Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA
Energias Renováveis e Tendências no
Mercado Brasileiro
6º Congresso Internacional de Bioenergia
Roberto Meira Junior
Coordenador-Geral de Fontes Alternativas Renováveis
Curitiba – agosto de 2011
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Planejamento Energético Brasileiro
Segurança no Abastecimento
Modicidade Tarifária
Universalização do Atendimento
Respeito aos Contratos Existentes
Fortalecimento do Planejamento
Diversificação da Matriz: Uso de Energias Renováveis
Integração Nacional
Desenvolvimento Tecnológico Nacional
Compromisso com as Questões Socioambientais
2
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Planejamento Energético: Processo Dinâmico
Visão estratégica
Estudos de longo prazo
(até 30 anos)
Visão de programação
Estudos de curto e médio prazos
(até 10 anos)
Plano Nacional de Energia
Matriz Energética Nacional
Plano Decenal de Expansão
de energia
Leilões
Monitoramento
Visão de 1 a 3 anos
Petróleo e Gás
Energia Elétrica
Transmissão
Biodiesel
3
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Horizonte Decenal
Projeções Econômicas e Demográficas
250
US$13.357
14,000
12,000
PIB PER CAPITA
200
US$ per capita
10,000
150
US$9.120
8,000
2009
2019
9.120
13.357
4.237
3,89 % ao ano
207 mi
100
191 mi
6,000
4,000
50
2,000
-
-
2009
2019
POPULAÇÃO
Milhões de habitantes
2009
2019
191
207
16
0,81 % ao ano
PIB: 5,1% ao ano
Taxa de câmbio: US$1,0 = R$1,8
Fontes: IBGE, 2008 e PDE 2019
4
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Expansão da Matriz Energética
Fonte: PDE 2020
5
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Expansão da Matriz Elétrica
Fonte: PDE 2020
6
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Fonte: PDE 2020
Energias Renováveis: Perspectivas
7
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
COMPETITIVIDADE ENTRE AS FONTES PRIMÁRIAS
Hidroeletricidade
Biomassa
Carvão Mineral
Nuclear
Eólica
Gás Natural
Óleo Combustivel
Óleo Diesel
R$/MWh
80
180
280
380
480
580
680
780
8
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
9
Potencial Hidráulico Aproveitado
Brazil
Potential: 258.4 GW
Operating: 30%
[%]
Fonte: WEC 2005
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs) – 1 a 30MW
 O Brasil tem um potencial estimado de cerca de
15.000 MW em PCHs
 As PCHs no Brasil tem tecnologia plenamente
desenvolvida e preço competitivo
Marmelos Zero – MG – 1889 – 4 MW
Santa Rosa – RJ – 30 MW
 Restrições ambientais são o grande desafio
para a implementação de projetos.
10
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energia Eólica
Brasil
Fator de capacidade típico: 20~45%;
 Custo competitivo
Instalação: ~R$ 4.000,00 / kW
Energia: R$ 130,00 / MW.h
 Potencial eólico: >300 GW (estimativa
preliminar – 100m)
 Em 2011: ~ 1.000 MW (Até 2013:
5300 MW)
Mundo
 Potência Instalada até 2010: 197 GW;
 Em 2010, o mercado cresceu 24%,
principalmente na Ásia, Europa Oriental
e América do Norte
11
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Potencial Eólico
A 50m de altitude – turbinas de 0.5 MW
143 GW
ATLAS 2001
A 100m altitude – turbinas de 2 MW
~ 300 GW
ATLAS em Elaboração
(estimativa)
12
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Energia Eólica
Nos últimos anos a energia eólica tem
alcançado altas taxas de crescimento no Brasil,
graças a uma combinação de políticas de
incentivos
e
forte
interesse
dos
empreendedores.
 No leilão realizado no final de 2009, foram
adquiridos 1.805 MW (148,00 R$/MWh).
 Nos leilões realizados em 25 e 26 de agosto
de 2010, foram contratados 2.047,8 MW em
energia
eólica
(130,86
R$/MWh),
comprovando a competitividade da energia
eólica.
A utilização combinada de Hidro e Eólica
aumenta o potencial energético de ambas as
fontes,
devido
à
sua
sazonalidade
complementar.
