Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185
Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial III, 1387-1389
IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014
ISSN: 0873-948X; e-ISSN: 1647-581X
O ensino da previsibilidade sísmica no ensino secundário
The teaching of seismic predictability in high school
D. Teixeira1,2*, A. Roxo2, R. Soares2
Artigo Curto
Short Article
© 2014 LNEG – Laboratório Nacional de Geologia e Energia IP
Resumo: Este trabalho resulta de uma investigação realizada durante
o mestrado de Ensino em Biologia e Geologia. A investigação
compreende intervenções nos domínios científico e educacional e foi
conduzida através de uma metodologia de investigação educacional
que se classifica como investigação qualitativa. A amostra consiste
em 47 estudantes do 10º ano, de uma escola secundária do Porto. Os
instrumentos de recolha de dados foram documentos aplicados aos
alunos (pré-teste e pós-teste) e os resultados foram sujeitos a uma
análise de conteúdo. A intervenção educacional foi operada de
acordo com a Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas,
modelo de ensino que segue a perspetiva de ensino Inquiry e que tem
estratégias e recursos de ensino diversificados. A intervenção
científica foi conduzida sob o tema III – “Compreender a estrutura e
dinâmica da Geosfera”, capítulo 3 – “Sismologia”, do programa
escolar de Biologia e Geologia do 10º ano de Portugal. Este estudo
permitiu concluir que os alunos adquiriram uma posição mais
reflexiva sobre alguns pontos inerentes à previsibilidade sísmica.
Palavras-chave: Geologia, Aprendizagem, Professor, Aluno,
Sismologia.
Abstract: This work culminates in a research made during the
Biology and Geology Education master course. The research
comprises interventions on both scientific and educational domains
and was conducted by using education research methodology
classified as a qualitative investigation. The sample consists in 47
students of the 10th grade belonging to an Oporto high school. The
data collection instruments were the documents made by the students
(pré and pos-test) and the results were subjected to a content analysis.
The educational intervention was performed according to the
Problem Based Learning, instructional model that follows the Inquiry
educational perspective and has multiple teaching strategies and
resources. The scientific intervention was conducted under the theme
III – “Understanding the Geosphere structure and dynamics”, chapter
3 – “Seismology”, of the Biology and Geology 10th grade’s school
program of Portugal. This study concluded that students have
acquired a more reflective position on some points inherent to
seismic predictability.
Keywords: Geology, Learning, Teacher, Student, Seismology.
1
Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto, Portugal.
Agrupamento de Escolas Garcia de Orta, Porto, Portugal.
*
Autor correspondente / Corresponding author: daniel_rft@hotmail.com
2
1. Introdução
No ensino das Ciências é necessário apostar em
metodologias de ensino que promovam o interesse pelas
Ciências, sendo o professor um agente de aplicação das
metodologias, que posteriormente deverá refletir sobre a
ação e compreender como numa próxima oportunidade
pode evoluir e contribuir para o sucesso dos alunos
(Esteves, 2009). Neste sentido em contexto formal de sala
de aula foi aplicada uma metodologia de ensino que na
literatura da especialidade é designada por Problem Based
Learning (PBL), em português por Aprendizagem Baseada
na Resolução de Problemas (ABRP) (Lambros, 2004;
Barret & Cashman, 2010; Vasconcelos & Almeida, 2012).
A ABRP potencia o raciocínio científico e auxilia não
só a aprendizagem de alguns aspetos essenciais da
investigação científica (recolher factos, encontrar
evidências, procurar soluções, argumentar, comunicar os
resultados investigados, entre outros), mas também a
própria natureza da ciência (Lambros, 2004; Vasconcelos
& Almeida, 2012).
Esta metodologia é centrada no aluno envolvendo-o
com a procura de soluções para resolução de problemas,
que devem ser o mais reais possíveis ou de um futuro
imaginável. A apresentação e exploração do problema
devem levantar questões por parte do aluno, ponto central
da metodologia, e por isso, definida como uma abordagem
por questionamento e pesquisa (pequena investigação) que
levará o aluno a focar-se em múltiplas soluções, em vez de
respostas corretas. Mais do que a resposta para o problema
importa o caminho percorrido, definidor das competências
desenvolvidas e do conhecimento construído (Goodnough
& Cahsion, 2003; Lambros, 2004; Vasconcelos, 2011).
