• FORMAÇÃO MCC
• Visite o site:
www.prestservi.com.br/diaconoalfredo/alfredo.htm
ou
www.diaconoalfredo.cjb.net
e-mail: diaconoalfredo@gmail.com
05/11/2015 00:41:35
• FORMAÇÃO MCC
• Tema: O TRIPÉ DO
CURSILHISTA
• Dia: 05/11/2015 00:41:35
1- ORAÇÃO NA
VIDA DO
CURSILHISTA
Este Tripé sustenta
nossa vida cristã
2- FORMAÇÃO
NA VIDA DO
CURSILHISTA
3-AÇÃO NA VIDA
DO
CURSILHISTA
A ORAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• A oração dá ao cursilhista a
humildade para reconhecer-se
num projeto em construção,
inacabado, que precisa buscar
sempre a formação adequada
para enriquecer ação.
A ORAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
•A oração nos
consola e nos
fortalece.
• Um dia um dos discípulos disse:
“Senhor, ensina-nos a rezar...” (Lc
11,1).
• Qual dos discípulos que pediu
para Jesus ensinar a rezar?
• Ele permanece desconhecido, pois seu
nome não é citado no Evangelho. O
anonimato desse discípulo representa
todos nós.
• A oração é um dos principais
meios pelo qual obtemos o
auxílio para assemelharmos a
nossa vida a de Cristo.
• Nossos progressos na vida
espiritual estarão baseados na
Oração. Se esperamos conhecer
a Cristo, temos que rezar, pensar,
falar, olhar e ouvir a este Cristo.
• As próprias ações de Jesus
sempre tiveram como começo a
oração.
• Lc 4,16 = Dirigiu-se a Nazaré,
onde se havia criado. Entrou na
sinagoga em dia de sábado,
segundo o seu costume, e
levantou-se para ler.
• Mt 14, 19 = Mandou, então, a
multidão assentar-se na relva,
tomou os cinco pães e os dois
peixes e, elevando os olhos ao
céu, abençoou-os. Partindo em
seguida os pães, deu-os aos seus
discípulos, que os distribuíram
ao povo. (multiplicação dos pães)
• Mt 26, 26
Durante a
refeição, Jesus tomou o
pão, benzeu-o, partiu-o e
o deu aos discípulos,
dizendo: Tomai e comei,
isto é meu corpo. (última ceia)
=
• Lc 24, 30 = Aconteceu que,
estando
sentado
conjuntamente à mesa, ele
tomou o pão, abençoou-o,
partiu-o e serviu-o. (na ceia de
Emaús)
• Jo 11, 41
Levantando
Jesus os olhos ao alto,
disse: Pai, rendo-te
graças, porque me
ouviste. (ressuscita Lázaro)
=
• Lc 6,12 = Naqueles
dias,
Jesus retirou-se a uma
montanha para rezar, e
passou aí toda a noite
orando a Deus.
• (antes de chamar os doze)
• Lc 9, 28 –29
= Passados uns
oitos dias, Jesus tomou consigo
Pedro, Tiago e João, e subiu ao
monte para orar. Enquanto
orava, transformou-se o seu
rosto e as suas vestes tornaramse resplandecentes de brancura.
• (ao se transfigurar no monte)
• Lc 9,16
Então Jesus
tomou os cinco pães e os
dois peixes, levantou os
olhos ao céu, abençoouos, partiu-os e deu-os a
seus discípulos, para que
os servissem ao povo.
• (multiplicação dos pães)
=
•Lc 9, 18
= Num
dia em
que ele estava a orar a
sós com os discípulos,
perguntou-lhes: Quem
dizem que eu sou?
• (antes de solicitar a confissão de Pedro)
•Lc 11, 1
= Um dia, num
certo lugar, estava Jesus a
rezar. Terminando a oração,
disse-lhe um de seus
discípulos: Senhor, ensinanos a rezar, como também
João
ensinou
a
seus
discípulos. (antes de ensinar aos discípulos
como devem orar – Pai Nosso)
•Mt 19,13
= Foram-lhe,
então,
apresentadas
algumas criancinhas para
que pusesse as mãos
sobre elas e orasse por
elas.
Os
discípulos,
porém, as afastavam. (ao
abençoar as crianças)
•Lc 22, 32
= mas eu
roguei por ti, para que a
tua
confiança
não
desfaleça; e tu, por tua
vez, confirma os teus
irmãos. (quando roga por Pedro)
•A oração na vida do
cursilhista é essencial na
medida
em
que
o
cursilhista quiser fiel a
Deus, ao MCC, a sua
comunidade e a si mesmo.
• No testemunho orante do nosso
Mestre e Senhor, cada um de
nós cursilhistas, no seu
seguimento, quer se por de pé e
orar para não cair na tentação
de se encontrar no cuidado
apenas da ação e da formação
em detrimento da oração.
