13º Congresso Brasileiro de Clínica Médica
Florianópolis / SC
RELATO DE CASO: MANEJO CLÍNICO DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
DESCOMPENSADA EM PACIENTE COM MIOCARDITE AGUDA FULMINANTE
João Paulo Chaves de Melo1; Rodrigo Cunha de Sousa2; Érica Silva1; Igor Ulloa da Cunha1
1. Médico residente de clínica médica. Mário Palmério Hospital Universitário de Uberaba (UNIUBE)
2. Médico preceptor cardiologista. Mário Palmério Hospital Universitário de Uberaba (UNIUBE)
INTRODUÇÃO
Miocardite é uma entidade clínica grave com incidência estimada
entre 0,2 e 12%. Manifesta maior prevalência no sexo masculino,
principalmente no adulto jovem, sendo uma das principais causas de
morte súbita em menores de 40 anos. Pode decorrer de diversas
causas infecciosas e não infecciosas, sendo a miocardite viral a forma
mais prevalente. A forma fulminante possui maior gravidade,
caracterizada por um curso agudo e rapidamente progressivo
(insuficiência cardíaca congestiva refratária e choque cardiogênico).
Possui alta letalidade quando não tratada adequadamente.
RELATO DE CASO
N.J.B, masculino, 22 anos, hígido, admitido com quadro clínico de
insuficiência cardíaca agudamente descompensada de início súbito.
DISCUSSÃO
Apresentava radiografia de tórax com cardiomegalia grau III e
O quadro de miocardite fulminante acarreta em alta morbimortalidade,
congestão
foi
prolongamento do tempo de internação e não raramente, evolui para
evidenciada fração de ejeção de 16%, hipocinesia ventricular
necessidade de transplante cardíaco. A biópsia endomiocárdica de
esquerda difusa importante, dilatação de câmaras cardíacas e
ventrículo direito é o método padrão ouro para o diagnóstico, possui
hipertensão pulmonar importante (PSAP: 69 mmHg). Foram
grande importância na orientação terapêutica como o uso de
iniciadas
agudamente
imunossupressores, imunomoduladores e antivirais, porém não está
descompensada perfil C necessitando de altas doses de drogas
disponível na maioria dos centros médicos. Na prática clínica, o
inotrópicas e vasodilatadoras parenterais, suporte dialítico e reversão
diagnóstico não raramente torna-se obscuro sendo realizado através de
de um episódio de morte súbita em fibrilação ventricular. Para
dados clínico-epidemiológicos e com auxílio de exames laboratoriais e
elucidar a causa etiológica, foram realizados diversos exames que
de imagem. Pela dificuldade diagnóstica, a terapêutica adotada
apresentaram resultados negativos, incluindo investigação para
frequentemente baseia-se no suporte hemodinâmico intensivo.
pulmonar.
medidas
Ao
para
ecocardiograma
insuficiência
transtorácico
cardíaca
doenças auto-imunes, testes sorológicos para HIV, hepatites, Doença
de Chagas e síndrome mono-like. A cintilografia miocárdica com
Gálio-67 evidenciou intenso processo inflamatório em atividade no
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1.
miocárdio, compatível com miocardite. Após longo tempo de
internação, foram otimizadas as medicações por via oral na maior
dose tolerada pelo paciente, sendo então encaminhado para
2.
seguimento ambulatorial.
3.
Montera M.W., Mesquita E.T., Colafranceschi A.S., Oliveira Junior A.M.,
Rabischoffsky A., Ianni B.M., et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I
Diretriz Brasileira de Miocardites e Pericardites. Arq Bras Cardiol 2013;
100(4 supl. 1): 1-3
Montera MW, Pereira SB, Colafranceschi AS, Almeida DR, Tinoco EM,
Rocha RM, et al. Sumário de Atualização da II Diretriz Brasileira de
Insuficiência Cardíaca Aguda 2009/2011. Arq Bras Cardiol 2012;98(5):375383
Bocchi EA, Marcondes-Braga FG, Bacal F, Ferraz AS, Albuquerque D,
Rodrigues D, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualização da
Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica - 2012. Arq Bras
Cardiol 2012: 98(1 supl. 1): 1-33
Autor apresentador: jp_melo21@hotmail.com
Download

insuficiência cardíaca descompensada e miocardite aguda fulminante