Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
Modalidades avaliativas e seus objetivos – Análise das
ferramentas EAD utilizadas na disciplina Metodologia do
Trabalho Científico do Centro Universitário São Camilo –
Espírito Santo
Carlos Henrique M. Souza 1, Denise S. Dupont Bernini 2, Desirre Marques Brandão3,
Marcos de Souza4
1
Coordenação do CCH – Universidade Estadual Norte Fluminense – Campos - Rio de
Janeiro – Brasil
2
3
Gerente de EAD – Centro Universitário São Camilo – Espírito Santo - Cachoeiro de
Itapemirim – ES – Brasil
Especialista em Português/Literatura – Faculdades Integradas de Jacaré Paguar – Rio
de Janeiro - Rio de Janeiro – Brasil
4
Mestrando em Cognição e Linguagem – Universidade Estadual Norte Fluminense –
Campos - Rio de Janeiro – Brasil
chsouza@uenf.com.br, denise.sdb@gmail.com, desirre.brandao@gmail.com,
marcosdesouza82@gmail.com
Abstract. This article has the objective to relate the adopted types of
evaluation in environment tools EAD to the considered objectives of education
for verification of the learning in disciplines of Methodology of the Scientific
Work - this given through the Virtual Environment of Learning of the
Academic Vestibule of the University Center disciplines Is Camilo - Espirito
Santo. Of this form, it is justified choice of this subject for the fact of the
education in the distance to be a watershed in the history of the education,
moving the preexisting model of educator, education and educational
environment, leaving of being a physical space to be a virtual space, following
the technological trends and making possible the insertion of more people in
the knowledge search.
Resumo. Este artigo tem o objetivo relacionar os tipos de avaliação adotados
em ferramentas de ambientes EAD aos objetivos de ensino propostos para
verificação da aprendizagem na disciplina de Metodologia do Trabalho
Científico - disciplina esta ministrada através do Ambiente Virtual de
Aprendizagem do Portal Acadêmico do Centro Universitário São Camilo –
Espírito Santo. Dessa forma, justifica-se a escolha deste tema pelo fato de a
educação a distância ser um divisor de águas na história da educação,
mudando o modelo pré-existente de educador, de educação e de ambiente
educacional, deixando de ser um espaço físico para ser um espaço virtual,
acompanhando as tendências tecnológicas e possibilitando a inserção de mais
pessoas na busca de conhecimento.
ISSN: 2176-4301
2111
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
1. Conceito de Avaliação
Avaliar vem do latim a + valere, e, segundo o Minidicionário Houaiss da Língua
Portuguesa, significa “estabelecer o valor, (…) pensar ou determinar a intensidade, a
qualidade de (…)”. Batista et al (apud GONÇALVES, NASCIMENTO, 2010), afirma
que “avaliar significa, na forma dicionarizada, valor, estimar o valor ou o
merecimento”.
Libâneo (1991) afirma que a avaliação é uma tarefa essencial para o trabalho
docente, já que apresenta uma grande complexidade de fatores e não se resume a
simples realização de provas e atribuição e notas. O autor afirma que a mensuração
fornece dados quantitativos que devem ser apreciados qualitativamente.
Para Resende (2004) a função da avaliação educacional envolve questões mais
amplas, associadas ao objetivo do avaliador, podendo ser utilizadas a serviço da
aprendizagem ou ser usada apenas como uma engrenagem de seleção, orientação e
controle.
A LDB - Lei de Diretrizes e Bases (BRASIL, 1996) estabelece, dentre outros, no
seu artigo 24, que a avaliação deve ser contínua e cumulativa, com prevalência dos
aspectos qualificativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre
os de eventuais provas finais.
A avaliação da aprendizagem, como afirma Luckesi (2001), adquire sentido
quando se alia a um projeto pedagógico ao projeto de ensino. A avaliação não possui
uma finalidade em si, ela embasa um curso de ação que objetiva a construção de um
resultado previamente definido.
O ato de avaliar é tão habitual na vida do homem que comparam ao ato de
respirar, já que está presente em todas as atitudes que envolvem componentes
cognitivos, motores e afetivos. Para os autores (OLIVEIRA et al, 2007) estes últimos
estão fundamentalmente ligados a julgamentos de valor, que resultam em processos
avaliativos.
