Será que na Era Digital o Desenho
Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
Resumo
Andréa Sampaio
asampaio.trp@terra.com.br
Universidade Federal Fluminense – UFF
Escola de Arquitetura e Urbanismo
Departamento de Arquitetura
Andréa Borde
andreaborde@pobox.com
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Faculdade de Arquiteturae Urbanismo
Departamento de Análise e Representação
da Forma-DARF
Programa de Pós Graduação em Urbanismo
PROURB
As inovações tecnológicas imprimem uma dinâmica que não privilegia o processo reflexivo. O novo é
absorvido, em muitos casos, de forma imediata e acrítica. Ao nível do ensino de Arquitetura e
Urbanismo não se deve prescindir de uma reflexão mais sistemática sobre o impacto das novas
tecnologias informacionais na formação dos estudantes. Sendo os códigos visuais a forma de expressão
dos arquitetos é importante retomar a questão central do desenho como linguagem e reavaliá-la à luz
da nova realidade. Diante da necessidade de ampliar a discussão sobre este tema, e fundamentar
teoricamente questões didáticas de ordem prática, pretende-se investigar as implicações do uso do
suporte informatizado - particularmente os sistemas CAD - na expressão gráfica, na projetação e seus
reflexos na formação dos futuros arquitetos. Aprender a pensar visualmente e exercer este domínio,
tanto nos meios tradicionais quanto nos digitais, torna-se um desafio para os estudantes de hoje.
Abstract
Technological innovations are driven in such dynamism, which do not favour a reflective process. Novelty
is absorbed, in many cases, without criticism, in an immediate way. Concerning Architectural and Urbanism
Education, a systematic reflection on the impact of new information technology to students training should
not be omitted. As visual codes are the prime expression of architects, it is important to evoke the
assumption of drawing as a language in order to evaluate it in regard to the new reality. Intending to broaden
the discussion on these issues and to pose in theoretical means practical matters on didactics, it will be
investigated the implications of computational resources – specially CAD systems – in graphic expression,
in design thinking and their consequences to the education of future architects. Learning visual thinking,
and being skilful at traditional as much as digital means, challenges today’s student.
Desenho: marca registrada do Arquiteto?
“Não somos nós que falamos uma linguagem, é ela que fala por nós”.
Zevi (1981)
Desenhos de renomados arquitetos podem ser tão expressivos e reconhecidos quanto
suas obras. Frank Lloyd Wright, Le Corbusier, Alvar Aalto, Carlos Scarpa, Aldo Rossi, Michael
Graves, Mario Botta, Steven Holl, Helmut Jahn, Frank O. Gehry, Zaha Hadid e Peter Eisemann,
para citar apenas alguns dos mais conhecidos nomes da arquitetura contemporânea, produzem
desenhos inconfundíveis, profundamente identificados com o seu próprio fazer arquitetônico.
No contexto da arquitetura brasileira, pode-se destacar a contribuição dos riscos de
arquitetos como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Carlos Leão, Vilanova Artigas, Lina Bo
Bardi e Éolo Maia para o reconhecimento da arquitetura brasileira contemporânea. Dentre
eles Niemeyer se sobressai por pensar e falar graficamente. Seu traço minimalista que
expressa sinteticamente a forma arquitetônica e as várias associações que contribuíram
para a sua prefiguração. Ainda que não intencionalmente, a identificação com o desenho de
Niemeyer inspirou vários arquitetos que, tal como o mestre buscam expressar graficamente
a intima relação entre pensamento arquitetônico e representação.
O advento das novas tecnologias de informação aplicadas à arquitetura e ao urbanismo,
sobretudo a partir dos anos 80, produziu uma grande reviravolta na expressão do
pensamento arquitetônico. Alguns arquitetos adotaram imediatamente o computador
como ferramenta para a produção de desenhos técnicos enquanto outros rejeitavam por
principio esta nova ferramenta. Com a standartização anunciada dos desenhos produzidos
através do computador que lugar caberia ao desenho como marca registrada do arquiteto?
O desenho não é um instrumento neutro, cientificamente isento. Pelo contrário, ele deve
traduzir as intenções de projeto, seduzir ou informar. Neste sentido a opção do arquiteto
por uma determinada linguagem reflete a mensagem a ser transmitida através de sua obra
e a unicidade da mesma. O meio de representação escolhido para transmitir esta mensagem
é também a própria mensagem. Os meios de representação e a linguagem variam de
acordo com a mensagem a ser transmitida e os códigos de linguagem.
