Giordan Matheus Guimarães
Oi, eu sou o Zé D´agua!
Vim falar um pouco com
você sobre a água do
nosso planeta...
A água é a espécie química mais abundante do planeta e é
um recurso essencial para a sobrevivência dos seres vivos na
Terra. Apresenta a fórmula molecular H2O. Encontra-se
naturalmente em todos os três estados físicos: sólido (gelo),
líquido (água líquida) e gasoso (vapor). Ela apresenta
temperaturas de fusão e ebulição iguais a 0ºC e 100ºC,
respectivamente, ao nível do mar. Essas características são
bastante importantes para a existência de vida na Terra,
uma vez que a forma líquida é o estado físico predominante
na natureza. Uma outra propriedade da água é que a forma
líquida é mais densa que a forma sólida, fazendo com que
no inverno e nos pólos da Terra a água não congele
totalmente, protegendo a vida marinha.
Na natureza, a água se encontra em contínua circulação,
fenômeno conhecido como ciclo da água ou ciclo hidrológico
(ver Figura 1 no slide seguinte). A água dos oceanos, dos rios,
dos lagos, da camada superficial dos solos e das plantas
evapora por ação dos raios solares. O vapor formado vai
constituir as nuvens que, em condições adequadas,
condensam-se e precipitam-se em forma de chuva, neve ou
granizo. Parte da água das chuvas infiltra-se no solo, outra
parte escorre pela superfície até os cursos de água ou regressa à
atmosfera pela evaporação, formando novas nuvens. A porção
que se infiltra no solo vai abastecer os aqüíferos, reservatórios
de água subterrânea que, por sua vez, vão alimentar os rios e os
lagos.
Figura 1. Ciclo da água.
Um dos grandes benefícios das tecnologias modernas tem
sido a redução das doenças transmitidas pela água, entre elas a
cólera e o tifo. O aspecto chave para este avanço foi o
reconhecimento de que a contaminação dos reservatórios de
águas destinadas ao abastecimento público, especialmente
por resíduos humanos, era a principal fonte de infecção.
Muitas doenças podem ser eliminadas através de um
tratamento mais efetivo da água. As principais operações
consistem na decantação, coagulação/floculação, filtração e
desinfecção (ver Figura 2 no slide seguinte).
Figura 2. Esquema de uma estação de tratamento de água.
Uma parcela significativa das águas, depois de utilizadas para o
abastecimento público e nos processos produtivos, retorna suja
os cursos d’água, em muitos casos levando ao
comprometimento de sua qualidade para os diversos usos,
inclusive para a agricultura. Dependendo do grau de poluição,
essa água residual pode ser imprópria para a vida, causando,
por exemplo, a mortandade de peixes. Os poluentes alcançam
águas superficiais e subterrâneas de formas bastante diversas.
Existem duas estratégias adotadas no controle da poluição
aquática: (1) redução na fonte e (2) tratamento dos resíduos de
forma a remover os contaminantes ou ainda de convertê-los a
uma forma menos nociva. O tratamento dos resíduos tem sido
a melhor opção.
Os microorganismos que participam da degradação dos compostos
orgânicos presentes no esgoto utilizam esses compostos como
fontes de energia. As reações químicas envolvidas podem ocorrer
tanto na presença como na ausência de oxigênio, conforme os
exemplos abaixo:
C6H12O6 + 6O2
glicose
→
6CO2
oxigênio dióxido de carbono
CH3COOH → CH4 + CO2 + Energia
ácido acético
+
metano
6H2O + Energia
água
No território brasileiro, existe um órgão do governo que é
responsável pela fiscalização da qualidade da água. Esse órgão é o
Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Ele estabelece
os padrões de qualidade de corpos aquáticos, bem como de
lançamentos de efluentes. As águas residuais, após tratamento,
devem atender aos limites máximos e mínimos estabelecidos pela
referida resolução, e os corpos d’água receptores não devem ter sua
qualidade alterada.
A água no Brasil
O volume total de água na Terra não aumenta nem diminui, é sempre
o mesmo. A água ocupa aproximadamente 70% da superfície do
nosso planeta. Mas 97,5% da água do planeta é salgada. Da parcela de
água doce, 68,9% encontra-se nas geleiras, calotas polares ou em
regiões montanhosas, 29,9% em águas subterrâneas, 0,9% compõe a
umidade do solo e dos pântanos e apenas 0,3% constitui a porção
superficial de água doce presente em rios e lagos. O Brasil é um país
privilegiado quanto ao volume de recursos hídricos, pois abriga 13,7%
da água doce do mundo. Porém, a disponibilidade desses recursos não é
uniforme.
O Brasil registra elevado desperdício: de 20% a 60% da água
tratada para consumo se perde na distribuição, dependendo das
condições de conservação das redes de abastecimento. Além
dessas perdas de água no caminho entre as estações de tratamento
e o consumidor, o desperdício também é grande nas nossas
residências, envolvendo, por exemplo, o tempo necessário para
tomarmos banho, a própria forma como tomamos banho, a
utilização de descargas no vaso sanitário que consomem muita
água, a lavagem da louça com água corrente, no uso da
mangueira como vassoura na limpeza de calçadas, na lavagem de
carros etc.
Sugestões para leitura
Bom pessoal, espero que tenham gostado das
minhas informações. Seguem algumas
sugestões para leitura. Obrigado! Um abraço!
As águas do planeta terra:
http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/01/
aguas.pdf
Tratando nossos esgotos:
http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/01/
esgotos.pdf
Água: um recurso cada vez mais ameaçado:
http://www.idec.org.br/biblioteca/mcs_agua.
pdf
Download

Água no planeta terra!