Esoterismo

Esoterismo: é o nome
genérico que designa um
conjunto de tradições e
interpretações filosóficas
das doutrinas e religiões
que buscam desvendar
seu sentido oculto.

Esô ( significa «dentro
de») e teros (significa
«observar, espiar»)
Esoterismo
“ Doutrina e Misticismo “
Estudo que se oculta às pessoas,
revelando-se no tempo certo, aos
iniciados, não em escolas, mas
solitariamente, através da leitura de
livros espiritualistas.
Esoterismo

O fundador do
esoterismo foram
antigos filósofos e
pensadores romanos

Surgiu na época do
período helenístico da
Grécia.
Esoterismo

No esoterismo não possui qualquer livro
sagrado, ele visa uma ampla área de
conhecimento, ele apenas complementa as
idéias das pessoas.

Já que o esoterismo não é uma religião, ele não
possui ordens, portanto não se usa vestimentas,
nem possui proibições.

Não existem igrejas esotéricas pois é apenas
um caminho de conhecimentos como filosofia.
Esoterismo

RITUAIS
Trata-se de uma metafísica tradicional, una e
universal, que não se apresenta como
exposição sistemática e exige que o discípulo,
no decorrer do processo de iniciação, procure
pela meditação dos símbolos postos em ação
pelo ritual, a philosophia perennis que ela
encerra, sempre idêntica ao longo das diversas
épocas.
Idéia Central do Esoterismo
 Pesquisar
o conhecimento perdido e
utilizar todas as técnicas possíveis para
que cada homem consiga transmutar o
velho em novo, as trevas em luz, o mal
em bem. Enfim, para que o esotérico
consiga fazer a alquimia da sua própria
alma e ascender rumo ao Criador.
Cristianismo Esotérico

É a vertente do Cristianismo composta pelas escolas de
mistérios, constituindo o que se conhece como a parte
mística do Cristianismo. Trata-se de um segmento
minoritário, uma vez que não se dirige às massas nem
faz proselitismo, e não é estruturado em igrejas, apesar
de a maioria das escolas terem rituais específicos. As
bases da doutrina cristã esotérica se diferenciam dentro
da comunidade cristã especialmente pelo fato de a
reencarnação e o evolucionismo constituírem seus
pontos-chave. Assim como as demais vertentes cristãs,
considera-se a Bíblia e, especialmente os Evangelhos
como fontes de autoridade dos mistérios de Deus, mas
a Bíblia não é considerada a "palavra de Deus" nem
deve ser interpretada literalmente, ou considerá-la à
prova de erros.
Fundamentos Bíblicos

O Caminho: « Ego sum Via, Veritas et Vita »
Jesus respondeu-lhe: «Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.
Ninguém pode ir até ao Pai senão por mim. (João 14:6)
 O Conhecimento Esotérico
Respondendo, disse-lhes: «A vós é dado a conhecer os mistérios do
Reino do Céu, mas a eles não lhes é dado. (Mateus 13:11)
Disse-lhes: «A vós foi dado a conhecer os mistérios do Reino de Deus;
mas aos outros fala-se-lhes em parábolas, a fim de que, vendo, não
vejam e, ouvindo, não entendam.» (Lucas 8:10)
 A Vivência Mística (o coração)
Jesus disse, então, aos discípulos: «Se alguém quiser vir comigo,
renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. (Mateus 16:24)
Depois, dirigindo-se a todos, disse: «Se alguém quer vir após mim,
negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, dia após dia, e siga-me. (Lucas
9:23)
 O Estudo Oculto (a mente)
e disse: «Em Verdade vos digo: Se não voltardes a ser como as
criancinhas, não podereis entrar no Reino do Céu. (Mateus 18:3)
Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como um
pequenino, não entrará nele.» (Marcos 10:15)
Esoterismo

Não existe um lugar sagrado no esoterismo,
mas existem lugares que atraem pessoas
interessadas em recarregar suas energias e
buscar um encontro com si mesmos.
Esoterismo
 ABORTO
A MAIORIA diz:
Ninguém,
absolutamente
ninguém, possui o
direito de se intrometer
em questões privadas
e obrigar uma
gestação de um ser.
Esoterismo
 EUTANÁSIA
A MAIORIA DIZ:
Nenhum ser tem direito de tirar a vida de
outro, pois o corpo pode estar fraco, mas
a energia (luz da alma) está sempre viva
até sua morte de fato.
Esoterismo
 Visão
de vida:
Independente de opção religiosa ou de visão
de mundo filosófica, qualquer um que eleve
seu pensamento ao amor infinito de Deus,
agradecendo sua sagrada presença, estará
no caminho certo para enfrentar as
dificuldades e se projetar para um nível de
energia mais aprimorado, melhorando suas
oportunidades na vida.
Gnosticismo

