CRIOPRESERVAÇÃO
DE CÉLULAS ESTAMINAIS
DO SANGUE DO CORDÃO
UMBILICAL
A TECNOLOGIA AO
SERVIÇO DA SAÚDE
SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL
Uma Fonte Valiosa de Células Estaminais
O transplante da medula óssea é uma das terapias usadas para curar doenças hematológicas, oncológicas e
genéticas. Contudo este transplante pode apresentar limitações na sua aplicação devido a vários factores, tais
como:
• Encontrar um dador compatível da medula óssea (relativamente aos antigénios dos leucócitos humanos
- HLA). As hipóteses de encontrar um dador totalmente compatível podem variar entre os 25% e 70%.
• Risco de reacções imunológicas dador/paciente, tais como a rejeição do transplante e a doença do
transplante contra o hospedeiro (GVHD).
• Risco de infecções oportunistas.
Com o intuito de reduzir este tipo de complicações, vários cientistas têm vindo a procurar tecnologias
terapêuticas alternativas. Diversos estudos demonstram e o sangue do cordão umbilical , quando recolhido
imediatamente após o parto, contém células estaminais que permanecem viáveis após criopreservação. Após
quimioradioterapia meloablativa, o transplante de células estaminais pode repor e substituir funcionalmente as
células da medula.
SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL
Uma Alternativa
Comparado com a medula óssea de um adulto, o sangue do cordão umbilical é mais rico em células estaminais
hematopoiéticas. Estas células possuem uma qualidade superior de proliferação e de expansão.
Frequência CFU-GM
Volume a processar
Aplicação
Medula Óssea
1/1000
0,75-1,0 Litros
Heterelóga/Autológa
Sangue Periférico
1/100000
45-60 Litros
Autológa
Sangue do Cordão
Umbilical
1/1000
0,075-0,28 Litros
Heterelóga/Autológa
Tabela comparativa: medula óssea vs sangue periférico vs sangue do cordão umbilical como fonte de células estaminais
As características únicas das células estaminais do sangue do cordão umbilical permitem que a reconstituição do
sistema hematopoiético de pacientes, após tratamento mieloablativo, necessite de um numero de células
nucleadas do sangue do cordão umbilical 10 vezes inferior, relativamente ao transplante da medula óssea. O
transplante de células estaminais do sangue do cordão umbilical permite ainda uma melhor reconstituição do
sistema hematopoiético, comparativamente ao transplante de células da medula óssea.
SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL
Uma fonte de possibilidades para a saúde do vosso filho
Porquê preservar as células estaminais do vosso bebé?
A utilização de células estaminais já provou ser de extrema importância no tratamento de um grande número de doenças
graves.
Até muito recentemente, em caso de desordens malignas no sangue (como em formas específicas de leucemia), os
médicos recorriam a transplantes de medula óssea para aumentar o número de células sanguíneas saudáveis no doente.
No entanto podiam surgir complicações sérias como a rejeição. Entre 30 e 50 por cento dos pacientes não conseguiam
sequer encontrar dador compatível.
Nos últimos 17 anos, a utilização de células estaminais retiradas do cordão umbilical revelou-se uma alternativa preciosa
aos transplante de medula óssea nestes doentes, especialmente em crianças e adolescentes.
A vantagem de criopreservar as células estaminais próprias é beneficiar da disponibilidade imediata no caso de
serem necessárias. Além disso, os riscos de rejeição deixam de existir. É por isso de extrema importância para o
futuro do vosso filho preservar as células estaminais.
Apesar da utilização das células estaminais ser ainda limitada, é esperado que o numero de aplicações aumente
significativamente. Em todo o mundo está a ser investigado a utilização de células estaminais, nomeadamente em
doenças como Parkinson, Alzheimer, desordens motoras, diabetes, esclerose múltipla, tumores malignos, terapia
genética... e a lista não pára de crescer. Acrescente-se que há inúmeros laboratórios a desenvolver métodos para
multiplicar as células estaminais, no intuito de alargar o leque de aplicações destas células.
Isto mostra que a criopreservação de células estaminais pode ser vital para a saúde do vosso filho e da sua
família no futuro.
SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL
O que acontece ao sangue do cordão umbilical?
