Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia
CONTECC’ 2015
Centro de Eventos do Ceará - Fortaleza - CE
15 a 18 de setembro de 2015
USO DE AGROQUÍMICOS E EPI’S POR AGRICULTORES NO MUNICÍPIO DE
POMBAL-PB.
MICHEL DOUGLAS SANTOS RIBEIRO1, JOSÉ JACIEL FERREIRA DOS SANTOS2*, GABRIELA
GOMES RAFAEL3, LUCAS MARTINS DE ARAÚJO4, SYMARA ABRANTES ALBUQUERQUE DE
OLIVEIRA CABRAL5
1Estudante
de Agronomia, UFCG/CCTA/PB, Pombal-PB. Fone: (83) 99941-3393, mycheldouglass@gmail.com
de Agronomia, UFCG/CCTA/PB, Pombal-PB. Fone: (83) 99861-0716, jacielagro@hotmail.com
3Estudante de Agronomia, UFCG/CCTA/PB, Pombal-PB. Fone: (83) 98169-3768, gabriela_g_r12@hotmail.com
4Estudante de Agronomia, UFCG/CCTA/PB, Pombal-PB. Fone: (83) lucas261091@gmail.com
5Graduada em Enfermagem pela UFCG/CFP/PB, aluna do Mestrado em Sistemas Agroindustriais da
UFCG/CCTA/PB. Fone: (83) 99907-1773, symara_abrantes@hotmail.com
2Estudante
Apresentado no
Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia – CONTECC’ 2015
15 a 18 de setembro de 2015 - Fortaleza-CE, Brasil
RESUMO: O presente trabalho tem como meta apresentar um levantamento feito com agricultores
acerca da utilização de agroquímicos, os riscos a que estes estão expostos e as condições de segurança
durante aplicações dos produtos, no tocante a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI)
no município de Pombal, Paraíba. O estudo foi desenvolvido no período de fevereiro a maio de 2015,
no qual foi realizado in loco um estudo de campo, descritivo com abordagem quantitativa e qualitativa
dos dados, a partir da coleta de dados por aplicação de questionário com questões abertas, a 58
agricultores previamente selecionados no município. Com relação ao uso de agroquímicos, 93% dos
entrevistados afirmam utilizarem agroquímicos em suas lavouras, no que diz respeito ao uso de
equipamentos de proteção individual, 82% dos agricultores afirmam não utilizar, já em relação à
utilização de agroquímicos, foi verificado que o herbicida Roundup seguido do inseticida Decis 25 CE
foram citados por elevado número de produtores, cerca de 67% do total de produtores pesquisados
afirmaram utilizar um desses ou mesmo os dois. Ficou constatado também que os agricultores não
possuem nenhum tipo de assistência técnica e ainda utilizam produtos tóxicos de forma
indiscriminada, causando risco à saúde e ao meio ambiente.
PALAVRAS–CHAVE: Agroquímicos, agricultores, segurança no trabalho.
AGRICULTURAL CHEMICALS AND EQUIPMENT AND EPI 'S FARMERS IN THE
MUNICIPALITY OF POMBAL -PB
ABSTRACT: The objective permeates the presentation of a survey carried out with farmers about the
use of agrochemicals and safety during application of the products, regarding the use of personal
protective equipment (PPE) in municipality of Pombal, Paraíba. The study was conducted in the
period May-June 2015, which was held in place a field of study, descriptive with quantitative and
qualitative approach to the data from the data collection by a questionnaire with open questions, the 58
farmers previously selected in the municipality. Regarding the use of agrochemicals, 93% of
respondents say use of pesticides on their crops. With regard to the use of personal protective
equipment, 82% of farmers say they do not use. In relation to the use of agrochemicals has been found
that the EC 25 Decision insecticide was cited by large number of producers, about 67%. It was also
featured in that farmers do not have any type of service and still use toxic products indiscriminately,
causing risk to health and the environment.
KEYWORDS: agrochemical, farmers, occupational safety.
