavam por entre as botas do famoso Colosso de
Rodes. O vigilante sente-se perdido na infinita extensão do mar onde nada se agita além das ondas.
O navio encantado navega preguiçoso, sopram sonolentos ventos alísios e tudo se converte em
langor. Nesta vida baleeira, uma sublime tranquilidade o recobre quase o tempo todo; não se ouvem
notícias, não se leem jornais, as edições extras com assustadores lugares-comuns jamais o levam a
emoções desnecessárias; ninguém fala sobre aflições domésticas, falências, queda de ações, nem se
preocupa com o que vai comer no jantar – pois durante os três anos, ou mais, todas as refeições
estão comodamente estocadas em barris e o cardápio é imutável.
Em uma longa viagem de três ou quatro anos em um desses baleeiros do sul, como acontece
com frequência, a soma das inúmeras horas passadas em vigia sobre o mastro equivale a vários
meses. É deplorável que o lugar ao qual se devota porção tão considerável de sua vida natural seja
tão tristemente destituído de qualquer aconchegante habitabilidade ou não seja adaptado para criar
uma sensação de conforto, como em uma cama, rede, ataúde, guarita, púlpito, carruagem, ou
qualquer invenção em que os homens se isolam temporariamente. O ponto menor e mais agradável
que é utilizado como poleiro é o joanete da gávea, pois é possível se acomodar sobre duas barras
paralelas (praticamente exclusivas dos baleeiros) chamadas curvatões. Ali, sacudido pelo mar, o
principiante sente-se tão confortável como se estivesse sentado sobre os chifres de um touro. Para
falar a verdade, quando está frio pode-se carregar a casa nas costas, no feitio de um casaco de vigia;
porém, propriamente falando, o capote mais grosso serve tanto como casa quanto um corpo nu, pois
como a alma está colada dentro do seu tabernáculo de carne e não pode se movimentar sem ele,
nem sair de dentro dele sem correr grande risco de perecer (como um ignorante peregrino cruzando
os Alpes nevados durante o inverno). Portanto, um casaco de vigia não é uma casa; não passa de um
mero invólucro ou de uma pele adicional envolvendo a pessoa. Não se pode colocar uma estante ou
uma cômoda com gavetas em volta do corpo, como também não se pode fazer de um casaco de
vigia um quartinho conveniente.
Com relação a tudo isso, é realmente deplorável que as gáveas dos baleeiros sulistas não
contenham essas invejáveis tendas ou púlpitos chamadas NINHOS, nos quais os vigilantes dos
baleeiros da Groenlândia ficam protegidos do clima rigoroso dos mares gelados. Na familiar
narrativa do Capitão Sleet, intitulada “Viagem entre os Icebergs à procura da Baleia da Groenlândia
e, incidentalmente, para a redescoberta das Colônias Islandesas Perdidas na Groenlândia”. Nesse
volume admirável, na gávea, todos os vigilantes recebem uma encantadora e detalhada explicação
sobre o recém-inventado “Ninho do Corvo” do Glacier, nome do navio do Capitão Sleet. Ele o
batizou de “Ninho do Corvo de Sleet”, em honra de si mesmo, sendo ele o inventor original e o
titular de sua patente. Como não possuía todas essas falsas delicadezas ridículas, acreditava que se
damos aos nossos filhos nossos próprios nomes (sendo os pais seus inventores e os donos de suas
patentes), também devemos denominar qualquer aparato que criarmos segundo nossos próprios
nomes. Na forma, o ninho de Sleet era como um grande barril aberto no topo (ou cachimbo),
provido de um anteparo móvel para manter a cabeça a barlavento durante qualquer tremenda
ventania. Por ser fixo no topo do maestro, entrava-se nele através de uma pequena escotilha
colocada no fundo. Do outro lado, voltado para a popa do navio, havia um confortável banco com
um armarinho embaixo, para guarda-chuvas, cobertores e casacos. À sua frente havia uma prateleira
de couro na qual se podia guardar o megafone, o cachimbo, o telescópio e outras conveniências
náuticas. Quando o próprio capitão Sleet subia ao maestro para vigiar em seu ninho de corvo,
sempre levava um rifle (que também pendurava na prateleira) juntamente com um frasco de pólvora
e munição para atirar nos narvais desgarrados, unicórnios errantes que infestavam aquelas águas,
pois não se pode atirar neles com sucesso a partir do convés, devido à resistência da água, mas atirar
de cima para baixo é algo muito diferente. Mas era evidente que para o capitão Sleet era um
trabalho de amor descrever, como ele fazia, todos os pequenos detalhes das conveniências de seu
ninho de corvo. Porém, apesar de ele exagerar em muitas coisas e nos apresentar de modo muito
científico os experimentos realizados com uma pequena bússola que guardava em seu ninho de
corvo, destinados a evitar os erros resultantes do que chamamos “atração local” que afeta todas as
agulhas magnéticas da caixa da bússola, erro esse atribuído à vizinhança horizontal do ferro
existente nas pranchas do navio e, no caso do Glacier, talvez pelo fato de haver tantos ferreiros
fracassados entre os marinheiros da tripulação. Creio que apesar do capitão ser muito discreto sobre
esse ponto, de todo seu conhecimento científico e do que aprendeu sobre ‘desvios na caixa da
bússola’, ‘observações da bússola de azimute’ e ‘erros aproximados’, o capitão Sleet sabia muito
bem que não estava imerso nessas profundas meditações magnéticas a ponto de não se sentir
ocasionalmente atraído pelo pequeno frasco muito bem guardado em um lado de seu ninho de
corvo, bem ao alcance de sua mão. Porém, apesar de minha admiração e apreço pelo bravo, honesto
e instruído capitão, considero que ele estava muito errado em ignorar aquele frasco, sabendo o
quanto podia ser companheiro fiel e confortador enquanto, com as mãos enluvadas e a cabeça
encapuzada, estudava matemática no alto de seu ninho, a três ou quatro poleiros do topo do mastro.
Contudo, se nós, baleeiros sulistas, não estamos tão bem acomodados lá no alto quanto o
capitão Sleet e seus groenlandenses, essa desvantagem é grandemente contrabalançada pelo amplo
contraste com a serenidade dos mares sedutores nos quais quase sempre navegamos. Posso afirmar
que eu costumava passar o tempo muito calmamente, reclinado em um rolo de corda, conversando
com Queequeg ou qualquer outro que eu ali encontrasse de folga. Então, subindo um pouco mais e
jogando preguiçosamente uma das pernas por cima da verga das gáveas, eu lançava um olhar
preliminar sobre as planícies marinhas antes de, por fim, subir até meu destino.
Preciso aqui confessar e admitir francamente que fazia minha guarda de modo bastante
falho. Com o problema do universo girando dentro de mim – totalmente sozinho em uma atitude
provocadora de pensamentos – seria impossível cumprir com perfeição minha obrigação de
obedecer a regra que predomina em todos os navios baleeiros: “Mantém os olhos abertos e grita de
vez em quando”.
E permiti-me neste ponto fazer uma admoestação patética a todos vós, proprietários de
navios de Nantucket! Durante uma viagem de pesca, evitai colocar no trabalho de vigia um sujeito
de rosto fino, olhos fundos e dado a meditações importunas, que se ofereça ao navio carregando na
cabeça o Fédon em vez do Bowditch1. Cuidado com ele. Vossas baleias precisam ser avistadas antes
de poderem ser mortas, mas esses amantes de Platão vos rebocarão dez vezes ao redor do globo sem
que vos torneis nem uma pitada de espermacete mais ricos. Essas advertências não são totalmente
desnecessárias, pois hoje em dia a pesca da baleia abriga muitos jovens românticos, soturnos e
desatentos que insatisfeitos com as inquietantes preocupações terrenas buscam conforto no alcatrão
e na gordura de baleia. Childe Harold 2 frequentemente se empoleira no topo do mastro de algum
navio baleeiro azarado e infeliz e, em frases mal-humoradas, dispara: “Ondula, profundo oceano cor
de anil, ondula! Dez mil caçadores de baleias vasculham-te em vão”.
É comum os capitães desses navios contratarem jovens filósofos contemplativos para a
tarefa e depois repreendê-los por não demonstrarem suficiente “interesse” na viagem, insinuando
que têm tão pouca ambição honrada que no recesso de sua alma prefeririam não ver baleia alguma.
Mas é tudo em vão. Esses jovens Platonistas se convencem de que sua visão é imperfeita – são
míopes – então por que forçar o nervo ótico? Seus binóculos de teatro ficaram em casa.
Um arpoador disse a um desses jovens: “Macacos me mordam, há três anos percorremos o
oceano e tu ainda não anunciaste uma única baleia. Quando estás de vigia as baleias são mais
1- Fédon: Obra de Platão na qual, através de diálogos, o autor relata os últimos ensinamentos do
filósofo Sócrates. Nathaniel Bowditch escreveu em 1802 um tratado de navegação (The American
Practical Navigator), considerado na época uma síntese da arte de navegar.
2- Peregrinação de Childe Harold é um longo poema escrito por Lorde Byron, publicado entre 1812
e 1818. Descreve as viagens e reflexões de um homem cansado da vida de prazer e orgia que
procura distração em terras estrangeiras. Em um sentido mais amplo, é a expressão da melancolia e
decepção de uma geração cansada de guerras. O título vem do termo Childe, título medieval para
jovens candidatos a cavaleiros.
escassas que dentes de galinha”. Talvez fossem ou talvez houvesse enormes cardumes delas no
horizonte, mas levados a esse estado opiáceo de impassibilidade vazia e de sonhadora inconsciência
pelo entrelaçamento do ritmo das ondas com seus pensamentos, esses jovens consideram o
misterioso oceano que se estende aos seus pés a imagem visível da alma profunda, azul e
insondável que impregna a humanidade e a natureza; e cada coisa bizarra, vislumbrada, deslizante e
bela que os ilude, cada coisa vista de modo turvo, cada flutuante barbatana de forma incerta lhes
parece a materialização dos pensamentos ilusórios que povoam sua alma com seu ininterrupto fluir.
Nesse encantado estado de ânimo, seus espíritos descem para o local de onde vieram, tornam-se
difusos através do tempo e do espaço, e como as cinzas panteístas de Crammer, finalmente formam
uma parte de todas as praias espalhadas pelo globo.
Agora não há vida em vós, exceto essa vida balouçante transmitida pelo navio que oscila
gentilmente; vida que emprestaram do mar, das inescrutáveis marés de Deus. Porém, durante vosso
sono essa fantasia está em vós. Movimentai vossos pés ou mãos uma polegada que seja; vacilai um
pouco e vossa identidade retornará em todo seu horror. Pairais sobre os vórtices de Descartes.
Talvez ao meio-dia, no tempo mais belo, com um grito convulsivo caireis por esse ar transparente e
sucumbireis no mar do verão para nunca mais ressurgir. Panteístas, mantende-vos atentos a isso!
36. O CASTELO DE PROA
[ENTRA AHAB: DEPOIS ENTRAM TODOS]
Pouco tempo depois do episódio do cachimbo, em uma manhã, logo após o desjejum, como
de costume Ahab deixou o camarote e subiu a escada para o convés. Nesse horário, muitos capitães
de navios costumam caminhar como os cavalheiros rurais que dão algumas voltas pelo jardim
depois dessa refeição.
Logo se ouviu o som de seus passos de marfim, de lá para cá nas velhas rondas, sobre tábuas
que de tão acostumados às suas passadas já estavam cheias de marcas, como pedras geológicas. Se
olhásseis atentamente para sua fronte irritada e crivada de rugas, ali também veríeis pegadas ainda
mais estranhas – as pegadas de um pensamento insone em movimento contínuo.
Porém, na ocasião em questão essas rugas pareciam ainda mais fundas; eram como os passos
nervosos que naquela manhã deixavam nas tábuas marcas ainda mais intensas. Tão dominado por
aquele pensamento estava Ahab que a cada volta uniforme que fazia, ora no mastro real, ora na
caixa da bússola, era quase possível vê-lo acompanhar seus movimentos, caminhar com ele
seguindo seus passos. Estava tão completamente possuído que esse pensamento parecia ser o molde
interno de cada movimento exterior.
“Tu o observaste, Flask?” sussurrou Stubb. “O pequeno pássaro dentro dele está bicando a
casca do ovo. Logo sairá”.
Passaram-se horas. Às vezes trancado no camarote, às vezes no convés, Ahab continuava a
caminhar com o mesmo ar fanático de intenso propósito.
O dia findava. De repente deteve-se perto da amurada, inseriu a perna de osso no orifício de
verruma, agarrou-se a um ovém e mandou que Starbuck enviasse todos para a popa.
“Senhor!” exclamou o piloto, espantado com a ordem que tão raramente ou nunca era
ouvida em um navio, exceto em casos extraordinários.
“Envia todo mundo para a popa”, repetiu Ahab. “Vigias nos mastros, todos para baixo!”
Toda tripulação do navio se reuniu, contemplando-o com rostos curiosos e não totalmente
despreocupados, pois ele parecia o horizonte quando se forma uma tempestade. Ahab olhou
rapidamente por sobre a amurada, passou rapidamente os olhos sobre a tripulação, saiu de onde se
encontrava e voltou a caminhar pesadamente pelo convés como se não tivesse visto ninguém. Com
a cabeça curvada e o chapéu meio caído sobre os olhos, andava sem dar atenção aos murmúrios
admirados que corriam entre os homens, até que Stubb sussurrou cautelosamente para Flask que
Ahab talvez tivesse chamado todos eles com o propósito de fazê-los testemunhar uma façanha de
pedestrianismo. No entanto isso não durou muito. Parando veementemente, ele exclamou:
“Homens, o que fazeis ao ver uma baleia?”
“Anunciamos o fato!” Foi a resposta impulsiva de um grupo de vozes, em coro.
“Bom!” exclamou Ahab, com brutal aprovação no tom de voz, observando a animação
sincera que sua pergunta inesperada provocara em todos.
“E o que fazeis depois, homens?”
“Descemos e vamos atrás dela!”
“E qual é o estribilho que cantais, homens?”
“Uma baleia morta ou um bote estilhaçado!”
Cada vez mais estranha, ferozmente alegre e aprovadora se tornava a expressão do velho a
cada grito, enquanto os marinheiros começavam a olhar com curiosidade uns para os outros,
maravilhados por se sentirem entusiasmados diante de perguntas aparentemente tão fora de
propósito.
Apesar disso, ficaram todos mais atentos quando, dando meia-volta apoiado na perna de
marfim, Ahab levantou a mão bem alto, agarrou um ovém e quase convulsivamente assim se dirigiu
a eles: “Vós, vigias, já me ouvistes dar ordens sobre uma baleia branca. Atenção, todos vós! Estais
vendo esta onça espanhola de ouro?” Segurando ao sol uma grande e brilhante moeda, continuou:
“Esta é uma peça de 16 dólares, homens. Estais vendo? Senhor Starbuck, dá-me aquele martelo”.
Enquanto o piloto apanhava o martelo Ahab esfregava devagar a peça na borda do casaco
como se desejasse aumentar seu brilho e, sem dizer palavra, murmurava algo baixinho a si mesmo,
produzindo um som tão estranho, abafado e inarticulado que parecia o ruído mecânico das rodas de
sua vitalidade.
Recebendo o martelo das mãos de Starbuck e avançando na direção do mastro real com o
martelo levantado em uma das mãos e a moeda de ouro na outra, com voz muito alta, exclamou:
“Aquele que dentre vós anunciar uma baleia de cabeça branca, com a fronte enrugada e a mandíbula
torta; quem anunciar essa baleia de cabeça branca com três furos a estibordo, na cauda – ouvi com
atenção – aquele que anunciar essa baleia branca receberá esta onça de ouro!”
“Viva! Viva!” gritaram os marinheiros, agitando as lonas enceradas e aclamando o capitão
Ahab que pregava a moeda no mastro.
“Digo que é uma baleia branca”, continuou Ahab atirando o martelo no chão. “Uma baleia
branca. Olhos muito abertos para ela, homens; examinai a água branca com atenção; uma simples
bolha deve ser anunciada!”
Nesse ínterim, Tashtego, Daggoo e Queequeg olhavam com interesse e surpresa mais
intensos que dos outros, e à menção da fronte enrugada e da mandíbula torta estremeceram como se
cada um deles, separadamente, tivesse sido tocado por uma lembrança específica.
“Capitão Ahab, essa baleia branca deve ser a que algumas pessoas chamam de Moby Dick”,
disse Tashtego.
“Moby Dick?” gritou Ahab. “Então, tu conheces a Baleia Branca, Tash?”
“Ela abana a cauda de modo um pouco bizarro antes de mergulhar, senhor?” perguntou o
homem de Gay-Header deliberadamente.
“E também tem um jorro curioso, muito espesso e rápido, mesmo para um cachalote, capitão
Ahab?”
“E ela também tem um, dois, três – oh! Quantos arpões tem ela dentro do couro, capitão?”
perguntou Queequeg de modo desarticulado, “Todos torcidos e retorcidos como um...” E como não
encontrava a palavram ele retorcia a mão como se estivesse tirando a rolha de uma garrafa. “Como
um… um…”
“Saca-rolhas”, gritou Ahab. “Sim Queequeg, os arpões permanecem cravados nela, todos
retorcidos. Daggoo, seu jorro é grande como um feixe de trigo, e branco como uma pilha de nossa
lã de Nantucket após a tosquia anual. Sim Tashtego, e ela abana a cauda em forma de leque como
uma vela partida em um furacão. Morte e demônios, homens! Foi Moby Dick que vistes – Moby
Dick – Moby Dick!”
“Capitão Ahab”, disse Starbuck que, com Stubb e Flask, até aquele momento observara com
surpresa crescente seu superior e finalmente parecia assaltado por um pensamento que de algum
modo explicava aquele assombro. “Capitão Ahab, ouvi falar de Moby Dick – mas não foi Moby
Dick quem arrancou vossa perna?”
“Quem te disse isso?” gritou Ahab. Depois de uma pausa, continuou: “Sim Starbuck. Sim
meus queridos. Foi Moby Dick quem me arrancou o mastro. Foi Moby Dick quem me obrigou a
usar este toco morto no qual agora me apoio. Sim, sim”, gritou ele com um soluço alto e terrível,
um soluço animalesco como o de um alce ferido de morte. “Sim, sim! Foi essa maldita baleia
branca quem me destruiu, que fez de mim um perna de pau para sempre, até o fim dos meus dias!”
Então, levantando os dois braços com pragas colossais, bradou: “Sim, sim! Vou persegui-la em
torno do Cabo da Boa Esperança, do Cabo Horn, do Maelstrom norueguês e em torno das chamas
do inferno antes de desistir. E foi para isso que vós embarcastes, homens! Para perseguir essa baleia
branca dos dois lados da terra, até ela esguichar sangue negro e rolar com a barbatana de fora. O
que dizeis, homens, selareis esse compromisso com um aperto de mão? Creio que sois destemidos!”
“Sim, sim!”, gritaram os arpoadores e marinheiros, correndo para mais perto do velho
entusiasmado: “Olho vivo para uma baleia branca; um arpão afiado para Moby Dick!”
“Que Deus vos abençoe”, disse ele meio soluçando, meio gritando. “Que Deus vos abençoe,
homens. Comissário! Vai buscar uma medida grande de grogue. Mas por que essa cara, senhor
Starbuck; não vais caçar a baleia branca? Não tens suficiente coragem para Moby Dick?”
“Capitão Ahab, tenho coragem suficiente para sua mandíbula torta e também para as
mandíbulas da Morte, se houver motivo justo para isso, mas embarquei para caçar baleias, não para
vingar o meu comandante. Quantos barris de óleo renderá tua vingança, no caso de a conseguires,
capitão Ahab? Não valerá muito em nosso Mercado de Nantucket”.
“Mercado de Nantucket! Ora! Aproxima-te, Starbuck. Tu requeres que nos aprofundemos
nessa questão. Se vamos medir pelo dinheiro, homem, e os contadores consideram o globo como
seu grande escritório e o circundam de guinéus, um para cada terça parte de uma polegada, então
deixa-me dizer que minha vingança conquistará um grande prêmio!”
“Ele bate no peito” sussurrou Stubb. “Por quê? Parece muito retumbante, mas o som é oco”.
“Vingança contra um bruto irracional!” gritou Starbuck. “Isso é simplesmente deixar-se
levar pelo mais cego instinto! Loucura! Capitão Ahab, essa fúria contra um animal me parece
blasfêmia”.
“Ouve novamente – vamos um pouco mais fundo. Homem, todos os objetos visíveis não
passam de máscaras de papelão. Porém, em cada episódio – no ato vivo, na indubitável façanha – há
algo ignorado, mas racional, que projeta os moldes dessas máscaras ilógicas. Se um homem atacar,
ataca através da máscara! Como pode o prisioneiro alcançar o lado de fora, a não ser lançando-se
através da parede? Considero a baleia branca essa parede, empurrada para perto de mim. Às vezes
penso que não há nada além dela. Mas isso é suficiente. Ela é minha tarefa, ela me completa. Nela
vejo a força ultrajante aliada a uma inescrutável malícia. E é principalmente essa coisa insondável
que eu odeio, e seja a baleia branca o agente ou esteja ela agindo por si mesma, é sobre ela que vou
descarregar esse ódio. Não fales de blasfêmia, homem; eu atacaria o sol se ele me insultasse. Pois se
o sol pudesse fazer isso eu também poderia cumprir o que disse porque há uma espécie de justiça
aqui, a inveja presidindo sobre toda a criação. Mas homem, meu mestre não está nessa espécie de
justiça. Quem é superior a mim? A verdade não possui limites. Afasta teus olhos! Mais intolerável
que a visão dos demônios é o olhar da estupidez! Coraste e empalideceste! Meu ardor provocou em
ti a chispa da cólera. Mas olha Starbuck, o que é falado com cólera desdiz-se por si mesmo. Há
homens cujas palavras apaixonadas não passam de ínfima indignidade. Não pretendi te enraivecer.
Deixa disso. Olha! Vê aquelas faces turcas cheias de manchas – figuras vivas que respiram,
pintadas pelo sol. Os leopardos pagãos – essas criaturas imprudentes e sem culto, que vivem,
buscam e não justificam a ardente vida que os anima! A tripulação, homem, a tripulação! Não estão
todos com Ahab nesse assunto da baleia? Olha para Stubb! Ele ri! Olha para o chileno! Ele ronca só
de pensar nisso. No meio do furacão geral és arbusto frágil e único, Starbuck! E do que se trata?
Imagina. Nada além de ajudar a ferir uma barbatana; isso não é nenhuma façanha monstruosa para
Starbuck! E o que mais? Nessa pobre caçada única, a melhor lança de toda Nantucket certamente
não hesitará quando cada um dos marinheiros tiver agarrado uma pedra de amolar. Ah! O
constrangimento te invade; bem vejo! A onda te eleva! Fala, fala! – Sim, sim, teu silêncio fala por
ti. (À PARTE) Algo foi expelido através das minhas narinas dilatadas, que ele inalou e entrou em
seus pulmões. Starbuck agora é meu, não pode se opor sem rebelião.
“Que Deus me proteja! Que nos proteja a todos!” murmurou Starbuck, deprimido.
Porém, em sua alegria, com a fascinante e tácita aquiescência do piloto, Ahab não ouviu sua
invocação de mau agouro nem o riso baixo que partia do porão, não ouviu as agourentas vibrações
dos ventos soprando no cordame nem o ruído oco das velas batendo contra os mastros, como se por
um momento seus corações tivessem parado de bater. Os olhos baixos de Starbuck novamente se
iluminaram com a rebeldia da vida; o riso subterrâneo morreu; os ventos continuaram a soprar; as
velas se enfunaram; o navio se ergueu e balouçou como antes. Ah! Advertências e presságios! Por
que não vos detemos quando chegais? Mas é preferível que sejais presságios e não ameaças ou
sombras! Porém não sois prenúncios de coisas externas, mas verificações de coisas precedentes e
interiores. Com poucas coisas externas para nos constranger, são as necessidades mais profundas do
nosso ser que ainda nos impelem.
“A medida!” Gritou Ahab.
Recebendo a vasilha de estanho cheia até a borda, voltou-se para os arpoadores e lhes
ordenou que apresentassem as armas. Então, enfileirando-os diante dele perto do cabrestante, arpões
nas mãos enquanto os três pilotos permaneciam ao seu lado com as lanças em punho, o resto da
tripulação do navio formou um círculo em torno do grupo. Por um instante, ele olhou fixamente
para cada homem de sua tripulação. Aqueles olhos selvagens encontraram os seus como os olhos
injetados de sangue dos lobos dos prados encontram os olhos de seu líder antes que este corra à sua
frente no rastro do bisão. Mas, oh infelicidade! Ele cai na armadilha oculta do índio.
“Bebei e passai!” gritou ele, entregando o frasco cheio ao marinheiro mais próximo. “Agora
a tripulação bebe sozinha. Passai o frasco de um para o outro! Goles pequenos – goles longos,
homens; tão quentes quanto os cascos de Satã. Sim, sim, excelente. Enrosca-se em vós, brilha em
vossos olhos cúpidos. Muito bem; quase acabou. Assim como veio, vai. Entregai – está vazio!
Homens, vós sois como os anos, a vida transbordante é tragada e desvanece. Comissário, enche
outra vez!
“Esperai, meus bravos. Eu vos reuni em torno deste cabrestante e vós, pilotos, estais junto a
mim com vossas lanças; e vós, arpoadores, trazeis vossos ferros; e vós, intrépidos marinheiros, vós
me rodeais para que de algum modo eu possa reviver um nobre costume dos antigos pescadores que
viveram antes de mim. Oh, homens, vereis que – Ah! Voltaste rapaz? As moedas falsas não chegam
mais cedo. Dá-me. Bem, agora que este frasco está novamente cheio, que não se dance a dança de
São Vito – Fora, tremedeira!
“Avante, pilotos! Cruzai vossas lanças diante de mim. Ótimo! Deixai-me tocar o ponto onde
se cruzam”. E assim dizendo, com o braço estendido, agarrou o centro cruzado das três radiosas
lanças iguais. De repente sacudiu-as vigorosamente, olhando atentamente de Starbuck para Stubb e
de Stubb para Flask. Era como se por algum inominável anseio interior ele de bom grado desejasse
lhes transmitir a emoção encerrada dentro da garrafa de Leiden da sua própria vida magnética 1. Os
três pilotos se abateram diante de seu aspecto forte, firme e místico. Stubb e Flask desviaram os
olhos. O olhar honesto de Starbuck baixou para o chão.
“Em vão!” exclamou Ahab. “Mas talvez seja bom. Se vós três recebêsseis a força total do
choque de uma só vez, talvez meu dínamo expirasse de dentro de mim e talvez vós também caísseis
mortos. Talvez não necessiteis dele. Baixai as lanças! E agora, pilotos, eu vos nomeio copeiros dos
três parentes pagãos que aqui estão – os três honrados e nobres cavalheiros, meus audazes
arpoadores. Desprezais o trabalho? O que dizeis então do grande Papa que lava os pés dos
mendigos usando sua tiara como cântaro? Oh, meus doces cardeais! Inclino-me diante de vossa
benevolência. Cortai vossas ligaduras e retirai os cabos, arpoadores!”
Obedecendo a ordem, os três arpoadores agora permaneciam silenciosos diante dele, com o
aço de três pés de comprimento solto dos arpões, segurando-o com as farpas para cima.
“Não me apunhaleis com esse aço afiado! Baixai-os! Não sabeis onde fica o fundo da taça?
Voltai a concavidade para cima! Isso, isso. Agora, copeiros, avançai. Tomai os ferros e segurai-os
enquanto eu os encho!” Em seguida, dirigindo-se devagar de um para outro oficial, encheu a
cavidade dos arpões com a aguardente do frasco.
“Agora são três contra três. Apresentai os cálices sanguinários! Apresentai-os, vós que agora
sois parte desta aliança indissolúvel! Ah! Starbuck! O fato está consumado! O sol que o ratifica
espera para se pôr sobre ele. Bebei, arpoadores! Bebei e jurai, homens, vós que tripulais a proa letal
deste navio baleeiro – Morte para Moby Dick! Que Deus nos destrua a todos se não caçarmos Moby
Dick até a morte!” Os longos cálices farpados foram levantados e com um silvo a bebida foi sorvida
sob brados e imprecações contra a baleia branca. Starbuck empalideceu e virou-se tremendo. Mais
uma vez o jarro cheio passou pela tripulação frenética. Ahab abanou a mão livre para os homens,
todos se dispersaram e ele partiu para seu camarote.
1- A garrafa de Leiden era uma espécie de capacitor primitivo, capaz de armazenar de energia
elétrica.
37. CREPÚSCULO
[O CAMAROTE; JUNTO ÀS JANELAS DA POPA; AHAB SENTADO SOZINHO,
OLHANDO PARA FORA].
Deixo um rastro branco e impreciso; águas pálidas e rostos ainda mais lívidos em todas as
águas por onde navego. Invejosos, os vagalhões passam ao meu lado avultando-se para evitar minha
passagem; mas passo primeiro.
Naquela direção, pela borda do cálice sempre transbordante, as ondas ardentes se
avermelham como vinho. A fronte de ouro mergulha no azul. Declinando vagaroso desde o
meio-dia, o sol poente submerge; ergue-se a minha alma! Enfada-se ascendendo por essa infindável
colina. Será pesada demais a coroa que uso? Essa Coroa de Ferro da Lombardia? No entanto, ela
fulgura com muitas gemas. Eu, seu portador, não vejo suas chispas longínquas mas sinto
obscuramente que carrego essa maldição alucinante. Sei que isso é ferro, não ouro. Também está
fendida, sinto isso; suas bordas denteadas me ferem, meu cérebro parece palpitar contra metal
sólido. Sim, contra meu crânio de aço, do tipo que não necessita de elmo para a luta que exige os
maiores choques de cérebros!
Sinto uma abrasadora secura sobre minha fronte? Oh! Houve um tempo em que, como a
aurora nobremente me excitava, o ocaso me apaziguava. Já não é assim. Essa luz encantadora já não
me ilumina; toda beleza agora me atormenta, pois não posso gozá-la. Brindado com alto grau de
percepção, agora me falta o reles poder de desfrutar! Fui amaldiçoado do modo mais sutil e
perverso no meio do Paraíso! Boa noite – boa noite – (ABANANDO A MÃO, AFASTA-SE DA
JANELA).
A tarefa não foi tão árdua. Julguei que encontraria pelo menos uma pessoa persistente, mas
minha roda dentada ajusta-se a várias rodas, e elas giram. Ou, se preferes, elas ficam diante de mim
como montículos de pólvora, e sou seu fósforo. Oh, é pena que para incendiar os outros o próprio
fósforo precise se extinguir! O que ousei eu desejei e o que desejei eu farei! Consideram-me louco –
Starbuck acredita nisso, mas sou diabólico, sou a própria loucura demente! Esse desvario feroz que
se abranda apenas para entender a si próprio! A profecia relatava que eu seria mutilado e – sim!
Perdi uma perna. Mas agora profetizo que desmembrarei quem me desmembrou. Então, que o
profeta e o algoz sejam um só. Isso me faz maior que vós, grandes deuses, bem maior do que já
fostes. Zombo de vós e vos apupo, jogadores de críquete, pugilistas, vós, surdos Burkes e cegos
Bendigos! Não falarei como os estudantes dialogam com os valentões – Procurai alguém com vosso
tamanho. Não ME atormenteis! Vós me abatestes, mas estou novamente em pé. Porém, TU correste
e te ocultaste. Surge de trás de tuas bolsas de algodão! Não tenho uma arma de longo alcance para
alcançar-te. Vem! Ahab te cumprimenta. Vem e vê se és capaz de me afugentar. Afugentar-me? Tu
não poderás me desviar sem também desviar-te! Tens um homem diante de ti. Desviar-me? O
caminho para o meu objetivo foi estabelecido com trilhos de ferro sobre os quais minha alma se
encaixa para correr. Corre sobre desfiladeiros sem fundo, através das gargantas das montanhas, sob
os leitos dos rios! Não há obstáculos nem ângulos neste caminho de ferro!
38. ANOITECER
[STARBUCK APOIADO NO MASTRO REAL]
Minha alma não só encontrou outra do mesmo nível, mas foi superada, vencida por um
louco! É um aguilhão insuportável que a sanidade tenha deposto as armas em tal campo! Mas ele
me dominou e aniquilou minha razão! Creio que compreendo seu nefando propósito e sinto que
devo auxiliá-lo. Queira ou não, algo indizível ligou-me a ele; puxa-me com um cabo e não tenho
faca para me livrar. Velho hediondo! Quem existe acima de mim? pergunta ele; sim, ele seria um
democrata para eles; observai como prevalece sobre todos os que estão abaixo! Oh! Vejo
claramente meu ofício deplorável – obedecer insurgindo-me; e pior ainda, odiando com um laivo de
piedade! Pois em seus olhos leio um enorme infortúnio que também me frustraria se eu o tivesse.
Mas ainda há esperança. O tempo e a maré fluem com amplidão. A baleia abominada tem todo o
mundo líquido para nadar, como o peixinho dourado tem seu globo de vidro. Deus pode afastá-lo de
seu objetivo que insulta os céus. Meu coração elevar-se-ia, não pesasse ele como chumbo. Meu
relógio se detém como meu coração e não tenho chave para dar-lhe corda, elevá-lo novamente.
[EXPLOSÃO DE RISO NO CASTELO DE PROA].
Oh, Deus! Viajar com uma tripulação com tão poucas mães humanas! Parecem gerados em
algum lugar deste oceano repleto cheio de tubarões. A baleia branca é sua górgona. Ouvi! Que orgia
infernal! Os risos vêm da proa! Repara no silêncio da popa! Creio que isso é a imagem da vida. Na
frente, através do mar fulgurante arremessa-se a alegre, conflituosa, desafiadora proa, mas apenas
para arrastar o lúgubre Ahab e o camarote de popa onde ele reflete, construído sobre as águas
mortas de seu rastro, caçado por suas lupinas borbulhas. O longo ulular faz-me estremecer.
Silêncio! Festeiros, montai guarda! Oh, vida! É em uma hora como essa, com a alma destroçada e
presa do conhecimento, que as coisas brutais e sem orientação são forçadas a se manifestar. Oh,
vida! Sinto agora o horror latente que há em ti! Mas esse não sou eu! Esse terror não está em mim, e
é com o suave sentimento humano que existe em meu interior que tentarei vos enfrentar, soturnos
fantasmas do futuro! Permanecei ao meu lado, sustentai-me, guiai-me poderes benditos!
39. A VIGIA DA PRIMEIRA NOITE
[A GÁVEA DO TRAQUETE. STUBB SOZINHO, REMENDANDO UMA
BRAÇADEIRA]
Ah! ah! ah! ah! hem! Clareio minha garganta! – Tenho pensado muito e isso, ah, ah, é a
consequência final. E por quê? Porque o riso é a resposta mais sábia e fácil para tudo que é
esquisito. Aconteça o que acontecer, é o único lenitivo que fica – conforto infalível – pois é tudo
predestinado. Não ouvi toda a conversa com Starbuck, mas em minha pobre opinião Starbuck
parecia passar pelo mesmo que experimentei na outra noite. E certamente o velho Mogul também
deu um jeito nele. Percebi tudo. Depois eu soube de tudo, mas se tivesse o dom poderia ter previsto
imediatamente, pois compreendi quando bati os olhos em sua cabeça. Bem, Stubb, sábio Stubb –
esse é meu apelido – bem, Stubb, que achas disso? É uma carcaça. Não sei o que pode acontecer,
mas seja como for receberei rindo. Quantos risos travessos se escondem nos horrores! É engraçado.
Fa, la! lirra, skirra! O que estará fazendo minha pequena pera suculenta, lá em casa? Chorando
todas as suas lágrimas? Dando uma festa para os arpoadores recém-chegados, alegre como uma
flâmula de fragata; assim como eu – fa, la! lirra, skirra! Oh!...
Nesta noite, com corações leves bebamos
Aos amores risonhos, fugazes
Como borbulhas nadando na beira da taça,
Partindo-se de encontro aos lábios.
Uma bela canção – Quem chama? Senhor Starbuck? Sim, sim senhor – (À PARTE) Ele é
meu superior e também tem o seu, se não me engano. Sim, sim senhor, estou acabando este trabalho
– Já vou!
40. MEIA-NOITE, CASTELO DE PROA
ARPOADORES E MARINHEIROS (ERGUE-SE A VELA DO TRAQUETE
MOSTRANDO O VIGIA EM PÉ, PASSEANDO, APOIANDO-SE, RECLINANDO-SE EM
VÁRIAS ATITUDES; TODOS CANTAM EM CORO).
Adeus, adeus, damas espanholas!
Adeus, adeus, damas da Espanha!
Nosso capitão mandou...
PRIMEIRO MARINHEIRO DE NANTUCKET. Oh, rapazes, não sede sentimentais, pois
perturba a digestão! Tomai um tônico e seguime! (CANTA, E TODOS O ACOMPANHAM).
Nosso capitão estava no convés,
Binóculo na mão,
Observando as galantes baleias
Esguichando por todas as praias.
Oh, tomai posição em vossos botes, rapazes,
Vossos ganchos mantende à mão
E teremos uma dessas belas baleias,
Rapazes, mão após mão!
E que a coragem e a alegria jamais vos falhe
Ao golpear a baleia, arpoadores audazes!
VOZ DO PILOTO NO TOMBADILHO. Oito badaladas de sino, avante!
SEGUNDO MARINHEIRO DE NANTUCKET. Basta de coro! Oito badaladas! Ouviste,
sineiro? Bate o sino oito vezes, Pip! Deixa, eu chamo a guarda. Tenho o tipo de voz para isso – uma
boca de tonel. Isso, assim (ENFIA A CABEÇA NA ESCOTILHA). Olá! Vós da boo-lii-naa! Oito
badaladas lá embaixo! Já para cima!
MARINHEIRO HOLANDÊS. Grande festa esta noite, guarda; a noite está boa para isso. Eu
a carimbo com o vinho do nosso velho Mogul, tão mortal para alguns, tão estimulante para outros.
Nós cantamos e eles caem no sono – sim, ficam ali como pedaços de dormentes no solo. A eles
novamente! Pega este megafone de cobre para saudá-los. Dize-lhes para pararem de sonhar com
suas namoradas. Dize-lhes que é a ressurreição, que devem beijar pela última vez antes de se
apresentarem ao julgamento. É assim que deve ser – ASSIM! Tua garganta não se estragou por
comeres manteiga holandesa.
MARINHEIRO FRANCÊS. Silêncio, rapazes! Vamos bailar uma ou duas vezes antes de
aportar na Baía dos Cobertores. O que dizeis? Aí vem outra guarda. Em pé! Pip! Pequeno Pip!
Viva! Vem com teu tamborim!
PIP (MAL-HUMORADO E SONOLENTO). Não sei onde ele está.
MARINHEIRO FRANCÊS. Então bate na barriga e aguça os ouvidos. Dançai, homens. A
hora é de alegria. Viva! Macacos me mordam, não quereis dançar? Formai uma fila indiana e
sapateai. À dança! Pernas! Pernas!
MARINHEIRO ISLANDÊS. Não gosto do teu assoalho, companheiro; é muito flexível para
o meu gosto. Estou acostumado com assoalhos de gelo. Perdão por jogar água fria sobre esse
assunto.
MARINHEIRO MALTÊS. Eu também. Onde estão as meninas? Só um idiota confundiria a
mão esquerda com a direita para cumprimentar alguém? Par! Quero um par!
MARINHEIRO SICILIANO. Sim! Meninas e um gramado! – só então eu pularia convosco;
sim, saltaria como um gafanhoto!
MARINHEIRO DE LONG-ISLAND. Bem, bem, rabugentos, aqui somos muitos. Colhamos
o milho enquanto pudermos. Todas as pernas logo irão para a colheita. Ah! Lá vem a musica.
Vamos a ela!
MARINHEIRO AÇORIANO (SUBINDO E TOCANDO PANDEIRO NA ESCOTILHA).
Eis-te aqui, Pip; aqui está o bolinete. Sobe! Agora, rapazes!
[METADE DOS MARINHEIROS DANÇA AO SOM DO PANDEIRO. ALGUNS
DESCEM, OUTROS DORMEM OU REPOUSAM NOS ROLOS DE CORDA. ENORME
QUANTIDADE DE PRAGAS].
MARINHEIRO AÇORIANO. (DANÇANDO) Vamos, Pip! Bate nele, mensageiro! Arma-o,
escava-o, ergue-o, cala-o, mensageiro! Faze jogos de luzes, destrói as canções!
PIP. Canções, foi o que disseste? Lá vai mais uma. Eu a toco assim.
MARINHEIRO CHINÊS. Bate os dentes, toca outra vez, faze um pagode de ti mesmo.
MARINHEIRO FRANCÊS. Estou doido de alegria! Levanta o arco, Pip, quero passar
através dele! Rasgai a bujarrona. Rebentai-vos!
TASHTEGO (FUMANDO TRANQUILAMENTE). Assim é o homem branco. Acha que
isso é engraçado: Humm... Não vou gastar meu suor.
VELHO MARINHEIRO DA ILHA DE MAN. Será que esses rapazes alegres sabem em
cima do que estão dançando? Dançarei sobre tua tumba – essa é a mais atroz ameaça que podem
fazer as mulheres da noite que batem cabeça nas esquinas. Oh, Cristo! Pensar nas esquadras verdes
e na tripulação de verdes crânios! Bem, bem, pelo jeito o mundo todo é um baile ou uma bola, como
afirmam os eruditos, então está certo fazer dele um salão de baile. Dançai rapazes, sois jovens como
fui no passado.
TERCEIRO MARINHEIRO DE NANTUCKET. Arre! – Uff! Isto é pior que perseguir
baleias em uma calmaria – Dá-nos uma pitada, Tash.
[TODOS PARAM DE DANÇAR E SE REÚNEM EM GRUPOS ENQUANTO O CÉU
ESCURECE; O VENTO COMEÇA A SOPRAR]
MARINHEIRO LASCAR. Por Brama! Rapazes, logo teremos que recolher as velas. O
transbordante Ganges nascido no céu virou vento! Exibistes vossa fronte severa, Shiva!
MARINHEIRO MALTÊS (RECLINANDO-SE E AGITANDO O BONÉ). São as vagas –
os topos de neve agora se transformam em dança. Logo agitarão as franjas. Se todas as ondas
fossem mulheres eu mergulharia nelas e brincaria para sempre! Não há nada tão doce na terra – nem
o céu pode se comparar com os rápidos olhares aos seios cálidos e selvagens durante uma dança,
quando braços protetores os escondem como videiras que ocultam suas uvas maduras.
MARINHEIRO SICILIANO (RECLINANDO-SE). Nem digas! Ouvi, rapazes – e os
rápidos entrelaçamentos de pernas, os ágeis balanços, as carícias reticentes, os estremecimentos?
Lábios, coração, quadris! Tudo roça: toques e afastamentos incessantes! Prova-se com cuidado para
que não venha a saciedade. Hein, pagãos? (RECOSTANDO-SE) MARINHEIRO TAITIANO
(RECLINANDO-SE EM UMA ESTEIRA). Salve a sagrada nudez de nossas bailarinas! A
Hiva-Hiva! Ah! Taiti de véus baixos e palmeiras altas! Ainda descanso em tuas esteiras, mas já não
mais em teu suave solo! Vi como foste tecida nos bosques, minha esteira! Verde no primeiro dia,
quando eu te trouxe; agora já gasta e seca. Ai de mim! Nem tu nem eu podemos suportar a
mudança! Como voltar aos teus céus? Ouvir o rugir dos teus riachos descendo dos picos de lança do
Pirohiti, precipitando-se pelos penhascos e afogando as aldeias...? A ventaria! A ventania!
Levanta-te esqueleto, enfrenta! (LEVANTA-SE DE UM SALTO) MARINHEIRO PORTUGUÊS.
Como o mar se agita golpeando o costado! Preparai-vos para enrolar as velas nos mastros, meus
corações! Os ventos agora cruzam suas espadas e logo estarão lutando.
MARINHEIRO DINAMARQUÊS. Estala, estala, velho navio! Enquanto estalas vais te
aguentando! Muito bem! O piloto te conservará rigidamente! Ele não tem tanto medo de ti quanto
do forte da ilha de Cattegat, ali construído para lutar contra o Báltico com os canhões batidos pela
tormenta, cobertos pelo sal marinho que ali secou!
QUARTO MARINHEIRO DE NANTUCKET. Ele recebeu ordens, lembrai-vos. Ouvi o
velho Ahab lhe dizer que se deve matar o furacão como se explode um jorro de água com uma
pistola – disparando o navio diretamente para ele!
MARINHEIRO INGLÊS. Que raça! Esse velho é fantástico! Somos os mais indicados para
ajudá-lo a caçar sua baleia!
TODOS. Sim, sim!
VELHO MARINHEIRO DA ILHA DE MAN. Como sacodem os três pinhos! Os pinheiros
são as árvores que têm a maior dificuldade para viver quando transplantados para outro solo, e aqui
não há nada além da amaldiçoada terra da tripulação. Firmes, timoneiros! Firmes! Este é o tempo
em que os corações audazes se partem em terra firme e cascos com quilhas se partem no mar. Nosso
capitão tem seu sinal de nascença. Olhai naquela direção, rapazes, há outra marca no céu –
assustadora, e todo o resto é negro como carvão.
DAGGOO. E daí? Quem tem medo de escuro também tem medo de mim. Fui arrancado
dali!
MARINHEIRO ESPANHOL (À PARTE). Ah! Ele quer brigar! O velho resmungão me
irrita. (AVANÇANDO) Sim, arpoador, é inegável que tua raça é a parte escura da humanidade –
infernalmente negra. Sem pretender ofender.
DAGGOO (COM RAIVA). Nenhuma ofensa.
MARINHEIRO DE SÃO TIAGO. Esse espanhol está doido ou embriagado. Mas não é
possível, a menos que nossa velha caixa de aguardente Mogul tenha demorado para produzir seus
efeitos.
QUINTO MARINHEIRO DE NANTUCKET. O que foi isso – um relâmpago? Sim.
MARINHEIRO ESPANHOL. Não. Daggoo mostrou os dentes.
DAGGOO (PULANDO). Para te engolir, boneco! Pele branca, fígado branco!
MARINHEIRO ESPANHOL (ENFRENTANDO). Eu teria prazer em te apunhalar! Corpo
grande, espírito pequeno!
TODOS. Briga! Briga! Briga!
TASHTEGO (BUFANDO). Uma briga embaixo, uma briga em cima – Deuses e homens –
todos brigões! Ufa!
MARINHEIRO DE BELFAST. Uma briga! Viva! Uma briga! Que a Virgem seja louvada,
uma briga! Entra nela!
MARINHEIRO INGLÊS. Jogo limpo! Arrancai a faca do espanhol! Um ringue, um ringue!
VELHO MARINHEIRO DA ILHA DE MAN. Está instituído. Ali! No horizonte. Naquele
ringue Caim matou Abel. Foi um trabalho doce, correto? Não! Então, Deus, por que fizeste o
ringue?
VOZ DO PILOTO, NO TOMBADILHO. Todos às adriças! Para os joanetes! Preparar para
rizar as velas da gávea!
TODOS. A tempestade! A tempestade! Rápido, festeiros! (DISPERSAM-SE TODOS)
PIP (ENCOLHENDO-SE SOB O CABRESTANTE). Festeiros? Que Deus ajude esses
festeiros! Crish, crash! Aí vai a bujarrona! Blang-whang! Deus! Abaixa a cabeça, Pip, aí vem o
sobrejoanete! É pior que estar no bosque durante os redemoinhos do ultimo dia do ano! Quem se
aventuraria a subir em uma castanheira, agora? Mas ali estão eles, todos praguejando, menos eu. É
ótimo o que os espera; estão na caminho para os céus. Firme! Credo, que temporal! Mas esses
sujeitos estão ainda piores – são como tempestades brancas. Tempestades brancas? Baleia branca,
Brr! Brr! – Ouvi a conversa deles agora pouco, e a baleia branca foi citada uma única vez, nesta
noite – isso faz com que eu soe como meu pandeiro – Aquele velho anaconda jurou que iria caçá-la!
Oh, grande Deus branco que estás no alto, sobre esta escuridão, tem piedade deste negrinho,
guarda-o de todos os homens que não têm vísceras para sentir medo!
41. MOBY DICK
Eu, Ismael, era um dos tripulantes; meus gritos haviam se elevado com os dos outros, meu
juramento se unira aos deles e quanto mais alto eu gritara, mais forte eu repetira e me agarrara ao
meu juramento por causa do terror que eu abrigava em minha alma. Havia um sentimento selvagem,
místico e solidário dentro de mim. A indestrutível rixa de Ahab parecia ser minha. Com ouvidos
vorazes, ouvi a história daquele monstro assassino contra o qual eu e todos os outros havíamos
jurado selvageria e vingança.
Há algum tempo, se bem que apenas a intervalos, a solitária e isolada Baleia Branca
assombrara os mares não civilizados, frequentados principalmente pelos pescadores de cachalotes.
Porém, nem todos sabiam de sua existência e comparativamente poucos a haviam avistado,
enquanto que o número dos que realmente tinham se engajado em luta com ela era muito pequeno,
porque devido ao grande número de cruzeiros de pesca da baleia, pelo modo desordenado com que
se dispersavam sobre toda circunferência líquida e porque muitos deles aventurosamente estendiam
sua busca às latitudes solitárias, raramente, ou nunca, por um ano inteiro, encontravam uma única
vela para lhes contar novidades. A exagerada duração de cada viagem e a irregularidade das datas
de saída dos portos de origem, somadas a outras circunstâncias diretas ou indiretas, impediam que
se difundissem notícias concernentes a Moby Dick através da frota baleeira do mundo inteiro. Não
se podia duvidar que às vezes fora vista por vários navios, neste ou naquele meridiano, nesta ou
naquela data, um cachalote de incomum magnitude e malignidade que depois de causar grande dano
aos seus agressores escapara sem deixar qualquer vestígio. Para alguns, não era ousadia afirmar que
a baleia em questão só poderia ser Moby Dick. Ainda assim, ultimamente a pesca do cachalote fora
marcada por diversos e frequentes casos de grande ferocidade, esperteza e malícia por parte do
monstro atacado, mas a maior parte dos pescadores que por acaso e por ignorância tinham lutado
contra Moby Dick sem o saber, ficava feliz em atribuir o peculiar terror que essa baleia produzira
aos perigos da caça do cachalote, em geral, do que a um agente específico. Assim sendo, o
desastroso encontro entre Ahab e a baleia até aqui fora popularmente estimado.
Quanto aos que por acaso a avistavam, mesmo tendo ouvido falar da Baleia Branca, a
princípio todos haviam descido corajosa e destemidamente para enfrentá-la como qualquer outra
baleia de sua espécie. Mas com o tempo, as calamidades e as desastrosas repulsas decorrentes
desses ataques – não restritas a pulsos e tornozelos torcidos, pernas e braços quebrados, amputados
ou devorados, mas fatais até o ultimo grau da fatalidade – foram acumulando e empilhando terrores
sobre Moby Dick. As coisas tinham ido tão longe que acabaram por abalar o heroísmo de muitos
intrépidos caçadores que eventualmente souberam a história da Baleia Branca.
Esses brutais rumores não deixavam de exagerar e tornar mais horrendas as histórias
verdadeiras desses encontros mortíferos, pois não somente os rumores lendários surgem
naturalmente de todos os acontecimentos extraordinários e aterrorizantes – como acontece com as
árvores corroídas que dão origem aos seus fungos – mas também, na vida marítima mais que em
terra firme, transbordam boatos espantosos sempre que surge uma realidade adequada à qual se
apegar. E como o mar supera a terra nesse assunto, a pesca da baleia suplanta a de qualquer outra
espécie de vida marítima na admirável e medonha qualidade dos rumores que às vezes circulam em
seus domínios, pois não só a classe de pescadores de baleias não é imune a essa ignorância e
superstição hereditária, comum a todos os marinheiros, mas, segundo as possibilidades, é a que
mais entra em contato direto com tudo que é espantosamente chocante no mar, vendo de perto não
apenas seus grandes prodígios, mas também os combatendo e agarrando-lhes a mandíbula, sozinhos
nessas águas afastadas nas quais mesmo que navegassem mil milhas ou passassem por milhares de
praias não conseguiriam chegar a qualquer soleira de pedra lavrada ou algo hospitaleiro sob essa
parte do sol. Nessas latitudes e longitudes, perseguindo tal presa, o pescador de baleias é cercado
por forças que tornam sua imaginação prenhe de inúmeros prodígios.
Não é de se admirar que, avolumando-se os rumores sobre a baleia branca pelos amplos
espaços oceânicos, estes finalmente incorporassem todo o tipo de insinuações doentias e sugestões
fetais meio formadas de agentes sobrenaturais que acabaram por investir Moby Dick de novos
terrores que não eram originários de nada concreto ou aparente. Desse modo, finalmente nasceu tal
pânico dentre os que sabiam da existência da Baleia Branca que poucos desejavam enfrentar os
perigos de suas mandíbulas.
Mas havia outras influências práticas mais vitais em ação. Ainda hoje o cachalote é
distinguido de todas as outras espécies de leviatã pelo terror que inspira, e seu prestígio original
continua intato na mente dos caçadores de baleias. Há alguns que, apesar de suficientemente
corajosos para enfrentar a Baleia Franca ou a Baleia Real, por inexperiência profissional,
incompetência ou timidez, talvez se recusem a combater um cachalote. De qualquer modo, dentre as
nações que caçam baleias, principalmente as que não navegam sob a bandeira norte-americana, há
um grande número de baleeiros que jamais encontraram um cachalote de modo hostil, e seu único
conhecimento do leviatã se restringe ao abominável monstro antigamente perseguido no norte.
Sentados na entrada do convés, esses homens ouvem com infantil interesse e assombro as lendas
violentas e estranhas sobre a pesca da baleia nos mares do sul. Porém, ninguém no mundo
compreende com maior emoção a importância tremenda do grande cachalote do que a tripulação
dos navios que lutam contra ele.
E como se o que se dizia sobre seu poder fosse uma sombra de seu passado lendário que
tivesse sido projetada sobre a realidade agora provada, encontramos alguns livros de naturalistas –
Olassen e Povelson – declarando que o cachalote não só é um padecimento para todas as outras
criaturas do mar, como também possui ferocidade tão espantosa que está sempre ávido por sangue
humano. Nem os tempos mais recentes, como de Cuvier, destruíram essas e outras impressões
similares. Em sua História Natural, o próprio Barão afirma que todos os peixes (tubarões inclusos)
são “tomados do mais vivo terror” quando veem um cachalote, e que “no ímpeto de sua fuga, é
frequente eles se lançarem com violência contra as rochas, o que lhes causa morte instantânea”. As
experiências universais com a pesca da baleia podem suavizar narrativas desse tipo, inclusive
diminuindo o imenso terror da sede de sangue relatada por Povelson e a crença supersticiosa
abrigada pelas mentes dos caçadores em algumas atribulações de sua carreira.
De modo que, intimidados pelos boatos e prodígios atribuídos a Moby Dick, inúmeros
pescadores recordaram os primeiros dias da pesca do cachalote, quando era sempre difícil
convencer baleeiros experientes na caça da Baleia Real a embarcar nos perigos deste novo e ousado
combate. Tais homens asseguravam que, apesar de outros leviatãs poderem ser perseguidos com
êxito, caçar à ponta de lança uma aparição como o cachalote não era para homens mortais; que ao
tentar essa empreitada seriam inevitavelmente dilacerados e enviados para a eternidade. Sobre esse
ponto, podem ser consultados alguns documentos admiráveis.
Todavia, mesmo diante de tais coisas, alguns homens estavam dispostos a caçar Moby Dick,
e tendo ouvido as histórias sobre ela apenas de forma vaga e distante, sem detalhes específicos, com
baixo grau de calamidades e sem acréscimos supersticiosos, um número ainda maior possuía
suficiente ousadia para não fugir da batalha, se surgisse a ocasião.
Uma das sugestões mais bizarras que finalmente acabou por se ligar à Baleia Branca nas
mentes dos que possuíam inclinação à superstição foi o conceito sobrenatural de que Moby Dick era
onipresente e que realmente fora vista em latitudes opostas, exatamente na mesma hora.
Porém, por mais crédulas que fossem essas mentes, o conceito não deixava de ter alguma
precária e supersticiosa possibilidade. Como os segredos das correntes marinhas ainda não haviam
sido divulgados, nem mesmo pelas pesquisas mais eruditas, os hábitos ignorados do cachalote sob a
superfície da água permaneciam em grande parte inexplicados aos seus perseguidores e, de tempos
em tempos, originavam as especulações mais estranhas e conflitantes, sobretudo no que diz respeito
à maneira misteriosa com que, depois de mergulhar a grande profundidade, ela se transportava com
enorme velocidade aos locais mais distantes.
Navios baleeiros americanos e ingleses conhecem perfeitamente bem o fato (registrado há
alguns anos como informação autorizada de Scoresby) de algumas baleias capturadas no Pacífico
norte terem em seus corpos pedaços de arpões disparados nos mares da Groenlândia. Em algumas
dessas instâncias, é inegável que o intervalo de tempo entre os dois ataques não pode ter sido maior
que alguns dias. Portanto, deduzimos os baleeiros tinham razão e que a Passagem Noroeste, que
durante tanto tempo se constituiu um problema para o homem, jamais o foi para as baleias. Desse
modo, pela experiência real e viva de seres viventes, os prodígios relatados no passado sobre a Serra
da Estrela, em Portugal (em cujo topo, dizia-se, havia um lago em cuja superfície flutuavam restos
de navios), e a história ainda mais incrível da fonte de Aretusa, próxima de Siracusa (cujas águas,
acreditava-se, vinham da Terra Santa através de uma passagem subterrânea), quase se igualam à
realidade dos caçadores de baleias.
Então, forçados à intimidade com tais fenômenos e sabendo que, após repetidos e bravos
assaltos a baleia escapara com vida, não é surpresa que alguns baleeiros fossem além em suas
superstições, afirmando que Moby Dick não só era onipresente como também imortal (pois
imortalidade não passa de onipresença no tempo) e que mesmo que lhe cravassem nos flancos uma
floresta de arpões, ela sairia nadando incólume, ou se, de fato, ela um dia esguichasse sangue
espesso, tal visão seria um terrível engano, pois seu imaculado jorro voltaria a ser visto nas ondas
límpidas, a muitas léguas de distância.
Mesmo despida dessas suposições sobrenaturais, a forma terrena e o inegável caráter do
monstro tinham o suficiente para estimular a imaginação com a ideia de um poder insólito. Não era
somente seu tamanho excepcional que a distinguia de outros cachalotes, mas também, como era
contado em toda parte, sua fronte peculiar, enrugada, branca como a neve, e uma corcova também
branca, altiva, piramidal. Eram essas suas características marcantes, símbolos por meio dos quais
até nos ilimitados mares não mapeados, à longa distância ela revelava sua identidade aos que a
conheciam.
O resto de seu corpo era tão estriado, manchado e marmorizado com a mesma coloração
velada que, por fim, ela adquirira o apelido característico de Baleia Branca, nome na verdade
literalmente justificado por seu aspecto exuberante quando observada deslizando pelo mar azul em
pleno dia, deixando atrás de si uma via láctea de espuma cremosa, coroada de flamejantes
lantejoulas douradas.
Também não era sua incomum magnitude, a extraordinária coloração ou a mandíbula
inferior deformada que investiam a baleia de natural terror, mas a malignidade inteligente e sem
precedentes que demonstrava em todos os seus ataques, segundo relatos específicos. Além disso,
suas retiradas insidiosas provocavam mais terror e desalento que qualquer outra coisa. De acordo
com o que se sabe quando ela nadava diante de seus exultantes perseguidores, com todos os
sintomas aparentes de alarme, várias vezes se voltava de repente e, caindo sobre eles, despedaçava
seus botes ou os forçava a voltar para o navio, consternados.
Sua caça já provocara várias mortes. Mas apesar de pouco divulgados em terra firme,
semelhantes desastres não eram raros durante a pesca baleeira em geral. Contudo, na maioria dos
casos, tão infernal parecia ser a ferocidade premeditada de Moby Dick que todos os
desmembramentos ou mortes por ela causados pareciam infligidos por um autor inteligente.
Imaginai então a que auge de fúria inflamada e insensata eram levadas as mentes de seus
desesperados caçadores quando, em meio aos destroços dos botes moídos e dos membros
arrancados de seus companheiros, eles nadavam para fora dos coágulos brancos da terrível cólera da
baleia e penetravam na serena e enraivecedora luz do sol que lhes sorria como em um nascimento
ou em um matrimônio.
Com seus três botes destruídos em torno de si, remos e homens girando nos redemoinhos,
agarrando a faca para cortar a linha de sua proa quebrada, certa vez um capitão lançou-se contra a
baleia como um lutador de Arkansas se arremessa contra seu inimigo, procurando cegamente atingir
a profundidade da vida da baleia com sua faca de seis polegadas. Esse capitão era Ahab. E foi então
que, subitamente com um movimento de foice, Moby Dick passou sua mandíbula inferior sob ele e
ceifou-lhe a perna como se fosse uma folha de grama em um campo. Nenhum turco de turbante,
nenhum malaio ou veneziano alugado poderia mutilá-lo com maior malignidade. Então, havia
pouca razão para duvidar que desde aquele encontro quase fatal Ahab cultivara um feroz sentimento
de vingança contra a baleia e, cada vez mais dominado por essa frenética morbidez, acabou por
culpá-la não só por sua desgraça corpórea como por todas as suas exasperações intelectuais e
espirituais. A Baleia Branca nadava diante dele como a obsessiva encarnação de todos esses
maliciosos agentes pelos quais alguns homens se sentem tragados até viverem apenas com meio
coração e meio pulmão. Ahab não cultuava nem se inclinava ante a intangível malignidade que
existe desde o início dos tempos, à qual mesmo os cristãos modernos conferem o domínio de
metade dos mundos e que os antigos ofitas do oriente reverenciaram em suas estátuas demoníacas,
mas transferia delirantemente essa ideia à baleia abominada e a desafiava, mesmo todo mutilado.
Para o enlouquecido Ahab, tudo o que mais agoniava e atormentava, tudo que provocava o destino
cruel das coisas, toda verdade maliciosa, tudo que arrebentava os músculos e congelava o cérebro,
todos os sutis demonismos da vida e do pensamento e toda a maldade estavam personificados e
podiam ser atacados em Moby Dick. Ele acumulara sobre a corcova branca da baleia a soma da
raiva e do ódio da raça humana desde Adão, e como se o seu peito fosse um morteiro, lançava sobre
ela todos os projéteis candentes do seu coração.
É improvável que essa sua obsessão tenha nascido no momento em que sofreu a amputação.
Atacando o monstro com a faca nas mãos, dera vazão a um ódio repentino, fanático e corporal, e ao
receber o golpe que o despedaçara provavelmente sentira a agonizante laceração do corpo, nada
mais. Contudo, quando esse impacto o forçou a voltar para casa e por longos dias, semanas, meses,
Ahab e sua angústia permaneceram juntos em uma rede, circundando o uivante e sombrio cabo
patagônio em pleno inverno, seu corpo lacerado e sua alma ferida sangraram um sobre o outro e
essa fusão o enlouqueceu. Parece certo que foi apenas na viagem para casa, após o encontro, que
essa obsessão final o dominou, pois durante a travessia ele às vezes se comportava como um
lunático delirante e, apesar da perna amputada, escondia-se em seu peito egípcio tal força vital
ampliada por seu delírio que seus pilotos eram obrigados a amarrá-lo fortemente ali mesmo, na rede
em que se debatia. Em camisa de força, ele se agitava nos loucos tremores das tempestades. Mas ao
atravessarem latitudes mais brandas com as velas desfraldadas, o navio flutuando pelos trópicos
serenos, aparentemente os delírios do homem foram deixados para trás, nas ondas do Cabo Horn, e
ele saiu de seu covil escuro para a abençoada luz e o ar. Porém, apesar de mostrar a fronte firme e
controlada, embora pálida, de voltar a dar suas ordens com calma e seus pilotos terem agradecido a
Deus por ter findado aquela loucura medonha, em seu íntimo Ahab continuava enfurecido. A
loucura humana sempre tem algo de astucioso e felino. Quando se acredita que desapareceu, pode
ter se transfigurado assumindo uma forma mais sutil. A plena loucura de Ahab não morrera, apenas
se retraíra e aprofundara como o incansável e nobre nórdico Hudson que ao fluir diminuído
aprofunda-se nos desfiladeiros das terras altas de Escócia. Porém, em sua obsessão estreita e
profunda nem um átomo da enorme loucura de Ahab se perdera, do mesmo modo como em sua
total demência não perecera nenhum átomo de seu grande intelecto natural. Aquele que fora um
agente vivo agora se transformara em instrumento dinâmico. Se possível for admitir tal alegoria
frenética, diremos que sua loucura peculiar atacou sua sanidade e a conquistou, virando todos os
seus canhões para um único propósito louco, de modo que, longe de perder sua força, Ahab agora
possuía mil vezes mais potência do que, lúcido, poderia ter aplicado sobre qualquer objeto razoável.
Isso já é suficiente, mas a porção maior, mais profunda e escura de Ahab ainda permanece
não desvendada. Mas é inútil popularizar profundidades, e toda verdade é profunda. Afastando-nos
do interior do coração desse pontiagudo Hotel de Cluny 1 onde nos encontramos – não importa quão
grande e maravilhoso seja ele – vamos deixá-lo agora e vós, almas nobres e tristes, segui vosso
caminho e alcançai esses vastos salões das termas romanas onde, muito abaixo das fantásticas torres
da superfície em que habita o homem, encontra-se a raiz de grandeza, a terrível essência em estado
1- O Museu de Cluny, oficialmente chamado de Museu Nacional da Idade Média. Localiza-se em
Paris e é dedicado à preservação de um rico acervo de arte medieval. Está instalado em dois
edifícios históricos adjacentes: as Termas Galo-Romanas (séculos I-III d.C.) e a ala residencial dos
monges de Cluny (século XV), chamada de Hôtel de Cluny. Desde sua fundação como museu em
1843 a coleção vem sendo ampliada e hoje é capaz de formar um panorama abrangente de arte e
história desde a Gália Romana até o século XVI.
desafiador – uma antiguidade enterrada sob antiguidades, entronizada sobre torsos! Como um trono
partido, os grandes deuses escarnecem desse rei aprisionado; como uma Cariátida, senta-se ele
paciente, sustentando sobre a fronte enregelada os pedestais acumulados dos tempos. Descei, almas
orgulhosas e tristes! Interrogai esse rei soberbo e melancólico! É uma similaridade de família! Sim,
ele realmente vos gerou, jovens realezas exiladas, e somente de vosso amargo ancestral surgirá o
velho segredo de Estado.
Em seu coração, Ahab possuía algum vislumbre de tudo isso e refletia: “todos os meus
meios são lúcidos, mas minha motivação e minha meta são loucas”. Porém, sem poder para matar,
modificar ou escapar do fato, sabia que há muito tempo dissimulava para toda humanidade, e
continuava a dissimular. Porém, sua dissimulação era apenas subordinada à sua percepção, não à
sua vontade resoluta. Apesar disso, tivera tanto sucesso nessa dissimulação que quando sua perna de
marfim finalmente tocara a terra todos os habitantes de Nantucket o consideraram apenas
naturalmente pesaroso pelo terrível desastre que se abatera sobre sua pessoa.
Seu inegável delírio no mar também foi atribuído a uma causa semelhante, assim como a
depressão que depois se amontoou sobre sua fronte até o primeiro dia, quando o Pequod zarpou
para a presente viagem. É muito provável que longe de desconfiar de sua aptidão para outra viagem
de pesca à baleia devido a esses sintomas suspeitos o povo calculista dessa ilha sensata se sentisse
propenso a abrigar o conceito de que, por essas mesmas razões, era ele melhor preparado para uma
perseguição tão nervosa e feroz quanto a caça à baleia. Atormentado e destruído por dentro e por
fora, com as rígidas presas fixas a alguma ideia incurável enraizada em seu íntimo, se pudesse ser
encontrado, tal homem pareceria ideal para lançar o arpão e levantar sua lança contra o mais
aterrador de todos os monstros. Ou se, por qualquer razão, fosse considerado corporalmente incapaz
para isso, ainda assim esse homem pareceria superlativamente competente para gritar e incentivar
seus subalternos ao ataque. Contudo, fosse como fosse, o certo é que com o louco segredo de seu
ódio sem trégua se avolumando dentro dele Ahab embarcara para essa viagem com o único e
sempre crescente propósito de caçar a Baleia Branca. Se um de seus conhecidos de terra tivesse tido
um vislumbre do que se escondia dentro dele, rapidamente sua alma horrorizada e justa teria
arrancado o navio daquele homem demoníaco! Eles estavam interessados em realizar cruzeiros
lucrativos, os ganhos traduzidos em dólares vindos da casa da moeda. Ahab só tinha em mente uma
vingança arrogante, ávida e sobrenatural.
Ali estava aquele homem grisalho, sem Deus, perseguindo com pragas uma baleia de Jó ao
redor do mundo, liderando uma tripulação composta principalmente de mestiços renegados, párias e
canibais – moralmente abatida pela incompetência da mera virtude solitária, da integridade de
Starbuck, da imperturbável alegria da indiferença e da negligência de Stubb e da penetrante
insignificância de Flask. Conduzida por tais oficiais, essa tripulação parecia ter sido escolhida a
dedo por alguma infernal fatalidade para auxiliá-lo em sua obsessiva vingança. Como é possível
terem reagido de modo tão generoso à ira do velho? Que tipo de magia perversa possuíam suas
almas para assumirem aquele ódio como se lhes pertencesse? A Baleia Branca era tão sua inimiga
quanto deles. Como acontecera isso, o que aquela Baleia Branca representava para eles? De que
modo incompreensível e pouco claro aquela baleia lhes pareceu ser uma imensa e deslizante besta
dos mares da vida? Para explicar essas coisas seria preciso mergulhar no assunto mais
profundamente do que o conseguiria Ismael. O mineiro oculto que existe em todos nós poderia dizer
para onde conduz sua galeria pelo som abafado e sempre cambiante de sua picareta? Quem não
sente o irresistível fascínio? Qual o pequeno barco à vela que ao ser rebocado por um navio modelo
74 pode permanecer parado? Finalmente deixei-me envolver pelo abandono do tempo e do lugar,
mas enquanto todos se apressavam para encontrar a baleia nada pude descobrir nesse monstro além
de funestos infortúnios.
