3740
Trabalho 392 - 1/3
CAPS: ESSE É UM CAMINHO
MELO, Raimunda Maria de1
PONTES, Andrezza Graziella Veríssimo2
BEZERRA, Fernanda Patrícia Fernandes3
LOPES, Sâmara Dalliana de Oliveira4
Descritores: Enfermagem. Saúde mental.
A Reforma Psiquiátrica - RP enquanto processo político e social veio para
transformar as práticas, saberes e valores sócio-culturais a fim de estruturar a
atenção à saúde mental visando à inserção do usuário psiquiátrico em uma
sociedade que, tanto outrora como nos tempos atuais, tem preconceitos para com
este. Através da RP ocorreu a quebra de alguns paradigmas que pregam, por
exemplo, o internamento e total isolamento do usuário de seus familiares e da
sociedade. O Centro de Atenção Psicossocial - CAPS é uma estratégia do
Sistema Único de Saúde - SUS, proposto pela RP, que visa promover o
tratamento clínico e a reintegração social das pessoas que sofrem de transtornos
mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros. O interesse pelo trabalho
surgiu através da observação direta e participativa na aplicação da dinâmica
“sonhando acordado”, mediante estágios da disciplina “Enfermagem no processo
saúde/doença do adulto em saúde mental”. Desta forma, objetivou-se analisar o
comportamento dos usuários do Hospital Municipal São Camilo de Lelis - HMSCL
e do CAPS II, Mossoró/RN, frente à dinâmica supracitada. Trata-se de um relato
de experiência vivenciado nos dias 28/07 e 04/08 de 2008 nos locais já referidos.
Para a realização da dinâmica, os usuários foram conduzidos a um ambiente
tranqüilo e confortável (os mesmos se acomodaram em colchonetes), lugar onde
tinha música instrumental a fim de proporcionar uma maior concentração e
relaxamento destes atores sociais. O percurso metodológico foi traçado a partir
Acadêmica da FAEN/UERN e Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET.
pazesolidariedade@hotmail.com
2
Docente da Faculdade de Enfermagem – FAEN, da Universidade do Estado do Rio Grande do
Norte – UERN. Especialista em Saúde da Família. andrezzagaze@hotmail.com
3
Acadêmica da FAEN/UERN. fernandapfb@hotmail.com
4
Acadêmica da FAEN/UERN e colaboradora do Programa de Educação Tutorial - PET.
saminhaenf@yahoo.com.br
1
3741
Trabalho 392 - 2/3
das seguintes etapas da dinâmica: apresentação dos participantes (passo ímpar
para a efetivação da dialógica); leitura da estória “a viagem numa nuvem”
acompanhada de fundo musical; construção de desenhos em folha ofício que
representavam
o pensamento dos usuários durante a segunda etapa;
interpretação e socialização da terceira etapa. A dinâmica foi aplicada com 36
usuários destes serviços sendo 21 do CAPS II e 15 internos da Unidade de
Cuidados Intensivos Feminina - UCIF do HMSCL, em cada grupo separadamente
para que se fizesse possível à detecção de diferentes atitudes, conceitos e
reações por parte dos usuários, onde foi possível captar os dados. Os resultados
do referido estudo traçam um paralelo entre o comportamento dos usuários da
UCIF do HMSCL e aqueles atendidos no CAPSII. Neste sentido, percebeu-se na
primeira etapa que durante a identificação dos participantes da dinâmica os
internos do HMSCL se identificavam com o nome completo, entende-se que esta
pode ser uma estratégia utilizada por eles para provar algum grau de lucidez, já
os do CAPS II se identificavam da forma mais comum referindo apenas o primeiro
nome, bem como o tempo de tratamento nesse ambiente e o que achavam da
família CAPS II. Na segunda etapa evidenciou-se que o nível de atenção dos
usuários do HMSCL foi inferior àqueles do CAPS II, pois os primeiros
permaneceram inquietos e desatentos, um dos fatores que contribuiu para esta
realidade é o arsenal de fármacos que estes ingerem, enquanto que os segundos
atenderam a estratégia da dinâmica, fechando os olhos e concentrando-se na
leitura, uma vez que o atendimento diferenciado na rede CAPS colabora para a
diminuição do uso dos fármacos. Vale salientar, que os fármacos utilizados na
saúde mental são de grande importância para o tratamento das neuroses e
psicoses, contudo o objetivo das ações desenvolvidas no CAPS não se limita ao
uso dos fármacos, mas a ações que promovem o cuidado integral e a promoção
da inserção social. A partir da construção dos desenhos e da interpretação destes
observou-se que os internos do HMSCL desejavam a volta para casa, a saída do
hospital, representada pelos desenhos de seus lares, de borboletas (que
simbolizava a liberdade) e do encontro deles com suas famílias (muitos referiram
sentir saudade de seus filhos). De acordo com a análise dos desenhos percebeuse que o hospital era visto como uma prisão que bloqueia o acesso destes às
coisas importantes em suas vidas, além de contribuir para que estes percam a
3742
Trabalho 392 - 3/3
noção de tempo e espaço. Entre os desenhos construídos pelos participantes do
grupo jovem do CAPS II visualizou-se: amor pela família, religiosidade, música
(representada por aparelhos de som e teclado) e livros (representando o gosto
pela leitura). É importante ressaltar que a maioria dos desenhos e as falas dos
atores sociais em questão expressavam que a fé, a equipe CAPS e o apoio
familiar
são
alicerces
necessários
para
a
reabilitação. Além
disso,
a
musicoterapia, enquanto recurso utilizado pelo CAPS II, também é de relevância
singular no tratamento destes usuários, pois ela instiga-os a um encontro do
sujeito consigo mesmo. Nesse ínterim, a RP que culminou no surgimento dos
CAPS, enquanto ambiente terapêutico, vem mostrando que é possível tratar o
indivíduo com transtornos mentais no meio social, fora de muralhas que os
segregam daqueles considerados “normais”. Tal estratégia proporciona àquele
uma reinserção social, boa qualidade de vida, aumentando as suas habilidades
para o auto-cuidado e, conseqüentemente, gerando um maior grau de autonomia,
que incorpora tanto os recursos da família e da comunidade, buscando criar com
tudo isso uma rede de apoio social. Bibliografias: BRASIL, Ministério da Saúde.
Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: MS,
2004. BRASIL, Ministério da Saúde. Memória da Loucura. Brasília: MS, 2004.
FERREIRA FILHA, Maria de Oliveira; SILVA, Ana Tereza Medeiros. Saúde Mental
e Reforma Psiquiátrica: uma Abordagem Psicossocial. Disponível em:
<http://www.adufpb.org.br/publica/conceitos/08/art_15.pdf>. Acesso em: 17/08/08.
Download

61o. Congresso Nacional de Enfermagem