Empreendedorismo
Flávio Miguel Varejão
www.inf.ufes.br/~fvarejao
fvarejao@inf.ufes.br
1
Questão Fundamental
• Quais são seus planos profissionais?
– Vida Acadêmica
– Funcionário de Empresa de Informática
– Funcionário de Grande Empresa
– Funcionário Público
– Empresário
– Outra Opção
• Em quais destas opções é necessário ser
empreendedor?
Apresentação do Curso
• Objetivos
– Disseminar a Cultura Empreendedora
– Estimular a Formação de Empreendimentos em
Informática
– Incentivar os alunos a Participarem do Ciclo de
Formação de Empresas Genevix/Softex/TecVitória
Apresentação do Curso
• Conteúdo do Curso
– Ciclo de Formação da Empresa (Pré-Incubação,
Incubação e Fortalecimento)
– Plano de Negócios
– Ética no Empreendedorismo
– Capital de Risco
– Postura Comportamental do Empreendedor
– Noções sobre como abrir uma Empresa
Apresentação do Curso
• Conteúdo do Curso
– Noções de Marketing para Empresas de Informática
– Pesquisa sobre Mercado Capixaba de TI
– Depoimentos
• Empreendedores Bem Sucedidos
• Empreendimento que não deu Certo
• Grandes Consumidores de Empreendedorismo em TI
• Grande Produtora de TI
• Incubados da TecVitória
Apresentação do Curso
• Método de Ensino
– Palestras, Depoimentos e Debates
• Critérios de Avaliação
– Presença e Participação em Sala de Aula
• Chamada no início e fim
• Lista de presença no meio
– Plano de Negócios
• Grupos (de até 3 componentes)
• Documento
• Apresentação em Sala de Aula
Apresentação do Curso
• Bibliografia
– Oficina do Empreendedor
• Fernando Dolabela
• Cultura Editores Associados
• 1999
– Construindo Planos de Negócios
• Salim, Hochman, Ramal e Ramal
• Editora Campus
• 2001
– Material Adicional (slides e artigos)
Qual o tema do empreendedorismo?
Desenvolvimento
Capital Humano
Capital Social
Cooperação
Empreendedorismo
Rede
Democracia
8
Fonte: AED
Questões clássicas
• É possível ensinar alguém a ser empreendedor ?
• Como professores não especialistas podem ensinar nesta área?
• Empreendedor nasce pronto? (Resultado de genes favoráveis)
• Para ser um bom empreendedor tem que ser um bom
gerente?
• Algumas condições (culturais, sociais, econômicas, etc.)
produzem mais empreendedores?
9
Questões propostas pela realidade brasileira
Como vencer os obstáculos culturais ao
empreendedorismo no Brasil?
Valor negativo do trabalho;
Estigma do fracasso,
Sonho pouco vinculado ao trabalho
Busca da estabilidade;
Aversão ao risco;
Cultura da dependência;
Imagem negativa do empresário
Síndrome do empregado
A “síndrome do empregado”
• É dependente, no sentido de que necessita de alguém para se
tornar produtivo; para trabalhar.
• Descuida de outros conhecimentos que não sejam voltados à
sua especialidade.
• Domina somente parte do processo.
• Não é auto-suficiente; exige supervisão e espera que alguém
lhe forneça o caminho.
• Não busca conhecer o negócio como um todo: a cadeia
produtiva, a dinâmica dos mercados, a evolução do setor.
• Não se preocupa com o que não existe ou não é feito; tenta
entender, especializar-se e melhorar somente o que existe.
• Não se preocupa em transformar as necessidades dos clientes
em produtos/serviços.
A “síndrome do empregado”
• Não sabe ler
oportunidades;
o
meio
ambiente
externo:
ameaças,
• Não é pró-ativo;
• Raramente é agente de inovações, não é criativo, não gera
mudanças e não muda a si mesmo;
• Faz mais do que aprende;
• Não se preocupa em formar a sua rede de relações, estabelece
baixo nível de comunicações;
• Tem medo do erro, (que é punido em nosso sistema de ensino e
em nossa sociedade) e não o toma como fonte de
aprendizagem.
• Prioriza o que se passa dentro da organização, em detrimento
do que acontece fora.