42. A BRANCURA DA BALEIA
Já expusemos o que era a Baleia Branca para Ahab. O que ela às vezes representava para
mim ainda permanece não dito.
Além das considerações mais óbvias tocantes a Moby Dick, que só ocasionalmente
poderiam despertar algum alarme na alma de qualquer homem, havia outro pensamento, um
inominável terror bastante vago que de tempos em tempos superava todo o resto, mas era tão
místico e inefável que quase não consegui descrevê-lo de forma compreensível. Acima de tudo, era
a brancura da baleia que me aterrorizava. Mas como posso esperar me explicar? Todavia, preciso
me fazer compreender de algum modo, mesmo que turvo ou aleatório, ou todos esses capítulos
poderiam ser considerados dispensáveis.
Apesar de a brancura aumentar a beleza de vários objetos naturais de forma requintada,
como que lhes conferindo alguma virtude especial, como acontece com o mármore, com as
camélias japonesas e as pérolas, e de algum modo várias nações terem reconhecido certa
preeminência real nessa tonalidade, como os grandes velhos reis bárbaros do antigo Pegu, que
colocavam o título de “Senhor do Elefante Branco” acima de todos os outros títulos pomposos
atribuídos em seu domínio, dos modernos reis do Sião ostentarem o mesmo quadrúpede branco
como a neve em seu estandarte, da bandeira hanoveriana trazer a figura de um alvo corcel, e a do
grande império austríaco, cesáreo, herdeiro da autócrata Roma, ter essa mesma cor como tonalidade
imperial, e essa preeminência também se aplicar à própria raça humana, dando ao homem branco
um domínio virtual sobre todas as tribos escuras, e além de tudo, a brancura ter se tornado o
símbolo da alegria, pois entre os romanos uma pedra branca marcava um dia prazenteiro, e em
outras simbologias e simpatias mortais essa mesma cor ter sido utilizada como emblema de tudo
que é tocante e nobre, como a inocência das noivas e a benignidade da idade; e entre os
peles-vermelhas da América a oferta de um cinto de conchas brancas ser considerada o mais
profundo penhor de honra; e em muitos climas a brancura simbolizar a majestade da justiça no
arminho do Juiz e contribuir para a cerimônia diária de reis e rainhas puxados por alvos cavalos cor
de leite, e nos mais altos mistérios das mais augustas religiões essa cor ter sido feita o símbolo do
poder e da pureza divina, e a branca chama bifurcada ser mantida no mais sagrado dos altares pelos
adoradores persas do fogo, e nas mitologias gregas o próprio Júpiter ter encarnado em um touro da
mais alva brancura, e no solstício de inverno o sacrifício do sagrado Cão Branco ser o mais sagrado
festival teológico dos nobres iroqueses, e essa imaculada e fiel criatura ser considerada o mais puro
enviado que se poderia mandar para o Grande Espírito com os votos anuais de sua fidelidade, e
todos os sacerdotes cristãos retirarem da palavra latina que representa o branco o nome de uma
parte de suas vestes sagradas, a “alva”, ou túnica que usam sob o manto, e entre as sagradas pompas
da fé romana o branco ser especialmente empregado na celebração da Paixão de Nosso Senhor, e na
visão de São João vestes brancas serem entregues aos redimidos, e os 24 Anciãos permanecerem
vestidos de branco diante do grande trono branco, e o Santo dos Santos sentar-se nele, branco como
algodão; apesar das associações com tudo que é doce, honrado e sublime, há algo de ardiloso
espreitando no âmago da ideia dessa cor, que provoca mais pânico na alma que o pavor que nos
causa o vermelho do sangue.
Quando dissociada de organizações mais benévolas e ligada a qualquer objeto por si mesmo
apavorante, essa qualidade elusiva é que faz com que a ideia de brancura amplie esse terror até os
limites mais extremos. Tomai como exemplo a brancura de um urso branco dos polos e o tubarão
branco dos trópicos. O que confere tal abominável suavidade ao seu aspecto silenciosamente cruel
senão sua macia e estranha brancura, mais repulsiva que terrível? É essa brancura apavorante que
confere tal doçura odiosa à atrocidade encoberta de seu aspecto. Assim sendo, nem mesmo o tigre
de presas brutais, na sua pele heráldica, pode abalar tanto a coragem como o urso ou o tubarão
envoltos em seus brancos sudários.[1]
Quanto ao tubarão branco, quando observado em seus hábitos normais, o deslizante repouso
fantasmagórico dessa criatura equivale estranhamente à mesma qualidade do quadrúpede polar.
Essa peculiaridade é mais vividamente alcançada no nome francês desse peixe. A missa romana
pelos mortos começa com as palavras “Requiem eternam” (repouso eterno), e dá-se o nome de
REQUIEM à própria missa ou qualquer outra música funérea. Pois bem, em alusão à silenciosa
imobilidade de morte do tubarão e à moderada letalidade de seus hábitos, os franceses o chamam de
REQUIN.
Considerai o albatroz. De onde vêm essas nuvens de admiração espiritual, esse pálido terror
nos quais o branco fantasma navega em todas as imaginações? Não foi Coleridge o primeiro a
divulgar essa magia, mas a grande e verdadeira laureada de Deus, a Natureza.[2]
Em nossos anais ocidentais, a mais famosa tradição indígena é a do Cavalo Branco das
Pradarias, um magnífico corcel, alvo como leite, olhos grandes, cabeça pequena, peito amplo e
dignidade de mil imperadores em seu porte esplêndido e desdenhoso. Ele era o Xerxes escolhido
pelas enormes manadas de cavalos selvagens cujas pastagens, naqueles dias, eram cercadas apenas
pelas Montanhas Rochosas e pelos Alleghanies. Diante de sua inflamada tropa, ele galopava como a
estrela eleita que, em todas as noites, encaminha as hostes de luz. A coruscante cascata de sua crina
e o recurvado cometa de sua cauda revestiam-no de roupagens mais resplandecentes que o ouro e a
prata trabalhados. Uma das aparições mais imperiais e arcangélicas daquele desgraçado mundo do
oeste que, aos olhos dos velhos armadores de laços e caçadores, revivia as glórias dos tempos
primitivos quando Adão caminhava como esse poderoso corcel, augusto como um deus, fronte alta
e destemida. Marchando entre seus auxiliares e marechais, na vanguarda de incontáveis coortes que
corriam sobre as planícies como um Ohio, ou rodeado pelos seus súditos que pastavam pelo
horizonte, galopando, o Cavalo Branco os passava em revista com as ardentes narinas se
avermelhando em meio à sua fria brancura de leite. Fosse qual fosse o aspecto que apresentava, para
os mais bravos índios ele era objeto de trêmula reverência e temor. Pelo que consta dos lendários
registros sobre esse nobre cavalo, não se pode questionar que foi, sobretudo, sua brancura espiritual
que o revestiu com a divindade, e essa divindade tinha algo que levava à adoração e ao mesmo
tempo provocava um inominável terror.
Porém, há instâncias em que a brancura perde toda essa glória acessória e estranha que
confere ao Cavalo Branco e ao Albatroz.
O que há no homem albino que tanto repele e choca nossos olhos, que às vezes o faz ser
odiado pelos seus próprios parentes? É essa brancura que o reveste, algo expresso pelo nome que
carrega. O albino é como qualquer outro homem – não tem qualquer deformidade importante – mas
seu mero aspecto de total brancura o torna mais estranhamente repulsivo que o mais feio aborto. Por
que seria assim?
Nem mesmo em outros aspectos ou em suas interferências menos palpáveis, porém não
menos maliciosas, a natureza deixa de alistar entre suas forças esses atributo espantoso. O fantasma
enluvado dos mares do sul foi denominado Borrasca Branca devido ao seu aspecto esbranquiçado.
Em algumas ocasiões históricas, nem a arte da perversidade humana omitiu um auxiliar tão
poderoso. Como é violentamente ampliado o efeito dessa passagem, em Froissart, quando,
mascarados com o alvo símbolo de sua facção, os desesperados Capuzes Brancos de Ghent
assassinam seu funcionário executivo na praça do mercado!
Em algumas coisas, nem mesmo a experiência comum e hereditária de toda humanidade
deixa de dar o testemunho do caráter extraordinário dessa cor. Não se pode negar que a qualidade
visível que mais impressiona o observador no aspecto dos cadáveres é a palidez marmórea que o
recobre, como se verdadeiramente essa palidez fosse uma prova da angústia no outro mundo, como
a mortal trepidação o é aqui. É dessa palidez dos mortos que emprestamos a expressiva cor da
mortalha na qual os envolvemos. Nem mesmo em nossas superstições deixamos de atirar o mesmo
manto de neve em torno de nossas assombrações – todos os fantasmas se erguem em uma névoa
leitosa. Sim, enquanto esses terrores se apoderam de nós, acrescentemos que até o rei dos terrores
cavalga um cavalo branco, quando personificado pelo evangelista.
A despeito de a brancura também simbolizar tudo que há de grande ou gracioso, nenhum
homem pode negar que em seu significado mais profundamente idealizado o branco faz com que a
alma evoque fantasmas singulares.
Apesar desse ponto ser admitido sem discussão, como o encara o homem mortal? Parece
impossível analisar esse assunto. Podemos então citar de alguns desses exemplos de brancura –
apesar de por enquanto o conjunto estar parcial ou totalmente isento de qualquer associação de
ideias para transmitir a ele o mínimo de medo, mas causando-nos o mesmo efeito, ainda que
modificado. Como poderíamos almejar descobrir algum indício que nos conduza à causa oculta que
buscamos?
Tentemos. Em um assunto como esse, sutileza exige sutileza, e sem imaginação nenhum
homem pode acompanhar outro, nesses salões. Sem dúvida, pelo menos algumas impressões
imaginativas que serão apresentadas podem ser compartilhadas pela maioria dos homens e é
provável que poucos tenham total consciência delas no momento devido, e talvez nem consigam se
lembrar dessas impressões agora.
Por que, para um homem de ideais não orientados, com apenas uma vaga ideia do caráter
específico do dia, a mera menção de Pentecostes evoca a imagem de longas, sombrias e mudas
procissões de peregrinos de passos lentos e olhos baixos, cobertos pela neve recém-caída? Ou, para
os protestantes iletrados e pouco sofisticados dos Estados americanos do centro, a passagem de um
frade ou freira branca suscita na alma a figura de uma estátua sem olhos?
Ou porque, com exceção das tradições dos guerreiros e dos reis encarcerados em calabouços
(o que não explica inteiramente o fato), a White Tower (Torre Branca) de Londres desperta muito
mais a imaginação do americano que nunca viajou do que outros edifícios históricos construídos nas
proximidades – como a Byward Tower, ou mesmo a Bloody Tower. E torres ainda mais grandiosas,
como as Montanhas Brancas de New Hampshire, cuja simples menção, quando nos encontramos
em estado de espírito peculiar, faz com que nossa alma mergulhe em uma gigantesca fantasmagoria,
enquanto que a lembrança da Cordilheira Azul da Virginia nos leva a um distante estado de sonho
repleto de suavidade e frescor? Ou porque, independente da latitude ou longitude, o nome do Mar
Branco exerce sobre nossa imaginação uma influência espectral enquanto que o Mar Amarelo nos
tranquiliza com pensamentos de suaves tardes sobre ondas de laca, seguidas por alegres e
sonolentos pores-do-sol? Ou, para escolher um exemplo totalmente insubstancial endereçado
apenas à fantasia, por que ao ler os velhos contos de fadas da Europa Central, o “homem alto e
pálido” das florestas de Hartz, cuja palidez imutável desliza silenciosamente através do verdor dos
bosques, nos parece um fantasma mais apavorante que todos os demônios estrepitosos de
Blocksburg?
Também não é a lembrança dos terremotos demolidores de catedrais, os fragores dos mares
frenéticos, a falta de lágrimas dos céus áridos que jamais vertem chuva nem a visão dos amplos
espaços repletos de pináculos inclinados, cumeeiras desconjuntadas, cruzes tortas (como os pátios
inclinados das frotas ancoradas) e suas avenidas suburbanas de paredes apoiadas umas nas outras
como um maço de cartas embaralhadas que fazem da árida cidade de Lima a mais estranha e triste
que se pode encontrar. Lima está coberta por um véu branco, e é apenas nisso que reside o maior
horror de sua infelicidade. Velha como Pizarro, essa brancura mantém suas ruínas sempre novas;
não admite o risonho verdor da destruição total; espalha sobre seus fortes arrasados a rígida palidez
de uma apoplexia que fixa suas próprias distorções.
Para apreensão geral, sei que esse fenômeno da brancura não é comumente aceito como o
principal fator que avoluma o pânico de objetos por si só terríveis, nem para o espírito sem
imaginação há qualquer terror nesses aspectos cujo pavor consiste no único fenômeno,
especialmente quando exibido sob qualquer forma que se aproxime do silêncio ou da
universalidade. O que significam essas duas afirmações talvez possa ser esclarecido pelos seguintes
exemplos.
Primeiro: Quando um marinheiro se aproxima das costas de terras estrangeiras, ao ouvir à
noite o estrondo das ondas fica atento e sente apenas uma trepidação suficiente para aguçar todas as
suas faculdades, mas sob exatamente as mesmas circunstâncias, se for chamado de sua rede para
contemplar seu navio navegando à meia noite em um mar de brancura de leite – como se, vindos
dos promontórios circundantes bandos de ursos brancos e lisos nadassem em torno dele – ele
sentiria um pavor silencioso e cheio de superstição. O espectro amortalhado das águas brancas para
ele é tão horrível quanto um fantasma real. Em vão o prumo lhe garantiria que ainda estavam longe
da profundidade ideal. Desceriam leme e coração e ele não se acalmaria enquanto a água azul não
estivesse novamente sob ele. No entanto, onde se encontra o marinheiro que vos diria: “Senhor, não
foi tanto o medo de bater em rochas ocultas, mas o temor dessa abominável brancura que me
abalou?”
Segundo: Para o índio peruano, a visão continua dos picos nevados dos Andes não provoca
qualquer pânico, exceto, talvez, uma simples fantasia sobre a eterna desolação gelada que reina
naquelas vastas altitudes e o conceito natural de como seria assustador perder-se naquelas solitárias
paragens inumanas. O mesmo acontece com os habitantes das florestas do Oeste que observam uma
planície coberta de neve, sem a sombra da qualquer árvore ou ramo para quebrar o transe fixo da
brancura impassível. Mas isso não ocorre com o marinheiro que contempla o cenário dos mares
antárticos onde, trêmulo e meio naufragado, por algum diabólico passe de mágica da geada ou do
ar, em vez do arco-íris que fala de esperança e conforto para sua miséria, às vezes vê o que parece
ser um cemitério infindável que o apavora com seus delgados monumentos de gelo e suas cruzes
quebradas.
Contudo, creio que julgastes que este capítulo sobre a brancura não passa de uma bandeira
branca agitada por uma alma covarde. Tu te rendeste à hipocondria, Ismael.
Dizei-me porque, se alguém sacudir um couro fresco de búfalo atrás um potro jovem e forte
nascido em algum tranquilo vale de Vermont em um dia ensolarado, longe de todos os predadores,
de modo que ele não o veja mas apenas sinta o odor de almíscar do animal selvagem, ele se
assustará, relinchará e com olhos apavorados baterá com o casco no chão, em um delírio de medo?
Ele não se lembra de qualquer ataque de criaturas selvagens em seu verde lar do norte para associar
esse estranho aroma de almíscar a alguma antiga experiência de perigo. O que sabe esse potro da
Nova Inglaterra sobre os negros bisões do distante Oregon?
Nada; mas contemplastes no animal ignorante o instinto que leva ao conhecimento do
demonismo no mundo. Apesar de se encontrar a milhares de milhas do Oregon, ao sentir o aroma
do almíscar, as selvagens hordas de cruéis bisões estão tão presentes para o potro das pradarias
quanto as manadas de cavalos selvagens que naquele mesmo instante calcam o pó.
Assim sendo, para Ismael as ondas serenas de um mar cor de leite, o gélido farfalhar dos
festões de geada nas montanhas e os desolados movimentos das neves empurradas pelo vento das
pradarias são como o agitar de um couro de búfalo para o amedrontado potro!
Apesar de não sabermos onde se encontram as inomináveis coisas das quais surgem esses
sinais místicos, eu e o potro compreendemos que elas devem existir em algum lugar. Se em muitos
de seus aspectos este mundo visível parece feito de amor, as invisíveis esferas parecem constituídas
de terror.
Mas ainda não solucionamos o enigma da magia dessa brancura nem descobrimos porque
ela possui tal poder de atração sobre a alma e, fato ainda mais estranho e prodigioso, porque essa
cor é o mais expressivo símbolo das coisas espirituais, o verdadeiro véu da divindade cristã e, ao
mesmo tempo, o agente que intensifica as coisas que mais aterrorizam a humanidade.
Será que sua indefinição oculta os cruéis vácuos e imensidões do universo e nos apunhala
pelas costas com a ideia de aniquilação ao nos depararmos com as alvas profundezas da Via Láctea?
Ou será porque na essência o branco não é realmente uma cor, mas a visível ausência de cor e, ao
mesmo tempo, a consolidação de todas as cores? Será por essas razões que há tanta muda brancura
cheia de significado em uma paisagem de neve? Será a total ausência de cor do ateísmo que nos
horroriza? E quando analisamos outra teoria dos filósofos da natureza, de acordo com a qual todas
as outras cores terrenas – todos os seus enfeites belos ou grandiosos – os doces matizes do céu
durante os pores-do-sol, os dourados veludos das borboletas e os rostos de borboleta das jovens,
esses sutis enganos que não são realmente intrínsecos às substâncias mas são apenas exterioridades,
concluímos que toda divina natureza se pinta como uma meretriz cujos atrativos apenas ocultam o
túmulo que há em seu interior. E quando nos aprofundamos ainda mais consideramos que o místico
cosmético que produz cada uma de suas cores, o grande princípio da luz, permanece eternamente
branco ou incolor em si mesmo, e se funcionasse sem um ponto de apoio na matéria tocaria todos os
objetos com sua tonalidade vazia, até mesmo as tulipas e as rosas. Ponderando sobre isso tudo
chegamos à conclusão de que o universo paralisado permanece diante de nós como um leproso,
como os teimosos viajantes da Lapônia que se recusam a usar óculos de cor e acabam por ficar
cegos diante da monumental mortalha branca que envolve todas as esperanças diante de si. E a
baleia albina é o símbolo de todas essas coisas. Ainda vos espantais com a fogosa caça?
[1] Com referência ao urso polar talvez seja possível acrescentar, para quem deseje se
aprofundar nesse assunto, que não é a brancura, considerada em separado, que amplia o intolerável
horror dessa besta, pois depois de analisá-la pode-se dizer que esse pavor ampliado apenas surge da
circunstância de que a irresponsável ferocidade da criatura estar oculta pela capa de celestial
inocência e amor e, por conseguinte, juntando as duas emoções opostas em nossas mentes, o urso
polar nos amedronta por esse contraste tão pouco natural. Porém, mesmo admitindo que isso tudo
seja verdadeiro, não fosse pela brancura não se experimentaria esse terror intensificado (N.A.).
[2] Recordo-me do primeiro albatroz que vi. Foi durante uma longa tempestade, nas águas
do Antártico. Depois de minha vigia matutina, subi ao convés nublado ao sair da escotilha principal
e vi um régio pássaro emplumado, de brancura impoluta, com um sublime bico romano recurvado.
De tempos em tempos abria suas vastas asas angélicas como se para abraçar alguma arca sagrada.
Era sacudido por fantásticos estremecimentos e pulsações. Apesar de fisicamente ileso, soltava
gritos como o fantasma de algum rei em sobrenatural agonia. Pelos seus olhos estranhos e
inexpressivos, pensei entrever segredos que conduziam a Deus. Inclinei-me como Abraão diante
dos anjos. A criatura era tão branca, suas asas tão amplas que naquelas águas para sempre exiladas
eu perdera as miseráveis e distorcidas memórias das tradições e das cidades. Admirei longamente
aquele prodígio de plumagem. Não posso exprimir tudo que me ocorreu naqueles momentos, posso
apenas insinuá-las. Por fim despertei e, voltando-me, perguntei a um marinheiro que pássaro era
aquele. Um “goney”, replicou ele. Eu jamais ouvira aquele nome. Seria concebível que aquela
criatura gloriosa fosse desconhecida dos homens de terra? Jamais! Porém, algum tempo depois
soube que “goney” era o nome que os marinheiros davam ao albatroz. Assim, a espantosa poesia de
Coleridge nada tinha a ver com minhas místicas impressões quando vi esse pássaro no convés, pois
eu não havia lido essa poesia e nem sabia que aquele pássaro era um albatroz. Mas indiretamente,
ao dizer isso, dou um pouco mais de brilho ao nobre valor do poema e do poeta. Portanto, afirmo
que é principalmente nessa maravilhosa brancura corporal do pássaro que se esconde o segredo
dessa magia, uma verdade mais evidente nesse fato, pois, por um solecismo de termos, há pássaros
chamados albatrozes cinzentos – vistos por mim com frequência, mas jamais com as mesmas
emoções que senti ao ver a ave.
Devo afirmar, pois, que é na brancura maravilhosa do corpo da ave que se esconde
principalmente o segredo da magia; uma verdade mais evidenciada na presente, uma vez que, por
um solecismo de termos, existem aves, chamadas de albatrozes-cinzento; e estas eu tenho visto com
frequência, mas nunca com tais emoções como quando eu contemplei a ave da Antártica.
Mas como aquela criatura mística fora apanhada? Se vós não o divulgardes, contarei que foi
com linha e anzol traiçoeiros, quando a ave flutuava sobre o mar. Por fim, o capitão a transformou
em carteiro, atando ao seu pescoço uma tira de couro na qual escreveu uma carta contendo a data e
a localização do navio, antes de deixá-lo ir embora. Porém, não duvido que essa carta destinada ao
homem tenha sido levada ao céu, para onde o pássaro branco voou para juntar-se aos querubins de
asas dobradas, que invocam e veneram! (N. A.)
43. ESCUTA!
“Shh...! Ouviste esse barulho, Cabaco?”
Era a primeira vigia e fazia um belo luar. Os marinheiros formavam uma fila que se
alongava desde um dos tonéis de água doce, na parte mais estreita do navio, até o tonel na escotilha
perto do balaústre da popa. Em pé no recinto oco do convés, quase todos evitavam falar ou fazer
barulho com os pés. Os baldes passavam de mão em mão no mais profundo silêncio, apenas
quebrado pelo ocasional ondular de uma vela e do ruído imutável do avanço incessante da quilha.
No meio desse descanso, Archy, um dos componentes da fila cujo posto era próximo da
entrada do convés, sussurrou para seu vizinho as seguintes palavras: “Shh...! Ouviste esse barulho,
Cabaco?”
“Pega esse balde, Archy! Que barulho?”
“Ei-lo outra vez, sob as escotilhas – uma tosse – soou como uma tosse”.
“Para o diabo com a tosse! Passa de volta o balde”.
“De novo! Agora soa como duas ou três pessoas dormindo e se virando na cama”.
“Caramba! Para com isso, companheiro. Os três biscoitos que comeste no jantar estão se
revirando dentro de ti – nada mais. Olha o balde!”
“Diz o que quiseres companheiro, mas tenho ótimo ouvido”.
“Sim, no mar, tu és o sujeito que ouve o ruído das agulhas de tricô das mulheres quacres a
50 milhas de distância de Nantucket!”
“Ri o quanto quiseres, depois veremos. Ouve Cabaco, lá no porão há alguém que ainda não
foi visto no convés, e suspeito que nosso velho Mogul também saiba de alguma coisa. Enquanto eu
fazia a vigia da manhã ouvi Stubb falar para Flask que havia algo no ar”.
“Shh...! O balde!”
44. O MAPA
Depois da tempestade que caiu na noite após aquela estranha ratificação de propósito diante
da tripulação, se tivésseis seguido o capitão Ahab até seu camarote o teríes visto entrar em um
armário do gio da popa e depois sair carregando um grande rolo de cartas marítimas enrugadas e
amareladas para depois espalhá-las sobre a mesa parafusada no assoalho. Então tê-lo-ias visto
sentar-se e estudar as várias linhas e as sombras encontradas por seus olhos e, com um lápis lento,
mas firme, marcar itinerários suplementares nos trechos em branco.
De tempos em tempos, ele consultava pilhas de velhos diários de navegação ao seu lado,
onde estavam registradas as estações e os lugares nos quais, em outras viagens de vários navios,
haviam sido avistados ou capturados cachalotes.
Enquanto ele se ocupava desses assuntos, presa a correntes, a pesada lanterna de estanho
suspensa sobre sua cabeça oscilava ininterruptamente com o movimento do navio, espalhando sem
cessar cintilações cambiantes e sombras de linhas sobre sua fronte enrugada, até parecer que algum
lápis invisível também traçava linhas e itinerários sobre o mapa profundamente riscado em sua
testa.
Porém, aquela não fora a única noite em que, na solidão de seu camarote, ele assim meditara
sobre seus mapas. Ele os retirava da gaveta quase todas as noites. E nessas noites, algumas marcas
de lápis eram apagadas e outras eram substituídas. Com os mapas dos quatro oceanos diante de si,
Ahab seguia um labirinto de correntes marinhas e turbilhões com a finalidade de realizar do modo
mais acertado a obsessiva ideia de sua alma.
Para os que não conheciam perfeitamente os hábitos dos leviatãs pareceria tarefa
absolutamente sem esperança procurar uma criatura solitária nos oceanos intermináveis deste
planeta. Porém, Ahab não pensava desse modo e conhecia todos os locais e as correntes dos mares
e, calculando o movimento do alimento dos cachalotes, lembrando-se de verificar as estações em
que pode ser caçado em latitudes definidas, podia chegar a conjecturas razoáveis, praticamente
certas, sobre o melhor momento para estar nestas ou naquelas paragens na busca por sua presa.
Na verdade, é tão garantida a periodicidade das visitas do cachalote a determinadas águas
que muitos caçadores acreditam que se eles puderem ser observados e estudados de perto no mundo
todo, e se os diários de navegação de toda uma frota de baleeiros forem cuidadosamente
comparados, verificar-se-á que as migrações dos cachalotes invariavelmente correspondem às dos
arenques ou aos vôos das andorinhas De acordo com essa sugestão, já houve algumas tentativas de
elaboração de mapas mostrando a migração dos cachalotes.1
Além disso, quando vai de uma zona de alimentação para outra, o cachalote é orientado por
um instinto infalível – talvez uma secreta inteligência concedida pela Divindade – e nada
principalmente nas VEIAS, como são chamadas, continuando seu caminho ao longo de uma linha
oceânica com tal exatidão que nenhum navio do mundo, seguindo por um mapa, já navegou por
esse curso com um décimo de sua prodigiosa precisão. De qualquer forma, apesar de nesses casos a
rota do cachalote ser paralela à do observador e não obstante a linha do curso ser estritamente
confinada à sua própria trilha, inevitável e direta, a VEIA arbitrária na qual ela nada em geral tem
poucas milhas de largura (acredita-se que essas VEIAS se expandem e contraem), porém jamais
1- Após escrevermos essas palavras, em 16 de abril de 1851, felizmente surgiu uma circular oficial
editada pelo tenente Maury, do Observatório Nacional de Washington. Essa circular afirma
precisamente que esse mapa está em vias de ser terminado, e apresenta porções dele. Ele divide o
oceano em distritos com cinco graus de latitude por cinco graus de longitude. Cruzando
perpendicularmente cada distrito há 12 colunas equivalentes aos 12 meses do ano; horizontalmente,
ao longo de cada distrito existem três linhas. Uma para mostrar o número de dias passados por mês
em cada distrito e os outros dois mostrando os dias em que foram avistadas baleias reais e
cachalotes.
excedem o raio de visão do homem postado no mastro do navio baleeiro que desliza por essa região
mágica. Em suma, em determinadas estações é certo encontrar baleias migrando dentro dessa área e
ao longo dessa rota.
Porém, não era somente em períodos determinados e nas já conhecidas zonas de alimentação
que Ahab esperava encontrar sua presa, mas com sua habilidade, atravessando as grandes expansões
de água entre essas áreas ele poderia se colocar convenientemente em seu caminho sem perder a
possibidade de encontrá-la.
Havia uma circunstância que à primeira vista parecia atrapalhar seu esquema delirante mas
metódico. No entanto, na realidade talvez não fosse assim. Apesar dos gregários cachalotes
frequentarem determinadas zonas em estações regulares, em geral não se podia concluir que
naquele ano os cardumes que surgiam em tal ou tal latitude ou longitude fossem idênticos aos vistos
na estação anterior; embora em algumas ocasiões peculiares e indiscutíveis tenha sido provado
exatamente o contrário. Em contornos menos amplos, em geral a mesma observação se aplica aos
cachalotes solitários e eremitas, mais velhos e maduros. Desse modo, por exemplo, se Moby Dick
tivesse sido vista no ano anterior na zona denominada Seychelle, no Oceano Índico, ou na Baía
Volcano, nas costas do Japão, isso não significava que, visitando um desses lugares na estação
seguinte o Pequod infalivelmente a encontraria ali. O mesmo poderia se aplicar às outras zonas de
alimentação onde ela aparecera algumas vezes. Todos aqueles lugares pareciam ser apenas pontos
de parada incidentais, estalagens oceânicas e não locais de parada prolongada. Já mencionamos as
paragens onde Ahab tinha suas melhores chances de realizar seu objetivo, aludindo a determinadas
rotas anteriores e a perspectivas particulares antes de alcançar o tempo e o lugar precisos, quando as
possibilidades se tornariam probabilidades e, como Ahab gostava de pensar, onde cada
possibilidade estivesse muito próxima de uma certeza. Esse tempo e lugar eram definidos por uma
frase técnica – a Estação-na-Linha. Nesse local e hora, por vários anos consecutivos, Moby Dick
fora vista demorando-se nessas águas durante algum tempo, como em sua ronda anual o sol
permanece por um determinado tempo em um dos signos do Zodíaco. Também fora naquele local
que acontecera a maior parte dos encontros fatais com a Baleia Branca; as ondas ali contavam a
história de suas façanhas; ali também era o trágico sítio onde o velho obcecado encontrara a causa
para sua vingança. Mas na cautela compreensível e na contínua vigilância com que lançava sua
alma meditativa contra essa caçada resoluta Ahab não colocava todas suas esperanças sobre o fato
principal acima mencionado, por mais lisonjeiro que fosse para suas esperanças, nem na sua insônia
quando, revolvendo seu juramento, ele chegava a tranquilizar seu inquieto coração a ponto de
afastar qualquer outra conjectura eventual.
Pois bem, o Pequod zarpara de Nantucket bem no início da Estação-na-Linha. Nenhum
esforço viável possibilitaria que seu comandante fizesse a grande passagem para o sul, dobrasse o
Cabo Horn e percorresse 60 graus de latitude para chegar ao Pacífico equatorial a tempo de
cruzá-lo. Portanto, era preciso esperar pela estação seguinte. Todavia, a data da prematura saída do
Pequod talvez tivesse sido corretamente escolhida por Ahab, levando-se em consideração a
complexidade das circunstâncias. Ele tinha diante de si um intervalo de 365 dias e noites. Em vez
de suportá-lo com impaciência em terra ele o empregaria em uma pesca mista, se por acaso a Baleia
Branca estivesse passando férias em mares muito afastados de suas zonas periódicas de
alimentação, erguendo sua fronte enrugada no Golfo Pérsico, na Baía de Bengala, nos mares da
China ou em quaisquer outras águas frequentadas por sua raça. Assim, as monções, os pampas, os
ventos do noroeste, os “harmattans”, os alísios, todos os ventos com exceção do levante e do
“simoon”, podiam lançar Moby Dick na tortuosa esteira do Pequod, que navegava ao redor do
mundo.
Todavia, admitindo-se tudo isso e examinando-se esse assunto de modo discreto e frio, não
pareceria uma ideia louca que, se encontrada nos enormes oceanos sem fronteiras, uma baleia
solitária fosse reconhecida por seu caçador, como se fosse um Mufti de barbas brancas nas ruas
congestionadas de Constantinopla? Sim, mas a fronte branca de Moby Dick e sua corcova alva
como a neve eram inconfundíveis. “Eu marquei a baleia”, dizia Ahab a si mesmo, depois de
interromper seu estudo dos mapas que se prolongara até bem depois da meia-noite, quando se
perdia em seus próprios pensamentos – “eu a marquei, como pode ela escapar? Suas grandes
nadadeiras estão perfuradas e rasgadas como a orelha de uma ovelha perdida!” E sua mente
perturbada se lançava em uma corrida desalentada até ser assaltado pelo cansaço e pela fraqueza e
sair para o convés para recobrar suas forças Oh, Deus! Que transes e tormentos tem que suportar um
homem consumido por um inalcançado desejo de vingança. Ele dormia com as mãos crispadas e
acordava com as unhas cravadas em suas palmas ensanguentadas.
Com frequência, quando forçado a sair de sua rede pelos sonhos noturnos exaustivos e
intoleravelmente vívidos que, resumindo suas ardentes reflexões diurnas, o carregavam a um
confronto de delírios, ele virava-os e revirava-os durante o dia todo até que o próprio pulsar de sua
vida se tornava um insuportável suplício; e quando esses espasmos espirituais sacudiam seu ser
desde a base, parecia se abrir diante dele um abismo do qual saíam relâmpagos e chamas bifurcadas.
Quando esse inferno interior se abria sob ele, demônios malditos lhe acenavam para que saltasse
para junto deles. Então ouvia-se um grito selvagem em seu camarote e, com olhos enlouquecidos,
Ahab saía de seu quarto como se estivesse fugindo de uma cama em chamas. Mas talvez essas
manifestações não fossem sintomas de fraqueza latente ou terror, e sim provas evidentes de sua
intensidade. Algumas vezes o enlouquecido Ahab, o caçador calculista e firme da baleia branca que
fora para sua rede não era o agente que o punha fora de si, cheio de horror. Esse agente era o
princípio vivo e eterno, a alma que nele vivia e que no sono, durante algum tempo dissociado da
mente caracterizadora, em outros tempos empregada por ele como veículo externo ou agente,
espontaneamente procurava escapar da abrasante contiguidade daquele desvario, do qual por algum
tempo deixara de ser parte integrante. Mas como a mente só existe se estiver ligada à alma, no caso
de Ahab pode ter acontecido que ele tenha submetido todos os seus pensamentos e ilusões ao seu
supremo objetivo, um objetivo cuja profundidade da vontade o forçava a lutar contra deuses e
demônios como uma espécie de ser independente de si mesmo. Não, ele mal podia viver e sofrer
enquanto a vitalidade comum à qual estava unido, tomada de horror, fugia desse nascimento
espontâneo. Portanto, quando aquele arremedo de Ahab saía de seu quarto, o espírito atormentado
que brilhava em seus olhos carnais era algo vago e ele não passava de um ser informe e
sonambúlico, um raio de luz viva, é verdade, porém sem a capacidade de avivar qualquer objeto:
um vazio em si mesmo. Que Deus te ajude, ancião, teus pensamente fizeram de ti um Prometeu; um
abutre se alimenta eternamente desse coração – e esse abutre é a própria criatura que criaste.
45. O DEPOIMENTO
No que diz respeito à narrativa deste livro e no que alude indiretamente a um ou dois pontos
interessantes e curiosos nos hábitos dos cachalotes, é preciso dizer que o início do capítulo anterior
é tão importante quanto qualquer outro deste volume, mas seu assunto principal ainda requer maior
ampliação e familiaridade para ser compreendido de modo adequado, e para repelir qualquer
incredulidade que o profundo desconhecimento sobre o assunto possa suscitar em alguns espíritos
quanto à veracidade dos principais pontos dessa questão.
Não me importo de executar ordenadamente essa parte de meu trabalho e ficarei feliz por
causar a impressão desejada através de citações de casos conhecidos por mim, como baleeiro, tanto
de modo prático quanto através de relatos confiáveis. E creio que a conclusão surgirá naturalmente
dessas próprias citações.
Primeiro: Conheci pessoalmente três exemplos nos quais a baleia, depois de ser atingida por
um arpão, conseguiu escapar totalmente. Após um intervalo (em uma ocasião, foram três anos), foi
novamente atingida e morta pela mesma mão, e quando retiraram os dois ferros de seu corpo,
ambos continham o mesmo monograma. No intervalo de três anos entre o lançamento dos dois
arpões, o homem que os lançou embarcara em uma viagem comercial para a África, onde integrara
uma expedição e penetrara no coração do continente, por onde viajara durante quase dois anos,
frequentemente ameaçado por serpentes, selvagens, tigres, exalações venenosas e todos os riscos
inerentes a essas regiões desconhecidas. Enquanto isso, a baleia que ele atingira também deve ter
realizado suas viagens. Sem dúvida navegara três vezes em torno do globo, tocando com seus
flancos todas as costas da África, porém sem nenhum propósito. Esse homem e essa baleia voltaram
a se encontrar e um venceu o outro. Afirmo que conheci três fatos semelhantes a esse e, no segundo
ataque, depois de retirados do peixe morto, vi os dois arpões com as respectivas marcas neles
entalhadas. No caso em que se passaram três anos, foi meu barco que a enfrentou nas duas vezes, e
na última vez reconheci uma espécie de verruga gigantesca sob um dos olhos da baleia, que eu
observara três anos antes. Digo que foram três anos, mas tenho certeza de que o tempo que decorreu
foi maior. Esses são três casos cuja autenticidade conheço pessoalmente, mas sei de muitos outros
exemplos relatados por pessoas cuja honestidade é incontestável.
Segundo: Sabe-se perfeitamente bem que na pesca do cachalote, não importa a ignorância do
povo de terra, já houve várias ocorrências históricas em que uma baleia específica foi vista no
oceano, em lugares e horários afastados, popularmente reconhecíveis. O fato de essa baleia ter sido
reconhecida não se deveu totalmente a peculiaridades físicas que a distinguissem de outras baleias;
pois por mais raras que fossem, qualquer baleia poderia possuí-las e logo os caçadores poriam um
fim a elas matando o animal e transformando-o em um óleo particularmente valioso. Não. A razão
era a seguinte: devido às fatais experiências da pesca, pairava sobre essa baleia um terrível prestígio
de periculosidade, como sobre Rinaldo Rinaldini 1 que a maior parte dos pescadores se contenta em
cumprimentar meramente tocando o chapéu quando a encontra vagando pelo mar, sem procurar
cultivar um conhecimento mais íntimo. É o que sucede com alguns pobres diabos em terra que, ao
conhecerem um grande homem irritadiço, não fazem mais que cumprimentá-lo de longe, de modo
distante e reservado, pois sabem que se procurassem se aproximar mais poderiam receber uma
sumária bordoada por sua presunção.
Mas não só cada uma dessas famosas baleias goza de grande celebridade individual – não,
pode-se dizer que gozam de um renome difundido em todos os oceanos – famosas em vida, depois
de mortas alcançaram a imortalidade nas histórias contadas nos castelos de proa, onde lhes atribuem
todos os direitos, privilégios e distinções de um nome próprio, como tiveram Cambises ou César.
Não é assim, oh Tom de Timor, leviatã famoso, cheio de cicatrizes, que como um iceberg se
ocultou por tanto tempo nos estreitos orientais com esse nome e cujo jorro era visto com frequência
1- Rinaldo Rinaldini, the Robber Captain, romance de Christian August Vulpius, escrito em 1797.
das praias repletas de palmeiras de Ombay? Não é assim, oh Jack da Nova Zelândia, pavor de todos
os navios que cruzam seu rastro perto da Terra de Tattoo? Não é assim, oh Morquan, rei do Japão,
cujo orgulhoso jato tem a fama de às vezes se parecer com uma alva cruz contra o céu? Não é
assim, oh Don Miguel, baleia chilena marcada como uma velha tartaruga com místicos hieróglifos
sobre o dorso? Em verdade, eis aqui quatro baleias bem conhecidas dos estudantes da História dos
Cetáceos, como os estudiosos dos clássicos conhecem Marius ou Sylla.
Porém, ainda há mais. Tom da Nova Zelândia e Don Miguel, depois de várias vezes
espalharem grande destruição entre os botes de diferentes navios, finalmente foram procuradas e
sistematicamente caçadas, seguidas e mortas pelos aguerridos capitães baleeiros que içaram suas
âncoras com esse único propósito, assim como no passado, enterrando-se nas Florestas de
Narragansett, o capitão Butlerof só tinha em mente capturar o notório selvagem assassino
Annawon, guerreiro e comandante do rei índio Filipe.
Não sei onde poderei encontrar melhor lugar que aqui para mencionar uma ou duas outras
coisas que me parecem importantes e, em letras de imprensa, estabelecer a racionalidade da história
da Baleia Branca, ou melhor, sua catástofre. Pois esta é uma dessas ocasiões desalentadoras em que
a verdade requer tanto suporte quanto a mentira. Tão ignorante é a maioria dos homens de terra
firme sobre algumas das maravilhas mais palpáveis e simples do mundo que sem alguns
esclarecimentos sobre os fatos corriqueiros da pesca, históricos ou não, poderiam considerar Moby
Dick um monstro lendário ou, ainda pior e mais detestável, uma alegoria abjeta e inadmissível.
Primeiro: apesar de a maior parte dos homens terem uma vaga ideia dos perigos gerais da
grande pesca, não possuem nada que se pareça com uma concepção vívida e ordenada desses
perigos nem da constância com que ocorrem. Talvez uma das razões seja o fato de que menos de
um dentre 50 desastres e mortes ocorridos na pesca encontra registro em terra, mas com alusões tão
passageiras que são prontamente esquecidos. Supondes que o nome daquele coitado que talvez
neste momento está sendo apanhado pela linha lançada sobre uma baleia nas costas da Nova Guiné
e carregado para o fundo mar pelo sonoro leviatã aparecerá no obituário do jornal que lerás amanhã,
durante teu desjejum? Não, porque o correio é muito irregular entre este país e a Nova Guiné. Na
verdade, já ouviste falar de algo parecido com notícias regulares entre este país e a Nova Guiné?
Ainda assim, afirmo que em uma viagem em particular que fiz ao Pacífico, entre muitos outros,
falamos com trinta navios diferentes e em cada um deles acontecera um óbito causado por uma
baleia (em alguns, mais de uma morte) e três deles haviam perdido um bote com toda sua
tripulação. Pelo amor de Deus, sede econômicos com vossas lâmpadas e vossas velas! Do óleo que
queimais não há um único galão que não tenha custado ao menos uma gota do sangue de um
homem.
Segundo: as pessoas de terra firme têm uma ideia imprecisa de que a baleia é uma criatura
enorme, de imenso poder, mas quando dou algum exemplo específico dessa enormidade elas me
cumprimentam pelo meu espírito. Preciso jurar pela minha alma que não estou sendo mais
espirituoso que Moisés ao escrever a história das pragas do Egito.
Felizmente, o ponto específico que aqui procuro pode ser estabelecido sobre testemunhos
inteiramente apartados dos meus. Esse ponto é o seguinte: em alguns casos, o cachalote é
suficientemente forte, inteligente, judiciosamente ardiloso e possuidor de clara premeditação para
despedaçar, destruir completamente e afundar um navio grande, e o cachalote JÁ O FEZ.
Primeiro: sob o comando do capitão Pollard, de Nantucket, o navio Essex cruzava o Oceano
Pacífico no ano de 1820. Um dia avistaram jorros, baixaram os botes e iniciaram uma caçada a um
cardume de cachalotes. Em pouco tempo, várias baleias foram feridas. Subitamente, uma imensa
baleia escapou dos botes, saiu do cardume e investiu diretamente contra o navio. Batendo a fronte
contra o casco, ela o arrombou em menos de dez minutos e o navio adernou e afundou. Nem uma de
suas tábuas foi vista desde então. Após grandes perigos, parte da tripulação conseguiu chegar à terra
em seus botes. Depois de finalmente voltar para casa, o capitão Pollard voltou uma vez mais ao
Pacífico no comando de outro navio, mas os deuses novamente fizeram seu navio naufragar em
rochas e ondas incógnitas. O navio foi totalmente perdido pela segunda vez e diante disso o capitão
jurou que abandonaria o mar, e jamais voltou a enfrentá-lo. O capitão Pollard reside em Nantucket
até os dias de hoje. Conheci Owen Chace, primeiro piloto do Essex na época da tragédia; li sua
narração simples e fiel, e conversei com seu filho. Tudo isso a poucas milhas da cena da catástrofe.2
Segundo: No ano de 1807, o navio Union, também de Nantucket, estava totalmente perdido
ao largo dos Açores devido a um incidente semelhante, mas jamais tive oportunidade de apurar
detalhes fidedignos dessa catástrofe, apesar de ter ouvido dos caçadores de baleia algumas alusões
casuais a esse fato.
Terceiro: Mais ou menos há 18 ou 20 anos, o comodoro J…, na época comandante de uma
chalupa de guerra americana de primeira classe, jantava com vários capitães baleeiros a bordo de
um navio de Nantucket, no porto de Oahu, nas ilhas Sandwich. A conversa girava em torno das
baleias e o comodoro mostrava-se cético quanto à força a elas atribuída pelos profissionais
presentes. Por exemplo, ele peremptoriamente negava que uma baleia pudesse atacar sua sólida
chalupa de guerra a ponto de causar-lhe uma ruptura do tamanho de um guarda-cabo. Muito bem,
ainda há mais. Algumas semanas depois, o comandante desfraldou as velas de sua inexpugnável
embarcação e navegou para Valparaíso. Contudo, foi interceptado por um corpulento cachalote que
lhe solicitou alguns minutos para tratar de um assunto confidencial. Esse assunto consistia em
aplicar ao navio do comodoro tamanho golpe que ele precisou se dirigir ao porto mais próximo para
restaurar sua embarcação. Não sou supersticioso, mas considero que a entrevista do comodoro com
a baleia foi providencial. Não foi Saulo de Tarso convertido de sua incredulidade por um terror
semelhante? Pois afirmo que o cachalote não admite absurdos.
Agora remeto-vos às Viagens de Langsdorff por uma pequena circunstância particularmente
interessante para este escritor. Langsdorff, como provavelmente sabeis, era adido da famosa
Expedição de Descoberta do Almirante russo Krusenstern, no início deste século. O capitão
Langsdorff inicia do seguinte modo seu 17° capítulo: “Nosso navio zarpou no dia 13 de maio e no
dia seguinte já estávamos em mar aberto, a caminho de Ochotsh. Com o tempo ótimo e muito claro,
o frio era insuportável e fomos obrigados a vestir nossos casacos de pele. Durante alguns dias o
vento foi muito pouco e só no dia 19 surgiu do noroeste uma brisa vigorosa. Uma baleia de tamanho
incomum, cujo corpo era maior que o próprio navio, encontrava-se quase na superfície da água, mas
não foi percebida por ninguém de bordo até o momento em que o navio, que navegava a toda vela,
aproximou-se tanto que seria impossível impedir o choque. Estávamos nessa situação, na iminência
do maior perigo, quando a gigantesca criatura ergueu o dorso e levantou o navio pelo menos três
pés acima da água. Os mastros oscilaram e as velas caíram enquanto estávamos embaixo.
Imediatamente subimos para o convés e concluímos que havíamos batido em alguma rocha. Porém,
em vez disso, vimos o monstro afastando-se com solene gravidade. O capitão D’Wolf
2- O que se segue foi extraído da narrativa da Chace: “Todos os fatos pareciam me levar à
conclusão de que algo além do acaso dirigiu suas operações. Ela (a baleia) realizou dois violentos
ataques ao navio, separados por um pequeno intervalo e, pela sua direção, ambos foram calculados
para nos infringir os maiores danos por se lançarem contra a proa, combinando a velocidade dos
dois objetos para aumentar o efeito da colisão. Para isso, era necessário que as manobras fossem
perfeitas. Seu aspecto era horrível, indicando angústia e furor. Ela saiu diretamente do cardume no
qual acabáramos de entrar, ferindo três de suas companheiras, como se inflamada pela vingança por
seus tormentos”. Mais adiante: “Nos eventos, tudo aconteceu diante dos meus olhos e na época
produziu em minha mente impressões de malignidade decidida e calculada por parte da baleia (não
consigo agora me lembrar de muitas dessas impressões), levando-me à certeza de que estou correto
em minha opinião”.
Estas são suas reflexões algum tempo depois de deixar o navio, em uma noite escura
passada em um bote aberto, quando quase já não havia esperanças de chegar a um porto
hospitaleiro: “O negro oceano e as águas agitadas não eram nada; o temor de ser engolido por
alguma tempestade terrível ou atirado sobre rochas ocultas, com todos os outros motivos de
atemorizante contemplação, pareciam não merecer mais que um momento de reflexão; o aspecto
lúgubre do naufrágio e A APARÊNCIA HORRÍVEL E VINGADORA DA BALEIA ocuparam
totalmente minhas reflexões até o dia novamente surgir”.
Na página 45, ele descreve o” ataque misterioso e mortal do animal”.
imediatamente ligou as bombas para ver se o navio fora danificado com o choque, mas felizmente
descobrimos que escapara ileso”.
O capitão D’Wolf, aqui mencionado como o comandante do navio em questão, é natural da
Nova Inglaterra e após uma longa vida de peripécias extraordinárias como capitão do mar até hoje
reside na aldeia de Dorchester, perto de Boston. Tenho a honra de ser seu sobrinho. Conversei
muito com ele a respeito dessa passagem no livro de Langsdorff e ele ratificou todas as palavras. No
entanto, a embarcação não era grande: tratava-se de um navio russo construído nas costas da
Sibéria, comprado por meu tio depois de vender o barco no qual zarpara de seu porto de origem.
Entre os acontecimentos desse viril livro de aventuras, repleto de maravilhas verdadeiras,
como a viagem de Lionel Wafer (um dos velhos camaradas de Dampier), encontrei uma pequena
passagem tão parecida com o que acabei de citar do livro de Langsdorff, que não consigo resistir à
tentação de inseri-lo aqui como confirmação, caso seja necessária.
Lionel se dirigia para “John Ferdinando”, como ele chamava a moderna Juan Fernandes. Ele
afirma: “Em nosso caminho para lá, por volta das cinco horas da manhã estávamos mais ou menos a
150 léguas do continente da América quando nosso navio sentiu um terrível choque que colocou
nossos homens em tamanha aflição que mal podiam dizer quem eram e o que pensavam, e
começaram a se preparar para a morte. De fato, o impacto fora tão inesperado e brutal que
acreditamos que o navio colidira com uma rocha. Quando nosso espanto se abateu um pouco
baixamos o prumo, mas não encontramos o fundo... A subitaneidade do impacto fez os canhões
pularem de suas bases e vários homens foram atirados para fora de suas redes. O capitão Davis, que
dormia com a cabeça sobre um revolver, foi lançado para fora de sua cabina!” Então, Lionel passou
a atribuir o abalo a um terremoto e parecia consubstanciar a imputação declarando que naquele
momento um grande terremoto estaria causando grandes prejuízos ao longo da terra espanhola. Mas
eu não me espantaria se, na escuridão das primeiras horas da manhã, aquele choque tivesse sido
causado por uma baleia invisível que batera verticalmente na quilha, vinda de baixo.
Eu poderia prosseguir dando vários outros exemplos do grande poder e astúcia que às vezes
demonstra o cachalote que chegaram ao meu conhecimento, de um ou outro modo. Sabe-se que em
mais de uma oportunidade ele não somente obrigou os botes a voltarem para seus navios como
também perseguiu o próprio navio, resistindo por muito tempo às lanças a ele arremessadas do
convés. O navio inglês Pusie Hall nos contou uma história relacionada com isso, e quanto à sua
força, deixe-me dizer que já houve exemplos de cabos presos a um cachalote em fuga em um mar
calmo prenderem-se ao navio. A baleia então reboca a imensa embarcação pela água como um
cavalo puxa um carro. Também tem sido frequente observar que, quando atingido, o cachalote
procura se refazer durante algum tempo e então age, não com fúria cega mas com a obstinada e
deliberada finalidade de destruir seus perseguidores. Não deixa de ser um eloquente indício de seu
caráter o fato de que ao ser atacado ele abre a boca e a conserva nessa terrível expansão durante
vários minutos. Porém, devo me contentar com apenas mais uma ilustração concludente,
extraordinária e extremamente significativa, pela qual vereis que as maravilhas deste livro não só
corroboram fatos reais do presente, mas que essas maravilhas (como todos os assombros) são meras
repetições do que aconteceu no passado; de modo que pela milionésima vez podemos dizer amém a
Salomão: Na verdade, não há nada de novo sob o sol.
No sexto século da nossa era, viveu Procópio, magistrado cristão de Constantinopla nos dias
em que Justiniano era imperador e Belisário seu general. Como muitos sabem, ele escreveu a
história de sua própria época – obra de valor incomum. Segundo as melhores autoridades, sempre
foi considerado um historiador confiável e sem exageros, exceto em um ou dois eventos que
absolutamente não afetam a matéria que aqui exporemos.
Pois bem, em sua história Procópio menciona que durante a época de sua prefeitura em
Constantinopla, um grande monstro marinho foi capturado no vizinho Propôntide, ou Mar de
Mármora, depois de ter destruído vários navios naquelas águas durante em período de mais de 50
anos. Não se pode desdenhar facilmente um fato como esse, relatado em uma história tão
substancial. Nem haveria razão para tal. Ele não menciona a espécie certa desse monstro marinho.
Mas como ele destruía navios, e também por outras razões, deve ter sido uma baleia, e estou
fortemente inclinado a crer que se tratava de um cachalote. E vos direi por quê. Por muito tempo,
acreditei que o cachalote era desconhecido no Mediterrâneo e nas águas profundas que se
comunicam com ele. Até agora estou certo de que nas presentes condições esses mares talvez
jamais cheguem a ser um local propício às habituais reuniões gregárias dos cachalotes. Porém,
outras investigações mais recentes provaram que nos tempos modernos houve alguns casos isolados
da presença do cachalote no Mediterrâneo. Soube de fonte segura que um certo comodoro Davis, da
marinha britânica, encontrou o esqueleto de uma baleia cachalote nas costas da Berbéria. Se um
navio de Guerra pode passar pelos Dardanelos, um cachalote também pode utilizar a mesma rota
para passar do Mediterrâneo para o Propôntide.
Pelo que soube, no Propôntide não se pode encontrar essa substância especial chamada
BRIT, que é o alimento da baleia real, Mas tenho razões para crer que o alimento do cachalote –
lulas ou sibas – se oculta no fundo desse mar, porque criaturas grandes, mas não as maiores dessa
espécie, foram encontradas na superfície. Assim, se ligarmos esses testemunhos, será possível
perceber claramente que, de acordo com o raciocínio humano, o monstro marinho de Propôntide
que por meio século despedaçou os navios de um imperador romano muito provavelmente era uma
baleia.
46. CONJECTURAS
Apesar de consumido pelo fogo ardente de seu objetivo, em todos os seus pensamentos e
ações Ahab sempre tinha em mente a captura final de Moby Dick e parecia pronto a sacrificar todos
os interesses mortais a essa paixão. No entanto, por natureza talvez fosse apegado demais aos
hábitos rudes dos baleeiros para abandonar a perseguição secundária na viagem. Ou, se tal não fosse
o caso, não faltavam motivos para influenciá-lo muito mais. Talvez, mesmo considerando sua
obsessão, fosse exagero dizer que em certo grau sua sede de vingança contra a Baleia Branca talvez
tivesse se estendido a todos os outros cachalotes e que quando mais baleias ele matasse maiores
possibilidades teria de que seu encontro subsequente fosse com o monstro odiado que buscava.
Mesmo sendo essa hipótese verdadeiramente excepcional, ainda havia considerações adicionais que
eram capazes de abalá-lo, apesar de não estarem estritamente de acordo com a selvageria de sua
paixão dominante.
Para alcançar seu objetivo Ahab precisava fazer uso de instrumentos, e de todos os
instrumentos utilizados à luz da lua são os homens que falham com maior facilidade. Por exemplo,
ele sabia que por mais magnética que fosse sua ascendência sobre Starbuck, essa ascendência não
abrangia por completo o homem espiritual, do mesmo modo que a mera superioridade corporal não
implica em domínio intelectual, mas permanece como uma espécie de relação corporal. O corpo e a
vontade coagida de Starbuck eram de Ahab, desde que Ahab conservasse seu magnetismo sobre o
cérebro de Starbuck, e ele sabia perfeitamente que apesar disso tudo, em sua alma, seu primeiro
piloto abominava a expedição de seu capitão e se pudesse alegremente livrar-se-ia dela e chegaria
até a fazer com que fracassasse. Talvez ainda decorresse um longo período de tempo antes de a
Baleia Branca ser vista. Durante esse longo intervalo Starbuck poderia voltar a se rebelar contra a
liderança de seu capitão, a menos que sofresse algumas influências ordinárias, providenciais e
circunstanciais. Não apenas isso, mas a sutil insanidade de Ahab com respeito a Moby Dick agora
se manifestava de modo mais significativo, e em seu superlativo senso e sagacidade ele previa que,
de algum modo, por enquanto a caçada devia ser despida dessa estranha impiedade imaginativa que
a revestia, que o total terror da viagem devia ser mantido a uma distância obscura (pois poucos
homens têm coragem de resistir a uma prolongada meditação não aliviada pela ação) e que era
preciso que em suas longas vigias noturnas seus oficiais e sua tripulação tivessem no pensamento
coisas mais próximas que Moby Dick. Porque, por mais que a tripulação impetuosa e selvagem
tivesse aclamado o anúncio de sua busca, todos os marinheiros são mais ou menos volúveis e
irresponsáveis – vivem nas intempéries mutáveis e inalam sua inconstância – e quando são detidos
por qualquer objetivo longínquo e vazio, por mais que haja a promessa de vida e paixão no final, é
necessário que acima de tudo existam interesses e esforços temporários para mantê-los saudáveis e
prontos para a arrancada final.
Ahab também não deixava de pensar em outra coisa. Em épocas de grande emoção a
humanidade desdenha todas as considerações básicas, mas esses tempos são passageiros. A
qualidade constitucional permanente do homem moldado pela sociedade é a sordidez, pensava
Ahab. Supondo que a Baleia Branca instigasse os corações daquela tripulação selvagem, e que
explorando sua selvageria chegasse a criar nela certo generoso cavalheirismo errante, mesmo que
dessem caça a Moby Dick por amor a esse cavalheirismo também precisavam de alimento para seus
apetites comuns e diários, pois nem mesmo os mais altos e cavalheirescos Cruzados do passado
aceitavam atravessar duas mil milhas de terra para lutar pelo santo sepulcro sem cometer pilhagens,
assaltos e outras gratificações piedosas pelo caminho. Se tivessem se apegado estritamente ao seu
romântico objetivo final, muitos deles o teriam abandonado em desgosto. “Não vou privar esses
homens de suas esperanças de ouro – sim, ouro. Eles podem desprezar o ouro agora, mas depois de
alguns meses sem nenhuma perspectiva de ganhá-lo, esse mesmo ouro dará origem a um motim e
eles se levantarão contra mim”, pensava Ahab.
Ainda havia outro motivo para cautela, mais relacionado com Ahab, pessoalmente. Tendo
provavelmente revelado de modo impulsivo e prematuro o motivo principal e particular da viagem
do Pequod, Ahab agora estava totalmente consciente de que ao fazê-lo indiretamente se expusera à
incontestável acusação de usurpação, e se quisesse e tivesse em vista esse fim sua tripulação poderia
se recusar a obedecê-lo e até privá-lo violentamente do comando, com perfeita impunidade, tanto
moral quanto legal. Naturalmente, Ahab devia estar muito ansioso para se proteger da simples
sugestão de usurpação e das possíveis consequências da impressão reprimida que ganhava terreno.
Essa proteção poderia ser apenas o predomínio de seu próprio cérebro, do seu coração e da sua mão,
apoiados por uma cuidadosa atenção às menores influências atmosféricas que pudessem afetar sua
tripulação.
Por todas essas razões, e talvez também por outras, analíticas demais para serem
verbalmente expostas aqui, Ahab via claramente que devia continuar fiel ao propósito natural e
aparente da viagem do Pequod, além de observar todos os costumes e se esforçar para demonstrar
um apaixonado interesse por sua profissão.
De qualquer modo, sua voz agora era ouvida com frequência, chamando os três vigias dos
mastros, recomendando-lhes para ficar atentos e não deixar de anunciar qualquer animal avistado,
mesmo que se tratasse de um golfinho. Essa vigilância não tardaria a trazer sua recompensa.
47. O FABRICANTE DE ESTEIRAS
A tarde estava enevoada e sufocante; os marinheiros moviam-se preguiçosos pelo convés ou,
distraídos, observavam as águas cor de chumbo. Queequeg e eu estávamos calmamente ocupados
tecendo o que se chama de esteira-espada, destinada a ser um amarrilho adicional para nosso barco.
Tão tranquila, branda e expressiva era a cena e tal encanto sonhador pairava no ar que cada
marinheiro silencioso parecia se dissolver em seu próprio ser invisível.
Eu era o atendente e pajem de Queequeg no trabalho da esteira e passava e repassava a
trama de corda entre os longos fios da urdidura, usando minha própria mão como lançadeira. Em pé
ao meu lado, Queequeg de vez em quando passava sua pesada espada de carvalho entre os fios,
olhando devagar para a água enquanto, descuidado e sem pensar, colocava cada fio em seu lugar. O
que posso dizer é que uma estranha atmosfera de sonho reinava no navio e sobre todo o mar, apenas
interrompida pelo som intermitente e maçante da espada, de sorte que aquele parecia ser o Tear do
Tempo e eu me sentia como a própria lançadeira, tecendo mecânica e incessantemente para as
Parcas. Ali estavam os fios fixos da trama submetidos a uma única vibração imutável e incessante,
apenas suficiente para admitir os fios inalterados. Essa trama parecia a necessidade e pensei: Aqui,
com minha própria mão manejo a lançadeira e teço meu destino. Enquanto isso, a espada impulsiva
e indiferente de Queequeg algumas vezes batia no tecido de modo oblíquo, forte ou fraco, de acordo
com a necessidade, e essa diferença nos golpes produzia um contraste correspondente no aspecto
final do tecido completado. Meu pensamento continuou: É a espada deste selvagem que finalmente
dá forma e estilo à trama e à urdidura, essa espada serena e indiferente deve ser o acaso: sim, o
acaso, o livre arbítrio e a necessidade, que de algum modo são incompatíveis, mas se entrelaçam e
trabalham juntos. Então, o que existe é a franca urdidura da necessidade, que não deve ser desviada
de seu curso, pois seus próprios movimentos alternados tendem somente a isso. O livre arbítrio,
ainda livre para fazer sua lançadeira transitar por entre os fios escolhidos e o acaso que, apesar de
limitado em sua ação pelas justas linhas da necessidade e desviado de seus movimentos pelo livre
arbítrio, parece governado por ambos, porém reina sobre os dois e tem a última palavra nos fatos.
Portanto, assim estávamos nós, sempre tecendo, quando me assustei com um som estranho,
longo, tão musicalmente selvagem e sobrenatural que a bola correspondente ao livre arbítrio caiu de
minha mão e me pus em pé olhando para as nuvens, esperando que aquela voz caísse como uma
asa. Lá no alto da verga estava Tashtego, o louco de Gay Head. Seu corpo arqueava-se avidamente
para frente, a mão estendida como uma varinha, e ele gritava a breves intervalos. Com certeza,
naquele exato momento o mesmo som talvez estivesse sendo ouvido em todos os mares, vindo de
centenas de baleeiros vigilantes, perdurados bem alto, no ar. Mas poucos desses pulmões
conseguiriam emitir esse maravilhoso som conhecido com a cadência de Tashtego, o índio.
Conquanto ele se encontrasse pendurado sobre nós, meio suspenso no ar, olhando feroz e
ansiosamente para o horizonte, talvez pudéssemos confundi-lo com algum profeta ou vidente
contemplando as sombras do Destino, anunciando sua vinda com seus gritos selvagens.
“Lá, lá está ela, esguichando! Lá! Lá! Lá! Está esguichando! Está esguichando!”
“Onde?”
“Na boca do sotavento, mais ou menos a duas milhas daqui! Um cardume inteiro!”
Houve uma comoção instantânea.
O cachalote esguicha seu jorro com a mesma uniformidade segura do tique-taque de um
relógio. Por isso, os baleeiros distinguem esse peixe dos outros de sua espécie.
“Lá se vão as caudas!” gritava agora Tashtego; e as baleias desapareceram.
“Depressa, camareiro!” gritou Ahab. “A hora! A hora!”
Dough-Boy correu para baixo, olhou para o relógio e disse a hora exata para Ahab.
O navio agora estava sendo mantido longe do vento e balouçava suavemente diante dele.
Tashtego avisou que as baleias tinham mergulhado na direção do sotavento e, confiantes, olhamos
para vê-las novamente avançar diretamente para nossa proa. Essa singular sagacidade às vezes
demonstrada pelo cachalote faz com que, afundando com a cabeça voltada para uma direção, ele se
esconda sob a água ele gire e nade para a direção oposta – um ardil que agora não poderia estar
sendo utilizado, pois não havia razão para supor que o peixe visto por Tashtego tivesse se alarmado
ou soubesse de nossa presença nas proximidades. Um dos homens escolhidos para a função de
guarda-cabo, isto é, um dos não selecionados para os botes, substituiu o índio na vigia do mastro
grande. Os marinheiros dos mastros da proa e da mezena haviam descido; as bobinas haviam sido
fixadas em seus lugares, os guindastes arrastados para fora, a verga principal afastada, e três botes
balançavam sobre o mar como três cestos de arbustos das Índias sobre altos penhascos. Fora das
amuradas, as tripulações ansiosas agarravam-se à borda dos botes com um das mãos, apoiando
esperançosamente um pé na borda do convés. Pareciam uma longa fileira de guerreiros
preparando-se para abordar um navio inimigo.
Porém, nesse instante crítico, ouviu-se uma súbita exclamação que afastou todos os olhos da
baleia. Diante da surpresa geral, o sombrio Ahab surgiu rodeado por cinco fantasmas escuros que
pareciam ter acabado de se formar no ar.
48. A PRIMEIRA DESCIDA
Os fantasmas, pois era essa sua aparência, deslizavam pelo outro lado do convés e com
silenciosa celeridade soltavam cabos e cordas do bote que ali balouçava. Esse bote sempre fora
considerado um dos botes de reserva, apesar de, tecnicamente, ser chamado de “bote do capitão”
por estar suspenso na quadra de estibordo. A figura em pé em seu costado era alta e morena, com
um dente branco surgindo de modo sinistro por entre lábios que pareciam de aço. Vestia uma
funérea e amassada jaqueta chinesa de algodão negro e amplas calças negras do mesmo tecido. Mas
coroando estranhamente esse negrume de ébano, trazia um brilhante turbante branco pregueado,
com o cabelo vivo trançado e enrolado em torno da cabeça. Com aspecto menos escuro, seus
companheiros eram dessa vívida compleição amarelo-tigre peculiar a alguns aborígenes nativos das
Manilhas – raça notória por certa sutileza diabólica, que alguns honestos marinheiros brancos
supunham ser espiões pagos e agentes secretos e confidenciais do diabo, seu senhor, cujo escritório
se encontrava em outro lugar.
Enquanto a espantada tripulação do navio olhava para esses estranhos, Ahab gritou para o
homem de turbante branco: “Tudo pronto aí, Fedallah?”
“Pronto”, foi a resposta meio sibilada
“Então, baixar. Ouvistes?” gritou Ahab do convés. “Baixar, já disse”.
Tão tonitruante era sua voz que apesar do espanto os homens pularam a amurada, as
roldanas rodaram nos blocos e projetando-se para frente os três botes caíram no mar enquanto, com
destreza e coragem desconhecidas em qualquer outra profissão, os marinheiros saltavam como
cabras por cima do costado oscilante do navio para alcançar os botes agitados pelas ondas, lá
embaixo.
Nem bem haviam se afastado do sotavento do navio, e uma quarta quilha vinda do
barlavento surgiu rodeando a popa, mostrando os cinco estranhos conduzindo Ahab que, em pé,
ereto na popa, gritou para Starbuck, Stubb, e Flask se espalharem de modo a cobrir uma grande
extensão de água. Com os olhos cravados no escuro Fedallah e em sua tripulação os ocupantes dos
outros botes não obedeceram ao comando.
“Capitão Ahab?” disse Starbuck.
“Espalhai-vos”, gritou Ahab; “Separai os quatro botes. Tu, Flask, afasta-te mais para
sotavento!”
“Sim, sim senhor”, gritou alegremente o pequeno Arquitrave, girando seu grande remo
timoneiro. “Para trás”, disse ele à sua tripulação. “Ali – ali, novamente! Está esguichando logo ali
adiante, rapazes! Para trás!”
“Não te preocupes com os rapazes amarelos, Archy”.
“Oh, não me importo com eles, senhor” disse Archy. “Eu já sabia de tudo. Não os ouvia no
porão? E não contei tudo para Cabaco? O que disse para ti, Cabaco. São clandestinos, senhor
Flask”.
“Remai, remai, meus corações, meus filhos, meus pequenos”, suspirava Stubb com doçura,
arrastando as palavras, dirigindo-se aos homens de sua tripulação, alguns dos quais ainda
mostravam alguns sinais de constrangimento. “Por que não quebrais vosso espinhaço, meus
meninos? Para onde olhais? Para aqueles camaradas naquele barco? Ora! São apenas mais cinco
homens que chegaram para nos ajudar – não importa de onde – quanto mais, melhor. Remai, então.
