Relatório anual do Comitê
Estadual de Prevenção e
Controle de Morte Materna e
Perinatal do Rio de Janeiro
CEPCMM-RJ
28 de maio de 2009
Dia Internacional da Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de
Redução de Morte Materna
CEPCMMRJ
28 de maio
Dia Internacional da Luta pela Saúde da Mulher
Em 1984, esta data foi definida diante das graves denúncias feitas no Tribunal Internacional de
Denúncias e Violação dos Direitos Reprodutivos, ocorrido durante o 4º Encontro Internacional da
Mulher e Saúde,
28 de maio
Dia Internacional de Luta pela Saúde da
Mulher e
Dia Nacional de Redução da Morte Materna
1987 - V Encontro Internacional sobre Saúde da Mulher, na Costa Rica
28 de maio
Dia Nacional de Redução de Morte Materna
Em 1988, o governo brasileiro determinou este mesmo dia como
a data nacional para combate à morte materna.
28 de maio
Dia Estadual de Luta para Prevenção da
Mortalidade Materna
Em 2009 o Estado do RJ determinou este
mesmo dia como a data para combate
à morte materna.
Razão da Mortalidade Materna
• Indicador de saúde da população feminina,
• Indicador de iniqüidade,
• Acesso à assistência à saúde,
• Status social e econômico.
Data de denúncias, proposições,
cobranças e sensibilização
19
8
19 0
8
19 1
8
19 2
8
19 3
8
19 4
8
19 5
8
19 6
8
19 7
8
19 8
8
19 9
9
19 0
9
19 1
9
19 2
9
19 3
9
19 4
9
19 5
9
19 6
9
19 7
9
19 8
9
20 9
0
20 0
0
20 1
0
20 2
0
20 3
0
20 4
0
20 5
0
20 6
07
RMM por 100.000 NV
Razão de Mortalidade Materna
Estado do Rio de Janeiro
90
1980 a 2007
80
70
60
50
40
30
20
10
0
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Razão da morte materna por região de residência
2002 à 2007*
Estado do Rio de Janeiro
120,0
Razão da morte materna segundo
causa
100,0
80,0
60,0
Estado do Rio de Janeiro
40,0
2002 à 2007*
20,0
RMM de 2005_2007
Estado
Serrana
Norte
Noroeste
Metropolitana II
Metropolitana I
Médio Paraíba
Centro-Sul
B. Litorânea
B. da Ilha Grande
0,0
RMM de 2002 à 2004
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Razão da morte materna por região de residência
2002 à 2007*
Metropolitana I
140
120
100
80
60
40
20
0
Japeri
Magé
Mesquita
Rio de
Janeiro
Nova
Iguaçu
Duque de Seropédica
Caxias
RMM 2002_2004
Nilópolis
Queimados
Itaguaí
Belford
Roxo
São João
de Meriti
RMM 2005_2007
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média
“Média
móvel
móvel
dos dos
triênios
triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Razão da morte materna segundo as causas
Estado do Rio de Janeiro
2002 à 2007*
17,7
Sindrome Hipertensiva da Gravidez
5,6
Infecção pueperal
5,5
2,3
1,7
1,5
Indeterminada
1,4
1,8
Cardiomiopatia no puerpério
1,3
Complicações de procedimentos ou de cirurgia obstétrica
Complicações venosas na gravidez
0,7
0,2
Transtornos do fígado na gravidez, no parto e no puerpério
0,7
0,3
Ruptura prematura de membranas
0,3
0,5
Indiretos
RMM de 2002 à 2004
RMM de 2005_2007
0,6
0,6
0,6
AIDS
2,1
0,6
0,5
Infecções do trato geniturinário na gravidez
Insuficiência renal aguda do pós-parto
2,0
1,0
Gravidez ectópica
Complicações do trabalho de parto e do parto, não especificada
6,3
3,9
Embolia
Assistência prestada à mãe por morte intra-uterina
13,6
8,9
Aborto
Complicação do puerpério não especificada
17,1
10,5
Hemorragia
0,3
1,2
1,4
0,1
0,0
1,9
2,6
13,6
12,7
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Razão da morte materna segundo as 10 primeiras causas
2002 à 2007*
Estado do Rio de Janeiro
17,7
17,1
Sindrome Hipertensiva da Gravidez
10,5
Hemorragia
Aborto
6,3
Embolia
Comp. de procedimentos
Gravidez ectópica
AIDS
Indiretos
8,9
5,6
5,5
Infecção pueperal
Cardiomiopatia no puerpério
13,6
2,3
RMM de 2002 à 2004
3,9
RMM de 2005_2007
1,4
1,8
1,3
2,0
1,0
2,1
1,9
2,6
13,6
12,7
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Distribuição proporcional segundo o tipo de óbito materno
2005 à 2007
Estado do Rio de Janeiro
Direto
Indireto
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Média móvel dos triênio
Risco relativo de morte materna segundo raça/cor
estratificado pela escolaridade
2005 à 2007* - Estado do Rio de Janeiro
13,0
12,0
pretas/brancas
11,0
pardas/brancas
10,0
pretas+pardas/brancas
Razão da morte materna segundo
causa
9,0
8,0
7,0
Estado do Rio de Janeiro
6,0
5,0
4,0
2002 à 2007*
3,0
2,0
1,0
Todas
12 e+
8-11
4-7
Até 3
0,0
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
Razão de Mortalidade Materna segundo
2005 à 2007* - Estado do Rio de Janeiro
160,0
140,0
Razão da morte materna segundo
causa
120,0
100,0
Estado do Rio de Janeiro
80,0
2002 à 2007*
60,0
40,0
20,0
0,0
até 3
04-07
08-11
12 e +
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
RMM segundo idade da mulher
2002 à 2007* - Estado do Rio de Janeiro
400,0
350,0
300,0
Razão da morte materna segundo
causa
250,0
200,0
Estado do Rio de Janeiro
150,0
2002 à 2007*
100,0
2002-2004
50,0
2005-2007
45-49
40-44
35-39
30-34
25-29
20-24
15-19
10-14
0,0
Fonte: CEPCMM/GSM/SABGC/SAS/SESDEC-RJ
“Média móvel dos triênios
SIM/ CDV/SUPLAR/SDSS/ SESDEC-RJ
COMITE ESTADUAL DE PREVENÇÂO E CONTROLE DE MORTE
MATENA DO RIO DE JANEIRO
CEPCMM RJ
20 anos
CEPCMMRJ
1989
RESOLUÇÃO NO 512
INSTITUI O COMITÊ DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE MORTE MATERNA
INTEGRANTES: SES (PRESIDENTE); CRM; COREN; CEDIM; SGORJ.