Oliveira et al (2007) ainda citam as modalidades de avaliação mais conhecidas,
que são a avaliação formativa e a avaliação somativa. Segundo os autores, a avaliação
formativa é a modalidade avaliativa que acompanha constantemente o processo de
ensino-aprendizagem, essencial para a qualidade do mesmo. Trata-se de um feed-back
fornecido ao aluno que contribui para o aperfeiçoamento da sua motivação e autoestima. Já na avaliação somativa, são confrontados resultados que permitem a
verificação da progressão de um aluno frente a um conjunto de objetivos previamente
definidos. Os autores ainda enfatizam que a avaliação formativa não é alternativa à
avaliação somativa, mas complementar, uma vez que ambas possibilitam uma síntese e
acrescentam-lhe resultados significativos, “pois a segunda é mais global e está mais
distante do momento em que as aprendizagens aconteceram”. (OLIVEIRA et al, 2007,
p. 43).
Alves et al (2008) propõe os três modelos de avaliação: a diagnóstica, a
somativa e a formativa, sendo a diagnóstica uma avaliação utilizada para detectar as
dificuldades de aprendizagem, identificando as causas dessas dificuldades.
Acrescentando ao pensamento de Oliveira et al (2007), portanto, uma não exclui a outra,
as três modalidades apresentadas são complementares.
2112
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
Figura 1. Tipos de Avaliação – (ALVES et al, 2008 )
2. Avaliação Diagnóstica
Oliveira (2002) aborda que a avaliação diagnóstica é aquela que as informações sobre as
capacidades do aluno são colhidas antes do início do processo de ensino/aprendizagem,
como meio para identificar as causas de repetidas dificuldades na aprendizagem.
A avaliação diagnóstica, portanto, tem o objetivo de verificar de que forma o
aluno se relaciona com as novas aprendizagens que lhe serão apresentadas, juntamente
com seus conhecimentos de mundo, que funcionam como base às novas aprendizagens,
com o objetivo de identificar as futuras dificuldades e, em certos momentos, de resolver
situações presentes de dificuldades de aprendizagem.
3. Avaliação Formativa
Conforme Haydt (2002, p. 17) ressalta a Avaliação Formativa que possibilita averiguar
se os objetivos de aprendizagem estão sendo alcançados, verificando se há
compatibilidade entre tais objetivos e os resultados alcançados durante o
desenvolvimento das atividades propostas. Configura o principal meio através do qual o
estudante passa a conhecer seus erros e acertos, o estimulando a um estudo sistemático
dos conteúdos. Outro aspecto destacado pela autora é o da orientação fornecida por este
tipo de avaliação, tanto ao estudo do aluno como ao trabalho do professor,
principalmente através de mecanismos de feedback.
Estes mecanismos permitem que o professor detecte e identifique deficiências na
forma de ensinar, possibilitando reformulações no seu trabalho didático, visando
aperfeiçoá-lo.
Oliveira (2002) afirma que a avaliação formativa visa informar ao professor e o
aluno o rendimento da aprendizagem no decorrer das atividades escolares e a
localização das deficiências na organização do ensino para possibilitar correção e
recuperação.
Assim, segundo Villas Boas (apud CUNHA, 2009), estudiosos brasileiros têm
defendido a substituição do paradigma tradicional centrado na dicotomia
aprovação/reprovação pelo paradigma que busca a avaliação mediadora, emancipatória,
dialógica, integradora, democrática, participativa, cidadã – “todas essas designações
fazem parte do que se entende como avaliação formativa”.
2113
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
4. Avaliação Somativa
Tem como objetivo, segundo Oliveira (2002), determinar o grau de domínio do aluno
em uma área de aprendizagem, o que permite conferir uma qualificação que, por sua
vez, pode ser utilizada como um sinal de competência da aprendizagem ao final de um
período de aprendizagem.
Haidt (apud SANTOS, 2006) afirma que a avaliação somativa visa classificar os
discentes segundo os seus níveis de aproveitamento do processo de ensinoaprendizagem. É realizada ao final de um curso, período letivo ou unidade de ensino,
dentro de critérios previamente impostos ou negociados e geralmente tem em vista a
promoção.
5. Disciplina de Metodologia do Trabalho Científico do Centro Universitário São
Camilo – ES
Conforme a legislação brasileira, no Decreto 5.622 de 2005, (BRASIL, 2005) a
educação à distância é uma modalidade educacional na qual a mediação didáticopedagógica dos processos de ensino e aprendizagem ocorre a partir da utilização de
meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores e que
desenvolvem atividades educativas em lugares ou tempos diversos. Em seu artigo 10, o
decreto ainda prevê no 2o parágrafo que as atividades presenciais obrigatórias – que
compreendem a avaliação, estágios, defesa de trabalhos ou prática em laboratório, serão
realizados na sede da instituição ou nos pólos de apoio presencial, devidamente
credenciados. Isto leva a supor que a disciplina de Metodologia, mesmo sendo uma
disciplina semipresencial, poderá utilizar em suas avaliações as ferramentas do
Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) nas avaliações presenciais.