Fazenda Eólica de Sangradouro, RS
13
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Brasil
Energia Solar Fotovoltaica
Fator de capacidade típico: 8~18%;
 Custo Instalação: U$ 5.000~U$7.000/ kW
Energia: ~R$ 800,00 / MW.h
É o 2º maior produtor mundial de silício
metálico Grau metalúrgico (baixo valor
agregado)
Barreiras
regulatória
está
sendo
trabalhada: Portaria MME n.º 17 – Grupo de
Trabalho com Sistemas Fotovoltaicos
Mundo
 Potência Instalada até 2010: ~21 GW;
 Em 2009, o mercado cresceu 50%,
principalmente em países com matriz
com intensiva em emissões de CO2;
China tornou-se o maior produtor
mundial de painéis fotovoltaicos (33%)
14
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
15
Comparação da Matriz de Energia Elétrica Brasileira com outros países
que utilizam PV
Mundo (2007)
18.2%
OECD (2007)
81.8%
16.0%
84.0%
Brasil (2009)
89.9%
Alemanha (2008)
15.0%
Espanha (2008)
Japão (2008)
10.1%
85.0%
21.0%
79.0%
0.4%
EUA (2008)
99.6%
8.8%
0%
91.2%
10%
20%
30%
Renováveis
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%
Não Renováveis
Fontes: Resenha Energética. MME, 2010
Key World Energy Statistics. IEA, 2008
Renewables 2010- Global Status Report. IEA, 2010
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Produção Nacional de Silício Metálico
• Em 2008, o Brasil produziu 219.600 toneladas de Silício Metálico.
• Este valor representa 20% da produção mundial, o que faz do
Brasil o 2º maior produtor mundial.
Em 2008, o Brasil produziu 219.600 toneladas de Silício Metálico
Exportações de Silício Metálico
• Em 2008, foram exportadas 185.000 toneladas, totalizando US$
508 milhões. Subtraídas as importações, o Silício Metálico
contabilizou um superavit de US$ 461 milhões.
• Em quantidade, as exportações caíram 10,3% em relação ao ano
anterior, o que foi compensado por um crescimento de 39,8% do
valor.
• Os principais destinos das exportações foram os Estados Unidos
(35%), Alemanha (20%) e os Países Baixos (12%).
Fonte: Anuário Estatístico do Setor Metalúrgico Brasileiro - 2009
16
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Projeto 120 telhados – MCT/FINEP
Em 2008, o Brasil produziu 219.600 toneladas de Silício Metálico
• Projeto de P&D visando delimitar as condições e impactos da
inserção de geração distribuída de energia elétrica a partir de
sistemas fotovoltaicos em telhados de consumidores na rede
de baixa tensão
Audiência Pública ANEEL n.º 42/2011
• Reduzir as barreiras para a instalação de geração distribuída
de pequeno porte, a partir de fontes incentivadas, conectada
em tensão de distribuição e também alteração do desconto
na TUSD e TUST para usinas com fonte solar.
17
Ministério de Minas e Energia
Energias Renováveis: Perspectivas
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Brasil
Energia Solar Heliotérmica
Fator de capacidade típico: 30%;
 Custo de implantação: U$ 4.200~U$ 8.400/kW (IEA)
Custo de operação: U$ 13 ~ U$ 30/ MW.h
Custo da energia: alto (U$ 200 ~ U$ 300/ MW.h)
 Potencial solar: Semiárido Nordestino
Acordo de Cooperação Técnica entre o Ministério de
Minas e Energia e o Ministério de Ciência e Tecnologia.
Mundo
 Potência Instalada até 2010: 1 GW;
 Projetos em desenvolvimento: 15 GW
(EUA e Espanha)
18
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Energias Renováveis: Perspectivas
Bioeletricidade: Cana de Açúcar
 O Brasil possui 423 usinas sucroenergéticas das
quais 129 unidades (1.002 MW médios) geram
excedente de energia para a rede;
 A bioeletricidade cresceu 50% com relação a 2009
(70 unidades - 670 MW médios);
 Leilões realizados no Ambiente de Contratação
Regulada (ACR), sobretudo no Leilão de Reserva de
2008 (LER 2008), que contratou 548 MW médios de
energia da biomassa, para entrega em 2009 e 2010;
 Próximos leilões (julho): A-3 e um novo Leilão de de
Reserva. Foram cadastrados junto à EPE 81 projetos
representando 4.580 MW de potência instalada;
 Necessidade de reforços para a conexão ao Sistema
Elétrico - custo de acessar a rede atualmente é arcado
integralmente pelo gerador e, por vezes, tem
representado até 30% do investimento total.
19
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
Considerações Finais
 Novas
fontes renováveis estão se aproximando dos
preços das fontes convencionais. Isto, combinado como a
preocupação ambiental, gera tendência de aumento da
participação destas fontes na matriz energética.
 Este
quadro leva a oportunidades em geração de
energia, tecnologia, eficiência, produção de equipamentos
e materiais, com competitividade em nível internacional.
 PARCERIA:
Cooperação entre vários agentes tem sido a
tônica nos desenvolvimentos recentes na área de energia,
eólica em particular.
Desafios e Perspectivas
20
Ministério de Minas e Energia
Secretaria de Planejamento e
Desenvolvimento Energético
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA
OBRIGADO!
http://www.mme.gov.br
Roberto Meira Junior
Coordenador-Geral de Fontes Alternativas
roberto.junior@mme.gov.br
+55 (61) 3319.5811
Curitiba – agosto de 2011
Download

Times-Markal - Porthus Eventos