AGOSTO 2013
“Há muitas coisas que só parecem impossíveis enquanto não
tentamos fazê-las.” André Gide
Reflexões
É preciso mudar.....
• Se o Plano de Saúde é bom?
• Se a operação do sistema atual é bom? Será que é mesmo?
• Vai começar tudo de novo? Já vi este filme...
• Há fragilidades nos processos atuais?
• A evolução das exigências da Agencia Nacional de Saúde – ANS é
atendida no atual sistema?
• As novas tecnologias permitem melhorar o desempenho do trabalho?
E por que não mudou?
E se continuar assim...
• Complexidade e Abrangência do
Sistema
• Dificuldades tecnológicas e de
reformulação do SASMED
• Foco em Outras Demandas
• Descontinuidade de Gestão
• Dificuldades inerentes a
empresas públicas
•Falta de apoio da Diretoria
Colegiada
• Execução de rotinas manuais
• Irregularidade perante a ANS
• Dificuldades de expandir a rede
credenciada
• Proibição de inclusão de novos
beneficiários (concurso público)
• Fragilidades na auditoria
• Burocratização dos processos
• Penalidades aplicadas pela ANS
• Crescimento de custos acima da
média
•Esgotamento do sistema
•Inviabilidade de aquisição de
OPME
Cronologia da Caixa de Assistência na
ECT
1994
Estudos para
viabilizar o
Plano de Saúde
para
aposentados e a
Caixa de
Assistência
Limitações
sistêmicas
Requerem soluções
Estruturais –
1998
Grupo de Trabalho
para dar continuidade
aos trabalhos de 1994
2003
Grupo de trabalho para
Implementar plano de
Saúde para aposentados e
Caixa de Assistência
2006
ANS implementa o
2013
TISS 1.0 – ECT não
ANS implementa
TISS 3.0 – Esgotamento Atender a exigências
do modelo de gestão
De RH
Alternativas para Solução
Contratação de Operadora ou Administradora
de Plano de Saúde - Plano de Saúde Coletivo
 Ressarcimento de Mensalidade – Modelo
adotado na administração direta (Portaria/MP nº
5/2011)
 Manutenção da autogestão, alterando a
modalidade para autogestão pessoa jurídica
vinculada.
Justificativas da escolha
 Manutenção do modelo autogestão
Alternativa adotada com sucesso por outras
empresas públicas e privadas.
 A ECT continua com poder de influência na
gestão do plano.
 Transferência da operacionalização do
CorreiosSaúde, mantendo regras atuais.
Justificativas da escolha
Adesão de outros patrocinadores que tenham
vínculo com a ECT.
 Implantação das exigências da ANS, nos prazos
previstos.
 Implantação de nova sistemática de aquisição
de OPME.
 Criação de novos planos.
Justificativas da escolha
Participação dos beneficiários na gestão da
caixa de assistência.
 Redução e melhor controle da taxa de
crescimento das despesas diretas.
 Redução dos custos administrativos.
 Melhoria nos Programas de Prevenção de
Doenças e de Promoção à Saúde.
PALAVRAS DO CONSELHO DE
ADMINISTRAÇÃO:
#VAMAISLONGE
ENTÃO CRIAMOS A:
Uma operadora de saúde para chamar de sua
Postal Saúde
 Principais características:
 Autogestão em Saúde, sem fins lucrativos e regulada
pelo Código Civil e normativos da Agência Nacional de
Saúde.
 A ECT será associada como Mantenedora e
Patrocinadora
 Outras subsidiárias e controladas poderão ser
Patrocinadoras.
 Diretoria é integralmente indicada pela ECT
Postal Saúde
 Principais características da POSTAL SAÚDE:
 Composição dos Conselhos: 50% indicados pela
mantenedora e patrocinadores e 50% eleitos pelos
beneficiários.
 Em caso de dissolução, o seu patrimônio é devolvido à
ECT.
 Será a sucessora da ECT na operacionalização do
CorreiosSaúde.
 Membros dos Conselhos e da Diretoria Executiva não
são remunerados para o exercício do cargo.
