O fumo e a pobreza
Stephen A. Tamplin, MSE
Departamento de Epidemiologia
Institute for Global Tobacco Control
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
O fumo e a pobreza
No mundo todo, 84% dos fumantes vivem em países em
desenvolvimento e com economias em transição*
Nesses países, são os pobres que mais fumam e que carregam o
maior ônus econômico e de doenças associadas ao tabagismo
Os pobres mal podem gastar os poucos recursos domésticos que
têm com o tabaco
O vício da nicotina os leva a gastar dinheiro em tabaco, limitando
os recursos disponíveis para suas necessidades básicas
Fonte: *Organização Mundial da Saúde. (2004). Tobacco and poverty: a vicious circle.
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
2
Qual é a natureza da relação entre fumo e pobreza?
Dimensões da relação tabaco e pobreza:
 Perspectiva analítica das associações do fumo e pobreza
 Benefícios a curto prazo que os pobres veem no tabaco
 Impactos adversos do fumo nos pobres
 Formas eficientes de romper a relação fumo-pobreza
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
3
Objetivo do aprendizado
Descobrir formas criativas de
reduzir o impacto da epidemia
de tabagismo sobre os pobres
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
4
Relações conhecidas entre o tabagismo e a pobreza
Os pobres e os mais pobres tendem a fumar mais e arcar com a
maior parte do ônus econômico e de doença causadas pelo
tabagismo
 Dos 1,3 bilhões de fumantes no mundo, 84% vivem em
economias em desenvolvimento ou transição*
A prevalência de fumantes entre os homens tende a ser mais alta
nos países de renda baixa e média
 Em 2003, era de 50% nos países de renda baixa e média, e
cerca de 35% nos países de renda alta†
Fontes: *Organização Mundial da Saúde. (2004). Tobacco and poverty: a vicious circle; †Shafey, O., et al. (2003).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
5
Relações conhecidas entre o tabagismo e a pobreza
Estudos de países específicos:
 Um estudo de 1997 sobre a prevalência do tabagismo entre
homens em Chennai, Índia*
 O índice mais alto de 64% é encontrado na população
analfabeta e diminui com o aumento dos anos de
escolaridade
 Para homens com mais de 12 anos de escolaridade, o
índice baixou para 21%
 Um estudo de 1998 no Reino Unido†
 10% das mulheres e 12% dos homens no grupo
socioeconômico mais alto eram fumantes, comparado a
35% de mulheres e 40% de homens no grupo
socioeconômico mais baixo
Fontes: *Gajalakshmi, C. K., Peto, R. (1997); †United Kingdom Department of Health. (1998).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
6
Relações conhecidas entre o tabagismo e a pobreza
Pouca atenção tem sido dedicada entre a
relação entre o tabagismo e a pobreza
O tabaco contribui para a pobreza nos
níveis pessoal, de família e país
Fonte: Organização Mundial da Saúde. (2004).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
7
O fumo contribuindo para a pobreza: nível de família
Custo da oportunidade
 O dinheiro gasto com fumo é dinheiro que não está disponível
para as necessidades básicas como alimentos, abrigo,
educação e saúde
Perda de receita
 Resultado dos riscos mais altos de doença e morte prematura
que os usuários do tabaco enfrentam devido a doenças
relacionadas ao tabagismo
Riscos da agricultura do tabaco
 Relacionados a finanças e saúde
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
8
O fumo contribuindo para a pobreza: nível nacional
Altos custos dos serviços de saúde
 Os custos relacionados ao tabagismo giram em torno de 6% e
15% do total dos custos dos serviços de saúde nos países de
alta renda*
Perda de produtividade
 Nos Estados Unidos, entre 1995 e 1999 os custos econômicos
de saúde associados ao uso do tabaco somaram mais de
US$ 157 bilhões por ano†
 Se as tendências atuais persistirem, as 650 milhões de pessoas
vivas hoje serão eventualmente mortas pelo tabaco‡, metade
delas mortas durante seus anos mais produtivos, cada qual
perdendo entre 20 e 25 anos de vida**
Perda de divisas
Fontes: *Banco Mundial. (1999); †Centers for Disease Control. (2002); ‡OMS. *Relatório Mundial da Saúde. (2003);