Remai! Não vos importeis com o enxofre – os demônios são gente boa. Continuai remando que essa
remada vale mil libras; essa é uma remada para fazer saltar o banco! Viva para a copa de ouro do
óleo de cachalote, meus heróis! Três vivas, homens – meus corações! Calma, calma, não vos
apresseis. Por que não movimentais vossos remos, patifes? Um pouco mais, cães! Assim, assim,
assim. Isso, devagar, devagar! Isso mesmo – remadas longas e fortes. Mais depressa, velhacos,
canalhas; estais dormindo. Chega de roncar, dorminhocos. Remai! Remai! Por que, em nome dos
peixinhos e dos bolos de gengibre, por que não remais? Remai e quebrai alguma coisa! Remai até
que vos saltem os olhos! Aqui!” Tirando o punhal do cinto, gritou: “Cada filho da mãe que tire o
punhal e reme com a lamina entre os dentes. Isso mesmo. Estamos melhorando, parece que agora
fazemos alguma coisa, meus pedaços de aço. Vamos, vamos, minhas colheres de prata! Vamos,
desatadores de nós!”
O exórdio de Stubb à sua tripulação aqui está transcrito devido ao seu modo peculiar de falar
e sobretudo de lhes inculcar a religião do remo. Porém, não se deve supor que por causa desse tipo
de pregação ele passasse a sentir uma verdadeira paixão por essa congregação. De modo algum. E
era nisso que consistia sua principal peculiaridade. Ele dizia as coisas mais terríveis à sua
tripulação, em um tom tão estranhamento composto de fúria e gracejo que aquela fúria parecia
meramente calculada para funcionar como tempero para o gracejo, de modo que os remadores não
podiam ouvir essas estranhas censuras sem passar a remar como se disso dependessem suas vidas,
mas remando pela simples diversão da coisa. Além disso, durante todo o tempo ele parecia tão
confortável e indolente, manejando o remo com tamanha preguiça e às vezes bocejando de modo
tão desmedido que, pelo contraste, a mera visão daquele comandante sonolento agia como um
feitiço sobre a tripulação. Pois bem, Stubb era um desses humoristas estranhos cuja jovialidade, ás
vezes tão curiosamente ambígua, induzia seus subordinados a ficar em guarda no que dizia respeito
à obediência.
Obedecendo a um sinal de Ahab, Starbuck agora passava obliquamento pela popa de Stubb.
E quando por um instante os dois botes ficaram próximos um do outro, Stubb chamou o piloto:
“Senhor Starbuck! Olá, bote de bombordo, olá! Posso dizer uma palavra, senhor, por favor!!”
“Ola!” respondeu Starbuck, sem se voltar uma única polegada; ainda exortando sua
tripulação em voz baixa, o rosto parecendo feito de pedra, sem olhar para Stubb.
“O que tu pensas sobre aqueles amarelos?”
“Foram embarcados clandestinamente, antes de o navio zarpar (Força, força, rapazes)”,
sussurrou ele para seus homens. Então, falando novamente em voz alta, acrescentou: “Uma história
triste, senhor Stubb! (vamos, vamos, rapazes!), mas não tem importância senhor Stubb, tudo há de
se arranjar. Que a tripulação reme com força, aconteça o que acontecer. (nimo, minha gente,
ânimo!) Há um bando de cachalotes ali adiante, senhor Stubb, e foi para isso que viemos para cá.
(Remai, rapazes!) Cachalotes, são cachalotes! E isso pelo menos é trabalho; trabalho e dinheiro na
mão”.
“Sim, sim, foi o que pensei”, disse Stubb para si mesmo enquanto os botes se afastavam.
“Percebi assim que pus os olhos neles. Sim, era por isso que ele descia tantas vezes ao porão, como
Dough-Boy suspeitava há muito tempo. Estavam escondidos lá embaixo. A Baleia Branca está no
fundo disso tudo! Não há o que fazer! Muito bem! Vamos, rapazes! Hoje não se trata da Baleia
Branca! Adiante!”
O aparecimento desses bizarros estrangeiros em um momento tão crítico quando o baixar
dos botes do convés não despertara sem razão uma espécie de apreensão supersticiosa em alguns
homens da tripulação do navio, apesar de prevenidos há algum tempo por Archy, que lhes falara de
sua descoberta. Embora ninguém lhe tenha dado crédito, de certo modo isso os preparara para o
evento. Esse fato e o modo confiante com que Stubb lhes explicara a aparição amenizaram seu
assombro e durante algum tempo foram libertos de seu temor supersticioso, apesar do assunto ainda
deixar muito espaço para as mais selvagens conjecturas sobre o papel preciso de Ahab nesse caso,
desde o início. De minha parte, recordei silenciosamente as sombras misteriosas que vi deslizando a
bordo do Pequod durante aquele opaco amanhecer em Nantucket, assim como as enigmáticas
sugestões do dúbio Elias.
Nesse meio tempo, sem ouvir seus oficiais Ahab se adiantara o mais possível na direção do
barlavento, mantendo-se à frente de todos os outros botes, circunstância que mostrava a potência da
tripulação que o acompanhava. Aquelas criaturas de cor amarelo-tigre pareciam feitas de aço e
ossos de baleia. Como cinco martelos mecânicos, eles se levantavam e se abaixavam puxando o
remo com movimentos regulares e fortes que impulsionavam o barco na água como se ele entivesse
sendo movido pela caldeira de um vapor do Mississipi. Quanto a Fedallah, que manejava o remo do
arpoador, ele retirara sua jaqueta negra e mostrava o peito nu e grande parte de seu corpo acima da
amurada, claramente desenhados contra as depressões alteradas no horizonte aquoso enquanto, na
outra ponta do bote, com um braço que parecia o de um esgrimista, meio levantado e atirado para
trás para contrabalançar qualquer tendência a tropeçar, Ahab manejava o timão como nas mil
descidas que realizara antes de a Baleia Branca mutilá-lo. De repente, o braço estendido fez um
movimento peculiar antes de permanecer fixo, enquanto os cinco remos paralisaram-se
simultaneamente. Bote e tripulação sentavam-se imóveis sobre o mar. Instantaneamente, os três
botes espalhados na retaguarda também pararam. As baleias haviam se ocultado irregularmente no
mar azul, um movimento não discernível na distância, mas que Ahab observara por estar mais
próximo delas.
“Cada homem atento ao seu remo!” gritou Starbuck. “Tu, Queequeg, levanta-te!”
Saltando agilmente para cima da caixa triangular que se erguia na popa, o selvagem ali
permaneceu ereto, com olhos intensos e ansiosos observando o local em que a caça fora vista pela
última vez. Do mesmo modo, no porto mais extremo da popa do barco, onde também havia uma
plataforma triangular no mesmo nível da amurada, via-se o próprio Starbuck equilibrando-se fria e
habilmente na embarcação sacudida pelas ondas, silencioso e com os olhos fixos na vastidão azul
do mar.
Não muito distante dali, o bote de Flask também se encontrava ofegante e imóvel; seu
corajoso comandante em pé no topo da tartaruga – enorme poste plantado na quilha que se erguia
cerca de dois pés acima do nível da plataforma da popa. Esse poste é usado para enrolar a linha do
arpão. Seu topo não é maior que a palma da mão de um homem e postado em uma base como essa
Flask parecia empoleirado no mastro grande de algum navio que submergira, à exceção de seus
mastros. O pequeno Arquitrave era miúdo e baixinho, mas possuía grandes e altas ambições, e essa
posição sobre o poste não o satisfazia.
“Não consigo ver nada. Preciso de um remo e de ajuda para subir”.
Diante disso, agarrando-se à amurada com as duas mãos para se firmar, Daggoo saltou para
cima dela e ofereceu seus imponentes ombros como pedestal.
“Meus ombros são um mastro grande, bom como poucos. Queres subir?”
“Sem dúvida, e te agradeço muitíssimo, caro companheiro. Apenas gostaria que fosses 50
pés mais alto”.
Em seguida, plantando firmemente os pés em duas pranchas colocadas em lados opostos do
barco, o gigantesco negro inclinou-se um pouco e apresentou a palma de sua mão para Flask apoiar
o pé e depois, colocando a mão de Flask em sua cabeça enfeitada como um carro fúnebre,
convidou-o a saltar, ao mesmo tempo em que com um hábil impulso colocava o homenzinho no alto
de seus ombros. E ali ficou Flask, em pé, Daggoo com um braço levantado para lhe proporcionar
um parapeito contra o qual se recostar e se firmar.
É sempre uma visão estranha para um novato observar com que maravilhosa e inconsciente
habilidade o baleeiro mantém a postura ereta em seu bote, mesmo quando arremessado para todo
lado pela mais perversa e desenfreada borrasca. Ainda mais estranho é vê-lo oscilando no alto do
poste sob tais circunstâncias. Mas o espetáculo do pequeno Flask sobre os ombros do gigantesco
Daggoo era ainda mais curioso, pois se mantendo com fria, indiferente, tranquila, impensanda e
bárbara majestada, o nobre negro movia seu belo corpo em perfeita harmonia com os movimentos
do mar. Sobre seus amplos ombros, o louro Flask parecia um floco de neve. O homem que o
sustinha parecia mais nobre que um cavaleiro. Apesar de verdadeiramente vivaz, turbulento e
espalhafatoso, o pequeno Flask às vezes dava mostras de impaciência, mas isso absolutamente não
perturbava o equilíbrio daquele altivo peito negro. Já vi a Paixão e a Vaidade afligirem a viva e
magnânima terra, mas a terra não alterou suas marés nem suas estações por causa disso.
Enquanto isso, Stubb, o terceiro piloto, não demonstrava tão grandes solicitudes. As baleias
poderiam ter praticado um de seus desaparecimentos habituais, não um mergulho temporário devido
ao temor, e se fosse esse o caso, como era seu costume, Stubb estava resolvido a procurar alívio em
seu cachimbo durante a espera. Ele o retirou da fita do chapéu, onde sempre o usava como uma
pena, encheu-o e apertou o fumo com a ponta do polegar, mas nem bem acendera um fósforo na
áspera palma de sua mão quando Tashtego, seu arpoador, cujos olhos haviam permanecido fixos na
direção do vento, como duas estrelas imóveis, subitamente caiu como uma luz sobre sua atitude
ereta, gritando como que possuído por um frenesi de afobação: “Silêncio, todos quietos! Vamos –
ali estão elas!”
Para um homem da terra firme, nenhuma baleia ou sinal de arenque seria visível naquele
momento; ele não veria nada além de um inquieto ponto de água branco-esverdeada e finas
emanações de vapor flutuando sobre ela, dissipando-se na direção do sotavento como confusas
espumas desprendendo-se de brancos vagalhões. O ar em torno subitamente vibrou e tiniu como se
a atmosfera acima tivesse sido intensamente aquecida por placas de ferro. Abaixo dessa flutuação e
dessa sinuosidade atmosférica, nadavam as baleias, parcialmente envoltas por uma fina camada de
água. Vistas antes de qualquer outra indicação, as emanações de vapor que elas exalavam pareciam
seus mensageiros precursores ou arautos alados.
Os quatro botes agora perseguiam esse turbilhão de água e ar. Mas era muito difícil
ultrapassá-lo, pois ele corria sempre para frente, como um grupo de bolhas mescladas, arrastadas
por uma torrente descendo uma encosta.
“Remem, remem bons meninos”, disse Starbuck aos seus homens, no mais ínfimo sussuro
cheio de intensidade concentrada, enquanto seu olhar agudo e fixo lançava-se diretamente para
diante da proa, lembrando as agulhas visíveis de duas bússolas infalíveis. Ele não falou muito com
sua tripulação, nem sua tripulação falou com ele. O silêncio no bote era apenas interrompido por um
de seus murmúrios peculiares, ora ríspidos comandos, ora suaves súplicas.
Como era diferente o barulhento e pequeno Arquitrave: “Cantai ou dizei alguma coisa, meus
corações. Rugi e remai, meus trovões! Desembarcai-me sobre seus dorsos negros, rapazes; fazei
apenas isso por mim e vos darei toda minha plantação em Martha›s Vineyard, incluindo mulher e
filhos. Depositai-me! Ó, Senhor, Senhor! Enlouqueço, fico completamente louco! Vede aquela água
branca!” Gritando desse modo, arrancou o chapéu da cabeça pisoteou-o e o atirou ao mar.
Finalmente, começou a pular na proa como um potro furioso no campo.
“Olha agora para esse sujeito”, comentou filosoficamente Stubb, segurando de forma
mecânica o pequeno cachimbo apagado entre os dentes, seguindo-o a pequena distância. “Esse
Flask tem uns acessos. Acessos? Sim, Entusiasmo, entusiasmo, meus queridos. Isto é um pudim
para a ceia – ânimo! Remai, meninos, remai meus pequenos, remai todos vós. Por que diabos tendes
tanta pressa? Devagar e sempre, meus rapazes. É só remar e continuar remando, nada mais.
Rebentai a espinha, quebrai em duas as vossas facas, só isso. Calma – por que não mantendes a
calma? Rebentai vosso fígado e vossos pulmões!”
Mas é melhor omitir as palavras que dizia o inescrutável Ahab à sua tripulação amarela, pois
viveis melhor sob a luz bendita da terra evangélica. Apenas os tubarões infiéis nos mares
audaciosos podem ouvir as palavras proferidas por Ahab perseguindo sua presa com a fronte
tempestuosa, os olhos vermelhos de fúria assassina, a boca coberta de espuma pegajosa.
Nesse meio tempo, todos os botes se separaram. As repetidas e claras alusões de Flask
“àquela baleia”, como chamava o monstro fictício que ele afirmava estar incessantemente
atormentando a proa de seu bote com sua cauda – essas alusões às vezes eram tão vívidas e reais
que faziam com que um ou dois de seus homens lançassem um olhar temeroso por cima do ombro.
Porém, isso era contrário a todas as regras, pois os remadores devem esquecer seus olhos e enfiar
um espeto no pescoço. Costuma-se dizer que nesses momentos críticos eles não devem ter nenhum
órgão, a não ser ouvidos, pernas e braços.
Era um espetáculo cheio de mistério e pavor! Vastas ondulações do mar onipotente, o rugido
oco e trêmulo que fazia ao rolar pelas oito bordas como gigantescas bolas correndo por um campo
ilimitado, a breve e suspensa agonia do bote ao roçar por um instante o agudo fio das ondas que
pareciam desejar cortá-lo em dois, o súbito e profundo mergulho nos vales e antros alagados, os
acentuados empurrões e impulsos para alcançar o topo da onda oposta, o rápido deslizar, descendo
do outro lado como um trenó, tudo isso e os gritos dos pilotos e dos arpoadores, o trêmulo arquejar
dos remadores e a magnífica visão do Pequod que parecia feito de marfim, orientando seus botes
com as velas estendidas, como uma frenética galinha conduzindo sua estridente ninhada. Tudo
aquilo era eletrizante.
Nem o recruta novato saído do seio de sua esposa para entrar no fervor de sua primeira
batalha, nem o fantasma de um homem morto que encontra pela primeira vez um fantasma
desconhecido no outro mundo podem sentir emoções tão fortes e estranhas como a do homem que
pela primeira vez se encontra remando no agitado e encantado círculo da caça do cachalote.
A dançante água branca produzida pela caça agora se tornava mais visível devido à
crescente escuridão das sombras das nuvens projetadas sobre o mar. Os jatos de vapor não mais se
misturavam, em toda parte inclinavam-se para a direita e para a esquerda. As baleias pareciam
separar suas esteiras. Os botes afastaram-se ainda mais. Starbuck dava caça a três baleias que
nadavam na direção do sotavento. Nossa vela agora estava desdobrada, e com o aumento da força
do vento, cruzávamos a água com tal frenesi que os remos do sotavento mal podiam ser acionados
com rapidez suficiente para evitar que fossem arrancados dos encaixes.
Logo atravessávamos um amplo e espresso véu de névoa. Navio e botes estavam invisíveis.
“Remar, homens”, murmurou Starbuck, puxando ainda mais a vela para a popa. “Ainda há
tempo para matar um peixe antes da chegada da tempestade. Há água branca outra vez! Rápido!
Adiante!”
Logo depois, dois gritos em sucessão rápida, um de cada lado de nós, denotaram que os
outros barcos haviam se adiantado depressa, porém, nem bem tinham sido ouvidos quando, em um
sussurro rápido como um relâmpago, Starbuck disse: “Em pé!” Com o arpão na mão, Queequeg
levantou-se de um salto.
Apesar de nem um único remador sentir que enfrentava um perigo de vida ou morte, o olhar
e a fisionomia intensa do piloto lhes mostraram que o chegara o momento decisivo. Ouviu-se
também um enorme chapinhar, como se 50 elefantes se espojassem na sujeira. Enquanto isso o bote
continuava a atravessar a névoa, as ondas curvando-se e silvando em torno de nós como serpentes
enraivecidas com as cabeças erguidas “Lá está a corcova. Ali, Ali! Acerte-a!» sussurrou Starbuck.
Um som curto e precipitado saltou do bote; era o arpão atirado por Queequeg. Então, junto
com uma comoção, algo invisível empurrou a popa e o bote pareceu se chocar contra uma rocha. A
vela despencou e estourou. Um jorro de vapor escaldante se elevou perto de nós. Algo rolou e
estremeceu debaixo de nós como um terremoto. Toda tripulação ficou meio sufocada, atirada de um
lado para o outro, envolta em uma rajada de coágulos brancos. Rajada, baleia e arpão se fundiram e
a baleia escapou, apenas arranhada pelo arpão.
Apesar de completamente alagado, o bote estava praticamente intacto. Nadando em torno
dele, recolhemos os remos que flutuavam e os atiramos por cima da borda do barco e em seguida
voltamos aos nossos lugares, aos trambolhões. Ali ficamos, ajoelhados no mar, a água cobrindo
todas as nervuras e todas as pranchas, de modo que, para nossos olhos baixos, a embarcação meio
submersa parecia um barco de coral que chegara até nós, vindo do fundo do oceano.
O vento que aumentara agora rugia; juntas, as ondas arremessavam sobre nós seus escudos;
a tempestade bramia, ziguezagueava e crepitava ao redor de nós como chamas brancas incinerando
um prado no qual nós queimávamos, indestrutíveis, imortais nas mandíbulas da morte! Em vão
gritávamos para os outros botes. Era como gritar para carvões acesos que caíam da chaminé de uma
fornalha chamejante. Enquanto isso, nuvens e névoa escureciam com as sombras da noite. Não
havia qualquer sinal do navio. O mar alto impedia qualquer tentativa de esvaziar o bote. Os remos
agora eram inúteis como propulsores, mas desempenhavam o papel de salva-vidas. Então, cortando
o amarrilho do pequeno barril a prova d’água, depois de muitos insucessos Starbuck conseguiu
acender a mecha de uma lanterna. Depois disso, colocando-a sobre um pedaço de pau, entregou-a
para Queequeg, porta-estandarte dessa esperança perdida. Ali ficou ele sentado, segurando aquela
vela ridícula no coração de um poderoso abandono, símbolo de um homem sem fé que, mesmo sem
nada esperar, agarra-se à esperança no meio do desespero.
Encharcados até a medula dos ossos, tremendo de frio, sem esperança de encontrar navio ou
bote, levantamos os olhos quando surgiu a aurora. A névoa ainda se espalhava pelo mar e a lanterna
destruída jazia no fundo do bote. De repente Queequeg ficou em pé, a mão em concha sobre o
ouvido. Todos nós ouvimos um débil ruído de cordas e cabos, abafado pela tempestade. O som se
aproximava cada vez mais. A névoa pesada foi cortada por uma forma vaga e imensa.
Amedrontados, todos nos atiramos ao mar quando o navio finalmente se agigantou e surgiu a uma
distância não muito maior que sua própria extensão.
Flutuando sobre as ondas, vimos o bote abandonado, por um instante sacudido pelas ondas,
encoberto pelo navio como uma lasca de pedra na base de uma catarata. Então, o vasto casco saltou
por cima dele e não o vimos mais até ele surgir perto da popa. Novamente nadamos até ele
arrojados pelo mar, e por fim fomos recolhidos e levados para a segurança do navio. Antes da
tempestade, os outros botes haviam abandonado a caça, voltando a tempo ao navio. Embora tivesse
desistido de nós, o Pequod navegava lentamente, buscando algum vestígio de nosso naufrágio – um
remo ou uma tábua.
49. A HIENA
Há certas épocas e ocasiões esquisitas nesse negócio confuso que chamamos de vida,
quando um homem considera o universo inteiro uma imensa pilhéria, apesar de quase não perceber,
nem suspeitar que a zombaria não se realiza às custas de ninguém, apenas às suas. Contudo, nada o
desanima e nada parece valer a pena enquanto luta. Ele traga todos os acontecimentos, todos os
credos, crenças e persuasões, todas as dificuldades visíveis e invisíveis, não importando o quanto
são difíceis e, como um avestruz de digestão poderosa engole balas de revólver e pedaços de pedra.
E quanto às pequenas dificuldades e preocupações, prospectos de súbito desastres, perigo de vida ou
de perder um membro, tudo isso e até a própria morte lhe parecem apenas golpes travessos e
benéficos, alegres palmadinhas nas costas concedidas por um velho zombeteiro, invisível e
misterioso. Essa estranha espécie de humor se apodera do homem apenas em tempos de extrema
tribulação. Chega em meio à própria seriedade, e aquilo que há pouco parecia muito importante
torna-se apenas parte da farsa geral. Não há nada como os perigos da caça à baleia para gerar esse
livre e cômodo tipo de filosofia agradável e marginal; e com ela agora vejo toda a viagem do
Pequod e sua finalidade: a grande Baleia Branca.
“Queequeg”, falei quando, por último, fui puxado para o convés, ainda sacudindo o corpo
para tirar a água da jaqueta. “Queequeg, caro amigo, esse tipo de coisa acontece com frequência?”
Sem muita emoção, apesar de tão encharcado quanto eu ele me fez compreender que essas coisas
realmente ocorriam.
“Senhor Stubb”, disse eu, voltando-me para esse valente que, tendo abotoado seu casaco
impermeável, agora fumava calmamente seu cachimbo, na chuva. “Senhor Stubb, creio que
afirmaste que de todos os baleeiros que conheceste nosso primeiro piloto é o mais cuidadoso e
prudente. Então, suponho que atirar-se a uma baleia nadando velozmente, com a vela desfraldada
em uma tempestade acompanhada de névoa é o ápice da prudência de um baleeiro”.
“Com certeza. Baixei de um navio que fazia água para caçar baleias em uma tempestade no
Cabo Horn”.
“Senhor Flask”, falei, voltando-me para o pequeno Arquitrave que se encontrava em pé ali
perto, “tu és experiente nessas coisas, eu não sou. Podes me dizer se nessa pesca há uma lei
inalterável que diz para os remadores arrebentarem as costas ao se atirarem de bruços nas
mandíbulas da morte?”
“Não podes dizer a mesma coisa de forma mais simples?”, disse Flask. “Sim, essa é a lei. Eu
gostaria que visses a tripulação de um bote voltar para atacar uma baleia que corre para frente. Ha,
ha! A baleia lhes retribui cada truque, podes ter certeza”.
“Então, de três testemunhos imparciais, tenho uma declaração ponderada sobre a questão
toda. Considerando que os temporais, os capotamentos na água e consequentes acampamentos nas
profundezas são ocorrências comuns neste tipo de vida; considerando que no instante
superlativamente crítico da perseguição da baleia devo colocar minha vida nas mãos de um
timoneiro, um sujeito que em geral nesse momento ameaça fazer rombos no bote com seus pulos
frenéticos e impetuosos; considerando que o desastre ocorrido com nosso bote deve ser imputado
principalmente ao fato de Starbuck ter perseguido sua baleia nos dentes de um temporal e que
apesar disso Starbuck é famoso por sua grande cautela durante a pesca; considerando que eu
pertencia ao bote do extraordinariamente prudente Starbuck; e finalmente considerando a
endiabrada caçada em que me meti com relação à Baleia Branca, declaro que resolvi escrever meu
testamento. Queequeg, serás meu advogado, executor e legatário”, disse eu.
Pode parecer estranho que de todos os homens sejam os marinheiros os que mais registrem
suas últimas vontades e testamentos, mas não existem pessoas no mundo que mais apreciem essa
diversão. Em minha vida náutica, era a quarta vez que eu fazia a mesma coisa. Após a cerimônia
que encerrou a presente ocasião, sentime mais tranquilo, como se uma pedra tivesse sido removida
de meu coração. Além disso, agora, todos os dias que eu vivesse seriam tão bons quanto os dias que
Lázaro viveu depois de sua ressurreição; um lucro suplementar de alguns meses ou semanas, fosse
qual fosse o caso. Eu sobrevivia a mim mesmo; minha morte e funeral estavam trancados em meu
peito. Olhei em torno, sereno e contente como um plácido fantasma de consciência limpa sentado
atrás das grades de uma agradável catacumba familiar.
Pois bem, pensei, arregaçando sem pensar as mangas do meu casaco, já se pode dar um
calmo e sossegado mergulho na morte e na destruição, e que o diabo carregue os últimos que
ficarem.
50. O BOTE E A TRIPULAÇÃO DE AHAB. FEDALLAH
“Quem imaginaria isso, Flask!” gritou Stubb. “Se eu tivesse somente uma perna tu não me
verias em um bote, a menos, talvez, para tapar um buraco com meu dedão de madeira. Oh! Ele é um
velho maravilhoso!”
“Afinal das contas, não acho isso tão estranho”, respondeu Flask. “Se sua perna tivesse sido
arrancada desde o quadril seria diferente. Ele ficaria inutilizado; mas ele ainda tem um joelho e
grande parte da perna, tu sabes”.
“Não sei de nada, homenzinho. Jamais o vi se ajoelhar”.
Entre os entendidos em baleias, discutia-se com frequência se, levando-se em conta a
primordial importância de vida do capitão de um navio baleeiro para o sucesso da viagem, seria
correto ele arriscar a vida expondo-se aos perigos da caçada. Da mesma maneira, com lágrimas nos
olhos, os soldados de Tamerlão[1] costumavam discutir se sua inestimável vida devia ser arriscada
nos tumultos das batalhas.
Mas com Ahab a questão assumia um aspecto diferente. Considerando que com duas pernas
um homem não passa de um coxo nos momentos de perigo, que a caça às baleias é sempre realizada
sob as mais extraordinárias dificuldades e que cada momento individual realmente encerra um
perigo, pergunta-se se é razoável um homem mutilado entrar em um bote baleeiro engajado na
caçada. Como um todo, os proprietários do Pequod diriam francamente que não.
Ahab sabia perfeitamente que apesar de seus amigos e compatriotas não desaprovarem sua
entrada em um bote relativamente abrigado das vicissitudes da caçada apenas para ficar perto da
cena da ação e dar suas ordens pessoalmente, esses generosos conceitos jamais passariam pela
cabeça dos proprietários do Pequod se o capitão Ahab realmente desejasse agir como chefe de bote
na pesca – principalmente se esse bote estivesse equipado com mais cinco homens. Portanto, ele
não solicitou tripulação para mais um bote nem lhes deu qualquer indício do que pretendia fazer.
Entretanto, tomara providência privadas no tocante a esse assunto. Até a noticiada descoberta de
Cabaco, os marinheiros não haviam previsto nada, apesar de, pouco depois de zarparem e
concluírem seus afazeres costumeiros aprontando os botes para o serviço, terem visto várias vezes
Ahab ocupado, fabricando com as próprias mãos cavilhas para calafetar para o que pensavam ser
um dos botes de reserva e até cortar solicitamente os pequenos espetos de madeira que são
encaixados nos entalhes da proa à medida que a linha corre. Quando tudo isso foi observado e
sobretudo quando notaram sua solicitude em colocar um revestimento extra no fundo do bote, como
que para poder aguentar melhor a pressão de sua perna de marfim, e a ansiedade que demonstrou
para modelar de modo exato a abraçadeira, ou escoteira, como às vezes é chamada a peça horizontal
que fica na proa do barco para que se possa apoiar o joelho ao lançar o arpão ou apunhalar uma
baleia, quando viram a frequência com que permanecia naquele bote com seu único joelho plantado
na depressão semicircular da abraçadeira, usando o cinzel de carpinteiro para entalhar um pouco
aqui, ajeitar um pouco ali, isso tudo provocou muito interesse e curiosidade na época. Mas quase
todo mundo supôs que esses preparativos cuidadosos de Ahab só podiam ter em vista a captura de
Moby Dick, pois ele já revelara sua intenção de caçar pessoalmente o monstro mortal. Mas essa
suposição de modo algum envolvia a mais remota suspeita de que houvesse uma tripulação
designada para aquele bote.
Porém, com os fantasmas subordinados, qualquer mistério remanescente logo se
desvaneceu, porquanto em um navio baleeiro os mistérios não duram muito. Além disso, de vez em
quando essas inexplicáveis esquisitices de nações estranhas apareciam de cantos desconhecidos da
terra para tripular os refúgios flutuantes que são os navios baleeiros, e os próprios navios costumam
recolher náufragos bizarros, criaturas encontradas em alto mar balançando-se sobre pranchas, restos
de embarcações afundadas, remos, botes baleeiros, canoas, juncos japoneses arrebentados e sabe-se
lá o que mais, de modo que se o próprio Belzebu subisse pela amurada e se enfiasse na cabina para
conversar com o capitão não criaria qualquer excitação importante no castelo da proa.
Seja como for, o certo é que os fantasmas subordinados logo encontraram seu lugar entre a
tripulação e apesar de ainda se distinguirem dos outros, o tal Fedallah de turbante de cabelo
permaneceu um tremendo mistério para todos. Só Deus sabia de onde ele chegara a este mundo
educado, e através de que tipo de vínculo misterioso ele logo se ligara à sorte peculiar de Ahab, a
ponto de possuir uma influência bastante aparente sobre ele, que até poderia se transformar em ativa
autoridade. Mas ninguém podia ficar indiferente a Fedallah. Ele era uma criatura que as pessoas
civilizadas e caseiras da zona temperada vêm apenas em sonhos, e mesmo nos sonhos o vêm de
modo indistinto, um personagem que surge de vez em quando entre as imutáveis comunidades
asiáticas, principalmente nas ilhas orientais do leste do continente – esses países insulados,
imemoriais e inalteráveis que até hoje, nestes tempos modernos, ainda preservam muito da
fantasmagórica naturalidade das gerações primordiais da terra, quando a memória do primeiro
homem ainda era uma lembrança distinta e todos os seus descendentes, sem saber de onde vinham,
olhavam uns para os outros como fantasmas reais e perguntavam ao sol e à lua por que haviam sido
criados, e com que finalidade. Segundo o Gênesis, uma época na qual os anjos realmente se uniam
às filhas dos homens, e os demônios se entregavam a amores mundanos, acrescentam os rabinos
não canônicos.
51. O JORRO FANTASMA
Dias e semanas se passaram e com o vento favorável o ebóreo Pequod atravessou devagar
quatro zonas de pesca: a dos Açores, de Cabo Verde, da Prata, como era chamada a região em
frente à foz do Rio da Prata, e de Carrol, localidade tranquila e úmida ao sul de Santa Helena.
Foi quando deslizávamos através dessa última zona em uma noite serena e banhada pelo
luar, quando todas as ondas passavam como rolos de prata e com seu sussurro suave e sufocado
transformava o silêncio em prata, não em solidão, nessa noite silenciosa um jato argênteo foi visto
na distância, adiante das bolhas brancas formadas na proa. Parecia celestial iluminado pela lua, um
deus emplumado e cintilante surgindo do mar. Fedallah foi o primeiro a enxergá-lo, pois nessas
noites enluaradas gostava subir ao mastro grande e ali permanecia de vigia, tão preciso como se
fosse dia. Apesar de cardumes de baleias serem avistadas à noite, nem um único baleeiro em cem se
aventuraria a baixar para caçá-las. Pode-se imaginar com que emoção os marinheiros
contemplavam aquele velho oriental encarapitado lá no alto, tão tarde da noite, o turbante e a lua
como companheiros em um mesmo céu. Porém, depois de cumprir sua vigília regular durante várias
noites sucessivas sem emitir um único som, após todo esse silêncio, quando sua voz sobrenatural foi
ouvida anunciando aquele jorro prateado banhado pelo luar todos os marinheiros deixaram suas
redes como se algum espírito alado houvesse pousado sobre o cordame para convocar a tripulação
mortal. “Lá está ela, jorrando!” Se tivessem soado as trombetas do julgamento final eles não teriam
estremecido tanto; mas não sentiram terror, sentiram prazer. Apesar da hora incomum, tão
impressionante foi o grito, tão delirantemente excitante que todas as almas a bordo instintivamente
desejaram baixar ao mar.
Caminhando pelo convés com passadas rápidas e oblíquas, Ahab ordenou que todos os
joanetes e os cutelos fossem desdobrados. O homem mais habilidoso do navio tomou o leme. Então,
com todos os mastros equipados, a embarcação abarrotada avançou adiante do vento. A estranha
tendência da brisa para ondular e levantar-se enchendo os vãos de tantas velas fez com que o convés
se transformasse em algo flutuante, como se o ar passasse sob nossos pés enquanto o navio
avançava como se duas forças antagônicas lutassem – uma para levá-lo diretamente ao céu, a outro
para conduzi-lo a um ponto no horizonte. E se alguém olhasse para o rosto de Ahab naquela noite
pensaria que também nele lutavam duas coisas diferentes. Enquanto sua perna viva produzia ecos
vigorosos ao longo do convés, os passos de sua perna artificial soavam como pancadas em um
esquife. Aquele velho caminhava sobre a vida e sobre a morte. A despeito de o navio se deslocar
com tanta velocidade e de todos os olhos dardejarem olhares ansiosos, o jato prateado não voltou a
ser visto naquela noite. Todos os marinheiros juraram tê-lo visto uma única vez.
Aquele jorro à meia-noite fora quase esquecido quando alguns dias depois, na mesma hora
silenciosa, foi novamente anunciado e visto por todos, mas depois de desfraldadas todas as velas
para alcançá-lo, ele mais uma vez desapareceu como se jamais tivesse acontecido. E assim, noite
após noite ele surgia diante de nós, até que ninguém fazia mais do que se assombrar diante dele.
Misteriosamente lançado ao clarão da lua ou das estrelas, voltava a desaparecer por um, dois ou três
dias para, de algum modo, reaparecer cada vez mais longe. Aquele jato solitário parecia querer nos
seduzir para sempre.
Fosse pela imemorial superstição de sua raça ou pela qualidade sobrenatural que em tantos
sentidos parecia envolver o Pequod, alguns marinheiros juraram que onde quer que tivesse sido
avistado, por mais longínqua que fosse a época ou por mais distantes que fossem as latitudes e
longitudes, aquele inalcançável jorro fora lançado por uma única baleia, e aquela baleia era Moby
Dick. Durante algum tempo também reinou um sentimento de terror pela esquiva aparição, como se
ela estivesse nos envolvendo traiçoeiramente, levando-nos cada vez mais para longe para que o
monstro pudesse se voltar contra nós e nos destruir em mares mais remotos e selvagens.
Essas inquietações temporárias, tão vagas mas tão terríveis, adquiriam um poder fastástico
devido à contrastante serenidade do tempo em cuja azul suavidade, acreditavam alguns, espreitava
um fascínio demoníaco, pois após navegar por dias e dias através de mares tão cansativamente
brandos o espaço parecia querer paralisar a vida diante da urna funerária da nossa proa, como se
fosse hostil à nossa missão vingadora.
Por fim, retornando para o leste, os ventos do Cabo começaram a rugir em torno de nós e
nos erguemos e caímos sobre o imenso mar agitado. Quando o Pequod inclinou a proa diante das
rajadas de vento e fendeu as ondas escuras em sua loucura, quando, como uma chuva de lascas
prateadas, os flocos de espuma voaram sobre seu casco, toda a desolada vacuidade da vida
desapareceu dando lugar a visões ainda mais desalentadoras que antes.
Aqui e ali, perto de nosso costado estranhas formas surgiam subitamente na água enquanto
atrás de nós voava grande número de inescrutáveis corvos marinhos. Todas as manhãs, bandos
desses pássaros empoleiravam-se em nossos estais. A despeito de nossos gritos, obstinavam-se a
permanecer por muito tempo agarrados ao cordame como se acreditassem que o navio era uma
embarcação que vagava desabitada, condenada à desolação, e, portanto, um abrigo adequado para
seus corpos desamparados. E o negro mar ondulava sem descanso, como se suas vastas marés
fossem uma consciência e a grande alma do mundo estivesse angustiada e cheia de remorso pelo
grande pecado e pelos tormentos que produzira.
Cabo da Boa Esperança, é assim que te chamam? Melhor seria se te chamassem Cabo das
Tormentas como antigamente, pois há muito atraídos pelos traiçoeiros silêncios que nos
acompanhavam, encontramo-nos atirados nesse mar torturado onde seres culpados, transformados
em pássaros e peixes, pareciam condenados a nadar para sempre sem jamais encontrar um porto ou
bater esse ar negro sem qualquer horizonte. Mas calmo e branco como neve, invariável, dirigindo
sua fonte emplumada para o céu, ainda nos atraindo como antes, às vezes avistávamos o jorro
solitário.
Durante todo esse negrume dos elementos, assumindo quase sempre o comando do
encharcado e perigoso convés, Ahab manifestava a mais sombria reserva e falava cada vez menos
com seus companheiros. Em épocas tempestuosas como essa, depois de se assegurar de que tudo
que se considera importante já foi feito, nada mais pode ser feito senão esperar passivamente pela
melhora da tormenta. Capitão e tripulação tornam-se fatalistas. Com a perna de marfim inserida em
seu orifício costumeiro e agarrando firmemente um ovém com uma das mãos, Ahab passava horas e
horas olhando firmemente na direção do barlavento, enquanto uma ocasional chuva de granizo ou
neve praticamente congelava suas pestanas unidas. Enquanto isso, expulsa da parte da frente do
navio pelo mar perigoso que batia seu costado, a tripulação permanecia em fila ao longo das
amuradas do convés, e para se proteger melhor das ondas cada homem deslizava em uma espécie de
bolina presa à grade, na qual ele balançava como se usasse um cinto folgado. Pronunciavam poucas
ou nenhuma palavra e o navio silencioso, como se conduzido por marinheiros de cera, dia após dia
atravessava toda a vertiginosa alucinação e alegria das ondas demoníacas. À noite o mesmo
mutismo da humanidade prevalecia diante dos gritos do oceano; ainda em silêncio, os homens
balançavam-se nas bolinas; ainda mudo, Ahab resistia ao vento. Mesmo quando a entediada
natureza parecia exigir repouso, ele não o buscava em sua rede. Starbuck jamais esqueceria o
aspecto do velho quando o viu uma noite em que foi à cabina para verificar o barômetro: estava
com os olhos fechados, sentado ereto em sua cadeira parafusada ao chão, e a chuva e o granizo
meio derretido da tempestade que acabara de cair pingavam do chapéu e do casaco que ele ainda
não retirara. Na mesa ao seu lado, desenrolado, um desses mapas de marés e correntes, já
mencionados. Uma lanterna pendia de sua mão fortemente fechada. A despeito de seu corpo ereto, a
cabeça voltava-se para trás de modo que seus olhos fechados apontavam para a agulha do
“avisador” que pendia de uma trave no teto.1
Velho terrível! Dormindo nesse temporal ainda tens os olhos fixos em teu objetivo, pensou
Starbuck estremecendo.
1- A bússola na cabina é chamada “avisador” porque, sem precisar consultar o mesmo instrumento
que fica perto do leme, o capitão pode se informar a respeito do curso do navio
52. O ALBATROZ
A sudeste do Cabo, nas proximidades das longínquas Crozetts, zona excelente para a pesca
de baleias, surgiu diante de nós um navio chamado Albatroz. Enquanto ele se aproximava, do alto
do meu posto no mastro grande eu tinha uma extraordinária vista para quem ainda não conhece bem
as remotas pescas marinhas – um baleeiro no mar, há longo tempo longe da pátria.
Como se fossem pioneiros, as ondas haviam branqueado o navio deixando-o como o
esqueleto de uma morsa abandonada. Os flancos dessa aparição espectral estavam sulcados por
longos canais de ferrugem avermelhada e todos os seus mastros e cordames pareciam grossos ramos
de árvores revestidos de geada. Apenas suas velas inferiores estavam desfraldadas. Era um
espetáculo bárbaro ver os vigias barbudos no topo daqueles três mastros. Eles pareciam vestidos
com peles de animais, esfarrapados e remendados após sobreviverem a quase quatro anos de
navegação. Em pé sobre anéis de ferro presos aos mastros, eles oscilavam e balançavam sobre o
mar misterioso, e à medida que o navio deslizava suavemente para perto de nossa popa, os seis
homens no ar chegaram tão perto uns dos outros que poderiam ter saltado do mastro de um navio
para o do outro; mas aqueles pescadores que nos observavam com olhos mansos não disseram
palavra para nossos vigias, e foi do nosso castelo de proa que partiu o grito: “Olá, do navio! Vistes a
Baleia Branca?”
Porém, quando o estranho capitão inclinou-se sobre a pálida amurada e levou sua trombeta
aos lábios, ela repentinamente lhe escapou das mãos e caiu no mar, e como o vento voltou a se
levantar seus esforços para se fazer ouvir foram inúteis. Nesse ínterim, seu navio distanciava-se do
nosso cada vez mais enquanto, de vários modos silenciosos, os marinheiros do Pequod
demonstravam que haviam observado que esse nefasto incidente acontecera à primeira menção da
Baleia Branca ao outro navio. Por um momento, Ahab fez uma pausa, parecendo disposto a baixar
um bote para ir ao navio desconhecido, não fosse o vento ameaçador a impedi-lo. Mas
aproveitando-se de sua posição com relação ao vento e sabendo que o outro navio era de Nantucket
e que logo voltaria para a pátria, ele agarrou sua trombeta e gritou bem alto: “Olá, do navio! Este é
o Pequod dando a volta ao mundo! Avisai a todos para, no futuro, endereçarem suas cartas para o
Oceano Pacífico, e se eu não chegar dentro três anos, poderão endereçá-las a…”
Nesse momento, as esteiras dos dois navios se cruzaram e, instantaneamente, de acordo com
seus hábitos regulares, cardumes de peixinhos inofensivos que durantes alguns dias haviam nadado
placidamente ao nosso lado, afastaram-se como flechas, com as barbatanas trêmulas, e
enfileiraram-se ao longo dos dois flancos do navio desconhecido. No curso de suas contínuas
viagens Ahab observara inúmeras cenas semelhantes, porém, para um homem obsessivo o mais
ínfimo acontecimento carrega caprichosamente significados ocultos.
“Nadais para longe de mim, não é?” murmurou Ahab olhando para a água. Parecia não
haver nada de importante nessas palavras, mas o tom comunicava uma tristeza mais profunda do
que o homem já revelara. Voltando-se para o timoneiro, que até aquele instante mantivera o navio
contra o vento para diminuir a velocidade, gritou com sua velha voz de leão: “Acima, timão!
Mantém assim até dar a volta ao mundo!”
Volta ao mundo! Essas palavras encerravam muitas coisas que inspiravam sentimentos de
orgulho, mas para onde nos conduziria essa circum-navegação? Enfrentaríamos inúmeros perigos
até voltarmos ao ponto de onde partíramos, onde todos os que deixáramos para trás, em segurança,
na verdade haviam permanecido à nossa frente durante todo aquele tempo.
A viagem seria mais promissora se este mundo fosse uma planície infinita e se navegando
para o leste pudéssemos alcançar novas distâncias e descobrir outros cenários mais doces e curiosos
que as Cíclades ou as Ilhas do Rei Salomão. Mas ao buscarmos esses mistérios longínquos com os
quais sonhamos ou na atormentada caça a esse fantasma demoníaco que de tempos em tempos
surge diante de todos os corações humanos, ao perseguirmos tudo isso ao redor do mundo seríamos
levados a estéreis labirintos ou acabaríamos como náufragos no meio do caminho.
53. O GAM
A razão ostensiva por Ahab não ter ido para bordo do baleeiro de que falamos foi a seguinte:
o vento e o mar anunciavam tempestade. Contudo, mesmo se não tivesse sido esse o caso, a julgar
por sua conduta subsequente em ocasiões semelhantes ele também não iria se o processo de gritar
lhe tivesse rendido uma resposta negativa à pergunta que fizera. Pelo que se soube mais tarde ele
não gostava de entrar em contato com capitães desconhecidos nem mesmo por cinco minutos,
exceto se eles pudessem contribuir com alguma informação a respeito daquilo que buscava com
tanta obstinação. Mas tudo isso pode permanecer inadequadamente compreendido se não
esclarecermos os costumes peculiares dos navios baleeiros quando encontram outras embarcações
em mares estranhos, notadamente em uma mesma zona de pesca.
Se dois desconhecidos estivessem atravessando os Pine Barren do Estado de Nova York ou
a igualmente desolada planície de Salisbury, na Inglaterra, e se cruzassem casualmente nesses
desertos inóspitos, não deixariam de se cumprimentar e se deter por um momento para contar as
novidades um ao outro e, talvez, sentar-se durante um momento para descansar. Então, muito mais
natural seria que dois navios baleeiros que se encontrassem nos Pine Barren e nas planícies de
Salisbury do mar, isto é, nos confins da terra – diante da Ilha de Fanning ou das longínquas King’s
Mills – não só trocassem saudações mas também estabelecessem um contato mais próximo, mais
amigável e social. E isso parecia ser ainda mais habitual no caso das embarcações serem oriundas
do mesmo porto, pois seus capitães, oficiais e não poucos homens da tripulação, conhecendo-se
pessoalmente, teriam vários assuntos de comum interesse para conversar.
Talvez o navio que iniciara a viagem mais tarde levasse a bordo cartas para o navio ausente
por mais tempo. De qualquer modo, certamente teria alguns jornais um ou dois anos mais novos que
seu ultimo exemplar, já desgastado e meio apagado de tanto ser manuseado. E para retribuir essa
cortesia, o navio que zarpara primeiro receberia as últimas informações sobre as baleias da zona
para a qual se dirigia, algo da maior importância para ele. Em certo grau, tudo isso pode acontecer
com relação a navios baleeiros cujas rotas se cruzam na mesma zona de pesca, mesmo que estejam
longe da pátria pelo mesmo espaço de tempo. Um deles pode ter recebido uma transferência de
cartas de uma terceira embarcação, agora muito afastada, e algumas dessas cartas podem ser
destinadas a pessoas do navio recém-encontrado. Além disso, ambos poderiam trocar informações
sobre baleias e ter uma conversa agradável. Isso não só despertaria a simpatia de todos os
marinheiros, mas também conservaria as afinidades peculiares surgidas de um objetivo comum e da
partilha das mesmas carências e perigos.
Nem a diferença de nacionalidade é um obstáculo muito grande, isto é, desde que ambas as
partes falem uma única língua, como é o caso de americanos e ingleses. Apesar de tais encontros
não ocorrerem com muita frequência pelo pequeno número de baleeiros ingleses, quando
acontecem é provável que haja certa timidez entre eles, pois os ingleses são bastante reservados
enquanto que os americanos julgam que esse tipo de coisa é um privilégio seu. Além disso, os
baleeiros ingleses às vezes adotam uma espécie de superioridade metropolitana sobre os navios
americanos, olhando os altos e magros naturais de Nantucket, com seu indescritível provincianismo,
como uma espécie de camponeses do mar. Mas é difícil dizer no que realmente consiste essa
superioridade, visto que em um único dia os americanos matam mais baleias que todos os ingleses
em dez anos. Porém, é esse o inofensivo ponto fraco dos baleeiros ingleses que os americanos não
levam muito em consideração, provavelmente porque sabem que também possuem suas fraquezas.
Portanto, vemos que de todos os navios que navegam separadamente no mar, os baleeiros
são os que têm mais razões para ser sociáveis – e o são. Os navios mercantes que se cruzam no
meio do Atlântico em geral passam uns pelos outros sem ao menos trocar uma palavra de saudação,
evitando-se em alto mar como um par de janotas na Broadway, e durante todo o tempo em que
permanecem visíveis talvez se divirtam criticando a mastreação um do outro. Quanto aos navios de
guerra, quando têm oportunidade de se encontrar no mar primeiro dedicam-se a uma série de tolas
reverências e mesuras, como exibição de bandeiras, algo que não parece ser uma cordial
demonstração de boa-vontade e amor fraternal. Quanto aos navios negreiros, sempre estão
possuídos por pressa de tal maneira prodigiosa que se afastam uns dos outros o mais depressa
possível. E no que diz respeito aos navios piratas, quando têm oportunidade para aproximar suas
tíbias cruzadas, sua primeira saudação é: “Quantas abordagens?” do mesmo modo que os baleeiros
logo perguntam: “Quantos barris?” E uma vez respondida essa questão os piratas imediatamente se
afastam, pois ambos são vilões infernais e não lhes apetece observar de perto outros patifes da
mesma laia.
Mas vede os piedosos, honestos, discretos, hospitaleiros, sociais e tranquilos baleeiros! O
que faz um baleeiro quando encontra outro em qualquer espécie de tempo decente? Fazem um
GAM, algo tão desconhecido de todos os outros navios que eles jamais ouviram esse nome, e se por
acaso tiverem ouvido apenas sorrirão e repetirão suas tolas brincadeiras sobre “jorros”, “fervedores
de gordura de baleia”, e outras belas expressões. Por que todos os marinheiros de navios mercantes,
piratas, tripulantes dos navios de guerra e dos navios negreiros cultivam esse sentimento de desdém
com relação aos navios baleeiros é uma questão difícil de responder. No caso dos piratas, eu
gostaria de saber se essa profissão tem algo de particularmente glorioso. É certo que ela às vezes
leva a incomum elevação, mas apenas na forca. Além disso, quando um homem é elevado desse
modo estranho ele não tem base própria para sua altitude superior. Portanto, concluo que ao se
gabar por se elevar acima de um baleeiro o pirata não tem fundamento sólido no qual se apoiar.
Mas o que é um GAM? Vós poderies correr o dedo indicador pelas colunas dos dicionários
sem jamais encontrar essa palavra. O doutor Johnson jamais atingiu essa erudição. A arca de Noé de
Webster não a contém. No entanto, essa mesma palavra expressiva há muitos anos é usada
constantemente entre 15 mil americanos natos. Ela certamente necessita uma definição e deveria ser
incorporada aos léxicos. Tendo tudo isso em vista, permiti que eu a defina de forma educativa:
GAM: SUBSTANTIVO. REUNIÃO A SOCIAL DE DOIS (OU MAIS) NAVIOS BALEEIROS,
GERALMENTE EM UMA ZONA DE PESCA; APÓS TROCAREM SAUDAÇÕES AS
TRIPULAÇÕES DOS NAVIOS FAZEM VISITAS RECÍPROCAS DURANTE AS QUAIS OS
DOIS CAPITÃES PERMANECEM A BORDO DE UM DOS NAVIOS ENQUANTO OS
PILOTOS SE ENCONTRAM NO OUTRO.
Há outra pequena característica sobre o GAM que não pode ser esquecida. Todas as
profissões possuem suas pequenas particularidades de detalhe, e o mesmo acontece com a pesca da
baleia. Em um navio pirata, de guerra ou negreiro, quando o capitão vai a qualquer parte em seu
bote, ele sempre senta na popa, em um assento confortável, às vezes almofadado, e com frequência
decora sua elegante barra do timão com cordões e fitas coloridas. Mas o navio baleeiro não possui
assento na popa nem sofá de qualquer espécie, muito menos barra de timão. Os capitães dos navios
baleeiros estariam bem se navegassem de um lado para o outro sobre rodas, como velhos
conselheiros municipais atacados pela gota. Nenhum baleeiro admitiria algo tão efeminado.
Portanto, quando a tripulação é obrigada a deixar o navio durante um GAM, se o timoneiro ou o
arpoador estiver incluído no grupo, esse subordinado será responsável por dirigir o bote nessa
ocasião, e não tendo onde sentar o capitão é conduzido à sua visita em pé, ereto como um pinheiro.
E com frequência notareis que, tendo consciência de que os olhos de todo mundo visível, isto é, das
tripulações dos dois barcos, estão pousados sobre ele, esse capitão faz o maior esforço para manter
sua dignidade conservando-se firme sobre suas pernas. Isso não é muito fácil, pois atrás dele
encontra-se o imenso remo da popa batendo de vez em quando em suas costas, com o remo da proa
retribuindo, atingindo seu joelho do outro lado. Desse modo, ele fica completamente reprimido na
frente e atrás e só consegue se expandir para os lados, firmando-se sobre as pernas esticadas.
Porém, uma súbita e violenta sacudida do bote pode derrubá-lo, pois o comprimento da base não é
nada sem a largura correspondente. Colocai dois paus em ângulo obtuso e vereis que será
impossível colocá-los em pé. Por outro lado, seria bem desagradável o espetáculo de um capitão de
pernas abertas tentando se equilibrar a cada pequeno movimento do bote, agarrando-se ao que
estivesse ao alcance de sua mão. Realmente, como prova de seu total e tranquilo autocontrole, ele
geralmente mantém as mãos nos bolsos das calças, mas como na maioria das vezes essas mãos são
bastante grandes e pesadas, ele as deixa ali mesmo para servirem de lastro. Todavia, já houve certas
ocasiões bem documentadas em que, em um ou dois momentos extremamente críticos, como uma
súbita borrasca, o capitão tenha se agarrado aos cabelos do remador mais próximo e assim tenha se
conservado tão firme quanto a morte.
54. A HISTÓRIA DE TOWN-HO
[COMO CONTADA NA HOSPEDARIA DE OURO]
O Cabo da Boa Esperança, e toda a região alagada em torno dele, está muito longe de
parecer com os quatro cantos de uma importante estrada onde encontramos mais viajantes que em
qualquer outro lugar.
Não muito depois do encontro com o Albatroz, avistamos outro baleeiro rumando para seu
porto de origem, o Town-Ho.1 Ele estava sendo conduzido quase totalmente por polinésios. No
breve GAM que se realizou eles nos deram notícias espetaculares sobre Moby Dick. O interesse
geral pela Baleia Branca agora se acentuara sobremaneira por uma circunstância da história contada
pelo Town-Ho que, de forma obscura, parecia considerar a baleia como o instrumento misterioso de
um desses chamados divinos que de tempos em tempos surpreendem alguns homens. Esta última
conjuntura, com seus detalhes particulares, forma o que pode ser chamado de aspecto secreto da
tragédia que será narrada e que jamais chegou aos ouvidos do capitão Ahab ou de seus pilotos. Essa
parte secreta da história era desconhecida do próprio capitão do Town-Ho. Era propriedade privada
de três coparticipantes, marinheiros brancos desse navio, um dos quais a comunicara para Tashtego
sob promessa do maior sigilo. Porém, durante a noite Tashtego falou durante o sono e tanto revelou
que ao acordar não conseguiu deixar de contar o resto. A influência que o total conhecimento do
caso exerceu sobre os marinheiros do Pequod foi tão potente e influenciou seu comportamento com
delicadeza tão estranha que eles a mantiveram como um segredo mútuo que jamais transpirou
abaixo do mastro grande do Pequod. Entremeando-se à trama da narrativa esta sombria malha,
como narrada publicamente no navio, agora procurarei aqui registrar esse estranho acontecimento.
Por consideração ao meu senso de humor, preservarei o estilo com que a narrei em Lima, a
um círculo de amigos espanhóis reunidos em uma véspera de dia santo, fumando sob as grossas
telhas douradas da Hospedaria de Ouro. Desses esplêndidos cavalheiros, os jovens Don Pedro e
Don Sebastião, haviam se tornado meus amigos íntimos, daí as perguntas que faziam
ocasionalmente e que foram devidamente respondidas na época.
“Cerca de dois anos antes de saber os fatos que vos contarei, o Town-Ho, baleeiro de
Nantucket, estava atravessando vosso Pacífico não muito longe daqui, poucos dias de viagem a leste
desta boa Hospedaria de Ouro. Ele se encontrava em algum ponto ao norte da Linha. Em uma
manhã, quando foram examinar as bombas de acordo com o costume diário, foi observado que o
porão estava fazendo mais água que o comum. Imaginaram que um peixe-espada o tivesse avariado.
Por alguma razão incomum, o capitão acreditava que uma rara boa sorte o aguardava nessas
latitudes e portanto não desejava deixá-las. Como não consideravam séria a avaria, ainda que na
verdade não a tivessem encontrado apesar de examinarem o porão tão minuciosamente quanto lhes
permitia o tempo ruim, o navio continuou navegando enquanto os marinheiros trabalhavam nas
bombas a largos e cômodos intervalos. Dez dias se passaram e a avaria não só permanecia sem ser
encontrada como também piorara sensivelmente. Então, alarmado, o capitão dirigiu as velas para o
porto mais próximo entre as ilhas para revistar o casco e repará-lo”.
“Não havia nenhuma passagem próxima, mas se a sorte o favorecesse não precisaria temer
que o navio naufragasse uma vez que suas bombas eram da melhor qualidade e os 36 tripulantes
poderiam facilmente manter o navio flutuando, mesmo que ele fizesse duas vezes mais água. Na
verdade, como a passagem estava sendo abençoada com ventos favoráveis, o Town-Ho chegou em
perfeita segurança ao porto, sem a ocorrência de qualquer fatalidade a não ser o brutal
comportamento de Radney, o piloto natural de Vineyard que provocou amarga vingança por parte
de Steelkilt, um lagoense brigão nascido em Búfalo.
1- Town-Ho era o antigo grito dos baleeiros quando, em vigia no mastro grande, avistavam uma
baleia. Ainda é utilizado pelos baleeiros que caçam as famosas tartarugas aquáticas das ilhas
Galápagos.
“Lagoense! – Búfalo! Por favor, o que é um lagoense e onde fica Búfalo?” perguntou Dom
Sebastião, esticando-se em sua balouçante esteira de junco.
“É o porto mais a leste de nosso Lago Eire, mas apelo para vossa paciência e logo sabereis
algo mais sobre isso tudo. Pois bem, cavalheiros, esse lagoense encerrado no coração de nossa
América já navegara do velho porto de Callao para a longínqua Manilha em brigues de velas
quadradas e navios com três mastros, tão grandes e fortes quanto qualquer outro, e nutria seu
espírito com todas essas ideias campesinas de pilhagens popularmente relacionadas com o mar
aberto. Pois em sua constante mescla esses nossos grandes mares de água doce – os lagos Eirie,
Ontário, Huron, Superior e Michigan – possuem extensão oceânica, com muitos dos seus mais
nobres traços e muitas das suas abundâncias de raças e climas. Eles contêm arquipélagos redondos
de ilhas românticas, como os que são vistos nas águas da Polinésia; em grande parte separam duas
grandes nações contrastantes, à exemplo do Atlântico; proporcionam extensa comunicação
marítima com nossas numerosas colônias do leste, localizadas ao longo de suas margens, aqui e ali
pontilhadas de baterias e duros canhões de formato caprino, atravessando a imponente Mackinaw;
ouviram o trovejar das vitórias navais; de tempos em tempos distribuíram suas praias para bárbaros
selvagens cujas faces pintadas de vermelho surgem das palhoças cobertas de peles; por léguas e
léguas são flanqueados por florestas antigas e intocadas onde os delgados pinheiros se erguem como
fileiras cerradas de reis de genealogias góticas, florestas que abrigam feras predadoras africanas e
sedosas criaturas cujas peles exportadas vestem imperadores tártaros; eles espelham as
pavimentadas capitais de Búfalo e Cleveland, e também Winnebago; são atravessados tanto por
navios mercantes totalmente aparelhados como por cruzadores armados pelo Estado, por navios a
vapor e canoas praianas; são varridos pelos ventos boreais e furacões tão medonhos quanto os que
fustigam as ondas salgadas; sabem o que é um naufrágio, pois, longe da vista da terra, apesar de
rodeados por ela, à noite afundaram muitos navios com suas tripulações desesperadas. Portanto,
cavalheiros, apesar de ser do interior, Steelkilt era um verdadeiro filho do oceano bravio, um
marinheiro tão audacioso quanto qualquer outro. Quanto a Radney, apesar de na infância talvez ter
se deitado na solitária praia de Nantucket nutrindo-se em seu oceano maternal, apesar de mais tarde
ter percorrido nosso austero Atlântico e vosso contemplativo Pacífico, era tão vingativo e cheio de
querelas sociais quanto um marinheiro da selva, recém saído das latitudes onde se maneja a afiada
faca do mato com cabo de chifre. Porém, esse filho de Nantucket era um homem com alguns traços
de generosidade, e esse lagoense, um marinheiro que apesar de ser um verdadeiro demônio era
tratado com inflexível firmeza apenas temperada pela decência natural que inspira um ser humano,
um direito concedido até ao mais miserável escravo; devido a esse tratamento, esse Steelkilt se
manteve inofensivo e dócil por longo tempo. Em todo caso, ele tinha se mantido desse modo até
aquele momento, mas Radney era totalmente louco, e Steelkilt – bem, cavalheiros, isso é o que
vereis agora”.
“Um dia ou dois depois de apontar a proa para seu porto de destino, o rombo do Town-Ho
parecia ter aumentado ainda mais, no entanto exigia apenas pouco mais de uma hora de
bombeamento diário. É preciso que se saiba que em um oceano calmo e civilizado como o Atlântico
alguns comandantes não se importam de bombear durante todo o trajeto, apesar de que em uma
noite sonolenta, se um dos oficiais do convés se esquecer dessa tarefa é bem provável que nem ele
nem seus companheiros voltem a se lembrar disso porque todos estarão repousando tranquilamente
no fundo do mar. E até nos mares mais bravios do oeste, cavalheiros, muito distantes de vosso país,
é raro que as bombas dos navios se mantenham trabalhando constantemente, até em viagens de
considerável distância, isto é, se a costa for toleravelmente acessível e puder oferecer razoável
resguardo. Somente quando um navio avariado se encontra em um local deveras afastado dessas
águas, em alguma latitude realmente apartada da terra, o capitão começa a sentir-se um pouco
ansioso”.
“Pois foi mais ou menos o que aconteceu com o Town-Ho. Quando descobriram que a
avaria novamente piorara, houve quem manifestasse certa preocupação entre os tripulantes,
sobretudo Radney, o piloto. Ele mandou que as velas superiores fossem bem hasteadas, enfocadas e
totalmente expandidas ao vento. Bem, esse Radney era o menos covarde e o menos inclinado a
qualquer tipo de apreensão nervosa com relação à sua pessoa quanto qualquer criatura destemida e
despreocupada que vós, cavalheiros, possais imaginar, tanto em terra quando no mar. Portanto,
quando ele demonstrou sua preocupação quanto à segurança do navio alguns marinheiros
declararam que aquilo se devia apenas ao fato de ele possuir parte da embarcação. Então, quando
estavam trabalhando nas bombas naquela noite, não foram poucos os chistes e deboches a esse
respeito enquanto seus pés permaneciam continuamente cobertos pela ondulante água clara, tão
clara quanto a de uma fonte na montanha, fluindo das bombas para correr pelo convés e se
precipitar em jorros contínuos pelas escotilhas de sotavento”.
“Como sabeis muito bem, não é raro neste nosso mundo convencional, no mar ou em outro
local, uma pessoa que tem autoridade sobre seus semelhantes encontrar alguém que lhe seja inferior
em orgulho ou virilidade e imediatamente lhe consagrar um irresistível sentimento de ódio e
aversão, e se tiver oportunidade de prejudicá-lo pulverizará essa torre de subalternos e fará dela um
pequeno monte de poeira. Porém, seja ou não verdadeira essa minha afirmação, cavalheiros, de
qualquer forma Steelkilt era um animal alto e nobre com a cabeça de um romano, barba espessa,
dourada e flutuante como a dos fogosos cavalos de guerra do vosso ultimo vice-rei, cérebro,
coração e alma que teriam feito de Steelkilt um Carlos Magno, tivesse ele nascido filho do pai de
Carlos Magno. Mas Radney, o piloto, era feio como uma mula e como esse animal era cabeçudo,
birrento e maldoso. Detestava Steelkilt, e Steelkilt sabia disso”.
“Ao trabalhar na bomba com os outros, vendo que o piloto se aproximava o lagoense fingiu
não perceber sua presença e, sem medo, continuou a provocá-lo alegremente”.
“‘Sim, amáveis rapazes, temos aqui um uma bela goteira. Vamos pegar uma canequinha e
experimentar a água. Por Deus, vale a pena engarrafá-la! Homens, eu vos digo que os investimentos
do velho Rad deviam ser empregados nisso. Melhor seria se ele cortasse sua parte na quilha e a
levasse para casa. Rapazes, o fato é que o peixe-espada apenas começou o trabalho. Acabou de
voltar com um grupo de carpinteiros navais, peixes-serra e peixes-lixa e sabe-se lá mais o quê, e
agora todos devem trabalhar duro, cortando e abrindo o fundo, fazendo melhoramentos, suponho.
Se o velho Rad estivesse aqui agora, eu lhe diria para pular por cima da amurada para dispersá-los.
Eles estão fazendo o diabo com sua propriedade. Mas Rad é uma alma simples e também uma
beleza. Rapazes, dizem que o resto de seu dinheiro está investido em espelhos. Será que ele daria o
modelo de seu nariz a um pobre diabo como eu?’”
“‘Onde estão os vossos olhos! Por que a bomba parou?’ gritou Radney, fingindo não ter
ouvido a conversa dos marinheiros. ‘Vamos, força nela!’”
“‘Sim, sim, meu senhor’ disse Steelkilt, feliz como um grilo. ‘Rápido, rapazes, rápido!’ E
com isso, a bomba soou como 50 máquinas. Os homens atiraram o chapéu para o lado e logo se
ouviu aquele peculiar ofegar dos pulmões que denota a tensão máxima das extremas energias da
vida”.
“Finalmente deixando a bomba com o resto de sua turma, o lagoense se afastou ofegante e
sentou-se no cabrestante. Seu rosto estava estremamente vermelho, os olhos injetados, e ele
enxugava o suor que banhava sua fronte. Não sei que demônio sedutor se apossou de Radney para
que ele se metesse com um homem em tal estado de exasperação corpórea, mas foi isso que
aconteceu. Caminhando intoleravelmente ao longo do convés, o piloto o mandou apanhar uma
vassoura e varrer o convés, e também uma pá para remover alguns refugos ofensivos, consequência
de terem deixado um porco andar por ali à vontade”.
“Pois bem, cavalheiros, varrer o convés de um navio no mar é um trabalho doméstico que,
exceto durante borrascas furiosas, é realizado regularmente todas as tardes. Sabe-se de casos em que
esse trabalho foi desempenhado em navios em vias de naufragar. Tal, cavalheiros, é a
inflexibilidade dos costumes marítimos e o amor instintivo pela limpeza que possuem os
marinheiros, alguns dos quais jamais voluntariamente naufragariam e se afogariam sem lavar o
rosto. Porém, em todas as embarcações a tarefa de varrer é obrigação dos meninos, se houver
meninos a bordo. Além disso, no Town-Ho os homens mais fortes haviam sido divididos em grupos
que se alternavam no trabalho da bomba, e como Steelkit era o marinheiro mais atlético de todos
fora designado para trabalhar regularmente em um dos grupos. Consequentemente, fora liberado de
qualquer tarefa trivial não ligada aos deveres verdadeiramente navais, o mesmo acontecendo com
seus companheiros. Menciono esses detalhes para que possais compreender exatamente a situação
entre os dois homens”.
“Mas havia muito mais: A ordem de usar a pá claramente fora dada para atormentar e
insultar Steelkilt. Era como se Radney tivesse cuspido em seu rosto. Qualquer homem que já
trabalhou como marinheiro em um baleeiero compreenderá tal coisa, e o lagoense sem dúvida viu
isso e muito mais quando o piloto lhe deu a ordem. Continuou sentado durante mais um momento,
olhando fixamente para os olhos perversos do piloto e percebeu as pilhas de barris de pólvora neles
amontoadas, e o fósforo silencioso que queimava naquela direção. Ao ver tudo isso instintivamente
apoderou-se de Steelkilt um estranho desprezo e má vontade, algo capaz de despertar a mais
profunda irritação em alguém já encolerizado – uma repugnância que só sentem os homens
realmente corajosos quando são ofendidos – um inominável sentimento, cavalheiros”.
“Assim sendo, em seu tom habitual apenas um pouco fragmentado pela exaustão temporária
em que se encontrava, respondeu-lhe que varrer o convés não fazia parte de suas tarefas e que ele
não faria tal coisa. Em seguida, sem fazer alusão à pá apontou para três rapazes que em geral se
ocupavam daquele trabalho e que por não fazerem parte dos grupos que acionavam as bombas
pouco ou nada tinham feito o dia todo. A isso Radney respondeu com uma praga e do modo mais
ultrajante reiterou sua ordem avançando para o lagoense ainda sentado, ameaçando-o com o martelo
do tanoeiro que encontrara em cima de um barril, ali perto”.
“Esquentado, irritado como estava pelo trabalho espasmódico nas bombas e inflamado pelo
indizível sentimento de desprezo que sentira antes, o suado Steelkilt mal controlou seus impulsos
diante desse comportamento do piloto. Porém, abafando a revolução dentro dele, permaneceu
mudo, sentado em seu lugar até que por fim o irado Radney sacudiu o martelo a poucas polegadas
de seu rosto, repetindo-lhe furiosamente a ordem”.
“Steelkilt levantou-se, recuou devagar, deu a volta no cabrestante seguido pelo piloto com
seu martelo ameaçador e repetiu deliberadamente sua intenção de não obedecê-lo. Vendo que sua
atitude não surtira qualquer efeito, com um movimento súbito e alarmante, com a mão torcida
afastou o homem tolo e arrebatado, mas também não adiantou. Desse modo, os dois contornaram
lentamente o cabrestante. Ao considerar que sua paciência já chegara ao limite e resolvendo não
mais recuar, o lagoense se deteve e disse ao oficial: “‘Senhor Radney, não vou obedecer tua ordem.