Como linguagem, o desenho é acessível a todos. (Artigas, 1999). Esta compreensão,
fundamental para balizar o processo de aprendizagem da representação arquitetônica,
derruba o mito romântico de que para desenhar é preciso ter talento, imaginação e
vocação. Como linguagem, o desenho admite inovações e modismos que podem chegar
ate mesmo a serem incorporados ao seu corpo desde que sejam reconhecidos como
códigos validos por parte do emissor e do receptor. Já se ultrapassou a etapa de considerar
Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
381
os códigos das novas tecnologias informacionais aplicadas à arquitetura e ao urbanismo
como modismo. Talvez ainda se esteja na fase de considera-los como um dialeto acessível
apenas a um grupo restrito àqueles que têm acesso ao computador. Seja como for as
transformações operadas com o advento desses novos códigos no processo de projetação
e de representação gráfica do pensamento arquitetônico são irreversíveis e devem ser
analisadas e assimiladas de forma critica e reflexiva.
Pensamento Arquitetônico e Representação Gráfica
É possível considerar que o desenho do arquiteto tem potencial para vir a ser a sua marca
d’água. Tal como as suas criações, muitas arquitetos se sobressaem através da historia da
arquitetura pela maneira como expressam o seu pensamento arquitetônico. Esta
expressão, assim como o próprio projeto arquitetônico, são indissociáveis da época em
que são produzidos e dos meios disponíveis para torna-los realidade. O projeto e sua
expressão marcam a forma pela qual o arquiteto se posiciona em relação a sua época e aos
meios de representação disponíveis. A historia da arquitetura e de sua representação
demonstra que as dimensões técnica e artística intrínseca ao desenho receberam diferentes
pesos ao longo do tempo. Os desenhos dos arquitetos são capazes de traduzir as
inquietações da época quanto a estas duas dimensões.
No Renascimento, as novas possibilidades acenadas pelos novos métodos construtivos
desafiavam os sistemas de representação existentes. Era necessário criar uma nova forma
de representar o mundo, uma vez que o mundo mudara: agora o homem, e não mais o
Deus onipresente, era o centro de todas as coisas. Era a forma que ele via o mundo que
importava: os eu ponto de vista. O arquiteto passara a ser aquele que projetava e que
devia traduzir a sua criação em um código comum ao construtor. Imbuído destas inquietações
Brunelleschi estabeleceu os parâmetros para a criação de um novo método de
representação: a perspectiva. Para que a cúpula da Igreja de Santa Maria Del Fiori fosse
construída foi necessário criar uma maneira de representar, graficamente, a sua estrutura
tridimensional uma vez que as formas de representação eram insuficientes.
O desenho artístico assume um novo papel com o surgimento do desenho projetivo. O
Desenho passou a ser linguagem da técnica e da arte. Os dois conteúdos tornam-se entrelaçados.
“No Renascimento o desenho ganha cidadania. E se de um lado é risco, traçado, mediação
para expressão de um plano a realizar, linguagem de uma técnica construtiva, de outro é
desígnio, intenção, propósito, projeto humano no sentido de proposta do espírito. Um
espírito que cria objetos novos e os introduz na vida real”. (Artigas, 1999).
Na Revolução Industrial a maquina operava transformações profundas na estrutura social e
na forma de perceber e representar o mundo. A perspectiva renascentista não era mais
suficiente para representar a máquina em todos os seus detalhes construtivos. Novos
métodos de representação são desenvolvidos. Os projetos passam a ser representados de
acordo com os diversos sistemas de projeção desenvolvidos: ortogonal, cônico e paralelo.
Apesar do conflito conceitual entre a Arte e a Indústria, a necessidade da indústria nascente
disputar mercados produziu um enriquecimento do desenho. Tudo que existe, para além
da natureza, antes de ser confeccionado foi antes desenhado passa a ser uma máxima. Do
projeto arquitetônico às roupas, dos novos artefatos industriais às máquinas que os
produzem tudo precisa ser desenhado. As Exposições Internacionais são concebidas para
exibir os novos produtos criados. Exibe-se desde os prédios das exposições como os
produtos que nele são expostos.