• “Com pouca oração, sem
perseverança e disciplina, não
podemos esperar uma forte
experiência de Deus, nem
transformação da vida e, por
conseguinte,
profetas
que
resplandeçam.
.
•
Ver slide
•A oração, uma das
partes do tripé que
sabemos sustentar nossa
vida cristã, não foi
criada ou inventada por
nós.
•Não foi, e não é
humano o movimento
inicial
neste
relacionamento entre o
ser humano e Deus. A
iniciativa vem de Deus.
• A oração é o ingresso num
face a face com Deus. Tal
verdade Jesus disse à mulher
que O encontrou na beira do
Poço de Jacó: Se conhecesses
o dom de Deus e quem é
aquele que te diz:
Dá-me de beber, tu
lhe pedirias, e ele te
daria água viva”(Jo
4, 10).
•“
• Ao nos ser revelado no Espírito
a grandeza desse dom, orar é
atender ao convite de Deus, e
como no encontro de Jesus com
a samaritana Ele, ao pedir-lhe:
“dá-me de beber”, demonstra a
sede e a iniciativa que é Dele.
•
Ver slide o poder da oração
• Cada tem seu dom, um é padre,
outro
diácono,
médico,
advogado, pedreiro, marceneiro,
professor,..., ou seja fomos
criados para amar a Deus e aos
irmãos, cada um com seu
carisma e dom.
• Rm 12, 6 – 8
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Sendo a formação uma das
partes do tripé que sustenta
nossa vida cristã, é normal que
não tendo ela a mesma robustez
das outras duas partes, essa vida
não se sustentará de maneira
saudável e satisfatória.
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Como falar, ensinar, viver,
daquilo que não sabemos e
conhecemos?
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• O cursilhista, depois de
experimentar a intimidade
de Jesus Cristo. É chamado a
uma missão que é fazer parte
da construção do Reino de
Deus.
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Para nos cursilhistas ela se
detalha no Carisma do MCC:
Evangelizar os Ambientes.
• Mas como vamos Evangelizar,
sem conhecer e se preparar para
tal?
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Jesus se preparou e se dedicou a
conhecer e executar a vontade
do Pai, a vontade daquele que o
enviou.
• E assim realizou sua missão
salvífica.
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Se somos chamados a ser
anunciadores e
evangelizadores, como falar
daquilo que não sabemos e
anunciar a quem não
conhecemos?
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Precisamos ser prudentes e
ouvir o que diz Jesus a respeito
dos fariseus: Mt 15, 14
(“Deixai-os! São cegos guiando
cegos. Ora, se um cego guia
outro cego, os dois caem no
buraco.”)
Fluxograma de Resolução de Problemas
SIM
NÃO
A COISA
FUNCIONA?
NÃO MEXA
SIM
VOCÊ MEXEU
NELA?
SEU IDIOTA
NÃO
ALGUÉM
SABE?
NÃO
ESCONDA
SIM
VOCÊ DANÇOU
NÃO
SIM
VOCÊ
PODE CULPAR
OUTRA
PESSOA?
SIM
ENTÃO, NÃO HÁ PROBLEMA
VAI
ESTOURAR
NA SUA
MÃO?
NÃO
FINJA QUE NÃO VIU
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• O Direito Canônico – art 231,
afirma que aqueles que tem um
serviço especial na Igreja, têm a
obrigação de adquirir formação
adequada, requerida para o
cumprimento de sua atividade.
A FORMAÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• - Past Familiar
• - Past Liturgia
• - Past Ministros
• - Past Social
• - Past Catequese
• Vejamos e analisemos o que o Papa
João Paulo II nos diz na Exortação
Apostólica sobre a Vocação e
Missão dos Leigos na Igreja e no
Mundo.
• Ele nos apresenta cinco critérios de
como vivermos na nossa igreja e
em cada um deles vemos a
necessidade da formação.
• 1- A primazia dada à vocação
de cada cristão à santidade:
•Como vamos dar absoluta
prioridade a “ser santo”,
se
não
conhecemos
Aquele que é santo?
• 2- A responsabilidade em
professar a fé católica:
• Como professar de forma
responsável a fé católica, se não
a conhecemos?
• Sacramentos,
Segunda
União,
Sexualidade, Moral Cristã, Aborto,
Santos, Culto a Maria.
• 3- O testemunho de uma
comunhão sólida e convicta:
•Solidez e convicção só
podem ser demonstradas
por quem tem certeza e
compreensão daquilo que
testemunha.
• 4- A conformidade e a
participação na finalidade
apostólica da Igreja:
• Como participar de acordo com
algo que não sabemos e
conhecemos.