**Banco Mundial.
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
9
O fumo contribuindo para a pobreza: nível do país
Contrabando
 A perda de receita total estimada dos governos devido ao
contrabando de cigarros é de cerca de US$ 25 a 30 bilhões
por ano*
Degradação ambiental
 Cerca de 200.000 hectares de florestas são consumidos todo
ano pela cultura do tabaco
 Um estudo concluiu que cerca de 5% de todo desmatamento
nos países em desenvolvimento onde se cultiva o tabaco é
decorrente da produção do tabaco†
 Poluição causada pelos pesticidas e fertilizantes aplicados
nos campos de cultivo do tabaco
 Refugo sólido e químico decorrente da produção do tabaco
Fontes: *Joossens, L. (1998). † Geist, H. J. (1999).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
10
Percepções dos “benefícios” do tabaco
Ter estilo de vida “bacana”
Ter sucesso
Ser independente e atuante
Tirar férias e divertir-se
Fonte da imagem: Trinkets & Trash. Permissão concedida para uso educacional.
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
11
Percepções dos “benefícios” do tabaco
Tem um efeito calmante no convívio social
Alivia a depressão
Mata a fome
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
12
Os efeitos adversos do tabaco sobre os pobres
Custo da oportunidade
Perda de renda devido ao maior risco
de doenças e morte prematura
Riscos financeiros da agricultura do
tabaco
Fonte da imagem: Otanez, M. (2007).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
13
Custo da oportunidade
O dinheiro gasto com fumo é dinheiro que não está disponível para
as necessidades básicas como alimentos, abrigo, educação e saúde
Exemplos de estudos de gastos com
tabaco por famílias de baixa renda
Os gastos com tabaco como
porcentagem das despesas totais
Egito*
10%
Indonésia†
15%
Níger‡
40% — estudantes
25% — operários braçais
Bulgária**
10,6% — famílias de baixa renda com
pelo menos um fumante
México††
11% — os 20% de famílias mais pobres
Fontes: *Nasser, H. (2003); †de Beyer, J, et al. (2001); ‡SOS-Tabagisme-Niger. (2003);
**Savginsov, O., et al. (2002); ††Sesma-Vasquez, S., et al. (2002).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
14
Custo da oportunidade: Bangladesh
Um estudo da OMS de 2004 mostrou que mais de 10,5 milhões de
pessoas em Bangladesh que são subnutridas, poderiam ter uma
dieta alimentar adequada se ao invés de gastar o dinheiro com
fumo ele fosse gasto com alimentação
 Potencialmente, as vidas de 350 crianças com menos de 5 anos
poderiam ser salvas a cada dia
As famílias mais pobres de Bangladesh gastam quase 10 vezes mais
com o fumo do que com a educação
Fonte: Organização Mundial da Saúde. (2004).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
15
Perda de receita
A perda de receita provém dos maiores riscos de doenças e mortes
prematuras enfrentados pelos tabagistas com relação às doenças
relacionadas ao fumo, tais como câncer, infarto e doenças
respiratórias
A saúde precária causada pelo tabagismo é geralmente causada por
um processo de descensão para extrema pobreza†
“Ovos? De onde virá o dinheiro para comprá-los?”
 Um condutor de riquixá que poderia dar um ovo por dia para
cada um dos três filhos se comprasse ovos em vez de tabaco*
Fonte: *Efroymson, D., & Saifuddin, A. (2001). †de Beyer, J., et al. (2001).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
16
Riscos do cultivo do fumo
Intensivo quanto à mão de obra
Trabalho infantil
Pesticidas e fertilizantes caros
Perigos ocupacionais (por ex.,
doença da folha do tabaco verde)
Dívidas
Fonte da imagem: Otanez, M. (2007).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
17
Rompimento da relação tabagismo-pobreza
Cultura
Contexto
Consequências
“Todos vivemos dentro de um contexto cultural.”