Até o surgimento do Movimento Moderno na segunda década do século XX impera o
desenho ilustrativo da tradição da Beaux-Arts. O Modernismo rompe com o processo de
concepção do projeto arquitetônico. A casa não é mais a pequena cidade de Alberti, mas a
maquina de morar corbuseana e como tal passa a ser representada. Le Corbusier, arquiteto
franco suíço de formação beaux artiana é o principal mentor do Movimento Moderno na
arquitetura. Corbusier alia a sua experiência de registro das diferentes paisagens que ia
conhecendo nas suas viagens a um rigoroso desenho técnico dos seus projetos. Seus
cadernos de viagem são notórios. Neles os croquis de paisagem eram acompanhados de
comentários, desenhos de mulheres e animais. Croquis que provavelmente serviriam de
referência mais tarde para um determinado projeto (Fraser e Henmi, 1994).
Na década de 70 alguns escritórios de arquitetura trariam para seus desenhos outros recursos
de expressão gráfica, tornando-os verdadeiros manifestos, rompendo, assim, com os padrões
estéticos vigentes de ilustração para arquitetura e urbanismo. Aldo Rossi, Morphosis e Rem
Koolhas, entre outros, podem ser apontados como precursores desta estética.
382
Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
Na década de 80 o computador passa a ser utilizado de forma mais sistemática na
arquitetura revolucionando a maneira de representar e de conceber a arquitetura. A
partir desta década o desenho arquitetônico assistido por programas de computador
passou a fazer parte do cotidiano dos arquitetos e urbanistas, agilizando significativamente
a produção de desenhos técnicos.
Na última década despontaram novas possibilidades de utilização dos recursos da
computação gráfica aplicada à arquitetura e ao urbanismo. Os novos equipamentos e
ferramentas trouxeram antes de tudo um refinamento nas apresentações dos tipos de
desenho já conhecidos. (Uddin, 1997). Hipertextos, realidade virtual e ciberespaço prometem
simulações de apreensão dos espaços arquitetônicos em intensidade muito próxima à
realidade. O virtual passa a ser uma nova realidade. Uma realidade de outro tipo onde
ideação, concepção e representação de um projeto ocorrem quase que simultaneamente
(Barros e Bund, 1998).
Projetos como o museu de Bilbao (Frank O. Gehry), por exemplo, seriam impensáveis
sem a utilização do computador na concepção e representação dos mesmos. É inegável a
facilidade de manipulação da forma através da computação gráfica. O processo de acerto
e erro, parte integrante do processo projetual, também é agilizado com a computação
gráfica. Atualmente, as inquietações atuais, ao menos as terceiro mundistas, se relacionam,
aos limites e possibilidades acenados pela aplicação da informática na arquitetura e no
urbanismo: apenas uma nova ferramenta ou uma nova forma de pensar e representar a
arquitetura e o urbanismo?
“Frente a isso, o croqui estará com seus dias contados? Os recursos gráficos da informática ainda são
limitados, resultando desenhos com rendering convencionais e frios enquanto expressão plástica. (...)
Quem sabe no futuro vai ser possível fazer croquis no computador, com a mesma simplicidade, rapidez
e intimidade com que a mão trabalha a grafite sobre papel. O prazer do risco natural de um lápis, de um
crayon de um giz, de uma caneta, ou do ponteiro de um computador, continuarão registrando e
expressando as fantasias arquitetônicas e a paixão do ofício de arquitetar”.(Dourado 1994).
Projetação e Representação
Projetação e a representação estão estreitamente ligadas aos atos de criar e desenhar.
Estes, por sua vez, incorporam e traduzem as intenções e expectativas do arquiteto
quanto ao objeto arquitetônico concebido. A projetação e a representação vão diferenciar
de acordo com a utilização dos meios tradicionais ou os meios digitais. É válido questionar
até que ponto o processo de criação é influenciado pelas características do meio digital:
chegaria ele a ser “formatado” segundo o processo de transmissão de dados para a
máquina? Ou não? Como a máquina por si só não é criativa nem expressiva é possível
afirmar diferentes operadores produziriam diferentes resultados? E mais: seria o desenho
ainda uma marca registrada dos arquitetos?