• O que o Apóstolo deve fazer, qual a
sua missão.
• 5- O empenho de uma
presença
na
sociedade
humana:
• Como
empenhar-se
na
transformação da sociedade, se
não conhecemos os critérios
corretos para tal?
• Doutrina Social da Igreja, Aborto,
Segundo Casamento...
A AÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
• Assim como uma pessoa ao
morrer deixa de agir, não tem
qualquer ação, o mesmo
acontece com a vida cristã.
“Assim também a fé: se não se
traduz em ações, por si só está
morta”. (Tg 2,17)
A AÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
“A ação é que dá a visibilidade e
a medida na qual são vividas as
outras duas partes: Oração e
Formação.
A AÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
Jesus é pródigo em dar exemplo
da falta de ação, ou da
incoerência entre fé e vida:
A AÇÃO NA VIDA DO
CURSILHISTA
Mt 23, 3 = “Portanto, tudo o que
eles vos disserem, fazei e
observai, mas não imiteis suas
ações! Pois eles falam, mas não
fazem.
Em algumas ocasiões
preferimos
“trabalhar”,
ao invés de “agir”.
• E entre elas há uma sutil
diferença: realizar um trabalho
pode ser algo rotineiro, de fazer
porque tem que ser feito.
• Já, agir, é por em prática um
plano, trabalhar para executá-lo
e levá-lo à conclusão.
• No MCC costumamos distinguir os
seguintes tipos de ação do leigo no
mundo, no seu ambiente:
• 1- O Ativismo
• 2- O Assistencialismo
• 3- A Ação Serviço (obras de misericórdia)
• 4- Ação no interior do MCC
• 5- Ação Evangelizadora
• 6- Ação Transformadora
• 1- O Ativismo:
• Fazer por fazer, é mais uma
forma de agregar-se a um grupo,
sem a preocupação do que, do
por que ou para quem.
• Atende
sem
dúvida
a
necessidade de alguém, grupo
ou organização, apenas como
mão de obra.
• 1- O Ativismo:
• Não leva em conta a Palavra de
Deus e da Igreja e normalmente
não é uma ação precedida pela
oração.
• Costuma ser recompensadora
para quem faz, sendo vista na
ótica egoísta do “estou fazendo
a minha parte”.
• 2- O Assintecialismo:
• Pode tornar-se uma forma
paliativa e viciante de ação, pois
atende uma necessidade ou
pedido, o qual depois de
atendido, voltará posteriormente
a ser novamente solicitado e isto
ser torna continua
• 2- O Assintecialismo:
• Normalmente é uma ação
alienada e alienante: alienada da
parte de quem presta serviço,
mesmo que seja pelo bom
impulso de seu coração.
• 2- O Assintecialismo:
• Alienante para quem recebe
porque satisfaz uma necessidade
imediata e pode desobrigar de
buscar uma solução duradoura no
sentido de resolvê-las.
• Muitas vezes não se tem clareza
das causas que geram essa
necessidade.
• 3- A ação serviço
• É doação de tempo, vigor, talento
e/ou dispêndio financeiro, para
atender uma necessidade, mas é
paliativa.
• É para atender uma situação
urgente e incontornável. (enchentes,
secas, ...)
• 3- A ação serviço
• Aqui se incluem as obras de
misericórdia como a esmola ou o
serviço prestado a entidades que
dão assistência aos menos
favorecidos.
• 3- A ação serviço
• Sua
prestação
é
preceito
evangélico e é especialmente
incentivada pela Igreja, pois na
medida do amor e dedicação aos
menos favorecidos é que seremos
julgados.
• É o exercício da caridade e da
misericórdia.
• A ação que Jesus confiou e à qual a
Igreja nos exorta, vem do testemunho
de Jesus:
• Certa vez Jesus retirou-se para
Betsaida “Mas as multidões
souberam disso e o seguiram.
Jesus as acolheu e falava-lhes
sobre o Reino de Deus; e curava
todos os que precisavam.
• A ação que Jesus confiou e à qual a Igreja
nos exorta, vem do testemunho de Jesus:
• O dia já estava chegando ao fim,
quando os Doze se aproximaram de
Jesus e disseram: “Despede a
multidão, para que possam ir aos
povoados e sítios vizinhos procurar
hospedagem e comida, pois estamos
num lugar deserto”. Mas ele disse:
“Daí-lhes vós mesmos de comer...”
(Lc 9, 11-15).
• Este mandado de Jesus ecoa deste
então na Igreja e nos corações dos
que crêem, suscitando em nós o
amor fraterno e nos incitando a
uma generosa ação serviço,
minimizando as necessidades dos
que precisam.
