Conjuntura econômica e negociações
coletivas
5º Congresso dos Bancários de Brasília/DF
Brasília, 10 e 11 de julho de 2009.
A crise econômica internacional
 Maior crise do capitalismo desde 1929
 Crise global: atinge praticamente todos os países e
regiões do mundo
 Duração e intensidade podem ser diferentes para
os países
A crise mundial e o Brasil

Caráter global – Não há blindagem possível. A crise atacou o centro do
capitalismo e se espalhou pelo sistema como um todo
 Sistema financeiro internacional marcado pela desregulamentação
 Falências, endividamentos e acumulação fictícia
 Operações com derivativos

O Estado volta à cena
 Na história recente, é a primeira vez que o Estado brasileiro não
representa um entrave ao enfrentamento da crise. Atua ampliando o
investimento e o crédito na economia
 Instrumentos públicos de intervenção na economia (Banco do Brasil,
CEF, BNDES, Petrobrás, BASA, BNB, dentre outros) têm sido e serão
fundamentais na travessia da crise
 Programas de estímulo à economia, cortes seletivos de impostos (# IPI)
e dos juros
Projeções 2009 – Atividade econômica
 Diferentes leituras
Projeção do Mercado: PIB estagnado (0,1%) ou com pequena retração;
Projeção de especialistas: há possibilidades da expansão ser um pouco maior (na
faixa entre 1% e 1,5%);
Projeção do governo: reviu sua projeção de 3,5% para 2,0%. Um caminho seria a
utilização de Políticas Econômicas para fazer movimentos anticíclicos.
 Cenário de recessão técnica? Com a queda no PIB (-0,8%) no primeiro trimestre de
2009 confirmou-se o quadro de recessão técnica (2 trimestres seguidos de queda na
atividade econômica). Assim, a projeção do PIB estagnado em 2009 torna-se mais
factível, mesmo com a retomada da atividade nos trimestres seguintes.
Porém, há uma percepção geral de que há um início de retomada da atividade e de que
“o pior já passou”.
Aspectos importantes da economia
brasileira para o enfrentamento da crise
 O dinamismo do mercado interno, que tem sido o
motor do crescimento da economia brasileira nos
últimos anos.
 O nível das reservas cambiais existentes no país, em
torno de US$ 200 bilhões (junho/09); situa-se num
patamar acima antes de crise.
 Investimentos do PAC têm papel fundamental nas
áreas de infra-estrutura, estímulo ao crédito e ao
financiamento.
 Diversificação de destinos das exportações
brasileiras.
Impactos da Crise sobre o Mercado de
Trabalho
Dezembro: o mês do “ajuste geral” do
emprego formal
 Dezembro é mês de “ajuste geral” da mão-de-obra no
mercado de trabalho
 Processo generalizado de demissões de trabalhadores
atinge quase todos os setores de atividades e regiões
do país
 Dezembro 2008 – Além do “ajuste” que acontece todos
os anos, existiu o “ajuste da Crise”
abr/09
jan/09
out/08
jul/08
abr/08
jan/08
out/07
-286.719
jul/07
abr/07
jan/07
out/06
jul/06
abr/06
jan/06
-299.918
out/05
jul/05
abr/05
jan/05
out/04
jul/04
abr/04
jan/04
-400.000
out/03
-253.923
jul/03
abr/03
jan/03
out/02
jul/02
abr/02
jan/02
out/01
jul/01
abr/01
jan/01
BRASIL – Saldo Mensal Emprego
Jan/2001 – abr/2009
400.000
200.000
0
-200.000
-319.414
-352.093
-600.000
-654.946
-800.000
Jan-1998
Abr
Jul
Out
Jan-1999
Abr
Jul
Out
Jan-2000
Abr
Jul
Out
Jan-2001
Abr
Jul
Out
Jan-2002
Abr
Jul
Out
Jan-2003
Abr
Jul
Out
Jan-2004
Abr
Jul
Out
Jan-2005
Abr
Jul
Out
Jan-2006
Abr
Jul
Out
Jan-2007
Abr
Jul
Out
Jan-2008
Abr
Jul
Out
Jan-2009
Abr
Evolução da taxa de desemprego
Regiões Metropolitanas e Distrito Federal
Jan/1998 – Mai/2009
25,0
23,0
21,0
19,0
17,0
15,0
13,0
11,0
9,0
7,0
5,0
Fonte: PED-DIEESE.