Destaca-se ainda a pluralidade de estratégias passíveis
de serem utilizadas seguindo uma metodologia como a
ABRP, e que normalmente os alunos reconhecem o mérito,
por melhorar a utilização de estratégias mais tradicionais,
nomeadamente as aulas expositivas, que podem ser
utilizadas, embora não se aconselhe exposições
prolongadas, mas sim interativas e de cerca de 10 minutos
(Lambros, 2004; Vasconcelos, 2011; Soares et al., 2013).
A pensar em como potenciar a metodologia de ABRP
em sala de aula e a tirar o máximo partido da sua utilização
1388
D. Teixeira et al. / Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial III, 1387-1389
pensou-se num tema que tivesse interesse, fosse atual e
que por si só levasse os alunos ao questionamento. A
escolha pelo tema da sismologia, em concreto, pelos
métodos de previsibilidade de ocorrência de um sismo,
prendem-se pelos benefícios subjacentes para as
populações com o desenvolvimento de técnicas de
previsão e pelo interesse que os alunos normalmente têm
por assuntos que nem sempre têm um consenso científico.
Os eventos sísmicos são fenómenos naturais que
ocorrem sobre condições que o Homem ainda não é capaz
de prever. A previsão sísmica entendida como o ato de
prever um sismo de modo a que se possam salvaguardar
pessoas e bens, dentro de um prazo curto (horas ou poucos
dias) não foi ainda descoberta. A previsibilidade sísmica
baseia-se na observação de sinais percursores de sismos,
mas esta previsão é ainda probabilística, no sentido de que
a magnitude exata, tempo e localização do hipocentro não
podem ser determinados com precisão ou de forma fiável.
São vários os autores que têm apresentado algumas
interpretações, métodos e modelos no sentido de precisar a
ocorrência de um fenómeno natural como um sismo
(Shearer, 1999; Estêvão & Oliveira, 2001; Mooney, 2005;
Nunes, 2009; Câmara, 2010; Varum (s/d)).
No âmbito da prevenção e minimização do risco
sísmico uma das entidades responsáveis por estes estudos é
a Autoridade Nacional de Proteção Civil. Consultando a
página
oficial,
http://www.proteccaocivil.pt/Pages/default.aspx, é possível
verificar quais os trabalhos que estão a ser desenvolvidos
por esta entidade.
Pela pertinência do tema e da própria metodologia, os
alunos foram confrontados com algumas situações que os
levaram a refletir e a debater a sua perspetiva e opinião,
recorrendo a conhecimentos adquiridos em ciclos de
estudo anteriores e a material fornecido para o
funcionamento da aula. Com este trabalho pretendeu-se
sensibilizar os alunos para medidas de prevenção e
limitações da previsibilidade dos fenómenos sísmicos e
compreender como refletiam os alunos sobre a
previsibilidade da ocorrência de sismos.
Em sala de aula serão seguidas as recomendações do
programa a disciplina disponibilizado pelo Ministério da
Educação (ME:DES, 2001).
2. Metodologia
A metodologia de ensino foi a ABRP recorrendo à
aplicação de cenários com os conteúdos a abordar, citando
um cenário aplicado antes da abordagem formal em sala de
aula (pré-teste) - “Autoridades ignoraram alerta de
terremoto na Itália”, e um após a aula de exploração dos
conteúdos a lecionar (pós-teste) - “Prós e contras da
previsibilidade sísmica”.
Depois da leitura atenta dos cenários aplicados foi
proposto aos alunos que refletissem sobre a
vulnerabilidade das populações face ao enquadramento
geológico da região, as consequências para a população e
bens com a ocorrência de sismos, qual a influência e o
papel dos órgãos políticos, de investigadores e dos meios
de comunicação e da influência do enquadramento social,
religioso e político de uma população para minimizar os
efeitos do risco sísmico.
O trabalho desenvolvido em sala de aula com os alunos
foi a análise de 3 casos de estudo. O primeiro caso esteve
relacionado com a sismicidade em Portugal e as medidas
de minimização do risco sísmico. O segundo caso
debruçou-se sobre as técnicas de previsão de sismos e de
ensaios feitos na região de Parkfield, Califórnia. O último
caso de estudo foi a ocorrência de um sismo que afetou a
sociedade de Áquila onde foram condenados três cientistas
responsáveis pela monitorização da atividade sísmica da
região (Allegrè, 1987; Shearer, 1999; Estêvão & Oliveira,
2001; Mooney, 2005; Nunes, 2009).
