CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE
AMBIENTE E SAÚDE EM POPULAÇÕES RURAIS NA
AMÉRICA LATINA
Água, Saúde e Ambiente
Ilha do Combu, Belém-Pará
Karla Ribeiro (UFPA/CCB)
AMAZÔNIA
 Nos estudos dos ecossistemas amazônicos a
água é fator preponderante na paisagem, na
vida e nas características da região.
 Os rios além de fazerem parte do caminho
natural são também fonte de subsistência de
grande parte da população que vive nas
margens dos inúmeros cursos d’água que
drenam as cidades amazônicas - ribeirinhos,
caboclos,
camponeses,
pescadores,
quilombolas,
extratores
extraindo
e
manejando os recursos florestais e hídricos de
onde provém seu sustento (Benchimol, 1996;
Sioli, 1985).
AMAZÔNIA
Apesar da grande abundância de água da
região, a qualidade dos ecossistemas
aquáticos vem se constituindo em grave
problema ambiental devido:
 Falta de infra-estrutura sanitária;
 Ocupação de áreas sujeitas às inundações;
 Destruição das reservas ecológicas;
 Poluição: por despejos domésticos e industriais, e
resíduos sólidos;
AMAZÔNIA
Com a perda de igarapés e rios as cidades
restringem-se de sua base física e de
sobrevivência de grupos humanos com qualidade
de vida, uma vez que os cursos d'água utilizados
pelos “ribeirinhos” para consumo humano,
atividades domésticas e higiene tornaram-se
receptores de esgotos domésticos e efluentes
industriais, além de produtos tóxicos e metais
pesados oriundos das atividades antrópicas.
AMAZÔNIA
Esta situação torna-se
mais agravante na área
rural, uma vez que
grande
parcela
da
população
não
tem
acesso
aos
serviços
básicos de saneamento.
Oferecendo condições propícias para a
instalação de doenças preveníveis por
atividades de saneamento.
Considerando que as alterações no ambiente aquático
e no modo de vida tradicional das populações têm
repercussões para a sociedade como um todo, foi
realizado o estudo Qualidade sanitária da água e
saúde humana em áreas de influência de duas bacias
hidrográficas no município de Belém-Pará.
Este estudo focalizou a situação de saúde-doença, em
território socialmente demarcado pelas experiências
dos habitantes das margens de dois igarapés, de que
maneira a falta de acesso à água de abastecimento
público e ao esgotamento sanitário pode influenciar
na saúde humana e ambiental.
Qualidade sanitária da água e saúde humana
em áreas de influência de duas bacias
hidrográficas em Belém-Pará
Karla Tereza Silva Ribeiro
Orientadora: Profª Drª Rosa E. Acevedo Marin
Apoio:
MEGAM-NAEA/UFPA;
PROINT2001-CCB/UFPA.
SAMAM-IEC/FUNASA;
PDTU-NAEA/UFPA;
Qualidade sanitária da água e saúde humana
em áreas de influência de duas bacias
hidrográficas em Belém-Pará
OBJETIVOS DO ESTUDO
- Identificar as atividades transformadoras, de natureza
antrópica, que reduzem sensivelmente a qualidade de cursos
d’água de duas bacias hidrográficas do município de Belém.
- Compreender o inter-relacionamento de fatores
socioambientais e de saúde, examinando a situação sanitária
da água superficial e de consumo utilizada pela população
assentada nas margens dos cursos d’água da cidade.
Belém - Cidade das Águas
Belém é, antes de tudo, a água: o rio
Guamá, a baía do Guajará, o sem número
de igarapés ... e a chuva (Martins, 2000).
Dados Gerais do Município de Belém
- Localização: no vértice do estuário amazônico
- Área: 505,82km2 (34,36% / área continental;
65,64% / área insular = 39 ilhas);
- Divisão administrativa: 8 distritos
- População: 1.280.614 hab. (IBGE/Censo, 2000) e
(99,4%/urbano; 0,65%/rural);
Belém
Cidade das Águas
Fonte: IV Workshop do
Projeto MEGAM
NAEA/UFPA, 2001.
Área Insular de Belém
Ilha do Combu
Fonte: IV Workshop - Projeto MEGAM (NAEA/UFPA, 2001)
Ilha do Combu
A Ilha do Combu situa-se
na margem esquerda do rio
Guamá
e
encontra-se
distante cerca de 1,5 km de
Belém.
Em 1997 a ilha do Combu
passou a ser administrada
pela Prefeitura Municipal de
Belém integrado o distrito
de DAOUT.
Ilha do Combu
No aspecto geográfico a
ilha corresponde a uma
área de várzea, com
alagações periódicas do
rio Guamá .
Na mata de várzea alta
predominam
as
palmeiras,
como
o
miriti e o açaí.
A ilha é drenada pelos
furos da Paciência e
Benedito,
além
dos
igarapés do Combu e
Piriquitaquara.
