PRINCIPAIS RESULTADOS DA ENQUETE SOBRE A
GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E
COMUNICAÇÃO NAS ADMINISTRAÇÕES
FAZENDÁRIAS ESTADUAIS – SETEMBRO 2010
André Cordeiro e Eugenio Lira
DADOS GERAIS DA ENQUETE
Estados participantes (14):
AP / BA / CE / DF / MA / MT / PR / PE / PI / RJ / SC / SE / SP / TO
Questionário fechado com 50 perguntas
IDENTIFICAÇÃO
PAINEL 1 – INSERÇÃO DA TI NA ORGANIZAÇÃO
PAINEL 2 – GESTÃO
PAINEL 3 – GESTÃO DE PESSOAS & CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS
PAINEL 1 – INSERÇÃO DA TI NA ORGANIZAÇÃO
1.1- Percepção estratégica da alta administração da
Secretaria para com a área de TIC
Considera TIC como atividade altamente
estratégica e essencial para a evolução
dos serviços de administração fiscal,
estando no mesmo nível de importância
das áreas finalísticas - administração
tributária e financeira;
7%
50%
Considera TIC como atividade muito
importante, mas de alguma forma
subordinada a atender as demandas das
áreas finalísticas;
43%
Considera TIC como uma atividade de
suporte para responder as demandas
das áreas finalísticas.
1.2- Posicionamento da área de gestão de TI na estrutura
da Secretaria
7%
Primeiro nível
(diretamente ligada ao
Secretário)
43%
50%
Segundo Nível (existe
apenas mais um nível
entre a área e o
Secretário)
Terceiro Nível (existe
mais de um nível entre
a área e o Secretário)
1.3- Plano Estratégico de TIC na Secretaria
(100%) Realizado por equipe
própria da Secretaria
(100%) Alinhado ao Plano
Estratégico da Secretaria
64%
Sim
36%
Não
(86%) SEM alinhamento com
o Plano Estratégico de TI do
Estado
79% disporão de recursos no PROFISCO para elaboração/revisão de seus Planos Estratégicos
de TIC.
Comitê Gestor de TI que define diretrizes: Estado (64%), Secretaria (14%), Não possui (29%)
1.4- Avaliação da TI sob o ponto de vista de liderança nas
questões de tecnologia e processos na sua organização
[ 64% ] A TI é colaboradora – segue as diretrizes e estratégias
definidas por outras áreas, mas acompanha relativamente bem o
ritmo desejado pela organização
[ 21% ] A TI é criticada – tem dificuldades em acompanhar as
demandas de tecnologia da organização
[ 14% ] A TI é protagonista – inova e lidera as ações de prospecção
de tecnologia e propõe continuamente desafios para a própria
organização – leva a organização a reboque, faz e acontece
PAINEL 2 – GESTÃO
2.1- Indicadores de desempenho avaliados pela administração
Possui indicadores
de desempenho e
são avaliados pela
alta administração;
43%
57%
Não possui
indicadores de
desempenho.
2.2- Utilização do conceito de Escritório de Projetos na
área de TI
Apenas 3 estados afirmaram que
o escritório de projetos de TI está
relativamente alinhado com os
projetos do planejamento
estratégico da organização
29%
Sim
71%
Não
77% utilizam ferramenta para o
registro e acompanhamento de
demandas e projetos
86% possuem na sua estrutura
uma gerência ou área
responsável na TI pela gestão de
demandas ou de relacionamento
com usuários
2.3- Responsabilidade pela
especificação de requisitos
Requisitos de negócios:
2.4- Conceitos de Gestão
50% Apenas os Usuários
7% Apenas a Equipe de TI
71% Não utilizam os
14% Apenas os Terceiros
conceitos de Gestão de
14% Usuários + Equipe de TI
mudança
14% Usuários + Equipe de TI + Terceiros
57% Utilizam os conceitos
Requisitos funcionais:
de Gestão de Releases
14% Apenas os Usuários
43% Apenas a Equipe de TI
21% Apenas os Terceiros
14% Usuários + Equipe de TI
7% Usuários + Equipe de TI + Terceiros
2.5- Hospedagem e
manutenção dos sistemas
fazendários
Hospeda da base de dados fiscais:
2.6- Prospecção de
Tecnologia
64% Data Center da Secretaria
14% Data Center da autarquia / agência /
50% Apenas a Equipe da Secretaria
empresa de TI do Estado
7% Apenas Equipe terceirizada
21% Ambos
21% Eq Secretaria + Eq autarquia...