Os produtos finais desenvolvidos pelos alunos foram
alvo de uma processo de investigação fundamentalmente
qualitativo recorrendo-se à técnica de análise de conteúdo
para tratamento dos dados.
Este processo de tratamento de dados consiste em
avaliar de forma sistemática um corpo de texto, por forma
a desvendar e a quantificar a ocorrência de
palavras/frase/temas
considerados
“chave”
que
possibilitam comparação à posterior (Marshall &
Roosman, 1989 in Coutinho, 2011).
Atendendo ao propósito do trabalho elaboraram-se
quatro categorias, apresentadas seguidamente, para
estabelecer os objetivos da análise de conteúdo.
− Refletir sobre a vulnerabilidade de uma região e as
consequências para a população e bens (R1);
− Refletir sobre a influência politica, social, religiosa,
económica para a tomada de decisão em caso de risco
sísmico (R2);
− Refletir sobre que influência devem ter os media na
divulgação de risco sísmico (R3);
− Refletir sobre a responsabilidade civil e profissional
dos investigadores (R4);
Os participantes na investigação foram alunos do 10º
ano de escolaridade de uma escola da região do Porto. A
investigação foi levada a cabo com duas turmas,
constituindo um total de 47 alunos, dos quais 31 alunos
são do sexo feminino e 16 alunos do sexo masculino. Os
alunos apresentam uma média de idades próxima dos 16
anos e a moda é também de 16 anos.
Como se trata de uma amostra organizada por grupos já
constituídos de alunos, e o investigador não tem qualquer
influência na constituição desses grupos, designa-se por
amostra não probabilística de conveniência. Este tipo de
amostras acarreta algumas desvantagens, nomeadamente
na generalização de resultados. Contudo, como o objetivo
desta investigação não é o de generalizar, mas sim de
avaliar a ação do investigador enquanto docente, é
admitida tal amostragem para a investigação (Coutinho,
2011).
3. Apresentação e discussão dos resultados
Os resultados obtidos foram estruturados em duas tabelas
distintas. Uma primeira tabela (Tabela 1) evidencia o
número de alunos que aborda as categorias pretendidas
O ensino da previsibilidade sísmica
1389
com a análise dos cenários apresentados. A segunda tabela
evidencia o número de alunos em função da distribuição
das respostas.
Os resultados obtidos (Tabela 1) mostram que os
alunos, da fase de pré-teste para a fase de pós-teste, tomam
uma posição mais refletiva sobre pontos inerentes à
previsibilidade sísmica.
Tabela 1. Distribuição dos resultados de acordo com a categoria em
análise.
Table 1. Distribution of results according to the category of analysis.
Tópicos abordados
Pré-teste
Pós-teste
Categoria R1
8
14
Categoria R2
0
17
Categoria R3
0
12
Categoria R4
0
2
Os resultados obtidos na tabela 2 revelam um ligeiro
aumento do número de tópicos abordados pelos alunos em
questões de reflexão sobre a previsibilidade sísmica.
Houve uma aprendizagem efetiva, pois o número de
tópicos abordados e o número de alunos respondentes da
fase de pré-teste para a fase de pós-teste melhorou
significativamente.
Os resultados apresentados na tabela 1 demonstram
uma efetiva participação dos alunos nas respostas
solicitadas à medida que se avança na ação, inclusive o
número de tópicos abordados aumenta consideravelmente.
De uma forma geral, os resultados são bastante positivos,
embora tenha havido resistência por parte de 14 alunos,
que não responderam à questão solicitada (Tabela 2).
Tabela 2. Distribuição dos resultados de acordo com o nº de categorias
abordadas.
Table 2. Distribution of results according to the number of categories
mentioned.