Taxa Mensal de desemprego
As Negociações Coletivas
Resultado das negociações coletivas
 As negociações coletivas, nos anos recentes,
contribuíram para a elevação do poder de
compra dos trabalhadores e para a
dinamização do mercado interno
Distribuição dos reajustes salariais em comparação ao INPC-IBGE
Brasil, 1996 a 2008
100%
18,8
90%
25,8
39,1
80%
35,1
43,2
43,5
51,5
51,9
70%
23,0
54,9
71,7
60%
27,7
14,6
85,7
15,5
50%
87,7
19,6
19,8
3,9
15,2
40%
30%
20%
77,6
58,2
44,2
50,3
45,3
36,7
26,1
46,5
33,3
16,3
37,2
10%
19,0
12,0
0%
1996
1997
1998
1999
2000
2001
Abaixo do INPC
2002
Igual ao INPC
2003
Acima do INPC
2004
2005
10,5
10,7
8,3
3,7
4,1
2006
2007
11,9
2008
Distribuição dos reajustes salariais em comparação com o
INPC-IBGE - Brasil, 2008
Variação
nº
%
548
77,6
Mais de 5% acima
2
0,3
De 4,01% a 5% acima
5
0,7
De 3,01% a 4% acima
28
4,0
De 2,01% a 3% acima
65
9,2
De 1,01% a 2% acima
202
28,6
De 0,01% a 1% acima
246
34,8
74
10,5
De 0,01% a 1% abaixo
73
10,3
De 1,01% a 2% abaixo
9
1,3
De 2,01% a 3% abaixo
1
0,1
Mais de 5% abaixo
1
0,1
84
11,9
706
100,0
Acima do INPC
Igual ao INPC
Abaixo do INPC
Total
Fonte: DIEESE
Distribuição dos reajustes nos primeiros cinco meses
(janeiro-maio)
de 2008 e 2009
2008
Variaç ão
nº
2009
%
nº
%
Ac ima do INP C
Mais de 5% acima
80
-
77,7
-
82
3
79,6
2,9
D e 4,01% a 5%
D e 3,01% a 4%
D e 2,01% a 3%
D e 1,01% a 2%
D e 0,01% a 1%
Ig ual ao INP C
2
3
8
33
34
12
1,9
2,9
7,8
32,0
33,0
11,7
2
2
10
22
43
17
1,9
1,9
9,7
21,4
41,7
16,5
D e 0,01% a 1% abaixo
11
10,7
3
2,9
D e 1,01% a 2% abaixo
D e 2,01% a 3% abaixo
D e 3,01% a 4% abaixo
D e 4,01% a 5% abaixo
Mais de 5% abaixo
Abaix o do INP C
11
10,7
1
4
1,0
3,9
103
100,0
103
100,0
T otal
acima
acima
acima
acima
acima
F onte: D IE E S E . S AS -D IE E S E - S is tema de Acompanhamento de S alários
As Negociações Coletivas
Estimativas p/ set.09:
INPC-IBGE: 4,72%
ICV-DIEESE: 3,13%
As Negociações Coletivas
Conjuntura Setorial
Evolução do Emprego Formal dos Bancários
1990 - 2007
Admitidos, desligados, saldo de emprego e remuneração
médias nos bancos
Brasil - (jan/08 a dez/08)
Rem. Média
Rem. Média
Desligados
(em R$)
(em R$)
Mês/Ano
Admitidos
jan/08
fev/08
mar/08
abr/08
mai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
nov/08
dez/08
4.628
4.251
4.444
4.524
5.058
6.201
5.157
5.460
4.891
4.440
3.360
2.213
2.084
1.891
2.242
2.148
1.960
1.693
1.808
1.980
1.953
1.894
2.037
1.959
3.279
3.166
3.739
3.505
3.229
3.434
3.074
3.554
3.268
3.553
3.138
2.459
Total
54.627
1.960
39.398
Fonte: M.T.E/CAGED
Elaboração: DIEESE Rede Bancários
Saldo
Dif.% da Rem.