14% Eq Secretaria + Eq terceirizada
Mantém os sistemas fazendários:
21% Apenas a Equipe da Secretaria
7% Equipe da autarquia...
29% Apenas a Equipe Terceirizada
42% Combinação entre as acima
7% os três
PAINEL 3 – GESTÃO DE PESSOAS & CONTRATAÇÃO
DE SERVIÇOS
3.1- Carreira dos profissionais de TI
Existe carreira para o pessoal de TI
na administração direta do Estado
21%
21%
Existe carreira específica para o
pessoal de TI na Secretaria
14%
43%
Não existe carreira específica de TI
na Secretaria, mas há pessoal com
perfil especializado em TI no grupo
fisco
Não existe carreira específica de TI
na Secretaria e nem há pessoal do
grupo fisco especializado em TI
3.2- Principal executivo de TI da Secretaria
43% Técnico da carreira do
Fisco Estadual
7%
7%
29%
29% Técnico da área de TI sem
vínculo com o Estado
14% Técnico da área de TI de
outras carreiras do Estado
7% Técnico da carreira de TI da
Secretaria
14%
43%
7% Técnico da carreira de TI do
Estado
3.3- Atividades Terceirizadas (1/2)
100% Desenvolvimento e manutenção de aplicações
79%
Help desk
79%
Atendimento ao usuário
71%
Operação de rede
64%
Suporte e administração de recursos computacionais
57%
Operação e produção de data center
43%
Testes
43%
Administração de dados
3.3- Atividades Terceirizadas (2/2)
36%
Segurança da informação
36%
Especificações funcionais
29%
Arquitetura de TI
21%
Especificação de requisitos de negócios
7%
Atividades administrativas - gestão de contratos e de ativos
3.4- Áreas de competências e conhecimentos que a organização
avalia como competências essenciais e, portanto prioriza em
reter com a finalidade de mitigar riscos de descontinuidade (1/2)
62%
Planejamento estratégico de TI
62%
Segurança da informação
54%
Administração de dados
46%
Arquitetura de TI
46%
Especificação de requisitos de negócios
38%
Especificações funcionais
31%
Atividades administrativas - gestão de contratos e de ativos
23%
Operação de rede
3.4- Áreas de competências e conhecimentos que a organização
avalia como competências essenciais e, portanto prioriza em
reter com a finalidade de mitigar riscos de descontinuidade (2/2)
23%
Operação e produção data center
15%
Suporte e administração de recursos computacionais
23%
Testes
8%
Desenvolvimento e manutenção de aplicações
8%
Help desk
8%
Atendimento ao usuário
3.5- Grau de dependência da sua organização para com os
terceiros contratados
(43% ) Alguma dependência, pois terceiriza
algumas atividades essenciais, mas tem mais
de um contrato para um mesmo objeto, o que
permite alguma flexibilidade para suprir a falta
de algum, assim causando um baixo risco para
a continuidade de negócio;
29%
43%
29%
(29%) Baixa dependência, pois utiliza apenas
recursos próprios ou recursos de empresa
estatal;
(29%) Muita dependência, pois terceiriza
muitas atividades essenciais sem contratos
alternativos não tendo flexibilidade para suprir
a falta de algum, assim causando grande risco
para a continuidade de negócio
3.6- Modalidades de contratação de serviços de terceiros para
desenvolvimento e manutenção de sistemas
50%
Body shop in-house
43%
Fábrica de software in-house
14%
Fábrica de software off-shore
7%
Body shop off-shore
3.7- Utilização de métricas para contratação de serviços de
desenvolvimento de sistemas
85% utilizam algum tipo de métrica:
75% Pontos de função
50% Homem x hora
8% Jornada – equivalente a um homem x dia
8% outra métrica
3.8- SLA para desenvolvimento e manutenção de sistemas
43% possui SLA contratados com os prestadores de serviços
previstos para as atividades de desenvolvimento e manutenção de
sistemas
3.8- Contratação de Testes
64% Pessoal próprio realiza os testes unitários e
integrados
43% Mesma equipe de desenvolvimento e manutenção
de sistemas
21% Equipe específica terceirizada em fábrica de testes
in-house
3.9- Contratação de atividades de operações, suporte e help desk
62% Body shop in-house
23% Body shop in-house com OS – Ordem de Serviço
mensal
15% Body shop off-shore
3.10- Contratação de outros prestadores com SLAs
Apenas 1/3 possui SLAs contratados com os prestadores
de serviços previstos para as atividades de operações,
suporte e help desk
FIM
Download

Reunião COGEF 9a PB ANEXO 5 – Resultados Pesquisa TIC