Diário
DIVERSÃO
& ARTE
SANTA MARIA
QUINTA-FEIRA, 3 DE MARÇO DE 2011
2
BARRY WETCHER, DIVULGAÇÃO
ALICE
BRAGA SE
DESTACA
NO CINEMA
AMERICANO
Página 3
Editor: Francisco Dalcol ☎ 3220.1872
✉ francisco.dalcol@diariosm.com.br
De olho nos astros
Observatório astronômico deve ser inaugurado em outubro em Itaara
MARILICE DARONCO
H
á 10 anos, foi criado em Itaara o Museu Internacional de
Ufologia, História e Ciência
Victor Mostajo, que fez a cidade vizinha a Santa Maria
ganhar destaque. Este ano, outro empreendimento idealizado pelo diretor do museu,
Hernán Mostajo, pode se transformar em
atração turística e cultural. Em outubro,
deve ser inaugurado o Observatório BioAstronômico Cosmos, que contará com telescópios modernos que permitirão visualizar
os astros ao vivo, além de apresentar exposições sobre a origem da astronomia e contar
com uma base lançadora de protótipos de
foguetes. Por estar em uma área de pouca
iluminação urbana e poluição atmosférica,
Itaara tem um céu que permite uma ótima
visualização da Via Láctea.
O observatório tem um custo estimado de
R$ 1 milhão. O investimento é privado e, segundo Mostajo, já foram aplicados cerca de
R$ 400 mil na compra de equipamentos e na
construção do prédio de três andares onde
funcionará a estrutura. Um dos principais
investimentos é um telescópio, importado
dos Estados Unidos, que será instalado em
uma cúpula eletrônica e que permitirá a
visualização dos astros de dia e à noite. Ela
será conectada a uma central de computadores que projetarão os planetas em monitores de 50 polegadas em tempo real.
– Estamos trabalhando com a cabeça na
lua, mas os pés no chão. O investimento está
sendo feito aos poucos, à medida que os recursos entram em caixa – explica Mostajo.
As obras do observatório começaram em
2007. A construção está adiantada e boa
parte dos materiais necessários já estão
comprados. A cúpula eletrônica deve ser o
último a ser instalado, pois só deve chegar
ao local dias antes da inauguração, que deve
acontecer em outubro.
Educação – Para os estudantes, uma das
principais atrações será a base lançadora de
foguetes de propulsão a combustível – que
deverão alcançar cerca de 350 metros de
altura – e água – que deverá chegar a 150
metros de altura. As crianças poderão montar, manusear e fazer os lançamentos dos
pequenos foguetes com direito a contagem
regressiva e o que mais mandar a imaginação delas.
– Nossos interesse é tanto turístico quanto educativo. Queremos despertar o gosto
pela ciência. Não só a astronomia, mas as
ciências em geral – afirma Mostajo, que
está criando a Associação Brasileira para a
Educação Científica, futura mantenedora do
observatório.
Mesmo com a criação do observatório,
Mostajo pretende manter suas visitas às escolas. Para o ano que vem, já está previsto
um projeto, o Astronomia On Line, no qual
escolas de todo o Brasil poderão se inscrever
e receber imagens das observações astronômicas em tempo real pela Internet em sua
própria sala de aula.
Segundo Mostajo, além de servir para
que estudantes conheçam a ciência, o projeto servirá como divulgação dos trabalhos
realizados no local, buscando atrair mais
visitantes.
marilice.daronco@diariosm.com.br
MAIS
Participação
Em 2009, Ano
Internacional
da Astronomia,
as cidades que
fazem parte da
Quarta Colônia
participaram
do projeto
Astronomia na
Escola, por meio
da parceria entre
prefeituras e
da Nova Palma
Energia. Cerca de
3,5 mil alunos das
redes municipais
e estaduais foram
beneficiados e
puderam usar
telescópios, fazer
observações
e conhecer
materiais
relacionadas à
astronomia
DIÁRIO
DA REGIÃO
Nas imagens,
maquetes
eletrônicas
criadas pelo
Pixware Estúdio
de Animação, de
Santa Maria
Visão turística
Apesar de ficar ao lado do Museu de Ufologia, o observatório não
funcionará ligado a ele. O museu continuará com projetos próprios,
voltados aos fenômenos extraterrestres. As exposições e eventos
serão distintos. A intenção do idealizador do observatório é criar
uma rota astronômica na região, com visitas a locais como o observatório, o Planetário da UFSM e o Centro Regional Sul de Pesquisas
Espaciais, em São Martinho da Serra. Assim, o observatório seria
um atrativo educativo e turístico que funcionaria tanto durante o
dia – com observação solar – quanto à noite – com visualização dos
planetas, da lua, das estrelas, das nebulosas e das galáxias.
– Há mais de 500 mil alunos no ensino público do norte, noroeste
e centro do Estado, regiões que queremos atingir.A vinda das crianças e adolescentes, que pagarão ingressos para entrar no observatório, será a principal renda – afirma Mostajo.
A expectativa em relação à aceitação do observatório se deve ao
projeto Astronomia na Escola, que ele e sua equipe desenvolvem
desde 2003 com um observatório itinerante. Por meio dele, estudantes de todo o Estado têm contato com a astronomia. O grupo
leva telescópios, rochas meteóricas e fragmentos de satélites para
cidades nas quais fecha parcerias com as prefeituras, para que os
alunos possam conhecer e manusear os materiais. A estimativa é
que cerca de 100 mil estudantes e professores já tenham tido contato com a astronomia por meio do projeto. Só no ano passado,
foram 20 mil participantes.
POR ANDARES
■ Anexo – Terá um auditório com
capacidade para 150 pessoas
(abaixo). Contará com ar-condicionado e telão multimídia em 3D
■ 1º andar – Sala de exposições com painéis temáticos que
apresentarão a importância da
astronomia e sua relação com
outras ciências, a evolução histórica da astronomia, a constituição
do universo, o Sistema Solar e os
mecanismos dos eclipses solar e
lunar. Também terá um conjunto
de microscópios eletrônicos para
utilização e experiências com
amostras de materiais orgânicos:
animais, vegetais, e materiais
rochosos (fragmentos meteóricos e
rochas terrestres)
■ 2º andar – Sala técnica para
sensoriamento remoto, informatização dos dados referentes
às observações astronômicas,
fotografia dos astros, observação
de nebulosas e galáxias
■ 3º andar – Local onde ficará o
observatório, que contará com um
telescópio de alta definição
FOTOS REPRODUÇÃO
Download

Visão turística