Mudanças na organização do trabalho e suas
repercussões na educação empreendedora
Mundo para o qual fomos preparados
Indivíduo
Dependência
Know how
Emprego
Competição
Trabalho
Mundo em que vivemos
Autonomia
Indivíduo
Gerar conhecimentos
Oportunidade
Cooperação
Trabalho
13
Onde estamos? Fases do empreendimento
6
1
2
Da
motivação
à
ideía
Da
perplexidade
à motivação
3
Da
idéia
ao
Plano
4
5
Da
decisão
ao
produto/se
rviço
Do Plano
à negociação
7
Do
produto
ao
nasci-
mento
Empreendedorismo
+
Gerência
Do nasci mento à sobrevivência
8
Da
sobrevivência
ao crescimento
Empreendedorismo
9
10
n
Crescimento
Estágio I
Crescimento
Estágio II
Crescimento
Estágio n
Gerência
+
Empreendedorismo
14
•geração de empresas
•geração do auto-emprego
Empreendedores, quem são eles ? (1)
• O empreendedor tem um “modelo” que o influencia.
• Tem iniciativa autonomia, autoconfiança, otimismo,
necessidade de realização.
• O fracasso é visto como um resultado.
• Energia
• Luta contra padrões impostos. Diferencia-se. Tem a
capacidade de ocupar um intervalo não ocupado por
outros no mercado.
• Tem forte intuição. Como no esporte, o que importa não é
o que se sabe, mas o que se faz.
• Comprometimento. Ele crê no que faz. Orientado para
resultados.
16
Empreendedores, quem são eles ? (2)
• Trabalhador incansável.
• Sonhador realista.
• É racional, mas usa também a parte direita do cérebro.
• Líder. Sistema próprio de relações com empregados.
“Líder de banda”.
• Orientado para o futuro.
• Dinheiro como uma das medidas de desempenho
• Rede de relações moderadas. Rede interna é também
muito importante .
• Conhecimento do negócio.
• Cultiva a imaginação e aprende a definir visões
17
Empreendedores, quem são eles ? (3)
• Traduz os seus pensamentos em ações.
• Define o que deve aprender (a partir do não definido) para
realizar as suas visões (aprender a aprender, pró-ativo). Fixador
de metas
• Método próprio de aprendizagem. Aprende a partir do que faz.
Emoção e afeto são determinantes para explicar o seu interesse.
Aprendem indefinidamente
• Internalidade. Empresa é um sistema social que gira em torno do
empreendedor.
• Assume riscos moderados
• É inovador e criativo
• Alta tolerância à ambigüidade e incerteza
18
Quem é o empreendedor?
“O empreendedor é alguém capaz de
identificar,
agarrar
e aproveitar
oportunidade,
buscando e gerenciando recursos para transformar a
oportunidade em negócio de sucesso (Timmons)
“O empreendedor imagina, desenvolve e realiza visões”
(Filion)
“O empreendedor é alguém que sonha e tenta transformar
o seu sonho em realidade” (Dolabela)
19
OFICINA
DO
EMPREENDEDOR
20
Os 8 caminhos
1 Conceito de si
2 Perfil empreendedor
3 Criatividade
4 Visão
5 Relações
6 Validação da idéia
7 Plano de Negócios
8 Negociação
21
Negociação
• Faz parte da rotina do empreendedor: negocia com
clientes, fornecedores, sócios, colaboradores, terceirizados,
financiadores, etc.;
• Saber exatamente o que deseja, objetivos claros;
• Abertura e franqueza entre os negociadores: desarme;
• Conhecimento profundo do parceiro da negociação;
• Jamais deixar o outro em desvantagem;
• Saber ouvir
22
Plano de Negócios
• Forma de pensar sobre o futuro do negócio:
– Onde ir, como ir rapidamente
– O que fazer durante o caminho para diminuir incertezas e riscos
• Descreve a oportunidade de um negócio:
– Porque a oportunidade existe e porque o empreendedor e sua
equipe tem condições de aproveita-la
– Como o empreendedor (e equipe) pretende agarra-la
– Instrumento de negociação interna e externa, para administrar a
interdependência
– É mais um processo do que um produto
– Não é o negócio
– Não é imutável
23
Plano de Negócios
MakeMoney
mmoney@doctorsys.com.br
Apresentação
24
Gerente versus
empreendedor
25
Gerente x empreendedor
Diferenças nos sistemas de atividades
Gerente
Empreendedor
Tenta otimizar os recursos
para atingir metas
Estabelece uma visão e objetivos
e depois localiza os recursos
A chave é adaptar às mudanças
A chave é iniciar a mudanças
Opera dentro de uma estrutura
existente
Define tarefa e papéis que criam
uma estrutura de organização
Ênfase no hemisfério esquerdo
Ênfase no dois hemisférios
26
Gerente x empreendedor
Diferenças nos sistemas de atividades
Gerente
Empreendedor
Busca aquisição de conhecimentos
gerenciais e técnicos.