Respostas dos alunos
Pré-teste
Pós-teste
Não respondeu
39
14
Respondeu sem abordar nenhum
0
9
Aborda uma categoria
8
10
Aborda duas categorias
0
7
Aborda três categorias
0
7
Aborda quatro categorias
0
0
dos tópicos
4. Considerações
Em conclusão, considera-se a escolha da metodologia de
ensino, dos recursos e dos instrumentos uma boa opção
para a aprendizagem dos alunos, porque de uma maneira
geral, os alunos melhoraram do pré-teste ao pós-teste. A
melhoria está direta ou indiretamente influenciada pelo
trabalho docente desenvolvido e na forma como foram
delineadas e planificadas as aulas.
Certamente era necessário mais tempo e mais apoio na
aprendizagem dos alunos para se conseguir atingir o
sucesso, e obter participação efetiva de todos no trabalho.
Contudo, o tempo disponível para a abordagem que havia
a ser feita foi escasso e embora tenha ocorrido um
feedback do trabalho dos alunos, era necessário mais
tempo para nova reformulação e novo feedback que
certamente potencializaria resultados ainda melhores.
Referências
Allegrè, C., 1987. As fúrias da Terra. Relógio D´Água Editores, Lisboa,
211 p.
Autoridade Nacional de Proteção Civil. A proteção civil e os sismos,
http://www.proteccaocivil.pt/Pages/default.aspx (consultado em
01.03.2014).
Barret, T., Cashman, D., (Eds) 2010. A practitioner´s guide to enquiry
and Problem-Based Learning. UCD Teaching and Learning. Dublin,
49 p.
Câmara, F.M.V.R., 2010. Evolução das soluções de reabilitação recente
nos Açores motivada pela atividade sísmica. Tese de mestrado,
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (não publicada),
75 p.
Coutinho, C.P., 2011. Metodologia de investigação em Ciências Sociais e
Humanas: teoria e prática. Edições Almedina, Coimbra, 343 p.
Estêvão, J.M.C., Oliveira, C.S., 2001. Parâmetros que condicionam os
valores da casualidade sísmica. Atas do 5.º Encontro Nacional sobre
Sismologia e Engenharia Sísmica. Laboratório Nacional de
Engenharia Civil, Açores, 29-41.
Esteves, A.J., 2009. A investigação-ação. In: A.S. Silva, J.M. Pinto,
(Orgs). Metodologias das Ciências Sociais. Edições Afrontamento,
Porto, 15, 251 – 278.
Goodnough, K., Cahsion, M., 2003. Fostering inquiry through ProblemBased Learning. Science Teacher (Normal III), 79(9), 21-25.
Lambros, A., 2004. Problem-Based Learning in Middle and High School
Classrooms – A Teacher’s Guide to Implementation. Thousand Oaks:
Corwin Press, 136 p.
ME:DES - Ministério da Educação: Departamento do Ensino Secundário,
2001. Programas de Biologia e Geologia 10º ou 11º Anos: Curso
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias. Ministério da
Educação, Lisboa, 97 p.
Mooney, W.D., 2005. Previsão a curto e a longo prazo e alerta precoce de
sismos: Uma análise concisa. Flad e Público - O grande Terramoto de
Lisboa, 2, 23-60.
Nunes, C.I.M., 2009. Sismos: o lugar da resposta arquitetónica. Tese de
mestrado, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de
Coimbra (não publicada), 177 p.
Shearer, P.M., 1999. Introduction to seismology. Cambridge, New York,
260 p.
Soares, R., Teixeira, D., Roxo, A., 2013. ABRP no Ensino das Ciências Um estudo com alunos do 10º ano. In: Atas do Encontro sobre
Educação em Ciências através da Aprendizagem Baseada na
Resolução de Problemas. Braga, Portugal, 232-242.
Varum, H., s/data. Reabilitação e reforço sísmico de estruturas de betão
armado. Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Aveiro,
22 p.
Vasconcelos, C., 2011. Aprendizagem Baseada na Resolução de
Problemas no ensino da Geologia. Lição de Provas de Agregação em
Educação em Ciências. Braga: Instituto de Educação da Universidade
do Minho.
Vasconcelos, C., Almeida, A., 2012. Aprendizagem Baseada na
Resolução de Problemas no Ensino das Ciências: Propostas de
trabalho para Ciências Naturais, Biologia e Geologia. Coleção
Panorama. Porto Editora, Porto,127 p.
Download

O ensino da previsibilidade sísmica no ensino secundário