Neoraldo do Nascimento Cardoso
neoraldo@pop.com.br

Objetivos
 Reconhecer fatores de gravidade da criança
enferma
 Resumir os componentes ABCDE primário
 CONCEITOS
▪ Recentemente nascido - "recentemente-nascido"
refere-se especificamente aos primeiro minutos ou
horas que se seguem ao nascimento.
▪ Neonato - O termo "neonato" se refere a bebês nos
seus primeiros 28 dias (mês) de vida.
▪ Lactente - O termo "bebê" ou "lactente" inclui o
período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12
meses).
▪ Criança - o termo "criança" se aplica ao grupo de 1 a
8 anos de idade.
▪
http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=24&id_detalhe=559&tipo_detalhe=s
 Anatomia
 Anatomia

Cabeça proporcionalmente maior em relação ao corpo

Cérebro mais complacente

Cavidade oral menor e língua proporcionalmente maior

Tórax mais elástico

Menor peso

Evolução clínica extremamente rápida

Recuperação neurológica maior
 Fisiologia
▪ Frequência Cardíaca (freq/min)
IDADE
FC ACORDADO
FC DORMINDO
RN até 3 meses
85 - 205
80 - 160
3 meses a 2 anos
100 - 190
75 - 160
2 anos a 10 anos
60 – 140
60 - 90
> 10 anos
60 - 100
50 - 90
 Fisiologia
▪ Frequência Respiratória (resp/min)
IDADE
FREQUÊNCIA
Lactente
30 - 60
Crianças pequenas ( 1 a 3 anos)
24 - 40
Idade pré-escolar (4 a 5 anos)
22 - 34
Idade escolar (6 a 12 anos)
18 - 30
Adolescentes
12 -16
 Fisiologia
▪ Pressões arteriais (PA em mmHg)
IDADE
PA SISTÓLICA
PA DIASTÓLICA
Mulheres
Homens
Mulheres
Homens
Neonatos ( 1 dia)
60 - 76
60 -74
31 - 45
30 - 44
Neonatos ( 4 dia)
67 - 83
68 - 84
37 – 53
35 - 53
Lactentes ( 1 mês)
73 - 91
74 -94
36 - 56
37 - 55
Lactentes ( 3 meses)
78 - 100
81 - 103
44 - 64
45 - 65
Lactentes ( 6 meses )
82 -102
87 -105
46 - 66
48 - 68
Lactentes ( 1 ano )
68 - 104
67 - 103
22- 60
20 – 58
Crianças ( 2 anos)
71 -105
70 - 106
27 - 65
25 – 63
Crianças (7 anos)
79 – 113
79 – 115
39 - 77
38 – 78
Adolescentes ( 15 )
93 – 127
95 - 131
47 - 85
45 - 85
 Fisiologia
▪ Débito urinário
Idade
Lactentes e crianças pequenas
Crianças mais velhas e adolescentes
Débito Urinário Normal
1,5 a 2 ml/kg por hora
1 ml/kg por hora
 Abordagem para avaliação pediátrica
AVALIAR
AGIR
CLASSIFICAR
DECIDIR
 AVALIAR
▪ Abordagem sistemática
▪ Observação visual e auditiva RAPIDA.
▪ 4 partes
▪
▪
▪
▪
Avaliação Geral
Avaliação primária
Avaliação secundária
Avaliação terciária
 AVALIAR
▪ Avaliação Geral
Circulação
Aparência
Esforço
Respiratório
Aparência
 AVALIAR
▪ Avaliação Geral
Circulação
Triângulo de avaliação
Esforço
Respiratório
Avaliação Geral
Aparência
Tono muscular, interação,
consolabilidade, aparência/olhar ou
fala/choro.
Esforço respiratório
Aumento do trabalho de respiração (ex.
batimento de asas do nariz, retrações),
trabalho respiratório reduzido ou ausente
ou sons anormais (sibilos, gemido
expiratório, estridor).
Ciruculação
Coloração da pele anormal ou
sangramento
 Classificar
Tipo
Gravidade
Respiratório
Obstrução de via aérea superior
Obstrução de via aéreas inferior
Doença do tecido pulmonar
Alteração do controle de
respiração
•Angústia respiratória
•Insuficiência
respiratória
Circulatório
Choque Hipovolêmico
