Administração e Sustentabilidade
Prof. André Pereira de Carvalho
andre.carvalho@fgv.br
POI/ FGV-EAESP
www.fgv.br/eaesp
Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces)
www.fgv.br/ces
Dilema:
Falso dilema?
Conservação ambiental ou crescimento econômico?
Otimismo pleno
Fatalismo pleno
Relações entre sistema econômico e meio ambiente
Recursos naturais
como insumos
Resíduos,
degradação
Rejeitos,
degradação
Estado geral
do meio
ambiente
Meio ambiente
Sistema
econômico
Consumo
Produção
Reciclagem
MULLER (2007)
Decoupling
UNEP (2011) - Decoupling natural resource use and
environmental impacts from economic growth.
Otimismo pleno?
Intensidades de Carbono Hoje e Necessárias para Atingir 450 ppm
Intensidade de Carbono gCO2/$
900
860
768
800
700
600
500
400
300
200
100
36
30
14
6
Cenário 1 2050
Cenário 2 2050
Cenário 3 2050
Cenário 4 2050
0
Mundo 1990
Mundo 2007
Cenário 1: 9 bilhões de pessoas com crescimento da renda per capita de 1,4% a.a.
Cenário 2: 11 bilhões de pessoas com crescimento da renda per capita de 1,4% a.a.
Cenário 3: 9 bilhões de pessoas com padrões europeus de consumo de 2007
Cenário 4: 11 bilhões de pessoas com padrões europeus de consumo de 2050
JACKSON (2009)
Decoupling relativo
• É a redução de intensidade de recursos e energia utilizados
para o atendimento de uma necessidade específica.
• Êxito em decoupling relativo:
– A energia utilizada para produzir uma unidade de bem
econômico declinou 3 vezes nos últimos 30 anos
– No mesmo período, a intensidade em carbono das
atividades econômicas globais caiu de 1 kg por dólar para
0,77kg por dólar.
• O decoupling relativo não tem sido percebido no consumo de
insumos como ferro e cimento.
JACKSON, Tim. Prosperity without growth? The transition to a sustainable economy. Sustainable
Development Commission. 2009.
Decoupling absoluto
• É a redução de tais resultados para a economia em escala
global (decoupling absoluto).
• Evidências de decoupling absoluto não têm sido percebidas:
– As reduções em energia e carbono verificados não bastam
para compensar o aumento da escala da atividade
econômica no mesmo período;
– As emissões globais de carbono aumentaram 40% desde
1990 e o mesmo ocorre com vários outros recursos, como
os minerais não-metálicos, por exemplo.
JACKSON, Tim. Prosperity without growth? The transition to a sustainable economy. Sustainable
Development Commission. 2009.
Bens e Serviços Ecossistêmicos
Fonte: Ecological Footprint
Atlas.2010. Global Footprint
Network. p. 10.
Bens e Serviços Ecossistêmicos
UNEP, United Nations Environment Programme.
Keeping Track of Our Changing Environment: From Rio to
Rio+20 (1992-2012). 2011.
1987
World Commission on Environment and Development (WCED):
“DS é o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem
comprometer a capacidade das gerações futuras atenderem suas
necessidades”.
•
Objetivos operacionais:
a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)
h)
i)
Retomar o crescimento como condição necessária para erradicar a pobreza;
Mudar a qualidade do crescimento para torná-lo mais justo, eqüitativo e
menos intensivo em matérias-primas e energia;
Atender às necessidades humanas essenciais de emprego, alimentação,
energia, água e saneamento;
Manter um nível sustentável de população;
Conservar e melhorar o estoque de recursos;
Reorientar tecnologias e administrar riscos;
Incluir o meio ambiente e economia no processo decisório;
Reorientar as relações econômicas internacionais;
Tornar o desenvolvimento mais participativo.
Nosso Futuro Comum, Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1991.p.46.
9 Limites Planetários
3 limites excedidos:
• Mudança climática
• Ciclo de nitrogênio
• Perda de biodiversidade
4 limites próximos
de serem excedidos
• Ciclo do fósforo
• Acidificação dos oceanos
• Uso de água doce
• Uso do solo
2 limites ainda não
calculados:
• Poluição química
• Emissão de aerossóis na
atmosfera
ROCKSTRÖM ET AL (2009).
9 Limites Planetários
ROCKSTRÖM ET AL (2009).
9 Limites Planetários
ROCKSTRÖM ET AL (2009).
Ecological Footprint
Pegada Ecológica per capita
Fatores da Pegada Ecológica e da
biocapacidade que determinam o
overshoot global
Fonte: Ecological Footprint Atlas. 2010.
Global Footprint Network.
Ecological Footprint
Pegada Ecológica per capita
Fonte: WWF Living Planet Report. 2014.
Global Footprint Network.
Ecological Footprint - Pegada Ecológica per capita
Pegada Ecológica per capita X Renda
Fonte: WWF Living Planet Report. 2014.
Global Footprint Network.
Ecological Footprint
Pegada Ecológica per capita
Composição da Pegada Ecológica per capita
Países menos desenvolvidos
Países desenvolvidos
Fonte: Ecological Footprint Atlas. 2010.
Global Footprint Network.
Ecological Footprint - Pegada Ecológica Global
Fonte: WWF Living Planet Report. 2014.
Global Footprint Network.
O caminho para o Desenvolvimento Sustentável
Fonte: WWF Living Planet Report. 2014.
Global Footprint Network.
Economia Verde
• Uma economia que resulta em melhoria do bem-estar da humanidade e
igualdade social, ao mesmo tempo em que reduz significativamente riscos
ambientais e escassez ecológica.
• Em outras palavras, uma economia verde pode ser considerada como:
– Tendo baixa emissão de carbono,
– É eficiente em seu uso de recursos e
– Socialmente inclusiva.
• Em uma economia verde, o crescimento de renda e de emprego deve ser
impulsionado por investimentos públicos e privados que reduzem as
emissões de carbono e poluição e aumentam a eficiência energética e o
uso de recursos, e previnem perdas de biodiversidade e serviços
ecossistêmicos.
UNEP, United Nations Environment Programme.
Keeping Track of Our Changing Environment: From Rio to
Rio+20 (1992-2012). 2011.
Report by the Commission on the Measurement of
Economic Performance and Social Progress
• Well-being is multi-dimensional
• To define what well-being means a multidimensional definition has to be used.
• Based on academic research and a number of concrete initiatives developed
around the world, the Commission has identified the following key dimension
that should be taken into account. At least in principle, these dimensions
should be considered simultaneously:
i. Material living standards (income, consumption and wealth);
ii. Health; iii. Education; iv. Personal activities including work
v. Political voice and governance;
vi. Social connections and relationships;
vii. Environment (present and future conditions);
viii. Insecurity, of an economic as well as a physical nature.
Disponível em: www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf
)
2015
http://www.pnud.org.br/ODS.aspx
Obrigado!
Prof. André Pereira de Carvalho
andre.carvalho@fgv.br
POI/ FGV-EAESP
www.fgv.br/eaesp
Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces)
www.fgv.br/ces
Download

Administração e Sustentabilidade – Prof. André Pereira