Ilha do Combu
METODOLOGIA
 Perfil socioeconômico: renda, escolaridade, ocupação,
moradia, saneamento entre outros;
 Análise da água superficial e de beber
• Parâmetros bacteriológicos:
- Coliformes totais, termotolerantes e enterococos
- Contagem de bactérias heterotróficas
- Pesquisa de E. coli e Salmonella spp.
• Parâmetros físico-químicos: temperatura, pH, turbidez,
condutividade elétrica, sts, std, fosfatos, cloreto, nitrato,
nitrito, amônia.
Ilha do Combu
Educação
Em 2000 foi construído o prédio de
“maloquinhas” onde funciona a
escola da ilha.
Esta escola é um anexo da Escola
Municipal Sílvio Nascimento de
Belém.
Apresenta duas salas de aula, dois
banheiros, copa-cozinha e sala dos
professores.
As crianças são transportadas para
a escola nos “casquinhos”. As
professoras deslocam-se de Belém
para a ilha todos os dias.
São oferecidos os cursos de
educação
infantil
e
ensino
fundamental (ciclos básicos I e II).
Ilha do Combu
Habitações
Ilha do Combu
Saúde
O Posto de Saúde foi
construído na frente do
Centro Comunitário da
ilha
e
atende
a
população do Combu e
ilhas vizinhas.
Em
2002
foram
cadastrados
pelo
Programa da Família
Saudável 297 famílias,
com um total de 1463
moradores na ilha do
Combu.
Ilha do Combu
Saneamento
No discurso de uma cidade saudável ou para o
desenvolvimento
urbano
sustentável
torna-se
necessário que políticas públicas de saúde, saneamento
e ambiental sejam integradas em prol da melhoria de
vida do “ribeirinho” belenense , em particular.
Por outro lado, é preciso dedicar atenção especial para
os efeitos da urbanização sobre a demanda de água
potável e o papel desempenhado pelas autoridades
locais na gestão dos usos, abastecimento e tratamento
da água com finalidade de melhorar as condições de
saúde da população inserida na área urbana e rural de
Belém.
Procedimentos Metodológicos
IEC/SAMAM
Lab. Microbiologia Ambiental
Análise da água de consumo
- Foram coletadas 16 amostras de água de consumo dos
domicílios do igarapé do Combu;
- Procedentes de potes, vasilhames plásticos e garrafas de
refrigerantes;
- Pesquisa de Coliformes:
- CT = 81,35%
- CF = 68,8%
- E. coli = 25%
UFC/100mL
Indicadores Sanitários
210
200
190
180
170
160
150
140
130
120
110
100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
-10
CT
CF
MS. Nº 1469
Paracuri
Local de Coleta
Combu
De acordo com a Portaria 518/2004 do Ministério da Saúde a
água dos domicílios está imprópria para consumo humano.
Análise bacteriológica da água superficial
Coliformes totais
Coliformes Totais
4,40
4,20
UFC/100mL
4,00
Chuvosa
3,80
Estiagem
Conama/Classe 2
3,60
3,40
3,20
Paracuri
Combu
Local de Coleta
Análise bacteriológica da água superficial
Coliformes termotolerantes
Coliformes Fecais
4,00
3,50
UFC/100mL
3,00
2,50
Chuvosa
2,00
Estiagem
Conama
1,50
1,00
0,50
0,00
Paracuri
Combu
Local de Coleta
Análise bacteriológica da água superficial
Pesquisa de E. coli
E.coli
250
Número de colônias
200
150
Chuvosa
Estiagem
100
50
0
Paracuri
Combu
Local de Coleta
Análise bacteriológica da água superficial
Pesquisa de Salmonella spp
Salmonella
200
180
Número de colônias
160
140
120
Chuvosa
100
Estiagem
80
60
40
20
0
Paracuri
Combu
Local de Coleta
Considerações Finais
FATORES DE RISCO À SAÚDE HUMANA E AMBIENTAL
1. Riscos associados com a disposição dos resíduos
sólidos e líquidos: águas residuárias escoam para os
igarapés; dejetos; lixo, presença de vetores;
2. Riscos associados com a água superficial: igarapés
do Paracuri e Combu: erosão; assoreamento; extração de
argila, conjuntos habitacionais; orla da baía do Guajará e
rio Guamá;
3. Riscos associados com a água de consumo
doméstico: ausência de tratamento ou tratamento
inadequado; condições de higiene dos vasilhames; fora dos
padrões da Portaria 518/2004 do Ministério da Saúde.
Considerações Finais
No discurso de uma cidade saudável ou para o
desenvolvimento urbano sustentável torna-se
necessário a integração das políticas públicas de
saúde, saneamento e ambiental.
É preciso também dedicar atenção especial para os
efeitos da urbanização sobre a demanda de água
potável e o papel desempenhado pelos órgãos
públicos na gestão dos usos, abastecimento e
tratamento da água com finalidade de melhorar as
condições de saúde da população inserida na área
urbana e rural das cidades amazônicas.
Obrigada
Download

Perfil de Saúde Ambiental Infantil no Brasil Dr. Guilherme Franco