• A ação serviço pode ser também a
ação que se presta a um projeto,
ou uma causa, diante de uma
necessidade a ser resolvida,
visando o bem comum e a
execução do planejado.
• 4- A ação no interior do MCC
• Cada um de seus membros se põe
a serviço, coopera com seus dons
e talentos para o objetivo seja
atingido e perdure.
• Todos e cada um dos que se oferecem
generosamente para o serviço estão
desta forma, ajudando a construir o
MCC e a comunidade.
• 5- Ação Evangelizadora
• A missão do cursilhista é a
missão de todo cristão consciente,
e pede que, transformando-nos
transformemos
o
mundo,
implantando nele os critérios do
Reino.
• 5- Ação Evangelizadora
• A missão confiada por Jesus a
todos os que acolheram sua Pessoa,
sua mensagem, e optarem por
segui-lo, é fazer de todas as
pessoas de todos os tempos, seus
discípulos e pelo testemunho de
vida, implantar e disseminar o
Reino por Ele inaugurado.
• 6- Ação Transformadora
• Essa ação deve partir da própria pessoa
do
cursilhista,
transformando-se
diariamente
(conversão)
e
transbordando para as realidades nas
quais está imerso (ambientes): a
família, a profissão, o social, a política,
etc..., buscando formar nelas pequenas
comunidades de fé, impregnando-as
com os critérios evangélicos.
• 6- Ação Transformadora
• Os leigos, são especialmente
chamados para tornarem a Igreja
presente e operante naqueles
lugares e circunstâncias onde,
apenas através deles ela pode
chegar como sal da terra.
• 6- Ação Transformadora
• A ação isolada, ainda que
transformadora, dificilmente terá a
mesma eficácia da ação em
comunidade.
• 6- Ação Transformadora
• Jesus mesmo quis precisar dos
discípulos, com suas limitações e
características individuais, que às
vezes geraram incompreensões.
• 6- Ação Transformadora
• Mas esta foi a maneira de Jesus,
incluir, valorizar, aproveitar o
potencial de cada um, na promoção
de pessoa, construindo comunidade
e transformando a realidade.
• A ação que Jesus confiou e à qual a
Igreja nos exorta, vem do testemunho
de Jesus:
• Este mandado de Jesus ecoa deste
então na Igreja e nos corações dos que
crêem, suscitando em nós o amor
fraterno e nos incitando a uma
generosa ação serviço, minimizando as
necessidades dos que precisam.
• É o exercício da caridade e da
misericórdia.
•A oração não é um
substituto da ação, e sim o
fundamento.
•É impossível pensar num
apóstolo
que não reze.
• Cristo exige ação, mas que ela
seja firmemente baseada na
oração.
• Quanto mais levarmos uma vida
de oração, mais frutuoso será
nosso trabalho.
• Oração e Ação assemelham-se a um iceberg.
AÇÃO
ORAÇÃO
• Sejamos pois apóstolos de Cristo
em primeiro lugar pela oração e,
depois pela ação.
• Devemos trabalhar seriamente,
mas rezar com mais seriedade
acima.
• Façamos tudo, para que no final
possamos repetir o que disse São
Paulo:
• Gal 2, 20 - Eu vivo, mas já não
sou eu; é Cristo que vive em
mim. A minha vida presente, na
carne, eu a vivo na fé no Filho de
Deus, que me amou e se
entregou por mim.
• 6.Temos dons diferentes, conforme a graça
que nos foi conferida. Aquele que tem o
dom da profecia, exerça-o conforme a fé.
• 7.Aquele que é chamado ao ministério,
dedique-se ao ministério. Se tem o dom de
ensinar, que ensine;
• 8.o dom de exortar, que exorte; aquele que
distribui as esmolas, faça-o
com
simplicidade; aquele que preside, presida
com zelo; aquele que exerce a misericórdia,
que o faça com afabilidade.
voltar
• 11.Logo que a multidão o soube, o foi seguindo; Jesus
recebeu-os e falava-lhes do Reino de Deus. Restabelecia
também a saúde dos doentes.
• 12.Ora, o dia começava a declinar e os Doze foram dizerlhe: Despede as turbas, para que vão pelas aldeias e sítios da
vizinhança e procurem alimento e hospedagem, porque aqui
estamos num lugar deserto.
• 13.Jesus replicou-lhes: Dai-lhes vós mesmos de comer.
Retrucaram eles: Não temos mais do que cinco pães e dois
peixes, a menos que nós mesmos vamos e compremos
mantimentos para todo este povo.
• 14.(Pois eram quase cinco mil homens.) Jesus disse aos
discípulos: Mandai-os sentar, divididos em grupos de
cinqüenta.
• 15.Assim o fizeram e todos se assentaram. Voltar
Download

Oração - Formação - Ação (Cursilho)