Afasta esse martelo ou toma cuidado’. Porém, o desgraçado do piloto aproximou-se ainda mais do
lagoense que continuava parado e sacudiu o martelo a uma polegada de seus dentes, proferindo uma
fileira de inadmissíveis maldições. Retrocedendo menos que a milésima parte de uma polegada e
fitando-o com olhos dardejantes e resolutos, as mãos cerradas voltadas para as costas, Steelkilt disse
ao seu perseguidor que se o martelo lhe tocasse o rosto, mesmo que muito de leve, ele (Steelkilt) o
mataria. Mas o idiota já fora condenado pelos deuses. Imediatamente o martelo roçou-lhe a face. No
instante seguinte, a mandíbula inferior do piloto afundou em sua cabeça e ele caiu sobre a escotilha
jorrando sangue como uma baleia”.
“Antes que o grito repercutisse na popa Steelkilt já sacudia um dos estais do mastro onde
dois de seus camaradas permaneciam. Ambos eram canalenses”.
“‘Canalenses!’ exclamou Dom Pedro. ‘Já vimos muitos baleeiros em nossos portos, mas
jamais ouvimos falar em canalenses. Perdão: quem e o que são eles?’
“‘Canalenses, Dom, são barqueiros que pertencem ao nosso grande Canal Erie. Já deves ter
ouvido falar nele’”.
“‘Não, senhor. Por aqui, nesta região tediosa, quente, extremamente preguiçosa e hereditária
pouco sabemos sobre o vigoroso norte’”.
“‘Ah! Pois bem, então. Dom, podes encher meu copo novamente? Tua chicha é ótima e
antes de continuar vou contar quem são os canalenses, pois essa informação pode esclarecer vários
pontos de minha história’”.
“Durante 360 milhas, cavalheiros, por todo Estado de Nova York, através de numerosas
cidades populosas e aldeias prósperas, de pântanos extensos, tristes e desabitados, rodeados por
campos de fertilidade sem par, por entre de salas de bilhar e bares, rodeados pelas mais sagradas e
imensas florestas, entre arcos romanos sobre rios indígenas, através do sol e da sombra, de corações
felizes ou partidos, de todo esse cenário contrastante dos nobres condados Mohawk, e sobretudo de
fileiras de capelas brancas como neve cujas torres se elevam como marcos de pedra flui uma
contínua corrente de vida lacustre, veneziana, pervertida e às vezes sem lei. Ali se encontra o
verdadeiro Ashantee, cavalheiros. Ali uivam vossos pagãos; são encontrados nas vizinhanças, sob a
suave e paternal proteção das igrejas. Como todos sabem, por alguma curiosa fatalidade os corsários
metropolitanos sempre acampam em torno salões dos palácios da justiça, do mesmo modo,
cavalheiros, que os pecadores abundam nos locais mais sagrados”.
“‘É um frade passando?’ perguntou Dom Pedro, olhando para a praça apinhada com
humorística preocupação”.
“‘Ainda bem que para nosso amigo do norte a Inquisição de Dona Isabel já não existe em
Lima’, riu Dom Sebastião. ‘Podes continuar, senhor’”.
“‘Um momento! Perdão! exclamou outro membro do grupo. ‘Em nome de todos nós,
limenhos, desejo comunicar-te, senhor marinheiro, que não deixamos de reparar na tua delicadeza
em não substituir a distante Veneza pela presente Lima na comparação que fizeste quanto à
corrupção. Oh! Não te curves nem pareças culpado; tu conheces o provérbio que corre ao longo
desta costa – “Corrompido como Lima”. Mas isso também confirma o que disseste: mais igrejas que
mesas de bilhar, e sempre abertas – e “corrompidas como Lima”. O mesmo acontece com Veneza.
Estive lá. A cidade sagrada do abençoado evangelista São Marcos! – Oh, São Domingos, purifica-a!
Teu copo! Obrigado, vou voltar a enchê-lo. Agora continua’”.
“Livremente descrito em seu próprio ambiente o canalense seria um belo herói dramático,
pois suas maldades são abundantes e pitorescas. Era como Marco Antônio navegando
indolentemente durante dias e dias ao longo das margens verdejantes e floridas do Nilo,
divertindo-se com sua corada Cleópatra, amorenando suas pernas cor de damasco no convés
ensolarado. Porém, em terra todo esse ar efeminado desaparecia. O canalense usava com orgulho
sua vestimenta de bandido, exibindo na cabeça um chapéu desengonçado que anunciava seus
magníficos atributos, enfeitado com fitas coloridas. Um terror para a sorridente inocência das
aldeias que ele atravessava, seu rosto moreno e seu andar orgulhoso não eram desconhecidos nas
cidades. Durante algum tempo vagabundeando pelos canais, certa vez recebi ajuda de um desses
canalenses. Eu o agradeço de todo coração. Tudo, menos ser ingrato, mas a principal qualidade
desses homens violentos é que, às vezes, com a mesma atenção com que estende um braço para
amparar um pobre estranho em apuros também saqueia um homem rico. Em suma, cavalheiros, o
primitivismo dessa vida é enfaticamente demonstrado pelo fato de que, apesar de haver em nossa
temerária pesca da baleia tantos de seus mais graduados exemplares, excetuando-se os homens de
Sidney, ninguém inspira maior desconfiança que eles em nossos capitães. E não deixa de ser
curioso que para tantos milhares de jovens nascidos nessa região a vida probatória do Canal Grande
só ofereça uma alternativa: ceifar tranquilamente um milharal cristão ou ousadamente singrar os
mares mais bárbaros”.
“‘Sim! Sim!’ Exclamou impetuosamente Dom Pedro, espirrando a chicha nos babados
prateados da camisa. ‘Não é preciso viajar! O mundo todo é igual a Lima. Até agora achei que em
teu Norte temperado as pessoas eram frias e santas como as colinas. – Mas a história...’”
“Pois bem, cavalheiros, assim que o lagoense sacudiu o estai do mastro foi rodeado por três
pilotos jovens e quatro arpoadores que aos trambolhões o levaram para o convés. Contudo,
deslizando pelas cordas como cometas sinistros os dois canalenses precipitaram-se para o tumulto e
tentaram arrastar seu companheiro para o castelo da proa. Outros marinheiros juntaram-se a eles
nessa tentativa e criou-se uma confusão tremenda. Mantendo-se fora do perigo, o valente capitão
corria de um lado para outro com uma lança de pesca, chamando seus oficiais para conter aquele
patife atroz e levá-lo para o tombadilho. De vez em quando, aproximava-se da borda da confusão e
metendo sua lança no coração do tumulto tentava espetar o objeto de seu ressentimento. Porém
Steelkilt e seus companheiros eram corajosos demais para eles. Todos conseguiram alcançar o
castelo de proa onde, empilhando rapidamente três ou quatro tonéis perto do cabrestante, esses
parisienses do mar se entrincheiraram atrás da barricada”.
“‘Fora daí, piratas!’ rugia o capitão ameaçando-os com uma pistola em cada mão, que o
dispenseiro acabara de lhe entregar. ‘Fora daí, assassinos!’”
“Steelkilt pulou para cima da barricada e caminhando para cá e para lá sobre os tonéis
desafiou as pistolas, mas deu a entender claramente ao capitão que sua morte (de Steelkilt)
provocaria um sangrento motim a bordo. Temendo que isso realmente acontecesse o capitão
desistiu um pouco, mas ainda mandou que os insurgentes voltassem instantaneamente aos seus
deveres”.
“‘Tenho tua promessa de que não tocarás em nós se o fizermos?’ perguntou o chefe do
grupo”.
“‘Ao trabalho! – Não faço promessas. Aos vossos deveres. Desejais afundar o navio
insurgindo-vos em um tempo como este? Ao trabalho!’ e novamente levantou a pistola”.
“‘Afundar o navio?’ exclamou Steelkilt. ‘Sim, deixa que afunde. Nenhum de nós voltará ao
trabalho a menos que jures que ninguém vai levantar um dedo contra nós’. Voltando-se para seus
homens, perguntou: ‘O que dizeis, homens?’ A resposta foi um aplauso caloroso”.
“O lagoense agora patrulhava a barricada enquanto mantinha os olhos sobre o capitão,
pronunciando sentenças como estas: ‘Não temos culpa de nada; não desejávamos nada disso. Eu lhe
disse para afastar o martelo. Era função dos rapazes. Ele devia saber quem eu sou. Eu lhe disse para
não cutucar a onça com vara curta. Acho que quebrei um dedo em sua maldita mandíbula. Aquelas
facas de corte não estão no castelo de proa, rapazes. Ide procurá-las, meus caros. Por Deus, capitão,
pensa em tua pessoa, deixa de ser tolo e esquece tudo. Estamos prontos para voltar ao trabalho, mas
não queremos ser castigados’”.
“‘Voltai ao trabalho! Não faço promessas! Ao trabalho!’”
“‘Olha aqui’, exclamou o lagoense abrindo os braços, ‘fomos contratados para esta viagem e
sabes que podemos pedir nossas contas assim que o navio baixar âncora. Não queremos briga, não
temos interesse nisso. Queremos paz. Estamos prontos para voltar ao trabalho, mas não queremos
ser castigados’”.
“‘Ao trabalho!’ Voltou a rugir o capitão”.
“Steelkilt olhou em torno por um momento e depois falou: – ‘Vou dizer uma coisa, capitão.
Em vez de te matar e ser enforcado por causa de um canalha sujo, não levantaremos um dedo contra
ti a menos que nos ataques, mas não voltaremos ao trabalho até te comprometeres a não nos
castigar’”.
“‘Pois então, todos vós, descei ao porão do castelo de proa. Eu vos manterei ali até
enjoardes’”.
“‘Devemos aceitar?’ perguntou o chefe do grupo aos seus homens. A maior parte era contra,
mas por fim, por obediência a Steelkilt precederam-no até o buraco escuro onde desapareceram
como ursos em uma caverna”.
“Assim que a cabeça descoberta do lagoense ficou no nível das tábuas, o capitão e seus
companheiros pularam a barricada e, fechando rapidamente as portas do alçapão fez com que as
mãos de todos os homens do grupo as segurassem enquanto o camareiro ia buscar o pesado cadeado
de bronze da escada da escotilha”.
“Em seguida, abrindo um pouco o alçapão, o capitão murmurou alguma coisa através da
fenda antes de trancá-lo sobre eles – eram dez – sobrando no convés 20 homens, ou um pouco mais,
que até aquele momento haviam permanecido neutros”.
“Os oficiais mantiveram-se vigilantes durante a noite toda, percorrendo todo o navio,
cuidando especialmente do castelo e da escotilha da proa, por onde temiam que os insurgentes
pudessem escapar depois de passar pelo anteparo, embaixo. Porém, as horas de escuridão
transcorreram em paz; os homens trabalhando duramente nas bombas cujo ranger intermitente
cortava o silêncio da noite e ressoava tristemente através do navio”.
“Ao nascer do sol o capitão foi até a popa e batendo no convés convocou os prisioneiros ao
trabalho. Com um grito, todos se recusaram. Então baixaram um pouco de água e um punhado de
biscoitos e novamente o capitão os trancou, guardou a chave no bolso e voltou ao tombadilho. Isso
se repetiu diariamente por duas vezes durante três dias, mas na quarta manhã, assim que se fez a
convocação habitual, ouviu-se uma confusão seguida por uma briga. Subitamente, quatro homens
surgiram no castelo da proa dizendo que estavam prontos para voltar ao trabalho. Talvez o temor de
algum castigo severo, o fétido odor do ar viciado e a dieta de fome os tenha obrigado a se renderem
incondicionalmente. Encorajado por isso, o capitão reiterou suas exigências ao resto dos homens,
mas Steelkilt gritou-lhe uma resposta terrível dizendo-lhe para acabar com aquela baboseira e tratar
de sua própria vida. Na manhã do quinto dia, três outros amotinados pularam para o ar livre,
livrando-se dos braços desesperados que tentavam retê-los. Restaram apenas três homens”.
“‘Não achais melhor voltar ao trabalho?’ perguntou o capitão em tom de mofa”.
“‘Tranca-nos de novo!’ bradou Steelkilt”.
“‘Oh! Certamente’, replicou o capitão, e virou a chave”.
“Nesse ponto, cavalheiros, enraivecido pela deserção dos sete antigos companheiros, irado
com o tom caçoista da voz do capitão e enfurecido por seu longo sepultamento em um lugar tão
negro quanto as entranhas do desespero, Steelkilt propos aos dois canalenses, que até aquele
momento pareciam apoiá-lo totalmente, escaparem daquele buraco no chamado seguinte da
guarnição e, armados com suas afiadas facas de corte (longas, em forma de lua crescente,
implementos pesados com um cabo de cada lado), correrem desenfreados do gurupés até a amurada
da popa e, em um diabólico ato de desespero, tomar o navio a qualquer preço. Quanto a ele, faria
isso de qualquer maneira, com ou sem eles. Aquela seria a última noite que passaria naquela
caverna. Mas o esquema não encontou qualquer oposição da parte dos outros dois. Ambos juraram
que estavam prontos para isso ou para qualquer outra coisa maluca. Tudo, menos a rendição. E além
disso, cada qual insistiu para ser o primeiro a sair para o convés quando chegasse a hora. Mas o
líder objetou ferozmente a isso, reservando essa prioridade para si mesmo; particularmente por seus
companheiros não conseguirem entrar em acordo sobre o assunto e a escada só admitir a passagem
de um único homem. E aqui, cavalheiros, o plano infame desses dois canalhas deve ser revelado”.
“Ao ouvir o projeto maluco de seu líder parece que subitamente os dois conceberam em suas
almas o mesmo projeto de traição, isto é, iniciar a saída para ser o primeiro dos três a se entregar,
mesmo que fossem os últimos do grupo de dez, para garantir uma pequena probabilidade de perdão
por sua conduta. Porém, quando Steelkilt lhes deu a conhecer sua determinação de liderá-los até o
fim, por alguma sutil química de ignomínia seus secretos pensamentos de traição se fundiram e
quanto seu líder adormeceu eles verbalmente abriram suas almas um ao outro em três frases.
Amarraram o homem adormecido com cordas, amordaçaram-no e gritaram, chamando o capitão à
meia-noite”.
“Imaginando que iria se deparar com um assassinato e farejando sangue no escuro, ele, seus
homens armados e os arpoadores correram até o castelo da proa. Em poucos minutos a escotilha foi
aberta, e apesar de estar com os pés e mãos amarrados, o líder que ainda lutava foi empurrado para
cima por seus pérfidos aliados que imediatamente reclamaram a honra de terem dominado um
homem ponto a cometer assassinato. Mas os três foram agarrados pelo pescoço e arrastados pelo
convés como gado morto e, lado a lado, como três quartos de carne, foram levados ao mastro da
mezena onde ficaram pendurados até a manhã seguinte. ‘Malditos sejam’, gritou o capitão, andando
de um lado para outro, diante deles. ‘Nem os urubus quiseram tocá-los. Vilões!’”
“Ao amanhecer convocou todos os homens e separou os que haviam se rebelado dos que não
tinham tomado parte no motim e disse aos primeiros que gostaria muito de mandá-los açoitar –
diante de tudo, pensara em fazê-lo – pois a justiça assim o exigia, mas considerando que haviam se
entregado, por enquanto só os repreenderia, o que fez a seguir, em bom vernáculo”.
“Voltando-se para os três homens pendurados no cordame, falou: ‘Porém, quanto a vós,
patifes putrefatos, farei picadinho de vós para o caldeirão’. Apanhando uma corda, aplicou-a com
toda força às costas dois traidores até eles pararem de gritar e suas cabeças tombarem para o lado,
inconscientes, como os dois ladrões crucificados são representados”.
“‘Por vossa causa torci o pulso! Mas ainda há suficiente corda para ti, meu belo galo de
briga que não desiste nunca. Tirem a mordaça de sua boca para que possamos ouvir o que vai dizer
para se justificar’”.
“Por um momento, o exausto amotinado fez um movimento trêmulo com suas mandíbulas
presas e depois, virando dolorosamente a cabeça, pronunciou em uma espécie de silvo: ‘O que eu
digo é o seguinte – e presta muita atenção – eu te matarei se me açoitares!’”
“‘Então é assim? Vê bem como tu me amedrontas – e o capitão levantou a corda para
golpeá-lo’”.
“‘Melhor não fazeres isso’, sibilou o lagoense”.
“‘Mas é meu dever, e levantou novamente a corda para golpeá-lo”.
“Então Steelkilt sussurrou algo inaudível para todos, com exceção do capitão que, para
espanto de todos, deu um passo para trás, percorreu o convés duas ou três vezes e depois de atirar
para longe sua corda, disse: ‘Não vou açoitá-lo. Libertai-o’”.
“Os pilotos mais jovens se apressavam a obedecer a ordem quando um homem pálido, com
a cabeça envolta em um curativo, os interrompeu. Era Radney, o piloto chefe. Desde que recebera o
soco permanecera na cama, mas ao ouvir o tumulto, naquela manhã ele se levantara e assistira a
cena toda. Tal era o estado de sua boca que ele mal podia falar, mas balbuciando algo sobre ser
capaz de fazer o que o capitão não ousara, ele agarrou a corda e avançou para o inimigo atado.
“‘És um covarde!’, silvou o lagoense”.
“Sou, mas toma isso’. O piloto estava prestes a golpeá-lo quando outro silvo deteve seu
braço levantado. Ele parou, mas mudou de ideia e cumpriu sua palavra a despeito da ameaça de
Stellkilt, fosse qual fosse. Depois, os três homens foram libertado e voltaram ao trabalho. Acionadas
pelos mal-humorados marinheiros, as bombas voltaram a funcionar como antes”.
“Pouco depois do anoitecer daquele dia, ao término do turno dos vigias que tinham acabado
de se retirar ouviu-se um clamor no castelo de proa e, tremendo, os dois traidores chegaram
correndo à porta da cabina do capitão, alegando que não era mais possível permanecer entre a
tripulação. Súplicas, bofetões e pontapés não conseguiram enviá-los de volta e, por insistência deles
mesmos, foram enviados à popa para ficarem a salvo. Ainda assim, não houve sinal de motim entre
os outros. Pelo contrário, parecia que principalmente devido à insistência de Steelkilt tinham
resolvido manter a mais estrita paz e obedecer todas as ordens nos mínimos detalhes. Quando o
navio chegasse ao porto todos desertariam. Porém, para garantir que a viagem chegasse a bom
termo todos também concordaram com outra coisa – se por acaso vissem uma baleia não dariam
nenhum sinal, pois apesar do rombo e de todos os outros perigos, o Town-Ho ainda possuía os
mastros e seu capitão sentir-se-ia tão disposto a baixar os botes para perseguir o peixe quanto no dia
em que a embarcação chegara à zona de pesca, e apesar do curativo na boca, Radney, o piloto,
estava pronto a trocar a cama por um bote para tentar amordaçar uma baleia até a morte”.
“A despeito de o lagoense ter convencido os marinheiros a adotarem essa espécie de conduta
passiva, ele conservava seu propósito (pelo menos até tudo estar terminado) com relação à vingança
contra o homem que o atingira nos ventrículos de seu coração. Ele pertencia à turma de vigias do
piloto chefe Radney que, possesso, parecia ansioso para aplainar o caminho que o levaria à ruína.
Contra o conselho expresso do capitão, depois da cena do mastro ele insistiu em voltar a assumir
seu comando à noite. Diante disso e de outras circunstâncias, Steelkilt começou sistematicamente a
construir seu plano de vingança”.
“Durante a noite, Radney tinha um hábito impróprio para um homem do mar. Sentava-se na
amurada do convés e apoiava o braço na borda do bote suspenso pouco acima do costado do navio.
Todos sabiam que às vezes ele cochilava naquela posição. Havia um vão considerável entre o bote e
o navio, e abaixo estava o mar. Steelkilt calculou o tempo e descobriu que seu turno no leme teria
início às 2h, na manhã do terceiro dia em que fora traído. Lá embaixo, empregou seu tempo livre
para tecer uma coisa com muito cuidado”.
“‘O que fazes aí?’ perguntou um marinheiro”.
“‘O que achas? Com que se parece?’”
“‘Parece um cordão para tua bolsa, porém estranho’”.
“‘Sim, é bastante estranho’, disse o lagoense segurando-o com o braço estendido. ‘Mas acho
que vai servir. Companheiro, creio que não tenho fio suficiente. Tens algum?’”
“‘Não havia fio algum no cartel de proa’”.
“‘Então preciso pedir um pouco para o velho Rad’. E levantou-se para subir à proa”.
“‘Não vais pedir nada para ELE!’ disse o marinheiro”.
“‘E por que não? Crês que ele não me fará um favor, se no fim ele próprio se beneficiar com
isso? E indo até o piloto pediu-lhe um pouco de fio para remendar sua rede. Ele o conseguiu e nem
fio nem cordão foram vistos novamente. Mas na noite seguinte, enquanto dobrava o casaco para que
lhe servisse de travesseiro, viu-se uma bola de ferro bem coberta por uma rede, parcialmente fora do
bolso da jaqueta do lagoense. Vinte e quatro horas depois seria seu turno junto ao timão silencioso,
perto do homem que costumava cochilar sobre aquele túmulo sempre pronto a receber um
marinheiro. Chegaria a hora fatal e em espírito Steelkilt já via o cadáver do piloto com a testa
esmagada.
“Porém, cavalheiros, um tolo impediu o futuro assassino de levar a cabo o plano sangrento
que concebera. Mas ele conseguiu uma vingança completa sem ser o vingador. Por uma misteriosa
fatalidade, o próprio céu se adiantou e reservou para si a realização do ato condenável que ele teria
praticado”.
“Entre o nascer do dia e o alvorecer da manhã do segundo dia, quando estavam lavando o
convés um homem idiota nascido em Tenerife estava puxando a água quando gritou de repente: ‘Ali
está ela! Ali está ela! Jesus, que baleia!’ Era Moby Dick”.
“‘Moby Dick!’ exclamou Dom Sebastião. ‘Por São Domingos, senhor marinheiro, desde
quando as baleias são batizadas? Quem chamas de Moby Dick?’”
“‘Um monstro muito branco, famoso e imortal, Dom. Mas essa história é longa demais’”.
“‘Como?’ Bradaram em coro todos os jovens espanhóis”.
“Não, senhores! Não posso contá-la agora. Preciso de mais ar, senhores”.
“‘Chicha! Chicha!’, gritou Dom Pedro. Nosso vigoroso amigo parece que vai desmaiar.
Encham-lhe o copo!’”
“Não há necessidade, cavalheiros. Mais um instante e continuarei. Pois bem, senhores, o
súbito aparecimento da baleia branca a 50 jardas do navio fez com que o homem de Tenerife
esquecesse o acordo da tripulação e na excitação do momento ele instintivamente levantou a voz ao
ver o monstro, apesar deste já ter sido avistado pelos vigias postados nos três mastros. Agora o
frenesi era total. ‘A baleia branca, a baleia branca! gritavam o capitão, os pilotos e os arpoadores
que, esquecidos dos rumores atemorizantes, mostravam-se ansiosos para capturar um peixe tão
famoso. Enquanto a tripulação olhava com desconfiança e amaldiçoava a espantosa beleza da vasta
massa leitosa iluminada por um sol horizontal coroado de brilhantes, ela ondulava e cintilava como
uma opala viva no mar azul. Cavalheiros, uma estranha fatalidade invade o curso desses
acontecimentos como se estivesse traçado antes que o próprio mapa do mundo fosse criado. O
amotinado era remador do piloto, e ao perseguirem um peixe seu dever sentar-se ao seu lado
enquanto Radney permanecia na proa com sua lança. Ao seu comando, devia puxar a linha com
mais ou menos força. Assim, quando os quatro botes foram baixados e os pilotos proclamaram a
partida, ninguém comemorou ou puxou o remo com mais força e prazer que Steelkilt. Após firme
ofensiva, o arpoador conseguir fixar um arpão e, com a lança na mão, Radney pulou sobre a proa.
Parece que ele sempre fora um homem raivoso em um bote e agora, com o grito abafado pelo
curativo, incitava o bote a se aproximar da parte mais elevada do dorso da baleia. Sem discutir, seu
remador puxava o remo com força através de uma espuma ofuscante que mesclava as duas
brancuras, até que de repente o bote subitamente abalroou algo como um recife submerso e,
inclinando-se para o lado, derrubou o piloto que se encontrava em pé, Nesse instante, ao cair sobre
as costas escorregadias da baleia, o bote se endireitou e a onda o empurrou para a elevação do mar.
Radney foi atirado ao mar, do outro lado do flanco da baleia. Ele se chocou com a espuma e por um
instante foi visto indistintamente, tentando desesperadamente escapar dos olhos de Moby Dick.
Mas, voltando-se de repente com a fúria de um redemoinho, ela agarrou o nadador com suas
mandíbulas e, retrocedendo com ele durante algum tempo, novamente mergulhou”.
“Ao primeiro choque do bote o lagoense soltara a linha para poder se afastar do redemoinho
e agora olhava calmamente para frente, imerso em seus pensamentos. Subitamente um puxão
terrível no barco levou rapidamente sua faca até a linha. Ele a cortou e a baleia foi libertada. A certa
distância, Moby Dick surgiu mais uma vez com alguns pedaços da camisa vermelha de Radney
presos entre os dentes que o haviam destruído. Os quatro botes voltaram a persegui-la mas a baleia
lhes escapou e finalmente desapareceu”.
“No momento certo o Town-Ho chegou a um porto – local selvagem e solitário onde não
residia nenhuma criatura civilizada. Ali, liderados pelo lagoense todos os marinheiros desertaram
escondendo-se entre as palmeiras, exceto cinco ou seis homens dos mastros. Por fim, encontrando
por acaso uma grande canoa dupla de guerra, pertencente aos selvagens, zarparam para algum outro
porto”.
“Como a tripulação do navio se reduzira a um punhado de homens, o capitão pediu para os
nativos o auxiliarem no laborioso negócio de levantar o barco para consertar o rombo. Mas a
vigilância sem descanso que aquele pequeno grupo de brancos necessitados precisava manter dia e
noite sobre seus perigosos aliados era tão extrema e o trabalho tão difícil até aprontarem o navio
para enfrentar o mar que o grupo ficou extremamente enfraquecido. O capitão não teve coragem de
zarpar em um barco tão pesado, com a tripulação nessas condições. Depois de se aconselhar com
seus pilotos, ancorou o navio o mais longe possível do porto, carregou seus dois canhões, levou-os
para a proa, juntou os mosquetes na popa e, prevenindo os nativos que não deveriam se aproximar
do navio, pois correriam perigo, escolheu um homem para acompanhá-lo e, desfraldando a vela de
seu melhor bote baleeiro, dirigiu-se diretamente para o Taiti, localizado a 500 milhas de distância,
para buscar reforços para sua tripulação”.
“No quarto dia de viagem viram uma grande canoa que parecia ter tocado uma ilha de coral.
Ele desviou-se dela, mas a embarcação selvagem o perseguiu. Logo ouviu a voz de Steelkilt
gritando-lhe para parar ou ele o afundaria. O capitão puxou uma pistola. Com um pé na proa de
cada canoa, o lagoense riu com desdém e assegurou-lhe que ao primeiro clique do gatilho ele seria
sepultado entre as bolhas e a espuma da água”.
“‘O que queres de mim?’ gritou o capitão”.
“‘Para onde vais? O que vais fazer?’ perguntou Steelkilt. ‘E nada de mentiras!’”
“‘Vou para o Taiti à procura de mais tripulantes’”.
“‘Muito bem. Tu me permites ir a bordo por um instante? Vou em missão de paz’. Com isso,
pulou da canoa, nadou para o bote e depois de subir para bordo ficou frente a frente com o capitão”.
“‘Cruza os braços, senhor, e inclina tua cabeça para trás. Agora repete comigo: Assim que
Steelkilt se for, juro levar este barco para aquela ilha e ali permanecer durante seis dias. Que um
raio me atinja se eu não cumprir minha palavra!’”
“‘És bom aluno’, riu o lagoense. ‘Adiós, Señor!’ Em seguida pulou no mar e nadou de volta
para seus companheiros”.
“Depois de se certificar que o barco tinha chegado à praia e estava amarrado às raízes dos
coqueiros, Steelkilt voltou a navegar e chegou ao seu destino, Taiti, no tempo previsto. Ali foi
bafejado pela sorte: dois navios estavam para zarpar para a França e, providencialmente, tinham
necessidade do número exato de homens que o marinheiro comandava. Embarcaram e desse modo
escaparam de seu antigo capitão e de qualquer ação legal que ele pudesse iniciar contra eles”.
“Cerca de dez dias depois dos navios franceses zarparem o bote baleeiro chegou e o capitão
foi forçado a contratar os taitianos mais civilizados que já estivessem acostumados com o mar.
Fretando uma pequena escuna nativa, voltou até onde deixara o navio. E encontrando tudo perfeito,
reiniciou sua viagem”.
“Ninguém sabe onde Steelkilt se encontra agora, mas na ilha de Nantucket a viúva de
Radney até hoje volta os olhos para o mar que se recusa a entregar seus mortos e em seus sonhos vê
a terrível baleia branca que o destruiu”.
“‘Terminaste?’, perguntou Dom Sebastian com tranquilidade”.
“‘Sim, Dom’”.
“‘Então te peço para me dizeres com toda sinceridade se na substância tua história é
verdadeira, pois é mais que maravilhosa! Ouviste-a de uma fonte inquestionável? Perdoa-me se
insisto demais’”.
“‘Senhor marinheiro, pedimos que tu também nos perdoes, pois nos juntamos ao pedido de
Dom Sebastian, bradou o grupo de ouvintes com grande interesse”.
“‘Cavalheiros, existe uma cópia dos Sagrados Evangelhos na Estalagem de Ouro?’”
“Dom Sebastian respondeu; ‘Não, mas conheço um ótimo padre que pode me fornecer um, e
bem depressa. Vou procurá-lo imediatamente. Tens certeza do que vais fazer? Este caso pode se
tornar sério demais’”.
“‘Dom, poderias fazer o favor de também trazer o padre contigo?”
“‘Apesar de não haver mais Autos da Fé em Lima, temo que nosso amigo marinheiro corra
algum risco por parte do arcebispado. Vamos nos afastar um pouco da luz da lua. Não vejo
necessidade para isto’, falou um dos presentes”.
“‘Perdão por abusar de ti, Dom Sebastião, mas também preciso pedir que insistas em trazer
o maior Evangelho que conseguires encontrar’”.
“‘Aqui está o padre trazendo-te os Evangelhos’, disse Dom Sebastian gravemente, ao voltar
com um homem alto e solene”.
“‘Deixa-me tirar o chapéu. Agora, venerável padre, aproxima-te da luz e segura a Bíblia
Sagrada de modo que eu possa tocá-la’”.
“‘Que o Céu me proteja. Por minha honra, declaro que a história que acabei de contar aos
senhores cavalheiros é absolutamente verdadeira em sua substância e em todas as suas partes. Sei
que é verdadeira. Aconteceu aqui neste globo terrestre. Conheci a tripulação e falei com Steelkilt
depois da morte de Radney’”.
55. SOBRE AS MONSTRUOSAS REPRESENTAÇÕES
PICTÓRICAS DE BALEIAS
Daqui a pouco eu vos pintarei da melhor maneira possível – usando palavras, não uma tela –
a verdadeira forma com que a baleia aparece aos olhos de um baleeiro quando todo seu corpo é
amarrado ao navio de modo que se possa alcançá-la de corretamente. Portanto, antes referir alguns
curiosos retratos imaginários desse animal que até hoje desafiam a fé dos que habitam a terra, talvez
valha a pena informar corretamente o mundo sobre esse assunto, provando que tais pinturas da
baleia são todas incorretas.
Talvez a fonte primitiva de todas essas ilusões pictóricas possa ser encontrada entre as
esculturas dos antigos hindus, egípcios e gregos, pois desde aqueles tempos inventivos, porém
inescrupulosos, nos painéis de mármore dos templos, nos pedestais das estátuas, escudos,
medalhões, copos e moedas, o golfinho era desenhado em cotas de malha, como Saladino, ou com
um elmo sobre a cabeça, como São Jorge. Até os nossos dias prevalece algo dessa espécie de
licença, não só nas mais populares reproduções da baleia como também em muitas de suas
representações científicas Pois bem, sem dúvida nenhuma, a mais antiga imagem existente
representando a baleia se encontra na famosa caverna-pagode de Elefanta, na Índia. Os brâmanes
afirmam que nas quase incontáveis esculturas desse pagode imemorial, todos os ofícios e
ocupações, todas as profissões do homem foram ali figuradas antes de realmente existirem. Não é
de se espantar que de algum modo nossa profissão de baleeiros ali também estivesse representada,
mesmo que vagamente. A baleia hindu a que nos referimos encontra-se em um departamento
separado de uma parede, representando a encarnação de Vishnu na forma do leviatã conhecido
como o Avatar Matse. Porém, apesar dessa escultura ser parte homem, parte baleia, apresentando
apenas sua cauda, essa pequena parte está toda errada, pois mais parece a cauda fusiforme de uma
anaconda que as ampla cauda palmiforme da verdadeira baleia.
Porém, dirijamo-nos às antigas Galerias e observemos agora a figura desse peixe feita por
um grande pintor cristão, pois ele não teve mais sucesso que o hindu antediluviano. Refiro-me ao
quadro de Guido representando Perseu salvando Andrômeda de um monstro marinho, isto é, de uma
baleia. Onde Guido encontrou o modelo para uma criatura tão estranha? Hogarth também não
conseguiu um resultado melhor ao pintar a mesma cena em seu quadro “Descida de Perseu”. A
imensa corpulência do monstro de Hogarth ondula sobre a superfície, mal deslocando uma polegada
de água. Leva uma espécie de cadeirinha nas costas (como a que se coloca sobre o dorso dos
elefantes) e rolam ondas em sua boca distendida e provida de presas. Essa boca poderia ser tomada
pelo Portal dos Traidores que conduz à Torre de Londres, no Tâmisa. Também há as baleias de
Prodomus, do velho escocês Sibbald, e a baleia de Jonas, como descrita na Bíblia e nas primeiras
cartilhas escolares. O que se pode dizer destas? Quanto à baleia bibliográfica que se enrosca como o
caule de uma videira em torno de uma âncora que desce – como aparecem em estampas douradas
nos lombos e nas capas de muitos livros, tanto velhos quanto novos – é uma criatura muito
pitoresca, porém puramente fabulosa que, acredito, imita as figuras encontradas em vasos antigos.
Apesar de universalmente denominados golfinhos, suponho que esses peixes bibliográficos foram
tentativas de representar a baleia, pois assim foram considerados quando o desenho foi introduzido
por um velho editor italiano durante o Renascimento, por volta do século 15. Naquela época, e até
em um período comparativamente bastante recente, supunha-se popularmente que o golfinho era da
mesma espécie que o leviatã.
Nas vinhetas e outros enfeites de alguns livros antigos, algumas vezes vemos alguns traços
muito curiosos da baleia em toda espécie de jorros, jatos de água, mananciais quentes e frios.
Saratoga e Baden-Baden surgem de seu cérebro inexaurível. Na página título da edição original de
“O Avanço da Apendizagem” encontramos alguns exemplos curiosos de baleias.
Mas deixando de lado todas essas tentativas amadoras, examinemos as imagens
presumivelmente sóbrias do leviatã, delineações científicas feitas por peritos. Na velha coleção das
viagens de Harris há algumas pranchas sobre baleias, extraídas de um livro holandês de viagens
publicado em 1671, intitulado “Uma Viagem Baleeira a Spitzbergen no navio Jonas na Baleia,
Comandada por Peter Peterson de Friesland». Em uma dessas pranchas de baleias, um exemplar é
representado como uma grande balsa de troncos entre ilhas de gelo, com ursos brancos correndo
sobre seu dorso vivo. Em outra foi cometido o prodigioso erro de representar uma baleia com
barbatanas perpendiculares.
Além disso, há um imponente in-quarto escrito por certo capitão Colnett, da Marinha
Inglesa, com o título de “Uma Viagem em torno do Cabo Horn, nos Mares do Sul, com o ojetivo de
ampliar as zonas de pesca do cachalote”. Nesse livro há um esboço que pretende ser o “retrato de
uma baleia Physeter, ou Cachalote, desenhado com as proporções de uma baleia morta nas costas
do México, içada para o convés em agosto de 1793”. Não duvido que o capitão tenha feito esse
retrato para divertir seus marinheiros. Para mencionar apenas um detalhe sobre ele, basta dizer que,
de acordo com a escala que acompanha o desenho, se aplicado a um exemplar totalmente
desenvolvido de cachalote o olho teria o tamanho de uma janela de cinco pés de comprimento. Ah,
meu galante capitão, por que não te lembraste de representar Jonas olhando através desse olho?
Nem as mais conscienciosas compilações de História Natural destinadas para os jovens e
crianças estão livres dos mesmos erros atrozes. Tomemos a popular obra “Natureza Animada de
Goldsmith”. Na edição londrina de 1807, há ilustrações do que se alega serem uma ‘baleia’ e um
‘narval’. Não desejo parecer deselegante, mas essa baleia horrorosa mais parece uma porca
amputada, e quanto ao narval, uma simples olhadela é suficiente para nos espantar que, no século
19, aquele hipogrifo pudesse passar por genuíno diante de uma população de estudantes
inteligentes.
Em 1825 o grande naturalista Bernard Germain, Conde de Lacepede, publicou um livro
científico sistematizado sobre a baleia, onde há várias imagens de diferentes espécies do leviatã.
Todas são incorretas e, apesar de experiente no que diz respeito à espécie de baleia Mysticetus ou
da Groenlândia (isto é, a baleia real), ele afirma não existir uma contraparte sua na natureza.
Porém, o encerramento glorioso desse assunto mal cultivado foi reservado para o cientista
Frederick Cuvier, irmão do famoso Barão. Em 1836 ele publicou uma História Natural das Baleias,
na qual apresenta o que afirma ser uma representação do cachalote. É melhor providenciar uma
rápida fuga dessa cidade antes de mostrar essa figura a qualquer nativo de Nantucket. Em uma
palavra, o cachalote de Frederick Cuvier não é um cachalote, mas uma abóbora. Naturalmente ele
jamais gozou dos benefícios de uma viagem de pesca à baleia (tais homens raramente passaram por
essa experiência). Mas em que lugar ele conseguiu aquela figura? Talvez ela derive da mesma fonte
usada por seu predecessor científico nesse campo, Desmarest, isto é, um desenho chinês. E nos
informam que é através do lápis que muitos chineses se transformam naqueles vigorosos jovens,
pintados em inúmeras taças e pratos estranhos.
E o que dizer dos pintores dos cartazes vistos nas lojas de comerciantes de combustível? Em
geral são baleias à Ricardo III, com corcovas de dromedário, muito selvagens, banqueteando-se
com três ou quatro tortas de marinheiros, isto é, navios cheios de marinheiros cujos corpos
mutilados flutuam em oceanos de tinta cor de sangue e azul.
Afinal das contas, esses vários enganos na representação da baleia não são tão
surpreendentes. Considerai! A maior parte dos desenhos científicos foi realizada a partir de peixes
encalhados, e pretendendo representar o nobre animal em todo imponente orgulho de seu corpo, são
tão corretos como o desenho de um navio naufragado com a quilha quebrada. Os elefantes foram
representados em toda sua dimensão, mas o leviatã vivo jamais flutuou para se deixar retratar. A
baleia viva, em toda sua majestade e importância, somente pode ser vista nas incomensuráveis
águas do mar, e quando ela nada seu vasto corpo se mantém tão invisível quanto o porão de um
navio de guerra. Fora de seu elemento, é absolutamente impossível um mortal levantá-la no ar para
preservar todas as suas poderosas ondulações e intumescências. Sem falar na altamente presumível
diferença de contorno entre uma jovem baleia recém-nascida e um leviatã totalmente desenvolvido.
Porém, mesmo no caso desses filhotes de baleias serem içadas para o convés de um navio, tão
estranha, escorregadia, extravagante e mutável é sua forma que nem mesmo o diabo poderia
reproduzir sua aparência exata.
Pelo esqueleto de baleias encalhadas poder-se-ia conceber os detalhes precisos de sua
verdadeira forma? De modo algum. E o mais curioso sobre esse leviatã é que seu esqueleto não dá
ideia de seu formato geral. Apesar de a caveira de Jeremy Bentham, que serve de candelabro para a
biblioteca de um de seus executores, dar a ideia correta de um velho cavalheiro com características
utilitaristas e de sobrancelhas espessas, nada desse tipo pode ser inferido pelos ossos articulados de
qualquer leviatã. De fato, como diz o grande Hunter, o mero esqueleto da baleia tem a mesma
relação com o corpo totalmente revestido de carne do animal, que a crisálida com o inseto que dela
surgirá. Essa peculiaridade é impressionantemente evidenciada pela cabeça, que será mostrada em
alguma parte desde livro. Também é muito curioso que na barbatana lateral os ossos reproduzam
quase que exatamente os da mão humana, com exceção do polegar. Essa barbatana é composta por
quatro ossos normais, o dedo indicador, o médio, o anular e o mínimo. Porém, todos estão
permanentemente alojados em seu abrigo carnoso, como dedos humanos dentro de uma proteção
artificial. O espirituoso Stubb disse: “Por mais peças que às vezes nos pregue a baleia, jamais
poderemos dizer que ela nos trata sem luvas”.
Por todas essas razões, não importa o prisma pelo qual a observemos, é preciso concluir que
o grande leviatã é uma criatura do mundo que precisa permanecer não retratada. É verdade que um
retrato pode ser muito mais fiel que outro, mas nenhum chegará a um grau de exatidão considerável.
De modo que não há qualquer modo terreno para descobrir o aspecto real de uma baleia. E o único
modo pelo qual poder--se-ia ter uma ideia tolerável de seus contornos enquanto viva é participar de
uma expedição de pesca, mas ao fazer isso corre-se o grande risco de ser eternamente despedaçado
e afogado por ela. Portanto, parece-me que o melhor é não sermos curiosos demais quanto a esse
leviatã.
56. IMAGENS MENOS ERRÔNEAS DA BALEIA E
REPRESENTAÇÕES FIEIS DE CENAS BALEEIRAS
Em conexão com as monstruosas representações de baleias, fico tentado a incluir aqui outras
histórias mais monstruosas encontradas em certos livros, tanto antigos quanto modernos,
especialmente em Plínio, Purchas, Hackluyt, Harris, Cuvier, etc. Porém, deixarei passar esse
assunto.
Conheço apenas quatro obras que contêm esboços do grande cachalote: as de Colnett,
Huggins, Frederick Cuvier e Beale. No capítulo anterior, referimo-nos a Colnett e Cuvier. A obra de
Huggins é bem melhor que a de ambos, porém a de Beale é infinitamente superior a todas. Todos os
desenhos de cachalotes feitos por Beale são bons, com exceção da figura que encerra o segundo
capítulo e mostra três baleias em várias atitudes. A ilustração da capa mostra barcos atacando
cachalotes e, apesar de sem dúvida terem sido imaginados para excitar o amável ceticismo de
algumas pessoas requintadas, estão admiravelmente corretos e cheios de vida em seu efeito geral.
Na obra de J. Ross Browne, alguns desenhos de cachalotes são bastante corretos em seu contorno,
mas foram impressos de forma lamentável. No entanto, não se pode culpá-lo por isso.
Com relação à baleia real, os melhores desenhos são de Scoresby, mas foram realizados em
escala pequena demais para dar a impressão desejada. Ele só desenhou uma cena de pesca de baleia,
e esta é tristemente deficiente, pois é apenas através dessas representações, quando bem feitas, que
se pode ter uma verdadeira ideia da baleia viva, como vista por seus caçadores em ação.
Em linhas gerais, a melhor representação de baleias e de cenas de pesca desses animais,
apesar de alguns detalhes não serem totalmente corretos, são encontradas em duas grandes gravuras
francesas muito bem executadas, retiradas de quadros de um certo senhor Garnery. Na primeira
gravura, vindo das profundezas do oceano, um nobre cachalote representado em toda majestade de
seu poder surge diante de um bote e, com o dorso, lança para o alto os terríveis destroços do barco
despedaçado. A proa do bote está parcialmente intacta e balança sobre a espinha do monstro. Sobre
essa proa, por um único instante incomputável, encoberto pelo borbulhante jorro da baleia, vê-se
um remador no ato de saltar, como se estivesse na borda de um precipício. A energia da cena é
maravilhosa e verdadeira. O molinete meio vazio boia no mar esbranquiçado, os cabos dos arpões
flutuam obliquamente, as cabeças dos tripulantes que nadam se espalham em torno da baleia com
várias expressões contrastantes de terror, enquanto um navio avança sobre a cena, vindo da
distância negra e tempestuosa. Vemos sérios erros nos detalhes anatômicos dessa baleia, mas não os
citaremos. E quanto a mim, juro que não conseguiria fazer melhor.
Na segunda gravura o bote aparece ao lado do flanco coberto de cracas de uma grande baleia
real que carrega pelo mar seu imenso corpo coberto de ervas marinhas, semelhante a um musgoso
rochedo dos despenhadeiros da Patagônia. Seus esguichos são retos, cheios e negros como fuligem,
de modo que se víssemos tal quantidade de fumaça se elevando de uma chaminé acreditaríamos que
uma magnífica refeição estava sendo preparada nas grandes fornalhas abaixo. Aves marinhas
beliscam pequenos caranguejos, mariscos e outras delícias marinhas que às vezes a baleia real
carrega sobre suas costas pestilentas. Enquanto isso, o leviatã de lábios grossos nada velozmente
através das profundezas, deixando toneladas de tumultuosos coágulos brancos em sua esteira,
fazendo o leve bote balançar sobre as ondas como um caiaque apanhado nas rodas de um vapor
oceânico. Assim, no primeiro plano há uma violenta comoção enquanto na parte de trás, em
admirável contraste artístico, vê-se a calma superfície do mar, as trêmulas e enrugadas velas de um
navio impotente e a massa inerte de uma baleia morta, com a bandeira da captura pendendo
preguiçosamente de uma haste fincada em seu espiráculo.
Não tenho ideia de quem seja ou foi Garnery1, o pintor, mas afirmo que ele conhecia esse
assunto na prática ou foi maravilhosamente orientado por um baleeiro experiente. Os franceses são
excelentes nas pinturas de ação. Contemplemos todas as pinturas da Europa. Onde encontraremos
tal galeria de vida palpitante e tocante comoção sobre tela a não ser no triunfal salão de Versalhes,
onde o espectador mergulha nas várias batalhas da França, onde cada espada parece um raio da
aurora boreal e a investida dos sucessivos reis e imperadores são como um ataque de centauros
coroados? Pois as batalhas marítimas de Garnery não são indignas de figurar nessa galeria.
A natural aptidão dos franceses para capturar o aspecto pitoresco das coisas é
particularmente evidente nas suas gravuras e pinturas de cenas baleeiras. Com menos de um décimo
da experiência dos ingleses nessa pesca, e menos de um milésimo da experiência dos americanos,
eles ofereceram a essas duas nações os únicos esboços capazes de transmitir o verdadeiro espírito
da caça à baleia. Em sua maior parte, os desenhistas ingleses e americanos de baleias se
contentaram em apresentar o contorno mecânico do perfil da baleia que, com relação ao seu aspecto
pitoresco, é o mesmo que desenhar o perfil de uma pirâmide. Até mesmo Scoresby, que goza de
justo renome como especialista na baleia real, depois de nos oferecer um retrato de corpo inteiro da
baleia da Groenlândia e três ou quatro miniaturas delicadas de narvais e golfinhos, apresenta-nos
uma série de gravuras clássicas de ganchos, facas e arpões, e com a microscópica diligência de um
Leuwenhoeck, submete à inspeção de um mundo trêmulo 96 fac-símiles ampliados de cristais de
neve ártica. Não desejo menosprezar o excelente viajante (presto-lhe minhas homenagens como
veterano), mas quanto a esse material tão importante certamente foi um descuido seu não ter
procurado para cada cristal um certificado de autenticação emitido pela Justiça de Paz da
Groenlândia.
Além das excelentes gravuras de Garnery há mais duas dignas de nota. São francesas e
assinadas por H. Durand. Uma delas, apesar de não precisamente adequada ao nosso propósito
1- Trata-se do pintor e escritor francês Ambroise Louis Garneray (1783-1857). Em 1817 foi
contratado pelo duque de Angoulême, Almirante de França, tornando-se pintor oficial da Marinha.
presente, merece menção por outros motivos. Trata-se de uma tranquila cena entre as ilhas do
Pacífico. É meio-dia e vê-se um baleeiro francês, ancorado. Ele se abastece de água no ambiente
calmo e tranquilo, suas velas estão frouxas e veem-se as longas folhas das palmeiras ao fundo,
inclinando-se no ar quase imóvel. O efeito é muito bonito, considerando que apresenta pescadores
audazes em um de seus poucos momentos de repouso oriental. A outra gravura é bem diferente: o
navio praticamente paira em alto mar ao lado de uma baleia real, e no coração dessa vida
leviatânica, volta-se para ela preparando-se para caçar o monstro. Um bote abandona rapidamente a
cena ativa para caçar outras baleias que surgem à distância. Os arpões e lanças estão devidamente
levantados para serem usados. Três remadores encaixam o mastro em seu orifício enquanto uma
onda súbita eleva a pequena embarcação que, semiereta, quase sai da água, parecendo um cavalo
empinado. Do navio eleva-se o vapor exalado pela atormentada baleia, como uma nuvem cobrindo
uma aldeia de forjadores. Na direção do vento, ameaçadora, repleta de chuvas e borrascas, uma
nuvem negra parece acelerar a ação dos marinheiros exaltados.
57. BALEIAS PINTADAS; ESCULPIDAS EM MARFIM,
MADEIRA, PLACAS DE FERRO, PEDRA, NAS MONTANHAS,
NAS ESTRELAS
Em Tower Hill, nas ruas que conduzem às docas de Londres, é possível ver um mendigo
aleijado (“kedger”, como dizem os marinheiros londrinos) segurando um cartaz representando a
cena trágica na qual ele perdeu a perna. Há três baleias e três botes, e um desses botes
(presumivelmente onde se encontrava o dono da perna em sua original integridade) está sendo
esmagado pelas mandíbulas da baleia mais próxima. Contaram-me que há dez anos esse homem
ostenta diariamente o mesmo cartaz e exibe o toco de perna para um mundo incrédulo. Mas chegou
a hora de sua reabilitação. Suas três baleias são tão autênticas quanto as publicadas em Wapping e
seu toco de perna é tão inquestionável quando qualquer toco que se possa encontrar nos anais do
acidente. Porém, apesar de ser obrigado a carregar para sempre esse toco, o pobre baleeiro nunca o
escolhe como tema de conversa, mas contempla sua amputação com olhos tristes.
No Pacífico, e também em Nantucket, Nova Bedford e Sag Harbor, é comum encontrar
vibrantes desenhos de baleias ou cenas baleeiras esculpidas pelos próprios pescadores em dentes de
cachalote, ossos de baleia real e outros artigos engenhosos, material bruto que utilizam para esculpir
nesse em suas horas de lazer. Alguns têm pequenas caixas com implementos que lembram
instrumentos dos dentistas, especialmente fabricados para a confecção desses artigos. Porém, em
geral eles usam apenas suas navalhas e com essa ferramenta quase onipotente, imprescindível a
todos os marinheiros, podem fabricar tudo o que desejarem ou que a fantasia lhes inspirar.
Um longo retraimento do cristianismo e da civilização inevitavelmente restaura um homem
à condição que Deus lhe deu ao criá-lo, isto é, ao estado denominado selvageria. O verdadeiro
caçador de baleias é tão selvagem quanto um iroquês. Eu mesmo sou selvagem e só devo lealdade
ao Rei dos canibais, apesar de estar sempre pronto a me rebelar contra ele.
Uma das características típicas do selvagem em suas horas domésticas é sua admirável e
paciente vocação para o trabalho. Assim como um dicionário latino, uma antiga clava de guerra ou
um cabo de lança havaiano são grandes troféus da perseverança humana pela multiplicidade e
elaboração dos entalhes. Essa milagrosa trama no trabalho é conseguida com madeira, pedacinhos
de conchas ou dentes de tubarão, e consome anos de trabalho constante.
Com o selvagem havaiano acontece o mesmo que com o selvagem marinheiro branco. Com
a mesma paciência incrível e como um único dente de tubarão consegue fazer uma escultura de osso
com sua navalha, não com a mesma perfeição, mas com a mesma riqueza de detalhes com que o
grego selvagem fabricou o escudo de Aquiles e com o mesmo espírito de sugestão bárbara que o
velho selvagem alemão Albert Durer fabricou suas estampa.
Baleias de madeira ou perfis de baleias são vistos com frequência em pequenas pranchas de
madeira nobre dos Mares do Sul, colocadas no castelo de proa dos baleeiros americanos. Algumas
são feitas com muita exatidão.
Em algumas velhas casas de campo com a cumeeira em forma de triângulo veem-se baleias
de bronze penduradas pela cauda servindo como aldrava nas portas de entrada. Se o porteiro estiver
com sono, é melhor usar uma baleia com cabeça de bigorna. Mas essas aldravas com formato de
baleia raramente são notáveis pela fidelidade ao original. Nos pináculos de algumas igrejas antigas
veem-se também baleias recortadas em placas de ferro, ali colocadas como catavento, mas estão tão
alto e rodeadas de tantos avisos de “Proibido Tocar” que não se pode examiná-las de perto para
avaliar seu mérito.
Nas regiões montanhosas e pedregosas da terra, na base de altos penhascos pontiagudos, nas
massas de rochas que aparecem em fantásticos agrupamentos sobre a planície, frequentemente
descobrimos formas petrificadas que se assemelham à imagem de um leviatã parcialmente fundido
com a grama. Em dias de vento forte, a relva parece açoitá-lo como tempestuosas ondas verdes.
E também nas regiões montanhosas em que o viajante está continuamente cercado por
altitudes em forma de anfiteatro, aqui e ali, em algum ponto de observação mais feliz pode-se
vislumbrar perfis de baleias recortados ao longo das ondulantes cadeias de montanhas. Mas é
preciso ser um baleeiro meticuloso para distinguir essas imagens. E não somente isso: quando se
deseja voltar a esse local é necessário se colocar na exata intersecção da latitude com a longitude da
primeira vez. Tão duvidosas e fortuitas são essas visões que a redescoberta do lugar correto da
observação exigiria laborioso esforço, a exemplo das Ilhas Solomon que ainda permanecem
desconhecidas apesar de Mendanna tê-las percorrido e do velho Figuera ter escrito sobre elas.
Quando grandemente elevados pela sugestão do assunto, conseguimos vislumbrar grandes
baleias e os botes que as perseguem pelos céus estrelados, como as nações do leste que, com
pensamentos de guerra, viam exércitos engajados em batalhas entre as nuvens. Assim, no norte,
com as revoluções das estrelas dando-lhe forma, persegui o leviatã em torno do Polo. E sob os
fulgentes céus antárticos, embarquei no Argo-Navis e me juntei à caçada do chamejante Cetus,
muito além dos contornos das constelações da Hidra e de Peixes.
Com as âncoras de uma fragata e os feixes de arpões como esporas, pudera eu montar essa
baleia e me lançar pelos altos céus para ver se o fabuloso firmamento com suas incontáveis tendas
realmente existe além de meu olhar mortal!
58. “BRIT”1
Viajando para o noroeste das ilhas Crozetts, encontramo-nos nos imensos prados de “brit”,
minúscula substância amarela da qual se alimenta a baleia real. Por léguas e léguas, essa substância
ondulou em torno de nós, de modo que parecíamos atravessar intermináveis campos de dourado
trigo maduro.
No segundo dia, foram vistas várias baleias francas que, não temendo o ataque de um
caçador de cachalotes como o Pequod, nadavam preguiçosamente com as mandíbulas abertas
através do “brit” que, aderindo às fibras que decoram a fantástica veneziana que há em sua boca,
eram assim separados da água que lhes escapava pelos lábios.
Esses monstros nadavam como segadores matutinos que, lado a lado, avançam devagar e
fervorosamente através dos úmidos prados pantanosos, fazendo um som estranho e cortante,
deixando atrás de si intermináveis faixas azuis no mar amarelo.2
Mas era o som que emitiam ao dividir o “brit” que lembrava o ruído dos segadores. Vistas
do alto dos mastros, sobretudo quando se detinham por um instante, suas vastas formas negras
podiam ser tomadas por maciços de rochas. E como nas grandes regiões de caça da Índia o
estrangeiro que às vezes atravessa as planícies onde descansam elefantes os confunde com negras e
desnudas elevações do solo, os que pela primeira vez observam essa espécie de leviatã no mar
acham difícil acreditar que aquelas imensas massas de carne possam ser inteiramente animadas com
o mesmo tipo de vida existente em um cão ou um cavalo.
Realmente, em todos os outros aspectos, é difícil contemplar outras criaturas das
profundezes com os mesmos sentimentos inspirados pelas de terra firme. Não obstante alguns
1- O “brit” é composto de organismos marinhos muito pequenos, dentre os quais os crustáceos do
gênero Calanus. Atualmente é conhecido como zooplancton, a maior fonte de alimentação da baleia
franca.
2- Essa parte do mar, conhecida entre os baleeiros como “Baixio do Brasil”, não foi assim nomeado
devido à sua pouca profundidade, a exemplo do que ocorre com os “Baixios da Terra Nova”, mas
sim pela extraordinária aparência de campo, proporcionada pelos vastos fluxos de “brit” que
continuamente flutuam nessas latitudes, nas quais a baleia franca é caçada com frequência.
velhos naturalistas asseverarem que todas as criaturas de terra se assemelham às do mar, e apesar
dessa afirmação ser verdadeira em linhas gerais, se aprofundarmos a questão consultando
especialistas, onde, por exemplo, poderíamos encontrar no mar um peixe cujas características
correspondessem à sagaz bondade de um cão? Apenas o maldito tubarão pode ter algo análogo a
ele.
Porém, os habitantes de terra em geral olham para os nativos dos mares com emoções
inacreditavelmente antissociais e sentimentos de repulsa. Apesar de sabermos que o mar é uma
eterna terra incógnita, a tal ponto que Colombo atravessou inúmeros mundos desconhecidos para
descobrir seu único e superficial ocidente. Ainda que os desastres mais terríveis e mortais tenham
surpreendido indiscriminadamente centenas de milhares de homens que cruzaram essas águas,
apesar de bastar um momento de consideração para nos mostrar que por mais que um
homem-criança ostente sua sabedoria e capacidade, por mais que no futuro essa sabedoria e
capacidade possam aumentar, e até o dia do juízo final o mar possa insultá-lo e matá-lo, e pulverizar
e navio mais majestoso e forte que se possa construir, apesar disso tudo, foi exatamente pela
continua repetição dessas impressões que o homem perdeu o justo sentido do pleno assombro
inerente ao mar.
O primeiro barco de que tivemos notícia flutuou em um oceano que, com vingança
portuguesa, submergiu o mundo todo sem deixar nem mesmo uma viúva. Esse oceano é o mesmo
de hoje, o mesmo oceano que destruiu os navios naufragados no ano passado. Sim, tolos mortais, o
dilúvio de Noé ainda não desapareceu, até agora cobre dois terços do mundo.
No que diferem o mar e a terra, e por que um milagre acontecido no oceano não é
considerado milagre na terra? Os terrores do sobrenatural dominaram os hebreus quando o solo que
se abriu sob aos pés de Corá3 e de seus companheiros, tragando-os para sempre. Porém, hoje em
dia, jamais o sol se esconde sem que o mar trague navios e tripulações.
Todavia, o mar não é apenas inimigo do homem, um ser estranho a ele, é também inimigo
de seus próprios filhos, é pior que um anfitrião persa que assassinou seus convidados, não poupando
as criaturas que ele próprio gerara. Como uma tigresa selvagem que se agitando na selva mata sua
própria cria, o mar arremessa as mais poderosas baleias contras as rochas e ali as esquece com os
destroços dos navios naufragados. Nenhuma compaixão, nenhum poder o controla, o oceano é
autossuficiente. Ofegando e urrando como um enlouquecido corcel de batalha que perdeu seu
cavaleiro, o mar indomado domina o globo.
Considerai a sutileza do mar e como suas mais temidas criaturas deslizam sob a água, na
maior parte dissimuladas, traiçoeiramente ocultas sob os mais belos tons de azul. Considerai
também o brilho diabólico e a beleza de muitas de suas espécies mais ferozes, como as delicadas e
belas formas de muitas espécies de tubarões. Uma vez mais, considerai o universal canibalismo do
mar, onde todas as criaturas mutuamente se devoram engajadas em luta eterna desde o início do
mundo.
Considerai isso tudo e então voltai vossos olhos para esta terra verde, dócil e gentil.
Considerai tanto o mar quanto a terra. Não encontrais uma estranha analogia com algo que há em
vós? Pois assim como esse oceano aterrador circunda a verdejante terra, na alma dos homens existe
um Taiti insular cheio de paz e alegria, porém circundado por todos os terrores da vida não
totalmente conhecida. Que Deus vos guarde! Que Ele não vos afaste dessa ilha, pois jamais
voltarias a encontrá-la!
3- A histótia de Corá, bisneto de Levi, é contada em Números, capítulo 16. Juntamente com Datã e
Abirão, ele tentou insuflar o povo contra Moisés durante o Êxodo e alegando que ele os retirara do
Egito para morrer no deserto, reclamaram para si a liderança. Os rebeldes foram castigados por
Deus e pereceram com as suas famílias e seus bens pela abertura sobrenatural de fendas na terra
embaixo de suas casas, que se fecharam em seguida sepultando-os vivos.
59. LULA
Atravessando devagar os campos de krill, o Pequod ainda mantinha sua direção nordeste
para a ilha de Java; uma brisa suave impelia sua quilha, de modo que na serenidade que o rodeava
seus três altos mastros oscilavam nessa languida aragem como três doces palmeiras em uma
planície. Com amplos intervalos, o jorro solitário podia ser visto na noite prateada.
Todavia, em uma transparente manhã azul, quando uma imobilidade quase sobrenatural se
estendia sobre o mar, não acompanhada por uma calma inerte, quando a longa faixa de sol sobre as
águas parecia um dedo dourado pousado sobre o mar, quando as ondas deslizavam e murmuravam
juntas, nesse profundo silêncio da esfera visível um estranho espectro foi visto por Dagoo, de vigia
no mastro grande.
Na distância, uma grande massa branca se elevou preguiçosamente, e elevando-se cada vez
mais alto desprendeu-se do anzol e finalmente cintilou diante da proa como uma avalanche de neve
que acabasse de deslizar de uma montanha. Resplandeceu por um momento antes de descer devagar
e mergulhar. Então, novamente voltou a surgir e a brilhar silenciosamente. Não se parecia com uma
baleia, mas Dagoo perguntou a si mesmo se seria Moby Dick. Com um grito agudo com um estilete,
o fantasma submergiu mais uma vez, acordando todos os homens que cochilavam. O negro gritou:
“Ali! Saltou mais uma vez. Ali adiante! A Baleia Branca!”
Diante disso os marinheiros correram até a extremidade da verga como abelhas
precipitando-se para os ramos na época dos enxames. Com a cabeça descoberta sob o sol abrasador,
Ahab mantinha-se sobre o gurupés da proa e, com a mão colocada para trás, de prontidão para dar
suas ordens ao timoneiro, olhou ansiosamente na direção indicada pelo braço imóvel de Dagoo.
Não se sabe se a fugaz aparição de um jorro silencioso e solitário havia gradativamente
influenciado Ahab preparando-o para ligar suas ideias de calma e sensatez com a primeira visão da
baleia que perseguia ou se sua ansiedade o traíra, mas o fato é que assim que ele divisou a massa
branca instantaneamente ordenou que os botes fossem baixados.
Logo os quatro botes estavam na água, o de Ahab à frente de todos os outros, remando
rapidamente na direção de sua presa. Ela logo submergiu e enquanto esperávamos seu
reaparecimento com os remos levantados voltou a surgir no mesmo ponto, alçando-se
vagarosamente. Quase esquecidos de Moby Dick, olhávamos para o mais fantástico fenômeno que
os mares secretos poderiam revelar para a humanidade. Flutuava sobre a água uma vasta massa
carnosa de cor creme, com centenas de metros de comprimento e outros tantos de largura. Inúmeros
e longos braços irradiavam-se de seu centro, curvando-se e contorcendo-se como um ninho de
anacondas, tentando cegamente agarrar qualquer objeto ao seu alcance. Não havia face ou fronte
perceptível, nenhum indício concebível de qualquer sensação ou instinto. Apenas ondulava ali sobre
os vagalhões, uma casual aparição de vida, informe e misteriosa.
Quando, com um longo som de água sugada, voltou a desaparecer devagar, ainda
observando as águas agitadas Starbuck exclamou com voz brutal: “Quase preferiria ter visto Moby
Dick e lutado contra ela do que ver esse fantasma branco!”
“O que era aquilo, senhor?” perguntou Flask.
“A grande lula viva que, segundo se comenta, poucos navios baleeiros já viram e retornaram
aos seus portos para contar sobre sua existência”.
Ahab não disse palavra. Voltou ao navio em seu barco, seguido em silêncio por todos os
outros.
Sejam quais forem as superstições dos caçadores de cachalote com relação ao aparecimento
desse monstro, a verdade é que a visão de um ser tão estranho o investe de grande mistério. É
avistado tão raramente que apesar de todos os baleeiros declararem que é a maior massa animada no
oceano, são poucos os que têm uma vaga ideia de sua verdadeira natureza e forma. Apesar disso,
acreditam que ele é o único alimento do cachalote. Outras espécies de baleia nutrem-se na
superfície da água e podem ser vistas pelo homem ao se alimentarem. O cachalote obtém alimento
em zonas desconhecidas abaixo da superfície da água e é apenas por inferência que se pode dizer
com precisão no que consiste sua alimentação. Às vezes, quando perseguido, ele regurgita algo que
se supõe serem tentáculos de lula, alguns deles com 20 ou 30 pés de comprimento. Acreditam que o
monstro ao qual pertenciam esses tentáculos agarra-se a ele no fundo do oceano e que o cachalote,
ao contrário de outras espécies de baleia, possui dentes para atacá-lo e fazê-lo em pedaços.
Parece haver fundamento para imaginar que o grande Kraken do Bispo de Pontoppodan
possa ser uma lula. A maneira com que foi descrito pelo bispo, alternadamente surgindo na
superfície da água e submergindo, além de outras características que narrou, lembra a lula, mas é
preciso reduzir muito as incríveis dimensões que ele atribui ao monstro.
Alguns naturalistas que ouviram vagos rumores a respeito da misteriosa criatura aqui
descrita o incluem na classe das sibas, às quais realmente parecem pertencer devido a certas
características externas, porém apenas como o Anaquim da tribo.
60. A LINHA
Com relação à cena baleeira que será descrita a seguir, e também para haver um melhor
entendimento quanto a cenas semelhantes que serão apresentadas daqui por diante, é preciso dizer
algo sobre a linha do arpão: mágica, porém terrível certas vezes.
A linha originariamente usada na pesca era feita do melhor cânhamo, ligeiramente
vaporizada com alcatrão, porém não impregnada por essa substância, como no caso de cordas
comuns. Usado do modo comum, o alcatrão torna a corda mais flexível para os cordoeiros, e mais
conveniente para ser utilizada pelos marinheiros nas tarefas costumeiras de um navio. Contudo, a
impregnação excessiva torna a corda do arpão rígida demais, dificultando a tarefa de enrolá-la na
bobina de modo compacto. A maioria dos marinheiros logo aprende que o alcatrão não aumenta a
durabilidade ou a resistência da corda, ainda que lhe dê brilho e consistência.
Ultimamente, a corda de Manilha quase substituiu inteiramente a corda de cânhamo na pesca
baleeira americana, pois apesar de não ser tão durável quanto o cânhamo é mais resistente e muito
mais suave e elástico. Também se pode acrescentar que é muito mais bonita (pois existe uma
estética a ser observada em todas as coisas) e apropriada ao barco que o cânhamo. O cânhamo dá
ideia de um sujeito escuro e sombrio, uma espécie de indiano, enquanto que a Manilha lembra um
caucasiano louro e agradável de contemplar.
A espessura da linha do arpão é apenas dois terços de polegada. À primeira vista não parece
tão resistente quanto realmente é. Posta à prova, cada um dos 50 fios que a compõem suporta um
peso de 120 libras, portanto a corda inteira suportará aproximadamente três toneladas de peso. Em
comprimento, a linha do arpão tem cerca de duzentas braças. Fica posicionada perto da popa,
enrolada em um tubo, não como a serpentina de um destilador, mas no formato de um queijo, como
uma espécie de massa redonda composta de densas camadas de espirais concêntricas, sem outra
abertura além do “coração”, um pequeno tubo vertical formado no eixo do “queijo”. Como o menor
emaranhado ou torção infalivelmente apanharia o braço, a perna ou o corpo inteiro de alguém, são
tomadas as maiores precauções para enrolar a linha no tubo. Alguns arpoadores empregam a maior
parte de uma manhã para realizar esse serviço, erguendo a linha bem alto e fazendo-a descer através
de um cilindro colocado na direção do tubo, para que no ato de enrolar ela não forme nenhuma
prega e nem se revire.
Nos barcos ingleses são usados dois tubos em vez de um, e a mesma linha é enrolada em
ambos. Há certa vantagem nesse método, porque sendo pequenos, esses tubos gêmeos cabem no
barco com mais facilidade e não o pressionam tanto, enquanto que o tubo americano, com diâmetro
e profundidade de quase três pés, constitui-se em carga volumosa para um bote cujas tábuas têm
apenas meia polegada de espessura. O fundo de um bote baleeiro é como uma frágil capa de gelo –
suporta peso considerável desde que este não esteja muito concentrado em um espaço reduzido.
Quando a lona pintada é lançada sobre um tubo de linha Americana, o bote parece carregar um
enorme bolo de noiva para presentear as baleias.
