Vigilancia Epidemiológica (VE 7)
Sistema de Informação de Agravos de
Notificação
Ficha de Notificação e Investigação
Governo do Estado da Bahia
CONSOLIDADO MENSAL DO PROGRAMA DA RAIVA
ª DIRES
Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Ano:
TOTAL
Mês:
ATIVIDADES
1 - NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS
2 - NÚMERO DE PESSOAS TRATADAS (Total)
2.1 - SOMENTE COM VACINA
2.2 - COM VACINA + SORO
3 - NÚMERO DE ABANDONO DE TRATAMENTO
4 - NÚMERO DE DOSES DE VACINA APLICADA
5 - NÚMERO DE REAÇÕES ADVERSAS
6 - NÚMERO DE ANIMAIS AGRESSORES POR
ESPÉCIE (Total)
6.1 - CANINA
6.2 - FELINA
6.3 - ASININA
6.4 - BOVINA
6.5 - CAPRINA
6.6 - EQUINA
6.7 - OVINA
6.8 - SUINA
6.9 - QUIRÓPTERA (Morcego)
6.10 - RAPOSA
6.11 - PRIMATAS
6.12 - OUTROS (Especificar)
7 - NÚMERO DE CÃES E GATOS OBSERVADOS
Governo do Estado da Bahia
CONSOLIDADO MENSAL DO PROGRAMA DA RAIVA ª DIRES
Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
MÊS:
Março
ANO:
2014
TOTAL
PROFILAXIA DA RAIVA HUMANA
ATIVIDADES
1 - NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS
3
5
4
1
1
0
2
6
8
2
32
2 - NÚMERO DE PESSOAS TRATADAS (Total)
3
5
5
1
1
0
1
2
8
2
28
2.1 - SOMENTE COM VACINA
3
5
6
1
1
0
2
6
8
2
34
2.2 - SOMENTE COM SORO
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
3 - NÚMERO DE ABANDONO DE TRATAMENTO
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
4 - NÚMERO DE DOSES DE VACINA APLICADA
6
10
8
2
2
0
2
11
16
4
61
5 - NÚMERO DE REAÇÕES ADVERSAS
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6 - NÚMERO DE ANIMAIS AGRESSORES POR ESPÉCIE (Total)
2
2
1
1
1
0
1
0
2
0
10
6.1 - CANINA
2
4
6
0
1
0
2
1
7
1
24
6.2 - FELINA
1
1
0
1
0
0
0
5
1
2
11
6.3 - ASININA
0
0
0
0
0
0
0
1
0
0
1
6.4 - BOVINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.5 - CAPRINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.6 - EQUINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.7 - OVINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.8 - SUINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.9 - QUIRÓPTERA (Morcego)
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.10 - RAPOSA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.11 - PRIMATAS
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.12 - OUTROS (Especificar)
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
3
5
4
0
1
0
0
6
8
2
29
7 - NÚMERO DE CÃES E GATOS OBSERVADOS
Governo do Estado da Bahia
Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
CONSOLIDADO MENSAL DO PROGRAMA DA RAIVA - ª DIRES
MÊS:
Janeiro
Ano
2014
TOTAL
PROFILAXIA DA RAIVA HUMANA
ATIVIDADES
1 - NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS
8
3
1
5
0
0
32
3
27
6
10
2
0
1
3
9
1
111
2 - NÚMERO DE PESSOAS TRATADAS (Total)
6
3
0
5
0
0
24
3
15
6
10
1
0
1
0
6
0
80
2.1 - SOMENTE COM VACINA
6
3
0
5
0
0
24
2
14
5
10
1
0
1
0
6
0
77
2.2 - COM SORO + VACINA
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
0
0
0
0
0
0
0
3
3 - NÚMERO DE ABANDONO DE TRATAMENTO
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
4 - NÚMERO DE DOSES DE VACINA APLICADA
10
7
0
5
0
0
36
5
20
15
14
2
0
2
2
8
0
126
5 - NÚMERO DE REAÇÕES ADVERSAS
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6 - NÚMERO DE ANIMAIS AGRESSORES POR ESPÉCIE (Total)
8
3
1
5
0
0
32
3
27
6
10
1
0
1
3
9
1
110
6.1 - CANINA
8
3
1
4
0
0
23
2
26
6
10
1
0
1
0
9
1
95
6.2 - FELINA
0
0
0
1
0
0
7
1
1
0
0
0
0
0
0
0
0
10
6.3 - ASININA
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
6.4 - BOVINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.5 - CAPRINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.6 - EQUINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.7 - OVINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.8 - SUINA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.9 - QUIRÓPTERA (Morcego)
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.10 - RAPOSA
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.11 - PRIMATAS
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6.12- OUTROS (Especificar)
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
6
3
1
5
0
0
30
3
27
4
10
0
0
1
3
6
1
100
7 - NÚMERO DE CÃES E GATOS OBSERVADOS
NOTIFICAÇÃO
Coletar, transmitir e disseminar dados gerados
rotineiramente pelo sistema de vigilância
epidemiológica das três esferas de governo,
fornecendo informações para análise do perfil da
morbidade.
Agravo
Atendimento Antirrábico Humano
Cólera
Coqueluche
Dengue
Difteria
Doença de Chagas (casos agudos)
Febre Amarela
Febre Maculosa
Febre Tifóide
Hantaviroses
Leptospirose
•Leishmaniose Visceral
Leishmaniose Tegumentar Americana
Hepatites Virais
Síndrome da Rubéola Congênita
Prazo
Malária
Meningites
Peste
Poliomielite
Paralisia Flácida Aguda
Raiva Humana
Rubéola
Sarampo
Tétano Neonatal
Tétano Acidental
60 dias após a data
notificação
180 dias após a data
notificação
180 dias após a data
nascimento da criança