Em sua ementa, a disciplina de Metodologia do Trabalho Científico (MTC) é
definida como a instrumentalização para o uso das tecnologias de informação e
comunicação, com a caracterização de técnicas de estudo e tipos de pesquisas voltadas
para o processo de construção de conhecimento. Além disso, promove a normatização
de trabalhos acadêmicos (referências bibliográficas e citações) e redação de textos
técnico-científicos (resumo, resenha, pesquisa bibliográfica). Ou seja, é uma disciplina
que tem como objetivo propiciar competências e habilidades na utilização prática de
técnicas de estudo acadêmico-científicas adotadas pela Instituição. Tal disciplina é
ministrada de forma semi-presencial a todos cursos do referido centro universitário.
Este artigo abordará a disciplina de MTC ministrada apenas ao núcleo das
Licenciaturas, formados pelos cursos de: Ciências Biológicas, Educação Física, Física,
Geografia, História, Letras – Inglês, Letras – Português/Literatura, Matemática,
Pedagogia e Química. As turmas, em média, comportam de 45 a 50 alunos. As vinte
aulas da disciplina, referentes a todo o semestre, ficam disponíveis desde o primeiro
encontro aos alunos e partir disso, é possível se ter uma prévia do sistema avaliativo
adotado na disciplina em questão.
Verduin (apud OLIVEIRA et al, 2007), afirma que na Educação a Distância
(EAD) a as modalidades de avaliação (diagnóstica, formativa e somativa) podem ser
utilizadas, uma vez que o enfoque da EAD, segundo Alves et al (2008), é o aprendizado
e a produção de conhecimento.
2114
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
6. Ferramentas utilizadas no Portal Acadêmico:
As ferramentas utilizadas no Ambiente Virtual de Aprendizado (AVA) do Centro
Universitário São Camilo – ES são de responsabilidade da “Positivo Informática” –
empresa responsável pelo desenvolvimento, manutenção e distribuição deste software às
Instituições de Ensino. O Centro Universitário São Camilo – ES utiliza este software há
aproximadamente quatro anos e atualmente já abarca todas as disciplinas dos vinte e
sete Cursos Superiores e dos quatro Cursos Técnicos ofertados por esta instituição.
O site disponibiliza a descrição das Ferramentas do AVA. Tais ferramentas estão
divididas por características e por funções. Nem todas as ferramentas são de utilização
dos alunos, sendo algumas exclusivas para os professores. As três “principais”
ferramentas observadas nesta pesquisa são: as ferramentas de Ensino, de Comunicação e
de Avaliação Institucional, sendo que elas se subdividem em outras categorias. Apenas
duas ferramentas de Ensino foram trabalhadas neste estudo com uma aula específica. As
imagens abaixo foram retiradas do Portal Acadêmico, especificamente das avaliações da
disciplina de MTC dos cursos de Licenciatura, sendo elas: Entrega de Trabalhos e
Fórum.
Ferramenta de Comunicação – Fórum: Permite a interação entre os membros
da comunidade acadêmica através troca de mensagens instantâneas. Propiciam
discussões síncronas ou assíncronas, inclusive com horários predeterminados pelos
professores. Abaixo, um exemplo de fórum utilizado na disciplina de MTC (Figura 2).
Figura 2. Ferramenta de Comunicação - Fórum – Portal Acadêmico
Ferramenta de Ensino – Entrega de Trabalhos: A partir desta ferramenta os
professores podem gerenciar o processo de solicitação e entrega de trabalhos. Os alunos
2115
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
entregam seus trabalhos por via eletrônica e recebem um comprovante de envio, e o
professor atribui notas às entregas realizadas pelo portal. A figura 3 explicita tal
avaliação.
Figura 3. Ferramenta de Ensino - Entrega de Trabalhos - Portal Acadêmico
7. Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA)
Ribeiro; Mendonça; Mendonça (2007) descrevem os AVA como softwares
educacionais que se destinam a apoiar as atividades de Educação a Distância. Estes
softwares disponibilizam um conjunto de TIC’s que permitem o desenvolvimento de
inúmeras atividades no tempo. Esses ambientes podem ser trabalhados em atividades
presenciais, possibilitando uma maior interação além da sala de aula; em atividades
semipresenciais, nos encontros presenciais e nas atividades à distância; oferecendo
suporte para a comunicação e troca de informações e interação entre os participantes. A
utilização do AVA, segundo os autores oferece as vantagens de proporcionar a interação
entre o computador e o aluno; a possibilidade de o professor tutor dar atenção individual
ao aluno; a possibilidade do aluno controlar seu próprio ritmo de aprendizagem, assim
como a sequência e o tempo; a apresentação dos materiais de estudo de modo criativo,
atrativo e integrado, estimulando e motivando a aprendizagem; a possibilidade de ser
usada para avaliar o aluno.
