CIRURGIA
PERIOPERATÓRIO
22ª JORBA traz
inovações para a
Anestesiologia
Baiana com a
1ª JORBADOR.
Pág. 02
SEMINÁRIOS
A sedação
proporciona
maior conforto
para o paciente
durante a anestesia.
Pág. 06
Em entrevista,
Dr. Jedson fala
do CET do
Hospital Santa
Izabel.
Pág. 08
COOPANEST-BA
investe em novos
serviços e projetos.
Pág. 14
Bahianest
REVISTA DA SAEB – SOCIEDADE DE ANESTESIOLOGIA DO ESTADO DA BAHIA E DA COOPANEST-BA – COOPERATIVA DOS MÉDICOS ANESTESIOLOGISTAS DA BAHIA.
ANO III | Nº 2 | JULHO 2008
CNA
Obs.: Evento reconhecido
pela Sociedade Brasileira de
Anestesiologia e validado pela
Comissão Nacional de
Acreditação.
Valor 15 pontos
22ª JORBA
1ª JORBADOR
Realização
22ª JORNADA BAIANA DE ANESTESIOLOGIA
18, 19 E 20 DE SETEMBRO DE 2008
22ª JORBA
1ª JORBADOR
FIESTA BAHIA HOTEL
PITUBA - SALVADOR BAHIA
Informações, inscrições e reservas:
Av. Anita Garibaldi, 1.815 - Ed. Centro Médico Empresarial
Bloco B Sobreloja - Ondina CEP 40230-020 Salvador – Ba
Tel.: 71 3247-4333 Fax: 71 3235-3133 e-mail: saeb@uol.com.br
Apoio
Sociedade Brasileira
de Anestesiologia
COOPANEST-BA
COOPERATIVA DOS MÉDICOS ANESTESIOLOGISTAS DA BAHIA
COOPANEST-BA
COOPERATIVA DOS MÉDICOS ANESTESIOLOGISTAS DA BAHIA
Editorial
Cada vez mais o anestesiologista se afunda em um círculo vicioso de trabalho,
cansaço e inércia. A procura em manter um padrão de vida condizente e
minimamente aceitável, nos leva a jornadas de trabalho longas e desgastantes.
O resultado disto é um profissional que nos momentos livres se dedica ao
descanso, ao convívio familiar ou a alguma forma de lazer. Assim, o
aprimoramento e a reciclagem científica acabam ficando em segundo plano. Longe de nós termos a
pretensão de organizar a vida de tanta gente, mas podemos tentar ajudar de alguma forma.
A SAEB fechou contratos de convênio com a ACBEU e com a TRIAÇÃO – Assessoria Esportiva
que darão descontos nas mensalidades aos sócios quites. Estamos trabalhando em novas parcerias
que, em breve, serão divulgadas. O sócio que tiver alguma sugestão é só entrar em contato
conosco.
BAHIANEST é uma publicação da
SAEB - Sociedade de Anestesiologia do
Estado da Bahia em parceria com a
COOPANEST-BA- Cooperativa dos
Médicos Anestesiologistas da Bahia.
Redação
Av. Garibaldi, 1815, Sobreloja, Bloco
B, Centro Médico Empresarial,
Ondina, Salvador - Bahia.
Fo n e : 7 1 3 2 4 7 - 4 3 3 3
Nos dias 18, 19 e 20 de setembro acontecerá a 22ª JORBA, no Hotel Fiesta. Este ano teremos
algumas novidades como a 1ª JORBA DOR (Jornada de Dor da SAEB) e o Curso de Via Aérea.
Contaremos com a presença de conferencistas da mais alta qualidade e de vários Estados do Brasil,
o que engrandecerá ainda mais o evento. Fizemos um acordo com a COOPANEST-BA que
dividirá o valor da inscrição em até três parcelas.
Espero contar com a presença de todos!
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo
Presidente da SAEB
CRM-Ba 9.921
DIRETORIA
Presidente
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo
CRM-Ba 9.921
Vice-presidente
Dr. Rodrigo Leal Alves
CRM-Ba 14.068
Secretário Geral
Dr. Gustavo Gomes Pereira França
CRM-Ba 14.142
1ª Secretária
Dra. Lúcia Pereira Nascimento
CRM-Ba 10.478
Classificado gratuito
A partir da próxima edição da Revista Bahianest, os sócios da SAEB e da COOPANEST - BA
vão poder contar com um espaço gratuito para divulgação de serviços - pessoas físicas,
vendas de equipamentos, enfim, uma página de classificados específica sobre Anestesiologia.
Os interessados devem entrar em contato com a secretaria da SAEB (71) 3247-4333 ou
com a Assessoria de Comunicação (71) 9964-5552 (Cinthya Brandão) ou pelo e-mail:
saeb@uol.com.br.
1º Tesoureiro
Dr. José Admirço Lima Filho
CRM-Ba 15.231
2º Tesoureiro
Dr. Luiz Alberto Vicente Teixeira
CRM-Ba 5.139
O espaço ideal para o sucesso do seu evento
Diretor Científico
Dr. Durval Campos Kraychete
CRM-Ba 10.486
Diretor de Defesa Profissional
Dr. Aurino Lacerda Gusmão
CRM-Ba 7.182
Responsável pela revista
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo
CRM-Ba 9.921
NOVABUPI® / NOVABUPI ISOBÁRICA® Cloridrato de Levobupivacaína Com e Sem Vasoconstritor Cloridrato de Levobupivacaína Solução Livre de Conservantes. FORMA FARMACÊUTICA: Solução Injetável 0,25% - 0,5% - 0,75% sem
vasoconstritor/com Epinefrina 1:200.000 Solução Injetável 0,5% sem conservantes .INFORMAÇÃO TÉCNICA: Descrição: Novabupi® é o cloridrato de levobupivacaína, S-enantiômero da bupivacaína, com excesso enantiomérico de 50%
(75S/25R). INDICAÇÕES: Novabupi® : Produção de anestesia local ou regional em cirurgia e obstetrícia e para o controle da dor pós-operatória. Novabupi Isobárica®: Utilizada para produção de raquianestesia, em procedimentos nos quais a
técnica estiver indicada. CONTRA-INDICAÇÕES: ·Hipersensibilidade ao fármaco ou a qualquer anestésico do tipo amida ·Novabupi com vasoconstritor: Hipersensibilidade aos bissulfitos ·Bloqueio anestésico paracervical obstétrico. Deve-se ter
em mente a possibilidade da participação da epinefrina, na piora de quadros como hipertensão arterial, moléstias vasculares periféricas, diabetes, hipertireoidismo e em pacientes em tratamento com antidepressivos tricíclicos. Novabupi® Isobárica:
Não deve ser utilizada nas situações que contra-indiquem a raquianestesia. ADVERTÊNCIAS: É essencial aspiração de sangue ou fluido cefalorraquideano antes de se injetar qualquer anestésico local. A aspiração negativa não garante que a
injeção IV ou intratecal seja evitada. Não se recomenda para situações de emergência. Novabupi® não deve ser usada para produção de bloqueio anestésico paracervical obstétrico. Anestesia IV regional não deve ser realizada. Deve-se ter cautela
no uso das concentrações maiores de Novabupi®, pois a chance de complicações neurológicas e cardíacas é maior. PRECAUÇÕES:. A injeção IV de Novabupi® pode causar hipotensão, arritmia, bradicardia, parada cardíaca, coma e morte. Devem
estar disponíveis para uso imediato oxigênio, medicamentos e equipamentos de reanimação. Administrar com precaução a pacientes com hipotensão, hipovolemia ou função cardiovascular alterada. Monitorar sinais vitais e estado de consciência do
paciente após cada injeção do produto. Usar com precaução em pacientes com doenças hepáticas ou com função cardiovascular alterada. Administrar em volumes incrementais com tempo suficiente entre as doses para detectar toxicidade. As
doses recomendadas não devem ser excedidas. Gravidez - Categoria B: Usar somente se os benefícios justificarem os riscos para o feto. Trabalho de Parto e Parto: Podem ocorrer reações adversas na gestante, feto e recém-nascido. A freqüência
cardíaca do feto deve ser monitorizada continuamente. Deve-se evitar a injeção espinhal de Novabupi® durante a contração uterina em função da possibilidade de dispersão cefálica da droga. Amamentação: Administrar com cautela a mulheres em
período de amamentação. Uso Pediátrico: Segurança e eficácia ainda não foram estabelecidas. Uso Geriátrico: Não foram observadas diferenças na segurança e eficácia entre esses indivíduos e indivíduos mais jovens. INTERAÇÕES
MEDICAMENTOSAS: Administração conjunta com outros anestésicos locais ou substâncias relacionadas estruturalmente aos anestésicos locais do tipo amida podem ter seus efeitos tóxicos aumentados. Podem alterar o metabolismo de
levobupivacaína: fenitoína, fenobarbital, rifampicina, cetoconazol, ritonavir, eritromicina, verapamil, omeprazol, furafilina e claritromicina. Drogas vasopressoras e ocitócicas do tipo ergot podem causar hipertensão grave persistente ou acidentes
cerebrovasculares. Fenotiazinas e as butirofenonas podem alterar o efeito pressor da epinefrina. Arritmias cardíacas graves podem ocorrer se preparações contendo epinefrina são empregadas durante ou após a administração de anestésicos
inalatórios. REAÇÕES ADVERSAS/EFEITOS COLATERAIS: Hipotensão, náusea, dor pós-operatória, febre, vômito, anemia, prurido, dor, cefaléia, constipação, vertigem, e angústia fetal. A paralisia respiratória ou hipoventilação pode aparecer
devido à extensão ascendente do nível de anestesia espinhal. POSOLOGIA: Usar uma dose teste adequada de solução de anestésico local de curta duração, contendo epinefrina, antes da indução do completo bloqueio nervoso por via peridural.