 Endereços:
 Internet: www.postalsaude.com.br
 Twitter: @postalsaude.com
 Facebook: facebook/postalsaude.com
 Instagran: postalsaude
 SEDE PROVISÓRIA:
SCN QUADRA 2 BLOCO D , TORRE A EDIFICIO LIBERTY MALL
SALAS 415 - 419 – CEP 70712-903 BRASÍLIA, DF
 O que já foi feito:
 Além da Assembleia Geral de constituição
 Já foram realizadas as reuniões da Diretoria Executiva, do Conselho Deliberativo e
do Conselho Fiscal
 Efetuado o registro no Cartório de Pessoas Jurídicas e de CNPJ
 Obtido registro do CRM e CRO
 A ECT já aprovou em REDIR a sua participação como associada
 Efetuada a solicitação de registro junto a ANS
 Em fase de assinatura de contrato de locação da SEDE definitiva
 Iniciado processo de escolha dos sistemas que darão suporte ao funcionamento
pleno da POSTAL SÀÚDE
 Algumas dúvidas:
 O que mudará no CorreiosSaúde?

Nada. A Postal Saúde será a nova Gestora/Administradora do CorreiosSaúde na qualidade
de sucessora da ECT, e como tal não poderá efetuar alterações na cobertura e assistência.
 Qualidade e Controle. A Postal Saúde será a nova gestora e como tal será dedicada ao
aperfeiçoamento das ferramentas de controle e modernização do acesso aos serviços. As
auditorias em todas as etapas do processo de assistência fará com que a qualidade do
atendimento melhore e os custos reduzam. A TI estará dotada de todas as ferramentas que
propiciam a liberação de procedimentos via internet, e gerará relatórios que servirão para
melhor acompanhamento da saúde dos empregados dos Correios.
 Posteriormente, poderão ser criados novos planos e oferecidos aos atuais beneficiários.
Para os novos empregados será a Alternativa disponível. Serviços especiais e coberturas
extras poderão agregar-se ao novo Plano, mediante plano de custeio atuarialmente
responsável.
 Pontos críticos:
 A) Prazo para configuração do Sistema TISS 3.0 – sistema que interliga
os procedimentos médicos à ANS – em 01 de dezembro de 2013.
 Sem isso estaremos sujeitos a penalidades.
 B) Para que o Correios possa fazer contratações de novos empregados,
há a necessidade de regularização das pendências para com os
normativos da ANS.
 Previsão:
 A) Liberação do registro como Gestora de Plano de Saúde – ANS – 60 dias
 B) Migração dos Processos de gestão – 100 dias
 C) Início efetivo da Gestão – 30 de setembro
 Já com carteira de Associado com tarja magnética
 Liberação de procedimentos médicos on-line
 Funcionamento do Portal da POSTAL SAÚDE – extrato, rede credenciada, solicitações e
orientações sobre saúde, ouvidoria, prestação de contas.
 Início das auditorias de contas médicas e de procedimentos de regulação. por meio dos
sistemas informatizados.
 Período de Transição (12 meses)
 Utilização das equipes/espaço físico da ECT na operação da Postal Saúde;
 O modelo de liberação será analisado pelo VIJUR e VIGEP, sendo a
proposta de liberação com ressarcimento pela Postal Saúde. Os
empregados liberados não terão prejuízo salarial e na contagem de tempo
de função técnica/gerencial;
 Os contratos administrativos (vigentes ou em contratação) relacionadas a
CorreiosSaúde deverão ter continuidade, devendo migrar para a Postal
Saúde.
 Obrigado,
Sérgio Francisco – Diretor Presidente
sergiofrancisco@postalsaude.com.br
Fábio Souza – Diretor Administrativo Financeiro
fabiosouza@postalsaude.com.br
Brasília, agosto de 2013
Conselho deliberativo
Diretoria Executivo
Omar de Assis Moreira (indicado)
Joelson Vellozo Moreira (indicado)
José Pedro de Amengol Filho (indicado)
José Roberto de Andrade Mello (eleito)
Laerte Alves Setubal (eleito)
Ivanilson Pacheco da Silva (eleito)
Sérgio Francisco – Presidente
Fábio Souza – Diretor Adm.e Fin.
Conselho fiscal
Paulo Henrique Soares de Moura (indicado)
Rosilda da Costa Xavier (indicado)
Ana Lúcia de Oliveira Silva (eleito)
Ademir Antonio Loureiro (eleito)
 Assembleia:
 Edital de convocação no Correio Brasiliense em 26 de abril de 2013
 Na internet, endereço da Postal Saúde www.postalsaude.com.br
 Realizada em 30 de abril de 2013, as 18h30 min
 Presença de 120 pessoas , entre ativos e aposentados, representando mais de 20
estados (DRs)
 Aprovados os seguintes itens:
 A) Fundação da POSTAL SAÚDE
 B) Aprovação do Estatuto Social
 C) Indicação da representação da ECT
 D) Eleição dos representantes dos beneficiários.
 E) Posse dos eleitos e indicados
Download

Baixar arquivo - ANATECT - Associação Nacional dos