1990
RESOLUÇÃO No 558
NOMEIA OS REPRESENTANTES
1991
RESOLUÇÃO No 671
AMPLIA OS REPRESENTANTES
INCLUI AS UNIVERSIDADES: UFRJ, UFF, UNI-RIO E UERJ;
SOCIEDADE DE PEDIATRIA DO RJ E FUNDAÇÃO OSVALDO CRUZ
Conhecer a realidade da morte materna é requisito básico
para o estabelecimento de políticas que visem a sua
redução e avaliem a efetividade e eficácia das ações
implementadas.
Comitês de Estudo do Óbito Materno
“Uma das mais bem sucedidas estratégias para se conhecer e
monitorar a situação da mortalidade materna nos diversos
países.”
Castilho, 1994
conhecer e monitorar
Medidas para Vigilância da Mortalidade Materna
Resolução SES-RJ Nº 1052 de 20 de setembro de 199
Torna o Óbito Materno “evento de notificação compulsória
Resolução SES-RJ Nº 1648 de 28 de maio de 2001
Torna obrigatório a investigação dos óbitos de mulheres em
idade fértil de causa presumíveis e maternos
Resolução SES-RJ Nº 3088 de 31 DE JULHO 2006.
Torna obrigatório a investigação dos óbitos de mulheres em
idade fértil e morte materna
Análise do Óbito
•
Óbito inevitável
Óbito evitável
A agilidade na informação
e o início oportuno da
investigação são fatores
fundamentais para a
análise do óbito e o
sucesso da ação
PORTARIA Nº 1.119, DE 5 DE JUNHO DE 2008
• Desenvolvimento de um sistema de
informação integrado ao Módulo de
investigação do SIM para a FichaResumo dos comitês de morte materna
Qual ou Quais Fatores Determinantes da
Morte Materna ?
Conduta clinica
Ocorreu negligência?
Falta de vaga
inadequada?
Baixa escolaridade da mulher?
Óbito evitável
Desemprego ?
Social?
Pré-natal com pouca
Falta de
qualidade ?
sangue?
Carência de leitos obstétricos?
no CTI?
Não identificação de risco
reprodutivo?
Acesso deficitário ao
Serviço de Saúde?
Falta de capacitação
Inexistência de sistema de
Falta de
do profissional?
referência e contra-referência?
saneamen
Falta de qualidade na Assistência Hospitalar Prestada
to básico?
?
Falta da avaliação de Risco Gestacional ?
Falta de acesso ao planejamento familiar ?
Falha
diagnóstica?
Definição de Medidas
Preventivas
COMITE MUNICIPAL OU
MICROREGIONAL DE PREVENÇÃO E
CONTROLE DE MORTE MATERNA
25 MUNICICIPIOS COM COMITÊS,
ALGUNS NÃO ATUANTES
Medidas para redução
Resolução que implanta o protocolo
de diagnóstico e tratamento da
hipertensão na gestação (2004)
Instituição dos “10 Passos para
Redução da Mortalidade Materna
Protocolo para diagnóstico e
tratamento para Dengue na gestação
A redução da morte materna é uma
das prioridades
O Brasil assumiu o compromisso de
melhorar e ampliar os serviços de
saúde materna:
Conferência Internacional sobre Maternidade
sem Risco (1987);
Reunião de Cúpula Mundial em Favor da
Infância (1990);
Conferência Internacional sobre População e
Desenvolvimento (1994);
Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher
(1995).
Na Cúpula do Milênio (2000) os
países membros das Nações Unidas
estipularam a meta de redução de
75% dos índices de mortalidade
materna de 1990. Essa meta deverá
ser cumprida até 2015.
Em 1990, a mortalidade materna no Estado do
Rio de Janeiro era de 74 mulheres a cada 100
mil nascidos vivos (nv). Para atingir a meta, o
Estado teria de reduzir o número de mortes
para 18 a cada 100 mil nv.
A mortalidade materna é
uma das mais graves
violações dos direitos
humanos
Precisa ser tratada
como tragédia que não
deveria ter acontecido
[email protected]
Tel/fax: 2299-9746; 2299-9748
20 anos
CEPCMMRJ
Download

Razão da morte materna segundo causa - ABENFO