SUPERDOSE: É fundamental o cuidadoso e constante monitoramento dos sinais vitais, respiratório e cardiovascular e do estado de consciência do paciente, após cada injeção do anestésico local. Ao primeiro sinal de alteração, deverá ser
administrado oxigênio. Reações tóxicas sistêmicas, hipoventilação ou apnéia: estabelecimento imediato de acesso para a manutenção das vias aéreas e ventilação efetiva, assistida ou controlada, com 100% de oxigênio, com pressão positiva. Isto
deverá prevenir as convulsões caso ainda não tenham ocorrido. A hipotensão devido ao relaxamento simpático pode ser tratada com infusão de cristalóides e agentes vasopressores (epinefrina e efedrina). Se houver convulsão, deve-se administrar
anticonvulsivantes (benzodiazepínicos, barbitúricos ou relaxantes musculares). CRISTÁLIA - Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Rod. Itapira-Lindóia, km 14 - Itapira-SP - CNPJ Nº 44.734.671/0001-51 - Indústria Brasileira. Nº do Lote, Data de
Fabricação e Prazo de Validade: Vide Rótulo/Caixa. Farm. Resp.: Dr. Joaquim A. dos Reis - CRF-SP nº 5061. CLASSIFICAÇÃO: Anestésicos Locais – USO RESTRITO A HOSPITAIS - Reg. MS nº: 1.0298.0160 (com vasoconstritor) - Reg. MS nº
1.0298.0315 (sem vasoconstritor). A PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.
Textos e Edição
Cinthya Brandão - 71 9964-5552
Jornalista DRT 2397
Designer Gráfico
Carlos Vilmar
carlosvilmar@gmail.com
Fotografias
Hitanez Freitas
A SAEB disponibiliza para locação dois auditórios devidamente
equipados com tecnologia e conforto suficientes para qualquer tipo de
evento. Capacidade para oitenta pessoas confortavelmente sentadas,
sonorização, ar-condicionado, projetor de slides e retroprojetor. Para
outras informações, entre em contato com a nossa secretaria.
Tiragem 500 exemplares
Impressão
Cartograf
Contato:
(71) 3247-4333
PROGRAMAÇÃO JORBA
• • • • •
18 DE SETEMBRO (5ª-feira)
08h
Entrega de material aos pré-inscritos
Inscrições
CURSO DE VIA AÉREA DIFÍCIL
Realização Núcleo de Estudos em Via Aérea
Difícil - NEVAD
Coordenação: Dr. Amadeu Martinez Silvoso - BA
08h -12h - TEÓRICA
14h - 18h - ESTAÇÕES PRÁTICAS
VAGAS LIMITADAS!
19 DE SETEMBRO (6ª feira)
22ª JORBA traz novidades
para a anestesiologia baiana
A JORBA – Jornada Baiana de Anestesiologia traz novidades nesta vigésima segunda edição. Em
entrevista, o presidente da Sociedade de Anestesiologia do Estado da Bahia, Dr. Ricardo Almeida de
Azevedo falou sobre a programação e organização da Jornada.
Uma das inovações é a 1ª JORBADOR,
uma iniciativa de aprimorar ainda mais o
conhecimento sobre DOR. “A idéia de se
fazer a 1ª JORBADOR foi uma forma de
aproximar a grade científica com as
normas do Congresso Brasileiro que
exige a abordagem deste tema, além do
que cada vez mais o anestesista tem que
se aprofundar no estudo da dor.”, explica
Dr. Ricardo Azevedo.
A programação científica foi
cuidadosamente elaborada a fim de
manter o anestesiologista baiano o mais
atualizado possível, de acordo com o
presidente da SAEB. “A programação
científica foi baseada não só nos mais
recentes avanços na especialidade, mas
também em temas que possam gerar
reciclagem e reflexões. Este ano
teremos cerca de vinte convidados de
outros Estados, o que deve engrandecer
em muito a JORBA.”
Este ano, a 22ª JORBA terá um
2
Workshop sobre Anestesia Venosa.
“Trata-se de uma técnica anestésica cada
vez mais utilizada e não deixa de ser uma
forma de atualização e reciclagem a
todos que utilizam ou querem vir a
utilizá-la.”, ressalta Dr. Ricardo Azevedo.
O local escolhido para a realização
da Jornada foi o Fiesta Bahia Hotel, no
bairro do Itaigara, diferente das duas
últimas edições da JORBA, realizadas no
Catussaba Resort Hotel. “Resolvemos
fazer a JORBA no Fiesta não só pra variar
o local, mas também para ter uma maior
participação dos anestesistas aqui da
cidade, pois a nossa proposta é que a
JORBA é dos baianos, além do que já
existem no Nordeste outras jornadas
locais com apelo turístico como a JAEPE
e a JOCAN. Não existe programação
turística associada ao evento. O
participante que quiser um tour pela
cidade deverá fazer por conta própria,
nosso objetivo é puramente científico.”
Fazia parte dos projetos para a 22ª
JORBA dar continuidade ao I Módulo de
Estudo de Artigos Científicos iniciado no
mês de maio, na SAEB, com Dr. Kleber
Pimentel. Mas houve mudança de
planos. “Ainda não será desta vez que
abordaremos o Estudo de Artigos
Científicos e apresentação de temas
livres, infelizmente ainda não temos uma
cultura de produção científica suficiente
para isto. Nós teremos que trabalhar
mais nisto para estimular a produção,
fazendo estudos como o de Kleber
Pimentel.”