Subnotificação
Elevado percentual de transferência e “sem informação”
Campos em branco
Dados de má qualidade
Preenchimento inadequado e com inconsistência
Falta de análise dos dados
Notificação na ficha de raiva humana
Deficiência no acompanhamento e evolução dos casos
notificados
 Encerramento dos casos
 Alta taxa de abandono.
Ficha de Atendimento Antirrábico Humano
pessoas agredidas por animais
Ficha de Raiva Humana
pessoas agredidas
não procurou a unidade
esquema inadequado
abandono
FALHA
do
sistema
INFORMAÇÃO – DECISÃO - AÇÃO
Fonte: Ministério da Saúde
EXERCITANDO..... 1
J.B., 35 ANOS, PEDREIRO, CHEGA À
UNIDADE DE SAÚDE APRESENTANDO
LESÃO SOFRIDA APÓS MORDEDURA
PELO CACHORRO DOMESTICADO.
Qual o tipo de ferimento?
Qual a espécie agressora?
Qual a parte do corpo que sofreu a lesão?
Como vocês classificariam esse tipo de acidente? LEVE OU GRAVE?
L.F., 1 ANO, COMPARECE À UNIDADE,
APRESENTANDO ARRANHADURA
PROVOCADA POR GATO
DESCONHECIDO.
Qual o tipo de ferimento?
Qual a espécie agressora?
Qual a parte do corpo que sofreu a lesão?
Como vocês classificariam esse tipo de acidente? LEVE OU GRAVE?
M.R., 21 ANOS, COMPARECE À
UNIDADE, APRESENTANDO
ARRANHADURA PROVOCADA POR
GATO DESCONHECIDO.
Qual o tipo de ferimento?
Qual a espécie agressora?
Qual a parte do corpo que sofreu a lesão?
Como vocês classificariam esse tipo de acidente? LEVE OU GRAVE?
 Ferimentos na cabeça, face, pescoço, mãos, polpa digital e/ou
planta do pé;
 Ferimentos profundos;
 Múltiplos ou Extensos em qualquer região do corpo;
 Lambedura de mucosas;
 Lambedura de pele onde já existe lesão grave.
 Ferimento profundo causado por unha
de gato
 Ferimento superficial;
 Pouco extenso;
 Geralmente único;
 Acomete tronco e membros (exceto mãos, polpas digitais e planta
dos pés).
 Lambedura de pele com lesões
superficiais
FERIMENTO PROFUNDO
 POLPA DA MÃO
 ANIMAL DOMICILIADO


ACIDENTE GRAVE

CONDUTA




Qual conduta deverá ser seguida?

Lavar a lesão com água e sabão;
Iniciar esquema imediato com uma dose
nos dias 0 e 3;
Observar o animal durante 10 dias;
Se sadio: encerrar o caso;
Se raivoso, morrer ou desaparecer:
Administrar soro;
Completar o esquema até 05 doses.
FERIMENTO SUPERFICIAL
 CAUSADO POR UNHA DE GATO
 FACE
 ANIMAL DESCONHECIDO


ACIDENTE GRAVE

Qual conduta deverá ser seguida?
CONDUTA
 Lavar a lesão com água e sabão
 Iniciar tratamento imediatamente
com soro + 5 doses de vacina (dias
0, 3, 7, 14 e 28).
FERIMENTO SUPERFICIAL
 CAUSADO POR UNHA DE GATO
 MEMBRO INFERIOR
 ANIMAL DESCONHECIDO