INTRODUÇÃO
Os defensivos agrícolas, também conhecidos como agrotóxicos, produtos fitossanitários,
agroquímicos ou pesticidas são produtos químicos utilizados no meio rural com o objetivo de reduzir
as perdas na produtividade causadas principalmente pelo ataque de pragas, doenças e plantas daninhas,
conforme explicitado pela Associação Nacional de Defesa Vegetal (2007).
Spadotto e Gomes (2004) definem agroquímicos como produtos químicos utilizados para o
combate e controle de pragas e doenças das culturas agrícolas, sendo utilizados pela grande maioria
dos agricultores como forma de proteção para as plantações.
A utilização dos agroquímicos no meio rural brasileiro tem trazido uma série de consequências,
tanto para o ambiente como para a saúde do trabalho rural, sendo estimado ainda pelos autores citados
que, a ocorrência, de cerca três milhões de intoxicações agudas por agroquímicos com 220 mil mortes
no mundo, sendo 70% dessas provenientes dos países em desenvolvimento. No geral essas
consequências refletem em fatos intrinsecamente relacionados, tais como o uso inadequado dessas
substâncias, alta toxicidade, pressão pelo comércio e indústria para a utilização indiscriminada,
ausência de informação sobre saúde e segurança de fácil apropriação por parte do grupo de
trabalhadores e a precariedade dos mecanismos de vigilância.
O uso de defensivos agrícolas ou fitossanitários requer a utilização correta dos Equipamentos de
Proteção Individual (EPI). De acordo com a Norma Regulamentadora Rural nº4, aprovada pela
Portaria n. 3.067, de 12 de abril de 1988, do Ministério do Trabalho, os EPI’s são definidos como todo
dispositivo de uso individual destinado à proteção da integridade física do trabalhador (AGOSTINHO,
et al, 1998).
Segundo Agostinho (1998), a utilização ineficiente de EPI representa e possibilita um grande
perigo à saúde do aplicador, causando elevado risco à saúde do indivíduo, especialmente perante o
risco para intoxicações. Neste sentindo enfatiza-se que o uso de EPI é um ponto de segurança do
trabalho que requer ação técnica e educacional para a sua aplicação.
Neste sentido, o presente trabalho objetivou apresentar um levantamento realizado com
agricultores acerca da utilização de agroquímicos, os riscos a que estes estão expostos e as condições
de segurança durante aplicações dos produtos, no tocante a utilização de equipamentos de proteção
individual (EPI) no município de Pombal, Paraíba.
MATERIAL E MÉTODOS
O estudo foi desenvolvido no município de Pombal – PB, localizado no sertão paraibano, com
as coordenadas geográficas de latitude (6° 46’ 8’’ S) e longitude (37° 47’ 45” O) e a 233 m de altitude
acima do nível do mar (CITY BRAZIL, 2006). Segundo dados do IBGE (2010), o município de
Pombal possui uma população de 32.110 habitantes, com estimativa de 32.684 em 2014, onde desse
total cerca de 38% residem na zona rural.
Trata-se de um estudo de campo, descritivo com abordagem quantitativa e qualitativa dos dado,
a partir da coleta de dados realizada no período de Fevereiro a Junho de 2015, onde previamente foram
selecionados aleatoriamente 58 agricultores para responderem a um questionário semiestruturado, que
contou com perguntas abertas, permitindo dessa forma que o agricultor retratasse a realidade das suas
práticas com os defensivos agrícolas e o manuseio dos equipamentos proteção individual.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Analisando o perfil dos agricultores, constatou-se que 30% situa-se na faixa etária entre 40 a 50
anos. Quanto à escolaridade, 20% estudaram até a 4ª série do ensino fundamental e 30% eram
analfabetos. Com relação à condição do produtor, observou-se que 48% eram proprietários e 52%
eram empregados. Identificou-se ainda que 93% dos agricultores utilizavam defensivos agrícolas em
seus cultivos e 7%, não como observa-se na figura 1. Assim é importante ressaltar que na concepção
destes trabalhadores rurais só são considerados agrotóxicos os produtores específicos de combate às
pragas das plantações.
Figura 1. Utilização de defensivos agrícolas.