Quanto à expectativa de sucesso do
evento, Dr. Ricardo Azevedo afirma:
“Esta será a melhor e maior JORBA de
todos os tempos!”.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT-Ba 2.397
09h-09h30
MANUSEIO DA SEPSE EM PACIENTE
CIRÚRGICO
Dr. Alexandre Slullitel - SP
Presidente: Dr. Altamirando Santana - BA
09h30-10h30
Painel: USO ADEQUADO DE FLUIDOS
NO INTRA-OPERATÓRIO
Coordenador: Dr. Davi Ferez - SP
Presidente: Dr. Altamirando Santana - BA
20' Na criança
Dra. Luciana Cavalcanti Lima - Pe
20' No politraumatizado
Dr. David Ferez -SP
20' Na cirurgia cardíaca
Dr. Gustavo G. Pereira França - BA
NEUROANESTESIA
Dr. Hugo Eckener Dantas Cardoso - BA
Presidente: Dr. Marlindo Pereira Fernandes - BA
14h30-15h30
Painel: ANESTESIA E TÉCNICA
NEUROCIRURGICA
Presidente: Dr. Marlindo Pereira Fernandes - BA
Coordenador: Dr. Macius Pontes Cerqueira - BA
20'Aneurisma por craniotomia ou
endovascular
Dr. Macius Pontes Cerqueira - BA
20'Tumor cerebral geral ou sedação
Dr. Ronaldo Contreiras Vinagre - RJ
20'Discussão com o plenário
15h30-16h
INTERVALO PARA O CAFÉ
16h-17h
Painel: ANESTESIA PARA
PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA
Coordenador: Dr. Jedson dos Santos
Nascimento - BA
Presidente: Dra. Ana Cláudia Morant Braid - BA
20'Cardíaca
Dr. Jedson dos Santos Nascimento - BA
20'Renal
Dr. Adriano Teixeira Fernandes – BA
20' Pulmonar
Dr. Antonio Jorge Barreto Pereira - BA
10h30-11h
INTERVALO PARA O CAFÉ
11h-12h
Painel: ANESTESIA EM CIRURGIA
CARDÍACA
Presidente: Dr. Carlos Eduardo A. Araújo - BA
Coordenador: Dr. Alexandre Goulart Pustilnik - BA
20'Compreendendo a extra-corpórea
Dr. Alexandre Goulart Pustilnik - BA
20'Disfunção cardíaca na saída da CEC
Dr. Alexandre Slullitel - SP
20'Neuro-proteção
Dr. Ronaldo Contreiras Vinagre - RJ
12h-12h40
WORKSHOP – ANESTESIA VENOSA
Coordenador: Dr. Marcos Antonio Costa de
Albuquerque - SE
VAGAS LIMITADAS!
12h40-14h
ALMOÇO
14h-14h30
Mini-conferência: MONITORIZAÇÃO DA
CONSCIÊNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES
NO INTRA-OPERATÓRIO
Dr. José Admirço Lima Filho -BA
Presidente: Dr. Ricardo Almeida de Azevedo - BA
17h-17h30
14h30-15h30
Mini-conferência: ANESTESIA
Painel: RAQUI-ANESTESIA
INALATÓRIA. AINDA HÁ VANTAGENS?
Presidente: Dra. Lúcia Pereira Nascimento -BA
10h30-11h00
Dra. Maria Ângela Tardelli - SP
Coordenador: Dr. Paulo Medauar - BA
INTERVALO PARA O CAFÉ
Presidente: Dra. Cidália Maria de Araújo Auad - BA 20' Na pré-eclâmpsia
Dr. Paulo Medauar - BA
11h-12h
20h
20'Novos usos
Painel: ABORDAGEM À VIA AÉREA
SESSÃO SOLENE (seguida de jantar)
Dr. Luiz Eduardo Imbelloni - RJ
Coordenador: Dr. Amadeu Martinez Silvoso - BA
20'Evitando falhas
Presidente: Dra. Onsly Fernandes de Canedo - BA
Dr. M. A. Gouveia - RJ
20 DE SETEMBRO (sábado)
20'Novos dispositivos e técnicas
09h-09h30
Dr. Amadeu Martinez Silvoso - BA
15h30-16h
Mini-conferência:
ANESTESIA VENOSA
20' Extubação na via aérea difícil
INTERVALO PARA O CAFÉ
TOTAL
Como
evitar
efeitos
adversos
em pediatria
Dr. Marcos Antonio Costa de Albuquerque - SE
Dra. Débora de Oliveira Cumino - PR
16h-17h
Presidente: Dr. Marco Aurélio Guerra - BA
20'Discussão com o plenário
Painel: NOVAS ABORDAGENS
Presidente: Dr. Aurino Lacerda Gusmão - BA
09h30-10h30
12h-12h40
Coordenador:
Dr. Luciano Garrido - BA
Painel: ANESTESIA EM CIRURGIA
WORKSHOP – ANESTESIA VENOSA
20'Monitorização respiratória
PLÁSTICA
Coordenador: Dr. Marcos Antonio Costa de
Dra. Elaine Aparecida Félix Fortis (RS)
Presidente: Samuel José de Oliveira - BA
Albuquerque - SE
20'Bloqueadores
neuro-musculares em
Coordenador: Dr. José Abelardo G. de
anestesia ambulatorial
Meneses
BA
VAGAS LIMITADAS!
Dr. Luciano Garrido - BA
20’Farmacoeconomia x Segurança.
20'Prevenção
e tratamento de náuseas e
Quais os limites?
12h40-14h
vômitos
Dr.
Alexandre
Evangelista
Silva
BA
ALMOÇO
Dr. Jurandir Coan Turazzi - SC
20' Pós-bariátrica – Cuidados necessários.
Dr. Paulo Sérgio Santana dos Santos - BA
14h-14h30
17h-18h30
20' Como proceder após um evento adverso.
Mini-conferência: FISIOLOGIA E
Mini-conferências:
MEDICINA
Dr. José Abelardo Garcia de Meneses - BA
METABOLISMO CEREBRAL EM
PERI-OPERATÓRIA
3
Presidente Dr. Adhemar Chagas Valverde - BA
30'MARCADORES BIOLÓGICOS E
PROGNÓSTICO NO
PACIENTE ANESTESIADO
Dr. Rodrigo Leal Alves - BA
30' ANESTESIA REGIONAL E ANTICOAGULAÇÃO
Dr. Luiz Antonio Vane - SP
30' AVANÇOS EM RESSUSCITAÇÃO
CARDIO-PULMONAR
Dr. David Ferez - SP
19h
COQUETEL DE ENCERRAMENTO
PROGRAMAÇÃO JORBADOR
• • • • •
19 DE SETEMBRO (6ª feira)
Coordenador Geral: Dr. Durval Kraychete – BA
09h-09h30
EXCITAÇÃO NEURONAL E PH
INTERSTICIAL DO SISTEMA NERVOSO
Dr. Durval Kraychete – BA
09h30-10h30
Painel: IMPACTO DA SENSIBILIZAÇÃO
NEURONAL
· Na criança e no adulto
Dra. Anita Perpétua Carvalho Rocha -BA
· No pós-operatório
Dr. João Batista Garcia - MA
10h30-11h
INTERVALO
11h-12h
Painel: BASES MOLECULARES DA
AÇÃO
· Opióides
Dra. Charlize Kessin de O. Sales - SP
· Antidepressivos
Dra. Rioko Kimiko Sakata - SP
· Agonistas alfa dois e NMDA
Dr. Antônio Argolo Sampaio Filho - BA
12h-14h
ALMOÇO
14h-14h30
Mini-conferência: DOR NEUROPÁTICA
– MECANISMOS MOLECULARES
Dra. Miriam Seligman de Menezes - RS
14h30-1h30
Painel: TRANSMISSÃO NEURONAL E:
20'Células da glia
Dr. João Batista Garcia - MA
20'Conceitos de resistência e
condutividade no SNC
Dra. Anita Perpétua C. Rocha - BA
20' Canais iônicos
Dra. Rioko Kimiko Sakata - SP
15h30-16h
INTERVALO
16h-17h
Painel: MANUSEIO DE:
· Tolerância aguda a opióides
Dra. Miriam Seligman de Menezes - RS
· Toxidade por AINES
Dra. Fernanda Bono Fukushima - SP
· Interações de analgésicos
Dra. Charlize Kessin de O. Sales - SP
17h-17h30
Mini-conferência:
NOVAS ABORDAGENS NA DOR AGUDA NO
PÓS-OPERATÓRIO
Dra. Anita Perpétua Carvalho Rocha - BA
20 DE SETEMBRO (sábado)
Coordenador Geral: Dr. Durval Kraychete – BA
09h-09h30
AVALIAÇÃO DA DOR – EM QUE
AVANÇAMOS?
