Plano de Logística Sustentável do Instituto de Pesquisas
Jardim Botânico do Rio de Janeiro – PLS JBRJ
SEMANA DO SERVIDOR 2013
IMPLICAÇÕES SOBRE A CONDUTA
INDIVIDUAL E COLETIVA DO PLS JBRJ
OUTUBRO / 2013
PLS JBRJ
A Portaria JBRJ Nº 141/2012, alterada pela de número 25/2013, constituiu a
Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (CGPLS) no âmbito da
Comissão Permanente da A3P/JBRJ, formada por:
João Elisiário Lima de Rezende (Coordenador da CGPLS) - CRL/DG
Marcia Salgueiro Maria Teixeira Wenzel (Coordenadora da A3P/JBRJ) – SEA/DIAT
Carmelita Santoro Bottino (Coordenadora substituta da A3P/JBRJ) – SEA/DIAT
Ana Lucia Duque Alfaia Lagos - MUSEU
Ana Lucia Miguel Marmello Barreiro - DIPEQ
Carla Beatriz Duarte de Souza - MUSEU
Carlos Alexandre dos Santos Sawczuk – CCAV/DIAT
Clarice Martins Ribeiro – Herbário/DIPEQ
Claudia Rabelo Lopes - ASCOM/GAB
Debora Sieczkowski Nascimento – CROMA/DIAT
Gustavo Klotz Tato – CCAV/DIAT
Luciana Mautone - CPL
Luciana Oertel Lancellotti - GAB
Maria Fernanda de Souza Lavandeira - ENBT
Marina de Jesus Fernandes - DIPEQ
Patrick Rodrigues Perrotta – CROMA/DIAT
Paulo Sergio Rocha de Ornelas – CRL/DG
Suindara Rodrigues Ney – DG
PLS JBRJ
Convidados
David Ricardo Moreira Ramos - CGP/DG
João Carlos Silva - CRS/DIAT
Karla Ferreira da Silva – CGP/DG
Maíra da Rocha e Silva – ASCOM/GAB
Monica Sousa da Rocha -- COPLAN / DG
Paulo Victor de Sousa Almeida – CTIC /DG
Paulo Roberto Sampaio da Rocha – SSP/DG
Renato Máximo de Almeida Pizarro Drummond– CTIC / DG
Rosana Simões Medeiros – BIBLIOTECA / DIPEQ
Sergio Paulo Carvalho Souza - COPLAN / DG
Ulisses Carvalho de Souza – CRS /DIAT
FUNDAMENTOS LEGAIS
Cenário Mundial:
• 1972 - Conferência de Estocolmo, Suécia - preocupação com as questões ambientais globais e
a temática da educação ambiental na agenda internacional.
No Brasil:
• 1981 - Política Nacional do Meio Ambiente - estabelece o marco inicial das ações para
conservação ambiental e incorporação do tema nas atividades de diversos setores da sociedade
• 1988 - Constituição Brasileira - estabelece que o Estado e a sociedade devem garantir a
proteção do meio ambiente, viabilizando qualidade de vida para as presentes e futuras gerações
• 1992 (Rio 92) - Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento
fortaleceu o tema desenvolvimento sustentável, apesar do conflito de interesses econômicos entre
países pobres e ricos.
• Convenção sobre Diversidade Biológica e Mudança do Clima
• Carta da Terra (declaração de princípios éticos fundamentais para a construção de uma
sociedade global justa, sustentável e pacífica)
• Agenda 21 (sugere uma parceria global para integrar ambiente e desenvolvimento, com
inclusão social)
FUNDAMENTOS LEGAIS
•
1999 - Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) - concebe o meio ambiente
em sua totalidade, considerando a interdependência entre o meio natural, o
socioeconômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade.
•
2010 – IN Nº 01 - define critérios de sustentabilidade ambiental para obras públicas e
bens e serviços.
•
2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - reúne o conjunto de diretrizes
e ações a ser adotado com vistas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos
sólidos.
•
2011 - Plano de Ação de Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) - documento
"vertebrador" das ações de governo, do setor produtivo e da sociedade que direcionam o
Brasil para padrões mais sustentáveis de produção e consumo.