ACIDENTE LEVE

Qual conduta deverá ser seguida?
CONDUTA:
 Lavar a lesão com água e sabão
 Iniciar o esquema imediatamente
com 5 doses de vacina (dias 0, 3,
7, 14 e 28).
Tipo de exposição
Tipo de ferimento
Local da agressão
Animal agressor
Condição do animal
Passível de observação?
EXERCITANDO..... 2
animal
agressor
Ign/Branco
Pré
exposição
Dispensa
Obs do
animal
Obs +
vacina
Vacina
Soro +
vacina
Reexposição
Total
Canina
143
110
79
921
3537
595
493
4
588
2
Felina
22
10
9
96
547
103
119
1
907
Quiróptera
2
3
0
3
0
8
15
0
31
Primata
0
0
0
0
3
6
11
1
21
Raposa
0
0
0
0
0
1
4
0
5
Herbívoro
1
0
2
0
2
0
3
0
8
Outra
10
5
7
2
15
21
25
0
85
Total
181
128
97
1022
4104
734
670
6
6942
animal
agressor
Ign/Branco
Pré
exposição
Dispensa
Obs do
animal
Obs +
vacina
Vacina
Soro +
vacina
Reexposição
Total
Canina
143
110
79
921
3537
595
493
4
588
2
Felina
22
10
9
96
547
103
119
1
907
Quiróptera
2
3
0
3
0
8
15
0
31
Primata
0
0
0
0
3
6
11
1
21
Raposa
0
0
0
0
0
1
4
0
5
Herbívoro
1
0
2
0
2
0
3
0
8
Outra
10
5
7
2
15
21
25
0
85
Total
181
128
97
1022
4104
734
670
6
6942
0 caso
EXERCITANDO..... 3
animal agressor
Ign/Branco
Ign/Branco
Unidade indicou
Abandono
Transferência
Total
3
0
0
0
3
Canina
5219
142
493
28
5882
Felina
811
18
76
2
907
Quiróptera
26
1
2
2
31
Primata
18
0
3
0
21
Raposa
5
0
0
0
5
Herbívoro
7
0
1
0
8
Outra
80
0
5
0
85
Total
6169
161
580
32
6942
Fonte: SINANNET/TABWIN
Tabela 2. Motivo de interrupção de esquema profilático segundo o animal agressor, 2014
animal agressor
Ign/Branco
Ign/Branco
Unidade indicou
Abandono
Transferência
Total
3
0
0
0
3
Canina
5219
142
493
28
5882
Felina
811
18
76
2
907
Quiróptera
26
1
2
2
31
Primata
18
0
3
0
21
Raposa
5
0
0
0
5
Herbívoro
7
0
1
0
8
Outra
80
0
5
0
85
Total
6169
161
580
32
6942
88,86%
• Localizar o paciente;
• Se necessário, completar o esquema
• O município, abrir a ficha do Sinan e alterar o quadro 49 e 50;
• Comunicar e enviar para a Dires;
• A Dires comunicar à Divep e enviar ao Dis.
1
1
1
19ª Dires Dom Basílio
21ª Dires America Dourada
23ª Dires Boquira
1
1
1
1
1
29ª Dires Ubaíra
8ª Dires Itapebi
13ª Dires Barra do Rocha
17ª Dires Capela do Alto Alegre
1
1
1
1
1
1
1
13ª Dires Ipiaú
21ª Dires Cafarnaum
25ª Dires Baianópolis
25ª Dires Santa Rita de Cassia
11ª Dires Nova Soure
3ª Dires Esplanada
1
13ª Dires Planaltino
1
26ª Dires Canápolis
27ª Dires Seabra
7ª Dires Ibirapitanga
2
7ª Dires Itabuna
1
12ª Dires Cansanção
2
12ª Dires Valente
1
27ª Dires Souto Soares
1
25ª Dires São Desidério
1
11ª Dires Olindina
0
1
11ª Dires Cicero Dantas
2
1ª Dires Salvador
Casos de Raiva Humana notificados no Sinan, por Diretorias
Regionais de Saúde, 2012 - 2014.
8
7
6
5
4
7
2014
3
2013
2012
4
3
2
ORIENTAÇÕES
• Acolhimento do cliente;
• Conscientização da pessoa sobre a importância da conclusão da
profilaxia prescrita pela unidade;
• Preenchimento de todos os campos;
• Análise criteriosa da ficha de notificação e investigação;
• Digitar a ficha após o encerramento do caso;
• Delinear estratégias de busca ativa dos faltosos;
• Garantir o acesso dos expostos aos serviços de saúde;
• Oferecer o esquema todos os dias, se possível também aos finais
de semana e feriados;
• Conscientizar o paciente da disponibilidade dos imunos em outras
unidades de saúde;
Obrigado!!
Rosane Barreto Marques
GT Raiva
[email protected]úde.ba.gov.br
Tel: 3116-0060
Download

Rosane - Raiva Humana - Secretaria da Saúde