PRODUÇÕES
BRASILEIRAS
Diminuição dos filmes importados
O objetivo do reajuste da taxa da contribuição para
Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional
(Condecine), era frear a importação de obras publicitárias
importadas e a aumentar a produção nacional. Um ano após a
vigência, os números mostram que o que era visado foi
alcançado mas o insignificante desempenho da economia em
2012 comprometeu o incremento da demanda doméstica.
Produções no exterior
As produções nacionais filmadas fora do Brasil aumentaram
bastante, isto se deve ao alto custo para se filmar aqui.
A boa notícia é que diversos anunciantes passaram a
produzir no país obras de pequeno e médio porte, que
antes entravam prontas pagando apenas a hoje extinta
taxa de adaptação de obras importadas.
A Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), protestou
contra as mudanças na Condecine, rompendo relações com
a Apro, agravadas pela recente crise por conta de
divergência na questão das taxas de direitos autorais para
envio de filmes digitais.
Regulamentação de tarifas na locação do RJ
O Rio de Janeiro sempre foi a cidade brasileira mais desejada
pelos produtores, por isso se tornou tão cara a locação da
cidade. Segundo alguns produtores, as taxas variam entre R$20
mil e R$ 100 mil.
No caso dos estrangeiros, as taxas aumentam, ainda mais se
forem superproduções cinematográficas.
Das 72 produtoras internacionais lideradas ou com
participação de produtoras brasileiras, 80% contaram com
locações no RJ, seguida de SP com 38%. A maioria dessas
produções tiveram produtoras brasileiras como protagonistas.
A falta atual de critério não é culpa exclusiva da prefeitura,
por exemplo, para se filmar no Cristo Redentor precisa-se do
aval da Arquidiocese do RJ, que avalia o conteúdo da obra
antes de conceder a permissão.
O secretário municipal da cultura do RJ, Sérgio Sá Leitão,
reconhece que o problema existe e já se comprometeu com a
Apro a estabelecer normas e uma tabela de preços para as
principais locações de responsabilidade do município. O primeiro
local com preço estabelecido é o recém-inaugurado Museu de
Arte do Rio (Mar), que terá diária de R$50 mil.
Locação em SP
Por mais que a locação em SP seja mais barata, há dificuldades
com a prefeitura em viabilizar a liberação de um certo local
para filmagem.
“Ao contrário do que acontece em todo o mundo, onde prefeitos
querem, que suas cidades apareçam, as cidades brasileiras
criam obstáculos para filmagens e cobram taxas exorbitantes”.
João Daniel Tikhomiroff
Mixer
Grato pela
presença
Fonte: Meio & Mensagem 29/04/2013
www.ciencianasnuvens.com.br
Download

Produção Brasileira