•
JUN/2012 - Decreto nº 7.746, - regulamenta o art. 3º da 8666, para estabelecer
critérios, práticas e diretrizes para a promoção do desenvolvimento nacional sustentável
nas contratações realizadas pela Administração Pública Federal; art.16 - prevê a
elaboração e implementação de Planos de Gestão de Logística Sustentável – PLS.
•
NOV/2012 – IN SLTI Nº 10 – estabelece regras e prazo para elaboração do PLS.
CONCEITOS- IN SLTI Nº 10
•
Logística sustentável: processo de coordenação do fluxo de materiais, de
serviços e de informações, do fornecimento ao desfazimento, que considera
a proteção ambiental, a justiça social e o desenvolvimento econômico
equilibrado
•
Critérios de sustentabilidade: parâmetros utilizados para avaliação e
comparação de bens, materiais ou serviços em função do seu impacto
ambiental, social e econômico
•
Práticas de sustentabilidade: ações que tenham como objetivo a
construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção
de critérios de sustentabilidade nas atividades da Administração Pública
•
Práticas de racionalização: ações que tenham como objetivo a melhoria
da qualidade do gasto público e contínua primazia na gestão dos processos
OBJETIVO E DIRETRIZES DO PLS
OBJETIVO:
O objetivo geral do PLS JBRJ é estabelecer diretrizes e um conjunto de
programas de ação para a inserção de atributos de sustentabilidade na
gestão do JBRJ
DIRETRIZES:
O PLS do JBRJ tem como referencial a Agenda Ambiental na Administração
Pública “que visa promover a responsabilidade socioambiental e;
• inserir critérios de sustentabilidade nas atividades da administração pública.
→ mudanças nos investimentos, compras e contratação de serviços;
• gestão adequada dos resíduos gerados e dos recursos naturais utilizados;
• promoção da melhoria na qualidade de vida no ambiente de trabalho
ETAPAS DO PROCESSO DE
CONSTRUÇÃO DO PLS
• Etapa 1 – Diagnóstico:
o levantamento do inventário de bens, materiais, contratos e obras
existentes
o levantamento das práticas de sustentabilidade e de racionalização do
uso de materiais e serviços já praticadas
• Etapa 2 – Elaboração:
o levantamento de programas para o PLS → definição de objetivo,
iniciativas/ações e metas; unidades responsáveis; prazos; identificação
de riscos e previsão de recursos (pessoal, material e financeiro).
• Etapa 3 – Aprovação da Presidência do JBRJ
• Etapa 4 – Implementação do PLS
• Etapa 5 – Monitoramento (Indicadores e Metas) e Avaliação
• Etapa 6 – Análise Crítica e Revisão de Metas: 12 meses.
PROGRAMAS DO PLS
1.
•
•
COMPRAS SUSTENTÁVEIS
Material de Consumo
Material Permanente
1.
OBRAS SUSTENTÁVEIS E MANUTENÇÃO PREDIAL
1.
•
SERVIÇOS SUSTENTÁVEIS
Gestão de Resíduos
Coleta Seletiva Solidária
Coleta para tratamento e destinação adequada de resíduos perigosos
Gestão de resíduos vegetais
Energia elétrica
Água e esgoto
Limpeza
TI e Telefonia
Segurança Patrimonial
•
•
•
•
•
PROGRAMAS DO PLS
1.
QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO
1.
DESLOCAMENTO SUSTENTÁVEL
1.
COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE
1.
SENSIBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE
1.
CAPACITAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE
1.
ATENDIMENTO AO VISITANTE
1.
CENTRO DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL
11.