Dra. Mônica Angelim
Médica Sanitarista-BA
09h30-10h30
Painel: EPIDEMIOLOGIA DA DOR
· Na criança
Dra. Charlize Kessin de O. Sales - SP
· No adulto
Dra. Anita Perpétua Carvalho Rocha - BA
· Comorbidades Psiquiátricas
Dra. Rosemeire de Brito Santos - BA
10h30-11h
INTERVALO
11h-12h
Painel: ABORDAGEM DA DOR
· No Câncer
Dra. Edilma Lima Dórea - BA
· No trauma raqui-medular
Dra. Renata Ribeiro Alban - BA
· No membro fantasma
Dr. Antônio Argolo Sampaio Filho - BA
12h-14h
ALMOÇO
14h-14h30
Mini-conferência: MORRER E VIVER
NOS DIAS ATUAIS
Dra. Fernanda Bono Fukushima - SP.
14h30-15h
Mini – conferência: PSICOLOGIA E DOR.
O QUE ESTAMOS FAZENDO?
EXPERIÊNCIA DO AMBULATÓRIO
DE DOR – UFBA
Aline Del Raso – Psicóloga-BA
15h-15h30
Mini- Conferência: PROCEDIMENTOS
NEUROMODULATÓRIOS PARA DOR
Dr. Yuri Andrade Souza - Neurocirurgião-BA
15h30-16h
INTERVALO
16h-17h
Painel: EVIDÊNCIA CLÍNICA NO
TRATAMENTO COM:
· Antidepressivos
Dra Rioko Kimiko Sakata - SP
· Anticonvulsivantes
Dra. Fernanda Bono Fukushima - SP
· Analgésicos tópicos
Dra. Miriam Seligman de Menezes - RS
17h-18h
Painel: NOVAS ABORDAGENS:
20' Técnicas Pouco Invasivas No
Tratamento da Hérnia de Disco
Dr. Wilson Faglioni - Neurocirurgião-BA
20'Lesões por Radiofrequência
Dr. Yuri Andrade Souza
Convênio
SAEB firma contrato com ACBEU
A Sociedade de Anestesiologia do Estado
da Bahia - SAEB, através de seu presidente,
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo assinou um
convênio com a Associação Cultural Brasil
Estados Unidos - ACBEU que proporciona
descontos aos sócios e dependentes nos cursos de língua inglesa. A parceria firmada no dia
10 de junho oferece descontos de dez a vinte
e cinco por cento, de acordo com as seguintes condições:
- Desconto de 10% para os sócios sobre
o valor da tabela do curso escolhido e no ato
da matrícula;
- Desconto de 20% para o primeiro
dependente, desde que o titular também esteja matriculado;
- Desconto de 25% para o segundo
dependente, desde que o titular e o primeiro
dependente estejam matriculados;
- Caso o sócio não esteja matriculado, o
desconto será de 10% para o primeiro
dependente e de 15% para o segundo
dependente;
- Para que os sócios e seus dependentes
legais possam ter o benefício será necessário
apresentar, no ato da matrícula, documentos
de identificação de ambos;
- O pagamento dos serviços prestados
será efetuado diretamente pelos sócios e seus
dependentes, portanto, não cabe a SAEB qualquer responsabilidade formal sobre possíveis
inadimplências;
- O convênio vigora até 01 de maio de
2009 e só será prorrogado caso tenham, pelo
menos, 15 sócios ou dependentes matriculados.
A iniciativa, segundo o presidente, é mais
uma prova da preocupação da SAEB em
incentivar a educação continuada. "Nós queremos trazer o máximo de possibilidades que
contribuam para o conhecimento dos anestesiologistas baianos. O inglês é fundamental
para qualquer profissional, mas especificamente a classe médica necessita para se manter atualizada. A maioria das Revistas de
Anestesiologia está em língua inglesa, portanto, esta deve ser a segunda língua todos nós",
ressalta Dr. Ricardo Almeida de Azevedo.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT-Ba 2.397
4
5
Sedação é um ato médico realizado mediante a utilização de medicamentos com o objetivo de proporcionar conforto ao paciente para a
realização de procedimentos médicos ou odontológicos.
Critérios sobre
Sedação
Com o aumento do número de procedimentos minimamente invasivos, cada vez
mais os anestesiologistas vêm utilizando a sedação para proporcionar maior
conforto, alívio da dor e abolição de reflexos indesejados.
A segurança do paciente deve ser prioridade e a
sedação profunda só pode ser realizada por médicos
qualificados e em ambientes que ofereçam condições
seguras para sua realização.
O Conselho Federal de Medicina no uso das atribuições que lhe confere a Lei nº 3268, de 30 de setembro de
1957, regulamentada pelo decreto nº 44.045, de 19 de
julho de 1958, e, considerando o que dispõem as
Resoluções CFM Nºs 1.363/93 e 1.409/94; e o decidido
na sessão plenária de 13 de junho de 2003, resolve:
Art.1º - Nos ambientes em que se praticam procedimentos sob “sedação consciente” ou níveis mais profundos de
sedação, devem estar disponíveis:
I – Equipamentos adequados para manutenção da via
aérea permeável, bem como a administração de oxigênio
em concentração superior à da atmosfera;
II – Medicamentos para tratamento de intercorrências e
eventos adversos;
III – Material para documentação completa do procedimento,
registrando medicações, suas doses e efeitos.
IV – Documentação com critérios de alta do paciente.
§ 1º - Deve-se dar ao paciente e ao acompanhante, verbalmente e
por escrito, instruções relativas aos cuidados sobre o período pósprocedimento. Bem como informações para o atendimento de
emergências eventuais;
§ 2º - Todos os documentos devem ser assinados pelo médico
responsável;
Art. 2º - O médico que realiza o procedimento não pode encarregar-se simultaneamente da administração de sedação profunda/analgesia, devendo isto ficar a cargo de outro médico;
Art. 3º - Todas as unidades que realizarem procedimentos sob
sedação profunda devem garantir os meios de transporte e
hospitais que disponham de recursos para atender a intercorrências
graves que porventura possam acontecer;
ANEXO I
Definição e níveis de sedação
Sedação é um ato médico realizado mediante a utilização
de medicamentos com o objetivo de proporcionar
conforto ao paciente para a realização de procedimentos
médicos ou odontológicos. Sob diferentes aspectos
clínicos, pode ser classificada em leve, moderada e profunda, abaixo definidas:
Sedação leve é um estado obtido com o uso de
medicamentos em que o paciente responde ao comando
verbal.
Sedação moderada/analgesia é um estado de depressão da consciência, obtido com o uso de medicamentos,
no qual o paciente responde ao estímulo verbal isolado ou
acompanhado de estímulo tátil.
Sedação profunda/analgesia é uma depressão da
consciência induzida por medicamentos, e nela o paciente
dificilmente é despertado por comandos verbais, mas
responde a estímulos dolorosos. A ventilação pode estar
comprometida.
Observação importante: As respostas ao uso destes
medicamentos são individuais e os níveis são contínuos,
ocorrendo, com freqüência, a transição entre eles. O
médico que prescreve ou administra a medicação deve ter
a habilidade de recuperar o paciente deste nível ou mantêlo e recuperá-lo de um estado de maior depressão das
funções cardiovascular e respiratória.
ANEXO II
Equipamentos de emergência e reanimação
OXIGÊNIO – Sistema para fornecimento de oxigênio
a 100%.
ASPIRADOR – Sistema para aspirar secreções, sondas.
VIAS AÉREAS – Máscaras faciais, máscaras laríngeas,
cânulas naso e oro-faríngeas, tubos
traqueais, laringoscópio.
MONITORES – Oxímetro de pulso, monitor cardíaco,
aparelho de pressão arterial.
REANIMAÇÃO – Balão auto-inflável (AMBU), desfibrilador, drogas para reanimação, antagonistas: naloxone,
flumazenil. Impressos com protocolos para reanimação
(tipo ACLS).
Como podemos observar, pelas Resoluções do CFM,
a sedação é um ato médico que exige grandes responsabilidades. Em princípio ela pode ser realizada por qualquer
especialista que tenha tido treinamento. Mas, ainda
observando as resoluções, chegamos facilmente à conclusão que o anestesiologista é o médico mais capacitado para
assumir esta responsabilidade.