Os dois lados da linha ficam expostos: a ponta inferior termina em um laço que fica solto no
fundo do bote, ao lado do tubo ou pendendo por sobre a borda, totalmente desligado de tudo. Essa
disposição da ponta inferior é necessária por dois motivos. Primeiro, facilita a fixação de uma linha
adicional vinda de um bote vizinho, no caso da baleia ferida mergulhar muito profundamente,
ameaçando carregar toda linha originariamente presa ao arpão. Nesse caso, naturalmente a baleia é
levada de um bote ao outro como uma caneca de cerveja, por assim dizer, apesar de o primeiro bote
sempre permanecer por perto para auxiliar o outro, se houver necessidade. Segundo: essa disposição
é indispensável para a segurança de todos, pois se a ponta inferior da linha estivesse presa ao bote e
a baleia a carregasse inteira em um minuto, como às vezes acontece, ela não se deteria nesse ponto e
o bote condenado infalivelmente seria arrastado até o fundo do mar e, nesse caso, nenhum pregoeiro
público voltaria a encontrá-lo.
Antes de baixar o bote para a caçada, a ponta superior é estendida do tubo até a popa e
depois de passar em torno da dobadoura é levado novamente para a proa, cruzando toda extensão do
barco e atravessando perpendicularmente o cabo de cada um dos remos de modo a roçar contra o
pulso dos remadores; também passa entre os homens sentados alternadamente nas amuradas
opostas, até as ranhuras de chumbo que partem do extremo da proa pontuda do bote, onde um pino
de madeira do tamanho de uma esquila comum evita que ela escorregue. Do pino, ela pende como
uma leve guirlanda sobre a água e então é novamente passada para o interior do barco, e dez ou
vinte braças dessa linha (a chamada linha de caixa) são enroladas em uma caixa colocada na proa. A
linha continua até a amurada da popa onde é ligada a um cabo pequeno – a corda é imediatamente
conectada ao arpão, mas antes dessa conexão passa por diversos procedimentos tediosos demais
para serem descritos.
Desse modo, a linha baleeira passa por todo o bote em voltas complicadas, entrelaçando-se
em quase todas as direções. Todos os remadores estão envoltos em suas perigosas contorções, de
modo que para o olhar tímido dos habitantes da terra firme eles parecem prestidigitadores hindus
usando sobre as pernas as mais letais víboras como guirlandas. Sentados entre essas contorções do
cânhamo, remando com todo empenho e pensando que no momento desconhecido em que o arpão é
arremessado todas essas horríveis contorções entram em ação como raios anelados, nenhum filho de
mulher mortal deixa de sentir um terror que faz com que a medula de seus ossos trema dentro dele
como uma geléia agitada. Entretanto – como é estranha a rotina! O que não se consegue realizar
pela força do hábito? – sentados diante de vossas mesas de jantar, jamais ouvireis chistes mais
alegres, gracejos mais espirituosos, anedotas melhores e respostas mais brilhantes do que entre
esses marinheiros acomodados nas frágeis tábuas de meia polegada de um bote baleeiro, presos aos
laços de um carrasco. E pode-se dizer que, como os seis burgueses de Calais diante do Rei Edward 1,
os seis homens que formam a tripulação remam para as mandíbulas da morte, cada qual com uma
corda em torno do pescoço.
Talvez uma pequena reflexão vos permita compreender porque ocorrem tantos desastres
durante a pesca baleeira nas quais este ou aquele homem foi atirado para fora do bote e não foi mais
visto – poucos aparecem casualmente nas crônicas dos jornais. Quando a linha se desenrola em alta
velocidade, sentar-se no bote é como sentar-se em meio dos múltiplos silvos de uma locomotiva a
toda velocidade, com todas as traves, cilindros e eixos roçando vosso corpo. É ainda pior, pois não
se pode permanecer imóvel no coração desses perigos uma vez que o bote balança como um berço e
é-se arremessado de cá para lá sem qualquer aviso. Apenas uma combinação de equilíbrio, agilidade
e ação impede que vos transformeis em um novo Mazeppa e fujais para regiões nas quais nem
mesmo o sol que tudo vê conseguiria vos encontrar.
Novamente: como a profunda calma que precede e prenuncia uma tempestade é talvez mais
terrível que a própria tormenta, pois a calma é apenas um invólucro que envolve a borrasca e a
esconde em seu seio, ou o rifle aparentemente inofensivo esconde a pólvora fatal, a bala e a
explosão antes de entrar em ação, o gracioso repouso da linha em suas silenciosas ondulações em
torno dos remadores prevê os terrores mais verdadeiros que qualquer outro aspecto dessa arriscada
tarefa. Porém, por que dizer mais? Todos os homens vivem enrolados em linhas baleeiras. Todos
nascem com uma corda em volta do pescoço, mas é somente quando são apanhados na súbita e
alucinante roda da morte é que percebem os silenciosos, sutis e onipresentes perigos da vida. Se
fôsseis filósofos sentados em um bote baleeiro não sentiríeis nem uma pitada a mais de terror do
que se estivésseis sentados diante da lareira durante um belo crepúsculo, com um atiçador ao vosso
lado, não um arpão.
1- Após a vitória na Batalha de Crécy, o rei Eduardo III da Inglaterra cercou a cidade de Calais.
Filipe VI da França ordenou que a cidade resistisse a todo custo. Philip failed to lift the siege, and
starvation eventually forced the city to parley for surrender.Eduardo III então declarou que pouparia
a cidade se seis de seus líderes se entregassem para serem executados. Eustache de Saint Pierre foi o
primeiro a se oferecer e outros cinco burgueses logo seguiram seu exemplo. Os cinco burgueses
acabaram sendo poupados pela intervenção da rainha Filipa de Hainaut. Em 1888, Auguste Rodin, o
famoso escultor francês, foi convidado pelo prefeito de Calais a criar uma obra em homenagem aos
seis burgueses heroicos.
61. STUBB MATA UMA BALEIA
Se para Starbuck a aparição da lula foi um acontecimento portentoso, para Queequeg foi
algo muito diferente.
“Quando se vê uma lula logo aparece um cachalote”, disse o selvagem afiando o arpão na
proa de seu bote suspenso.
O dia seguinte foi muito parado e quente, e com nada de especial para distraí-la a tripulação
do Pequod não conseguia resistir ao feitiço do sono induzido por aquele mar vazio. A parte do
Oceano Índico através do qual estavam viajando não é o que os baleeiros chamam de zona animada,
isto é, ali não são vistos muitos golfinhos, delfins, peixes voadores e outros vivazes habitantes de
águas mais agitadas, como as que ficam nas proximidades do Rio da Prata ou nas costas do Peru.
Era meu turno no mastro do trinquete e com os ombros apoiados nos frouxos ovéns eu me
balançava preguiçosamente no ar encantado. Nenhuma resolução poderia resistir a ele. Nesse estado
de ânimo no qual aos poucos se perde a consciência, finalmente minha alma abandonou meu corpo,
apesar deste continuar a se balançar como um pêndulo que permanece oscilando muito depois de
retirada a força propulsora.
Antes de o esquecimento me envolver eu notara que os marinheiros no mastro grande e no
mastro da mezena já estavam sonolentos. Assim, nós três finalmente oscilávamos sem vida nas
vergas, e cada movimento que fazíamos provocava um aceno de cabeça do timoneiro sonolento,
abaixo. As ondas também inclinavam suas cristas indolentes e através do imenso êxtase do mar o
leste acenava para o oeste, e o sol acenava para todos.
Subitamente, bolhas pareceram explodir sob meus olhos cerrados. Como tornos, minhas
mãos agarraram os ovéns. Alguma providência generosa me salvou e voltei à vida com um choque.
E eis que muito perto, a sotavento, um gigantesco cachalote boiava na água como o casco
emborcado de uma fragata. Da cor de um etíope, seu dorso amplo e lustroso brilhava como um
espelho sob os raios do sol. Porém, ondulando preguiçosamente entre as ondas do mar, esguichando
tranquilamente seu jorro vaporoso, a baleia parecia um corpulento burguês fumando seu cachimbo
em uma tarde quente. Mas pobre baleia, aquele cachimbo seria o último. Como se tivesse sido
tocado por uma varinha mágica, o navio sonolento e todos os dorminhocos despertaram de imediato
e mais de vinte vozes de todas as partes do navio, junto com os três vigias acima deles, lançaram o
grito costumeiro enquanto lenta e regularmente o enorme peixe esguichava a salmoura cintilante.
“Preparar os botes! À bolina!” berrou Ahab. Obedecendo a sua própria ordem, ele girou
rapidamente o leme antes que o timoneiro pudesse manejar os travões.
A súbita exclamação da tribulação deve ter alarmado a baleia. Antes de os botes baixarem,
ela se voltou majestosamente e nadou com sólida tranquilidade na direção do sotavento,
encrespando tão pouco o mar que Ahab, achando que ela ainda não parecia alarmada, deu ordens
para utilizarem os remos e os homens só falarem em sussurros. Sentados na amurada dos botes
como os índios de Ontario, nós nos aproximamos usando as pás, sem içar as velas para não fazer
barulho. Ao chegarmos para lhe dar caça, o monstro elevou a cauda perpendicularmente a 40 pés de
altura e mergulhou como uma torre engolida pelas águas.
Ouviu-se o grito: “Lá se vão as babatanas!” Stubb acendeu o cachimbo imediatamente após
esse anúncio, pois aquilo era garantia de que haveria uma trégua. Depois do intervalo para o
mergulho, a baleia voltou à superfície à frente do bote do fumante, muito mais perto dele que de
qualquer outro. Stubb contou com a honra da captura. Agora era óbvio que a baleia notara seus
perseguidores. O silêncio e a cautela eram absolutamente inúteis. As pás foram abandonadas e os
remos barulhentos entraram em ação. Tirando baforadas do cachimbo, Stubb estimulava sua
tripulação a atacar.
Uma enorme mudança ocorrera no peixe. Consciente do perigo, ele nadava com a cabeça
fora da água, projetando-se obliquamente da grande quantidade de espuma que causava.1
“Começai a trabalhar nela, homens! Não vos apresseis; mantende a calma – mas começai a
trabalhar nela como raios”, gritava Stubb, cuspindo fumaça enquanto falava. “Começa agora
Tashtego, uma remada longa e forte. Vai, meu rapaz – mas mantém a calma, mantém a calma – isso
é mole – calma. Começai a trabalhar nela como demônios sorridentes, até levantardes os mortos das
suas tumbas. Trabalhai nela!”
“Woo-hoo! Wa-hee!” gritou o nativo de the Gay-Head como resposta, elevando aos céus seu
grito de guerra. Com o tremendo golpe de remo dado pelo índio, os remadores involuntariamente se
inclinaram para frente.
Mas seus gritos selvagens foram respondidos por outros da mesma espécie. “Kee-hee!
Kee-hee!” berrava Daggoo como um tigre enjaulado, movimentando-se para frente e para trás em
seu banco.
“Ka-la! Koo-loo!” rugiu Queequeg, como se estivesse lambendo os beiços depois de comer
um bife à granadeiro. E assim as quilhas cortavam o mar entre gritos e remadas. Enquanto isso,
mantendo seu lugar à frente, Stubb encorajava seus homens sem deixar de soltar baforadas de seu
cachimbo. Como criminosos sem limites, investiam e remavam até ouvirem o grito esperado:
“Levanta, Tashtego! Dá-lhe!” O arpão foi disparado. “Todos para a popa!”. Os remadores se
endireitaram e no mesmo momento algo quente sibilou roçando-lhes o pulso. Era a linha mágica.
Um instante antes, Stubb rapidamente dera duas voltas adicionais em torno da dobadoura de onde,
devido ao aumento repentino de velocidade, uma fumaça azul saía do cânhamo e se misturava à do
seu cachimbo. Enquanto a linha rodeava rapidamente a dobadoura também passava cortante pelas
duas mãos de Stubb, cujas luvas protetoras, ou quadrados de lona acolchoada usados nessas
ocasiões, haviam caído acidentalmente. Era como segurar pela lâmina uma espada de dois gumes,
enquanto o inimigo tentava arrancá-la de suas mãos.
“Molha a linha!”! gritou Stubb para o remador sentado ao lado da dobadoura o qual,
arrancando o chapéu, encheu-o com água do mar.2 Mais providências foram tomadas até a linha
ficar na posição correta. O bote agora voava através da água como um tubarão feito só de
barbatanas. Stubb e Tashtego trocaram de lugar – algo verdadeiramente espantoso naquele alvoroço
extraordinário.
Contemplando a linha vibrátil que se estendia por toda extensão da parte superior do barco,
agora mais tensa que uma corda de harpa, dir-se-ia que a embarcação tinha duas quilhas – uma
cortando a água, a outra o ar – enquanto o bote cruzava os dois elementos ao mesmo tempo. Uma
cascata contínua brincava na proa, um incessante turbilhão girava em sua esteira e ao menor
movimento no interior, mesmo do dedo mínimo, a vibrante embarcação estalava e inclinava suas
bordas espasmodicamente na direção do mar. Eles se adiantavam desse modo, cada homem
agarrado ao seu banco para não ser precipitado no redemoinho. Junto ao remo do timão, a figura
alta de Tashtego inclinava-se para diminuir seu centro de gravidade. Atlânticos e Pacíficos inteiros
pareciam passar sob os botes que percorriam aquele caminho, até a baleia afrouxar um pouco o
ímpeto de sua fuga.
“Prende!” gritou Stubb para o remador da proa. E enfrentado a baleia, viraram o barco em
sua direção e o impulsionaram com toda força, mesmo ainda rebocado. Logo emparelharam com
seu flanco, e plantando com firmeza o joelho no volumoso suporte Stubb disparou um dardo após o
1- Em outra parte, ver-se-á que a parte interna da imensa cabeça do cachalote é constituída de uma
substância muito leve. Apesar de aparentemente maciça, a cabeça é, de longe, a porção de seu corpo
que possui maior flutuabilidade. É por isso que ele se eleva com tanta facilidade no ar e
invariavelmente o faz quando se desloca a toda velocidade. Além disso, o contraste entre a largura
da porção superior de sua cabeça e a extremidade pontiaguda inferior que corta a água faz com que,
ao elevar obliquamente a cabeça, o animal que parecia um tosco e vagaroso galeão se transforme
em um veloz bote de prático nova-iorquino.
2- Em parte para demonstrar o quanto esse ato é indispensável, é preciso dizer que na antiga pesca
holandesa era utilizado um esfregão para molhar a corda. Em vários outros navios usa-se um balde,
porém o chapéu é mais conveniente.
outro na direção do peixe que nadava a toda velocidade. De acordo com as ordens, o bote
alternadamente se afastava do caminho da baleia ou se aproximava para arremessar outros dardos.
Marés rubras surgiam agora de todos os lados do monstro como riachos descendo uma
colina. Seu corpo torturado não flutuava em água salgada mas no sangue que borbulhava e fervia
por milhas atrás da esteira do bote. Os raios oblíquos do sol brincavam no mar transformado em
lago escarlate e refletiam-se em todos os rostos, de modo que eles brilhavam como se fossem
peles-vermelhas. E durante todo tempo, jato após jato de vapor branco saía do espiráculo da baleia
agonizante, seguido pelo arfar intenso dos excitados executores que retiravam suas lanças tortas
puxando-as pela linha, endireitando-as com rápidos golpes sobre a amurada do bote para de novo e
repetidamente atirá-las na baleia.
“Emparelhai!” gritava ele para o primeiro remador, enquanto a baleia agonizante diminuía
sua fúria. “Emparelhai com ela!” E o bote se aproximou do flanco do peixe. Estendendo-se por
cima da proa, Stubb fincou devagar sua lança longa e afiada no corpo da baleia e a manteva ali,
revirando-a cuidadosamente como se procurasse um relógio de ouro que a baleia engolira e que ele
temia quebrar antes de enganchá-lo no arpão. Mas o relógio de ouro que ele buscava era a vida do
peixe. E ele a encontrou. Passando de seu transe para o inenarrável estado chamado “agitação”, o
monstro revolveu-se horrivelmente em seu próprio sangue e envolveu-se em uma espuma
impenetrável, louca e fervente. Ameaçada a segurança do bote, com grande esforço imediatamente
se afastaram às cegas daquele frenético crepúsculo para o claro ar do dia.
Abatendo-se sua agitação, a baleia novamente revolveu-se de um lado para o outro,
dilatando espasmodicamente seu espiráculo com rápidas e agonizantes respirações. Por fim, jorros e
jorros de sangue escarlate coagulado semelhante à borra purpúrea do vinho tinto elevaram-se no ar
para voltar a cair, escorrendo sobre seus flancos imóveis para atingir o mar. Seu coração fora
atingido!
“Ela está morta, senhor Stubb”, disse Daggoo.
“Sim. Os dois se apagaram!” Retirando o cachimbo da boca, Stubb espalhou as cinzas sobre
a água e, pensativo, permaneceu por um momento olhando para o vasto cadáver.
62. O ARREMESSO
Uma palavra com relação ao incidente no capítulo anterior.
De acordo com um costume invariável da pesca, o bote baleeiro se afasta do navio com o
carrasco (o matador da baleia) como timoneiro temporário e o arpoador como principal remador,
este último conhecido como arpoador-remador. É preciso que ele tenha musculatura extremamente
forte e braço muito rápido para fincar o primeiro arpão no peixe, pois frequentemente o pesado
instrumento deve ser atirado a uma distância de 20 a 30 pés, no que chamam de arremesso longo. E
não importa quão prolongada e exaustiva seja a caçada, espera-se que o arpoador também puxe seu
remo com todo vigor. Na verdade, deseja-se que ele seja um exemplo de atividade sobre-humana
para os outros, não apenas no que diz respeito ao seu incrível desempenho como remador, mas
também por suas repetidas exclamações intrépidas, em voz elevada. E deve continuar a gritar a
plenos pulmões enquanto todos os outros músculos são submetidos a uma tensão incrível, até
ficarem meio deslocados – só quem ocupa esse posto sabe o que isso significa. Por mim, não
consigo gritar com todo entusiasmo e ao mesmo tempo trabalhar com todo empenho. Nesse estado
de tensão e de gritaria, com as costas voltadas para o peixe, o exausto arpoador ouve a ordem
urgente – “Levanta e dá-lhe!” Ele agora precisa pular, segurar o remo, girar sobre si mesmo, agarrar
o arpão que está na forquilha e fincá-lo na baleia com a energia que ainda lhe resta. Não é de se
estranhar que, se tomarmos a frota de baleeiros como um todo, de 50 boas oportunidades para atirar
um arpão, menos de cinco têm sucesso, que muitos arpoadores sejam furiosamente amaldiçoados e
rebaixados, que as artérias de alguns deles realmente rebentem no bote, que certos caçadores de
cachalotes se ausentem de casa durante quatro anos para conseguir apenas quatro barris de óleo, e
que para muitos proprietários de navios a pesca da baleia seja um negócio perdido, pois é o
arpoador que faz a viagem, e quando ele perde a energia do corpo não se pode esperar que a
encontre na hora mais necessária!
Há outro instante crítico quando o arremesso é bem sucedido. A baleia dispara e o mestre do
barco e o arpoador começam a correr em sentido contrário, com perigo iminente para ambos e para
todos os outros. É então que trocam de lugar e o mestre do pequeno barco assume seu real posto na
proa do bote.
Pois bem, não me importa quem diz o contrário, mas tudo isso é loucura e absolutamente
desnecessário. O mestre do barco deveria permanecer na proa desde o início até o fim. Deveria
arremessar o arpão e a lança, mas não deveria tocar no remo, exceto em circunstâncias óbvias para
qualquer pescador. Sei que algumas vezes isso significaria uma pequena perda de velocidade na
perseguição, mas a longa experiência com vários baleeiros de várias nações convenceu-me que a
vasta maioria dos fracassos na pesca não é causada pela velocidade da disparada de baleia, como
descrita no capítulo anterior, mas ao esgotamento físico do arpoador que provocou essa disparada.
Para garantir maior eficiência do arremesso, todos os arpoadores do mundo deveriam estar
descansados ao se colocarem em pé, e não exauridos de tanto trabalho.
63. A FORQUILHA
Do tronco nascem os galhos e destes nascem os ramos. Do mesmo modo, dos assuntos
produtivos surgem os capítulos.
A forquilha mencionada na página anterior merece menção especial. Trata-se um galho fino
de formato especial, com cerca de dois pés de comprimento, inserido perpendicularmente na
amurada exterior de estibordo, perto da proa, com a finalidade de proporcionar apoio para o cabo de
madeira do arpão, cuja outra extremidade nua e farpada se projeta da proa. Desse modo, a arma fica
instantaneamente à mão do atirador, que a arranca de seu suporte como um habitante do oeste
arranca seu rifle da parede. Em geral há dois arpões sobre a forquilha, chamados respectivamente
primeiro e segundo ferro.
Mas esses dois arpões ligam-se à linha, cada qual unido à sua própria corda. O objetivo é o
seguinte: se possível, atirar os dois arpões na mesma baleia, um após o outro, de modo que se um
não permanecer fixo, o outro possa fixar-se. Essa é uma maneira de duplicar as chances de êxito.
Porém, acontece com frequência que devido à corrida instantânea, violenta e convulsiva da baleia
ao receber o primeiro ferro, torna-se impossível o arpoador arremessar o segundo, por mais rápidos
que sejam seus movimentos. Todavia, como o segundo arpão já está conectado à linha, e a linha já
está desenrolando, a arma não pode permanecer no bote ou toda tripulação correria grande perigo de
morrer. Nesse caso, ele é atirado à água. Na maioria das vezes, as voltas adicionais na caixa da linha
(mencionada anteriormente) tornam possível esse procedimento, desde que praticado com
prudência. Mas esse ato arriscado às vezes provoca tristes acidentes, muitas vezes fatais.
Além disso, é preciso saber que quando o segundo ferro é atirado para fora do bote ele se
transforma em um terror cortante, ali dependurado, saltando entre o bote e a baleia, embaralhando
ou cortando as linhas, provocando uma prodigiosa confusão em todas as direções. Geralmente é
impossível voltar a recolhê-lo até a baleia ser capturada e morta.
Imaginai então como deve ser no caso de quatro botes engajados na caça de uma baleia de
força incomum, ativa e inteligente, quando, devido a essas qualidades e aos mil outros acidentes
naturais de uma empresa tão audaciosa, oito ou dez ferros soltos podem ficar suspensos em torno
dela. Naturalmente, cada bote carrega vários arpões para ligar à linha no caso do primeiro ser
arremessado de modo ineficaz e ser impossível recuperá-lo. Todos esses detalhes são fielmente
narrados para elucidar várias passagens intrincadas e da maior importância para as cenas que serão
descritas daqui por diante.
64. O JANTAR DE STUBB
A baleia de Stubb fora morta a certa distância do navio. Como o mar estava calmo
formamos uma fila com os três botes e começamos a morosa tarefa de arrastar o troféu para o
Pequod. Enquanto 18 homens com 36 braços e 180 dedos puxavam lentamente aquele corpo inerte
e imóvel pelo mar, ele mal parecia deslocar-se, exceto depois de longo intervalo. Boa evidência da
enormidade da massa que movíamos. No grande canal de Hang-Ho, na China, quatro ou cinco
trabalhadores conseguem arrastar pelo caminho um junco totalmente carregado à velocidade de uma
milha por hora, mas aquele grande navio mercante que arrastávamos com dificuldade parecia
recheado com barras de chumbo.
A noite caiu, mas três luzes colocadas no cordame do Pequod guiavam nosso caminho.
Vimos Ahab colocando sobre a amurada outra lanterna ao lado das outras que já estavam ali. Por
um momento, olhou com indiferença para a baleia, antes de dar as ordens habituais para que a
prendessem para ali passar a noite. Em seguida, entregando sua lanterna para um marinheiro, foi
para sua cabina e de lá não saiu até a manhã seguinte.
Durante a perseguição da baleia o capitão Ahab demonstrara sua atividade costumeira, mas
agora que a criatura estava morta ele parecia tomado de uma vaga insatisfação, irritação ou
desalento, como se a vista daquele corpo morto o lembrasse de que Moby Dick ainda não fora
destruída e ainda que mil baleias fossem levadas ao seu navio seu objetivo inflexível e obsessivo
não progredira absolutamente nada. Pelo som ouvido no convés do Pequod dir-se-ia que todos os
marinheiros se preparavam para lançar a âncora nas profundezas do oceano, pois pesadas correntes
eram arrastadas ao longo do convés e atiradas ruidosamente pelas vigias. Mas aqueles aros
barulhentos eram para atar o vasto corpo da baleia, não o navio. Atada à popa pela cabeça, e à proa
pela cauda, a baleia agora permanecia com o dorso negro junto ao costado e ambos eram vistos
através da escuridão da noite que obscurecia as vergas e os cordames. Navio e baleia pareciam dois
imensos bois sob a mesma canga, um reclinado enquanto o outro permanecia em pé.1
Se o irritável Ahab agora estava tranquilo, de acordo com o que se comentava no convés,
Stubb, seu segundo piloto, estimulado pela conquista, demonstrava uma incomum mas
bem-humorada excitação. Encontrava-se em tal estado de agitação que o sério Starbuck, seu
superior, tranquilamente lhe confiou a direção temporária dos negócios. Um motivo pequeno que
contribuía para toda essa animação de Stubb logo se manifestou. Stubb gostava de comer bem e
adorava carne de baleia que, para seu paladar, era algo extremamente saboroso.
“Um filé, um filé antes de dormir! Dagoo, vai até a amurada e corta-me um pedaço da ponta
da cauda!”
É preciso que se saiba que em geral, e de acordo com a grande máxima militar, apesar
desses pescadores não obrigarem o inimigo a cobrir as despesas de guerra (pelo menos antes de
auferir o produto da expedição), alguns desses habitantes de Nantucket têm genuíno apreço por essa
1- É preciso relatar aqui um pequeno detalhe. O modo mais confiável e seguro de se prender uma
baleia ao costado de um navio é pelas nadadeiras da cauda. Por sua maior densidade, essa parte é
mais pesada que qualquer outra (com exceção das nadadeiras laterais) e sua flexibilidade, mesmo
depois do animal morto, faz com que afundem bem abaixo da superfície da água, de modo que, com
a mão, não é possível alcançá-la do bote para envolvê-la com uma corrente. Mas essa dificuldade
pode ser contornada com engenho: uma linha pequena e forte é preparada com um flutuador de
madeira na outra extremidade e um peso no meio, enquanto que a outra ponta é presa ao navio.
Manejando-se com destreza o flutuador de madeira de modo que a corda passe sob o animal, ele
sobe para a superfície do outro lado da baleia. Tendo puxado a corda e rodeado a baleia desse
modo, a corrente imediatamente a acompanha e, escorregando ao longo do corpo, finalmente é
atada em volta da parte mais estreita da cauda, no ponto de junção com suas amplas nadadeiras, ou
lóbulos.
porção especial do cachalote designada por Stubb, que compreende a extremidade afilada do corpo.
Por volta de meia-noite essa porção já fora cortada e cozida. Iluminado por duas lanternas de
espermacete, Stubb atacou corajosamente seu jantar de cachalote no cabrestante, como se estivesse
diante de um aparador. Mas Stubb não era o único a se banquetear com carne de baleia naquela
noite. O barulho de suas dentadas mesclava-se ao ruído dos milhares de tubarões que enxameavam
em torno do leviatã morto. Os poucos marinheiros adormecidos em seus beliches eram
frequentemente despertados pelas vivas pancadas de suas caudas contra o costado, a poucas
polegadas de seus corações. Espiando pelas vigias, era possível vê-los (e também ouvi-los)
agitando-se nas lúgubres águas escuras, virando-se de costas para arrancar imensas postas redondas
da baleia, do tamanho de uma cabeça humana. Essa façanha dos tubarões parece miraculosa, e o
modo como conseguem arrancar aqueles bocados simétricos de uma superfície aparentemente
inexpugnável permanece parte do mistério universal que envolve todas as coisas deste mundo. A
marca que deixam na baleia assemelha-se à cavidade feita por um carpinteiro para colocar um
parafuso.
Não obstante todo o horror e a forma diabólica da luta no mar, os tubarões podem ser vistos
observando ansiosamente os conveses dos navios como cães famintos em volta de uma mesa onde
se trincha carne vermelha, prontos a devorar qualquer homem morto que se atire ao mar. Enquanto
os valentes carniceiros retalham-se uns aos outros como canibais, suas carnes vivas sobre as mesas
do convés, talhadas com facas douradas de bordas enfeitadas, com as bocas ornadas de joias os
tubarões também trincham raivosamente a carne morta embaixo da mesa, e mesmo que se vire a
história do avesso será sempre a mesma coisa, isto é, o chocante assunto dos tubarões permanecerá
invariável para todas as partes e eles jamais deixarão de formar a vanguarda de todos os navios
negreiros que cruzam o Atlântico para estarem a postos no caso de haver um fardo que possam
transportar ou um escravo morto a ser decentemente enterrado. Porém, mesmo que se possa citar
um ou dois casos de tubarões reunidos de modo muito social, banqueteando-se alegremente, jamais
serão encontrados em tão grande número e com disposição mais prazenteira e animada que em
torno de um cachalote amarrado durante a noite ao costado de um navio baleeiro no mar. Se nunca
presenciastes essa cena, podeis estar certos de que ignorais o modo de prestar culto ao demônio e os
meios de conquistá-lo.
Mas Stubb preocupava-se tanto com o ruído do banquete que acontecia tão perto dele quanto
os tubarões com os estalos de seus lábios epicuristas.
“Cozinheiro! Onde está o velho Fleece?” gritou ele abrindo ainda mais suas pernas, como
que para formar uma base mais segura para seu jantar, levando o garfo ao prato como se estivesse
usando uma lança. “Cozinheiro! Vem aqui!”
O velho negro, que não estava em seu melhor humor por ter sido obrigado a levantar de sua
rede quentinha em horário tão pouco razoável, veio caminhando pesadamente de sua cozinha, pois,
como muito velhos negros, já não tinha os joelhos tão bem preservados quanto suas panelas. O
velho Fleece, como o chamavam, apareceu mancando e arrastando os pés, apoiando-se
desajeitadamente em suas tenazes, feitas de argolas de ferro endireitadas. Aquele velho pedaço de
ébano veio coxeando e parou do outro lado do aparador de Stubb. Com as duas mãos diante dele e
apoiando-se em sua bengala dupla, inclinou as costas ainda mais enquanto virava a cabeça de lado
para seu ouvido mais apurado poder trabalhar.
Levantando um pedaço de carne bem vermelha até a boca, Stubb falou: “Cozinheiro, não
achas que este bife está passado demais? Bateste demais na carne e por isso ela está muito tenra,
cozinheiro. Não repito sempre que um filé de baleia precisa estar duro para ser bom? Olha bem para
esses tubarões que estão ao nosso lado, não vês que eles preferem a carne dura e mal passada? Que
confusão eles aprontam! Vai conversar com eles. Dize-lhes que somente são bem-vindos se
servirem-se com civilidade e moderação, e que precisam se manter em silêncio. Não consigo nem
ouvir minha própria voz. Vai, cozinheiro, dá o meu recado. Aqui, toma esta lanterna e vai
catequizá-los!” Arrancou uma lanterna do aparador e a entregou ao cozinheiro.
Pegando a lanterna com tristeza, o velho Fleece foi mancando até a amurada e, dirigindo a
luz para o mar para enxergar claramente sua congregação, inclinou-se sobre a amurada e com a
outra mão agitou solenemente suas tenazes e começou a falar com os tubarões em voz baixa. Stubb
aproximou-se devagar para ouvir o que ele dizia.
“Companheiros, criaturas de Deus: recebi ordens para vir aqui dizer que vós tendes que
parar com esse maldito barulho. Entendestes bem? Acabai com esse maldito estalar de lábios! O
sinhô Stubb diz que vós podeis encher a maldita pança até rebentarem, mas por Deus, tendes que
acabar com essa maldita algazarra!”
“Cozinheiro”, interrompeu Stubb nesse momento, acompanhando a palavra com um súbito
tapa no ombro. “Cozinheiro! Maldito sejas! Não podes praguejar durante o sermão. Isso não é modo
de converter os pecadores!”
“E quem está praguejando? Então, prega tu mesmo para eles”, disse ele voltando-se para ir
embora.
“Não, cozinheiro, continua, continua”.
“Está bem, então. Amados irmãos, criaturas de Deus...”
“Muito bem!” exclamou Stubb, de modo aprovador, “exorta-os, experimenta”, e Fleece
continuou.
“Sois todos tubarões e por natureza sois vorazes, mas eu vou digo, meus irmãos, que essa
voracidade... Chega de bater a cauda! Como pretendeis me ouvir se continuais com essa maldita
balbúrdia?”
“Cozinheiro”, gritou Stubb agarrando-o pelo colarinho, “Não admito que continues
praguejando. Fala com eles com delicadeza”.
Mais uma vez o sermão continuou.
“Vorazes criaturas, não vos culpo muito por isto, pois é vossa natureza e não se pode fazer
nada, mas tendes que dominar essa natureza malvada. Vós sois tubarões, é certo, mas se dominardes
o tubarão que está dentro de vós sereis anjos, pois um anjo nada mais é que um tubarão bem
dominado. Pois bem, agora escutai bem, meus irmãos, tentai ser bem educados ao comer essa
baleia. Não arrancai o bocado da boca dos vossos vizinhos. Um tubarão tem o mesmo direito à
baleia que o seu vizinho. E por Deus, na verdade nenhum de vós tem qualquer direito à baleia. Essa
baleia pertence a outra pessoa. Sei que tendes a boca muito grande, maior que a de muitos outros.
Porém, muitas vezes as bocas grandes têm barrigas pequenas, portanto o tamanho da boca não é
para engolir, mas para tirar pequenos pedaços de carne para dar para os filhotes de tubarão que não
podem se meter a fazer isso por si mesmos».
“Muito bem, velho Fleece!” gritou Stubb. “Isso é que é cristianismo. Continua”.
“Não adianta continuar. Os malditos safados continuam a perseguir e bater um no outro,
sinhô Stubb. Eles não ouvem nem uma palavra. Não adianta pregar para esses malditos glutões,
como ouço chamá-los, até que estejam com a barriga cheia, e a barriga deles não tem fundo. E
quando conseguem enchê-las, também não ouvem porque correm rápidamente para o fundo do mar
para dormir sobre os corais e não ouvem mais nada, para todo o sempre”.
“Por minha alma, tenho a mesma opinião. Então, abençoa-os Fleece, que eu volto para o
meu jantar”.
Diante disso, levantando as duas mãos sobre aquela multidão de peixes, Fleece alçou sua
voz aguda e gritou:
“Malditos irmãos em Deus! Fazei todo maldito barulho que quiserdes. Entupi vossas
malditas barrigas até que elas arrebentem – e depois morrei”.
“Agora, cozinheiro”, disse Stubb regressando ao jantar sobre o cabrestante, “fica no mesmo
lugar onde estavas antes, perto de mim, e presta muita atenção”.
“Muita atenção”, disse Fleece, novamente se apoiando sobre as tenazes, na posição desejada.
“Bem”, disse Stubb servindo-se fartamente. “Agora voltemos ao assunto deste filé. Em
primeiro lugar, qual é a tua idade, cozinheiro?”
“E o que isso tem a ver com o filé?” disse o velho negro, com impaciência.
“Silêncio! Quantos anos tu tens?”
“Mais ou menos 90, é o que dizem”, murmurou ele melancolicamente.
“E viveste neste mundo quase 100 anos, cozinheiro, e ainda não sabes fazer um filé de
baleia?” disse Stubb, rapidamente engolindo outra garfada depois da última palavra, de modo que
aquele bocado pareceu uma continuação da pergunta. “Onde nasceste, cozinheiro?”
“No porão de uma barcaça que atravessava o Roanoke”.
“Nascido em uma barcaça! Isso também é esquisito. Mas eu queria saber em que país tu
nasceste, cozinheiro!”
“Não te disse que foi na região do Roanoke?”, gritou ele com severidade.
“Não, tu não disseste, cozinheiro. Mas vou dizer o que acho. Tu deverias voltar para casa e
nascer de novo. Ainda não sabes como cozinhar um filé de baleia”.
“Que o diabo me carregue se eu cozinhar outro filé para ti”, rosnou ele com raiva,
voltando-se para ir embora.
“Volta aqui, cozinheiro. E dá-me essas tenazes. Agora experimenta um pouco desse filé e
depois me diz se achas que está cozido como se deve. Experimenta, vamos”.
Chupando lentamente os lábios murchos, o velho negro murmurou. “O melhor filé que já
provei na vida. Gostoso, uma delícia”.
“Cozinheiro”, disse Stubb, acomodando-se uma vez mais. “Pertences a alguma igreja?”
“Uma vez estive em uma, na Cidade do Cabo”, disse o velho com tristeza.
“Uma vez em tua vida estiveste em uma sagrada igreja na Cidade do Cabo, onde sem dúvida
ouviste um santo padre dirigir-se aos seus ouvintes como seus amados irmãos em Deus. E ainda
assim vens para cá para me dizer uma mentira tão terrível como a que acabaste de me contar?”
perguntou Stubb. “Para onde pensas que vais, cozinheiro?”
“Para a cama, o mais rápido possível”, resmungou ele, virando-se enquanto falava.
“Basta! Essa é muito boa! Perguntei para onde vais depois que morreres, cozinheiro. É uma
pergunta difícil. Qual é a tua resposta?”
“Quando morrer, este negro velho não vai a lugar nenhum. Um anjo bendito virá buscá-lo”,
disse o negro devagar, mudando de semblante e de atitude.
“Buscar-te? Como? Em um carro com quatro cavalos, como fizeram com Elias? E para onde
vão te levar?”
“Para lá”, disse Fleece levantando suas tenazes acima da cabeça, e mantendo-as solenemente
nessa posição.
“Então esperas subir no topo do mastro quando morreres? Sabes que quanto mais alto sobes
mais frio fica? Vais subir no topo do mastro grande?”
“Eu não disse isso”, falou Fleece, novamente de mal-humor.
“Tu disseste que ias lá para cima, não disseste? Olha para onde tuas tenazes apontam. Mas
talvez esperes chegar aos céus passando pela boca de lobo, cozinheiro, mas não, tu não poderás
chegar lá a não ser pelos caminhos normais, subindo pelo cordame. É um negócio arriscado, mas
precisa ser feito, caso contrário não se consegue. No entanto ainda não estamos no céu. Solta essas
tenazes, cozinheiro, e ouve minhas ordens. Segura o chapéu em uma das mãos e coloca a outra
sobre o coração. Mas o que é isso? Teu coração é ai? Isso é o teu estômago! Mais para o alto. Aí,
agora sim. Fica assim e presta atenção”.
“Toda atenção”, disse o velho negro com as duas mãos colocadas nos lugares desejados,
torcendo a cabeça grisalha como se quisesse que as duas orelhas ficassem bem na frente.
“Muito bem, cozinheiro. Olha bem, esse teu filé estava tão ruim que eu tive que acabar com
ele o mais depressa possível. Compreendes isso, não é? Por bem, no futuro, quando cozinhares
outro filé de baleia para minha mesa aqui no cabrestante, vou dizer o que deves fazer para não o
estragares cozinhando demais. Segura o filé com uma das mãos e mostra-lhe uma brasa com a
outra. Isso feito coloca-o no prato. Compreendes? Amanhã, cozinheiro, quando estivermos cortando
o peixe, fica por perto para recolheres as pontas das barbatanas para fazê-las com picles. Quanto às
pontas da cauda, podes prepará-las em conserva. Agora podes ir”.
Fleece mal caminhara três passos quando foi novamente chamado.
“Cozinheiro, quero jantar costeletas amanhã à noite, no meio da guarda. Ouviste? Vai-te
embora. Para! Faz uma reverência antes de sair. Almôndegas de baleia para o desjejum – não te
esqueças!”
“Tomara a baleia o tivesse engolido, e não ele à baleia. Que o diabo me leve se ele não é
mais tubarão que o próprio Sinhô dos tubarões”, murmurou o velho enquanto se afastava mancando,
proferindo outras sábias frases enquanto se dirigia para sua rede.
65. BALEIA COMO QUITUTE
O homem que se alimentava da criatura que alimentava sua lanterna, iluminado pela luz
derivada daquele ser, como fazia Stubb, é algo tão estranho que exige um pouco de história e de
filosofia.
Está escrito que há três séculos, na França, a língua da baleia real era considerada uma
finíssima guloseima, vendida por alto preço. Também consta que na época de Henrique VIII, certo
cozinheiro da corte conseguiu uma bela recompensa por inventar um molho admirável para ser
ingerido com assado de golfinho que, como devem se lembrar, é uma espécie de baleia. Na verdade,
até hoje os golfinhos são considerados um grande petisco. A carne é preparada em almôndegas do
tamanho de bolas de bilhar e, bem temperada, pode ser tomada por carne de tartaruga ou de vitela.
Os velhos monges de Dunfermline apreciavam muito dessa receita. A Coroa lhes garantiu grande
concessão para a pesca do golfinho.
O fato é que, pelo menos entre seus caçadores, a baleia seria considerada um prato nobre se
não existisse em tamanha abundância, mas quando alguém se senta diante de uma torta de carne
com quase 100 pés de comprimento, perde o apetite. Atualmente, apenas homens sem qualquer
preconceito, como Stubb, comem carne de baleia, mas os esquimós não são tão exigentes. Todos
sabem que eles subsistem alimentando-se de baleias e têm excelentes reservas dos mais raros e
antigos azeites de baleia. Zogranda, um de seus mais famosos médicos, recomenda que se dê
talhadas de gordura de baleia para as crianças, por essa gordura ser extremamente saborosa e
nutritiva. Isso me recorda alguns ingleses que há tempos foram esquecidos acidentalmente na
Groenlândia por um navio baleeiro – esses homens viveram vários meses alimentando-se de restos
mofados de baleia, deixados no porto após ser-lhes retirada a gordura. Entre os holandeses, os
pescadores de baleia chamam esses restos de baleias de “fritadas”. Realmente, há grande
semelhança entre eles e a fritada, pois são marrons e crocantes, e quando frescos têm o aroma dos
biscoitos fritos feitos pelas donas de casa de Amsterdã. Seu aspecto é tão agradável que a maior
parte dos viajantes dificilmente consegue evitar levá-los à boca, por mais indiferente que seja.
Porém, o que mais deprecia a baleia como um prato civilizado é seu exagerado teor de
gordura. Ela é como um touro campeão do mar, demasiadamente gorda para ser deliciosamente
requintada. Observai a corcova que seria tão deliciosa quanto a carne de búfalo (considerado um
prato inigualável) se não fosse constituída de uma sólida pirâmide de gordura. Mas o próprio
espermacete, apesar de macio e cremoso como a polpa transparente e meio gelatinosa do coco em
seu terceiro mês de desenvolvimento, é gorduroso demais para substituir a manteiga. No entanto,
muitos caçadores de baleias possuem um método para dissolvê-la em outra substância antes de
comê-la. Nas longas e cansativas horas de vigia noturna, é comum os marinheiros mergulharem
biscoitos marítimos em imensas panelas de azeite e deixá-los fritar um pouco. Já tive muitos bons
jantares com esse prato.
O cérebro de um cachalote pequeno é considerado um prato saboroso. O crânio é partido
com um machado e os dois rechonchudos lóbulos brancos são retirados (assemelham-se a dois
grandes pudins). Depois são misturados com farinha e cozidos, obtendo-se um prato delicioso, com
sabor parecido ao da cabeça de terneiro, manjar muito apreciado entre alguns epicuristas. Todos
sabem que estes, de tanto se alimentarem desse prato, acabam pouco a pouco adquirindo um pouco
de miolo, de modo que por fim conseguem distinguir uma cabeça de terneiro de sua própria cabeça,
o que realmente exige uma percepção incomum. Essa a razão pela qual um rapagão inteligente,
tendo uma cabeça de terneiro diante de si, é um espetáculo dos mais tristes que se pode ver. A
cabeça parece censurá-lo com uma expressão de quem diz: “Et tu, Brute!”1
1- “Até tu, Brutus!” Famosa frase na versão imortalizada por Shakespeare, que teria sido
pronuciada por Júlio César ao ser letalmente golpeado em uma reunião do senado romano, nos Idos
de Março (15 de março) de 44 a.C., por um grupo de senadores que acreditava agir em defesa da
Talvez não seja inteiramente porque a baleia é excessivamente gordurosa que os homens que
vivem em terra firme parecem considerá-la como um alimento repulsivo. Isso parece ser o resultado
das considerações feitas acima, isto é, um homem deve comer a carne de um ser marinho
recém-morto, e comê-lo iluminado por sua própria luz, Sem dúvida, o primeiro homem que matou
um boi foi considerado um assassino. Talvez tenha até sido enforcado. E se tivesse sido julgado por
um tribunal de bois, certamente seria condenador e receberia a pena reservada a qualquer assassino.
Mas ide ao mercado de carne em um sábado à noite e vede a multidão de bípedes vivos
contemplando as longas filas de quadrúpedes mortos. Essa visão não vos lembra os canibais?
Canibais? E quem não é canibal? Assevero-vos que o julgamento final será mais leve para um
figiano que salgou um missionário em seu porão para não morrer de fome que para vós,
gastrônomos civilizados e iluminados que prendeis gansos ao solo e depois vos banqueteais com
seus fígados inchados transformados em “paté de foie gras”.
Mas Stubb se alimenta da baleia, iluminado pela luz que ela fornece. Considerais que isso é
acrescentar um ultraje à injúria? Observai os cabos de vossas facas ao jantardes aquela carne assada,
meus amigos gastrônomos civilizados e iluminados. De que material é feito esse cabo, senão dos
ossos dos irmãos do mesmo boi que comeis? E com que palitais os dentes após devorardes aquele
ganso gordo? Com uma pena da mesma ave. E é com essa mesma pena que o Secretário da
Sociedade pela Supressão da Crueldade Contra os Gansos escreve suas circulares formais, pois foi
há apenas um ou dois meses que essa sociedade aprovou uma resolução para apoiar o uso exclusivo
de penas de aço.
república. Entre eles encontravam-se seus antigos protegidos Marco Júnio Bruto e Caio Longino
Cássio.
66. O MASSACRE DOS TUBARÕES
Na pesca nos Mares do Sul, quando um cachalote capturado é levado tarde de noite para ser
amarrado ao costado do navio à custa de longa e cansativa faina, em geral não se usa cortá-lo
imediatamente, pois esse serviço é extremamente estafante, não termina em pouco tempo e exige o
empenho de toda tripulação. Assim sendo, o costumeiro é navegar a todo pano, prender o leme a
sotavento e então enviar todos para suas redes até o alvorecer do dia seguinte, com exceção dos
vigias do convés, isto é, duas duplas revezando-se de hora em hora, subindo ao convés para ver se
tudo está bem.
Mas, sobretudo, nas águas do Pacífico, algumas vezes esse plano não funciona porque um
número incalculável de tubarões se reúne em torno da carcaça amarrada e deixa pouco mais que o
esqueleto que ali permanecer por cerca de seis horas. Contudo, em outras regiões do oceano onde
esses peixes não são tão numerosos, sua voracidade às vezes pode ser consideravelmente diminuída
golpeando-os vigorosamente com as afiadas lanças para caçar baleias, um procedimento que, em
algumas ocasiões, parece provocar neles uma atividade ainda maior. Mas isso não aconteceu com os
tubarões do Pequod, apesar de para um homem não acostumado com esse acontecimento parecer
que todo o mar em torno do navio era um enorme queijo com os tubarões fazendo o papel dos
vermes que o infestavam.
Apesar disso, Stubb estabeleceu a vigia do convés depois de concluir seu jantar e diante
disso Queequeg e um marinheiro do castelo de proa foram para o convés. Criou-se grande excitação
entre os tubarões, pois, suspendendo imediatamente as plataformas de cortar sobre a amurada e
baixando três lanternas para projetar longos raios de luz sobre o mar turvo, esses dois marinheiros
passaram a empregar suas longas pás baleeiras para matar incessantemente os tubarões, 1 enterrando
o aço afiado profundamente em seus crânios, aparentemente sua única região vital. Porém, na
confusão espumosa de seus mesclados convidados lutadores, os homens nem sempre conseguiam
atingi-los e isso trouxe novas revelações sobre a incrível ferocidade do inimigo. Engoliam
cruelmente as vísceras uns dos outros e também se curvavam como arcos flexíveis para atacar os da
sua própria espécie, até que suas entranhas pareciam seguidamente engolidas pela mesma boca e
novamente evacuadas pelas feridas abertas. Mas isso não era tudo. Era um perigo mexer com os
cadáveres e fantasmas dessas criaturas. Uma espécie de vitalidade generalizada ou panteísta parecia
se ocultar em suas articulações e ossos, mesmo depois de a vida individual ter desaparecido. Morto
e içado para o convés para ser esfolado, um desses tubarões quase arrancou a mão do pobre
Queequeg quando este quis cerrar sua mandíbula sanguinária.
Sacudindo a mão para cima e para baixo, o selvagem falou: “Queequeg não sabe se quem o
criou tubarão foi um deus de Figi ou de Nantucket, mas esse deus deve ser um maldito malvado”.
1- As pás baleeiras usadas para o corte são feitas do mais fino aço. São mais ou menos do tamanho
da palma da mão de um homem e seu formato corresponde ao apetrecho de jardinagem do qual
deriva seu nome. Porém, suas laterais são absolutamente planas e a parte superior é bem mais
estreita que a inferior. Essa arma é sempre mantida tão afiada quanto possível e quando utilizada é
ocasionalmente afiada, como uma navalha. Em seu encaixe é inserido um cabo de madeira bem
firme, com 30 a 40 pés de comprimento.
67. O CORTE
Era um sábado à noite, e que Shabat seguiu-se a ele! Os baleeiros são mestres “ex-oficio” no
desrespeito ao Shabat. O Pequod foi transformado em um açougue e todos os baleeiros se tornaram
açougueiros. Dir-se-ia que faziam uma oferenda de dez bois aos deuses do mar.
Em primeiro lugar, entre outras coisas, a enorme aparelhagem para cortar compreende um
grupo de blocos, em geral pintados de verde, que nenhum homem sozinho consegue levantar – esse
vasto cacho de uvas é levado ao topo do mastro grande e firmemente amarrado ao topo mastro
inferior que, acima do convés, é a parte mais resistente do navio. A extremidade da corda passa
através dessa confusão, é levada ao molinete e o imenso bloco de instrumentos é pendurado acima
da baleia. A esse bloco que pesa cerca de 100 libras também é preso um grande gancho para extrair
a gordura. Em pé sobre as plataformas, armados com suas longas pás, os pilotos Starbuck e Stubbs
começaram a perfurar um orifício no corpo da baleia, exatamente acima das duas barbatanas
laterais, para que fosse inserido o gancho. Depois de terminada essa tarefa foi feita uma ampla
incisão semicircular ao redor desse orifício, inseriu-se o gancho e, formando um grupo compacto
junto ao bolinete, a maior parte da tripulação explodiu em um coro selvagem e começou a puxá-lo.
Instantaneamente, o navio se inclinou e todos os seus rebites apareceram como cabeças de prego em
uma casa velha, quando neva. O navio tremeu, estremeceu e inclinou seus mastros sobrecarregados
diante do céu. Inclinou-se cada vez mais para o lado onde estava presa a baleia, enquanto cada arfar
do bolinete era respondido por um ofegar das vagas que subiam, até que se ouviu um ruído rápido e
assustador. Com grande agitação, o navio balançou violentamente, aproximando-se e afastando-se
da baleia, e o aparelho triunfante levantou a extremidade semicircular da primeira talhada de
espermacete. Como o espermacete envolve a baleia precisamente como a casca envolve a laranja,
ela pode ser retirada do corpo por meio do corte em espiral, como se pode fazer com essa fruta. A
tensão constante conservada pelo bolinete mantinha a baleia girando na água, e à medida que o
espermacete era retirado em uma tira uniforme ao longo da linha chamada “manta”, era
simultaneamente cortado pelas pás de Starbuck e Stubb. O gancho elevava a baleia na velocidade
em que o espermacete era retirado, até a extremidade superior do animal alcançar o topo do mastro.
Os homens no bolinete então cessaram de levantar o gancho e por um momento ou dois a
prodigiosa massa sangrenta oscilou de um lado para o outro como se tivesse caído do céu, e todos
os presentes se afastaram de sua trajetória para não serem atingidos na orelha ou arremessados por
cima da amurada.
Um dos arpoadores avançou com um instrumento longo e afiado denominado espada de
abordagem e esperando pelo momento propício abriu com destreza um orifício considerável na
parte baixa da massa oscilante. Nesse orifício foi introduzida a outra extremidade do segundo
aparelho que então foi enganchado para prender o espermacete e para prepará-lo para a etapa
seguinte. Depois disso o habilidoso esgrimista avisou que a tripulação devia se afastar e mais uma
vez arremessou-se cientificamente contra a massa, e com alguns cortes longos e frenéticos destacou
a talhada por completo, de modo que a parte inferior ainda se mantivesse presa enquanto a longa
tira superior, chamada manta, oscilava solta, pronta para ser baixada. Os marinheiros do bolinete
então reiniciaram seu coro e enquanto um dos aparelhos soltava e içava uma segunda tira da baleia,
o outro era afrouxado e a primeira tira era passada pela escotilha principal localizada exatamente
abaixo e levada até um compartimento não mobiliado denominado “câmara do espermacete”. Nesse
local escuro, inúmeras mãos passaram a enrolar a longa manta branca como se fosse uma grande
massa de serpentes dobradas. O trabalho continuou desse modo, os dois aparelhos içando e
baixando simultaneamente; baleia e bolinete oscilando, os marinheiros cantando, os cavalheiros da
câmara do espermacete formando os rolos, os pilotos cortando as faixas, o navio balançando e todos
praguejando ocasionalmente para aliviar a tensão geral.
68. A MANTA
Sempre dei grande atenção ao assunto importante que é a pele da baleia. Os mais experientes
baleeiros são controversos com relação a isso. Minha opinião original permanece inalterada, mas é
apenas uma opinião.
A questão é saber o que é e onde se localiza a pele de uma baleia. Vós já sabeis que o
espermacete é algo que possui a consistência e a firmeza da carne bovina, porém é mais dura, mais
elástica e compacta, com espessura que varia entre 12 e 15 polegadas.
Pois bem, mesmo que à primeira vista possa parecer absurdo falar sobre a pele de qualquer
criatura descrevendo o tipo de consistência e espessura, na verdade esses argumentos serão
destruídos ao se afirmar ser impossível encontrar outras camadas externas envolvendo o corpo de
uma baleia além do espermacete. E o que é o envoltório externo de espessura razoável se não a pele
de um animal? É verdade que do corpo intacto de uma baleia morta pode-se remover com a mão
uma substância infinitamente fina e transparente que se assemelha aos mais finos fragmentos de
mica, porém com a flexibilidade e a maciez do cetim. Quando seca, essa substância se contrai e
engrossa, tornando-se dura e quebradiça. Possuo vários desses fragmentos que uso como
marcadores para meus livros sobre baleias. Como já mencionei são transparentes, e colocados sobre
uma página impressa algumas vezes é prazeroso imaginar que funcionam como lente de aumento.
De qualquer modo, seria agradável ler sobre baleias através de óculos fornecidos por elas mesmas,
por assim dizer. Mas o que procuro estabelecer dizer aqui é que essa substância infinitamente fina e
semelhante à mica que recobre todo o corpo da baleia não é considerada como a pele da baleia, mas
como a pele de sua pele, pois seria grotesco dizer que a pele de uma baleia imensa é mais fina e
mais sensível que a pele que um bebê recém-nascido. Mas chega de falar nisso.
Admitindo-se que o espermacete seja a pele da baleia, no caso de um cachalote de grandes
proporções essa pele fornece o volume de cem barris de óleo, e essa quantidade, ou peso, representa
apenas três quartos da substância do envoltório. Por esse dado, pode-se imaginar a enormidade da
massa animada da qual apenas o invólucro fornece um lago de óleo dessas proporções.
Calculando-se dez barris como uma tonelada, o peso líquido de três quartos da substância que forma
a pele de uma baleia é dez toneladas.
Na vida, a superfície visível de um cachalote não é a menor dentre as inúmeras maravilhas
que ela apresenta. Quase invariavelmente, essa superfície é entrecruzada por inúmeras linhas retas
que formam fileiras compactas, algo como às vezes se vê nas mais belas gravuras italianas. Porém,
as linhas não parecem traçadas sobre a substância semelhante à mica, acima mencionada, mas
podem ser vistas através dela, como se estivesses gravadas sobre o próprio corpo. E isso não é tudo.
Algumas vezes, para o olhar rápido e observador, essas marcas lineares se constituem em motivos
de desenhos, como uma verdadeira gravura. Estes são hieroglíficos, isto é, lembram os misteriosos
sinais sobre as paredes das pirâmides e por isso empregamos esse nome. Lembro-me que os sinais
hieroglíficos sobre um cachalote em particular me espantaram por sua semelhança com uma
reprodução impressa dos caracteres gravados nas famosas paredes rochosas das margens do Alto
Mississipi. As místicas marcas das baleias permanecem indecifradas como as dessas misteriosas
rochas. Essa alusão às rochas indígenas lembrou-me outra coisa. Além de todos os outros
fenômenos apresentados pelo exterior de um cachalote, ele frequentemente ostenta no dorso, e mais
especialmente nos flancos, enormes borrões que em grande parte interrompem as redes regulares de
linhas devido a numerosos riscos rudes e irregulares dispostos ao acaso. Eu poderia afirmar que as
linhas encontradas sobre as rochas da Nova Inglaterra, que Agassiz imagina resultarem do contato
violento com icebergs flutuantes, eram muito parecidas com as marcas vistas nesse cachalote, em
particular. Também me parece que as linhas observadas nas baleias são provavelmente causadas
pelo contato hostil com outras baleias, pois eu as encontrei sobretudo nos enormes machos adultos
da espécie.
Mais uma ou duas palavras sobre esse assunto da pele, ou espermacete da baleia. Já foi dito
que ele é separado do corpo em longas tiras denominadas mantas. Como a maioria dos termos
marítimos, este é muito feliz e significativo, pois a baleia é realmente envolta no espermacete como
em uma verdadeira manta ou cobertura, ou, ainda melhor, em um poncho indígena passado pela
cabeça, envolvendo todo seu corpo até a extremidade inferior. É devido a esse reconfortante
cobertor em seu corpo que a baleia sente-se confortável em todos os climas, em todos os mares, em
todos os tempos e marés. O que seria de uma baleia da Groenlândia nesses gelados mares do norte
se não estivesse vestida com seu aconchegante casacão? É verdade que outros peixes extremamente
vivazes são encontrados nessas águas hiperbóreas, mas observe-se que eles têm sangue frio, não
possuem pulmões e seus ventres são refrigeradores. São criaturas que se aquecem a sotavento de um
iceberg, como no inverno um viajante se aqueceria diante da lareira de uma hospedaria, enquanto
que, como um ser humano, a baleia possui sangue quente e pulmões. Se seu sangue congelar, a
baleia morre. Diante dessa explicação, que maravilha esse imenso monstro, a quem o calor corpóreo
é indispensável como para o homem, sentir-se à vontade imerso durante toda sua vida nessas águas
do Ártico, onde, depois de meses, os marinheiros que às vezes caem no mar são encontrados
congelados na mesma posição em que caíram, presos em bancos de gelos como moscas no âmbar.
Porém, o mais surpreendente é saber que, de acordo com experimentos, o sangue de uma baleia
polar é mais quente que o de um negro de Bornéu, no verão.
Parece-me que aqui temos um raro exemplo de extrema vitalidade, de forte estrutura exterior
e de vasto espaço interior. Oh, homem! Admira a baleia e segue seu exemplo! Permanece aquecido
no meio do gelo. Vive neste mundo sem pertenceres a ele. Sê frio no equador. Mantém teu sangue
fluido nos Polos. Como a grande cúpula de São Pedro e como a grande baleia, oh homem, conserva
tua própria temperatura em todas as estações.
No entanto, quão fácil e desesperador é ensinar essas belas coisas! Como são poucas as
edificações que possuem cúpulas como a de São Pedro! E como são poucas as criaturas que
possuem a vastidão da baleia!
69. O FUNERAL
Puxar as correntes! Deixar a carcaça cair pela popa!
Os vastos aparelhos cumpriram seu dever. Esfolado e sem cabeça, o corpo branco da baleia
brilha como o mármore de um sepulcro. Apesar de sua cor ter se alterado, não parece ter perdido
nada de sua grandeza. Ainda é colossal. Flutua devagar e se afasta cada vez mais; a água em torno
dela se agita com a fúria insaciável dos tubarões e o ar é perturbado pelo voo e pelo grito estridente
das aves cujos bicos são como punhais furiosos na baleia. O vasto e branco fantasma sem cabeça
flutua cada vez mais longe do navio, e a cada vara que percorre multiplicam-se as varas quadradas
de tubarões e varas cúbicas de aves com seus guinchos mortíferos. Por horas e horas essa visão
abominável é contemplada do navio quase estacionário. Sob o suave céu azul e sem nuvens, sobre a
soberba face do mar gentil acariciado pelas radiantes brisas, essa imensa massa de morte flutua até
se perder em infinitas perspectivas.
Esse é um funeral desolador e petulante! Os abutres marinhos, tubarões do ar, todos em luto
piedoso, comparecem meticulosamente vestidos ou salpicados de negro luto. Durante sua vida,
suponho que poucos deles prestariam algum auxílio à baleia, se porventura ela tivesse necessidade,
mas diante do banquete de seu funeral agarram-se a ela do modo mais piedoso. Oh, assombrosa
ferocidade do mundo, da qual nem mesmo a mais poderosa baleia está livre!
Mas isso não é o fim. Profanado como está o corpo, um fantasma vingativo sobrevive e
flutua sobre ela provocando terror. Observada de longe por algum tímido tripulante de um navio de
guerra ou de uma errante embarcação exploradora, quando a distância esconde as abundantes aves
ainda se pode ver a massa branca flutuando ao sol e a espuma branca elevando-se a grande altura
em torno dela. Imediatamente, com dedos trêmulos, registram no diário de bordo – Bancos de areia,
rochas e arrebentação: Cuidado! E talvez durante anos os navios evitarão aquela área, saltando-a
como as tolas ovelhas saltam um ponto no terreno porque seu líder um dia pulou uma estaca que já
não existe. Essa é vossa lei de precedência; é essa a utilidade das vossas tradições; essa é a história
da obstinada sobrevivência de vossas velhas crenças, jamais enraizadas na terra ou flutuando no ar.
Essa é a ortodoxia!
Em vida o grande corpo da baleia pode ter sido um real terror para seus inimigos, na morte
seu fantasma torna-se o impotente pânico para o mundo.
Acreditas em fantasmas, meu amigo? Há outros além do de Cock-Lane, e homens mais
profundos que o doutor Johnson creem neles.
70. A ESFINGE
Não deveria ter sido omitido que antes de se desnudar totalmente o corpo do leviatã ele é
decapitado. Pois bem, cortar a cabeça de um cachalote é uma façanha científica da qual muito se
orgulham os experimentados cirurgiões baleeiros, e não sem razão.
Considerai que a baleia não possui nada que possa ser chamado de pescoço. Pelo contrário,
o local em que sua cabeça parece se juntar ao corpo é a parte mais compacta do animal.
Lembrai-vos também de que o cirurgião deve operar posicionado no alto, à distância de oito a dez
pés do paciente, e que ele fica quase escondido em um mar sem cor e instável, muitas vezes
turbulento e agitado. Tende em mente que, sob essas circunstâncias incovenientes, ele precisa cortar
a carne a muitos pés de profundidade sem conseguir ver absolutamente nada no fundo do corte que
incessantemente se contrai. É preciso que evite com habilidade todas as partes adjacentes e que
divida a espinha exatamente em um ponto crítico, próximo à sua inserção no crânio. Não vos
admirais agora com o fato de Stubb precisar de apenas dez minutos para decapitar um cachalote?
Assim que é separada do corpo, a cabeça é levada para a popa e presa a um cabo até que o
corpo seja esfolado. Depois disso, se a cabeça pertencer a um cachalote pequeno, será içada até o
convés para ser descartada. Porém, se pertencer a um leviatã totalmente desenvolvido, esse
procedimento será impossível, pois a cabeça de um cachalote tem um terço de seu comprimento.
Mesmo contando com os imensos aparelhos de um navio baleeiro, suspender tal fardo é como tentar
pesar um cedro holandês na balança de um joalheiro.
Depois de a baleia do Pequod ser decapitada e seu corpo esfolado, a cabeça foi içada contra
o costado do navio – a meio caminho do mar, para que parte dela pudesse boiar em seu element
nativo. E ali, com o navio tensionado inclinando-se acentuadamente sobre ela devido à tremenda
resistência do mastro inferior e de cada um dos penóis que se projetavam como guindastes sobre as
ondas, a cabeça que ainda jorrava sangue parecia pender do Pequod como a cabeça do gigante
Holofernes do cinturão de Judite.
Ao meio-dia, quando a última tarefa foi terminada os marinheiros desceram para almoçar. O
silêncio voltou a reinar sobre o convés deserto depois de todo o tumulto. Como um lótus amarelo e
universal uma profunda calma de cobre estendia silenciosamente suas folhas ilimitadas sobre o mar.
Depois de transcorrido um pequeno espaço de tempo Ahab surgiu sozinho de sua cabina
para invadir esse silêncio. Depois de dar algumas voltas pelo castelo da proa, deteve-se para olhar
por cima da amurada. Em seguida, enfiando-se no meio das correntes pegou a longa pá de Stubb –
que ali permanecia após a decapitação da baleia – e fincando-a na parte inferior da massa suspensa,
colocou o cabo sob um dos braços e assim permaneceu, inclinado sobre a amurada, olhos atentos
fixos na cabeça.
Era uma cabeça negra e encapuzada. Suspensa ali, no meio de tão intensa calma, parecia a
Esfinge no deserto. “Fala, vasta e veneranda cabeça”, murmurou Ahab. “Mesmo sem o adorno de
uma barba, aqui e ali o musgo te mune de cãs. Fala cabeça poderosa, conta-nos o segredo que em ti
se esconde. Dentre todos os mergulhadores foste tu quem mergulhaste mais profundamente. Essa
cabeça sobre a qual o sol agora cintila movimentou-se entre as fundações do mundo onde
enferrujam nomes não registrados e grandes esquadras, onde apodrecem esperanças e âncoras
incontáveis, onde, em seus mortíferos porões, esta fragata Terra é preenchida com o lastro de ossos
de milhares de afogados, ali, naquele espantoso reino de água que era tua morada mais íntima.
Estiveste onde jamais chegaram sinos nem mergulhadores, dormistes ao lado de muitos marinheiros
onde mães insones dariam suas vidas para acalentá-los. Viste amantes abraçados saltando de navios
em chamas, os corações unidos afundando sob as ondas exultantes, fiéis um ao outro diante da
traição dos céus. Viste o piloto assassinado, atirado ao mar pelos piratas que invadiram seu convés à
meia-noite. Ele caiu durante horas na meia-noite mais profunda do insaciável sorvedouro enquanto
seus assassinos ainda velejavam incólumes – enquanto raios súbitos abalavam o navio vizinho que
conduzia o marido fiel aos braços abertos da esposa saudosa. Ó cabeça! Viste o suficiente para
agitar planetas e transformar Abraão em infiel, e contudo não dizes uma única sílaba!”
“Navio a vista!” Gritou uma voz triunfante do topo do mastro grande.
“Sim? Bem, essas são boas novas”, gritou Ahab endireitando o corpo enquanto as nuvens de
tempestade deixavam sua fronte. “Nessa calma mortal, esse grito vigoroso quase converte um
homem em um ser melhor. Onde?”
“Três pontos a estibordo, senhor, e trazendo a brisa para nós!”
“Cada vez melhor, homem. Só faltava São Paulo vir por esse caminho trazendo sua brisa
para a minha tristeza! Ó Natureza, ó alma humana! Como sois análogas! Nem o menor dos átomos
se movimenta ou vive na matéria sem que no espírito haja sua sagaz duplicata”.
71. A HISTÓRIA DE JEROBOÃO
De mãos dadas, navio e brisa caminhavam juntos, mas a brisa ia mais depressa que o navio e
logo o Pequod começou a balançar.
Aos poucos, observados pela luneta, os botes e os mastros mostraram que era um navio
baleeiro. Porém, estava tão distante a barlavento e navegando a toda vela, aparentemente passando
para outra zona de pesca, e o Pequod não podia ter esperanças de alcançá-lo. Portanto, fizeram o
sinal costumeiro par ver que resposta ele daria.
Deve-se dizer que como todas as embarcações de marinhas militares, os navios da Frota
Baleeira Americana têm um sinal particular individual e todos esses sinais estão registrados em um
livro com os nomes do navio que os utilizam. Todos os capitães levam esse livro consigo. Portanto,
os comandantes de baleeiros estão aptos a reconhecer facilmente todos os outros que estão no
oceano, mesmo a distâncias consideráveis.
O sinal do Pequod finalmente foi respondido pelo navio estrangeiro, que enviou seu próprio
sinal, o que lhes permitiu saber que aquele era o Jeroboão de Nantucket. Em seguida, ele ajustou
suas jardas, aproximou-se a sotavento do Pequod e baixou um bote. Este se achegou ao Pequod,
mas quando a escada lateral estava sendo baixada por ordem de Starbuck para o capitão visitante
poder subir a bordo, o estranho acenou com a mão para indicar que aquilo era inteiramente
desnecessário. Acontece que o Jeroboão estava sofrendo com uma epidemia maligna a bordo e
Mayhem, seu capitão, temia infectar a tripulação do Pequod. Apesar de ele próprio e os tripulantes
do bote não se encontrarem contaminados, e seu navio estar a meio tiro de rifle com o mar
incorruptível entre eles, o capitão conscienciosamente respeitava a quarentena de terra e se recusava
peremptoriamente a entrar em contato direto com o Pequod.
Mas isso não impedia todas as comunicações. Guardando distância de algumas jardas entre
eles e o navio, os marinheiros do bote do Jeroboão usavam ocasionalmente os remos para se manter
paralelos ao Pequod que, com a vela da mezena para trás, avançava devagar através do mar (pois no
momento, a brisa refrescara). No entanto, uma súbita onda grande avançou empurrando o bote para
frente, mas logo a habilidade dos marinheiros o recolocou no lugar correto. Sujeita a essa e outras
interrupções semelhantes, a conversação foi mantida entre as duas partes, mas a intervalos e não
sem intervenções de uma ou de outra sorte.
