46º Fórum Nacional de Reitores da ABRUEM
24 a 26 de maio de 2010 - Ilhéus, BA
CEOPS - CENTRO DE OPERAÇÃO
DO SISTEMA DE ALERTA DA
BACIA DO RIO ITAJAÍ
Ademar Cordero, Dirceu Luis Severo, Hélio dos
Santos Silva, Júlio Cesar Refosco
Marcos Rodrigo Momo, Mário Tachini.
INTRODUÇÃO
O Centro de Operações do Sistema de Alerta de Cheias da Bacia
do Itajaí (CEOPS) desenvolve as atividades de monitoramento,
previsão e alerta de enchentes para as comunidades do Vale
do Itajaí desde 1984. Trata-se de uma atividade conjunta,
executada por docentes e funcionários da FURB, visando o
fornecimento de informações em períodos emergenciais, aos
órgãos de Defesa Civil, órgãos comerciais e industriais e à
comunidade em geral.
Os dados atualizados para a previsão do tempo são obtidos via
internet junto a sites especializados de instituições nacionais e
estaduais, e regionalizados para o Vale do Itajaí. As Previsões
Hidrológicas são obtidas a partir dos resultados dos modelos
hidrológicos de previsão de cheia em tempo atual calibrados
para a cidade de Blumenau e Rio do Sul. Os alertas de
enchentes são dados com base na quantidade de chuva e os
níveis previstos.
BACIA DO RIO ITAJAÍ
Os dados dos níveis dos rios e da chuva precipitada da bacia
do rio Itajaí são obtidos em tempo atual, de uma rede
telemétrica composta por 16 estações, sendo que 14 delas
fornecem os níveis e os subtotais de chuvas e 2 postos
fornecem somente as chuvas. Esta rede telemétrica foi
instalada pela FURB, em 2009, com recursos do governo do
Estado de Santa Catariana. Anteriormente era utilizado as
informações das estações da ANA.
Pontos onde estão localizados as estações telemétricas.
PREVISÃO DO TEMPO
No monitoramento meteorológico da bacia do rio Itajaí são
utilizadas imagens de satélite e diversos produtos de
previsão numérica do tempo (PNT). A maioria desses
produtos são obtidos no CPTEC (Centro de Previsão de
Tempo e Estudos Climáticos. O uso das imagens de satélite
permite o acompanhamento dos principais sistemas
meteorológicos que atuam nas vizinhanças da bacia do
Itajaí. Os produtos da PNT são utilizados para antecipar
situações que podem resultar em eventos críticos com
possibilidade de alagamentos em algumas cidades do Vale
do Itajaí.
PREVISÃO DOS NÍVEIS DO RIO ITAJAÍ-AÇÚ
Para prever a evolução dos níveis das enchentes no Rio ItajaíAçu, nas cidades de Blumenau e Rio do Sul é utilizado um
modelo hidrológico estocástico do tipo ARMA.
Previsão para a cidade de Blumenau – enchente de 1984
Previsão para a cidade de Rio do Sul – enchente de 1984
PRECIPITAÇÕES E ENCHENTES EM BLUMENAU
Precipitações na cidade de Blumenau
Enchentes na cidade de Blumenau
DANOS ASSOCIADOS A ENCHENTES
A avaliação dos danos é uma ferramenta muito importante sob
vários aspectos:
(i) permite priorizar políticas públicas de prevenção aos bens
públicos e privados, como a retirada em definitivo de
moradias, comércio e entidades públicas de área
inundáveis, por exemplo, ou prover de um ferramenta de
análise de “custo-benefício”, para a implantação de
infraestrutura de contenção de cheias e,
(ii) permite avaliar coerentemente os bens e edifícios com
apólices de seguros. O CEOPS, através de seu corpo
técnico desenvolveu um modelo de avaliação dos danos
associados às inundações, com o mérito de privilegiar a
prevenção e a preparação, ou seja, antecipam-se as ações
de avaliação, a redução de riscos e a minimização das
perdas humanas e outros danos, como os sociais, públicos
e do comércio.
Exemplos de danos sociais no município de Blumenau
ocorreram em outubro de 1990, com a morte de 21 pessoas
e 764 feridos.
Outro exemplo catastrófico e recente, que ocorreu na região
de Blumenau, foi o evento de novembro de 2008, onde
foram registrados muitos danos ambientais e
socioeconômicos, como: 24 mortes, 6 desaparecimentos,
25.000 desalojados e 5.209 pessoas desabrigadas,
totalizando danos da ordem de R$ 1.100.000.000,00 (Hum
bilhão e cem milhões de reais).
DISCUSSÃO
Verifica-se que ao longo do processo de ocupação do Vale do
Itajaí, as cidades que se instalaram nas áreas mais
próximas dos rios, vêm sendo atingidas por inundações
periódicas, desde o primeiro registro em 1852. As
inundações situam-se entre os principais tipos de
desastres naturais e na nossa região, são comumente
deflagradas por chuvas rápidas e fortes, chuvas intensas e
de longa duração. Não menos importantes são os
deslizamentos de solo que têm ocorrido ao longo da
ocupação das encostas e/ou em seu entorno.
A ocupação dos morros de Blumenau não é um caso recente.
Desde o início da colonização a ocupação vem sendo
realizada, mas um fator que acelerou a taxa de crescimento
nessas áreas foram as grandes enchentes, o que levou a
população à procura de lugares altos. Além disso, o
crescimento da população e a falta de planejamento
levaram a um crescimento desordenado, permitindo que a
população ocupasse as regiões mais altas e íngremes da
cidade, incluindo áreas de florestas e de preservação.
CONCLUSÕES E AGRADECIMENTOS
O CEOPS tem atuado desde o ano de 1984 no monitoramento,
previsão e alerta de enchentes, visando a prevenção e a
minimização dos danos associados às inundações na bacia
do rio Itajaí. O trabalho é realizado em parceria com as
Defesas Civil municipais que se utilizam das informações
previstas para acionarem o alerta e desencadearem o Plano
de Defesa Civil contra as Cheias.
Os autores agradecem a FURB e o Governo do Estado de
Santa Catarina, através da Secretaria de Estado de
Desenvolvimento Sustentável - SDS pelo apoio financeiro
dado para a modernização do novo Sistema de Alerta da
bacia do Rio Itajaí.
Obrigado !
Download

FURB: CEOPS