É preciso que todos os critérios sejam respeitados para
que a segurança do paciente seja priorizada. No entanto
existem outras escalas, na literatura, para se qualificar a
sedação. O importante é o médico definir uma escala e
segui-la durante o procedimento, já que este é dinâmico e
obriga uma vigilância constante. Muitas vezes uma sedação
cansa mais o anestesiologista do que uma técnica como a
anestesia geral ou regional.
Devemos lembrar sempre que um procedimento
doloroso feito sob sedação consumirá muito mais drogas
se não houver uma analgesia adequada. Por isto o uso de
medicações que a proporcionem tornará a sedação muito
mais efetiva com uma menor quantidade de medicamentos sedativos ou hipnóticos.
A medicina se aproxima cada vez mais de uma ciência
exata com seus vários graus de evidências e suas diretrizes,
mas, paradoxalmente, a sedação ainda nos mantém
próximos da arte.
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo
Presidente da SAEB
CRM-Ba 9.921
Art. 4º - Os anexos I e II fazem parte da presente resolução;
Art. 5º - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação;
6
7
Bahianest – NO MOMENTO, QUANTOS
PROFISSIONAIS ESTÃO EM PROCESSO
DE ESPECIALIZAÇÃO?
Dr. Jedson – Neste momento 7, sendo 4
no ME1 e 3no ME2.
Bahianest – JÁ É POSSÍVEL FAZER UMA
AVALIAÇÃO DO CET?
Dr. Jedson – Bem, nós estamos considerando estes 3 anos iniciais como a nossa curva
de aprendizado, pois o modelo proposto
ele inclui muitos desafios. Na Bahia todos os
CETs existentes provaram produzir frutos
excelentes. Partindo deste pressuposto,
queremos que o fruto do nosso trabalho se
encaixe bem no mercado de trabalho,
seguindo a qualidade dos demais CETs.
Inaugurado em agosto de 1893, o
Hospital Santa Izabel já nascia com 344
anos de história de serviços prestados à
cidade do Salvador na área de assistência à
saúde. Ainda hoje, o Hospital Santa Izabel
constitui-se na principal unidade do sistema
Santa Casa de Misericórdia, concretizando
a missão institucional de servir aos
necessitados. Sem jamais abandonar sua
finalidade filantrópica, o hospital alia ao seu
compromisso uma política permanente de
modernização e treinamento e qualificação
de pessoal, que o levou a ocupar a posição
de referência em algumas especialidades,
como é o exemplo da Cardiologia.
A Santa Casa de Misericórdia teve
presença significativa na história do ensino
médico no Brasil desde a sua origem.
Primeira instituição do país nesta área, a
Escola de Cirurgia da Bahia, criada em
1808 e sete anos depois transformada em
Academia Médico-Cirúrgica da Bahia, tinha
suas aulas teóricas ministradas no edifício
sede da Santa Casa, e as práticas, no
Hospital São Cristóvão, que continuaram
depois da transferência para o Hospital
Santa Izabel.
Atualmente, através de um convênio
Formado pela Escola Bahiana de Medicina, Dr. Jedson
Nascimento fez residência em Anestesiologia no Hospital das
Clinicas. Na UNESP-Botucatu concluiu o mestrado e o
doutorado. A opção pela especialidade, segundo ele, foi
resultado do fascínio pela Fisiologia e Farmacologia, além do
grande desafio para as pessoas que tem desejo pela pesquisa.
8
com a Fundação Bahiana para o
Desenvolvimento das Ciências, o Hospital
oferece um importante programa de
residentes para os alunos da Escola Bahiana
de Medicina. Além disso, o Santa Izabel
vem contribuindo para a formação de
auxiliares de enfermagem através da Escola
Rosa Gattorno, cujos profissionais
encontram-se entre os mais bem
preparados a atuarem nos hospitais de
Salvador.
Outra conquista foi a reabertura do
Centro de Ensino e Treinamento de
Anestesiologia reconhecido pela
Bahianest – HÁ QUANTO TEMPO O CET
DO HOSPITAL SANTA ISABEL ESTÁ EM
FUNCIONAMENTO E COMO FOI O
PROCESSO DE REABERTURA?
Dr. Jedson – Seu inicio ocorreu em 2007,
mas foi idealizado desde o ano 2000 e os 7
anos foram para amadurecimento e criação
de um modelo no qual a excelência é o objetivo. O processo de abertura ocorreu com
muita facilidade tanto do Ministério da
Educação como da Sociedade Brasileira de
Anestesiologia, que enxergaram a Santa Casa
de Misericóridia da Bahia como apta para
desempenhar este trabalho.
Bahianest – COMO ESTÁ A PROCURA
PELA ESPECIALIADADE?
Dr. Jedson – A pontuação para aprovação
na prova de residência médica na anestesiologia tem sido elevada. Mas considerando
que, segundo a Comissão Nacional de
Residência Médica (COREME), há uma estimativa que existem apenas vagas de residência (no geral) para cerca 40% dos médicos que se formam anualmente no Brasil, e
aliado a isso o Sudeste possui mais centros
formadores que o Nordeste. Com essas
premissas compreendemos que é difícil não
haver uma concorrência acirrada na Bahia
que possui centros de muito boa qualidade.
Bahianest – O HOSPITAL SANTA ISABEL É
REFERÊNCIA EM ALGUMAS
ESPECIALIDADES, A CARDIOLOGIA,
POR EXEMPLO, E TEM A MISSÃO DE
ATENDER A COMUNIDADE CARENTE
DO ESTADO. ISSO INTERFERE DE
ALGUMA FORMA NO CONCEITO E
CREDIBILIDADE DO CET?
Dr. Jedson – Certamente interfere de
forma positiva, pois a busca pela excelência
é o lema da instituição e a Cardiologia é a
referência, mas possuímos todas as especialidades e um volume de procedimentos
cirúrgicos e diagnósticos maior que 1500
por mês. Isto permite a possibilidade que
cada residente realize diariamente de 3 a 10
procedimentos dependendo obviamente
da complexidade do procedimento e dos
pacientes.
Bahianest – COMO É PARA O SENHOR
SER O RESPONSÁVEL POR MAIS UM
CENTRO DE ENSINO E
TREINAMENTO DE ANESTESIOLOGIA
NA BAHIA?
Dr. Jedson – Para mim é um grato prazer,
pois o objetivo da produção da mão de
obra é antes de tudo para absorvê-la, pois a
Bahia neste momento está carente da especialidade. Certamente sinto grande responsabilidade, pois a primeira função nossa é
formar pessoas que sejam eticamente bem
preparadas, para respeitarem os colegas
onde quer estejam após a formação e contribuírem para o bom nome da anestesiologia brasileira.
Bahianest – O FATO DE O CET DO HSI
TER SIDO DESATIVADO UMA VEZ O
C O LO C A D I A N T E D E U M A
RESPONSABILIDADE AINDA MAIOR
AGORA?
Dr. Jedson – Nos idos dos anos 70 sob coordenação do Dr. Paulo Eduardo Guimarães
de Freitas foi criada a residência de anestesiologia do Hospital Santa Izabel. Esta foi responsável por nomes de imponentes na historia baiana da anestesiologia. Os colaboradores para a criação deste Centro de
Ensino e Treinamento da Sociedade
Brasileira de Anestesiologia (SBA) foram os
médicos: Antonio do Vale, Hélio Cordeiro
Sales e José Rocha instrutores credenciados
pela SBA. Além destes contribuíram no ensinamento dos residentes os doutores Mario
Porciúncula, José Gonçalves de São Pedro,
Walter Rojas, Jose Gomes de Miranda,
Roberto Dórea, dentre outros. Posso dizer
que temos uma dívida com esses nomes,
pois eles formaram pessoas muito expressivas com Dra. Maria José Ramalho, que é
um exemplo de dedicação no ensino e pesquisa, Dr. Sérgio Sales Mesquita e outros
que o espaço não permite discorrer. Mas
estamos continuando a regar uma semente
que foi plantada no passado frutificou, passou dificuldades e precisava ser cuidada
para continuar a produzir.
