GESTÃO
8-Gestão dos Processos e Operações
8.1-Gestão da Inovação,
Desenvolvimento de Produtos
e Empreendedorismo
CLF
Conceitos
 Investigação – Actividade realizada com vista à aquisição de novos



conhecimentos científicos ou técnicos (Lei 40/2005, de 3 de Agosto).
Inovação - Actividade que visa produzir, assimilar e explorar com êxito a
novidade nos domínios económico e social (Livro Verde sobre Inovação
1995).
Desenvolvimento - Actividade realizada com vista à descoberta ou melhoria
substancial de matérias primas, produtos, serviços ou processos de fabrico
envolvendo a exploração de resultados de trabalho de investigação ou de
outros conhecimentos científicos ou técnicos (Lei 40/2005, de 3 de Agosto).
Na investigação gasta-se dinheiro (investe-se) para criar conhecimento,
ao passo que na inovação utiliza-se o conhecimento adquirido para,
através de ideias novas e originais, ganhar dinheiro
CLF
1
Conceitos

Inovação ao nível dos produtos, dos processos e dos
métodos:

Inovação acrescentada (“incremental engineering”):
evolução/aperfeiçoamento no produto, processo ou método
Puramente inovação

Inov. disruptiva: novo produto, processo ou métodos
Desenvolvimento

Inov. revolucionária: mudança de paradigma (tecnológico,
organizacional ou do modelo de negócio)
Investigação
CLF
1
Sequência de Fases de um Modelo de Mudança
Forças
Ambientais
Monitorizar a
Competição global
e outros factores
Forças
Internas
Considerar planos,
objectivos, problemas
e necessidades da
empresa
Necessidade de
Mudança





Necessidade de
Mudança
Avaliar problemas e
oportunidades;
definir necessidades
de mudança em
produtos
tecnológicos,
estrutura, e cultura
Iniciar
Mudança
Facilitar procura,
criatividade, campeões
de ideias, equipas
empreendedoras, task
forces para projectos de
ponta, e incubadoras de
ideias
Implementar
Mudança
Análise do equilíbrio de
forças pró e contra a
mudança, procurando
superar os obstáculos à
mudança
Baseada em forças Externas e/ou internas.
Diferencial do desempenho (performance gap): Disparidade entre o
desempenho actual e o desejado.
O diferencial do desempenho ocorre porque:
Os procedimentos e processos correntes não estão à altura do desejado
Um nova ideia ou tecnologia pode aumentar o desempenho
CLF
1
Modelo de Ligação Horizontal
Para Inovação em Novos Produtos
Organização
Departamento de
Operações
Nova
Tecnologia
Departamento
de Inovação e
Desenvolvimento
Departamento
de Marketing
Condições
do
Mercado
CLF
2
Quatro Papéis em Mudança Organizacional
Inventor
· Desenvolve e
compreende os
aspectos técnicos das
ideias
· Não sabe como
conseguir apoio para
as ideias ou como as
transformar em
negócios
Campeão de ideias
· Acredita na ideia
· Visualiza benefícios
· Confronta realidades
organizacionais de
custos e benefícios
· Obtem apoio
financeiro e político
· Supera obstáculos
Patrocinador
·Gestor de alto nível
que remove
barreiras à ideia
dentro da
organização
·Aprova e protege a
ideia dentro da
organização
Crítico
· Confronta a ideia
com o teste da
realidade
· Procura defeitos
· Define critérios
exigentes que a
ideia terá de
superar
Campeão de Ideias: Uma pessoa que vê a necessidade
para a mudança protagonizada por essa ideia e a defende
dentro da organização.
CLF
3
Inovação, Mudança tecnológia e Competição
Tecnologia

As competências, conhecimento, experiência, saber
científico, ferramentas, computadores, e outras máquinas
utilizadas na concepção e produção de bens e serviços.
Mudança Tecnológica Radical

Uma mudança fundamental da tecnologia que resulta em
inovação de novos tipos de bens e serviços.


A mudança dos discos de vinil para CD e MP3 representa uma
mudança radical na industria fonográfica.
Tal como a mudança da fotografia em filme para o suporte
digital.
Mudança tecnológica Incremental

Mudança que melhora tecnologia existente e conduz a uma
evolução gradual dos produtos ao longo do tempo com
aumento do seu desempenho.

O aumento do rendimento dos motores de combustão interna,
com visível diminuição do consumo, representa uma mudança
tecnológica incremental na produção automóvel.
CLF
4
Ciclo de Vida e Desenvolvimento do Produto
Mudanças na procura do produto desde a fase da sua
introdução e ao longo das fases de crescimento e
maturidade até ao seu declínio.
 No estado embriónico ou de introdução, o produto não
está ainda largamente aceite. Tendo uma procura mínima.
 Estádio de crescimento: muitos consumidores procuram o
produto e adquirem-no pela primeira vez.
Introdução
Crescimento
Maturidade
Declínio
Procura