Harasim (apud CALDEIRA, 2004) explicita cinco características que se
adéquam aos ambientes digitais de aprendizagem e que fazem deles espaços únicos de
desenvolvimento e aprendizagem, diferenciando-os do processo presencial e do clássico
modelo de ensino a distância:
2116
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
- Assíncronas, ferramentas que não exige do usuário estar em um momento
determinado no ambiente virtual para a realização das atividades ou para o estudo de
conteúdos, cada um realiza no seu tempo;
- Atividades baseadas na comunicação escrita, o registro escrito das atividades e
avaliações se faz necessário para que isto venha a enriquecer o aprendizado do aluno,
exigindo dele conhecimento da língua materna;
- De muitos para muitos, “retira do processo a figura do professor centralizador
do conhecimento, dando lugar a relações mais democráticas, favorecendo o processo
dialógico” (p. 2), o professor passa a ter uma interação maior com os alunos, podendo
ocorrer avaliação entre pares, entre o professor e um aluno por vez;
- Mobilidade, independente de local, já que pode ser acessada de qualquer
computador conectado à Internet; e
- Mediada por computador, proporcionando ao aluno o desenvolvimento básico
dos recursos da informática.
Pereira (2002) ainda destaca a característica de sincronicidade dos AVA. Tal
característica possibilita a comunicação síncrona que é realizada em tempo real,
exigindo participação simultânea de todos os envolvidos, através dos chat’s e
videoconferências.
8. Resultados
Foram analisadas as avaliações de aprendizagem da disciplina de MTC ofertada ao
Núcleo de Licenciaturas do Centro Universitário São Camilo - ES. A aula foi ministrada
em 03 de maio de 2011. A partir do cruzamento de dados, chegou-se aos seguintes
resultados:
Ferramentas do AVA
Classificação quanto
ao tipo de avaliação
Ferramenta de
Comunicação - Fórum
Formativa e
Descritiva
Ferramenta de Ensino Entrega de Trabalhos
Somativa
Sugestões
- Como sugestão, a ferramenta pode ser
utilizada nos principais temas das disciplinas,
já que possui características para a troca de
informações.
- Vale ressaltar que é de suma importância a
orientação e direcionamento por parte do
professor / tutor na condução de utilização
dessa ferramenta, uma vez que permite a
construção do conhecimento coletivo, mas
também pode gerar conflitos de opiniões e
culturas.
- Pode ser utilizado para diferentes tipos de
trabalhos ao final de cada conteúdo, tais como:
pesquisa, resumo, fichamento, resenha, artigo,
ensaio entre outros. Em números quantitativos,
pode-se avaliar por meio de notas parciais.
9. Conclusão
Conforme é destacado na LDB, as avaliações devem ser contínuas e cumulativas,
2117
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
porém, os professores devem levar em consideração os aspectos qualitativos sobre os
quantitativos ao longo do período e sobre as provas finais.
Torna-se evidente, ao observar as características dos tipos de avaliação, que a
“ideal” é aquela realizada continuamente, durante todo o processo ensinoaprendizagem. Porém, há que se destacar que as três modalidades de avaliação são
indissociáveis. Também ficou claro que as ferramentas do AVA são enriquecedoras no
processo de ensino a distância. Pode-se perceber uma diferença significativa entre os
objetivos apresentados para a disciplina de MTC e as avaliações contidas no AVA.
Buscando uma maior sintonia entre as ferramentas do AVA e os objetivos da
disciplina, sugere-se a maior aproximação dos professores ao ambientes virtuais
educativos, explorando e trabalhando tais ferramentas tecnológicas, através de cursos e
aprimoramento. E ainda, que sejam observados os objetivos da disciplina ao serem
elaboradas as avaliações da mesma e, ainda, que essas avaliações utilizem como uma
maior intensidade as diversas ferramentas disponíveis neste ambiente.