Bahianest – QUANDO E ONDE SE
FORMOU EM MEDICINA? E A
ESPECIALIDADE FOI CONCLUÍDA
ONDE? TÍTULOS ADICIONAIS?
Dr. Jedson – Formei-me pela Escola
Bahiana de Medicina em 1994, fiz residência no Hospital das Clinicas entre 1995 1997, fiz a prova escrita do TSA em 1998 e
oral em 2000, ingressei no mestrado em
2001 pela UNESP - Botucatu e concluí em
2004, após iniciei o doutoramento na
mesma instituição e concluí 2007.
Bahianest – POR QUE A OPÇÃO PELA
ANESTESIOLOGIA?
Dr. Jedson – Porque sou amante da fisiologia e farmacologia, além do mais a especialidade é um grande desafio para as pessoas
que tem desejo pela pesquisa.
Bahianest – COMO O SENHOR AVALIA A
ESPECIALIDADE NO MOMENTO?
Dr. Jedson – Como um momento de crescimento e valorização, a Bahia e o mundo
estão necessitando de profissionais e nós
estamos tentando servir à sociedade ao formar pessoas não só com o conhecimento
técnico, mas também com ética e moral.
Bahianest – O NOVO CONCEITO DA
ATUAÇÃO DO ANESTESIOLOGISTA
COLOCA O PROFISSIONAL MAIS
P R Ó X I M O D O PA C I E N T E . O
CONSULTÓRIO DE ANESTESIOLOGIA
É UMA PROVA. QUAL O REFLEXO
D I S S O N A AT U A Ç Ã O D O
ANESTESIOLOGISTA?
Dr. Jedson – O consultório hoje é uma realidade e os pacientes cada vez mais participam das decisões que lhes dizem respeito.
Portanto, a clínica cada vez mais se aproxima da técnica e isso é um motivo de valorização da nossa especialidade. Sem falar que
a geração de interconsultas pelo anestesiologista deixou a especialidade mais aparente
para os outros médicos.
Bahianest –QUANTO À REVALIDAÇÃO
DO TÍTULO DE ANESTESIOLOGISTA.
O SENHOR ACREDITA QUE ESSA É
UMA FORMA EFICAZ DE
A P R I M O R A M E N T O D O
CONHECIMENTO CIENTÍFICO?
Dr. Jedson – É uma alternativa que tem sido
aplicada em várias sociedades médicas no
mundo e é digna de parabéns, mas como
toda novidade temos que aguardar seus
resultados em longo prazo.
Bahianest – QUAL A MENSAGEM QUE O
SENHOR DEIXA PARA OS NOVOS
PROFISSIONAIS QUE BUSCAM SEGUIR
O CAMINHO DA ANESTESIOLOGIA?
Dr. Jedson – Que possam continuar a
tratar da nossa especialidade com amor e
carinho, pois é um casamento e sem estes
ingredientes... Que aprendam que a ética
mantém viva a realidade do sucesso e profissionais sem ética e sem princípios, em
qualquer profissão, contribuem para perda
da estabilidade da mesma. E concluindo
que invistam na educação continuada, pois
sem o aprimoramento contínuo estamos
fadados ao tecnicismo e à superação como
a interferência de outros profissionais na
nossa área.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT – Ba 2.397
9
Crônica
Não era baleia
Era mês de agosto.
Mais um domingo cinzento. No
meio da manhã o celular toca. Atendo.
Uma voz conhecida me cumprimenta
cordialmente, era um colega médico que
eu já não via há algum tempo. Sem
muitos rodeios, disse que precisava de
uma ajuda, e, laconicamente, foi direto
ao assunto: tinha uma cadelinha de
estimação e esta, pelo avançar da idade
e pela gravidade de uma doença que
havia contraído, fora desenganada pelo
veterinário. Não entrou em muitos
detalhes. Acrescentou que, pelo fato de
ser médico, fora autorizado a conduzir
tal evento em âmbito doméstico. Dizia
portar uma receita com os nomes das
medicações indicadas, contudo, por
tratar-se de um domingo, não conseguia
onde comprá-las. Prosseguiu dizendo
que lembrou da minha competência
profissional e resolveu telefonar-me,
acreditava que eu talvez pudesse
encontrar uma alternativa ou até
mesmo conseguir-lhe uma droga com
tal utilidade. Não podia esperar, tinha
de resolver aquela questão naquele
mesmo dia. Quando disse que eu estava
de plantão, não deu-se de rogado e
falou que já estava se dirigindo ao meu
encontro. Nem mesmo deu tempo de
ouvir a minha resposta e foi desligando o
aparelho.
Nunca antes havia feito coisa
parecida, mas dada sua aflição, desejei
realmente ajudá-lo. Não deu trabalho
em arranjar uma droga com tal
propriedade no arsenal anestésico do
hospital. Guardei a ampola no bolso,
juntamente com o necessário diluente, e
aguardei a sua chegada.
Após uma demora menor que a
prevista, chegou sem exitar. Com
enorme polidez me cumprimentou,
trocamos palavras comuns, sorrisos e
tapinhas nas costas.
10
cachorrinha, qual raça, nome, idade, cor,
tamanho. De que sofria, como agonizava.
No meu pensamento, eu via uma cadelinha
branca malhada de preto. Não sei porque,
só me vinha na cabeça a imagem de Perfídia,
uma cachorrinha que mora na casa vizinha à
minha. E eu a via estirada no chão,
paralisada, ressequida, decrepita. Acho que
Baleia também era preta e branca.
Por outro momento, relembrei da
figura um tanto abatida do colega. Pensei no
quanto seria difícil medir sua angústia. Parecia
estar realmente sofrendo, até porque disseme nunca ter vivido uma experiência
parecida.
E no pensamento seguinte, talvez
impulsionado por uma notícia recente de
suicídio, confabulei comigo mesmo: aquele
colega poderia sim ter me pedido a
medicação para fazer uso em si mesmo.
Arrepiei-me por inteiro. Desgraça. Alguns
fatos foram trazidos à tona em questão de
segundos – estávamos no mês considerado
do azar, o dia estava pra lá de melancólico, a
pressa dele em conseguir a tal medicação, a
falta de detalhes sobre a cadela enferma, sua
aparência um tanto angustiada, a ausência da
receita do veterinário, a conversa rápida e
sem rodeios. Por que não?
Era certo que ele nunca
anteriormente havia tido, como se
chama, uma atitude suspeita, mas eu
tenho conhecimento de outras histórias
que aconteceram de maneira totalmente
inesperada.
Fiquei com aquela idéia ruminando
em meu juízo. Perguntava-me infinitas
vezes – será? Tentava inutilmente me
convencer que não havia motivo para tal
desconfiança, mas ela me rondava com
enorme intrepidez.
Com esse pensamento me
entrincheirando, logicamente passei a me
sentir culpado. Questionei-me por não
ter prolongado a conversa com ele,
quem sabe dialogando um pouco mais
não poderia identificar algum indício de
um tormento maior, perceber um
comportamento estranho. E, assim,
inventar uma desculpa para não entregarlhe a droga. Mas também eu não era um
amigo considerado próximo, e também
ele estava com pressa, parecia querer
logo executar o que tinha em mente e
não permitiu nenhuma aproximação.
Fique por dentro das novidades
Ao mesmo instante, recuperei na
memória seu jeito simples e simpático,
contudo achei-o envelhecido para o
tempo não muito distante em que
havíamos nos vistos pela última vez – a tez
um tanto sobrecarregada e os incontáveis
cabelos brancos sobressaindo. Também
achei-o mais magro. Repetiu-me o que
havia falado ao telefone, também
lamentou pelo pobre animal.
Não prolongamos a conversa, ele
demonstrava sinais de quem não queria se
demorar ali e eu precisava retornar ao
trabalho. Nos despedimos e, antes que fosse
embora, dei-lhe algumas rápidas instruções
de uso e de como aproveitar todo potencial
daquele fármaco. Perguntou se era um
relaxante muscular, achava, pelo nome, que
era o mesmo que o veterinário havia
prescrito. Lamentou-se por ter esquecido a
receita, dizia querer ter me mostrado.
Depois, pedi que me desse notícias do
acontecido - apenas por uma questão de
curiosidade. Voltei à minha rotina.
