JIA 2015
VIII JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA
Entre ciência e cultura: da interdisciplinaridade à transversalidade da arqueologia
TÍTULO: O contributo dos estudos de aquisição e uso de matérias‐primas em contextos arqueológicos TIPO DE APRESENTAÇÃO: SESSÃO TRADICIONAL RESUMO: O estudo da determinação da origem e da caracterização física e química das matérias‐primas são geralmente associados ao estudo de materiais líticos pré‐históricos. Os avanços na química a partir da segunda metade do século XX permitiram que as técnicas analíticas possibilitem a análise das características e composição química e física dos materiais com elevado grau de precisão. A partir da década de 1980 assiste‐se a uma democratização da utilização das técnicas arqueométricas em estudos arqueológicos. Nos dias de hoje a aplicação das mais variadas técnicas analíticas é essencial para responder a questões relacionadas com a origem e utilização dos objetos. Apesar de estes estudos se encontrarem em grande expansão, devido aos custos a eles associados, são com frequência realizadas análises somente sobre materiais considerados raros dentro de um contexto arqueológico concreto. Os estudos de aprovisionamento e utilização das matérias‐primas presentes num acervo não se limitam ao estudo dos líticos ou da pré‐história. As questões técnicas – Que material é? Quais as características físicas e químicas da matéria‐prima? Qual a sua origem? ‐ são estendidas a todas as cronologias e a materiais de várias naturezas como por exemplo cerâmica, metais, materiais vítreos ou ósseos, entre outros. Também algumas questões teóricas relacionadas com o desenvolvimento cultural ultrapassam o âmbito temporal – como foi explorado? Porque foi usada esta matéria‐prima e não outra? O diálogo inter‐cronológico permite um melhor entendimento das alterações da exploração e uso da matéria‐prima no tempo e no espaço, essencial para entender a extensão do pensamento estratégico, das motivações culturais vs desenvolvimento técnico. O estudo de matérias‐primas encontra‐se numa fase de grande expansão. Procuramos nesta sessão reunir estudantes que se centrem em problemáticas da origem e utilização de diferentes matérias‐primas, recorrendo a distintas técnicas analíticas. Esperamos que delas surja um debate frutífero acerca das técnicas, resultados obtidos e contextos interpretados. Não colocamos limite de cronologias uma vez que há questões que transcendem o registo temporal como por exemplo “quais as propriedades que se devem analisar para cada tipo de matéria‐prima?”, “quando é legítimo utilizar técnicas destrutivas ou quando se deve esperar por novos avanços técnicos e tecnológicos?”, “qual a importância da realização de estudos de origem, exploração e utilização de matérias‐primas?” Aceitam‐se propostas de trabalhos que demonstrem que a utilização de técnicas analíticas foram essenciais para responder a problemas de interpretação de contextos arqueológicos. Porque os “não‐resultados” não são insucessos mas sim dados novos essenciais para o avanço da ciência, aceitam‐se também trabalhos que demonstrem o oposto, ou seja, onde a utilização de técnicas de ponta não trouxeram dados extra para a interpretação do sítio. Tendo esta base, convidamos todos os interessados que tenham trabalhos em curso ou experiência anterior no estudo de matérias‐primas a apresentar as suas propostas. JIA 2015
VIII JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA
Entre ciência e cultura: da interdisciplinaridade à transversalidade da arqueologia
PESSOAS DE CONTACTO: Ana Abrunhosa (ICArEHB, FCHS – Universidade do Algarve): [email protected] Marta Francés Negro (Laboratorio de Evolución Humana (Espanha), Universidad de Burgos.): [email protected] COMO PARTICIPAR? Envio da proposta para um dos e‐mails de contacto ([email protected]; [email protected]) até ao dia 10 de Julho de 2015. No referido e‐mail deve constar a seguinte documentação (ficheiro em formato doc./docx ou pdf): ‐ Título; ‐ Resumo (máximo 250 palavras); ‐ Dados pessoais e filiação institucional da/s pessoa/s que irão participar: nome, apelidos, e‐
mail, morada e telefone de contacto. JIA 2015
VIII JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA
Entre ciência e cultura: da interdisciplinaridade à transversalidade da arqueologia
PESSOAS DE CONTACTO: Carmen Cortés (Universidad Complutense de Madrid): [email protected] Hugo H. Hernández (Universidad del País Vasco‐Euskal Herriko Unibertsitatea): [email protected] Jadranka Verdonkschot (Universidad de Alcalá e Eberhard Universität Tübingen). COMO PARTICIPAR? Envio da proposta para um dos e‐mails de contacto ([email protected]; [email protected]), antes do dia xx de 2015. No referido e‐mail deve constar a seguinte documentação (ficheiro em formato doc./docx ou pdf): ‐ Título; ‐ Resumo (máximo 250 palavras); ‐ Dados pessoais e filiação institucional da/s pessoa/s que irão participar: nome, apelidos, e‐
mail, morada e telefone de contacto. 
Download

O contributo dos estudos de aquisição e uso de matérias