Designa o movimento histórico e religioso cristão que
floresceu durante os séculos II e III, cujas bases
filosóficas eram as da antiga Gnose (palavra grega que
significa conhecimento), com influências do
neoplatonismo e dos pitagóricos. Este movimento
reivindicava a posse de conhecimentos secretos (a
"gnose apócrifa", em grego) que, segundo eles, os
tornava diferentes dos cristãos alheios a este
conhecimento. O gnosticismo combinava alguns
elementos da Astrologia e mistérios das religiões
gregas, mistérios de Elêusis, bem como os do
Hermetismo, com as doutrinas do Cristianismo.
Representação Gnóstica
Cristãos Gnósticos

Constituíram, nos primeiros anos dessa nossa era, uma
comunidade fechada, iniciática, que guardou os
aspectos esotéricos dos evangelhos, principalmente das
parábolas do Mestre Jesus, o Cristo, apresentando um
cristianismo muito mais profundo e filosófico do que
daqueles cristãos que ficaram conhecidos como a
ortodoxia.Dentre os grupos mais ativos nos dois
primeiros séculos de nossa era destacam-se os
naasenos(palavra em aramaico com o mesmo
significado de ofitas, de origem grega), perates,
sethianos (de orientação judaica) docéticos (que
propunham que a natureza exterior do Cristo era
ilusória), carpocráticos, basilidianos e valentinianos.
Gnosticismo Contemporâneo

O autor do livro “O
Código da Vinci” ,
Dan Brown, diz que
se baseou nos
evangelhos gnósticos
de Maria Madalena,
Filipe e Tomé, para
fazer as suas
afirmações contra a
Igreja Católica.
Exoterismo


É o oposto de esoterismo. A palavra deriva do vocábulo
grego εξωτερική (éksôtérikí) - de fora, exterior. Significa
algo que está disponível de forma pública, sem
limitações, ou universal.
Muitas sociedades secretas dividem-se em duas
secções: a exotérica ou "face pública" e a esotérica ou
"oculta" (que se encontra atrás de portas). Assim
encontramos diversas organizações como as
fraternidades ou irmandades, tais como a Maçonaria, as
quais estão acessíveis aos iniciados num determinado
nível mas que possuem níveis cada vez mais elevados
de iniciação para a progressão ou evolução de cada um
dos membros.
Esoterismo X Exoterismo

Esotérico: esôterikos (grego) - no interior (esô- = dentro), implicando
em intimidade, internalidade e privacidade da essência.
Etimológicamente, então, Esotérico se refere ao que está "dentro".
Alguns autores até propõem o uso do termo “endoterismo” que
facilitaria a compreensão de seu significado (um “conteúdo”, um
“âmago” e uma “essência”) porque só pode ser visto e
compreendido por quem está do lado de dentro.

Exotérico: eksôterikos (grego) - exterior, destinado aos leigos,
popular (eksô– = fora). Exoterismo é, então, o oposto de
esoterismo, significado algo que está disponível de forma pública,
sem limitações ou universal (uma “aparência”, uma "vestimenta" e
uma "decoração") porque pode ser visto e compreendido por quem
está do lado de fora.
Agnosticismo

As bases filosóficas do agnosticismo foram
assentadas no século XVIII por Immanuel Kant
e David Hume, porém só no século XIX é que o
termo agnosticismo seria formulado. Seu autor
foi o biólogo britânico Thomas Henry Huxley
numa reunião da Sociedade Metafísica, em
1876. Ele definiu o agnóstico como alguém que
acredita que a questão da existência ou não de
um poder superior (Deus) não foi nem nunca
será resolvida.
Agnosticismo

Agnosticismo" derivou-se da palavra grega
"agnostos", formada com o prefixo de privação
(ou de negação) "a-" anteposto a "gnostos"
(conhecimento). "Gnostos" provinha da raiz préhistórica "gno-",que se aplicava à idéia de
"saber" e que está presente em numerosos
vocábulos da língua portuguesa, tais como
cognição, cognitivo, ignorar, conhecer, ignoto,
ignorância, entre outros.
Grupos Agnósticos

A principal divisão interna do agnosticismo reside entre o
Agnosticismo Teísta e o Agnosticismo Ateísta. Diferenciam entre si
nos termos dos pressupostos para os quais ambos tendem, os
teístas partem do pressuposto que existe um Deus, Deuses ou
Divindades, os ateístas do princípio que tal é de todo inexistente,
embora ambos os grupos assumam que faltam provas que
comprovem um ou outro lado.
São igualmente considerados os seguintes grupos:





Agnosticismo Estrito; (forte, positivo, absoluto)
Agnosticismo Empírico; (suave, aberto, fraco)
Agnosticismo Apático;
Ignosticismo;
Agnosticismo Modelar.
Agnosticismo


Agnosticismo Estrito - (também chamado de
agnosticismo forte, agnosticismo positivo, agnosticismo
convicto ou agnosticismo absoluto) a idéia de que a
compreensão ou conhecimento sobre deuses ou o
sobrenatural se encontra totalmente fora das
possibilidades humanas e que jamais tal será possível.
Um Agnóstico Estrito diria "Eu não sei e você também
não".
Agnosticismo Empírico (também chamado agnosticismo
suave, agnosticismo aberto ou agnosticismo fraco) — A
idéia de que a compreensão e conhecimento do divino
ou sobrenatural não é até ao momento possível mas
que se aparecerem novas evidências e provas sobre o
assunto tal é uma possibilidade. Um Agnóstico Empírico
diria "Eu não sei. Você sabe?".
Agnosticismo