Um dos remadores do bote do Jeroboão era um homem de aparência singular, até mesmo
para aquela louca vida baleeira na qual as singularidades individuais formam a totalidade. Ele era
pequeno, baixo, jovem, tinha abundante cabeleira amarela e o rosto todo salpicado por sardas. Um
casacão longo, de corte cabalístico, envolvia sua figura. As mangas longas demais estavam
enroladas nos pulsos e seus olhos refletiam um delírio fanático.
Assim que avistou essa figura Stubb exclamou – “É ele! É o personagem sombrio, de casaco
longo, a respeito de quem a tripulação do Town-Ho nos falou!” Stubb aludia a uma estranha história
sobre o Jeroboão e um homem da tripulação, relatada há algum tempo, quando o Pequod encontrara
o Town-Ho. De acordo com ela e com o que se soube subsequentemente, parece que aquele
personagem ganhara grande ascendência sobre quase todos no Jeroboão. A história era esta: Ele
fora originariamente educado na insensata doutrina dos Shakers de Neskyeuna, onde se tornara
conhecido como grande profeta. Nas suas irracionais reuniões secretas, tendo várias vezes descido
dos céus através de um alçapão, ele anunciava a iminente abertura do sétimo frasco que carregava
no bolso do casaco. Em vez de pólvora, achavam que continha láudano. Fora tomado por uma
extravagante ideia apostólica e deixara Neskyeuna para ir para Nantucket onde, com a esperteza
peculiar à loucura, assumira um ar de extremo bom-senso exterior e se oferecera como candidato a
noviço na viagem do baleeiro Jeroboão. Foi contratado, mas sua loucura voltou a se manifestar
assim que o navio chegou ao mar aberto, longe da vista da terra firme. Ele se anunciou como o
arcanjo Gabriel e ordenou que o capitão pulasse da amurada. Publicou um manifesto onde se
apresentava como o libertador de todas as ilhas do mar e vigário geral do todos os oceanos. A
tranquilidade imperturbável com que fez essas declarações e todos os terrores sobrenaturais do
delírio real que excitam a imaginação se uniram para envolver esse Gabriel em uma atmosfera de
santidade na mente da maioria daquela tripulação ignorante. Além disso, tinham medo dele. Mas
um homem como aquele não tinha muita utilidade em um navio, sobretudo porque se recusava a
trabalhar, exceto quando tinha vontade. O incrédulo capitão teria se desembaraçado dele com
extrema boa vontade, mas o homem soube que o capitão pretendia desembarcá-lo no primeiro porto
e abriu imediatamente todos os seus selos e frascos – avisando que o navio e toda a tripulação
estariam condenados à perdição incondicional caso o capitão pusesse em prática sua intenção. Foi
tão forte sua influência sobre seus discípulos da tripulação que por fim o grupo todo procurou o
capitão e lhe disse que se Gabriel fosse expulso do navio nem um homem permaneceria a bordo.
Portanto, o capitão foi obrigado a desistir de seu plano. Também não permitiriam que ele fosse
maltratado, dissesse o que dissesse ou fizesse ou que fizesse. Assim, Gabriel passou a contar com
plena liberdade na embarcação. A consequência disso foi que o arcanjo pouco se importava com o
capitão ou com os pilotos e seu poder atingira o auge desde que a epidemia rebentara. Declarou que
a praga, como denominava a epidemia, estava sob seu comando exclusivo e que só terminaria
quando ele assim o desejasse. Os marinheiros, na maioria uns pobres diabos, encolheram-se e
alguns passaram a adulá-lo, prestando-lhe obediência e homenagem como se ele fosse um deus.
Tais coisas podem parecer inacreditáveis, porém, por mais extraordinárias que sejam são
verdadeiras. Na história de fanáticos é menos surpreendente o engano em que eles próprios vivem
que o imenso poder de enganar e confundir tantas pessoas. Mas já é tempo de voltarmos ao Pequod.
“Não temo vossa epidemia, homem”, disse Ahab da amurada para o capitão Mayhew, que se
encontrava em pé na popa do bote. “Pode subir a bordo”.
De repente, Gabriel pôs-se em pé.
“Pensa na febre, amarela e biliosa! Cuidado com a praga horrenda!”
“Gabriel!” gritou o capitão Mayhew; “Precisas...” Nesse instante, uma grande onda enviou o
bote para longe, submergindo o resto da frase.
“Viste a Baleia Branca?” perguntou Ahab quando o bote voltou.
“Pensa em teu navio baleeiro, despedaçado e afundado! Cuidado com a cauda terrível!”
“Gabriel, vou novamente dizer que…” Mas o bote foi arrastado mais uma vez, como que por
demônios. Nada foi pronunciado durante alguns momentos, enquanto rolava uma sucessão de ondas
desordenadas, um desses ocasionais caprichos que faziam o mar convulsionado tombar, não se
levantar. A cabeça pendurada da baleia agitou-se com violência e Gabriel a observou com
apreensão maior do que lhe permitida sua natureza arcangélica.
Findo esse interlúdio, o capitão Mayhew começou uma história sombria sobre Moby Dick,
porém interrompida com frequência por Gabriel, sempre que se mencionava seu nome. O mar
enlouquecido parecia seu aliado.
Parece que logo depois de deixar seu porto de origem o Jeroboão se comunicara com um
navio baleeiro e sua tripulação estava muito bem informada sobre a existência de Moby Dick e da
confusão que ela causava. Absorvendo avidamente essas notícias, Gabriel solenemente aconselhava
o capitão a não atacar a Baleia Branca, caso o monstro fosse visto. Em sua gaguejante insanidade,
declarava que a Baleia Branca era nada menos que a encarnação do Deus dos Shakers, de quem
haviam recebido sua Bíblia. Mas um ou dois anos depois, quando Moby Dick fora vista claramente
do topo dos mastros, Macey, seu piloto chefe, sentiu-se invadido por um ardente desejo de
enfrentá-la, e como o próprio capitão não via inconveniente em lhe permitir aproveitar a
oportunidade, a despeito dos avisos e observações do arcanjo, Macey conseguiu persuadir cinco
homens a tripularem seu bote. Baixou ao mar acompanhado por eles e, depois de muitas manobras
exaustivas, finalmente conseguiu fixar um arpão na baleia. Gabriel subira no mastro grande e
agitava freneticamente o braço, lançando profecias sobre a maldição que logo recairia sobre os
sacrílegos agressores de sua divindade. Pois bem, enquanto o piloto Macey se erguia na proa do
bote com toda energia impetuosa dos homens de sua classe e proferia selvagens exclamações sobre
a baleia enquanto aguardava nova oportunidade para lhe fincar outro arpão, uma enorme sombra
branca se alçou do mar. O rápido agitar de suas barbatanas susteve temporariamente a respiração
dos remadores. No instante seguinte, o infeliz piloto, tão cheio de vida, foi lançado ao ar e,
descrevendo um longo arco em sua descida, caiu no mar à distância de cerca de 50 jardas. Nem uma
tábua do bote foi tocada, mas o piloto afundou para sempre.
É bom abrir parênteses para dizer que, dos acidentes fatais que acontecem com frequência
na pesca do cachalote, este talvez seja um dos mais comuns. Algumas vezes, apenas um homem é
aniquilado enquanto tudo o mais fica isento de qualquer dano. Porém, o mais comum é a proa do
bote ser arrancada ou a tábua em que o matador apoia o pé acompanhar seu corpo. Contudo, a
circunstância mais estranha é o corpo recuperado não apresentar qualquer marca de violência.
A calamidade e a queda do corpo de Macey foram presenciadas pelos tripulantes do navio.
Erguendo um gripo penetrante – “O frasco! O frasco!”, Gabriel impediu que a tripulação
aterrorizada continuasse a perseguir a baleia. Esse terrível acontecimento investiu o arcanjo de
influência ainda maior, pois seus crédulos discípulos acreditavam que ele o previra especificamente
em vez de fazer uma profecia geral que qualquer um poderia fazer, com grande probabilidade de
acertar um dos inúmeros acontecimentos que cabiam em margem tão ampla. Ele se transformou em
um terror inominável para o navio.
Mayhew concluiu sua narrativa e Ahab fez-lhe várias perguntas, de modo que o capitão
estranho não pôde deixar de perguntar se ele pretendia caçar a baleia branca, se tivesse
oportunidade. Ahab respondeu – “Sim”. Gabriel novamente se pôs em pé e exclamou com
veemência, olhando fixamente para o velho enquanto apontava o dedo para baixo – “Reflete, pensa
no blasfemo morto e desaparecido – lembra-te de como acabou o blasfemo!”
Ahab voltou-se friamente e disse a Mayhew: “Capitão, acabo de me lembrar da bolsa de
correspondência. Se não me engano há uma carta para um de teus oficiais. Starbuck, procura na
bolsa”.
Todos os navios baleeiros levam um bom número de cartas para vários navios, cuja entrega
a quem são destinadas depende do mero acaso de encontrá-los nos quatro oceanos. Desse modo, a
maior parte das cartas não encontra seu destinatário, enquanto que muitas delas só são recebidas
dois ou três anos depois, ou decorrido ainda mais tempo.
Starbuck logo voltou com uma carta na mão. Estava bastante amassada, úmida e coberta por
uma camada verde de mofo por ter sido guardada no armário da cabina. A própria morte poderia ter
sido mensageira dessa carta.
Não consegues lê-la?”, exclamou Ahab. “Deixa-me vê-la. Sim, a escrita está muito apagada.
Mas o que é isso?”. Enquanto tentava decifrá-la, Starbuck pegou uma espada longa e fez um
pequeno corte em um dos lados do envelope para ali inserir a espada e poder passá-la para o bote
sem precisar se aproximar mais do navio.
Enquanto isso, segurando a carta, Ahab murmurou: “senhor Har – sim, senhor Harry – (letra
de mulher, posso apostar que é de sua esposa) – Sim – Senhor Harry Macey, Navio Jeroboão. É
para Macey e ele está morto!”
“Pobre coitado! É de sua mulher, mas vou guardá-la”, suspirou Mayhew.
“Não, guarda-a tu mesmo”, gritou Gabriel para Ahab. “Logo seguirás o mesmo caminho”.
“Que tuas maldições te sufoquem!” gritou Ahab. “Capitão Mayhew, aproxima-te para
recebê-la”. Tirando a carta fatal das mãos de Starbuck, encaixou o pequeno corte na lança e a
esticou na direção do bote. Assim que o fez, os remadores pararam de remar. A corrente levou o
barco até a popa do navio de modo que, como por mágica, subitamente a carta ficou ao alcance da
ávida mão de Gabriel. Ele a agarrou imediatamente. Pegando a faca do bote, espetou nela a carta e a
atirou de volta para o navio. Ela caiu aos pés de Ahab. Então Gabriel gritou para seus companheiros
puxarem seus remos e, dessa maneira, o bote amotinado rapidamente se afastou do Pequod.
Depois desse interlúdio os marinheiros voltaram a trabalhar no preparo da baleia, fazendo
vários comentários estranhos sobre aquele bizarro acontecimento.
72. A CORDA DO MACACO
Há muito corre-corre entre a tripulação no tumultuoso negócio de cortar e preparar uma
baleia. São necessárias muitas pessoas e não se pode ficar em um só lugar, pois é preciso realizar
inúmeras tarefas em vários lugares ao mesmo tempo. Algo parecido acontece com quem se dispõe a
descrever a cena. É preciso retroceder um pouco. Já foi mencionado que ao se iniciar o corte no
dorso de uma baleia insere-se um gancho no orifício original aberto pelas pás dos pilotos. Mas
como é possível um gancho se fixar naquele orifício? Esse trabalho foi realizado por meu amigo
Queequeg, cujo dever como arpoador era descer sobre as costas do monstro para fixar o gancho. Em
inúmeros casos, as circunstâncias exigem que o arpoador permaneça sobre a baleia até o final da
operação de esfolamento. É preciso que se diga que a baleia permanece quase inteiramente
submersa, excetuando-se apenas as partes que estão sendo trabalhadas. Assim, o pobre arpoador se
debate mais ou menos dez pés abaixo do convés, metade sobre a baleia, metade na água, enquanto a
massa se revolve como um moinho sob seus pés. Queequeg ali estava em seu traje de montanhês –
camisa e meias – e pelo menos aos meus olhos aquilo parecia ótimo. Como veremos ninguém tinha
melhor oportunidade para observá-lo do que eu.
Sendo remador do bote do selvagem, isto é, a pessoa que puxa o remo em seu bote (o
segundo, a partir da proa), era meu dever assisti-lo durante seu trabalho sobre o dorso da baleia
morta. Provavelmente já vistes esses tocadores italianos de realejo que possuem um macaco
dançante preso a uma corda. Posicionado no costado inclinado, era desse modo que eu segurava
Queequeg no mar. Essa corda que na pesca recebia o nome técnico de “corda do macaco” era presa
a uma longa faixa de lona enrolada em volta da cintura do arpoador.
Para nós dois aquele negócio era ao mesmo tempo perigoso e cômico. Antes de prosseguir,
devo dizer que a “corda do macaco” era fixada nas duas extremidades: de um lado ao cinturão de
Queequeg e do outro ao meu estreito cinto de couro. Desse modo, para o bem ou para o mal,
estávamos temporariamente casados. Se o pobre Queequeg afundasse para não mais voltar, o
costume e a honra exigiam que em vez de cortar a corda eu acompanhasse seu caminho. Assim
sendo, estávamos unidos por uma longa conexão siamesa. Queequeg era meu inseparável irmão
gêmeo e eu não podia me livrar da perigosa responsabilidade a que me obrigava aquele ameaçador
vínculo de cânhamo.
Eu concebia minha situação de modo tão forte e metafísico que ao observar cuidadosamente
seus movimentos parecia notar distintamente que minha própria individualidade agora se fundia em
outra, como se os dois membros formassem uma companhia por ações. Meu livre arbítrio recebera
um golpe mortal e um engano ou a má sorte do outro poderiam fazer com que, inocente, eu
mergulhasse em um desastre não merecido ou até na morte. Compreendi que ali havia uma espécie
de intervalo na Providência, pois sua equidade jamais poderia sancionar tal injustiça. Continuando
ainda com minhas ponderações – enquanto eu o puxava para tirá-lo da posição em que se
encontrava, correndo o risco de ficar preso entre o navio e a baleia, via que minha situação não
diferia da condição de qualquer mortal que respira. A diferença é que na maior parte dos casos cada
qual se une a uma pluralidade de outros mortais através de conexões siamesas. Se vosso banqueiro
falir estareis arruinados; morrereis se vosso farmacêutico cometer um engano e colocar veneno em
vossas pílulas. Sem dúvida direis que agindo com muito cuidado provavelmente escapareis desses e
de outros inúmeros infaustos acontecimentos que ocorrem na vida. Porém, por maior que fosse a
atenção com que eu manejava a “corda do macaco” de Queequeg, às vezes ele dava tamanho puxão
que eu quase caía pela amurada. Não podia me esquecer de que, fizesse o que fizesse, eu só podia
dominar uma de suas extremidades.1
1A corda do macaco é encontrada em todos os navios baleeiros, mas foi apenas no Pequod que o
arpoador e seu auxiliar se ligaram através dela. Essa melhoria em seu uso original foi introduzida
por Stubb, para permitir que o arpoador em perigo tivesse a maior garantia possível de que contava
Já mencionei que muitas vezes precisei retirar o pobre Queequeg da posição em que o
colocava o incessante balanço do navio e da baleia. Mas esse não era o único perigo ao qual ele se
expunha. Sem se perturbarem com o massacre da noite anterior, os tubarões tinham voltado ainda
mais alucinados que antes pelo sangue que fluía da carcaça e as criaturas enlouquecidas pululavam
em torno dela como abelhas em uma colmeia.
Queequeg estava posicionado exatamente entre esses tubarões que às vezes afastava com
seus pés escorregadios. Atraídos pela carcaça da baleia, é incrível que esses carnívoros tubarões
raramente ataquem o homem.
No entanto, é bom acreditar que é melhor ficar atento enquanto eles metem a colher no
prato. Além de contar com meus puxões para livrá-lo de ficar perto demais de um tubarão feroz,
meu pobre amigo ainda tinha outra proteção. Suspensos em uma das plataformas, Tashtego e
Daggoo brandiam continuamente sobre sua cabeça um par de agudas lanças baleeiras com as quais
matavam todos os tubarões ao seu alcance. Para dizer a verdade, admito que esse procedimento era
muito desinteressado e benevolente da parte deles e só desejavam o melhor para Queequeg, mas
como às vezes tanto ele quanto os tubarões ficavam meio escondidos pela água tinta de sangue, suas
lanças imprudentes muitas vezes chegavam perto de amputar uma de suas pernas em vez de cortar
uma cauda. Porém, creio que lutando com o gancho de ferro o pobre Queequeg apenas rezava para
seu Yojo e colocava sua vida nas mãos de seus deuses.
Bem, caro companheiro e irmão gêmeo, pensei enquanto puxava e afrouxava a corda a cada
onda do mar – afinal das contas, o que importa isso? Não és um símbolo precioso para cada um de
nós, neste mundo baleeiro? Este oceano insondável no qual suspiras é a Vida, esses tubarões teus
inimigos, essas lanças tuas amigas, e entre tubarões e lanças tu te encontras em terrível perigo,
pobre rapaz.
Coragem! Há um bom estoque de aplausos para ti, Queequeg. Com os lábios azuis e os
olhos vermelhos, o exausto selvagem finalmente sobe pela corrente e para no convés, escorrendo
água e tremendo involuntariamente. O camareiro se aproxima e com ar benevolente e consolador
oferece-lhe um copo de – quê? Conhaque quente? Não! Santos deuses! Oferece-lhe um copo de
gengibre com água!
“Gengibre? Estou sentindo cheiro de gengibre?” pergunta Stubb desconfiado. “Sim, isso
parece ser gengibre”, diz ele espiando o copo ainda intocado. Incrédulo, caminha tranquilamente na
direção do espantado camareiro, perguntando devagar: “Gengibre? Gengibre? Será que podes fazer
a gentileza de me dizer, senhor Dough, qual a virtude do gengibre para aquecer este trêmulo
canibal? Gengibre! Que diabo é isso! Lenha para queimar? Fósforos de Lúcifer? Isqueiro? Pólvora?
Que diabo é o gengibre, para que ofereças este copo para o pobre Queequeg?”
“Existe por aqui algum movimento oculto da Sociedade pela Temperança?” acrescentou ele
subitamente, aproximando-se de Starbuck que acabara de chegar. “Por favor, olha esta vasilha,
senhor, cheira-a também”. Olhando para o rosto do piloto, acrescentou: “Senhor Starbuck, o
camareiro teve o desplante de oferecer esta mistura de calomelano com jalapa para Queequeg,
assim que ele deixou a baleia. Por acaso o camareiro é farmacêutico, senhor? E posso perguntar se
essa mixilanga vai devolver a vida a um homem meio afogado?”
“Acho que não. Isso não presta”, disse Starbuck.
“Sim, camareiro”, gritou Stubb, “vamos te ensinar a medicar um arpoador. Fora com os
remédios da tua farmácia. Queres nos envenenar? Fizeste para nós um seguro de vida e queres nos
assassinar para receberes o prêmio?”
“Não fui eu”, gritou Dough. Foi a Tia Charity quem trouxe o gengibre para bordo e me fez
jurar jamais dar bebida alcoólica para os arpoadores, apenas esta bebida de gengibre.
“Bebida de gengibre! Patife! Pega essa bebida, corre com ela até os armários e traz algo
melhor. Espero não estar fazendo algo errado, senhor Starbuck. Mas são ordens do capitão – uma
dose para o arpoador que trabalha na baleia”.
“Chega”, replicou Starbuck. “Apenas não bata nele outra vez, mas…”
“Oh, eu não machuco quando bato, exceto quando bato em uma baleia ou algo assim. E este
com a fidelidade e vigilância de seu assistente.
camarada é uma doninha. Mas o que dizias?”
“Apenas isso: vai lá para baixo com ele e pega o que desejares”.
Quando Stubb reapareceu trazia uma garrafa escura em uma das mãos e uma espécie de bule
de chá na outra. A primeira continha uma bebida forte e foi entregue para Queequeg, o segundo era
o presente da Tia Charity e foi entregue às ondas.
73. STUBB E FLASK MATAM UMA BALEIA REAL E
DISCORREM SOBRE O ASSUNTO
Deve-se ter em mente que durante todo esse tempo havia uma cabeça de cachalote
pendurada no costado do Pequod. Vamos deixá-la ali até termos oportunidade de lhe dar atenção.
Por enquanto há outros assuntos importantes e tudo que podemos fazer pela cabeça é rezar aos céus
para que os cabos aguentem.
Pois bem, durante a noite anterior e a manhã daquele dia, o Pequod ficou à deriva na
corrente marítima que, por suas ocasionais manchas amarelas de “brit”, davam sinal evidente de que
havia baleias reais nas vizinhanças. Muitos supunham que aquela espécie de leviatã estaria por ali
exatamente naquela época. Apesar de em geral a tripulação desdenhar a captura dessas criaturas
inferiores, do Pequod não ter sido encarregado de persegui-las, de terem encontrado grande número
delas nas proximidades das Ilhas Crozetts sem baixar um único barco, agora que um cachalote fora
capturado e decapitado, a tripulação se surpreendeu ao ouvir que caçariam uma baleia real naquele
dia, se a oportunidade se apresentasse.
A espera não foi longa. Jorros altos foram vistos a sotavento e dois barcos foram destacados
para persegui-la, os de Stubb e de Flask. Afastando-se cada vez mais, finalmente ficaram quase
invisíveis para os homens de vigia sobre os mastros. Porém, estes subitamente viram ao longe uma
grande agitação branca na água e logo deram a notícia de que um ou ambos os barcos
provavelmente haviam fixado os arpões. Depois de algum tempo os dois barcos surgiram,
arrastados em linha reta pela baleia. O monstro chegou tão perto do navio que a princípio parecia
que o fazia com más intenções, mas ele subitamente mergulhou em um redemoinho, a três vergas de
distância, desaparecendo da vista como se tivesse se escondido sob a quilha. “Cortai! Cortai!”
gritavam do navio para os botes que por um instante pareceram a ponto de colidir mortalmente
contra o costado do navio. Como ainda havia bastante linha nos carretéis e a baleia não afundara
muito depressa, soltaram grande quantidade de corda enquanto remavam com todo empenho para
passar à frente do navio. A| luta foi intensamente crítica durante alguns minutos, pois enquanto
afrouxavam a linha esticada em uma direção e manobravam os remos na outra, as forças contrárias
ameaçavam afundá-los. Mas só tentavam avançar alguns pés e esforçaram-se até conseguir. Um
súbito tremor sacudiu a quilha com a rapidez de um relâmpago, enquanto a corda esticada, roçando
no fundo do navio, de repente apareceu sob a proa, estalando, tremendo e lançando salpicos que
caíam como cacos de vidro sobre a água. A baleia surgiu mais além. Os barcos novamente estavam
livres para voar, mas a baleia exausta diminuiu a velocidade. Alterando cegamente o curso, deu uma
volta completa no navio arrastando os dois botes.
Puxaram ainda mais a linha até conseguirem se aproximar de seu flanco, dos dois lados. A
cada lança fincada por Flask, Stubb respondia fincando sua própria lança, e assim a batalha se
desenvolveu em torno do Pequod. A multidão de tubarões que já rodeara a carcaça do cachalote
agora corria sedenta na direção do fluxo de sangue novo que surgia a cada novo talho, como ávidos
israelitas diante das fontes borbulhantes que brotavam da rocha golpeada.
Finalmente seu jorro tornou-se espesso e, rolando e vomitando assustadoramente, a baleia
virou de costas, morta.
Os dois pilotos iniciaram uma conversa enquanto se ocupavam em prender firmemente as
cordas nas suas barbatanas, preparando-a para ser rebocada.
“Não imagino o que o velho possa querer com este pedaço nojento de toucinho”, disse
Stubb, aborrecido com a perspectiva de lidar com tão desprezível leviatã.
“O que quer com ele?” falou Flask, enrolando um resto de linha na proa do barco. “Nunca
ouviste falar que o navio que ostenta uma cabeça de cachalote a estibordo e uma cabeça de baleia
real a bombordo jamais naufraga?”
“E por que não?”
“Não sei, mas ouvi aquele fantasma amarelo do Fedallah dizer isso e ele parece entender de
sortilégios relacionados com navios. Às vezes acho que ele vai enfeitiçar nosso barco, sem qualquer
vantagem. Não gosto nada daquele sujeito, Stubb. Já notaste que o canino dele parece uma cabeça
de serpente?”
“Lança-o ao mar! Nunca olho para ele, mas se eu tiver oportunidade em uma noite escura,
quando ele estiver perto da amurada sem ninguém por perto, olha lá para baixo, Flask”, disse ele
apontando para o mar com um movimento significativo das duas mãos. “Sim, Flask. Acho que esse
Fedallah é o demônio disfarçado. Acreditas na historia que ele embarcou como clandestino neste
navio? Tenho certeza de que ele é Satanás e se não vemos sua cauda é porque ele a esconde,
enrolada no bolso. Maldito seja! Lembrei-me agora que ele sempre precisa de estopa para encher a
ponta das suas botas”.
“Ele dorme calçado com as botas, não é? E não tem rede. À noite, sempre o vejo deitado
sobre um rolo de corda”.
“Sem dúvida é por causa da maldita cauda. Ele a enrola e esconde no centro do rolo de
corda”.
“O que o velho tanto conversa com ele?”
“Suponho que combinam uma troca ou uma barganha”.
“Barganha? Com o que?”
“Bem, tu sabes que o velho está resolvido a ir atrás daquela Baleia Branca e o demônio está
tentando agradá-lo para conseguir se apossar de seu relógio de prata, de sua alma ou de algo
parecido, dando-lhe Moby Dick em troca”.
“Ora, Stubb, estás caçoando. Como Fedallah pode fazer isso?”
“Não sei, Flask, mas o diabo é um sujeito curioso e malvado. Dizem que uma vez ele rodeou
um velho navio capitania, sacudindo a cauda para todo lado e, com refinamento demoníaco
perguntou se o governador estava lá. Ele estava e perguntou ao demônio o que ele queria.
Retorcendo os cascos, ele respondeu: ‘Quero o John’. ‘E para quê?’ respondeu o velho governador.
‘Que te importa?’ perguntou o demônio enfurecido. ‘Quero usá-lo’. ‘Leva-o’, disse o governador, e
juro por Deus, Flask, se o diabo não o fez pegar cólera antes de acabar com ele engulo esta baleia de
uma só vez. Mas cuidado – está pronto? Muito bem, então puxa para prender a baleia ao costado do
navio”.
“Creio que me lembro de ter ouvido a história que contaste, mas não posso recordar onde
foi”, disse Flask quando, pesados com a carga, finalmente os dois botes começaram a avançar na
direção do navio.
“E os três espanhóis? As aventuras dos três soldados sanguinários? Leste essa história,
Flask? Acho que sim”.
“Não. Jamais vi esse livro e nem ouvi falar dele. Mas dize-me, Achas que esse demônio do
qual estávamos falando há pouco era o mesmo que está agora no Pequod?”
“Não sou o homem que te ajudou a matar esta baleia? O diabo não vive para sempre? Quem
já ouviu dizer que o demônio estava morto? Já viste algum padre vestir luto pelo demônio? E se ele
tem a chave para entrar na cabina do capitão, não achas que ele pode se introduzir pela abertura da
vigia? Reponde, Flask”.
“Quantos anos achas que tem Fedallah, Stubb?”
“Vês o mastro grande, ali?” respondeu Stubb apontando para o navio. “Pois bem, é o
número um. Agora toma todas as argolas existentes no Pequod e faz com elas uma fileira ao longo
do mastro e vai contado. Isso nem começaria a te dar uma ideia da idade de Fedallah. Aliás, nem
todos os aros até hoje fabricados seriam suficientes para te dar ideia da sua idade”.
“Mas olha, Stubb, pelo que disseste há pouco achei que, se tivesses oportunidade, gostarias
de jogar Fedallah ao mar. Se ele é tão velho quanto dizes, e se vai viver eternamente, qual a
vantagem de lançá-lo ao mar?”
“De qualquer modo nós o obrigaríamos a dar um ótimo mergulho”.
“Mas ele voltaria”.
“E nós o jogaríamos de volta, e continuaríamos a jogar”.
“E se ele tivesse a ideia de atirar-te ao mar – sim, e afogar-te – o que farias?”
“Eu gostaria de vê-lo tentar. Eu daria a ele um par de olhos tão enegrecidos que durante um
bom tempo ele não se atreveria a mostrar a cara na cabina do capitão, não caminharia pela coberta
inferior onde dorme, nem por aqui no convés, onde vive se metendo. Maldito seja o demônio, Flask.
Achas que tenho medo dele? Quem tem medo dele a não ser o velho, que não teve coragem de
agarrá-lo e enfiar-lhe em um par de algemas como ele merecia em vez de permitir que ele ficasse
por aí, sequestrando pessoas. Sim, e ainda assinou um pacto com ele de acordo com o qual ele
assaria para o diabo todas as pessoas que ele raptasse. Isso é que é chefe!”
“Achas que Fedallah quer raptar o capitão Ahab?”
“Se eu acho isso? Não tardarás a saber, Flask. Mas vou vigiá-lo com cuidado e se vir algo
suspeito agarro-o pelo pescoço e digo – Olha aqui, Belzebu, para com isso. E se criar confusão, juro
pelo Senhor que enfio a mão no seu bolso para agarrar sua cauda, levo-a até o cabrestante e dou-lhe
um tal safanão que dessa cauda só vai sobrar um toco – então, acho que por estar sem rabo ele
sentir-se-á tão estranho que fugirá sem ao menos a contar com a satisfação de meter o rabo entre as
pernas”.
“E o que farás com a cauda, Stubb?”
“Quando chegar em casa vendo-a como chicote para os bois. Que outra serventia teria ela?”
“Acreditas em tudo que disseste, Stubb?”
“De um modo ou de outro, chegamos ao navio”.
Os botes foram cumprimentados e pediram que pusessem a baleia no costado de bombordo,
onde as correntes para as barbatanas já estavam preparadas para amarrá-la.
“Não te disse?” falou Flask. “Logo verás a cabeça desta baleia real pendurada do lado
oposto à do cachalote”.
Em pouco tempo as palavras de Flask foram confirmadas. Antes o Pequod se inclinara para
o lado da cabeça de cachalote, ele agora recuperava o equilíbrio devido à compensação da outra
cabeça de baleia, apesar de bastante forçado, podeis acreditar. Assim, quando de um lado
levantardes a cabeça de Locke, ficareis inclinados nessa direção; mas se levantardes a cabeça de
Kant do outro lado, voltarás a recuperar o equilíbrio, mesmo que em situação precária. Porém,
algumas pessoas preferem se manter sempre em um tanque de lastro. Loucos! Atirai essas duas
cabeças terríveis pela amurada e vereis que a navegação será leve e exata.
Ao se dispor do corpo de uma baleia real, quando levada para o costado da embarcação
repetem-se os mesmos procedimentos preliminares descritos com o cachalote, com a diferença que,
antes de ser separada inteiramente a cabeça, são extraídos os lábios e a língua, depois levados para o
convés juntamente com o osso negro que se prende ao que é conhecido como ‘coroa’. Mas no
presente caso nada disso foi feito. As carcaças das duas baleias caíram na popa e o navio ficou com
a aparência de uma mula carregando um par de cestos extremamente pesados.
Enquanto isso, Fedallah olhava com calma a cabeça da baleia real e de vez em quando
comparava as rugas profundas que ela ostentava com as linhas de sua própria mão. E Ahab
colocou-se em pé de modo que o parsi1 ficou em sua sombra, enquanto sua própria sombra, se é que
existia, parecia ali estar apenas para se fundir e alongar a de Ahab. Enquanto cortava a baleia, a
tripulação trocava ideias lapônicas sobre todos esses episódios.
[1] A religião Parsi foi fundada na Pérsia há mais de 5 mil anos, por Zoroastro. Fedallah
seria seguidor dessa religião. (N.T)
1- A religião Parsi foi fundada na Pérsia há mais de 5 mil anos, por Zoroastro. Fedallah seria
seguidor dessa religião.
74. A CABEÇA DO CACHALOTE: COMPARAÇÕES
Pois bem, ali havia duas grandes cabeças de baleia, juntas. A elas, vamos juntar as nossas.
Da grande ordem dos leviatãs ‘in-folio’, o cachalote e a baleia real são, de longe, os mais
notáveis. São as únicas baleias regularmente caçadas pelo homem. Para os naturais de Nantucket
representam os dois extremos de todas as variedades conhecidas da baleia. Das diferenças externas
entre elas, a mais marcante é relativa à cabeça, e como naquele momento havia uma cabeça de cada
espécie pendurada nos dois lados do Pequod, podíamos ir livremente de uma para a outra apenas
atravessando o convés. Eu gostaria de saber onde se poderia encontrar oportunidade melhor para
realizar um estudo prático de cetologia que naquele local?
Em primeiro lugar, o que mais chama a atenção é o contraste entre as cabeças. Ambas são
maciças, mas há certa simetria matemática na do cachalote que infelizmente falta na da baleia real.
A cabeça do cachalote possui mais caráter. Ao contemplá-la nós involuntariamente a consideramos
imensamente superior a da outra devido à penetrante dignidade que apresenta. Naquele momento,
aquela dignidade era ampliada pela coloração grisalha de seu topo, que lhe dava aparência de idade
avançada e grande experiência. Resumindo, era o que os pescadores tecnicamente chamam de uma
“cabeça encanecida”.
Vamos observar o que é menos diferente nas duas cabeças – isto é, os dois órgãos mais
importantes: os olhos e os ouvidos. Bem atrás, nos dois lados da cabeça, colocados na porção
inferior da cabeça, perto do ângulo com a mandíbula, há dois olhos sem pálpebras que se parecem
com os de um potro novo, por serem tão desproporcionais com relação ao tamanho da cabeça.
Pela posição peculiar dos olhos ao lado da cabeça, é claro que a baleia não consegue ver um
objeto que esteja exatamente à sua frente ou atrás de si. Resumindo, a posição dos olhos de uma
baleia corresponde à dos ouvidos em um ser humano, e assim podeis imaginar a dificuldade na qual
vos encontraríeis se tivésseis que enxergar objetos através de vossas orelhas. Logo perceberíeis que
só haveria cerca de 30 graus de visão à vossa frente, a partir de uma linha reta lateral, e cerca de 30
graus para trás. Se em pleno dia vosso pior inimigo se aproximasse diretamente de vós com uma
adaga levantada não conseguiríeis vê-lo, do mesmo modo como não se consegue enxergar quem se
aproxima por trás, à traição. É como se ela possuísse duas costas e ao mesmo tempo duas frentes
(frentes laterais), pois o que determina a frente de um homem senão seus olhos?
Além do mais, enquanto na maioria dos outros animais os olhos são implantados de modo a
poder fundir seus campos visuais, produzindo uma única imagem no cérebro, não duas, a posição
peculiar dos olhos de uma baleia, efetivamente divididos por vários metros cúbicos de cabeça sólida
que se erguem entre eles como uma imensa montanha dividindo dois lagos, cada qual em seu vale;
isso naturalmente deve separar as impressões que cada órgão transmite separadamente. Portanto, a
baleia deve ver uma imagem distinta de cada lado, enquanto que o centro deve ser a mais profunda
escuridão. Certamente poder-se-ia dizer que o homem observa o mundo a partir de uma guarita com
duas vidraças unidas em uma janela. Mas a baleia, com duas vidraças inseridas em lados separados,
tem duas janelas distintas, o que prejudica sua visão. Essa peculiaridade quanto aos olhos da baleia
é algo a ter em mente durante a pesca, e o leitor deve se lembrar disso ao ler algumas das cenas
subsequentes.
Também se pode abordar outra questão curiosa e interessante relativa ao assunto da visão do
leviatã, mas vou apenas mencioná-la. Quando os olhos de um homem se abrem para a luz, o ato de
ver é involuntário, isto é, ele não pode deixar de perceber os objetos que estão diante dele.
Entretanto, nossa experiência nos ensinou que apesar de podermos observar indiscriminadamente
vários objetos com um olhar rápido é quase impossível examinar atenta e completamente dois
objetos ao mesmo tempo, não importando seu tamanho, mesmo que estejam um ao lado do outro.
Mas se separarmos esses dois objetos e rodearmos cada um deles em um círculo de profunda
obscuridade para examiná-lo com muita concentração o outro será totalmente excluído de nossa
consciência contemporânea. Mas o que se passa com a baleia? Na verdade, seus dois olhos devem
trabalhar simultaneamente, mas será que a baleia possui um cérebro mais sutil e com maior
capacidade de associação que o cérebro humano, que lhe permite examinar atenta e
simultaneamente dois objetos distintos em dois lugares opostos? Se for esse o caso, é maravilhoso.
Seria como um homem acompanhar ao mesmo tempo a demonstração de dois teoremas de Euclides,
totalmente diferentes. Mesmo estritamente investigada, não há qualquer incongruência nessa
comparação.
Essa talvez não seja mais que uma ideia excêntrica e fútil, mas sempre me pareceu que as
extraordinárias vacilações nos movimentos de algumas baleias, quando assediadas por três ou
quatro botes, e a timidez e a tendência a temores infundados, tão comuns a essas baleias, procedem
indiretamente da impotente perplexidade de escolha na qual as lançam seus poderes de visão
absolutamente opostos.
Os ouvidos de uma baleia são tão curiosos quanto seus olhos. Se não souberdes
absolutamente nada sobre seus ouvidos vós os procurareis durante horas sem conseguir descobrir
esse órgão. O ouvido não possui pavilhão externo e o próprio orifício é tão pequeno que nele seria
difícil introduzir uma pena. Está localizado um pouco além do olho. Com relação aos ouvidos, há
uma importante diferença a ser observada entre o cachalote e a baleia real. Enquanto o ouvido do
primeiro tem uma abertura externa, o da segunda se encontra inteiramente coberto por uma
membrana e é imperceptível externamente.
Não é curioso que um ser tão vasto quanto uma baleia veja o mundo através de olhos tão
pequenos, e ouça os trovões através de um ouvido menor que o de uma lebre? Porém, se seus olhos
fossem tão grandes quanto as lentes do grande telescópio de Herschel e seus ouvidos fossem da
largura dos pórticos das catedrais, isso tornaria sua visão mais clara e sua audição mais aguçada?
De modo algum. Então, por que tentar “ampliar” vossas faculdades mentais? Melhor seria torná-las
mais sutis.
Utilizando todas as alavancas e máquinas a vapor de que dispomos, viremos a cabeça do
cachalote para o outro lado para podermos ver a parte inferior. Em seguida, subamos por uma
escada para examinar a boca. Se o corpo não estivesse totalmente separado dela, poderíamos descer
até a grande Caverna de Mamutes de Kentucky que é seu estômago. Mas vamos nos contentar em
ficar perto de seus dentes e examiná-los. Que boca belíssima e casta! É branca e brilhante, de cima
abaixo revestida por uma fulgurante membrana branca, cintilante como um cetim nupcial.
Saiamos dela e examinemos a portentosa mandíbula inferior, que parece a longa e estreita
tampa de uma imensa caixa de rapé, com a dobradiça colocada na extremidade, não em um dos
lados. Se a abrirmos e expusermos suas carreiras de dentes eles parecerão as terríveis pontes
levadiças de um castelo, e o são para muitos de seus pescadores sobre os quais essas estacas se
fecharam com a força de uma empalação. Porém, o maior terror é ver uma baleia irritada a algumas
braças de profundidade, flutuando com sua prodigiosa mandíbula de cerca de 15 pés de
comprimento aberta em ângulo reto com seu corpo, exatamente com a bujarrona de um navio. Essa
baleia não está morta, está apenas desanimada, talvez seja hipocondríaca e tão indiferente ao
relaxamento daquela dobradiça que a deixa em uma espécie de pose desajeitada, uma repreensão a
toda sua tribo que, sem dúvida, deve tê-la amaldiçoado com a imobilidade da mandíbula.
Na maioria dos casos, essa mandíbula inferior – que se solta facilmente ao ser manejada por
um artista experiente – é separada e içada ao convés para que sejam extraídos os dentes de marfim e
o forte osso branco com o qual os pescadores fabricam toda espécie de artigos curiosos, inclusive
bengalas, cabos para guarda-chuvas e chicotes de montaria.
Depois de um longo e cansativo içamento, a mandíbula é levada para bordo como se fosse
uma âncora, e quando chega o tempo correto – alguns dias depois do corte – Queequeg, Daggoo e
Tashtego, sendo dentistas de primeira ordem, são encarregados de extrair os dentes. Com uma
afiada lança baleeira, Queequeg corta a gengiva e, em seguida a mandíbula é atada a
anéis-parafusos e, através de um aparelho colocado no alto, são arrancados os dentes, exatamente
como os bois de Michigan arrancam tocos de velhos carvalhos dos bosques selvagens. Nas baleias
idosas em geral há 42 dentes bastante desgastados mas perfeitos, sem cáries nem obturações, como
os nossos. A mandíbula então é cortada em placas que são empilhadas como vigas destinadas à
construção de casas.
75. A CABEÇA DA BALEIA REAL: CONTRASTES
Vamos atravessar o convés para examinar com cuidado a cabeça da baleia real.
Em geral o formato da cabeça do nobre cachalote pode ser comparado ao um carro de guerra
romano (sobretudo por sua fronte ampla e arredondada). Já a cabeça da baleia real é bastante
deselegante e se parece com um sapato gigantesco com um bico semelhante a uma galeota. Há
duzentos anos um velho viajante holandês comparou seu contorno com o de uma forma de
sapateiro. Mas nessa forma de sapateiro a velha dos contos infantis poderia ser alojada com todo
conforto, juntamente com toda sua prole.
Contudo, ao nos aproximarmos dessa cabeça ela começa a assumir diferentes aspectos,
dependendo de nosso ponto de observação. Se estiverdes em pé sobre ela e olhardes para seus dois
respiradouros em forma de F, tomareis a cabeça toda por um enorme violoncelo, os espiráculos
fazendo as vezes das aberturas em sua caixa harmônica. Mas se fixardes os olhos na estranha e
proeminente incrustação semelhante a uma crista no topo de sua cabeça, essa coisa verde que parece
infestada por craca, que os groenlandeses chamam de “coroa” e os pescadores do Sul denominam
“gorro” da baleia real, vós confundiríeis a cabeça com o tronco de um imenso carvalho com um
ninho de pássaro alojado na forquilha. De qualquer modo, pelos caranguejos vivos que se alojam
naquele “gorro”, essa ideia certamente vos ocorrerá, a menos que vossa fantasia tenha preferido
adotar “coroa” como o termo técnico para designá-lo e, nesse caso, tereis grande interesse em
pensar que esse monstro poderoso realmente é o rei coroado do mar, e que a coroa verde que
ostenta lhe foi concedida de modo prodigioso. Porém, se essa baleia for um rei, possui aspecto por
demais sisudo para que o diadema lhe caia bem. Vede seu lábio inferior pendente! Que mau humor,
que descontentamento! Medidos por um carpinteiro, esse mau humor e descontentamento têm cerca
de 20 pés de comprimento por cinco pés de profundidade e costumam render 500 galões de azeite,
ou mais.
É uma grande pena que essa infortunada baleia tenha lábio leporino. A fissura tem cerca de
um pé de largura. Provavelmente sua mãe estava nadando ao longo das costas do Peru quando um
terremoto fez com que a praia se abrisse. Deslizamos para dentro da boca passando por esse lábio,
como se atravessássemos uma escorregadia soleira de porta. Dou minha palavra de honra que se nós
estivéssemos em Mackinaw eu tomaria seu interior por uma palhoça indígena. Santo Deus! Foi essa
a estrada tomada por Jonas? O teto tem cerca de 12 pés de altura e termina em ângulo agudo, como
se ali houvesse uma cumeeira normal, enquanto as laterais estriadas, arqueadas e peludas nos
apresentam aquelas maravilhosas placas de barba de baleia, mais ou menos 300 de cada lado,
suspensas da parte superior da cabeça ou osso da coroa, formando as venezianas que mencionamos
anteriormente de modo superficial. As bordas desses ossos são ornadas com franjas de fibras
peludas através das quais a baleia real filtra a água e em cujo emaranhado ela retém os peixes
pequenos quando, com a boca aberta, atravessa os mares de brit para se alimentar. A parte central é
formada por placas que parecem biombos ósseos. Quando posicionadas em sua ordem natural,
mostram certas marcas curiosas, curvas, cavidades e sulcos por meio dos quais alguns baleeiros
conseguem calcular a idade da criatura, mais ou menos como se calcula a idade de um carvalho
pelos anéis concêntricos de seu tronco. Apesar de não se poder provar a exatidão desse critério, ele
possui probabilidades analógicas. De qualquer modo, se o adotarmos devemos atribuir à baleia real
uma idade bem mais avançada do que pareceria razoável, à primeira vista.
No passado havia muitos conceitos curiosos relativos a esses biombos. Na obra Purchas, um
viajante refere-se a eles como os maravilhosos “bigodes” existentes dentro da boca da baleia; 1 outro
o denomina de “cerdas”; um terceiro cavalheiro de Hackluyt utiliza a seguinte linguagem elegante:
1- Isso nos lembra de que, na verdade, a baleia real possui uma espécie de bigode que consiste em
alguns pelos brancos espalhados pela parte superior de sua mandíbula inferior. Certas vezes sua
fisionomia, em geral solene, assume uma expressão de salteador devido a esses tufos.
“Há cerca de 250 barbatanas crescendo de cada lado de sua ‘costeleta’ superior, que se arqueiam
sobre a língua, dos dois lados da boca”.
Como todos sabem essas cerdas, barbatanas, bigodes, venezianas ou o vocábulo que usemos
para designá-las, fornecem às senhoras seus espartilhos e outras invenções elegantes da moda. Mas
nesse particular, a demanda está em declínio. Na época da Rainha Anne as barbatanas conheceram
dias de glória, pois todas as damas usavam anquinhas. E enquanto essas antigas damas andavam
alegremente por aí, por assim dizer apertadas nas mandíbulas da baleia, hoje em dia, inconscientes
do seu significado, nós nos protegemos de uma chuvarada sob essas mesmas mandíbulas, pois o
guarda-chuva nada mais é que uma tenda estendida sobre aqueles mesmos ossos.
Mas por enquanto esqueçamos tudo sobre venezianas e bigodes e, em pé na boca da baleia
real, olhemos em torno novamente. Vendo todas essas colunatas de ossos, tão metodicamente
arranjadas, poderíamos julgar que estávamos dentro de grande órgão de Haarlen observando seus
milhares de tubos. Como carpete desse órgão veríamos o mais suave dos tapetes da Turquia – a
língua colada no chão da boca. Muito gordurosa e suave, ao ser içada para bordo do navio ela pode
se desfazer em pedaços. Eu diria que essa língua pode render mais ou menos seis barris de azeite.
De acordo com isso, podeis ver claramente a verdade de minhas declarações – o cachalote e
a baleia real possuem cabeças totalmente diferentes. Resumindo, a baleia real não contém grande
quantidade de espermacete, não possui dentes de marfim e não tem a longa e delicada mandíbula do
cachalote. E o cachalote não possui essas venezianas ósseas, não tem aquele enorme lábio inferior e
sua língua é muito pequena. Além disso, a baleia real possui dois espiráculos enquanto que o
cachalote possui um único.
Contemplemos pela última vez essas venerandas cabeças encapuzadas enquanto estão
juntas, pois logo uma irá afundar no mar sem deixar qualquer vestígio e a outra não tardará muito a
segui-la.
Vistes a expressão do cachalote? É a mesma que ostentava ao morrer, apenas algumas das
rugas mais longas em sua fronte parecem mais apagadas. Creio que sua ampla testa está repleta de
placidez praieira, surgida de uma especulativa indiferença pela morte. Porém, prestai atenção à
expressão da outra cabeça. Vede o espantoso lábio inferior, comprimido acidentalmente contra o
costado do navio, como que para abraçar firmemente a mandíbula. Não vos parece que toda essa
cabeça parece falar de uma resolução prática e imensa de enfrentar a morte? Parece-me que essa
baleia real simboliza um estoico enquanto que o cachalote seria um platônico que nos últimos anos
de vida poderia ter adotado Espinosa.
76. O ARIETE
Antes de deixar por um instante a cabeça do cachalote, gostaria que vós, como fisiologistas
inteligentes, prestásseis atenção ao seu aspecto frontal, em toda sua compacta tranquilidade.
Gostaria que vós a examinásseis com a única intenção de estimar, por vós mesmos e sem exagero, o
tremendo poder de aríete ali armazenado. Este é um ponto vital, portanto deveis resolver esse
assunto de modo satisfatório ou permanecer para sempre incrédulos com relação a um dos
acontecimentos mais espantosos, porém verdadeiros, dentre os registrados na história.
Observareis que na posição costumeira em que o cachalote nada a parte frontal de sua
cabeça apresenta um plano quase totalmente vertical com relação à água, e a parte mais baixa da
fronte pende consideravelmente para trás de modo a providenciar uma inclinação maior para a
longa abertura em que se encaixa a mandíbula inferior. Podereis observar que a boca se encontra
inteiramente sob a cabeça, na verdade, como se vossa própria boca estivesse localizada sob o
queixo. Além disso, vereis que a baleia não possui nariz externo, e o nariz que possui – seu
espiráculo – está no topo da cabeça. Também observareis que seus olhos e ouvidos estão
localizados nas laterais da cabeça, no primeiro terço do comprimento total da fronte. Por
conseguinte, vós agora percebeis que a fronte de um cachalote é uma parede nua e cega, sem
qualquer órgão ou proeminência. Além disso, deveis agora considerar que não existe qualquer
vestígio ósseo fora da extremidade inferior inclinada para trás, a partir da frente da cabeça, e é
preciso que nos posicionemos a cerca de 20 pés da testa para notar o total desenvolvimento
craniano. Toda essa enorme massa sem ossos é uma espécie de acolchoado. Finalmente, como logo
será revelado, parte de seu conteúdo é o mais fino azeite, mas já sabeis a natureza da substância que
tão impregnavelmente envolve toda essa aparente qualidade efeminada. Já descrevi o invólucro de
espermacete que cobre o corpo da baleia comparando-a à casca de uma laranja. O mesmo acontece
com a cabeça, com a diferença que, nesta, a camada não é tão espessa, mas sua dureza é
extraordinária, inestimável para qualquer homem que não a tenha manuseado. O mais pontiagudo
arpão, a lança mais afiada arremessada pelo braço humano mais forte ricocheteia de modo
impotente nessa cabeça. É como se a fronte de um cachalote fosse forrada com cascos de cavalo.
Não creio que ele sinta qualquer coisa nessa região.
Pensai também em outra coisa. Quando dois grandes navios indianos carregados estão
prestes e se chocar nas docas, esmagando-se mutuamente, o que fazem os marinheiros? Eles não
colocam entre eles, no provável ponto de contato, qualquer substância dura como ferro ou madeira.
Não, eles empregam um grande acolchoado redondo recheado de estopa e cortiça, feito do mais
espesso e resistente couro de boi. Isso resiste bravamente e impede que todas as suas alavancas de
carvalho e barras de ferro se partam, além de ilustrar suficientemente o fato óbvio que tento
demonstrar. Como complemento, ocorreu-me a hipótese de que como os peixes comuns possuem o
que se denomina de bexiga natatória, que se distende e contrai à vontade, e que eu saiba o cachalote
não a possui, e também considerando que ele afunda inexplicavelmente a cabeça sob a água antes
de levantá-la bem acima da superfície para nadar, e considerando a elasticidade perfeita do
envoltório, além do interior único de sua cabeça, ocorre-me a hipótese de que essas míticas células
alveolares que se assemelham às do pulmão talvez tenham uma conexão insuspeita com o ar
exterior, sendo suscetíveis à distensão e contração atmosférica. Se essa hipótese estiver correta,
imaginai o poder irresistível dessa força para a qual a qual contribui o mais impalpável e destrutivo
de todos os elementos.
Pois bem, notai que esse muro imóvel, inexpugnável e indestrutível, cujo interior possui
imensa capacidade de flutuação, é impelido pela tremenda massa vital que só pode ser
adequadamente estimada pela comparação com madeira empilhada e medida com o auxílio de uma
corda, mas obedece a uma única vontade, como acontece com o mais ínfimo inseto. Portanto,
quando eu descrever em detalhes todas as características e concentrações de potência que existem
em todas as partes desse monstro imenso, quando eu vos mostrar algumas de suas incríveis façanhas
intelectuais, tenho certeza de que renunciareis a toda ignorante incredulidade e, sem elevar um
único fio de vossas sobrancelhas, estareis prontos a aceitar que o cachalote abriu a passagem do
Istmo de Darien e misturou as águas do Atlântico às do Pacífico. Sem conhecerdes profundamente a
baleia continuareis a ser provincianos e sentimentalistas com relação à Verdade. Mas se a Verdade
nua é algo que apenas as salamandras gigantes encontram, que probabilidade teriam os
provincianos? O que sucedeu ao ingênuo jovem que ousou levantar o temível véu da deusa, em
Lais?
77. O GRANDE TONEL DE HEIDELBERG
Agora chega a hora do Esvaziamento do Tonel. Mas para compreendê-lo bem, é preciso que
saibais algo sobre a curiosa estrutura interna do órgão com o qual lidamos.
Considerando a cabeça do cachalote como um sólido oblongo, vós podeis, em um plano
inclinado, dividi-la em dois quoins1, onde a parte inferior é a estrutura óssea formada pelo crânio e
pelas mandíbulas, e a parte superior uma oleosa massa sem ossos. A base anterior forma a ampla
fronte vertical aparente da baleia. O centro da fronte subdivide horizontalmente esse quoin superior
em duas partes praticamente iguais. Internamente, essas duas partes já eram naturalmente divididas
por uma parede interna de tecido semelhante ao que forma os tendões.
A parte inferior dessa subdivisão, denominada junco, é um imenso favo de óleo formado
pelo entrecruzamento de fibras brancas e elásticas que enchem milhares de células. A superior,
conhecida como Tonel, pode ser considerada como o grande Tonel de Heidelberg do cachalote. E
assim como esse famoso grande “tierce”2 ostenta gravuras místicas na parte dianteira, a imensa
fronte enrugada forma vários desenhos curiosos, ornamentos simbólicos desse seu tonel
maravilhoso. Além disso, como o tonel de Heidelberg estava sempre repleto dos mais excelentes
vinhos do vale do Reno, o do cachalote contém o mais precioso óleo, isto é, o espermacete em seu
estado mais puro, cristalino e aromático. Essa substância preciosa não é encontrada em nenhuma
outra parte da criatura. Apesar de permanecer perfeitamente fluida enquanto a baleia está viva,
depois de sua morte, exposta ao ar, ela começa a se condensar em belos botões transparentes, como
o primeiro gelo fino e delicado que se forma na superfície da água. Um barril de grandes proporções
em geral contém cerca de 500 galões de óleo, mas devido a circunstâncias inevitáveis, parte
considerável desse óleo cai, vasa, respinga ou se perde durante a difícil tarefa de recolhê-lo.
Não sei qual era o material fino e precioso que forrava o Tonel de Heidelberg, mas estou
certo de que a riqueza superlativa desse forramento jamais poderia ser comparada à da membrana
sedosa e perolada que, como uma fina peliça, forra a superfície interior do tonel do cachalote.
Vimos que esse Tonel de Heidelberg abrange todo o comprimento do topo da cabeça da
baleia e, como já explicamos, a cabeça corresponde a um terço do comprimento total da criatura.
Admitindo-se que uma baleia de bom tamanho meça 82 pés, a profundidade desse tonel excederá 26
pés, com o animal pendurado ao longo do costado de um navio.
Ao se decapitar uma baleia, o instrumento do operador passa muito perto do local onde será
cavada uma entrada para o depósito de espermacete. Portanto, ele precisará ser extremamente
cuidadoso, pois uma incisão mal feita e fora de hora invadirá esse santuário e exporá seu conteúdo
valioso, que se derramará. Essa região da cabeça é logo erguida para fora da água e mantida nessa
posição pelos enormes aparelhos de cortar, cujas inúmeras cordas de cânhamo formam um
emaranhado nesse local do navio.
Dito isso, peço-vos para acompanhar essa maravilhosa operação (neste caso, quase fatal) de
esvaziamento do grande Tonel de Heidelberg do cachalote.
1- Quoin não é um termo euclidiano. Ele pertence à matemática pura. Não sei se foi definido
anteriormente. Um quoin é um sólido que difere de uma cunha por ter sua ponta aguda formada pela
inclinação de apenas um de seus lados, em vez de haver inclinação dos dois lados.
2- “Tierce” é uma antiga unidade inglesa de volume, equivalente a 158,987295 litros.
78. A CISTERNA E OS BALDES
Ágil como um gato, Tashtego sobe até o topo do mastro e, sem alterar sua postura ereta,
corre diretamente para o braço da verga maior, suspenso exatamente sobre o Tonel içado. Carrega
consigo um aparelho leve chamado chicote, formado por apenas duas partes: uma roldana e uma
corda que passa por ela. Essa roldana é presa de modo a pender do cabo da verga e balança na ponta
da corda até ser firmemente agarrada por um marinheiro no convés. Então, passa de uma para outra
mão até chegar do outro lado, quando o índio a agarra para descer até o topo da cabeça do
cachalote. Ali, bem elevado acima do resto dos marinheiros para os quais ele lança gritos vivazes,
parece um muezin turco no topo de uma torre, chamando o bom povo para as preces. Enviam-lhe
uma afiada pá de cabo curto com a qual ele diligentemente procura o local adequado para acessar o
Tonel. Realiza essa tarefa com toda atenção, como um caçador de tesouros em uma casa antiga,
examinando as paredes para encontrar o ouro escondido. Quando termina sua busca cuidadosa,
ata-se a uma ponta do chicote um reforçado balde de ferro, exatamente igual a um balde de poço.
Esticada sobre o convés, a outra ponta é segura por dois ou três marinheiros alertas. Estes últimos
içam o balde que é apanhado por Tashtego, a quem outra pessoa entrega uma longa vara. Inserindo
a vara no balde, Tashtego o guia para dentro do Tonel, até ele desaparecer por completo. Logo
depois dá uma ordem aos marinheiros que seguram o chicote e o balde reaparece, borbulhando
como um jarro de leite recém-ordenhado. Depois de baixado cuidadosamente o recipiente cheio é
apanhado por um marinheiro designado para esse serviço, e rapidamente esvaziado em um grande
barril. Em seguida o balde é novamente levantado e a operação se repete até a funda cisterna ficar
vazia. Aproximando-se o final da operação, Tashtego tem que afundar a vara cada vez mais no
Tonel, até uns 20 pés desta desaparecerem dentro dele.
Depois de o pessoal do Pequod trabalhar desse modo durante algum tempo, enchendo vários
barris com o perfumado espermacete, deu-se um acidente estranho. Talvez Tashtego, o índio
selvagem, tenha se descuidado e soltado temerariamente a mão que segurava um dos grandes cabos
do aparelho que mantinham a cabeça suspensa, ou o local onde ele se encontrava estava
traiçoeiramente escorregadio, ou o próprio demônio decidira que ele devia cair, sem declarar suas
razões particulares. O certo é que de repente, enquanto subia o décimo oitavo ou décimo nono barril
– meu Deus! O pobre Tashtego caiu de cabeça para baixo dentro do grande Tonel de Heidelberg e
com um horrível gorgolejo oleoso desapareceu de nossa vista!
“Homem ao mar!” gritou Daggoo, o primeiro a recuperar o sangue frio em meio à
consternação geral. “Passai o balde para cá!” Colocando um pé dentro dele para segurar com mais
firmeza o chicote escorregadio, foi içado para o topo da cabeça do cachalote quase antes do índio
chegar ao fundo de seu interior. Nesse momento formou-se um terrível tumulto. Olhando por sobre
a amurada, viram a cabeça sem vida agitar-se e balançar abaixo da superfície do mar como se
tomada por uma ideia monumental. Era apenas o pobre índio revelando inconscientemente a
perigosa profundidade em que caíra.
Nesse instante, enquanto no topo da cabeça Daggoo desembaraçava o chicote que de algum
modo se enroscara nos cabos do aparelho, ouviu-se um estalido agudo e, para inenarrável horror de
todos, um dos dois enormes ganchos que sustinham a cabeça se soltou e com imensa vibração a
enorme massa rolou para o lado. Parecendo bêbado, o navio cambaleou e trepidou como se tivesse
sido atingido por um iceberg. O gancho remanescente do qual agora dependia todo o esforço
parecia a ponto de ceder, principalmente devido aos violentos movimentos da cabeça.
“Desce, desce”, gritavam os marinheiros para Daggoo. Mas o negro segurava com uma das
mãos os pesados cabos de modo a continuar pendurado se a cabeça se soltasse. Depois de
desembaraçar as cordas, ele enfiou com força o balde no poço agora desmoronado para que o
arpoador sepultado pudesse agarrar-se a ele para ser içado para fora.
“Em nome dos céus, homem”, gritou Stubb, “estás metendo munição em uma pistola?
Basta! Como irás ajudá-lo enfiando esse balde de ferro na cabeça? Basta!”
“Cuidado com o aparelho” gritou uma voz que parecia a explosão de um foguete.
Quase no mesmo instante, com um ruído de trovão a enorme massa caiu no mar como a
Table-Rock1 do Niágara precipitando-se no redemoinho do rio. Subitamente liberado, o casco do
Pequod se afastou dela e se inclinou tanto que seus brilhantes revestimentos de cobre roçaram a
água e todos prenderam a respiração vendo Daggoo oscilar como um pêndulo, enquanto o pobre
Tashtego era levado para o fundo do oceano. Porém, a neblina mal se dissipara quando uma figura
nua, com um sabre na mão, pareceu pairar por um momento sobre a amurada. No instante seguinte,
um ruidoso mergulho anunciou que meu bravo Queequeg submergira para resgatá-lo. Todos os
homens correram para aquele lado da amurada, contando cada ondulação da água enquanto os
momentos se sucediam e não havia sinal do afogado nem do mergulhador. Alguns marinheiros
pularam para dentro de um bote e se afastaram um pouco do navio.
“Ha! ha!” gritou Daggoo de repente, do poleiro agora tranquilo e oscilante. Olhando para
aquele lado, vimos um braço esticado aparecer no meio das ondas azuis. Uma visão estranha.
Parecia um braço surgido da relva de um túmulo.
“Os dois! – os dois!” – gritou novamente Daggoo alegremente. Logo Queequeg foi visto
nadando corajosamente com uma das mãos, enquanto a outra agarrava os longos cabelos do índio.
Puxado para dentro do bote que os esperava, ambos foram rapidamente levados ao convés, mas
Tashtego demorou a voltar a si e Queequeg também não parecia muito animado.
Mas como se realizara esse nobre salvamento? Pois bem, mergulhando atrás da cabeça que
afundava lentamente, Queequeg usara sua afiada espada para abrir um grande orifício perto do
fundo da massa. Depois, largando a espada, enfiara seu braço longo no interior da cabeça, tateando
por toda parte até agarrar a cabeça do pobre Tashtego para puxá-lo para fora. Ele depois nos contou
que primeiro conseguira apanhar uma perna, mas sabendo que aquele não era o modo correto de
retirá-lo dali, pois poderiam se apresentar grandes inconvenientes, ele largara a perna e com um
hábil puxão virara o índio do outro lado para que pudesse sair pelo lado certo – a cabeça primeiro.
Quanto à grande cabeça do cachalote, aconteceu com ela o que se esperava.
E assim, pela coragem e grande habilidade obstétrica de Queequeg a liberação, ou melhor, o
parto de Tashtego foi realizado com sucesso, apesar dos desesperadores impedimentos, o que se
constituiu em lição inesquecível. A arte de realizar um parto deveria ser ensinada juntamente com a
esgrima, o boxe, a equitação e o remo.
Sei que essa aventura estranha do índio de Gay-Head parecerá inacreditável para alguns
habitantes da terra firme, apesar de eles mesmos terem visto ou ouvido histórias sobre a queda de
alguém em uma cisterna – acidente que acontece com certa frequência. Em casos como o do índio,
esses acidentes são bem menos raros devido à borda escorregadia da cisterna de um cachalote.
Porém, alguém poderá perguntar com muita sagacidade como isso pode acontecer.
Pensávamos que a cabeça tecida e infiltrada de um cachalote fosse sua parte mais leve e flutuante, e
agora afirmas que ela afundou em um elemento de peso específico muito maior que o dela. Nós te
apanhamos, aqui. Não, nada disso. Quando o pobre Tashtego caiu dentro dela, a cabeça já fora
quase completamente esvaziada de seu conteúdo mais leve, deixando pouco mais além das paredes
do poço, semelhantes a tendões – uma substância que, como já foi dito, é muito mais pesada que a
água do mar, um pedaço que afunda como se fosse chumbo. Em nosso caso, a tendência da
substância afundar depressa estava materialmente contrabalançada pelas outras partes da cabeça que
ainda não haviam sido separadas e por isso ela afundou muito devagar e deliberadamente,
permitindo que Queequeg tivesse oportunidade de realizar seu rápido parto, por assim dizer. Sim,
sem dúvida aquele foi um parto arriscado.
Pois bem, se Tashtego tivesse perecido naquela cabeça, teria morrido de modo muito
luxuoso, sufocado no mais alvo, delicado e perfumado espermacete, colocado em um ataúde e
sepultado na mais secreta e sagrada câmara interior da baleia. Lembro-me apenas de um fim mais
1- Table Rock era uma grande plataforma de rocha que se projetava a partir da costa canadense das
Cataratas do Niágara, ponto turístico no final do século 18 até o ano de 1818, quando a primeira
parte da rocha desmoronou seguida por quedas menores em 1828 e 1829. A maior avalanche se deu
em 1850, quando o que restava da rocha se precipitou na Garganta do Niágara.
suave – a deliciosa morte de um caçador de mel em Ohio, que procurava mel na forquilha de um
oco de árvore e encontrou tal quantidade dessa substância que, inclinando-se demais para ele, foi
sugado para o interior e morreu embalsamado. Quantas pessoas terão caído na cabeça de mel de
Platão, ali expirando docemente?
79. O PRADO
Nenhum fisionomista ou frenologista examinou as linhas da face ou sentiu as protuberâncias
da cabeça desse leviatã. Essa é uma tarefa que pareceria quase promissora quanto à de Lavater 1,
quando examinou as reentrâncias da Rocha de Gibraltar, ou de Gall 2, quando subiu uma escada para
estudar o Domo do Panteão. Em sua famosa obra, Lavater não só trata das várias faces do homem,
mas também estuda com atenção as feições dos cavalos, aves, serpentes e peixes, e insiste nas
modificações de expressão neles discerníveis. Gall e seu discípulo Spurzheim não deixaram de
mostrar detalhes frenológicos de outros seres, além dos humanos. Portanto, apesar de mal
qualificado na aplicação dessas duas semiciências à baleia, como pioneiro envidarei meus melhores
esforços para fazê-lo da melhor maneira possível.
Considerado do ponto de vista fisionômico, o cachalote é uma criatura anômala. Não tem
nariz. E como o nariz é a parte central e a mais conspícua das características, e como talvez seja o
nariz que mais modifique a expressão, parece que sua ausência total como apêndice externo deve
afetar grandemente a aparência da baleia. Como em uma paisagem são quase indispensáveis um
jardim, um pináculo, uma cúpula, um monumento ou uma torre para que a cena esteja completa,
nenhuma face pode ser fisionomicamente finalizada sem a elevação do nariz. Se removermos o
nariz de Júpiter, escultura de mármore de Fídias, veremos que terrível aspecto terá o restante! No
entanto, o leviatã possui tal magnitude e suas proporções são tão majestosas que a deficiência que
na escultura de Júpiter seria horrenda nele é irrelevante. Na verdade, realça ainda mais sua
grandeza. Na baleia, um nariz teria sido uma impertinência. Usando um bote para dar uma volta em
torno da sua vasta cabeça em vossa viagem fisionômica, vossas nobres concepções sobre ele não
seriam turvadas pela reflexão de que ele possui um nariz a ser puxado. Uma extravagância
pestilenta que insiste em nos tentar sempre que observamos o rei mais poderoso sentado em seu
trono.
Em alguns particulares, talvez a característica fisionômica mais imponente do cachalote seja
a parte frontal de sua cabeça. Esse aspecto é sublime.
Imersa em pensamento, uma bela fronte humana assemelha-se ao Leste alterado pela
alvorada. Na tranquilidade do pasto, a fronte enrolada do touro possui um toque de grandeza.
Empurrando pesados canhões pelos desfiladeiros das montanhas, a fronte do elefante é majestosa.
Humana ou animal, a fronte misteriosa é como o selo de ouro que os imperadores alemães apunham
aos seus decretos. Eles significavam: “Deus: realizado neste dia por minha própria mão”. Porém, na
maior parte das criaturas, inclusive no homem, a fronte é uma simples faixa de terra alpina ao longo
de uma linha nevada. Poucas são as testas que, como a de Shakespeare ou Melanchthon, são tão
altas que os olhos parecem límpidos, serenos e eternos lagos de montanha, enquanto que acima
deles, nas rugas da testa, perece-nos possível vislumbrar pensamentos que são como cervos
descendo para saciar sua sede, como caçadores montanheses seguindo seus rastros na neve. Mas ao
se olhar de frente para o grande cachalote sente-se mais fortemente a presença da divindade e dos
terríveis poderes do mal do que ao se observar qualquer outro ser da natureza viva. E precisamente
por não se ver qualquer ponto em especial, nenhuma característica distinta é revelada: não há nariz,
olhos, orelhas, boca, nem rosto. Na fronte sulcada de enigmas ele não tem nada além de um amplo
firmamento que se abate silenciosamente quando condenado à perdição pelos botes, navios e
homens. Nem de perfil essa magnífica fronte é diminuída ou se abate sua grandeza e domínio. De
1- Pastor Johann Kaspar Lavater (1741-1801): filósofo, poeta e teólogo suíço, entusiasta da teoria
do magnetismo animal, considerado o fundador da fisiognomonia, arte de conhecer a personalidade
das pessoas através dos traços fisionômicos.
