O que você deve saber sobre
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
Surgido no contexto do fim da Segunda Guerra Mundial e da Guerra
Fria, o conceito de Pós-Modernismo ainda não é muito claro para os
especialistas, dada a diversidade desse período. Embora com
propostas diversas, a partir da década de 1940, surgiu no Brasil uma
geração de escritores marcada pela experimentação e pela pesquisa
estética. Aqui, enfatizaremos a produção da prosadora Clarice
Lispector e do poeta João Cabral de Melo Neto.
Tendências da literatura pós-modernista
 Retomada de recursos formais clássicos e trabalho com a
materialidade do texto poético
 Concretismo e seus desdobramentos (Neoconcretismo e
Poema-Processo)
 Poesia social de Ferreira Gullar
 Prosa realista-fantástica de Murilo Rubião e J. J. Veiga
 Prosa psicológica de Lins, Piñon, Nassar, Dourado e Lygia Fagundes
Telles
 Escritura do choque e desautomatização de Clarice Lispector
 Regionalismo fantástico de Guimarães Rosa
 Prosa agressiva, irônica e direta de Fonseca e Trevisan
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
Clarice aborda o imprevisto que
rompe o rotineiro.
Essa experiência literária chocou
críticos e leitores quando a
autora, em 1943, publicou Perto
do coração selvagem, obra
distante dos pressupostos do
Neorrealismo brasileiro.
Clarice Lispector, década de 1960
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
DIVULGAÇÃO ROCCO
Clarice Lispector
(1920-1977)
Clarice Lispector (1920-1977)
A literatura de Clarice é marcada pela transgressão, ruptura e
inquietação diante da automatização que amortece a vida.
A autora aproximou-se do indizível, daquilo que a palavra não
representa, na tentativa de capturar o agora, mesmo tendo
consciência de seu óbvio fracasso. Clarice buscou a reprodução do
“instante-já” do pensamento.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
Clarice Lispector (1920-1977)
Segundo Affonso Romano de Sant’Anna, as obras de Clarice, em
geral, percorrem quatro etapas:
1. Personagem disposta em determinada situação cotidiana
2. Prepara-se um evento que é pressentido discretamente pela
personagem.
3. Ocorre o evento que “ilumina” (epifania) a vida da personagem.
4. Ocorre o desfecho em que a vida da personagem é revista.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
Clarice Lispector (1920-1977)
O fluxo de consciência e a epifania são característicos das suas
obras.
Publicações:
 Laços de família (1960)
 A paixão segundo GH e A legião estrangeira (1964)
 Felicidade clandestina (1971)
 A hora da estrela (1977)
Destacam-se os contos “Amor”, “A imitação da rosa”, “Felicidade
clandestina”, “Feliz aniversário”, “Legião estrangeira”, “A bela e a
fera” ou “A ferida grande demais”. Clarice também escreveu
literatura infantil.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
Considerado o mais importante
poeta da Geração de 1945, nasceu
em Recife e passou a infância em
engenhos de açúcar do Nordeste.
Em 1945 publicou O engenheiro,
marcado pela preocupação com a
linguagem, predominando a
substantivação.
Personagens e cachorro diante do sol, 1949, de
Joan Miró. Têmpera sobre tela, 81 × 54,5 cm.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
KUNSTMUSEUM BASEL, BASILEIA/SUCCESSIÓN MIRÓ. LICENCIADO POR AUTVIS, BRASIL, 2009
João Cabral de Melo Neto
(1920-1999)
João Cabral de Melo Neto (1920-1999)
Essas marcas estão presentes em O cão sem plumas (1950), O rio
(1954), Morte e vida severina (1965), A educação pela pedra
(1966), Museu de tudo (1975), A escola das facas (1980), Poesia
crítica (1982).
Sua poesia tem ligação com o
Cubismo e dialoga com as obras
de Mondrian, Joan Miró e Le
Corbusier.