Depois de efectuada a colheita, o sangue é transportado por uma empresa especializada em transporte de amostras
biológicas para o laboratório da Cryo-Save, na Bélgica. Esta conceituada empresa possui uma vasta experiência e knowhow no isolamento e criopreservação de células estaminais do sangue do cordão umbilical, criopreservando unidades de
vários países europeus.
A crioestaminal possui um acordo de exclusividade com esta empresa para criopreservar as amostras de sangue do
cordão umbilical dos nossos clientes. Neste laboratório (acreditado segundo a norma ISO EN 17025), especialmente
equipado para o processamento de células estaminais do sangue do cordão umbilical, são aplicados os mais elevados
padrões de qualidade e são levados a cabo com regularidade auditorias da qualidade internas e externas.
As células estaminais são isoladas do sangue do cordão umbilical, devidamente identificadas com o nome do bebé e
guardadas num equipamento especial de congelação durante pelo menos 20 anos. Cada unidade recebe um rótulo de
identificação com código de barras e toda a informação necessária acerca dos pais e da criança é mantida numa base de
dados, sendo garantida total confidencialidade.
As células criopreservadas podem ser pedidas a qualquer altura à Crioestaminal. Para tal será apenas necessário que o
próprio ou os pais/tutores e o médico requisitem por escrito.
O que precisam de saber:
As células estaminais do sangue do cordão umbilical só podem ser recolhidas no momento do nascimento do vosso filho.
No momento do parto, devem estar munidos do kit que permite que a recolha seja feita. É por isso importante que a
decisão seja tomada bastante tempo antes do momento de recolher e preservar a unidade de sangue do cordão umbilical.
(Tempo de antecedência aconselhado: 2 meses.)
SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL
Aplicações das células estaminais do sangue do cordão umbilical
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Leucemia linfóide aguda
Leucemia mielóide aguda
Leucemia mielóide crónica
Leucemia mielóide crónica juvenil
Sindrome Mielodisplásico
Tumores sólidos (ex.: neuroblastoma)
Adrenoleucodistrofia
Trombocitopenia amegacariocitica
Sindroma Blackfan-Diamond
Diaqueratosis congénita
Anemia de Fanconi
Leucodistrofia celular globóide
Doença de Gunther
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Sindroma de Hunter
Sindroma de Hurler
Anemia aplástica idiopática
Sindroma de Kostman
Sindroma de Lesch-Nyhan
Osteopetrose
Doença de Hodgkin refractária
Linfoma Não-Hodgkin
Mieloma múltiplo
Deficiências imunitárias combinadas severas
Talassémia
Sindroma Linfoproliferativo ligado ao cromossoma X
Sindroma de Wiskott Aldrich 14
TRANSPLANTAÇÃO COM CÉLULUAS ESTAMINAIS
Expansão das células estaminais hematopoiéticas Ex Vivo
O peso dos doentes determina o numero de células necessárias para o transplante. A quantidade de células estaminais
hematopoiéticas transplantadas é determinante para a capacidade de regeneração do sistema sanguíneo. Assim sendo,
apesar destes transplantes também serem bem sucedidos em adultos, a taxa de sucesso é superior em crianças.
Actualmente, existem vários centros de investigação a trabalhar em procedimentos que permitam aumentar o numero de
células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical, fazendo uso de diferentes combinações de factores de
crescimento ex vivo. Têm sido desenvolvidos diversos métodos de proliferação, tendo as células expandidas
características iguais às células estaminais originais. Transplantes com estas células expandidas já foram efectuados com
sucesso, abrindo a possibilidade de no futuro o transplante em adultos atingir níveis de sucesso semelhantes aos
transplantes pediátricos.
OUTRAS APLICACOES DAS CELULAS ESTAMINAIS DO CORDAO
UMBILICAL
As Células Estaminais e o seu Potencial na Terapia Genética
A expansão das células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical permite a possibilidade de realizar a
engenharia ex vivo nestas células. As potenciais aplicações clinicas poderão envolver no futuro tecnologias de
transferencia de genes, remoção direccionada de tumores, imunoterapia e expansão de uma população celular especifica.