2- Franz Joseph Gall, médico e anatomista alemão (1758-1828), desenvolveu a frenologia, teoria
segundo a qual pode-se determinar o caráter, as características da personalidade e o grau de
criminalidade de uma pessoa pela forma de sua cabeça e pelas protuberâncias que esta apresenta.
perfil, percebe-se claramente a depressão horizontal e semicircular no centro da fronte que, segundo
Lavater, é a marco do gênio.
Mas como? Gênio, o cachalote? Por acaso ele escreveu algum livro, proferiu alguma
conferência? Não, seu grande gênio manifesta-se exatamente pelo fato de não ter feito
absolutamente nada para prová-lo. E isso se confirma pelo seu silêncio piramidal. Creio que se o
primitivo oriente tivesse conhecido o grande cachalote ele teria sido deificado por seus magos de
inteligência infantil. Eles deificaram o crocodilo do Nilo porque este não possui língua. O cachalote
não tem língua, ou melhor, esta é tão pequena que ele não consegue projetá-la. Se no futuro uma
nação de cultura e poética altamente desenvolvida sentir necessidade de voltar ao estado primitivo e
aos alegres deuses do passado e novamente entronizá-los no firmamento egoísta e nas montanhas
agora abandonadas, certamente será o cachalote quem ocupará o alto trono de Júpiter como senhor
supremo.
Champollion decifrou os hieróglifos inscritos no granito. Mas não há nenhum Champollion
para decifrar o Egito esculpido no rosto de cada homem e de cada ser vivo. Como qualquer outra
ciência humana, a ciência fisionômica não passa de uma fábula passageira. Se Sir William Jones,
que lia em trinta línguas diferentes, não conseguia ler a mais simples fisionomia de um camponês
nem compreender seus significados mais profundos e sutis, como pode o iletrado Ismael ter
esperanças de conseguir ler o terrível caldeu inscrito na fronte de um cachalote? Coloco essa fronte
diante de vós. Lede-a, se conseguirdes.
80. A NOZ
Se fisionomicamente o cachalote é uma esfinge, para um frenologista seu cérebro parece um
problema semelhante ao da quadratura do círculo.
Em uma criatura totalmente desenvolvida, o crânio mede no mínimo 20 pés de
comprimento. Retirada a mandíbula, a visão lateral desse crânio é a de um plano moderadamente
inclinado, apoiado em uma base horizontal. Porém, como já vimos, em vida esse plano inclinado
tem seus ângulos preenchidos pela enorme massa superposta constituída de refugo e espermacete, o
que lhe dá uma aparência quadrada. Na extremidade superior o crânio forma uma cratera para
abrigar essa parte da massa, enquanto sob o longo assoalho dessa cratera, em outra cavidade que
mal excede o comprimento de dez polegadas por outras dez polegadas de profundidade, repousa o
pequeno cérebro desse monstro. O cérebro está localizado pelo menos a 20 pés de sua fronte,
escondido atrás de suas paredes externas como a mais secreta cidadela no interior das amplificadas
fortificações de Quebec. Encontra-se tão oculto como se fosse uma caixa de joias. Conheço alguns
baleeiros que negam peremptoriamente que o cachalote tenha outro cérebro além da massa de
aparência uniforme onde armazena as jardas cúbicas de seu espermacete. Na opinião destes, parece
mais de acordo com a ideia do seu poderio considerar essa misteriosa região repleta de estranhas
dobras, condutos e circunvoluções como a sede de sua inteligência.
Está claro que, do ponto de vista frenológico e estando a criatura viva e intacta, a cabeça
desse leviatã é uma ilusão total. Não há qualquer indício quanto ao seu verdadeiro cérebro. Como
todos os seres de grande poder, a baleia usa uma falsa fronte diante do mundo comum.
Se for retirado todo o espermacete de dentro seu crânio fica-se espantado com a semelhança
que apresenta com um crânio humano visto a partir do alto de sua parte posterior. Na verdade, se
esse crânio invertido (reduzido a proporções humanas) fosse colocado em uma bandeja entre vários
crânios humanos, seria tomado por um deles. Reparando-se nas depressões existentes em seu topo,
poder-se-ia pensar – esse homem não possui autoestima nem sentimentos altruístas. E por esses
juízos negativos, considerados juntamente com o fato positivo de seu tamanho e poder prodigiosos,
chegar-se-ia a uma concepção mais verdadeira, porém não a mais estimulante, do que significa o
mais elevado poder.
Já que não é possível analisar adequadamente o cérebro de uma baleia pelas suas dimensões
comparativas, sugiro outra ideia. Se examinardes atentamente a espinha de qualquer quadrúpede
seríeis tomados de espanto pela semelhança de suas vértebras com um crânio de pequenas
proporções, todas elas parecendo um colar de pequenas caveiras. É um conceito alemão que as
vértebras são crânios não desenvolvidos. Mas creio que os alemães não foram os primeiros a notar
essa semelhança externa. Um amigo estrangeiro certa vez chamou minha atenção para isso ao me
mostrar o esqueleto de um inimigo que ele matara, cujas vértebras estava esculpindo em uma
espécie de baixo-relevo na proa de seu bote. Creio que muito do caráter de um homem pode estar
indicado em sua espinha dorsal. Considero que os frenologistas omitiram algo importante ao não
estenderem suas investigações do cerebelo até o canal espinhal. Quanto a mim, preferiria examinar
a coluna de um homem, não seu crânio, fosse ele quem fosse. Uma coluna estreita jamais
sustentaria uma alma nobre. Regozijo-me com minha espinha, pois é com esse firme e audacioso
pau de bandeira que vou enfrentando o mundo.
Aplicai ao cachalote esse ramo da frenologia. Sua cavidade craniana é ligada à primeira
vértebra do pescoço, e nessa vértebra o final do conduto espinhal possui dez polegadas de diâmetro
por oito de altura e tem a forma de um triângulo com a base voltada para baixo. Passando através
das vértebras remanescentes, o conduto vai se estreitando aos poucos, mas por uma distância
considerável mantém grande capacidade. Naturalmente, esse canal é preenchido com a mesma
substância estranhamente fibrosa de que é composto cérebro – a medula espinhal que se comunica
diretamente com o cérebro. Tendo em vista todas essas circunstâncias, não seria interessante
examinar e analisar frenologicamente a medula espinhal do cachalote? Vista por esse prisma, a
estranha pequenez do cérebro propriamente dito é compensada pela maravilhosa grandeza da
medula espinhal.
Porém, deixando essa sugestão para o frenologistas, apliquemos a teoria apenas à corcova do
cachalote. Se não me engano, essa augusta corcova eleva-se sobre uma das maiores vértebras e,
portanto, de certo modo representa seu molde convexo. Por sua situação relativa, eu diria que essa
grande corcova é o órgão que simboliza a firmeza e a altivez do cachalote. Em breve tereis como
comprovar o quanto é indômito esse grande monstro.
81. O “PEQUOD” ENCONTRA O “VIRGEM”
O dia predestinado chegou e como esperado encontramos o navio Jungfrau, que tinha Derick
De Deer, de Bremem, como seu comandante.
No passado os holandeses e alemães foram considerados os melhores pescadores de baleias
do mundo, mas atualmente estão entre os piores. Porém, ocasionalmente, nesta ou naquela latitude
ou longitude ainda encontramos suas bandeiras tremulando no Pacífico.
Por alguma razão, o Jungfrau parecia ansioso para nos cumprimentar. Ainda a certa
distância do Pequod, ele nos rodeou e, baixando um bote, seu capitão foi impelido em nossa
direção, impaciente, em pé sobre a proa em vez de se manter na popa.
“O que ele tem nas mãos?” perguntou Starbuck, apontando para algo que balançava na mão
do alemão. “Impossível, mas parece um candeeiro!”
“Não, não. É uma cafeteria”, disse Stubb. “O alemão vem fazer um café para nós. Não vês
aquele grande jarro de lata ao seu lado? É água fervente. Oh! O alemão é um bom sujeito”.
“Ora essa”, gritou Flask, “é um candeeiro e uma lata de azeite. Seu azeite terminou e ele
vem pedir um pouco para nós”.
Por mais curioso que possa parecer o fato de um navio baleeiro pedir azeite emprestado em
uma zona de pesca, contradizendo o provérbio sobre “levar carvão a Newcastle”, às vezes essas
coisas acontecem, e naquele caso o capitão Derick De Deer realmente levava um candeeiro, como
declarara Flask.
Assim que ele subiu ao convés Ahab se aproximou, e sem prestar atenção ao que ele levava
nas mãos, o encheu de perguntas. Em seu dialeto estropiado, o alemão logo deixou claro que
ignorava totalmente o paradeiro da Baleia Branca e, levando a conversa para o candeeiro e a lata de
azeite, fez alguns comentários sobre o fato de ser obrigado a voltar para sua rede, à noite, na mais
profunda escuridão, pois não possuíam nem mais uma gota de azeite, não tendo pescado nem
mesmo um peixe voador para suprir a deficiência. Concluiu com a declaração de que seu navio, na
linguagem técnica da pesca, estava completamente “limpo” (isto é, vazio), bem merecendo o nome
de Jungfrau, isto é, Virgem.
Depois de supridas suas necessidades, Derick partiu, mas nem bem começara a se afastar
quando, quase simultaneamente, do mastro de ambos os navios partiu o anúncio da presença de um
grupo de baleias. Derick estava tão ansioso pela pesca que, sem parar para deixar o candeeiro e a
lata de azeite no navio, foi perseguir o óleo que os leviatãs ofereciam.
Pois bem, como a caça tivera início a sotavento, ele e os outros três botes alemães que logo
o seguiram adiantaram-se bastante ao Pequod. Era oito baleias de tamanho médio. Percebendo o
perigo, nadavam juntas em alta velocidade, a favor do vento, roçando os flancos como cavalos
arreados. Deixavam uma ampla esteira atrás de si, como se desenrolassem um enorme pergaminho
sobre o mar.
Seguindo essa trilha rápida, muitas braças atrás, nadava um imenso macho, velho e com uma
corcova enorme. Seu progresso relativamente lento e as incrustações amareladas que cobriam seu
corpo faziam-no parecer portador de icterícia ou outra enfermidade qualquer. Não se poderia
afirmar que essa baleia pertencia ao grupo, pois não é comum esses veneráveis leviatãs procurarem
companhia. No entanto, ele se mantinha no rastro das outras como se o refluxo produzido por elas o
retardasse, pois o marulho que chegava ao seu amplo focinho era baixo como a ondulação
produzida pelo encontro de duas correntes hostis. Seu jorro era curto, lento e laborioso, esguichando
em uma espécie de cascata que terminava em fragmentos despedaçados, seguido por estranhas
comoções subterrâneas que pareciam originadas em sua extremidade submersa e faziam borbulhar a
água atrás de si.
“Quem tem elixir paregórico?” perguntou Stubb. “Acho que ele está com dor de estômago.
Santo Deus, imaginai meio acre de dor de estômago! Os ventos contrários vão fazer com que ele
tenha um péssimo Natal e este é o primeiro que sopra da popa. Mas alguém já viu uma baleia
desviar desse modo? Acho que perdeu o leme”.
Como uma barcaça hindu que, descendo pela costa do Industão repleta de cavalos
assustados, abre caminho rolando, carenando e projetando-se para diante, a baleia erguia seu velho
corpo e revirando-se às vezes exibia a causa de seu trajeto errático mostrando um coto de barbatana
que tinha a estibordo. Era difícil dizer se a perdera em batalha ou se nascera sem ela.
“Espera um pouco, companheiro, e porei esse braço ferido em uma tipoia”, gritou o cruel
Flask, apontando para a corda baleeira que estava perto dele.
“Cuidado para que não seja ela a te colocar em uma tipoia”, gritou Starbuck, “Apressa-te ou
o alemão a terá”.
Com um único objetivo, todos os botes rivais apontavam para aquele peixe, não só porque
era o maior, portanto o mais valioso, mas também porque era o mais próximo deles. As outras
baleias nadavam com tamanha velocidade que por enquanto não seria possível persegui-las. Nesse
ponto, o Pequod já baixara três botes, mas como o alemão tomara a dianteira, ele ainda liderava a
caçada apesar dos rivais estrangeiros se aproximarem cada vez mais. A única coisa que temiam era
que Derick, estando tão perto, fincasse seus arpões antes de conseguirem ultrapassá-lo. Quanto ao
alemão, parecia muito confiante e ocasionalmente fazia um sinal zombeteiro com seu candeeiro,
sacudindo-o para os outros botes.
“Cachorro ingrato e mal-agradecido!” gritou Starbuck. “Ele caçoa de mim e me desafia com
essa droga de lata que enchi para ele há poucos minutos!” Então, em seu velho sussurro intenso,
completou: “Força, meus galgos! Começai a caçada!”
“Digo-vos o que é isso, homens”, gritou Stubb para sua tripulação – “É contra minha
religião ficar irritado, mas quero comer aquele vilão alemão – Remai! Permitireis que aquele
canalha vos vença? Gostais de aguardente? Um barril de aguardente para o melhor homem! Força,
força até que uma de vossas veias se rompa. Lançastes âncora? Não nos movemos nem uma
polegada! Estamos parados. Ei, achei grama crescendo no fundo do bote. E, por Deus, o mastro está
brotando. Assim não dá, rapazes. Olhai para aquele alemão! Cuspireis fogo ou não?”
“Oh! Vede a espuma que ela levanta!” gritou Flask, pulando. “Que corcova – Oh, lançai-vos
sobre o bife – Parece um tronco! Oh! Força, rapazes – panquecas e ostras para o jantar, meus
meninos – mexilhões assados e bolinhos. Força! Ele contém pelo menos cem barris, não podeis
perdê-lo agora – Vede aquele alemão – Oh, não vos esforçareis para tomar o que vos pertence? Não
gostais de espermacete? Ali vão três mil dólares, homens – um Banco! O Banco da Inglaterra! Oh!
O que faz o alemão, agora?”
Nesse momento, Derick estava atirando seu candeeiro e sua lata de azeite na direção dos
botes que avançavam, talvez para atrasar seus rivais e ao mesmo tempo acelerar seu bote pelo
ímpeto momentâneo de seu ato.
“Que alemão mal-educado! Cachorro!” gritou Stubb. “Remai, homens, remai como 50 mil
navios de guerra carregados de demônios ruivos. Que dizes, Tashtego. Serias capaz de partir a
espinha em 22 pedaços em honra de tua velha Gay Head? Que dizes?”
“Eu digo: força, danados”, gritou o índio.
Ferozes, incitados pela zombaria do alemão, os três botes do Pequod agora começaram a se
emparelhar e, assim dispostos, aproximaram-se do alemão. Nessa atitude fina, desprendida e
cavalheiresca do carrasco que se aproxima da presa, os três pilotos em pé, orgulhosos, de vez em
quando estimulavam seus remadores com gritos de alegria. “Ali vai ela, deslizando! Um viva para a
brisa! Abaixo o alemão! Vamos ultrapassá-lo!”
Porém, tão decidido estava Derrick a manter dianteira que a despeito de toda galanteria teria
vencido essa corrida não fosse pela justiça divina desabada sobre ele na figura de um caranguejo
que agarrou a pá do remador central de seu bote. Enquanto o confuso homem lutava para libertar
seu remo, arriscando-se a virar o bote de Derrick, este berrava com seus homens, tomado de uma
raiva portentosa. Starbuck, Stubb e Flask aproveitaram-se da oportunidade. Com um grito, levaram
o bote obliquamente até o quadrante do alemão. Mais um instante e os quatro botes encontravam-se
na diagonal da esteira da baleia. Diante deles, dos dois lados elevava-se a espuma que provocavam.
Era uma visão terrível, triste e enlouquecedora. A baleia agora nadava com a cabeça fora da
água, expelindo jatos contínuos e atormentados, enquanto a pobre barbatana batia em seu flanco em
uma agonia de terror. Ora de um lado, ora de outro, ela tentava desviar deles em uma fuga hesitante,
e a cada onda que rompia, ela afundava-se espasmodicamente no mar ou apontava para o céu sua
vacilante barbatana. Era como um pássaro com uma asa cortada, desenhando apavorados círculos
partidos no ar, tentando em vão escapar à avidez dos abutres. Mas o pássaro possuía voz e
demonstrava seu temor com gritos lastimosos; o medo que sentia esse vasto monstro do mar estava
acorrentado em seu interior como que por um feitiço. Não possuía voz, apenas o ruído daquela
respiração engasgada saindo pelo espiráculo, fazendo com que o espetáculo provocasse indizível
compaixão. O tamanho incrível de seu corpo, suas mandíbulas imensas, sua cauda onipotente eram
suficientes para assombrar o homem mais vigoroso, deixando-o cheio de compaixão.
Vendo que em alguns instantes os botes do Pequod estariam em vantagem e sentindo o
perigo de ver frustrada sua caça, Derick escolheu arriscar o que parecia sua lança mais longa, antes
que sua última oportunidade lhe escapasse.
Mas assim que seu arpoador se levantou para dispará-la, os três tigres – Queequeg,
Tashtego, Daggoo – ergueram-se instintivamente e, posicionando-se em fila diagonal, apontaram
suas lanças e lançaram-nas por sobre e cabeça do arpoador alemão. Os três atingiram a baleia.
Vapores ofuscantes e fogo branco! Na fúria do primeiro impulso da baleia, os três botes bateram
com tal violência no bote alemão que Derick e seu desnorteado arpoador caíram para fora do barco
e foram atropelados pelas três quilhas voadoras.
“Não temais, meus pacotes de manteiga”, gritou Stubb lançando-lhes um rápido olhar.
“Logo sereis resgatados – vi alguns tubarões aproximando-se pela popa e vós sabeis que eles são
como cães São Bernardo – um alívio para viajantes atribulados. Urra! Cada quilha é um raio de sol!
Urra! Lá vamos nós como três panelas de lata amarradas na cauda de um puma enlouquecido! Isso
me faz pensar em prender um elefante a um tílburi em uma planície – ao nos ligarmos a ele desse
modo as rodas voariam, rapazes, mas também existiria o perigo de sermos atirado para fora se
atingíssemos uma colina. Urra! É assim que um sujeito se sente quando vai visitar Davy Jones –
correndo por um interminável plano inclinado! Urra! Esta baleia carrega o correio eterno!”
Mas a carreira do monstro foi breve. A baleia deu um súbito suspiro e mergulhou
tumultuosamente. Com um ruído áspero, as três linhas voaram e se enrolaram no poste com
tamanha força que deixaram nele sulcos profundos. Os arpoadores temeram que esse rápido
mergulho acabasse com as linhas e usaram toda sua destreza para dar várias voltas na linha
esfumaçada, ate que, de repente, devido à tensão perpendicular dos calços de chumbo do bote, de
onde as três cordas saíam até se perderem no fundo azul, a amurada da proa encontrava-se quase no
nível da água, enquanto as três popas balançavam no ar. A baleia logo interrompeu o mergulho e
durante algum tempo permaneceu nessa atitude, temerosa de puxar mais linha, apesar da posição ser
um pouco sensível. Não obstante muitos botes terem se perdido desse modo, essa “resistência”,
como é chamada, aguentando as afiadas farpas cravadas na carne viva de seu dorso, é o tormento
que faz com que o leviatã volte à superfície para encontrar as aguçadas lanças de seus inimigos.
Sem falar no perigo que isso representa, duvida-se que esse seja o melhor curso de ação, pois é
razoável presumir que quanto mais a baleia permanece sob a água, maior será seu esgotamento.
Devido à sua enorme superfície – uma baleia totalmente desenvolvida mede cerca de dois mil pés
quadrados – a pressão da água é imensa. Todos nós sabemos o assombroso peso atmosférico que
toleramos na terra e no ar. Que enorme peso não aguentará a baleia, suportando sobre as costas uma
coluna de 200 braças de água do oceano! Deve ser igual a pelo menos 50 atmosferas. Um baleeiro a
comparou ao peso de 200 navios de guerra com todos os seus canhões, equipagem e homens a
bordo.
Os três botes permaneciam nas suaves ondulações do mar, contemplando seu azul eterno, e
nem um único suspiro ou grito, nem uma oscilação ou bolha vinha de suas profundezas. Nenhum
habitante da terra firme diria que sob todo aquele silêncio, toda aquela placidez, retorcia-se em
violenta agonia o supremo monstro do mar! Não havia mais de oito polegadas de corda visível, em
posição perpendicular à água. Parecia incrível que naqueles três finos fios o grande leviatã estava
suspenso como o grande pêndulo de um relógio com corda para oito dias. Suspenso? Preso a quê? A
três pedaços de madeira. E é essa a criatura sobre a qual já se disse de modo triunfante – “Podes
encher sua pele de ferros repletos de farpas? Ou sua cabeça de lanças de pesca? A espada, a lança, o
dardo e o arpão nele não penetram: ele toma o ferro por palha, a flecha não o perturba, os dardos
são como restolho, ele zomba do brandir de uma lança!” É essa a criatura? Oh! Esses enganos
deveriam envergonhar os profetas. Pois com a força dos mil músculos de sua cauda, o leviatã
precisou ocultar sua cabeça sob as montanhas do mar, esconder-se dos arpões do Pequod!
Ao sol daquele fim de tarde, as sombras projetadas pelos três botes estendiam-se sob a
superfície, suficientemente longas e amplas para abrigar metade do exército de Xerxes. Quem
poderia dizer o quão aterradores deviam ser para a baleia ferida aqueles três imensos fantasmas que
flutuavam sobre sua cabeça?
“Em pé, homens. Ela começa a se mover”, gritou Starbuck quando as três linhas subitamente
vibraram na água como fios magnéticos, distintamente conduzindo para cima os tremores da vida e
da morte da baleia, sentidos pelos remadores em seus postos. No momento seguinte, aliviada grande
parte da tensão da proa, os botes deram um salto para cima, como se uma pequena capa de gelo
houvesse se partido devido à presença de um denso rebanho de ursos brancos arremessando-se para
o mar.
“Enrolar! Enrolar!” gritou novamente Starbuck. “Ela está sumindo”.
As linhas que um instante antes não podiam ser recolhidas nem um palmo agora caíam em
grande rolos no fundo dos botes, e logo a baleia rompeu a água a uma distância de dois navios dos
pescadores.
Seus movimentos mostravam claramente a extrema exaustão em que se encontrava. Na
maior parte dos animais terrestres há certas válvulas ou comportas em muitas de suas veias, que
detêm o fluxo de sangue ou o desviam para certas direções, quando feridos. Isso não acontece com
a baleia. Uma de suas peculiaridades é precisamente a estrutura não valvular de seus vasos
sanguíneos, de modo que até quando é perfurado por um arpão pequeno tem início uma hemorragia
mortal em todo seu sistema arterial, e quando se acrescenta a isso a extraordinária pressão da água,
a grande distância sob a superfície, pode-se dizer que a vida se afasta dela em jorros incessantes.
Porém, a quantidade de sangue em seu organismo é tão vasta, e tão distantes e numerosas são suas
fontes interiores que ela permanecerá sangrando por um período considerável, do mesmo modo que
um rio cuja fonte distante se oculta nas montanhas continua a correr em época de seca. Com os
botes aproximando-se da baleia cujas barbatanas se agitavam perigosamente, novas lanças foram
atiradas sobre ela, provocando outros ferimentos dos quais manavam ininterruptos jorros de sangue,
enquanto o espiráculo em sua cabeça lançava vapores rápidos e assustados em intervalos curtos.
Ainda não sangrava por ele porque nenhuma parte vital fora atingida. Como diziam os marinheiros,
sua vida permanecia intocada.
Agora que os botes a circundavam mais de perto ela mostrava a parte superior do corpo, em
geral mantida submersa. Como as estranhas excrescências que surgem dos nós dos mais nobres
carvalhos, quando derrubados, das órbitas que seus olhos haviam ocupado agora surgiam bulbos
cegos cuja vista produzia terrível compaixão. Mas ali a piedade não existia. Apesar de sua idade
avançada e de seus olhos cegos, a baleia devia morrer, ser assassinada para iluminar os alegres
casamentos e outras ocasiões festivas dos homens, e também iluminar as solenes igrejas que pregam
a bondade incondicional para com todos os seres. Ainda revolvendo-se em seu próprio sangue,
revelou uma protuberância estranhamente descolorida, do tamanho de um alqueire 1, na parte
inferior de seu flanco.
“Que lindo”, gritou Flask, “Deixe-me cutucá-la ali uma vez”.
“Basta!” respondeu Starbuck, “Não há necessidade disso!”
Mas o sentimento humanitário de Starbuck manifestou-se tarde demais. No instante em que
o arpão foi disparado, um jato ulceroso jorrou dessa ferida cruel e, sentindo insuportável angústia,
tomada de fúria cega, a baleia que agora jorrava sangue grosso investiu contra as embarcações e
seus orgulhosos tripulantes, cobrindo a todos com uma chuva de sangue, virando o bote de Flask e
1- Bushel, no original, antiga medida de capacidade utilizada para grãos e frutos. A tradução mais
próxima é alqueire, isto é 4 quartas, ou seja, 36,27 litros.
destruindo sua proa. Foi seu último golpe, pois esgotada com a perda de sangue, ela se afastou do
desastre que causara e permaneceu de lado, indefesa, agitando impotentemente o toco de barbatana
até se imobilizar como um mundo em declínio. Voltou para a luz os segredos de seu abdome, ficou
rígida como um tronco e morreu. Foi comovente seu ultimo jorro, ao expirar. Como se mãos
invisíveis retirassem gradualmente a água de uma fonte poderosa, em um murmúrio melancólico, as
colunas tornaram-se cada vez menores até se extinguirem.
Enquanto as tripulações esperavam a chegada do navio, o corpo mostrou sinais de que iria
afundar com todos os seus tesouros inviolados. Imediatamente, cumprindo as ordens de Starbuck,
prenderam-no com cordas em diferentes pontos, de modo que a baleia submersa ficou suspensa,
poucas polegadas sob os botes. Quando o navio se aproximou, com grandes precauções a baleia foi
transferida para o costado do navio e presa firmemente com as mais fortes correntes baleeiras, pois
estava claro que, se não usassem de todos os meios mecânicos ela afundaria imediatamente.
Assim que foi feito o primeiro corte com as pás, descobriu-se um arpão corroído
inteiramente incrustado em sua carne, na parte inferior da protuberância anteriormente descrita. Mas
como pedaços de arpões são encontrados com frequência nos corpos mortos de baleias capturadas,
com a pele perfeitamente cicatrizada em torno deles, sem qualquer proeminência que denote sua
presença, deve ter havido outras razões desconhecidas que provocaram a ulceração a que aludimos.
Ainda mais curioso foi o fato de encontrarmos nela uma ponta de lança feita de pedra, não muito
distante do arpão de ferro, a carne perfeitamente firme em torno dela. Quem a teria lançado? E
quando? Talvez tenha sido atirado por algum índio do noroeste, antes da América ser descoberta.
Impossível prever que outras maravilhas poderiam ser encontradas nesse cofre monstruoso,
pois nossas explorações foram subitamente detidas pelo fato de nosso navio estar adernando de
modo perigoso devido à imensidade do corpo e de sua tendência a afundar. No entanto, Starbuck,
que era responsável pelo comando, lutou resolutamente até o fim, e quando o navio estava a ponto
de virar se ele persistisse em reter o corpo, deu ordem para soltá-la. Mas tamanha era a trepidante
pressão sobre as madeiras em que estavam presas as correias das barbatanas, que foi impossível
desatá-las. Tudo no Pequod estava inclinado. Passar para o outro lado do convés era como andar no
declive do telhado de uma casa, O navio arquejante gemia. Muitas incrustações de marfim em sua
amurada e cabinas se soltaram devido ao deslocamento pouco natural. Em vão, estacas e barras de
ferro foram levadas para soltar as cadeias imóveis cujos cabos inferiores já estavam inacessíveis. A
baleia descera tanto que esses cabos já não podiam ser alcançados e a cada momento a pressão de
várias toneladas parecia aumentar. O navio parecia a ponto de virar.
“Aguenta!” gritava Stubb para o corpo, “Por que tanta pressa para afundar? Com todos os
demônios, homens, precisamos fazer alguma coisa ou viramos. Não adianta espiar. Basta! Que
alguém traga um livro de orações ou um canivete para cortar as correntes!”
“Um canivete! Sim”, gritou Queequeg, e pegando um pesado machado de carpinteiro,
debruçou para fora de uma vigia e começou a bater na corrente maior. Depois de algumas pancadas
cheias de faíscas, a tensão excessiva fez o resto do serviço. Com um estrondo terrível, todas as
presilhas se partiram. A carcaça afundou e o navio se aprumou.
Esse afundamento ocasional e inevitável de cachalotes recém-capturados é algo muito
curioso cuja causa nenhum pescador conseguiu explicar adequadamente. Em geral um cachalote
morto tem grande poder de flutuação e boia com o lado ou o abdome acima da superfície. Se apenas
as baleias que afundam fossem criaturas velhas, magras e infelizes, com suas almofadas de gordura
diminuídas e ossos pesados e reumáticos, poderíamos atribuir esse fato a uma tendência de afundar
causada por uma incomum gravidade específica do peixe, consequência da falta de matéria
flutuante em seu corpo. Mas isso não acontece. Às vezes também afundam cachalotes jovens e
recheados de gordura, saudáveis, cheios de nobres aspirações, prematuramente aniquilados no
período mais florido de suas vidas.
Mas é preciso que se acrescente que esse tipo de acidente é bem mais raro com o cachalote
que com outras espécies de baleia. Para cada cachalote que afunda submergem vinte baleias reais.
Essa diferença entre as espécies sem dúvida é devida à maior ossatura e peso da baleia real. Suas
venezianas às vezes pesam mais de uma tonelada, enquanto que o cachalote está totalmente isento
desse obstáculo. Mas há ocasiões em que, após um lapso de muitas horas ou de vários dias, a baleia
afundada volta a subir com maior capacidade de flutuação que em vida. A razão é óbvia. São os
gases gerados dentro dela que a fazem inchar até ela ficar com um tamanho prodigioso, tornar-se
uma espécie de balão animal. Um navio de batalha mal consegue contê-la. Durante suas pescarias
ou sondagens, os baleeiros das baías da Nova Zelândia amarram boias nas baleias reais quando elas
dão sinais de que vão afundar. Utilizam cordas muito longas para saberem onde se encontra o
corpo, quando subir novamente.
Pouco depois de o corpo ter afundado ouviu-se um grito vindo dos mastros do Pequod,
anunciando que o Jungfrau estava novamente baixando seus botes, apesar do único jorro à vista ser
o de uma baleia fin, ou rorqual, espécie de baleia impossível de ser capturada devido ao seu
extraordinário poder de natação. No entanto, o jorro dessa baleia assemelha-se ao do cachalote e os
pescadores inexperientes os confundem facilmente. Como consequência, Derick e seus homens
agora perseguiam um animal impossível de caçar. A Virgem desfraldou todas as suas velas e seguiu
seus quatro botes, desaparecendo a barlavento em uma caçada corajosa e cheia de esperança.
Oh! Existem muitas baleias fin e muitos Dericks, meu amigo.
82. A HONRA E A GLÓRIA DA CAÇA À BALEIA
Há alguns empreendimentos nos quais a desordem cuidadosa é o método adequado.
Quanto mais me aprofundo no assunto relativo à pesca da baleia e estendo minhas pesquisas
até suas origens, mais impressionado fico com sua grande honorabilidade e antiguidade, sobretudo
quando encontro vários semideuses, heróis e profetas de todo tipo que, de um ou de outro modo,
projetaram sobre ela vultosa distinção. Não posso deixar de refletir que também pertenço a tão
esplêndida fraternidade, se bem que como subordinado.
O garboso Perseu, filho de Júpiter, foi o primeiro baleeiro, e para honra eterna de nossa
associação a primeira baleia atacada por nossa fraternidade não foi morta devido a qualquer
intenção sórdida. Era uma época cavalheiresca de nossa profissão, quando só utilizávamos armas
para defender os aflitos, não para encher os candeeiros dos homens. Todos conhecem a história de
Perseu e Andrômeda, que conta como a formosa Andrômeda, filha de um rei, foi atada a uma rocha
às margens do oceano, e quando o leviatã se preparava para carregá-la Perseu, o príncipe dos
baleeiros, avançou intrepidamente, arpoou o monstro, libertou a donzela e se casou com ela. Aquela
foi uma assombrosa proeza artística raramente realizada no presente, pois o leviatã foi morto pelo
primeiro dardo. E que ninguém duvide dessa história de robustez e firmeza de caráter, pois na
antiga Jopa, atualmente Jafa, nas costas de Síria, há um templo pagão onde por muitos anos viu-se
um imenso esqueleto de baleia que as lendas da cidade e todos os seus habitantes asseveravam ser
os ossos originais do monstro morto por Perseu. Quando os romanos conquistaram Jopa esse
esqueleto foi carregado em triunfo para a Itália. O que parece mais singular e sugestivamente
importante nessa história é que foi de Jopa que Jonas zarpou.
Parecida com a aventura de Perseu e Andrômeda existe a famosa história de São Jorge e o
Dragão, que muitos acreditam ser indiretamente derivada dela. Creio que esse dragão é uma baleia,
pois em várias crônicas antigas as baleias e os dragões são colocados juntos e confundem-se com
frequência. “És como um leão das águas e como um dragão do mar”, disse Ezequiel, claramente
falando sobre uma baleia. Na verdade, algumas versões da Bíblia usam exatamente essa palavra.
Além disso, a glória de São Jorge seria grandemente abalada se ele tivesse encontrado um réptil
terrestre rastejante em vez de lutar contra o grande monstro das profundezas. Qualquer homem pode
matar uma serpente, mas apenas um Perseu, um São Jorge ou um Coffin têm coragem suficiente
para enfrentar ousadamente uma baleia.
Não permitais que vos confundam as modernas pinturas que mostram essa cena, pois apesar
da criatura encontrada por esse valente baleeiro do passado ser representada vagamente na forma de
um grifo, a não obstante a batalha ser concebida sobre a terra, com o santo montado a cavalo,
deve-se considerar a enorme ignorância que havia naquela época, quando o verdadeiro aspecto da
baleia era desconhecido pelos artistas. Como no caso de Perseu, a baleia de São Jorge pode ter
deixado o mar e se encaminhado para a praia, e o animal cavalgado por São Jorge talvez fosse
apenas uma foca de grandes proporções ou um cavalo marinho. Com isso em mente, não vos
parecerá incompatível com a lenda sagrada e com os mais antigos desenhos da cena que o dragão
seja, na verdade, o poderoso leviatã. De fato, colocada diante da verdade mais rígida e aguda, essa
história inteira não é mais que a do ídolo dos filisteus, peixe, carne e ave, cujo nome era Dagon. Ao
ser erigido diante da arca da Israel, tombaram sua cabeça de cavalo e as palmas das suas duas mãos,
restando-lhe somente um pedaço de tronco, a parte que era peixe. Assim, um dos nossos próprios
nobres ancestrais, um baleeiro, é o guardião tutelar da Inglaterra, e por direito, nós, arpoadores de
Nantucket, deveríamos reclamar o direito de pertencer à nobilíssima ordem de São Jorge. Portanto,
que essa honorável companhia (dos quais nem um enfrentou uma baleia, como seu grande patrono)
jamais olhe um natural de Nantucket com desdém, pois em nossos roupões de lã e em nossas calças
manchadas de piche temos mais merecimentos para ostentar a insígnia de São Jorge que eles.
Demorei muito tempo para resolver se Hércules merecia ou não pertencer à nossa
irmandade, pois de acordo com a mitologia grega esse antigo Crockett ou Kit Carson, musculoso
autor de tantas grandes façanhas, foi engolido e vomitado por uma baleia. Se isso faz dele um
baleeiro é algo a decidir. Parece que não arpoou seu peixe, a menos que o tenha feito pelo lado de
dentro. Contudo, pode ser rotulado como baleeiro involuntário, pois foi a baleia quem o pegou, não
o contrário. De qualquer modo, reclamo sua inclusão em nosso clã.
De acordo com as melhores autoridades de todas as tendências, a história grega de Hércules
e a baleia pode ser vista como derivada do conto mais antigo sobre Jonas e a baleia. Com certeza,
são muito semelhantes. E se reclamo o semideus, porque não o profeta?
Mas não são apenas heróis, santos, semideuses e profetas que formam nossa ordem. Nosso
grande mestre ainda não foi citado, pois como os imperadores do passado, presidindo nossa
fraternidade encontramos nada menos que os próprios grandes deuses. Essa maravilhosa história
oriental pode ser encontrada no Shástra1 e nos apresenta o divino Vishnu, uma das três entidades da
divindade dos Hindus como nosso Senhor. Na primeira de suas dez encarnações terrenas, Vishnu
escolheu e santificou a baleia. O Shástra reza que quando Brahma, o Deus dos Deuses, resolveu
recriar o mundo após uma de suas periódicas destruições, criou Vishnu para presidir os trabalhos,
mas os Vedas, ou livros místicos cuja consulta seria indispensável a Vishnu antes de iniciar a
criação e que portanto devia conter algo na forma de conselhos práticos para jovens arquitetos,
estavam no fundo dos oceanos. Assim sendo, Vishnu encarnou em uma baleia, mergulhou nas
profundezas mais extremas e resgatou os volumes sagrados. Então eu pergunto: Vishnu pode ser
considerado baleeiro, como um homem que monta um cavalo pode ser chamado de cavaleiro?
Perseu, São Jorge, Hércules, Jonas e Vishnu! Tal é a presidência de nossa fraternidade! Que
outro clube poderá superar esse grupo?
1- Shástra: Manual hindu relacionado com a ioga clássica.
83. JONAS ANALISADO HISTORICAMENTE
No capítulo precedente foi feita uma referência à história bíblica de Jonas. Atualmente,
alguns habitantes de Nantucket são muito céticos quanto a essa narrativa. Mas também havia
céticos entre os gregos e os romanos que, afastados dos pagãos ortodoxos de sua época, também
duvidavam da história de Hércules e a baleia, assim como da narrativa de Arion e o golfinho, e suas
dúvidas quanto a essas tradições não diminuem em nada a veracidade desses fatos.
O principal questionamento de um velho baleeiro de Sag-Harbor quanto à história hebraica
era o seguinte: Ele possuía um desses volumes antiquados da Bíblia, embelezados com gravuras
curiosas e errôneas uma das quais representava a baleia de Jonas com dois jorros sobre a cabeça –
uma peculiaridade verdadeira apenas para uma espécie do leviatã (a baleia real e as variedades
dessa ordem), com relação à qual os pescadores costumam dizer: “Um pãozinho de um centavo as
faria engasgar”, tão estreita é sua garganta. Ele dizia que não precisaríamos considerar Jonas
sepultado no ventre da baleia e sim temporariamente alojado em algum lugar de sua boca. Esse fato
parece suficientemente razoável para o bom Bispo, pois verdadeiramente a boca da baleia real
facilmente acomodaria um par de mesas de uíste, com todos os jogadores confortavelmente
sentados. Também haveria a probabilidade de Jonas ter se refugiado no oco de um dente, mas
pensando melhor a baleia real é banguela.
Outra razão pela qual Sag-Harbor (era esse o nome que ele usava) defendia esses princípios
no assunto do profeta era algo obscuramente relacionado com seu corpo encarcerado e o suco
gástrico da baleia. Porém, essa objeção também cai por terra, pois um alemão exegeta supõe que
Jonas deve ter se refugiado no corpo flutuante de uma baleia morta, como os soldados francesas na
campanha da Rússia transformavam seus cavalos mortos em tendas e rastejavam para penetrar
neles. Além disso, outros comentaristas europeus afirmam que quando Jonas foi atirado para fora do
navio de Jopa ele se refugiou em outro navio que estava próximo, um navio que tinha uma baleia
como cabeça de proa. E eu acrescento que é possível que ele se chamasse “A Baleia”, como
algumas embarcações de hoje são batizadas de “Tubarão”, “Gaivota” ou “Águia”. Não faltaram
exegetas eruditos que opinaram que a baleia mencionada no livro de Jonas não passava de um
salva-vidas – uma bexiga cheia de ar – para a qual profeta ameaçado nadou e que o salvou de
morrer afogado. Portanto, o pobre Sag-Harbor foi contestado por todos. Mas ele ainda tinha outra
razão para sua falta de fé. Se não me engano, era a seguinte: Jonas foi engolido pela baleia no Mar
Mediterrâneo e depois de três dias ela o vomitou a três dias de viagem de Nínive, uma cidade nas
margens do Rio Tigre, muito mais distante das costas do Mediterrâneo que os três dias de viagem.
Como se explica isso?
Mas não há outro caminho para a baleia transportar o profeta a essa distância de Nínive?
Sim. Ela poderia tê-lo carregado contornando o Cabo da Boa Esperança. Sem falar da passagem
através do Mediterrâneo e outra passagem pelo Golfo Pérsico e pelo Mar Vermelho, mas essa
suposição envolveria a completa circum-navegação da África em três dias, sem mencionar que as
águas do Rio Tigre, perto de Nínive, são muito rasas para qualquer baleia nadar nelas. Além disso, a
ideia de Jonas cruzar o Cabo da Boa Esperança em uma época tão remota arrancaria de Bartolomeu
Dias a honra de ser seu descobridor, transformando em mentirosos os historiadores modernos.
Mas todos esses argumentos tolos de Sag-Harbor não passam de simples orgulho e rebelião,
algo ainda mais repreensível nele, que pouco estudara e só conhecia o que apanhara do sol e do mar.
Só menciono isso para mostrar sua ímpia soberba e demoníaca rebelião contra o revendo clero. Para
um padre católico português, a ideia de Jonas ir a Nínive pelo Cabo da Boa Esperança indicaria um
milagre ainda maior. E assim é. Além disso, até hoje os turcos mais esclarecidos acreditam
piamente na narrativa histórica de Jonas. E nas ‘Viagens do Velho Harris’, há cerca de três séculos
um viajante inglês fala de uma mesquita turca construída em honra de Jonas, na qual uma lâmpada
milagrosa queima sem azeite algum.
84. O GIRO
Os eixos dos veículos são lubrificados para funcionarem de modo perfeito e fácil, e com o
mesmo propósito alguns baleeiros executam uma operação análoga untando o fundo de seus botes.
Como sem dúvida esse procedimento não traz nenhum malefício, como água e óleo não se
misturam e o óleo é uma substância escorregadia, o objetivo é fazer com que o bote deslize mais
facilmente. Queequeg tinha fé inabalável nesse procedimento e em uma manhã, não muito tempo
depois de o navio alemão Jungfrau desaparecer, caprichou mais que o normal ao realizar essa
operação, arrastando-se sob o bote preso ao costado do navio, esfregando a gordura como se
estivesse ansioso para que na quilha calva brotasse uma basta cabeleira. Parecia trabalhar movido
por algum pressentimento em particular, logo confirmado pelos acontecimentos.
Avistaram baleias perto do meio-dia, mas assim que o navio se aproximou elas fugiram
impetuosamente. Uma fuga precipitada e desordenada como a das embarcações de Cleópatra na
batalha do Ácio.
Contudo, os botes as perseguiram, com Stubb na liderança. Depois de muito esforço,
Tashtego finalmente conseguiu fixar um arpão, mas sem fazer qualquer ruído a baleia assustada
continuou ainda mais depressa sua fuga horizontal. A tensão contínua exercida pela linha sobre o
arpão cedo ou tarde acabaria por arrancá-lo. Tornou-se imperativo cravar uma lança na baleia que
voava ou teriam que se conformar com a perda. Mas era impossível o bote alcançá-la, pois ela
nadava depressa e com fúria. O que fazer?
De todos os maravilhosos aparelhos e da habilidade que possuíam, dos truques e das
incontáveis sutilezas aos quais os baleeiros veteranos recorriam com frequência, nenhum
ultrapassava a manobra com a lança, denominada ‘o giro’. Usando-se a espada grande ou pequena,
nenhum exercício compara-se a ele. É apenas indispensável que a baleia esteja em fuga
desesperada. Sua grande característica é a maravilhosa precisão e a distância da qual a lança é
arremessada com o bote navegando a toda velocidade, balançando e sacudindo-se com violência. A
lança inteira mede cerca de dez ou 12 pés de comprimento e é muito mais leve que o arpão, pois o
pinho com que é feito seu cabo é levíssimo. Ele é equipado com uma corda bastante longa chamada
‘espia’, utilizada para recolher o arpão depois de atirado.
Antes de prosseguir, é importante mencionar que apesar de o arpão poder ser usado como a
lança na manobra denominada ‘giro’, isso se faz muito raramente, pois o índice de sucesso é
pequeno devido ao maior peso e ao comprimento inferior do arpão, comparado com a lança, o que
se constitui em sério inconveniente. Como regra geral, em primeiro lugar é preciso que se esteja
bem próximo da baleia antes de começar o ‘giro’.
Agora, vede Stubb: um homem que, pelo temperamento alegre, frieza e equanimidade nas
mais terríveis emergências, era especialmente qualificado para executar o ‘giro’. Ele permanece em
pé sobre a insegura proa do barco em alta velocidade, envolto na espuma turva. A baleia que nos
reboca está 40 pés à nossa frente. Segurando com destreza a longa lança, examinando-a para
certificar-se de que está perfeitamente reta, Stubb assobia enquanto enrola a corda em uma das
mãos para agarrar a extremidade livre, deixando o resto desimpedido. Então, segurando a lança na
altura da cintura, ele a aponta para a baleia como se a cobrisse com ela. Em seguida, abaixa o cabo
em sua mão, elevando a ponta até que a arma fique perfeitamente equilibrada na palma de sua mão,
a 15 pés de altura. Parece um malabarista equilibrando uma longa vara no queixo. No momento
seguinte, com um impulso rápido e indizível, o aço cintilante salta a uma grande distância
descrevendo um arco soberbo e treme ao penetrar no centro vital da baleia. Em vez de jorrar água
ela agora esguicha sangue vermelho.
“Sua torneira foi arrancada!” grita Stubb. “Esse é o imortal Quatro de Julho. Hoje, o vinho
deve jorrar de todas as fontes! Tomara fosse o velho uísque de Nova Orleans ou de Ohio, ou o
velhíssimo Monongahela! Então, Tashtego, rapaz, eu te faria encher uma vasilha com seu jorro e
beberíamos nós todos! Sim, é verdade, meus corações, prepararíamos um bom ponche com o que
esguicha daquele respiradouro e beberíamos o ponche vital produzido no centro da vida”.
Enquanto assim falava bem-humorado, repetia várias vezes o hábil tiro e a lança voltava ao
seu mestre como um galgo preso a uma guia. A baleia agonizante se enfurece, a linha afrouxa e
Stubb vai até a popa, cruza as mãos e, mudo, observa o monstro morrer.
85. A FONTE
No decurso de seis mil anos – e ninguém sabe durante quantos milhões de gerações antes
disso – o fato de as grandes baleias lançarem seus jorros por todo o mar, borrifando e ludibriando os
jardins das profundezas como outros tantos regadores enganosos, e milhares de caçadores terem,
durante séculos, se aproximado da fonte da baleia para observar esses borrifos e jorros – é
realmente digno de nota o fato de tudo isso ter acontecido e até este momento abençoado (1 hora,
15 minutos e 15 segundos da tarde do dia 16 de dezembro de 1851 d.C) ainda ser um problema
resolver se esses jorros são apenas água ou nada além de vapor.
Então, estudemos esse assunto, além de alguns outros itens interessantes e contingentes.
Todos sabem que pela peculiar habilidade de suas guelras, os grupos que possuem barbatanas em
geral respiram ar, às vezes combinado com o elemento no qual elas nadam. Assim sendo, um
arenque ou um bacalhau poderiam viver durante um século sem jamais levantar a cabeça acima da
superfície da água. Porém, pela estrutura interna que lhes dá pulmões como os dos humanos, a
baleia só pode viver se inalar o ar puro da atmosfera. Daí a necessidade das visitas periódicas ao
mundo superior. Porém, ela não consegue respirar pela boca, pois em sua posição normal, a boca do
cachalote fica pelo menos oito pés abaixo da superfície da água e, além disso, sua traqueia não tem
qualquer conexão com a boca. Não, ela respira somente através do espiráculo que se encontra no
topo de sua cabeça.
Se eu disse que a respiração é a única função indispensável para a vida de qualquer criatura,
pois retira do ar certo elemento que, entrando em contato com o sangue, lhe concede seu princípio
vital, não creio que esteja errado apesar de ser possível explicar esse processo pelo uso de algumas
palavras científicas supérfluas. Isso esclarecido, deduz-se que se o sangue de uma pessoa fosse
oxigenado por uma única respiração ele poderia tampar suas narinas e viveria sem respirar durante
um tempo considerável, isto é, viveria sem respirar. Por estranho que pareça, esse é precisamente o
caso da baleia que sistematicamente vive por intervalos, passando mais de uma hora (quando
submersa) sem respirar uma única vez, isto é, sem inalar uma partícula de ar, pois como certamente
vós deveis vos lembrar de que ela não possui guelras. Como pode ser? De cada lado de sua espinha,
entre suas costelas há um incrível labirinto cretense de vasos semelhantes à aletria, os quais, quando
ela deixa a superfície, ficam totalmente distendidos com a presença de sangue oxigenado. Assim,
por uma hora ou mais ela carrega um estoque de vitalidade dentro do corpo, exatamente como o
camelo que, ao cruzar um deserto sem água, carrega um suprimento de água para uso futuro em
seus quatro estômagos suplementares. A existência desse labirinto anatômico é incontestável, e a
suposição fundamentada nesse fato me parece convincente quando considera a inexplicável
obstinação do leviatã em expelir seus jorros, como dizem os pescadores. Se não for incomodado, ao
subir à superfície o cachalote continua ali por um período de tempo exatamente igual às suas outras
subidas tranquilas. Digamos que ele permaneça na superfície por 11 minutos e esguiche 70 vezes,
isto é, que respire 70 vezes. Todas as vezes que ele subir inalará exatamente outras 70 vezes. Mas se
após algumas inalações ele se assustar, mergulhará, mas voltará à superfície para completar sua
reserva de ar. Enquanto não tiver respirado aquelas 70 vezes não submergirá para permanecer sob a
água pelo tempo costumeiro. Porém, esses períodos diferem de indivíduo para indivíduo. Todos são
diferentes, sem exceção. E qual a razão de a baleia insistir em esguichar, se não fosse para
completar sua reserva de ar antes de submergir definitivamente? É óbvio que essa necessidade da
baleia a expõe aos perigos fatais da caça. Esse leviatã não pode ser apanhado por anzol ou rede
quando nada a milhares de braças sob a luz do sol. Assim, ó caçador, não é tanto por tuas
habilidades que consegues a vitória, mas pelas grandes necessidades da baleia!
No homem, a respiração é continua – uma inalação serve apenas para duas ou três pulsações.
Não importa o que ele faça – que ele caminhe ou durma – não pode deixar de respirar ou morrerá.
Mas o cachalote respira apenas cerca de um sétimo de seu tempo – um domingo.
Já foi dito que a baleia respira apenas através de seu espiráculo. Pode-se acrescentar que
seus jorros misturam-se com água e creio que essa é a razão pela qual ela não possui olfato, pois a
única coisa que nela substitui o nariz é esse mesmo espiráculo e, por estar tão ocupado com dois
elementos, não se pode esperar que tivesse também a função de sentir odores. Quanto ao mistério
do jorro – ser ele água ou vapor – não podemos ter certeza absoluta a esse respeito. A única coisa
certa é que o cachalote não possui glândulas olfativas. Mas para que precisaria ele de tal coisa? Não
há rosas, violetas nem água de colônia no mar.
Além disso, sua traqueia somente se abre para o conduto do espiráculo, e esse longo canal –
a exemplo do grande Canal do Erie – está dotado de toda espécie de trancas que se abrem e fecham
para reter o ar embaixo ou para impedir a entrada de água. Portanto, a baleia não tem voz, a menos
que vós a insulteis dizendo que ao fazer ruídos estranhos com o espiráculo ela fala através do nariz.
Mas pergunto ainda uma vez, o que teria a baleia para dizer? Raramente alguém muito profundo
tem algo a dizer para este mundo, a menos que seja forçado a balbuciar qualquer coisa para ganhar
a vida. Oh! Que felicidade o mundo ser tão excelente ouvinte!
O conduto respiratório do cachalote é destinado principalmente à passagem do ar e corre
horizontalmente por vários pés abaixo da superfície de sua cabeça, um pouco deslocado para um
dos lados. Esse curioso canal é muito semelhante a um cano de gás, instalado em um dos lados das
ruas de uma grande cidade. Mas a questão é saber se esse cano de gás também transporta água. Em
outras palavras, se o jorro de um cachalote é mero vapor da respiração exalada, ou se essa exalação
é mesclada com a água que há em sua boca, descarregada através do espiráculo. É certo que a boca
se comunica indiretamente com o espiráculo, mas não se pode provar que essa característica tem a
finalidade de descarregar água através dele. A maior necessidade para que isso aconteça ser parece
ser o fato de que ao se alimentar a baleia acidentalmente toma água. Mas o alimento do cachalote
encontra-se muito abaixo da superfície, e nessas condições ele não pode esguichar, nem que o
queira. Além disso, se o observarmos de perto, notaremos que, sem ser perturbado, há um ritmo
regular entre os períodos em que esguicha e os seus períodos de respiração.
Mas por que nos incomodamos com todas essas considerações sobre o assunto? Fala! Tu já
viste como ela esguicha, então dize do que é composto seu jorro. Não consegues distinguir a água
do ar? Caro senhor, neste mundo não é fácil resolver coisas tão simples. Descobri que as coisas
simples são as mais difíceis de todas. E quanto ao jorro da baleia, mesmo que estivesses sobre ele,
ainda terias dificuldade para estabelecer precisamente sua composição.
A parte central do jorro permanece escondida na névoa branca e cintilante que a envolve.
Como dizer com certeza se há água no jorro de uma baleia se todas as vezes que te aproximas para
examiná-la de perto ela está tomada de grande agitação, com água cascateando em torno dela? E se
nesses momentos crês que realmente notaste gotas de água no jorro, como saber se não são apenas
vapor condensado ou gotas alojadas superficialmente na fissura do espiráculo que forma uma
depressão no alto da cabeça da baleia? Até quando ela nada tranquilamente em um mar calmo,
como um dromedário no deserto, com a corcova elevada seca pelo sol, a baleia carrega uma
pequena bacia de água sobre a cabeça, como às vezes vemos em certas rochas uma cavidade cheia
de água da chuva.
Não é prudente um caçador ser curioso demais quanto à verdadeira natureza do espiráculo
da baleia. Não convém examiná-lo muito de perto, aproximando demais o rosto. Não se pode levar
um cântaro para encher nessa fonte e depois levá-lo de volta, pois ao menor contato com os
fragmentos exteriores e leves do jorro, o que acontece constantemente, a pele é imediatamente
queimada pela acidez da substância que a toca. Conheço uma pessoa que entrou em contato com o
jorro (não sei se por motivos científicos) e teve arrancada a pele do rosto e braço. Os baleeiros
consideram venenoso o jorro da baleia e tentam evitá-lo a todo custo. Também soube, e não duvido
que seja verdade, que o jorro espirrado nos olhos causa cegueira. Portanto, o melhor que um
investigador pode fazer é deixar em paz o jorro mortal.
Podemos ainda levantar outra hipótese, apesar de não podermos comprová-la. Minha
hipótese é a seguinte: o jorro é apenas vapor. Além de outras razões, e também por diversas
considerações sobre a dignidade e a sublimidade do cachalote, o que me levou a essa conclusão foi
o fato de ele não ser um ente comum ou superficial, pois é inegável que nunca é encontrado com
sondas nas proximidades da costa, como todas as outras espécies de baleia. O cachalote é grave e
profundo. Estou convencido que das cabeças de todos os seres graves e intensos, como Platão,
Pirro, o Demônio, Júpiter, Dante, e outros, sempre escapa um vapor semivisível quando imersos em
pensamentos profundos. Ao escrever um pequeno tratado sobre a Eternidade, tive a curiosidade de
colocar um espelho diante de mim e depois de algum tempo vi, nele refletida, uma curiosa
ondulação na atmosfera sobre a minha cabeça. A invariável umidade do meu cabelo, enquanto eu
estava imerso em minhas intensas reflexões, depois de seis xícaras de chá quente em meu sótão
coberto por telhas, em um meio-dia de agosto, parece-me um argumento adicional para a hipótese
levantada.
E quão nobremente aumenta o nosso conceito sobre o poderoso monstro envolto em bruma
quando o vemos navegar de modo solene pelo calmo mar dos trópicos. Sua cabeça enorme e
tranquila envolta por uma abóbada de vapor gerado por suas incomunicáveis contemplações, e esse
vapor – como às vezes se pode ver – glorificado por um arco-íris, como se o próprio céu tivesse
imposto um selo sobre seus pensamentos. É preciso que saibais que os arco-íris não visitam o ar
claro, apenas irradiam vapor. Portanto, através de todos os densos vapores das dúvidas turvas de
minha mente às vezes brilham divinas intuições iluminando minha névoa com raios celestes.
Agradeço a Deus por isso, pois todos têm dúvidas e muitos negam, mas duvidando ou negando,
poucos têm intuições. Dúvidas sobre todas as coisas terrenas e algumas coisas celestes, essa é a
combinação que não produz nem crentes nem infiéis, mas criaturas que tudo observam com olhar
imparcial.
86. A CAUDA
Outros poetas teceram louvores ao olhar suave do antílope e à encantadora plumagem do
pássaro que nunca pousa. Menos celestial, eu celebro uma cauda.
Considerando que a parte maior da barbatana caudal do cachalote tem início no ponto em
que o tronco se afina até ficar com o tamanho da cintura de um homem, apenas em sua superfície
superior ela abrange uma área de no mínimo 50 pés quadrados. Seu corpo compacto e redondo se
expande em duas barbatanas largas, planas e firmes, cuja espessura diminui gradativamente até
menos de uma polegada. Em sua junção, ou bifurcação, elas se sobrepõem ligeiramente e logo se
afastam uma da outra como asas, deixando um amplo espaço entre si. Em nenhum ser vivo as linhas
de beleza são definidas com maior perfeição que nas bordas dessas barbatanas, em forma de lua
crescente. Quando a baleia atinge seu total desenvolvimento, sua cauda chega a mais de 20 pés, de
lado a lado.
O membro todo parece uma densa trama de tendões unidos, mas ao cortá-la vemos que é
composta de três camadas distintas: superior, média e inferior. As fibras das camadas superior e
inferior são longas e horizontais, e as da camada mediana são muito curtas e correm em sentido
contrário ao das duas outras camadas. Mais que qualquer outra coisa, essa estrutura tríplice concede
energia à cauda. Para o estudioso dos velhos muros romanos, a camada central fornece um curioso
paralelo com a fina camada de cerâmica que se alterna com a pedra nessas maravilhosas relíquias da
antiguidade e que, indubitavelmente, contribui para a enorme resistência da construção.
E como se esse vasto poder local não fosse suficiente, todo o corpo do leviatã é formado por
essa trama de fibras e filamentos musculares que, passando pelos dois lados dos quadris, chega até
as barbatanas e mescla-se insensivelmente a elas, contribuindo grandemente para sua força, de
modo que na cauda parece se concentrar toda potência confluente e ilimitada da baleia. Se pudesse
ocorrer a aniquilação da matéria, este seria o instrumento para realizá-la.
Sua força prodigiosa não prejudica a graciosa flexão de seus movimentos, onde a facilidade
infantil ondula através do poderio de um Titã. Pelo contrário, esses movimentos derivam de uma
espantosa beleza. A verdadeira força nunca prejudica a beleza ou a harmonia e com frequência é a
própria força que as confere. Em toda beleza imponente a força tem muito de magia. Se retirarmos
os complexos tendões que parecem saltar da escultura de mármore representando Hércules, todo seu
encanto desaparecerá. Ao levantar o lençol que cobria o corpo nu de Goethe, o devoto Eckerman se
espantou com o peito maciço do homem, que parecia um triunfal arco romano. Reparai na força que
emana da figura de Deus Pai, pintada por Michelangelo. E o que quer que revelem do amor divino
do Filho as suaves, encaracoladas e hermafroditas pinturas italianas nas quais essa ideia está
incorporada com maior sucesso, esses quadros são tão destituídos musculatura que não revelam
qualquer poder – expõem somente o que é negativo, feminino no que diz respeito à submissão e
resistência que, como todos concordam, constituem as peculiares virtudes práticas de seus
ensinamentos.
Tal é a sutil elasticidade do órgão que aqui tratamos, e não importa de que modo está sendo
usado, se para brincadeiras, a sério ou com raiva, que seja qual for seu estado de espírito suas
flexões invariavelmente são marcadas por extraordinária graça. Nisso, nenhuma fada conseguiria
suplantá-la.
Cinco grandes movimentos são peculiares a ela. Primeiro: usada como barbatana, serve para
avançar; segundo: usada como maça, serve para lutar em batalha; terceiro: usada como foice, serve
para varrer tudo em torno; quatro: serve para brincar; quinto: serve para levantar as barbatanas.
Primeiro: por ter posição horizontal, a cauda do leviatã não funciona como as caudas das
outras criaturas do mar. Ela nunca balança lateralmente. Tanto no homem quanto nos peixes, o
balançar é sinal de inferioridade. A cauda é o único meio de propulsão da baleia. O movimento de
enrolá-la sob o corpo e em seguida rapidamente lançá-la para trás é o que produz esse singular salto
para frente que é o nado furioso do monstro. Suas barbatanas laterais servem apenas para
direcioná-la.
Segundo: de certo modo, é significativo que apesar de um cachalote lutar com outro
cachalote usando somente a cabeça e as mandíbulas em seus conflitos com o homem ele
desdenhosamente empregue, sobretudo a cauda. Ao investir contra um bote, ele a curva
rapidamente, afastando-a do alvo e golpeando-o com seu retrocesso. O golpe é fatal se for efetuado
sem qualquer obstrução, principalmente se atingir diretamente o alvo. Nenhuma costela de homem
ou embarcação resiste a ele. A única salvação é evitá-lo, mas se ele vier de lado através da água, em
parte devido à ligeira flutuação do bote baleeiro e à elasticidade de seus materiais, o resultado mais
sério em geral se resume a uma costela quebrada ou uma ou duas pranchas partidas. Esses golpes
laterais submersos sempre ocorrem durante a pesca e são considerados como brincadeiras de
criança. Nesse caso, alguém se despe e tapa o buraco.
Terceiro: não posso comprovar, mas parece-me que na baleia o sentido do tato se concentra
na cauda, pois ela possui uma delicadeza só comparável à suavidade da tromba de um elefante. Essa
doçura é evidenciada na execução dos movimentos laterais quando, com gentileza feminina e certa
suavidade lenta, a baleia movimenta sua imensa barbatana de um lado para o outro na superfície do
mar. E se ela sentir algo, mesmo que seja o fio do bigode de um marinheiro, azar do marinheiro e
do bigode. Que ternura nesse primeiro toque preliminar! Se sua cauda fosse preênsil, lembraria o
elefante de Darmonodes, que costumava frequentar o Mercado de flores e, com profundas
saudações apresentava ramalhetes às jovens e em seguida lhes acariciava a cintura. Pelo que se
comenta, é pena que a cauda da baleia não possua o poder de preensão, pois eu soube de outro
elefante que, ferido durante uma batalha, curvou sua tromba e arrancou o dardo.
Quarto: quando uma baleia é apanhada de surpresa na imaginária segurança do mar solitário,
pode-se vê-la desligada da vasta corpulência de sua dignidade, brincando como um gatinho no
oceano, como se este fosse uma lareira. Mas sua força não deixa de se evidenciar nessas
brincadeiras. As amplas palmas de sua cauda elevam-se bem alto no ar e logo golpeiam a superfície
da água com tonitruantes choques que ressoam por milhas e milhas. Poder-se-ia pensar que aquele
ruído fora o disparo de um grande canhão e, na outra extremidade, a ligeira nuvem de vapor
surgindo de seu espiráculo poderia ser confundida com a fumaça saindo da boca desse canhão.
Quinto: Como em sua posição normal o leviatã mantém a cauda bem abaixo do nível de suas
costas e ela fica totalmente fora de nosso campo de visão, sob a superfície da água. Porém, quando
submerge até as profundezas, a cauda inteira, com no mínimo 30 pés, é lançada ereta no ar e assim
permanece por um momento, vibrando, até arremessar-se para baixo e desaparecer da vista. Com
exceção de seu sublime salto – que será descrito em outro trecho – esse alçar da cauda da baleia é
um dos mais grandiosos espetáculos da natureza. Saindo das insondáveis profundezas, a cauda
gigantesca parece querer agarrar espasmodicamente o mais alto céu. Em sonhos, das chamas do
Báltico do Inferno, vi o majestoso Satã lançando para o alto sua atormentada e colossal garra. Mas a
reação provocada pela observação dessas cenas depende do estado de espírito no qual a pessoa se
encontra. Em estado dantesco, serão os demônios que acorrerão, em estado mais próximo de Isaias,
serão os arcanjos. Em pé no topo do mastro grande de meu navio durante uma aurora que tingia de
vermelho o céu e o mar, certa vez vi um grande grupo de baleias nadando na direção do sol. Por um
momento todas vibraram em conjunto, com as caudas muito elevadas acima da superfície. Naquele
momento tive a sensação de que eu jamais voltaria a observar tamanho espetáculo de adoração os
deuses, nem mesmo na Pérsia, terra dos adoradores do fogo. Como testemunhou Ptolomeu Filopator
sobre o elefante africano, também dou meu testemunho sobre a baleia declarando-a o mais devoto
de todos os seres. Segundo o Rei Juba, no mais profundo silêncio os elefantes militares da
antiguidade muitas vezes saudavam a manhã com as trombas levantadas.
A comparação casual entre a baleia e o elefante, pelo menos em alguns aspectos da cauda do
primeiro e da tromba do segundo, não deveria tentar colocar em pé de igualdade esses órgãos
opostos, muito menos as criaturas aos quais eles respectivamente pertencem. Pois do mesmo modo
que o mais poderoso elefante não passa de um cãozinho terrier para o leviatã, comparada com a
cauda do leviatã sua tromba não passa da haste de um lírio. O mais terrível golpe da tromba de um
elefante é como o toque de um leque, comparado com o ilimitado choque e esmagamento da
poderosa cauda de um cachalote que, como os malabaristas indianos jogam seus malabares,
inúmeras vezes atirou aos ares botes inteiros com seus remos e tripulações.1
Quanto mais analiso essa poderosa cauda mais deploro minha inabilidade para descrevê-la.
Às vezes ela apresenta alguns gestos que, embora pudessem conferir alguma graça às mãos de um
homem, permanecem totalmente inexplicáveis. Em um grupo grande, esses gestos místicos são tão
extraordinários que alguns caçadores declararam que eles têm grande semelhança com sinais e
símbolos da franco-maçonaria e que, por esses métodos, as baleias mantêm conversações
inteligentes com o mundo. Também há outros movimentos estranhos no corpo da baleia,
inexplicáveis para os seus mais experimentados caçadores. Por mais que a disseque não passo da
superfície e afirmo que não a conheço e que jamais a conhecerei. Se não conheço sequer sua cauda,
como compreender sua cabeça? Mais que isso, como compreender seu rosto, quando ela não o
possui? Ele parece dizer: “Verás minhas partes posteriores, mas não verás minha face”. Contudo,
não consegui compreender suas partes posteriores e a despeito do que ela possa sugerir sobre seu
rosto, continuo afirmando que ele não existe.
1- Apesar de toda comparação entre o tamanho da baleia e o do elefante ser ridícula, pois um
elefante está para uma baleia como um cão está para um elefante, não deixa de haver alguns pontos
de curiosa semelhança entre os dois, a exemplo do jorro. É bem conhecido o fato de que o elefante
absorve água ou pó com sua tromba e, levantando-a, jorra com força o que absorveu.
87. A GRANDE ARMADA
Estendendo-se a sudeste dos territórios da Birmânia, a longa e estreita península de Málaga
forma o ponto mais meridional de toda Ásia. Traçando-se uma linha contínua a partir dessa
península encontramos as longas ilhas de Sumatra, Java, Bali e Timor que, com muitas outras,
formam um vasto quebra-mar, ou baluarte lateral, ligando a Ásia à Austrália e dividindo o longo e
contínuo Oceano Índico dos arquipélagos orientais. Esse baluarte é dotado de várias entradas para
conveniência dos navios e das baleias. Dentre essas entradas encontram-se os estreitos de Sundra e
Málaga. Vindos do oeste, os navios que se dirigem para a China utilizam especialmente o estreito
de Sundra para penetraram nos mares chineses.
Os pequenos estreitos de Sunda (ou Sonda) separam Sumatra de Java. A parte central desse
vasto baluarte de ilhas, cujo contraforte é o grande e verde promontório conhecido pelos
marinheiros como Cabeça de Java, é muito parecido com o portal de algum enorme império
rodeado por altas muralhas, e considerando o inesgotável tesouro em especiarias, sedas, joias, ouro
e marfim com o qual as milhares de ilhas desse mar oriental são dotadas, parece uma providência da
natureza que pela própria conformação da terra tais tesouros pareçam protegidos do ávido mundo
ocidental, mesmo que de maneira ineficaz. Os portos dos estreitos de Sunda não contêm essas
dominadoras fortalezas que guardam as entradas do Mediterrâneo, do Báltico e do Mar de Mármara.
Ao contrário dos dinamarqueses, esses orientais não exigem que a infindável procissão de navios
que dia e noite há séculos passam entre as ilhas de Sumatra e Java, lhes prestem a obsequiosa
homenagem de baixar as velas. Mas renunciando livremente a esse cerimonial, cobram um tributo
muito mais sólido.