Le Corbusier reconstruiu a capela
Notre–Dame-du-Haut em Ronchamp,
na França.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
ROBERT HM VOORS/SHUTTERSTOCK
São marcas de sua literatura a realidade brasileira, sobretudo a da
região Nordeste, a metalinguagem e a linguagem-objeto.
João Cabral de Melo Neto (1920-1999)
Em Morte e vida severina, um auto de Natal estruturado em
redondilhas, “relê” a história do nascimento de Cristo no Recife.
HIROTO YOSHIOKA
O protagonista do poema narrativo é Severino, lavrador nordestino
que se desloca do interior do sertão para o litoral em busca de novas
perspectivas para sua vida de miséria, fome e seca.
Morte e vida severina, encenada em
1966 no Tuca, em São Paulo, sob
direção de Silnei Siqueira
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
(Unirio/Ence-RJ)
Texto para as questões de 2 a 5.
A descoberta do mundo
O que eu quero contar é tão delicado quanto a própria vida. E eu quereria poder usar a delicadeza que também tenho em mim,
ao lado da grossura de camponesa que é o que me salva.
Quando criança, e depois adolescente, fui precoce em muitas coisas. Em sentir um ambiente, por exemplo, em apreender a
atmosfera íntima de uma pessoa. Por outro lado, longe de precoce, estava em incrível atraso em relação a outras coisas
importantes. Continuo aliás atrasada em muitos terrenos. Nada posso fazer: parece que há em mim um lado infantil que não
cresce jamais.
Até mais que treze anos, por exemplo, eu estava em atraso quanto ao que os americanos chamam de fatos da vida. Essa
expressão se refere à relação profunda de amor entre um homem e uma mulher, da qual nascem os filhos. Ou será que eu
adivinhava mas turvava minha possibilidade de lucidez para poder, sem me escandalizar comigo mesma, continuar em inocência
a me enfeitar para os meninos? Enfeitar-me aos onze anos de idade consistia em lavar o rosto tantas vezes até que a pele
brilhasse. Eu me sentia pronta, então. Seria a minha ignorância um modo sonso e inconsciente de me manter ingênua para poder
continuar, sem culpa, a pensar nos meninos? Acredito que sim. Porque eu sempre soube de coisas que nem
eu mesma sei que sei.
As minhas colegas de ginásio sabiam de tudo e inclusive contavam anedotas a respeito. Eu não entendia, mas fingia compreender
para que elas não me desprezassem e à minha ignorância.
Enquanto isso, sem saber da realidade, continuava por puro instinto a flertar com os meninos que me agradavam, a pensar neles.
Meu instinto precedera a minha inteligência.
Até que um dia, já passados os treze anos, como se só então eu me sentisse madura para receber alguma realidade que me
chocasse, contei a uma amiga íntima o meu segredo: que eu era ignorante e fingira de sabida. Ela mal acreditou, tão bem eu
havia antes fingido. Mas terminou sentindo minha sinceridade e ela própria encarregou-se ali mesmo na esquina de me esclarecer
o mistério da vida. Só que também ela era uma menina e não soube falar de um modo que não ferisse a minha sensibilidade de
então. Fiquei paralisada olhando para ela, misturando perplexidade, terror, indignação, inocência mortalmente ferida.
Mentalmente eu gaguejava: mas por quê? Mas por quê? O choque foi tão grande – e por uns meses traumatizante – que ali
mesmo na esquina jurei alto que nunca iria me casar.
Embora meses depois esquecesse o juramento e continuasse com meus pequenos namoros.
Depois, com o decorrer de mais tempo, em vez de me sentir escandalizada pelo modo como uma mulher e um homem se unem,
passei a achar esse modo de uma grande perfeição. E também de grande delicadeza. Já então eu me transformara numa mocinha
alta, pensativa, rebelde, tudo misturado a bastante selvageria e muita timidez.
Antes de me reconciliar com o processo da vida, no entanto, sofri muito, o que poderia ter sido evitado se um adulto responsável
se tivesse encarregado de me contar como era o amor. Esse adulto saberia como lidar com uma alma infantil sem martirizá-la
com a surpresa, sem obrigá-la a ter toda sozinha que se refazer para de novo aceitar a vida e os seus mistérios.