Tempo
CLF
CLF
5
Velocidade da mudança tecnológica
Relação entre Mudança Tecnológica e
Duração do ciclo de vida de um produto
Duração do ciclo de
vida de um produto
CLF
6
Adopção de Inovações
Comportamento Diferenciado de Populações
Inovadores
(2,5%)
Adoptantes Iniciais
(13,5%)
Maioria Inicial
(34%)
Maioria Tardia
(34%)
Retardatários
(16%)
Processo de Adopção
‘Chasm’ - para inovações high-tech
CLF
7
Quatro Objectivos do
Desenvolvimento de Novos Produtos
Redução do
tempo de
desenvolvimento
Maximização da
qualidade do
produto
Objectivos do
Desenvolvimento
de Novos Produtos
Maximizar
adequação às
necessidades dos
clientes
Maximização da
produtibilidade e
eficiência
CLF
8
Princípios do Desenvolvimento de Novos Produtos
Princípio 1: Usar um modelo eliminatório por estádios
(Força os gestors a fazer escolhas entre projectos em competição
para evitar a excessiva dispersão dos recursos disponíveis)
 Estádio 1: considera todas as novas ideias que são viáveis e adequadas
aos objectivos estratégicos da empresa.
 Estádio 2: concentra-se na análise dos planos de desenvolvimento de
produtos; apenas os melhores continuam no processo.
 Estádio 3: formalização de um ‘contrato’ com definição das
responsabilidades, orçamento, e recursos, com início simbólico do
processo formal de desenvolvimento do(s) produtos seleccionados.
Princípio 2: Estabelecer equipas multi-funções
(As equipas com elementos associados a diversas funções da organização
são uma parte crucial de um processo eficaz de desenvolvimento do
produto)
 Núcleo da equipa formado pelas pessoas principalmente responsáveis
pelo esforço de desenvolvimento.
 Gestores têm de assegurar que existe coordenação e comunicação
entre os membros da equipa.
 Elementos da equipa frequentemente colocados fisicamente juntos.
 Equipas de sucesso desenvolvem uma clara visão dos seus objectivos
CLF
e elementos sentem partilha de uma missão comum.
CLF 9
Princípios do Desenvolvimento de Novos Produtos
Princípio 3: Engenharia Concorrente
(A abordagem tradicional da engenharia de produtos é sequencial,
resultando tempos longos de desenvolvimento e qualidade
reduzida se os gestores não houver adequada comunicação
entre departamentos.)
 Ao trabalhar concorrentemente, as questões de
concepção e produção são consideradas em conjunto.
 Preocupações de produção são abordadas enquanto o
produto está a ser concebido e pode ainda ser modificado.
Princípio 4: Envolver Clientes e Fornecedores
 Produtos falham porque a sua concepção não está
adequada às necessidades dos clientes.
 Ideias dos clientes devem ser consideradas no
processo de concepção.
 Procurar várias fontes de participação do consumidor.
 Foirnecedores são críticos para o sucesso de um produto.
 Devem ser incluídos na engenharia concorrente.
 Procurar as suas ideias e sugestões desde cedo. CLF 10
CLF
EMPREENDEDORISMO



Processo de iniciar um negócio
Organizando os recursos necessários
Assumindos os correspondentes riscos e obtendo
correspondentes recompensas (e eventuais perdas)
Começar um Empreendimento Empresarial



Início com uma ideia de negócio
Precisa de desenvolver um plano de negócios
Táctica escolhida para início do empreendimento:




Começar do zero – criando negócio (só ou em sociedade)
Começar do zero em incubadora de negócios
Instalar franchise adquirida
Adquirir negócio existente
CLF 11
Empreendedorismo e ‘intra-empreendedorismo’
Empreendedores
 Indivíduos que vêm oportunidades e assumem
responsabilidade pela mobilizaçã dos recursos necessários
para a produção de novos e melhorados produtos e serviços.
 Empreendedores começam novo negócio e desempenham
frequentemente todas as funções de gestão.
 Empreendedores assumem os riscos de perda e recebem
os proveitos dos seus negócios.
Intra-empreendedores (Intrapreneurs)
 Indivíduos (gestores, cientistas ou investigadores)
que trabalham numa organização e detectam uma
oportunidade para o lançamento ou melhoria de
produtos, e são responsáveis pelo processo de
desenvolvimento desses produtos.
 Os intra-empreendedores frequentemente deixam a
empresa frustrados com a falta de apoio ou de
oportunidades internas, acabando muitos por criar as
suas próprias empresas.
CLF
CLF 12
Characterísticas dos Empreendedores
Locus de Controlo Interno
Elevado Nível de Energia
Procura de Sucesso
Tolerância à Ambiguidade
Entrepreneurial
Personality
Sensibilidade à Passagem
do Tempo
Confiança Própria
CLF 13
Cinco Estádios no Crescimento de um
Empreendimento de Negócio
5. Maturidade de recursos
Grande
Dimensão da Empresa
4. Descolagem
3. Sucesso
2. Sobrevivência
1. Existência
Pequena
Nova
Madura
Idade da Empresa
Nos estádios iniciais do negócio:


Planeamento formal tende a ser inexistente (excepto o plano de
negócios – necessário para obter fundos)
Objectivo Primário: sobrevivência
CLF
14
Gestão de um Negócio em Crescimento

Financiamento (dívidas ou venda de participações)

Planeamento





Organização






Estádios 1 e 2 tipicamente muito informais
No 3º estádio, sucesso, contratação de gestores funcionais
Regras e regulamento, manuais de procedimentos
Nos estádios finais, delegação
Possibilidade e potencialidade do outsourcing
Liderança





Definição de objectivos, tarefas a desempenhar e recursos a utilizar para a prossecução dos obj.
Planeamento formal (além do plano de negócio) normalmente só é instituído na fase de sucesso
O plano de negócio deve ser um documento vivo – actualizado com frequência
Têm de ter conhecimento das potencialidade da web para negócios
Estádios iniciais – visão própria do líder
No estádio do sucesso têm já saber motivar os empregados ou trazer gestores que o façam
Necessidade de comunicação activa
A Liderança é também crucial porque as pequenas empresas têm dificuldade em contratar empregados
qualificados
Controlo




O controlo financeiro é necessário em qualquer estádio
Estádios iniciais – exercido por registos contabilísticos e supervisão pessoal
No terceiro estádio: orçamentos operacionais já definidos; sistemas estruturados de controlo
já instalados
O Controlo torna-se mais sofisticado com o amadurecimento da empresa
CLF
CLF 15
Download

Cap.8 - Inovação e empreendorismo