Lá pelo fim da tarde, não sei bem porque,
lembrei do episódio. Não podia deixar de
considerá-lo incomum – e admito que tenho
uma certa atração por situações cotidianas
incomuns.
Imaginei como seria praticar um ato como
esse. Mesmo sendo médico, poucas vezes
presenciei a morte acontecendo por inteiro.
Insinuando..., chegando..., crescendo...,
invadindo..., sobrepujando... Evoluindo em
passos cada vez maiores e subindo (ou
descendo) degraus, passo a passo, até o
desfecho final. Não devia ser nada muito
agradável de assistir, muito menos de promover.
Ainda mais se tratando de um animalzinho
querido. De relance, me veio na cabeça à
lembrança de Baleia e Fabiano.
Imaginei como seria a desventurada
na área de Anestesiologia
Visite nosso site
www.saeb.org.br
e atualize seus dados
pessoais com a SAEB
71 3247.4333
saeb@uol.com.br
Bem-estar
SAEB incentiva a prática de
exercícios físicos
Vitória da Conquista
sediou o XIII ENAI
Na rotina atribulada de acordar
cedo, enfrentar o trânsito, trabalhar
o dia todo e cumprir vários de
compromissos faz com que muitos
brasileiros encontrem dificuldade
para fazer exercícios, mesmo
sabendo dos benefícios. A vida
prática e cheia de comodidade é
mais uma desculpa de se manter
longe da atividade física. Quem
deixa o carro na garagem e
enfrenta alguns quarteirões para
comprar o jornal, ou até mesmo
esquece que existe o controle
remoto? Sem dúvida o conforto
resultou no sedentarismo. Pesquisas
comprovam.
Muitas doenças são prevenidas e seus efeitos amenizados ou retardados com a prática
regular de exercícios. Para as pessoas dispostas a encarar uma atividade física o segredo é
não fazer dela mais um fardo, mais uma obrigação. Seja numa academia ou na rua é
importante lembrar que a quantidade e o tipo de exercício devem respeitar as limitações e
a necessidade de cada um. Daí a importância da orientação de um profissional, e uma
alternativa é a assessoria esportiva.
A novidade chegou a Salvador em 2003 com a Triação. “A idéia surgiu devido à
necessidade de se oferecer um serviço de qualidade para aquelas pessoas que tinham o
interesse em participar de eventos de corrida, mas não tinham pretensão nenhuma de
viver do esporte, apenas participar como atleta recreacional.” conta Diogo Andrade,
especialista em Fisiologia do Exercício e um dos sócios da empresa.
Preocupado em proporcionar aos sócios da SAEB uma mudança de hábitos em prol
da saúde, o presidente Dr. Ricardo Almeida de Azevedo firmou uma parceria com a
Triação. Os anestesiologistas, em dia com SAEB, e seus dependentes diretos podem
usufruir de um desconto de 13% nas mensalidades. Bastam apresentar os documentos.
O trabalho da Triação é voltado justamente para quem não tem o objetivo de se
tornar um atleta profissional, mas está interessado em ter uma prática regular de exercícios
na promoção da saúde e bem-estar. “Não é um critério participativo a pessoa estar
correndo, ela pode iniciar caminhando e de forma gradual e progressiva vai sendo feita a
transição da caminhada para a corrida. São realizados encontros técnicos semanais, além
disso, o aluno recebe uma programação quinzenal individualizada disponível em nosso site
www.triacao.com.br. Objetivos são bastante respeitados, alguns alunos além de praticar
de forma regular o exercício, despertam o interesse de participar de eventos esportivos
como a Corrida de Rua, sem a intenção de se tornarem-se atletas profissionais”, finaliza
Diogo Andrade.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT – Ba 2.397
12
XIII
ENAI-BA
Encontro de Anestesiologia
do Interior da Bahia
Realizado no dia 31 de maio, em Vitória da Conquista, o XIII ENAI ultrapassou
todas as expectativas tanto em termos de participação dos anestesiologistas da região
quanto ao nível científico alcançado.
Cerca de setenta por cento dos profissionais de Conquista estiveram presentes no
evento, além de participantes de Feira de Santana, Guanambi, Itapetinga, Ilhéus,
Itabuna e Salvador.
A parte científica se caracterizou pela ampla variação de temas, desde anestesia em
cirurgia cardíaca, obstetrícia até cirurgia plástica e neurológica. Houve grandes debates
com o plenário, principalmente na discussão do caso clínico em obstetrícia, onde
contamos com a presença do obstetra Dr. Davi Côrtes que abrilhantou o debate, e no
final onde Dr. José Abelardo Garcia de Meneses abordou o tema ética e pós-operatório
de pacientes graves.
Ao final aconteceu um jantar na Casa do Médico onde todos os participantes
puderam fazer um congraçamento ao som de uma banda local.
A SAEB agradece a todos que fizeram o ENAI, especialmente aos palestrantes e
organizadores que se dispuseram a colaborar abrindo mão muitas vezes de um tempo
cada vez mais escasso nas nossas vidas.
Dr. Ricardo Almeida de Azevedo
Presidente da SAEB
CRM – Ba 9921
Dicas de Leitura
Primeiras Estórias
José Guimarães Rosa
Sinopse: contos em que sobressaem os costumes e a linguagem das gentes de Minas. Inclui "A
terceira margem do rio", clássico da literatura transformado em filme por Nelson Pereira dos Santos em
1993. É certamente o melhor livro para o jovem ser apresentado à literatura de Guimarães Rosa.
Trata-se de um livro de contos que revela toda habilidade que Guimarães Rosa tinha com as palavras
e com a língua portuguesa. Além disso, o escritor era um médico com profundo conhecimento da
natureza humana. Quem quiser passar momentos agradáveis e ainda sair dessa viagem mais
enriquecido de sabedoria não pode deixar de ler.
Dr. Clício de Oliveira Costa
Médico Anestesiologista
CRM-Ba 2131
13
Informe
COOPANEST-BA
investe no
bem-estar dos
funcionários
Nova tecnologia e design
no site da COOPANEST-BA
A preocupação com a qualidade de vida e
com a saúde dos funcionários é uma tendência
em muitas empresas em todo o mundo. Esse
modelo de gestão focada na satisfação e,
conseqüentemente, num maior rendimento
no trabalho está sendo adotado em muitas
organizações brasileiras. Várias são as
alternativas de oferecer aos colaboradores bem
estar durante as horas de produção, uma delas
é a Ginástica Laboral.
A técnica consiste em fazer com que o
funcionário desenvolva atividade física
orientada durante o horário do expediente.
Além de proporcionar maior disposição, a
Ginástica Laboral tem como objetivo minimizar
os impactos negativos oriundos do
sedentarismo na vida e na saúde do
trabalhador.
A COOPANEST-BA aderiu a essa nova
concepção administrativa e implantou, desde
maio deste ano, o projeto de Fisioterapia
Laboral para os funcionários. Iniciativa já
pensada a algum tempo, de acordo com o
presidente, Dr. Carlos Eduardo Aragão de
Araujo. “Nós queríamos desenvolver algum
tipo de atividade com os funcionários, mas
ainda não tínhamos pensado exatamente o qual
seria. Foi quando recebemos a proposta de
uma clínica de fisioterapia que conseguiu ajustar
os horários sem comprometer a nossa rotina, o
nosso fluxo de trabalho. Além disso, buscamos
seguir a Legislação. Espero que nosso projeto
sirva de modelo para outras instituições porque
o resultado é muito positivo”, conclui.
Essa satisfação pode ser visivelmente
comprovada também entre os funcionários.
Eles afirmam ter mais disposição para as
atividades depois que começaram praticar os
exercícios. Quem trabalha com digitação
também sente a diferença. Aqueles que
sentiam dores na coluna tiveram uma melhora
significativa. A Ginástica Laboral é oferecida as
segundas, quartas e sextas-feiras em escalas
alternadas para que todos tenham
oportunidade de fazer a atividade.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT-Ba 2397
Serviço de motoboy torna captação
de boletins de anestesia mais ágil
O site da COOPANEST-BA está com nova roupagem. Com um
layout prático e leve, os anestesiologistas e o público em geral
encontram a combinação perfeita para desfrutar de uma viagem virtual
pela anestesiologia.