Se o processo de concepção do projeto foi alterado pelos meios digitais, ou se, por outro
lado, se trata apenas de uma nova mídia, que desempenha um papel restrito na representação
do pensamento arquitetônico é uma discussão fundamental para analisar o atual estagio da
relação projetação representação. É necessário compreender o desenho não só como
uma linguagem, mas sim como uma ferramenta da lógica projetual, plenamente
comprometida com a solução formal.
A partir de um embasamento teórico que trata das questões relacionadas à representação
(Ferro, 1982; Rowe, 1991; Fraser e Henmi, 1994; Costa, 1995 e Laseau, 1997); à influência
dos meios de representação e à compreensão de que “o meio também é a mensagem”
(Bermudez e King, 1999) - aspectos importantes na identificação do papel dos sistemas de
representação no processo projetual. (Fraser e Henmi, 1994; Borges, 1998)-; e à utilização
dos meios tradicionais e digitais (Borges, 1998 e Bermudez e King, 19991 ) pretende-se
questionar a suposição recorrente de que os computadores viriam substituir as pranchetas.
Meios tradicionais e meios digitais
Do que esta se falando quando se utiliza a terminologia meios tradicionais e meios digitais?
Bermudez e King (1999), dentre outros, classificam os dois meios em questão como
análogos e digitais. Os meios análogos são também chamados de manuais, tradicionais,
materiais ou físicos. Já os sistemas digitais de eletrônicos, virtuais, assistidos por
computador (CAD), etc.Além desta terminologia usualmente adotada no círculo acadêmico
científico, vale destacar a classificação adotada por Franco Purini, cuja conotação extrapola
os meios de produção: desenho histórico e desenho automático. Para Purini, o desenho
manual pode ser conceituado como desenho histórico, uma categoria em extinção, que se
contrapõe com o desenho automático, produzido com o auxílio do computador.
Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
383
Nota
1
Bermudez e King (1999) consolidaram
os resultados das pesquisas de mais de
20 pesquisadores sobre a interação dos
meios análogos e digitais no processo
projetual, publicados na mídia
especializada, principalmente nos Anais
dos Congressos da ACADIA- Association
for Computer Design in Architecture.
2
Piere (1998) cita a frase de Carlo
Scarpa “Voglio vedere e per questo disegno”
que resume a necessidade do arquiteto
de se comunicar através do gesto
altamente simbólico do signo gráfico.
As características de cada meio os tornam mais adequados a determinadas tarefas. Como
combinar os meios passa a ser uma decisão de cada arquiteto em função do seu próprio
processo projetual. Para tanto, é necessário conhecer as características dos meios e
experimentá-los. Observa-se que meios tradicionais são mais fluidos, sendo, portanto, mais
apropriados ao desenvolvimento inicial e rápido das idéias, à estimulação da imaginação, à
manipulação e à visualização de escala, à expressão de estados emocionais. Já os meios
digitais demandam um maior nível de definição e abstração geométrica, sendo assim adequados
ao desenvolvimento em detalhe, inclusive de objetos complexos. Permitem ainda a geração
e articulação de múltiplos pontos de vista, a manipulação de imagens, simulações hiper
realistas, além de facilitar o arquivamento das informações. (Bermudez e King, 1999).
Considerando a conceituação de Purini seria possível, então, interpretar “histórico” como
aquele imbuído de tradição, no sentido de memória e permanência, ao invés de antigo e
ultrapassado. O desenho histórico de fato pode estar cada vez mais restrito à criação, mas
não seria este o principal momento do processo projetual? Sendo assim, desenho histórico
e desenho automático seriam então complementares.
“Eu quero ver e por isso desenho”2
Para apreender o potencial da tecnologia visual, é preciso aprender a pensar visualmente,
pois como ressalta Laseau (1997): “o equipamento não tem nenhum valor por si só; ele só será
tão bom quanto a nossa imaginação puder fazê-lo”.
Aprender a pensar visualmente e dominar este processo, tanto através dos meios tradicionais
quanto dos digitais, é um dos grandes desafios dos estudantes de arquitetura atualmente.
