Material e Métodos
• A região de estudo abrangeu três distritos ribeirinhos do
município de Itaocara – RJ.Neste período, foram
realizados 4 diferentes etapas de trabalhos:
Varre-Sai
Porc iúnc ula
Nativida de
Bom Jesus
do Itab apoa na
Itaperuna
Laje do
Muriaé
São Franc isc o
de Itab apoa na
São José
de Ubá
Mirac ema
Italva
Cambuc i
Card oso Moreira
Santo Antô nio
de Pá dua
Aperibé
São Fid élis
Itaoc ara
Campo s d os Goytac azes
Cantag alo
Carm o
Sapuc aia
Dua s Ba rras
Valenç a
Resende
Trajano de Morais
S. José d o Va le
do Rio Preto
Are al
Paty do Alferes
Qua tis
Vassoura s
Porto
Rea l
Rio Claro
Angra d os Reis
Ma nga ra tiba
Sum id ouro
Teresópolis
Ja peri
Cara pebus
Ma c aé
Nova Friburgo
Rio d as Ostras
Cac ho eiras
de Ma c ac u
Casimiro de Ab reu
Gua pimirim
Para c amb i
Quissam ã
Conc eiç ão
de Ma c abu
Bom Jardim
Petrópolis
Barra do Piraí
Volta
Engº Paulo
Miguel Pereira
Red ond a
de Frontin
Pinheira l
Mendes
Barra Mansa
Piraí
Ma c uc o
Cordeiro
Três Rios
Para íba do Sul
Itatiaia
São Joã o
da Barra
São Sebastião
do Alto
Santa Maria Mada lena
Com. Levy
Gaspa rian
Rio d as Flores
Nova
Iguaç u
Duq ue
de Caxias
Que im ados Belford
Roxo
Serop édic a
S. Joã o
Mesq uita
de Me riti
Itaguaí
Nilóp olis
Rio de Janeiro
Silva Jard im
Ma gé
Itaboraí Ta nguá Rio Bonito
São Gonç a lo
Niterói
Saquarema
Ara ruam a
S.Pedro
da Ald eia
Iguaba
Gra nd e
Arm aç ão d os Búzios
Cabo Frio
Ma ric á
Arraial do Cabo
Para ti
Cambuci
São
Fidélis
Aperibé
Rio Paraíba do
Sul
Rio
Pomba
Itaocara
Material e Métodos
• A região de estudo abrangeu três distritos ribeirinhos do município
de Itaocara – RJ.Neste período, foram realizados 7 diferentes
etapas de trabalhos:
• Etapa 1: Repasse de informações aos públicos-alvos.
• Elaboração de um folder educativo, com 5.000 tiragens,
apresentando informações sobre o Domínio das Ilhas Fluviais para
distribuir ao longo da proposta de trabalho.
•
Etapa 2: Elaboração e aplicação de quatro questionários técnicos:
–
públicos-alvos: donas de casa (8%= 570);
– donos de bares e restaurante (100% = 18);
– donos de peixarias (100% = 18);
– pescadores artesanais (50% = 63) .
Material e Métodos
• Etapa 3 – Análise dos dados.
• Etapa 4 – Reuniões Participativas para
disseminação e debate referente aos resultados dos questionários.
Resultados e Discussão
• Tema abordado: Compra de peixe durante a
piracema
• Donos
de bares e restaurantes
• 61,11% não Compram (conhecem as ações
do Projeto Piabanha );
Resultados e Discussão
• Compra de peixe durante a piracema:
– Donas de Casa
• 331 ou 59% compravam;
• 201 ou 35% não compravam;
• 30 ou 6% não se lembraram de tal prática.
• Obs: 357 (63 %) responderam não conhecer
tal fenômeno.
• Uma vez informadas 90% deixariam de
comprar peixes do rPS pelo menos durante
este período reprodutivo.
Resultados e Discussão
• Pesca durante a piracema:
– Pescadores artesanais
•47 pescadores (37,30%) pescam;
– Conhecem a proibição da pesca, quando os
peixes estão ovados e preparados para a
reprodução;
Ovário em estádio avançado de
maturação
• Pesca durante a piracema:
– 40,85% dos pescadores entrevistados
promovem um extenuante esforço de
captura nos estoques em formação de
Prochilodus lineatus uma vez que
afirmaram ser a curimatã a espécie
mais pescada.
– Como a pesca faz parte de um elo na
cadeia produtiva, o impacto se prolonga
entre as peixarias, as donas de casa e
os donos de bares e restaurantes.
• Peixarias - Venda durante a piracema:
– A curimatã (Prochilodus lineatus) é a
espécie mais vendida.
– Vendida sob forma de filé.
– O mesmo ocorre nos bares e
restaurantes.
– Obs. A maioria fora do tamanho
mínimo de captura.
• Venda de pescado na piracema
durante a piracema:
– O quilograma de curimatã é
vendido entre R$1,50 a
R$3,00, dependendo dos
tamanhos dos exemplares,
sendo os peixes capturados
fora do tamanho mínimo os
mais baratos.
• Peixarias - Venda durante a piracema:
– A curimatã (Prochilodus lineatus) é a
espécie mais vendida.
– Vendida sob forma de filé.
– O mesmo ocorre nos bares e
restaurantes.
– Obs. A maioria fora do tamanho
mínimo de captura.
• Em relação às atividades decorrentes da pesca, como
a captura, venda e distribuição do pescado no
município de Itaocara, foi observado que há
desconhecimento do público-alvo em relação aos
procedimentos básicos de proteção e manutenção dos
estoques pesqueiros, bem como das normas legais
estabelecidas pela legislação em vigor.
– Um exemplo: tamanho da primeira reprodução do
piau vermelho (Leporinus copelandii) : 13 a 41 cm.
• Segundo Costa (2005), entre as fêmeas de
Leporinus copelandii, coletadas no rio
Paraíba do Sul, o menor exemplar
apresentou comprimento padrão de 19,1
cm e o maior 35,3 cm. Estes exemplares
apresentaram ovários em estádio de
maturação gonadal avançada (preparados
para desovar) e desovado,
respectivamente, evidenciando aptidão
para a reprodução.
– Apenas uma minoria, 12 pescadores
(19,05%), demonstraram conhecer o
tamanho aproximado da primeira
reprodução.
Download

Clique aqui para obter o arquivo