Fontes: dados da pesquisa.
Constatou-se ainda que o produto mais utilizado nas plantações é o Decis 25 CE (inseticida)
pertencente ao grupo dos piretróides de classe toxicológica II, com 65% de uso. O segundo produto
mais utilizados nos estabelecimentos rurais é o herbicida Gramoxore (35%) de classe toxicológica I,
do grupo dos Bipiridilios, o Paraquat. Em outros estabelecimento foram encontrados mais três tipos de
agroquímicos: Manzate (fungicida), Tamaron BR (acaricida) e Roundup (herbicida). (Figura 2)
Figura 2. Agroquímicos mais utilizados pelos agricultores rurais e urbanos do município de
pombal – PB.
Fontes: dados da pesquisa.
Quanto à utilização, as pesquisas indicaram que 37% dos agricultores calculavam a quantidade
utilizada de acordo com o rótulo, enquanto que 20% são orientados no cálculo pelos técnicos e os
demais não responderam. Observou-se que durante a utilização os agricultores não têm um critério de
dosagem em relação ao tipo cultura e ao tamanho da plantação, fazendo assim a utilização de maneira
inadequada e, na maioria das vezes, não respeitam o período de carência e outros já colocam uma
quantidade maior de que aquela indicada pelo rótulo do produto. E ainda, com relação às leituras dos
rótulos 39%% liam e o restante 61%, não, referindo a falta de conhecimento sobre a importância de se
ler e ainda o hábito, passado de geração pra geração, de não se atentar às informações contidas nos
rótulos dos produtos, houve ainda a justificativa de que não enxergavam a letra por ser muito pequena,
e outros porque realmente não sabiam ler.
Com base na autoproteção a partir da utilização de EPI’s nas aplicações de agroquímicos, 82%
não utilizam EPI completo e 18% utilizavam, desses agricultores, constatou-se que 12% usavam botas,
short e chapéu e 6% usavam macacão e bota e apenais 1% usavam mascara (figura 3).
Figuras 3. Utilização de EPI.
Fontes: dados da pesquisa.
CONCLUSÕES
A partir dos dados coletados, constata-se que há uma utilização inadequada de agroquímicos
por parte dos agricultores do município de Pombal – PB, nos âmbitos da proteção ambiental e
individual. Diante dos dados, cabe assim aos profissionais da área, buscar meios eficazes para o
planejamento de ações realmente efetivas, especialmente na conscientização para o autocuidado do
agricultor, bem como buscar meios efetivos e mais naturais de combate à organismos nocivos à
cultura, sem colocar em risco o meio ambiente e, especialmente, o agricultor.
Foi possível observar que a ausência de informação e de assistência técnica no meio rural
dificulte ainda mais a mudança dessa realidade, uma vez que, os resultados apresentados mostram uma
carência enorme de conhecimento. É necessário apresentar aos agricultores a que risco esses estão
expostos e quais as reais consequências do uso inadequado destes tipos de produtos.
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária. Manual de vigilância da saúde de
populações expostas a agrotóxicos, Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 1997.
CASTRO, J.S.; CONFALONIERI, U. Uso de agrotóxicos no Município de Cachoeiras de Macacu
(RJ). Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 473-482, Apr. 2005 .
GONZAGA, M.C.; SANTOS, S.O. Avaliação das condições de trabalho inerentes ao uso de
agrotóxicos nos municípios de Fátima do Sul, Glória de Dourados e Vicentina – Mato Grosso do Sul,
1990. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional 20: 1992. P.42-46
OLIVEIRA-SILVA, J.J. Et al. Influência dos fatores socioeconômicos na contaminação por
agrotóxicos, Brasil. Revista de Saúde Pública, 2001. 35(2):130-135.
TRAPÉ ,A.Z . O caso dos agrotóxicos, pp. 565-593. In: ROCHA, et al. Isto é trabalho de gente? Vida,
doença e trabalho no Brasil. Petrópolis: Ed. Vozes, 1993.
Download

uso de agroquímicos e epi`s por agricultores no município de