MUNDO
BRASIL
PERNAMBUCO
MUNDO
Crescimento
menor
com mais
protecionismo
norte-americano.
DESACELERAÇÃO
Depois do melhor período de bonança das
últimas três décadas (desde 1976, com a alta dos
preços do petróleo), a economia mundial com os
EUA à frente, deve começar a desacelerar para
um ritmo mais moderado a partir de 2007.
2006
5,1
2007
10,0
10,0
4,9
3,4
Mundo
EUA
2,9
2,4
2,0
União
Européia
China
Fonte: FMI
O FATOR CHINA
“A China não pára: é, de
longe, o país que mais cresceu
desde 1980. Uma média de 9,6%
por ano neste quarto de século.
Significa dizer, por exemplo, que
nos últimos três anos
acrescentou quase um Brasil
inteiro ao seu PIB.”
Lauro Jardim
jornalista
Veja
O GIGANTESCO SALTO ADIANTE
“Desde o milagre de Deng
(Xiaoping, 1978), saíram da
pobreza cerca de 400 milhões de
pessoas, a maior massa humana
a ascender de patamar, em
menos tempo, em toda a história
da humanidade.”
Vilma Gryzinski
jornalista
Veja
SIMBIOSE CHINA/EUA
• A China teve um saldo comercial em 2005 da
ordem de US$ 100 bilhões (o Brasil teve
R$ 41 bilhões).
• Os EUA tiveram um déficit comercial em
2005 da ordem de US$ 790 bilhões (6,3% do
PIB, mais de US$ 2 bilhões por dia).
• “Países com tamanho desequilíbrio
geralmente passam por um ajuste que
combina desvalorização da moeda com
forte recessão.” (José Alexandre
Scheinkman, economista brasileiro da
Universidade de Princeton).
SIMBIOSE CHINA/EUA
• A China têm o maior volume de reservas
em moeda estrangeira do planeta:
 US$ 1 trilhão;
 Há 10 anos era US$ 75 bilhões;
 O Brasil tem US$ 63 bilhões.
• Desse valor, 60% estão aplicados em
dólares e títulos do Tesouro norteamericano (US$ 260 bilhões).
• Com isso, os EUA reduzem suas taxas de
juros e mantêm o crescimento alto (e o
déficit comercial também).
DECLÍNIO DA AMÉRICA LATINA
EXPORTAÇÕES (em US$ bilhões)
ÁSIA
2.325
AMÉRICA
LATINA
564
163
109
1980
2005
Fonte: Veja
SEGUNDO PLANO
“A América Latina inexistiu em
Davos. Nos 16 anos em que
participo dos encontros do Fórum
Econômico Mundial, jamais vi tão
pouca ênfase na América Latina.”
Martin Sorrell
publicitário britânico
“A América Latina demonstra
que, se não enfrentarmos a divisão
social, os regimes populistas
voltarão.”
Peter Brabeck-Letmathe
presidente da Nestlé
BRASIL
DESENVOLVIMENTO NECESSÁRIO
CRESCIMENTO
(Sustentado)
EDUCAÇÃO
(Integral)
SEGURANÇA
(Nacional)
CRESCIMENTO SUSTENTADO
Crescimento da economia
a taxas superiores a 5% ao
ano por, pelo menos, 10 anos
seguidos para incorporar os
novos entrantes no mercado
de trabalho e, ainda, resgatar
parte do contingente que
ficou fora do jogo nos anos de
baixo crescimento.
INCAPACIDADE DE CRESCER
“O Brasil está mais forte: as
contas externas estão sólidas,
há certo ajuste fiscal. O nosso
problema é a incapacidade de
crescer.”
Eduardo Giannetti
Economista brasileiro
CONSTRANGIMENTOS AO CRESCIMENTO
1. AJUSTE FISCAL
2. FALTA DE INVESTIMENTOS
3. SUCATEAMENTO DA INFRAESTRUTURA
4. ALTA CARGA TRIBUTÁRIA
5. JUROS ESTRATOSFÉRICOS
6. CRESCIMENTO DAS DESPESAS
38,0
10,0
36,0
9,0
8,0
34,0
(% do PIB - Carga tributária)
7,0
32,0
6,0
30,0
5,0
28,0
4,0
26,0
3,0
24,0
(% do PIB - Investimento público)
IMPOSTOS X INVESTIMENTOS
2,0
22,0
1,0
20,0
1970
1990
1980
Carga Tributária
2000
Investimento Público
Fonte: Estudo do Prof. Fábio Kanczuk – USP/SP
POUPANÇA CHINESA
“Quando se vê o produto
chinês chegar aqui a preços
baratíssimos é (...) devido à
gigantesca capacidade de
poupar da China. A poupança
está associada a uma taxa de
40% do PIB chinês.”