 The Encyclopedia of World History, 2001
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
18
Camboja - Estudo de caso: monges budistas como líderes
Pesquisa de 2001 do tabagismo entre os
monges:
 Prevalência ponderada entre cinco
províncias = 36,3%
O tabaco é uma oferta popular para os
monges
Fonte: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
19
Monges como escolha de liderança no controle do
tabagismo
95% dos cambojanos são budistas e têm grande respeito pelos
monges
Há mais de 3.820 templos e 35% dos mais de 55 mil monges são
fumantes
Os monges representam uma proporção significativa de homens
adultos cuja educação e comportamento sofrem grande influência
durante o tempo que passam no templo
O projeto para que monges não fumassem e os templos ficassem
livres do fumo foi dirigido aos monges chefes em cada uma das 22
províncias, e contou com o apoio dos dois monges líderes do país
Fonte: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
20
A poderosa influências dos monges
A criação de normas para ambientes
sem fumo, principalmente os grandes
templos que servem também de
escolas, tornou-se um ponto central
do projeto
Fonte da imagem: Crape, B. (2003).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
21
Chegando à população budista: sermões
Mensagens disseminadas pelos
monges:
 A inadequação do tabaco
como uma oferta para os
monges
 Contradição entre o
tabagismo e os
ensinamentos budistas de
pureza corporal
Fonte do texto: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
22
Chegando à população budista: interação comunitária
“Agora com 72 anos, Ung Pac conta que
começou a fumar aos 18. Mas por
insistências dos monges do pagode vizinho
ele parou de fumar. . .”
“. . . Ung Pac agora aponta com orgulho
para um adesivo, é proibido fumar, em
uma das colunas de madeira que
sustentam sua casa. . . esta é a
recompensa — a mensagem sendo passada
do monge para a comunidade. . .”
Fonte do texto: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
23
Chegando à população budista:
meios de comunicação em massa
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
24
Prevalência de monges fumantes por província no
Camboja
Fonte: adaptado por CTT do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
25
Prevalência de fumantes entre os membros da
comunidade
Fonte: adaptado por CTT do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
26
Monges como líderes
Fonte: adaptado por CTT do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
27
Camboja: ambiente de desenvolvimento social
Projeto do Centro de
Bicicletas do Camboja
 Os condutores de
riquixás gastam em
média 800 riels por dia
em cigarros (entre 200 R
e 5.000 R)
 12,8% da renda diária
 90% dos fumantes
gostariam de parar
Fonte: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
28
Camboja - Estudo de caso:
Projeto do Centro de Bicicletas
Os condutores de bicicletas
que optam por não fumar
recebem auxílio para compra
de sua bicicleta sem fumo
Os condutores se
comprometem a não permitir
o fumo em suas bicicletas e
afixar mensagens de saúde
nelas
São prestados serviços de
cessação no Centro de
Bicicletas
Fonte: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
29
Camboja - Estudo de caso:
Projeto do Centro de Bicicletas
O projeto teve início com 12 bicicletas sem fumo
 Até 2005, cerca de 80 bicicletas sem fumo estavam nas ruas
de Phnom Penh
Um condutor de bicicleta que para de fumar e quita sua bicicleta
pode aumentar sua renda diária em média em 2.390 riels, ou
71.700 riels por mês
A taxa de cessão de fumo informada pelos próprios condutores de
bicicleta em 2005 foi de 90%
Após um ano da implantação do programa, 87,7% dos participantes
não eram mais fumantes, enquanto 12,3% ainda fumavam
Fonte: adaptado do autor David A., National Conference on Tabacco or Health. (2005).
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
30
Resumo
Entenda o contexto local
Os relacionamentos são de suma importância
As parcerias são essenciais
Os líderes locais são cruciais
Faça as intervenções no ambiente de desenvolvimento social
A escolha do momento certo é mais importante que o próprio
tempo
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
31
Citações
“ . . . se a prevalência do tabagismo em adultos cair 20% até 2020,
pelo menos 100 milhões de pessoas que estão vivas hoje deixarão
de morrer prematuramente por causa do tabaco”
 Frieden e Bloomberg (2007), Lancet
“Precisamos de remédios amargos para tratar doenças; da mesma
forma, precisamos de conselhos duros para trilharmos o caminho
correto”
 Provérbio chinês, 100 Pérolas da Sabedoria Chinesa (1999),
Sinolingua, Pequim, China
 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health
32
Download

Slide 1 - Global Tobacco Control