Apoia-se na auto-imagem geradora
de visão, inovação. Aquisição de
know how e know who
Padrão de trabalho implica análise
racional.
Padrão de trabalho implica
imaginação e criatividade
Trabalho centrado em processos
que levam em conta o meio em
que ele se desenvolve
Trabalho centrado no planejamento
de processos que resultam de uma
visão diferenciada do meio
Apoiado na cultura da afiliação
Apoiado na cultura da liderança
27
Gerente x empreendedor
Diferenças-chave no ensino
Gerente
Empreendedor
Centrado no trabalho em grupo
Centrado na evolução individual
e na comunicação grupal
Desenvolve padrões para a busca
de regras gerais e abstratas
Desenvolve padrões para a busca
de aplicações concretas e
específicas
Baseado no desenvolvimento do
conceito de si, com ênfase na
adaptabilidade.
Baseado no desenvolvimento do
conceito de si, com ênfase na
perseverança
Voltado para a aquisição de know
how em gerenciamento de recursos
e da área de própria especialização
Voltado para a aquisição de know
how em definir contextos que
levam à ocupação de um espaço no
mercado
28
Conteúdo e habilidades
Conteúdo
KNOW WHY
(atitudes, motivação, valores)
Habilidades individuais
.Auto confiança, motivação para
realizar, perseverança, risco
KNOW HOW (habilidades)
.Habilidades técnicas
KNOW WHO (relações)
.Habilidade para networking
KNOW WHEN (oportunidade)
.Experiência e intuição
KNOW WHAT (negócio)
.Conhecimento do setor de atuação
O processo de aprendizagem do empreendedor na
pequena empresa
• Solucionando problemas
• Fazendo sob pressão
• Interação com os pares e outras pessoas
• Trocas com o ambiente
• Aproveitando oportunidades
• Copiando outros empreendedores
• Pelos próprios erros: é uma área em que se podem
cometer erros (pequenos) porque há liberdade.
• Através do feedback dos clientes
30
Peculiaridades da pequena empresa
(Allan Gibb )
• Dominada pelo líder.
• Papeis multifuncionais para os gerentes
• Equipe de gerenciamento muito pequena.
• Sistemas de controle informais.
• Controle limitado do meio ambiente e poucos recursos para
pesquisá-lo.
• Capacidade limitada de obtenção de capital
• Processo tecnológico limitado, em escala de produção.
• Faixa de produtos limitada, embora grande flexibilidade dentro da
faixa.
• Mercado limitado e, freqüentemente, parte pequena deste mercado
31
O que o futuro empreendedor acha...
Que vai ser?
Que é?
32
Mas na verdade
tem que estabelecer
relações com...
33
De César...
passa a rezar
34
Na verdade, o empreendedor emergente tem que conseguir a
interdependência com cada um destes grupos em condições de incerteza
35
Os sócios
Algumas regras para a sociedade:
(50% dos empreendedores trabalham em parceria.
Ficam mais tempo com o sócio do que com o cônjuge.)
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Formação semelhante
Confiança
Necessidades comuns
Aceitação mútua
Visões partilhadas (problema: sucessão)
Valores partilhados
Complementaridade
Bom contrato legal (shot gun clauses)
Muita comunicação. (Ideal: somente entre os sócios. Os maiores
problemas surgem do envolvimento dos familiares)
36
Idéia e oportunidade
– Idéias não são necessariamente oportunidades
– A oportunidade deve se ajustar ao empreendedor
– Características da oportunidade:
» atraente,
» durável,
» tem uma hora certa,
» é ancorada em um produto ou serviço que cria ou
adiciona valor para o seu comprador
– É um alvo móvel. Se alguém a vê, ainda há tempo de aproveitá-la.
– Um empreendedor habilidoso dá forma a uma oportunidade onde
outros nada vêem, ou vêem muito cedo ou tarde.
– Não é questão de usar técnicas, checklists e outro métodos
37
Fontes de idéias
• Pesquisa universitária
• Olhar nas ruas
• Idéias que deram certo em outros lugares
• Experiência enquanto consumidores
• Experiência no emprego
• Mudanças demográficas e sociais
• Caos econômico, crises, atrasos
• Como usar as capacidades e habilidades pessoais
• Franquias
38
Download

Introdução ao Empreendedorismo