As ferramentas trabalhadas a partir das sugestões propostas nos resultados deste
trabalho proporcionam uma maior interatividade entre os docentes / discentes e
discentes / discentes, além de permitir avaliá-los de forma diagnóstica, somativa e
formativa – objetivo este das avaliações - durante todo o período letivo. Há que se
ressaltar, que as avaliações analisadas dizem respeito a apenas uma aula da disciplina de
MTC e que existem outras ferramentas no AVA que podem ser utilizadas no processo
avaliativo. Desta forma, é fundamental ao professor / tutor a utilização das demais
ferramentas existentes, tanto para enriquecer a aula, quando para incentivar os discentes
ao uso dessas ferramentas, de forma que os mesmos se habituem a utilizá-las ao longo
do curso.
Referências
Alves, I. F., et al . Diagnóstico da Avaliação de Aprendizagem em Ambientes Elearning. In: XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO
(SBIE), FORTALEZA. TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO PARA TODOS. 2008,
Fortaleza: Sociedade Brasileira de Computação.
Disponível em:
<http://200.169.53.89/download/CD%20congressos/2008/SBIE/sbie_posters/Diagn
%C3%B3stico%20de%20avalia%C3%A7%C3%A3o%20da%20aprendizagem.pdf>.
Acesso em: 16 jun 2011.
Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394, 20 de dezembro de
1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
______. Decreto nº 5.622, de 19 de Dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional. Diário Oficial da União.
Caldeira, A. C. M.. Avaliação da aprendizagem em meios digitais: novos contextos.
2004. In: ABED, ACTAS DO 11º CONGRESSO INTERNACIONAL DE
EDUCAÇÃO
A
DISTANCIA.
Disponível
em:
<www.abed.org.br/congresso2004/por/pdf/033-TCA4.pdf Acesso em: 16 jun 2011>.
Conheça
o
Portal
Universitário.
Universitário.
Disponível
em:
<www.portalacademico.com.br/ensino_projeto_pedagogico.asp>. Acesso em: 16
jun 2011.
2118
Anais do XXII SBIE - XVII WIE
Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011
Cunha, E M L. Avaliação Formativa no Ensino Superior: Um Estudo Exploratório a
partir da Perspectiva dos Professores. E-Revista Facitec, v.3, n.1, Art.5, dezembro
2009.29 p. Disponível em: <www.facitec.br/ojs2/index.php/erevista/issue/view/6>.
Acesso em: 16 jun 2011.
Goncalves, A. V.; Nascimento, E. L.. Avaliação formativa: autorregulação e controle da
textualização. Trab. linguist. apl., Campinas, v. 49, n. 1, June 2010 . Disponível
em: < http://www.scielo.br/pdf/tla/v49n1/16.pdf >. Acesso em: 16 jun 2011.
Houaiss, A . Minidicionario Houaiss da Língua Portuguesa. 4ª edição. São Paulo:
Objetiva - Moderna, 2010.
Libâneo, J. C. Didática. São Paulo, Cortez: 1991. 264 p.
Luckesi, Cipriano C. Avaliação da Aprendizagem Escolar: estudos e preposições. 14 ed.
São Paulo: Cortez, 2002.
Oliveira, G. P. Avaliação Formativa nos Cursos Superiores: Verificações Qualitativas
no Processo de Ensino-Aprendizagem e a Autonomia dos Educandos. 2005.
Disponível em: <www.rieoei.org/deloslectores/261Pastre.PDF>. Acesso em: 16 jun
2011.
Pereira, André Luis Vizine. APEP: um ambiente de apoio ao ensino presencial.
Colabor@ - Revista Digital da CVA - Ricesu, ISSN 1519-8529. 2002. Disponível
em: <http://pead.ucpel.tche.br/revistas/index.php/colabora/article/viewFile/29/27>.
Acesso em: 12 jul 2011.
Resende, R. L. S. M.. Avaliação Processual e Formativa na Educação à Distância. 2004.
Disponível em: <www.abed.org.br/congresso2004/por/pdf/091-TC-C3.pdf>. Acesso
em: 16 jun 2011.
Ribeiro, E. N.; Mendonça, G. A. A.; Mendonça, A. F.. Importância dos Ambientes
Virtuais de Aprendizagem na Busca de Novos Domínios da EAD. In: Congresso
Brasileiro
de
Educação
a
Distância.
2007.
Disponível
em:
<www.abed.org.br/congresso2007/tc/4162007104526AM.pdf>. Acesso em: 16 jun
2011.
Santos, J. F. S.. Avaliação no Ensino a Distância. Revista Iberoamericana de
Educación,
nº.
4,
2006.
Disponível
em:
<www.rieoei.org/deloslectores/1372Severo.pdf>. Acesso em: 16 jun 2011.
2119
Download

Modalidades avaliativas e seus objetivos