Choque Distribuitivo
Choque Cardiogênico
Choque Obstrutivo
•Choque compensado
•Choque hipotensivo
 Decidir
▪ Acionar serviço de emergência (192)
▪ Iniciar RCP
▪ Conseguir materiais de RCP
▪ Monitorizar paciente ( monitor cardíaco e
oximetria de pulso)
▪ Oferecer oxigênio
▪ Posicionar paciente
▪ Iniciar tratamento (médicos).
 Agir
▪ Ação constante.
▪ Reavaliações contínuas
 “Agir enquanto você age”.
 Avaliação Primária
▪ A – Abertura de via aérea
▪ B – Boa respiração
▪ C – Circulação
▪ D – Disfunção
▪ E - Exposição
 A- Abertura da Via Aérea
▪ Procure ver movimento do tórax e abdome.
▪ Procure ouvir sons respiratórios e
movimentos do ar.
▪ Sinta o movimento do ar pelo nariz e boca.
 A- Abertura da Via Aérea
Condição
Descrição
Livre
A via aérea esta aberta e desobstruída para a respiração
normal
Passível de
manutenção
A via aérea pode ser mantida por manobras simples
Não passível de
manutenção
A via aérea não pode ser mantida sem intervenções
avançadas.
 A- Abertura da Via Aérea
Condição
Mediadas
Passível de
manutenção manobras
simples
•Permitir que a criança uma posição confortável ou posicionar
para atingir uma melhor abertura das VA.
•Elevar ângulo da mandíbula ou elevação do mento – cuidado
com casos suspeitos de trauma.
•Aspiração do nariz e da orofaringe
•Manobras de Heimlich
•Use cânulas nasofaringea e orofaríngea.
 A- Abertura da Via Aérea
Condição
Não passível de
manutenção manobras avançadas
Mediadas
•Intubação orotraqueal
•Remoção do corpo estranho
•Aplicação de pressão positiva contínua na VA
(CEPAP)
•Cricotireoidotomia.
 B – Boa Respiração
▪ Frequência respiratória
▪ Esforço respiratório
▪ Volume corrente
▪ Sons pulmonares e de VA
▪ Oximetria de pulso
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória (resp/min)
IDADE
FREQUÊNCIA
Lactente
30 - 60
Crianças pequenas ( 1 a 3 anos)
24 - 40
Idade pré-escolar (4 a 5 anos)
22 - 34
Idade escolar (6 a 12 anos)
18 - 30
Adolescentes
12 -16
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória anormal
▪Taquipnéia
▪Bradipnéia
▪Apnéia
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória anormal
▪Taquipnéia – primeiro sinal da
angustia respiratória em lactentes.
▪Pode ser resposta fisiológica ao
estresse
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória anormal
▪Taquipnéia – pode estar associada a
condições não pulmonares
 Febre alta
 Dor
 Acidose metabólica (desidratação)
 Sepse
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória anormal
▪Bradipnéia – respiração lenta e irregular.
▪Bradipnéia ou uma FR irregualr
é um sinal clínico grave e
perigoso = parada iminente!
 B – Boa Respiração
▪ Frequência Respiratória anormal
▪Apnéia – cessação do fluxo de ar por 20
segundos ou pouco menos, se
acompanhado de bradicardia, cianose
ou palidez.
 B – Boa Respiração
▪ Esforço Respiratório
▪Batimentos de asas do nariz,
▪Retrações torácicas
▪Balançar a cabeça ou respiração
abdominal
 B – Boa Respiração
▪ Volume corrente - volume de ar que vai
para VA a cada respiração.
▪ 5 – 7 ml/kg de peso corporal.
▪ Como avaliar:
▪ Observar a magnitude da expansão torácica