Ainda que a utilização da computação gráfica na arquitetura e no urbanismo tenha começado
primeiro nos escritórios de arquitetura e só depois tenha chegado às faculdades de arquitetura
no início da década de 90, cabe a esta estimular o exercício de um certo pensamento visual
da qual a computação gráfica faz parte. É preciso que neste processo de aprendizagem não se
valorize um processo (tradicional/digital) ao outro e sim o que os faz pensar. Estabelecer
uma postura equilibrada em relação aos meios de representação tradicionais e os mais
recentes recursos tecnológicos, no que se refere à aprendizagem do processo projetual é
um desafio para as Escolas de Arquitetura e Urbanismo (Borges, 1998; Bermudez e King,
1999 e Martinez, 1999). Se a Universidade não ensinar, o mercado o fará a partir de sua
própria demanda, o que gera o risco de se enfatizar o aspecto operacional - a informação
sobre os comandos para a formação de CADISTAS - ao invés da formação de profissionais
criativos capazes de produzir em vários meios, inclusive o CAD.
O estudante de arquitetura é treinado desde o início da sua formação a ordenar idéias
espaciais através da imagem representada. Desta forma é imprescindível que os mais
atuais recursos técnicos para representação de imagens estejam ao seu alcance no percurso
de sua formação. O aprendizado das diversas possibilidades entre os meios de
representação disponíveis deve ser realizado de forma cuidadosa, a fim de que não se
valorize mais o processo que o produto, o fazer mais do que o pensar. Há o risco de logo
no período inicial, o fazer passar a controlar o processo. (Bermudez e King, 1999) Observase certa dificuldade dos alunos iniciantes em utilizarem os dois meios interativamente, já
que o diálogo produtivo entre os meios implica em conhecimento de ambos. Normalmente
optam por utilizar aquele meio que dominam. A escolha dos meios de representação é
muitas vezes determinada pela disponibilidade de tempo, habilidade e equipamentos como
afirma Rowe (1991) que chega mesmo a assumir que estas restrições podem resultar na
reformulação do projeto em função de técnicas de representação disponíveis e o
conseqüente abandono de aspectos fundamentais do problema originalmente em questão.
A gravidade da situação está em que o problema colocado ao estudante na concepção e
representação do pensamento arquitetônico demandaria uma solução de ordem
operacional e não mais de ordem compositiva.
Ao transformar croquis imprecisos em desenhos em CAD o estudante muitas vezes tem
a ilusão que aquele desenho convencional parece ter um grau de precisão que suas idéias
ainda não têm. Ou ainda a idéia é passada para o CAD, parecendo ser um desenho já
completo, antes mesmo de ser trabalhada em um meio tradicional, sobre o qual o estudante
não tem domínio, e que exige um treinamento e dedicação a que não está necessariamente
disposto. (Martinez, 1999).
Embora se tenha a ilusão de tridimensionalidade na computação gráfica esta é de fato uma
simulação de tridimensionalidade em um outro suporte que não o papel, mas a tela plana.
No entanto a confiabilidade intrínseca nas novas tecnologias (Giddens, 1993) faz com que
se acredite que a maquete eletrônica é realmente uma maquete tridimensional, por
exemplo. A maquete produzida com auxilio da computação seria tão ou mais real que a
visualização previa da solução projetual nas mentes dos projetistas. No entanto a ideação
e a concepção do projeto arquitetônico continua ocorrendo nas mentes dos projetistas,
384
Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
Bibliografia
ARTIGAS, Vilanova. “O desenho” in
Caminhos da Arquitetura. S. Paulo: Cosac &
Naify, 1999, pp 69-81.
AZEVEDO, Jorge B. Um Olhar sobre o
Desenho na Formação de Arquitetos e
Urbanistas Brasileiros. Dissertação de
Mestrado em Educação. Universidade
Federal Fluminense, 1996.
BERMUDEZ E KING, J. & KING, K. “La
interacción de medios en el Proceso de
diseño: hacia una base de conocimentos”
in Libro de ponencias - III Congreso Ibero
Americano de Gráfica Digital. Montevideo:
Facultad de Arquitectura, Universidad de
la Republica, 1999, pp 35-44.
BORDE, Andréa. ... E o vento não levou:
construindo o imaginário urbano carioca.
R.Janeiro: EBA/ UFRJ, 1998. Dissertação
de Mestrado.
BORGES, Marcos M. A Projetação e as
Formas de Representação do Projeto.
Dissertação de Mestrado COPPE/ UFRJ.
Rio de Janeiro, 1998.