Como exemplo, técnicas de transfecção com retrovírus codificando um gene que confere resistência a várias drogas
(MDR I) podem conferir às células estaminais hematopoiéticas transplantadas resistência a diferentes citotoxinas usadas
em quimioterapia. Estas células têm assim uma vantagem competitiva de sobrevivência à quimioterapia sobre as células
malignas do hospedeiro. Esta abordagem permite a utilização de doses de quimioterapia adequadas à eliminação das
células cancerígenas, sem pôr em causa a regeneração do sistema hematopoiético.
OUTRAS APLICACOES DAS CELULAS ESTAMINAIS DO CORDAO
UMBILICAL
Células Estaminais como Fonte de Diferentes Tipos de Tecido
O sangue do cordão umbilical não possui apenas células estaminais hematopoiéticas. Tal como a medula óssea, possui
igualmente células estaminais mesenquimais, células com a capacidade de se diferenciarem em linhagens mesodérmicas,
com o endotélio (revestimento interno dos vasos sanguíneos). Foi recentemente isolada uma subpopulação de células
estaminais mesenquimais pluripotente da medula óssea, ou seja, capaz de se diferenciar em todos os tipos celulares do
organismo adulto, desde hepatócitos a neurónios.
Estudos recentes mostraram que as células estaminais do cordão umbilical podem não só transformar-se em células do
sistema hematopoiético, mas igualmente em células de outras linhagens celulares, como células neuronais, células do
fígado (hepatócitos), células ósseas, células adiposas ou células endoteliais.
A investigação nesta área poderá vir no futuro a alargar o âmbito de aplicações da terapia celular com o sangue
do cordão umbilical criopreservado a doenças do foro não imunológico ou sanguíneo, como a de Parkinson,
diabetes, disfunções hepáticas e lesões vasculares.
CRIOPRESERVAÇÃO DAS CÉLULAS ESTAMINAIS DO SANGUE DO CORDÃO
UMBILICAL
Vantagens
O sangue do cordão umbilical é recolhido imediatamente após o parto e em 48 horas as células estaminais são
criopreservadas. A criopreservação das células estaminais do cordão umbilical oferece um conjunto de vantagens, tais
como:
• Disponibilidade imediata de células para transplantação.;
• Ausência de risco para o dador;
• Menor risco de infecção com agentes infecciosos como o citomegalovírus (CMV) e o vírus Epstein-Barr (menos
de 0,1% dos recém-nascidos saudáveis são positivos para CMV, contra 10-60% dos dadores adultos voluntários);
• Menor risco de doença do transplante contra o hospedeiro (GVHD) aguda, comparativamente a transplantes com
células estaminais adultas da medula óssea;
• Tolerância de 1 a 2 discrepâncias no teste de compatibilidade HLA, o que permite a doação das células
estaminais a um grupo mais alargado de pacientes;
• Possibilidade de expansão.
Desde a realização do primeiro transplante com sangue do cordão umbilical m 1988, algumas instituições tomaram a
iniciativa de criar bancos para possibilitar a realização de mais transplantes heterólogos e autólogos com sangue do
cordão umbilical. A Crioestaminal é o primeiro banco português de sangue do cordão umbilical para uso autólogo.
UMA NOVA VIDA
Uma oportunidade única
O que são células estaminais?
Células estaminais são células que se podem diferenciar em diversos tipos de celulares, tendo igualmente a capacidade
de se auto-renovar. Estas células podem transformar-se em células especializadas durante o desenvolvimento
embrionário, como por exemplo, células do músculo cardíaco, glóbulos vermelhos ou células da pele. A placenta e o
cordão umbilical contêm uma grande quantidade de células estaminais. Imediatamente após o parto, o sangue do cordão
umbilical pode ser colhido, e as células estaminais ai presentes podem ser isoladas e preservadas. A recolha do sangue só
pode ser feita logo após o nascimento do bebé.
A crioestaminal dá-lhes essa oportunidade de preservar as células estaminais do vosso filho.
UMA NOVA VIDA
Uma oportunidade única
COMO FUNCIONA NA PRÁTICA?