Desde tempos imemoráveis, as proas dos navios piratas dos malaios escondem-se entre as
angras sombreadas e as ilhotas de Sumatra, e a ponta de lança atacam os navios que navegam
através dos estreitos, exigindo ferozmente que lhes seja pago um tributo. Pelos repetidos castigos
sangrentos que vêm recebendo dos navegantes europeus, de certo modo a audácia desses corsários
foi contida ultimamente. Porém, de vez em quando ainda se tem notícias que navios ingleses ou
americanos foram abordados e saqueados nessas águas.
Com uma brisa suave e fresca, o Pequod agora atravessava esses estreitos. Ahab resolvera
passar através deles para alcançar o mar de Java e a partir daí dirigir-se para o norte, para águas
frequentadas pelo cachalote, depois costear as Ilhas Filipinas e chegar ao litoral do Japão a tempo
de aproveitar a grande estação baleeira. Por esses meios, a circum-navegação do Pequod varreria
quase todas as regiões frequentadas pelos cachalotes em todo mundo, antes de descer até a linha do
Pacífico, onde Ahab, apesar de ter falhado em todos os lugares com relação à sua pesquisa, contava
firmemente em enfrentar Moby Dick em um mar que se sabia ser o mais frequentado por ela, em
uma temporada na qual presumivelmente poderia caçá-la.
Mas como? Ahab não tocaria a terra em sua busca através das zonas de pesca? Sua
tripulação beberia ar? Ele certamente pararia em algum porto para providenciar de água. Não. Há
muito tempo o sol percorre seu anel de fogo sem necessidade de outro sustento além do que carrega
em si mesmo. Ahab parecia ser igual a ele. Enquanto outros navios se abarrotam de mercadorias
estrangeiras que transportam para outros portos, os baleeiros não levam outra carga além de si
mesmo, sua tripulação, suas armas e o suficiente para suas necessidades. Ele leva um lago inteiro
engarrafado em seu amplo porão. Seu lastro são coisas úteis, não leva chumbo inútil nem lingotes.
Carrega água suficiente para anos. Água clara e excelente de Nantucket que, depois de três anos de
navegação no Pacífico, é melhor que a água salobra do Peru ou das fontes da Índia, guardada na
véspera em tonéis. Assim, enquanto outros navios vão da China para Nova York, ida e volta,
parando em vários portos, durante esse intervalo o navio baleeiro não vê um grão de terra e sua
tripulação não vê outros homens além dos marinheiros iguais a eles. Desse modo, se lhes fosse
levada a notícia de outro dilúvio eles responderiam apenas: “Muito bem, rapazes, aqui está a arca!”
Pois bem, como vários cachalotes haviam sido capturados nas costas de Java, nas
vizinhanças dos estreitos de Sunda, e como a maior parte da região adjacente em geral era
reconhecida pelos pescadores como um excelente local de pesca, à medida que o Pequod se
aproximava da Cabeça de Java os vigias eram chamados repetidamente, avisados de que deveriam
permanecer alertas. Mas ainda que os verdes penedos juncados de palmeiras logo surgissem a
estibordo e nossas narinas fossem invadidas pelo delicioso aroma de canela que pairava no ar, não
se viu um único jorro. Quase renunciando a qualquer ideia de encontrar caça nas proximidades, o
navio se preparava para entrar nos estreitos quando, vindo do alto, o grito costumeiro foi ouvido e
um espetáculo de singular magnificência nos saudou.
Mas que fique claro que devido à infatigável atividade com que têm sido caçados
ultimamente nos quatro oceanos, em vez de navegarem quase sempre em pequenos grupos, como
no passado, os cachalotes agora são encontrados com frequência em bandos imensos, às vezes
compostos de uma multidão tão grande que dão a impressão de que inúmeras nações celebraram um
solene tratado de proteção e assistência mútua. A esse agrupamento de cachalotes em colossais
congregações pode-se atribuir a circunstância de que, mesmo nas melhores regiões de pesca, agora
se pode navegar durante semanas ou meses sem ser saudado por um único jorro e de repente receber
a saudação de milhares e milhares.
A bombordo e a estibordo, distantes duas ou três milhas, em um grande semicírculo que
abarcava meio horizonte, cadeias contínuas de jorros de baleias elevavam-se brincando e brilhando
ao sol do meio-dia. Ao contrário dos jatos gêmeos, retos e perpendiculares que se dividem no topo
em duas seções e caem como os ramos de um salgueiro, o jato único do cachalote possui um
penacho encaracolado de névoa branca que ascende continuamente antes de tombar a sotavento.
Vista do convés do Pequod, erguendo-se no ar como altas colinas no mar, essa névoa de
vapor lembrava as milhares de alegres chaminés de uma densa metrópole, observadas por um
cavaleiro postado em uma colina em uma agradável manhã de outono.
Como exércitos que se aproximam marchando de um desfiladeiro inimigo nas montanhas,
acelerando sua marcha, ansiosos para deixar para trás essa passagem perigosa e novamente se
expandir pela relativa segurança da planície, as baleias pareciam se apressar a atravessar os
estreitos, gradativamente contraindo as asas do semicírculo nadando em um bloco sólido, ainda no
formato de meia-lua.
Com todas as velas desfraldadas, o Pequod partiu ao encalço delas, os arpoadores segurando
suas armas, festejando alacremente nos botes ainda suspensos. Se o vento se mantivesse, não havia
dúvida de que naqueles estreitos de Sunda alcançariam a vasta hoste que somente se espalharia
pelos mares orientais para presenciar a captura de não poucos elementos de seu bando. E quem
poderia garantir que naquela caravana congregada não nadava temporariamente Moby Dick, como
o venerado elefante branco que sempre surge no desfile de coroação dos siameses? Então, com vela
sobre vela, navegávamos perseguindo os leviatãs diante de nós quando, de repente, ouviu-se a voz
de Tashtego chamando nossa atenção para algo que vinha em nossa esteira.
Semelhante ao crescente à nossa frente, vimos outro em nossa retaguarda. Parecia formado
por vapores brancos separados, subindo e caindo como os jorros das baleias, mas não surgiam e
desapareciam tão completamente, pois pareciam suspensos e não desapareciam por completo.
Apontando o binóculo para essa vista, Ahab rapidamente girou no eixo de sua perna de pau e gritou:
“Todos para cima com equipamentos e baldes para molhar as velas. São malaios, e nos perseguem!”
Como se há tempos estivessem esperando atrás dos promontórios até o Pequod realmente
entrar nos estreitos, aqueles bandidos asiáticos agora nos perseguiam com ardor, como se quisessem
compensar o cuidado extremo de seu comportamento anterior. Mas como, com vento favorável, o
rápido Pequod também efetuava uma perseguição ardorosa, aqueles morenos filantropos tiveram a
bondade de ajudá-lo a se apressar, fornecendo-lhe chicotes e esporas. Com o binóculo debaixo do
braço, Ahab andava de um lado para outro do convés, contemplando de um lado os monstros que
ele caçava e do outro os piratas sangrentos que o caçavam. Ele próprio deve ter pensado nisso. Ao
olhar para as verdes muralhas da garganta aquática na qual navegava o navio também deve ter
pensado que do outro lado daquele portal encontrava-se a rota para sua vingança, e que através
desse mesmo portal ele agora caçava e estava sendo caçado até seu fim mortal, e não apenas isso,
pois uma horda de piratas desumanos e selvagens, demônios ateus e cruéis o encorajavam com suas
maldições. Quando todos esses conceitos passaram por sua cabeça a fronte de Ahab pareceu abatida
e irritada como a praia de areia negra após a maré tempestuosa atormentá-la sem ser capaz de
arrancá-la de seu lugar.
Mas pensamentos como esses preocupavam muito pouco a arrojada tripulação e depois de
deixar os piratas cada vez mais para trás, quando o Pequod finalmente passou pelo vívido verdor do
cabo Cockatoo, ao lado de Sumatra, e emergiu nas amplas águas além dele, os arpoadores mais
pareceram lamentar o fato de as velozes baleias terem ganhado terreno em vez de se alegrar por
terem deixado os malaios para trás. Mas ainda navegando na esteira das baleias, elas finalmente
pareceram diminuir sua velocidade e o navio gradativamente se aproximou delas. Como o vento se
acalmava foi dada ordem para ocuparem os botes. Porém, assim que isso foi feito, por algum
maravilhoso instinto do cachalote – apesar de nos encontrarmos uma milha para trás – elas
novamente se reuniram e, formando fileiras cerradas e batalhões nos quais seus jorros pareciam
brilhantes filas de baionetas, os cachalotes se afastaram com redobrada velocidade.
Saltamos para a espuma vestindo apenas camisas e calções, e depois de remar durante várias
horas estávamos quase dispostos a renunciar à caça quando uma comoção entre as baleias nos
mostrou que elas finalmente estavam sob a influência daquela estranha perplexidade de inerte
irresolução à qual o pescador se refere dizendo que a baleia está amargurada. As compactas colunas
marciais em que nadavam rápida e regularmente agora se fragmentavam em uma rota desordenada,
e como os elefantes do Rei Poro na batalha hindu contra Alexandre, elas pareciam loucas de
consternação. Expandiam-se em vastos círculos irregulares, nadando erraticamente em todas as
direções, revelando o pânico em que se encontravam por seus jorros curtos. Isso era ainda mais
estranhamente evidenciado por algumas delas que, totalmente paralisadas, flutuavam sem defesa
como navios encalhados, desmantelados sobre o mar. Esses leviatãs não poderiam ter demonstrado
maior desânimo se fossem apenas um simples rebanho de ovelhas, perseguido no pasto por três
lobos ferozes. Mas essa ocasional timidez é característica de todas as criaturas que formam bandos.
Às vezes, reunidos em uma manada composta de milhares de indivíduos, os búfalos de juba de leão
do oeste fogem de um cavaleiro solitário. Isso também acontece com todos os seres humanos que,
agrupados em um teatro, ao menor alarme de incêndio fogem desesperados na direção das portas,
empurrando-se, pisoteando uns aos outros, arrastando-os para a morte sem qualquer remorso.
Portanto, é melhor conter nosso espanto pelo pânico das baleias diante de nós, pois não há tolice
dos animais da terra que não seja imensamente excedida pela insanidade dos homens.
Apesar de várias baleias se movimentarem com violência, como já foi dito, observamos que
como um todo o grupo não avançava nem recuava, permanecendo no mesmo lugar. Como é hábito
nesses casos, os botes separam-se imediatamente, cada qual se dirigindo para uma baleia solitária
nas margens do cardume. Queequeg fincou seu arpão cerca de três minutos depois, e o peixe
atingido esguichou espuma nos nossos rostos e depois disparou diretamente para o meio do grupo,
com a velocidade de um raio. Apesar desse movimento por parte de uma baleia ferida nessas
circunstâncias não ser sem precedentes, e na verdade ser sempre mais ou menos previsível, ele
oferece uma das mais perigosas vicissitudes da pesca. Quando monstro nos arrasta cada vez mais
para o fundo do cardume apavorado damos adeus à vida circunspecta e existimos apenas em um
delirante palpitar.
Enquanto a baleia avançava, cega e surda, como se pelo mero poder da velocidade pudesse
se livrar do arpão sanguessuga agarrado a ela, e rasgávamos no mar um profundo corte branco,
ameaçados de todos os lados pelas criaturas enlouquecidas que nos rodeavam, nosso bote era como
um navio cercado de ilhas de gelo em uma tempestade, tentando se orientar através de seus
complicados canais e estreitos sem saber em que momento poderia ser aprisionado e destruído.
Sem demonstrar a menor perturbação, Queequeg nos conduzia com soberba habilidade, ora
desviando-se do monstro diretamente em nosso caminho, ora afastando-se de outro cujas colossais
barbatanas alçavam-se sobre nossas cabeças, enquanto, durante todo tempo Starbuck permanecia na
proa, lança na mão, arredando de nossa rota todas as baleias que podia alcançar com lançamentos
curtos, pois não havia tempo para os longos. Os remadores também não tinham descanso apesar de
no momento estarem dispensados de seus deveres habituais. Eles se encarregavam sobretudo dos
gritos da profissão. “Fora do caminho, Comodoro!” gritou um para um grande dromedário que
subitamente surgiu na superfície e, por um instante, ameaçou nos esmagar. “Abaixa essa cauda!”
gritou outro para um segundo cachalote que, perto da borda do nosso bote, parecia calmamente se
abanar com sua extremidade semelhante a um leque.
Todos os botes baleeiros carregam alguns objetos curiosos originariamente inventados pelos
índios de Nantucket, chamados “druggs”. Dois grossos quadrados de madeira do mesmo tamanho
são unidos firmemente de modo a se cruzarem em ângulo reto. Uma linha de comprimento
considerável é amarrada na parte central desse bloco e na outra extremidade ajusta-se um arpão.
Esse objeto é usado principalmente quando as baleias estão em pânico, pois o caçador fica cercado
por mais baleias do que pode caçar. Mas não encontramos cachalotes todos os dias e quando isso
acontece é preciso matar o máximo que se consegue. E como não dá para matá-las todas de uma só
vez é preciso incapacitá-las para depois matá-las na ocasião oportuna. É por isso que esses
aparelhos são muito úteis nesses momentos. Nosso bote possuía três. O primeiro e o segundo foram
fixados com sucesso e vimos as baleias se afastando, aprisionadas pela enorme resistência do
aparelho. Estavam presas como malfeitores, com uma corrente e uma bola. Porém, na tentativa de
tentar fixar o terceiro bloco de madeira atirando-o por sobre a amurada, este ficou preso sob um dos
assentos do bote, que foi arrancado em um instante derrubando o remador no fundo do barco,
enquanto o assento deslizava sob ele. Dos dois lados, o mar entrou pelas pranchas arrebentadas, mas
enfiamos duas ou três ceroulas e camisas nos vãos e tapamos o vazamento durante algum tempo.
Teria sido praticamente impossível atirar esse tipo de arpão se nossa baleia não tivesse
diminuído muito a velocidade por estarmos no meio do cardume; além disso, como nos afastávamos
cada vez mais do círculo do pânico, as terríveis desordens pareciam atenuadas. Assim, quando por
fim o arpão se desprendeu e a baleia que nos rebocava desapareceu, deslizamos por entre duas
baleias levados pelo impulso de sua partida e penetramos no coração do cardume, como se,
deixando uma torrente na montanha, tivéssemos penetrado em um sereno lago em um vale. Ali
eram ouvidas, mas não sentíamos as tempestades nos frenéticos vales entre as baleias mais
distantes. Na expansão central o mar apresentava aquela superfície lisa e lustrosa como cetim,
produzida pela sutil umidade desprendida pela baleia em seus momentos de grande tranquilidade.
Sim, encontrávamo-nos naquela calma encantada que dizem se esconder no coração de todo
distúrbio. E na distância víamos os transtornos dos círculos concêntricos exteriores e observamos
sucessivos agrupamentos de baleias, oito ou dez em cada um, dando voltas e mais voltas rápidas
como parelhas de cavalos em um picadeiro, tão próximas umas das outras que um cavaleiro titânico
poderia, com facilidade, ter formado um arco sobre as centrais e dado voltas sobre seus lombos.
Devido à densidade da aglomeração de baleias em repouso que rodeavam o eixo do rebanho, não
havia como escapar dali. Precisávamos esperar por uma brecha no muro vivo que nos cercava, um
muro que somente nos admitira para nos encarcerar. Mantendo-nos no centro do lago éramos
ocasionalmente visitados por mansas fêmeas e filhotes, as mulheres e crianças da hoste afugentada.
Incluindo os ocasionais intervalos entre os círculos giratórios externos e os espaços entre os
vários agrupamentos de qualquer desses círculos, a área inteira ocupada pela multidão devia
compreender no mínimo duas ou três milhas quadradas. De qualquer modo, apesar de naquele
momento esse teste talvez ser apenas uma ilusão, dos nossos botes podíamos ver jorros que
pareciam se elevar até o horizonte. Menciono essa circunstância porque, mesmo que a grande
extensão do cardume nos impedisse de saber a causa precisa dessa parada, era impossível não ficar
extasiado com as fêmeas e filhotes encerrados nesse redil interno, e por serem tão jovens, pouco
sofisticadas, inocentes e sem experiência, essas baleias de vez em quando visitavam nosso bote
vindo das margens do lago e demonstravam uma maravilhosa confiança e destemor, ou um pânico
fascinado. Como cães domesticados, aproximavam-se farejando nossa amurada, tocando-a como se
algum encanto as tivesse domesticado. Queequeg acariciava-lhes a cabeça, Starbuck coçava suas
costas com a lança, mas com medo das consequências abstinha-se de fixá-la.
Contudo, bem abaixo desse extraordinário mundo da superfície, outro mundo ainda mais
curioso surpreendeu nossos olhos quando olhamos por sobre a borda do barco. Suspensas nessas
abóbodas aquáticas flutuavam as formas das mães baleias amamentando seus filhotes, e outras que
pela imensa circunferência logo se tornariam mães. Como sugeri há pouco, aquele lago era
extraordinariamente transparente até uma profundidade considerável, e como as crianças humanas
que enquanto mamam calmamente fixam o olhar longe do seio da mãe, como se vivessem duas
vidas diferentes ao mesmo tempo, e enquanto recebem nutrição mortal parecem se regozijar
espiritualmente com alguma experiência sobrenatural, aquelas jovens baleia pareciam olhar em
nossa direção, mas não para nós, como se fôssemos um fragmento de alga para sua vista
recém-nascida. Flutuando ao lado delas, as mães também pareciam nos observar tranquilamente.
Uma dessas pequenas, que não parecia ter mais que um dia, tinha aproximadamente 14 pés de
comprimento e cerca de seis pés de circunferência. Era um pouco brincalhona, apesar de seu corpo
não parecer bem recuperado da posição estranha em que estivera no ventre da mãe, onde, da cauda
até a cabeça, pronta para o salto final, a baleia ainda não nascida repousa encurvada como o arco de
um tártaro. As delicadas barbatanas laterais e as palmas de sua cauda ainda conservavam a
aparência amarrotada que exibem as orelhas de um bebê recém-chegado do estrangeiro.
“Linha!” gritou Queequeg, olhando por sobre a amurada. “A ela, rápido! Quem a feriu?
Quem jogou o arpão? Duas baleias, uma grande e uma pequena!”
“O que houve, homem?” gritou Starbuck.
“Olha”, disse Queequeg apontando para baixo.
Como algo semelhante a uma baleia ferida que desenrola do carretel centenas de braças de
corda e depois de profundo exame volta a flutuar mostrando a linha frouxa e enrolada voltando à
superfície, formando espirais, Starbuck via os longos anéis de cordão umbilical da Senhora Leviatã,
através do qual o filhote ainda se prendia à mãe. Não é raro que nas rápidas atribulações da caça,
com a extremidade maternal já solta, essa linha natural se enrosque na corda de cânhamo de modo
que o recém-nascido fica aprisionado. Alguns dos mais sutis segredos dos mares pareciam nos ser
revelados através daquele lago encantado. Víamos os amores dos jovens leviatãs nas profundezas.1
E assim, apesar de cercados por círculos e círculos de ansiedades e sustos, livremente e sem
medo, essas inescrutáveis criaturas no centro entregavam-se a todas as suas pacíficas preocupações,
alegrando-se serenamente com seus namoricos e prazeres. No meio do Atlântico açoitado pelos
tornados de minha existência, também ainda me divirto em muda calma enquanto planetas tediosos
e repletos de inesgotável desgraça revolvem em torno do meu ser, e no mais profundo de minha
alma ainda mergulho na eterna suavidade da alegria.
Encontrávamo-nos nesse transe e, na distância, os frenéticos espetáculos ocasionais
revelavam a atividade dos outros botes, ainda dedicados à tarefa de arpoar as baleias nas
extremidades do cardume ou carregar a guerra para o interior do primeiro círculo, onde havia a
abundância de espaço e alguns recuos convenientes. Todavia, a visão das enfurecidas baleias feridas
arremessando-se cegamente através dos círculos não era nada diante do que se apresentava aos
nossos olhos. Certas vezes, quando um bote está ligado a uma baleia excepcionalmente poderosa e
alerta, costuma-se incapacitá-la mutilando seu gigantesco tendão caudal. Isso se faz atirando-se uma
espada curta à qual se ata uma corda para rebocá-lo novamente para trás. Como soubemos depois,
uma baleia ineficientemente ferida nesse local conseguira se livrar do bote carregando com ela
metade da linha do arpão e na desesperada agonia do ferimento agora se arrojava pelos círculos
giratórios como o solitário e desesperado Arnold na batalha de Saratoga, espalhando medo por onde
passava.
1- Como todas as outras espécies de leviatãs, mas ao contrário da maioria dos outros peixes, o
cachalote tem seus filhotes em qualquer estação. Depois de uma gestação que provavelmente pode
ser fixada em nove meses, produz um filhote de cada vez, apesar de se saber que em raras ocasiões
nascem gêmeos – uma contingência prevista pela existência de duas tetas curiosamente situadas de
cada lado do ânus. Porém, os seios propriamente ditos estendem-se para cima destas. Quando por
acaso essas preciosas partes da baleia que amamenta são cortadas pela lança do caçador, o leite e o
sangue da mãe descolorem grande extensão do mar. O leite é muito doce e rico. Já foi provado pelo
homem e combina bem com morangos. Quando cheias de mútua estima, as baleias saúdam MORE
HOMINUM. (N.A.) (More hominum – Latim: à maneira dos homens).
Porém, por mais torturante que fosse o ferimento dessa baleia e um espetáculo aterrador, o
raro horror que parecia inspirar ao resto do cardume devia-se a uma causa a princípio obscurecida
de nossa visão pela distância. Por fim, percebemos que por um desses inimagináveis acidentes que
acontecem durante uma pescaria, a baleia se enredara na linha do arpão que arrastava, levando
também a espada curta que lhe haviam cravado na cauda. No entanto, a extremidade da corda ligada
ao arpão se emaranhara permanentemente nos laços da linha, mas a espada se soltara da cauda e o
animal atormentado e enlouquecido sacudia a cauda flexível agitando a arma afiada, ferindo e
matando seus companheiros.
Esse objeto terrível parecia pareceu anular o medo paralisante que dominava todo cardume.
Primeiro, as baleias que formavam a borda de nosso lago principiaram a se agrupar um pouco,
esbarrando umas nas outras como se levantadas por ondas meio perdidas, vindas de longe. Então, o
próprio lago começou a se erguer e inchar. As câmaras nupciais submarinas e os quartos dos
filhotes desapareceram. Em órbitas que se contraíam cada vez mais, as baleias dos círculos internos
começaram a nadar em grupos cada vez mais compactos. Sim, a longa calma desaparecia. Logo se
ouviu um pequeno zunido que foi se avolumando e, como as tumultuosas massas de blocos de gelo
quando o grande rio Hudson derrete na primavera, todo o cardume de baleias avançou para o centro
como se quisesse se empilhar formando uma montanha. Imediatamente, Starbuck e Queequeg
trocaram de lugar e Starbuck ocupou a popa.
“Remos!” murmurou ele de forma intensa, empunhando o leme. “Segurem seus remos e
agarrem suas almas. Agora! Meu Deus, homens, firmes! Queequeg, afasta esse cachalote, atinge-o!
Em pé! Em pé, homens. Empurrai; não vos importeis com seus lombos! Afastai-as!”
O bote agora se encontrava prensado entre duas enormes massas negras que deixavam um
estreito de Dardanelles entre suas formas imensas. Com um esforço desesperado finalmente
alcançamos uma abertura temporária e retrocedemos depressa, procurando ao mesmo tempo outra
abertura. Após muitas pequenas fugas semelhantes, por fim nos encontramos no que há pouco fora
um dos círculos externos, agora cruzado por baleias dispersas tentando chegar ao centro único. Essa
feliz salvação nos saiu barata, pois apenas Queequeg perdeu seu chapéu. Enquanto estava em pé na
proa tentando afastar as baleias, um redemoinho de vento produzido pelo súbito agitar de duas
barbatanas arrancara-lhe o chapéu da cabeça.
Barulhenta e desordenada, a agitação universal logo se transformou no que parecia ser um
movimento sistemático, pois tendo finalmente se agrupado em um único corpo denso, voltaram a
fugir com velocidade aumentada. Era inútil persegui-las, mas os botes ainda permaneceram em sua
esteira para tentar capturar alguma baleia ferida que tivesse ficado para trás e para recolher a que
Flask matara e marcara. A marca é uma pequena estaca com um pendão e cada barco leva dois ou
três exemplares. Quando há caça adicional à mão, são inseridos no corpo flutuante da baleia morta
para marcar seu local no mar e indicar a posse, no caso de outro navio se aproximar.
O resultado dessa aventura ilustrou bem um inteligente adágio repetido pelos pescadores –
quanto mais baleias, menor a caça. De todas as baleias marcadas, apenas uma foi capturada. As
outras escaparam durante algum tempo, apenas para serem apanhadas por pela tripulação de outro
navio que não o Pequod, como veremos depois.
88. ESCOLAS E PROFESSORES
O capítulo anterior descreveu um imenso cardume de cachalotes e também falou sobre a
provável causa desses vastos agrupamentos.
Pois bem, apesar de às vezes serem encontradas essas vultosas reuniões, como tivemos
oportunidade de ver, até hoje ocasionalmente são observados pequenos bandos isolados com 20 a
50 indivíduos. Tais grupos são chamados de escolas. Em geral são de dois tipos: Os compostos
quase só de fêmeas e os formados apenas por jovens machos vigorosos, ou touros, como são
vulgarmente denominados.
Na qualidade de cavalheiro protetor de uma escola de fêmeas, sempre há um macho que já
completou seu desenvolvimento, apesar de ainda não ser velho. Diante de qualquer alarme é ele
quem demonstra sua galanteria colocando-se na retaguarda para proteger a fuga de suas damas. Na
verdade esse cavalheiro é um esplêndido otomano, nadando por seu mundo aquático acompanhado
por todos os confortos e prazeres do harém. O contraste entre esses otomanos e suas concubinas é
impressionante, pois enquanto ele sempre apresenta proporções leviatânicas, as fêmeas não têm
mais que um terço da dimensão de um macho de tamanho médio, mesmo quando totalmente
desenvolvidas. Atrevo-me a dizer que elas são delicadas comparadas a ele, pois sua cintura não
passa de seis jardas. Entretanto, não se pode negar que no total elas estejam hereditariamente
destinadas à corpulência da gravidez.
É muito curioso observar esse harém e seu senhor em suas excursões indolentes. Como
criaturas modernas, todos se movimentam em indolente busca de variedade. Pode-se encontrá-los
na linha do equador para o auge da estação de alimentação, talvez acabando de voltar de um verão
passado nos mares do norte onde enganaram essa estação e todas as desagradáveis impropriedades
do cansaço e do calor. Depois de passear relaxadamente de um lado para outro na linha do equador,
deslocam-se para as águas orientais para esperar a estação fria, escapando de outra temperatura
excessiva do ano.
Ao avançarem serenamente em uma dessas jornadas, se virem algo esquisito ou suspeito os
senhores cachalotes vigiarão cuidadosamente sua interessante família. Se algum jovem leviatã
aparecer por ali sem razão e se atrever a se aproximar de uma das senhoras, com que fúria
prodigiosa o sultão o atacará e expulsará! Na verdade, o jovem atrevido que se permitir invadir a
santidade da felicidade doméstica passará por maus bocados. Mas não importa o que o sultão faça,
não consegue manter o mais notório sedutor fora de sua cama, pois infelizmente todos os peixes
dormem juntos. Como em terra as senhoras com frequência causam os mais terríveis duelos entre
seus admiradores rivais, entre as baleias às vezes acontecem duelos mortais, e tudo por amor. Eles
duelam com suas longas mandíbulas, às vezes entrelaçando-as, lutando pela supremacia como alces
que emaranham seus chifres. Vários são capturados com profundas cicatrizes deixadas por esses
encontros – cabeças sulcadas, dentes quebrados, barbatanas recortadas e, em algumas ocasiões,
mandíbulas retorcidas e deslocadas.
Porém, supondo que o invasor do êxtase doméstico se afaste depois do primeiro ataque do
senhor do harém, é muito divertido observar esse senhor. Ele gentilmente insinua seu vasto corpo
entre as fêmeas e ali fica durante algum tempo, entretendo-se um pouco, ainda na irresistível
proximidade do jovem sedutor, como um piedoso Salomão adorando devotadamente suas mil
concubinas. Se houver outras baleias a vista, os pescadores raramente dão caça a esses grandes
turcos, pois são muito orgulhosos de sua força e possuem pequena quantidade de gordura. Quanto
aos filhos e filhas que eles geram, bem… esses filhos e filhos precisam cuidar de si mesmos ou, na
melhor das hipóteses, têm apenas o auxílio materno. Como certos amantes inconstantes e onívoros,
o senhor baleia não aprecia cuidar de crianças, por mais que estime suas mães, e como é um grande
viajante deixa seus bebês anônimos pelo mundo inteiro, cada qual um estranho. Porém, com o
tempo, quando o ardor da juventude entra em declínio e os anos e as indisposições aumentam, a
reflexão lhe concede pausas solenes e a lassidão geral ataca o turco saciado. O amor pela calma e
pela virtude suplanta a paixão pelas donzelas e, impotente, nosso otomano entra no estágio da vida
em que chega o arrependimento e ele renega e larga o harém, e como uma grande alma exemplar e
rabugenta viaja sozinho pelos meridianos e paralelos, dizendo suas preces e advertindo todos os
jovens leviatãs sobre os erros amorosos.
E quando o harém de baleias é denominado de escola pelos pescadores, tecnicamente, o
senhor e mestre dessa escola é o professor. Portanto, mesmo que não seja de caráter estrito, parece
admiravelmente satírico que depois de ter frequentado essa escola ele não saia dali para ensinar o
que aprendeu, mas para informar a loucura que nela existe. Naturalmente, seu título de professor
parece derivar do nome dado ao seu harém, mas há quem suponha que o homem que primeiro deu
um título a essa espécie de baleia otomana deve ter lido as memórias de Vidocq e se informado
sobre a espécie de professor camponês que foi esse famoso francês em sua juventude, e qual a
natureza das aulas ocultas inculcadas em alguns de seus discípulos.
O isolamento ao qual o professor baleia se obriga na velhice é partilhado por todos os
cachalotes idosos. Um leviatã solitário quase sempre é uma baleia velha. Como um venerável e
barbudo Daniel Boone, não deseja ninguém perto dele, só a própria Natureza a quem toma por
esposa na imensidão das águas. Apesar de seus inúmeros segredos, ela é para ele a melhor das
esposas.
As escolas previamente mencionadas, contendo somente machos jovens e vigorosos,
apresentam forte contraste com as escolas-haréns, pois enquanto as fêmeas têm a característica de
serem tímidas, os jovens machos, ou touros, são os mais agressivos dentre todos os leviatãs.
Proverbialmente, são os mais perigosos de se encontrar, com exceção das maravilhosas baleias de
cabeça grisalha que às vezes são encontradas e lutam como inimigos implacáveis, encolerizadas
pelo sofrimento causado pela gota.
As escolas de cachalotes jovens são maiores que as escolas-haréns. Como um grupo de
colegiais, os cachalotes estão sempre cheios de vontade de lutar, são alegres e malvados e
percorrem o mundo em um ritmo exuberante e incauto, de modo que nenhum agente criterioso lhes
garantiria o bom comportamento, como não refrearia um tumultuoso estudante de Yale ou Harvard.
Porém, eles logo deixam essa turbulência e ao atingirem três quartos de seu desenvolvimento total
separam-se dos outros e procuram estabelecer seus próprios haréns.
Outra diferença entre as escolas de machos e fêmeas é ainda mais característica dos sexos.
Se atacarmos um macho jovem, coitado! Todos os seus companheiros o abandonam. Mas se
atacarmos um membro de uma escola-harém, todas as suas companheiras nadarão em torno da
criatura demonstrando grande preocupação e muitas vezes se mantêm tão perto durante tanto tempo
que também acabam sendo capturadas.
89. PEIXES PRESOS E PEIXES LIVRES
A alusão feita aos pendões e hastes no penúltimo capítulo necessita de algumas explicações
sobre as leis e regulamentos da pesca da baleia, da qual o pendão pode ser qualificado como o
grande símbolo e a emblema.
Acontece com frequência que vários navios façam juntos um cruzeiro e que uma baleia seja
atingida por um deles e depois escape para finalmente ser morta e capturada por outro navio. Desse
modo surgem muitas contingências maiores ou menores, todas derivadas desse fato principal. Por
exemplo, depois de uma caça e captura cansativa e perigosa, o corpo da baleia pode se soltar do
navio devido a uma violenta tempestade e, arrastada pela corrente, ser recapturada por um segundo
navio baleeiro que, com toda calma, o reboca confortavelmente, sem risco de perder vidas nem
cordas. Desse modo, seria frequente ocorrerem as mais vexatórias e violentas disputas entre os
pescadores se não existissem algumas leis universais, escritas ou não, porém indiscutíveis em todos
os casos.
Talvez o único código baleeiro formal, autorizado por decreto legislativo, seja o holandês.
Foi decretado pelos Estados Gerais em 1695. Apesar das outras nações não possuírem nenhuma lei
baleeira escrita os pescadores americanos têm seus próprios legisladores e advogados nessa matéria.
Eles instituíram um sistema que por sua concisão e clareza supera o código legal Justiniano e as leis
da Sociedade Chinesa para a Abolição da Intromissão com os Negócios dos outros Povos. Sim,
essas leis poderiam ser gravadas em uma moeda dos tempos da Rainha Anne ou na farpa de um
arpão para depois serem usadas em torno do pescoço, tão curtas que são:
I. UM PEIXE PRESO PERTENCE À PARTE À QUAL ESTÁ PRESO.
II. UM PEIXE LIVRE PERTENCE A QUEM O CAPTURAR PRIMEIRO.
Mas a sagacidade desse magistral código é a admirável brevidade que necessita um vasto
volume de comentários para expô-lo.
Em primeiro lugar, o que é um Peixe Preso? Vivo ou morto, um peixe está tecnicamente
preso quando conectado a um navio ou bote, por qualquer meio controlado por seu ocupante, ou
ocupantes – um mastro, remo, cabo de nove polegadas, fio de telégrafo ou fio de teia de aranha são
iguais. Da mesma maneira, um peixe está tecnicamente preso se levar um pendão ou qualquer outro
símbolo de possessão, desde que a parte que o cravou claramente prove sua habilidade de levar o
peixe consigo a qualquer momento, assim como sua intenção de fazê-lo.
Esses são comentários científicos, mas os comentários dos próprios baleeiros são feitos de
palavras duras e pancadas ainda mais duras – a Lei dos punhos. É verdade que entre os mais
corretos e honrados baleeiros são feitas concessões em casos particulares, quando seria uma
ultrajante iniquidade moral uma parte reclamar a posse de uma baleia previamente caçada ou morta
por outra parte. Mas outros não são tão escrupulosos.
Há cerca de 50 anos aconteceu um interessante caso litigioso na Inglaterra, em que os
queixosos reclamavam a posse de uma baleia depois de uma caça difícil nos Mares do Norte,
quando ambos (os queixosos) haviam conseguido arpoar a baleia, mas estando em perigo de perder
suas vidas, foram obrigados a abandonar não só o peixe como também suas linhas e seu bote. Por
fim, os acusados (a tripulação de outro bote) surgiram com a baleia morta, presa e finalmente se
apropriou dela sob os olhos dos queixosos. E quando os acusados receberam os protestos formais,
seu capitão estalou os dedos diante do rosto dos queixosos e lhes assegurou que, como recompensa
pelo feito, ele ficaria com suas linhas, arpões e bote, que haviam permanecido presos à baleia até
sua captura. Diante disso os queixosos foram à justiça e pediram o reembolso do valor de sua
baleia, da linha, dos arpões e do bote.
O senhor Erskine era advogado dos acusados; Lorde Ellenborough era o juiz. Durante a
defesa, o inteligente senhor Erskine ilustrou sua posição aludindo a um recente caso criminal em
que um cavalheiro, depois de tentar em vão conter a depravação de sua esposa, finalmente a
abandonara pelos mares da vida. Porém, depois de decorridos alguns anos ele se arrependera desse
passo e instituíra uma ação para recuperar sua posse. Erskine prosseguiu dizendo que apesar de o
cavalheiro ter originariamente arpoado e prendido a dama, ele a abandonara pelo grande problema
de vê-la cair na depravação, de modo que ela se tornara um peixe livre. Portanto, quando outro
cavalheiro a arpoara, a dama se tornara propriedade desse outro cavalheiro, juntamente com
qualquer arpão que se nela encontrasse fixado.
Pois bem, no presente caso, Erskine sustentava que os exemplos da baleia e da dama eram
reciprocamente ilustrativos um do outro.
Depois de devidamente ouvidas essas alegações e contra-alegações, o muito sábio juiz
decidiu estabelecer os seguintes termos: Quanto ao barco, foi concedido aos reclamantes, pois eles
só o haviam abandonado para salvar suas vidas; mas quanto à controversa baleia, os arpões e a
linha, eles pertenciam aos acusados: a baleia porque se tratava de um peixe livre no momento da
captura final, os arpões e a linha porque a baleia os levava com ela, portanto adquirira a posse
desses artigos e qualquer pessoa que possuísse o peixe tinha direito a eles. Como os acusados
haviam capturado o peixe, aqueles artigos lhes pertenciam.
Um homem comum que examinasse essa decisão do sapientíssimo juiz poderia objetar a ela.
Porém, arando-se esse terreno até ao cerne do assunto, isto é, aos dois grandes princípios
estabelecidos nas duas leis previamente citadas e elucidadas pelo Lorde Ellenborough no caso
acima citado, chega-se à conclusão de que essas leis relativas aos Peixes Presos e aos Peixes Livres
são o fundamento de toda jurisprudência humana, pois não obstante toda complicação dos adornos
da escultura, o Templo da Lei se apoia em apenas duas colunas, exatamente como o Templo dos
Filisteus.
Não é um adágio pronunciado por todas as bocas o que diz que a posse é metade da lei,
independente do modo como foi obtida essa posse? Com muita frequência, a posse é toda a lei. O
que são os músculos e as almas dos servos russos e dos escravos republicanos senão peixes presos,
cuja posse é a lei absoluta? O que é para o senhorio opressor o último tostão da viúva, senão um
peixe preso? O que é aquela mansão de mármore de um vilão oculto, com uma placa na porta como
um objeto abandonado, senão um peixe preso? O que é o juro desmedido cobrado pelo agiota
Mordecai sobre o empréstimo feito ao pobre e falido Woebegone, que o solicitou para que sua
família não morresse de fome, senão um peixe preso? O que é o salário de 100 mil libras do
Arcebispo Salv’almas, arrancados do pouco pão e queijo de centenas de milhares de trabalhadores
curvos (todos certos de alcançarem os céus com o auxílio de Salv’almas), o que é essa soma de 100
mil libras senão um peixe preso? O que são as cidades e vilarejos hereditários do duque de Dunder
senão peixes presos? O que é a pobre Irlanda para o temível arpoador John Bull, senão um peixe
preso? O que é o Texas para o lanceiro apostólico Irmão Jonathan, senão um peixe preso? E em
todos esses casos, a posse não é a lei absoluta?
Mas se a doutrina do peixe preso tem grande aplicação, a doutrina gêmea do peixe livre é
empregada ainda mais amplamente. Seu emprego é internacional, universal.
O que era a América em 1492 senão um peixe livre no qual Colombo fincou o estandarte
espanhol, marcando-o para seus reais senhor e senhora? O que era a Polônia para o Czar? A Grécia
para os Turcos, a Índia para a Inglaterra? E por fim, o que será o México para os Estados Unidos?
Todos são peixes livres.
O que são os Direitos dos Homens e a Liberdade do Mundo, senão peixes livres? O que são
as mentes e opiniões dos homens, senão peixes livres? O que é o princípio da crença religiosa,
senão um peixe livre? O que são para os verbalistas pomposos as ideias dos pensadores, senão
peixes livres? O que é o grande globo, senão um peixe livre? E o que és tu, leitor, senão um peixe
livre e ao mesmo tempo um peixe preso?
90. CABEÇAS OU CAUDAS
DE BALENA VERO SUFFICIT, SI REX HABEAT CAPUT, ET REGINA CAUDAM. 1
Essa frase foi retirada dos livros jurídicos da Inglaterra e, lida no contexto, significa que de
todas as baleias capturadas por qualquer pessoa nas costas dessa terra, como Grande Arpoador
Honorário o Rei é possuidor da cabeça e à Rainha deve ser respeitosamente apresentada a cauda.
Uma divisão que, na baleia, é como partir uma maçã ao meio: não sobra nada no meio. Pois bem,
em forma modificada essa lei vigora até hoje na Inglaterra e como em vários de seus aspectos é uma
estranha anomalia da lei geral dos peixes presos e livres, ela será aqui tratada em um capítulo à
parte, segundo os mesmos princípios de cortesia que levam as ferrovias inglesas a incorrerem nas
despesas de um vagão especialmente reservado para acomodar a realeza. Em primeiro lugar, como
curiosa prova do fato de que a lei acima mencionada ainda se encontra em vigor, procedo à
narrativa do que aconteceu nos últimos dois anos.
Parece que depois de uma caça bastante difícil, alguns honestos marinheiros de Dover,
Sandwich ou Cinq Ports, conseguiram matar e levar para a costa uma esplêndida baleia que haviam
encontrado bem longe do porto. Cinq Ports encontra-se parcialmente sob a jurisdição de uma
espécie de policial ou bedel chamado Lorde Guardião. Tendo recebido o cargo diretamente da
coroa, todos os emolumentos reais que incidem sobre os territórios de Cinq Ports tornam-se
propriedade sua, por cessão. Alguns escritórios chamam esse cargo de sinecura. Mas não é assim,
pois o Lorde Guardião está constantemente ocupado com a cobrança de suas gratificações – suas
porque ele não deixa de embolsá-las.
Bem, quando esses pobres marinheiros queimados de sol, descalços, com as calças enroladas
em torno de suas pernas de enguia, conseguiram colocar no lugar seu peixe gordo e seco,
prometendo a si mesmos um lucro de 150 libras com a venda do óleo e dos ossos preciosos,
sonhando tomar uma xícara de excelente chá com suas esposas e uma boa aguardente com seus
companheiros, confiantes que iriam receber suas respectivas porções, eis que lhe aparece o muito
erudito e caridoso cavalheiro cristão com uma cópia do Blackstone debaixo do braço e,
colocando-se sobre a cabeça da baleia, diz: “Senhores, tirai as mãos desse peixe, pois ele é um peixe
preso. Tomo posse dele como Lorde Guardião”. Diante disso, os pobres marinheiros assumiram
uma atitude muito inglesa de respeitosa consternação e não sabendo o que dizer começaram a coçar
a cabeça vigorosamente enquanto olhavam da baleia para o estranho, e do estranho para a baleia.
Mas isso de nada adiantava para remediar a situação ou para amolecer o coração do erudito
cavalheiro portador da cópia do Blackstone. Por fim, depois de muito coçar a cabeça em busca de
ideias, um deles tomou coragem e falou: “Por favor, senhor, quem é o Lorde Guardião?”
“O Duque”.
“Mas o duque não teve nada a ver com a pesca deste peixe!”
“Mas ele lhe pertence”.
“Tivemos grande trabalho e passamos por grandes perigos e também fizemos algumas
despesas, e tudo isso para benefício do duque? Não receberemos nada por nosso trabalho, senão
nossos ferimentos?”
“Ele lhe pertence”.
“O duque é tão pobre a ponto de ser forçado a recorrer a esse desesperado modo de vida?”
“Ele lhe pertence”.
“Esperava poder ajudar minha velha mãe enferma com a parte que tenho nessa baleia”.
“A baleia lhe pertence”.
“O duque não se contentará com um quarto, ou metade dela?”
“Ela lhe pertence”.
1- Henry Bracton (1210-1268): jurista inglês: “Da baleia, é suficiente que o rei tenha a cabeça e a
rainha, a cauda”.
Em suma, a baleia foi confiscada e vendida, e sua Graça, o Duque de Wellington, recebeu o
dinheiro. Examinado sob um ponto de vista especial, diante das circunstâncias o caso até poderia
ser considerado injusto. Um honesto clérigo da cidade respeitosamente enviou uma nota ao duque,
rogando-lhe considerar o caso desses infortunados marinheiros, à qual o senhor duque respondeu
(ambas as cartas foram publicadas) que o caso já fora considerado, ele já recebera o dinheiro e
ficaria muito grato se o reverendo cavalheiro no futuro deixasse de se intrometer nos assuntos dos
outros. Será esse o velho ainda militante que fica nas esquinas dos três reinos e obriga os mendigos
a lhe entregar as esmolas que receberam?
Logo se verá que neste caso o suposto direito do duque à baleia fora delegado pelo Rei.
Precisamos então investigar qual o princípio que outorgou ao Soberano esse direito. A lei já foi
revelada e Plowdon nos oferece as razões. Ele diz que a baleia caçada pertence ao rei e à rainha
“devido à sua superior excelência”. E os mais sólidos comentaristas sempre afirmaram que nesses
assuntos o argumento é persuasivo.
Mas por que o rei deveria receber a cabeça, e a rainha a cauda? Deve haver uma boa razão
para isso, advogados!
Em seu tratado a respeito do “Ouro da Rainha”, ou o dinheiro miúdo para seus alfinetes, um
certo William Prynne assim se expressa: “A cauda pertence à rainha porque o guarda-roupa da
soberana sempre deve conter barbatanas de baleia”. Pois bem, isso foi escrito em uma época em que
o osso negro e flexível da baleia real era largamente utilizado nos espartilhos das damas. Mas esse
osso não se encontra na cauda e sim na cabeça, o que demonstra o triste engano de um advogado tão
sagaz quanto Prynne. Mas será a rainha uma sereia para que lhe seja oferecida a cauda? Talvez aí se
esconda algum significado alegórico.
Existem dois peixes reais assim classificados pelos autores da lei inglesa – a baleia e o
esturjão – ambos de propriedade real, sob certas limitações, nominalmente suprindo o décimo ramo
dos rendimentos ordinários da coroa. Não sei se outro autor já tocou nesse assunto, mas, por
inferência, parece-me que o esturjão deveria ser dividido como a baleia e o rei receberia a cabeça
densa e elástica desse peixe, um fato que, considerado de modo simbólico e humorístico, poderia
fazer supor que essa determinação teria como base uma provável semelhança entre ambos. Assim
sendo, parece haver uma razão para tudo, até mesmo para a lei.
91. O “PEQUOD” ENCONTRA O “BOTÃO DE ROSA”
“EM VÃO BUSCOU-SE O MBAR GRIS NO VENTRE DESSE LEVIATÃ, O
INSUPORTÁVEL MAU CHEIRO NÃO IMPEDINDO A INVESTIGAÇÃO”.
SIR T. BROWNE, V. E.
Uma ou duas semanas após a última cena de pesca que narramos, ao navegarmos pelo mar
entorpecido e diáfano do meio dia, vários narizes presentes no convés do Pequod revelaram-se
descobridores mais vigilantes que os três pares de olhos em cima dos mastros. Um cheiro peculiar e
não muito agradável foi sentido no mar.
“Aposto qualquer coisa que há por aí uma daquelas baleias marcadas no ataque do outro dia.
Acho que vai aparecer daqui a pouco”, disse Stubb.
Em pouco tempo, os vapores que nos rodeavam se afastaram e, à distância, vimos um navio
cujas velas dobradas indicavam a existência de uma baleia presa ao seu costado. Ao nos
aproximarmos, verificamos que o navio estranho ostentava as cores francesas no bico de proa, e
pela nuvem de abutres marinhos que pairava e descia sobre ele, estava claro que a baleia que
carregavam era o que os pescadores chamam de baleia maldita, isto é, uma baleia que morreu no
mar sem ser atacada e flutua como um cadáver sem dono. Pode-se imaginar o odor terrível que tal
massa exala, pior que o de uma cidade assíria assolada pela praga, na qual os vivos não conseguem
enterrar os mortos. O mau cheio é tão intolerável que nenhuma cobiça permite que a recolham. No
entanto, há alguns que ainda o fazem, apesar do fato de o azeite obtido dessas baleias ser de
qualidade muito inferior e de natureza muito diferente do óleo fabricado com essência de rosas.
Chegando ainda mais perto com o auxílio da brisa que agonizava, vimos que o navio francês
tinha uma segunda baleia e que esta parecia ser ainda mais aromática que a primeira. Na verdade,
era uma dessas baleias problemáticas que parecem secar e morrer com uma espécie de dispepsia
monstruosa, ou indigestão, o que deixa seus corpos mortos quase inteiramente privados de qualquer
coisa parecida com azeite. No entanto, mais tarde vereis que nenhum pescador argucioso virará o
nariz para uma baleia como essa, por mais que em geral prefira se afastar das baleias malditas.
O Pequod agora se encontrava tão perto do navio estranho que Stubb jurou reconhecer sua
haste, por mais embaralhada que estivesse nas linhas que prendiam a cauda dessa baleia.
“Esse é um sujeito engraçado”, disse ele rindo, em pé na proa do barco. “Um verdadeiro
chacal! Sei muito bem que esses sapos franceses não passam de pobres diabos quando se trata de
pesca. Algumas vezes baixam seus botes para algumas ondas que confundem com jorros de
cachalotes. Outras vezes zarpam de seus portos com os porões cheios de caixas de velas de sebo e
caixotes de apagadores de velas, prevendo que todo azeite que conseguirão não será suficiente para
acender o pavio da lanterna do capitão. Todo mundo sabe disso, mas atenção, ali está um sapo que
se contenta com as nossas sobras. Sim, aquela é a baleia que marcamos. E ele também se contenta
com os ossos secos daquele outro peixe precioso que carrega. Pobre diabo! Vamos, que alguém
passe o chapéu e vamos lhe dar um pouco que azeite em nome da caridade, pois o que retirará dessa
baleia não dará nem para queimar na cadeia, na cela de um condenado. E quanto à outra baleia,
garanto que ele conseguirá mais óleo dos três mastros picados e espremidos que daquele monte de
ossos. Contudo, pensando bem ela talvez contenha algo mais preciso que azeite: âmbar gris. Será
que o velho pensou nessa possibilidade? Vale a pena tentar. Sim, está decidido”. E assim dizendo,
dirigiu-se ao castelo de proa.
Naquele momento a brisa se acalmara por completo, de modo que o Pequod se encontrava
totalmente preso no mau cheiro, sem esperanças de escapar a não ser que a brisa voltasse a soprar.
Saindo da cabina, Stubb chamou a tripulação de seu bote e dirigiu-se ao navio estranho. Passando
pela proa, percebeu que, de acordo com o fantástico gosto francês, a parte superior da roda era
entalhada como um imenso caule inclinado pintado de verde, e seus espinhos eram pregos de cobre
que se projetavam aqui e ali. O conjunto terminava com um botão dobrado, vermelho vivo. E nas
placas colocadas em seus dois costados, em grandes letras douradas, lia-se “Bouton de Rose”, isto
é, “Botão de Rosa”. Esse era o nome romântico daquele navio aromático.
Apesar de Stubb não compreender a parte da inscrição que dizia Bouton, a palavra Rose e a
figura bulbosa foram suficientes para lhe explicar tudo.
“Um botão de rosa de madeira, não é?” gritou ele tampando o nariz com a mão. “Muito
bem, mas como cheira mal!”
Para entrar em comunicação direta com as pessoas no convés ele precisou rodear a proa
passando para o lado de estibordo, e desse modo foi obrigado a se aproximar da baleia maldita e
conversar por cima dela.
Ao chegar nesse ponto, ainda com uma das mãos diante do nariz ele gritou: “Bouton de
Rose! Olá! Um dos botões de rosa fala inglês?”
“Sim”, respondeu um marinheiro, da amurada. Mais tarde soubemos que ele era o primeiro
piloto.
“Bem. Botão de Rosa, algum de vós viu uma Baleia Branca?”
“Que baleia?”
“A Baleia Branca – um cachalote – Moby Dick. Vós a vistes?”
“Jamais ouvi falar nela. Um cachalote Branco! Baleia Branca! Não”.
“Muito bem, então. Até logo, por enquanto. Voltarei em um minuto!”
Rapidamente voltando ao Pequod e vendo Ahab debruçado na amurada do castelo de proa
esperando pelas notícias, colocou as mãos em forma de trompa e gritou – “Não, senhor! Não!”
Diante disso Ahab se retirou e Stubb voltou ao navio francês.
Então, viu que o primeiro piloto se dirigira às correntes e usava uma pá afiada, com o nariz
enfiado dentro de uma espécie de bolsa.
“Qual o problema com teu nariz?” perguntou Stubb. “Está quebrado?”
“Melhor seria se estivesse ou que eu não tivesse nariz algum!” respondeu o piloto, que não
parecia gostar muito do trabalho. “Mas por que estás tampando o teu?”
“Oh, por nada! É um nariz de cera. Preciso segurá-lo Lindo dia, não achas? Eu diria que o ar
parece o de um jardim. Podes jogar um ramalhete de flores para mim, Botão de Rosa?”
“Que diabos queres aqui?” rugiu o piloto tomado de súbita cólera.
“Oh, fica frio! Frio? Sim, é essa a palavra! Por que não enches essas baleias de gelo
enquanto trabalhas nelas? Deixando as brincadeiras de lado, sabes, Botão de Rosa, que é bobagem
tentar tirar azeite de baleias como essas? Quanto a outra, a que está seca, sua carcaça não contém
nem a oitava parte de um litro”.
“Sei disso muito bem, mas o capitão não quer acreditar. Esta é sua primeira viagem. Ele era
fabricante de água de colônia. Mas sobe a bordo; ele talvez acredite em ti já que não crê em mim.
Desse modo poderei sair desta imundície”.
“ Qualquer coisa para te servir, meu doce e agradável amigo”, respondeu Stubb começando
a subir ao convés, onde encontrou uma cena estranha. Com gorros de bordas vermelhas, os
marinheiros preparavam os pesados aparelhos para enfrentar as baleias. Porém, trabalhavam
devagar e falavam depressa, parecendo estar de péssimo humor. Todos os narizes projetavam-se de
seus rostos para cima, como bujarronas. Aqui e ali, aos pares deixavam o trabalho e subiam ao topo
dos mastros para respirar um pouco de ar fresco. Alguns achavam que podiam contrair a peste e
molhavam estopa de calafate no alcatrão e de tempos em tempos levavam-na ao nariz. Outros,
tendo partido a haste de seus cachimbos bem perto do bojo, tiravam baforadas vigorosas para que a
fumaça do tabaco lhes enchesse os condutos olfativos constantemente.
Stubb foi atingido por uma enxurrada de gritos e opróbrios procedentes do toldo do capitão.
Olhando naquela direção, viu um rosto furioso surgindo de trás de uma porta mantida entreaberta
pelo lado de dentro. Era o atormentado cirurgião que, depois de protestar em vão contra os
acontecimentos do dia, refugiara-se no toldo (no gabinete, como ele o chamava) para evitar a peste,
mas de tempos em tempos não podia deixar de expressar sua indignação e suas súplicas.
Examinando isso tudo, Stubb refletiu que seu plano era ótimo e, voltando-se para o piloto
conversou um pouco com ele. Durante essa conversa, o piloto lhe revelou que detestava o capitão,
que considerava um incapaz arrogante que os arrastara para uma viagem tão desagradável quanto
inútil. Sondando com cuidado, Stubb percebeu que o piloto não tinha a menor suspeita sobre o
âmbar gris. Então se manteve calado quanto a isso, mas foi franco e quanto ao resto, e os dois
rapidamente armaram um esquema para lograr o capitão e zombar dele sem que ele suspeitasse da
sinceridade dos dois. De acordo com esse plano, valendo-se de seu ofício de intérprete, o piloto
diria ao capitão qualquer coisa que imaginasse como se tivesse sabido por Stubb, e este diria
qualquer absurdo que lhe passasse pela cabeça durante a entrevista.
Nessa hora a vítima apareceu, vinda de sua cabina. Era pequeno, moreno, e tinha feições
delicadas para um homem do mar. Seu rosto era enfeitado por suíças e por um bigode grande, e ele
vestia um colete de veludo vermelho com um relógio e outros berloques pendurados em uma
corrente, ao lado. Stubb foi educadamente apresentado pelo piloto que de pronto assumiu
ostensivamente seu papel de intérprete.
“O que eu lhe direi em primeiro lugar?”, perguntou ele.
“Bem”, disse Stubb, observando o colete de veludo, o relógio e os berloques, “podes
começar dizendo que ele me parece um bebezão, apesar de eu não pretender julgá-lo”.
“Ele diz, senhor, que ainda ontem seu navio se encontrou com outro, cujo capitão, primeiro
piloto e seis marinheiros haviam morrido de febre apanhada de uma baleia maldita que prenderam
ao costado”.
Diante disso, o capitão se assustou e mostrou-se ansioso para saber mais.
“E agora?” perguntou o piloto a Stubb.
“Bom, como ele recebe as notícias com tanta calma, diga-lhe que agora que pude observá-lo
com cuidado estou certo de que ele é tão indicado para comandar um navio baleeiro quanto um
macaco de São Tiago. Na verdade, diga-lhe de minha parte que ele é um babuíno”.
“Senhor, ele jura e declara que essa outra baleia, a seca, é ainda mais letal que a baleia
maldita e nos implora para nos livrarmos desses peixes, se temos amor à vida”.
O capitão instantaneamente correu para frente e, em alta voz, deu ordem para a tripulação
desistir de içar a aparelhagem para cortar, e soltar de imediato os cabos e correntes que prendiam as
baleias ao navio.
“E agora?” disse o piloto quando o capitão voltou.
“Bom, deixa-me ver. Sim, podes lhe dizer que, de fato, eu o estava enganando”. E de lado,
falando a si mesmo, completou: e talvez também tenha enganado o outro.
“Senhor, ele diz que está muito feliz por nos ter sido útil”.
Ouvindo isso, o capitão jurou que eram eles que deviam agradecer (referindo-se a ele
próprio e ao primeiro piloto) e acabou convidando Stubb para ir ao seu camarote para beber uma
garrafa de vinho Bordeaux.
“Ele deseja que tu bebas um copo de vinho com ele”, disse o intérprete.
“Agradece-o do fundo do coração, mas dize que é contra meus princípios beber com alguém
que eu enganei. Na verdade, dize-lhe que preciso ir embora”.
“Senhor, ele diz que seus princípios não lhe permitem beber, mas que se quiseres viver outro
dia para poderes beber, então é melhor baixar os quatro botes e puxar o navio para longe dessas
baleias, pois está uma calmaria tão grande que não há corrente para levá-las para longe”.
Nessa hora, Stubb, que já passava para o outro lado da amurada e entrava em seu bote,
chamou o piloto para dizer que, como tinha um longo cabo de reboque, ele faria o possível para
ajudá-lo, puxando e arrastando-o para longe o cachalote mais leve. Enquanto os botes franceses se
ocupavam em rebocar o navio para um lado, Stubb benevolentemente arrastava a baleia para o
outro, usando ostensivamente um cabo de reboque de tamanho excepcional.
Logo depois, surgiu uma brisa e Stubb fingiu abandonar a baleia. Içando seus botes, o navio
francês logo aumentou a distância entre eles enquanto o Pequod deslizava entre ele e a baleia de
Stubb. Em seguida, Stubb empurrou depressa o corpo flutuante e, chamando o Pequod para avisá-lo
de suas intenções, passou a colher o fruto de sua tortuosa astúcia. Agarrando uma afiada pá,
começou a abrir o corpo um pouco atrás da barbatana lateral. Poder-se-ia imaginar que ele cavava
um porão no mar. Por fim, quando sua pá atingiu as costelas frágeis, foi como se tivesse
desenterrado antigos azulejos e cerâmica romana, enterrados em uma greda inglesa. A tripulação do
bote estava muito excitada ajudando seu chefe, parecendo tão ansiosa quanto cavadores de ouro.
Durante todo tempo inúmeros pássaros mergulhavam, gritavam e lutavam em torno deles.
Stubb começava a parecer desapontado, sobretudo porque a horrível fedentina parecia aumentar. De
repente, do âmago dessa praga surgiu uma delicada corrente de perfume que fluiu através da
corrente de mau cheiro sem ser absorvida por ela, como um rio que ao desaguar em outro continua a
correr durante algum tempo sem que suas águas se misturem.
“Encontrei!” gritou Stubb deliciado, atingindo algo nas regiões subterrâneas. “Uma bolsa!”
Deixando cair sua pá, meteu as duas mãos dentro da baleia e retirou punhados de uma
substância muito oleosa e agradável ao paladar, com aparência de sabão Windsor ou de um velho
queijo gorduroso e sarapintado. Poder-se-ia facilmente amassá-la com o polegar e sua coloração era
entre o amarelo e o cinzento. E isso, meus bons amigos, é o âmbar gris que pode ser vendido em
qualquer drogaria por um guinéu de ouro a onça. Obtiveram cerca de seis punhados e talvez
conseguissem um pouco mais não fosse pelos gritos do impaciente Ahab, exigindo que Stubb
desistisse daquilo e voltasse para bordo ou o navio lhe diria adeus.
92. MBAR GRIS
Pois bem, o âmbar gris é uma substância muito interessante e tão importante como artigo de
comércio que em 1791 um nativo de Nantucket, o capitão Coffin, foi interrogado sobre esse assunto
na Câmara dos Comuns, na Inglaterra. Nessa época, e até bem depois disso, a origem precisa do
âmbar gris permanecia um problema para os eruditos, a exemplo do próprio âmbar. Apesar da
denominação ‘ambre gris’ ser de origem francesa (sua tradução exata seria âmbar cinzento), essa
substância difere bastante do âmbar, pois este, apesar de às vezes ser encontrado na costa do mar,
também é escavado do fundo do solo, no interior do continente, enquanto que o âmbar gris somente
é encontrado no mar. Além disso, o âmbar é uma substância dura, transparente, quebradiça e sem
cheiro, usada em boquilhas de cachimbo, contas e ornamentos. O âmbar gris é macio, tem
consistência de cera e é tão aromático e picante que é largamente utilizado na perfumaria, em
pastilhas, velas preciosas, pós para cabelos e pomadas. Os turcos o empregam na culinária e
também o levam para Meca, onde é utilizado do mesmo modo como se usa incenso na Catedral de
São Pedro, em Roma. Alguns comerciantes de vinho colocam alguns grãos de âmbar gris no clarete,
para condimentá-lo.
Quem poderia imaginar que as mais finas senhoras e os belos cavalheiros regalam-se com
uma essência encontrada no inglório ventre de uma baleia doente? Contudo, essa é a verdade.
Algumas pessoas acreditam que o âmbar gris seja a causa da dispepsia da baleia, outras creem que
seja o efeito. Difícil dizer como essa dispepsia da baleia pode ser curada, a menos que se
experimente administrar a ela o carregamento de três ou quatro botes de pílulas de Brandreth, tendo
o cuidado de em seguida sair correndo para evitar o perigo, como fazem os operários ao explodir
rochas.
Esquecime de dizer que no âmbar gris são encontrados alguns objetos duros, redondos, que
a princípio Stubb imaginou serem botões das calças dos marinheiros, porém não passavam de
pequenos pedaços de ossos de Iula, embalsamados desse modo.
Não será significativo o fato do fragrante e incorruptível âmbar ser encontrado no coração
da decomposição? Reflitamos no que disse São Paulo aos Coríntios sobre corrupção e não
corrupção, e como somos semeados na desonra mas alçados à glória. Lembremos também das
palavras de Paracelso sobre o que faz o melhor almíscar. E não esqueçamos o estranho fato de que
todas as coisas que cheiram mal a água de colônia é a pior, em seus estágios rudimentares de
fabricação.
Gostaria de concluir o capítulo com as reflexões acima, mas não posso devido à minha
ansiedade em rechaçar uma acusação feita com frequência contra os baleeiros e que na opinião de
algumas mentes preconceituosas pode ser considerada como indiretamente confirmada pelo que foi
dito a respeito das duas baleias do navio francês. Em outra parte deste livro foi refutada a difamação
caluniosa que a profissão de baleeiro é imunda. Mas há outra coisa a ser contestada. Insinua-se que
todas as baleias cheiram mal. Como se originou esse estigma odioso?
Minha opinião é que ele se originou na chegada dos primeiros navios baleeiros da
Groenlândia a Londres, há mais de dois séculos. Naquela época os navios não extraíam o azeite
durante a navegação e ainda hoje não extraem, como sempre o fizeram os navios do sul, mas
cortavam a gordura fresca em pequenos pedaços que guardavam em grandes barris que carregavam
para casa, pois a exiguidade da estação de pesca e as violentas tempestades às quais se expunham
proibiam qualquer outro procedimento. Como consequência, ao chegarem às docas do Groenlândia
e abrirem os porões para descarregar um desses cemitérios de baleias, desprendia-se um odor
semelhante ao que provém da escavação do cemitério de uma velha cidade para erigir as fundações
de uma Maternidade.
Creio que essa grave acusação contra os baleeiros também pode ser imputada à existência,
no passado, de uma aldeia chamada Schmerenburgh, ou Smeerenberg, nas costas da Groenlândia,
cujo nome foi usado pelo erudito Fogo Von Slack em sua grande obra sobre aromas, um verdadeiro
tratado sobre esse assunto. Como o nome Smeerenberg indica (smeer: gordura; berg: acumular),
essa aldeia foi fundada como um local para extrair a gordura levada pela frota baleeira holandesa,
evitando transportá-la para a Holanda com essa finalidade. Era uma coleção de fornalhas, caldeiras
e filtros, e enquanto o trabalho se realizava a todo vapor, certamente o odor não devia ser muito
agradável. Mas é bem diferente quando se trata de um baleeiro dos Mares do Sul que em uma
viagem de cerca de quatro anos, depois de rechear seu porão com azeite, talvez não consuma mais
que 50 dias no trabalho de extraí-lo. No estado em que é depositado nos barris, o azeite
praticamente não tem cheiro. A verdade é que, vivas ou mortas, se tratadas com decência as baleias
absolutamente não exalam qualquer mau cheiro, nem os navios que as caçam podem ser
reconhecidos como baleeiros, a exemplo do que alegavam as pessoas da Idade Média que
afirmavam poder detectar um judeu no meio de uma multidão devido ao seu cheiro. A baleia só
poderia cheirar bem, pois em geral goza de excelente saúde, faz muito exercício e vive fora de casa,
apesar de raramente ficar ao ar livre. Afirmo que o movimento das barbatanas de um cachalote
acima da água exala perfume, a exemplo de uma dama perfumada de almíscar quando roça suas
saias em uma sala aquecida. Considerando a dimensão do cachalote, com o que poderia eu
compará-lo quanto ao aroma? Talvez com o famoso elefante levado de uma cidade da Índia para
honrar Alexandre, o Grande, que teve as presas cobertas de joias e foi coberto pela fragrante mirra.
93. O NÁUFRAGO
Alguns dias depois do encontro com o navio francês, um evento muito significativo afetou
até o mais insignificante marinheiro do Pequod, um acontecimento lamentável que terminou
fornecendo à embarcação predestinada, às vezes loucamente alegre, uma profecia viva que sempre
acompanharia qualquer resultado desfavorável que poderia lhe acontecer.
Em um navio baleeiro, não são todos os marinheiros que vão aos botes. Alguns ficam de
reserva. São os chamados vigilantes cujo ofício é trabalhar no navio enquanto os botes perseguem a
baleia. Como regra geral, esses vigilantes são tão robustos quando os homens que tripulam os botes.
Porém, se existir a bordo um sujeito excepcionalmente fraco, desajeitado ou tímido, com certeza
será escolhido como vigilante. Assim aconteceu no Pequod com o negrinho Pippin, apelidado de
Pip para abreviar. Pobre Pip! Já ouvistes falar nele, antes. Vós deveis vos lembrar de seu pandeiro
naquela meia-noite dramática, tão tristemente alegre.
Exteriormente, Pip e Dough-Boy, eram como um par de pôneis, um negro outro branco, do
mesmo tamanho apesar da diferença de cor, ambos compartilhando uma situação excêntrica.
Enquanto o pobre Dough-Boy era embotado por natureza e intelectualmente lento, Pip tinha o
coração mole mas era muito inteligente e vivo, com aquele brilhantismo agradável, cordial e alegre
característico de sua tribo, uma tribo que sempre aproveita todos os feriados e festividades com
satisfação mais fina e mais livre que qualquer outra raça. Para os negros, o calendário deveria conter
apenas feriados de Quatro de Julho e dias de Ano Novo. Não sorriais se afirmo que esse negrinho
era brilhante, pois até o negro tem brilho. Lembrai-vos do lustroso ébano que reveste os gabinetes
dos reis. Pip amava a vida e todos os seus confortos tranquilos, e ao ver-se inexplicavelmente
encarregado de um assunto assustador, seu brilho ficou tristemente embaçado, apesar de, como
veremos mais tarde, aquilo que temporariamente se empanara nele no final estava destinado a ser
pavorosamente iluminado por estranhos fogos-fátuos que, de modo fictício, lhe comunicaram um
brilho dez vezes maior do que possuía em Tolland County, Connecticut, sua terra natal, onde era a
vida das muitas festas no campo e dos melodiosos jogos de cartas, pois com seus ‘ha-ha!’
transformava o horizonte em um pandeiro estrelado. Contudo, mesmo que no ar claro do dia,
suspenso em um pescoço de veias azuis brilhe um diamante da mais pura água, quando um
joalheiro sagaz deseja que esse diamante seja visto em seu mais impressionante brilho ele o coloca
contra um fundo escuro e só então o ilumina, não com a luz do sol e sim com luzes artificiais.
Apenas nesse momento manifestam-se as ardentes cintilações infernalmente soberbas, e o
refulgente diamante, outrora o mais divino símbolo dos céus de cristal, parecerá uma joia roubada
da coroa do Rei dos Infernos. Mas voltemos à história.
Aconteceu que no negócio do âmbar gris um dos remadores de Stubb torceu a mão de tal
modo que ficou inutilizado durante algum tempo e Pip foi destaca