O formato está mais acessível com tópicos que possibilitam
conhecer a história da Cooperativa quando ainda era chamada
COPAS – Cooperativa dos Anestesiologistas de Salvador. Todas as
diretorias também estão citadas, assim como fotos das instalações da
sede, o Estatuto, a Diretoria atual e uma página exclusiva para
apresentar cada funcionário com nome completo e respectivo setor.
Duas páginas explicam claramente “como” e “porque” se
cooperativar. Os profissionais da Anestesiologia ligados à
COOPANEST-BA estão relacionados numa lista com nome e CRM.
A relação de convênios credenciados e hospitais de atuação pode ser
conferida, além de um questionário criado especialmente para os
pacientes e todos aqueles que têm dúvidas sobre o procedimento da
anestesia desde a preparação até o pós-operatório.
14
Os eventos sobre a Anestesiologia na Bahia e em outros Estados
ganham espaço para divulgação numa página de destaque. Alguns
LINKS da especialidade também podem ser pesquisados e as
principais notícias da COOPANEST-BA são atualizadas quase que
diariamente com maior dinamismo.
O projeto para uma reestruturação da área restrita já está em
elaboração. Em breve, os Cooperados poderão desfrutar de uma
página voltada exclusivamente para eles com informativos, explicação
detalhada de como funciona o fluxo dos boletins e o passo a passo do
faturamento de cada convênio, além das consultas, extratos e outros
dados já consultados.
O objetivo da COOPANEST-BA é oferecer o máximo de qualidade
nos serviços prestados aos Cooperados e à sociedade baiana.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT-Ba 2.397
Com o intuito de acelerar o processo de
faturamento dos boletins de anestesia, a
COOPANEST-BA criou um serviço de
captação dos documentos em hospitais,
clínicas e consultórios de Salvador através de
um motoboy, o Sr. Vitor Hugo Queiroz. A
iniciativa esteve em teste no início do ano até
ser implantada oficialmente em maio com
aprovação tanto daqueles que se beneficiam
do serviço, como também, dos funcionários da
C O O PA N E S T- B A . D e a c o r d o o s
responsáveis pelo recebimento do material na
COOPANEST-BA, a entrega dos boletins era
feita anteriormente num só dia pelas clínicas e
hospitais, isso complicava o faturamento e
acabava atrasando a data de entrega. Além disso, os grupos tinham que disponibilizar alguém
para fazer o serviço. Agora, é possível organizar
e trabalhar com mais tranqüilidade, agilidade e
facilidade.
O projeto foi idealizado pelo 1º tesoureiro
da COOPANEST-BA, Dr. Roque José
Archanjo dos Santos que elaborou
cuidadosamente os dois roteiros. O mapa da
cidade de Salvador foi usado como referência
para escolher os locais de forma eficiente
levando em conta distâncias e horários de
maior movimento no trânsito das principais
avenidas. Esses roteiros foram denominados
LINHA1 e LINHA 2 com respectivos dias,
turnos, horários e normas pré-estabelecidas.
Os boletins são captados duas vezes por
semana em cada local, justamente para não
haver um acúmulo de documentos no
faturamento. O serviço está à disposição de
qualquer cooperado ou grupo credenciado à
COOPANEST-BA, basta entrar em contato
com a sede pelo telefone 71 3237-9950.
É importante ressaltar a necessidade de
verificar a possibilidade de entrar no roteiro
para não comprometer a eficiência do serviço.
É importante alertar aos cooperados que
dispõem do serviço de captação de boletins
que cumpram as datas e horários porque caso
o motoboy atrase num local irá dificultar a
captação dos outros documentos, além disso,
o Sr. Vitor Hugo precisa chegar à
COOPANEST-BA até as cinco da tarde, horário
limite de funcionamento.
Cinthya Brandão
Jornalista
DRT-Ba 2.397
15
COOPANEST-BA divulga novo
Boletim de Anestesia
Acompanhando as mudanças tecnológicas nos serviços, a COOPANEST-BA acrescentou aos Boletins de Anestesia um código de barras.
Por isso, é necessário que todos os cooperados atentem para os atuais números dos boletins da nova série que será distribuída.
Visando a adequada recepção destes documentos na COOPANEST-BA, vale ressaltar o cuidado de não rasurar, recortar, colar ou escrever
em cima do código de barras para que não haja incorreção na leitura ótica. Este novo sistema permitirá uma melhor identificação dos boletins
entregues na COOPANEST-BA bem como o acompanhamento das faturas por parte dos cooperados.
A Diretoria da COOPANEST-BA
BOLETIM DE ANESTESIA
(NÃO PREENCHER CAMPOS ESCUROS)
HOSPITAL
Nº
CONVÊNIO
PLANO
ENF.
Nº
SENHA GUIA
DATA GUIA
DAY
EXT.
DATA
DIA DA SEMANA
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
PACIENTE
SÁBADO
DOMINGO
FERIADO
SEGURADO/RESPONSÁVEL
SEM PORTE
MATRÍCULA
NÃO CODIFIC.
CIRURGIÃO
ANESTESISTA
CREMEB:
PORTE ZERO
CREMEB:
URGÊNCIA
CID
TÉRMINO
INÍCIO
ANESTESIA
GERAL
BLOQUEIO
OUTROS
PROCEDIMENTO
VENOSA
RAQUI
REGIONAL
INALATÓRIA
PERIDURAL
CLÍNICO
APTO.
CIRÚRGICO
CIRURGIA
C/CEC
Assinatura do Anestesista com CRM
COMBINADA
TIPO GUIA
POR VÍDEO
CÓDIGO
PROCEDIMENTOS
CONSULTA
SPSADT
70%
100%
HONORÁRIOS
50%
PORTE
TOTAL
CÁLCULO
Renovar para continuar fazendo melhor
A chapa 1 - DIGNIDADE MÉDICA - promove a renovação
responsável e gradual do corpo de conselheiros. Com vários pensamentos,
ideologias e origens, 17 novos conselheiros assumiram com os
remanescentes o compromisso de trabalhar em prol da Medicina, pelo
desenvolvimento da categoria médica, em defesa da sociedade e em
respeito à cidadania. Ampliamos também a participação das médicas, agora
serão 15.
R$
PREENCHA AS OBSRVAÇÕES NO VERSO QUANDO HOUVER
A 086251
No esteio da atualização do Código, o CREMEB tem participado da
Comissão Nacional de Revisão do Código de Ética Médica, como também
constituiu a Comissão Estadual com componentes das três entidades
médicas. Estamos à disposição para o debate de idéias e de propostas de
trabalho. Vamos procurar o caminho da discussão política para o
compromisso bilateral entre eleitores e eleitos.
OBSERVAÇÕES E RELATÓRIOS OU ETIQUETAS ADESIVAS:
Acesse http://www.dignidademedicachapa1.zip.net e deixe o seu
comentário.
IDADE
IDOSO
CRIANÇA
QUANDO HOUVER PARTICIPAÇÃO:
NOME DO 2 ANESTESITA EM CEC OU PROCEDIMENTOS PORTE 7
CRM
CIRURGIÃO 2ª EQUIPE NO CASO DE ESPECIALIDADES DISTINTAS DO PRINCIPAL
CRM
Avalie o nosso desempenho e a perspectiva da renovação do
compromisso com novas frentes de luta. Analise o conjunto de profissionais que agregamos para assumir o mandato do
Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia para o próximo quinquênio e, em agosto, dê o seu voto de
confiança. Podemos fazer muito mais.
ALTERAÇÕES DE PROCEDIMENTOS:
PRONTUÁRIO DO HOSPITAL Nº
REGISTRO Nº
ENDEREÇO
CEP
TELEFONES
16
(RG)
CPF
CEL
EXERÇA SEU DIREITO DE
VOTAR SEU VOTO É A
NOSSA FORÇA
2008 ©Copyright
Todos os direitos reservados a Chapa 1
Dignidade Médica.
Download

coopanest-ba