Agnosticismo Apático - a idéia de que, apesar da
impossibilidade de provar a existência ou inexistência de
deuses ou do sobrenatural, estes a existir não teriam
qualquer influência negativa ou positiva na vida das
pessoas, na Terra ou no Universo em geral. Um
Agnóstico Apático diria "Eu não sei, mas também para
que é que isso interessa?".
Ignosticismo - embora se questione a compatibilidade
deste grupo com o agnosticismo ou ateísmo há quem o
considere como um grupo agnóstico. Esse grupo basease no fato de que primeiramente é preciso definir Deus,
para apenas posteriormente discutir sua existência. Para
cada definição de Deus, pode haver uma discussão
diferente e diferentes grupos de ateus, teístas e
agnósticos referentes àquela definição particular. Um
Ignóstico diria "Não sei. O que considera "Deus"?".
Agnosticismo
Modelar — A idéia de que
questões metafísicas e filosóficas não
podem ser verificadas nem validadas, mas
que um modelo maleável pode ser criado
com base no pensamento racional. Esta
vertente agnóstica não se dedica à
questão da existência ou não de
divindades. Um Agnóstico Modelar diria
"Eu não sei. Mas podemos criar um".
 Agnosticismo
Agnosticismo e a Crença ou
Descrença em Deuses
Deuses ...

Se existem ou existiram deuses é considerada uma questão que não pode
ser finalmente respondida, ou que no mínimo não foi suficientemente
investigada antes que possa considerar satisfatoriamente respondida, pois
muitas coisas tidas como relacionadas podem ser freqüentemente
independentes. Mesmo com a comprovação e aceitação científica da
ancestralidade comum universal e do mecanismo de seleção natural, não é
possível afirmar que deuses não existam; isso apenas impede a
interpretação fundamentalista de diversos relatos de criação. Ao mesmo
tempo, uma hipotética refutação científica da ancestralidade comum
universal, Big-bang e outros eventos da história do universo, ou mesmo
uma eventual comprovação de algo como a vida após a morte, também
não seriam provas da existência de algum deus em particular ou de deuses
de modo geral.
 Para os agnósticos, assim como não é possível provar racionalmente a
existência de deuses e do sobrenatural, é igualmente impossível provar a
sua inexistência. Isso não é necessariamente visto como problema, já que
nenhuma necessidade prática nos impele a embrenharmos-nos em tal
tarefa estéril.
Agnosticismo X Aborto
 Agnósticos
crentes sabendo que sua fé se
baseia em argumentos a - racionais não a
utilizam para debater questões legais, por
exemplo a legalização ou não do aborto,
por saberem que sentimentos, como
gostos, não podem ser universalizados
por imposição. Nesse ponto se aproximam
dos crentes que aceitam a pluralidade de
caminhos espirituais.
Agnóstico Teísta ou Deísta

Um agnóstico pode ser tanto ateu quanto teísta
ou deísta. Alguém que admita ser impossível ter
o conhecimento objetivo sobre a questão —
portanto agnóstico — pode com base nisso não
ver motivos para crer em qualquer deus
(ateísmo fraco), ou pode, apesar disso, ainda
crer em algum deus por fé (fideísmo). Nesse
caso pode ser ainda um teísta, caso acredite em
conceitos sobrenaturais como propostos por
alguma religião ou revelação, ou um deísta,
caso acredite na existência de algo
consideravelmente mais vago.
Fé e Conhecimento

De acordo com a tradição filosófica, é considerado conhecimento
uma crença que seja verdadeira e adequadamente justificada.
Dessa perspectiva, dizer que acredita em algo sem alegar que isso
constitua conhecimento não é contraditório; é apenas incomum, já
que normalmente se supõe que as pessoas com determinada
crença afirmem que ela seja necessariamente verdadeira (e a parte
da justificação costuma ser simplesmente esquecida).

Conhecimento no Agnosticismo:
Postula-se que a compreensão dos problemas metafísicos, como a
existência de Deus, é inacessível ou incognoscível ao entendimento
humano na medida em que ultrapassam o método empírico de
comprovação científica. Assim, o conhecimento da existência de
Deus é considerado impossível para agnósticos teístas ou ateístas.
Agnosticismo
“O agnosticismo separa aqueles que
acreditam que a razão não pode penetrar
o reino do sobrenatural daqueles que
defendem a capacidade da razão de
afirmar ou negar a veracidade da crença
teística”.
Bibliografia

ANES, José Manuel, Re-Criações Herméticas, Hugin
Editores, Lisboa 1996.

RIFFARD, Pierre A., L’ésotérisme : Qu’est-ce que
l’ésotérisme? Anthologie de l’ésotérisme occidental,
Robert Laffont, Paris 1990.

RIFFARD, Pierre A., Dicionário de Esoterismo, Editorial
Teorema, Lisboa 1994 .

MENDANHA, Victor, O Esoterismo da Quinta da
Regaleira, Hugin Editores, Lisboa 1998.