Os pais interessados em recolher o sangue do cordão umbilical do seu filho devem pedir o kit de recolha por um dos
seguintes meios:
•
•
•
•
•
Por telefone (239 700 377 ou 96 980 41 04/05)
Recortando o pedido de envio do kit presente numa das brochuras promocionais
Por fax (239 700 378)
Fazendo o registo online no site www.crioestaminal.pt
Pessoalmente nas instalações da crioestaminal
O kit contem todo o material necessário para fazer a recolha do sangue do cordão umbilical. O sangue é colocado no
cilindro de transporte e de seguida na caixa de esferovite juntamente com a identificação do bebé, pai e mãe, sendo de
seguida transportado para o laboratório de criopreservação em 48 horas por uma empresa de transporte especializado. No
laboratório, a amostra é registada com o nome da criança, é-lhe atribuído um código de barras exclusivo, sendo de
seguida processada e criopreservada.
UMA NOVA VIDA
Uma oportunidade única
ANÁLISES
Análises necessárias durante a gravidez:
Para se poder avançar com a criopreservação das células estaminais a mãe terá de apresentar comprovativo da
realização das análises durante a gravidez ao CMV IgM, CMV IgC, Sífilis, Hepatite B, Hepatite C e HIV I e II.
A Crioestaminal encarregar-se-á de repetir estas análises ao sangue do cordão umbilical aquando do processamento do
mesmo no laboratório, através da tecnologia avançada de PCR. Desta forma não é necessária a realização das análises
pós-parto.
PREÇO
Quanto custa?
O preço do serviço por 20 anos é de 1200 euros. O preço do kit de recolha, envio do kit e transporte do sangue para o
laboratório é de 115 euros. Este valor é pago aquando da solicitação do envio do kit que é enviado depois de efectuado o
pagamento (este valor não é reembolsado caso a criopreservação não se efectue). O preço do isolamento e
criopreservação durante 20 anos é de 1085 euros, que deverão ser pagos após a criopreservação das células com
sucesso.
Se pretenderem efectuar o pagamento de forma faseada, deverão assinalar a opção pretendida no destacável.
UMA NOVA VIDA
Uma oportunidade única
RECOLHA
Como é recolhido o sangue do cordão umbilical?
A recolha, feita imediatamente após o parto, é totalmente indolor, tanto para a mãe como para o bebé, além de não
apresentar qualquer risco. Depois do cordão umbilical apertado e cortado, o sangue é recolhido para um saco apropriado
que é enviado para o laboratório de isolamento e criopreservação num período de 48 horas após o parto. Todo o material
necessário para se efectuar a recolha do sangue é fornecido no kit que é disponibilizado pela Crioestaminal, e que foi alvo
de uma avaliação de conformidade por parte do Infarmed.
UMA NOVA VIDA
Uma oportunidade única
COMO É QUE AS CÉLULAS ESTIMINAIS SÃO CRIOPRESERVADAS NO LABORATÓRIO?
Em primeiro lugar, é feito um teste bacteriológico à amostra de sangue. De seguida, procede-se ao isolamento das células
estaminais e a um exame envolvendo diferenciação de leucócitos. A qualidade da amostra é definida medindo a
percentagem de células progenitoras hematopoiéticas (CD34+) presentes. Toda a informação sobre as células estaminais
é armazenada na nossa base de dados em nome do bebé. A cada amostra é atribuída uma etiqueta identificadora com um
código de barras exclusivo, sendo garantida a sua confidencialidade.
As células estaminais são guardadas num equipamento especial com azoto liquido a -196º C. Quando for necessário, as
células são retiradas sem que as outras amostras sofram variações de temperatura.
Alguns estudos demostram que as células estaminais do sangue do cordão umbilical criopreservadas durante 15 anos
mantêm todas as suas propriedades, período para o qual existem dados científicos que o comprovam. No entanto, crê-se
que estas células poderão ser mantidas nestas condições por mais de 20 anos.
Para mais informações, contacte-nos através dos nossos telefones 239 700
377 ou 96 980 41 04/05 ou visite o nosso website em www.crioestaminal.pt.
Para informações por escrito, contacte-nos através do numero de fax 239
700 378 ou pelo correio electrónico [email protected]
Pode igualmente visitar-nos pessoalmente nas nossoas instalações em
Coimbra, na morada: Rua Pedro Nunes, IPN, 3030-199 Coimbra
Download

Apresentação "CrioEstaminal"