MUSEU DO MEIO AMBIENTE
INOVAÇÃO E DESAFIOS DO PLS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Compras compartilhadas sustentáveis
Projeto Papel Zero
TI Verde (produzidos com menos materiais tóxicos)
Concreto permeável no entorno das edificações
Telhados verdes
Acessibilidades aos prédios e no arboreto
Construções Sustentáveis
Reaproveitamento de águas pluviais
Reaproveitamento das águas cinzas
Utilização de energia solar
Instalação de circuitos de TV com gravação
ESTUDO / PLANEJAMENTO / PROJETO BÁSICO /
PROJETO EXECUTIVO / PROJETO ORÇAMENTÁRIO
INOVAÇÃO E DESAFIOS DO PLS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Implantação de anemômetros para prevenção de acidentes no arboreto
Criação de canal de ouvidoria interna
Incrementar uso de vídeo conferência
Adaptação da frota veicular para GNV
Acompanhamento anual de emissões de poluentes da frota veicular
Carona solidária
Capacitação interna para atender aos temas do PLS
Inclusão de conteúdos sobre logística sustentável em cursos do e para o
JBRJ
Áudio guias
QR Codes, aplicativos para smartfones e tablets no arboreto
Sistema wetland – para tratamento de efluentes
Plano Logística Sustentável (PLS) / Projeto Esplanada Sustentável (PES) /
A3P/ Planejamento Estratégico / Plano Diretor
NOSSO COMPROMISSO
INDIVIDUAL E COLETIVO
Cada servidor, cada área, cada responsável de projeto, cada coordenador,
cada diretor, deverá:
•
incorporar em suas rotinas e pedidos de compras e serviços,
alternativas mais sustentáveis;
•
buscar capacitação específica
que atenda às iniciativas propostas no PLS;
•
consultar fontes de informação, ex.
o sitio da A3P/JBRJ na página do JBRJ:
http://www.jbrj.gov.br/a3p_site/index.html
•
participar de eventos que tratem da
temática sustentabilidade;
•
estabelecer intercâmbio entre órgãos da
Administração Pública para troca de experiências
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Elaboração de Diagnóstico de Eficientização Energética, produzido a partir de convênio firmado
com FURNAS Centrais Elétricas e JBRJ, com proposições para sistema de iluminação,
transformadores, análise tarifária e sistemas de refrigeração de ar (2003)
Consumo Anual
de E.E. →
Gasto anual
de E.E. em R$
↓
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo Anual de Água
em metros cúbitos →
Gasto Anual de Água
em R$
↓
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo anual de papel em resmas
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo anual de copos descartáveis
INSTRUMENTOS DE SENSIBILIZAÇÃO
PARA CONSUMO CONSCIENTE
COLETA SELETIVA E
COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA
3.1) Reconhecem a necessidade da coleta seletiva no JBRJ
Pesquisa para levantamento da percepção
do público interno por grupo de atores, quanto
à adoção da prática de coleta seletiva, bem
como do interesse de participação no
processo.
100%
100%
Firma de Limpeza
Arboreto
Comércio
100%
100%
Funcionários
Segurança
100%
100%
Moradores
COLETA SELETIVA E
COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA
OBRAS E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS
• a iluminação convencional existente vem
sendo gradativamente substituída por opções
de baixo consumo;
• uso de sensores de presença;
• temporizadores e medidores de vazão;
• sanitários com caixa acoplada e modelo de
válvula de descarga de duplo acionamento;
• tintas sem componentes voláteis tóxicos;
• exigência de selo de madeira certificada;
• resíduos da construção civil separados na
origem;
• acessibilidade dos espaços internos e
externos;
• mobiliário
considerando
critérios
de
sustentabilidade e ergonomia;
• a CPL vem atendendo a legislação vigente
de acessibilidade e sustentabilidade, na
elaboração dos editais com seus anexos.
E MAIS...
E mais....
• Instalação de luminárias com calhas refletoras;
• aumento da área envidraçada para otimização da captação de luz natural;
• substituição gradativa de todos os reatores convencionais por reatores eletrônicos;
• substituição dos aparelhos de ar condicionado pelos tipo split ou multisplit;
• reforma de quadros elétricos de distribuição;
• instalação de pedais nas Fontes Wallace;
• adoção de copos d’água e café descartáveis de papel;
• adoção de carros elétricos para serviços e visitantes;
• adoção de ginástica laboral;
• expansão do Programa Social Educação e Trabalho;
• diversificação das compras compartilhadas sustentáveis;
• destinação adequada dos resíduos perigosos gerados no JBRJ, como: químicos, biológicos
e tóxicos;
• instalação do PREVFOGO.
PLS JBRJ
OBRIGADA
Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável- CGPLS
a3p@a3p.jbrj.gov
Download

Uso Racional dos Nossos Recursos A3P – JBRJ Instituto de