Média
2.986
3.158
3.315
3.302
3.124
3.302
2.993
3.552
3.217
3.347
3.843
3.887
1.349
1.085
705
1.019
1.829
2.767
2.083
1.906
1.623
887
222
-246
-30,21%
-40,13%
-32,36%
-34,94%
-37,27%
-48,71%
-39,60%
-44,25%
-39,29%
-43,40%
-46,98%
-49,61%
3.326
15.229
-41,07%
Admitidos, desligados, saldo de emprego e remuneração
médias nos bancos
Brasil - (1º trimestre de 2009)
Mês/Ano
Admitidos
jan/09
fev/09
mar/09
Total
1.787
2.337
2.758
6.882
Rem. Média
Rem. Média
Desligados
(em R$)
(em R$)
1.992,47
2.990
4.012,62
1.554,45
2.313
4.175,49
1.869,53
2.933
3.679,80
1.794,46
8.236
3.939,84
Fonte: M.T.E/CAGED
Elaboração: DIEESE Rede Bancários
Dif.% da Rem.
Média
-1.203
-50,34%
24
-62,77%
-175
-49,19%
-1.354
-54,45%
Saldo
Evolução do emprego nos principais bancos no Brasil
(2004 e 2008)
Despesa mensal média com pessoal per capita
(em R$ deflacionado pelo INPC-IBGE – jan.09)
Distribuição do tipo de remuneração do bancário*
* Bancário que recebe o piso da categoria após 90 dias
Fonte: Convenção Coletiva 2008-2009
Evolução do ativo total dos principais bancos do Brasil
2004 e 2008 - deflacionado pelo INPC-IBGE (em R$ bilhões)
Percentual das operações de crédito em relação ao ativo total
2004 e 2008 (em %)
Evolução da receita de prestação de serviços
2004 e 2008 - deflacionado pelo INPC-IBGE- jan.09 (em R$ milhões)
Receita de prestação de serviço sobre despesa de pessoal
2004 e 2008 (em %)
Evolução do lucro líquido dos principais bancos no Brasil
2004 e 2008 - deflacionado pelo INPC-IBGE (em R$ milhões)
Lucro líquido dos principais bancos no Brasil
1º trim. de 2008 e 2009 (em R$ milhões)
2.347
2.500
2.065
2.101
1.995
2.000
1.665
1.731
1.500
873
1.000
390 433
500
-
Fonte: Balanço dos bancos
Elaboração: DIEESE Rede Bancários
1 trim. 2008
1 trim. 2009
452
331
266
Rentabilidade Líquida de bancos Brasileiros selecionados
2004 e 2008
Rentabilidade (LL/PL) dos bancos em países selecionados
2007
Rentabilidade (LL/PL) dos bancos em 2007- países selecionados x Brasil
25.00%
23.70%
Fonte: OCDE, BCB, Balanço dos bancos.
Elaboração: DIEESE - Rede Bancários.
(1) Representa os 11 maiores bancos em Ativos Totais.
20.00%
15.00%
10.00%
5.00%
10.76%
11.12%
França
Coréia do Sul
11.77%
8.87%
4.11%
0.00%
Alemanha
Itália
EUA
Brasil (1)
Evolução do patrimônio líquido
2004 e 2008 - deflacionado pelo INPC-IBGE (em R$ bilhões)
Participação dos 5 maiores Bancos no ativo total
2004 e 2008
2004
Fonte: Banco Central do Brasil
Elaboração: DIEESE Rede Bancários
2008
Participação dos 5 maiores Bancos no patrimônio líquido total
2004 e 2008
2004
Fonte: Banco Central do Brasil
Elaboração: DIEESE Rede Bancários
2008
Tendências do ramo financeiro
 Aumento das provisões
 Juros e spread (lucro como forte
componente)
 Operações de crédito e a inserção dos
bancos públicos
 Concentração: fusões, aquisições e
incorporações
Desafios para o MS
 Marco regulatório do SFN
 Regulamentação do art.192 da CF/88
 Função social das instituições financeiras
 Participação de recursos públicos
 Manutenção de empregos e salários
 Gestão compartilhada
 Política macroeconômica
 Crédito, juros, spread e políticas sociais
Muito Obrigado!
Pedro Tupinambá
Economista e técnico do DIEESE, Subseção SEEB-DF
[email protected]
www.dieese.org.br
Download

2004 2008 - Sindicato dos Bancários de Brasília