▪ Auscultar a movimentação distal do ar.
 B – Boa Respiração
▪ Ventilação minuto: volume de ar que se
movimenta para dentro e fora dos pulmões.
▪ VM= frequência respiratória x Volume corrente
 B – Boa Respiração
▪ Sons respiratórios anormais
▪ Estridor
▪ Gemido respiratório
▪ Gargarejo
▪ Sibilos
▪ Estertores
 B – Boa Respiração
▪ Oximetria de pulso
▪ Valores normais > 94%
▪ CUIDADO
 C – Circulação – análise da função
cardiovascular e órgão alvo.
 C – Circulação – análise da função
cardiovascular:
▪ Cor e temperatura da pele
▪ Frequência cardíaca (taquicardia e
bradicardia)
▪ Pressão arterial
▪ Pulsos (periféricos e centrais)
▪ Tempo de enchimento capilar ( <2s).
 C – Circulação – análise da função
cardiovascular:
▪ Cor e temperatura da pele
▪ Frequência cardíaca (taquicardia e
bradicardia)
▪ Pressão arterial
▪ Pulsos (periféricos e centrais)
▪ Tempo de enchimento capilar ( <2s).
 Fisiologia
▪ Frequência Cardíaca (freq/min)
IDADE
FC ACORDADO
FC DORMINDO
RN até 3 meses
85 - 205
80 - 160
3 meses a 2 anos
100 - 190
75 - 160
2 anos a 10 anos
60 – 140
60 - 90
> 10 anos
60 - 100
50 - 90
 Fisiologia
▪ Pressões arteriais (PA em mmHg)
IDADE
PA SISTÓLICA
PA DIASTÓLICA
Mulheres
Homens
Mulheres
Homens
Neonatos ( 1 dia)
60 - 76
60 -74
31 - 45
30 - 44
Neonatos ( 4 dia)
67 - 83
68 - 84
37 – 53
35 - 53
Lactentes ( 1 mês)
73 - 91
74 -94
36 - 56
37 - 55
Lactentes ( 3 meses)
78 - 100
81 - 103
44 - 64
45 - 65
Lactentes ( 6 meses )
82 -102
87 -105
46 - 66
48 - 68
Lactentes ( 1 ano )
68 - 104
67 - 103
22- 60
20 – 58
Crianças ( 2 anos)
71 -105
70 - 106
27 - 65
25 – 63
Crianças (7 anos)
79 – 113
79 – 115
39 - 77
38 – 78
Adolescentes ( 15 )
93 – 127
95 - 131
47 - 85
45 - 85
 C – Circulação – perfusão de órgão
alvo:
▪ Perfusão cerebral
▪ Perda do tono muscular
▪ Convulsões generalizadas
▪ Dilatação pupilar
▪ Alteração do nível de consciência
(irritabilidade, letargia, confusão mental)
▪ Inconsciência
 C – Circulação – perfusão de órgão
alvo:
▪ Pele – cor e temperatura.
 Pele:
▪ Palidez
▪ Mosqueamento ( cores irregulares)
▪ Cianose
 C – Circulação – perfusão de órgão
alvo:
▪ Função renal
 Fisiologia
▪ Débito urinário
Idade
Lactentes e crianças pequenas
Crianças mais velhas e adolescentes
Débito Urinário Normal
1,5 a 2 ml/kg por hora
1 ml/kg por hora
 C – Circulação – perfusão de órgão
alvo:
▪ Função renal
▪ Glicemia – aumenta DU
▪ Fase poliúrica IRA
 D – Disfunção
 Escala de resposta pediátrica – AVDN
 Escala de coma de Glasgow
 Resposta pupilar a luz
 D – Disfunção
 Escala de resposta pediátrica
▪ A –ALERTA
▪ V – VOZ
▪ D – DOR
▪ N – NÃO RESPONDE
 D – Disfunção
 Escala de coma de Glasgow
 D – Disfunção
 Escala de coma de Glasgow
 D – Disfunção
 Resposta Pupilar
 D – Disfunção
 Resposta Pupilar
 D – Disfunção
 Resposta Pupilar
 E - Exposição
 Exame secundário:
 SAMPLE
 Exame secundário:
▪ S – Sinais e sintomas
▪ A – Alergia
▪ Medicações
▪ Passado médico
▪ Líquidos e ultima refeição
▪ Eventos

Perguntas????
 Qual cuidado com criança com asma ou
bronquite?
 Qual diferença da PCR adulto e da criança?
 Trauma?
 Queimados?
Download

EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS