LATERALIDADE E A ILUSÃO DA MÃO DE BORRACHA
Bruna F. Rios*, Bruna S. de Mattos*, Jorge Henrique C. dos Santos*,
Camila D. G. Gonçalves*, Patricia Consolo** & Sérgio S. Fukusima
Laboratório de Percepção e Psicofísica, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP
INTRODUÇÃO
RESULTADOS
A ilusão da mão de borracha (IMB) é um fenômeno perceptivo em que se
elicia a sensação tátil por meio da visão após estimulação tátil e
sincrônica de uma das mãos do observador e uma prótese de borracha
(Botvinick & Cohen, 1998). Ainda que se observe o emprego dessa ilusão
em diversas investigações comportamentais, a literatura sobre o assunto
demonstra que pouco é conhecido sobre a influência da lateralidade
manual sobre esse fenômeno.
Tabela 1 . Efeito dos estímulos tátil sobre a ilusão da mão de borracha no grupo A
Questões
Mão
direita
1
Mão
esquerda
1
p≥0,05
1
1
p≥0,05
0
1
p≥0,05
Q4) Parecia que eu tinha mais de uma mão direita/esquerda.
1
-0,5
p≥0,05
Q4) Parecia que o toque que eu estava sentindo estava entre a minha própria
mão e a mão de plástico.
Q5) Eu senti como se a minha mão estivesse assumindo o mesmo material da
mão de plástico.
Q6) A mão de plástico começou a se assemelhar com a minha mão real, em
termos de formato, tonalidade da pele, sardas, ou outros aspectos visuais.
0
0,5
p≥0,05
0
-1
p≥0,05
-2
-1
p≥0,05
Q1) Parecia como se eu estivesse sentindo o toque no local onde eu via a mão
de plástico sendo tocada.
Q2) Parecia que o toque que eu sentia era causado pelo toque na mão de
borracha.
Q3) Eu senti como se a mão de plástico fosse a minha mão.
p#
Resultados expressos em mediana.
# Teste Wilcoxon * p<0,05.
Tabela 2. Efeito dos estimulo tátil sobre a ilusão da mão de borracha no grupo B
Questões
Mão
esquerda
1
Mão direita
p#
1
p≥0,05
1
0
p≥0,05
0
1
p≥0,05
Q4) Parecia que eu tinha mais de uma mão esquerda/direita.
-2
-2
p≥0,05
Q5) Parecia que o toque que eu estava sentindo estava entre a minha própria
mão e a mão de plástico.
Q6) Eu senti como se a minha mão estivesse assumindo o mesmo material da
mão de plástico.
Q7) A mão de plástico começou a se assemelhar com a minha mão real, em
termos de formato, tonalidade da pele, sardas, ou outros aspectos visuais.
-2
0
p≥0,05
-1
-2
p≥0,05
-2
-2
p≥0,05
Q1) Parecia como se eu estivesse sentindo o toque no local onde eu via a mão
de plástico sendo tocada.
Q2) Parecia que o toque que eu sentia era causado pelo toque na mão de
borracha.
Q3) Eu senti como se a mão de plástico fosse a minha mão.
Figura 1. Representação gráfica da ilusão da mão de borracha (IMB) = experimento que
induz à ilusão proprioceptiva por meio de pareamento entre estímulos tácteis e visuais.
Fonte: http://sites.davidson.edu/psy379/is-that-my-hand-because-it-certainly-feels-like-it/
Resultados expressos em mediana.
# Teste Wilcoxon * p<0,05.
OBJETIVOS
Investigar se o índice declarado de preferência manual interfere na
modulação da ilusão da mão de borracha. Também, foi analisado se a
ordem dos estímulos táteis pode interferir na intensidade da ilusão,
comparou-se a ilusão após estimulação em ordens diferentes.
MÉTODO
Participantes: 21 universitários; do sexo feminino (20 destros; 1canhoto),
idade média de 19,50 anos (± 1,40 anos), com visão normal ou corrigida.
Os participantes foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos: grupo
A – recebeu primeiro estímulo tátil na mão direita e depois na mão
esquerda e grupo B - recebeu primeiro estímulo tátil na mão esquerda e
depois na mão direita.
Procedimentos:
• Assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.
• Aplicação do Inventário de Dominância Lateral de Edimburgo (Oldfield,
1971) para determinação do índice de preferência lateral.
• A intensidade da IMB foi avaliada pelo questionário adaptado de
Botivinick e Cohen (1998) .
• Tarefa IBM:
Observa-se que as três primeiras questões em ambas as condições
experimentais provocaram ilusão mais intensa após a estimulação tátil.
Escores maiores que zero indicam ilusão perceptiva da mão de
borracha. Na análise, quando comparada à intensidade da ilusão após
os estímulos na condição: mão direita e esquerda e mão esquerda e
direita, pode-se observar que os itens do questionário não apresentaram
diferenças estatisticamente significantes (p≥0,05). A preferência lateral
do participante e a
ordem de apresentação dos estímulos não
influenciaram na intensidade da ilusão.
DISCUSSÃO
Os primeiros três itens do questionário são aqueles considerados como
representativos da experiência de ilusão no questionário de distorção
proprioceptiva. Os outros itens são perguntas controle não associadas à
experiência de ilusão na IMB (Botnivick & Cohen,1998). Os resultados
apontam que as participantes passaram a reconhecer a mão de borracha
como sendo sua própria mão em ambas as condições experimentais.
Embora a amostra investigada foi composta em sua maioria por
participantes destros (apenas um participante era canhoto), observa-se
que a preferência lateral não afetou a produção da ilusão. Isso corrobora
os achados de Haans et al. (2008), Mussap & Salton (2006) ; Ocklenburg
et al.(2011) que também não observaram efeito da lateralidade do sujeito
sobre a intensidade da IBM. Tais resultados não corroboram literatura
existente (Ocklenburg et al., 2011) da dominância hemisférica direita para
o senso de propriedade corporal em adultos saudáveis.
Referências
Análise: As pontuações de cada participante no questionário foram
somadas, e agrupadas em função de cada condição experimental:
grupo A e grupo B. Para análise dos dados foi utilizado o teste
Wilcoxon. Foi fixado um nível de significância de 5%.
Apoio financeiro :
Botvinick, M., & Cohen, J. (1998). Rubber hands' feel'touch that eyes see. Nature, 391(6669), 756-756.
Gudaitis, M.(2010, October 18). Is that my hand? Because it certainly feels like it ! Retrieved June,2014, from
http://sites.davidson.edu/psy379/is-that-my-hand-because-it-certainly-feels-like-it/.
Haans, A., Ijsselstein, W. A., & de Kort, Y. A. (2008). The effect of similarities in skin texture and hand shape on perceived
ownership of a fake limb. Body Image, 5, 389- 394.
Mussap, A. J., & Salton, N. (2006). A ‘rubber hand’ illusion reveals a relationship between perceptual body image and
unhealthy body change. Journal of Health Psychology, 11, 627-639.
Ocklenburg, S., Rüther, N., Peterburs, J., Pinnow, M., & Güntürkün, O. (2011). Laterality in the rubber hand illusion.
Laterality, 16(2), 174-187.
Oldfield, R. C. (1971). The assessment and analysis of handedness: The Edinburgh Inventory. Neuropsychologia, 9, 97113.
E-mail de contato: pconsolo@convex.com.br
Download

Apresentação do PowerPoint