Porque o mais surpreendente é que, mesmo depois de saber tudo, o mistério continuou intacto. Embora eu saiba que de uma
planta brota uma flor, continuo surpreendida com os caminhos secretos da natureza. E se continuo até hoje com pudor não é
porque ache vergonhoso, é pudor apenas feminino.
Pois juro que a vida é bonita.
LISPECTOR, Clarice
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
2
“A descoberta do mundo” é representante do gênero textual crônica porque:
a) a partir de espaços temporais, avalia-se o processo de
amadurecimento do personagem.
b) a estrutura narrativa só comporta um personagem com reflexões
intimistas.
c) apresenta um monólogo interior, utilizando estruturas,
predominantemente, informais.
d) a partir de um dado particular se faz projeção de um conhecimento
maior do mundo.
e) apresenta relação de causa e efeito proporcionais à atitude de
descoberta do mundo.
RESPOSTA: B
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
3
No texto, há várias ocorrências da palavra então.
Considerando o trecho “... que não ferisse a minha sensibilidade de então” (6o parágrafo), o valor semântico dessa palavra é:
a) realce.
b) conclusão.
c) tempo.
d) inclusão.
e) intensidade.
RESPOSTA: C
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
4
Em “eu quereria poder usar a delicadeza que também tenho em mim, ao lado da grossura de camponesa que é o que me
salva...”
O uso da expressão “quereria poder usar” antecipa ao leitor:
a) perspectiva inicial sem definição.
b) visão de futuro imediato.
c) conjunto de ações globais.
d) reação ao momento observado.
e) visão de uma ação não realizada.
RESPOSTA: E
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
5
Nos parágrafos 4o, 5o, 6o e 7o, há predominância de conjunções adversativas e concessivas. A função discursiva desses
elementos no parágrafo corrobora o sentimento de:
a) ilusão repentina vivida pelo narrador.
b) contraposição vivida pela personagem e o mundo.
c) contradição vivida entre a adolescência e a fase adulta.
d) permanência e transformação típicas da fase adulta.
e) intimidade com as descobertas na fase adolescente.
RESPOSTAS: B e C
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
EXERCÍCIOS ESSENCIAIS
15
(Ufop-MG)
A metalinguagem está presente nestes versos de A educação pela pedra, de João Cabral de Melo Neto, EXCETO em:
a)
c)
Certo poema imaginou que a daria a ver
(sua pessoa, fora da dança) com o fogo.
Porém o fogo, prisioneiro da fogueira,
tem de esgotar o incêndio, o fogo todo;
e o dela, ela o apaga (se e quando quer)
ou o mete vivo no corpo: então, ao dobro.
Durante as secas do Sertão, o urubu,
de urubu livre, passa a funcionário.
O urubu não retira, pois prevendo cedo
que lhe mobilizarão a técnica e o tacto,
cala os serviços prestados e diplomas,
que o enquadrariam num melhor salário,
e vai acolitar os empreiteiros da seca,
veterano, mas ainda com zelos de novato:
aviando com eutanásia o morto incerto,
ele, que no civil quer o morto claro.
MELO NETO, J. C. de. Dois P. S. a um poema.
A educação pela pedra.
Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. p. 218.
MELO NETO, J. C. de. O urubu mobilizado.
A educação pela pedra.
Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. p. 209.
b)
d)
Catar feijão se limita com escrever:
jogam-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e depois joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo:
pois, para catar esse feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.
Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio de água que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica.
Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma;
e porque assim estanque, estancada, muda,
e muda porque com nenhuma comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.
MELO NETO, J. C. de. Catar feijão.
A educação pela pedra.
Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. p. 222.
RESPOSTA: C
MELO NETO, J. C. de. Rios sem discurso.
A educação pela pedra.
Rio de Janeiro: Alfaguara, 2008. p. 229-230.
PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL — NO VESTIBULAR
Download

PÓS-MODERNISMO: CLARICE LISPECTOR E JOÃO CABRAL O