BUND, Elizabeth e BARROS, Diana.
Imagem digital: processo proyectual
confluente. Mar Del Plata: 1998.
COSTA, Lúcio. Lúcio Costa: registros de uma
vivência. São Paulo: Emp. das Artes, 1995.
FERRO, Sérgio. O Canteiro e o Desenho.
São Paulo: Projeto Edit. Associados, 1982.
FRASER, Ian e HENMI, Rod. Envisioning
Architecture: an analysis of drawing. New
York: J. Wiley & Sons, 1994.
GIDDENS, Anthony. As conseqüências da
modernidade. São Paulo: UNESP, 1993.
GOMES, LuisV.N. e STEINER,Ana A. Debuxo.
Santa Maria: Editora da
UFSM, 1997.
LASEAU, P. Graphic Thinking for Architects
and Designers. New York: J. Wiley & Sons,
1997 (2ª ed.)
MARTINEZ, Alfonso C. “Antes del Taller
Digital”. Libro de ponencias - III Congreso
Ibero Amer icano de Gráfica Digital.
Montevideo: Facultad de arquitectura,
Universidad de la Republica, 1999,
pp 247-252.
PÉREZ-GOMEZ, A. & PELLETIER, L.
Architectural Representation and the
Perspective Hinge. Cambridge (MA): The
MIT Press, 1997
PIERE, Elisabetta. “Voglio vedere e per
questo disegno”. I disegni di carlo Scarpa
per la Chiesa di San Giovanni Battista a
Firenzuola in Disegnare n. 16. Roma:
Gangemi, 1998.
PURINI, Franco. Franco Purini: O Que Está
Feito Está Por Fazer. Catálogo da
Exposição. Rio de Janeiro: Prefeitura da
Cidade do Rio de Janeiro/ SMU, 1998.
ROWE, Peter G. Design Thinking.
Cambridge (MA): The MIT Press, 1987.
SAMPAIO, Andréa da R. “Processo
Projetual e Novos Paradigmas na
Expressão Gráfica” in Libro de ponenciasIII Congreso Ibero Americano de Gráfica
Digital. Montevideo: Facultad de
Arquitectura, Universidad de la
Republica, 1999, pp 68-73.
UDDIN, M. S.Composite Drawing Techniques for Arc hitectural Design
Presentation. New York: McGraw Hill, 1997
como não poderia deixar de ser, o que exige o desenvolvimento pleno da capacidade de
raciocínio espacial, assim como uma percepção visual ativa e acurada. Para tanto, são
fundamentais exercícios de desenho de observação, que além do mais, contribuem para o
desenvolvimento de habilidade a mão livre. Borges (1998) ressalta ainda que o domínio dos
fundamentos da representação gráfica permite a formação de profissionais melhor capacitados
para a utilização das modernas tecnologias informatizadas de apoio ao desenho e ao projeto.
(...) confirma-se a constatação que para um projetista ser um bom operador de CAD, não
pode desprezar o aprendizado de elaboração de projetos no sistema tradicional. Esta
afirmação se suporta na verificação de que a construção do conhecimento e o aprendizado
dos conceitos fundamentais, relativos às formas de representação do projeto, possibilitam
a formação de um referencial seguro, o que os sistemas de CAD ainda não podem oferecer.
(Borges, 1998, p. 94).
Pesquisas recentes têm demonstrado que o desenho assistido por computador tem sido
mais utilizado nas etapas avançadas do projeto, uma vez que as ferramentas digitais
disponíveis atualmente ainda não respondem com a devida agilidade ao nosso processo
de pensamento gráfico. Neste ponto, cabe insistir na conclusão de Borges (1998) de que
o aprendizado de disciplinas de desenho pelos meios tradicionais não é dispensável em
presença dos recursos disponíveis nos sistemas CAD, pelo contrário, é essencial para o
bom desempenho do aluno neste sistema. A alegação de substituir as pranchetas pelo
computador, e ensinar representação arquitetônica tão somente através do desenho
assistido por computador, pode significar restringir o pensamento gráfico dos alunos aos
parâmetros da máquina.
E se assim o for seria o desenho ainda a marca d’água do arquiteto?
Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do Arquiteto?
385
Download

Será que na Era Digital o Desenho Ainda é a Marca Pessoal do