Antônio Barros de Castro
economista brasileiro
SÓ EM 2017
“O Brasil só poderá atingir um ciclo
de crescimento sustentado de 5% em
meados da próxima década, em 2017,
desde que adotado um programa para
permitir a queda dos juros e da carga
tributária. Atualmente o investimento na
casa dos 20% do PIB, impedem uma
expansão sustentada a taxas muito
acima de 3,5% ao ano no curto e médio
prazos. Se o crescimento for superior a
4% ao ano, há risco de um novo apagão.”
O Estado de S. Paulo
comentando recente estudo do Ipea
OS BRIC
POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS NÃO BASTAM
“Se a Bolsa-família, com
seus quase 40 milhões de
beneficiários diretos e indiretos,
não ajudar a promover
trabalhadores, mas mendigos
oficiais, irá se desmoralizar. Dar
dinheiro é fácil; fazê-lo gerar
pessoas autônomas, muito mais
difícil.”
Gilberto Dimenstein
jornalista
Folha de S. Paulo
EDUCAÇÃO INTEGRAL
Todas as crianças e todos
os adolescentes, independente
do nível de renda, estudando
em tempo integral (dois
expedientes), com professores
capacitados e bem
remunerados, em instalações
adequadas.
CRIANÇA NA ESCOLA
SEGURANÇA NACIONAL
“A garantia da segurança tem de
ser responsabilidade do governo
federal. É preciso criar instâncias
nacionais que enfrentem o terror que
cresce no país. A Polícia Militar
precisa ser um órgão federal, com
recursos para armar os policiais,
garantir-lhes o mesmo treinamento e
padrão salarial, independente dos
limites de recursos de cada Estado.”
Cristovam Buarque
senador DF
EDUCAÇÃO E SEGURANÇA
“Não combateremos a violência
simplesmente prendendo bandidos.
Precisamos admitir que nosso
desenvolvimento excludente criou o
caldeirão e provocou a explosão.
Além de melhorar nossas cadeias,
devemos construir escolas, e parar a
fábrica do crime, que continuará
crescendo, se não tomarmos as
medidas necessárias.”
Cristovam Buarque
senador DF
PERNAMBUCO
Muda a política
mas não muda
a economia.
EIXOS DO DESENVOLVIMENTO
1.SUAPE
• Estaleiro
• Refinaria
• Poliéster
2.TRANSNORDESTINA
3.SOCIAL
TRANSNORDESTINA
MELHOR OPORTUNIDADE EM 50 ANOS
“Esses investimentos
elevarão a taxa de
crescimento do PIB estadual
para uma média de 5% ao ano
até 2030, triplicando o
tamanho da economia
estadual em 25 anos.”
Jorge Jatobá
economista pernambucano
CEPLAN
PASSADO E FUTURO
“Quando a gente examina esse novo
bloco de investimentos que vem para cá,
observa-se que tem a ver com as velhas
estruturas: a petroquímica, a nova têxtil e a
metal-mecânica (estaleiro), de velha
tradição no antigo tecido industrial de
Pernambuco. O que parece é que o futuro
do Estado está atrelado ao passado. As
antigas estruturas vão renascer. O lado
positivo é que essas alternativas têm a ver
com a nossa produção, com a memória dos
empresários, com a capacidade acumulada
no meio empresarial e entre os
trabalhadores.”
Tânia Bacelar
economista pernambucana
CEPLAN
UMA ECONOMIA PEQUENA E POBRE
• 56,6% da população de Pernambuco
tem renda domiciliar per capita de até
½ salário mínimo (Pnad/IBGE, 2004).
• Quase 90% do território
pernambucano está dentro do
“Polígono das Secas”.
• Depois de triplicada em 2030, a
economia pernambucana passará dos
atuais 2,7% para 3,2% do PIB
brasileiro.
CRESCIMENTO PERNAMBUCO X BRASIL
210
190
PERNAMBUCO
BRASIL
(base: 2000=100)
170
150
130
110
90
2000
Fonte: Ceplan
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
UNHAS E DENTES
Se esta oportunidade
extraordinária de desenvolvimento
que se apresenta para Pernambuco
não for agarrada com unhas e
dentes, teremos perdido a última
janela do final da era industrial e
estaremos condenados a esperar
mais 50 anos por outra, relegados
à condição de Estado de segunda
categoria no contexto da
Federação brasileira.
COMPETÊNCIA PARA O FUTURO
1. COMPETÊNCIA PÚBLICA
Fazer com que os recursos não se
enclausurem em Suape e se distribuam,
tanto horizontal, quanto vertical, quanto
espacialmente, na economia estadual.
2. COMPETÊNCIA EMPRESARIAL
Preparar-se para competir com gente
bem preparada que virá junto com os
recursos dos investimentos estruturadores.
O MAPA DA COMPETITIVIDADE
E&E
REALIZAÇÃO
Informações para
o Desenvolvimento
APOIO
Download

Apresentação da Agenda 2007 (-2.6Mb)